segunda-feira, 24 de abril de 2017

Ouro e Cobiça

Título no Brasil: Ouro e Cobiça
Título Original: Gold
Ano de Produção: 2017
País: Estados Unidos
Estúdio: Black Bear Pictures
Direção: Stephen Gaghan
Roteiro: Patrick Massett, John Zinman
Elenco: Matthew McConaughey, Edgar Ramírez, Bryce Dallas Howard, Corey Stoll, Toby Kebbell, Bill Camp
  
Sinopse:
Após a morte de seu pai, Kenny Wells (Matthew McConaughey) herda a companhia mineradora dele. As coisas porém vão de mal a pior. Em pouco tempo a empresa entra em uma situação tão ruim que praticamente fica à beira da falência. Desesperado para salvá-la, Wells resolve ir até a distante Indonésia para uma cartada final. Ele vende seus últimos bens e investe em uma suposta mina de ouro situada no meio da floresta. Seu parceiro Michael Acosta (Edgar Ramírez) acredita saber onde o ouro está. Assim Wells sai em busca de investidores que queiram financiar aquele ousado projeto, só que as coisas não vão sair exatamente como eles planejaram.

Comentários:
O poster desse filme vai enganar muita gente. Nele vemos o ator Matthew McConaughey olhando para uma floresta fechada, certamente procurando por seu Eldorado pessoal. Isso pode levar alguns a acreditarem que vão assistir a um filme de aventuras na selva, do tipo Indiana Jones. Ledo engano. Na verdade o que temos aqui é um drama baseado em fatos reais. A história verdadeira de um empresário do ramo de mineração que investiu seus últimos centavos no sonho meio louco de encontrar uma enorme mina de ouro nos confins das selvas da Indonésia. Confiando numa teoria não muito confiável chamada "anel de fogo" ele parte para uma expedição alucinada ao lado de seu parceiro, um especialista chamado Michael Acosta. Para levantar fundos ele vai até a bolsa de valores de Nova Iorque em busca de investidores e assim começa uma insana captação de recursos em um empreendimento que ficou famoso não exatamente por suas descobertas de grandes jazidas de ouro. O roteiro explora muito bem essa falta de controle no mercado de valores das principais bolsas dos Estados Unidos. Basta uma conversa mais ou menos crível para que uma chuva de dinheiro venha a surgir no horizonte. O que era apenas uma aposta em uma suposta mina existente na selva logo se torna uma ciranda financeira sem controle nenhum. Matthew McConaughey se empenhou em sua atuação. Ele está gordo, careca e com dentição ruim, tudo para se parecer com o Kenny Wells da vida real. Ele provavelmente estava apostando em uma indicação ao Oscar ou ao Globo de Ouro, só que isso não se concretizou. O filme acabou sendo indicado apenas ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Música Original ("Gold" de Iggy Pop). O filme de um modo em geral me agradou bastante. Não era bem o que eu estava esperando, mas certamente funcionou dentro de sua proposta inicial. No fundo é um tratado sobre a cobiça sem limites do ser humano.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 22 de abril de 2017

Capitão Fantástico

Definitivamente Ben (Viggo Mortensen) não é um sujeito muito comum. Ele cria seus filhos no meio da natureza, onde não frequentam a escola e nem recebem uma educação formal e tradicional. Após a morte de sua esposa, ele precisa finalmente enfrentar de novo o mundo real pois os pais de sua mulher (que cometeu suicídio) querem um enterro católico e normal para ela. Ben pensa diferente. A esposa queria um funeral completamente fora dos padrões em seu testamento. Assim, ao lado dos filhos ele então parte para uma jornada de despedida.

"Capitão Fantástico" é um belo filme. Ele traz em seu roteiro elementos do velho movimento hippie, onde algumas pessoas sonharam por uma vida diferente, que fugisse dos padrões impostos pela sociedade. Era uma maneira de procurar por uma liberdade de vida sem limites, a ser alcançada de todas as formas. Ben tenta passar esses valores para os filhos, os tornando pequenos intelectuais extremistas, muito embora todos acabem percebendo que esse caminho, apesar de ser bem inspirador, não é muito adequado para uma família como aquela.

O roteiro é bem interessante porque mostra um pai de família que tem uma visão de mundo muito intelectualizada, demonstrando que teorias abstratas em excesso nem sempre funcionam muito bem no mundo real. Os filhos se ressentem disso e o seu sogro (interpretado pelo ótimo Frank Langella) se torna um oponente à altura na criação de seus netos. Ele quer que os garotos frequentem uma escola, que tenham amigos, que namorem, que tenham um futuro pela frente, indo para universidades, etc. Já Ben rejeita tudo isso, baseado muitas vezes em uma visão idealista demais da realidade. Tão idealista que se torna muitas vezes surreal.

O saldo final porém é muito positivo. Como cinema "Capitão Fantástico" é uma pequena obra prima que inclusive deveria ter mais reconhecimento. As tímidas indicações ao Oscar e ao Globo de Ouro de melhor ator para Viggo Mortensen não condizem com a excelente qualidade dessa obra cinematográfica como um todo. O roteiro levanta muitas questões, muitos questionamentos, que ficam na mente do espectador por um bom tempo. Encontrar filmes hoje em dia que levantem tais questões e faça pensar é cada vez mais raro, por isso sua importância. De tantas produções que foram indicadas ao Oscar nesse ano essa foi seguramente uma das mais injustiçadas. Não deixe passar em branco.

Capitão Fantástico (Captain Fantastic, Estados Unidos, 2016) Direção: Matt Ross / Roteiro: Matt Ross / Elenco: Viggo Mortensen, Frank Langella, George MacKay, Samantha Isler / Sinopse: Após a morte da esposa, que se matou em uma crise de bipolaridade, o pai Ben (Mortensen) junta seus filhos para irem ao seu funeral. Algo que irá trazer muitos conflitos pois seu sogro deseja um enterro tradicional para a filha, enquanto Ben e as crianças estão dispostos a cumprirem os últimos desejos da mãe.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Séries + Séries + Séries

Aos poucos estou retomando minha rotina de assistir séries. Aqui vão alguns episódios que assisti recentemente. Uma das minhas séries policiais americanas enlatadas preferidas é Chicago PD. Nessa semana assisti ao sétimo episódio da terceira temporada intitulado "A Dead Kid, a Notebook, and a Lot of Maybes". O enredo foi bem interessante. Tudo começa quando um garoto se mata perto de sua escola. Inicialmente as investigações mostram que ele poderia fazer parte de algum plano para assassinar outros estudantes, ao estilo do massacre de Columbine, só que depois Voight e seu grupo descobrem que as coisas são bem diferentes, envolvendo até mesmo um professor de natação pedófilo. Algo bem mais barra pesada do que eles inicialmente pensavam. O roteiro explora bem o ambiente, muitas vezes doentio, que impera dentro de algumas instituições de ensino nos Estados Unidos. Coisa de louco, literalmente.

Outra série que venho acompanhando com regularidade é The Path. Se você não sabe do que se trata a história gira em torno de uma seita na Califórnia. Algo que é bem comum nos Estados Unidos. O "Messias" dessa seita está em coma, morrendo no Peru, mas todos fingem que ele está escrevendo o livro sagrado definitivo deles, sobre como encontrar o tal caminho da sabedoria. Tudo balela. Como toda seita eles escondem mentiras inconfessáveis por trás de supostas boas intenções. Nesse sétimo episódio da primeira temporada intitulado "Refugees" os membros da seita precisam decidir sobre um grupo de imigrantes ilegais que foram acolhidos por eles. É um tempo ruim para o suposto líder Cal, uma vez que ele quer dar proteção aos imigrantes, mas não conta com o apoio do conselho. Pior do que isso, ele acaba matando um velho membro que vai até ele dizer que a seita acabou, pois seu profeta está morrendo. Para piorar o que já era desastroso Cal pega Eddie em flagrante, tentando ajudar a uma dissidente, cujo marido foi morto justamente por deixar a tal seita para trás. Pois é, a velha mentalidade de seita se impõe, seja qual for a denominação que essa gente tenta seguir.

Por fim conferi mais um episódio de "Shameless". Eu curto bastante essa série por causa de seu humor negro politicamente incorreto. Já estou chegando no final de sexta temporada. Aqui nesse penúltimo episódio da temporada (Sleep No More) encontramos Frank aprontando de novo. Ele quer pagar tudo no casamento de Fiona, mas ninguém sabe de onde vem o dinheiro. Como se trata de Frank é sempre bom manter um pé atrás. Pior é que ele acaba saindo no braço com o noivo da filha, entrando em um quebra pau daqueles. Embora apanhe muito Frank decide que não vai deixar barato e contrata um assassino profissional para matar o noivo de Fiona antes do casamento! Já Ian quer uma nova chance na vida. Ele pretende entrar no corpo de paramédicos dos bombeiros, mas sua superiora descobre que ele tem problemas de bipolaridade! Não será algo fácil de superar. Melhor se sai Kevin, o dono do bar, que agora tem além da esposa em sua cama, a russa que vive ilegalmente nos Estados Unidos. Tudo para que ela não seja pega pela imigração. Nada mal, nenhum homem realmente iria reclamar de algo assim.

Pablo Aluísio.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Estreias da Semana no Cinema: A ficção "Life" e outros lançamentos...

O principal lançamento dessa semana é a ficção "Life" ("Vida" no Brasil). O filme tem um excelente elenco (que conta entre outros com Jake Gyllenhaal e Ryan Reynolds) e explora a história de seis astronautas que descobrem, através de amostras retiradas de Marte, vida naquele planeta desolado.  É inicialmente um ser unicelular que ganha o nome carinhoso de Calvin. Tudo corre bem até que eles descobrem que não há nada de inofensivo naquela nova forma de vida. O filme tem sido elogiado lá fora, muito embora muitas críticas chamem a atenção para as inúmeras semelhanças entre esse enredo e a famosa franquia "Aliens". De minha parte estou curioso em conferir o filme. A comparação com "Aliens" é de certa forma até esperada, uma vez que essa série de filmes sempre foi uma das mais influentes da história do cinema.

Outro lançamento da semana que chama a atenção é o drama histórico nacional "Joaquim". Uma produção entre Brasil e Portugal que procura resgatar a história de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, personagem central na chamada Inconfidência Mineira. O filme tem sido bastante elogiado e vem para preencher um vazio que existia dentro da cinematografia brasileira sobre esse tão falado e ao mesmo tempo tão pouco conhecido herói da nossa história. O filme é obviamente bem mais recomendado para quem aprecia história do Brasil.

Voltando aos enlatados americanos os cinemas brasileiros recebem outras opções nessa semana. A atriz Katherine Heigl conhecida por suas comédias romântica bobinhas procura por um novo caminho em sua carreira. Ela deixa o humor de lado para estrelar "Paixão Obsessiva", um thriller de suspense envolvendo uma mulher traída pelo marido que resolve se vingar de sua amante. Será que após vários fracassos comerciais, Heigl conseguirá retomar o caminho do sucesso trocando de estilos cinematográficos? É esperar para ver, muito embora eu pessoalmente não leve muita fé nesse seu novo filme que parece ser bem ruinzinho.

Uma melhor opção é conferir "Paterson" de Jim Jarmusch. O cult diretor volta aos cinemas nesse drama sensível sobre um homem que ganha a vida como motorista de ônibus, embora tenha talento e vocação mesmo para a poesia. Um filme bucólico e lírico que merece ser mais conhecido. Já "O Sonho de Greta" explora aquela fase complicada da adolescência quando uma jovem garota está prestes a completar 15 anos de idade. Indicado para pré-adolescentes em geral que certamente vão se identificar com a história. Por fim, para quem estiver em busca de filmes do velho continente fica a dica do filme francês "O Novato". Também é uma crônica sobre a pré-adolescência, contando a história de um garoto que vai morar em Paris e passa a sofrer bullying na escola.

Pablo Aluísio.

terça-feira, 18 de abril de 2017

Aftermath

Esse filme me deixou com um aperto no peito! Antes de qualquer coisa vale um aviso: se você é um fã do ator Arnold Schwarzenegger do passado, de seus filmes de ação e pancadaria, melhor esquecer! Esse é o filme mais pesadamente dramático da filmografia do ator. Não há nada parecido com o que ele tenha feito antes. É um filme sobre o luto, sobre a perda e sobre a solidão. O clima é pesado, tenso e o roteiro, em nenhum momento, parece disposto a aliviar para o espectador. É de fato um daqueles dramas trágicos, onde nada parece ter salvação e a esperança parece estar definitivamente enterrada.

Arnold Schwarzenegger interpreta Roman. Ele é um trabalhador da construção civil que parece bem equilibrado e feliz em sua vida. Quando o filme começa acompanhamos seu dia de rotina no trabalho. A única novidade é que ele precisa ir ao aeroporto para buscar sua esposa e filha que estão chegando de viagem. E aí começa a grande tragédia em sua vida. Ao chegar lá ele percebe que há algo errado. Assim que os funcionários da companhia aérea percebem que ele está em busca de informações sobre o voo eles o levam para um lugar separado.

Roman então é informado que o avião de sua família caiu. Imediatamente ele também percebe que seu mundo acabou! Pior, ele descobre que tudo foi causado por uma falha humana, pelo erro de um controlador de tráfego aéreo. A partir daí sua vida perde a razão de ser. Roman entra em uma crise depressiva que quase se torna suicida. O roteiro também explora o inferno que a vida do operador de voo se torna após o acidente. Roman começa a criar uma obsessão em conhecer pessoalmente aquele que com seu erro causou a morte de sua família e o que já era desastroso começa a ficar trágico de vez.

Esse filme é surpreendente porque Arnold Schwarzenegger aceitou interpretar um personagem que foge completamente de seu  habitual, principalmente quando comete uma verdadeira loucura, uma insanidade causada pelo desespero. Tenho percebido que em seus últimos filmes, os realizados após ele retornar ao cinema, Arnold Schwarzenegger tem se preocupado em colocar sempre um elemento comum nos roteiros dos filmes em que atua: a família! O próprio ator viu sua família desmoronar após um caso de infidelidade de sua parte e desde então parece ter adotado uma espécie de calvário nas telas sobre o que aconteceu em sua vida real. Esse "Aftermath" é mais um passo nessa direção. Arnold Schwarzenegger louva a importância da família ao mesmo tempo em que parece gritar por alguma ajuda através de seu personagem. Algo surpreendentemente sincero, humano e atroz!

Aftermath (Estados Unidos, 2017) Direção: Elliott Lester / Roteiro: Javier Gullón / Elenco: Arnold Schwarzenegger, Maggie Grace, Scoot McNairy / Sinopse: Roman (Arnold Schwarzenegger) é um homem comum que se vê em uma grande tragédia pessoal ao ser informado que sua esposa e filha morreram em um trágico acidente aéreo. A partir desse ponto ele começa a criar uma obsessão em encontrar o controlador de voo que acabou causando o acidente por causa de um erro na torre de controle.

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Westworld 1.10 - The Bicameral Mind

Esse texto contém spoiler. Assim se você ainda não assistiu ao episódio final de "Westworld" pare a leitura por aqui. Pois bem, esse último episódio da primeira temporada me surpreendeu em alguns pontos, mas em outros foi menos surpreendente do que eu poderia esperar. Em 90 minutos de duração conseguiu fechar bem essa temporada.

A sacada de unir dois personagens que não pareciam ter nada a ver em apenas um, foi realmente bem interessante. O pistoleiro negro interpretado por Ed Harris era um mistério desde o primeiro episódio, até que aqui tudo fica bem claro. Confesso que gostaria de voltar aos primeiros episódios para verificar se essa reviravolta teve mesmo sentido desde o começo. Mesmo assim descobrir o destino de William e o que ele se tornou foi uma surpresa e tanto, não há como negar.

O destino do Dr. Ford e sua última história estava meio que delimitado há bastante tempo. Todos sabiam que os anfitriões, mais cedo ou mais tarde, iriam se rebelar contra seus criadores. Dolores sempre foi também uma peça chave. Os roteiristas ligaram assim o destino do Dr. Ford com seu antigo sócio, tendo ambos o mesmo fim... curiosamente sendo executados por Dolores. A explicação sobre o labirinto (algo que parecia maior, mas que era apenas um jogo infantil) também foi muito criativa.

O único "porém" que fica daqui para frente é o que acontecerá na próxima temporada (já programada para estrear em 2018). Uma vez que os anfitriões estão rebelados, que massacres já foram cometidos, que agora eles podem fazer mal aos seres humanos, o que sobrará? Provavelmente a próxima temporada seja de pura ação, o que vai esvaziar a série como um todo. Afinal tudo já parece ter sido revelado. De qualquer maneira "Westworld" é uma daquelas séries que você não pode deixar de conferir, mesmo que as expectativas para a segunda temporada não sejam das melhores.

Westworld 1.10 - The Bicameral Mind (Estados Unidos, 2016) Direção: Jonathan Nolan / Roteiro: Jonathan Nolan, Lisa Joy/ Elenco: Evan Rachel Wood, Thandie Newton, Jeffrey Wright, Anthony Hopkins / Sinopse: Em um futuro próximo, um parque de diversões temáticos esconde um segredo inimaginável.

Pablo Aluísio.

sábado, 15 de abril de 2017

Game of Thrones 5.09 - The Dance of Dragons

Série: Game of Thrones
Episódio: The Dance of Dragons
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos
Estúdio: HBO
Direção: David Nutter
Roteiro: David Benioff
Elenco: Peter Dinklage, Nikolaj Coster-Waldau, Emilia Clarke, Maisie Williams, Kit Harington, Stephen Dillane
  
Sinopse e comentários:
Mais um ótimo episódio de "Game of Thrones". Nesse aqui vemos a chegada dos povos do norte na muralha de gelo. É uma situação no mínima adversa, já que durante séculos a Patrulha do Norte lutou justamente contra eles. Vejo aqui uma espécie de analogia que George R.R. Martin criou entre o universo de "Game of Thrones" e o mundo real, em que vivemos, particularmente em relação à crise dos refugiados que fugindo da guerra no Oriente Médio chegam em massa à Europa.

Outro bom momento desse episódio acontece quando Arya Stark (Maisie Williams) se disfarça de vendedora de ostras para liquidar um rico (e asqueroso) comerciante da velha cidade. Nesse seu novo disfarce ela consegue entrar em todos os lugares, até mesmo dentro de um bordel de cais onde um visitante logo chama sua atenção. É uma boa sequência, com bons toques de suspense, que ocupa grande parte do episódio.

Agora, bom mesmo é a cena final, que inclusive dá título ao episódio (que em português se chama "A Dança dos Dragões"). A rainha Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) vai até uma arena de gladiadores, bem ao estilo Império Romano. Ela pessoalmente abomina esse tipo de espetáculo sangrento, porém vai em cumprimento de seu dever de soberana. Uma vez lá ela descobre que foi um armadilha. Uma rebelião começa entre o próprio povo, com rebeldes infiltrados entre os espectadores. Em pouco tempo a Rainha se vê cercada e acaba sendo salva justamente por seus dragões. Ótima cena, que aliás custou praticamente todo o orçamento do episódio. Os efeitos digitais são irrepreensíveis, como é de praxe em se tratando dessa série, uma das mais populares da atualidade. Nota dez!

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Downton Abbey - Episode 5.8

Série: Downton Abbey
Episódio: Episode 5.8
Ano de Produção: 2014
País: Inglaterra
Estúdio: British Broadcasting Corporation (BBC) 
Direção: Michael Engler
Roteiro: Julian Fellowes
Elenco: Hugh Bonneville, Laura Carmichael, Jim Carter, Michelle Dockery, Lily James, Elizabeth McGovern
  
Sinopse e comentários:
Esse é o episódio do casamento de Lady Rose MacClare (Lily James) e Atticus Aldridge (Matt Barber). Problemas? Muitos deles. Os pais do rapaz não gostam da noiva. Há uma barreira entre as duas famílias também. Uma é de origem judaica, a outra não! Isso dá margem a uma série de questões que colocam em risco o sucesso desse matrimônio. Mães judias são bem conhecidas por quererem impor seu ponto de vista de todas as formas e isso acontece aqui também. Tudo vira pretexto para uma série de preconceitos envolvendo cristãos e judeus. Uma pena que uma questão que deveria ser meramente religiosa acaba minando a felicidade de dois jovens que apenas querem viver juntos.

Outro bom momento desse episódio é a prisão de Anna Bates (Joanne Froggatt). Há tempos a polícia vinha investigando, principalmente baseado nas suspeitas de que o criado assassinado teria estuprado Anna no passado. Teria havia uma vingança depois desse crime? É bem possível. Outro acontecimento que chega ao fim nesse episódio, após ter sido explorado por várias semanas, é a inauguração do monumento aos mortos da I Guerra Mundial, algo que foi muito discutido, muito debatido, principalmente em relação aos nomes que iriam constar em sua placa principal. Por fim, Violet Crawley, a condessa de Grantham, personagem maravilhosamente interpretada pela atriz Maggie Smith, recebe a proposta de casamento de um príncipe russo. Afinal não há idade para o amor.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 13 de abril de 2017

The Young Pope - Episode 1.2

Série: The Young Pope
Episódio: Episode 1.2
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos, Itália
Estúdio: Canal+, HBO
Direção: Paolo Sorrentino
Roteiro: Paolo Sorrentino
Elenco: Jude Law, Diane Keaton, Silvio Orlando, Javier Cámara, Scott Shepherd, Cécile De France
  
Sinopse e comentários:
Essa série é bem fora do comum. Não pelo fato de mostrar a vida de um Papa, a do primeiro Papa americano da história, aqui chamado de Pio XIII, mas sim por alguns caminhos que o roteiro gosta de tomar. Logo em seus primeiros dias no poder o Sumo Pontífice compra brigas com vários cardeais da cúpula da Igreja. Suas decisões são imprevisíveis e todos em Roma sentem isso. Ele não parece disposto a seguir convenções. Visitado pela diretora de campanha de marketing do Vaticano ele recusa de forma cabal o uso de sua imagem em produtos. Ele se considera - pelo menos assim diz ser - um nada! Ele não quer nem ao menos ser visto em jornais, TVs e a mídia em geral. Ora, uma das funções do Papa é sair pelo mundo, pregando o evangelho. Virar um ícone na mídia é consequência natural. Para Pio XIII porém isso está fora dos planos e ele se esconde nas sombras até mesmo quando resolve fazer sua primeira homilia na sacada da Basílica de São Pedro.

Essa cena aliás é de grande impacto porque o diretor Paolo Sorrentino resolveu usar uma trilha sonora apoteótica, quase apocalíptica! O Papa havia recebido uma carta de um garotinho americano dizendo que não conseguia acreditar em Deus. O que ele deveria fazer então? Essa carta inflama o novo Papa que resolve literalmente jogar os cachorros em cima dos fiéis, fazendo um discurso duro, pesado e também desastroso em seus efeitos. Jude Law está muito bem como esse Papa Pio XIII. Ele tem um olhar de que está escondendo algo bem sério. Firme em suas decisões, parece disposto a levar bem à sério seu cargo. Em uma das cenas mais interessantes desse episódio ele confronta abertamente um jovem cardeal sobre as suspeitas de que ele seria homossexual. Em outro momento resolve soltar um canguru dado de presente por católicos australianos nos jardins seculares do Vaticano. Some-se a isso a crescente tensão que vai se criando em torno de sua relação com Mary Sister (Keaton), que pode ser inclusive sua mãe que ele pensa jamais ter conhecido. Enfim, mais uma, no mínimo, instigante série com o selo HBO. Para não perder de vista.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Sleepless - Nos Limites da Lei

Título no Brasil: Sleepless - Nos Limites da Lei
Título Original: Sleepless
Ano de Produção: 2017
País: Estados Unidos
Estúdio: Riverstone Pictures
Direção: Baran bo Odar
Roteiro: Andrea Berloff, Frédéric Jardin
Elenco: Jamie Foxx, Michelle Monaghan, Dermot Mulroney, David Harbour, Gabrielle Union, Octavius J. Johnson
  
Sinopse:
Durante uma operação contra traficantes de drogas o policial Vincent (Jamie Foxx) decide roubar para si e seu parceiro 25 kgs de cocaína, algo que no mercado seria vendido por oito milhões de dólares. Os criminosos porém não parecem dispostos a deixar isso barato e sequestram o filho de Vincent. Ou ele devolve a droga ou então eles vão matar o jovem. Vincent agora precisa salvar o filho, ao mesmo tempo em que corre para não ser preso pela corregedoria do departamento de polícia.

Comentários:
Bem decepcionante esse filme. A presença de Jamie Foxx poderia dar a falsa impressão de que viria coisa boa pela frente, até porque esse ator tem uma ótima filmografia. Passados os vinte minutos iniciais do filme as esperanças de que algo bom vai surgir na tela se vão. É muito formulaico e cheio de clichês esse filme policial. Nenhum personagem tem o menor desenvolvimento, tudo se resumindo em uma cena de ação atrás da outra. Nem o cenário mais diferente de Las Vegas importa. Há uma estranha cena de perseguição pelas ruas da cidade onde não se vê uma pessoa viva nas ruas. Certamente a produção teve que gravar de madrugada para economizar nos custos! O roteiro é banal, aquela velha história do tira que parece corrupto, mas que no fundo pode não ser. Uma reviravolta boba atrás da outra. Ok, é um filme de ação de rotina, burocrático, sem problemas. O problema maior é se perguntar se ele funciona apenas nesse quesito? A resposta é não! Veja, além de ser bem fraco essa fita policial não funciona como filme de ação! Com isso tudo se perde. Supostamente o tira interpretado por Jamie Foxx teria tentado roubar um traficante e se dado mal quando os criminosos colocaram as mãos em seu filho. Toda a ação se passa quase que exclusivamente dentro de um cassino de Las Vegas, mas isso pouco importa no final. O filme é curto - meros 90 minutos - mas é tão aborrecido que parece durar uma eternidade (Einstein explica!). Nada se salva no final. Assim meu veredito é o pior possível. Seguramente temos em mãos o pior filme da carreira de Jamie Foxx. Não poderia ser pior. Ignore e poupe seu tempo com esse amontoado de clichês cinematográficos obsoletos e saturados.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 8 de abril de 2017

Estreias da Semana: Entre Cães Selvagens e Smurfs fofinhos...

Outra semana bem fraca em termos de estreias nos cinemas. Uma dos melhores filmes nem tem tanta vocação comercial assim. Trata-se do estranho "Cães Selvagens", um filme sobre bandidos e seus crimes, estrelado por Nicolas Cage e Willem Dafoe. Dirigido pelo veterano cineasta Paul Schrader, já escrevi sobre esse filme aqui no blog. Embora bem realizado, com bom roteiro, é bom deixar claro que não é uma fita para todos os públicos como alguns podem pensar. Não é um filme policial de ação tradicional, pelo contrário, suas pretensões artísticas podem surpreender aos fãs de filmes mais formulaicos e convencionais. 

O extremo oposto dessa fita é o fofinho "Os Smurfs e a Vila Perdida". Mais uma animação que traz para os cinemas esse grupo de personagens criados em 1958 pelo cartunista belga Peyo (quem se lembra dos desenhos deles nos anos 80?). Pois é, tudo é bem realizado, em uma fita obviamente indicada para as crianças. Não deixa de ser mais uma amostra da força das animações em longa-metragem. Poucas vezes na história do cinema tivemos tanto espaço no circuito comercial para esse tipo de filme. Sinal dos tempos em que vivemos.

Se você não quiser ser tão realista e selvagem ou tão bobinho, fique no meio termo com "A Cabana". Ora, filmes de terror e suspense com "cabana" no título podem cansar o cinéfilo logo de cara. Afinal isso tudo lembra aquela fórmula batida de jovens adolescentes perdidos no meio da floresta, em uma cabana, sendo aterrorizados. O roteiro desse aqui parece passar longe desse tipo de formulazinha. Estrelado por Sam Worthington, que ainda tenta se tornar um astro de primeira grandeza em Hollywood e com elenco de apoio de luxo com Octavia Spencer e Tim McGraw, o filme não parece ser tão ruim como parece. A conferir.

Depois desses três filmes, que prometem ocupar praticamente noventa por cento das salas, vem o time do segundo escalão comercial. O trio de veteranos Morgan Freeman, Michael Caine e Alan Arkin tentam chamar a atenção em "Despedida em Grande Estilo". O filme não foi bem sucedido nas bilheterias americanas e acusado de ser inocente e bobinho demais. Deve ser mesmo. Ainda assim pretendo assistir por causa do elenco que sempre merece, pelo menos, o devido respeito.

Para a turma cult três opções: "Argentina" de Carlos Saura é uma produção bem leve em termos de filmografia desse cineasta. O enredo mostra um grupo de jovens tentando vencer no mundo da dança e da cultura popular. O tom é de documentário. "Todas as Manhãs do Mundo" é um documentário mostrando as maravilhas da natureza. Por fim "Gaga - O Amor pela Dança" explora a companhia de dança Batsheva, de Israel. É praticamente uma obra de amor a essa arte. Um filme indicado para quem adora os bastidores do mundo da cultura.

Pablo Aluísio.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

A Vigilante do Amanhã

Título no Brasil: A Vigilante do Amanhã
Título Original: Ghost in the Shell
Ano de Produção: 2017
País: Estados Unidos
Estúdio: DreamWorks Pictures
Direção: Rupert Sanders
Roteiro: Jamie Moss
Elenco: Scarlett Johansson, Juliette Binoche, Michael Pitt, Pilou Asbæk, Takeshi Kitano, Chin Han
  
Sinopse:
O roteiro é baseado nos quadrinhos de Shirow Masamune. A Major Motoko Kusanagi (Scarlett Johansson) é uma andróide utilizada por uma corporação para defender seus interesses. Quando um grupo de cientistas é morto em sequência, tendo todos eles participado do mesmo projeto de construção de seres robóticos, ela precisa descobrir quem estaria por trás dos crimes.

Comentários:
Esse filme é uma adaptação para o cinema de um conhecido mangá dos anos 90. Como não sou consumidor desse tipo de publicação (que tem um público bem específico e especializado nesse tipo de quadrinhos), tudo me foi apresentado pela primeira vez nesse filme. O visual é ao estilo ficção cyberpunk, um tipo de subgênero que foi bem popular entre a segunda metade dos anos 80 e a primeira metade dos anos 90. Sempre considerei filmes, livros e quadrinhos desse tipo como herdeiros tardios de "Blade Runner" e até mesmo "Mad Max". Nesse tipo de universo as ruas das grandes cidades são caóticas, sombrias, infestadas de poluição visual (algo que é bem destacado no design de produção desse filme). A tecnologia, que fora criada para salvar a humanidade, acaba se tornando sua principal inimiga. A protagonista é uma das vítimas. Ela procura por respostas, de onde veio, quais são suas origens, pois tudo o que sabe é que sua composição física é uma simbiose entre a máquina e o ser humano. Até que gostei do filme. Ele não será considerado uma obra prima no futuro, mas tem elementos suficientes para manter o interesse do espectador, principalmente no drama existencial da Major interpretada por Scarlett Johansson. A atriz está bem em cena, porém é impossível ignorar o fato dela ser uma americana interpretando uma personagem japonesa, o que por si só já é um erro. É claro que ela só foi escalada por motivos puramente comerciais. No geral é um bom passatempo, com bons efeitos especiais. Não sei se o público que conhece e consome o mangá original gostará do resultado. Porém para o cinéfilo que estiver em busca apenas de uma boa diversão não haverá o que reclamar.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 4 de abril de 2017

Westworld 1.09 / Game of Thrones 5.08

Westworld 1.09 - The Well-Tempered Clavier - Esse texto contém spoiler. Assim se você ainda não assistiu a primeira temporada de "Westworld" ou esse nono episódio em particular recomendo que não siga em frente em sua leitura. Pois bem, um aspecto que sempre chamo a atenção em "Westworld" é que essa série do canal HBO começou muito bem e segue cada vez mais interessante. Não é tão fácil encontrar novas séries que lhe conquistem desde os primeiros momentos. Nesse episódio temos várias revelações. Uma delas, a mais curiosa de todas, é saber que Bernard Lowe (Jeffrey Wright) nada mais é do que uma cópia de Arnold, o antigo sócio do Dr. Robert Ford (Anthony Hopkins). O público já havia ficado surpreso no episódio anterior ao descobrir que Bernard não era um ser humano, um engenheiro trabalhando na companhia e agora temos essa outra surpresa. Como se sabe Arnold criou uma série de protótipos com I.A. (inteligência artificial) e será justamente esse grupo de androides que darão início a uma verdadeira revolução. Bernard também é dessa série e tenta de todas as formas liquidar com o Dr. Ford, inclusive usando uma anfitriã, mas ele acaba não sendo bem sucedido em seus planos. Outro acontecimento chave esse episódio ocorre quando Dolores Abernathy (Evan Rachel Wood) chega em uma igrejinha de uma cidade do velho oeste. Em seu porão estava instalado o laboratório de Arnold, onde tudo começou. Justamente lá ela descobre enfim tudo o que aconteceu, agora é só sair com vida, pois o pistoleiro negro (Ed Harris) está em seu encalço. Como afirmei antes, esse é um episódio acima da média de uma série que já é muito boa, por seus méritos próprios. / Westworld 1.09 - The Well-Tempered Clavier (Estados Unidos, 2016) Direção: Michelle MacLaren / Roteiro: Jonathan Nolan, Lisa Joy/ Elenco: Evan Rachel Wood, Thandie Newton, Jeffrey Wright, Anthony Hopkins.

Game of Thrones  5.08 - Hardhome 
Outra série que vale cada momento. Esse episódio aqui acabou sendo apelidado nos Estados Unidos, pelos próprio fãs, de "Game of Thrones encontra The Walking Dead". Eu acompanhei alguns episódios de "The Walking Dead" em sua primeira temporada, mas depois deixei de assistir. Não era bem o meu estilo. De qualquer forma a semelhança entre as duas séries, que acabaram virando meme na net, vem justamente do ataque dos monstros que chegam em um vilarejo costeiro do povo do norte. Esses zumbis, que fariam a diversão de qualquer fã de "The Walking Dead" atacam o povoado, enquanto Jon Snow (Kit Harington) e alguns membros da Patrulha do Norte tentam salvar o maior número de pessoas possível. Grande cena, muito bem produzida, que obviamente se torna um dos melhores momentos da série nessa quinta temporada. Outro bom momento vem do encontro entre Tyrion Lannister (Peter Dinklage), naquela altura um mero escravo aprisionado, e a rainha dos dragões Daenerys Targaryen (Emilia Clarke). Em desgraça em seu próprio clã, tudo o que lhe resta é tentar se tornar uma espécie de conselheiro da soberana. Será que isso seria possível? Assista ao episódio para conferir. / Game of Thrones  5.08 - Hardhome (Estados Unidos, 2015) Direção: Miguel Sapochnik / Roteiro: George R.R. Martin (baseado em sua obra "A Song of Ice and Fire"), David Benioff/ Elenco: Peter Dinklage, Lena Headey, Emilia Clarke, Kit Harington.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 2 de abril de 2017

O Espaço Entre Nós

Título no Brasil: O Espaço Entre Nós
Título Original: The Space Between Us
Ano de Produção: 2017
País: Estados Unidos
Estúdio: Southpaw Entertainment
Direção: Peter Chelsom
Roteiro: Allan Loeb, Stewart Schill
Elenco: Gary Oldman, Asa Butterfield, Carla Gugino, Britt Robertson
  
Sinopse:
Gardner Elliot (Asa Butterfield) é um jovem que vive em uma estação colonizadora em Marte. Ele acaba se apaixonando pela internet por uma garota na Terra, a adolescente Tulsa (Britt Robertson). Ela não faz a menor ideia que ele mora em outro planeta e nem que ele é na verdade o primeiro ser humano nascido no planeta vermelho. Nada disso porém impedirá Gardner de ir até a Terra para conhecê-la pessoalmente e quem sabe viver um grande amor ao seu lado.

Comentários:
"O Espaço Entre Nós" está estreando nesse fim de semana no Brasil. É um filme romântico especialmente indicado para o público adolescente. Basicamente temos aqui uma paixão que nasce entre um garoto que vive em Marte e uma típica adolescente da Terra. Ele é filho de uma astronauta que descobre-se estar grávida bem no meio da viagem de colonização de Marte. Assim acaba sendo o primeiro ser humano nascido naquele distante planeta. Por ter vivido toda a sua vida em Marte, onde a gravidade é bem diferente, ele não consegue se adaptar muito bem em sua passagem pela Terra. Seus ossos são fracos e o peso da gravidade coloca em risco sua vida, mas nada disso parece importar pois ele, como todo adolescente, está apaixonado e quer viver o grande amor de sua vida. Gary Oldman interpreta o idealizador do projeto de colonização de Marte, alguém que não deixará de perseguir Gardner enquanto ele tenta fugir com sua nova namorada. Apesar das boas intenções o filme tem alguns problemas. O romance, embora seja o grande tema do roteiro, nunca convence muito. Gardner, o jovem marciano, é bem frágil, mal consegue caminhar direito e tem uma visão boba da vida, fruto do fato de nunca ter convivido dentro da sociedade da Terra. Em determinado momento o filme se torna meramente um road movie, com ele fugindo ao lado de sua nova namorada e os malvadões da Nasa o perseguindo. Nada de muito interessante. Há cenas bem bobinhas também, que atrapalham muito o filme como um todo. Em um desses momentos o cientista interpretado por Gary Oldman leva o garoto, às pressas, de volta a Marte a bordo de um pequeno ônibus espacial, como se isso fosse a coisa mais simples do mundo. Uma cena bem bobinha mesmo. Enfim, só vai interessar mesmo ao público adolescente. Como ficção não convence muito, principalmente para os que tiverem mais de 16 anos de idade.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 30 de março de 2017

La La Land - Cantando Estações

Título no Brasil: La La Land - Cantando Estações
Título Original: La La Land
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Summit Entertainment
Direção: Damien Chazelle
Roteiro: Damien Chazelle
Elenco: Ryan Gosling, Emma Stone, J.K. Simmons, Rosemarie DeWitt, Terry Walters, Jessica Rothe
  
Sinopse:   
Mia (Emma Stone) é uma aspirante à atriz em Los Angeles. Enquanto ela não consegue trabalho na profissão que sempre sonhou ela vai se virando, trabalhando como garçonete em uma lanchonete dentro dos estúdios Warner. Sua vida não anda nada fácil, porém tudo muda quando ela conhece Sebastian (Ryan Gosling), um músico fracassado, que tem sonhos em abrir um clube de jazz na cidade.

Comentários:
Por dois minutos "La La Land" foi o melhor filme do ano de 2016, até que descobriram que o envelope da premiação havia sido trocado... Um mico histórico do Oscar! Embora não tenha levado o prêmio máximo da noite, o filme acabou vencendo em seis outras categorias (melhor atriz para Emma Stone, direção, música original, fotografia, canção original e design de produção). A intenção do diretor Damien Chazelle se torna clara desde a primeira cena, no tráfego de Los Angeles, quando os motoristas descem de seus carros e começam a cantar! É obviamente um musical à moda antiga, que tenta homenagear os grandes musicais do passado, como àqueles da Metro que se tornaram imortais. Será que algo assim, do passado clássico de Hollywood, poderia ainda funcionar nos dias de hoje? Bom, certamente não funcionará para todos, porém quem tiver um pouco de boa vontade certamente vai gostar bastante. Para isso porém é importante ter dois pré-requisitos: ser romântico e gostar de musicais! Se não for o seu caso é melhor nem entrar no cinema, pois "La La Land" certamente não foi feito para você! De minha parte, como sempre preenchi esses requisitos, acabei gostando bastante. Em certos momentos pensei estar assistindo a algum filme com Doris Day ou até mesmo Fred Astaire (embora no quesito dança e coreografia o filme não seja grande coisa!). O roteiro é simples, bem básico, mostrando o romance entre uma atriz que não consegue passar em nenhum teste de audição e um músico de jazz frustrado porque percebe que o ritmo musical que sempre amou está morrendo a cada dia. Como músico porém ele não consegue também ter sucesso tocando aquilo que ama, tendo que participar de bandas baratas que procuram apenas o sucesso comercial. De maneira em geral "La La Land" agrada bastante, principalmente por sua opção em ser um filme radiante, bem colorido, optando pela alegria e diversão, acima de tudo. O roteiro também homenageia os antigos clássicos do cinema, como "Juventude Transviada" com James Dean, em cenas rodadas no mesmo local onde o filme foi originalmente feito. Enfim, um musical com pinceladas dos bons tempos da sétima arte. Especialmente indicado para nostálgicos, românticos e amantes do cinema. Se não for o seu caso, melhor esquecer.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.