sábado, 29 de setembro de 2012

Alguém Tem Que Ceder

Harry Langer (Jack Nicholson) é um executivo milionário da indústria da música que gosta de se relacionar com garotas bem mais jovens do que ele. Sua namorada Marin (Amanda Peet), que tem idade para ser sua filha, decide então lhe apresentar sua mãe, Erica (Diane Keaton) em sua casa de praia. Durante a visita porém Harry começa a passar mal e sofre uma parada cardíaca. Sob os cuidados de Erica e do médico boa pinta Julian (Keanu Reeves) ele começa a se recuperar. De repente nota que está começando a se interessar romanticamente pela mãe de sua namorada! Erica, por sua vez, também está começando a se interessar por um homem mas não por ele e sim pelo jovem médico bonitão. Sem perceber acaba se formando um triângulo amoroso entre todos eles. "Alguém Tem Que Ceder" é uma comédia romântica com excelente elenco que tenta vender esse gênero para um público mais maduro. Jack Nicholson dá uma pausa em seus personagens mais introspectivos e profundos para surgir em cena na pele do cafajeste Harry, um sujeito bem vazio que gosta mesmo é de um bom rabo de saia juvenil. Ao se deparar com uma mulher mais velha, interessante e atraente, ele acaba repensando sua própria forma de ver as mulheres. Pronto para uma nova experiência ele tenta conquistar a mãe de sua jovem namorada, o problema é que para ser bem sucedido vai ter que vencer a competição com o médico interpretado por Keanu Reeves (novamente disponibilizando ao seu público mais uma atuação ao seu estilo, ou seja, bem medíocre).

Quem segura as pontas do filme mesmo é a dupla Nicholson e Keaton. Ex-musa de Woody Allen aqui Diane Keaton surge bem mais bonita, sofisticada, com belo figurino. Sua química ao lado do velho Jack funciona muito bem e juntos são responsáveis pelos melhores momentos do filme que, apesar de não ser uma maravilha, funciona como bom passatempo descompromissado, especialmente recomendado para mulheres mais maduras que conservam seu romantismo intacto. A diretora e roteirista Nancy Meyers optou por algo bem leve, soft. Evita apelar para o dramalhão e realiza uma boa crônica de costumes, com ênfase nos relacionamentos em que há uma grande diferença de idade entre os envolvidos (geralmente homens bem mais velhos com mulheres jovenzinhas). O saldo final é agradável, além do mais é sempre um prazer renovado rever o grande Jack Nicholson, mesmo que seja em filmes considerados menores de sua rica filmografia.

Alguém Tem Que Ceder (Something's Gotta Give, EUA, 2003) Direção e Roteiro: Nancy Meyers / Elenco: Jack Nicholson, Diane Keaton, Amanda Peet, Keanu Reeves, Jon Favreau, Michael J. Fox. / Sinopse: Harry Langer (Jack Nicholson) é um homem bem mais velho que namora a jovem Marin (Amanda Peet) mas acaba se apaixonando por sua mãe, a bela e madura Erica (Diane Keaton).

Pablo Aluísio e Júlio Abreu. 

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Prometheus

Quando “Prometheus” foi anunciado as expectativas em fãs do gênero Ficção ficaram altas. Não era para menos. Era o retorno de Ridley Scott a um universo do qual ele já legou grandes filmes na história do cinema. Além disso havia uma tênue ligação entre essa produção e a série Aliens (que se confirma na cena final do filme). Pois bem, passado a euforia inicial o que sobrou após sua exibição é o gosto amargo da decepção. Eu queria gostar do filme, queria muito, mas foi impossível. “Prometheus” até começa bem, o argumento é intrigante, não há como negar: uma expedição científica vai até uma região remota do universo em busca de pistas sobre a origem da humanidade. Pesquisadores estudaram antigos registros arqueológicos de diferentes civilizações e todas elas apontavam para um lugar específico do cosmos. E é justamente para lá que um grupo de pesquisadores parte em busca das origens da raça humana na terra. Já deu para perceber que no fundo estamos diante de uma derivação de uma tese muito conhecida dentro da ufologia que defende que os humanos no fundo descendem de astronautas vindos de outros planetas. Essa teoria ficou bastante conhecida do público em geral por causa do livro “Eram os Deuses Astronautas?” de Erich Von Däniken. Como se pode perceber a premissa é muito boa mas infelizmente o desenvolvimento é de amargar. O roteiro não tem sutileza, é muito fantasioso, cheio de furos e ignora aspectos óbvios ao longo do filme. Em nenhum momento se desenvolve melhor a própria exploração naquele distante ponto do universo. Tudo é mal desenvolvido, mal explorado. O texto é realmente péssimo. Os diálogos são constrangedores e o script mal escrito. A única coisa que se salva é o aspecto técnico visual da produção. De fato pode-se dizer que “Prometheus” é um filme bonito de se ver mas isso adianta alguma coisa quando não há nenhum conteúdo por trás?

Esqueça qualquer esperança de encontrar um roteiro inteligente pela frente. “Prometheus” só consegue ser grotesco no final das contas. Os membros do grupo, que supostamente deveriam ser pessoas cultas e preparadíssimas para uma missão tão importante, não passam de ignóbeis que se comportam como adolescentes bobocas. Falam palavrões, um atrás do outro e não demonstram qualquer conduta científica ou profissional em nenhum momento. A caracterização e o desenvolvimento do roteiro são mal feitos. Como se não bastasse os personagens são totalmente desprovidos de carisma. Sem um foco o público logo deixa de se importar com o que acontece com eles em cena. Nenhum papel é marcante e os atores não parecem muito interessados. Há cenas que deveriam ser supostamente impactantes mas que só conseguem dar vergonha alheia (como a da auto-cirurgia para retirada de um monstro espacial em forma de lula do ventre de uma tripulante). Em outra sequência ainda mais estúpida um biólogo espacial acha uma “gracinha” uma criatura que surge no meio de uma caverna sinistra. Sua atitude é sem noção e totalmente inverossímil. Essas situações mal escritas, mal executadas, vão minando a credibilidade de “Prometheus” aos poucos. O que parecia ser muito promissor acaba desbancando para o infantilóide, para a irrelevância. Cientificamente o filme é uma piada. Nada do que se vê na tela pode ser levado minimamente à sério nesse sentido. Nenhuma ideia do roteiro dará margem a qualquer tipo de debate sério. Sendo sincero é um filme de monstros infanto-juvenil com verniz de falsa profundidade. O resultado final, não há como negar, é bem decepcionante. Filme fraco em essência, vazio, metido a intelectual (sem ser) e que só causa decepção em quem assiste. Não é inteligente, não é profundo, não é nada, é apenas uma tremenda bobagem decepcionante. Que decepção Sr. Ridley Scott!

Prometheus (EUA, 2012) Direção: Ridley Scott / Roteiro: Jon Spaihts, Damon Lindelof / Elenco: Charlize Theron, Michael Fassbender, Noomi Rapace, Patrick Wilson, Idris Elba, Guy Pearce, Rafe Spall, Logan Marshall-Green, Kate Dickie, Sean Harris, Emun Elliott, Vladimir "Furdo" Furdik / Sinopse: Expedição científica vai a um lugar remoto do universo em busca das origens da humanidade.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Minhas Mães e Meu Pai

"Minhas Mães e Meu Pai" é uma tentativa do cinema americano de entender as novas relações sociais e familiares que se disseminaram na sociedade atual. Aquela velha estrutura do pai dominador e da mãe submissa em um lar tradicional hoje em dia tem suas bases abaladas. A família monoparental, os laços homoafetivos e as diversas entidades familiares de pais divorciados que se formam novas famílias tem colocado por terra o modelo conservador de família ao qual os mais velhos se habituaram. A estória do filme reflete bem os meios alternativos de relacionamentos em que vivemos nos dias de hoje. O núcleo central do roteiro é formado por um casal de lésbicas, interpretadas com muito brilho por Julianne Moore e Annette Bening. Juntas elas tentam criar um casal de adolescentes, Joni (Mia Wasikowska) e Laser (Josh Hutcherson). O pai biológico de ambos é desconhecido e como estão prestes a entrar na universidade, o que lhes dará um novo rumo em suas vidas, decidem descobrir quem ele é, o que faz da vida, o que pensa. A procura pelo pai ausente acaba abalando a harmonia familiar de todos eles.

O curioso é que o filme não tenta criar dramalhões desnecessários em sua trama central. As mães não são retratadas como pessoas com algum tipo de problema comportamental ou algo do tipo. Pelo contrário, são mulheres normais, donas de seus destinos, produtivas em sua comunidade. Essa visão é um dos pontos mais positivos do roteiro pois mostra um casal homoafetivo sem qualquer estigma ou preconceito. Afora o fato de serem lésbicas e de seus filhos desejarem conhecer seu pai biológico que apenas doou seu material genético para o nascimento dos filhos, não há nada de anormal ou bizarro na família mostrada no filme. "Minhas Mães e Meu Pai" nasceu para um público pequeno, setorizado, mas logo chamou a atenção da crítica americana. Levado pela propaganda boca a boca a produção também foi contabilizando ótima bilheteria. O mais surpreendente é que acabou sendo indicado aos principais prêmios da Academia, entre eles Melhor Filme e Melhor Roteiro Original. A dupla central de atrizes também foi indicada aos principais prêmios, sendo que Annette Bening acabou vencendo na categoria Melhor Atriz no prestigiado Globo de Ouro. Em conclusão aqui está uma ótima produção, leve, divertida e socialmente consciente, que tenta entender os rumos que a família como entidade principal da sociedade vem tomando. Está mais do que indicado.

Minhas Mães e Meu Pai (The Kids Are All Right, EUA, 2010) Direção: Lisa Cholodenko / Roteiro: Lisa Cholodenko e Stuart Blumberg / Elenco: Julianne Moore, Annette Bening, Mark Ruffalo, Mia Wasikowska, Josh Hutcherson / Sinopse: Os dois filhos adolescentes de um casal de lésbicas decide encontrar o paradeiro de seu pai biológico antes que entrem na universidade e suas vidas tomem um novo rumo.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Resident Evil: Condenação

Título no Brasil: Resident Evil – Condenação
Título Original: Biohazard - Damnation
Ano de Produção: 2012
País: Estados Unidos, Japão
Estúdio: Sony Pictures Entertainment
Direção: Makoto Kamiya
Roteiro: Makoto Kamiya
Elenco: Courtenay Taylor, Matthew Mercer, Robin Sachs
  
Sinopse:
Em uma ex-República da União Soviética assolada por uma guerra civil, as tropas rebeldes decidem, em desespero, apelar para o uso de armas biológicas em suas forças. O problema é que tudo logo foge ao controle disseminando entre a população uma terrível praga, transformado a todos em zumbis. No meio do caos um agente americano tenta sobreviver pelas ruas da capital, sendo caçado pelos rebeldes e forças do governo.

Comentários:
“Resident Evil – Condenação” é mais uma produção digital dos estúdios Sony. Se você gostou de “Tropas Estelares – Invasion” certamente vai gostar desse aqui também já que o conceito é praticamente o mesmo: a adaptação em alta tecnologia digital de uma franquia de terror bem sucedida no cinema convencional. Como a Sony é a detentora dos direitos autorais de todas essas séries ela tem ousado na transposição dessas estórias para a animação puramente digital. Os resultados tem se mostrado bem satisfatórios pois assim como ocorreu com Tropas Estelares esse aqui também se revela como um produto muito bem realizado, extremamente bem feito no aspecto técnico e pasmem, com roteiros bem escritos, muitas vezes melhor até do que os dos filmes das franquias originais! Aqui por exemplo há toda uma preocupação em explicar o cenário político do país, com uma introdução longa e muito bem realizada para que o espectador se situe na estória em termos de localização geográfica e contexto histórico. Além desse cuidado o filme ainda disponibiliza aos que gostam de monstros vários tipos de criaturas, cada uma mais bem idealizada do que a outra. A novidade para os fãs de Resident Evil é o surgimento de mega zumbis gigantes com  força sobrenatural. Já os zumbis tradicionais, aqueles que estamos acostumados a ver nos filmes, estão em menor número e aparecem bem pouco para falar a verdade, o que é bem-vindo pois acredito que aquele tipo já está mais do que ultrapassado e saturado. Por fim, e nunca é demais chamar a atenção para esse fato, a animação é do mais alto nível. Detalhes como os fios de cabelos dos personagens se mexendo ao sabor do vento são bem nítidos. Tudo é extremamente bem realizado. Para falar a verdade no final das contas gostei bem mais desse “Condenação” do que o último filme da franquia Resident Evil. Aqui pelos menos temos mais situações diferentes e  tramas paralelas mais bem criadas e desenvolvidas. Assim fica a dica, “Resident Evil – Condenação”, uma boa pedida para os fãs dessa série de terror.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

O Homem Que Odiava as Mulheres

Na década de 1960 uma série de mortes envolvendo jovens mulheres coloca a polícia em alerta. A imprensa logo denomina o novo serial killer de "O Estrangulador de Boston" por causa da forma que mata suas vítimas. Após várias investigações finalmente se chega ao principal suspeito dos crimes: Albert de Salvo (Tony Curtis). História baseada em fatos reais. O interessante nesse "O Homem que Odiava as Mulheres" é que ele foi feito ainda no calor dos acontecimentos, o serial killer tinha acabado de ser preso e ainda nem havia ido a julgamento. Havia todo um debate se ele era ou não mentalmente capaz de ir para o tribunal do juri por seus crimes. Curioso é que assisti também um filme feito recentemente sobre o mesmo caso. Hoje, por exemplo, há sérias dúvidas se o homem que foi preso pela policia era o verdadeiro assassino. Muito se especula e grande parte dos especialistas entende que Albert de Salvo foi apenas um bode expiatório arranjado pelo departamento de policia para aliviar a pressão popular sobre si. No filme isso não aparece. Ele é mostrado como o serial killer, indiscutivelmente. Na verdade o próprio De Salvo se beneficiou diretamente desse filme pois ganhou muito com os lucros do uso de sua história. Isso indignou tanto os familiares das vítimas que foi aprovada uma lei depois proibindo esse tipo de comercialização sobre crimes violentos.

Deixando esses detalhes de lado é bom deixar claro que apesar de ser estrelado por Tony Curtis o filme é todo de Henry Fonda, trazendo uma dignidade enorme ao seu papel (ele faz o chefe da operação de caça ao criminoso). Grande ator, prova todo seu talento em cada diálogo. Nas cenas de interrogatório fica claro a diferença de grandeza entre ele e Tony Curtis, que apesar do esforço não consegue ficar à altura do papel. Nas cenas em que aparece perturbado mentalmente sua falta de preparo aparece nitidamente. Sinceramente não deu para o Curtis. Nas mãos de um grande ator roubaria o filme de Fonda, como isso não acontece só resta ao veterano dominar completamente a cena. O diretor Fleischer optou por um tom quase documental, com muito uso de câmera subjetiva para colocar o espectador no centro dos acontecimentos. O filme assim se torna bem interessante para pessoas que estudam o tema envolvendo matadores em série. Vale a pena ser conhecido.

O Homem que Odiava as Mulheres (The Boston Strangler, EUA, 1968) Direção: Richard Fleischer /  Roteiro: Edward Anhalt baseado no livro de Gerold Frank / Elenco: Tony Curtis, Henry Fonda, George Kennedy, Mike Kellin e Hurd Hatfield / Sinopse: Na década de 1960 uma série de mortes envolvendo jovens mulheres coloca a polícia em alerta. A imprensa logo denomina o novo serial killer de "O Estrangulador de Boston" por causa da forma que mata suas vítimas. Após várias investigações finalmente se chega ao principal suspeito dos crimes: Albert de Salvo (Tony Curtis). História baseada em fatos reais.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Os Irmãos Cara de Pau

Nós éramos felizes nos anos 80 e não sabíamos. A década, que deixou muitas saudades nos tiozinhos e tiozinhas de hoje, foi extremamente rica em termos de cultura pop, embora muito lixo tenha sido produzido em abundância também. De qualquer forma sair da ultra kitsch década de 70 e da influência abrangente dos anos 60 já era um bom começo. A trilha sonora do filme The Blues Brothers (estupidamente traduzida no Brasil como "Os irmãos Cara de pau") demonstra como era rico o cenário musical e cinematográfico daqueles anos distantes. Afinal em que outra década você encontraria uma trilha sonora tão musicalmente maravilhosa em termos de sonoridade como essa? O filme é aquele negócio: comédia ultra exagerada com o  comediante do Saturday Night Live, John Belushi, aqui acompanhado de seu amigo de trupe Dan Aykroyd. A dupla do filme inclusive foi criada para esse famoso programa de humor dos EUA (que ainda está no ar, mesmo depois de tantos anos). No programa eles tinham um quadro básico, até mesmo simples, onde apresentavam números musicais vestidos de blueseiros brancos com cara de mau.  Quando se decidiu levar a idéia para a tela grande um novo roteiro foi escrito e o diretor John Landis foi contratado. Novas situações foram criadas e uma estória foi bolada para os dois irmãos. O filme pode até não ter nada demais em termos de roteiro e argumento mas seu charme até hoje é inegável. Quem nunca se divertiu com as aventuras dos irmãos Elwood que atire a primeira pedra!

O grande mérito do projeto The Blues Brothers  porém realmente vem do lado musical. O time de grandes músicos que foram contratados para participar do filme até hoje impressiona: Ray Charles, Aretha Franklin e James Brown, entre outros. A cena de James Brown inclusive é hilária, fazendo um pastor de igreja cheio de estilo e ginga! Ray Charles também não fica atrás protagonizando certamente um de seus melhores momentos no cinema. Impagável. De Aretha Franklin nem precisamos perder tempo comentando, pois a grande diva da música negra é simplesmente fenomenal. A razão de tanta gente boa ter sido reunida em um só disco vem diretamente da insistência do próprio John Belushi em reunir um grupo de craques para cantar na trilha sonora. Belushi era apaixonado por música e mantinha um velho sonho de se tornar cantor, formar uma banda de rock - blues e fazer sucesso. Embora sua trajetória tenha sido curta ele realmente conseguiu esse feito, mesmo que de maneira indireta, pois o The Blues Brothers alcançou grande êxito comercial levando essa trilha a alcançar grande sucesso de vendas quando foi lançada (um fato raro certamente, trilhas sonoras de comédias não costumavam nem frequentar a lista da Billboard);

Infelizmente um dia a festa tinha que chegar ao fim... e chegou. John Belushi, o grande mentor do The Blue Brothers, morreu de overdose de drogas em 1982, sem nem ao menos curtir todo o seu merecido sucesso como comediante. Em uma vida de excessos Belushi resolveu experimentar uma mistura de cocaína com heroína, após curtir uma semana de farras em seu apartamento. O coração não aguentou e o humorista faleceu na flor da idade, com uma imensa carreira ainda pela frente que se perdeu para sempre. Foi a primeira grande vítima do sucesso nos anos 80. Não faz mal, trabalhos como esse The Blues Brothers lhe garantiram a imortalidade.

The Blues Brothers - Trilha Sonora
01. "She Caught The Katy" - The Blues Brothers / Jake Blues
02. "Theme Peter Gunn" - The Blues Brothers Band
03. "Gimme Some Lovin'" - The Blues Brothers / Jake Blues
04. "Shake a Tail Feather" - Ray Charles / The Blues Brothers
05. "Everybody Needs Somebody to Love" - The Blues Brothers
06. "The Old Landmark" - James Brown / Coro do Rev. James Cleveland
07. "Think" - Aretha Franklin / The Blues Brothers
08. "Theme From Rawhide" - The Blues Brothers
09. "Minnie the Moocher" - Cab Calloway / The Blues Brothers Band
10. "Sweet Home Chicago" - The Blues Brothers
11. "Jailhouse Rock" - Jake Blues / The Blues Brothers

Os Irmãos Cara de Pau (The Blues Brothers, EUA, 1980) Direção: John Landis / Roteiro: John Landis, Dan Aykroyd / Elenco: John Belushi, Dan Aykroyd, Carrie Fisher, John Candy, Ray Charles, James Brown / Sinopse: Dois imrãos, cantores de blues, decidem ajudar o orfanato onde foram criados. Para isso terão que reunir sua antiga banda, os Blues Brothers.
.
Pablo Aluísio e Erick Steve.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Os Vingadores

É o sonho realizado de todo fã das histórias em quadrinhos da Marvel. Unir todos os seus principais personagens em apenas um filme. Até porque se deu certo no próprio universo dos gibis não seria diferente em sua adaptação para as telas. De fato o filme é muito bem realizado, divertido, com roteiro esperto que não tenta ser o que não é, além de manter bem nítido e vivo o espírito da obra original. Não é pretensioso, não é metido a ser intelectual e nem tenta reinventar a roda. “Os Vingadores” é assim um bom comic filmado. Quando o projeto foi anunciado a primeira coisa que pensei foi que seria muito complicado dar conta de tantos personagens em um só filme de forma que não ficasse cada um deles vazio e disperso. O filme tenta contornar isso mantendo um ritmo ágil, tentando mostrar um pouquinho de cada um deles, criando cenas em que suas personalidades apareçam no filme. Alguns com mais destaque e outros com menos. Para enfrentar tantos super-heróis de uma vez só o argumento obviamente pedia um super-vilão, ou uma reunião de todos eles. O caminho encontrado foi destacar o velho e bom Loki (Tom Hiddleston) do universo de Thor (Chris Hemsworth) que se une a uma raça alienígena para dominar o planeta Terra. Embora essa coisa de “dominar o mundo” seja meio démodé até que funciona bem aqui. O importante ao espectador é aproveitar a pipoca enquanto vai se divertindo com os acontecimentos na tela, tudo sem muita pretensão pois se formos pensar muito a diversão acaba sendo estragada.

Na luta para ganhar espaço entre tantos personagens queria destacar apenas um detalhe que achei importante. O roteiro abriu espaço demais para dois personagens que em si são secundários demais dentro desse universo da Marvel. Em minha opinião foi dado tempo demais para a Viúva Negra (Scarlett Johansson) e o Gavião Arqueiro (Jeremy Renner). Como esses dois atores tem maior status em Hollywood do que alguns dos que interpretaram os demais heróis o roteiro se preocupou demais em criar uma base para ambos. Suas cenas são chatas e demasiadamente longas. Certamente o mais prejudicado de todos eles foi o Capitão América (Chris Evans), que surge sem maior importância no meio de tudo o que vemos na tela. Talvez se o Chris Evans tivesse um agente melhor do que a Scarlett as coisas teriam sido melhores para o filme em geral. Enfim é isso. “Os Vingadores” é um produto puramente pop, feito para fãs dos gibis que já ganharam há muito tempo seu próprio espaço na cultura ocidental. É uma produção que só pode ser encarada como diversão descompromissada mesmo. Aliás esse aspecto despretensioso é a melhor coisa do filme. Seu sucesso de bilheteria estrondoso já garante futuras aventuras com o grupo – isso inclusive está bem claro no final aberto da produção. Agora só nos resta esperar por mais aventuras desses personagens tão carismáticos e tão caros para a nossa cultura pop.

Os Vingadores (The Avengers, EUA, 2012) Direção: Joss Whedon / Roteiro: Joss Whedon / Elenco: Robert Downey Jr, Chris Evans, Chris Hemsworth, Mark Ruffalo, Scarlett Johansson, Samuel L. Jackson, Jeremy Renner, Stellan Skarsgård, Cobie Smulders, Gwyneth Paltrow, Tom Hiddleston / Sinopse: Homem de Ferro (Robert Downey Jr.), Capitão América (Chris Evans), Thor (Chris Hemsworth), Gavião Arqueiro (Jeremy Renner), Hulk (Mark Ruffalo), Viúva Negra (Scarlett Johanson) e Nick Fury (Samuel L. Jackson) se unem para salvar a Terra de uma invasão de um poderoso exército alienígena comandado pelo vilão Loki  (Tom Hiddleston).

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

As Bruxas de Eastwick

Título no Brasil: As Bruxas de Eastwick
Título Original: The Witches of Eastwick
Ano de Produção: 1987
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: George Miller
Roteiro: Michael Cristofer
Elenco: Jack Nicholson, Cher, Susan Sarandon, Michelle Pfeiffer
  
Sinopse:
Três lindas mulheres, Alexandra (Cher), Jana (Susan Sarandon) e Sukie (Michelle Pfeiffer) moram numa pequena cidade da Nova Inglaterra chamada Eastwick. Suas vidas estão dominadas por uma rotina tediosa e maçante e suas vidas amorosas se encontram em frangalhos. Entediadas acabam clamando pelo aparecimento de um homem ideal que venha suprir o vazio de suas vidas. E eis que após uns dias ele surge mesmo na cidade. Daryl Van Horne (Jack Nicholson) é um rico e excêntrico forasteiro que chega no local para virar a vida dos moradores de ponta cabeça. Mas afinal quem ele é realmente? Filme indicado ao Oscar na categoria Melhor Som (Wayne Artman, Tom Beckert) e Melhor Música (John Williams).

Comentários:
Filme que mescla humor, romance e pitadas de terror que fez muito sucesso nos anos 80. "As Bruxas de Eastwick" continua muito charmoso mesmo após tantos anos. Seu roteiro é envolvente e nunca deixa o filme cair no marasmo. A direção é segura, provando que George Miller realmente era realmente um cineasta talentoso que conseguia transitar bem em praticamente todos os gêneros cinematográficos. Muitos não acreditavam que o mesmo diretor que havia dirigido "Mad Max" se sairia bem filmando esse roteiro que tinha um toque mais sutil e sofisticado. Estavam todos errados. Com o apoio de um ótimo elenco o diretor acabou rodando um pequeno clássico dos anos 80. Não precisa ser muito inteligente para entender que Eastwick é um filme cuja força vem da interpretação inspirada de Jack Nicholson. Interpretando o magnata Daryl Van Horne o ator nunca deixa o filme cair. Usa e abusa de sua caracterização, passando a sensação ao espectador de que acima de tudo ele está se divertindo como nunca nesse papel. As três atrizes (Cher, Pfeiffer e Sarandon) também estão muito bem, cada uma procurando explorar bem sua própria personalidade nas telas. Do elenco feminino porém achei a cantora e atriz Cher um pouco apagada, principalmente se formos lembrar de outras atuações fortes dela - as comparações deixam isso bem claro. Afinal ela teve que dividir espaço com Nicholson e suas duas companheiras em cena. Tecnicamente falando "As Bruxas de Eastwick" também não envelheceu em demasia. Como é uma obra baseada em interpretações (e não apenas em efeitos especiais) esses só ganham maior importância no final do filme, mas mesmo assim são discretos e pontuais o que ajudou bastante ao filme vencer o teste do tempo. A produção inclusive foi premiada com o BAFTA de melhores efeitos especiais daquele ano. Enfim, "As Bruxas de Eastwick" sobreviveu bem ao tempo e hoje é uma boa amostra do cinema de fantasia da década de 1980. Vale a pena ver e rever sempre que possível.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Os Amores de Shirley MacLaine

Durante anos ela foi a queridinha de Hollywood. Irmã mais velha do astro Warren Beatty ela entrou pela porta da frente no seleto grupo de grandes astros do cinema. Apesar disso nunca conseguiu ser muito próxima do próprio irmão, pessoa que ela aliás admite não gostar muito. Na juventude Shirley fazia o estilo "garota sapeca" e seu jeito terno lhe rendeu vários personagens inesquecíveis. Essa imagem angelical porém escondia um verdadeiro furacão nos bastidores. MacLaine colecionou amores e namorados famosos em sua passagem por Hollywood e hoje aos 76 anos não tem mais medo de confessar as histórias de alcova que viveu. Em recente entrevista a um popular programa de TV nos EUA Shirley MacLaine resolveu contar alguns segredos da elite da capital do cinema mundial. "Eu tive muitos casos amorosos em minha vida, com atores, diretores e produtores famosos. Em Hollywood muita gente dormia com todo mundo. Já cheguei a ir para cama com três homens diferentes numa só noite! Era assim que as coisas aconteciam. Havia muitas festas e muito sexo! Eu já namorei muitos atores famosos, verdadeiros astros das telas". Nas festas após as premiações as trocas de casais era um fato comum relembra a atriz.

Um de seus romances mais famosos e indefinidos foi com o ator Robert Mitchum com o qual contracenou em "Dois na Gangorra". Shirley recorda: "Ele era mais velho do que eu mas eu me apaixonei por ele. Por trás da fachada de sujeito durão havia um coração de ouro. Era uma pessoa muito romântica". Embora gostasse sinceramente de Mitchum acabou se casando com outro homem, o produtor Steve Parker. Isso porém não a impediu de buscar por novos casos amorosos. Seu casamento acabou sendo do tipo aberto pois assim como ela tinha amantes, ele também tinha as suas. "Na minha juventude eu tinha muitos casos e muitas escapadas sexuais. Alguns eram bem famosos mas também eram amantes terríveis, ruins de cama mesmo". Para esses Shirley, por pura educação, evita citar nomes. "Dos meus casos com astros famosos o que mais me marcou foi meu longo relacionamento com Mitchum. Ficamos juntos até o dia de sua morte. Outro que tenho saudades é Yves Montand, uma pessoa muito fina e elegante".

Mesmo gostando dos dois namorados, MacLaine não diminuiu seu interesse para com o sexo oposto e acabou se tornando bem eclética em suas escolhas, como ela mesma gosta de dizer. Chegou a namorar pessoas bem diferentes entre si, como o comediante Danny Kaye e o ministro das relações exteriores Andrew Peacock. Já em relação a outros atores com quem trabalhou MacLaine desmente qualquer envolvimento amoroso. "Eu achava Jack Lemmon um doce, um amor, mas nunca tive nada com ele realmente". Por ser muito festeira e gostar de embalos MacLaine acabou entrando para o grupinho de Frank Sinatra que ainda contava com Dean Martin e Sammy Davis Jr. "Virei a mascote da turma. Nos divertimos muito naqueles anos". Também cultivou uma longa amizade com a diva Elizabeth Taylor, que classificava como "um amor de pessoa". O único ator que MacLaine diz ter sentido receio em se relacionar em sua longa história em Hollywood foi Jack Nicholson! "Ele realmente é um sujeito perigoso, as mulheres devem ter cuidado com Jack" - completa sorrindo. Hoje em dia MacLaine está sozinha e feliz e diz preferir a companhia de animais de estimação. "Dão menos trabalho do que os homens" finalizou.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte II

Se o anterior deixa muito a desejar esse aqui, o filme final dessa franquia de extremo sucesso, fecha com chave de ouro as adaptações dos livros do famoso bruxinho bretão. O enredo tem uma fluência bem mais desenvolvida e o interesse pela estória que chega ao final de forma definitiva mantém o interesse do espectador. Ao contrário do anterior que parece não caminhar para lugar nenhum esse episódio final vem para amarrar todas as pontas soltas dando uma conclusão acima da média para a saga. Eu realmente havia detestado o filme anterior (o único de toda a franquia que achei muito fraco e tedioso) mas desse capítulo final gostei e saí plenamente satisfeito da sala de exibição. Depois da pasmaceira anterior finalmente Harry Potter voltou a ser divertido, com boa ação e ótimos efeitos especiais. O roteiro é enxuto, sem excessos e sem "barrigas" (que foi a marca registrada do primeiro Relíquias).

Os atores continuam com carisma e os vilões (em especial o Lord das trevas) está finalmente presente em grande parte do filme. Apreciei especialmente a reviravolta envolvendo Severus Snape, Dumbledore e o passado não contado da familia de Harry Potter. O final também me agradou embora pensei que a escritora fosse levar tudo às últimas consequências (o que de fato não ocorreu, o que entendo pois a autora não queria traumatizar toda uma geração). Por fim a cena final com os três atores 19 anos depois foi bem divertida e bem feita (menos Hermione que não envelheceu nada!). Valeu, foi uma boa despedida da franquia que fiz questão de ver no cinema para se despedir com grande estilo. Vai deixar saudades pois já havia se tornado uma espécie de tradição esperar pelos filmes e acompanhar toda a reação que eles causavam, principalmente nos fãs, tão ardorosos e dedicados. Infelizmente nada é para sempre e a estória chegou ao fim. Resta o consolo de saber que em geral todos os filmes foram muito bons (exceto o anterior a esse), fizeram sucesso e caíram no gosto do público, fã ou não. Espero que em breve tenhamos outra franquia tão boa quanto essa.

Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte II (Harry Potter and The Deathly Hallows: Part II, EUA, 2011) Direção: David Yates / Roteiro: Steve Kloves baseaod na obra de J.K. Rowling / Elenco: Daniel Radcliffe, Emma Watson, Rupert Grint, Helena Bonham Carter, Ralph Fiennes, Alan Rickman, Bonnie Wright, Tom Felton, Maggie Smith, Jim Broadbent. / Sinopse; Último filme da franquia Harry Potter onde ele finalmente encontrará seu destino.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte I

Harry Potter (Daniel Radcliffe), Rony (Rupert Grint) e Hermione (Emma Watson) deixam a Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts para trás e saem em busca das Horcruxes,  objetos mágicos que armazenam fragmentos da alma. Eles foram criados pela vião Voldemort. A saga Harry Potter começa a chegar ao seu final. Esse aqui é a primeira parte da conclusão da franquia que foi desde o seu lançamento um grande sucesso de publico e crítica. Infelizmente o que se nota nesse primeiro episódio é que temos trama de menos para metragem demais. O filme muitas vezes cai no vazio completo simplesmente por não ter nada a contar. O correto certamente seria a realização de um só filme em cima do livro "Harry Potter e as Relíquias da Motte" mas a ganância do estúdio resolveu partir o texto ao meio, deixando os eventos mais importantes para o segundo filme, o que levou esse aqui para um limbo terrível onde nada é concluído, deixando apenas um monte de pontas soltas para o final. É basicamente a velha fórmula dos antigos seriados ao estilo Flash Gordon que deixava o espectador em um momento crucial de perigo para retornar na semana seguinte e conferir a conclusão. 

Diante de um roteiro pela metade não há como fugir do inevitável. O filme se torna muito arrastado, beirando a chatice completa. A fotografia é muito escura, o que não é nada bom para um filme que se apresenta enfadonho. A produção tem pouca ação e os atores falham em tentar transmitir algum tipo de sentimento interior profundo. O diretor foi muito pretensioso e deixou a aventura, marca registrada da franquia, um tanto quanto de lado. Harry Potter é um personagem infanto-juvenil que vive um mundo mágico de fantasia e bruxas e não há muito o que inventar sobre isso. Querer transformar esse tipo de literatura em Hamlet é uma bobagem completa. Infelizmente David Yates imprimiu uma mão pesada em um filme que em essência deveria ser leve, divertido. Sua pretensão de fazer algo mais soturno e sério logo vai por água abaixo, sobrando o simples tédio. Bocejos são inevitáveis. Em conclusão esse é certamente o mais chato e tedioso filme da franquia, que é muito boa e agradável. Pelo menos a segunda parte fechou com chave de ouro as aventuras do bruxinho. Comentaremos sobre a conclusão daqui a pouco. Esse aqui porém não tem jeito, é chato e ruim mesmo. 

Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte I (Harry Potter and The Deathly Hallow: Part I, EUA, 2010) Direção: David Yates / Roteiro: Steve Kloves / Elenco: Daniel Radcliffe, Emma Watson, Rupert Grint, Helena Bonham Carter, Ralph Fiennes, Alan Rickman, Bonnie Wright, Tom Felton./ Sinopse: Primeira parte da conclusão da saga do personagem Harry Potter.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Tubarão

Quando Steven Spielberg dirigiu Tubarão em 1975 ele era apenas um jovem diretor com muitas idéias na cabeça e pouca confiança do estúdio em lhe dar um orçamento generoso. Para falar a verdade os executivos da Universal não levavam muita fé na produção. Seu roteiro lembrava em muito as produções de monstros da década de 50 e ninguém poderia realmente prever o sucesso que o filme alcançaria. O interessante é que o Tubarão era uma engenhoca grande e sem jeito que sempre pifava nas filmagens. Sem poder contar com aquele ferro velho Spielberg resolveu ser criativo e usou e abusou da chamada câmara subjetiva. Já que o público não veria o monstro então que tivessem a sensação de estar vendo o que a criatura via. Com isso o filme ganhou muito em suspense e tensão. Além disso a música tema escrita pelo sempre talentoso John Williams virou ícone, sendo sempre muito lembrada até nos dias de hoje. O elenco era liderado por dois atores considerados de segundo escalão, Roy Scheider e Richard Dreyfuss. Houve uma certa tensão entre elenco e diretor por causa das péssimas condições de trabalho durante as filmagens. Um dos barcos em que estavam afundou e vários membros correram risco.

Além disso a idéia de filmar em alto mar se revelou péssima pois a tonalidade do mar sempre mudava comprometendo a continuidade do filme, além de expor tudo aos humores do clima, ora chovendo, ora fazendo sol forte. Apenas a diplomacia e a camaradagem de Spielberg conseguiram evitar uma rebelião entre os envolvidos. Mesmo sendo caótica a produção do filme, o longa "Tubarão" logo caiu nas graças do público, virando rapidamente um fenômeno de bilheteria. A empolgação levou a crítica junto e "Jaws" conseguiu um feito e tanto conquistado três prêmios Oscar nas categorias Edição, Trilha Sonora e Som (todos merecidos). E por uma surpresa geral também foi indicado ao Oscar de melhor filme, feito raro para um filme com essa temática. Visto hoje em dia "Tubarão" se revela bem datado. A consciência ecológica desmontou seu argumento pois todos sabem atualmente que as verdadeiras vítimas são os tubarões e não os seres humanos, esses os verdadeiros predadores. O filme de Spielberg também ostenta uma curiosidade interessante pois foi o primeiro filme a ganhar o título de Blockbuster dado pela imprensa americana. No final das contas vale pelo menos uma revisão. E por favor esqueça suas continuações, todas ruins e mercenárias. O original é o único que merece ainda ser redescoberto.

Tubarão (Jaws, EUA, 1975) Direção: Steven Spielberg / Roteiro: Peter Benchley, Carl Gottlieb baseados na novela de Peter Benchley / Elenco: Roy Scheider, Robert Shaw, Richard Dreyfuss, Lorraine Gary, Murray Hamilton. / Sinopse: Tubarão assassino faz várias vítimas em uma pequena cidade litorânea da costa dos Estados Unidos. 

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Juno

Poucas coisas são mais terríveis na vida de uma jovem do que uma gravidez na adolescência. O primeiro reflexo negativo vem em sua vida escolar, depois em sua própria vida pessoal. Muitas são abandonadas pelo pai da criança e elas se vêem sozinhas para enfrentar a criação de um bebê, algo sempre complicado e difícil. Esse filme Juno pretendeu mostrar a vida de uma típica adolescente americana que fica grávida sem ter a mínima condução psicológica ou financeira de assumir tantas responsabilidades. Sem condições pessoais ela resolve colocar seu filho para adoção de um casal com dificuldades de gerar sua própria criança. O interessante em Juno é que esse tema, que poderia virar rapidamente um dramalhão daqueles, acaba sendo mostrado de forma leve, despretensiosa, com muita música indie e um clima de leve esperança juvenil. Um de seus melhores aspectos é o elenco. Certamente Ellen Page é uma das melhores atrizes surgidas recentemente no cinema americano. Com cara de menina mesmo ela vem despontando em produções cada vez mais ousadas e interessantes. De fato ela acabou virando uma espécie de espelho dessa geração que está aí. Jovens que já nasceram com toda a liberdade do mundo mas que não sabem direito o que fazer com ela.

O roteiro é de Diablo Cody. Ela virou queridinha da crítica depois que Juno caiu nas graças do público. Ex stripper, ela levou para seu texto muitas coisas de sua própria vida pessoal e isso acabou gerando um contraste entre sua personagem adolescente e as coisas que diz, que são tipicamente de pessoas mais adultas, mais vividas. Isso acabou gerando muito debate no lançamento do filme, dando munição para os que não gostaram muito do roteiro em si. De fato Juno parece não ter uma mentalidade muito condizente com uma garota de sua idade. Ela é esperta, descolada e tem uma cultura pop que não seria muito adequada nem com sua idade e nem com sua personalidade, mas acredito que essa seja uma observação um pouco preciosista demais. No final das contas o que realmente vale a pena em Juno é seu clima alto astral, leve, divertido e até mesmo lírico – a cena final é de um  lirismo ímpar. Se ela é ou não um personagem verossímil já é uma questão para um outro debate maior. Por enquanto assista Juno pelo que essencialmente ele é, um filme soft que retrata um momento hard na vida dessa adorável jovem.

Juno (EUA, 2007) Direção: Jason Reitman / Roteiro: Diablo Cody / Elenco: Ellen Page, Michael Cera, Jennifer Garner, Jason Bateman, Olivia Thirlby, J.K. Simmons, Allison Janney, Rainn Wilson, Lucas MacFadden. / Sinopse: Juno MacGuff (Ellen Page) é uma adolescente que fica grávida de seu colega de escola, o nerd e deslocado Bleeker (Michael Cera). Sem ter como criar um filho sendo tão jovem ela resolve levar á criança para doação. O casal escolhido, Vanessa (Jennifer Garner) e Mark (Jason Bateman), tenta criar um laço de amizade e afeição com a jovem garota.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 23 de setembro de 2012

Rio

Essa animação Rio é mais indicada para crianças pequenas, até os 12 anos, no máximo. O roteiro não traz nenhum tipo de citação pop ao estilo das demais animações americanas que estão sendo lançadas ultimamente, sendo que tudo é muito pueril, soft, bem família mesmo. Ao contrário do que foi dito por muitos críticos, a de que o filme era um verdadeiro cartão postal da cidade maravilhosa, penso que embora existam boas recriações da cidade, sua natureza não foi muito aproveitada. Várias cenas se passam dentro das favelas, no interior de barracões horrorosos e sombrios com teto de zinco. Isso tirou um bocado do brilho e da beleza natural que poderia ter sido melhor aproveitada se as sequências fossem feitas em outros ambientes.

Outro problema de Rio é que embora tenha a mão de um brasileiro por trás, o nosso país não foge de todo clichê gringo que conhecemos. Os brasileiros mostrados no filme são todos estereotipados, gente que parece só pensar em samba, futebol e carnaval. Quando não estão rebolando, estão assistindo jogos de soccer entre Brasil e Argentina na TV. Todos parecem bem pobres e moradores de favela, inclusive o garotinho afrodescendente que para variar é órfão e morador de rua - e que só tem uma camiseta surrada da seleção brasileira para usar. Enfim, pensei que não haveria tantos clichês assim em relação ao nosso povo mas me enganei. Rio, em resumo, é uma animação para crianças pequenas, com estorinha fraca e brasileiros caricaturais.

Rio (Rio, EUA, 2011) Direção: Carlos Saldanha / Roteiro: Don Rhymer, Joshua Sternin, Jeffrey Ventimilia, Sam Harper, Carlos Saldanha, Earl Richey Jones, Todd Jones / Elenco: Jesse Eisenberg, Anne Hathaway, George Lopez / Sinopse; Animação ambientada no Rio de Janeiro, Brasil. Filme indicado ao Oscar na categoria de Melhor Música original (Real in Rio de Carlinhos Brown e Sérgio Mendes)

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Carros 2

Acabei de assistir a esse "Carros 2". Sinceramente acho essa franquia a mais fraca da Pixar. É um tipo de produto ligeiro, feito mesmo para passar em Shopping Center e vender brinquedos na loja que fica ao lado do multiplex. Nada de muito inspirado é encontrado aqui. Tem uma pequena sub-trama de espionagem (com várias citações aos filmes de James Bond) e a repetida estorinha de amizade entre Lightning McQueen e Mater (o estropiado carro guincho). As corridas que esperava ser o melhorzinho da animação não empolgam e são deixadas de lado. Aliás o roteiro é todo dirigido para Mater - McQueen virá apenas um personagem secundário, coadjuvante mesmo.

A dublagem brasileira é muito bem feita e conta com a participação especial do comentarista da ESPN Trajano. Fora isso não achei muito adequado a inclusão de sotaque caipira do interior de Minas ao personagem Mater. Claro que sua caracterização original também é de um caipira - só que do interior dos EUA - e ficaria complicado adequar isso para o espectador médio brasileiro, mas precisava mesmo usar gírias caipiras brasileiras tanto assim? Enfim, isso no final talvez nem importe. De qualquer forma "Carros 2" passa longe de ser uma das melhores animações da Pixar - é apenas mediano em seu saldo final.

Carros 2 (Cars 2, EUA, 2011) Direção: John Lasseter, Brad Lewis / Roteiro: Ben Queen, John Lasseter, Brad Lewis, Dan Fogelman / Elenco (Vozes):  Larry the Cable Guy,  Owen Wilson,  Michael Caine,  Emily Mortimer / Sinopse: Sequência de Carros, sucesso dos estúdios Pixar.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Filha do Mal

"Filha do Mal" segue os passos de outro filme bem recente chamado "O Último Exorcismo". Ambos são falsos documentários (Mockumentaries) que enfocam pessoas possuídas por demônios que precisam passar por exorcismos. Aqui acompanhamos a trajetória de Isabella (Fernanda Andrade) que tenta descobrir o que realmente teria acontecido com sua mãe pois há alguns anos ela teria assassinado três membros do clero que tentavam lhe exorcizar. Internada em um hospício em Roma e isolada do mundo, a filha Isabella leva um amigo com uma câmera para tentar desvendar se sua mãe é apenas insana ou se há realmente algum fenômeno paranormal por trás de todos aqueles acontecimentos trágicos. Pela sinopse já deu para perceber bem do que se trata. Utilizando de imagens amadoras da Praça de São Pedro no Vaticano (provavelmente sem autorização da Igreja), as cenas tentam a todo momento convencer ao espectador que está assistindo a algo real que foi documentado por um cinegrafista amador.

Após assistir ao filme cheguei na conclusão de que o que falta mesmo em "Filha do Mal" é sutileza. Aqui tudo soa muito exagerado pois não há apenas um demônio em cena mas vários deles. Também não há apenas uma possessão mas uma série delas, quando menos se espera outra pessoa é possuída e depois outra e nesse processo de possessões em fila a produção vai perdendo o interesse. O final também vai decepcionar muita gente pois é inconclusivo e exagerado. O curioso é que apesar de suas várias falhas "Filha do Mal" fez um grande sucesso nas bilheterias americanas chegando ao ponto de ficar em primeiro lugar na semana de sua estréia. Os americanos se mostram sempre muito interessados no tema como comprovam as boas bilheterias de filmes recentes sobre exorcismo. Disso podemos tirar algumas conclusões óbvias: novos Mockumentaries virão por aí e os estúdios não deixarão o tema exorcismo em paz nos próximos anos. Os produtores certamente não largarão o crucifico e a água benta tão cedo! Quem viver verá!

Filha do Mal (The Devil Inside, EUA, 2012) Direção: William Brent Bell / Roteiro: William Brent Bell, Matthew Peterman / Elenco: Fernanda Andrade, Simon Quarterman, Evan Helmuth, Ionut Grama, Suzan Crowley, Bonnie Morgan, Brian Johnson, Preston James Hillier, D. T. Carney / Sinopse: Aqui acompanhamos a trajetória de Isabella (Fernanda Andrade) que tenta descobrir o que realmente teria acontecido com sua mãe pois há alguns anos ela teria assassinado três membros do clero que tentavam lhe exorcizar. Internada em um hospício em Roma e isolada do mundo, a filha Isabella leva um amigo com uma câmera para tentar desvendar se sua mãe é apenas insana ou se há realmente algum fenômeno paranormal por trás de todos aqueles acontecimentos trágicos.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 22 de setembro de 2012

Apollo 13

“Houston, nós temos um problema””. Foi assim, com essa simples frase, que tudo começou. Hoje o programa espacial americano está em frangalhos. Com a crise econômica o governo americano fez profundos cortes no orçamento de sua agência espacial, a Nasa. Com isso programas pioneiros como a dos ônibus espaciais foram devidamente aposentados. Agora os astronautas americanos são meros caroneiros dos foguetes russos o que não deixa de ser muito irônico. Isso seria algo impensável durante a guerra fria pois naqueles anos os russos eram os principais concorrentes dos americanos na chamada conquista do espaço. Hollywood sempre serviu como braço direito dessa ideologia de chegar primeiro do que os comunistas soviéticos, louvando a  coragem e o brio dos cosmonautas do Tio Sam mas aqui temos uma exceção interessante. “Apollo 13”, o filme, enfoca justamente a missão do vitorioso programa onde praticamente tudo deu errado. Para quem gosta de superstições o fato de ter sido a décima terceira missão já era um prato cheio mas o filme é mais do que isso, pois procura retratar da forma mais fiel possível tudo o que passou os tripulantes depois que algo aconteceu na nave deles – até hoje não se sabe com exatidão o que desencadeou toda  uma série de eventos que colocaram em grande risco a vida dos americanos. De qualquer forma, como eles mesmos avisaram para sua torre de comando, eles tinham um problema, um sério problema.

Liderados pelo comandante vivido por Tom Hanks o filme consegue driblar o fato de ser passado praticamente todo dentro de um pequeno espaço sem se tornar chato, cansativo ou maçante. Os diálogos técnicos também poderiam contribuir para tornar tudo enfadonho mas o diretor de posse de um roteiro bastante inteligente conseguiu superar tudo isso. O fato é que tudo é tão bem exposto, tão bem desenvolvido que o espectador realmente fica torcendo pela vida dos membros da Apollo 13, mesmo já sabendo como será o desfecho da história. Quando essa produção surgiu nas telas muitos ficaram intrigados porque não se fazia um filme sobre a Apollo 11, essa sim um grande êxito do programa espacial americano pois foi a missão que levou o primeiro homem à lua. Bom, dramaticamente falando a Apollo 11 não tem a mesma intensidade da história da Apollo 13. Naquela tudo saiu conforme planejado, além disso os próprios eventos foram assistidos pelo mundo afora ao vivo pela televisão então o impacto já foi grande nos próprios eventos reais. Já a Apollo 13, além de ser bem menos conhecida, ainda traz o suspense e a carga de emoções próprias de uma missão desastrada e mal sucedida. No saldo final temos aqui uma película que vai agradar não apenas aos interessados pelo tema da exploração espacial mas também para os fãs de filmes de suspense e tensão em geral. Um excelente momento do cinema da década de 90 que merece ser redescoberto.

Apollo 13 - Do Desastre ao Triunfo (Apollo 13, EUA, 1995) Direção: Ron Howard / Roteiro: William Broyles Jr., Al Reinert, baseado no livro de Jim Lovell e Jeffrey Kluger / Elenco: Tom Hanks, Bill Paxton, Kevin Bacon, Gary Sinise, Ed Harris, Kathleen Quinlan, Frank Cavestani, Jane Jenkins, Christian Clemenson, Roger Corman / Sinopse: Baseado em fatos reais o filme mostra os problemas enfrentados pela missão Apollo 13.

Pablo Aluísio e Erick Steve.

Casa de Chá do Luar de Agosto

Esse filme é bem curioso. Primeiro é uma comédia leve e divertida estrelada por dois atores, Marlon Brando e Glenn Ford, que nunca foram tecnicamente comediantes. Segundo por trazer uma das caracterizações mais esquisitas da história do cinema: Brando interpretando um japonês chamado Sakini. Confesso que foi até complicado se acostumar com a pesada maquiagem do ator no filme, além de sua atuação, um tanto quanto estereotipada. De qualquer forma conforme o filme avança essa estranheza vai cedendo lugar à pura diversão, pois se o filme não chega a ser hilariante pelo menos tem cenas realmente divertidas e bem escritas. Glenn Ford está muito à vontade no papel, fazendo sem problemas várias cenas que beiram o cinema pastelão. Ele e Marlon inclusive tiveram alguns atritos de ego nas filmagens mas isso não passou ao filme pois tudo soa despretensiosamente leve e bom astral.

De uma maneira em geral o filme foi bem melhor do que eu esperava. Brando fala tão mal do filme em sua autobiografia que pensei que seria uma bomba completa. Não é. O diretor Daniel Mann procura ser bem sutil, até porque a cultura japonesa que mostra no filme já é conhecida por sua sutileza. O roteiro obviamente explora o choque cultural existente entre os moradores de uma pequena vila japonesa em Okinawa e os militares que a ocupam logo após a II Guerra. Os americanos tentam impor sua visão de progresso, com o plano de construir uma escola que ensine democracia no local enquanto os japoneses sonham com a construção de uma casa de chá onde possam se confraternizar e ver o pôr do sol. Desse confronto todo o argumento é construído, com momentos ora divertidos, ora banais, mas nunca chatos. Enfim, o filme nada mais é do que um bom passatempo, leve e ligeiro, e se for encarado dessa forma pode ser uma grata surpresa ao espectador.

Casa de Chá do Luar de Agosto (The Teahouse of the August Moon, EUA, 1958) Direção: David Mann / Roteiro: John Patrick baseado no livro de Vern J. Sneider / Elenco: Marlon Brando, Glenn Ford, Machiko Kyô, Eddie Albert / Sinopse: Após a II Guerra Mundial militares americanos planejam construir uma escola numa isolada vila japonesa em Okinawa mas terão que convencer a população a local que prefere que seja construída uma casa de chá para que todos possam assistir ao por do sol juntos, em harmonia com a natureza.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Todos os Homens do Presidente

Já que estamos vivendo mais um momento de grandes escândalos políticos envolvendo altos figurões do governo brasileiro que tal relembrar esse grande filme de temática levemente parecida? “Todos os Homens do Presidente” retrata os bastidores do chamado caso Watergate, um dos maiores escândalos políticos da história dos Estados Unidos que chegou a custar a presidência do governo Nixon. Encurralado e desmascarado por dois grandes jornalistas do Washington Post que foram a fundo em suas investigações, Nixon não encontrou outra saída e decidiu renunciar ao seu mandato em razão das enormes pressões envolvidas. E o que foi o Watergate? Simplesmente uma tática ilegal promovida pelo Partido Republicano para espionar as estratégias do Partido Democrata antes das eleições. Watergate era o prédio onde funcionava um dos escritórios centrais dos democratas e ele foi invadido na calada da noite pela liderança Republicana. O fato, considerado gravíssimo, colocou por terra o prestigio do Presidente Nixon que se vendo envolvido em um ato criminoso como esse acabou perdendo a presidência do país. Claro que se formos comparar com os nossos escândalos tupiniquins como Mensalão e outros absurdos, Watergate pode soar pueril, quase infantil pois aqui abaixo do Equador a coisa é bem mais barra pesada. De qualquer modo o filme, feito em tom semi-documental, mostra de forma até didática o trabalho desses dois jornalistas que desvendaram toda a história.

Outro aspecto interessante de toda essa história foi a participação de um misterioso personagem que serviu como fonte para os jornalistas. Usando do pseudônimo de “Garganta Profunda” ele passou valiosas informações que se revelaram verdadeiras conforme as investigações seguiam em frente. Os personagens principais do filme, os jornalistas Bob Woodward e Carl Bernstein do Post, são interpretados pelos grandes atores Robert Redford e Dustin Hoffman, respectivamente. Ambos lidam com um material mais intelectual, sem arroubos de ação ou algo do tipo. Suas atuações são sutis, programadas para envolver o espectador e no final se revelam extremamente bem realizadas. Redford no auge da carreira esbanja elegância e fibra. Hoffman não fica atrás. O filme foi dirigido por Alan J. Pakula, um militante do cinema mais socialmente engajado do ponto de vista político. Ele já tinha obtido ótimas críticas pelo seu filme anterior, “A Trama”, e manteve a excelência artística aqui também. Um diretor bastante autoral que em mais de uma dezena de filmes procurou sempre desenvolver grandes teses em tramas complexas e bem desenvolvidas, sempre mostrando o lado mais sórdido da vida política de seu país. Sem dúvida esse “Todos os Homens do Presidente” foi seu maior trabalho, sua obra prima, e que lhe trouxe maior reconhecimento. O sucesso tanto de crítica como de público lhe valeu a indicação de oito Oscars, perdendo injustamente o prêmio de melhor filme para “Rocky um Lutador”. Pelo menos acabou vencendo ainda em categorias importantes como Melhor Roteiro Adaptado e Melhor Ator Coadjuvante (Jason Robards), Em conclusão aqui está uma das melhores produções de Hollywood sobre tema político. Um filme que traz para debate a importância da imprensa livre em um Estado democrático de Direito. Especialmente recomendado para estudantes de jornalismo e jornalistas em geral. Para esses realmente é um filme obrigatório pois discute ética na política e o papel da imprensa nesse processo de forma impecável.

Todos os Homens do Presidente (All the President's Men, EUA, 1976) Direção: Alan J. Pakula / Roteiro: William Goldman baseado no livro de Carl Bernstein e Bob Woodward / Elenco: Robert Redford, Dustin Hoffman, Jack Warden, Martin Balsam, Hal Holbrook, Jason Robards / Sinopse: "Todos os Homens do Presidente" mostra os bastidores do caso Watergate que levaria o Presidente americano Richard Nixo à renúncia.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

La Bamba

Cinebiografia do cantor americano de origem latina Ritchie Valens (1941 - 1959), cujo nome de batismo era Ricardo Esteban Valenzuela Reyes. Sua história é uma das mais trágicas da música norte-americana, pois morreu com apenas 17 anos em um acidente aéreo que vitimou também dois outros nomes famosos da primeira geração do Rock, Buddy Holly e Big Bopper. O acidente que chocou a nação ficou conhecido como o “dia em que a música morreu”. Dos três, Ritchie era o mais jovem e um dos mais promissores. Bom compositor e intérprete ele adaptou um velho sucesso latino “La Bamba” e com uma roupagem mais pop e rock alcançou uma excelente repercussão nas paradas de sucesso. Outros hits vieram como a romântica balada adolescente “Donna” e o bom rockabilly “Come On, Let´s Go”, uma das melhores músicas daquele período. Infelizmente tudo foi muito fugaz na vida de Valens, tanto que ele já estava praticamente esquecido na década de 80 quando o diretor, também de origem latina,  Luis Valdez, resolveu contar sua história no filme “La Bamba” que se tornou um grande sucesso em seu lançamento, fazendo sua trilha chegar aos primeiros lugares das paradas, só que desta vez sob novos arranjos e versões do grupo Los Lobos.

O roteiro é bem escrito e o filme tem boa estrutura, sempre mantendo a atenção mesmo o espectador sabendo de antemão tudo o que aconteceria na vida de Valens. O que vemos em cena é um jovem latino de origem humilde, louco por música, que sonhava um dia ser rico e famoso para ajudar sua família, formada por trabalhadores sazonais das plantações do sul da Califórnia. Assim como todo bom músico e compositor que se prezava, ele também tinha sua musa inspiradora, a bonita Donna Ludwig (Danielle von Zerneck), fonte de inspiração para várias de suas canções. Ritchie Valens é interpretado aqui pelo bom ator Lou Diamond Phillips em trabalho inspirado e com garra. Claro que a produção não é 100% fiel aos fatos históricos. Alguns detalhes não batem com a verdade dos fatos mas isso deve ser deixado de lado pois “La Bamba” é um filme tão carismático, tão redondinho que supera todas essas questões. No final das contas é uma bela homenagem a um jovem que sonhava ser ídolo da música para subir na vida através de sua arte e musicalidade. Além disso vai criar identificação imediata com os mais jovens pois esse é um sonho universal, até porque que adolescente nunca sonhou em um dia se tornar um rockstar? Uma pena que no caso de Ritchie Valens tudo tenha terminado em um terrível pesadelo.

La Bamba (EUA, 1987) Direção: Luis Valdez / Roteiro:Luis Valdez / Elenco: Lou Diamond Phillips, Danielle von Zerneck, Esai Morales, Elizabeth Peña, Rosanna DeSoto / Sinopse: Ritchie Valens é um jovem cantor que desponta nas paradas com sucessos como "La Bamba", "Donna" e "Come On, Let´s Go". Infelizmente sua escalada aos picos da fama será interrompida de forma trágica.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Hitler: Um Retrato de Família

“Die Hitlers - Eine Familiengeschichte” é um documentário alemão muito interessante que mostra as origens familiares do ditador Adolf Hitler. Algumas coisas ainda me deixam bem admirado nesse mundo. Uma delas é a fascinação que a figura de Adolf Hitler ainda exerce no mundo atual. Muitos ditadores já vieram após seu surgimento mas Hitler ainda continua despertando a curiosidade de muitos. Basta apenas ligar sua tv nos canais a cabo para verificar isso. Eu me recordo de apenas um documentário sobre a vida de Winston Churchill nesses canais mas de Hitler me  lembro de vários. Será que o mal exerce tanto poder assim ainda nos dias de hoje? Pelo número de livros, documentários e filmes sobre Adolf Hitler creio que sim. Esse “Hitler: Um Retrato de Família” vai mais longe. Tenta entender o líder nazista olhando para sua árvore genealógica. Hitler nasceu do casamento de dois primos, sendo seu pai bem mais velho que sua mãe. Seu pai aliás era um homem autoritário e violento que tentava impor sua vontade aos filhos na base do espancamento. Não deu muito certo com Hitler. Esse queria ser pintor e odiava a idéia de seguir os passos de seu pai, um funcionário público acomodado. O fato de vários parentes casarem-se entre si na família de Hitler pode dar alguma pista de sua personalidade fora do normal e psicótica mas isso é uma explicação simplista demais. Hitler não foi fruto apenas de uma genética inoportuna mas também do meio social e do contexto histórico em que viveu.

Após voltar da I Guerra Mundial Hitler se interessou pela política. Com a Alemanha em frangalhos ele foi com seu discurso raivoso ganhando degraus na escada do poder. Usando de uma retórica furiosa e seguido por um grupo de fies e leais seguidores seu partido nazista logo chegaria ao poder. Por trás do líder forte da Alemanha porém havia também um homem com vida familiar caótica. Apaixonado pela sobrinha viu a mesma se suicidar pouco tempo depois. Depois teve que lidar com outro sobrinho que fugiu para os EUA em campanha aberta contra o tio. Havia suas irmãs e um irmão que ganharam muito com a guerra e a ascensão política de Hitler. Todas essas histórias e muitas outras podem ser conferidas nesse documentário que está sendo exibido com freqüência na programação de nossas tvs por assinatura. Um dos pontos altos dessa produção é a exibição pela primeira vez de várias cenas captadas por Eva Braun de seu marido. Imagens captadas por uma pequena câmera portátil. São curiosas as tomadas pois vemos em cena um Hitler na intimidade, brincando com seu cão preferido e crianças, rindo e de bom humor, completamente à vontade em seu refúgio nos Alpes. Muito longe da visão oficial do Estado nazista que vendia a imagem de um líder infalível. Não deixa de ser incrível saber que um homem como aquele, de gestos educados e elegantes, que gostava de pintura e música, era o mesmo que dirigia uma máquina industrial de morte que enviava para fornos crematórios e câmeras de gás mulheres, velhos e crianças judeus. Muito provavelmente essa dualidade em sua personalidade seja o grande chamariz de sua figura pública até mesmo nos dias atuais. Um personagem histórico contraditório e complexo, responsável direto pela morte de milhões de pessoas e que ainda sucinta terror e pavor em muitos sobreviventes do holocausto nazista. O documentário não desvenda esse lado do ditador mas serve para jogar mais uma luz nesse enigma chamado Adolf Hitler.

Hitler: Um Retrato de Famíla (Die Hitlers - Eine Familiengeschichte, Alemanha, 2005) Direção: Kai Christiansen / Roteiro: Kai Christiansen, Wolfgang Zdral / Sinopse: Documentário Alemão que tenta desvendar a personalidade do ditador Adolf Hitler por meio de seus antepassados e familiares.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

A Difícil Vingança

Produção canadense modesta, com orçamento de apenas 5 milhões de dólares, que tenta resgatar um pouco do velho charme dos filmes de bang bang. Na realidade temos aqui um remake de um antigo filme de John Wayne da década de 1930. Eu sou da opinião de que certos filmes não se mexem, são obras definitivas, cujas estórias já encontraram sua versão definitiva nos cinemas. Esse é o caso. A obra com Wayne já era boa o suficiente, não era necessário em hipótese alguma ser objeto de mais um remake desnecessário. A trama é a mesma: “Cincinatti” John Mason (Slater) é um pistoleiro perseguido por um caçador de recompensas interpretado por Donald Sutherland (com barba messiânica se torna logo a melhor presença do elenco). Sua cabeça está a prêmio por ter matado três homens no Ohio. Na fuga decide voltar para sua cidade natal com o objetivo de rever seu pai. Chegando lá descobre que o local está sendo palco de vários crimes comandados por um grupo de bandidos mascarados. Depois de um assalto o pai de “Cincinatti” acaba sendo morto por esse bando. Agora o pistoleiro terá que caçar os bandidos para saciar sua sede de justiça, ao mesmo tempo em que é caçado por Sutherland.

A edição do filme deixa um pouco a desejar. A produção, apesar do orçamento restrito, é bem bonita, com farto uso das paisagens canadenses (bem conhecidas por suas belezas naturais). Falta no elenco um ator com mais presença. Fica complicado acreditar que Christian Slater seja um pistoleiro famoso no velho oeste. Baixinho, com as sobrancelhas sempre arqueadas, ele não passa a virilidade que é necessária para esse tipo de personagem. Slater é ator para outro tipo de papel, ao estilo malandro da grande cidade. No velho oeste ele definitivamente não se encaixa bem. Quem acaba salvando o filme nesse aspecto é o veterano Donald Sutherland no papel do caçador de recompensas. Sua caracterização é perfeita, inclusive sua barba que surge em cena de acordo com o estilo usado pelos homens da época. Enfim é isso, “A Difícil Vingança” não chega a ser um filme propriamente ruim, só desnecessário. Melhor rever o original com o “Duke” John Wayne.

A Difícil Vingança (Dawn Rider, Canadá, 2012) / Direção: Terry Miles / Roteiro: Evan Jacobs, Joseph Nasser / Elenco: Christian Slater, Jill Hennessy, Donald Sutterland, Lochlyn Munro, Matt Bellefleur, George Canyon, Douglas Chapman, Ben Cotton, Claude Duhamel, G. Michael Gray, Adrian Hough / Sinopse: Quadrilha de homens mascarados mata o pai do pistoleiro “Cincinatti” John Mason (Christian Slater). Fugindo de um caçador de recompensas (Donald Sutherland) ele agora partirá para sua vingança pessoal.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Tron O Legado

Título no Brasil: Tron O Legado
Título Original: Tron Legacy
Ano de Produção: 2010
País: Estados Unidos
Estúdio: Walt Disney Pictures
Direção: Joseph Kosinski
Roteiro: Edward Kitsis, Adam Horowitz
Elenco: Jeff Bridges, Michael Sheen, Olivia Wilde, John Hurt
  
Sinopse:
Décadas após os acontecimentos do primeiro filme e do desaparecimento de Kevin Flyyn (Jeff Bridges), seu filho Sam (Garret Hedlund) resolve desvendar o mistério de seu sumiço. Não tardará para que ele também consiga adentrar o universo virtual de Tron para enfrentar inúmeros perigos. Filme indicado ao Oscar na categoria de Melhores Efeitos Sonoros (Gwendolyn Yates Whittle e Addison Teague).

Comentários:
“Tron Uma Odisséia Eletrônica” foi considerado um projeto ousado na época de seu lançamento há exatos 30 anos. Esse “Tron O Legado” tenta seguir o fio da meada do primeiro filme, obviamente se aproveitando do avanço atual em que se encontra os efeitos digitais no cinema. O problema é que já se passou muito tempo do primeiro filme e os que gostaram dele na época já não são mais os mesmos que frequentam as salas de cinema hoje em dia. Como se sabe o grande público hoje é formado basicamente por jovens e adolescentes. Logo a maioria nunca assistiu ao primeiro filme e só conheceu Tron de nome mesmo (isso se conhecer realmente). Assim estamos na presença de uma continuação muito tardia que tenta seguir os eventos do filme anterior sem muito sucesso. Por essa razão o roteiro se torna um pouco confuso e truncado – personagens surgem do nada e o roteiro conta com o fato, pouco provável, de que o espectador conheça ou se lembre de todos eles lá do filme de 1982. Não é o caso da esmagadora maioria dos que pagaram para ver esse “Tron o Legado”. O que se salva no meio de tudo isso realmente é a qualidade inegável de suas cenas no aspecto técnico. Se em 1982 tudo soava como algo bem primitivo, agora os efeitos se mostram bem mais eficientes e absurdamente bem produzidos. A Disney também optou por uma escolha inteligente pois ao mesmo tempo em que abraça a nova tecnologia também procura respeitar o design da primeira produção, tentando manter o mesmo universo, com as mesmas ideias e praticamente a mesma direção de arte. Claro que se formos comparar com o filme original a diferença será substancial em termos de qualidade dos efeitos, mas isso é, de qualquer forma, um mero detalhe. O roteiro desse novo Tron não é muito inspirado. No fundo é a velha trama envolvendo o bem contra o mal só que em um mundo cibernético e virtual. Ao custo de 170 milhões de dólares – um orçamento robusto – o filme aos trancos e barrancos e amparado por marketing agressivo conseguiu se tornar um sucesso apenas razoável de bilheteria, não talvez ao ponto de virar uma nova franquia. De qualquer modo o filme é indicado tanto para os quarentões que viram o primeiro filme na sua infância como também para os que estão chegando agora nesse mundo singular.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

A Jaula

Com a popularidade cada vez mais crescente do MMA era de se esperar que mais cedo ou mais tarde a moda iria para o cinema. Esse “A Jaula” é justamente isso, uma tentativa de atrair o público das lutas para o filme. O roteiro é bem simplório e o orçamento modesto. No fundo o que se acompanha mesmo são as várias sequências de lutas, todas realizadas na chamada “Jaula”, um lugar dentro da prisão onde apostas são feitas de forma ilegal. Contando com o apoio do diretor corrupto um prisioneiro chamado Anton Vargas (Vinnie Jones) promove apostas e fica cada vez mais rico e poderoso com elas. A coisa toda fica ainda mais interessante depois que é armada uma simulação para colocar em cana o policial Danny (Tony Schiena) que inclusive colocou vários dos detentos atrás das grades. Agora todos querem destruí-lo no ringue e ele não terá como escapar de também entrar na jaula para lutar por sua vida.

“A Jaula” se apoia bastante nos combates entre os presos mas até nisso se revela não muito promissor. Não há nenhum grande combate digno de nota. Obviamente como o elenco conta com lutadores profissionais da modalidade a pancadaria é pelo menos competente mas é muito pouco. Há uma tentativa de dar algum conteúdo para o personagem Danny, lhe dando uma vida emocional e de amizade com outro detento mais velho que começa a lhe servir como treinador mas fora isso tudo é bem raso e derivativo. Há personagens caricaturais – inclusive uma policial oriental que usa uma peruca esquisita – e excesso de machismo (as mulheres só aparecem para transar com os grandalhões) mas isso não será problema para os adeptos do cinema estilo casca grossa. Se você gosta de pancadaria e filmes com lutas ao modelo MMA arrisque, possa ser que venha ser do seu agrado.

A Jaula (Locked Down, EUA, 2011) Direção: Daniel Zirilli / Roteiro: D. Glase Lomond, Daniel Zirilli / Elenco: Tony Schiena, Dave Fennoy, Vinnie Jones / Sinopse: Policial é acusado injustamente e enviado para uma penintenciária de segurança máxima onde são realizadas lutas na chamada "Jaula".

Pablo Aluísio. 

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Uma Linda Mulher

A história da realização desse filme é bem curiosa. Pouca gente se recorda mas quando “Uma Linda Mulher” chegou aos cinemas ninguém acreditava no filme – nem o estúdio que o produziu. E por que isso aconteceu? Simples, na época de seu lançamento o filme foi considerado literalmente um “tapa buraco” de datas. A Touchstone não esperava lucrar nada com ele, apenas não queria ter prejuízo. O roteiro foi considerado açucarado demais pelos executivos mas seria possível produzir um filme de orçamento pequeno para ser lançado em uma data morta dentro do calendário de estréias. Além disso nenhuma grande estrela seria contratada para fazer o filme. Para o papel masculino escalaram o decadente Richard Gere, naquela altura da carreira com vários fracassos comerciais sucessivos na carreira. Para o papel da jovem prostituta arranjaram uma novata, com poucos filmes no curriculum, Julia Roberts. Os planos da Touchstone (braço adulto da Disney) eram simples: um lançamento discreto nos cinemas, em poucas salas e depois um trabalho melhor de divulgação quando o filme chegasse no mercado de vídeo – naquele momento em franca expansão.

O que aconteceu depois que “Uma Linda Mulher” chegou nos cinemas surpreendeu a todos. O filme estourou nas bilheterias. Com custo estimado em 14 milhões de dólares o filme recuperou seu investimento em praticamente 3 dias. Depois com o boca a boca o filme simplesmente se tornou um grande hit não apenas no mercado americano mas no mundo todo. A Disney foi pega de surpresa pelo crescente interesse pelo filme – nem cópias suficientes tinham para atender a demanda. Em pouco tempo o filme, um dos mais lucrativos da história, rompeu a barreira dos 400 milhões de dólares, gerando um lucro absurdo ao estúdio. Qual é o segredo de seu imenso sucesso? Até hoje se debate sobre isso. Talvez seu enredo ao estilo conto de fadas tenha caído no gosto popular justamente pela falta de produções nesse estilo mais suave e sonhador. O casal de atores também contribuiu e muito para o sucesso do longa. Richard Gere assumiu seus cabelos grisalhos (algo que iria se tornar sua marca registrada) e Julia Roberts surgia muito espontânea e carismática em seu complicado papel de profissional do sexo. No final todos saíram ganhando e muito. Gere voltou a ser um nome quente para os produtores. Julia Roberts se tornou rapidamente a queridinha do estúdio, se tornando a nova estrela de Hollywood e o diretor Garry Marshall se tornou procurado pelos grandes astros (infelizmente ele nunca mais repetiria o sucesso desse filme). Sobrou até para o veterano cantor Roy Orbison que renasceu das cinzas com seu antigo sucesso “Oh Pretty Woman” voltando para as paradas de sucessos. Enfim, entender o que agrada ou não ao público é uma das tarefas mais complicadas que existem e “Uma Linda Mulher” veio para confirmar justamente isso.

Uma Linda Mulher (Pretty Woman, EUA, 1990) Direção: Garry Marshall / Roteiro: J.F. Lawton / Elenco: Richard Gere, Julia Roberts, Jason Alexander,  Ralph Bellamy / Sinopse: Edward Lewis (Richard Gere) é um grande executivo, milionário e bem sucedido. Após contratar os serviços de uma acompanhante, a jovem  Vivian Ward (Julia Roberts) acaba se apaixonando por ela. Apesar de todos os preconceitos sociais envolvidos resolve levar em frente seu romance, ouvindo a voz de seu coração.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu..

Platoon

Quando era apenas um jovem entusiasmado pela honra de servir ao seu país, Oliver Stone se alistou no exército norte-americano na mesma época em que se agravava a Guerra do Vietnã. Voluntário, idealista, Stone iria encontrar nas selvas asiáticas o oposto do que ansiava: tropas despreparadas, negros e pobres, oficiais sem direção, abuso de drogas e muita indisciplina. Um caos. Mergulhado no meio do inferno daquele conflito ele conseguiu sobreviver, saindo ileso do campo de batalha. De volta aos EUA resolveu exorcizar tudo o que passou escrevendo o roteiro desse "Platoon". Apesar de tudo o filme não é integralmente autobiográfico como muitos pensam. Stone certamente tirou muito de sua experiência pessoal e inseriu no texto porém ao mesmo tempo criou personagens totalmente de ficção para dar suporte dramático ao enredo. O que se vê nas telas é um choque. O cinema americano já havia mostrado o horror dessa guerra insana e inglória antes, principalmente em "Apocalypse Now", a obra prima de Francis Ford Coppola, mas "Platoon" vinha para inaugurar um novo ciclo. Depois de seu sucesso de público e crítica os estúdios correram atrás e produziram diversas fitas cujo tema girava em torno da intervenção americana naquele país sem importância do sudeste asiático. Depois que Stone visitou as selvas em "Platoon" outros grandes cineastas seguiram pelo mesmo caminho como Stanley Kubrick e o ótimo "Nascido Para Matar".

O enredo de "Platoon" gira em torno de Chris (Charlie Sheen), jovem americano que se alistou voluntariamente no exército por puro patriotismo. Enviado para o Vietnã ele sente na própria carne a decadência das forças armadas de seu país. Lá encontra dois sargentos que são opostos entre si. Barnes (Tom Berenger) é um sujeito linha dura, beirando às raias da insanidade causada pela guerra. Do outro lado surge o bondoso Elias (Willem Dafoe), cuja força moral ainda traz um mínimo de dignidade ao seu pelotão. Tentando sobreviver um dia de cada vez Chris aos poucos começa a entender a sordidez das operações, a desumanidade e o universo caótico em que se encontra. "Platoon" foi visto na época de seu lançamento como um acerto de contas da arte cinematográfica com o conflito perdido pelos americanos. A Academia reconheceu a importância do filme e o indicou a sete Oscar, tendo vencido quatro (Melhor filme, diretor, som, montagem). Visto hoje em dia o filme ainda soa bastante relevante dando fundamento ao seu lema publicitário: "O Inferno existe e se chama Guerra".

Platoon (EUA, 1986) Direção: Oliver Stone / Roteiro: Oliver Stone / Elenco: Charlie Sheen, Willem Dafoe, Tom Berenger, Forest Whitaker, Kevin Dillon, Johnny Depp / Sinopse: Chris (Charlie Sheen) é um jovem americano que decide se alistar no exército na época da guerra do Vietnã. O que presenciará no front irá mudá-lo pelo resto de sua vida.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

O Grande Segredo (1946)

Faltando alguns meses para terminar a Segunda Guerra Mundial, o Serviço Secreto Americano (OSS) liderado pelo Coronel Walsh, recebe notícias de agentes da própria OSS que vivem clandestinamente numa França ainda ocupada pelos nazistas dando conta de que os alemães estão transportando, direto para a Alemanha, enormes cargas de minério dentro de dezenas de vagões de trens. Preocupado que os alemães possam estar usando todo esse minério para construir a tão sonhada bomba atômica nazista, o Coronel Walsh procura um antigo amigo de faculdade e membro do Projeto Manhattan, o físico americano, Alvan Jesper (Gary Cooper).

A conversa entre os dois é franca e Walsh pressiona Jesper para que ele diga, baseado nas informações sobre o roubo das cargas de minério, se realmente os alemães podem estar perto de construir a bomba atômica. Jesper fica atordoado com a notícia, mas para ter certeza daquilo que os alemães estão planejando viaja até a Suíça para encontrar-se com a cientista húngara Katerin Lodor, sua mentora e inspiradora que encontra-se internada num hospital e trabalha forçadamente para os nazistas. Durante o encontro, Lodor promete ajuda ao cientista americano no sentido de atrasar os planos nazistas de construir a bomba.

Algumas horas depois de conversar com a famosa cientista, Jesper recebe um telefonema de um agente da OSS dizendo que Lodor havia sido sequestrada do hospital pelos nazistas. Desnorteado, Jesper sai em missão para tentar resgatar a Doutora, mas fracassa. A sua última e decisiva cartada será então entrar na Itália de Mussolini para resgatar o Doutor Polda (Vladimir Sokoloff), cientista italiano e anti-fascista indicado pela Doutora Lodor, mas que se encontra também prisioneiro dos alemães. Jesper, fazendo-se passar por um cientista alemão, consegue visitar Polda. Os dois conversam e Jesper pede ajuda ao cientista prometendo resgatá-lo e levá-lo embora para os EUA. Aterrorizado de tanto medo, Polda só aceita colaborar com a OSS e fugir para os EUA, se sua filha, Maria, for libertada das garras dos nazistas onde se encontra como refém.

"O Grande Segredo" (1946), baseado na obra literária, "Cloak and Dagger: The Secret Story of OSS" - de Corey Ford e Alastair MacBain - foi dirigido de forma magistral por Fritz Lang que costurou o longa utilizando dois trunfos irresistíveis: O excelente Gary Cooper que aqui faz um dublê de cientista e agente secreto, e de um belo roteiro assinado pelo trio, Boris Ingster, John Larkin Jr. e Albert Maltz, e que teve como influência as operações da OSS durante a Segunda Guerra Mundial. Um filme excelente.

O Grande Segredo (Cloak and Dagger, EUA, 1946) Direção: Fritz Lang / Roteiro: Albert Maltz, Ring Lardner Jr.baseado no livro "Cloak and Dagger: The Secret Story of OSS" - de Corey Ford e Alastair MacBain / Elenco: Gary Cooper, Robert Alda, Lilli Palmer, Vladimir Sokoloff, J. Edward Bromberg / Sinopse: Um físico americano, Alvan Jesper (Cary Cooper) se envolve numa intrigada rede de espionagem e conspiração durante a Segunda Guerra Mundial.

Telmo Vilela Jr.

II Guerra Mundial - Armstrong Whitworth Whitley

II Guerra Mundial - Armstrong Whitworth Whitley - Um avião histórico para a RAF (Royal Air Force) da Inglaterra. Foi o primeiro bombardeiro construído para ter longa autonomia de ação, logo no começo da Segunda Guerra Mundial. Alvo de ataques nazistas os ingleses sentiram a necessidade de construir um avião que também tivesse a capacidade de cruzar os céus europeus para jogar bombas nas cidades da Alemanha nazista. De fato a aeronave teve a "honra" de ter sido a primeira a jogar bombas em Berlim, a cidade onde Hitler havia dito que nenhum bombardeio iria cair sobre os cidadãos da sua estimada Alemanha.

Além dessa importante missão estratégica o Armstrong Whitworth Whitley também foi peça vital na guerra anti-submarina, quando foi usado para lançar cargas de profundidade contra alvos inimigos. No total o avião realizou mais de mil missões pelos céus ingleses, isso em um dos momentos mais delicados da história do império britânico. Estima-se que mais de 250 aviadores perderam suas vidas em confrontos com caças alemães durante essas missões. Em contrapartida mais de 2000 tripulantes voaram no bombardeiro e sobreviveram para contar sua história. Seu design em formato de charuto era muito eficiente para suportar as duras condições de vôo. No geral foi de fato uma das aeronaves mais marcantes da Segunda Guerra Mundial.

A tripulação era composta de cinco homens. O avião tinha 25 metros de largura por 4 de altura. Possuía dois motores Rolls Royce de grande potência e conseguia atingir uma velocidade de cruzeiro de 370 km/h. Seu raio de ação era de até 2.500 km, o que possibilitava ir até a Alemanha, soltar suas bombas e retornar com segurança à Inglaterra. Em termos de armamento o Armstrong Whitworth Whitley era equipado com três metralhadoras Browning 7.7 mm localizadas em pontos estratégicos do bombardeiro. Tinha capacidade de carregar até 3 toneladas de bombas de alta potência. Em 1942, bem no meio do caos da guerra, foi sendo aos poucos substituído por bombardeiros mais pesados e com mais raio de ação. Isso porém em nada tira sua importância em um dos momentos mais cruciais da guerra.

Pablo Aluísio.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Guerra Nas Estrelas

A saga "Star Wars" teve início quando na segunda metade da década de 70 surgiu esse filme nos cinemas americanos. É curioso porque "Guerra nas Estrelas" foi considerado inovador e revolucionário em sua época mas olhando bem veremos que não é bem assim. Na verdade essa produção era de certa forma uma releitura dos antigos filmes de ficção da década de 50, época considerada de ouro para o gênero. Já nos anos 70 a chamada "ficção de aventura", categoria no qual se enquadra "Star Wars", era considerada uma coisa fora de moda, ultrapassada. Como então George Lucas conseguiu requentar uma velha fórmula dando ares de coisa nova, revolucionária? Basicamente por dois motivos: Primeiro porque soube revitalizar antigos mitos e deu a eles todo um design renovado, com efeitos especiais (esses sim) realmente revolucionários. A mitologia do jovem escolhido para enfrentar um império do mal não é novo, faz parte de muitas estórias contadas ao longo da civilização, o que mudou aqui realmente foi a roupagem nova e moderna. George Lucas nesse sentido foi realmente genial. A segunda questão que fez "Star Wars" ser o sucesso que foi se baseia no resgate do cinema como diversão pura, algo que havia sido deixado de lado naqueles anos. Os filmes de maneira em geral procuravam mostrar problemas sociais, dramas profundos, questões pertinentes. Com "Star Wars" não havia essa preocupação, o filme era diversão pela diversão apenas. O público que lotou os cinemas para assistir "Guerra Nas Estrelas" queria apenas se divertir e o filme de George Lucas era perfeito para isso.

Quando a Fox deu autorização para a realização do filme mal sabia o que estava por vir. George Lucas era praticamente um novato com apenas um sucesso em sua filmografia, a comédia nostálgica "American Grafitti" e nada mais. No elenco não havia nenhuma grande estrela a não ser o veterano Alec Guiness, às portas de sua aposentadoria. Fora isso havia um carpinteiro (Harrison Ford), uma beldade filha de celebridades (Carrie Fisher) e um desconhecido no papel central (Mark Hamill). De orçamento apertado ninguém no set sabia que estaria naquele momento revolucionando nada. Em uma de suas biografias ficamos sabendo, por exemplo, que Alec Guiness não conseguia entender nada do que se passava na estória, apenas declamava suas falas por puro profissionalismo. O resultado final porém deixou todos surpresos, exceto talvez George Lucas que sabia estar usando de uma fórmula antiga mas que ainda poderia cair nas graças do público. Olhando para trás podemos entender que "Guerra nas Estrelas" também se tornou um divisor de águas. A partir de seu sucesso o cinema americano começou a sofrer um processo de juvenilização de suas produções. Na década de 70 imperava no cinema os grandes filmes de temáticas dramáticas como "O Poderoso Chefão", "Taxi Driver", etc. Depois de "Star Wars" os estúdios começaram a investir em filmes para um público mais jovem, infanto-juvenil. Não é para menos que os anos que viriam seriam os dourados para diretores ao estilo "Peter Pan" como Steven Spielberg e o próprio George Lucas. Se isso foi bom ou ruim já é tema para outra discussão. De qualquer modo "Star Wars" é um marco na história do cinema. Um filme que realmente revolucionou o modo de se fazer cinema nas décadas seguintes.

Guerra Nas Estrelas (Star Wars, EUA, 1977) Direção: George Lucas / Roteiro: George Lucas / Elenco: Mark Hamill, Harrison Ford, Alec Guiness, Carrie Fisher, Peter Cushing, Anthony Daniels, Kenny Baker, David Prowse / Sinopse: Luke Skywalker (Mark Hamill) é um jovem habitante de um planeta distante que parte em uma aventura contra um império do mal comandado pelo lado negro da força.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.