quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Guia de Episódios - The Man in the High Castle

The Man in the High Castle 1.01
1962. O Nazismo venceu a II Guerra Mundial. Após a derrota dos Estados Unidos e seus aliados, a Alemanha de Hitler e o Império Japonês resolvem separar a América em duas enormes províncias, uma localizada na costa oeste dominada pelo Japão e outra situada na costa leste chamada de Estado Nacional do Reich, controlada por Berlim. Hitler está envelhecido e doente. Todos esperam por sua morte iminente, enquanto seus principais oficiais, entre eles Heinrich Himmler e Joseph Goebbels, lutam pela chance de se tornarem senhores do mundo. Dentro dos Estados Unidos poucos heróis ainda tentam destruir a dominação de sua nação. Lutando pela resistência americana, eles pretendem desestabilizar o governo nazista para trazer novamente a liberdade ao seu país.Essa nova série já causou muita polêmica, antes mesmo de estrear. Acontece que os produtores espalharam seu material promocional pelas principais cidades dos Estados Unidos e Europa. Até aí tudo bem, faz parte do marketing. O problema é que os cartazes e pôsteres da série estavam cheias de suásticas e símbolos do nazismo, o que causou um grande desconforto entre as pessoas, ainda mais entre veteranos que lutaram contra tudo aquilo na guerra. O que era simples promoção acabou gerando um mal estar tremendo, indo parar nas páginas dos principais jornais do mundo ocidental. Deixando isso de lado até que o episódio piloto não é nada mal. O roteiro foi inspirado na obra do genial escritor de ficção Philip K. Dick (o mesmo que escreveu o livro que daria origem ao clássico "Blade Runner - O Caçador de Andróides"). Dick tinha uma imaginação absurda (para muitos chegava ao ponto de ser doentio) e criou esse mundo paralelo onde o Nazismo se tornava o grande vencedor da II Grande Guerra. O que viria depois de uma vitória como essa? No primeiro episódio uma cena resume sutilmente muito bem o que teria se transformado a América sob o poder de Hitler e seu Partido Nazista. Numa das sequências um rapaz que cruza os Estados Unidos percebe uma pequena garoa de cinzas descendo dos céus. Ao perguntar a um guarda policial que encontra na estrada o que seria aquilo, ele lhe responde que eram apenas os crematórios de uma instituição ali perto (lembrando ao espectador de forma nada sutil as câmaras de gás e fornos dos campos de concentração nazistas). A série só não me deixou muito mais empolgado e satisfeito porque por baixo de toda essa realidade surreal bem curiosa e interessante se desenvolveu um enredo muito básico, de descoberta de filmes secretos que não podiam cair em mãos erradas. Provavelmente as coisas melhorem com o passar do tempo. Por enquanto tudo o que posso dizer é que a série tem boa reconstituição de época, produção, mas com roteiro apenas ok. Vamos acompanhar para ver o que virá pela frente. / The Man in the High Castle 1.01 (EUA, 2015) Direção: Daniel Percival, Brad Anderson / Roteiro: Frank Spotnitz, baseado na obra de Philip K. Dick / Elenco: Alexa Davalos, Rupert Evans, Luke Kleintank.

The Man in The High Castle 1.02 - Sunrise
Conforme você vai acompanhando a série e se familiarizando com os personagens as coisas vão melhorando. Nesse segundo episódio já temos toda a trama definida e o contexto em que ela se passa bem mais claro. Para situar o leitor: As forças do Eixo venceram a II Guerra Mundial. Os Estados Unidos foram fatiados. A costa oeste está sob domínio do Japão Imperial e a costa leste está sob controle do Reich. Hitler, sofrendo de uma grave doença, tem pouco tempo de vida. A luta pelo poder já se faz sentir. Os serviços de repressão e espionagem estão preocupados em colocar as mãos em filmes subversivos, secretos, que podem inflamar ainda mais a resistência. Um deles vai parar nas mãos de Juliana Crain (Alexa Davalos). Ela não tem muita experiência nesse mundo e por isso comete vários erros. Entre eles o de confundir a pessoa certa para qual precisa passar a película. Ela encontra um senhor numa cafeteria e de forma equivocada pensa ser ele a pessoa que precisa entrar em contato para passar em frente a preciosa filmagem. Ela está enganada. Acaba sendo salva da morte no último minuto por um agente infiltrado do Reich (embora nem ele próprio desconfie que na verdade está agindo como agente duplo). O filme também interessa aos japoneses e esses usam da tortura para descobrir o paradeiro de Juliana. Eles aprisionam o dissidente Frank Frink (Rupert Evans) e ameaçam mandar sua irmã e sobrinhos para a câmara de gás caso ele não conte o que sabe. Como se pode perceber os sistemas de morte em ritmo industrial seguem em frente e a pleno vapor dentro dessa América Nazista! Só a mente muito criativa (e doentia) de Philip K. Dick poderia realmente criar um mundo como esse (o que não deixa de ser o grande atrativo da série como um todo). / The Man in The High Castle 1.02 - Sunrise (EUA, 2015) Direção: Daniel Percival / Roteiro: Frank Spotnitz, baseado na obra de Philip K. Dick / Elenco: Alexa Davalos, Rupert Evans, Luke Kleintank.

The Man in The High Castle 1.03 - The Illustrated Woman
Philip K. Dick era um gênio ou um louco? Um pouco dos dois. É o que se pode ir percebendo nessa nova série baseada em sua obra. Em cima de um contexto completamente surreal (Os Estados Unidos dominados por nazistas e japoneses após a Segunda Guerra Mundial) vamos percebendo que ele na realidade acabou escrevendo quase a trama de um filme noir da década de 1940. Nesse episódio a sina de Juliana "Jules" Crain (Alexa Davalos) continua. Depois de jogar um sujeito que quase a matou da ponte, ela precisa esconder os rastros para não ser pega pela SS. Para piorar há um novo personagem em seu caminho, um sujeito mal encarado, com jeito de psicopata que se auto intitula "O Xerife" (Burn Gorman). Na realidade ele não é um policial, mas sim um caçador de recompensas. Atrás de Jules ele acaba indo parar na pequena livraria da cidade e descobre que o vendedor é na realidade um foragido de um campo de concentração nazista. Nem pensa duas vezes antes de jogar uma corda em seu pescoço para o enforcar publicamente, no meio da avenida principal da cidade. Afinal bem no centro daquele meio oeste do livro de Dick não existe lei, apenas a lei do mais forte se sobrepõe. Enquanto o Xerife vai eliminando foragidos e seguindo novas pistas o Obergruppenführer John Smith (Rufus Sewell) quer a todo custo descobrir quem o traiu dentro do quartel general, dando pistas sobre seu caminho na trajetória entre sua casa e seu local de trabalho, o que acabou levando a um atentado que quase o matou (no episódio anterior). Para saber a verdade nada melhor do que usar os velhos métodos nazistas, como a tortura, por exemplo, aqui turbinada com o uso de drogas como o LSD. Por fim o episódio mostra a visita do herdeiro do império japonês na Costa Oeste. Há um receio de que ele sofra um atentado. Na realidade o jovem príncipe não confia nem nos alemães. Ele considera que uma guerra contra os nazistas está mais perto do que se possa imaginar. / The Man in The High Castle 1.03 - The Illustrated Woman (EUA, 2015) Direção: Ken Olin / Roteiro: Frank Spotnitz, baseado na obra de Philip K. Dick / Elenco: Alexa Davalos, Rupert Evans, Luke Kleintank, Burn Gorman.

The Man in the High Castle 1.04 - Revelations
Quarto episódio da primeira temporada de "The Man in the High Castle" que inclusive já teve a segunda temporada confirmada nos Estados Unidos. Como já escrevi a série se passa em uma realidade alternativa onde a Segunda Guerra Mundial teve outro desfecho daquele que conhecemos. Ao invés da vitória aliada (EUA, Inglaterra, França e demais países) as forças nazistas do Eixo (Alemanha, Japão e Itália) se sagraram vitoriosas. Hitler é praticamente o imperador supremo do mundo ocidental e está prestes a morrer. Os Estados Unidos são divididos em dois, com a costa oeste dominada pelos japoneses e a costa leste sob domínio nazista. Nesse episódio Juliana Crain (Alexa Davalos) finalmente passa para a frente os famigerados filmes secretos que são disputados pela resistência e a SS. Ela precisa ter certeza que os tais filmes cheguem até o sujeito que é conhecido pelo codinome de "Man in the High Castle" (que dá título à própria série). Chegar até ele porém não será nada fácil como ela logo descobre. Na outra linha narrativa Frank Frink (Rupert Evans) decide que vai matar o herdeiro do império Japonês que está em San Francisco numa visita diplomática. Ele quer se vingar pela morte de sua esposa e filhos. Um ato de vingança que não terá volta. Mais um bom episódio passado em um tipo de enredo que só poderia mesmo partir da mente criativa, original e insana de Philip K. Dick, um dos grandes ícones da literatura de ficção dos tempos modernos. / The Man in the High Castle 1.04 - Revelations (EUA, 2015) Direção: Michael Rymer / Roteiro: Frank Spotnitz, baseado na obra de Philip K. Dick / Elenco: Alexa Davalos, Rupert Evans, Luke Kleintank .

The Man in The High Castle 1.05 - The New Normal
Finalmente depois de vários dias na zona neutra (uma extensa faixa entre os domínios nazistas e imperiais, bem no meio oeste americano), Frank e Juliana retornam para casa. Em seu retorno ambos são interrogados como é de praxe em regimes autoritários. Tudo com o objetivo de fazer com que eles caíam em contradição. Para sua sorte conseguem se safar das autoridades alemãs. De volta à vida normal Juliana Crain (Alexa Davalos) decide ir então atrás de um emprego no consulado nipônico. Para sua surpresa descobre que os japoneses, que tanto gostam de exibir um comportamento cheio de valores morais em público, não são assim tão íntegros como ela pensava. O recrutador dos recursos humanos do consulado sugere que ela lhe faça certos favores sexuais em troca do emprego que ela tanto precisa! Chocada, ela sai em disparada da repartição. Enquanto isso o atentado contra a vida do herdeiro do trono causa cada vez mais efeitos. Todos tentam sobreviver. Um dos ministros mais próximos do trono pode ser o responsável. Ele tem contatos misteriosos com um espião sueco, ao mesmo tempo em que age como se fizesse parte de uma grande conspiração. Só o tempo dirá o que realmente está acontecendo. / The Man in The High Castle 1.05 - The New Normal (EUA, 2015) Direção: Bryan Spicer / Roteiro: Frank Spotnitz, baseado na obra de Philip K. Dick / Elenco: Alexa Davalos, Rupert Evans, Luke Kleintank.

The Man in The High Castle 1.06 - Three Monkeys
O título desse episódio é uma referência àquela imagem bem conhecida dos três macaquinhos que não veem nada, não ouvem nada e não falam nada. Em uma ditadura eles representam a forma mais fácil de você continuar vivo. Como no universo dessa série temos uma América dividida entre japoneses e alemães - que venceram a II Guerra Mundial - nada poderia ser mais representativo. Pois bem, nesse episódio os personagens celebram o dia da vitória nazista. Até mesmo cenas com o velho ditador Hitler em Berlim são mostradas pela TV americana. Ele novamente está lá, beijando e abraçando crianças arianas que lhe dão flores nesse dia tão festivo para o nazismo mundial. Nos bastidores do poder porém todos sabem que Hitler está chegando ao fim de sua vida. Enquanto há uma grande conspiração envolvendo sua sucessão, o Obergruppenführer John Smith (Rufus Sewell) resolve receber alguns convidados em sua casa para todos celebrarem esse dia de triunfo do nacional socialismo. Só que ele não contava em receber dois traidores. Um, o velho conhecido sueco que agora parece entrar em contradição sempre que tenta explicar porque estaria na América naquele momento (logo quando o herdeiro japonês sofreu um atentado à sua vida). O outro, o jovem pupilo que pensa entrar nas fileiras da SS, mas que parece ter algo também a esconder. Como a função do Obergruppenführer é justamente descobrir inimigos do regime acaba ficando fácil para ele desvendar os dois. Esse episódio colocou em evidência um dos grandes trunfos da série, o trabalho do ator Rufus Sewell. Ele é extremamente talentoso. Seu personagem é um psicopata fanático pelo nazismo e como todo psicopata consegue aliar uma personalidade agradável, social, com uma mente obscura, doentia até. Sua atuação é uma das boas razões para acompanhar essa nova série. / The Man in The High Castle 1.06 - Three Monkeys (EUA, 2015) Direção: Nelson McCormick / Roteiro: Frank Spotnitz, baseado na obra de Philip K. Dick / Elenco: Alexa Davalos, Rufus Sewell, Rupert Evans, Luke Kleintank.

The Man in the High Castle 1.07 - Truth
Os alemães nazistas consideravam todas as raças não arianas como inferiores a eles. Até mesmo norte-americanos eram tidos como membros de uma sub-raça contaminada pela miscigenação étnica que havia dentro da sociedade dos Estados Unidos. O fato dos americanos conviverem com negros e membros de outras raças (como os próprios latinos) o deixavam imundos e contaminados. Lixo racial na mente dos alemães do III Reich. Já os japoneses, embora fossem também racistas, não o eram de forma tão radical. Nesse episódio, por exemplo, um membro do governo japonês resolve convidar o dono de uma loja de antiguidades para almoçar em sua própria casa. Algo impensável para um verdadeiro nazista. O tal sujeito coleciona objetos antigos e convida o americano justamente por causa de seus conhecimentos históricos e arqueológicos. Após passar uma pequena vista sobre os itens do colecionador descobre algumas peças falsas, o que lhe dá a ideia de vender ao japonês alguns itens falsificados - uma vez que ele demonstra não saber distinguir entre o que era verdadeiro ou falso. Na outra linha narrativa o Obergruppenführer John Smith (Rufus Sewell) descobre que mais filmes proibidos podem estar circulando pela cidade e resolve mandar alguns agentes da Gestapo e SS colarem nos suspeitos para recuperar essas supostas filmagens secretas. A ordem é eliminar qualquer um que tenha um filme desses em seu poder. / The Man in the High Castle 1.07 - Truth (EUA, 2015) Direção: Brad Anderson / Roteiro: Frank Spotnitz, baseado na obra de Philip K. Dick / Elenco:  Alexa Davalos, Rupert Evans, Luke Kleintank.

The Man in the High Castle 1.08 - End of the World
Frank Frink (Rupert Evans) descobre que seu filho tem uma doença rara, que o deixará completamente paralisado em poucos meses. Isso devasta o oficial nazista. Seu filho é apenas um adolescente, mal saído da puberdade. Imaginando o pior ele resolve guardar tudo para si. Não diz ao filho sobre sua doença e nem tampouco para sua esposa. Um homem frio, acostumado a mandar inimigos para campos de concentração, ele resolve implodir com a trágica novidade. Para piorar o que já era ruim ele também começa a ter problemas com seus superiores. Há uma insinuação de que ele amoleceu com os revolucionários americanos. Seu último prisioneiro sequer passou por uma sessão de tortura tipicamente do III Reich, e isso é um absurdo para os oficiais. Na outra linha narrativa Juliana Crain (interpretada pela linda atriz francesa Alexa Davalos) descobre que seus amigos da resistência estão prestes a cair numa armadilha arquitetada pela inteligência japonesa. Eles estão com um novo filme, que começa a ser disputado ao mesmo tempo entre alemães nazistas, japoneses imperiais e americanos revolucionários, todos querem colocar as mãos na relíquia antes que ele seja entregue em seu destino. / The Man in the High Castle 1.08 - End of the World (EUA, 2016) Direção: Karyn Kusama / Roteiro:  Frank Spotnitz, baseado no livro de / Elenco:  Alexa Davalos, Rupert Evans, Luke Kleintank.

The Man in the High Castle 1.10 - A Way Out
Último episódio da primeira temporada. Uma segunda leva de episódios está prevista para ser exibida em dezembro. Acredito que não faz muito sentido. Isso porque nesse último episódio tudo é revelado. A palavra chave de tudo o que está acontecendo vem do jogo das mutações oriental, I Ching. Isso é algo que foi fiel ao livro original escrito por Philip K. Dick. O autor passou por uma fase em que estava obcecado por esse texto antigo, a tal ponto que criou esse universo paralelo onde os Estados Unidos teriam perdido a II Guerra Mundial, sendo dominados pelos japoneses e nazistas. A costa oeste ficava nas mãos dos nipônicos e o leste nas mãos do III Reich de Hitler. A série como um todo é muito bem produzida, com ótima direção de arte. Os roteiros porém se mostram, muitas vezes, sem um foco certo a seguir. Além disso várias aspectos do texto original de Philip K. Dick foram alterados, de forma desnecessária. Um exemplo? No livro todos lutam para colocar as mãos em um livro que revelaria toda a verdade, já na série todos estão atrás de filmes proibidos que mostravam a derrota nazista na guerra! Isso sem contar o fato de que personagens foram criados e outros que eram importantes na literatura foram descartados, sem maiores explicações. Ficou interessante, não devo negar, porém não a ponto de me fazer acompanhar uma segunda temporada. Como tudo já foi desvendado ao espectador não há mais sentido em seguir em frente. De qualquer forma não me arrependo. A série, apesar de tudo, se revela um bom entretenimento. / The Man in the High Castle 1.10 - A Way Out (Estados Unidos, 2015) Direção: Daniel Percival / Roteiro: Frank Spotnitz, baseado na obra de Philip K. Dick / Elenco: Alexa Davalos, Rupert Evans, Luke Kleintank.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Guia de Episódios - The Frankenstein Chronicles

The Frankenstein Chronicles 1.01 - A World Without God
Eis aqui uma boa dica de nova série que está chegando agora na TV. O primeiro episódio se chama "A World Without God" (Um Mundo Sem Deus). Tudo começa quando uma jovem garota é encontrada morta nas margens lamacentas do Rio Tâmisa em Londres. Em estado de decomposição avançado o cadáver é logo enviado a um renomado cirurgião para autópsia. Ele descobre que o corpo na verdade é uma composição de vários corpos de pessoas diferentes, ligadas por costuras cirúrgicas! São crianças e adolescentes que desapareceram sem deixar rastros. Há uma suspeita de que se trata de uma maneira de se desacreditar a classe médica, uma vez que está ocorrendo uma acirrada disputa no Parlamento envolvendo o ato cirúrgico (que passaria a ser exclusivo dessa classe, colocando em perigo o emprego ou o trabalho de vários sujeitos sem diploma, alguns deles envolvidos com tráfico de corpos humanos para instituições de pesquisa). Para descobrir o que realmente está acontecendo um nobre resolve designar John Marlott (Sean Bean), um investigador veterano, para solucionar a morte daqueles jovens. "The Frankenstein Chronicles" é aquele tipo de série que desde os primeiros momentos você já sabe que está diante de um bom produto televisivo. Direção de arte? Impecável. Roteiro? Muito bem estruturado, lidando muito bem com todo o suspense que envolve os crimes. Interpretação? Bean está perfeito na pele do sujeito que é atormentado por um passado trágico (sua família - esposa e filha pequena - morreram de sífilis transmitido por ele mesmo, o que lhe traz uma culpa imensa e eterna). Enfim, mais uma preciosidade de terror para se acompanhar daqui em diante. Não vá perder a chance de conhecer essa excelente série. / The Frankenstein Chronicles 1.01 - A World Without God (Inglaterra, EUA, 2015) Direção: Benjamin Ross / Roteiro: Benjamin Ross / Elenco: Sean Bean, Sean Hanrahan, Shaun Blaney.

The Frankenstein Chronicles 1.02 - Seeing Things
Conforme o próprio título do episódio sugere o investigador John Marlott (Sean Bean) começa a ter visões do sobrenatural. Em um delírio ele acaba vendo a garota Alyce. Como se viu no episódio piloto ele foi contratado para descobrir o paradeiro de jovens que simplesmente desapareceram, em especial o que teria acontecido realmente com a adolescente Alyce e do estranho corpo encontrado boiando nas águas do rio Tâmisa. Em decomposição, nele havia claras demonstrações e sinais de que teria passado por algum tipo de experiência médica mal sucedida, pois havia diferentes partes de corpos humanos diversos costurados em um só! Uma obra de arte sombria. Além disso "Seeing Things" chama a atenção por outros aspectos que considero extremamente curiosos. O primeiro é que o personagem de Sean Bean resolve comprar um exemplar do romance de terror "Frankenstein Ou o Prometeu Moderno" de Mary Shelley, demonstrando que a série não é uma adaptação do livro como inicialmente se esperava. A trama se passa ao largo da literatura. Outro fato digno de nota foi a inserção de autores consagrados como personagens da série, entre eles o poeta vitoriano William Blake, em seu leito de morte, passando preciosas pistas para Marlott. Aliás a própria Mary Shelley também dá o ar de sua graça, de maneira bem discreta, é verdade, mas já demonstrando que os roteiristas procuram por algo diferente, realmente inovador. Ponto positivo para o público, certamente. / The Frankenstein Chronicles 1.02 - Seeing Things (Inglaterra, 2015) Direção: Benjamin Ross / Roteiro: Benjamin Ross / Elenco: Sean Bean, Lucy Cray-Miller, Jessie Ross.

The Frankenstein Chronicles 1.03 - All the Lost Children
Numa Londres suja e pobre o investigador John Marlott (Sean Bean) continua reunindo pistas para descobrir quem teria assassinado a jovem adolescente cujo corpo foi encontrado em decomposição nas margens do rio Tâmisa. Sua investigação curiosamente o leva até a escritora Mary Shelley (Anna Maxwell Martin). Ela escreveu um romance de terror que ficou muito conhecido chamado Frankenstein. Em sua estória um cientista à beira da loucura resolvia trazer restos de corpos humanos de volta à vida usando métodos da teoria Galvanista (onde a energia elétrica era usada para dar movimentos aos músculos de pessoas mortas). Ela é uma pobre viúva que tenta ganhar a vida com seus escritos, algo nada fácil de fazer, ainda mais com um garotinho muito jovem ainda para criar. Para Marlott porém é mais importante colocar as mãos em um suspeito indicado pelo carregador de corpos. Esse sujeito teria ligação direta com o crime cometido. O problema é achá-lo, uma vez que ele parece viver em túneis escuros e úmidos embaixo da velha cidade. Outro aspecto interessante desse episódio é que Marlott é confrontado com seu próprio futuro ao visitar um antigo mosteiro que agora serve como hospital de inválidos. Lá ele encontra um paciente terminal da terrível sífilis (Marlott também sofre desse mesmo mal). Temos aqui mais um bom episódio de "The Frankenstein Chronicles". Essa série é muito bem produzida, com roteiros realmente bem escritos. Não há apelação e tudo surge de forma muito caprichosa. Estou realmente gostando muito, indico sem reservas para os fãs de séries de terror e suspense. / The Frankenstein Chronicles 1.03 - All the Lost Children (EUA, 2015) Direção: Benjamin Ross / Roteiro: Benjamin Ross / Elenco: Samuel West, Sean Bean, Eloise Smyth.

The Frankenstein Chronicles 1.04 - The Fortune of War
Uma das melhores coisas desse episódio é que ele mostra a escritora Mary Shelley (Anna Maxwell Martin) visitando a propriedade de um velho conhecido, um amigo dos velhos tempos. Ele está morto há muitos anos. Quando vai até os fundos da velha casa descobre dois cômodos praticamente abandonados. Os móveis estão cobertos por panos e quando ela os levanta o que vemos? Sim, a velha maquinaria usada em experiências científicas, tão típica da era vitoriana. A sutileza do roteiro deixa então subentendido que o enredo que vemos em sua famosa obra pode não ter sido apenas um romance de terror como todos pensavam! Para fãs do horror é realmente uma jogada genial, que abre espaço para uma guinada nas estórias da série. Além disso temos aqui o desfecho (assim esperamos) do desaparecimento da menina Alice. O investigador John Marlott (Sean Bean, sempre tão bem em cena) finalmente chega nas pessoas que supostamente a mataram. São carvoeiros miseráveis dos subúrbios mais infectos de uma Londres nada bonita de se ver. É curioso pois mostra a extrema pobreza em que viviam certas pessoas na Inglaterra durante o século XIX. Lugares de miséria absoluta, onde nem os mais básicos valores humanos conseguiam sobreviver. Comunidades formadas não por seres humanos, mas por verdadeiras bestas, seres bestiais. Em suma, excelente episódio, um dos melhores até aqui. / The Frankenstein Chronicles 1.04 - The Fortune of War (Inglaterra, 2015) Direção: Benjamin Ross / Roteiro: Benjamin Ross / Elenco: Sean Bean, Charlie Creed-Miles, Shaun Mason.

The Frankenstein Chronicles 1.05 - The Frankenstein Murders
O investigador John Marlott (Sean Bean) finalmente descobre (quase) toda a verdade. Realmente médicos famosos de Londres estavam usando corpos humanos comprados no mercado negro para suas experiências. Pior do que isso, muitos deles encomendavam jovens adolescentes ou crianças, o que fazia com que eles fossem mortos de forma brutal por pessoas criminosas em busca do dinheiro da venda de seus cadáveres. Marlott então resolve levar suas conclusões ao Lord inglês que o contratou. Para seu desapontamento descobre que o sujeito, um figurão do parlamento britânico, não está disposto a fazer nada para prender os assassinos. Pelo contrário, ele usa toda a investigação apenas para chantagear outros parlamentares para que assim sejam aprovados seus projetos de lei, entre eles o ato médico de anatomia. Pois é, "The Frankenstein Chronicles" transita bem no meio do lado mais sórdido de uma Londres onde conhecimento científico e crime andam de mãos dadas. O impulso inicial para todas as investigações havia sido o desaparecimento de uma jovem adolescente chamada Alice. Seu corpo foi encontrado boiando nas águas sujas do rio. Agora que a teia da trama de sua morte foi tecida tudo caminha tragicamente para a impunidade completa de seus algozes. Uma triste realidade de um mundo sombrio. / The Frankenstein Chronicles 1.05 - The Frankenstein Murders (Inglaterra, 2015) Direção: Benjamin Ross / Roteiro: Benjamin Ross / Elenco: Sean Bean, Anna Maxwell Martin, Elliot Cowan.

The Frankenstein Chronicles 1.06 - Lost and Found
O texto a seguir contém spoiler. Assim se você ainda não conferiu o episódio final dessa série recomendo não seguir em frente na leitura. Pois bem, a primeira temporada de "The Frankenstein Chronicles" se encerra aqui. É uma série extremamente bem produzida e por essa razão poucos são os episódios em cada temporada. Nesse aqui temos uma ironia do roteiro que me deixou realmente surpreendido. Depois de tanto lutar para descobrir o que estaria acontecendo com as crianças e adolescentes desaparecidos, o investigador John Marlott (Sean Bean). São pessoas poderosas e ricas, bem influentes dentro da sociedade londrina. Sem querer Marlott acaba caindo numa armadilha montada justamente por essa gente. Ele é colocado na cena de um crime, com a roupa encharcada de sangue da vítima. Ora, não demora muito e ele é preso em flagrante. Julgado apressadamente logo é condenado à morte. Enforcado, tudo parece ter chegado a um melancólico fim, mas... eis que Marlott acaba caindo nas mãos de todos aqueles que ele queria ver condenados. Eles usam seu corpo para novas experiências e pasmem, o próprio investigador vira uma criatura, ressuscitada como nos velhos moldes do conto de  Frankenstein!!! A cena final com ele se arrastando, dentro daquele corpo ressuscitado profano é uma das melhores coisas que vi ultimamente em séries. Em minha opinião seria o desfecho perfeito para tudo o que aconteceu. Pena que os produtores vão continuar em uma segunda temporada!!! Chegou a me perguntar: Por quê? Querem mostrar a vida do monstro após voltar do mundo dos mortos? Nada a ver... perderam a chance de terminar tudo com chave de ouro. / The Frankenstein Chronicles 1.06 - Lost and Found (Inglaterra, 2015) Direção: Benjamin Ross / Roteiro: Benjamin Ross, Barry Langford / Elenco: Sean Bean, Joel Gillman, Richie Campbell.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

O Conto dos Contos

Achei bem estranha a proposta desse filme. Não estou me referindo ao roteiro que adaptou três contos baseados na obra do poeta e escritor italiano Giambattista Basile (1566 - 1632), mas sim às próprias estórias em si. O mundo dos contos infantis da Itália medieval pouco se parecia com as obras dos irmãos Grimm com as quais estamos acostumados. Nada de Branca de Neve e nem os sete anões. A coisa aqui é morbidamente bizarra, diferente, surpreendente mesmo. Todos os três contos são narrados de forma alternada. Todos eles envolvem monarcas e seus objetivos mesquinhos e rídiculos.

O primeiro conta a estória da rainha de Longtrellis (Salma Hayek). Seu maior sonho é ter um filho, um herdeiro para o trono. A gravidez porém parece nunca acontecer. Desesperada, ela resolve contratar os serviços de um bruxo. Ele então passa a receita para que ela finalmente fique grávida do Rei. Ele deve caçar uma criatura monstruosa das profundezas. Depois de morto o coração da fera deve ser preparado por uma virgem. Por último a Rainha deve comer o coração da besta. Tudo feito, o resultado se mostra desastroso. Dos três contos esse pode ser considerado até mesmo o menos bizarro, mas seu clímax, com um morcego gigante e feroz, mostra bem que nada é tão normal como se pode esperar.

O segundo conto mostra um Rei e sua filha. A princesa quer se casar. Para isso porém o Rei deve procurar em seu reino o homem mais corajoso, valente e inteligente que encontrar pela frente. Assim ele cria um desafio a ser vencido pelo pretendente à mão da jovem e bela princesa. Novamente tudo dá muito errado, transformando a vida da linda herdeira em literalmente um verdadeiro inferno na Terra. Esse segundo conto poderia até se encaixar no que estamos acostumados a ver em se tratando de literatura infantil alemã, se não fosse por detalhes sórdidos e estranhos, como o fato do Rei criar uma pulga gigante em seu quarto (é isso mesmo que você leu, algo bem nonsense realmente!).

Por fim o último conto mostra a vida de um Rei devasso, insaciável, que deseja dormir com todas as mulheres de seu reino. Certo dia, na janela de seu castelo, ele ouve uma voz feminina maravilhosa. Determinado a conquistá-la ele move o céu e a terra para levar a dona daquela linda voz para seus aposentos reais. O problema é que ele não tem a menor ideia de quem ela seja e o que faz em sua vida reclusa. Com a ajuda de uma bruxa da floresta o monarca acaba caindo em uma grande armadilha do destino. O monarca devasso desse conto é interpretado pelo ótimo ator Vincent Cassel. No geral é isso. O filme é uma coleção de contos estranhos, com elementos pouco usuais. Olhando sob um ponto de vista cultural vale bastante conhecer para ter contato com a literatura de contos de outros países, como a Itália, por exemplo. No mínimo você ficará surpreso pelas coisas e situações estranhas e bizarras que encontrará pela frente, no filme.

O Conto dos Contos (Il Racconto dei Racconti - Tale of Tales, Inglaterra, Itália, França, 2015) Direção: Matteo Garrone / Roteiro: Edoardo Albinati / Elenco: Salma Hayek, Vincent Cassel, Toby Jones, John C. Reilly, / Sinopse: O filme traz a adaptação para o cinema de três contos infantis da literatura italiana medieval. Filme indicado à Palma de Ouro em Cannes.

Pablo Aluísio.

sábado, 20 de agosto de 2016

O Caçador e a Rainha do Gelo

Esse filme é a sequência (ou quase isso) de "Branca de Neve e o Caçador". Do primeiro filme não gostei realmente de praticamente nada. A ideia de transformar o famoso conto de fadas em uma espécie de genérico de "O Senhor dos Anéis" não me pareceu boa. Além disso havia a péssima atuação da atriz Kristen Stewart como Branca de Neve, um dos maiores erros de casting do cinema atual. Assim quando esse filme foi anunciado eu não tive vontade nenhuma de conferir. Se o primeiro havia sido tão fraco para que assistir sua continuação? De qualquer forma, deixando de lado a má impressão inicial, resolvi dar uma colher de chá. Quem sabe poderia ser um pouquinho melhor...

Para minha surpresa pude constatar que o resultado se mostrou bem melhor do que eu esperava. Eu credito isso a alguns fatores interessantes. O primeiro, mais óbvio, foi a saída de Kristen Stewart do projeto. Seu personagem, a princesa Branca de Neve, é citada no enredo desse novo filme, mas ela nunca aparece em cena. Ao invés disso o roteiro se foca na Rainha do Gelo (Emily Blunt) e seus planos de dominar todos os reinos vizinhos ao seu. Ela recruta crianças órfãs para formar seu exército imbatível. Destruída emocionalmente no passado pela morte de seu filho, ainda uma criança no berço, ela não admite que seu subordinados se rendem ao amor. E é justamente isso que acontece com o casal Sara (Jessica Chastain, maquiada para não parecer tão ruiva!) e Eric (Chris Hemsworth, o próprio Thor que volta para um papel maior). O segundo ponto positivo é justamente esse, pois o enredo é original, não ficando preso a um conto de fadas do começo ao fim, como ocorreu no primeiro filme.

O roteiro, que achei até muito bem escrito, vai e vem no tempo. Há uma introdução, usa-se bem o recurso do flashback, para depois retornar finalmente ao tempo presente. Tudo bem encaixado. O bom é que os roteiristas criaram uma estória com liberdade, sem muita ligação com "Branca de Neve e os Sete Anões". Essa liberdade ajudou ao filme. A estrutura do roteiro é básica, temos que admitir, mas bem conduzida. Os efeitos especiais também se destacam. A personagem de Charlize Theron, a rainha má do conto original, está de volta, porém em outra forma. Sua "saída" de dentro do espelho me fez lembrar os efeitos digitais revolucionários de "O Exterminador do Futuro 2". Muito bem realizado. No geral gostei do filme. Talvez esse salto de qualidade demonstre aos executivos de Hollywood que a aposta em ideias originais pode ser muito mais interessante do que requentar velhas fórmulas ou antigos contos de fadas.

O Caçador e a Rainha do Gelo (The Huntsman: Winter's War, Estados Unidos, 2016) Direção: Cedric Nicolas-Troyan / Roteiro: Evan Spiliotopoulos, Craig Mazin  / Elenco: Emily Blunt, Chris Hemsworth, Charlize Theron, Jessica Chastain, Nick Frost, Rob Brydon, Sheridan Smith, Alexandra Roach / Sinopse: Após a morte da sua irmã, a Rainha do Gelo Freya (Blunt) começa a formar um grande exército de conquista. Além de dominar todo o mundo conhecido, ela pretende colocar as mãos no espelho mágico que pertenceu a Ravenna (Charlize Theron). Com ele pensa ampliar ainda mais suas conquistas. Para isso porém terá que deter um casal apaixonado, ajudado por anões dispostos a tudo para vencer o império do mal de Freya. Filme indicado ao Teen Choice Awards. 

Pablo Aluísio. 

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

The Remains

Conferi esse novo filme de terror chamado "The Remains". É a tal coisa, muitas vezes o filme até que se mostra interessante, com alguns bons sustos. O problema é que o roteiro é muito derivativo, recriando praticamente sempre as mesmas situações. Provavelmente se você costuma assistir a filmes de terror, principalmente àqueles que exploram velhas casas assombradas, ficará com a sensação de já ter visto tudo isso antes. Uma boa estória nem sempre precisa ser contada mil vezes. Assim o que temos basicamente na trama do filme é o seguinte: uma família americana (tipicamente americana, como sempre acontece nesse tipo de produção!) acaba comprando uma velha casa do século XIX. O lugar é grande, até bonito, mas precisando de algumas reformas. O preço porém se mostra muito abaixo do mercado. O que poderia explicar isso?

O novo comprador não sabe, mas no passado o lugar foi palco de uma série de mortes inexplicáveis. Na residência funcionava um atelier de atendimento de uma médium, uma mulher que alegava ter poderes paranormais que a fazia entrar em contato com o mundo dos mortos. Um casal, desesperado pelo desaparecimento de sua filha, a procura e acaba descobrindo que a menina está realmente morta, vítima de um crime brutal. Durante uma sessão de espiritismo algo porém sai do controle, sendo invocado uma velha presença espiritual muito maligna que acaba trazendo uma tragédia para todas aquelas pessoas. Cem anos depois a propriedade vai parar nas mãos de uma nova família. A mãe morreu e o pai tenta criar seus três filhos (incluindo uma adolescente revoltada, típica da idade) no meio daquele velho casarão. Como se não bastasse o luto e o trauma da morte de sua esposa ele ainda precisa lidar com fenômenos cada vez mais estranhos, que vão acabar desembocando em algo extremamente sinistro e perigoso. A partir desse ponto você já sabe o que virá pela frente: acontecimentos poltergeist, possessões demoníacos e todo o menu que já conhecemos tão bem. O filme é bem realizado, tem alguns momentos realmente bons, mas como já escrevi sofre mesmo pela falta de novidades. É um claro sintoma de saturação pelo qual passa o gênero terror ultimamente.

The Remains (The Remains, EUA, 2016) Direção: Thomas Della Bella / Roteiro: Thomas Della Bella / Elenco: Todd Lowe, Brooke Butler, Lisa Brenner / Sinopse: Uma família (pai viúvo e três filhos) compra uma velha casa vitoriana por um preço muito bom, bem abaixo do mercado. O que eles nem desconfiam é que o lugar foi palco de mortes horríveis no passado e segue sendo assombrado por espíritos demoníacos.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Jason Bourne

Depois de um hiato de quase dez anos eis que o ator Matt Damon resolveu retornar para a franquia "Bourne". Nesse meio tempo o estúdio lançou um filme sem ele, que teve um desempenho razoável de público e crítica, e até mesmo um game popular. Ou seja, Bourne ainda se mostrava um produto interessante, pelo menos do ponto de vista comercial. A franquia que havia chegado ao cinema pela primeira vez em 2002 com "A Identidade Bourne", seguida das sequências "A Supremacia Bourne" (2004) e "O Ultimato Bourne" (2007) mostrava que ainda tinha fôlego para fazer sucesso nos cinemas. E era justamente isso que Damon estava procurando após alguns filmes que não deram muito certo. Como se sabe em Hollywood você só consegue sobreviver no mercado se mostrar que ainda é capaz de atrair público aos cinemas, mesmo que isso só aconteça de vez em quando.

Assim Damon engoliu todas as críticas que havia feito ao personagem no passado e voltou a encarnar esse ex-agente da CIA super bem treinado, cujo passado ainda lhe é algo nebuloso, sem clareza. Um dos problemas de Bourne, ao meu ver, é que todos os filmes sem exceção parecem apresentar praticamente o mesmo roteiro: Bourne é caçado pelo governo americano enquanto tenta juntar as peças do quebra-cabeças de seu passado. Aqui ele conta com a ajuda de Nicky Parsons (Julia Stiles), que roubou informações valiosas de uma central da agência de inteligência americana, enquanto tenta sobreviver a um jogo de gato e rato comandado pelo diretor da CIA, Robert Dewey (Tommy Lee Jones). Trocando em poucas palavras: tudo parece continuar a mesma coisa!

Duas coisas me incomodaram muito nesse novo filme. Primeiro os exageros de edição e do uso da chamada "câmera nervosa" por parte do diretor Paul Greengrass. Os dois recursos são levados ao extremo, o que acaba deixando uma sensação de tontura no espectador. Não parece existir um único plano parado. Assistir a um filme que nos deixam tontos não me parece uma boa ideia. Outro problema que vejo é a falta de uma trama melhor, um bom roteiro. As cenas de ação tentam compensar esse vazio narrativo se tornando longas demais. Para se ter uma ideia uma delas (a da perseguição com motos) tem quase 30 minutos de duração! E tudo isso em um filme com pouco mais de 1 hora e quarenta de duração!. É demais, vamos convir. Pelo visto foi o jeito do diretor tentar disfarçar o fato de que sob o ponto de vista do argumento o filme não passa mesmo de um caro e longo pastel de vento.

Jason Bourne (Jason Bourne, Estados Unidos, 2016) Direção: Paul Greengrass / Roteiro: Paul Greengrass, Christopher Rouse  / Elenco: Matt Damon, Tommy Lee Jones, Julia Stiles, Vincent Cassel, Alicia Vikander / Sinopse: Após roubar dados sigilosos da CIA (a agência de inteligência dos Estados Unidos) Nicky Parsons (Julia Stiles) decide se encontrar com Jason Bourne (Damon) na Grécia, em meio aos protestos violentos que acontecem no país. Ao mesmo tempo o diretor da CIA, Robert Dewey (Tommy Lee Jones) decide colocar dois de seus melhores agentes para localizar e destruir Bourne e sua amiga. 
    
Pablo Aluísio. 

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Batman: A Piada Mortal

A famosa Graphic Novel escrita por Alan Moore finalmente foi adaptada para as telas, não com atores em carne e osso como foi especulado, mas sim nessa nova animação da DC / Warner que foi lançada recentemente nos EUA. Os roteiristas porém precisaram encaixar uma introdução (de mais ou menos 20 minutos) para dar uma maior duração ao filme. A razão é simples de explicar: a novel original só tinha 50 páginas, insuficiente para uma adaptação em longa-metragem. Assim criou-se essa pequena encheção de linguiça no começo que não acrescenta nada, mas que também não aborrece. Na verdade o enredo original de "A Piada Mortal" só começa mesmo quando o Batman vai até o asilo Arkham para um encontro com o Joker (Coringa). Chegando em sua cela descobre que o vilão não está lá, mas sim um sósia. Pior do que isso, o Coringa de volta às ruas vai atrás do comissário Gordon e sua filha Bárbara (a Batgirl) para vingar sua prisão.

Assim que os encontra atira primeiro na garota, à queima roupa, a deixando paralítica para sempre (sim, essa Graphic Novel não foi feita para crianças!). Depois leva Gordon para seu parque de diversões particular, um lugar sinistro, há muito desativado, com brinquedos quebrados, enferrujados e caindo aos pedaços. Sua intenção é torturar o velho policial para que ele enlouqueça literalmente... E é lá que o psicopata e Batman finalmente se enfrentam em um duelo mortal (ou quase isso!). Nem precisa dizer que de todas as recentes animações lançadas pela DC Comics em DVD essa foi a que maior causou repercussão entre os fãs do super-herói. Isso por causa do material que lhe deu origem. Alan Moore é um mito para os leitores de quadrinhos e qualquer lançamento que leve seu nome realmente chama muito a atenção.

Aqui temos uma prova de como ele realmente fez diferença. Em uma trama que poderia soar até banal, Moore construiu as origens do Coringa, o mostrando como um comediante fracassado, com esposa esperando filho para breve. Morando em um apartamento minúsculo ele começa a ver sua vida e seus sonhos ruírem. Desesperado em busca de dinheiro ele resolve participar de um golpe, um assalto a uma indústria química onde trabalhou no passado e tudo acaba dando errado. "Um dia ruim pode mudar sua vida para sempre!" - como ele bem resume a situação.

Eu confesso que gostei do resultado, embora tenha torcido o nariz para os vinte minutos iniciais (que como eu disse inexistem na Graphic Novel). Há um encontro (inclusive de teor sexual, imagine você!) entre Batman e Batgirl que me pareceu muito gratuito e fora de lugar. No mais, tirando esse deslize, a animação segue à risca o que Moore escreveu na década de 1980, com direito até mesmo a diálogos retirados diretamente da publicação original (palavra por palavra). Então é isso, no geral é uma boa dica - só não vá passar a animação para seu filho pequeno já que o material é violento, com teor adulto (há até um estupro envolvido) e não é recomendado para crianças com menos de 14 anos de idade.

Batman: A Piada Mortal (Batman: The Killing Joke, Estados Unidos, 2016) Direção: Sam Liu / Roteiro: Brian Azzarello, baseado nas obras de Alan Moore e Bob Kane / Elenco (vozes): Kevin Conroy, Mark Hamill, Tara Strong / Sinopse: O vilão Coringa (Mark Hamill) foge do asilo Arkham e parte para a vingança contra Batman, Batgirl e o Comissário Gordon, enquanto parte de sua trágica vida é recontada através de flashbacks.

Pablo Aluísio. 

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Eu Sou a Fúria

Título no Brasil: Eu Sou a Fúria
Título Original: I Am Wrath
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Sony Pictures
Direção: Chuck Russell
Roteiro: Yvan Gauthier, Paul Sloan
Elenco: John Travolta, Christopher Meloni, Amanda Schull, Sam Trammell, Paul Sloan, Rebecca De Mornay
  
Sinopse:
Após retornar de uma viagem, ainda no estacionamento do aeroporto, Stanley (Travolta) vê sua esposa ser brutalmente assassinada por um trio de criminosos. Após o funeral ele percebe, desesperado, que a polícia não parece estar muito empenhada em manter o assassino preso. Após fazer seu reconhecimento o sujeito simplesmente é liberado, saindo pela porta da frente da delegacia para responder o processo em liberdade. Stanley fica tão revoltado com a situação de impunidade que resolve agir por conta própria, fazendo justiça com as próprias mãos.

Comentários:
Basta ler a sinopse desse filme para lembrar imediatamente da série policial "Desejo de Matar" onde Charles Bronson interpretava o justiceiro das ruas Paul Kersey. O enredo é praticamente o mesmo, sua esposa é morta e ele parte para a vingança. Assim "Eu Sou a Fúria" é praticamente um remake não assumido. O problema básico é que John Travolta não é Charles Bronson. Ele não fica perfeitamente à vontade nesse tipo de papel e tampouco passa credibilidade ao espectador ao sair pelas ruas de noite com armas de grosso calibre para matar a quadrilha que assassinou sua esposa. Por falar nela quem a interpreta é a atriz Rebecca De Mornay. Há muitos anos que não a tinha visto em filmes e fiquei surpreso com sua atual aparência. Foram tantas as plásticas que ela acabou perdendo suas feições originais, algo realmente surpreendente. Gostava mais de sua visual antigo, mais natural e sensual. No geral é isso. Travolta, ao lado de um amigo dos tempos em que eles atuavam em forças especiais, altamente armados, caçando cada um dos responsáveis pela morte de sua querida mulher. O filme inclusive usa a frase "Não há justiça sem sangue" para mostrar de forma bem clara suas intenções! Há muita violência estilizada nesse filme de ação que pode ser tudo, menos convincente. O diretor Chuck Russell certamente já fez coisas bem melhores como a comédia "O Máskara" e "Queima de Arquivo" (com Arnold Schwarzenegger). Aqui tudo soa banal e repetitivo, sem novidades. Melhor rever os antigos filmes de Charles Bronson que eram bem melhores.

Pablo Aluísio.

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Esquadrão Suicida

Título no Brasil: Esquadrão Suicida
Título Original: Suicide Squad
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros, DC Entertainment
Direção: David Ayer
Roteiro: David Ayer
Elenco: Will Smith, Jared Leto, Margot Robbie, Joel Kinnaman, Ben Affleck, Viola Davis, Common
  
Sinopse:
Um grupo de criminosos condenados é recrutado pelo governo americano para atuar em missões de extrema gravidade e violência, onde devem enfrentar meta-humanos, tais como o Batman ou o Superman. O receio é que esses super-heróis em algum momento se voltem contra a humanidade. Como são pessoas perigosas e algumas com personalidades psicopatas, um pequeno chip explosivo é colocado em cada uma delas. No primeiro sinal de fuga ou desobediência eles devem ser executados. Filme baseado nos quadrinhos da DC Comics.

Comentários:
O filme foi massacrado pela crítica, mas está fazendo sucesso de bilheteria, liderando o Top 10 nos Estados Unidos. É a tal coisa, se você for atrás de qualidades cinematográficas do tipo um bom roteiro aqui é melhor esquecer. "Suicide Squad" não tem roteiro. O enredo pode ser resumido em duas frases curtas (Grupo de criminosos é reunido. Sua missão é destruir uma ameaça sobrenatural). Não passa disso. Apesar de tudo tem personagens interessantes, principalmente para quem curte quadrinhos. Certo, nenhum deles é minimamente desenvolvido, mas tudo bem, valem pela diversão. Deadshot, papel de Will Smith, talvez seja o único que tenha algum background ou história pessoal por trás. Ele tem uma filha e zela por ela. Fica por aí. A atriz Margot Robbie que interpreta Harley Quinn, a Arlequina, além de ser muito bonita é a quem tem a melhor oportunidade de atuar um pouco mais, até porque sua personagem é maluca, o que dá margem a ela para mostrar um pouquinho mais no quesito atuação. Jared Leto já provou inúmeras vezes que é um bom ator, mas seu Coringa é bem sem graça. Também ele herdou uma carga pesada pois precisou ficar à altura de Jack Nicholson e Heath Ledger que interpretaram o vilão no passado e qualquer comparação nesse sentido chega a ser covardia. Já os vilões do filme (dois irmãos bruxos) são péssimos. Chega a ser constrangedor, poderiam ter escolhido algo melhor para o Esquadrão suicida enfrentar. No meio de tanta gente sobrou espaço ate mesmo para o "RoboCop" Joel Kinnaman (que interpreta o líder militar da missão, Rick Flag) e Ben Affleck, em duas pequenas pontas como o próprio Batman. No geral, para um filme que custou tão caro (quase 200 milhões de dólares entre produção e marketing) nada me deixou muito admirado em termos de efeitos visuais e produção. Tudo soa na média. O 3D não é grande coisa. Há uma cena com helicópteros em que isso fica bem claro para o espectador. onde as aeronaves parecem de papelão ou maquetes nada convincentes. Não é um filme marcante, nem para os fãs dos quadrinhos, e só vale mesmo como diversão ligeira. Alguns personagens deram certo e esse provavelmente será o pontapé inicial para futuros filmes com eles (afinal fez sucesso comercial). Fora isso a DC ainda continua comendo poeira da Marvel no cinema.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Filmografia Comentada - Ann-Margret

De tempos em tempos Hollywood importa alguma beldade estrangeira para transformá-la em símbolo sexual nos Estados Unidos. Aconteceu com Ursula Andress (Suíça), Anita Ekberg (Suécia) e Sophia Loren (Itália). Na década de 60 foi a vez da sueca Ann-Margret Olsson. Nascida em Valsjöbyn, ele chegou em Los Angeles com 19 anos e logo chamou a atenção dos estúdios por causa de sua beleza e simpatia. Além de muito bonita também parecia ser muito talentosa pois dançava, cantava e atuava, ou seja, tinha o pacote completo para se tornar uma grande estrela. Sua estréia no cinema americano não poderia ser melhor. Foi em "Dama por Um Dia", estrelada pelo mito Bette Davis e dirigido pelo grande cineasta  Frank Capra. Sua primeira grande chance de brilhar porém só viria dois anos depois com o musical "Bye Bye Birdie" onde interpretava uma fã inconsolada por seu cantor preferido ter sido convocado pelo exército americano. Era obviamente uma paródia do que havia acontecido com o roqueiro Elvis Presley.

E por falar em Elvis o grande momento da filmografia de Ann-Margret surgiria justamente em "Amor à Toda Velocidade" (Viva Las Vegas, 1964), ótimo musical onde ela teve a oportunidade de dançar e cantar ao lado do famoso cantor. A aproximação aliás ultrapassou as telas e ela e Elvis tiveram um tórrido caso de amor no set de filmagem. Depois do sucesso desse musical da MGM a atriz procurou diversificar o máximo possível sua carreira abraçando projetos ousados e gêneros diversos nos anos seguintes. Na produção "Em Busca do Prazer" ousou interpretar um personagem forte para os anos 60, o de uma garota liberal envolvida em um triângulo amoroso fora dos padrões. Em "Matt Helm Contra o Mundo do Crime" voltou a contracenar com um cantor famoso, Dean Martin, em um filme que procurava satirizar de certa forma as fitas de James Bond. Também rodou westerns como "A Última Diligência". Ao lado do mito John Wayne apareceu em "Os Chacais do Oeste". O último grande filme da atriz foi "Tommy", musical que se tornou famoso na época. Depois disso os bons filmes foram rareando e ela se contentou em fazer personagens coadjuvantes em produções menores. Mesmo assim a sueca continuou trabalhando sem parar nos anos seguintes. A beleza obviamente já não era a mesma dos primeiros anos mas isso não a impedir de realizar ao todo quase 80 filmes, o que demonstra bem que embora não tenha se tornado uma estrela de primeira grandeza certamente marcou o mundo do cinema em sua época. Aqui estão alguns comentários de filmes da estrela que tivemos a oportunidade de assistir.

Adeus, Amor
Um cantor de rock famoso vai até uma cidadezinha perdida no Ohio para gravar seu programa de despedida antes de ir servir o exército americano. Lá é feito um concurso para escolher a fã número 1 dele que ganhará o direito de beijar seu grande ídolo. Um musical simpático, bem humorado e com uma inédita postura de sátira besteirol, algo que era bem raro no começo dos anos 60. Para o cinema em geral o filme revelou a linda Ann-Margret que chamou tanto a atenção do público que o diretor George Sidney a levou para contracenar com Elvis Presley em "Amor a Toda Velocidade". Aliás nada mais conveniente pois Ann-Margret foi chamada por um cronista de Nova Iorque como a "Elvis de saias". Curiosamente um dos satirizados dentro do enredo é o próprio Elvis pois o personagem chave da estória é um roqueiro famoso que vai servir o exército deixando suas fãs apavoradas e desesperadas! A produção é apenas mediana, há algumas coisas que não funcionam muito bem como ver Dick Van Dyke rebolando numa horrível roupa prateada que mais parece ter saído do guarda roupa de figurinos de "Perdidos no Espaço". De qualquer maneira aproveite a festa e caso tenha vivido aqueles anos distantes sinta muita saudade! / Adeus, Amor (Bye Bye Birdie, Estados Unidos, 1963) Direção: George Sidney / Roteiro: Michael Stewart, Irving Brecher / Elenco: Dick Van Dyke, Ann-Margret, Janet Leigh.

Amor à Toda Velocidade
Lucky Jackson (Elvis Presley) ganha a vida cantando e divertindo os turistas hospedados em hotéis de luxo de Las Vegas, mas seu grande sonho mesmo é se tornar um grande piloto de corridas. Ele almeja vencer o primeiro Las Vegas Grand Prix que vai pagar uma pequena fortuna para o vencedor. Por acaso acaba conhecendo a linda Rusty Martin (Ann-Margret), que ele pensa erroneamente ser uma dançarina de cassinos. Indo atrás dela Lucky acaba descobrindo que não é bem isso que a apaixonante garota faz para viver. Um dos grandes sucessos no cinema da carreira de Elvis Presley. Realmente é um de seus melhores musicais. O curioso foi que a fita foi produzida meio às pressas após a MGM decidir que iria aproveitar o Grand Prix de Las Vegas para locações. O enredo, escrito pela roteirista Sally Benson (a mesma de "Sombra de uma Dúvida" e "Agora Seremos Felizes"), conseguiu mesmo capturar a essência de um encontro entre Elvis e Margret, que era considerada a "Elvis de saias" naquela época. O casal que levou o romance também para fora das telas solta faíscas em cena. A produção também tem um ótimo desenrolar, fruto da competência do experiente cineasta George Sidney que resolveu dar o mesmo destaque para ambos, o que gerou ciúmes em Elvis que começou a acreditar que Sidney estava perdidamente apaixonado por Margret. Bobagem. O diretor sabia que tinha dois grandes talentos em mãos e resolveu aproveitar tudo o que poderia. O grande sucesso de "Viva Las Vegas" deu um impulso e tanto na carreira de Ann-Margret, que saiu depois em busca de novos desafios. Já para Elvis virou uma enorme camisa de força. Seus filmes seguintes, principalmente àqueles onde ele interpretava pilotos de corrida, nada mais eram do que tentativas de repetir o sucesso dessa película. Mesmo assim não há como negar, "Amor à Toda Velocidade" é de fato um marco no cinema musical dos anos 1960. Um simpático romance que uniu uma das melhores duplas já vistas em Hollywood em todos os tempos. / Amor à Toda Velocidade (Viva Las Vegas, Estados Unidos, 1964) Direção: George Sidney / Roteiro: Sally Benson / Elvis Presley, Ann-Margret, Cesare Danova.

A Marca de um Erro*
Tendo como garantia um excelente roteiro assinado por Zequial Marko, a música de Lalo Schifrin (Operação Dragão), e um time de atores de respeito como: Alain Delon, Ann-Margret, Van Heflin e Jack Palance - o diretor Ralph Nelson (Réquiem Para um Lutador) construiu um belo filme no estilo do inconfundível policial-noir e com forte influência de clássicos do gênero, como os premiados, Rififi - Os Segredos das Jóias e O Grande Golpe. O longa, A Marca de Um Erro (Once a Thief - 1965) conta a história de Eddie Pedak (Alain Delon) um imigrante italiano de Trieste e ex-presidiário que, vivendo na cidade de San Francisco tenta seguir o caminho da regeneração. Porém, o sonho de viver em paz junto com sua linda mulher, Kristine Pedak (Ann-Margret) e sua filhinha, parece impossível. Tudo porque em seus calcanhares estão o Inspetor Mike Vido (Van Heflin), que jura que Eddie é o responsável pelo recente assalto a uma loja de conveniência que culminou com a morte da proprietária - além da presença sinistra do bandidão Walter Pedak (Jack Palance) irmão de Eddie e que deseja a todo custo o retorno de seu irmão ao mundo do crime para um último e lucrativo assalto. Porém, no caminho do sucesso deste último assalto, está o bandidão James Arthur Sargatanas (John Davis Chandler) braço direito de Walter e inimigo mortal de Eddie Pedak. Um bom filme, com um ótimo e surpreendente final. A bela dupla Delon-Margret, com diálogos precisos e com uma ótima química, consegue manter, suspenso no ar, elementos incendiários como mentira, ciúme e infidelidade, que, jogados num caldeirão em ebulição, pode deixar a história ainda mais instigante e explosiva. Nota 7 / A Marca de um Erro (Once a Thief, 1965) Direção de Ralph Nelson / Roteiro: Zekial Marko / Elenco: Alain Delon, Ann Margret e Jack Palance / Sinopse: Em San Francisco (EUA), o jovem imigrante ex-presidiário Eddie tenta mudar de vida e trabalhar para sustentar a esposa e filha pequena. Mas um policial e também seu irmão bandido não o deixam em paz, e acabam por forçá-lo a voltar ao crime. Mas, ao contrário dos outros, Eddie sabe quem são seus verdadeiros inimigos.

A Última Diligência
Um grupo de viajantes decide enfrentar um longo trajeto até a cidade de Cheyenne. O problema é que a região está dominada por guerreiros Sioux comandados por um cacique conhecido por sua violência contra caravanas de homens brancos. Contando com o apoio da cavalaria até um terço da jornada, eles precisam sobreviver durante todo o restante do trajeto, algo que definitivamente não será nada fácil de alcançar. Os perigos são muitos, mas todos anseiam ir embora por um motivo ou outro, de acordo com seus próprios problemas pessoais. O objetivo é começar vida nova em um novo lugar. Gostei bastante desse western. O roteiro é muito bom e consegue desenvolver bem todos os personagens ao mesmo tempo em que não deixa o filme cair no marasmo ou no lugar comum. Basicamente temos esse grupo bem diferente de pessoas precisando se unir para sobreviver a uma perigosa viagem de diligência até a distante Cheyenne. No caminho precisam vencer o perigo da presença dos nativos e guerreiros comandados pelo infame Cachorro Louco (o mesmo cacique que chacinou a Sétima Cavalaria do General Custer). O grupo é bem diversificado, havendo desde bandidos procurados pela lei como Ringo Kid (Alex Cord), até o próprio xerife da região, Curly Wilcox (interpretado pelo veterano ator de faroestes Van Heflin), passando ainda por uma prostituta e dançarina de saloon, Dallas (Ann-Margret), até uma respeitada dama da sociedade, a senhorita Lucy Mallory (Stefanie Powers, que anos depois iria fazer muito sucesso na TV com a série "Casal 20"). Por fim, completando o grupo temos um banqueiro almofadinha (que na verdade está tentando fugir com o dinheiro da empresa onde trabalha), um jogador inveterado, um vendedor de whisks e um médico alcoólatra conhecido como "Doc" Josiah Boone (curiosamente interpretado pelo famoso cantor Bing Crosby, que se sai excepcionalmente muito bem em sua atuação). O elenco, como se pode perceber, é acima da média, mas quem se destaca mesmo é uma jovem (e linda) Ann-Margret! Dois anos após seu sucesso ao lado do roqueiro Elvis Presley em "Viva Las Vegas" ela conseguiu outra excelente atuação. Sua personagem Dallas é ao mesmo tempo uma figura doce e terna, mas também esperta, até mesmo por causa da vida que leva. Ela se apaixona pelo fugitivo Ringo Kid e pretende recomeçar vida nova ao seu lado. Se você ainda tinha alguma dúvida se ela foi mesmo uma das mais bonitas atrizes da história de Hollywood basta vê-la aqui em cena. Ann-Margret está simplesmente linda, com figurino de época, realçando ainda mais sua beleza ruiva, roubando todas as atenções do espectador. Enfim, grande faroeste que vale muito a pena conhecer. Uma das melhores produções da Fox no gênero, sem favor ou exagero algum. / A Última Diligência (Stagecoach, Estados Unidos, 1966) Direção: Gordon Douglas / Roteiro: Joseph Landon, Dudley Nichol / Elenco: Ann-Margret, Alex Cord, Bing Crosby, Stefanie Powers, Van Heflin, Red Buttons.

Os Chacais do Oeste
Realizado na última fase da carreira de John Wayne, "Os Chacais do Oeste" é um de seus westerns mais criativos e saborosos. Na trama acompanhamos Lane (John Wayne) e seu grupo de companheiros veteranos da Guerra Civil. Eles são contratados pela linda Lowe (Ann-Margret) para uma missão extremamente perigosa: recuperar meio milhão de dólares em ouro que seu marido escondeu no México antes de morrer. Assaltante de trens o bandoleiro só contou o verdadeiro lugar onde escondeu todo o ouro para sua viúva que agora conta com o apoio de Lane e seu grupo para encontrá-lo. O problema é que tanto ouro assim acaba atraindo a atenção de todos os bandoleiros e bandidos da região, o que fará com que tudo fique muito mais complicado. Liderando o grupo de renegados que saem em busca de Lane está um misterioso pistoleiro, interpretado pelo sempre marcante Ricardo Montalban. O roteiro se baseia justamente nessa caça ao tesouro onde todos tentam chegar primeiro ao prêmio máximo. Jonh Wayne, apesar da idade, aparece em grande forma. Corre, atira, monta, atravessa rios lamacentos e não deixa a desejar em absolutamente nada. Sua partner em cena é a maravilhosa Ann-Margret que tanto sucesso fez ao lado de Elvis Presley no musical "Amor a Toda Velocidade". Apesar de trintona ainda esbanja sensualidade e charme no meio das areias do deserto onde se passa quase toda a ação do filme. Inclusive temos aqui um diálogo memorável entre Wayne e ela quando Margret tenta seduzir o velho cowboy. Ele se vira e diz: "Eu tenho uma cadeira que tem mais idade do que você!". Hilário. "Os Chacais do Oeste" foi produzido pelo filho de Wayne, Michael. Não é uma produção de encher os olhos mas tudo é muito bem realizado. Há ótimas cenas com muitas paisagens naturais e cenários bem elaborados - inclusive o local onde o ouro é finalmente encontrado. Há excelente uso de uma velha Maria Fumaça e uma sequência final com muitos tiros e pirotecnia - onde algumas construções voam literalmente pelos ares após Wayne se cansar de trocar tiros e decidir resolver tudo na base da dinamite! Ao seu lado velhos amigos de tantos anos como Ben Johnson e Christopher George. Na direção temos o cineasta Burt Kennedy com extensa experiência em faroestes. Anos depois ele se consagraria na TV dirigindo a extremamente bem sucedida série Magnum com Tom Selleck. Para finalizar é impossível não mencionar a saborosa cena final. É o único diálogo de Montalban com John Wayne mas é tão marcante que vale o filme inteiro. Fantástica cena que vai deixar muita gente surpresa. Enfim fica a dica de "Os Chacais do Oeste" mais um ótimo momento da filmografia do eterno Duke, John Wayne. / Os Chacais do Oeste (The Train Robbers, EUA, 1973) Direção: Burt Kennedy / Roteiro. Burt Kennedy / Elenco: John Wayne, Ann-Margret, Rod Taylor, Ben Johnson, Christopher George, Bobby Vinton, Ricardo Montalban / Sinopse: Uma jovem viúva contrata um grupo formado por veteranos da Guerra Civil para recuperar meio milhão de dólares em ouro provenientes de um grande roubo de trem cometido por seu marido morto. O problema é que o ouro também desperta a cobiça de todos os pistoleiros e renegados da região. Chegar a ele será um grande desafio.

Cactus Jack - O Vilão
Um xerife do velho oeste que mais parece uma montanha de músculos chamado Handsome Stranger (Arnold Schwarzenegger) serve como escolta para a bela Charming Jones (Ann-Margret) mas ambos correrão grande perigo pois um perigoso vilão chamado Cactus Jack (Kirk Douglas) pretende colocar as mãos no dinheiro que ela carrega na viagem. Na década de 80 essa comédia passada no velho oeste ganhou várias reprises na TV aberta brasileira. È um tipo de estilo que certamente não agradará a todos. Se você é um fã de filmes de western então tudo ficará muito mais complicado pois o roteiro brinca bastante com os clichês do gênero. Para os fãs do astro brutamontes Arnold Schwarzenegger a produção vai servir como uma grande curiosidade uma vez que ele na época ainda não era o campeão de bilheteria dos anos que viriam. Seu papel é simpático e o fortão procura não estragar o estilo cômico da produção. Kirk Douglas e Ann-Marget da era clássica de Hollywood também não parecem se importar muito. Desligue o cérebro e tente se divertir. / Cactus Jack - O Vilão (The Villain, Estados Unidos, 1979) Direção: Hal Needham / Roteiro: Robert G. Kane / Elenco: Kirk Douglas, Ann-Margret, Arnold Schwarzenegger, Footer Brooks.

Pablo Aluísio, Júlio Abreu e *Telmo Vilela Jr.