sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Cinema: Estreias da Semana (17/02 a 22/02)

Ok, hora de conferir as estreias da semana. Como acontece sempre temos um filme de ponta no circuito comercial que serve de cavalo de batalha para os demais. Nessa semana esse papel cabe ao novo filme de Brad Pitt, "Aliados". Em breve vou publicar uma resenha aqui sobre essa produção dirigida por Robert Zemeckis. O enredo mistura II Guerra Mundial, espionagem e Casablanca! Ei, não seria uma espécie de remake do clássico de Humphrey Bogart? Calma, ainda é cedo para chegar a esse tipo de conclusão. De qualquer maneira esse filme é um dos obrigatórios dessa semana, não apenas pelo tema vintage, mas também pelos nomes envolvidos.

Outro lançamento comercial da semana com potencial de gerar bastante bilheteria é "John Wick - Um Novo Dia Para Matar", filme de ação estrelado por Keanu Reeves e Laurence Fishburne. Vou logo adiantando que não gostei do primeiro filme (essa é a sequência), uma vez que esses filmes seguem uma linha bem exagerada mesmo, não é apenas um filme de ação como tantos outros. É ação impossível que beira o nonsense. Até o poster promocional vai por essa linha, com centenas de armas apontadas para a cabeça de Reeves! Pelo visto hoje em dia o que não for exagerado ao extremo corre o risco de ser ignorado pelo público jovem nos cinemas. Sinal dos tempos.

Para quem gosta de filmes mais alternativos, do gênero drama, indico "Lion - Uma Jornada Para Casa", a história de um garoto indiano que se perde dos pais. No elenco o grande chamariz é a estrela Nicole Kidman. O que será que deu nela para atuar em filmes como esse, tão fora da rota do cinemão americano? Já no documentário "Eu Não Sou Seu Negro", o ator Samuel L. Jackson narra a odisseia que o livro "Remember This House" percorreu desde que foi escrito. Tendo como tema as mortes de líderes do movimento negro americano, esse manuscrito ficou anos perdido, sendo reencontrado apenas após várias décadas. Um filme, digamos, curioso. Só será exibido em poucas salas pelo Brasil. Especialmente indicado para quem estiver em busca de um cinema de causa, ativista, principalmente em relação às minorias.

E para fechar a semana aqui vão algumas dicas de filmes para os admiradores de cinema cult em geral: "A Cura", produção alemã, que mostra um executivo em tratamento com águas milagrosas nos Alpes suícos; "Um Homem Chamado Ove" sobre um aposentado dinamarquês mau humorado que vê seus dias passando de forma lenta e entediante; "Eu, Olga Hepnarová", drama polonês e tcheco sobre a vida de uma homossexual reprimida por sua sociedade e finalmente a animação de arte "A Tartaruga Vermelha", sobre um homem naufragado e uma incomum visitante da natureza que vem para lhe ajudar. Bucólico e ecológico, uma graça de filme. Vale o ingresso.

Pablo Aluísio.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Até o Último Homem

Título no Brasil: Até o Último Homem
Título Original: Hacksaw Ridge
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos, Austrália
Estúdio: Icon Productions
Direção: Mel Gibson
Roteiro: Robert Schenkkan, Andrew Knight
Elenco: Andrew Garfield, Hugo Weaving, Vince Vaughn, Sam Worthington
  
Sinopse:
O filme conta a história real do soldado Desmond Doss (Andrew Garfield). Ele é um jovem adventista do sétimo dia que se alista no exército americano durante a Segunda Grande Guerra Mundial. Alegando objeção de consciência (de natureza religiosa), ele acaba se dispondo a ajudar os companheiros no campo de batalha, trabalhando como assistente médico, porém se recusa a pegar em armas para matar o inimigo. Inicialmente sua postura lhe traz muitos problemas, inclusive quase o levando à corte marcial, porém uma vez no front ele acaba se destacando por causa de sua bravura e coragem.

Filme indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Filme, Melhor Ator (Andrew Garfield), Melhor Direção (Mel Gibson), Melhor Edição (John Gilbert), Melhor Mixagem de Som (Kevin O'Connell e Andy Wright) e Melhor Edição de Som (Robert Mackenzie e Andy Wright). Também indicado ao Globo de Ouro nas categorias de Melhor Filme - Drama, Melhor Ator (Andrew Garfield) e Melhor Direção - Drama (Mel Gibson). Filme vencedor do BAFTA Awards na categoria de Melhor Edição (John Gilbert).

Comentários:
"Hacksaw Ridge" parece ser o filme da redenção da carreira de Mel Gibson. Após anos de brigas e desavenças em Hollywood ele retorno ao topo, com um filme que é sucesso de bilheteria e crítica. Além disso conseguiu uma grande leva de indicações ao Oscar, mostrando que seu prestígio na Academia está de volta. De fato Gibson, que nunca foi bobo, acertou no alvo ao escolher a história certa para filmar. O que temos aqui é um dos capítulos mais curiosos e desconhecidos da guerra, a história de um pracinha que se recusava a lutar por causa de suas convicções religiosas. Nascido no interior dos Estados Unidos, ele se via obrigado por questões morais e patrióticas a ir para a guerra, mas uma vez no exército não admitia a possibilidade de matar o inimigo no campo de batalha. Acabou sendo enviado para uma das maiores carnificinas da guerra, na ilha de Okinawa, a porta de entrada para a invasão do Japão. Esse filme tem dois aspectos que merecem a atenção do espectador. Ele é basicamente dividido em dois atos. No primeiro somos apresentados à história pessoal de Desmond Doss antes dele seguir para a guerra, mostrando detalhes de sua vida pessoal, quando era apenas um civil. Nesse ato vemos um momento crucial na sua infância que o levou a se tornar uma pessoa bem religiosa, os problemas de relacionamento com seu pai (um homem corroído pela bebida e pelo fracasso) e o grande amor de sua vida, uma enfermeira do hospital de sua cidade.

No segundo ato, Doss finalmente entra para o exército. Sob o treinamento de um sargento durão chamado Howell (em boa interpretação de  Vince Vaughn), ele tenta sobreviver aos desafios do campo de combate. A primeira parte do filme achei bem mediana, um tanto plastificada, principalmente pelos excessos de "bondadismo" (a síndrome do bonzinho) do protagonista. Ele não parece ser uma pessoa real (embora tenha existido de fato, como bem demonstrado nas cenas finais, onde há uma breve entrevista com ele). O grande mérito dessa produção vem no segundo ato, no campo de guerra, na dureza da batalha. Como diretor, Mel Gibson conseguiu produzir tomadas excelentes, cenas tão boas de combate assim não tinha visto desde "O Resgate do Soldado Ryan"! Não é à toa que o filme tem sido considerado um dos mais bem editados do ano, pois certamente a luta entre japoneses e americanos nas areias vulcânicas de Okinawa valem por todo o filme! Mesmo sob intenso bombardeio dos navios americanos, os soldados japoneses conseguiam sobreviver, por contar com uma extensa rede de túneis subterrâneos por toda a ilha. Tudo muito bem demonstrado em cena. Então é isso, certamente é um dos melhores filmes do ano, pois conta com excelente produção, direção e roteiro. Talvez fosse ainda melhor se Gibson tivesse investido ainda mais nas cenas de luta, mas do jeito que está passa longe de ser decepcionante. É sim um dos melhores trabalhos assinados por Gibson. Um dos filmes obrigatórios do próximo Oscar. Não deixe de assistir.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Max Steel

Título no Brasil: Max Steel
Título Original: Max Steel
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Mattel Entertainment
Direção: Stewart Hendler
Roteiro: Christopher Yost
Elenco: Ben Winchell, Andy Garcia, Josh Brener, Maria Bello
  
Sinopse:
Max McGrath (Ben Winchell) é um adolescente comum de sua idade. Ele mora sozinho com sua mãe, pois seu pai morreu anos atrás em uma explosão no centro de pesquisas onde trabalhava. Aos poucos Max vai percebendo que ele tem um estranho poder de dominar e manipular energias, principalmente envolvendo bizarros fluidos que emanam de suas mãos! Ao mesmo tempo em que vai descobrindo isso, ele começa a perceber que pessoas estão rondado sua vida, querendo colocar as mãos nele! Para Max tudo ainda fica mais confuso quando surge Steel, uma estranha criatura robótica que parece ter (ou não) as respostas para todas as suas perguntas!

Comentários:
Assim como aconteceu com os quadrinhos e os games, a indústria de brinquedos também está de olho no lucrativo mundo do cinema. Dessa maneira temos aqui a adaptação para as telas de uma popular linha de brinquedos chamado Max Steel. Esses bonecos foram lançados nos anos 90 e embora não sejam muito populares nos Estados Unidos, causaram sensação nos países latinos, em especial México, Brasil e Espanha. Com isso a fabricante Mattel resolveu criar um desenho animado em cima da sua linha de produtos e agora tudo chega ao cinema. Não é uma super produção (custou apenas 10 milhões de dólares, valor bem baixo em termos de produções de Hollywood), mas que conseguiu espaço no circuito comercial de cinemas (chegou a ser lançado recentemente no Brasil). É curioso porque o filme tenta realmente se levar à sério. O protagonista, um jovem em idade colegial, descobre que tem poderes envolvendo manipulação de energia, provavelmente herdados de seu pai (um alienígena!). Como é o primeiro filme (será que virão outros?) o roteiro perde um bom tempo tentando apresentar ao espectador o seu personagem principal. Não funciona muito. Há um robozinho assistente de Max, chamado Steel, que tem a personalidade parecida com a do C3PO de "Star Wars". Aquele mesmo jeitão meio idiota. Embora seja bem feito em termos de efeitos especiais, não ajuda muito no final das contas. O filme piora quando finalmente Max descobre que terá que enfrentar o vilão, um sujeito que ele pensava ser apenas amigo de longa data de seu pai. Esse antagonista é interpretado, sem muita convicção, pelo bom ator Andy Garcia. Na cena final porém a tentativa de se levar muito à sério como filme de ficção vem abaixo, principalmente quando ficamos com aquela sensação de estar assistindo a algum episódio da série "Power Rangers"!. Assim não vejo mesmo muito futuro em Max Steel no cinema. O lugar dele parece mesmo ser nas prateleiras das lojas de brinquedos. É melhor ficar por lá mesmo!

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Cães Selvagens

Esse é um filme sobre um grupo de bandidos que após saírem da prisão voltam ao mundo do crime. Até aí nada de muito diferente de várias outras produções com enredos semelhantes. O diferencial vem mesmo da abordagem que o veterano cineasta Paul Schrader usa para contar sua história. Nada é muito convencional nesse aspecto. Com roteiro baseado no conto policial escrito por Edward Bunker, o filme tem um viés que beira o nonsense e o absurdo, causando óbvio desconforto no espectador.

Um exemplo disso vem logo na primeira cena. Willem Dafoe interpreta um ex-presidiário que depois de cumprir uma longa pena na prisão ganha a liberdade. Ele vive (ou melhor dizendo, explora) uma mulher, uma mãe solteira com problemas de obesidade. Ele vive em sua casa, cheirando cocaína, ficando o tempo todo doidão. Quando ela não suporta mais essa situação o expulsa de lá, mas isso logo se mostra uma péssima ideia. O sujeito surta completamente e comete um crime horrível. Essa cena, extremamente violenta, foi filmada com fundo musical lúdico, infantiloide, meio bobo, que dá uma sensação de óbvio desconforto em quem assiste. É uma espécie de opereta do absurdo, da violência gratuita!
 
Paul Schrader porém não desiste. Logo o trio de criminosos em busca de "serviços" vê uma boa chance no horizonte. Por 700 mil dólares eles topam fazer um sequestro, envolvendo um bebê! Lógico que algo assim tão hediondo poderia colocar tudo a perder e conforme vamos acompanhando o crime realmente se torna uma armadilha mortal. É tudo mostrado com toques de insanidade, de puro delírio. O ator Willem Dafoe, que sempre considerei um dos melhores de sua geração, é um dos grandes destaques do filme em termos de atuação, justamente pelo fato de seu personagem ser o mais insano de todos, devidamente conhecido pelo apelido de "cachorro louco"! Claro que a grande estrela do elenco Nicolas Cage está lá, mas diante de Dafoe ele desaparece completamente!

A cena final é puro delírio. Paul Schrader saturou a tela com cores fortes e envolveu tudo em uma neblina quase sobrenatural, com resultados muito bons. Admito que não esperava por algo assim tão diferente. Paul Schrader parece ter tido o firme propósito de dirigir o filme mais sui generis de sua longa e extensa filmografia. Acabou atingindo seus objetivos.

Cães Selvagens (Dog Eat Dog, Estados Unidos, 2016) Direção: Paul Schrader / Roteiro:  Matthew Wilder, baseado na obra de Edward Bunker / Elenco: Nicolas Cage, Willem Dafoe, Christopher Matthew Cook / Sinopse: Três condenados ganham a liberdade após cumprirem suas penas. De volta às ruas eles retornam para as atividades criminosas, trabalhando para um chefão mafioso conhecido como "El Greggo". Após alguns serviços eles aceitam participar de um crime hediondo, o sequestro de um bebê, filho de um ricaço da cidade.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

O Vingador do Futuro (2012)

Esse filme já foi lançado há algum tempo, mas até agora nunca tinha assistido. Ontem acabei conferindo. O que me levou a vê-lo foi o fato de que esse roteiro foi adaptado do livro "We Can Remember It for You Wholesale" de Philip K. Dick. Já havia sido filmado antes com Arnold Schwarzenegger em 1990. Assim esse novo é um remake, dessa vez estrelado por Colin Farrell e dirigido por Len Wiseman.

Bom, como se trata de uma ficção era realmente de se esperar que novos efeitos especiais, bem mais avançados, se tornassem um dos grandes atrativos da produção. E realmente eles são excelentes. O interessante é que a colônia onde mora o protagonista, um operário chamado Douglas Quaid, me fez lembrar até mesmo das favelas do Rio de Janeiro. É bem nítido que essa foi a intenção dos responsáveis pelo design do filme. Claro, é uma favela high tech, porém ainda uma favela.

Nesse mundo onde Quaid vive só existem dois países restantes: um representando a Inglaterra, como a Metrópole, e outra a colônia, Austrália. Todos os dias Quaid e outros trabalhadores literalmente atravessam o planeta para ir trabalhar em uma Londres suja, escura e pós-apocalíptica. E como toda relação envolvendo colonialismo há uma clara tensão entre os dois polos, um de exploração e o outro de exaustão. É um mundo controlado por um regime autoritário que é combatido por rebeldes. Quaid pensa ser apenas um trabalhador comum, mas ele está enganado. Ao fazer uma visita a uma empresa chamada Total Recall ele acaba descobrindo que sua memória fora apagada e que ele na realidade é um agente federal infiltrado entre os rebeldes.

A partir desse ponto o filme não para um só segundo, com ação desenfreada. Esse aliás é um dos pontos que achei mais negativo desse remake. Com tantas boas ideias de Dick a se explorar tudo acaba se resumindo em confrontos violentos entre o regime e a rebelião. Os soldados inclusive em lembraram das tropas imperiais de "Star Wars". É um confronto atrás do outro, sem pausa. Embora com ótima produção e muitos efeitos digitais de última geração esse novo "Vingador do Futuro" é meio decepcionante justamente pela insistência de ganhar o espectador apenas pela violência e ação. Faltou sutileza e paciência para explorar o mundo imaginado por esse excelente autor de ficção científica. 

O Vingador do Futuro (Total Recall, Estados Unidos, 2012) Direção: Len Wiseman / Roteiro: Kurt Wimmer, Mark Bomback / Elenco: Colin Farrell, Bryan Cranston, Kate Beckinsale, Jessica Biel / Sinopse: Homem comum, operário da Metropóle, descobre que sua vida é uma grande mentira, pois na verdade ele é um agente duplo infiltrado entre rebeldes para destruir os opositores de um regime ditadorial do futuro. Filme premiado pela Alliance of Women Film Journalists.

Pablo Aluísio.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Cinema: Estreias da Semana (09/02 a 15/02)

Essa semana não vai ser muito fácil ir ao cinema em busca de filmes diversificados, isso porque está chegando nas telas, em lançamento mundial, o filme "Cinquenta Tons Mais Escuros", a tão aguardada sequência de "Cinquenta Tons de Cinza". É a tal coisa, tanto o filme como o livro sempre foram muito criticados, mas o público (em especial o feminino) nunca pareceu se importar muito com isso. Diante dessa situação prevejo outro grande sucesso de bilheteria. O interessante é que apesar do primeiro filme ter sido um sucesso o estúdio resolveu trocar a direção. Saiu Sam Taylor-Johnson do primeiro filme e entrou James Foley. O elenco porém segue com seus dois protagonistas interpretados pela mesma dupla de atores, Dakota Johnson e Jamie Dornan. E se você anda aborrecido com essas adaptações dos livros de E.L. James é bom ir se preparando pois o estúdio aproveitou a estreia mundial desse segundo filme já para anunciar a terceira produção, "Cinquenta Tons de Liberdade" a ser lançada em 2018.

O outro filme a ocupar muitas salas será a animação "LEGO Batman: O Filme". Eu fico até surpreso desses filmes da LEGO conseguirem tanto espaço no circuito comercial. Isso porque nunca consegui visualizar uma linha de separação muito clara entre o filme como produto cinematográfico e a pura propaganda de uma franquia de brinquedos! Já tinha conhecimento de filmes anteriores da LEGO explorando o universo Star Wars, etc, mas essa sociedade com a DC Comics me parece bem estranha (e oportunista).

Já para quem quiser fugir do arrasador marketing do novo filme de E.L. James e dos brinquedos da LEGO, fica a sugestão do filme alemão "Toni Erdmann". O roteiro se propõe a ser um drama com muitas doses de humor mostrando uma filha tendo que lidar com um pai bem fora dos padrões. É bom para conhecer melhor o cinema germânico - austríaco da atualidade. Só não espere que o filme seja exibido em muitas salas. Outra dica para quem gosta de cinema europeu é o drama romântico francês "Marguerite & Julien: Um Amor Proibido". Devo dizer porém que o tema do roteiro é bem polêmico - enervante para alguns - pois se trata do amor incestuoso que nasce entre dois irmãos! Não me recordo de ter visto nada parecido vindo da filmografia francesa.

Voltando para as produções americanas outro filme que chega nas telas hoje é "Vale da Luta". É um filme de lutas, estrelado por mulheres! Uma jovem se envolve no submundo das lutas clandestinas e acaba sendo espancada numa floresta distante. Ela é dada como morta, mas sua irmã resolve investigar o que teria acontecido. O elenco é liderado por Susie Celek e Chelsea Durkalec. E para finalizar vamos falar dos filmes nacionais que chegam nas telas hoje. No drama "Redemoinho" de José Luiz Villamarim, temos dois amigos que se reencontram após muitos anos. No interior de Minas Gerais eles começam a relembrar fatos do passado de suas vidas. Em "A Cidade onde Envelheço" da cineasta Marília Rocha, acompanhamos a luta de duas portuguesas que se mudam para o Brasil, enfrentando toda a barra de se viver agora em um outro país, um outro continente.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Não Bata Duas Vezes

"Não Bata Duas Vezes" ("na porta", deveriam acrescentar ao título nacional) é mais um filme de terror B britânico que decepciona. Curiosamente alguns filmes sobre bruxas estão sendo lançados ultimamente, todos tentando pegar carona nos sucessos de "A Bruxa de Blair" e "A Bruxa". Esse aqui é dos mais fracos. Basicamente temos o enredo de uma velha senhora que vivia por muitos anos solitária em sua casa. Como é de praxe nesse tipo de situação ela logo começou a ganhar fama de bruxa entre os jovens das redondezas.

Pois bem, quando um garoto desaparece, os seus amigos acusam a velha senhora de ter sequestrado o menino. A pressão se torna muito grande sobre ela e então tudo acaba em tragédia, no meio das chamas,  com sua casa pegando fogo e ela se suicidando. As lendas urbanas porém continuam. Agora todos acreditam que batendo duas vezes na velha porta da casa queimada a bruxa voltaria para perturbar aqueles que ousaram bater em sua porta.

Para não ficar tudo muito vazio os roteiristas criaram duas protagonistas, mãe e filha, que tentam se reconciliar após a mãe tê-la abandonada por anos. E ela acaba atraindo a maldição da bruxa ao bater duas vezes em sua porta, criando todos os tipos de eventos sobrenaturais. A produção não é ruim, pelo contrário, os efeitos digitais e o design da bruxa até que são bem realizados. O problema é que o roteiro não tem muito a oferecer. O suspense não é devidamente aproveitado, resultando em uma sucessão de cenas gratuitas que não colocam medo em ninguém. Provavelmente não será lançado nem nos cinemas brasileiros. Filmes como esse só costumam circular mesmo entre os fãs mais hardcore do gênero. No mais, é descartável realmente.

Não Bata Duas Vezes (Don't Knock Twice, Inglaterra, 2016) Direção: Caradog W. James / Roteiro: Mark Huckerby, Nick Ostler / Elenco: Katee Sackhoff, Lucy Boynton, Javier Botet / Sinopse: Jovem garota desperta a ira de uma bruxa após bater nos restos calcinados da porta de sua casa. Voltando do inferno ela agora quer levar a garota para os porões das fossas infernais, mas para isso precisará enfrentar a mãe da jovem que está disposta a enfrentá-la frente a frente.

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Estrelas Além do Tempo

Esse filme resgata a história pouco conhecida de três mulheres negras que trabalharam na Agência Espacial Americana (NASA) durante a década de 1960. Como era de se esperar naqueles tempos de segregação racial, elas passaram por inúmeras dificuldades para serem reconhecidas. Muitas vezes confundidas com faxineiras ou empregadas que serviam o cafezinho, na verdade eram mulheres inteligentes, formadas em matemática, que realizavam cálculos para os lançamentos dos foguetes do programa espacial.

O filme procura mostrar a vida delas, inclusive as dificuldades que tiveram que superar para estudar. Uma delas deseja entrar na melhor universidade de sua cidade, mas ela era exclusiva para brancos. O roteiro mostra como era a vida de uma mulher negra naquela época, inclusive explorando os pequenos detalhes do cotidiano que mostravam todo o preconceito racial que existia, como por exemplo, bebedouros, banheiros e assentos em ônibus apenas para negros, tudo separado dos brancos, naquela situação jurídica que perdurou por anos nos Estados Unidos. Um aspecto curioso é que isso não era amenizado nem dentro da própria NASA, onde supostamente só trabalhavam pessoas com alto QI.

Agora falemos um pouco sobre o filme em si. O elenco é dos melhores, contando não apenas com o trio principal (interpretado pelas talentosas atrizes Octavia Spencer, Janelle Monáe e Taraji P. Henson) como também com atores conhecidos como Kevin Costner. Ele interpreta o diretor da agência no setor de cálculos e lançamentos. Um sujeito estressado que precisa lidar com o fato de que os russos estavam ganhando a corrida espacial naquele momento histórico. Enquanto os soviéticos colocavam o primeiro homem no espaço (o cosmonauta Iuri Gagarin), os americanos mal conseguiam sair do chão com seus foguetes desengonçados.

De forma em geral há dois aspectos que precisam ser criticados nesse filme. O primeiro é que a edição não é muito eficiente, resultando em uma duração excessiva, com problemas de ritmo, fazendo com que o filme fique um pouco monótono em certos momentos. Outros aspecto que depõe um pouco contra o roteiro é que ele, em muitas ocasiões, é excessivamente maniqueísta. Obviamente deve-se reconhecer a importância dessas mulheres negras, mas sem exageros. Há momentos em que o roteiro quer provar que elas, praticamente sozinhas, foram as responsáveis pelo lançamento dos foguetes. Não precisava exagerar tanto na dose. Mesmo assim, com esses probleminhas, ainda é um filme a se conferir, principalmente para conhecer mais a fundo a história dessas pioneiras desconhecidas do programa espacial.

Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures, Estados Unidos, 2016) Direção: Theodore Melfi / Roteiro: Allison Schroeder, Theodore Melfi / Elenco: Kevin Costner, Octavia Spencer, Kirsten Dunst, Jim Parsons, Janelle Monáe, Taraji P. Henson / Sinopse: Três mulheres negras norte-americanas precisam enfrentar todas as dificuldades para se tornarem bem sucedidas na NASA. Filme indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Filme, Melhor Atriz (Octavia Spencer) e Melhor Roteiro Adaptado (Allison Schroeder e Theodore Melfi).

Pablo Aluísio.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Jackie

Título no Brasil: Jackie
Título Original: Jackie
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Fox Searchlight Pictures
Direção: Pablo Larraín
Roteiro: Noah Oppenheim
Elenco: Natalie Portman, Peter Sarsgaard, John Hurt, Billy Crudup
  
Sinopse:
Filme baseado em fatos reais. Anos após o assassinato de seu marido, a ex-primeira dama Jackie Kennedy (Natalie Portman) aceita receber a visita de um jornalista para uma entrevista. Ela aceita dar uma entrevista em sua própria casa, em Massachusetts. Enquanto suas lembranças vão se atropelando em sua memória ela vai recordando momentos bons e trágicos de sua vida, como a vida na Casa Branca, as aparições públicas na TV, os grandes bailes e, é claro, o dia trágico em que seu marido, o presidente JFK, foi morto em Dallas durante uma parada em carro aberto pelas ruas da cidade. Filme indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Atriz (Natalie Portman), Melhor Figurino (Madeline Fontaine) e Melhor Música (Mica Levi). Também indicado ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Atriz - Drama (Natalie Portman).

Comentários:
"Jackie" é um filme sobre o luto. Explico. Inicialmente o roteiro mostra Jackie recebendo um jornalista em sua casa. Ela não tem a menor intenção de falar do dia da morte de seu marido JFK. Ela sabe que o jornalista está mesmo em busca dessa informação. Porém antes de qualquer coisa ela procura ter o controle sobre tudo o que será dito e publicado. Aquela seria uma das primeiras entrevistas dela para a imprensa e por isso Jackie Kennedy, que também era uma jornalista de profissão, procura manter tudo sob o seu estrito controle. Só que nem tudo sai como planejado e ela, tomada pela emoção, acaba falando e revelando memórias do dia em que JFK foi assassinado em Dallas. Assim o filme apresenta uma linha narrativa principal - com Jackie e o jornalista em sua casa - e vários flashbacks representando tudo o que ela estava relembrando naquele momento. O interessante é que o roteiro não parece muito disposto a desenvolver outros aspectos que não sejam o sensacionalismo do assassinato, das primeiras reações após a morte do presidente e dos preparativos do funeral. Tanto isso é verdade que há uma cena que até achei de mau gosto quando a cabeça de John literalmente explode após levar o tiro certeiro dado pelo assassino Lee Oswald. Achei desnecessário, explícita demais e um tanto desrespeitosa à memória do presidente. Depois do tiro fatal acompanhamos tudo o que aconteceu depois, com Jackie desnorteada, em estado de choque, sem saber mesmo o que fazer (o que era naturalmente muito compreensível).

Há também uma certa dose de frivolidade na primeira dama quando ela começa a exigir um funeral como o que foi feito para a morte do presidente Lincoln. Aliás é bom que se diga que apesar dos elogios da crítica em geral, não consegui apreciar muito a interpretação da atriz Natalie Portman nesse filme. Achei até que ela soa muito forçada em determinados momentos. Um exemplo disso acontece nas cenas em que Portman interpreta Jackie durante um programa para a TV onde se procurava mostrar o interior da Casa Branca para o povo americano. Ela fala de modo estranho, nada natural, em uma caracterização que pouco lembra a primeira dama, que sempre foi conhecida por ter uma personalidade forte e segura de si mesma. Assim o que temos no final é um longo filme de luto, mostrando basicamente os momentos que antecederam o enterro de JFK. Claro que do ponto de vista de detalhes históricos tudo é mais do que interessante. Ficamos sabendo até mesmo que Jackie se envolveu na escolha do lugar de sepultamento do presidente, dos preparativos do desfile fúnebre, com direito a um cavalo não montado representando a ausência do presidente (apesar dele nunca ter tido um em vida, como bem salienta um dos personagens) e por fim um longo diálogo que ela trava com um padre (interpretado pelo sempre excelente John Hurt, recentemente falecido). É uma ode à dor, ao luto e a um dos momentos mais impactantes da história dos Estados Unidos, tudo visto sob o estrito ponto de vista de Jackie. Se você aprecia esse tipo de espetáculo, digamos, mórbido, certamente vai gostar. De minha parte esperava mesmo por algo mais abrangente sobre a vida da protagonista.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

10 Curiosidades Sobre O Chamado 3

10 Curiosidades Sobre O Chamado 3

1. O filme custou 33 milhões de dólares - um valor até acima da média para filmes de terror em geral. Grande parte desse orçamento milionário foi gasto em efeitos especiais e marketing. O resultado comercial nas bilheterias até o momento tem sido considerado bom.

2. A principal personagem da franquia "O Chamado" é a garota Samara Morgan. A atriz Bonnie Morgan a interpreta nessa terceira parte, substituindo Kelly Stables da parte 2 e Doona Bae do filme original. Curiosamente a primeira atriz a interpretar Samara foi uma japonesa,  Ayane Miura, no filme que deu origem a tudo em 1995.

3. Esse novo filme foi dirigido pelo espanhol F. Javier Gutiérrez. Ele é praticamente um novato no cinema, tendo dirigido anteriormente apenas o filme Três dias. É a sua primeira experiência no gênero terror.

4. Inicialmente o filme deveria ter chegado nas telas em novembro do ano passado, mas seu lançamento foi adiado porque os executivos do estúdio não ficaram satisfeitos com algumas cenas, principalmente em relação ao visual de Samara. Um novo especialista em maquiagem e figurinos, Arjen Tuiten, também foi contratado para melhorar (ou piorar, dependendo do ponto de vista) o visual da protagonista.

5. A atriz Naomi Watts foi convidada para retornar a essa terceira sequência, mas declinou do convite. Ela alegou que O Chamado não lhe interessava mais. Era parte do passado.

6. Os dois filmes anteriores ficaram bem conhecidos por causa da imagem assustadora de Samara. Seu visual foi criado pelo multi oscarizado Rick Baker. Ele também iria trabalhar nessa terceira continuação, mas resolveu se aposentar em meados do ano passado. Foi uma perda bem sentida para a equipe técnica do filme.

7. O Chamado 3 não tem sido bem recebido pela crítica em geral. Muitos estão reclamando do roteiro mal escrito, repetitivo e sem novas ideias.

8. O roteiro foi reescrito várias vezes, por uma equipe formada por cinco roteiristas, incluindo o mesmo grupo que escreveu os roteiros de filmes como "A Última Casa da Rua" e "A Casa dos Sonhos". Nada disso porém surtiu efeitos muito positivos.

9. A franquia "O Chamado" é toda baseada em um livro de terror escrito por Kôji Suzuki. A primeira adaptação para as telas aconteceu em meados dos anos 90.

10. Kôji Suzuki é um mestre da literatura de horror. Outros livros seus também viraram filmes de sucesso como "Água Negra" e "A Invocação". Sobre o fato de se dedicar a livros sobre o sobrenatural o escritor japonês explicou: "A mente humana é um lugar sombrio. Em meus livros procuro conhecer esse labirinto de escuridão".

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Cinema: Estreias da Semana (02/02 a 09/02)

Cinema: Estreias da Semana (02/02 a 09/02)
Uma boa semana de estreias nos cinemas. Comercialmente falando o grande destaque vai para O Chamado 3. A garota Samara está de volta, novamente saindo do poço para infernizar a vida de suas vítimas. Embora seja considerado um cult entre os fãs de terror eu nunca gostei muito da franquia O Chamado. É visualmente bem feita, com ótimos efeitos especiais e edição, mas em termos de roteiro fica sempre girando em torno de um mesmo ponto. De qualquer maneira prevejo boa bilheteria pela força da marca. Já para quem estiver em busca de um bom filme realmente, com roteiro acima da média e elenco de primeira linha fica a dica de A Qualquer Custo. Eu já escrevi sobre esse filme aqui no blog. Com um trio de excelentes atores (Chris Pine, Ben Foster e Jeff Bridges) esse é uma espécie de western moderno que vale mais do que a pena. Não deixe de assistir.

Jackie revive o mito da primeira dama dos Estados Unidos Jackie Kennedy. Eu costumo dizer que os americanos sempre tiveram uma posição muito boba em relação aos seus presidentes. É muito ufanismo junto para ser levado à sério. O roteiro desse filme também vai pelo mesmo caminho, glamorizando demais a primeira-dama, colocando panos quentes em determinados aspectos históricos negativos, tudo para manter o mito em pé. O grande mérito para levar o cinéfilo aos cinemas é realmente a atuação da atriz Natalie Portman que realmente vale todo o esforço. Ela foi muito elogiada lá fora por seu trabalho. E para não sair do clima dos anos 60 temos ainda o documentário musical The Beatles: Eight Days a Week. Quem me acompanha na internet sabe como eu gosto dos Beatles, seus discos, músicas e história. Ainda não tive a oportunidade de conferir mais essa produção, porém é um dos que irei assistir em breve. Ao que tudo indica é mais um filme imperdível, a ser assistido nos cinemas.

Além desses há mais dois filmes que merecem indicação e que estão estreando hoje nos cinemas brasileiros. Um deles é Estrelas Além do Tempo de Theodore Melfi.  O enredo se passa nos anos 60 (de novo?) e mostra um grupo de funcionárias negras da NASA que viviam naquele momento bastante segregadas em plena ebulição da luta pelos direitos civis. O contraste nasce do fato da NASA ser supostamente um órgão onde trabalhavam pessoas de alto QI, o que porém não significava mudança no comportamento delas em relação às pessoas negras. Outro filme de teor ideológico é Armas na Mesa sobre uma lobista da indústria de armas (interpretada pela atriz Jessica Chastain) que decide mudar de lado, apoiando a causa contrária, que revogaria o direito de todo americano portar suas próprias armas de fogo! Os republicanos certamente não gostaram...

Por fim aqui vão mais alguns filmes que estão chegando nas telas de cinemas. Para quem gosta de cinema nacional estreia a comédia TOC - Transtornada Obsessiva Compulsiva com a atriz Tatá Werneck que interpreta uma estrela de sucesso que tem TOC! Será que fazer piada de algo assim é aceitável? Esse é o tipo de filme que eu pessoalmente não teria vontade de assistir, por pura falta de qualidade mesmo. Melhor procurar por algo mais intelectualmente relevante como os filmes cult que também estão chegando nos cinemas, em salas mais voltadas para a arte, como por exemplo os dramas A Espera (com Juliette Binoche), Clarisse ou Alguma Coisa Sobre Nós Dois (sobre o conturbado relacionamento entre pai e filha) e Quase 18 (sobre os problemas da adolescência).

Pablo Aluísio.

Sozinho em Berlim

Título no Brasil: Sozinho em Berlim
Título Original: Alone in Berlin
Ano de Produção: 2016
País: Inglaterra, França, Alemanha
Estúdio: IFC Films
Direção: Vincent Perez
Roteiro: Achim von Borries, Vincent Perez
Elenco: Emma Thompson, Daniel Brühl, Brendan Gleeson, Mikael Persbrandt
  
Sinopse:
Baseado numa história real o filme conta o que aconteceu com o casal alemão Quangel em Berlim durante a II Guerra Mundial. No campo de batalha morre o único filho de     
Otto (Brendan Gleeson) e Anna Quangel (Emma Thompson). Eles ficam devastados quando recebem a notícia. E o mais doloroso de tudo é saber que o jovem morreu por causa de uma ideologia mentirosa e falsa, que estava enganando todo o povo da Alemanha. Como eles poderiam resistir ao Nazismo naquele momento tão conturbado? Eles resolvem então espalhar por toda a cidade cartões com mensagens contra o regime. Uma oposição feita nas sombras e com coragem.

Comentários:
Esse filme foi indicado ao Urso de Ouro no último Berlin International Film Festival. É uma história muito interessante, mas pouco conhecida, de um casal que procurou resistir ao Nazismo dentro da própria Alemanha, diante de um dos regimes mais duros e opressivos que já se conheceu. Após o filho morrer servindo ao III Reich, marido e esposa resolvem distribuir cartões de oposição ao Nazismo pelas ruas, prédios e casas. Tudo feito de maneira sutil e nas sombras. Não havia imprensa livre e era impossível criticar os absurdos do regime de Hitler. Qualquer manifestação contrária ao seu regime era considerado um crime de alta traição punido com a morte. Assim Otto e sua mulher Anna fazem o que era possível diante daquele sistema. Eles escrevem pequenos cartões com mensagens contra Hitler e o Nazismo. Depois os distribuíam em lugares públicos, sem que ninguém os vissem. Os cartões obviamente logo chegaram nas mãos das autoridades e assim começa imediatamente uma verdadeira caça aos subversivos ao pensamento nazista. O filme se desenrola durante esse período. Otto, um trabalhador comum, um homem do povo, lutando com as armas que tinha em mãos contra a dominação brutal de Hitler e seus seguidores. Essa história tem nuances bem importantes, que mostra nitidamente a importância de certos valores democráticos como a livre imprensa, o direito de opinião e a necessária existência de uma oposição política. Nada disso existia durante o regime nazista alemão, demonstrando o quanto pode ser desastroso um sistema onde não existem barreiras democráticas para barrar os abusos e ilegalidades dos que estão no poder. Outro aspecto interessante é desvendar como mesmo dentro das entranhas do poder nazista havia arbitrariedades, como no caso mostrado no filme de um investigador policial inteligente e profissional que era completamente subjugado pelos violentos membros da famigerada SS. A estupidez se impondo pela força contra a inteligência e a racionalidade dedutiva do trabalho de investigação. Outro ponto importante desse filme é demonstrar que havia sim um pensamento de oposição dentro da própria sociedade alemã, mesmo que ele fosse violentamente suprimido pela truculência nazista. Em suma, um bom filme que resgata mais uma história de coragem durante a Guerra. Uma história aliás que deveria ser bem mais conhecida nos dias de hoje.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Cinema: Estreias da Semana

Cinema: Estreias da Semana
Vamos dar uma conferida na lista dos filmes que estão estreando hoje nos cinemas brasileiros. O maior lançamento comercial da semana em termos de salas ocupadas é "Resident Evil 6 - O Capítulo Final". De maneira em geral é mais do mesmo. Os roteiros seguem bem parecidos mesmo, com as mesmas aventuras de Alice (Milla Jovovich) tentando sobreviver ao apocalipse zumbi controlado por uma grande e inescrupulosa empresa. Confesso que nunca gostei de Resident Evil. No máximo meu interesse se limita aos bons efeitos visuais que vão se sofisticando a cada novo filme. Fora isso acho tudo bem enfadonho e repetitivo. "Max Steel" também vai pela mesma linha, um filme pipoca pop sem muito conteúdo. Indicado apenas para o público adolescente.

Para um público mais adulto recomendo o drama de guerra "Até o Último Homem", filme dirigido por Mel Gibson, que parece ter feito as pazes com a indústria cinematográfica em Hollywod. Aqui temos a curiosa história real de um médico que vai para a guerra, mas se recusa a usar armas para matar o inimigo. Ao invés disso ele usa sua profissão apenas para salvar vidas. Posso antecipar que é um bom filme, nada excepcional, mas que serve para trazer a II Guerra Mundial de volta aos cinemas. Com boas críticas nos Estados Unidos é desde já um dos filmes mais interessantes da temporada. Ainda na linha histórica ainda recomendo o francês "A Morte de Luís XIV" que como o título indica, mostra os últimos momentos do famoso monarca que passou para a história conhecido como o "Rei Sol" por causa da sua corte luxuosa e cheia de excessos de todos os tipos.

Outra boa opção é "Paraíso", produção russa dirigida pela mestre Andreï Konchalovsky. Esse é um drama existencial, também passado na II Guerra Mundial, mas com todos os aspectos mostrados sob o ponto de vista do povo russo que via sua nação sendo invadida por tropas nazistas do Eixo. Mostra a história de três personagens, de nacionalidades diferentes, que descobrem que seu mundo caiu com a chegada dos invasores. Outras duas opções completam o menu para um público mais sofisticado: "Nojoom, 10 anos, Divorciada" mostra a triste realidade de uma menina de dez anos que é dada em casamento por seu pai a um homem velho em um país de tradição muçulmana e "O Ídolo" que mostra as dificuldades de um jovem que tenta se tornar comediante em um Egito conturbado por problemas políticos.

Para quem gosta de Will Smith ele ressurge nas telas no drama "Beleza Oculta". Ele interpreta um homem depressivo marcado por uma grande tragédia que decide escrever cartas para a morte! Um bom roteiro marcado pela melancolia. Por fim, especialmente indicado para as crianças, está chegando nas telas duas fitas feitas para a garotada. "A Bailarina" é uma animação francesa sobre uma garotinha que não tem limites para seus sonhos e "Quatro Vidas de um Cachorro" sobre a amizade entre um cão e seu dono. Esse filme causou polêmica porque parte das filmagens vazaram na internet e muitos viram ali um claro caso de maus-tratos e crueldades em relação aos animais por parte dos realizadores do filme. Pegou tão mal que a bilheteria foi bem abaixo do esperado no mercado internacional. Um fracasso comercial.

Pablo Aluísio.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Negação

Título no Brasil: Negação
Título Original: Denial
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: BBC Films
Direção: Mick Jackson
Roteiro: David Hare
Elenco: Rachel Weisz, Tom Wilkinson, Timothy Spall, Andrew Scott
  
Sinopse:
David Irving (Timothy Spall) é um revisionista histórico que afirma em seus livros que o ditador alemão Adolf Hitler jamais teria autorizado o extermínio de judeus em campos de concentração durante a II Guerra Mundial. Ao ser chamado de nazista e racista por uma historiadora americana, a Dra Deborah Lipstadt (Rachel Weisz), ele acaba levando a questão para os tribunais ingleses, onde começa uma disputa sobre a questão histórica do holocausto judeu. Filme indicado ao BAFTA Awards na categoria de Melhor Filme Britânico.

Comentários:
Assim que tomei conhecimento do tema desse filme já soube de antemão que seria bom ou pelo menos muito interessante. A história é baseada em fatos reais e mostra a batalha jurídica que se trava entre uma professora e historiadora americana e um revisionista inglês. Como se sabe existem aqueles que negam o holocausto, assim como outros que afirmam que Hitler não autorizou a chamada solução final, o assassinato em massa do povo judeu. No tribunal ambas as partes discutem uma lide subjetiva, que envolve calúnia e difamação, porém logo a imprensa britânica lança a ideia de que o que realmente estaria em julgamento era a existência real ou não do próprio holocausto (o que do ponto de vista jurídico não era verdade). É um drama de tribunal com um excelente pano de fundo histórico. Baseado no próprio livro da Dra Deborah Lipstadt o filme vai desvendando a desonestidade intelectual de David Irving, um sujeito que começou estudando a biografia de Hitler até se apaixonar pelo biografado, se tornando assim um insuspeito admirador do Nacional Socialismo Alemão (mais conhecida como a ideologia nazista). Chamado de nazista e racista pela professora americana ele a leva aos tribunais, a processando por difamação e calúnia, cabendo agora a ela demonstrar perante o juiz que ele é sim aquilo que ela afirmou. É a chamada exceção da verdade. O filme também é interessante para estudantes e profissionais do Direito, uma vez que mostra detalhes do funcionamento do ordenamento jurídico inglês, suas nuances processuais e jurisprudenciais. Tudo muito instrutivo. A produção é igualmente e especialmente indicada para aqueles que apenas procuram por um bom filme que explore essa luta intelectual entre historiadores tradicionais e revisionistas sobre a questão do holocausto. Há provas históricas realmente consistentes? O que aconteceu de fato nos campos de concentração? Havia mesmo câmeras de gás em Auschwitz? Questões como essas são tratadas nesse excelente roteiro. Está muito bem recomendado. Não deixe de assistir.

Pablo Aluísio.

domingo, 22 de janeiro de 2017

Filmes da TV Aberta: Semana (22/01 a 27/01)

Temos uma semana interessante em relação ao filmes na TV aberta. Praticamente todo dia terá pelo menos um bom filme sendo exibido. Então vamos lá. No domingo será exibido Anjos da Vida - Mais Bravos que o Mar (2006). Esse é um filme que assisti no cinema e de que gostei, apesar de ser de uma fase mais decadente do ator Kevin Costner. Ao lado de Ashton Kutcher ele interpreta um veterano de equipes de resgate que precisa passar sua experiência para os mais jovens. Tem boas cenas de ação. Na madrugada desse mesmo dia outras duas fitas que vale a pena conferir: A Caça (2012) com o excelente Mads Mikkelsen e Vício Frenético (2010), um dos últimos filmes do Nicolas Cage de que realmente gostei. Com um bom elenco de apoio (Eva Mendes e Val Kilmer) o filme mostra um policial tendo que superar inúmeros problemas pessoais.

Na segunda, em plena Sessão da Tarde, será exibido Entrando Numa Fria Maior Ainda (2004), uma comédia horrível mostrando um grupo de atores veteranos decadentes (Robert de Niro, Dustin Hoffman e Barbra Streisand) tentando ganhar alguns trocados com o que restou de suas carreiras. Como são artistas talentosos o sentimento é de pura melancolia por eles terem que pagar esse mico! Pior é servir de coadjuvante para o obtuso e idiota (no mau sentido mesmo) Ben Stiller! Uma lástima. As coisas melhoram um pouco à noite pois Tela Quente exibirá Thor: O Mundo Sombrio (2013). Esse é indicado para quem gosta de adaptações de quadrinhos para o cinema. Os cinéfilos também não terão do que reclamar já que o elenco é bom, contando com Anthony Hopkins e Natalie Portman. Bom, é um trabalho para se viver.

Durante a semana, a terça será o menos interessante dos dias. Apenas a aventura juvenil As Crônicas de Spiderwick (2008) chama um pouco a atenção. É um filme fraco, mas tem o Nick Nolte no elenco pelo menos. Na quarta teremos a exibição de dois filmes que valem a espiada. O primeiro é Contagem Regressiva (2013) com Paul Walker. Sem favor algum, esse é um dos melhores trabalhos dele, que infelizmente segue pouco conhecido. No filme ele interpreta um pai que precisa proteger seu filho recém-nascido, prematuro, durante a chegada do terrível furacão Katrina. Ele fica praticamente sozinho no hospital, lutando pela vida do bebê. Muito bom! Recomendo. Nessa mesma madrugada será exibido Glória (1999). O filme é estrelado pela estrela Sharon Stone. Ela interpreta uma mulher condenada por um crime que não cometeu. Um filme dos anos 90 que andava há um bom tempo sumido. Boa oportunidade para conferir.

Na quinta outro filme dos anos 90: Risco Duplo (1999). O tema também é parecido com o anterior, lidando com prisões, traições e conspirações. No elenco um nome de peso: Tommy Lee Jones. E é justamente ele que surge no dia seguinte, de novo, com um filme na Sessão da Tarde: MIB - Homens de Preto 3 (2012). Muita gente considera essa franquia uma grande bobagem e de fato estão com a razão. Esse aliás é o grande atrativo dessa adaptação de uma revista em quadrinhos bem obscura e desconhecida. Por fim teremos o grande filme da semana sendo exibido na madrugada de sexta para sábado. Se trata de Cães de Aluguel do diretor Quentin Tarantino. Esse foi seu primeiro grande filme de repercussão, o que de fato deu origem a sua carreira cultuada. No enredo quatro criminosos são encurralados pela polícia e agora precisam descobrir qual deles teria sido o traidor. Um grande filme, valorizado pela violência estilizada que é a marca registrada do cineasta. No elenco só feras: Harvey Keitel, Tim Roth, Michael Madsen, Chris Penn e Steve Buscemi! Simplesmente imperdível.

Pablo Aluísio.