quarta-feira, 29 de março de 2017

Lion - Uma Jornada Para Casa

Título no Brasil: Lion - Uma Jornada Para Casa
Título Original: Lion
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos, Austrália, Inglaterra
Estúdio: The Weinstein Company
Direção: Garth Davis
Roteiro: Luke Davies
Elenco: Dev Patel, Nicole Kidman, Rooney Mara, Sunny Pawar, Abhishek Bharate, David Wenham
  
Sinopse:
Com roteiro baseado no livro de memórias "A Long Way Home" de Saroo Brierley, o filme conta a história real desse autor. Quando ele tinha apenas 6 anos de idade ele se perdeu de seu irmão, em uma estação de trem na Índia. Ao entrar em um vagão ele acabou indo parar em Calcutá, 1600 km de distância da casa de sua mãe. Acabou virando por um tempo um menino de rua, perdido, sem destino. Resgatado por autoridades acabou sendo colocado para adoção, sendo finalmente enviado para a Austrália, onde foi adotado por um casal de australianos. Vinte anos depois ele decide reencontrar o caminho de seu lar original.

Comentários:
Mais um que concorreu ao Oscar de melhor filme nessa última premiação do Oscar. No total foram seis indicações, além de melhor filme concorreu também aos prêmios de melhor ator coadjuvante (Dev Patel), atriz coadjuvante (Nicole Kidman), roteiro adaptado (Luke Davies), fotografia (Greig Fraser) e música (Dustin O'Halloran e Volker Bertelmann). Não ganhou nenhum prêmio na noite. Uma pena porque realmente gostei desse "Lion". No começo fiquei com um pé atrás porque esse ano tivemos uma seleção irregular no Oscar. Inicialmente achei que não seria um grande filme, mas acabei me equivocando. Realmente é uma bela obra cinematográfica que se destaca não apenas por causa de sua história (bem impressionante) como também pelo excelente roteiro, muito bem estruturado. O enredo se baseia na história de um garotinho que se perde de sua família na Índia (um dos países mais populosos do mundo). Tão jovem, sem saber nem direito pronunciar o nome de seu vilarejo, ele acaba indo parar nas ruas, ao lado de outras milhares de crianças que vagueiam sem destino e sem futuro. Depois de quase ir parar nas mãos de uma rede de pedofilia (um aspecto apenas sugerido pelo roteiro), ele é salvo pelas autoridades indianas que logo o colocam no sistema de adoção para casais estrangeiros. Assim o garoto Saroo acaba indo parar no outro lado do mundo, na Austrália, sendo adotado por um casal (onde a esposa é interpretada por uma envelhecida e nada glamorosa Nicole Kidman). O tempo passa e vinte anos depois, usando o programa Google Earth, ele acaba descobrindo o nome de sua vila, o lugar e como chegar lá. Já universitário na Austrália faz a viagem de retorno para casa, para tentar encontrar a mãe e o irmão que ficaram para trás há tanto tempo. Um dos aspectos mais interessantes de "Lion - Uma Jornada Para Casa" é o contraste entre a infância pobre e miserável na Índia e as inúmeras possibilidade que se abrem ao garoto após ele ir parar na ensolarada e desenvolvida Austrália. Um choque de realidades realmente de impressionar. Essa experiência única de vida do protagonista Saroo Brierley daria origem a uma organização de ajuda humanitária às crianças desaparecidas (são milhares todos os anos na Índia). Um final bem feliz para uma história pessoal que poderia muito bem terminar em uma grande tragédia.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 27 de março de 2017

De Amor e Trevas

Título no Brasil: De Amor e Trevas
Título Original: A Tale of Love and Darkness
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos, Israel
Estúdio: Gesher Fund
Direção: Natalie Portman
Roteiro: Natalie Portman
Elenco: Natalie Portman, Amir Tessler, Gilad Kahana, Tomer Kapon, Shira Haas, Moni Moshonov
  
Sinopse:
O filme é baseado nas memórias de Amos Oz. De origem judaica ele relembra os anos de infância ao lado da mãe Fania Klausner né Mussman (Natalie Portman). Sua família morava em Jerusalém em um momento histórico muito complicado para a comunidade judaica pois o Estado de Israel ainda não havia sido reconhecido pelos organismos internacionais como a ONU. A tensão com os palestinos já estava em alta, o que tornava a vida bem mais complicada do que poderia se imaginar. É o momento em que os judeus construíam sua nação dos escombros da guerra. Filme indicado no Cannes Film Festival na categoria de Melhor Direção (Natalie Portman).

Comentários:
Esse é um projeto bem pessoal da atriz Natalie Portman. Ela produziu, dirigiu, atuou e escreveu o roteiro do filme. Nascida em Jerusalém Portman quis homenagear as lutas de seu povo, o povo judeu. A história gira em torno de uma mãe judia durante a década de 1940, quando os sobreviventes do holocausto voltaram para Israel com o firme propósito de fazer daquela terra sua nação. Embora politicamente o roteiro explore as dificuldades de se viver em Israel naquele momento histórico, com a guerra contra o Egito, o filme procura mesmo mostrar o cotidiano de uma família judia, com o pai escritor, a mãe dona de casa e o filho, ainda garotinho, tentando achar seu lugar no mundo. É uma família de classe média baixa, com o pai tentando se manter com a publicação de seus livros, que vendem pouco. A figura central é a da mãe, interpretada por Natalie Portman. Na juventude ela foi uma mulher cheia de sonhos, cheia de esperanças, que aos poucos vão desaparecendo por causa da pobreza, do casamento fracassado (o marido tem amantes) e do cotidiano massacrante do dia a dia. Assim ela acaba entrando em depressão. O problema é que naquela época essa era uma doença não muito bem conhecida pela medicina. Os médicos não sabiam direito como tratar esse mal. A terça parte final do filme explora justamente essa situação, com a mãe judia, que antes era tão vivaz e cheia de vida, definhando aos poucos. É um enredo baseado na tristeza e na depressão. Não é um filme com final feliz, mas tem uma sensibilidade à toda prova. Portman se sai bem melhor do que todos esperavam nessa sua primeira primeira experiência atrás das câmeras. Será que ela irá seguir por esse caminho em sua carreira? Bom, isso só o tempo poderá dizer.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 25 de março de 2017

Desconhecida

A história do filme se passa toda em apenas uma noite. A bióloga e pesquisadora Alice Manning (Rachel Weisz) é convidada para o jantar de aniversário de Tom (Michael Shannon) por um amigo em comum. Ela então chega na festa, se socializa, conta parte de sua história pessoal em conversas agradáveis com os outros convidados e acaba se dando muito bem com todos os novos amigos que faz. O que ninguém desconfia nesse jantar é que Alice e Tom não estão na verdade se conhecendo naquela noite, pois eles possuem um passado, foram namorados há quinze anos, em um relacionamento complicado. Tom é casado e por isso finge estar conhecendo Alice apenas naquele momento. Ela também mantém a farsa, mas aos poucos tudo vai desmoronando.

"Desconhecida" é um filme bem interessante por causa de sua protagonista. A linha dorsal do roteiro a mostra indo até a festa de aniversário de um amor do passado. Quando eles se reencontram acontece aquela situação típica de "saia justa", pois ficam fingindo que nunca se viram antes. Alice também não é uma mulher comum. Desde que acabou o romance com o ex-namorado ela começou uma vida muito incomum. Assumindo diversas identidades diferentes ao longo dos anos ela foi se reinventando conforme as situações em sua vida foram mudando. Assim Alice foi artista de shows de mágica na China, enfermeira de Detroit, mulher de negócios, pesquisadora, uma série de profissões diferentes. Para seu ex-namorado Tom ela não passaria de uma mentirosa compulsiva, mas no final de tudo nada disso ainda importa pois ele ainda tem uma certa paixão por ela.

Como se trata de um filme de atuações e diálogos, o grande atrativo vem do elenco do filme. Rachel Weisz é uma atriz talentosa, já premiada com o Oscar por sua atuação em "O Jardineiro Fiel" de 2005. Aqui ele assumiu essa responsabilidade de representar uma mulher que na verdade são muitas. A tal "desconhecida" do título original não é apenas uma convidada numa festa de aniversário, mas uma pessoa com múltiplas personalidades, que ela vai trocando conforme lhe convém. Outro destaque do elenco é a presença do ator Michael Shannon. A primeira vez que Shannon me chamou a atenção foi na série "Boardwalk Empire", depois ele fez vários filmes como "Batman Vs Superman", "Animais Noturnos" e "Elvis e Nixon". É um ator muito talentoso, que ainda não teve o destaque que merecia. Em suma é isso. Um filme indicado para quem gosta de personagens diferentes, vivendo vidas singulares.

Desconhecida (Complete Unknown, Estados Unidos, 2016) Direção: Joshua Marston / Roteiro: Joshua Marston, Julian Sheppard / Elenco: Rachel Weisz, Michael Shannon, Erin Darke, Hansel Tan / Sinopse: Bióloga é convidada para um jantar de aniversário por um amigo, sem esse saber que ela na verdade teve um caso amoroso complicado com o aniversariante quinze anos atrás. Filme indicado ao Central Ohio Film Critics Association e ao Deauville Film Festival na categoria de Melhor Ator (Michael Shannon).

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 22 de março de 2017

A Bela e a Fera

O grande lançamento nos cinemas mundiais dessa semana é essa nova versão de "A Bela e a Fera". Produzido pelos estúdios Disney,  o conto de fadas agora sai do mundo da animação para o cinema convencional, com atores de verdade. Essa aliás tem sido uma estratégia vitoriosa do estúdio nos últimos anos, eles apenas adaptam animações de sucesso do passado, em novas super produções, faturando mais alguns milhões de dólares nas bilheterias ao redor do mundo. Como em time que se está ganhando não se mexe...

Pois bem, esse filme aqui envolveu a atriz Emma Watson em uma polêmica bem desagradável (pelo menos sob o ponto de vista dela). A atriz é conhecida por causa de suas opiniões fortes, embasadas em uma visão de mundo feminista. Quando ele anunciou que iria interpretar basicamente uma princesa Disney o mundo dela caiu! Como se sabe as feministas possuem uma péssima impressão sobre as princesas da Disney porque segundo elas essa é uma imposição estereotipada da sociedade para com as mulheres. Emma ainda tentou se defender dizendo que a Bela era uma princesa diferente, que não aceitava certas coisas, mas a verdade é que pelo menos politicamente foi um passo atrás que ela deu.

Já em termos de carreira ela tem agora um baita sucesso em sua filmografia. O filme vai muito bem nas bilheterias, liderando rankings de vendas de ingressos em todos os mercados. Nada mal. O roteiro segue basicamente o mesmo da animação. É curioso porque o conto de fadas original, escrito pela Madame Gabrielle-Suzanne Barbot em 1740, foi tantas vezes adaptado ao longo de todos esses anos,  que pouca coisa sobrou do texto original. Barbot viveu na França do século XVIII, na época de ouro do absolutismo da Casa de Bourbon. Sua obra era bem mais interessante, sob diversos aspectos, mas seria pouco atrativa para as crianças de hoje.

Como se trata de um produto com o selo de qualidade Disney é meio desnecessário elogiar a bonita produção, a direção de arte de bom gosto, os efeitos de computação gráfica, etc. A Disney mantém um padrão de qualidade tão absurdo que todos os seus filmes são impecáveis nesses aspectos. A única crítica que teria a fazer sobre isso seria sobre o design da fera, que ao meu ver, está mais parecida com um werewolf de filmes de terror do que com um personagem cheio de sentimentos de uma produção feita para agradar as crianças. Tirando isso de lado, todo o mais me agradou. A espinha dorsal do enredo é o musical da Broadway, com belas canções por todo o desenrolar do filme. E sim, no final das contas a Emma Watson interpreta mesmo uma típica princesinha Disney. Nem adianta disfarçar.

A Bela e a Fera (Beauty and the Beast, Estados Unidos, 2017) Direção: Bill Condon / Roteiro: Stephen Chbosky, Evan Spiliotopoulos / Elenco: Emma Watson, Kevin Kline, Ewan McGregor, Ian McKellen, Emma Thompson, Stanley Tucci, Dan Stevens, Luke Evans / Sinopse: Após o desaparecimento de seu pai em uma floresta sinistra e sombria, Belle (Watson) vai atrás dele e descobre que ele é prisioneiro de uma fera em seu castelo, um antigo príncipe que fora amaldiçoado por uma bruxa. Apenas o amor poderá salvá-lo de seu trágico destino.

Pablo Aluísio.

terça-feira, 21 de março de 2017

Elle

A atriz Isabelle Huppert concorreu ao Oscar pela sua atuação nesse filme "Elle". Não deixou de ter sido uma surpresa porque o roteiro desse filme é um tanto incomum. Isabelle Huppert interpreta uma mulher madura chamada Michèle Leblanc. Divorciada, morando sozinha, ele é a executiva de uma empresa que produz jogos de videogames. Ao abrir a porta de sua sala para seu gato entrar em casa ela acaba sendo surpreendida pela entrada de um criminoso, um estuprador. Depois de ser violentada ela tenta superar o trauma e descobre, tempos depois, que o estuprador na verdade é alguém bem próximo dela.

Michèle Leblanc tem um passado a esconder. Ela é filha de um dos mais infames serial killers da história da França, um homem que está prestes a morrer na cadeia. Mesmo assim ela se recusa a vê-lo pela última vez. Pior acontece em relação ao seu relacionamento com sua mãe, que está pensando em se casar com um rapaz bem mais jovem, um explorador de mulheres mais velhas, um escroque. Como se vê a protagonista tem muitos problemas em sua vida pessoal, mas mesmo assim tenta seguir em frente, levando sua vida.

Devo antecipar que o roteiro de "Elle" tem algumas coisas que fogem completamente do padrão desse tipo de drama francês. A personagem Michèle Leblanc é mais do que uma mulher forte, ela na verdade é uma mulher racional, diria até fria ao extremo. Será que o argumento quis fazer algum tipo de ligação com o fato dela ser filha de um psicopata? É possível. Ao longo da trama Michèle acabará descobrindo a identidade do criminoso que a estuprou, mas ao invés de denunciá-lo para as autoridades policiais acaba desenvolvendo uma doentia relação com ele. Essa parte da estória (que foi baseada no romance escrito por Philippe Djian) certamente deixará muitas feministas de cabelo em pé!

Isabelle Huppert tem uma atuação corajosa. Encarnar cenas fortes, de estupro e violência extrema, com cenas de nudez, exige uma postura de coragem de uma atriz como ela, já consagrada em sua carreira. Talvez essa postura tenha lhe valido a indicação ao Oscar (que diga-se de passagem foi bem merecida). Agora, curioso mesmo é reencontrar o diretor holandês Paul Verhoeven (de filmes como "Instinto Selvagem", "Robocop" e "O Vingador do Futuro"), que andava bem sumido, ressurgir com uma obra cinematográfica como essa! Fora dos padrões de sua carreira ele acabou surpreendendo de forma bem positiva.

Elle (Elle, França, Alemanha, Bélgica, 2016) Direção: Paul Verhoeven / Roteiro: David Birke  / Elenco: Isabelle Huppert, Laurent Lafitte, Anne Consigny / Sinopse: Michèle Leblanc (Isabelle Huppert) é uma executiva de uma empresa de games que acaba sendo estuprada em sua própria casa. O crime acaba sendo o estopim de uma série de acontecimentos em sua vida. Filme indicado ao Oscar na categoria de Melhor Atriz (Isabelle Huppert). Vencedor do Globo de Ouro na categoria de Melhor Atriz - Drama (Isabelle Huppert). Filme indicado à Palma de Ouro do Cannes Film Festival.

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 20 de março de 2017

A Grande Muralha

O enredo é simples e direto. O estrangeiro William (Matt Damon) chega nas muralhas da China após ser perseguido por bandoleiros a bandidos. Uma vez diante da enorme construção ele resolve se render para o exército do grande império chinês. Dentro das suas enormes fortificações, ele descobre que a região está prestes a ser atacada por criaturas monstruosas, que caçam e matam seres humanos com ferocidade. William quer descobrir o segredo de uma nova arma, a pólvora, e logo cerra fileiras ao lado dos chineses para combater a perigosa ameaça que está chegando! Para enfrentar as feras eles usarão de todos os tipos de táticas de guerra, algumas bem conhecidas e outras pouco usuais. Basicamente é isso, um filme de monstros sendo combatidos aos pés da grande muralha chinesa.

Eu estava muito equivocado em relação a esse filme. Pensava se tratar de um épico sobre a construção da Muralha da China. Algo histórico, com grandes cenas de batalhas entre os antigos povos da China e a força da cavalaria mongol! Que nada! O filme não passa de uma aventura bem juvenil feita para o público pré-adolescente e até mesmo infantil. Tudo é extremamente fantasioso (o enredo se passa em um universo de fantasia) onde a grande muralha não fora construída para deter as invasões do império Mongol, mas sim para defender o Império chinês de monstros místicos que a cada sessenta anos surgem para lembrar aos imperadores que sua ganância de poder deve ter limites! Uma lição para ser relembrada com violência e mortes de tempos em tempos.

Achei esse argumento realmente fraco! Tudo mero pretexto para ataques e mais ataques dessas criaturas que, é bom frisar, me lembraram demais os mesmos monstros do filme "Kong - A Ilha da Caveira". É praticamente o mesmo modelo de besta feroz, com poucas mudanças de design. A semelhança chega a causar embaraço e constrangimento! Pelo visto resolveram usar o mesmo programa de computação gráfica e o mesmo desenho de criação do outro filme, o que não deixa de ser um aspecto muito negativo, ainda mais que ambos os filmes estrearam praticamente no mesmo mês. Os efeitos digitais, que deveriam ser um grande atrativo, assim perde parte de sua força pela falta de originalidade! Como estava esperando por algo mais, digamos, sério, a decepção foi ainda maior por causa do tipo de filme que acabei encontrando. Nos Estados Unidos o filme não foi muito bem recebido pelo público que não pareceu muito interessado em seu tema. Ao custo de 150 milhões de dólares, o filme só conseguiu ter uma bilheteria morna até agora com 21 milhões em seus primeiros dias de exibição. Muito fraco para uma super produção como essa. No mercado internacional rendeu apenas 40 milhões, ou seja, caminha para dar um grande prejuízo ao estúdio.

A crítica também não gostou do resultado, mas os produtores desse filme não parecem muito preocupados com o mercado ocidental, mas sim com as bilheterias chinesas! Isso mesmo, o filme foi feito para o mercado cinematográfico da China, por isso temos aqui um roteiro que vai soar familiar para quem acompanha os filmes de fantasia feitos em Hong Kong, onde se mesclam com toneladas de efeitos digitais gratuitos, que nem sempre são muito convincentes, um enredo mais simples, dirigido principalmente para os jovens entre 11 a 15 anos de idade! Como é feito para o mercado Made in China não espere por nada que venha sequer arranhar a imagem do povo e governo chinês. Todos os personagens chineses são heroicos, altamente íntegros, inclusive as mulheres que aqui ganham uma nova função - a de guerreiras voadoras! (Não é brincadeira!). O elenco americano é todo dispensável pois eles no final não fazem nenhuma grande diferença. São descartáveis mesmo! É muito complicado entender como Matt Damon preferiu atuar nesse fraco filme ao invés de estrelar "Manchester à Beira Mar", filme que foi produzido especialmente para ele atuar. Acabou dando o Oscar para Casey Aflleck, enquanto Damon afundou nessa produção megalomaníaca e vazia. Uma péssima escolha. Enfim, só indicaria mesmo o filme para um público adolescente. Os mais velhos certamente ficarão decepcionados com o resultado aqui apresentado.

A Grande Muralha (The Great Wall, Estados Unidos, China, Hong Kong, 2016) Direção: Yimou Zhang / Roteiro: Carlo Bernard, Doug Miro / Elenco: Matt Damon, Willem Dafoe, Pedro Pascal, Tian Jing, Hanyu Zhang, Lu Han / Sinopse: Dois estrangeiros se empenham, ao lado dos chineses, na luta contra monstros que atacam a grande muralha da China a cada 60 anos! William (Matt Damon), um mercenário no passado, acaba descobrindo os verdadeiros valores que devem nortear a vida de um verdadeiro guerreiro honrado.

Pablo Aluísio.

domingo, 19 de março de 2017

Silêncio

Esse é um filme sobre os limites da fé! O seu roteiro mostra o ápice de dor física e psicológica a que um homem pode suportar, mesmo tendo a fé mais sincera e honesta em seu coração. A história se passa no século XVII. Após uma intensa perseguição religiosa contra os católicos em um Japão brutal e desumano, dois jovens padres jesuítas são enviados para lá com a missão de descobrirem o que teria acontecido ao padre Ferreira (Liam Neeson), que liderava a Igreja naquela distante nação. Ao chegarem clandestinamente em terras japonesas descobrem que muitos cristãos estão sendo mortos de forma bárbara apenas pelo fato de seguirem o evangelho de Cristo.

Essa é uma obra cinematográfica de extrema relevância por expor o pior tipo de intolerância religiosa que se pode existir, a intolerância estatal, promovida por autoridades do próprio Estado. Em um Japão com predominância da religião budista, os próprios líderes do Estado decidiram que o cristianismo não poderia entrar em seu país. Assim foi promovida uma intensa perseguição religiosa contra todos os cristãos, promovendo torturas, massacres e assassinatos em massa. Uma coisa horrorosa que nos ensina muito sobre essa questão. E engana-se quem pensa que atualmente não vivemos um momento bem parecido com o que vemos nas telas. Basta lembrar dos métodos bem parecidos utilizados por fundamentalistas islâmicos do mundo atual, para vermos que aquilo que se passa no filme não é uma realidade tão distante ao nosso presente como muitos possam pensar.

O diretor Martin Scorsese realiza assim um dos seus melhores trabalhos. Uma obra muito sincera e bem pessoal. O cineasta, nascido dentro de uma grande comunidade católica em Nova Iorque, pensou em se tornar padre em sua infância. Ao longo de sua vida acabou criando uma relação de amor e ódio com a Igreja Católica, mas sem jamais a abandoná-la completamente. Essa dualidade entre tantos sentimentos conflituosos com a sua religião o fizeram entrar nesse projeto. O roteiro, como podemos perceber, é realmente uma declaração de amor de Scorsese para com os heróis da Igreja, homens comuns, padres jesuítas, que foram colocados em situações extremas, só vivenciadas antes entre os primeiros cristãos, ainda nos tempos de Jesus.

Um dos protagonistas é um jovem padre português chamado Rodrigues, interpretado pelo ator Andrew Garfield. Em minha opinião esse ator não teve todo o talento dramático exigido para viver com a devida intensidade a incrível história de fé de seu personagem. Mesmo assim, com pequenas falhas, ele não compromete o filme como um todo. Tudo bem, um ator melhor faria grande diferença, porém essa história é tão edificante, tão relevante, que não podemos ignorar a força do roteiro por si mesmo. Enfim, poucas vezes vi um filme tão humano como esse na filmografia do mestre Martin Scorsese. Uma obra essencial.

Silêncio (Silence, Estados Unidos, México, Taiwan, 2016) Direção: Martin Scorsese / Roteiro: Martin Scorsese, Jay Cocks / Elenco: Andrew Garfield, Adam Driver, Liam Neeson, Shin'ya Tsukamoto, Yôsuke Kubozuka, Issei Ogata, Tadanobu Asano / Sinopse: Dois padres jesuítas, Rodrigues (Andrew Garfield) e Garupa (Adam Driver), são enviados para o Japão do século XVII, para descobrirem o paradeiro do padre Ferreira (Neeson), mas uma vez lá descobrem que o país vive uma intensa perseguição religiosa contra católicos, promovendo uma política estatal de massacres e assassinatos em massa. Filme indicado ao Oscar na categoria de Melhor Fotografia (Rodrigo Prieto).

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 17 de março de 2017

"A Bela e a Fera" e outros lançamentos da semana...

Fim de semana, hora de conferir os lançamentos nos cinemas. Essa, devo dizer, é uma semana bem fraca em termos de estreias nas telas. Dando um panorama bem geral poucos filmes despertaram meu interesse em pagar um ingresso para assistir. São filmes, de certa forma, de medianos para fracos. De qualquer forma vamos tecer alguns breves comentários sobre eles.

Como todos já sabem o grande lançamento da semana é o filme "A Bela e a Fera", versão convencional, com atores em carne e osso, em adaptação do famoso desenho da Disney. O filme virou alvo de uma polêmica muito chata e enfadonha lá fora por causa da atriz Emma Watson. Emma virou uma dessas feministas bem chatinhas e por isso pegaram no pé dela ao interpretar uma princesa da Disney nas telas. Para as feministas a figura das princesas nada mais é do que um estereótipo ofensiva para com as mulheres... Não disse que era uma polêmica bem chata? Pois é...

O curioso em relação a esse semana é que não há um segundo grande lançamento nas telas. Todos os demais filmes são pequenas produções, sem muitas chances no circuito comercial. O lançamento de "A Bela e a Fera" é tão massificante e massacrante que não sobrou espaço para mais ninguém. Mesmo assim há alguns filmes que valem a curiosidade. Há uma produção francesa chamada "Os Cowboys" que apesar do título não é um western. É um drama sobre um pai que fica desesperado quando a filha resolve fugir com seu namorado, um jovem muçulmano! Pelo visto a crise dos imigrantes islâmicos já adentrou os lares franceses!

Outro filme que explora a vida dos refugiados na França é "Fátima", a história de uma mãe de origem muçulmana que luta para criar suas duas filhas em uma grande cidade francesa. O choque cultural, o preconceito e as dificuldades dela fazem parte do roteiro desse drama socialmente consciente. E se você não estiver disposto a encarar esse tipo de drama francês mais pesado fica a dica da comédia americana "Tinha que Ser Ele?". Pessoalmente já perdi as esperanças no humor americano há muitos anos. Nunca mais consegui me divertir com uma comédia feita para o cinema que venha da indústria Made in USA. Os filmes em geral são imbecilizados demais. Meu único interesse aqui se resumiria na atuação de Bryan Cranston. Ele, que nunca fez comédia antes (que eu saiba) tenta um novo rumo em sua filmografia. Será que deu certo? Bom, isso só conferindo nos cinemas mesmo. Boa sorte!

Pablo Aluísio.

quinta-feira, 16 de março de 2017

Kong: A Ilha da Caveira

O espírito que move esse filme é o mesmo das antigas produções de matinê que eram exibidas em um tempo distante no passado. Tudo é diversão e aventura. Tanto isso é uma verdade que os técnicos em efeitos especiais resolveram homenagear o design da criatura do clássico de 1933. Ao se olhar para o King Kong desse novo filme é impossível ignorar suas semelhanças com o gorila do primeiro filme. Os braços robustos e até mesmo suas feições faciais são extremamente semelhantes. Os cinéfilos mais tradicionais vão gostar dessa homenagem.

O roteiro também visa única e exclusivamente a pura diversão. Os personagens não são desenvolvidos em nenhum aspecto pois o filme se propõe mesmo a ser um velho filme de monstros de matinê. Sempre que o desenrolar vai ficando um pouquinho mais chato surge no horizonte alguma criatura monstruosa, seja ela um inseto gigante, seja um polvo pré-histórico. As crianças vão adorar.

A trama, ao contrário dos filmes anteriores, se passa totalmente na Ilha da Caveira. Isso é bem curioso porque nas produções do passado a Ilha da Caveira só servia mesmo como um ponto de partida, onde King Kong era capturado e levado para a civilização. Depois disso ele serviria basicamente como atração circense. Aqui não, Kong está em seu habitat natural, lutando não apenas contra os seres humanos como também contra a macrofauna existente no lugar. Em relação a esses bichos monstruosos e gigantes só me senti um pouco decepcionado com os lagartos gigantes que são os maiores inimigos de King Kong. Não achei o design deles tão bem feito ou inovador. Para falar a verdade seria melhor ver o gigante lutando contra um dinossauro, como no filme de 1933.

A direção é eficiente. Como não se está em busca de uma obra prima, nem nada do gênero, acabou se realizando um bom filme de aventuras e monstros pré-históricos. Por isso também todos os personagens humanos são caricatos. Samuel L. Jackson é um soldado caricato tirado das selvas da guerra do Vietnã. John Goodman é um caricato líder da expedição, cujos motivos esconde de todos, como é de praxe nesse tipo de roteiro, e por aí vai. Até mesmo a mocinha, uma fotógrafa que parece ter saído de um documentário sobre os anos 70, também é uma construção caricata. Nada disso porém importa no final das contas. Não é Shakespeare, é apenas um filme de monstros gigantes brigando entre si. Se você estiver em busca de algo assim nos cinemas certamente vai gostar - e se divertir. Não espere por nada muito além disso. Esse é o espírito.

Kong: A Ilha da Caveira (Kong: Skull Island, Estados Unidos, 2017) Direção: Jordan Vogt-Roberts / Roteiro: Dan Gilroy, Max Borenstein / Elenco: Samuel L. Jackson, John Goodman, John C. Reilly, Tom Hiddleston, Brie Larson / Sinopse: Expedição é enviada até uma distante e isolada ilha no Pacífico Sul. Encoberta por uma perene tempestade, a Ilha da Caveria é um mistério completo e guarda uma fauna intocada pelo tempo, incluindo um imenso gorila do tamanho de um arranha-céu, o Rei Kong.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 15 de março de 2017

Uma pequena lista de filmes

Aqui vai uma pequena lista de filmes que assisti recentemente. Alguns deles ganharam resenhas em outros blogs. Ontem conferi esse "Macbeth - Ambição e Guerra", estrelado por Michael Fassbender. É mais uma adaptação da obra de William Shakespeare. O texto é dos melhores, mostrando um nobre guerreiro que é corroído pela ambição, se tornando um assassino insano e cruel, tudo para se sentar no trono da Escócia.

Essa peça era considerada maldita e amaldiçoada pelos contemporâneos de Shakespeare, justamente por causa de seu tema sórdido envolvendo até mesmo bruxaria. É de se pensar na coragem de Shakespeare escrevendo sobre um rei insano em pleno auge do absolutismo inglês. No geral é um bom filme, gostei.

Já "Sala Verde" é um thriller de suspense que não convence muito. No elenco apenas um nome conhecido: Patrick Stewart, sim ele mesmo, o Capitão Picard de "Star Trek - A Nova Geração" e o Professor Xavier da franquia "X-Men". Ator talentoso não teve muito com o que trabalhar nesse filme. O enredo é vulgar. Uma banda de rock do estilo Hard Punk vai se apresentar em um "buraco", um lugar frequentado por skinheads e membros do movimento White Power. Todos neonazistas, todos racistas. Após o show um dos membros do grupo presencia uma cena grotesca, uma jovem é esfaqueada na cabeça. Agora todos eles se tornaram testemunhas de um crime e vão ter que pagar muito caro para sair daquele lugar com vida. Patrick Stewart é o velho líder racista, dono do lugar, que fará de tudo para mandar todos eles para a cova rasa. Um filme apenas irregular, nada memorável.

Nesse gênero suspense, já indo para o terror, melhor mesmo é conferir "Ouija: Origem do Mal". O filme já vinha sendo elogiado bastante, por isso resolvi conferir e acabei gostando. A história se passa nos anos 60 e embora o roteiro tenha muitos clichês, tudo se garante na base da referência a bons filmes de terror do passado. Pena que o mesmo não possa ser dito do novo filme da franquia "Anjos da Noite" intitulada "Guerras de Sangue" que é apenas um prato requentado de todos os demais filmes da série. Dispense. Por fim duas dicas para quem gosta de história. São dois filmes sobre a última rainha da França, Maria Antonieta. "Adeus Minha Rainha" mostra os últimos momentos da monarca, tudo sob o ponto de vista de uma de suas damas de companhia. Já "Maria Antonieta" conta a história da rainha em uma narrativa quase documental. A atriz que interpreta a protagonista é extremamente parecida com a Maria Antonieta real. Um filme muito bom, diria até mesmo educativo.

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 13 de março de 2017

Logan

Esse texto contém spoiler. Assim se você ainda não assistiu ao filme fique por aqui. Pois bem, "Logan" foi um filme muito esperado pelos fãs dos quadrinhos, justamente por encerrar a franquia principal dos X-Men que começou há exatos 17 anos. Também marca a despedida do ator Hugh Jackman ao personagem que o consagrou no cinema, o Wolverine. Com tantas despedidas era mesmo de se esperar por muito ansiedade por parte dos fãs. Depois que o filme foi lançado as reações foram muito boas, bem positivas. Falou-se até mesmo em obra prima! Será?

Na verdade as reações de deslumbramento precisam baixar um pouco a bola. Tudo bem, concordo que "Logan" é um bom filme, mas qualificar como obra prima já é um pouco demais, coisa de fã mesmo. O roteiro não tem muitas novidades a não ser dois acontecimentos vitais para os que acompanharam essa saga por todos esses anos. Certamente o filme será lembrado para sempre como aquele em que Wolverine e o professor Charles Xavier chegaram ao fim de sua jornada. As mortes de dois personagens tão importantes realmente marcará esse filme pelos anos que virão. É o fim de um ciclo que começou e terminou bem - coisa cada vez mais rara em termos de franquias cinematográficas ultimamente.

Tirando isso porém temos um enredo comum, diria até banal. Logan vive uma crise existencial. Exagerando na bebida ele tenta ganhar a vida como motorista de limusines, enquanto tenta tratar o Professor Xavier que agora vive em uma velha instalação abandonada. O velho já está um pouco senil, abalado mentalmente. A vida medíocre de Logan sofre uma revés quando ele é procurado por uma mulher mexicana desconhecida. Ela quer sua ajuda. Ao trabalhar como enfermeira numa instalação secreta ela tomou contato com um grupo de crianças que não passavam de experimentos genéticos mutantes. Entre as crianças se encontra uma menina, com os mesmos poderes de Logan. Provavelmente seja sua filha. As crianças fogem e um grupo de brutamontes é enviado para localizar todas elas. Logan, mesmo sem querer, acaba se envolvendo bem no meio dessa caçada sangrenta.

A espinha dorsal do roteiro é justamente essa: Logan fugindo e um grupo fortemente armado o perseguindo. Logan está ao lado da menina Wolverine e do Professor Xavier. Eles precisam sobreviver até chegarem a um lugar conhecido apenas como Éden. E isso é tudo. Por ter uma trama tão simples não consigo visualizar nada de muito especial em termos de roteiro. Nem os vilões me pareceram muito interessantes. O que acaba salvando o filme da banalidade completa é justamente o carisma de Hugh Jackman e Patrick Stewart (que também se despede da franquia). A garotinha filha de Logan é antipática e não cria muito empatia. Ela também segue muda por quase todo o filme.  Obviamente poderá até haver um link em relação aos garotos mutantes que surgem nesse filme, mas será que haverá algum interesse por eles futuramente? Duvido bastante. Assim, no final das contas, temos aqui uma despedida digna de todos esses personagens marcantes. Não é uma obra prima, repito, mas seguramente é um bom filme. Os fãs de Wolverine não terão muito o que reclamar, só os cinéfilos.

Logan (Logan, Estados Unidos, 2017) Direção: James Mangold / Roteiro: James Mangold, Scott Frank  / Elenco: Hugh Jackman, Patrick Stewart, Dafne Keen / Sinopse: Logan (Jackman) tenta deixar o passado para trás, mas esse se recusa a deixá-lo em paz. A máscara de Wolverine e suas façanhas não o deixam seguir em frente. Após ser procurado por uma mulher desconhecida ele descobre que há uma menina com os seus poderes. Agora ele terá que lutar para protegê-la de um grupo corporativo que realiza experiências genéticas em crianças no México.

Pablo Aluísio.

sábado, 11 de março de 2017

Moonlight: Sob a Luz do Luar

Como não poderia deixar de ser, procurei assistir a esse "Moonlight: Sob a Luz do Luar" que se tornou o grande vencedor do Oscar 2017, levando para casa o prêmio de Melhor Filme do ano! Melhor filme do ano?! Olha, assisti muitos filmes nesse ano que passou e posso dizer, sem medo de ser injusto, que há dezenas de filmes bem melhores do que esse! Nem entre os concorrentes ao Oscar (nove ao total) "Moonlight" consegue se sobressair. Vou além, é um filme bem comum, com estrutura de roteiro bem banal, rotineiro, sem nada de excepcional.

O filme conta a história de um jovem negro, desde sua infância, até sua vida adulta. Quando era apenas uma criança ele teve que lidar com uma realidade difícil. A mãe era viciada em crack, geralmente recebendo homens em sua própria casa para se prostituir, um verdadeiro caos familiar. Na escola a realidade também era a pior possível. Franzino, tímido e frágil, ele logo passou a ser alvo de bullying dos demais alunos. Para piorar ainda mais o jovem Chiron também era homossexual, o que lhe colocava numa situação até mesmo perigosa. O único que parecia se importar com ele era um traficante da região, Juan (Mahershala Ali), que paradoxalmente era um dos fornecedores de sua mãe viciada.

Eu explico a consagração desse filme nesse ano não baseado em méritos cinematográficos. Isso aconteceu porque no ano anterior não houve nenhum candidato ao Oscar que fosse negro. Assim a Academia fez uma média, trazendo todos os filmes sobre minorias que encontrou pela frente. "Moonlight" dessa maneira se tornou vencedor muito na base desse tipo de politicagem, dessa tentativa de soar o mais politicamente correto possível. É cansativo ter que lidar com isso. Na verdade o filme venceu o Oscar por fatores externos à obra em si. Olhando-se apenas para "Moonlight" pelo que ele apresenta, repito, você não verá nada de excepcional ou brilhante. 

Sigo afirmando que o melhor filme, dentre os concorrentes, ainda é, em minha opinião, "Um Limite Entre Nós" com Denzel Washington, só que a Academia não iria premiar o ator pois ele já havia sido premiado antes. Pois é, Denzel, apesar de ser negro e extremamente talentoso, já era bem sucedido demais para a Academia. Aqui o importante era mesmo premiar o vitimismo. Diante de tudo isso o meu veredito é bem simples: "Moonlight: Sob a Luz do Luar" é um bom filme, tem boas interpretações e alguns bons momentos, mas ele definitivamente não foi o melhor filme de 2016. Nem passou perto disso.  No fundo é apenas mais uma bandeira do politicamente correto e nada mais.

Moonlight: Sob a Luz do Luar (Moonlight, Estados Unidos, 2016) Direção: Barry Jenkins / Roteiro: Barry Jenkins, Tarell Alvin McCraney/ Elenco: Mahershala Ali, Ashton Sanders, Janelle Monáe, Naomie Harris / Sinopse: O filme conta a história de um jovem negro, da infância até a fase adulta, quando se torna um traficante de drogas que reencontra uma velha paixão do passado. Filme vencedor do Oscar nas categorias de Melhor Filme, Melhor Ator Coadjuvante (Mahershala Ali) e Melhor Roteiro Adaptado. Também vencedor do Globo de Ouro na categoria de Melhor Filme - Drama.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 10 de março de 2017

Cinema: Lançamentos da Semana (10/03 a 16/03)

Um dos lançamentos que mais me chamaram a atenção nessa semana nos cinemas é a nova versão de "King Kong". Intitulado "Kong: A Ilha da Caveira", o filme tem tido boas reações por parte dos críticos de um modo em geral. Pelo visto teremos ao menos uma boa aventura para ver sem maiores preocupações. O único nome mais conhecido do elenco é Samuel L. Jackson, o que não faz grande diferença no final das contas pois nesse tipo de filme o que realmente importa são os efeitos especiais e, é claro, a presença do gorila gigante. Estou esperando coisa boa, vamos conferir.

Já "Fome de Poder" traz Michael Keaton no papel de um dos fundadores do império de fast food, o McDonald´s. Curioso que agora temos mais um razão para chamar o atual circuito comercial de cinema fast food, pois resolveram fazer um filme exatamente sobre isso. Para quem procura por conteúdo e não apenas por hambúrgueres nas telas deixo a recomendação de "Versões de um Crime", filme de tribunal estrelado pelo ator Keanu Reeves. Já fiz resenha desse filme aqui no blog. É bom, nada excepcional, mas um bom filme.

Para os católicos temos duas boas estreias nas telas. O primeiro é o novo filme de Martin Scorsese chamado "Silêncio". O filme mostra em seu ótimo roteiro a perseguição sofrida pela Igreja Católica no Japão do século XVII. No enredo dois padres jesuítas sofrem todos os tipos de intolerância religiosa por causa de sua fé. Um brilhante trabalho de Scorsese, praticamente uma declaração de amor para a sua religião. Já "Papa Francisco: Conquistando Corações" tem como objetivo contar parte da história desse grande Papa que hoje em dia está sentado no trono de Pedro. O tema, como não poderia de ser, é mais do que interessante. Pretendo assistir, com absoluta certeza.

Outro bom drama a chegar nas telas é "Negação". Outro filme que já assisti e escrevi resenha. Na estória vemos a luta travada nos tribunais entre uma historiadora e pesquisadora americana e um revisionista, um sujeito que nega o holocausto, afirmando que tudo não passaria de uma grande mentira da propaganda sionista. Filme de tribunal, mas muito além disso, explorando detalhes de um dos maiores crimes da humanidade. Excelente filme, que recomendo bastante. Para fechar a lista deixo enfim a indicação do filme "Personal Shopper", uma produção no mínimo interessante, estrelada por Kristen Stewart, que mostra a incomum profissão de uma americana em Paris cujo trabalho consiste em aconselhar celebridades a comprarem as roupas certas. Especialmente indicado para fashionistas em potencial.

Pablo Aluísio.

quinta-feira, 9 de março de 2017

Perseguindo Abbott

Título no Brasil: Perseguindo Abbott
Título Original: Survivor
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: Lionsgate
Direção: James McTeigue
Roteiro: Philip Shelby
Elenco: Pierce Brosnan, Milla Jovovich, Angela Bassett, James D'Arcy, Dylan McDermott, Robert Forster
  
Sinopse:
A embaixada americana em Londres tem uma nova agente de imigração chamada Kate Abbott (Milla Jovovich). Assim que ela começa a trabalhar percebe que há algo errado no serviço de emissão de vistos para os Estados Unidos. Um grupo de pessoas suspeitas estão sendo claramente protegidas por algum figurão. Ela parece disposta a descobrir o que de fato estaria acontecendo, mas antes disso descobre que está na mira de um perigoso assassino profissional disposto a tudo para tirá-la do meio do caminho dos terroristas que querem entrar nos Estados Unidos de todas as maneiras possíveis.

Comentários:
O filme é de rotina. Uma fita de ação sem maiores novidades. O grande atrativo é reencontrar o ator Pierce Brosnan em um papel que lembra até mesmo seus antigos filmes como James Bond. Claro, aqui ele não é um agente secreto, mas sim um assassino profissional conhecido como "O Relojoeiro" que acaba sendo contratado por um grupo de terroristas. Seu palco de batalha são as ruas de Londres, que acabaram sendo muito bem fotografadas aqui. Brosnan ainda mantém o charme, apesar do peso da idade que vai se tornando cada vez mais óbvio. Ele sai pelas ruas da capital inglesa portando uma arma com silenciador, procurando eliminar a agente Kate Abbott, interpretada pela sempre péssima Milla Jovovich. Mesmo após tantos anos Milla não parece ter melhorado em nada, o que não deixa de ser um viés para o filme como um todo. Como o matador de Brosnan se torna bem mais interessante do que ela (e até mais carismático, apesar de ser um sujeito frio e psicopata), acabamos torcendo para o lado errado - o que demonstra que há algo de errado na escolha do elenco! Tirando a clara incapacidade da atriz principal, o que sobra é um bom thriller de ação e perseguição. Duas cenas de destacam no meio da correria e explosões: um ataque planejado e executado por Brosnan em um pequeno restaurante londrino e um tiro certeiro (e mais do que explosivo) na fachada de um prédio residencial que acaba em colapso completo. Enfim, nada demais você encontrará nessa produção, apenas diversão ligeira, o que atualmente acaba sendo até mesmo muito bem-vinda.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 8 de março de 2017

Animais Noturnos

Título no Brasil: Animais Noturnos
Título Original: Nocturnal Animals
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Focus Features
Direção: Tom Ford
Roteiro: Tom Ford
Elenco: Amy Adams, Jake Gyllenhaal, Michael Shannon, Aaron Taylor-Johnson, Laura Linney, Michael Sheen
  
Sinopse:
Baseado no romance escrito por Austin Wright, o filme "Animais Noturnos" conta a história de Susan Morrow (Amy Adams). Trabalhando em uma galeria de arte, ela começa a se sentir frustrada em sua vida pessoal e profissional. Sua galeria não vai bem e seu marido vai se tornando cada vez mais distante. Nesse ponto de sua vida ela começa até mesmo a se questionar se o ama de verdade e se tomou a decisão certa ao se casar com ele. Ao receber o manuscrito do novo livro escrito por seu ex-marido, Edward Sheffield (Jake Gyllenhaal), ela começa a entrar em uma grande crise existencial sobre as escolhas que fez ao longo de sua vida. Filme indicado ao Oscar na categoria de Melhor Ator Coadjuvante (Michael Shannon). Vencedor do Globo de Ouro na categoria de Melhor Ator Coadjuvante (Aaron Taylor-Johnson).

Comentários:
Muito se falou sobre a injustiça de não se ter indicado a atriz Amy Adams ao Oscar. Ela realmente está em uma fase excepcional na sua carreira, sendo que em 2016 ela poderia ter sido facilmente indicada ao prêmio de melhor atriz tanto por seu excelente trabalho em "A Chegada" como por esse "Animais Noturnos". Ambas as indicações seriam merecidas. Em relação a esse papel, ela se sobressai ao interpretar uma mulher que em determinado momento de sua vida fica em dúvida sobre as escolhas que fez. Ela teve uma paixão no passado que foi boicotada por sua família, já que o rapaz era um escritor fracassado e pobre. Certamente ela gostava bastante dele, mas pressionada pela mãe, que dizia ser sua escolha um homem considerado romântico e fraco demais, acabou optando por um bonitão que conheceu na universidade, um sujeito frio e bastante vazio. Com problemas na empresa (ela dirige uma galeria de arte), tudo piora quando seu ex resolve lhe mandar o manuscrito de seu novo romance, intitulado "Animais Noturnos" para ela ler em primeira mão. O livro é inclusive dedicado a ela. Assim o roteiro começa a explorar duas linhas narrativas: a primeira com Amy lendo o tal romance e a segunda mostrando a própria história do manuscrito escrito por Edward, o escritor fracassado, interpretado por Jake Gyllenhaal. Com isso temos na verdade dois gêneros cinematográficos convivendo no mesmo filme, com um drama existencial em primeiro plano (a vida da personagem de Amy Adams) e a trama de assassinato e brutalidade, exposta no livro que ela lê. Tudo muito bom, bem costurado por um roteiro extremamente eficiente. No quadro geral o filme se destaca por explorar o lado do arrependimento, da busca por uma redenção pelos erros do passado. O próprio enredo do manuscrito que a protagonista lê é, no fundo, uma metáfora sobre a conturbada relação que ela teve com seu autor no passado. O personagem que se sobressai lá é um pai de família que se vê numa situação extrema e que em seu final precisa provar que não é um fraco, um homem sem brio. Tudo o que a mãe de Adams o acusava de ser. Tecnicamente bem acima da média, com subtexto inteligente, esse filme certamente merecia um melhor reconhecimento por parte da academia.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.