quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Procura-se Amy

Título no Brasil: Procura-se Amy
Título Original: Chasing Amy
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: Miramax
Direção: Kevin Smith
Roteiro: Kevin Smith
Elenco: Ben Affleck, Joey Lauren Adams, Ethan Suplee
  
Sinopse:
Holden McNeil (Ben Affleck) e seu amigo Banky Edwards (Jason Lee) tentam ganhar a vida escrevendo histórias em quadrinhos. Eles moram em New Jersey e são amigos desde a infância. Ambos na verdade se consideram até mesmo irmãos, mas esse sentimento de camaradagem acaba ficando abalado quando surge na vida deles a bela jovem Alyssa Jones (Joey Lauren Adams). Holden fica completamente apaixonado por ela e imediatamente começa a ter ciúmes da aproximação de Banky com a garota. O que ele não sabe é que ela tem um segredo que poucos conhecem. Filme indicado ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Atriz - Comédia ou Musical (Joey Lauren Adams). Também indicado ao Boston Society of Film Critics Awards na categoria de Melhor Roteiro. 

Comentários:
Kevin Smith realizou dois bons filmes tentando retratar a realidade de sua juventude. Um deles, provavelmente o melhor, foi "O Balconista", explorando o niilismo da vida dos jovens americanos da época. Depois sofisticou melhor seu roteiro e escreveu essa bela história de amor platônico, "Procura-se Amy". Em seu lançamento o filme causou uma boa repercussão entre os cinéfilos mais jovens e cults, que procuravam por algo com que se identificar. Não havia como negar que os jovens dos anos 1990 não tinham ainda sido bem retratados na telas até aquele momento. A personagem central, fruto do desejo de todos os marmanjões do roteiro, é na verdade lésbica e por essa razão está pouco interessada no assédio dos caras da região em que vive. Essa forma cool de ser, deixa os seus pretendentes ainda mais loucos por ela. O interessante é que apesar de ser gay ela não apresenta os clichês mais ofensivos que se poderia pensar. Ela é linda, sofisticada, educada, delicada e muito feminina. Isso de certa maneira quebrou muito dos estereótipos que algumas lésbicas tinham sofrido no passado em filmes, principalmente naqueles que as retratavam como pessoas grosseiras e masculinizadas. No mais é aquela coisa, o fruto proibido é sempre mais saboroso, não importa de que gênero ele pertença.

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Birdman

Título no Brasil: Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)
Título Original: Birdman
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Twentieth Century Fox
Direção: Alejandro González Iñárritu
Roteiro: Alejandro González Iñárritu, Nicolás Giacobone
Elenco: Michael Keaton, Edward Norton, Zach Galifianakis, Emma Stone, Naomi Watts, Amy Ryan
  
Sinopse:
Riggan (Michael Keaton) é um velho ator que no passado fez muito sucesso com a adaptação de um personagem em quadrinhos chamado Birdman no cinema. Agora, decadente e sem propostas, ele decide arriscar seus últimos recursos para montar uma peça dramática na Broadway em Nova Iorque. Com uma produção complicada, repleta de atores temperamentais e com problemas de relacionamento, aliado a uma crítica abertamente hostil ao seu trabalho, Riggan precisa vencer nos palcos para continuar vivo e isso não apenas do ponto de vista profissional. Filme vencedor do Globo de Ouro nas categorias de Melhor Ator (Michael Keaton) e Melhor Roteiro. Indicado a onze Oscars, inclusive nas categorias de Melhor Filme, Roteiro, Fotografia, Ator (Michael Keaton), Ator Coadjuvante (Edward Norton) e Atriz Coadjuvante (Emma Stone). Filme vencedor do Oscar 2015 nas categorias de Melhor Filme, Melhor Direção (Alejandro González Iñarritu), Melhor Roteiro Original (Alejandro G. Iñarritu, Nicolás Giacobone, Alexander Dinelaris, Jr. e Armando Bo) e Melhor Direção de Fotografia (Emmanuel Lubezki).

Comentários:
A grande quantidade de indicações e prêmios ao redor do mundo é plenamente justificada. "Birdman" é de fato um grande filme. Inicialmente você fica meio surpreso como a forma em que tudo se desenvolve. Temos esse ator de meia idade, já decadente, jogando suas últimas fichas em uma peça teatral a ser encenada na Broadway. Sua última ambição é ser levado à sério, algo complicado já que as pessoas não conseguem dissociar sua imagem de um filme de sucesso do passado onde ele interpretou um personagem de quadrinhos chamado "Birdman". Após aqueles anos iniciais gloriosos a idade finalmente chegou, os convites de Hollywood sumiram e tudo o que sobrou foi uma velha celebridade deprimida, angustiada, com problemas emocionais e crises psicológicas. Tentar algo no teatro e logo no berço sagrado da Broadway se revela realmente algo muito ambicioso e para muitos pretensioso demais. Para piorar os bastidores da peça são completamente caóticos. Há problemas em arranjar dinheiro, os atores são pessoas emocionalmente instáveis e uma arrogante crítica da cidade acha um absurdo e um disparate um ator de cinema, vindo de adaptações de quadrinhos de Hollywood, ter a petulância de tentar vencer nos mesmos palcos que um dia viram desfilar alguns dos maiores talentos dramáticos dos Estados Unidos. Eu apreciei cada momento desse roteiro. Ele é muito bem escrito e tenta desvendar a alma desse personagem cativante, um velho ator, que sabe que o tempo passou e ele ficou para trás. O paralelo que se cria com a própria carreira de Michael Keaton se torna muito forte, até porque ele também se notabilizou por interpretar um herói de quadrinhos no cinema, o Batman. É certamente de se louvar a coragem de Keaton em encarar esse tipo de papel de frente, de peito aberto e sem receios. Tenho certeza que no mundo dos egos inflados da indústria cinematográfica americana poucos se arriscariam a viver tal personagem. O interessante é que seu papel também me lembrou muito de outros astros que tiveram uma existência profissional marcada por um personagem forte demais que jamais o abandonaram, por mais talentosos que fossem, como Christopher Reeve, por exemplo. Edward Norton, mais uma vez, também se destaca, principalmente ao dar vida a esse atorzinho cretino que está mais interessado em sair com as mulheres que encontra pela frente do que com o sucesso efetivo da peça. Outra coisa que me deixou realmente gratificado foi acompanhar a linha narrativa, ora em uma visão objetiva do que se passa, ora de forma subjetiva, nos fazendo entrar na mente do personagem de Keaton, ouvindo o que ele ouve, vendo suas alucinações e sentindo suas emoções. Uma grande aula de cinema que também presta uma bela homenagem ao mundo do teatro. Um filme realmente completo, sob todos os pontos de vista. Obra prima.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

O Grande Hotel Budapeste

Título no Brasil: O Grande Hotel Budapeste
Título Original: The Grand Budapest Hotel
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Twentieth Century Fox
Direção: Wes Anderson
Roteiro: Stefan Zweig, Wes Anderson
Elenco: Ralph Fiennes, F. Murray Abraham, Willem Dafoe, Jeff Goldblum, Harvey Keitel, Jude Law, Bill Murray, Edward Norton

Sinopse:
Em um hotel decadente, que já fora um dos mais luxuosos e requintados do passado, o Sr. Moustafa (F. Murray Abraham) relembra a um escritor como se tornou dono do estabelecimento, desde os anos 1930, quando pisou pela primeira vez no local para um de seus primeiros empregos, de mensageiro. Filme indicado ao Globo de Ouro nas categorias de Melhor Direção, Melhor Ator - Comédia ou Musical (Ralph Fiennes) e Melhor Roteiro. Vencedor do Globo de Ouro na categoria de Melhor Filme - Comédia ou Musical. Filme vencedor do Oscar 2015 nas categorias de Melhor Trilha Sonora Original (Alexandre Desplat), Melhor Figurino, Melhor Maquiagem e Penteado e Melhor Direção de Arte.

Comentários:
Quem conhece o estilo do diretor Wes Anderson certamente não vai se surpreender muito. Ele tem uma estética toda própria e a utiliza para contar suas histórias incomuns. Por outro lado considerei esse um de seus filmes mais simpáticos e bem realizados. Longe de seus conhecidos exageros o cineasta conseguiu ser fiel à sua forma sui generis de fazer cinema ao mesmo tempo em que conseguiu tornar seu filme bem mais acessível ao grande público. Não há como negar que é um trabalho honesto e muito íntegro em seus objetivos. A direção de arte é um show à parte, com soluções visuais de muito bom gosto. O roteiro também me deixou extremamente satisfeito pois tem ótimos diálogos, principalmente os provenientes do personagem Mr. Gustave (Ralph Fiennes). Um tipo tão pedante que faz rir. Aqui abro um pequeno parêntese para elogiar o surpreendente feeling para comédias por parte de Ralph Fiennes. Ator talentoso que sempre se destacou por dramas pesados em produções requintadas e de estilo, mostra completa desenvoltura com o humor, um lado de sua personalidade que eu ainda desconhecia. Aqui ele dá vida a um grã-fino mordomo que nem pensa duas vezes antes de seduzir senhoras idosas e... ricas! Um canastrão, levemente mal caráter, que acaba ganhando a simpatia do espectador por causa de seu jeito um tanto quanto distante do mundo real. Outro fato que considero digno de elogios vem da estrutura narrativa de seu enredo. São três saldos temporais, o primeiro mostrando um velho autor ditando suas lembranças de como escreveu o grande livro de sua vida. O segundo, décadas antes, quando esse mesmo escritor conheceu a história do misterioso dono do hotel Budapeste e por fim um novo recuo no tempo explorando os anos 1930 quando esse mesmo homem rico chegou pela primeira vez no grande hotel para trabalhar como um mero mensageiro. Nem preciso dizer que as três linhas narrativas se completam maravilhosamente bem. Por fim e não menos importante temos que elogiar praticamente todo o elenco - e por falar nisso que elenco é esse?! Grandes astros, atores de primeiro time, todos empenhados em fazer o filme dar certo. Alguns só aparecem em breves momentos e outros mal possuem duas linhas de diálogo para falar. Mesmo assim cada um tem sua importância na trama. Enfim, provavelmente seja uma das comédias mais bem produzidas que assisti em minha vida. Wes Anderson não é um diretor para todos os gostos, mas aqui temos que reconhecer que ele chegou muito perto de realizar a sua grande obra prima. 

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

O Jogo da Imitação

Título no Brasil: O Jogo da Imitação
Título Original: The Imitation Game
Ano de Produção: 2014
País: Inglaterra, Estados Unidos
Estúdio: The Weinstein Company, Black Bear Pictures
Direção: Morten Tyldum
Roteiro: Andrew Hodges, Graham Moore
Elenco: Benedict Cumberbatch, Keira Knightley, Matthew Goode
  
Sinopse:
Durante a Segunda Guerra Mundial se torna vital ao governo inglês decifrar os códigos criptografados de comunicação das forças armadas alemãs. Para isso se resolve formar um grupo de alto nível, com cientistas e matemáticos renomados. Um deles, Alan Turing (Benedict Cumberbatch), logo se destaca ao propor a construção de uma enorme máquina de descodificação denominada de "Christopher". Mesmo contando com a desconfiança dos militares e o ceticismo de seus próprios companheiros de pesquisas ele segue em frente, numa das mais importantes missões de toda a história da guerra. Filme indicado ao Globo de Ouro nas categorias de Melhor Filme - Drama, Melhor Ator (Benedict Cumberbatch), Melhor Atriz (Keira Knightley), Melhor Roteiro Adaptado e Melhor Som. Filme vencedor do Oscar 2015 na categoria de Melhor Roteiro Adaptado (Graham Moore)

Comentários:
Um excelente filme que procura enfocar em um dos momentos mais cruciais de toda a guerra. Para os ingleses o conflito vinha sendo desenvolvido de forma desastrosa, com muitas baixas e perdas nos campos de batalha. Apenas um serviço de espionagem eficaz poderia reverter o quadro desalentador. Assim foi criado um grupo de gênios em suas áreas de conhecimento que tinha como principal objetivo quebrar o código alemão de comunicação conhecido como Enigma. Não era uma tarefa fácil. Havia milhões de combinações possíveis e nenhuma pista sólida para se chegar a uma solução para o quebra cabeças. Foi então que se destacou o matemático Alan Turing (Benedict Cumberbatch). Pessoalmente era um sujeito bem estranho e esquisito, cheio de manias e com pouco talento no trato social. Extremamente lógico e direto, ele certamente não seria reconhecido por ser um homem amável ou simpático, porém possuía uma dessas mentes raras, com imenso talento para decifrar códigos e mensagens secretas. Seu modo de pensar de forma abstrata, bem à frente de seu tempo, daria origem a uma enorme máquina, quase do tamanho de uma sala, apenas para fazer cálculos que seriam impossíveis para a mente de um ser humano comum. Bom, se a figura de um computador primitivo veio em sua mente você está certo! De certa maneira foi isso mesmo que Turing construiu, um dos primeiros computadores da história. Ele inclusive foi um dos pioneiros na ideia inovadora de se criar um computador digital provido de inteligência artificial! Era realmente um privilegiado. Curiosamente também tinha um complicado segredo para guardar de foro íntimo, que poderia o levar até mesmo para a prisão de acordo com as leis inglesas da época. Em suma, um belo resgate histórico desse sujeito que hoje em dia poucos conhecem, mas que foi tão crucial na vitória contra os nazistas quanto qualquer soldado no campo de batalha. No final de tudo a grande mensagem que o filme passa é simples de se resumir: uma guerra não se vence apenas com armas, mas com inteligência também!

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Para Sempre Alice

Título no Brasil: Para Sempre Alice
Título Original: Still Alice
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: BSM Studio
Direção: Richard Glatzer, Wash Westmoreland
Roteiro: Lisa Genova, Richard Glatzer
Elenco: Julianne Moore, Alec Baldwin, Kristen Stewart, Kate Bosworth

Sinopse:
A Dra. Alice Howland (Julianne Moore) está vivendo um dos melhores momentos de sua carreira. Pesquisadora e professora aclamada pela Academia, ela finalmente é contratada pela prestigiada Universidade de Columbia. Infelizmente para Alice pequenos esquecimentos e lapsos de memória começam a lhe prejudicar na profissão. Preocupada com esses pequenos eventos recorrentes em seu cotidiano, ela resolve consultar um neurologista. Após vários exames vem a terrível notícia: ela está com Mal de Alzheimer. Filme indicado ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Atriz (Julianne Moore). Filme vencedor do Oscar 2015 na categoria Melhor Atriz (Julianne Moore).

Comentários:
Todos os anos cresce o número de pessoas diagnosticadas com o Mal de Alzheimer. Essa é uma doença devastadora que atinge a capacidade dos doentes em reter memórias, novas e antigas, além de prejudicar as funções de cognição e comunicação do cérebro. Agora imagine uma brilhante professora atingida em cheio por essa síndrome. A personagem de Julianne Moore é uma autora de livros, uma professora muito respeitada no meio acadêmico, que sempre se destacou por sua inteligência e capacidade intelectual. Assim que a doença começa a se manifestar ela vai perdendo gradualmente não apenas sua saúde, mas também sua carreira, pois fica incapacitada de trabalhar, de dar aulas. Sua família então se une para enfrentar essa batalha terrível. O filme é muito bem dirigido e conta com um roteiro muito sutil que procura tocar o tema sem sensacionalismos ou exageros, obviamente adotando uma postura de grande respeito para com os doentes. O tom discreto e elegante também é seguido por todo o elenco, em especial Julianne Moore, que desde já é uma das mais fortes candidatas ao Oscar. Alec Baldwin também encontrou o tom ideal, não procurando ofuscar sua parceira em cena, interpretando o marido compreensivo e presente no definhamento do estado de saúde da esposa. Para os mais jovens o grande atrativo virá da presença da atriz Kristen Stewart (a Bella Swan da Saga Crepúsculo). Ela dá vida à caçula de Alice, uma garota que quer ser atriz, mesmo contra a vontade de sua mãe, que deseja que ela vá para a universidade cursar algo mais tradicional como Medicina ou Direito. No final das contas "Still Alice" se destaca por tratar de um tema muito triste e trágico de uma maneira muito delicada e adequada.

Pablo Aluísio e Erick Steve.

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Será Que?

Título no Brasil: Será Que?
Título Original: What If
Ano de Produção: 2013
País: Estados Unidos
Estúdio: CBS Films
Direção: Michael Dowse
Roteiro: Elan Mastai, T.J. Dawe
Elenco: Daniel Radcliffe, Zoe Kazan, Megan Park
  
Sinopse:
Depois de ter sido traído por sua namorada o jovem estudante de medicina Wallace (Daniel Radcliffe) decide mudar completamente de vida. Larga a faculdade e entra uma depressão que dura todo um ano. Para curtir sua melancolia ele passa as noites no teto de seu apartamento, fitando a lua ao longe. Ainda machucado e ferido decide aceitar o convite de um amigo para ir numa festa em sua casa. Lá acaba conhecendo casualmente a doce e interessante Chantry (Zoe Kazan). Ele fica imediatamente interessado nela, mas como o mundo não é perfeito ela já tem um namorado. Assim Wallace resolve ficar na complicada situação de se tornar amigo dela - mas até quando conseguirá esconder o que realmente sente por ela?

Comentários:
Amor platônico é aquele tipo de sentimento que nasce quando você se apaixona por alguém e não é correspondido ou então não cria coragem para se declarar para sua pessoa amada. Claro que isso acaba causando uma grande angústia e sofrimento. Para piorar é uma situação que pode durar por anos e anos, persistindo mesmo quando se chega a namorar ou se casar com outra pessoa. O amor platônico é duradouro porque para muitos especialistas é o mais puro amor que existe, e o mais idealizado também. Um sentimento muito forte que bate firme no peito e pode ficar escondidinho no coração por décadas! Agora imagine duas pessoas se amando platonicamente mutuamente sem que nenhuma delas tenha coragem de assumir para o outra seus sentimentos. É basicamente isso que temos aqui nesse bom romance intitulado "What If". Daniel Radcliffe interpreta esse jovem que deseja ter uma segunda chance no amor. Ele foi destroçado pela noiva que ele considerava ser o grande amor de sua vida. Agora vai atrás de outra oportunidade, mas acaba se apaixonando por uma garota que já tem namorado e está seriamente comprometida. Curiosamente ela também começa a nutrir um amor platônico por ele, já que seu noivo é definitivamente um sujeito chato e enfadonho (um daqueles caras tão certinhos como xaropes). Entre idas e vindas, encontros e desencontros, Wallace e Chantry acabam descobrindo que se amam, mesmo contra todas as convenções sociais. Por fim, e não menos importante, o elo que acaba ligando os apaixonados é um exótico pão chamado "Ouro de Tolo", que aliás era o preferido de Elvis Presley (o enredo inclusive explora muito bem esse detalhe e os fãs do cantor vão curtir as referências). Assim o que temos aqui é uma bela história de amor para se assistir a dois, abraçadinhos debaixo do cobertor. Se algum dia você se apaixonou platonicamente por alguém certamente irá se identificar. Afinal de contas o amor sempre será lindo!

Pablo Aluísio e Thaís Albuquerque.

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Cinzas da Guerra

Título no Brasil: Cinzas da Guerra
Título Original: The Grey Zone
Ano de Produção: 2001
País: Estados Unidos
Estúdio: Lions Gate Entertainment
Direção: Tim Blake Nelson
Roteiro: Tim Blake Nelson
Elenco: David Arquette, Harvey Keitel, Steve Buscemi, Allan Corduner, David Chandler
  
Sinopse:
O filme narra a história real do Dr. Miklos Nyiszli (Allan Corduner), um judeu húngaro enviado para Auschwitz. Uma vez lá acaba sendo escolhido por Josef Mengele para lhe auxiliar no setor de patologia do campo de concentração mais infame da história. Em troca de mais algum tempo de vida ele acabou aceitando participar do que os nazistas chamavam de Sonderkommandos - judeus prisioneiros usados pelos nazistas na execução de outros judeus nos campos de execução. Filme indicado ao National Board of Review, Political Film Society e San Sebastián International Film Festival.

Comentários:
Mais um bom filme que explora os horrores que aconteceram nos campos de concentração da Alemanha Nazista. Historicamente é muito interessante porque explora o cotidiano macabro que acontecia em Auschwitz durante o holocausto. Um médico judeu é enviado para lá, mas por suas qualificações profissionais é poupado pelo próprio Mengele de morrer nas câmaras de gás. Assim acaba presenciando em primeira mão a morte de milhares de judeus como ele, nessa verdadeira indústria da morte do Terceiro Reich. Inicialmente fica feliz em pelo menos sobreviver, mas depois a indignação e o dilema moral se tornam tão pesados que resolve se tornar um dos membros de uma conspiração de prisioneiros para tentar fugir daquele verdadeiro inferno na Terra. O filme tem excelente reconstituição histórica e momentos realmente tocantes como na cena em que uma jovem garota de apenas 14 anos consegue sobreviver ao gaseamento de uma das câmaras de gás do campo. Todo o roteiro foi escrito em cima do livro de memórias do próprio Miklos Nyiszli intitulado "Auschwitz - testemunho de um médico" (uma leitura mais do que recomendada). Um triste retrato de um dos períodos históricos mais lamentáveis da humanidade.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Magia ao Luar

Título no Brasil: Magia ao Luar
Título Original: Magic in the Moonlight
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Sony Pictures
Direção: Woody Allen
Roteiro: Woody Allen
Elenco: Colin Firth, Emma Stone, Marcia Gay Harden, Eileen Atkins
  
Sinopse:
Stanley (Colin Firth) é um mágico inglês que ganha a vida interpretando um mago oriental nos palcos do mundo. Procurado por um amigo, ele é convidado a desmascarar uma suposta charlatã chamada Sophie (Emma Stone). Usando de seus supostos poderes mediúnicos ela acabou encantando uma família de ricaços americanos que vivem no Sul da França. Stanley porém está determinado a revelar todos os seus truques. O que ele não esperava era se apaixonar por ela após a conhecer melhor. Filme indicado ao Lumiere Awards.

Comentários:
Esperava bem menos desse novo filme de Woody Allen. A produção nem foi tão badalada ou comentada entre os cinéfilos, passando até despercebida por muita gente boa. A verdade porém é que consegue ser tão boa quanto seus filmes mais celebrados. O enredo é simples e ao mesmo tempo cativante. Um romance ao velho estilo, passado nos anos 1920, onde a máxima de que os opostos se atraem funciona novamente. Eu sinceramente aprecio muito esse tipo de enredo mais lírico e sentimental. Coisas de um romântico incurável que não está disposto a ceder seu modo de ser ao mundo cínico em que vivemos. Stanley é um ateu, cético e materialista que não acredita em um mundo espiritual. Para ele apenas o que vemos de fato existe. Por essa razão Sophie (Stone) é logo encarada como uma impostora que vive de enganar ricos fingindo ser uma garota com poderes especiais, como o de entrar em contato com pessoas mortas. Para Stanley (Firth) tudo não passaria de um golpe grotesco. Ele já havia desmascarado inúmeros falsos médiuns ao longo de sua carreira no passado e Sophie parece apenas ser mais uma de sua lista. O problema é que ela realmente parece ter uma espiritualidade realmente especial, praticamente desconcertante. Da admiração para o amor é apenas um passo. A própria Sophie parece, com seus atos, desacreditar as posições de Stanley. Ela é cortejada por um ricaço, mas acaba gostando mesmo do mágico que está ali para desmascará-la, provando mais uma vez que o amor verdadeiro não se compra e nem se vende. Afinal de contas o que o dinheiro tem a ver com a verdadeira paixão e romance? Nada, e essa é uma verdade universal. Com bonita produção e fotografia, além da bela história de amor, "Magic in the Moonlight" é desde já um dos mais carismáticos filmes da carreira do genial Woody Allen. Coisa fina.

Pablo Aluísio.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

1492 - A Conquista do Paraíso

Título no Brasil: 1492 - A Conquista do Paraíso
Título Original: 1492 - Conquest of Paradise
Ano de Produção: 1992
País: França, Espanha
Estúdio: Gaumont, Légende Entreprises, France 3 Cinéma
Direção: Ridley Scott
Roteiro: Rose Bosch
Elenco: Gérard Depardieu, Armand Assante, Sigourney Weaver, Frank Langella
  
Sinopse:
Cristovão Colombo (Gérard Depardieu) é um aventureiro e navegador que tem uma ideia que ele considera genial. Para atingir as cobiçadas Índias orientais bastaria navegar na direção oposta, ou seja para o ocidente, pois Colombo tinha plena certeza e convicção que a Terra seria na realidade redonda e não plana como era acreditado em sua época. Para dar suporte a sua ousada expedição porém Colombo precisa antes convencer o casal de monarcas Isabel e Fernando para financiar sua volta ao mundo pelos oceanos.

Comentários:
Em 1992 o mundo celebrou os 500 anos da chegada de Cristovão Colombo no Novo Mundo. Sua visão à frente de seu tempo, sua coragem e determinação pessoal, certamente daria origem a um grande filme. "1492 - Conquest of Paradise" porém se mostra apenas razoável, o que me deixou realmente perplexo na época que o assisti pela primeira vez, uma vez que a direção havia sido entregue para o genial Ridley Scott. Mas afinal de contas o que deu errado? Olhando-se para trás podemos compreender que nem sempre um grande evento histórico dá origem a grandes filmes. O maior problema desse épico é justamente sua falta de vocação para ser um filme épico ao velho estilo, com cenas deslumbrantes e momentos impactantes. Scott não soube muito bem posicionar sua história. O clímax do enredo deveria ter sido a chegada de Colombo na América, ao colocar seus pés triunfantes numa praia selvagem de águas cristalinas, porém o cineasta perdeu uma boa oportunidade de ser conciso e eficiente e acabou se alongando demais na história, indo um pouco longe demais. Detalhes históricos demais envolvendo política e intrigas palacianas também prejudicaram o impacto que a obra deveria ter. Claro que Ridley Scott continuou com seu talento para realizar grandes imagens, porém até isso acabou sendo pulverizado por um texto que explora aspectos demais para apenas um filme (talvez se fosse uma série a coisa seria melhor digerida e desenvolvida). Do jeito que ficou a fita se tornou em muitos momentos entediante, o que é simplesmente inadmissível de acontecer em um enredo de aventuras como esse. Talvez em uma próxima ocasião acertem a mão, fazendo jus ao legado histórico dessa grande figura chamada Cristovão Colombo.

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Guardiões da Honra

Título no Brasil: Guardiões da Honra
Título Original: The Lords of Discipline
Ano de Produção: 1983
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Franc Roddam
Roteiro: Pat Conroy, Thomas Pope
Elenco: David Keith, Robert Prosky, G.D. Spradlin
  
Sinopse:
Durante a década de 1960, em uma academia militar americana localizada no sul do país, um jovem negro chamado Tom Pearce (Mark Breland) precisa enfrentar o racismo velado de seus colegas de farda. Ele sofre humilhações e até agressões físicas para desistir da escola. Para piorar o cadete Will McLean (David Keith) descobre que o comportamento lamentável dos demais alunos é incentivado pelo alto escalão militar, inclusive contando com o apoio oculto das maiores patentes, entre eles um coronel e um general cinco estrelas.

Comentários:
Bom filme que mostra uma realidade que ainda vive nos porões dos Estados Unidos (não se engane sobre isso). Pelo visto as feridas da guerra civil americana ainda se encontram abertas principalmente em relação à questão racial. É o que o roteiro desse filme procura explorar. Historicamente, durante a luta pelos direitos civis no governo JFK, houve forte resistência contra negros serem matriculados em escolas e universidades que até então eram exclusivas para brancos. Em uma sociedade fortemente segregada não havia espaço para que ambos convivessem em um mesmo lugar. Até os bebedouros, lugares nos cinemas e em transportes públicos seguiam esse tipo de demarcação racial bem delimitada. E apesar dos esforços do presidente Kennedy em derrubar essas barreiras havia ainda forte resistência para que isso efetivamente nunca acontecesse de fato. Aqui temos como cenário o Carolina Military Institute. Situado em um dos estados mais segregados da América o lugar se tornou um verdadeiro campo de batalha surdo depois que recebeu o primeiro jovem negro em suas fileiras de alunos. Um retrato triste de uma época que se recusa a ser enterrada pela história.

Pablo Aluísio.

Acima das Nuvens

Título no Brasil: Acima das Nuvens
Título Original: Clouds of Sils Maria
Ano de Produção: 2014
País: França, Suíça, Alemanha
Estúdio: CG Cinéma, Pallas Film, CAB Productions
Direção: Olivier Assayas
Roteiro: Olivier Assayas
Elenco: Juliette Binoche, Kristen Stewart, Chloë Grace Moretz, Lars Eidinger
  
Sinopse:
Maria Enders (Juliette Binoche) é uma atriz veterana que vai até a Suíça participar das homenagens ao escritor Wilhelm Melchior, o autor que lhe deu uma chance logo no começo de sua carreira ao lhe escalar para uma das personagens centrais de sua peça de sucesso. Ao chegar em Zurique ela descobre que ele está morto. Ao lado de sua assistente pessoal, a jovem Valentine (Kristen Stewart), ela terá agora que lidar com velhos fantasmas de seu passado ao mesmo tempo em que decide se aceita ou não voltar à peça que a consagrou. Filme indicado à Palma de Ouro em Cannes.

Comentários:
Fugindo do cinema mais comercial de Hollywood hoje trago essa boa dica de cinema europeu. Se trata de um drama existencial muito bem escrito mostrando os bastidores da vida de uma consagrada atriz veterana interpretada pela ótima Juliette Binoche. No passado ela se consagrou interpretando uma jovem ousada de 20 anos na famosa peça de Wilhelm Melchior. No texto ela tinha um complicado relacionamento com sua chefe em uma empresa prestes a falir. O subtexto explorava a estranha atração lésbica que surgia entre a mulher mais velha e frustrada com sua subordinada jovial e ambiciosa. Agora, envelhecida, um diretor alemão lhe oferece a chance de retornar ao mesmo texto só que ao invés de interpretar o papel da jovem que a levou à fama ela teria que fazer a personagem mais velha, amarga, lésbica e rejeitada pela jovem impetuosa. O roteiro joga muito bem com a dualidade existente entre o texto da peça teatral e a própria vida real da atriz vivida por Binoche, caminhando de forma inteligente entre os dois enredos que se entrecruzam. No elenco outro fato chama a atenção: a diferença de escolas de atuação envolvendo uma atriz francesa, com toda a sua sofisticação com suas duas colegas  americanas (Kristen Stewart e Chloë Grace Moretz). Kristen é sua assistente pessoal, uma garota que curte filmes de super-heróis (o máximo da falta de cultura cinematográfica na opinião de Maria) que parece perturbada com a finesse de sua patroa. Fumando um cigarro atrás do outro, com óculos de grau, ela está muito distante de sua personagem mais famosa, a Bella Swan da Saga Crepúsculo, sem classe ou charme algum, porém demonstrando muita força de vontade para procurar por novos rumos na carreira. Já Chloë Grace Moretz surge como uma atriz americana teen, cheia de escândalos pessoais explorados pela indústria de fofocas de celebridades dos Estados Unidos. Mimada e com uma vida pessoal caótica ela se torna o extremo oposto do tipo de profissional retratada por Binoche. Um filme de contrastes, com excelente roteiro e uma direção de fotografia de encher os olhos, com direito a maravilhosas paisagens suíças! Quer algo mais sofisticado do que isso?

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 15 de fevereiro de 2015

A Fuga

Título no Brasil: A Fuga
Título Original: The Getaway
Ano de Produção: 1994
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures
Direção: Roger Donaldson
Roteiro: Jim Thompson, Walter Hill
Elenco: Alec Baldwin, Kim Basinger, James Woods, Michael Madsen
  
Sinopse:
"Doc" McCoy (Alec Baldwin) é um criminoso especializado em roubo a bancos. Depois de um assalto mal sucedido ele acaba sendo preso. Lá fora, sua esposa, Carol McCoy (Kim Basinger), resolve articular sua saída da prisão com a ajuda de um chefão de uma organização criminosa que usa uma fachada de empresário respeitado. Jack Benyon (James Wods) deseja trazer Doc de volta às ruas para que ele coloque em prática um novo e ousado plano de roubo envolvendo milhões de dólares.

Comentários:
Segundo meus registros pessoais assisti a esse filme em janeiro de 1995. Acabou levando uma nota *** (bom). Na verdade é um filme policial de rotina que investe no casal Alec Baldwin e Kim Basinger. Casados na vida real resolveram levar a união também para as telas. O problema é que eles cultivavam um relacionamento mercurial (entenda-se brigas e mais brigas, muitas delas destemperadas e na frente da equipe de filmagem). Nem precisa dizer que para o cineasta Roger Donaldson as filmagens se mostraram bem complicadas por essa razão. Assim o barraco pessoal deles acabou prejudicando de certa maneira o resultado final. A avaliação que fiz há mais de 20 anos porém se mostra correta. Mesmo com problemas a fita pode ser considerada boa. Nada maravilhosamente memorável, mas passável. Revisto partes hoje em dia a impressão que fica foi que o tempo certamente não foi bom para ambos. Como era de se esperar Baldwin ficou mais gordo, mais chato e mais irritado. Já Kim perdeu grande parte de sua beleza. O tempo passa.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

A Outra Face da Raiva

Título no Brasil: A Outra Face da Raiva
Título Original: The Upside of Anger
Ano de Produção: 2005
País: Estados Unidos
Estúdio: New Line Cinema
Direção: Mike Binder
Roteiro: Mike Binder
Elenco: Joan Allen, Kevin Costner, Erika Christensen, Keri Russell, Evan Rache Wood, Alicia Witt
  
Sinopse:
A vida parece desmoronar para Terry Ann Wolfmeyer (Joan Allen). Esposa e mãe de quatro filhas rebeldes, ela vê tudo ruir após seu marido simplesmente decidir ir embora, sem mais, nem menos. Ele nem ao menos se deu o trabalho de explicar a ela porque decidiu abandonar sua própria casa, deixando sua mulher e filhas completamente desamparadas. Precisando lidar com a dor da perda e da estigma social de ter sido abandonada assim, ela acaba encontrando algum apoio em seu próprio vizinho, Denny (Kevin Costner), um sujeito charmoso e simpático, que logo lhe desperta atenção. Filme indicado ao Chicago Film Critics Association Awards e ao Satellite Awards.

Comentários:
Depois da queda, a redenção. Essa frase pode ser aplicada tanto à personagem principal desse drama romântico como ao próprio Kevin Costner. Depois de seguir seu próprio ego descontrolado e fracassar de forma estrondosa com a bomba "Waterworld" ele teve que aprender a ser humilde novamente em Hollywood. Aceitou pequenos papéis em filmes menores e topou servir de coadjuvante em bons roteiros que lhe trouxessem de volta parte do prestígio que havia perdido poucos anos antes. É o que faz aqui em relação a Joan Allen. A trama gira em torno dessa dona de casa comum, suburbana, que vê seu mundo ficar de cabeça para baixo após ser abandonada pelo marido. Alguns homens infelizmente agem assim, abandonam o casamento por não aguentarem mais a pressão de cuidar de uma casa, filhos e os inúmeros problemas que surgem dessa situação. Abandonada, ela acaba encontrando algum refúgio na bebida e para sua sorte (ou azar, dependendo do ponto de vista), descobre que seu vizinho bonitão também é bom de copo. Juntando o útil ao agradável ela vai se recuperando emocionalmente ao se envolver com ele, ao mesmo tempo em que precisa lidar com novos problemas, principalmente vindos de suas filhas, nem sempre pacíficas e compreensivas (você bem sabe como são as adolescentes). No geral um bom drama familiar, com Costner lambendo suas feridas após cair do Olimpo dos grandes astros de Hollywood.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 14 de fevereiro de 2015

As Tartarugas Ninja

Título no Brasil: As Tartarugas Ninja
Título Original: Teenage Mutant Ninja Turtles
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures, Nickelodeon Movies
Direção: Jonathan Liebesman
Roteiro: Josh Appelbaum, André Nemec
Elenco: Megan Fox, Will Arnett, William Fichtner
  
Sinopse:
Nova Iorque está sob sombras. Um novo clã criminoso ameaça os moradores da cidade. No meio dessa situação perigosa surge dos bueiros da cidade um grupo de lutadores com extrema habilidade. Eles saem dos esgotos para defender os pobres e oprimidos, se auto intitulando como Teenage Mutant Ninja Turtles, ou tartarugas adolescentes, mutantes e ninjas. Ao encontrarem a destemida repórter April O'Neil e seu cameraman Vern Fenwick, descobrem que podem ter um poderoso aliado no mundo das pessoas ditas normais.

Comentários:
Eu sempre considerei as Tartarugas Ninjas tão anos 80, tão anos 80, que nunca pensei que elas teriam uma sobrevida nas telas de cinema. Os filmes originais já são bem conhecidos do público em geral. São filmes bem realizados, que contaram com a preciosa colaboração de Jim Henson e tinham roteiros divertidos e bem fechadinhos em si. Agora Hollywood resolveu remexer no velho baú de personagens pops descartáveis dos anos 80 para trazer as velhas tartarugas de volta. Sendo bem sincero gostei menos desse filme do que dos antigos. Não sei se a idade tem alguma influência sobre isso, ou se essa coisa de ver tartarugas com habilidades de ninjas já não tem mais a mesma graça de antes, mas a verdade é que fiquei mesmo entediado no decorrer do filme. Para piorar não gostei do design mais realista das tartarugas ninjas, preferindo o estilo mais cartunesco dos filmes anteriores. Gente, essa coisa de transformar toda adaptação de quadrinhos em algo mais sombrio só deu certo com o Batman e ninguém mais. Além disso esses personagens não são para serem levados tão à sério. Era melhor ter feito um filme divertido, leve e despretensioso com a tartaruga Touché!

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Spawn - O Soldado do Inferno

Título no Brasil: Spawn - O Soldado do Inferno
Título Original: Spawn
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: New Line Cinema
Direção: Mark A.Z. Dippé
Roteiro: Alan B. McElroy
Elenco: John Leguizamo, Michael Jai White, Martin Sheen
  
Sinopse:
Um assassino chamado Al Simmons é traído e assassinado por seu chefe, o cruel Jason Wynn. Enviado para o inferno Al faz então um trato com o diabo em pessoa e retorna à terra como Spawn para rever sua esposa. Na Terra tem como objetivo matar Wynn, o responsável por sua morte. Enquanto isso um estranho ser, que mais parece um palhaço, pretende destruir o mundo com a ajuda de um vírus mortal. Seria o começo do tão aguardado Armageddon das profecias? Antes que isso aconteça Spawn precisa decidir de qual lado ficará, do bem ou do mal...

Comentários:
Transposição para o cinema do famoso personagem de quadrinhos criado por Todd McFarlane. Antes de mais nada temos que entender que mexer em uma obra como essa, que já está bem desenvolvida no mundo dos comics, com uma legião de fãs (e especialistas no tema) formada é muito complicado. Sempre haverá alguém para reclamar. As pessoas precisam entender que é simplesmente impossível realizar um filme de meras duas horas de duração que sequer consiga chegar aos pés da complexidade do que se lê nas revistas mensais do herói (ou anti-herói, dependendo do ponto de vista). Por isso assim que chegou aos cinemas Spawn levou bordoadas de todos os lados e em especial dos leitores de seus quadrinhos. Penso de forma diferente. Acredito que é uma boa adaptação para as telas. O roteiro procura apresentar o personagem para os frequentadores de cinema (um público que nem sempre acompanha quadrinhos) ao mesmo tempo em que não pareça vazia ou infantil demais. Também tenta da melhor forma possível não decepcionar aos fãs de longa data do Spawn das comics. O resultado é sim muito bom, diria até eficiente. Claro que muita coisa ficou de fora, mas fazer um filme que fosse completo seria realmente uma tarefa que nem o mais poderoso super-herói poderia realizar. 

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Drugstore Cowboy

Título no Brasil: Drugstore Cowboy
Título Original: Drugstore Cowboy
Ano de Produção: 1989
País: Estados Unidos
Estúdio: Avenue Pictures Productions
Direção: Gus Van Sant
Roteiro: James Fogle, Gus Van Sant
Elenco: Matt Dillon, Kelly Lynch, James Le Gros
  
Sinopse:
O enredo de "Drugstore Cowboy" foi baseado na novela escrita por James Fogle. Durante a década de 1970 um casal, formado por Bob (Dillon) e sua namorada Dianne (Kelly Lynch), vaga pelas ruas de Portland em busca de oportunidades de saciar seu crescente vício em drogas de farmácia. Para conseguir a próxima dose não se inibem em cometer crimes pelas ruas mais escuras e sujas da grande cidade. Filme vencedor do quatro prêmios do Independent Spirit Awards. Também vencedor do Berlin International Film Festival na categoria de Melhor Direção (Gus Van Sant).

Comentários:
Muitos conhecem o trabalho do cineasta Gus Van Sant apenas em sua fase mais comercial, mainstream. Eu sou da época em que Van Sant era considerado um diretor maldito, marginal, independente e... muito mais criativo! Suas obras cinematográficas eram focadas em cima daqueles  que estavam à margem da sociedade, os verdadeiros marginais do sistema. Para Sant era mais interessante explorar a vida de um jovem que vivia de realizar programas sexuais nas ruas com homens mais velhos do que retratar a fina flor da sociedade americana. Aqui ele exercita novamente esse seu lado artístico mais ousado. "Drugstore Cowboy" é sobre drogados, mas não drogados comuns. Essas pessoas perdidas não estão preocupadas em consumir maconha ou drogas pesadas como cocaína e heroína. O que eles querem mesmo são remédios de farmácia, aqueles que são vendidos legalmente com prescrições médicas em qualquer estabelecimento farmacêutico da esquina. O barato para o personagem Bob, interpretado de forma maravilhosa por Matt Dillon, é realmente descolar suas drogas industriais na Drugstore mais próxima, para passar o fim de semana completamente drogado. E para isso ele se utiliza de todas as artimanhas possíveis. O roteiro acerta muito em explorar esse tipo de junkie, o sujeito que realiza suas "viagens psicodélicas" com remédios de balcão. O enredo é passado na década de 1970, justamente na época em que esse tipo de vício começou a se tornar cada vez mais popular entre os americanos. Sua linguagem cru e direta combina perfeitamente com a estória que se propõe a mostrar. Um excelente filme marginal que merece ser redescoberto (inclusive pelas TVs a cabo, que andam saturadas na sempre exibição dos mesmos filmes, ano após ano).

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Encontrando Forrester

Título no Brasil: Encontrando Forrester
Título Original: Finding Forrester
Ano de Produção: 2000
País: Estados Unidos
Estúdio: Columbia Pictures
Direção: Gus Van Sant
Roteiro: Mike Rich
Elenco: Sean Connery, Rob Brown, F. Murray Abraham, Anna Paquin
  
Sinopse:
O jovem negro Jamal Wallace (Rob Brown) não é apenas bom no basquete e nos esportes. Ele demonstra ter talento também nos estudos. Após tirar uma excelente nota em um exame estadual de sua escola, ele ganha uma bolsa de estudos numa ótima universidade em Manhattan. No meio acadêmico acaba fazendo uma improvável amizade com um famoso escritor que vive de forma reclusa, William Forrester (Sean Connery). Essa aproximação acaba por ajudar Jamal a superar seus problemas pessoais e o preconceito racial, ainda existente em seu meio. Filme indicado ao Berlin International Film Festival e Chicago Film Critics Association Awards.

Comentários:
Não consegui gostar plenamente desse filme. Algumas vezes isso acontece na vida de um cinéfilo. Você alugar a fita (relembrando um passado recente), leva para casa, cria boas expectativas mas... não funciona! "Finding Forrester" simplesmente não funcionou no meu caso. O elenco é parcialmente bem escolhido. Uso essa palavra "parcialmente" com o objetivo de mostrar que apesar de Sean Connery ter sido bem escalado a escolha por Rob Brown se mostrou desastrosa. Imagine colocar um ator assim, sem muita experiência, bem no meio de gente como Connery e principalmente F. Murray Abraham, um monstro em termos de atuação, isso o deixou ainda mais vulnerável. O pobre rapaz foi sumindo, sumindo... até desaparecer completamente no meio desses deuses do Olimpo dos grandes atores. Deveria ter sido escolhido alguém melhor, mais seguro, mais concentrado e principalmente mais experiente. Ele não convence em nenhum momento e faz com que o filme desabe, lá por volta dos 40 minutos de duração. E afinal, tirando isso o que podemos destacar? O filme tem uma boa fotografia - ajudada em parte pela bonita região de Ontario, Canadá, e Nova Iorque, no esplendor de sua beleza em outono. Assim, concluindo essa breve resenha, não indicaria hoje em dia o filme a quem ainda não viu e nem muito menos para quem desejasse apenas realizar uma revisão tardia de seus (poucos) méritos cinematográficos.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

A Isca Perfeita

Título no Brasil: A Isca Perfeita
Título Original: Birthday Girl
Ano de Produção: 2001
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: FilmFour, HAL Films, Mirage Enterprises
Direção: Jez Butterworth
Roteiro: Tom Butterworth, Jez Butterworth
Elenco: Nicole Kidman, Vincent Cassel, Ben Chaplin
  
Sinopse:
Nadia (Nicole Kidman) é uma jovem russa que encontra um noivo, o inglês John (Ben Chaplin), na internet. Ela é bonita e atraente, mas deseja sair de seu país natal em busca de melhores oportunidades de vida. Ele já está um pouco velho e quer acabar com sua solidão. Ambos assim entram em um acordo. Ela vai até a Inglaterra para lhe conhecer. Nada porém sairá como havia sido planejado. Filme indicado ao Hollywood Film Awards na categoria de Melhor Atriz (Nicole Kidman).

Comentários:
Com o fim da ex-União Soviética e a popularização da internet muitas mulheres russas (algumas das mais bonitas do mundo) viram uma oportunidade de sair de seu país, arranjando maridos ricos e solitários nos países mais desenvolvidos e prósperos do ocidente. Criou-se assim uma verdadeira rede de intercâmbio entre as jovens russas e seus pretendentes internacionais. Nem sempre a situação saía como inicialmente havia sido planejada por esses solitários do primeiro mundo. O enredo se desenvolve justamente em cima dessa situação básica. O filme não é um romance em sua essência e em determinado momento dá uma guinada rumo ao suspense. Kidman está linda e perfeita em seu papel, embora seja australiana de origem, ela convence plenamente como uma russa - até porque ela é uma maravilhosa loira de olhos azuis, tal como as belas garotas de Moscou. O tom é meio frio e distante, mas nesse caso combina perfeitamente com os propósitos de sua personagem.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Perigo na Noite

Título no Brasil: Perigo na Noite
Título Original: Someone to Watch Over Me
Ano de Produção: 1987
País: Estados Unidos
Estúdio: Columbia Pictures
Direção: Ridley Scott
Roteiro: Howard Franklin
Elenco: Tom Berenger, Mimi Rogers, Lorraine Bracco
  
Sinopse:
Mike Keegan (Tom Berenger) é um detetive do departamento de homicídios que acaba se apaixonando por uma testemunha de um crime brutal. Ela é a socialite Claire Gregory (Mimi Rogers), uma mulher rica e elegante, mas também sensual, que acaba abalando Keegan pois além de haver um choque de interesses na investigação que ele realiza há um aspecto em sua vida pessoal que poderá fazer tudo a perder, pois ele é casado. Filme indicado no Festival Fantasporto na categoria de Melhor Direção. Também indicado ao prêmio da American Society of Cinematographers.

Comentários:
Nessa produção o cineasta Ridley Scott resolveu aproveitar novamente a estética visual que havia utilizado em seu clássico "Blade Runner". Uma forma de trazer um pouco do cinema noir clássico para os nossos dias. O filme assim se revela bem interessante do ponto de vista da fotografia e da direção de arte. Infelizmente no resto não se sai tão bem. O romance entre o tira e a testemunha que deveria proteger fica no meio tom entre o chato e o previsível. O ator Tom Berenger, que vinha em um ótimo momento na carreira após o sucesso de "Platoon" de Oliver Stone, nem sempre se mostra em cena como a decisão acertada para esse papel. Ele funciona plenamente nas cenas de ação e tiros, porém nos momentos mais dramáticos e sensuais falha consideravelmente. Fruto de sua imagem nas telas, a do sujeito durão, no limite, prestes a explodir em fúria. Esse tipo de coisa não combina muito bem com um policial investigador caindo de amores por alguém. De qualquer maneira o filme ainda vale a pena, principalmente por causa do talento de Ridley Scott, que sempre conseguiu transformar suas películas em verdadeiras obras de arte visuais.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

A Vida em Preto e Branco

Título no Brasil: A Vida em Preto e Branco
Título Original: Pleasantville
Ano de Produção: 1998
País: Estados Unidos
Estúdio: New Line Cinema
Direção: Gary Ross
Roteiro: Gary Ross
Elenco: Reese Witherspoon, Tobey Maguire, William H. Macy, Jeff Daniels, Joan Allen
  
Sinopse:
Fã de seriados antigos, em preto e branco, é tragado pela própria TV e ao lado da irmã são transportados para os episódios das séries antigas de que tanto gostam. Uma vez lá entendem o choque de costumes e moral existentes entre as décadas de 1950 (onde as estórias da série são ambientadas) e a sua própria cultura de vida e comportamento dos anos 1990 (onde vivem no mundo real). Filme indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Direção de Arte, Melhor Figurino e Melhor Música.

Comentários:
Um filme bem simpático, ideal para quem gosta desse clima mais vintage e nostálgico, mesmo que não tenha idade suficiente para ter vivido naqueles anos. No fundo é uma grande alegoria sobre a repressão que imperava naqueles tempos e a suposta liberdade de costumes e moral que começou a viver a sociedade americana após o advento da contra cultura. Pessoalmente considero a ideia muito boa, pena que não foi muito bem desenvolvida. Passados os momentos iniciais onde o espectador capta a mensagem subliminar do roteiro tudo começa a cair na vala comum e o pior é que em certos momentos a coisa resvala diretamente para a vulgaridade pura e simples. Mesmo assim, com esses tropeços eventuais, o filme como um todo ainda consegue se salvar. Em termos de elenco aqui vão algumas considerações breves. Reese Witherspoon está muito bonita naquele figurino clássico. Ela tem uma beleza toda particular e se saiu muito bem nessa transposição de época. Uma verdadeira Pin-up. Tobey Maguire continua o mesmo, fazendo o mesmo tipo de personagem filme após filme (nem quando encarou o Homem-Aranha ele conseguiu sair desse estilo). Seu papel não é grande coisa e ele não consegue se destacar. Sinceramente considero a fama de Tobey meio forçada após todos esses anos. Jeff Daniels é outro ator caricato. Ele parece ter caído de alguma comédia bem no meio do enredo. Não chega a ser desastroso, mas sua cara de sonso em determinados momentos nos faz soltar alguns bocejos. William H. Macy é quem no final das contas se sai melhor. Não canso de dizer que ele é de fato um ator raro, desses que nunca se tornaram astros, mas que costumam roubar todos os filmes dos quais participa. Então é isso, "Pleasantville" poderia ser bem melhor do que realmente é, porém não chega a ser uma decepção completa. Vale ao menos uma espiada.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Eddie and the Cruisers II

Título no Brasil: Sem Título Definido
Título Original: Eddie and the Cruisers II - Eddie Lives!
Ano de Produção: 1989
País: Estados Unidos, Canadá
Estúdio: Alliance Communications Corporation
Direção: Jean-Claude Lord
Roteiro: P.F. Kluge, Charles Zev Cohen
Elenco: Michael Paré, Marina Orsini, Bernie Coulson
  
Sinopse:
A busca por Eddie Wilson (Michael Paré), o cantor famoso desaparecido há 20 anos, continua. Juntando uma pista aqui e outra acolá uma persistente jornalista começa a montar o quebra-cabeças de seu sumiço. Antigo líder do grupo Eddie and the Cruisers, suas gravações ganharam um status cult com os anos o que fez sua fama aumentar ainda mais, mesmo após tanto tempo depois de seus últimos sucessos. Teria Eddie morrido em algum lugar ou estaria mesmo escondido de tudo e de todos?

Comentários:
Continuação de "Eddie, o Ídolo Pop". Como se sabe e se viu no filme original o enredo gira em torno do desaparecimento de um ídolo da música que some da noite para o dia sem deixar rastros. O roteiro visivilmente pega carona em lendas do tipo "Elvis Não Morreu" e coisas do gênero. Pois bem, nesse segundo filme finalmente se chega ao paradeiro de Eddie. Para desapontamento geral de seus fãs do passado o Eddie está apenas vivendo uma vida medíocre no interior dos Estados Unidos. De dia dirige um caminhão de transporte de alimentos de safra e de noite curte seus familiares que não possuem a menor ideia de quem ele foi um dia. Vive em uma fazenda distante. É a velha teoria de que Elvis Presley teria largado a fama e o sucesso que o tinham consumido para viver uma pacata existência em um daqueles interiorzões americanos ao lado de uma família tipicamente caipira, trabalhando em um emprego qualquer para sustentar sua casa e nada mais. Uma busca obsessiva por uma vida normal. O enredo é bonitinho, mas também meio decepcionante. Imaginem o próprio Elvis com barrigão de cerveja, na varanda, tomando uns goles da gelada e vendo o tempo passar... meio chato não? O filme, pelo menos ao que me consta, permanece inédito no Brasil, mesmo após tantos anos de seu lançamento original.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Ringo Starr - Sentimental Journey

Ringo Starr - Sentimental Journey - Certa vez uma jornalista perguntou a John Lennon se ele achava que Ringo era o melhor baterista do mundo! John pensou um pouco e disparou: "Ele não é nem o melhor baterista dos Beatles!". Todos riram. Penso que o único que não riu de verdade foi o próprio Ringo. Por anos e anos ele sempre foi subestimado. Era sempre visto como o baterista mais sortudo do mundo por fazer parte do grupo mais famoso da história do rock e nada mais. Isso porém não conseguiu abalar sua bem humorada personalidade. Hoje em dia o Ringo pode até parecer meio ranzinza e mal humorado (como quando pediu aos fãs dos Beatles que parassem de lhe enviar cartas pois a Beatlemania já havia acabado há mais de cinquenta anos), mas a verdade é que quando jovem ele realmente tinha um bom humor à toda prova, o que sempre lhe valeu a alcunha de ser o alívio cômico dentro do grupo (enquanto os outros tentavam se matar dentro do estúdio ele mantinha a calma, procurando manter um clima ao menos respirável dentro da banda). Quando isso não foi mais possível e os Beatles explodiram ele, como os demais, também partiu para uma carreira solo. "Sentimental Journey", lançado em março de 1970, foi sua primeira tentativa de seguir por esse caminho.

Um disco solo de Ringo Starr tinha que superar dois grandes problemas: O primeiro é que ele nunca foi um compositor consolidado enquanto fez parte dos Beatles. De fato Ringo nunca conseguiu se sobressair no meio de todos aqueles gênios. Ele sabia disso e para falar a verdade nunca tentou. Ao contrário de George Harrison, que com muito esforço conseguiu colocar a cabeça por um breve momento em um ponto pouco acima da genialidade de Lennon e McCartney, Ringo nunca se destacou. O segundo problema para Ringo era mais complicado: ele também nunca foi um bom cantor. Então como segurar as pontas em um disco todo cantado por alguém que nunca foi considerado um bom cantor? Ele certamente não iria passar todo o seu disco solo tocando bateria. Para piorar ele também não era arranjador e nem produtor. Para superar tantos problemas Ringo apelou para seus amigos. Assim Paul McCartney, Quincy Jones, Les Reed, George Martin e até Maurice Gibb (do Bee Gees) ajudaram o Ringão nesse projeto. As canções foram escolhidas pelo próprio Ringo e para não errar ele escolheu apenas a nata, como Cole Porter, Johnny Mercer e Les Brown. O resultado é bom, interessante, mas também nada brilhante. No fundo tudo não passa de um esforço honesto por parte de Ringo em sobreviver musicalmente.

Ringo Starr - Sentimental Journey (1970)
1. Sentimental Journey
2. Night and Day
3. Whispering Grass (Don't Tell the Trees)
4. Bye Bye Blackbird
5. I'm a Fool to Care
6. Stardust
7. Blue, Turning Grey Over You
8. Love Is a Many Splendoured Thing
9. Dream
10. You Always Hurt the One You Love
11. Have I Told You Lately That I Love You?
12. Let the Rest of the World Go By

Pablo Aluísio.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Ases Indomáveis

Maverick (Tom Cruise) é um jovem piloto de caças que vai para a elite da aviação militar norte-americana. Sem saber acaba se envolvendo com Charlotte (Kelly McGillis), sua instrutora de vôo. Hoje resolvi rever "Top Gun: Ases Indomáveis"! O filme continua muito bom, com ótimas cenas de combates entre caças F14 da marinha americana e um pano de fundo para trazer humanidade aos pilotos. Além disso o filme tem uma boa sub trama envolvendo o personagem Maverick (Tom Cruise) e sua instrutora (a bonita Kelly MgGillis). Vendo hoje, depois de tantos anos, cheguei na conclusão que esse realmente deve ser um dos primeiros "filmes clips" da história do cinema. Essa denominação eu uso porque ele tem muito da linguagem MTV, tudo muito rápido, com edição esperta, trilha sonora de FM e nada de muito profundo ou pesado (mesmo quando seu companheiro de vôo Goose morre nada fica muito dramático). Top Gun foi o primeiro grande sucesso de bilheteria da carreira de Tom Cruise que a partir daqui virou astro de primeira grandeza.

Um remake do filme estava em produção mas a morte do diretor Tony Scott provavelmente coloque o projeto na gaveta. Não deixa de ser curioso o fato de "Top Gun" não ter tido uma continuação na década de 80. Muitos atribuem isso ao fato do próprio Tom Cruise não ter topado realizar uma sequência. Embora tenha sido um enorme sucesso de bilheteria o ator temia ficar preso a esse personagem bem antes de desenvolver outros projetos interessantes em sua carreira. O estúdio bem que tentou mas não houve jeito. Basta ver os números finais de "Top Gun" para entender porque os executivos queriam tanto realizar uma continuação. Com custo de pouco mais de 15 milhões o filme conseguiu arrecadar nas bilheterias a estrondosa soma de quase 400 milhões de dólares - um sucesso espetacular! De qualquer modo a produção deve ser revista deixando de lado o aspecto mais ufanista de seu argumento. Muitos vêem "Ases Indomáveis" apenas como propaganda da indústria de armas dos ianques. Não vamos chegar a tanto, o filme é apenas uma diversão sem maiores consequências e deve ser encarado dessa forma. Fazendo assim você certamente irá se divertir bastante ao som do grupo Berlin e das tomadas aéreas. Sente no cockpit e se divirta!

Ases Indomáveis (Top Gun, EUA, 1986) Direção: Tony Scott / Roteiro: Jim Cash, Jack Epps Jr., Ehud Yonay / Elenco: Tom Cruise, Kelly McGillis, Val Kilmer, Anthony Edwards, Tom Skerritt, Michael Ironside, John Stockwell, Rick Rossovich, Barry Tubb, Whip Hubley, Meg Ryan, Tim Robbins / Sinopse: Maverick (Tom Cruise) é um jovem piloto de caças que vai para a elite da aviação militar norte-americana. Sem saber acaba se envolvendo com Charlotte (Kelly McGillis), sua instrutora de vôo.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu. 

 

domingo, 8 de fevereiro de 2015

O Grande Mestre

"O Grande Mestre" (Ip-Man - 2008) é um primor de filme. Esqueçam aquelas bobagens de chineses voando, andando pelas paredes ou flutuando nas copas das árvores. Esqueçam também aquele excesso de plumas e lantejoulas juntamente com a pletora de psicodelismo do diretor Zhang Yimou . O Longa, além de ser baseado em fatos verídicos, é construído em cima de um excelente roteiro e uma direção primorosa de Wilson Yip, diretor chinês nascido em Hong-Kong. As cenas de luta são uma primazia das artes marciais e beiram a perfeição. O longa é ambientado na década de 30 onde o mestre Ip-Man (Donnie Yen) - que na vida real foi o primeiro mestre do lendário Bruce Lee e especialista na arte do Wing-Chun - leva uma vida pacífica, abastada e feliz junto de sua pequena família (mulher e filha). É uma época onde a China esta abarrotada de academias de Kung-Fu e onde invariavelmente os alunos e mestres de várias academias se digladiam em nome da honra, do respeito e até mesmo da supremacia de uma academia sobre a outra.

Apesar de todo esse frenesi, o mestre Ip-Man é diferente, pois não possui academia e nem tem alunos. Treina sozinho em casa e vive a maior parte do tempo recluso junto à família. Sua maior diversão é enfrentar amistosamente aqueles que quase diariamente o desafiam. No entanto o destino do mestre e de toda a China estão para mudar. Em 1937 explode A Segunda Guerra Sino-Japonesa (1937-1945). Sua pequena cidade, juntamente com toda a China, é invadida e seu povo escravizado pelo exército japonês. Como última esperança do povo chinês, o mestre, então dado como morto, terá que renascer das cinzas e tentar salvar o orgulho do povo que tanto o ama. Um belíssimo filme.

O Grande Mestre (Ip-Man, Hong Kong / China, 2008) Direção: Wilson Yip / Roteiro: Edmond Wong / Elenco: Donnie Yen, Simon Yam, Siu-Wong Fan / Sinopse: Mestre de artes marciais leva uma pacata vida em sua cidade natal até o momento em que seu país é invadido pelo exército japonês.

Telmo Vilela Jr.

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Bobby

Título no Brasil: Bobby
Título Original: Bobby
Ano de Produção: 2006
País: Estados Unidos
Estúdio: Weinstein Company
Direção: Emilio Estevez
Roteiro: Emilio Estevez
Elenco: Anthony Hopkins, Demi Moore, Sharon Stone, Laurence Fishburne, Helen Hunt, Joshua Jackson, Ashton Kutcher, Shia LaBeouf, Lindsay Lohan, William H. Macy, Heather Graham, Emilio Estevez, Christian Slater, Elijah Wood
  
Sinopse:
O filme acompanha a história de 22 pessoas no Ambassador Hotel ocorridas no mesmo dia em que o candidato à presidência dos Estados Unidos, Bobby Kennedy, foi assassinado e de como esse evento histórico acabou mudando a vida de cada uma delas. Filme indicado ao Globo de Ouro nas categorias de Melhor Filme - Drama e Melhor Música Original ("Never Gonna Break My Faith" de Bryan Adams).

Comentários:
Tinha tudo para ser um grande filme. Uma excelente reconstituição histórica, com bom elenco, cheio de estrelas e uma história que por si só já era por demais interessante. Infelizmente o resultado final se mostrou disperso, frio e distante do espectador. Esse tipo de roteiro, ao estilo mosaico, exige um cuidado extra por parte do diretor pois corre-se o risco de, em determinado momento do filme, tudo soar falso e chato, levando o público a simplesmente perder o interesse no meio daquela verdadeira multidão de personagens que ficam poucos minutos na tela. Em "Bobby" isso infelizmente aconteceu. O ator e diretor Emilio Estevez não conseguiu evitar que isso se abatesse sobre sua obra cinematográfica. O resultado é que em pouco mais de 40 minutos de duração o filme já está morto. Tive a oportunidade de assistir no cinema, ao lado do público, sentindo a sua reação. Muitos se levantaram e foram embora, aborrecidos pela falta de foco de seu roteiro. Como eu expliquei, quando há muitos personagens em uma trama, sendo que nenhum deles é suficientemente importante para nos importar, então a tendência é realmente a dispersão completa, tanto do público quanto do próprio filme. Embora tenha sido elogiado por parte da crítica a ponto de alavancar algumas indicações ao Globo de Ouro o fato é que "Bobby" é realmente bem decepcionante.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

O Drácula da História

Muitos nunca pararam para pensar sobre isso, porém se você hoje em dia tem plena liberdade religiosa, não é obrigado a vestir uma burca em público e não sofre pena de morte por ser homossexual ou ateu, então é melhor agradecer ao Drácula por isso! Estranho o ponto de vista? Será mesmo?! E o que o personagem histórico Vlad, o Empalador, tem a ver com tudo isso? Muito simples de explicar. Vlad III, Príncipe da Valáquia (1431 - 1476), foi um nobre europeu que conseguiu deter o avanço do Império Otomano em direção ao centro da Europa cristã. Historiadores concordam que se ele tivesse falhado em deter o avanço do islamismo em direção ao coração do continente europeu muito do que conhecemos hoje em dia como cultura ocidental teria sido varrida do mapa. Os grandes reinos europeus cristãos teriam sido destruídos. A Igreja Católica, berço do cristianismo europeu, teria sido destruída, nada sobraria ao terrível avanço dos Otomanos.

Os Otomanos aniquilavam qualquer tipo de religiosidade que não fosse a sua, muçulmana. Realizavam ataques de aniquilação completa de vilas inteiras apenas por essas serem cristãs. Matavam a esmo mulheres, crianças e idosos, caso não aceitassem se converter ao Islã. Em sua sede de sangue e poder esse Império chegou nas portas da Europa em meados do século XV. Seu objetivo era claro: dominar os reinos europeus para converter toda sua população ao Islã. Quem fosse infiel seria colocado no fio da espada. O que eles não contavam é que havia um príncipe bem no meio de seu caminho. Membro da ordem do Dragão - o que lhe valeria o nome de Drácula nas páginas de Bram Stoker - Vlad decidiu que era hora de destruir aquelas hordas de muçulmanos que avançavam em direção ao reu reino. E ele estava disposto a ser tão cruel quanto seus inimigos de fé.

Obviamente que estamos falando de uma época da história particularmente brutal. As guerras eram travadas corpo a corpo, com os inimigos olhando uns nos olhos dos outros. E não havia espaço para misericórdia. Vlad, em especial, sabia que teria que vencer uma ideia, uma fé, algo que era muito enraizado na alma de seus adversários no campo de batalha, ele teria que ser ainda mais brutal que seus algozes, já conhecidos pela ira que tratavam os infiéis cristãos. Para isso Vlad resolveu empreender uma guerra psicológica para causar medo e pavor nos guerreiros do Império Islâmico. Os prisioneiros otomanos capturados eram empalados vivos - com a introdução de uma grande lança de guerra em seus ânus, que atravessavam todo o seu corpo, saindo pelas suas bocas, na outra extremidade. Depois eles eram penduradas à vista dos Otomanos, criando um campo aberto de empalados, onde gritos e choros se misturavam ao lamento dos guerreiros do outro lado do campo de batalha.

Era um fator psicológico para deter os avanços dos muçulmanos rumo à Europa. A mensagem era clara: Não venham, pois serão empalados também! Em decorrência disso muitos cronistas da época escreveram que o número de deserções no lado dos Otomanos aumentou consideravelmente da noite para o dia. Eles preferiam fugir como covardes e desertores de guerra do que enfrentar Vlad Tepes. Some-se a isso o cheiro insuportável de milhares de corpos apodrecendo e você terá uma pequena ideia do que aconteceu. Os que ficaram tentaram em vão derrotar as tropas cristãs lideradas por Drácula, mas essas com moral elevada se mostraram oponentes ferozes. As batalhas obviamente foram sangrentas e a Transilvânia viu seu solo encharcado de sangue dos guerreiros, tanto cristãos, como do Islã. Havia não apenas uma guerra religiosa em curso, mas também cultural, um verdadeiro choque de civilizações. No final Vlad se tornou vitorioso, sendo que hoje em dia ele ainda é reverenciado como um herói nacional romeno por causa de seu grande feito histórico.

Depois de séculos um escritor chamado Bram Stoker resolveu usar parte de sua história para criar o mais famoso vampiro de todos os tempos, o Conde Drácula, do romance homônimo. Ele ficou particularmente impressionado com uma crônica histórica da época que dizia que Vlad gostava de montar uma mesa de jantar bem no meio do campo dos empalados, onde se servia de sangue quente e fresco dos Otomanos agonizantes nas estacas. Unindo esse tipo de história com velhas lendas de corpos desenterrados com sangue escorrendo por suas bocas, criou-se o cenário perfeito para o escritor dar vida ao seu famoso livro. Stoker resolveu ter a brilhante ideia de unir tudo em torno de apenas um personagem, um vampiro sedento de sangue humano. O resto é história...

Pablo Aluísio.

Eddie, o Ídolo Pop

Título no Brasil: Eddie, o Ídolo Pop
Título Original: Eddie and the Cruisers
Ano de Produção: 1983
País: Estados Unidos
Estúdio: MGM
Direção: Martin Davidson
Roteiro: Martin Davidson, Arlene Davidson
Elenco: Tom Berenger, Michael Paré, Joe Pantoliano
  
Sinopse:
Um jornalista investigativo decide ir atrás das pistas sobre o desaparecimento de um antigo ídolo da música dos anos 60. Líder de um grupo de sucesso chamado Eddie and the Cruisers ele teria simplesmente sumido do mapa, sem deixar vestígios. Estaria ainda vivo e escondido em algum lugar remoto? E seu último álbum gravado e nunca lançado - ainda existiriam as gravações?

Comentários:
Não deixa de ser curioso assistir a um filme como esse. É uma visão da geração dos anos 80 sobre os antigos grupos de rock dos anos 60. Curiosamente o filme é estrelado por Michael Paré que interpreta Eddie Wilson, o cantor desaparecido. Embora não soubesse cantar (ele é dublado em todas as músicas) conseguiu realizar um bom trabalho de atuação. O roteiro apenas adapta uma velha lenda envolvendo a morte de Elvis Presley (sim, muitos ainda acreditam que ele não morreu em 1977) para desenvolver um enredo fantasioso sobre um astro do rock que cansado de tudo resolveu se mandar para viver seus últimos dias de vida em paz, longe de toda a loucura que cerca o mundo musical em geral. A trama fez sucesso e o filme acabou tendo uma continuação em 1989 com o título de "Eddie and the Cruisers II: Eddie Lives!". Esse segundo filme é bem mais melodramático do que esse original. Ambos porém valem a pena pela criatividade de seu enredo.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Jamaica Abaixo de Zero / O Cão de Guarda

Introdução - A partir de hoje vou publicar aqui em meu blog essas breves resenhas. Obviamente que o estilo mais tradicional seguirá em frente em relação a filmes novos e recentes. Em relação a essas produções mais antigas irei adotar esse estilo mais conciso e sintético. São resenhas mais simples, que seguem uma antiga agenda que criei há mais de vinte anos onde anotava todos os filmes que assistia, mês a mês. Uma forma de resgatar essas informações de minha vida de cinéfilo. Cada postagem trará duas breves resenhas, espero que gostem do resultado.

Jamaica Abaixo de Zero
Esse filme assisti pela primeira vez em janeiro de 1995. É uma comédia muito simpática, ao estilo Disney, que mostra a história real de uma equipe esportiva nas Olímpiadas de Inverno. Até aí nada demais, a não ser o fato de que os atletas são jamaicanos!!! É um grupo muito aguerrido que praticamente nunca viu neve na vida - até porque isso seria impossível na caribenha Jamaica, com seu sol eterno e clima quente. Tudo muito divertido e simpático, com elenco carismático liderado pelo excelente comediante John Candy. Falecido em 1994 esse ator foi um dos melhores de sua geração, tendo estrelado ótimas comédias como as inesquecíveis "Antes Só do que Mal Acompanhado" (ao lado do também maravilhoso Steve Martin) e "Quem Vê Cara Não Vê Coração" (uma comédia levemente dramática que diverte ao mesmo tempo em que emociona). No geral o filme acabou agradando muito e embalado por uma trilha sonora cheia de clássicos de Reggae "Jamaica Abaixo de Zero" acabou arrancando indicações em premiações, para surpresa de muitos. Diversão familiar indicada para todos, mostrando um outro lado dos jamaicanos, algo bem distante do sempre presente estigma clichê Rastafari. / Jamaica Abaixo de Zero (Cool Runnings, EUA, 1993) Direção: Jon Turteltaub / Roteiro: Lynn Siefert, Michael Ritchie / Elenco: John Candy, Leon, Doug E. Doug.

O Cão de Guarda
Pouca gente se lembra desse filme menor da filmografia de Jack Nicholson. Aqui ele atua ao lado da beldade Ellen Barkin (uma das atrizes mais sensuais do cinema americano dos últimos anos). O roteiro não agrada muito, soando tudo muito pueril e até bobo para nossa decepção. O enorme talento de Jack Nicholson, uma lenda da sétima arte, nem sempre foi devidamente explorado por Hollywood, como bem podemos provar nesse caso. Talvez por ser assim tão despretensioso acabou sendo esquecido pelo público - nem os fãs de Jack citam o filme mais. Na época que o assisti pela primeira vez não gostei muito, até porque pense bem, além de ser estrelado por Nicholson o filme ainda era dirigido pelo inspirador Bob Rafelson, que curiosamente aqui realizou uma obra sem profundidade, que não marcou e que não tinha nenhum conteúdo mais promissor. No descartável enredo Jack Nicholson interpreta Eugene Earl Axline, um treinador de cães de guarda que acaba se envolvendo com uma de suas clientes, justamente uma mulher que só lhe traria problemas. Em suma, algo bem sem importância realmente, a típica fita que você levava para casa quando não havia mais nada melhor na locadora para assistir. Só não é perda de tempo completa por causa de Jack, Ellen e Bob. Fora eles, pouca coisa realmente se salva. Uma bola fora na vida de todos esses talentosos profissionais. / O Cão de Guarda (Man Trouble, EUA, 1992) Direção: Bob Rafelson / Roteiro: Carole Eastman / Elenco: Jack Nicholson, Ellen Barkin, Harry Dean Stanton.

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Jessabelle

Título no Brasil: Jessabelle
Título Original: Jessabelle
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Lionsgate
Direção: Kevin Greutert
Roteiro: Robert Ben Garant
Elenco: Sarah Snook, Mark Webber, Joelle Carter
  
Sinopse:
Após sofrer um sério acidente de carro, que inclusive se torna fatal para seu marido, uma jovem garota decide se mudar para a casa de seu pai, um homem que na verdade ela pouco conhece e que vive em uma região remota e pantanosa da Louisiana. Impossibilitada de andar, ela encontra velhas fitas VHS gravadas por sua mãe. O conteúdo das fitas a deixa estarrecida, pois sua mãe, que era cartomante, parece ter previsto tudo o que lhe aconteceria no futuro. Afinal o que poderia estar por trás de seu misterioso passado?

Comentários:
Em nenhum momento me pareceu muito original. "Jessabelle" se revelou meio decepcionante porque vinha sendo indicado por boa propaganda boca a boca, em fóruns e grupos de debate na internet, onde todos pareciam afirmar que se tratava realmente de um terror assustador, uma boa novidade dentro do gênero. Sinceramente não vi nada disso. O roteiro procura se aproveitar de velhas fórmulas que já foram bastante testadas e estão atualmente saturadas, inclusive algumas cenas são absurdamente parecidas com outros filmes famosos, em especial "O Chamado" e "A Chave Mestra". A entidade sobrenatural que vem perturbar a protagonista tem o mesmo design da garota do poço do já citado "O Chamado", com cabelos escorridos, molhados e tudo mais. E o que dizer do uso de fitas antigas de VHS que parecem abrir um portão com o mundo espiritual? Claro que você lembrará do outro filme, as coisas são parecidas demais. Para piorar o filme não consegue desenvolver bem uma trama que até parecia promissora, mas que se revela superficial e sem grande originalidade. De bom temos apenas o bom uso dos pântanos da Louisiana, um lugar que não precisa de muitos efeitos especiais para parecer assustador. Além disso a exploração em torno dos cultos de vodu ajudam a passar o tempo. O roteiro apresenta alguns furos de lógica, mas em produções como essa era mesmo de se esperar que algo assim estivesse presente. No geral não me agradou muito, os sustos são escassos e previsíveis e a atriz que protagoniza o filme não me pareceu particularmente talentosa. Um terror que a despeito do que disseram não consegue se sobressair da média do que se costumeiramente se assiste por aí. Além disso, como já escrevi, lhe falta originalidade para ser melhor considerado.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Idênticos

Título no Brasil: Idênticos
Título Original: The Identical
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: City of Peace Films
Direção: Dustin Marcellino
Roteiro: Howard Klausner
Elenco: Blake Rayne, Ray Liotta, Ashley Judd
  
Sinopse:
Durante a grande depressão um jovem casal resolve dar um de seus filhos para adoção a um pastor e sua esposa. Os anos passam e esse rapaz acaba descobrindo ter uma semelhança incrível com um cantor de rock que está tomando de assalto todas as paradas de sucesso do país e do mundo. O que ele nem desconfia é que na realidade ele é o irmão gêmeo do famoso superstar. Roteiro que mescla história real com mera ficção, levemente baseado na história do cantor Elvis Presley.

Comentários:
Como se sabe o cantor Elvis Presley (1935 - 1977) teve um irmão gêmeo que morreu poucos minutos após seu nascimento. Seus pais eram pobres trabalhadores do sul dos Estados Unidos e sentiram uma grande tristeza quando isso aconteceu. Uma tragédia familiar que acompanhou o astro por toda a sua vida. Elvis porém sobreviveu e virou uma lenda da música. Nesse roteiro temos uma tentativa de imaginar como seria a vida de Jesse (o irmão de Elvis) se tivesse sobrevivido. E se ao invés de ter falecido ele tivesse sido entregue a um casal de pastores que não conseguiam ter filhos. O roteiro parte basicamente dessa premissa, porém em nenhum momento assume esse aspecto de forma clara ou direta. O nome Elvis é citado apenas indiretamente, mas aspectos de sua biografia estão por toda parte (o jovem cantor de rock, a morte da mãe, a ida para o exército, etc). Os produtores jogaram partes da biografia de Elvis em um liquidificador e depois as misturaram entre os dois irmãos gêmeos que são os protagonistas desse enredo. O resultado é bem mediano, forçado em vários aspectos e com uma produção que não consegue convencer ou empolgar em nenhum momento. E para desespero de muitos que irão ver o filme temos que avisar que o pobre "Jesse" acaba virando um cover de seu irmão mais famoso! Depois de ganhar muito dinheiro como imitador, ele finalmente entra em crise pois sonha em vencer como artista sendo ele mesmo, cantando suas próprias composições, o que não acontece. Ficção, fantasia e realidade se mesclam ao longo de todo o filme. Agora o imperdoável mesmo é um aspecto que jamais poderia dar errado em um musical dramático como esse: a música. Musicalmente o filme é completamente desastroso. A trilha sonora não tem um só rock de verdade, apenas canções derivativas que mais parecem músicas arranjadas nos anos 80, tudo soando falso demais para ser levado à sério. Tirando a voz do cover que canta a trilha, que tenta desesperadamente lembrar o verdadeiro Presley, pouca coisa se salva. Apesar de gostar muito da história de Elvis Presley e tudo o mais, não consegui realmente gostar desse filme. Em minha opinião ele é no final das contas bem decepcionante mesmo. Jesse Garon merecia coisa melhor.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Busca Implacável 3

Título no Brasil: Busca Implacável 3
Título Original: Taken 3
Ano de Produção: 2014
País: França, Estados Unidos
Estúdio: Canal+, Ciné+, EuropaCorp
Direção: Olivier Megaton
Roteiro: Luc Besson, Robert Mark Kamen
Elenco: Liam Neeson, Forest Whitaker, Maggie Grace, Dougray Scott 
  
Sinopse:
Bryan Mills (Liam Neeson) é acusado injustamente de matar sua ex-esposa. Tentando sobreviver a um duro cerco policial ele parte em busca da identidade do verdadeiro criminoso. Suas investigações apontam para o atual marido de sua ex, o pouco confiável Stuart St John (Dougray Scott), sem desprezar também as pistas que parecem ligar a máfia russa liderada pelo gangster Oleg Malankov (Sam Spruell) ao brutal assassinato. O que afinal estaria por trás desse crime?

Comentários:
Luc Besson continua colocando seus ratinhos de laborátorio para dirigir seus roteiros de ação. A bola da vez é do francês Olivier Megaton que já havia dirigido o filme anterior (Taken 2). Em minha opinião essa franquia nunca foi grande coisa. Os roteiros são derivativos, sem maiores novidades. A única diferença aqui é que dessa vez Mills se torna a caça, a presa, ao invés de ser o caçador. A polícia está em seu encalço e tudo parece mesmo confirmar que ele assassinou sua ex-esposa. Sua filha, que foi tão importante nas tramas dos filmes anteriores, cresceu e agora leva sua própria vida. Ela está grávida e curtindo os primeiros anos de casamento quando a morte de sua mãe joga tudo pelos ares. Como "Taken 3" é um filme de ação stricto sensu os fãs certamente não querem perder tempo com dramas familiares. Em termos de cenas de impacto há algumas extremamente bem realizadas, como as costumeiras perseguições nas rodovias de Los Angeles e uma excelente sequência final no aeroporto de Santa Monica onde Mills precisa evitar que um jatinho decole! Tudo muito bem feito. A presença do sempre talentoso Forest Whitaker como o policial Franck Dotzler também ajuda bastante, muito embora ele não seja tão bem aproveitado quanto poderia ser. No final é uma boa fita, diverte e tudo mais, só não espere por surpresas pois "Taken 3" é mais do mesmo do que você já está acostumado a assistir.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

O Suspeito da Rua Arlington

Título no Brasil: O Suspeito da Rua Arlington
Título Original: Arlington Road
Ano de Produção: 1999
País: Estados Unidos
Estúdio: Screen Gems, Lakeshore Entertainment
Direção: Mark Pellington
Roteiro: Ehren Kruger
Elenco: Jeff Bridges, Tim Robbins, Joan Cusack
  
Sinopse:
Após a morte de sua esposa, uma agente do FBI, numa operação anti-terrorismo, um professor universitário começa a se tornar obcecado em teorias da conspiração, cada uma mais complexa do que a anterior. Quando novos vizinhos chegam para morar em sua rua ele começa a desconfiar deles! Teria algum fundo de verdade ou seria pura e simples paranóia? Filme indicado ao prêmio da Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films nas categorias de Melhor Filme - Thriller, Melhor Roteiro Original e Melhor Atriz Coadjuvante (Joan Cusack).

Comentários:
Particularmente gosto desse tipo de roteiro. Geralmente temos algumas informações básicas e temos que decifrar se tudo não seria realidade ou apenas maluquice da mente de um determinado personagem. Curiosamente a escolha do elenco foi mais do que acertada. O ator Tim Robbins sempre foi muito engajado politicamente, se envolvendo sempre em campanhas sobre direitos humanos e coisas similares em seu país. Particularmente não gosto muito de suas idéias políticas (ele seria o mais próximo que um americano poderia chegar de ser um esquerdista vermelho), mas respeito suas convicções pessoais (embora as considere na maioria das vezes meras bobagens). Assim quem conhece a personalidade do ator fora das telas acabará gostando bastante da proposta desse filme, pois ele acabou fazendo (de forma inconsciente até) uma caricatura de si mesmo. Vale pela trama, vale pelas boas atuações e pela proposta de deixar o espectador envolvido até os minutos finais. Merecia até mesmo levar um Oscar de roteiro em minha opinião.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.