segunda-feira, 29 de maio de 2017

Alien: Covenant

Sinceramente falando fiquei bem decepcionado com esse novo filme da franquia Aliens. Tudo bem, antes de assistir ao filme vi várias reações negativas aqui e acolá, o que me fez baixar as expectativas, porém não pensei que seria tão decepcionante. O filme tem muitos problemas, mas o pior mesmo é ver como seu roteiro é fraco e sem novidades. Qualquer episódio de uma série como "Star Trek" supera e muito esse filme em termos de ideias e originalidade. É até complicado perceber como um cineasta tão talentoso como Ridley Scott conseguiu realizar um filme tão mediano e insosso como esse! Certa vez um famoso crítico de cinema americano disse que o auge de um diretor só dura 10 anos, no máximo. Após conferir esse novo Alien e perceber no abismo em que Ridley Scott entrou, estou praticamente convencido disso.

O enredo é banal até dizer chega! Acompanhamos a longa viagem de uma nave de colonização chamada Covenant. Ela está levando mais de dois mil colonos para um planeta distante, bem parecido com a Terra. O único tripulante a bordo que não está em casulo e hibernação é um ser sintético denominado Walter (Michael Fassbender), Tudo transcorre muito bem, até que a nave passa por uma tempestade estelar e aí as coisas começam a dar bem errado. Para evitar um desastre maior o próprio sistema da espaçonave desperta a tripulação. O capitão está morto e um novo comandante, sem muita experiência de comando, assume. Ele é inseguro e não conta com a confiança dos demais tripulantes. Pior do que isso, ele comete um erro fatal ao desviar a nave, indo para um planeta próximo, onde um sinal foi detectado. Inicialmente o lugar parece muito adequado para a vida dos seres humanos, só que algumas coisas estranhas chamam a atenção. Entre elas a completa ausência de formas de vida. Nem pássaros, nem insetos, nada parece viver ali. O que teria acontecido?

Lendo esse pequeno resumo da estória você logo perceberá que a trama não tem nada de original. Esse tipo de enredo já foi usado à exaustão em centenas de outros filmes ao longo dos anos. E se você já viu pelo menos um filme dessa franquia Aliens já sabe que tudo é mero pretexto para criar o clima do surgimento das criaturas alienígenas. Infelizmente isso é basicamente tudo. Não existem grandes novas ideias no roteiro e nem há nada de muito interessante acontecendo. Talvez a única coisa realmente boa seja um duelo intelectual que nasce do encontro entre dois sintéticos, do mesmo modelo, mas de gerações diferentes. O mais velho criou uma consciência própria, com forte personalidade. Já o mais novo é mais isento de emoções e não contesta a superioridade dos seres humanos. Ambos são interpretados por Michael Fassbender, e vamos convir que ele está muito bem em cena. Acabou salvando o filme no quesito atuação porque o resto do elenco é bem fraco e todos os demais personagens passem longe de serem interessantes. As personagens femininas passam o tempo todo dando gritos e com cara de choro. Deu saudades da Tenente Ripley! Confesso que fiquei entediado em vários momentos, pois o roteiro tem problemas de ritmo. Some-se a isso a falta de novidades e a ausência de uma trama mais interessante e você terá realmente um quadro completo do tamanho da decepção.

Alien: Covenant (Idem, Estados Unidos, 2017) Direção: Ridley Scott / Roteiro: Jack Paglen, John Logan, baseados nos personagens criados por Dan O'Bannon e Ronald Shusett / Elenco: Michael Fassbender, Katherine Waterston, Billy Crudup / Sinopse: O jovem capitão de uma nave colonizadora decide sair de sua rota para investigar um sinal de rádio que foi enviado de um planeta próximo. Ao chegar lá ele descobre que a nave Prometheus, desaparecida há anos, caiu naquele distante mundo. O pior porém ele descobrirá depois, quando uma criatura desconhecida começa a devorar todos os seus tripulantes.

Pablo Aluísio.

sábado, 27 de maio de 2017

Uma História de Vingança

Ninguém pode acusar o ator Nicolas Cage de não tentar levantar sua carreira. Ano após ano Cage está sempre na ativa, tentando alcançar o sucesso perdido. Agora ela tenta novamente, dessa vez usando uma antiga fórmula, tirada lá dos velhos filmes de Charles Bronson dos anos 70. Se você pensou em "Desejo de Matar", acertou em cheio! É mais um roteiro que explora a figura do policial que indignado pelas falhas do sistema judiciário resolve fazer justiça com as próprias mãos. O curioso é perceber que apesar de ser algo bem batido ainda consegue funcionar em certos momentos.

Vamos ao enredo: Nicolas Cage interpreta um policial veterano do departamento de polícia da cidade de Niagara Falls, um conhecido point turístico. Quando uma jovem viúva é estuprada por um grupo de vagabundos locais, ele entra no caso. Sua indignação e envolvimento pessoal se tornam maiores porque os estupradores cometeram seu crime na presença da pequena filha da vítima, uma garotinha de apenas 10 anos de idade. Após identificar cada um deles, todos são presos e levados para julgamento. Entra em cena então um advogado sem escrúpulos interpretado por Don Johnson, que acaba inocentando todos eles. Usando das velhas brechas da lei, todos são então libertados e recomeçam a incomodar a vítima e sua filha.

Bom, com esse tipo de estória você já deve ter percebido o que aconteceria dali em diante. Cage resolve literalmente limpar as ruas daqueles estupradores e criminosos. Um aspecto curioso é que o roteiro não se foca completamente no policial interpretado por Nicolas, mas sim na família da vítima e nos próprios criminosos. Dessa forma Nicolas Cage está sempre em segundo plano, aparecendo apenas para fazer sua "limpeza social". No final das contas, colocando tudo na balança e fazendo uma análise mais fria, o que temos aqui é apenas um banal filme policial que requenta velhas fórmulas. Poderia muito bem ser um filme de Charles Bronson, como já citei. Paradoxalmente, mesmo assim não deixa de ser uma boa diversão. Pelo visto a figura do justiceiro (ou vigilante, como dizem os americanos) ainda tem seu apelo junto ao público espectador.

Uma História de Vingança (Vengeance: A Love Story, Estados Unidos, 2017) Direção: Johnny Martin / Roteiro: John Mankiewicz, baseado no romance policial escrito por Joyce Carol Oates / Elenco: Nicolas Cage, Don Johnson, Anna Hutchison, Talitha Bateman / Sinopse: Policial fica indignado após presenciar um grupo de estupradores sendo inocentados pela justiça. Após ser informado que além de estarem soltos pelas ruas eles ainda recomeçaram a importunar a vida da vítima estuprada, decide fazer justiça com suas próprias mãos, livrando sua cidade daquela escória imunda.

Pablo Aluísio.

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Terra Prometida

A história do filme acompanha Steve Butler (Matt Damon) e sua colega Sue Thomason (Frances McDormand) que viajam até uma pequena cidade do interior dos Estados Unidos. Na região há um vasto reservatório de gás natural no subsolo. Eles trabalham para uma empresa que tem planos de explorar economicamente essa reserva. Para isso porém será necessário convencer os moradores e donos de fazendas a venderem suas propriedades para a companhia mineradora, algo que não vai ser muito fácil pois ao mesmo tempo em que chegam na cidade também aparece um ecologista que lutará para que ninguém venda suas terras.

O que mais me deixou admirado nesse filme de Gus Van Sant foi seu terrível convencionalismo. Van Sant foi um dos diretores mais inovadores de sua geração, sempre explorando temas polêmicos, optando muitas vezes por uma linguagem cinematográfica inovadora. Só que aqui ele preferiu o convencional, o banal, diria até o burocrático. O filme é totalmente quadrado, sem qualquer tipo de inovação de qualquer tipo. Van Sant conta a sua história com extrema preguiça, sem maiores envolvimentos. Por tudo isso podemos dizer que esse "Promised Land" é seguramente um dos seus filmes mais enfadonhos. Quem estiver em busca do bom e velho Van Sant, do artístico e autoral Van Sant, certamente vai quebrar a cara.

O personagem principal interpretado pelo ator Matt Damon é de um bom mocismo irritante. Ele trabalha para uma companhia de exploração de combustíveis naturais, que quer explorar a região para extrair gás natural, mas acredita piamente (e estupidamente) que essa grande corporação bilionária, capitalista ao extremo, só tem intenções boas e positivas sobre as terras que deseja comprar. É ser muito bobo para convencer o espectador. Pior é saber que o ecologista que o combate também tem seus segredos. Aliás a figura desse oponente é responsável pela única reviravolta digna de surpresas dentro do enredo, porque tudo o mais é terrivelmente chatinho. Enfim, tirando um ou outro momento esse filme deixa bastante a desejar. Pelo visto o outrora rebelde e contestador Gus Van Sant virou apenas um cineasta comum... e dos mais entediantes.

Terra Prometida (Promised Land, Estados Unidos, 2012) Direção: Gus Van Sant / Roteiro: John Krasinski, Matt Damon / Elenco: Matt Damon, Frances McDormand, John Krasinski / Sinopse: Dois empregados de uma bilionária companhia mineradora vão até o interior com o objetivo de convencer os moradores a venderem suas terras. A empresa tem planos de explorar um rico manancial de gás natural que existe no subsolo. Um jovem ecologista porém também chega para convencer todos do contrário. Ele defende a ideia que a companhia já destruiu o meio ambiente de outras cidades, causando um grande desastre ambiental. Filme participante da seleção do Berlin International Film Festival.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Rua Cloverfield, 10

Esse filme ganhou várias resenhas positivas em seu lançamento. É uma espécie de spin-off de "Cloverfield - Monstro" de 2008. Caso você não tenha assistido ao primeiro filme não precisa se preocupar. A linha que une as duas histórias é muito tênue e eles podem ser assistidos separadamente, sem nenhum problema. Em certos aspectos apenas o nome Cloverfield une os dois filmes, mesmo que os roteiristas insistam no fato de que essa estória que vemos aqui corre paralelamente ao do filme original. Penso que forçaram a barra. Particularmente não vi mesmo muitas ligações diretas entre os dois enredos.

Basicamente o que temos aqui é uma trama até bem singela. Após sofrer um acidente de carro, a jovem Michelle (Mary Elizabeth Winstead) acorda no que parece ser o porão de alguém. Pior do que isso é perceber que está presa pela perna. Sua apreensão vai piorando quando ela conhece Howard (John Goodman), o dono do lugar. Ele é um veterano da marinha e aquilo é um abrigo contra ataques nucleares. Ele trouxe Michelle para aquele lugar após bater em seu carro. Ele queria salvar a vida dela. Como se tudo isso já não fosse ruim o bastante, Howard explica a Michelle que os Estados Unidos sofreram um ataque, nuclear ou químico, e por essa razão eles não podem sair do abrigo que fica debaixo de sua fazenda.

A coisa toda não a convence. Parece ser surreal que o mundo lá fora esteja sendo destruído enquanto ela fica presa com aquele desconhecido. Estaria o velho Howard falando a verdade ou tudo não seria uma mentira para ele trancafiar ela naquele abrigo? A resposta a essa pergunta o espectador só terá nos últimos minutos de filme. E ela não será tão simples ou convencional como se pode pensar. Assim o roteiro vai explorando à exaustão essa situação, ora dando pistas de que tudo seria loucura do personagem de John Goodman, demonstrando que ele estaria mentindo e de que seria na verdade algum tipo de pervertido ou maníaco, ora mostrando que há sim um fundo de verdade no que ele afirma.

É verdade que muitos não vão gostar do final do filme. Para esses é importante lembrar algumas coisas, entre elas a que esse filme faz parte da franquia Cloverfield. Isso significa que se trata de uma produção Sci-fi, embora isso não fique muito claro nas cenas iniciais do filme. Definitivamente não é um thriller de suspense comum ou nada parecido. No mais o diretor Dan Trachtenberg fez um bom trabalho, principalmente no que diz respeito ao seu elenco. Todos estão muito bem, em especial John Goodman, nunca deixando muito claro quais seriam as reais intenções de seu personagem. Com seu bom trabalho ele faz exatamente o que o roteiro pede, ou seja, deixar o espectador sem saber o que pensar até o último e definitivo momento.

Rua Cloverfield, 10 (10 Cloverfield Lane, Estados Unidos, 2016) Direção: Dan Trachtenberg / Roteiro: Josh Campbell, Matthew Stuecken / Elenco: John Goodman, Mary Elizabeth Winstead, John Gallagher Jr / Sinopse: Jovem mulher, Michelle (Mary Elizabeth Winstead), se vê acorrentada em um tipo de abrigo anti-nuclear após sofrer um acidente na estrada. Lá vive o estranho Howard (John Goodman), um veterano de guerra que diz a ela que o mundo lá fora está destruído, pois provavelmente houve um ataque nuclear ou químico. Eles precisam ficar no abrigo para sobreviver. Estaria Howard falando a verdade ou escondendo tudo para aprisioná-la naquele lugar?

Pablo Aluísio.

terça-feira, 23 de maio de 2017

Sicario: Terra de Ninguém

A fronteira entre Estados Unidos e México é seguramente um dos lugares mais violentos do mundo. É justamente essa rota que os cartéis mexicanos de drogas usam para transportar sua produção para o maior mercado consumidor de entorpecentes do mundo. Pois é, os mexicanos produzem e transportam as drogas, enquanto os americanos as consomem. Regra básica do capitalismo. Enquanto houve consumidor de um produto, haverá um produtor. Nesse campo de batalha trabalha a agente do FBI Kate Macer (Emily Blunt). Após sua equipe estourar uma casa do cartel, onde encontram corpos literalmente enterrados em suas paredes, ela aceita o convite para entrar em uma nova missão.

Esse novo grupo é comandado pelo agente da CIA Matt Graver (Josh Brolin). Ele é um sujeito experiente que sabe com quem está lidando. Por isso seu grupo é bem heterogêneo, contando inclusive com um ex-traficante barra pesada conhecido apenas como Alejandro (Benicio Del Toro). Os traficantes do cartel da fronteira mataram sua família no passado e agora ele está disposto a fazer qualquer coisa por vingança. Esses três personagens formam o trio central desse filme policial dirigido por Denis Villeneuve, novo cineasta que tem chamado bastante a atenção, principalmente por causa de seu último filme, a ficção "A Chegada", um dos melhores do ano passado.

Dizem que todo filme desse estilo precisa ter pelo menos três boas cenas. Requisito cumprido por Sicario. A primeira sequência, quando a equipe de Blunt chega na casa utilizada pelos traficantes é muito boa, com suspense e ação nas doses certas. Outra boa cena vem quando eles entram no México para levar até os Estados Unidos um parente do principal chefão mexicano. Andar naquelas ruas sendo cercados por criminosos é pura adrenalina, por si só. Por fim o filme fecha tudo com uma ótima cena final quando Del Toro finalmente tem a chance de concretizar sua vingança pessoal.

Hoje em dia fala-se muito no fracasso da guerra contra o tráfico. Que tudo deveria ser liberado para que não houvesse mais esse tipo de violência, como a que vemos no filme. Embora essa nova forma de pensar tenha alguns bons argumentos em seu favor, sou completamente contra esse tipo de pensamento. Basta ver como vivem e quais são os limites (ou a falta deles) dos que controlam esse tipo de atividade. Fora o fato de que se tudo fosse liberado a sociedade iria ter que arcar com os custos de ter que lidar com uma geração de zumbis, os próprios viciados. Lembre-se da Cracolândia. Assim embora seja algo nocivo, violento, que gera muitas mortes, a repressão ainda se faz necessária. "Sicario" mostra acima de tudo que nessa guerra nem sempre os lados estão bem delimitados. A guerra contra as drogas porém, ao contrário do que muitos dizem, pode sim ainda ser vencida.

Sicario: Terra de Ninguém (Sicario, Estados Unidos, 2015) Direção: Denis Villeneuve / Roteiro: Taylor Sheridan / Elenco: Emily Blunt, Josh Brolin, Benicio Del Toro / Sinopse: O filme acompanha um grupo de agentes do FBI e da CIA atuando na fronteira entre Estados Unidos e México. A missão deles é colocar atrás das grades o grande chefão do tráfico de drogas na região. Filme indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Fotografia (Roger Deakins), Melhor Música Original (Jóhann Jóhannsson) e Melhor Edição de Som (Alan Robert Murray).

Pablo Aluísio.

domingo, 21 de maio de 2017

Fome de Poder

Dois irmãos do interior decidem fugir da pobreza e da falta de emprego onde moram e se mudam para San Bernardino na Califórnia. No começo eles se dão mal em uma série de pequenas empresas que não dão certo. Então decidem abrir uma lanchonete. Um deles resolve inovar no atendimento, criando um sistema rápido, onde o cliente não ficaria muito tempo esperando por seu lanche. A ideia acabou dando certo e eles denominaram seu empreendimento de McDonald's!

Apesar desse começo promissor os dois irmãos não vão muito longe. A lanchonete, embora muito eficiente, não consegue passar de ser uma pequena pequena empresa familiar onde eles tiram seu sustento. Tudo muda porém com a chegada de Ray Kroc (Michael Keaton). Ele é um vendedor de porta em porta que está tendo dificuldades de vender sua máquina de fazer milk shake. Ray fica impressionado com o método de venda dos irmãos McDonald's  e decide se unir a eles, criando uma rede de franquias que se tornaria mundial e elevaria a marca comercial McDonald's ao patamar de ser uma das maiores do mundo dos negócios.

O enredo desse filme, baseado em fatos reais, é extremamente interessante. É uma história que desconhecia. Não sabia, por exemplo, que a rede mundial de fast food McDonald's tinha tido um começo tão modesto. O roteiro então explora essa metamorfose de uma pequena lanchonete de dois irmãos caipiras a uma potência do ramo de alimentação. A figura central nessa jornada de sucesso absoluto no ramo comercial se deveu e muito a um sujeito meio inescrupuloso, ganancioso e muito esperto. O Ray Kroc interpretado por Michael Keaton é um achado, um dos personagens mais interessantes já explorados pelo cinema nesses últimos anos.

É óbvio que em muitos momentos percebemos um certo malabarismo do filme em tentar esconder as canalhices de Kroc, como por exemplo, quando ele começa a passar a perna nos irmãos McDonald's, mas isso se torna secundário diante das próprias qualidades do filme. A história começa a ser contada em 1954, quando Kroc teve um estalo de que poderia ganhar muito dinheiro com aquele sistema de vendas de comida fast food. Aliás essa expressão seria criada por ele. Um tipo de alimentação rápida, barata e gostosa. Claro que também nada saudável, o que criaria nos Estados Unidos (e no mundo) uma geração de pessoas obesas e doentes. Isso porém nem é discutido no roteiro. Para Kroc o que importava era mesmo os negócios e sob esse ponto de vista ele foi certamente um vencedor. Afinal de contas no mundo do capitalismo selvagem americano o que conta realmente são os lucros milionários, acima de tudo!

Fome de Poder (The Founder, Estados Unidos, 2016) Direção: John Lee Hancock / Roteiro: Robert D. Siegel / Elenco: Michael Keaton, Laura Dern, Patrick Wilson, Nick Offerman, John Carroll Lynch / Sinopse: Ray Kroc (Michael Keaton) é um vendedor de máquinas de milk shake que acaba conhecendo a lanchonete McDonald's, um pequeno estabelecimento comercial que vende lanches. De propriedade de dois irmãos do interior, Kroc então tem a excelente ideia de vender franquias daquele comércio, criando assim uma das maiores redes de alimentação de todo o mundo.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Horizonte Profundo - Desastre no Golfo

Título no Brasil: Horizonte Profundo - Desastre no Golfo
Título Original: Deepwater Horizon
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Summit Entertainment
Direção: Peter Berg
Roteiro: Matthew Michael Carnahan, Matthew Sand
Elenco: Mark Wahlberg, Kurt Russell, John Malkovich, Kate Hudson, Douglas M. Griffin, Ethan Suplee

Sinopse:
Com roteiro baseado em fatos reais, o filme mostra um momento decisivo na vida de Mike Williams (Mark Wahlberg), um homem feliz, bem casado, que adora sua pequena filha de 10 anos. Ele tem um emprego numa estação de extração de petróleo no golfo da Louisiana. Durante um teste padrão algo sai errado e tudo termina em um grande desastre, quando a estação sofre um enorme incêndio.

Comentários:
Esse estilo de filme, chamado pelos americanos de "Disaster Movies" e de "Cinema catástrofe" por nós, brasileiros, é um velho conhecido dos cinéfilos. Muitos deles são baseados em fatos reais, grandes tragédias que marcaram época. Esse é o caso aqui. O filme foi baseado no enorme incêndio que atingiu a estação "Deepwater Horizon". Nessa trama três personagens são bem centrais. O protagonista é um técnico de manutenção, interpretado por  Mark Wahlberg. Esse é o único personagem que é mais bem desenvolvido pelo roteiro, mostrando sua vida familiar, aspectos de sua vida pessoal. O outro é o chefe de segurança Jimmy Harrell (Kurt Russell). Ele é um profissional respeitado, premiado, por ser linha dura na segurança dos lugares onde trabalhou. É o único que bate de frente com a companhia, cujos interesses são defendidos por Mark Vidrine (John Malkovich), um supervisor que quer a estação funcionando à toda, para evitar custos e perda de dinheiro. O problema é que ainda não há certeza sobre a segurança dos equipamentos. Durante um teste de pressão da broca de exploração profunda tudo sai do controle. Depois que o fogo se alastra tudo se resume na busca pela sobrevivência naquele inferno de chamas, que para piorar tudo é localizado em alto-mar. Os efeitos especiais são bons, a produção idem, porém não consegui me empolgar em nenhum momento. Acredito que em termos de dramaticidade e emoção o filme deixe a desejar. Não empolga mesmo. Em muitos momentos soa burocrático. De interessante mesmo apenas as cenas finais quando somos apresentados às pessoas reais, aos sobreviventes. Vale por registrar essa história, mas como puro cinema não chega a emocionar. Falta mesmo emoção nessa obra. Uma pena.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

A Infância de Um Líder

Título no Brasil: A Infância de Um Líder
Título Original: The Childhood of a Leader
Ano de Produção: 2015
País: França, Inglaterra, Hungria
Estúdio: Bow and Arrow Entertainment
Direção: Brady Corbet
Roteiro: Brady Corbet, Mona Fastvold
Elenco: Tom Sweet, Bérénice Bejo, Liam Cunningham, Stacy Martin, Robert Pattinson, Rebecca Dayan

Sinopse:
O filme acompanha a infância de um garoto, filho de um diplomata americano na França. A I Guerra Mundial acabou e as nações vencedoras impõe uma dura realidade para a Alemanha derrotada no Tratado de Versalhes. A família é disfuncional. O pai do garoto trai sua mãe com sua própria professora de língua francesa. A mãe é uma religiosa fervorosa e o próprio menino é rebelde e indomável.

Comentários:
Um filme interessante que porém não chega a empolgar em nenhum momento. O roteiro se perde em detalhes que tornam o filme longo demais, penoso de assistir. Muitos vão desistir na primeira meia hora. Seguindo uma velha fórmula do cinema europeu, tudo vai se desenvolvendo bem lentamente. Outro aspecto que me incomodou é que a trama não parece ir para lugar nenhum. Claro que vi aqui várias metáforas que sugerem a própria ascensão do nazismo. Afinal a história se passa logo após o fim da I Guerra Mundial quando os aliados impuseram uma série de medidas massacrantes contra a Alemanha e o povo alemão. Isso criou um ressentimento que depois levou ao poder Adolf Hitler e o Partido Nazista. Essa premissa não fica totalmente clara, tudo é mais sugerido, apelando para uma certa inteligência histórica por parte do espectador, porém no geral o que temos é isso mesmo: uma metáfora, um enredo cifrado que procura demonstrar as razões de ascensão de um líder ditatorial. Por fim uma advertência para as fãs de Robert Pattinson. Ele aparece pouco, em breves momentos. Sua interpretação e importância são praticamente nulas, a não ser no clímax quando ele finalmente assume uma maior relevância. Porém nem todos vão pegar o que aquela cena significa. Como eu escrevi, será necessário ao espectador ter esse background histórico cultural para pegar todas as nuances do roteiro. Sem isso o filme só vai parecer mesmo apenas um drama insosso sobre um garotinho chato.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

O Dia do Atentado

Inicialmente não estava com muita vontade de assistir a esse filme. Como muitas pessoas que acompanharam os fatos na época do atentado em Boston, fiquei com a sensação de que o assunto já estava saturado. Foi algo marcante, mas assistir a um filme sobre isso não me animava muito. Porém como o filme estreou no Brasil nessa semana resolvi dar um voto de confiança ao diretor Peter Berg e ao ator Mark Wahlberg e resolvi conferir o filme. Olha, devo dizer que fui completamente surpreendido (mais uma vez!). O filme é muito bom, diria até mesmo excelente.

Sem perder tempo com bobagens o roteiro vai direto ao ponto. Em poucos minutos somos apresentados ao protagonista, o oficial da polícia de Boston Tommy Saunders (Mark Wahlberg) e em trinta minutos as cartas já estão na mesa. O atentado é cometido na maratona de Boston e começam as investigações para descobrir quem seria o autor daquele crime terrível. É a tal coisa, nem considero esse tipo de informação como spoiler porque os eventos reais são amplamente conhecidos pelo público. A não ser que você more na Coreia do Norte certamente sabe do que se trata a história do filme e como se deu seus principais desdobramentos - diria até mesmo seu final, como tudo acaba. É algo notório.

Isso porém passa longe de ser o mais importante aqui. O que realmente importa é a preciosa direção do cineasta Peter Berg que deu um dinamismo acima da média ao filme. Embora tenha mais de duas horas de duração, esse é aquele tipo de filme que você nem percebe que o tempo está passando. O elenco também está muito bem escolhido. Mark Wahlberg vem crescendo bastante na carreira. De astro chocho e sem graça ele vem conquistando cada vez mais espaço com bons filmes. Ele parece saber muito bem onde atuar. Suas escolhas andam certeiras nesse aspecto. Kevin Bacon, como o agente do FBI, também acertou em cheio. Ele tem uma participação bem pontual, mas igualmente importante.

E por falar em pequenas, mas preciosas atuações, o que podemos dizer do sargento interpretado por  J.K. Simmons? Ele começa surgindo apenas em pequenos momentos até entrar pra valer na cena que considero a melhor de todo o filme, quando a polícia de Boston encurrala o carro dos terroristas numa rua residencial suburbana da cidade. Excelente sequência, com trocas de tiros face a face! Enfim, falar mais seria estragar surpresas. Tudo o que você precisa saber mesmo no final é que "O Dia do Atentado" é um dos melhores filmes de 2017. Muito, muito bom!

O Dia do Atentado (Patriots Day, Estados Unidos, 2016) Direção: Peter Berg / Roteiro: Peter Berg, Matt Cook / Elenco: Mark Wahlberg, Kevin Bacon,  John Godman, J.K. Simmons, Michelle Monaghan/ Sinopse: Oficial do Departamento de Polícia de Boston é designado para participar da segurança da maratona anual da cidade. Inicialmente ele fica bem contrariado de ter que trabalhar naquele dia, em um serviço que ele considera de rotina. Tudo muda dramaticamente quando um atentado é cometido bem na linha de chegada da maratona, levando Boston a entrar em um situação de segurança nacional contra atentados terroristas. Filme baseado em fatos reais.

Pablo Aluísio.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Sete Minutos Depois da Meia-Noite

Dos filmes mais recentes que assisti esse foi seguramente um dos que mais me impressionaram. A história central é até básica. Um garotinho chamado Conor (Lewis MacDougall) está passando por uma das piores fases de sua vida. Na escola ele é mais uma vítima do bullying violento, apanhando praticamente todos os dias de outros alunos. Em casa a situação não é melhor. Sua mãe está morrendo de câncer e os tratamentos não parecem surtir qualquer efeito em sua melhora. Sua única saída é a imaginação. Conor começa a imaginar um personagem de fantasia, uma criatura que durante o dia é uma árvore e durante a noite o procura para contar histórias.

Essa criatura de realismo fantástico é seguramente uma das melhores coisas do filme. Com voz de Liam Neeson, esse ser absolutamente fora do normal, vai através de seus enredos de contos de fada passar ao garoto preciosas lições de vida. Toda fábula tem um significado que pode ser usado na própria vida do garoto Conor. Desde o conto de uma rainha má que matou a esposa do jovem príncipe herdeiro, até uma pequena estorinha de um boticário que passa a ser perseguido por um pastor fanático em uma aldeia medieval. No final tudo se encaixará perfeitamente, em plena harmonia.

Embora pareça um filme feito para o público infantil o fato é que sua mensagem não é nada pueril. O roteiro explora a situação de alguém que está passando pelos sentimentos de se perder um ente querido. No caso do personagem principal do filme temos o garoto que está prestes a ir morar com sua avó, pois sua mãe vive seus últimos dias. Ela está morrendo. Assim temos duas realidades no filme passando ao mesmo tempo. Numa delas somos apresentados à vida real do garoto, com todos os dramas e tristezas. Na outra, sem aviso prévio, entramos na mente criativa do menino, com seres mágicos, sábios e de fantasia. É tudo tão bem realizado, delicadamente harmonizado, que ao final do filme não podemos ficar menos do que encantados com o que vimos. Sim, há muita melancolia envolvida nesse filme, porém um tipo de melancolia boa, que nos faz crescer e pensar em nós mesmos. No fundo é uma grande lição sobre a vida em forma de cinema.

Sete Minutos Depois da Meia-Noite (A Monster Calls, Estados Unidos, Espanha, Inglaterra, 2016) Direção: J.A. Bayona / Roteiro: Patrick Ness / Elenco: Lewis MacDougall, Sigourney Weaver, Liam Neeson, Felicity Jones  / Sinopse: Garoto decide buscar por ajuda em sua própria imaginação. Com a mãe morrendo de câncer e sofrendo no colégio nas mãos de alunos mais velhos (e violentos) ele procura por cumplicidade com uma estranha criatura em forma de árvore, que vem lhe fazer visitas, contando contos de fadas e estórias de fantasia. Filme premiado pelo Goya Awards nas categorias de Melhor Fotografia (Oscar Faura), Melhor Direção (J.A. Bayona), Melhor Design de produção (Eugenio Caballero) e Melhores Efeitos Especiais (Paul Costa e Félix Bergés).

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

The Beatles - Eight Days a Week

Título no Brasil: The Beatles - Eight Days a Week
Título Original: The Beatles - Eight Days a Week
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Apple Corps
Direção: Ron Howard
Roteiro: Mark Monroe, P.G. Morgan
Elenco: Paul McCartney, Ringo Starr, John Lennon, George Harrison, George Martin, Larry Kane
  
Sinopse:
"The Beatles: Eight Days a Week - The Touring Years" é um documentário que resgata as primeiras turnês dos Beatles nos Estados Unidos. Após um começo de carreira modesto, tocando em pequenos clubes e bares da Inglaterra e Alemanha, os Beatles se tornam uma sensação do mundo da música com álbuns e singles de sucesso. Após atingir o primeiro lugar nas paradas americanas com a música "I Want to Hold Your Hand" eles decidem viajar para a América, para sua primeira turnê de sucesso. Filme indicado ao BAFTA Awards na categoria de Melhor Documentário.

Comentários:
Não há nada de muito surpreendente nesse novo documentário sobre os Beatles. A história da Beatlemania já foi contada inúmeras vezes no cinema e na TV. As imagens de histeria, seus primeiros concertos nas cidades americanas, a apresentação no Ed Sullivan Show. Tudo já foi visto e revisto. A única novidade mais interessante vem de novos depoimentos de Paul McCartney e Ringo Starr. Como esse documentário foi produzido pela Apple Corps (a empresa que pertence aos próprios Beatles), temos as músicas e tudo o mais relacionado ao grupo, sem restrições de direitos autorais. Paul se mostra o mais presente, esclarecendo algumas questões e parecendo se divertir bastante em relembrar de tudo o que aconteceu. Imagens do passado de John e George completam o quadro informativo. O diretor Ron Howard preferiu focar nos concertos, indo do começo da Beatlemania até a gravação do disco "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band" quando os Beatles decidiram parar de fazer turnês. Os álbuns são mostrados de forma bem didática, inclusive com informações bem interessantes como o tempo em que ficaram no primeiro lugar das paradas. Depois de "Sgt. Pepper´s" o diretor faz pequenas referências sobre o resto da discografia e o que aconteceu com a banda. Nada sobre as brigas e atritos entre eles é explorado. Tudo é jogado para debaixo do tapete. É um documentário feito por fãs e para fãs. Curiosamente a cena final explora o "último concerto dos Beatles", na verdade um show improvisado nos telhados da Apple. Como escrevi, para o fã mais antigo dos Beatles não há grandes novidades. Já para as novas gerações o filme poderá funcionar como um resgate histórico sobre o passado dos Beatles e seu impacto na cultura pop mundial. Não deixa assim de ter o seu valor.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Chet Baker: A Lenda do Jazz

Chet Baker foi um dos grandes músicos da história do jazz. Ele marcou época em um tempo onde só havia gênios atuando nesse estilo musical como Miles Davis e Dizzy Gillespie. O roteiro desse filme "Born to Be Blue" porém não se ocupa dos anos de glória de Chet Baker, mas sim de seus anos de queda. Após um início promissor no mundo da música, com muitos discos de sucesso, tanto do ponto de vista comercial como de crítica, Chet começou a decair. Seu talento não havia desaparecido, ele apenas estava viciado em heroína.

A partir da perda do controle de seus problemas com drogas ele começou a sofrer reveses sucessivos, tanto na vida profissional como pessoal. Sua mulher o abandonou, a gravadora rescindiu seu contrato e uma surra dada por traficantes acabou quebrando todos os seus dentes. Para quem era trompetista a perda dos dentes representou um problema e tanto. Em pouco tempo ele estava praticamente acabado.

O filme começa quando Chet saiu da prisão. Um produtor de Hollywood pagou sua fiança para que ele estrelasse um filme sobre sua vida pessoal. Chet iria interpretar ele mesmo. A produção não deu certo e assim o músico precisou reencontrar o caminho do sucesso e do respeito. O roteiro do filme mostra apenas uma pequena parte da vida do músico, justamente aquela em que ele tenta se reerguer na vida. Arruinado financeiramente, sem trabalho, ele busca pela última chance em sua vida. Há uma luta interna para não voltar para as drogas e a humilhação de ter que tocar em pequenos bares para sobreviver. Um momento particularmente difícil em sua trajetória.

O ator Ethan Hawke se sai muito bem em sua interpretação de Chet Baker. Esse ator sempre teve uma característica bem interessante, a de passar uma certa vulnerabilidade, até mesmo uma fraqueza física e psicológica em todos os personagens que interpretou. Algo que foi mais do que adequado para esssa atuação. Seu Chet é um ídolo caído, um sujeito que já foi grande, mas que agora beija a sarjeta. Seus maneirismos, as humilhações que teve que passar, tudo é muito bem desenvolvido por Hawke. Ele só não conseguiu ser tão boa pinta como o verdadeiro Chet Baker (que lembrava até mesmo um Elvis Presley do mundo do jazz). Não tem problema, esse filme é realmente muito bom para resgatar a trágica história desse músico que foi do céu ao inferno em sua arte.

Chet Baker: A Lenda do Jazz (Born to Be Blue, Estados Unidos, 2015) Direção: Robert Budreau / Roteiro: Robert Budreau / Elenco: Ethan Hawke, Carmen Ejogo, Callum Keith Rennie / Sinopse: O filme narra parte da vida do músico de jazz Chet Baker, desde o momento de sua queda na carreira e na vida pessoal causada pelo vício em heroína, até suas tentativas de voltar ao topo no mundo da música.

Pablo Aluísio.

domingo, 7 de maio de 2017

Uma Jornada Para Toda a Vida

Esse filme é baseado na história real da australiana Robyn Davidson. Na década de 1970 ela decidiu que iria atravessar o deserto da Austrália (um dos ambientes naturais mais hostis do planeta) em direção à costa banhada pelo oceano Índico (no oeste do país). Um objetivo e tanto, principalmente pelo desafio de percorrer mais de 1700 milhas sozinha, ao lado de quatro camelos e um cachorro. Ela era jovem, tinha problemas emocionais a superar e seu desafio acabou chamando a atenção da revista National Geographic.

Sua aventura deu origem a um livro chamado "Tracks" (Trilhas) onde a autora contou tudo o que passou nessa jornada. O roteiro desse filme é baseado justamente nesse livro, que se tornou best-seller na Austrália. A protagonista é interpretada pela atriz Mia Wasikowska, aqui deixando todo o glamour de lado para dar vida a uma mulher dura, de firmeza inabalável. Foi no mínimo curioso ver Mia longe do visual que ela sempre usou para outros filmes. Ao invés de belos vestidos e figurino fashion, ela surge na mais pura simplicidade. Suja de areia, com os pés enfiados numa sandália surrada e muito queimada do sol, Mia parece outra pessoa. Quem a conhece de "Alice" ou "Madame Bovary" não vai reconhecê-la.

Filmes como esse são bem instrutivos, diria até mesmo educacionais. Ao longo de sua história você vai descobrir informações sobre a Austrália que poucas pessoas conhecem. Por exemplo, você sabia que os desertos australianos possuem o maior número de camelos selvagens do planeta? Superam em número até mesmo o Oriente Médio! Esses animais não são naturais da Austrália, eles foram levados para lá no século XVII por uma expedição, depois soltos no meio ambiente. O curioso é que o animal se deu muito bem naquelas pastagens e não apenas se firmou como progrediu no meio dos desertos sem fim. Outra informação bem curiosa é saber que os cangurus são vistos pelos australianos como um apetitoso prato culinário! Os animais inclusive servem de comida para a protagonista durante sua jornada. Então é isso, um bom filme, muito bem realizado, com uma série de informações curiosas sobre as terras desertas da distante Austrália.

Uma Jornada Para Toda a Vida / Trilhas (Tracks, Austrália, 2013) Direção: John Curran / Roteiro: Marion Nelson, baseado no livro escrito por Robyn Davidson/ Elenco: Mia Wasikowska, Adam Driver, Lily Pearl / Sinopse: Jovem australiana desiludida com sua própria vida, enfrentando problemas emocionais, decide partir para uma aventura inédita: atravessar o deserto australiano em direção às belas praias da costa oeste banhada pelo Oceano Índico. Filme vencedor do Australian Cinematographers Society na categoria de Melhor Fotografia (Mandy Walker). Indicado ao Australian Film Critics Association Awards nas categorias de Melhor Filme, Melhor Atriz (Mia Wasikowska) e Melhor Fotografia.

Pablo Aluísio.

sábado, 6 de maio de 2017

A Descoberta

A premissa desse filme até que é muito boa. O cientista interpretado por Robert Redford consegue provar que realmente há vida após a morte. Sua descoberta, que deveria ser um grande acontecimento científico, logo gera efeitos colaterais imprevistos, como o aumento o número de suicídios por todo o mundo. Vendo a repercussão negativa, o Dr. Thomas (Redford) não se intimida. Ele aluga uma velha instituição e lá monta seu QG. Seu novo objetivo é descobrir para onde vai a consciência das pessoas mortas.

Enredo interessante, boa premissa, tudo bem. O problema é que o filme não desenvolve bem sua estória. Tudo é desperdiçado. O roteiro não explica em detalhes como o cientista chegou na prova de que haveria vida após a morte. Um diálogo bem genérico é dito, envolvendo partículas subatômicas, mas tudo fica por aí. Essa ligação entre a descoberta científica da existência de vida após a morte e suicídios também me pareceu uma tolice, não muito bem explicada. Algo gratuito e forçado, até porque não se sustenta por muito tempo.

A razão que me levou a assistir esse filme foi a presença do ator Robert Redford. Ele aliás é uma das poucas coisas que se salvam nessa produção equivocada. Sua magnífica presença está lá, toda a dignidade de um grande ator de tantos clássicos do cinema também, mas seu personagem, que poderia render muito, acaba sendo apenas vazio. Os roteiristas colocaram um romance entre o filho do cientista e uma garota suicida, mas isso não faz muita diferença. Também não salva o filme a reviravolta final, que tenta impressionar pela originalidade, mas que falha do mesmo modo. Há momentos que lembram filmes B de ficção dos anos 50, como o nada convincente aparelho de gravação de memórias! Enfim, achei bem decepcionante.

A Descoberta (The Discovery, Estados Unidos, 2017) Direção: Charlie McDowell / Roteiro: Justin Lader, Charlie McDowell / Elenco: Robert Redford, Mary Steenburgen, Brian McCarthy / Sinopse: Cientista renomado (Redford) consegue provar que a consciência sobrevive à morte, ou seja, que há ainda vida após a morte do corpo físico. A descoberta gera uma série de reações dentro da sociedade. O autor da façanha científica porém não se intimida, desejando ir além em suas descobertas sobre o tema.

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Beatles - John Lennon e o desastre da Apple

Quando Brian Epstein morreu os Beatles ficaram sem saber como administrar os negócios da banda. Foi então que John Lennon propôs a criação de uma nova empresa chamada Apple. Ela iria gerir todos os assuntos ligados aos Beatles, além de abrir novas oportunidades a artistas que só queriam ter uma chance. Na coletiva de imprensa de anúncio da Apple John Lennon declarou: "Eu quero que todos os que são artistas nos enviem seus materiais. Na Apple vocês vão ter espaço e não irão precisar se ajoelhar a ninguém para ter uma chance!". Como se pode perceber as intenções eram as melhores possíveis só que na prática a Apple se transformou em uma desastre comercial e financeiro completo. O anúncio de John fez com que milhares de pessoas enviassem fitas e gravações para o prédio do novo selo dos Beatles em Londres só que ninguém estava realmente disposto a ouvi-los. Os Beatles não iam até a Apple e seus funcionários não passavam de amigos e colegas do grupo, pessoas sem formação nenhuma para gerir uma grande empresa. O próprio George Harrison reconheceu isso quando resolveu fazer uma visita surpresa na Apple e descobriu que não havia ninguém trabalhando de fato por lá. Os funcionários passavam o dia todo fumando maconha!

John não queria saber da Apple, nem George e nem muito menos Ringo. O único que se mostrou a fazer algo pela empresa foi Paul McCartney. Ele percebeu que a empresa era uma bagunça completa e que muito dinheiro estava sendo perdido com ela. O pior é que era o seu dinheiro, por isso resolveu convidar seu sogro Lee Eastman para administrar aquele caos. A ideia não foi bem recebida pelos demais Beatles. Eles achavam que Paul iria dominar completamente a empresa com seu sogro no comando, assim John, George e Ringo se uniram para desmontar os planos de Paul. Isso daria origem a uma das maiores brigas da história dos Beatles, algo que iria só crescer com os anos, desandando para a separação definitiva do grupo alguns anos depois. John Lennon lançou o nome de Allen Klein para controlar a Apple e os Beatles. Klein era um astuto homem de negócios de Nova Iorque que já tinha trabalhado com os Rolling Stones antes. Ele tinha fama de não ser muito honesto, mas Lennon resolveu confiar nele! "Alguém com essa fama de tubarão e ladrão como Klein não pode ser um mau sujeito!" - teria dito. Paul obviamente não aceitou ter Klein como empresário e uma guerra começou dentro dos Beatles, uma guerra onde milhões seriam perdidos, outros roubados e a banda não sairia viva dela.

O fato de John Lennon ter escolhido Allen Klein para ser o novo empresário dos Beatles colocou ele em confronto direto com Paul McCartney. Assim que John declarou sua decisão, Paul foi taxativo ao dizer: "Esse cara jamais vai ser o meu empresário!" ao que John retrucou: "Vai ser sim. Ele vai ser o empresário dos Beatles e sendo você da banda não vai ter outra opção! Aceite Klein!". Paul jamais aceitaria. Isso criou uma verdadeira rachadura dentro dos Beatles. De um lado John, George e Ringo e do outro Paul. Até aquele momento os Beatles tinham um trato não escrito dizendo que qualquer decisão dentro do grupo deveria ser unânime. Sempre que alguém dissesse "não" a decisão não seria tomada. John ignorou isso e quis impor a decisão da maioria, dizendo que Paul iria aceitar Klein de todas as maneiras. Isso criou uma tensão que duraria meses, sempre com Paul dizendo não, não e não! Esse tipo de briga não ajudou em nada para o desastroso balanço financeiro da Apple. Para aliviar um pouco a situação Paul compôs "Hey Jude" para ser o primeiro single no novo selo. Era uma grande música, que rapidamente se tornou um sucesso mundial, mas nem o ótimo resultado comercial do compacto livrou os Beatles de muitos problemas comerciais. Na época a EMI queria renovar o contrato do grupo. John então indicou Allen Klein para as negociações, mas Paul não aceitou ser representado por ele. Ao invés disso informou à EMI que seus contratos futuros deveriam ser negociados como seu sogro Lee Eastman.

John Lennon ficou possesso com a decisão de Paul. Quando se encontraram na sede da Apple, no centro do Londres, eles trocaram todos os tipos de insultos e acusações entre si. Duas revelações pioraram ainda mais a situação. John descobriu que Paul estava falando mal de Yoko Ono pelas suas costas e que seus royalties com a EMI seriam maiores do que os dos demais Beatles. Para John isso foi uma traição para o conjunto. Paul deu de ombros. Seu novo empresário Lee Eastman tinha sido mais eficiente do que Klein. Qual era o problema disso? Paul também comprou briga com George Harrison ao ridicularizar sua postura de Hare Krishna com todo aquele papo de espiritualidade ao mesmo tempo em que enviava parte de sua fortuna para paraísos fiscais, para fugir dos impostos ingleses. Para Paul o seu companheiro de banda George Harrison não passava de um baita de um hipócrita. Nem precisa dizer que isso piorou ainda mais o relacionamento interno entre os Beatles que ficaram a um passo da separação.

O clima de tensão e rivalidade entre Paul e John só aumentou com o passar do tempo. Já por volta de 1969 Paul McCartney resolveu consultar alguns advogados pois ele estava planejando processar a Apple e os demais Beatles. Claro que algo assim significaria o fim do conjunto, mas era uma possibilidade que não poderia ser descartada. Enquanto Paul se decidia ou não em processar todo mundo surgia um novo foco de conflito dentro da Apple. John Lennon, sem consultar ninguém do grupo, decidiu por conta própria dar as fitas originais das gravações das sessões de Let It Be para o produtor Phil Spector. Lennon achava o material muito ruim, sem rumo, sem foco. Talvez Spector conseguisse transformar horas e horas de gravações ruins em um álbum! Quando soube disso Paul ficou completamente fora de si, afinal aquelas também eram suas músicas e nunca alguém tinha mexido nelas antes sem sua expressa autorização. Canções como "The Long and Winding Road" e a própria "Let It Be" estavam inacabadas, precisando de um complemento em seus arranjos, algo que Paul estava preparando para fazer nos estúdios de Abbey Road. Antes que isso acontecesse John se antecipou e deu tudo para Spector em Nova Iorque dizendo que ele fizesse o que bem entendesse com as gravações. Paul ligou para John e ambos tiveram uma conversa tensa, cheia de ofensas pessoais e ameaças de processo. John disse que não voltaria atrás ao que Paul avisou que se as fitas não voltassem a Londres ele iria processar os Beatles, a EMI e o próprio Phil Spector.

John parecia se divertir com a situação. Ele chegou a afirmar que todo o material era uma grande m* e não estava nem aí para o que Phil Spector iria fazer com ele. Esse seria o começo de uma parceria entre John e o produtor, algo que se estenderia em sua carreira solo, quando Spector iria produzir muitos de seus discos. Para Paul porém não estava nada OK. Ele se irritou quando soube que Spector estava escrevendo um novo arranjo para "The Long and Winding Road". Talvez esse fato tenha sido a gota d'água! As más notícias porém não paravam por aí. Durante outra daquelas reuniões cheias de desaforos e ofensas na Apple, John deixou todos chocados ao bater o punho sobre a mesa, avisando: "Estou fora dos Beatles! Para mim chega!". John Lennon deixou todos surpresos na Apple quando anunciou que iria embora dos Beatles. Para Paul era um choque completo! Tudo bem, o relacionamento entre os membros do grupo era cada dia pior, porém ele jamais poderia imaginar que John iria pular fora do barco! A reação de Paul foi tensa. Quando John lhe disse que estava fora, ele ficou branco como uma parede! Mal podia acreditar no que ouvia de seu companheiro de tantos anos... E John parecia bem decidido, era o fim mesmo!

"Você não pode deixar os Beatles!" - disse um chocado Paul. "Nós acabamos de assinar um contrato com a EMI até 1975! Você está louco?" - ao que John respondeu: "Que se dane! Me processem! Eu não faço mais parte dos Beatles". A reunião continuou com muita tensão e a única coisa positiva que Paul conseguiu de John foi que ele não anunciasse nada na imprensa até o lançamento do próximo álbum dos Beatles, agora intitulado "Let It Be". John concordou, mas avisou que nunca mais voltaria a gravar nada com os Beatles. Ringo ficou estupefato, sem saber o que pensar ou fazer, mas curiosamente George, conforme confessaria anos depois, ficou aliviado! Havia muita tensão entre George e Paul nos estúdios e ele criou uma aversão ao estilo de Paul, sempre controlador, sempre querendo que tudo fosse feito ao seu jeito. Apesar disso McCartney tinha razão quando disse a John que os Beatles não podiam se separar naquele momento. A EMI contava com discos inéditos dos Beatles até meados da década de 1970 - ninguém poderia pensar que os Beatles iriam se auto destruir tão cedo! E era certo que todos eles seriam processados por quebra de contrato! Era um desastre completo!

Anos depois em uma entrevista John Lennon explicou sua decisão: "Eu fiquei ali dizendo não, não é não para tudo e para todos. Paul agiu como se eu tivesse pedido um divórcio! Os Beatles, na verdade, já estavam acabados há pelo menos uns três anos. Paul fez um bom trabalho nos mantendo unidos enquanto não sabíamos que caminho seguir na vida. Nessa fase ele supostamente nos liderou, mas para que serve uma liderança se você fica andando em círculos?". Naquela época a Apple se preparava para o lançamento de dois discos, "Let It Be" e "McCartney", que seria o primeiro disco solo de Paul. Havia um clima de tensão sufocante no selo, mas Paul, para choque mundial, se adiantou e foi à imprensa dizendo que ele estava deixando os Beatles! No dia seguinte manchetes de todo o mundo diziam: "Paul deixa os Beatles!". John se sentiu completamente traído por ele. Lennon havia concordado em esperar, antes de anunciar publicamente que estava deixando os Beatles e agora Paul o apunhalava pelas costas, fazendo o mesmo! Era o fim da picada! O sonho estava definitivamente acabado.

Em 1967 Paul McCartney comprou uma fazenda na Escócia. Ele comprou na planta, sem nunca ter colocado os pés lá. Só alguns meses depois Paul resolveu visitar o lugar ao lado de sua namorada Jane Asher. Realmente era uma região bem isolada, uma das propriedades rurais mais inacessíveis que se poderia pensar. Não havia muita coisa por lá, a não ser uma pequena cabana, sem luz elétrica ou qualquer luxo do mundo civilizado. Jane achou tudo horrível, mas Paul adorou o jeito rústico do lugar. Ele estava procurando por algo assim há bastante tempo, um refúgio que o tiraria da loucura dos Beatles e dos compromissos na carreira. Paul resolveu chamar seu rancho de High Park e em pouco tempo aquele seria um dos seus lugares preferidos.

Linda, a futura esposa de Paul, com seu jeito meio hippie, também adotaria a fazenda na Escócia como um dos melhores lugares para se estar. Paul e ela iam com regularidade para lá, onde ficavam isolados por semanas a fio. Nos primeiros meses Paul não modificou em nada a rudeza do lugar. Quando apareceu um buraco no teto ele mesmo tratou de consertar. Depois comprou equipamentos como um trator e começou uma criação de ovelhas. Acabou até mesmo seguindo a moda dos fazendeiros da região, deixando crescer uma grande barba vitoriana! Também mandou instalar energia elétrica, porque viver sem luz também já era demais! Assim quando Paul queria escapar das pressões era para lá que ele ia embora. Com as melhorias Paul foi levando cada vez mais coisas para High Park. Ele instalou praticamente um estúdio de gravação por lá, uma sugestão de Linda. E foi nesse lugar bucólico, isolado e de paz, que Paul acabou gravando seu primeiro disco solo. Em "McCartney", o álbum, Paul fez tudo. Ele compôs as canções, tocou todos os instrumentos sozinho, gravou sua parte vocal e depois produziu as fitas. Foi um disco de um homem só. Paul tinha intenção de colocar o LP para venda logo no começo de 1970, mas como era de se prever em termos do selo Apple logo surgiram problemas. John Lennon parecia disposto a sabotar o disco de Paul. E ele tinha uma arma bem poderosa em suas mãos, o novo disco dos Beatles, "Let It Be". John arquitetou um plano para lançar o novo disco dos Beatles na mesma semana em que o novo disco de Paul fosse lançado. Sua intenção era acabar com Paul nas lojas, gerando uma concorrência pesada no mercado.

Quando soube disso Paul ficou indignado! Se aquilo acontecesse realmente suas vendas seriam baixas, pois os fãs certamente iriam escolher o disco dos Beatles ao invés do seu. Provavelmente essa deslealdade de John tenha sido o motivo que Paul estava esperando para processar todo mundo. Em poucos dias Paul abriu um processo contra a companhia de Allen Klein, o novo empresário dos Beatles, contra a Apple e contra os Beatles. Amigos desde quando eram adolescentes Paul agora processava John, George e Ringo. Isso abriu uma verdadeira caixa de Pandora e de repente todos eles estavam processando a si mesmos. "O fim dos Beatles foi uma situação do tipo 'eu processo você e você me processa!" - lamentaria Ringo anos depois. Não haveria mais volta depois de algo assim.

Derek Taylor, que trabalhou muitos anos com os Beatles, resumiu bem os bastidores do grupo: "Na Apple havia todo tipo de coisa, menos paz e amor". Era uma frase irônica, um sarcasmo, sobre a diferença entre a imagem pública dos Beatles e as brigas sem fim que caracterizavam o cotidiano dos integrantes da banda. Quando Paul McCartney saiu dos Beatles em 1970 a primeira coisa que ele fez foi fundar sua própria empresa, a MPL. A partir de então tudo o que se referia a sua carreira seria administrada única e exclusivamente por ele mesmo, sem a interferência de empresários ladrões e agentes corruptos. Paul havia aprendido muito com o desastre da Apple e usou aquilo como experiência profissional, algo que ele não queria mais repetir. Já John, George e Ringo cometeram um erro fatal. Com a saída de Paul eles resolveram dar mais poder ainda ao empresário Allen Klein! John Lennon queria provar um ponto de vista para Paul, a de que Klein era realmente o nome certo para os Beatles. O problema é que ele não era. Em pouco tempo começaram a surgir denúncias de mal gerenciamento de Klein sobre os direitos dos Beatles. Ele foi acusado pela imprensa americana de ter ficado com a maior parte dos lucros do lançamento do álbum "Let It Be" nos Estados Unidos. Além disso havia forte indícios de que Klein estava vendendo para o mercado negro gravações inéditas da banda. Em poucas palavras: ele estava roubando os Beatles!

Paul McCartney obviamente se sentiu gratificado com tudo. Ele havia dito que Klein não era o nome certo para gerenciar os negócios dos Beatles e isso basicamente criou a crise que o fez abandonar o conjunto. John Lennon assim pagou caro por ter comprado essa briga. Em 1973 John cansado das histórias mal explicadas de Klein finalmente o demitiu. Lennon acreditava que o contrato do empresário havia chegado ao final e por isso não queria mais renová-lo. Klein alegou quebra de contrato e abriu processos milionários contra John, George, Ringo e Paul. Em relação a McCartney ele conseguiu se livrar da ação, principalmente ao provar nos tribunais que jamais havia assinado um documento considerado crucial na causa. John porém não teve a mesma sorte. Ele assinava tudo o que Klein colocava em sua frente. Acabou perdendo milhões de dólares por causa disso. Já a empresa Apple, que os Beatles tinham fundado, continuou as atividades, embora a própria banda já não mais existisse. "Uma situação surreal!" - resumiu Neil Aspinall, que ficou à frente do selo após a explosão dos Beatles nos tribunais. A EMI porém não abriria mão do contrato que os Beatles havia assinado, cuja duração previa o lançamento de discos até 1975. A situação acabou sendo resolvida em acordos individuais, onde cada um membro da banda gravaria seus discos solos que iriam valer para o cumprimento do contrato. Era uma saída que acabou poupando os ex-Beatles de novos processos e novas dores de cabeça.

O fim dos Beatles significou também o fim da amizade entre John, Paul e George. Apenas Ringo procurou manter a velha aproximação com seus ex-colegas de banda. Paul e John ficaram anos sem se falar. Só depois que houve uma trégua nos processos judiciais é que John e Paul ensaiaram uma rápida reaproximação. Sempre que ia até Nova Iorque Paul fazia esforços para encontrar John, indo em seu apartamento, mas quase nunca era muito bem sucedido. John não queria ter a mesma amizade de antes. Ele mesmo chegou a declarar em entrevistas que após o fim dos anos de escola era natural deixar os antigos amigos de lado, caso contrário isso significaria que você ainda não havia conseguido sair da adolescência. A coisa de ter um bando, nas próprias palavras de John, havia chegado ao fim.

A relação entre John e George era ainda mais tensa. Embora eles tenham chegado a tocar juntos novamente, John nunca mais se sentiria à vontade ao lado de George. Para Lennon o ex-beatle tinha uma espécie de mágoa misturada com decepção em relação a ele, tudo porque segundo John, ele havia ido embora de casa (dos Beatles). George tinha uma relação de pupilo e mestre em relação a John desde o começo do grupo. Ele era muito mais jovem do que John e o líder dos Beatles nunca o havia levado muito à sério, mesmo após tantos anos. "George vivia atrás de mim, me admirando e procurando que eu o ensinasse algo sobre a vida! Eu não quero ser mestre de ninguém!" - declarou Lennon, resumindo a questão. Além disso o próprio John havia ficado decepcionado com a biografia de George que em sua visão havia propositalmente apagado sua influência e ajuda após anos de apoio e incentivo dentro dos Beatles. Para John, George não passava de um ingrato, um sujeitinho que não lhe deu o reconhecimento devido após o fim dos Beatles. Depois da separação John e George poucas vezes se viram pessoalmente. Geralmente George tentava entrar em contato com John, inclusive fazendo ligações para ele, mas John não tinha muita vontade de encontrá-lo novamente ou manter uma amizade próxima. John encarava George como o garoto que Paul havia trazido para os Beatles anos antes. Nada muito além disso.

E se John e George não se davam mais muito bem o pior acontecia entre George e Paul. Harrison criou uma antipatia e uma aversão absoluta em relação a McCartney. Em várias ocasiões ele declarou que jamais gostaria de trabalhar novamente ao lado de Paul. Claro que anos depois engoliria todas as suas opiniões ao voltar a tocar ao lado de Paul em "Anthology", mas isso em nada amenizou o fato dele nunca mais sentir prazer ao gravar ao lado do ex-companheiro dos tempos dos Beatles. Nesse meio de tantas inimizades, o único que conseguiu manter um companheirismo com todos foi realmente Ringo. Ele, sempre com espírito conciliador, acabou sendo o único elo de ligação real entre os Beatles. Todo o resto se transformou em raiva, mágoa, decepção e indiferença. Uma das coisas que Paul lamentaria após o fim dos Beatles foi a forma como ele tratou Ringo Starr quando esse o visitou em sua casa em Londres para convencê-lo a segurar o lançamento de seu primeiro disco solo até que o novo disco dos Beatles, "Let It Be" finalmente chegasse nas lojas. Nessa ocasião Paul tratou muito mal Ringo, o xingando de todos os palavrões possíveis, o expulsando de sua casa, quase a pontapés! Eles jamais brigaram daquele jeito, mesmo após tantos anos de convívio nos Beatles.

"Foi uma vergonha!" - admitiria Paul anos depois. Ringo estava na casa de Paul para tentar convencer ele que Klein era o melhor nome para se tornar o empresário dos Beatles. "Eu nunca vou aceitar ele!" - gritou Paul. É interessante que anos depois Paul tenha admitido em entrevista que naquela época sentiu-se numa situação clara de "Eu contra eles", o que não deixava de ser verdade, mas que também tinha um pouco de paranoia envolvida. Decidido a abandonar os Beatles, Paul escreveu uma longa carta para John Lennon, explicando sua visão do assunto. Ao invés de responder com outra longa carta, Lennon simplesmente mandou como resposta uma foto sua, com um balãozinho de quadrinhos onde ele perguntava: "Basta dizer, onde, como e porquê". Era o velho besteirol Lenniano que Paul conhecia muito bem, desde os tempos do colégio quando eles se conheceram. De fato, nos últimos dias dos Beatles houve uma clara divisão na banda, de um lado Paul, do outro John, George e Ringo. Obviamente os três quartos restantes dos Beatles eram comandados por Lennon, capitaneado por ele. Os Beatles estavam rachados.

Durante uma entrevista John Lennon finalmente resumiu a questão ao dizer as frases: "Os Beatles estão mortos! Viva os Beatles" e a mais conhecida lápide da história sobre o fim de uma banda: "O Sonho Acabou!". Na verdade John Lennon sabia que não haveria volta. Um empresário de Nova Iorque resolveu oferecer uma fortuna por apenas um show dos Beatles na cidade, no Madison Square Garden, mas Lennon desconsiderou completamente a questão. "Dane-se, os Beatles não existem mais. Eu não sou mais aquele cara de terninho com uma guitarra cantando para um bando de garotas gritando! Isso é bobagem! Hoje eu sou um outro homem. Os Beatles jamais vão voltar simplesmente porque eles não existem mais. Eu não tenho mais 20 anos de idade. Não seria legal trazer Elvis de volta aos seus primeiros anos? Seria, mas é impossível. Isso é passado, se conformem!" - concluiu de forma avassaladora John, com seu conhecido pragmatismo ácido.

Um fato pouco conhecido dos fãs dos Beatles é que nos últimos momentos da banda houve uma derradeira tentativa de salvar os Beatles. Aconselhado por Allen Klein, John Lennon resolveu fazer um último esforço para ressuscitar o grupo. Uma sessão de gravação foi marcada nos estúdios de Abbey Road. George e Ringo confirmaram sua presença. Então John ligou para Paul informando a sessão, dizendo: "Vamos gravar na sexta. Estaremos esperando por você!". Paul não confirmou nada, ficou em silêncio. No dia marcado todos os três Beatles compareceram. A intenção era gravar um novo single dos Beatles. Seria o primeiro lançamento deles após o lançamento do álbum "Let It Be". Com vinte minutos de atraso John adentrou o Abbey Road. Encontrou George e Ringo na sala de controle. George Martin também estava lá, mas Paul... jamais apareceu! Ringo ainda perguntou aos companheiros de grupo: "Paul não virá, vamos gravar alguma coisa ou não?". Certamente os Beatles poderiam seguir em frente sem Paul. Várias sessões nos últimos tempos tinham acontecido sem um ou até mesmo dois Beatles. Aquela porém era uma sessão diferente. Era uma tentativa de manter os Beatles unidos. Tudo fracassou.

John não ficou magoado com Paul, ficou com raiva! Poucos dias depois ele resolveu dar uma entrevista para uma famosa revista de música americana e então abriram-se as portas do inferno. John Lennon deixou sua imagem de pacifista de lado e como uma metralhadora giratória disparou para todos os lados. Acusou Paul de tudo. Disse que McCartney dominava os demais Beatles, que só suas músicas ganhavam destaque nos discos do grupo, que ele boicotava as composições dos demais colegas, que ele tratava George e Ringo como seus músicos de apoio, como empregados. Pior do que isso, perguntado sobre o primeiro disco solo de seu ex-companheiro, John foi taxativo: "O disco de Paul é um lixo!". Nem o prestativo George Martin escapou da ira de John. Ele ofendeu o talentoso maestro, que tanto havia feito pelos Beatles por todos aqueles anos. Martin jurou que nunca mais trabalharia ao lado de Lennon em sua vida. Paul respondeu dizendo que John havia sido um babaca na entrevista. Aliás John havia sido um babaca em inúmeras ocasiões. Paul queria recomeçar, sem os Beatles, sem a Apple, sem Yoko e principalmente sem Allen Klein. Em sua fazenda isolada na Escócia Paul também explicou que John jamais o havia perdoado pelo fato dele ter barrado a entrada de Yoko Ono nos Beatles. Isso mesmo, durante as gravações do "White Album", John havia pedido apoio de todos para que Yoko Ono se tornasse parte dos Beatles. Paul disse não e então uma guerra interna começou para valer entre eles. E esse clima de tensão entre os dois acabou explodindo de vez quando John deu a sua infame entrevista em Nova Iorque. Os tempos sombrios tinham finalmente chegado.

Para que a Apple pudesse sobreviver os Beatles tiveram que morrer. Um aspecto curioso sobre o fim do grupo de rock mais famoso do mundo é que a empresa criada e idealizada por John Lennon conseguiu sobreviver ao fim do conjunto pelo qual foi criada. Após a dissolução de fato dos Beatles eles começaram uma ciranda de processos que duraria praticamente toda a década de 1970. No centro de todos esses processos estava justamente e luta pelo poder dentro da Apple. Quando essa empresa foi bolada por John Lennon ele queria que esse novo selo musical fosse aberto a qualquer pessoa de talento. Não seria mais preciso implorar para gravar um disco ou fazer alguma gravação. A ideia de John foi realmente boa, só que ninguém quis colocá-la em prática. Nenhum dos Beatles (talvez com exceção de Paul) quis realmente se envolver no dia a dia na empresa, administrá-la e gerir a imensa soma de dinheiro que circulava em seus balancetes.

O descaso imperou durante longos anos na Apple, até que no final dos anos 70 todos estavam cansados de tantas brigas judiciais. Ao invés de liquidar a Apple, dando a cada um dos ex-Beatles sua fatia do bolo, acabou-se optando por algo mais racional. A Apple não seria mais extinta e fechada. Ao contrário disso o selo continuaria a administrar o legado dos Beatles, mesmo que eles estivessem separados. O interesse nos Beatles nunca cessou. Ao contrário do que muitos pensavam os anos só consolidaram ainda mais a obra da banda. Os discos foram sendo relançados ao longo dos anos, com excelentes resultados comerciais. CDs, filmes, especiais de TV, tudo ainda estava de pé. E para administrar tudo, lá estava a Apple novamente no centro das atenções.

A Apple nasceu bagunçada e desorganizada, com aquele velho sonho do flower power que jamais daria certo dentro de uma corporação. A partir dos anos 80 porém a empresa começou a ser bem administrada, com a nomeação de executivos de negócios para gerenciá-la, tudo resultando em ótimos resultados financeiros. Paul, Ringo, George e Yoko (que herdou a parte de John), continuaram sócios e donos da Apple. O bom senso, que nunca havia prevalecido na época dos Beatles, finalmente tomou conta de todos. Hoje em dia a Apple ainda mantém o controle sobre os lançamentos dos Beatles no mercado, provando que mesmo com todos os problemas conseguiu resistir ao teste do tempo. No final de tudo o desastre da Apple levou os Beatles ao seu fim, mas paradoxalmente coube à mesma empresa manter viva a chama do maior grupo de rock da história.

Pablo Aluísio.