terça-feira, 30 de junho de 2015

The Beatles - In My Life

The Beatles - In My Life
John Lennon nunca foi necessariamente um sujeito nostálgico. Na verdade ele pouco ligou para seu passado em Liverpool, tanto que depois que ficou rico e famoso praticamente não voltou mais para sua cidade natal. Quando sua tia Mimi se mudou de lá acabou-se mesmo qualquer motivo para Lennon voltar para o lugar onde nasceu. Ao invés disso ele procurou preservar em sua memória os anos de juventude e infância. Como o próprio John explicou em uma entrevista a canção "In My Life" surgiu dessa necessidade de se olhar um pouco mais para trás, relembrando os velhos tempos. Inicialmente John escreveu a letra, procurando colocar nela lugares e pessoas de seu passado, mas em pouco tempo percebeu que a ideia, embora fosse muito boa, não estava fluindo bem. A primeira versão tinha ficado "chata" em sua opinião.

Assim ele sentou-se com seu amigo Paul para reescrever a canção, que depois seria lançada no disco "Rubber Soul". Paul, que era um mestre em escrever sobre temas ficcionais, sem ligação direta com a realidade (como em "Eleanor Rigby", por exemplo), sugeriu que John seguisse essa linha mais imaginativa em sua letra. Seria como recordar dos velhos tempos para a pessoa amada, deixando claro para ela que que tudo aquilo não significava mais nada perante a importância de a ter encontrado em sua vida. De certa maneira era algo distante da ideia inicial de Lennon, mas como ele próprio havia reconhecido a coisa tinha ficado ruim e era necessário tomar um outro caminho.

A versão final que chegou até nós e que se tornou a gravação original é de uma singeleza ímpar! Lennon conseguiu captar com a melodia um claro sentimento de nostalgia, não apenas particular, referente ao próprio passado dele, mas sim universal, que diz respeito a todos nós. É o velho sentimento de que um dia todos encontraremos nossa alma gêmea que nos fará olhar para trás e reconhecer que apesar de tudo ela era aquilo tudo que todos estávamos buscando! Curiosamente embora estivesse casado há anos John Lennon não se sentia verdadeiramente no espírito da canção, já que ele ainda não havia encontrado a mulher definitiva de sua vida - que aliás acabaria sendo Yoko Ono, algum tempo depois. O mais crucial é que Lennon realmente acabou criando uma bela música, embalada por uma das mais bonitas melodias da carreira dos Beatles e isso, senhoras e senhores, definitivamente não é pouca coisa!

In My Life
(John Lennon - Paul McCartney)
There are places I'll remember
All my life, though some have changed
Some forever, not for better
Some have gone and some remain
All these places have their moments
With lovers and friends I still can recall
Some are dead and some are living
In my life, I've loved them all

But of all these friends and lovers
There is no one compares with you
And these memories lose their meaning
When I think of love as something new
Though I know I'll never lose affection
For people and things that went before
I know I'll often stop and think about them
In my life, I love you more

Though I know I'll never lose affection
For people and things that went before
I know I'll often stop and think about them
In my life, I love you more
In my life-- I love you more.

Pablo Aluísio. 

domingo, 28 de junho de 2015

A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça / 007 - O Mundo Não é o Bastante

A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça
O conto original faz parte do folclore americano, das tradições que deram origem ao feriado nacional daquele país conhecido como Halloween, o dia das bruxas. É aquele tipo de obra cultural que já deu origem a livros, filmes, desenhos e todos os tipos de produtos que você possa imaginar. Adaptar algo assim sempre envolve controvérsias pelo fato de ser algo muito conhecido pelo público em geral. Nas mãos de Tim Burton, o mais gótico de todos os cineastas americanos, era de se esperar que tivéssemos um grande filme. Na realidade essa produção só é realmente fantástica em termos de direção de arte. Figurinos, cenários, efeitos digitais, tudo é de primeira linha. Fora isso algumas coisas realmente parecem bem fora do lugar. O próprio elenco não foi bem escalado. Johnny Depp, em eterna parceria com Burton, tem certamente o seu valor, mas não se mostra adequado para viver o personagem Ichabod Crane. Depp não tinha idade e nem o visual certo para interpretar Crane, que basicamente era um sujeito na meia idade, nada heróico, que tinha que enfrentar um grande mal. Em termos de roteiro Burton não quis arriscar muito, preferindo rodar uma história que lembra bastante o texto original. Provavelmente teria sido melhor dar pitadas de inovação em certos aspectos. Do jeito que está não existe grande justificativa para a produção de algo tão elaborado assim. A única coisa realmente memorável vem das participações de veteranos consagrados como o mito Christopher Lee, recentemente falecido. Sua presença vale por quase todo o filme. Vencedor do Oscar na categoria de Melhor Direção de Arte. Indicado nas categorias de Melhor Fotografia e Melhor Figurino. / A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça (Sleepy Hollow, EUA, 1999) Direção: Tim Burton / Roteiro: Washington Irving, Kevin Yagher/ Elenco: Johnny Depp, Christina Ricci, Miranda Richardson, Christopher Walken, Christopher Lee.

007 - O Mundo Não é o Bastante
Eu sempre gostei muito de Pierce Brosnan como o agente James Bond. Muitos dizem que os roteiros dos filmes que estrelou não eram grande coisa e talvez possa existir algum fundo de verdade nisso, mas a despeito de tudo isso o feeling do Bond original foi bem captado por Brosnan (mais até do que o atual Bond, o carrancudo e nada charmoso Daniel Craig). Na era de Brosnan como Bond o estúdio priorizou mesmo a ação, com cenas extremamente bem elaboradas, algumas inclusive entre as mais bem realizadas de toda a franquia. Esse foi o terceiro filme estrelado pelo ator, logo após os grandes sucessos "007 Contra GoldenEye" de 1995 e "007 - O Amanhã Nunca Morre" de 1997. Seu contrato inicial determinava a realização de uma trilogia que chegaria ao final aqui. Se a produção fizesse o mesmo sucesso ele poderia renovar um novo contrato, caso contrário o estúdio iria atrás de outro ator. Assim que chegou nas telas a fita logo se revelou outro grande êxito de bilheteria, o que abriu as portas para um quarto filme, "007 - Um Novo Dia Para Morrer" em 2002, o último que faria na pele de Bond. Curiosamente o estúdio ofereceu a Brosnan um novo contrato para a realização de mais três filmes, mas ele preferiu assinar para a produção de apenas mais um filme. Parecia preocupado em ser marcado para sempre por apenas um papel, algo que havia atingido outros atores que passaram pela série como no caso de Roger Moore. "The World Is Not Enough" fica na média de sua passagem pela franquia. É bem movimentado, tem uma trama que lembra os primeiros livros de Ian Fleming e conta com um vilão bacana. Em poucas palavras tem tudo o que fez da fórmula Bond uma das mais bem sucedidas da história do cinema. É divertido, movimentado e tem um bom ator no papel principal. Sinceramente não vejo como ter algo a mais do que isso em um filme da série do mais famoso agente secreto do cinema. Está realmente de bom tamanho. / 007 - O Mundo Não é o Bastante (The World Is Not Enough, Inglaterra, Estados Unidos, 1999) Direção: Michael Apted / Roteiro: Neal Purvis, Robert Wade / Elenco: Pierce Brosnan, Sophie Marceau, Robert Carlyle, Denise Richards, Judi Dench, John Cleese.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 26 de junho de 2015

McFarland dos EUA

Título no Brasil: McFarland dos EUA
Título Original: McFarland, USA
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos
Estúdio: Walt Disney Pictures
Direção: Niki Caro
Roteiro: Christopher Cleveland
Elenco: Kevin Costner, Maria Bello, Ramiro Rodriguez
  
Sinopse:
Jim White (Kevin Costner) é um treinador de futebol americano que acaba sendo demitido de seu emprego após jogar um capacete em um aluno indisciplinado de seu time. Por acidente o equipamento acaba ferindo o rosto do rapaz e White acaba mesmo indo para o olho da rua. Sem opções de empregos melhores ele acaba aceitando um trabalho numa cidadezinha pobre da Califórnia chamada McFarland, um lugar com forte presença de imigrantes mexicanos na população. Lá começa a dar aulas de educação física e percebe que há muito potencial em determinados alunos que vão todos os dias para a escola correndo pelos campos da região. Em pouco tempo ele então resolve criar uma equipe de cross country com sete dos melhores corredores da escola. O que começa como um projeto sem grandes ambições toma um rumo inesperado quando a cidade inteira se mobiliza para apoiar e torcer por seus jovens atletas. Filme vencedor do prêmio da Heartland Film na categoria de Melhor Filme inspirado em uma história real.

Comentários:
Baseado em fatos reais não deixa de ser em nenhum momento um filme muito bem intencionado. Na verdade a história procura explorar um aspecto positivo na união envolvendo um treinador tipicamente americano com um grupo de alunos latinos, descendentes de famílias mexicanas pobres formadas por humildes trabalhadores rurais das plantações da Califórnia. Após uma aproximação um pouco ressabiada o treinador vai finalmente descobrindo que naquela cidade existem pessoas realmente maravilhosas e que a origem delas nada diz sobre seu caráter e bondade. Como se sabe existe uma certa tensão racial na América, causada principalmente por ondas e mais ondas de imigrantes ilegais que vão em busca de uma vida melhor nos estados americanos. Muitos deles vão trabalhar na lavoura ou em empregos mal remunerados. O racismo infelizmente está em todas as partes e é potencializado com esse movimento imigratório cada vez mais intenso, mas sabiamente o roteiro não procura bater muito nessa tecla, preferindo se concentrar no valor pessoal de cada um daqueles atletas. Um aspecto curioso é o choque cultural que a família do treinador White leva ao chegar pela primeira vez em McFarland. Supostamente deveria ser uma típica cidadezinha americana, mas eles acabam encontrando mesmo é uma forte presença da comunidade mexicana, criando inclusive uma situação inusitada, a de americanos ou gringos que acabam sendo considerados praticamente estrangeiros em seu próprio país! Uma amostra do que vem acontecendo dentro das fronteiras dos Estados Unidos. Gradualmente a  cultura americana tradicional vai sendo substituída pela cultura proveniente da grande presença latina de imigrantes. De uma maneira ou outra o argumento acerta em promover a integração dessas duas culturas pelo bem de todos. Claro que em determinados momentos se cria um pequeno mal estar ao explorar a mentalidade do personagem de Kevin Costner que tem ideias equivocadas e até preconceituosas sobre aquelas pessoas, algumas delas inclusive nada lisonjeiras, como por exemplo, associar a criminalidade ao povo mexicano. Depois que o filme avança e a própria família do treinador (que achava aquele lugar um horror) começa a mudar de ideia finalmente temos o ponto ideal do que há de mais importante nesse enredo, a de buscar a integralização das etnias. De resto o roteiro não foge muito das fórmulas de filmes desse tipo, mostrando a superação da inúmeras dificuldades enfrentadas por aqueles atletas até finalmente sua consagração final! Particularmente gostei do resultado, das boas intenções e da história inspiradora. Poderia ser mais curto, com mais ou menos uma hora e meia de duração, mas do jeito que ficou não chega a irritar. Vale a pena conferir e se inspirar na moral da história. Afinal de contas estamos precisando mesmo de mais finais felizes.

Pablo Aluísio.

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Fora de Alcance

Título Original: Beyond the Reach
Título no Brasil: Fora de Alcance
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Furthur Films
Direção: Jean-Baptiste Léonetti
Roteiro: Robb White, Stephen Susco
Elenco: Michael Douglas, Jeremy Irvine, Martin Palmer
  
Sinopse:
Madec (Michael Douglas) é um milionário empresário apaixonado por caças. Ele agora pretende ir até o Novo México para caçar um veado selvagem muito raro de se encontrar livre na natureza. Tudo com o objetivo de ter mais um belo prêmio pendurado em sua lareira. Para tanto contrata os serviços de Ben (Jeremy Irvine) que conhece como ninguém a região. Durante a caçada porém Madec comete um erro fatal, atingindo um morador do lugar, pensando se tratar de seu alvo. A fatalidade o coloca numa situação delicada pois como homem de negócios ele não pode se dar ao luxo de ser acusado de um homicídio. Ele precisa esconder o acontecimento, mesmo que para isso necessite eliminar o jovem Ben que pretende denunciar o ocorrido para o xerife local. Não demora muito e começa uma verdadeira caçada humana para encobrir tudo o que aconteceu.

Comentários:
Já houve um tempo em que Michael Douglas era sinônimo de sucesso de bilheteria. Seus filmes geralmente chegavam facilmente no top 10 da indústria cinematográfica americana. Os tempos agora são outros. Veja o caso desse "Beyond the Reach". O filme teve lançamento discreto nos Estados Unidos e na Europa e sequer encontrou uma empresa distribuidora interessada em lançá-lo no Brasil. Assim continua inédito em nosso mercado. Deixando esses aspectos comerciais de lado o fato é que realmente se trata de um thriller sem maiores novidades. A premissa até que é interessante ao colocar um ser humano no lugar de um animal sendo caçado. Muito provavelmente o criador da história (o escritor Robb White) tenha desejado mostrar o absurdo das caçadas de animais selvagens, a maioria delas proibidas em diversas partes do mundo. Que melhor jeito de mostrar seu ponto de vista do que usar um homem no lugar de um animal em fuga? O caçador interpretado por Michael Douglas é um capitalista selvagem que está pouco se importando com a questão ética de seu hobbie preferido. Enquanto tenta alvejar seu alvo ele segue negociando milhões com empresários chineses do outro lado do mundo. Assim fica fácil de entender as duas principais críticas subliminares de seu texto, numa mensagem nitidamente social e ecológica. Na questão puramente cinematográfica "Beyond the Reach" também não empolga muito. O roteiro explora apenas uma situação - a própria caçada humana - e não sai muito disso. A coisa só não fica pior porque o diretor Jean-Baptiste Léonetti teve o bom senso de rodar um filme curto, justamente por entender que não tinha muita história para contar. Ponto para ele que acabou realizando um filme que, se não consegue ser marcante em nenhum momento, pelo menos se mostra eficiente.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.


quarta-feira, 24 de junho de 2015

O Garoto da Casa ao Lado

Título no Brasil: O Garoto da Casa ao Lado
Título Original: The Boy Next Door
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures
Direção: Rob Cohen
Roteiro: Barbara Curry
Elenco: Jennifer Lopez, Ryan Guzman, Kristin Chenoweth
  
Sinopse:
Claire Peterson (Jennifer Lopez) é um professora de ensino médio que precisa lidar com o fim de seu casamento. Após a traição do marido ela deseja se divorciar dele. Com um filho adolescente e vários problemas pessoais ela comete o erro fatal de se envolver com o jovem que acaba de se mudar para a casa ao lado. Noah Sandborn (Ryan Guzman) se mudou recentemente para a casa vizinha para ajudar seu tio-avô que está passando por problemas de saúde. O que começa como um flerte casual acaba saindo do controle ao Claire perceber que o jovem tem sérios problemas psicológicos, o que dá origem a uma obsessão perigosa por parte dele.

Comentários:
Filme bem fraco estrelado pela atriz e celebridade Jennifer Lopez. Pelo visto sua carreira entrou em uma curva descendente, acumulando fracassos comerciais e filmes sem repercussão ou importância. Esse aqui tem um roteiro rasteiro, cheio de clichês batidos. Basicamente se trata de uma professora mais velha que acaba se envolvendo com um garotão que não demora a demonstrar ter sérios problemas mentais, se tornando obsessivo e um homicida em potencial depois que ela o rejeita após uma noite de sexo casual. O viés moralista é mal conduzido e leva a uma série de cenas sem originalidade alguma. Para tentar salvar a fita do desastre completo o roteiro procura explorar de forma apelativa a imagem de símbolo sexual da atriz Jennifer Lopez a colocando em uma cena que supostamente deveria elevar o clima de sensualidade do filme. Não consegue. A cena é convencional, rápida e não passa erotismo algum. Depois que o jovem começa a agir feito um louco após ela o dispensar discretamente a fita desanda de vez. Ele a chantageia, dizendo que vai revelar seu caso amoroso no colégio onde ela ensina (e onde ele também é aluno), além de começar a ir em sua casa para visitas completamente constrangedoras. Em pouco tempo o comportamento inconveniente se transforma em ameaças veladas. Se tornando amigo de seu filho o sujeito também começa a usar o adolescente para jogá-lo contra sua própria mãe. Quando a situação fica completamente insuportável começam os atos de violência que acabam dando origem a uma cena particularmente trash quando ela enfia o dedo em seu olho, o mesmo onde momento antes afundou uma seringa imensa! Enfim, chega! É muita besteira para um thriller que se propunha a ser mais interessante. Do jeito que ficou, tudo o que conseguiu mesmo foi se tornar uma grande perda de tempo!

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 21 de junho de 2015

Cinderela

Contos de fadas sempre são fascinantes, mesmo depois que nos tornamos adultos e deixamos as coisas de criança para trás. O império Disney foi construído em cima justamente dessa base. Sabendo disso os executivos do estúdio descobriram uma nova fórmula de faturar grandes bilheterias no cinema com a produção de filmes convencionais que nada mais são do que remakes de suas animações mais famosas do passado. Assim temos agora essa nova versão de "Cinderela". A historinha é por demais conhecida, mostrando a sofrida vida de Ella (Lily James), uma jovem de bom coração, muito doce e cheia de bons sentimentos, que acaba ficando numa situação muito complicada após a morte dos pais, tendo que morar ao lado da sua madrasta (Cate Blanchett), uma verdadeira megera e suas duas filhas fúteis e frívolas. Humilhada e transformada praticamente numa serva, com muitas obrigações e quase nenhum direito dentro de sua própria casa, ela vê sua cinzenta vida tomar um rumo bem mais feliz e colorido ao conhecer o jovem Kit (Richard Madden) numa floresta. Na verdade ele, que se passa como um simples aprendiz, é na verdade o príncipe herdeiro de seu reino. Para não assustar a jovem e bela camponesa o nobre rapaz assim acaba escondendo sua verdadeira identidade. Quando o Rei decide que chegara o momento de seu filho se casar ele decreta que todas as jovens do reino devem comparecer no grande baile do ano. Cinderela assim vê uma bela oportunidade para rever seu apaixonado, enquanto as filhas de sua madrasta estão mais interessadas em casar com o príncipe para colocarem suas mãos em sua fortuna. A partir daí o roteiro segue os passos do desenho clássico, com as passagens que tanto conhecemos, os sapatinhos de cristal, a fada madrinha, a carruagem de abóbora, os ratinhos que se transformam em lindos cavalos brancos, o bater dos sinos da meia-noite e a desesperada busca do príncipe por sua amada, usando para isso um de seus sapatinhos de cristal que ficou para trás. Tudo mais ou menos igual (com pequenas modificações) ao conto de fadas original.

A direção foi entregue para Kenneth Branagh, uma decisão acertada pois o ator e diretor irlandês tem grande experiência com adaptações de obras literárias do passado. Basta lembrar de suas famosas transições para a tela da obra de William Shakespeare em filmes como "Henrique V", "Muito Barulho por Nada" e "Hamlet". Assim não seria grande desafio trazer a história de "Cinderela" para os cinemas dessa vez. Algumas de suas características mais marcantes estão presentes, como a bela direção de arte que acaba recriando com um belo visual, reinos encantados de um tempo distante indefinido. Outra decisão interessante foi colocar atores e atrizes provenientes de séries americanas em papéis coadjuvantes. Uma das filhas da madrasta, Anastasia, é interpretada pela linda Holliday Grainger que se destacou muito na série "Os Bórgias" no papel de Lucrécia Bórgia. Nonso Anozie, que foi o fiel escudeiro de Drácula na série de mesmo nome, também está presente no elenco como um capitão da guarda fiel ao príncipe. Sophie McShera, a Daisy de "Downton Abbey", também atua como a outra filha da madrasta de Cinderela. Já no elenco principal quem se destaca mesmo (e isso já era bem previsível) é a atriz Cate Blanchett. Usando um figurino exótico ela dá vida para a personagem da madrasta, uma mulher com uma personalidade desprezível mesmo. Seus olhares já dizem tudo sobre ela. A atriz Lily James que surge como Cinderella não chega a impressionar, mas pelo menos também não estraga o filme. Nada surpreendente, leva sua atuação em um termo médio. Ela é bonitinha, mas sinceramente poderia ser mais, pois esse é um papel que exige uma beleza extrema, tal como no desenho. O roteiro segue até bem fiel com o conto de fadas que todos conhecemos, mas os roteiristas resolveram acrescentar alguns pequenos detalhes que não descaracterizam em nenhum momento o conto clássico. No final fica a sensação de se ter visto um belo filme, com uma mensagem bonita e pertinente (o verdadeiro amor não tem preço). Tudo realizado com muito bom gosto, classe e beleza.

Cinderela (Cinderella, EUA, 2015) Direção: Kenneth Branagh / Roteiro: Chris Weitz / Elenco: Lily James, Cate Blanchett, Richard Madden, Helena Bonham Carter, Stellan Skarsgård, Holliday Grainger, Sophie McShera, Nonso Anozie, Derek Jacobi, Ben Chaplin. / Sinopse: Remake com atores de carne e osso da famosa animação da Disney, "Cinderela". A historinha narra a vida da gata borralheira, uma jovem de boa índole que cai nas garras de uma madrasta cruel e desalmada que a explora, junto de suas duas odiosas filhas, enquanto ela procura reencontrar o grande amor de sua vida, um jovem que se diz ser um mero aprendiz que conhecera em um bosque próximo de sua casa.

Pablo Aluísio e Thaís Albuquerque.



sábado, 20 de junho de 2015

Whiplash: Em Busca da Perfeição

Tudo o que o jovem Andrew (Miles Teller) sonhou na vida foi se tornar um grande baterista. Em busca desse objetivo ele acabou sendo admitido numa das mais prestigiadas escolas de música dos Estados Unidos. Lá acaba tendo que lidar com o professor Fletcher (J.K. Simmons), um mestre rígido, extremamente disciplinador e irascível. Tentando conciliar seus estudos musicais com uma vida privada quase inexistente, Andrew acaba se interessando por uma garota que trabalha no cinema onde costuma frequentar. Assim tentará vencer tanto no mundo da música como em seu complicado relacionamento com a nova namorada. "Whiplash" foi bastante elogiado pela crítica americana em seu lançamento, ao ponto inclusive de ter faturado uma improvável indicação ao Oscar de Melhor Filme desse ano. Sinceramente achei um pouco superestimado. Não há dúvida que é um bom filme, muito bem conduzido pelo (ainda inexperiente) diretor Damien Chazelle. O resultado agrada, mas não chegaria ao ponto de o qualificar como um dos dez melhores filmes do ano. Talvez um dos problemas seja a incômoda sensação de que o ainda praticamente novato cineasta não conseguiu resistir a certos clichês. A luta pelo protagonista em se tornar um grande músico, ao ponto de se mirar em seu ídolos do passado transformando tudo numa verdadeira obsessão, muitas vezes assume um tom exageradamente épico, principalmente quando ele surta em seu instrumento, tendo ataques, com as mãos ensanguentadas, finalizando tudo com socos e chutes em sua própria bateria! O que ele estaria pensando? Que seria um Rocky, um Lutador, das baquetas? Tudo aquilo tem apenas a finalidade de impressionar o espectador, ou em outras palavras, são cacoetes narrativos... clichês! Há uma cena que resume bem isso quando Andrew passa por uma verdadeira odisséia para chegar a tempo em uma apresentação. Além de seu ônibus furar o pneu e ele ter que alugar um carro, no caminho ainda sofre um sério acidente ao colidir com uma carreta! Cheio de sangue escorrendo pela face, bastante ferido, ele (pasmem!) acaba chegando a tempo para o concerto! Um pouco exagerado demais não é mesmo?

Bom, mesmo com tanto exagero narrativo duas coisas salvaram "Whiplash" do lugar comum. A primeira fica clara desde as cenas iniciais: a música! Não é nada mal ouvir um belo e sofisticado jazz tradicional desde os caracteres de abertura. O filme, como não poderia deixar de ser, tem uma trilha sonora sofisticada e de alto nível, diria até maravilhosa. Embora em parte a beleza sonora seja muitas vezes ofuscada pelo duelo de egos que se trava entre Andrew e seu mestre, a verdade é que ela acaba se sobressaindo, uma forma ou outra. O outro ponto forte vem da atuação brilhante do veterano J.K. Simmons. Relegado por anos a papéis secundários em filmes meramente medianos, ele aqui encontrou o personagem de sua vida. O professor e maestro que interpreta é um sujeito arrogante ao extremo, petulante, ofensivo e rude e o mais supreendente de tudo é que ao final do filme você acabará gostando dele, de suas ideias e de seu mau-caratismo! A cena final inclusive, quando Andrew sem saber acaba caindo em uma ardilosa armadilha para que seja destruído no meio musical, é extremamente bem bolada! Apesar das lágrimas de crocodilo derramadas em estúdio a verdadeira face de Fletcher se revela justamente ali! Isso foi particularmente interessante porque o roteiro não se rendeu a uma solução fácil, previsível, fugindo (finalmente) dos clichês que vinham pontuando o enredo. Nem é necessário dizer que mesmo em um papel meramente coadjuvante o ator J.K. Simmons domina o filme da primeira à última cena. Seu trabalho foi devidamente reconhecido e ele levou para casa todos os mais importantes prêmios do cinema na categoria. Tudo devidamente merecido é bom frisar. Assim, no saldo final, temos um belo filme, muito bom em seus resultados, com ótimas atuações, mas que tampouco pode ser considerada uma obra prima cinematográfica perfeita como alguns quiseram fazer crer. Por fim recomendo ativamente sua trilha sonora que aliás não sai do meu player já há um bom tempo. Assista o filme, mas não esqueça de também curtir a trilha, pois sem dúvida ela é um complemento essencial para compreender "Whiplash" inteiramente.

Whiplash: Em Busca da Perfeição (Whiplash, EUA, 2014) Direção: Damien Chazelle / Roteiro: Damien Chazelle / Elenco: Miles Teller, J.K. Simmons, Melissa Benoist. / Sinopse: Um professor absurdamente rígido de música encara o desafio de testar todos os limites psicológicos e musicais de um jovem aluno na prestigiada escola de música onde leciona. Filme vencedor do Oscar nas categorias de Melhor Ator Coadjuvante (J.K. Simmons), Melhor Edição (Tom Cross) e Melhor Mixagem de Som. Também indicado nas categorias de Melhor Filme e Melhor Roteiro Adaptado (Damien Chazelle). Vencedor do Globo de Ouro, BAFTA Awards e Screen Actors Guild Awards na categoria de Melhor Melhor Ator Coadjuvante (J.K. Simmons).

Pablo Aluísio e Thaís Albuquerque.

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Cavalos Selvagens

Título Original: Wild Horses
Título no Brasil: Ainda Não Definido
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos
Estúdio: Patriot Pictures
Direção: Robert Duvall
Roteiro: Robert Duvall, Michael Shell
Elenco: Robert Duvall, James Franco, Josh Hartnett
  
Sinopse:
Scott Briggs (Robert Duvall) é um velho rancheiro texano que se considera um bom homem, honesto, cristão e honrado. Um sujeito da velha escola com seus valores tradicionais e conservadores. Ele tem três filhos e sonha que sua extensa propriedade seja levado adiante por eles, como manda a tradição no Texas. Agora, no final de sua vida, precisa lidar com uma investigação policial de um caso de desaparecimento de um de seus ex-empregados. O jovem sumiu após Briggs descobrir que ele estava tendo um caso com seu próprio filho, Ben (James Franco), que sempre teve uma relação conturbada com seu pai pelo fato de ser homossexual. Teria o velho Briggs alguma ligação com o sumiço desse jovem no passado?

Comentários:
"Wild Horses" é um projeto bem pessoal do ator Robert Duvall. Ele dirigiu, produziu, atuou e escreveu o roteiro do filme. Para completar ainda escalou sua própria esposa, Luciana Pedraza (aqui surgindo nos créditos como Luciana Duvall), para interpretar a Texas Ranger que resolve reabrir um velho caso de desaparecimento envolvendo o ex-empregado de um rancheiro rico e próspero da região. Por falar nisso o personagem de Duvall é um presente e tanto para qualquer grande intérprete. O ator dá vida a um homem com valores firmes e sólidos, tipicamente texanos, que precisa lidar com um filho homossexual. Em um ambiente rural, conservador e rústico como aquele isso seria a última coisa que ele poderia esperar. O conflito se instala rapidamente e o choque de gerações e valores se torna cada vez mais forte. Em pouco tempo a situação vai ficando insuportável para ambas as partes e Ben Briggs (Franco) resolve ir embora. Anos depois retorna ao rancho pois seu velho pai deseja fazer algumas modificações em seu próprio testamento, o que faz ressurgir velhos fantasmas do passado. Para piorar ainda mais a tensa relação entre eles, Ben desconfia que seu pai teve algo a ver com o desaparecimento de Jimmy Davis, um antigo capataz da fazenda que teve um caso amoroso com ele no passado. Com uma nova policial na cidade, disposta a reabrir velhos casos arquivados, o cerco vai cada vez mais se fechando sobre o velho Briggs. Robert Duvall assim encarna esse veterano que precisa viver em um mundo que se parece cada vez menos com o que ele aprendeu a viver. Os valores se modificaram e de repente tudo o que ele acreditava ser o certo vai sendo colocado de lado. É um bom homem que pensa estar fazendo o certo, mas que se vê enganado por seus próprios instintos e atos impensados. O argumento obviamente procura explorar algo que é mais comum do que se pensa, as tensões familiares que surgem quando uma pessoa resolve se assumir gay. O melhor desse roteiro é que ele não levanta bandeiras e nem sai defendendo a causa gay de forma ostensiva e panfletária, o que tornaria tudo muito chato e maçante. Ao contrário disso se contenta em apenas explorar e mostrar uma situação de conflitos que surge dentro dessa família para tirar o melhor proveito disso. A mensagem assim fica nas entrelinhas, nunca ofendendo a inteligência do espectador. Será esse, em última análise, que irá entender e tirar suas próprias conclusões do que está assistindo. Assim o próprio público poderá criar uma certa identificação tanto com o personagem de Duvall, o velho rancheiro conservador, como com seu filho Ben, representando essa nova mentalidade de ser da sociedade. O resultado final é muito bom, um belo filme que toca em assuntos importantes. Assista e escolha seu lado.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.


domingo, 14 de junho de 2015

Jurassic World - O Mundo dos Dinossauros

Título no Brasil: Jurassic World - O Mundo dos Dinossauros
Título Original: Jurassic World
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos
Estúdio: Amblin Entertainment, Legendary Pictures
Direção: Colin Trevorrow
Roteiro: Rick Jaffa, Amanda Silver
Elenco: Chris Pratt, Bryce Dallas Howard, Ty Simpkins
  
Sinopse:
Duas décadas depois dos trágicos acontecimentos vistos em "Jurassic Park" há um novo parque temático em funcionamento na Costa Rica, chamado Jurassic World. Sucesso de público, a empresa que administra o parque temático investe em novos dinossauros, não se contentando em apenas recriar espécies do passado, mas também criando novas criaturas em laboratório. Afinal de contas uma nova atração certamente traria mais lucros para a empresa. Fruto de engenharia genética, o Indominus rex é a grande aposta para atrair um novo público. Criado a partir de combinações de animais diferentes o novo dinossauro mostra ter uma inteligência acima da média, além de uma ferocidade jamais vista antes.

Comentários:
Quarto filme da franquia "Jurassic Park". Os roteiristas resolveram ignorar os acontecimentos das partes 2 e 3 e criaram um ponte direta com o primeiro filme. Embora Steven Spielberg não tenha dirigido "Jurassic World", preferindo só atuar como produtor executivo, o que temos aqui é uma obra com a marca registrada do cineasta. Talvez por isso também não seja um filme muito inovador, procurando mesmo repetir as velhas fórmulas do passado. Os personagens humanos, vamos colocar desse modo, não são muito interessantes. Há duas irmãs, sendo uma delas a executiva que cuida do parque. Ela tem que conviver por alguns dias com seus sobrinhos, mas não encontra muito tempo para isso. Na verdade nem está muito preocupada com esse tipo de coisa, pois é uma mulher moderna que não está definitivamente muito preocupada em ter filhos ou se casar, preferindo investir em sua carreira, ao contrário da irmã que virou uma dona de casa típica (e pra lá de chata). Os garotos são protagonistas típicos dos filmes de Spielberg, jovens de famílias suburbanas que estão enfrentando alguns problemas como o iminente divórcio do pais (velha obsessão de Steven, presente em praticamente todos os seus filmes com personagens jovens, talvez impulsionado pelo fato de que os próprios pais do diretor se divorciaram quando ele era garoto, criando um certo trauma em sua mente!). Por fim há um ex-militar, Owen (Chris Pratt de "Guardiões da Galáxia"), que está promovendo um treinamento básico para velociraptors. Uma das boas cenas do filme surge justamente quando um funcionário do parque cai acidentalmente na jaula dos animais e Owen precisa colocar em prática suas técnicas de treinamento. Bom, a verdade porém é que ninguém vai ver algum filme de "Jurassic Park" em busca de personagens profundos ou psicologicamente interessantes, mas sim para ver os dinossauros. O primeiro a surgir em cena leva cerca de vinte minutos de filme para aparecer, o que deixará a garotada meio frustrada. Depois disso as grandes novidades são mesmo o novo dino geneticamente modificado Indominus rex e um grupo de velociraptors que parecem responder a um treinamento de adestramento (por mais absurdo que isso possa parecer!). Essa foi a forma encontrada pelos roteiristas para reaproveitar mais uma vez esses predadores pré-históricos que tanto sucesso fizeram nos filmes anteriores. Uma maneira de colocá-los ao lado dos mocinhos na história. Outros monstros jurássicos que se destacam são os pterodáctilos que promovem um verdadeiro massacre quando são libertados de seu aviário (esses dinossauros alados já tinham se destacado na parte 3 da franquia). Cheio de erros e equívocos científicos por todos os lados (não vá levar nada do que vê em cena muito à sério), "Jurassic World" se mostra acima de tudo como uma boa diversão, para assistir no cinema comendo pipoca sem stress. O resultado final é bom, mas nada excepcional. De todos os filmes da série "Jurassic Park" ele se apresenta superior apenas a "Jurassic Park 3", sendo superado por boa margem por todos os demais. O enredo simples ao extremo demonstra que os produtores não estavam em busca de nada marcante, mas apenas a produção de mais um blockbuster do circuito comercial, com tudo o que de ruim e quadrado que isso possa significar.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.


sábado, 13 de junho de 2015

The Eichmann Show

Título Original: The Eichmann Show
Título no Brasil: Ainda Não Definido
Ano de Produção: 2015
País: Inglaterra
Estúdio: British Broadcasting Corporation (BBC)
Direção: Paul Andrew Williams
Roteiro: Simon Block
Elenco: Martin Freeman, Anthony LaPaglia, Rebecca Front
  
Sinopse:
O filme acompanha os preparativos e filmagens do julgamento do Coronel Nazista Adolf Eichmann em 1961, após ele ser capturado por agentes israelenses na Argentina, onde o criminoso de guerra se escondia há anos. Esse foi um dos primeiros julgamentos a serem transmitidos para todo o mundo pela televisão, causando comoção e indignação internacionais por causa das testemunhas do holocausto que contaram seus dramas e as atrocidades que sofreram em campos de concentração por toda a Europa. Também foi a primeira vez que a TV transmitiu as cenas captadas por tropas americanas em campos da morte como Auschwitz e Treblinka. Filme baseado em fatos reais.

Comentários:
Adolf Eichmann (1906 - 1962) foi um dos principais mentores da chamada "solução final para o problema judeu na Alemanha nazista". O nome pomposo camuflou um dos maiores crimes da história da humanidade, quando o regime nazista decidiu eliminar os judeus que lotavam seus campos de concentração. Para isso criou-se as câmaras de gás e toda uma estrutura direcionada para a destruição do povo judeu. Adolf Eichmann era um tenente-coronel da SS que se empenhou pessoalmente para que o holocausto nazista se tornasse operacional e eficiente. Durante a guerra ele e seus subordinados promoveram todos os tipos de crimes, levando à morte idosos, crianças e mulheres que eram deportados de toda a Europa para os campos de concentração nazistas. Quando a guerra chegou ao final ele conseguiu fugir como centenas de outros criminosos de guerra. No começo da década de 1960 os israelenses finalmente o acharam, vivendo escondido na América do Sul, na Argentina. Preso e enviado para israel ele foi levado a julgamento por crimes contra a humanidade. O roteiro de "The Eichmann Show" explora um aspecto diferente desse julgamento, a do trabalho desenvolvido pelo produtor Milton Fruchtman (Martin Freeman) e do diretor Leo Hurwitz (Anthony LaPaglia) em registrar todos os detalhes do julgamento, realizando aquele que foi considerado o primeiro documentário televisivo da história. E é justamente na oportunidade de se assistir a cenas reais captadas no julgamento de Eichmann que se encontra o grande atrativo para se conhecer essa produção. O diretor Hurwitz era um americano judeu que havia entrado na lista negra do Macartismo e por essa razão não conseguia mais encontrar trabalho nos Estados Unidos. Sem chance no mercado americano ele acabou indo para Israel para dirigir as filmagens desse evento histórico. O interessante é que Hurwitz tinha esperanças em captar para a posteridade algum sinal de humanidade no infame criminoso nazista. Por essa razão estava sempre muito preocupado em que seus cameramens sempre o focassem em close. Para sua decepção porém não conseguiu captar nada, nenhuma lágrima, nenhum sinal de remorso ou arrependimento, nem mesmo um sorriso irônico na face de Eichmann que confirmasse sua personalidade psicopata. Ao contrário disso só encontrou uma frieza impressionante no sujeito. Já para o produtor Fruchtman o mais importante era realizar um bom trabalho, mesmo sob condições adversas, incluindo aí ameaças de morte feitas contra ele e sua família. A produção desse filme é da BBC, então não é necessário se preocupar com qualidade técnica, pois essa é certamente garantida. No final de tudo a grande lição que fica é a de que os nazistas não estavam em busca de humanidade ou redenção, mas sim colocar em prática seus planos fanáticos, por mais absurdos e sanguinários que fossem. Alguns deles foram realmente nazistas até o fim, até o seu último suspiro na forca.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 12 de junho de 2015

A Incrível História de Adaline

Título no Brasil: A Incrível História de Adaline
Título Original: The Age of Adaline
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos
Estúdio: Lakeshore Entertainment
Direção: Lee Toland Krieger
Roteiro: J. Mills Goodloe, Salvador Paskowitz
Elenco: Blake Lively, Michiel Huisman, Harrison Ford
  
Sinopse:
Adaline Bowman (Blake Lively) é uma jovem comum de sua época. Ela vive na década de 1930. Sua vida vai muito bem, pois finalmente encontrou o amor de sua vida, um jovem engenheiro que trabalha na construção da grande ponte elevada de San Francisco. Depois de alguns anos de relacionamento feliz e estável ela decide se casar com ele. Dessa união nasce uma linda filha. Sua existência de felicidade acaba mudando repentinamente quando Adaline sofre um terrível acidente de carro. Seu veículo cai em uma barreira, indo parar em um lago logo abaixo, onde Adaline é exposta a uma incrível soma de fatores atmosféricos e físicos que acaba mudando sua estrutura celular, fazendo com que a partir daquele momento seu processo natural de envelhecimento seja interrompido. Com a mudança Adaline começa a conservar sempre a mesma aparência, mesmo com o passar de décadas e décadas de vida. 

Comentários:
Um filme em tom de fábula que nos agradou bastante. Embora em determinados momentos o roteiro queira dar explicações pseudocientíficas em uma incômoda narração em off para o fato da protagonista nunca envelhecer, a verdade é que isso é o de menor importância. O que mais existe de importante nesse argumento é a mensagem de que o envelhecimento faz parte natural do ciclo da vida e que nem sempre esse processo deve ser visto como algo negativo ou algo a se combater. A personagem principal sofre justamente por não seguir o caminho natural de sua existência. Os anos passam e ela fica parada no tempo, com a mesma aparência, sem sinais de envelhecimento. Isso acaba destruindo seu meio social pois de tempos em tempos ele precisa deixar tudo para trás, seus amigos, seus amores e sua vida profissional. Mesmo sabendo que essa mensagem não será captada por todos, principalmente por aqueles mais fúteis que fazem da juventude eterna uma constante obsessão de vida, o que se sobressai de fato aqui é a delicadeza de sua proposta. Afinal de contas unir a beleza dos jovens com a sabedoria dos mais velhos seria mesmo algo muito invejável para o ser humano. Por falar nisso esse foi um dos aspectos que mais gostei do roteiro. Adaline Bowman (Blake Lively) mantém sua aparência jovem, mas ao mesmo tempo consegue convencer plenamente com pequenos gestos, pequenos detalhes de sua personalidade de que fato é uma pessoa bem mais velha e vivida. Seu figurino é sóbrio, conservador e seus modos estão de acordo com o padrão de comportamento da etiqueta de um passado há muito tempo esquecido. Ela faz parte de uma era em que as mulheres eram verdadeiramente damas, educadas, de fino trato, elegantes no modo de ser e agir. Nada da vulgaridade que impera nos dias atuais. Blake Lively, que você provavelmente se lembre da série "Gossip Girl", se transforma, ao invés da jovem esfuziante daquele programa surge uma mulher elegante, de modos delicados, fala pausada e educada, além daquele olhar de sabedoria ao ter que lidar com pessoas mais jovens. Gostei bastante de seu trabalho de atuação. O roteiro, que repito é bem escrito e desenvolvido, realmente só derrapa um pouco quando ela supostamente se apaixona perdidamente por um rapaz, obviamente bem mais jovem do que ela (e quando digo mais jovem estou me referindo a décadas de diferença!). Em uma situação real será que haveria espaço para a paixão envolvendo duas pessoas em momentos tão diferentes da vida? Acredito que não! Nem sempre pessoas com uma grande diferença de idade entre si realmente conseguem se apaixonar verdadeiramente, isso porque no final a mentalidade e as experiências de vida acabam formando uma barreira quase invisível entre o casal. Uma pessoa mais velha pode até procurar por uma mais jovem, em busca dos encantos de sua beleza, porém jamais conseguirá se igualar a ela em termos de mentalidade, por isso a maioria desses relacionamentos acabam afundando com o passar dos anos. Assim se comportar como uma jovem adolescente, logo para Adaline, que tantas experiências teve ao longo de sua longa vida, soa banal e desnecessário, além de implausível. De qualquer maneira, mesmo com esse pequeno deslize de lógica, o filme ainda agrada bastante. Um bom romance, valorizado pelo seu enredo de realismo fantástico, que certamente vai agradar a muitos.

Pablo Aluísio e Thaís Albuquerque.


quinta-feira, 11 de junho de 2015

Infini

Título Original: Infini
Título no Brasil: Ainda Sem Título Definido
Ano de Produção: 2015
País: Austrália
Estúdio: Storm Vision Entertainment, Eclectik Vision
Direção: Shane Abbess
Roteiro: Shane Abbess
Elenco: Daniel MacPherson, Grace Huang, Luke Hemsworth
  
Sinopse:
Após toda uma tripulação sumir sem deixar vestigios, uma equipe de resgate e salvamento é enviada para uma estação espacial orbital mineradora localizada nos confins do universo. Uma vez lá descobrem um ambiente de destruição e morte, corpos congelados e mutilados, sem que se saiba exatamente a causa de todo aquele cenário desolador. Aos poucos os membros da equipe vão descobrindo que um organismo desconhecido da ciência humana pode estar por trás das mortes. Um tipo de fungo ou vírus indefinido que causa uma forte reação de ira e cólera em todos os contaminados por ele.

Comentários:
A sinopse obviamente fará com que o cinéfilo mais veterano encontre semelhanças demais com a franquia "Aliens". De fato existe mesmo um ponto de identidade com a famosa série de filmes estrelados pela atriz Sigourney Weaver. Afinal seres humanos sendo contaminados e atingidos por uma estranha forma de vida tem tudo a ver com as aventuras da tenente Ripley. O diferencial é que "Infini" procura deixar um pouco de lado a ação para investir na destruição psicológica gradual que se abate sobre todos os membros de uma expedição de resgate no espaço profundo. Por essa razão não temos aqui um roteiro muito fácil de digerir. Apostando mais no lado subjetivo dos personagens o texto pode vir a confundir muita gente, principalmente na conclusão da história, que falando sinceramente não me agradou muito. Na verdade o filme deveria ter acabado com mais ou menos 90 minutos de duração quando se chega a um momento crucial na trama. Se o roteirista e diretor Shane Abbess tivesse encerrado ali o filme poderíamos considerar essa uma pequenina obra prima da ficção. Infelizmente ele foi em frente e acabou com isso criando um final em aberto, dado a inúmeras interpretações (e não espere que o roteiro vá lhe explicar muita coisa!). A produção não é de primeira linha, afinal de contas se trata de um filme B. Isso porém não faz grande diferença já que o roteiro está mais preocupado em mostrar a insanidade que vai abatendo sobre cada membro do grupo de resgate. Visualmente "Infini" lembra algumas ficções dos anos 1990, o que não chega a ser uma desvantagem. No geral se trata de um filme interessante, nada memorável, mas que levanta algumas questões intrigantes que nos fazem pensar um pouco sobre ele após seu fim. Pelo bem, pelo mal, vale a pena ao menos conhecer para se tirar suas próprias conclusões.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.


domingo, 7 de junho de 2015

Jimi - Tudo ao Meu Favor

Título no Brasil: Jimi - Tudo ao Meu Favor
Título Original: All Is by My Side
Ano de Produção: 2013
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: Darko Entertainment, Freeman Film
Direção: John Ridley
Roteiro: John Ridley
Elenco: André Benjamin, Hayley Atwell, Imogen Poots
  
Sinopse:
O guitarrista Jimi Hendrix (Benjamin) é um jovem músico desconhecido que acaba sendo descoberto em um night club de Nova Iorque pela namorada de Keith Richards dos Rolling Stones. Ela vê potencial e muito talento naquele sujeito e resolve lhe apresentar a um amigo, que está em busca de novos talentos para empresariar. Após aceitar a proposta Jimi então decide ir para a Europa, em Londres, em busca de um novo recomeço, um futuro promissor para sua carreira musical. Filme indicado ao Independent Spirit Awards, Black Reel Awards e Stockholm Film Festival.

Comentários:
Esse filme não se propõe a ser uma cinebiografia completa e definitiva do mito do rock Jimi Hendrix (1942 - 1970). Ao invés disso investe suas fichas em um momento específico da vida daquele que é considerado por muitos como o melhor guitarrista da história. O Jimi que emerge de suas cenas é apenas um aspirante ao sucesso, um jovem negro muito talentoso que ainda não encontrara a grande oportunidade de sua vida. Em busca de novos horizontes e sem maiores esperanças de alcançar o sucesso em seu país natal, ele aceita o convite de ir para Londres, naquele momento a capital mundial do rock, um cenário efervescente de onde surgiam as bandas e artistas mais influentes do gênero. Seu objetivo era gravar seu primeiro disco. De quebra Jimi nutria esperanças de tocar ao lado de seus grandes ídolos, entre eles Eric Clapton, considerado o deus da guitarra na época. No geral "All Is by My Side" tem pontos positivos e negativos. Seu principal ponto a favor vem do trabalho do ator (e também músico) André Benjamin. Além de ser muito parecido fisicamente com Hendrix ele conseguiu trazer para o filme grande parte da personalidade do ator. Jimi, ao contrário do que sua imagem nos palcos poderia sugerir, a do roqueiro doidão e selvagem que colocava fogo em seu instrumento, era na verdade um sujeito bem tímido, caladão, na dele. Um jovem de poucas palavras e temperamento sutil, que procurava fugir de qualquer tipo de confronto pessoal, com quem quer que seja. Também evitava ter que ostentar bandeiras políticas e de protesto como era bem comum entre os artistas daqueles tempos. No fundo Jimi era apenas um boa praça que queria tocar sua guitarra numa boa, sem stress. André Benjamin também surpreende nas cenas de palco. Obviamente ele jamais tocaria como Hendrix, mas não faz feio e passa veracidade nos momentos em que faz sua guitarra tocar aquela sonoridade que se tornou imortal. Pessoalmente considerei isso um dos pontos fortes tanto do roteiro como da atuação de Benjamin. Muito boa, acima da média, sem retoques. Infelizmente nem tudo são flores. Entre seus pontos fracos podemos citar algumas omissões e incorreções biográficas que incomodaram muita gente que viveu com Jimi na mesma época em que o filme se passa. Kathy Etchingham, a musa de Hendrix naqueles anos, não gostou nada de certas passagens e reagiu publicamente contra uma cena em particular, em que a namorada de Jimi é agredida com um telefone de forma violenta. Ela foi taxativa ao afirmar que aquilo nunca aconteceu, sendo tudo invenção. Outros biógrafos do cantor também concordaram com ela. Por que aquela cena foi inserida no filme afinal? Talvez tenha sido uma forma do diretor e roteirista John Ridley (de "12 anos de Escravidão") de criar uma personalidade mais forte e marcante para Jimi, quem sabe. Provavelmente Ridley tenha achado a forma de ser de Jimi muito pacata para um rockstar! De qualquer maneira o filme vale por si mesmo, ainda que nem todas as passagens sejam verídicas do ponto de vista histórico. O que valeu a pena aqui foi mesmo a oportunidade de reencontrar esse grande mito da história do rock de uma forma bem mais humana e próxima. Não é o melhor dos mundos, mas certamente é um filme satisfatório para quem curte Hendrix e sua meteórica trajetória.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.


John Lennon - The Collected Artwork

John Lennon: The Collected Artwork
Desde que John Lennon morreu muitos de seus desenhos e gravuras viraram ícones da indústria de consumo. Seus rabiscos estão em cartões, camisetas, livros, discos e até mesmo brinquedos. Agora procurando levar mais a sério a produção artística visual de Lennon um livro chamado "John Lennon: The Collected Artwork" pretende reunir o melhor de sua produção em suas 204 páginas. A reunião dos esboços vai até o passado, na infância de John, e resgata alguns de seus desenhos mais antigos, vários inspirados em Ivanhoe e outras obras literárias juvenis que fizeram a cabeça do garoto de Liverpool. No começo da década de 1960 ele ousou até mesmo a tentar uma carreira como chargista, mas a ideia ficou pelo meio do caminho por causa da música e de sua banda, os Beatles. Seus desenhos porém sobreviveram ao tempo e estão na publicação. Fechando a exposição o livro ainda traz desenhos feitos por Lennon nos anos 1970, quando ele retratou seu casamento com Yoko Ono e aspectos cotidianos de seu filho Sean.

Essa insistência em pintar e desenhar vem de longe. Na juventude John Lennon foi um dos alunos do Liverpool College of Art onde ele procurou desenvolver seu gosto pelos desenhos e quadros de artes plásticas. Foi justamente lá que ele desenvolveria uma grande amizade com outro jovem entusiasta dos pincéis, Stu Sutcliffe. Ele, mais do que qualquer outra amizade que John tenha feito nessa época em sua vida, foi o mais querido amigo de seu ciclo de pessoas próximas naqueles tempos pioneiros. Os especialistas porém concordam que ao contrário de Stu, que era realmente um bom pintor, John Lennon na verdade não tinha tanto jeito assim para desenhar e pintar. Por isso a guitarra acabou sendo a grande válvula de escape. Se ele não era nenhum Picasso podia ao menos tentar seguir os passos de seus ídolos na música. O importante era viver expressando sua arte de alguma forma. Deu no que deu.


Em sua "obra" John Lennon poderia ser considerado um minimalista. Ele procurava o máximo de efeito com o mínimo de traços e linhas. Seus temas eram geralmente sentimentais, tristes ou até mesmo bobos. O importante para John era se sentir conectado com o desenho ou a pintura que acabara de produzir. Era uma forma também de aliviar o stress depois de demoradas sessões de gravações ou composições que exigiam muito dele, tanto do ponto de vista físico como emocional. Em muitas ocasiões John mandava cartas visuais para seus amigos, praticamente sem texto, apenas com figuras. Era uma forma diferente de se expressar. O livro é muito bom no geral, mas como foi financiado em parte por Yoko Ono há um certo exagero em seu texto, que tenta colocar John Lennon como algum tipo de gênio dos pincéis. Não vamos chegar a tanto, não é mesmo?

Erick Steve e Pablo Aluísio.

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Uma Promessa

Título no Brasil: Uma Promessa
Título Original: A Promise
Ano de Produção: 2013
País: França, Bélgica
Estúdio: Fidélité Films, Wild Bunch
Direção: Patrice Leconte
Roteiro: Patrice Leconte, Jérôme Tonnerre
Elenco: Rebecca Hall, Alan Rickman, Richard Madden
  
Sinopse:
Alemanha, 1912. Depois de passar por uma infância complicada, criado em orfanatos do Estado, finalmente o jovem Friedrich Zeitz (Richard Madden) consegue seu primeiro emprego. Engenheiro recém-formado, o melhor aluno de sua classe na universidade, ele começa a trabalhar na siderúrgica do rico industrial Karl Hoffmeister (Alan Rickman). Aos poucos Friedrich começa a se destacar dentro da empresa e cai nas graças de seu patrão que o transforma em seu secretário particular. Desfrutando da vida pessoal e doméstica do seu empregador, Friedrich conhece a jovem esposa dele, a bela Lotte Hoffmeister (Rebecca Hall). Começa assim a sentir um sentimento verdadeiro e também proibido em relação a ela. Filme vencedor do Beijing Film Festival na categoria de Melhor Ator Coadjuvante (Alan Rickman). Também indicado ao Magritte Awards.

Comentários:
Romance de época que conta um amor entre um jovem e aplicado empregado e a esposa de seu patrão. Poderia ser banal, mas o cineasta Patrice Leconte resolveu criar uma obra mais intimista e sofisticada. O amor entre uma mulher casada e um rapaz empregado de seu próprio marido poderia causar uma certa indignação no público mais conservador, porém o diretor foi inteligente o suficiente para nunca cair na vulgaridade ou no lado mais visceral desse tipo de romance, optando ao contrário disso por valorizar um outro lado, justamente o mais nobre, o do amor verdadeiro que o casal nutre entre si. Nada acontece antes de seu devido tempo. É uma obra que valoriza os pequenos momentos, os menores detalhes. A trama se desenvolve sem pressa e sem atropelos. Tudo de muito bom gosto. Em termos de elenco quem mais se destaca é o ator Alan Rickman. Ele interpreta esse velho industrial, já no fim de sua vida, que entende em seu íntimo as várias nuances de se manter um casamento com uma mulher bem mais jovem do que ele. No fundo sabe que seu relacionamento muito provavelmente não passe de uma união de pura conveniência financeira e econômica, que pouco tenha a ver com um sentimento real, verdadeiro. Ele é um bom homem, mas não consegue passar um calor mais humano e sentimental em relação à sua esposa e seu pequeno filho, que é apaixonado por brinquedos caros, como uma pequena ferrovia em miniatura. O roteiro dá uma pequena reviravolta em seu terço final, levando os apaixonados a serem separados por um oceano e pelo mais implacável opositor das grandes paixões, o tempo. Tudo como um teste de permanência e prova desse romance. Um filme que nos deixou bem satisfeitos pela lição que tenta passar ao espectador. Sua mensagem principal tenta afirmar que o verdadeiro amor resiste a praticamente tudo, desde que seja realmente sincero e profundo.

Pablo Aluísio e Thaís Albuquerque.


Terremoto - A Falha de San Andreas

Título no Brasil: Terremoto - A Falha de San Andreas
Título Original: San Andreas
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos, Austrália
Estúdio: Village Roadshow Studios
Direção: Brad Peyton
Roteiro: Carlton Cuse, Andre Fabrizio
Elenco: Dwayne Johnson, Carla Gugino, Paul Giamatti

Sinopse:
Piloto de um helicóptero de resgate do Corpo de Bombeiros de Los Angeles, Ray (Dwayne Johnson) se vê diante do maior desafio de sua profissão ao ter que encarar um mega terremoto que atinge o Arizona e a Califórnia. Um tremor de proporções épicas causada pela conhecida falha de San Andreas, um enorme fenda geológica que atravessa diversos estados americanos na costa oeste do país. No meio do caos ele fará de tudo para salvar sua família.

Comentários:
Roteiros explorando um grande terremoto causado pela falha de San Andreas não é novidade nenhuma no cinema americano. Dezenas de filmes já foram realizados usando esse argumento. Só para citar um exemplo basta lembrar do filme "Superman" de 1978. A falha era justamente o que convinha ao vilão Lex Luthor naquele momento. Ele queria que um grande terremoto literalmente afundasse metade da Califórnia no mar! Ficção à parte, o fato é que ela existe e segundo inúmeros estudos e pesquisas um dia irá dar causa a um evento catastrófico naquela região dos Estados Unidos. Milhões de pessoas provavelmente morrerão pois na sua linha existem grandes cidades como Los Angeles e San Francisco. Como um dos personagens do filme mesmo afirma não há dúvidas que esse terremoto um dia acontecerá, a única questão a responder é quando ele virá! Definitivamente não queria morar na Califórnia quando isso viesse a acontecer. Enquanto esse dia não vem (e esperamos que não venha mesmo) o cinema vai explorando o terrorismo psicológico que advém de sua existência. Esse "San Andreas" vai direto ao ponto. Após uma breve apresentação dos personagens principais (o pai bombeiro, a filha que o ama e a ex-esposa que quer o divórcio para se casar com um milionário empresário do ramo imobiliário), a falha finalmente entra em colapso, atingindo as grandes cidades, causando destruição e morte por onde passa. Em filmes assim, que bebem diretamente do chamado cinema catástrofe dos anos 70, não há muito o que se esperar. São cenas e mais cenas de tragédias acontecendo ao mesmo tempo, desde prédios vindo ao chão até avenidas inteiras que se abrem do nada, engolindo todas as pessoas ao redor. Morte e destruição por todos os lados! Obviamente que tudo é muito bem feito, haja visto o avanço tecnológico que os efeitos digitais alcançaram nos dias de hoje. Pena que não exista mesmo um roteiro mais bem escrito que procure desenvolver melhor todos os personagens. Para piorar ainda mais o personagem central, o bombeiro Ray (interpretado pelo "The Rock"), que deveria ser um herói acima de qualquer crítica, toma uma decisão pouco ética e moralmente condenável, ao largar as pessoas morrendo lá embaixo enquanto usa seu helicóptero (que pertence ao poder público, ao povo da Califórnia, feito para salvar vidas da população em geral) para ajudar única e exclusivamente seus familiares e ninguém mais! Ou seja, o sujeito pensa: "Vou salvar minha filha e minha ex-esposa e o resto do povo que se dane!". Que coisa feia, que vergonha! Um belo exemplo do que um servidor público não deve fazer em suas funções públicas, em prol da sociedade. Isso porém seria exigir demais de um produto tão pop e descartável como esse. Afinal de contas "San Andreas" não passa de puro cinema chiclete, feito para ser exibido em escala industrial nas salas de exibição de grandes shoppings.

Pablo Aluísio e Erick Steve.


quinta-feira, 4 de junho de 2015

Noite Sem Fim

Título no Brasil: Noite Sem Fim
Título Original: Run All Night
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos
Estúdio: Vertigo Entertainment
Direção: Jaume Collet-Serra
Roteiro: Brad Ingelsby
Elenco: Liam Neeson, Ed Harris, Joel Kinnaman, Vincent D'Onofrio, Boyd Holbrook, Common, Nick Nolte
  
Sinopse:
Assassino profissional da máfia irlandesa em Nova Iorque, Jimmy Conlon (Liam Neeson), sente agora o peso dos anos. Durante décadas ele conseguiu escapar das garras da justiça, mas envelhecido e solitário, começa a se questionar se tudo valeu realmente a pena. Sua quase aposentadoria é colocada de lado após seu próprio filho Mike (Joel Kinnaman) testemunhar por acaso um assassinato. O autor do crime é justamente o filho do chefão de Jimmy, o que o coloca numa situação muito delicada. Para piorar o jovem mafioso é morto, colocando Jimmy de uma vez por todas em rota de colisão com seu chefão Shawn Maguire (Ed Harris), que não deixará a morte dele passar em vão.

Comentários:
Já faz um bom tempo que o ator Liam Neeson resolveu direcionar sua carreira para os filmes de ação. Nesse meio tempo ele fez alguns filmes meramente medianos e alguns realmente bem ruins. Entre erros e acertos, ele aos poucos vai acertando o rumo certo. Dessa nova safra "Run All Night" provavelmente seja o melhor que ele tenha estrelado até agora. O filme tem uma história simples, diria até básica, mostrando um enorme acerto de contas entre mafiosos. Até aí nada de muito original. O diferencial vem principalmente da forma como esse enredo é contado e da excelente atuação de todo o elenco. Esse, por sua vez, é realmente acima da média. Ed Harris é um dos meus atores preferidos. Veterano, sempre surge com algo interessante a cada ano. Não pensa em se aposentar e não importa a produção, sempre dá o melhor de si. Aqui ele interpreta o chefão mafioso Shawn Maguire. Ele é um criminoso da velha guarda, um sujeito que não quer mais se envolver no tráfico de drogas pesadas como heroína. Sua recusa em ajudar no tráfico de um grande carregamento chegando a Nova Iorque acaba desencadeando uma série de eventos que farão tudo a perder. Seu mais fiel e constante aliado em suas atividades criminosas desde sua juventude é justamente o assassino profissional Jimmy Conlon (Neeson). Depois de se dedicar anos à eliminação de inimigos de sua clã, ele sente um enorme vazio existencial em sua vida. Não tem mais laços ou relacionamentos pessoais e se dedica a viver cada dia de uma vez, sem qualquer esperança no futuro, geralmente em algum bar das redondezas. Joel Kinnaman, da série "The Killing" e do novo "RoboCop", interpreta seu filho. Um sujeito que odeia o pai e seu passado de assassinatos. Ele quer levar uma vida honesta, para criar seus filhos com paz e tranquilidade, mas acaba engolido por um evento do destino que o envolve inesperadamente em um jogo mortal dentro do mundo do crime. Nick Nolte também está em cena, em um pequeno papel. Com longa barba ele mais parece uma versão de Móises dos tempos modernos. Outro destaque digno de nota vem com o ator Common. Ele já vinha chamando bastante a atenção desde que surgiu na série de sucesso "Hell on Wheels". Nesse filme ele mostra seu lado mais perturbador, ao trazer à tona um assassino profissional obcecado por seu novo contrato, justamente o de eliminar Jimmy Conlon (Neeson), uma lenda em seu ramo de atividade. Duelos entre assassinos profissionais costumam ser o ponto alto desse tipo de produção. O roteiro conseguiu ótimas soluções dentro de um enredo que poderia soar bem banal nos dias de hoje. O diretor espanhol Jaume Collet-Serra conseguiu imprimir um ritmo muito bom no desenrolar da trama, valorizando ótimas sequências de ação ao mesmo tempo em que procura desenvolver as personalidades de cada personagem envolvido nesse jogo de vida ou morte. A ideia de rodar toda a trama do filme como se passasse apenas em uma noite também traz uma excelente agilidade em cima de tudo o que está acontecendo. "Noite Sem Fim" se torna assim a prova concreta de que ainda há espaço para se realizar bons filmes de ação que não sejam nem entediantes e nem repetitivos, basta ter talento para isso.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.


quarta-feira, 3 de junho de 2015

Um Santo Vizinho

Título no Brasil: Um Santo Vizinho
Título Original: St. Vincent
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Sony Pictures
Direção: Theodore Melfi
Roteiro: Theodore Melfi
Elenco: Bill Murray, Melissa McCarthy, Naomi Watts
  
Sinopse:
Vincent (Bill Murray) passa longe de ser um exemplo. É um sujeito ranzinza, cínico e mal-humorado que vive em bares, é viciado em apostas de corridas de cavalos e esporadicamente sai com uma stripper que se prostitui e que está grávida, sem saber direito o que fará de sua vida. Seu estilo de vida vai mudando aos poucos quando sua nova vizinha resolve lhe pagar alguns dólares para que ele tome conta de seu filho, após ele voltar da escola. A convivência com o garoto aos poucos vai mudando a visão de mundo do velho Vincent. Filme indicado ao Globo de Ouro nas categorias de Melhor Filme - Comédia ou Musical e Melhor Ator - Comédia ou Musical (Bill Murray). Também indicado ao Screen Actors Guild Awards na categoria de Melhor Atriz Coadjuvante (Naomi Watts).

Comentários:
Bill Murray se notabilizou desde os tempos do SNL em interpretar tipos mais cínicos. Essa persona nunca deixou o ator. Provavelmente seu próprio jeito de ser contribuiu muito para isso. Depois de alguns anos vivendo desse tipo de papel ele mudou os rumos de sua carreira e estrelou filmes que foram bastante elogiados pela crítica. Produções como "Encontros e Desencontros", "Sobre Café e Cigarros" e "Viagem a Darjeeling" trouxeram um status cult para sua filmografia. De comediante gaiato ele começou a ser respeitado como grande ator. Chegou inclusive a ser premiado em festivais importantes de cinema. Agora o ator deixa essa fase mais pretensiosa de lado para fazer algo mais simples, ameno. Apesar de algumas indicações no Globo de Ouro a verdade é que não existe nada demais nesse "St. Vincent". O roteiro é simples, tem um enredo que poderíamos até qualificar como banal e mesmo as reviravoltas da trama não soam como algo muito importante ou relevante. Bill Murray parece brincar o tempo todo com sua própria imagem, a do sujeito que pouco está se importando com o que pensam dele. Ele não tem família, laços emocionais ou relacionamentos duradouros. Ao invés disso prefere pagar para ter a companhia de Daka (Naomi Watts), uma jovem que ganha a vida tirando a roupa em bares de strip tease de quinta categoria. Ao ter que cuidar de um estudante colegial, o impassível Vincent resolve apresentar ao garoto parte de sua vida, o levando a bares, corridas de cavalos e ao lado menos turístico da cidade. O filme basicamente gira em torno disso, um homem que não tem a menor vocação com crianças tendo que conviver com um jovem estudante de escola católica. Há uma ou outra coisinha mais interessante, porém no geral "St. Vincent" parece ter sido realmente superestimado um pouco além da conta. É ver para crer.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 2 de junho de 2015

Sem Direito a Resgate

Título no Brasil: Sem Direito a Resgate
Título Original: Life of Crime
Ano de Produção: 2013
País: Estados Unidos
Estúdio: Constantin Film
Direção: Daniel Schechter
Roteiro: Daniel Schechter, baseado no livro de Elmore Leonard
Elenco: Jennifer Aniston, Tim Robbins, Will Forte, John Hawkes, Isla Fisher, Mark Boone Junior, Yasiin Bey
  
Sinopse:
Um grupo de criminosos decide sequestrar Mickey Dawson (Jennifer Aniston), esposa do figurão do ramo imobilário Frank Dawson (Tim Robbins). Para libertar e poupar a vida dela pedem 1 milhão de dólares de resgate. O problema é que Frank definitivamente não parece muito disposto a pagar essa bolada, uma vez que já estava pensando em se divorciar dela para ficar com sua jovem amante, a ruivinha Melanie (Isla Fisher). Se Mickey sumisse de sua vida agora seria bem melhor para ele, que afinal de contas se livraria da pensão milionária que a esposa certamente lhe exigiria em caso de divórcio! E agora, o que os sequestradores farão para que seu plano criminoso venha a dar algum resultado?

Comentários:
Esse roteiro já circulava há muito tempo por Hollywood. Já estava tudo certo inclusive para que a atriz Diane Keaton interpretasse o papel de Mickey Dawson, mas depois de um tempo de pré-produção o projeto foi cancelado. De certa maneira o argumento lembra bastante outro filme chamado "Por Favor, Matem Minha Mulher" com Danny DeVito. Basicamente é a mesma situação, uma esposa é sequestrada e o marido quer mesmo é que ela suma de sua vida, desapareça! Assim os sequestradores estariam no fundo fazendo um favor para ele! Claro que em "Sem Direito a Resgate" as coisas não são tão escrachadas como naquela comédia dos anos 80, mas passa bem perto disso. Embora casados há muitos anos, Mickey e Frank só continuam unidos por interesses financeiros. Tanto um como o outro já não suporta mais a presença do cônjuge! Tudo acaba virando uma mera fachada para a sociedade, com muita hipocrisia e falsidade. Ele mantém uma amante jovem e bonitinha escondida em um quarto luxuoso de hotel à beira mar e a visita frequentemente. Também esconde seus negócios da mulher, criando com golpes e corrupção no mercado imobiliário uma polpuda poupança que vira alvo dos sequestradores. Ela, por sua vez, também mantém um flerte com outro homem casado, Marshall Taylor (Will Forte), um sujeito meio bobalhão, pai de uma família numerosa, que não está nada disposto a assumir seu caso extraconjugal publicamente. Em suma, o ápice da hipocrisia na sociedade! Por fora se mostram casados e felizes, por dentro se odeiam e só estão juntos por causa da grana. O enredo do filme se passa em 1978, o que dá margem para o surgimento de uma bela trilha sonora, além dos figurinos estranhos daquela época. Jennifer Aniston está muito atraente, apesar de sua personagem ser em essência apenas uma dona de casa frustrada e infeliz. Tim Robbins está muito diferente, com muitos quilos a mais e aparência bastante envelhecida, o que se mostra perfeito para seu papel. Outro destaque do elenco vem com o ator Mark Boone Junior (o Bobby Elvis da popular série "Sons of Anarchy"). Ele dá vida a um sujeito esquisito, adorador do nazismo, que topa emprestar sua casa para servir de cativeiro do sequestro. Então é basicamente isso, um bom filme, divertido, sem exageros e com boa reconstituição de época, que diverte e entretém de uma maneira bem amena. Vale a pena a curtição.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.


segunda-feira, 1 de junho de 2015

Despedida em Las Vegas / Os Últimos Passos de um Homem

Despedida em Las Vegas
Ben Sanderson (Nicolas Cage), um roteirista fracassado que perdeu tudo por causa de seu alcoolismo, resolve ir até Las Vegas para literalmente beber até morrer! Em sua trajetória de auto destruição ele acaba encontrando consolo, amizade e amor em uma prostituta chamada Sera (Elisabeth Shue). Grande filme, provavelmente o último grande momento da carreira do ator Nicolas Cage que depois de brilhar aqui em uma intensa interpretação afundou solenemente em um mar de abacaxis. É aquele tipo de roteiro escrito especialmente para grandes atuações. Sem uma excelente dupla a história simplesmente não funcionaria. Felizmente tanto Cage como Shue estão particularmente inspirados em seu trabalho. O cenário não poderia ser mais adequado, uma Las Vegas completamente kitsch e excessiva, mas ao mesmo tempo pouco acolhedora e impessoal. Como se trata de um script desenvolvido completamente para os atores o filme acabou rendendo excelentes frutos para sua dupla central. Nicolas Cage, por exemplo, levou o Oscar de Melhor Ator, um prêmio até merecido por causa de sua filmografia passada. Ele naquele momento era considerado um ator cult, ousado e corajoso que topava fazer filmes estranhos e fora do convencional. Um verdadeiro outsider dentro do universo da indústria de cinema dos Estados Unidos. Nada do que vemos hoje em dia, infelizmente. Elisabeth Shue também foi indicada ao Oscar, mas não chegou a ser premiada, por sua brilhante atuação. Para ela a mera indicação já era uma vitória e tanto. Ela começou a carreira nos anos 80, com fracos filmes adolescentes. Depois abandonou a profissão de atriz para estudar e se formar na prestigiada universidade de Harvard. Depois de receber o diploma tentou um retorno a Hollywood e se deu muito bem, deixando as comédias bobinhas para trás para brilhar em filmes mais consistentes como esse. Hoje em dia anda um pouco sumida, mas pelo menos conseguiu o respeito de seus colegas da Academia. Então é isso. "Despedida em Las Vegas" é uma excelente pedida caso você esteja em busca de grandes atuações. Um roteiro bem humano, visceral e verdadeiro que expõe a fragilidade de uma pessoa buscando o caminho da redenção através de sua própria destruição física. Filme também vencedor do Globo de Ouro na categoria de Melhor Ator (Nicolas Cage). / Despedida em Las Vegas (Leaving Las Vegas, EUA, 1995) Direção: Mike Figgis / Roteiro: Mike Figgis, baseado no romance escrito por John O'Brien / Elenco: Nicolas Cage, Elisabeth Shue, Julian Sands.

Os Últimos Passos de um Homem
O título em inglês, "Dead Man Walking" (literalmente "Homem Morto Caminhando"), é uma expressão usada para os prisioneiros que estão no corredor da morte nos Estados Unidos. Homens que já não possuem mais nenhuma esperança de salvação, quando todos os seus recursos já foram julgados e indeferidos, cuja execução se torna apenas uma questão de tempo. Nesse filme que possui um nítido caráter ativista contra a pena de morte encontramos dois personagens centrais, Matthew Poncelet (Sean Penn), o sujeito que está condenado e Helen Prejean (Susan Sarandon), uma mulher corajosa que luta com todas as suas forças para que ele não seja levado para a câmara onde lhe será aplicada a injeção letal. O roteiro trabalha muito bem com o tema, procurando colocar um certo humanismo em destaque. Embora muito bem escrito temos que admitir também que o roteiro derrapa em certos momentos em uma atitude por demais maniqueísta, tentando trazer alguns aspectos humanos inexistentes para certos criminosos, que em última análise, foram condenados justamente por sua violência e brutalidade. As vítimas também são colocadas em um segundo plano que incomoda. De repente o criminoso passa a ser visto como alguém puro e bom que está sendo enviado para a morte sem qualquer razão plausível. Sabemos que isso no mundo real não passa de uma grande bobagem. De qualquer maneira, deixando isso de lado, a excessiva manipulação do roteiro, o que temos é outro filme de excelentes atuações, acima de tudo. É fato notório que tanto Sean Penn como Susan Sarandon são atores politicamente muito engajados com programas liberais. Não é surpresa nenhuma que tenham levantado essa bandeira com esse filme. Certos ou errados nas suas convicções políticas o fato é que suas atuações foram reconhecidas pelos membros da Academia. No Oscar ele foi indicado ao prêmio de Melhor Ator e ela venceu como Melhor Atriz, levantando a cobiçada estatueta pela primeira e única vez em sua carreira. Tim Robbins, o marido de Sarandon, outro liberal de carteirinha, também foi indicado ao prêmio de Melhor Direção. Então no saldo geral tudo foi muito positivo para eles. Certamente houve muita celebração também dentro dos diretórios do Partido Democrata, onde ambos são bem atuantes. Assim fica a recomendação do filme. Assista, mas sem deixar de lado a propaganda, muitas vezes excessiva, que o roteiro faz contra a pena de morte. / Os Últimos Passos de um Homem (Dead Man Walking, EUA, 1995) Direção: Tim Robbins / Roteiro: Tim Robbins, baseado no livro escrito por Helen Prejean / Elenco: Susan Sarandon, Sean Penn, Robert Prosky, R. Lee Ermey.

Pablo Aluísio.