quarta-feira, 28 de setembro de 2016

À Beira Mar

Um dos assuntos mais comentados nas últimas semanas foi o fim do casamento entre Brad Pitt e Angelina Jolie. Como era de se esperar em casos assim, de divórcio, sobraram farpas e acusações para todos os lados, fora a imensa briga nos tribunais que está por vir. Todo fim de casamento passa por algo parecido, algumas vezes de forma mais amena, em outras de maneira mais violenta, mas quase nunca pacífica. Pois bem, se você estiver em busca de respostas sobre as razões que levaram ao fim da união entre eles uma boa dica é assistir a esse último filme que fizeram juntos.

"By the Sea" é um drama depressivo que se passa em uma pequena vila à beira mar na costa da França. Brad Pitt interpreta um escritor americano em crise de criatividade chamado Roland. Há muito tempo ele não escreve nada de bom. Sem ideias e paralisado pela falta de inspiração, ele resolve ir com sua esposa Vanessa (Jolie) para esse lugar bucólico, tentando assim escrever finalmente seu novo romance.

Eles se hospedam em um hotel e Roland começa as tentativas para escrever seu livro. O problema é que o casal também está em crise. O casamento de longos anos já não é mais o mesmo. Ao invés da felicidade de estarem juntos, tudo o que sobrou foi o aborrecimento de ter que aturar um ao outro. Algo que vai se tornando cada vez mais penoso com o passar do tempo. Para piorar o que já por si só era bem ruim, no quarto ao lado está hospedado um jovem casal recém casado em plena lua de mel. O contraste entre a felicidade deles e a infelicidade do casal veterano começa a tornar tudo ainda mais insuportável. Para sufocar suas mágoas o escritor de Brad Pitt se esconde na bebida. Já sua esposa descobre que há um buraco na parede de seu quarto que lhe dá a oportunidade de bisbilhotar o casalzinho ao lado. Assim ela começa a ter crises de voyeurismo, vendo a felicidade alheia que já  não encontra mais em seu matrimônio praticamente falido.

Esse filme que foi escrito e dirigido pela própria Angelina Jolie é claramente inspirado no cinema europeu da década de 1960. O problema é que existe uma clara diferença entre um filme original feito na Europa e uma mera imitação. Jolie tenta demonstrar, por exemplo, uma certa sofisticação, mas no final só consegue ser apenas bem chata. Ela confundiu classe genuína com ser pedante (que são duas coisas bem diferentes). Sua personagem também não acrescenta muito e Jolie está particularmente ruim em cena. A longa duração (desnecessária) também fará muita gente abandonar o filme pelo meio, até porque se formos pensar bem o roteiro muitas vezes se apresenta bem vazio e sem profundidade.

À Beira Mar (By the Sea, Estados Unidos, França, Malta 2015) Direção: Angelina Jolie / Roteiro: Angelina Jolie / Elenco: Brad Pitt, Angelina Jolie, Mélanie Laurent, Melvil Poupaud, Niels Arestrup / Sinopse: Casal americano em crise viaja para a costa da França. O marido quer escrever seu novo livro e a esposa tenta superar o abismo conjugal em que vive. Eles se hospedam em um hotel e descobrem que o casal do quarto ao lado está curtindo sua lua de mel, em plena felicidade e romantismo. A situação (que leva a comparação entre a infelicidade própria e a felicidade alheia) começa a incomodar ao veterano casal, agravando ainda mais sua crise de relacionamento.

Pablo Aluísio.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Mutação

Título no Brasil: Mutação
Título Original: Mimic
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: Dimension Films
Direção: Guillermo del Toro
Roteiro: Donald A. Wollheim, Matthew Robbins
Elenco: Mira Sorvino, F. Murray Abraham, Jeremy Northam, Alexander Goodwin, Josh Brolin, Charles S. Dutton
  
Sinopse:
Para deter o avanço de uma epidemia um grupo de cientistas promovem mutações em insetos dentro do laboratório, tudo com o propósito de se testar novas vacinas. Anos depois algumas espécies fogem para a natureza e lá sofrem novas mutações. Assim verdadeiros monstros começam a se desenvolver nos esgotos e subterrâneos de Nova Iorque, causando pânico naqueles que os encontram na escuridão das profundezas. Filme vencedor do prêmio da Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films na categoria de Melhor Maquiagem. Também indicado na categoria de Melhor Filme de Terror.

Comentários:
Esse filme tive a oportunidade de assistir no cinema, inclusive em uma tradicional sala de minha cidade que hoje em dia já não existe mais (ela foi fechada como centenas de outras salas do mesmo tipo depois que os cinemas migraram para os complexos de shopping center). Deixando esse aspecto nostálgico de lado o que temos aqui é uma nova roupagem para aqueles antigos filmes de insetos gigantes dos anos 50. Esse foi um dos primeiros filmes da carreira do diretor Guillermo del Toro. Na época de seu lançamento ele era praticamente desconhecido do grande público com poucos e inexpressivos títulos em sua filmografia. De qualquer forma diante dos desafios ele até que não se saiu tão mal como era esperado. Na verdade essa produção é uma adaptação de um curta-metragem que procurava resgatar o espírito dos antigos filmes de horror. Com a possibilidade trazida pelos avanços tecnológicos, principalmente no tocante a efeitos digitais, a produção realmente prometia bastante. O problema é que a fotografia ficou extremamente escura, o que prejudicou o resultado final. Quando os tais insetos mutantes gigantes surgem na tela o fazem apenas nas sombras. Quase não se consegue ver as criaturas por essa razão. Em termos de elenco temos duas surpresas. A primeira é a presença da oscarizada Mira Sorvino. Ela definitivamente não convence muito em seu papel. Outra surpresa é a presença do prestigiado F. Murray Abraham! Até hoje me pergunto o que um ator tão conceituado foi fazer em um filme sobre baratas gigantes!!! Enfim, assista se ainda não viu. Não é um grande filme, mas até que se torna uma boa diversão se você não for exigente demais.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

007 - O Amanhã Nunca Morre

Título no Brasil: 007 - O Amanhã Nunca Morre
Título Original: Tomorrow Never Dies
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: Eon Productions, Metro-Goldwyn-Mayer (MGM)
Direção: Roger Spottiswoode
Roteiro: Bruce Feirstein
Elenco: Pierce Brosnan, Jonathan Pryce, Teri Hatcher, Judi Dench, Michelle Yeoh, Samantha Bond
  
Sinopse:
Elliot Carver (Jonathan Pryce) é um mago das empresas de telecomunicações, dono de um milionário complexo de mídia, que deseja induzir China e Inglaterra rumo a um conflito nuclear, enquanto domina os direitos de exclusividade de exibição do conflito internacional. Para deter seus planos destrutivos, o serviço secreto de sua majestade envia o agente James Bond (Pierce Brosnan), codinome 007, para investigar e parar os planos megalomaníacos do empresário alucinado. Filme indicado ao Globo de Ouro na categoria de Melhor canção original ("Tomorrow Never Dies" de Sheryl Crow e Mitchell Froom).

Comentários:
Esse foi o segundo filme do ator Pierce Brosnan interpretando o agente secreto James Bond. O primeiro filme foi muito bem, tanto em termos de crítica como de público. Assim a sequência novamente estrelada por Brosnan era algo natural de acontecer. Nesse segundo filme os produtores contrataram Anthony Hopkins para interpretar o vilão do filme, porém com três dias de filmagens o ator abandonou o projeto. Ele alegou que o roteiro ainda não estava pronto e que em seu contrato havia uma cláusula que exigia que tudo estivesse pronto assim que ele começasse a trabalhar. A MGM não quis brigar com Hopkins na justiça e promoveu uma quebra contratual amigável. Com sua substituição as filmagens seguiram em frente. A produção não economizou nos gastos e uma BMW novinha foi destruída para dar credibilidade a uma das principais cenas de ação do filme. Outro fato digno de nota foi a contratação do diretor canadense Roger Spottiswoode. Especialista em filmes de ação (ele havia dirigido antes boas fitas do gênero como "Sob Fogo Cerrado", "Atirando Para Matar" e "Air America - Loucos Pelo Perigo" com Mel Gibson) ele realmente rodou um filme muito eficiente em termos de cenas de ação e violência. No geral é mais um bom filme da série, resgatando inclusive certos elementos dos primeiros filmes de Bond, ainda na época em que as produções eram estreladas por Sean Connery. O enredo original porém não foi escrito pelo autor Ian Fleming, mas sim pelo escritor Raymond Benson em 1997, no mesmo ano em que esse filme foi lançado.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Guia de Episódios - The Girlfriend Experience

The Girlfriend Experience 1.01 - Entry
Episódio piloto dessa nova série. A primeira coisa que chama a atenção é que os episódios só duram em média 30 minutos, algo típico de sitcoms, embora "The Girlfriend Experience" seja uma série dramática. Nesse piloto somos apresentados a Christine Reade (Riley Keough, sim, a própria neta de Elvis Presley em sua primeira série como atriz). Ela é uma estudante de direito lutando pela sua primeira vaga como estagiária em um grande escritório de advocacia. Depois de muitas entrevistas e várias recusas ela finalmente consegue sua vaga. O cotidiano do trabalho porém não é dos melhores. Seu chefe é um sujeito meio insuportável, o trabalho é excessivo e o pagamento nada satisfatório. Melhor se sai sua amiga que após encontrar um "sugar daddy" rico lhe coloca em uma bela casa, com carrões na garagem e muita mordomia. Durante um jantar ela acaba sendo seduzida por dinheiro fácil, ao acompanhar um homem mais velho em um restaurante. Sem nem sentir direito o que está acontecendo o fato é que Reade começa a entrar dentro do ramo de prostitutas de luxo, algo que lhe renderia muito mais dinheiro do que como uma simples funcionária de um escritório de advocacia. Gostei do que vi. Ainda é cedo para julgar, porém é aquele tipo de série que ao menos deixa a sensação de ser muito promissora, de ser ao menos bem interessante. Vou acompanhar com certeza. /  The Girlfriend Experience 1.01 - Entry (EUA, 2016) Direção: Amy Seimetz / Roteiro: Lodge Kerrigan, Amy Seimetz / Elenco: Riley Keough, Paul Sparks, Mary Lynn Rajskub.

The Girlfriend Experience 1.02 - A Friend
Segundo episódio. Aqui a jovem estudante de direito Christine (Riley Keough, a neta do cantor Elvis Presley) resolve ceder, aceitando o convite para fazer parte da lista de garotas de programa de luxo de uma madame de Nova Iorque. Como ela tem potencial nesse meio sua nova "empresária" resolve alugar uma bela casa para ela. Patrocinada, com a caução do aluguel pago, Christine começa a sair com os clientes. A maioria deles homens de meia idade, alguns com problemas psicológicos ou traumas emocionais. Tudo na fachada faz parecer algo até sofisticado, com encontros em belos hotéis e tudo mais. Porém tudo isso não disfarça o fato de que Christine é apenas mais uma jovem prostituta no mercado. Nesse episódio vemos ela atendendo seus primeiros clientes, começando a entrar de vez nesse tipo de situação, fazendo até mesmo que ela o compare com o serviço que tem um escritório de advocacia, onde é mal paga e precisa lidar com um chefe estressado, ou seja, boa coisa definitivamente não vem pela frente. / The Girlfriend Experience 1.02 - A Friend (Estados Unidos, 2016 ) Direção: Lodge Kerrigan / Roteiro: Lodge Kerrigan, Amy Seimetz  / Elenco: Riley Keough, Paul Sparks, Mary Lynn Rajskub.

The Girlfriend Experience 1.03 - Retention
Essa série conta a história de Christine Reade (Riley Keough), uma estudante de direito que para pagar suas contas trabalha em um escritório de advocacia durante o dia. Claro que nem sempre o dinheiro é suficiente para se manter. Assim ela começa a fazer esporadicamente serviços de acompanhante para homens mais velhos. Ela jamais pensaria em virar prostituta de luxo, mas é a saída que ela encontra, mesmo que temporariamente. O problema é que esse tipo de serviço, com excelentes ganhos de maneira fácil (pelo menos em tese) acaba viciando as garotas que de repente não conseguem mais sair dessa vida. O interessante de "The Girlfriend Experience" é que apesar de ser uma série dramática os episódios são de curta duração (em média 30 minutos). Esse tipo de formato sempre era mais usado para sitcoms e séries de humor. De qualquer forma tudo é muito bem produzido, com destaque para a neta de Elvis Presley, Riley Keough, que consegue provar que é uma boa atriz. / The Girlfriend Experience 1.03 - Retention (Estados Unidos, 2016) Direção: Lodge Kerrigan / Roteiro: Lodge Kerrigan, Amy Seimetz / Elenco: Riley Keough, Paul Sparks, Mary Lynn Rajskub.

Pablo Aluísio.

domingo, 25 de setembro de 2016

Star Wars: o despertar da Força

Esse novo filme da franquia "Star Wars" que chegou aos cinemas em 2016 certamente fez muito sucesso comercial, rendeu ótimas bilheterias, porém me deixou com aquela sensação amarga de que eu estava assistindo a uma reprise de um filme que já havia assistido antes. Se formos pensar bem foi exatamente isso que aconteceu. A trama é extremamente parecida com a do primeiro filme, "Guerra nas Estrelas" de 1977.

Com isso não estou querendo dizer que os velhos personagens que ressurgem aqui perderam o interesse, nada disso, mas sim chamando a atenção para o fato de que até os novos personagens são cópias rudimentares daqueles que vimos no filme original. A palavra originalidade inclusive é o grande problema desse sétimo filme. Os fãs podem fazer malabarismos de todos os tipos, mas não conseguem fugir de uma constatação óbvia: esse novo roteiro não tem originalidade nenhuma. Apenas pegaram o roteiro do primeiro filme, fizeram algumas adaptações, trouxeram algumas pequenas novidades, levaram ao forno esse prato requentado e jogaram para o público consumir. Como deu certo provavelmente veremos outra cópia disfarçada no próximo filme.

Essa falta de originalidade inclusive se estende a praticamente todos os personagens e não apenas aos protagonistas. O vilão desse novo filme nada mais é do que uma versão (um tanto sem graça devo dizer) de Darth Vader, aquele sim um dos melhores personagens da saga. Pois é, nem o lado negro da força escapou do plágio.

Como "Star Wars" agora pertence ao império Disney não espere por algo diferente. Tudo continuará no controle remoto para agradar os velhos fãs e a nova geração, já que essa é a verdadeira fonte de renda desse universo. Afinal quem vai comprar os brinquedos e bonequinhos com a marca Star Wars? Claro que a garotada. Tudo é marketing, tudo é vendas. Alguém realmente pensou que havia algo diferente disso? Claro que não. Eu provavelmente irei conferir o oitavo filme. Tanto por ser um pouco masoquista como por curiosidade. Quero ver até onde esses caras vão chegar! Se o segundo filme dessa fase do Pateta for pelo menos uma cópia de "O Império Contra-ataca" até que não vai ser tão ruim, já que esse foi o melhor filme de todos. Só não quero me deparar com outra revelação do tipo "Luke eu sou seu pai!" porque ai meu chapa seria ser cara de pau demais...

Erick Steve.

Arquitetura da Destruição

Título no Brasil: Arquitetura da Destruição
Título Original: Undergångens arkitektur
Ano de Produção: 1989
País: Alemanha, Suécia
Estúdio: Poj Filmproduktion AB, SVT Drama
Direção: Peter Cohen
Roteiro: Peter Cohen
Elenco: Rolf Arsenius, Bruno Ganz, Sam Gray, Arno Breker, Wilhelm Keitel, Jeanne Moreau
  
Sinopse:
Documentário que mostra como os líderes do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (Partido Nazista) planejaram remodelar toda a Alemanha em termos arquitetônicos para concretizar e mostrar ao mundo inteiro a grandiosidade daquela nova sociedade ariana que ressurgia das cinzas. Liderados pelo ditador Adolf Hitler e por seus mais próximos colaboradores como o ministro da propaganda nazista Joseph Goebbels e o chefe da SS Heinrich Himmler, a Alemanha Nazista queria construir os mais impressionantes monumentos de todo o mundo, tudo feito em honra à sua ideologia.

Comentários:
Esse filme foi lançado no mercado de vídeo no Brasil durante os anos 90 e acabou fazendo bastante sucesso, pelo menos para quem se interessava por história mundial. O foco do documentário era direcionado para explorar as megalomaníacas ideias de Hitler para o império nazista que ele acreditava iria durar mil anos. Como se sabe o ditador tinha grande interesse e fascinação por arquitetura e arte. Por essa razão Hitler contratou os melhores profissionais para transformar sua capital Berlim em uma ode suprema aos seus ideais. Grandes monumentos, só comparados aos da Roma Antiga, seriam erguidos, tudo projetado em um estilo clássico reverencial ao grande Führer. Claro que antes que colocasse em prática todos os seus projetos uma chuva de bombas caíram do céu, destruindo a nação que Hitler sonhava ser a mais perfeita de todos os tempos. Para contar seu enredo o documentário expõe cenas inéditas da época, os originais dos projetos feitos para atender o gosto pessoal de Hitler e uma infinidade de documentos históricos que sobreviveram à guerra. Um interessante filme que demonstrava mais uma vez que em termos de loucura e megalomania poucas ideologias foram tão insanas como a dos nazis. Em determinado momento vemos o projeto absurdo de Hitler para construir uma grande arena nazista em Berlim, a maior do mundo, em escala fenomenal. Esse grande projeto até começou a ser construído, mas a obra teve que parar por causas dos bombardeiros aliados e da falta de material por causa dos esforços de guerra. Hitler, pelo visto, tinha uma visão nada condizente com a realidade pela qual sua nação passava naquele momento.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Guia de Episódios - Game of Thrones - Quinta Temporada

Game of Thrones 5.01 - The Wars to Come
Depois de matar seu próprio pai, tudo o que resta para Tyrion Lannister (Peter Dinklage) é a fuga. Ele é colocado dentro de um pequeno caixote, em um navio e depois de uma jornada atribulada em alto mar finalmente chega em seu destino, uma bela porém remota mansão pertencente a um rico comerciante. Tudo providenciado por Lord Varys (Conleth Hill). A vida de Tyrion está arruinada, ela passa seus dias bebendo muito, porém Varys insinua que não, que ele deveria prestar atenção no que anda acontecendo ao seu redor. Uma aliança com a Rainha Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) poderia ser uma boa opção para que ele voltasse ao jogo político. Afinal de contas a chamada Mãe dos Dragões prospera em seus novos territórios conquistados. Enquanto isso a Rainha logo percebe que conquistar muitas vezes é mais fácil do que administrar. O povo pede que os jogos violentos, com combates de vida ou morte nas arenas, voltem a ser disputados, agora não mais com escravos, mas com homens livres. Daenerys abomina a ideia, uma vez que ela associa esse tipo de coisa a verdadeiras rinhas humanas. Seu poder deriva de seu exército de mercenários e dos dragões que controla. Esses foram aprisionados em uma caverna escura e a cada dia vão se tornando mais ferozes. Quando a Rainha decide visitá-los (e quase morre quando os encontra no meio da escuridão) ela começa a perceber que já não tem mais tanto controle sobre as bestas como pensava. Por fim, nesse episódio temos outro desfecho importante dentro da complexa trama da série. O Rei "Além-da-Muralha" Mance Rayder (Ciarán Hinds) é condenado a morrer na fogueira. Como último sinal de misericórdia é dada a opção dele renunciar aos seus poderes entre os selvagens, reconhecendo que não dispõe mais de qualquer tipo de domínio sobre os povos que vivem do outro lado da muralha. A recusa, como fruto de seu próprio orgulho pessoal, finalmente sela seu destino definitivamente. Para aliviar seu tormento final, em um gesto de piedade para evitar mais dor e sofrimento, Jon Snow (Kit Harington) o liberta com uma flecha certeira em seu coração. Bom episódio que já vai formando a rede de acontecimentos que se desenvolverá nessa temporada, com destaque para a excelente cena em que Daenerys Targaryen encontra seus dragões dentro de sua prisão. / Game of Thrones 5.01 - The Wars to Come (EUA, 2015) Direção: Michael Slovis / Roteiro: David Benioff, baseado na obra "A Song of Ice and Fire" de George R.R. Martin / Elenco: Peter Dinklage, Nikolaj Coster-Waldau, Lena Headey.

Game of Thrones 5.02 - The House of Black and White
Para minar o crescente poder de Margaery Tyrell (Natalie Dormer) sobre o jovem rei, Cersei Lannister (Lena Headey) resolve fortalecer um grupo de sacerdotes do reino. Como Margaery tem um irmão homossexual o fortalecimento desse grupo de religiosos fanáticos, que dão grande importância para a moralidade da sociedade, acaba levando o jovem pederasta para a prisão. Obviamente Margaery Tyrell fica indignada com seu encarceramento e corre para que o jovem monarca recém empossado no trono tome alguma providência, porém acaba descobrindo que ele é fraco, dominando pela mãe e sem força de impor suas próprias decisões aos seus súditos. Essa atriz Natalie Dormer já tinha se destacado em "The Tudors" onde interpretava Ana Bolena. Ela é linda e tem aquele tipo de beleza que passa ao mesmo tempo uma certa maldade e malícia nos olhos, algo muito adequado para isso tipo de personagem. Na outra linha narrativa Tyrion Lannister (Peter Dinklage) é sequestrado, colocado em um barco, para ser levado até a Rainha Daenerys Targaryen (Emilia Clarke). Por fim e não menos importante acompanhamos os primeiros problemas surgidos para Targaryen em sua cidade conquistado. Explode uma rebelião interna contra suas forças de ocupação, algo que irá trazer muitos problemas para ela, justamente agora que tinha planos de avançar em suas conquistas e dominações. Recentemente a imprensa divulgou que o autor George R.R. Martin estaria com problemas para entregar no prazo seus novos textos sobre "Game of Thrones". Esperamos que isso não venha prejudicar o andamento da série. / Game of Thrones 5.02 - The House of Black and White (EUA, 2015) Direção: Michael Slovis / Roteiro: David Benioff / Elenco: Peter Dinklage, Nikolaj Coster-Waldau, Lena Headey.

Game of Thrones 5.06 - Unbowed, Unbent, Unbroken
A interminável viagem de Tyrion Lannister (Peter Dinklage) segue em frente. Seu companheiro de viagem teve contato direto com os homens de pedra! O que isso significa? Que ele está contaminado, inclusive com os primeiros sinais de sua doença aparecendo em seu braço. Isso porém parece ser o menor dos problemas. Após um naufrágio eles vão parar em uma ilha inóspita. Como se isso não fosse ruim o bastante acabam caindo prisioneiros de piratas, escravos foragidos que agora pensam em vendê-los por um bom preço no mercado. Já Arya Stark (Maisie Williams) está no templo do deus das mil faces. O lugar impressiona com suas paredes forradas de rostos humanos. Esses corpos passam por um processo de limpeza, no qual Arya começa a trabalhar. Apenas o destino dos corpos ainda a deixam intrigada. Já sua irmã Sansa Stark (Sophie Turner) tem o pior casamento de todos os tempos, sendo praticamente estuprada em sua noite de núpcias, tudo sendo feito na presença do "fedor" para humilhá-la ainda mais. Por fim a rainha Margaery Tyrell (Natalie Dormer) cai em uma armadilha. Ao testemunhar em um caso de cunho sagrado, envolvendo homossexualismo na corte, ela mente e acaba presa imediatamente. Tudo leva a crer que foi uma bem arquitetada conspiração armada por sua própria sogra. Ao tentar se mostrar uma rival a ela a jovem acabou selando seu próprio destino que ao que tudo indicado será bem trágico. / Game of Thrones 5.06 - Unbowed, Unbent, Unbroken (Estados Unidos, 2015) Direção: Jeremy Podeswa / Roteiro: David Benioff / Elenco:  Peter Dinklage, Nikolaj Coster-Waldau, Lena Headey.

Game of Thrones 5.07 - The Gift
Pode parecer banal, mas o grande acontecimento desse episódio vem do encontro de Tyrion Lannister (Peter Dinklage) com a Rainha Daenerys Targaryen (Emilia Clarke). Tudo acontece de forma tão casual. Como foi mostrado nos episódios anteriores Tyrion passou por todos os tipos de desafios e aventuras, acabando se tornando um escravo de piratas. Vendido a um dono de arena de gladiadores ele acaba sendo levado para as lutas, justamente no dia em que Daenerys vai assistir a um desses combates (ela inclusive odeia esse tipo de espetáculo violento, mas acaba indo para preservar a tradição e agradar aos seus súditos). Outro fato interessante nesse episódio é que a rainha mãe acaba caindo em suas próprias conspirações ao ser presa e encarcerada pelo mesmo grupo de fanáticos religiosos que ela havia utilizado para aprisionar Margaery Tyrell (Natalie Dormer). Por falar em Natalie ela esteve recentemente no Brasil onde esbanjou simpatia e carisma com os fãs brasileiros da série. Uma graça. / Game of Thrones 5.07 - The Gift (Estados Unidos, 2016) Direção: Miguel Sapochnik / Roteiro: David Benioff / Elenco: Peter Dinklage, Emilia Clarke, Natalie Dormer, Nikolaj Coster-Waldau, Lena Headey.

Game of Thrones  5.08 - Hardhome
Outra série que vale cada momento. Esse episódio aqui acabou sendo apelidado nos Estados Unidos, pelos próprio fãs, de "Game of Thrones encontra The Walking Dead". Eu acompanhei alguns episódios de "The Walking Dead" em sua primeira temporada, mas depois deixei de assistir. Não era bem o meu estilo. De qualquer forma a semelhança entre as duas séries, que acabaram virando meme na net, vem justamente do ataque dos monstros que chegam em um vilarejo costeiro do povo do norte. Esses zumbis, que fariam a diversão de qualquer fã de "The Walking Dead" atacam o povoado, enquanto Jon Snow (Kit Harington) e alguns membros da Patrulha do Norte tentam salvar o maior número de pessoas possível. Grande cena, muito bem produzida, que obviamente se torna um dos melhores momentos da série nessa quinta temporada. Outro bom momento vem do encontro entre Tyrion Lannister (Peter Dinklage), naquela altura um mero escravo aprisionado, e a rainha dos dragões Daenerys Targaryen (Emilia Clarke). Em desgraça em seu próprio clã, tudo o que lhe resta é tentar se tornar uma espécie de conselheiro da soberana. Será que isso seria possível? Assista ao episódio para conferir. / Game of Thrones  5.08 - Hardhome (Estados Unidos, 2015) Direção: Miguel Sapochnik / Roteiro: George R.R. Martin (baseado em sua obra "A Song of Ice and Fire"), David Benioff/ Elenco: Peter Dinklage, Lena Headey, Emilia Clarke, Kit Harington.

Game of Thrones 5.09 - The Dance of Dragons
Mais um ótimo episódio de "Game of Thrones". Nesse aqui vemos a chegada dos povos do norte na muralha de gelo. É uma situação no mínima adversa, já que durante séculos a Patrulha do Norte lutou justamente contra eles. Vejo aqui uma espécie de analogia que George R.R. Martin criou entre o universo de "Game of Thrones" e o mundo real, em que vivemos, particularmente em relação à crise dos refugiados que fugindo da guerra no Oriente Médio chegam em massa à Europa. Outro bom momento desse episódio acontece quando Arya Stark (Maisie Williams) se disfarça de vendedora de ostras para liquidar um rico (e asqueroso) comerciante da velha cidade. Nesse seu novo disfarce ela consegue entrar em todos os lugares, até mesmo dentro de um bordel de cais onde um visitante logo chama sua atenção. É uma boa sequência, com bons toques de suspense, que ocupa grande parte do episódio. Agora, bom mesmo é a cena final, que inclusive dá título ao episódio (que em português se chama "A Dança dos Dragões"). A rainha Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) vai até uma arena de gladiadores, bem ao estilo Império Romano. Ela pessoalmente abomina esse tipo de espetáculo sangrento, porém vai em cumprimento de seu dever de soberana. Uma vez lá ela descobre que foi um armadilha. Uma rebelião começa entre o próprio povo, com rebeldes infiltrados entre os espectadores. Em pouco tempo a Rainha se vê cercada e acaba sendo salva justamente por seus dragões. Ótima cena, que aliás custou praticamente todo o orçamento do episódio. Os efeitos digitais são irrepreensíveis, como é de praxe em se tratando dessa série, uma das mais populares da atualidade. Nota dez! / Game of Thrones 5.09 (Estados Unidos, 2015) Direção: David Nutter / Roteiro: David Benioff / Elenco: Peter Dinklage, Nikolaj Coster-Waldau, Emilia Clarke, Maisie Williams, Kit Harington, Stephen Dillane.

Game of Thrones 5.10 - Mother's Mercy
Esse é o último episódio da quinta temporada. No episódio anterior a rainha Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) era salva por um dos seus dragões após ser cercada em uma arena tipicamente romana, com gladiadores e lutadores de todos os tipos. Ela é então levada para bem longe, indo parar em terras distantes e desconhecidas, com cavaleiros de origem incerta. Ficaram para trás, na cidade, para administrá-la, o anão Tyrion Lannister (Peter Dinklage) que ainda está dando os primeiros passos para se tornar o principal conselheiro de Daenerys, um eunuco e alguns de seus ministros, que podem estar ou não envolvidos na conspiração para matá-la. Enquanto isso Arya Stark (Maisie Williams) passa por uma estranha experiência (onde chega a perder a visão) no obscuro e sinistro templo do Deus de Mil Faces. A cena mais impactante porém desse episódio é justamente a cena final, quando Jon Snow (Kit Harington) é encurralado por seus próprios homens da Patrulha do Norte e é violentamente esfaqueado por todos eles! O sangue jorra pela neve branca... Ecos da história de Júlio César? Sim, "Game of Thrones" sempre bebeu muito da história da antiguidade, aliás seus roteiros são bem sucedidas misturas de velhas mitologias, histórias medievais e pequenos enredos retirados da Roma Imperial. Talvez por essa familiaridade com a história real da nossa humanidade, tenhamos tanto interesse nesses enredos muito bem articulados pelo talentoso escritor George R.R. Martin em sua obra mais famosa, "A Song of Ice and Fire". / Game of Thrones 5.10 - Mother's Mercy  (Estados Unidos, 2015) Direção: David Nutter / Roteiro: David Benioff / Elenco: Peter Dinklage, Nikolaj Coster-Waldau, Lena Headey, Emilia Clarke.
  
Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Trumbo - Lista Negra

Esse filme resgata a figura do roteirista americano Dalton Trumbo. O roteiro, baseado na biografia escrita por Bruce Cook, tenta desvendar a trajetória desse escritor que acabou virando um símbolo da paranoia da perseguição do Macartismo durante as décadas de 1940 e 1950 nos Estados Unidos. Trumbo foi um dos mais talentosos roteiristas de Hollywood em sua fase de ouro, mas acabou vendo sua carreira ruir após ser acusado de ser comunista (o que era verdade, já que ele era membro do Partido Comunista daquele país). A questão é que depois disso e de ter se recusado a responder as perguntas do Congresso ele foi preso por desacato, ficando alguns anos na prisão.

Após voltar para a liberdade viu todas as portas dos grandes estúdios fechadas para ele. Sem emprego, estigmatizado e perseguido politicamente, Trumbo precisou fazer o que era preciso para sobreviver, escrevendo seus roteiros com pseudônimos, trabalhando para pequenos estúdios especializados em filmes ruins, fazendo o que estava à mão para sobreviver. Um dos aspectos mais interessantes que o cinéfilo vai encontrar nesse filme é a presença de grandes astros do passado que passaram pela vida de Trumbo. Estão lá o conservador John Wayne, o delator Edward G. Robinson e o corajoso Kirk Douglas, que resolveu enfrentar a todos, contratando Trumbo  para trabalhar no grande épico "Spartacus". Sob esse ponto de vista o filme é uma delícia para os que gostam de cinema clássico, pois vemos os bastidores daquela época de uma forma ímpar.

Pelo que vemos no filme, Dalton Trumbo era um daqueles comunistas românticos (e bastante inocentes) que lutavam por uma ideologia sem saber muito bem o que ela significava. Enquanto tentava angariar simpatizantes para sua causa nos Estados Unidos, ele parecia ignorar os genocídios que Stálin promovia na União Soviética. Era de certa maneira um ingênuo e pagou um preço caro por isso. O filme não entra muito a fundo sobre esse ponto, sobre a essência do pensamento de Trumbo sobre a esquerda mundial e suas ditaduras sanguinárias, porém dá pistas importantes quando, por exemplo, ele reencontra o ator Edward G. Robinson e confessa que eles não tinham qualquer ligação com movimentos comunistas no exterior, provando que eram apenas boas pessoas ingênuas iludidas por uma ideologia realmente danosa.

Já sobre o filme em si não podemos deixar de elogiar o grande (e essa expressão não está sendo usada em vão) Bryan Cranston. Recentemente assisti um filme em que ele interpretava o presidente americano Lyndon Johnson e escrevi que Bryan havia conseguido desaparecer em seu personagem, algo que apenas os grandes atores conseguem fazer. O mesmo se repete aqui. Provavelmente Bryan Cranston seja um dos grandes atores de sua geração, pena que só veio se revelar ao grande público com a série "Breaking Bad". Não faz mal, mesmo tardiamente ele tem se revelado um maravilhoso ator. Então é isso. "Trumbo - Lista Negra" é de fato um ótimo filme, valorizado pela lição histórica que passa. Um retorno a um passado realmente sombrio da história americana. Certamente merece ser visto.

Trumbo - Lista Negra (Trumbo, Estados Unidos, 2015) Direção: Jay Roach / Roteiro: John McNamara, baseado no livro escrito por Bruce Cook / Elenco: Bryan Cranston, Diane Lane, Helen Mirren, Elle Fanning, Michael Stuhlbarg / Sinopse: Durante os anos 1940 o roteirista de Hollywood Dalton Trumbo é acusado de ser um comunista. Preso, perseguido e impedido de trabalhar novamente ele faz de tudo para sobreviver em um clima de profunda paranoia política. Filme baseado em fatos reais. Filme indicado ao Oscar e ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Ator (Bryan Cranston).

Pablo Aluísio.

sábado, 24 de setembro de 2016

Esquadrão Suicida

Foi extremamente badalado esse novo filme da DC Comics. Como bem sabemos a DC tem sido bastante criticada por errar em inúmeras adaptações de quadrinhos para o cinema. Para muitos a Marvel tem se saído muito melhor nesse aspecto. Há certamente um fundo de verdade nisso, porém pela galeria de personagens que possui não há como a DC voltar atrás. Só resta tentar, muitas vezes na base da tentativa e erro. Esse "Esquadrão Suicida" aposta em vários personagens menos conhecidos, todos se unindo para formar uma espécie de grupo de criminosos em prol de boas causas. Faz sentido? Não muito, mas esse não é o principal problema desse filme. O que faz falta aqui é justamente um bom roteiro. De todas as adaptações da DC Comics para o cinema esse é certamente um dos filmes que apresentaram o pior roteiro. O enredo é básico, mal elaborado e sem novidades. Clichês pulam por todos os lados e com isso o filme como um todo naufraga. Outro ponto fraquíssimo vem dos vilões. Nada interessantes. Nem a presença do Coringa salva o filme nesse aspecto. Interpretado por Jared Leto ele só consegue ser muito sem graça e completamente irrelevante para a estória. Uma decepção completa.

Outro fator que me decepcionou bastante foi a produção. Para um filme milionário como esse é simplesmente surpreendente que a produção deixe a desejar. A direção de arte não é das melhores, os cenários são derivativos, já vistos em centenas de outros filmes antes e os efeitos especiais não são isentos de críticas. Em alguns momentos chega a ser constrangedor. No final das contas uma das poucas coisas boas desse filme vem em seu elenco. A melhor presença vem com a atriz Margot Robbie. Ela conseguiu sobreviver às críticas e a Warner anunciou que fará em breve um filme solo com a Arlequina. A garota, pelo visto, se deu realmente bem. Will Smith também ajuda a passar o tempo. O seu personagem, um assassino profissional, é um dos poucos que possuem alguma profundidade. O resto do Esquadrão Suicida é formado apenas por coadjuvantes sem maior expressão. Assim, apesar do filme ter sido relativamente bem em termos de bilheteria, penso que a DC e a Warner investirá mais naqueles personagens que mostraram alguma viabilidade futura. O resto será deixado de lado, no volumoso lixo de adaptações mal sucedidas da DC para o cinema.

Esquadrão Suicida (Suicide Squad, Estados Unidos, 2016) Direção: David Ayer / Roteiro: David Ayer / Elenco: Will Smith, Jared Leto, Margot Robbie Jared Leto / Sinopse: Em uma ousada ideia o serviço de inteligência do governo americano resolve formar um esquadrão formado apenas por criminosos perigosos. Eles terão que realizar as missões mais perigosas, justamente àquelas que o governo não quer participar ou se envolver oficialmente. O serviço sujo enfim, será realizado pelo grupo sempre que for necessário.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Life - Um Retrato de James Dean

Título no Brasil: Life - Um Retrato de James Dean
Título Original: Life
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: Entertainment One
Direção: Anton Corbijn
Roteiro: Luke Davies
Elenco: Robert Pattinson, Dane DeHaan, Peter Lucas, Lauren Gallagher, Alessandra Mastronardi, Joel Edgerton
  
Sinopse:
Filme baseado em fatos reais. Durante os anos 1950 um jovem fotógrafo chamado Dennis Stock (Robert Pattinson) convence o ator rebelde James Dean (Dane DeHaan) a participar de um ensaio de fotos para ser vendido à famosa revista Life. Inicialmente relutante, James Dean concorda com a ideia e convence Stock a segui-lo em uma viagem de retorno que ele estaria fazendo para sua antiga cidade natal no meio oeste americano, em Fairmount, no estado de Indiana. Essa seria a última vez em sua vida que James Dean veria seu lar natal.

Comentários:
As fotos de James Dean que foram publicadas na revista Life nos anos 50 até hoje são consideradas as melhores já feitas do ator. Publicadas em vários livros, revistas e jornais ao longo dos anos se tornaram verdadeiros ícones do fotojornalismo moderno. Partindo delas escreveu-se o bom roteiro desse filme que procura recriar em detalhes os eventos que lhes deram origem. Como todos sabemos o ator James Dean morreu poucas semanas depois das fotos serem tiradas. Transformado postumamente em um dos maiores ícones cinematográficos de todos os tempos, tudo o que se dizia respeito a ele ganhou uma áurea de importância sem precedentes. O James Dean que encontramos nesse filme é um jovem ator prestes a se tornar um astro (na realidade quando morreu apenas um de seus filmes tinha realmente estreado nos cinemas americanos). O curioso é que quando essa nova produção foi anunciada muitos pensaram que Dean seria interpretado por Robert Pattinson, por causa das semelhanças que insistem dizer que existem entre ambos. Fugindo da polêmica e da comparação porém Pattinson preferiu interpretar o fotógrafo Dennis Stock que acabou entrando para a história justamente por causa das fotos que tirou. Em sentido geral é realmente um bom filme, muito agradável e até nostálgico, que recria um dos momentos mais curiosos da trajetória do mito e da lenda James Dean. Para cinéfilos em geral é realmente uma excelente pedida.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

A Lenda de Tarzan

Título no Brasil: A Lenda de Tarzan
Título Original: The Legend of Tarzan
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: Village Roadshow Pictures
Direção: David Yates
Roteiro: Adam Cozad, Craig Brewer
Elenco: Alexander Skarsgård, Christoph Waltz, Samuel L. Jackson, Margot Robbie, Casper Crump, Mens-Sana Tamakloe
  
Sinopse:
Muitos anos após abandonar a África e voltar para a Inglaterra, assumindo o título de nobreza de Lord Greystoke, Tarzan (Alexander Skarsgård) é convidado pelo governo belga para voltar ao continente negro. Eles querem que ele veja com os próprios olhos tudo o que o país daquele governo está fazendo em prol das populações nativas. O que Tarzan não desconfia é que tudo se trata de uma cilada arquitetada por Leon Rom (Christoph Waltz) que deseja capturar Tarzan para entregá-lo para seus antigos inimigos.

Comentários:
Gostei bastante dessa nova aventura do personagem Tarzan. Ao custo de 180 milhões de dólares eles conseguiram reconstruir o clima e a nostalgia das antigas aventuras desse herói, cuja trajetória sempre andou de mãos dadas com o cinema. Olhando para o passado, revisitando os antigos filmes de Tarzan, chegamos na conclusão que esse novo filme (dirigido pelo bom cineasta David Yates de "Harry Potter e a Ordem da Fênix", "Harry Potter e o Enigma do Príncipe" e "Harry Potter e as Relíquias da Morte") seguiu de perto as produções estreladas pelo ator Gordon Scott. Isso porque ao contrário dos primeiros filmes estrelados por Johnny Weissmuller esse aqui também não se preocupa em contar pela centésima vez as origens de Tarzan. Tudo é mostrado rapidamente em flashbacks, muito bem inseridos no enredo. O filme também não se preocupa em explorar muito o lado mais dramático do personagem como vimos, por exemplo, em "Greystoke:A lenda de Tarzan, o rei da selvas". Naquela ótima produção, dirigida pelo mestre Hugh Hudson, havia uma óbvia intenção de se abraçar o realismo. Aqui não, é mesmo uma aventura como nos velhos tempos. E isso certamente é o maior mérito desse filme. Uma ótima matinê, com roteiro redondinho e produção digna da fortuna que foi gasta em sua realização. Os pontos positivos porém não se limitam a isso. As escolhas tanto do protagonista (com o atlético Alexander Skarsgård, muito bem em cena) como do vilão (Christoph Waltz, novamente roubando a cena) se mostraram certeiras. Assim não há realmente do que reclamar. Esse "The Legend of Tarzan" é realmente uma excelente diversão.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Demônio de Neon

A adolescente Jesse (Elle Fanning) sonha se tornar modelo de sucesso no mundo da moda. Para isso ela se muda para Los Angeles. Na nova cidade as coisas começam a dar certo. Ela é linda e bem jovem (embora diga que tem 19 anos, na verdade tem 16) e rapidamente arranja ótimos contratos. O frescor da juventude obviamente lhe abre muitas portas, mas também desperta a inveja e o rancor das outras modelos que começam a perder ensaios fotográficos e sessões de estúdio para ela. Ao se aproximar mais ainda de três modelos mais velhas, Jesse mal consegue entender o perigo em que está se metendo, pois elas definitivamente querem tirar a nova concorrente do mercado, seja da forma que for...

Esse novo filme é bem interessante. O enredo pode até ser banal, sem grandes novidades, mas o diretor Nicolas Winding Refn resolveu criar um visual único para o filme. É aquele tipo de thriller em que a forma como a estória está sendo contada é mais importante do que o próprio enredo. Cheio de climas, iluminações diferenciadas e muita música tecnopop, o filme se destaca mesmo por seu estilo, bem diferente. No meio da típica estória da garota bonita que deseja se tornar modelo entram coisas bizarras, como necrofilia (uma das conhecidas dela trabalha como maquiadora de cadáveres), assassinato e até canibalismo!!!

Claro que o filme poderia ser mais enxuto, pois as quase duas horas de duração soam completamente descabidas e excessivas. Conforme o filme vai caminhando para o seu final os diálogos vão desaparecendo, se tornando uma experiência cinematográfica puramente sensorial. Em termos de elenco temos dois destaques. O primeiro, como não poderia deixar de ser, é a beleza da atriz Elle Fanning. Loira de olhos azuis, muito bonita (com rostinho de boneca de porcelana) ela consegue transmitir a sensação de ser uma adolescente com muita força de vontade de vencer, mas pouca experiência de vida (o que em seu caso vai se revelar fatal). O outro destaque é a participação do ator  Keanu Reeves como o gerente do motel barato onde Elle vai morar. Sujeito intragável e insuportável, é capaz das piores canalhices para ganhar mais alguns trocados. Então é isso, deixo a dica desse filme que certamente vai se destacar por causa de seu visual Neon saturado. Não é definitivamente algo corriqueiro de se ver por aí em filmes desse estilo.

Demônio de Neon (The Neon Demon, Estados Unidos, 2016) Direção: Nicolas Winding Refn / Roteiro: Nicolas Winding Refn / Elenco: Elle Fanning, Christina Hendricks, Keanu Reeves / Sinopse: Jovem adolescente se muda para Los Angeles para vencer como modelo fotográfica do mundo da moda. Na nova cidade começa a se dar bem, porém desperta a inveja de pessoas perigosas, que estão dispostas a tudo para lhe tirar do mercado.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Últimos Dias no Deserto

O Evangelho nos revela que Jesus foi para o deserto e por lá ficou, jejuando e orando por quarenta dias e quarenta noites, sendo tentado pelo diabo. O trecho é um dos mais conhecidos do Evangelho Segundo Mateus. Jesus, antes de realmente começar sua missão, teve que passar por esse teste de fé em uma das regiões mais hostis do planeta. Não há muitos detalhes nas escrituras, apenas é dito que após muitas tentações Jesus finalmente venceu o tentador, o diabo. Nada muito além disso nos é revelado pela Bíblia. Pois foi com base nesse trecho bíblico que o diretor e roteirista colombiano Rodrigo García escreveu o roteiro e o argumento de seu filme. Ele desenvolveu uma estória de ficção para mostrar o que teria supostamente acontecido com Jesus durante esse período decisivo de sua vida.

Assim quando o filme começa já encontramos Jesus caminhando pelo meio do deserto. Ele tem fome, sede e sofre com o calor escaldante do lugar. Isso porém não parece abalar em nada sua fé. Ao seu lado porém parece existir uma série de figuras sinistras, criaturas das trevas, que tentam fazer o filho de Deus renegar sua missão e sua crença em Deus. Há uma cena inicial muito interessante em que Jesus encontra uma velha senhora embaixo de um rochedo. Ela parece exausta e faminta. Jesus então se aproxima e lhe oferece um pouco de água, até perceber que aquela imagem apenas escondia a verdadeira face do mal, da serpente.

Por falar no mal, Jesus parece sempre estar acompanhado por Satã (que também é interpretado pelo ator Ewan McGregor). O anjo caído não perde tempo e está sempre sussurrando mentiras no ouvido de Jesus, tentando enganá-lo a todo custo, para que Ele deixe de acreditar em sua missão. O Jesus mostrado nesse filme é muito humano. Ele tem dúvidas, fraquezas e chega a se questionar como pregaria ao povo de Deus quando sua hora chegasse. Com o diabo tem interessantes diálogos, alguns com problemas teológicos bem claros, mas que nunca deixam de ser interessantes. Em um dos momentos mais curiosos, Jesus pergunta ao diabo como seria a face de Deus! Mais do que isso, ele pergunta se Deus teria uma face...

O centro da trama porém passa por uma família que Jesus casualmente encontra no deserto. A mãe está morrendo, o pai tem problemas de relacionamento com o filho (que deseja ir embora para Jerusalém) e Jesus, chamado de "Homem Santo" pelo personagem interpretado pelo excelente ator Ciarán Hinds, tenta ajudar a todos eles de alguma forma. Um aspecto que também gostei além da exploração do homem Jesus, foi a forma como o roteiro procurou mostrar Jesus de Nazaré. Ele é introspectivo, calmo, pensativo e com uma fé inabalável. O único ponto que me deixou um pouco decepcionado foi que o roteiro não explorou a tentação final do diabo em relação às todas as riquezas da Terra, que seriam dadas a Jesus caso ele o adorasse. Teria sido um clímax perfeito para o filme, mas infelizmente isso não acontece. De qualquer forma eu ainda recomendo essa película. Sim, ela toma várias liberdades sobre essa fase da vida de Jesus, mas nunca perde o respeito por esse que certamente foi o personagem histórico mais importante de todos os tempos. 

Últimos Dias no Deserto (Last Days in the Desert, Estados Unidos, 2015) Direção: Rodrigo García / Roteiro: Rodrigo García / Elenco: Ewan McGregor, Ciarán Hinds, Tye Sheridan, Ayelet Zurer, Susan Gray / Sinopse: Antes de iniciar sua missão, Jesus (McGregor) decide ir para o deserto com a intenção de jejuar e orar. Lá começa a ser tentado pelo diabo. Também encontra uma família que vive das rochas e pedras da região, cuja mãe está morrendo. Filme premiado pelo Sundance Film Festival.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Um Estado de Liberdade

É muito triste (e ao mesmo tempo revelador e educativo) assistir a um filme como esse. Isso porque você se dá conta que o racismo e a escravidão eram realidades oficialmente reconhecidas pelo Estado até bem pouco tempo atrás (em termos históricos o fim da escravidão aconteceu praticamente ontem!). O roteiro é baseado em uma história real, o que agrava ainda mais essa situação. O enredo reconstrói a vida de Newton Knight (Matthew McConaughey). Durante a Guerra Civil americana ele se alistou para lutar ao lado dos Confederados. No campo de batalha começou a atuar como parte do corpo médico da unidade onde estava alistado. Sua função era trazer os feridos até as tendas dos médicos - onde a carnificina imperava por falta de recursos humanos e de materiais.

Depois da morte de seu sobrinho - que era apenas um garoto que infortunadamente  fora atingido por fogo inimigo dos ianques - ele finalmente decide ir embora. Pega o corpo do garoto e segue o caminho de volta para a fazenda de sua família. Um ato de deserção punido com enforcamento. Depois de tudo isso, para não ser preso e sofrer a pena capital, Knight resolve fugir para os pântanos da região, onde acaba encontrando escravos fugitivos, se tornando amigo de todos eles, abraçando então a causa da libertação dos negros no sul dos Estados Unidos. O filme assim vai se desenvolvendo a partir dessa pequena comunidade de foragidos que, vivendo nos pântanos do sul, começa a se levantar contra as leis de submissão e de conteúdo racial do próprio Estado Confederado de que faziam parte.

"Free State of Jones" causou polêmica nos estados americanos do sul durante o seu lançamento. Isso porque o protagonista do filme, Newton Knight, foi um desertor do exército confederado. Além disso ousou se apaixonar e ter filhos com uma escrava negra, algo que até hoje causa perplexidade em certos setores sulistas (sim, o racismo assumido, essa chaga, não parece ter desaparecido em certos rincões daquele país). Um dos aspectos históricos mais absurdos que o filme revela é que havia leis até bem pouco tempo atrás que proibiam o casamento entre brancos e negros no sul. É justamente sobre isso que se desenvolve a segunda linha narrativa do filme. Enquanto a primeira conta a vida de Knight nos pântanos do sul, a segunda mostra um de seus descendentes lutando em um tribunal do  Mississippi para se casar com uma mulher branca (a justiça entendeu que ele era na realidade um mestiço com sangue negro nas veias e que por essa razão jamais poderia desposar uma mulher sulista branca!).

Certamente é um bom filme. Porém apresenta alguns problemas em seu corte final. Embora a história seja importante e historicamente complexa (o filme explora vários anos na vida de Knight), a versão final que chegou aos cinemas americanos se revelou muito longa - chegando em alguns momentos a se tornar um pouco cansativa. Penso que um corte mais enxuto só traria melhoras ao filme. De resto tudo surge de primeira qualidade. A reconstituição de época é perfeita, a direção é segura e focada e todo o elenco está maravilhosamente bem. Até mesmo  Matthew McConaughey me surpreendeu por ter deixado de lado alguns de seus cacoetes mais irritantes. Então é isso. O que temos aqui é uma bela história de um homem que estava muitos anos à frente de seu tempo. Embora fosse branco sentiu na pele todo o racismo da sociedade confederada do Sul, que chegou ao ponto de ir para uma das guerras mais sangrentas da história simplesmente para defender o direito de um homem ter outro homem como seu bem particular. A escravidão seria abolida, mas as marcas que ela deixou ainda hoje ressoam, infelizmente. Veja o filme e entenda melhor todo esse processo histórico que ainda não chegou ao seu término.

Um Estado de Liberdade (Free State of Jones, Estados Unidos, 2016) Direção: Gary Ross / Roteiro: Leonard Hartman, Gary Ross / Elenco: Matthew McConaughey, Gugu Mbatha-Raw, Mahershala Ali / Sinopse: O filme narra a história de um soldado do exército confederado durante a Guerra Civil americana que certo dia resolve abandonar o campo de batalha. Caçado como desertor ele foge para os pântanos do sul, onde acaba conhecendo escravos fugitivos de seus donos. Lá cria uma sentimento de irmandade com eles, lutando ao lado daqueles homens em busca de uma verdadeira liberdade.

Pablo Aluísio.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Carnage Park

Título no Brasil: Carnage Park
Título Original: Carnage Park
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Diablo Entertainment
Direção: Mickey Keating
Roteiro: Mickey Keating
Elenco: Ashley Bell, Pat Healy, Alan Ruck, James Landry Hébert, Michael Villar, Bob Bancroft
  
Sinopse:
Após um roubo a banco, dois criminosos tentam fugir à toda velocidade pelas estradas empoeiradas de um deserto da Califórnia. Um deles, alvejado durante a fuga, logo morre no banco de trás do carro. O outro precisa então se livrar de seu corpo o mais rapidamente possível. Com a ajuda de uma refém (que estava no porta-malas) ele dirige até uma propriedade remota, onde deixa seu parceiro do crime. O que o criminoso não sabe é que o lugar pertence a um sujeito psicopata, que pensa estar em um verdadeiro campo de batalha. Agora ele irá caçar o bandido, ao mesmo tempo em que leva sua refém para o verdadeiro inferno na Terra.

Comentários:
Temos aqui um novo thriller de terror que se destaca não pelo roteiro (pois é dos mais simples), nem pela produção em si (que é até modesta) e muito menos pelo elenco (a maioria dos atores é esforçado, mas desconhecido). O destaque de "Carnage Park" vem da forma como o jovem diretor Mickey Keating conta sua estória sangrenta. Ele se utiliza de vários tipos de linguagem cinematográfica ao longo do filme. Além de uma fotografia saturada temos uma edição ágil, rápida, que não perde tempo com bobagens ou sutilezas desnecessárias. Obviamente se trata de um filme violento, com cenas inclusive bem ao estilo gore, não recomendado para os mais sensíveis, mas isso definitivamente é o de menos. Mesmo  em pequenos detalhes acabamos descobrindo que esse diretor sabe bem muito o que está fazendo com sua câmera. A trilha sonora, por exemplo, é composta por músicas e diálogos fora de rotação, como se estivéssemos ouvindo um velho vinil sendo tocado em uma vitrola quebrada! O elenco é bom, embora nenhum dos atores seja mais conhecido. O único nome que vai despertar alguma lembrança no público em geral é a do ator Alan Ruck (para quem não se lembra ele foi o amigo esquisito de Matthew Broderick no clássico juvenil "Curtindo a Vida Adoidado"). Bem diferente nos dias atuais, ele interpreta um xerife que precisa descobrir o que está acontecendo de errado na propriedade de seu irmão, o alucinado Wyatt Moss (Pat Healy). A trama também explora um tipo que anda bem mais comum nos dias de hoje, principalmente nos Estados Unidos, a do psicopata com delírios de militar que da noite para o dia se arma até os dentes e começa a fazer de outros seres humanos seus alvos ambulantes. Sim, é algo bem trágico, mas infelizmente cada vez mais comum. Nesse ponto o diretor Mickey também acertou seu próprio alvo, colocando em destaque a loucura bélica que reina dentro da doentia sociedade americana. Salve-se quem puder.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

O Mestre das Ilusões

Título no Brasil: O Mestre das Ilusões
Título Original: Lord of Illusions
Ano de Produção: 1995
País: Estados Unidos
Estúdio: 20th Century Fox
Direção: Clive Barker
Roteiro: Clive Barker
Elenco: Scott Bakula, Kevin J. O'Connor, Joseph Latimore, Sheila Tousey, Susan Traylor, Ashley Tesoro
  
Sinopse:
O detetive particular Harry D'Amour (Scott Bakula) é contratado para descobrir o que estaria por trás das inúmeras tentativas de assassinato de um famoso mágico da cidade, Phillip Swann (Kevin J. O'Connor). Seguindo as pistas deixadas pela esposa do ilusionista, o investigador acaba descobrindo uma ligação com o passado de uma seita de adoradores de Satã. No meio de seu caminho surgem tentativas de realização de um sacrifício humano. Para Harry agora o mais importante é descobrir a verdadeira identidade de todos os membros daquela sociedade satanista. Filme vencedor do Fangoria Chainsaw Awards na categoria de Melhor Trilha Sonora e do International Horror Guild na categoria de Melhor Filme de Suspense.

Comentários:
Pouca gente vai se lembrar desse filme. A principal referência obviamente vem do fato de ter sido dirigido por Clive Barker. O cineasta inglês (nascido em Liverpool, a mesma cidade natal dos Beatles) tinha se consagrado por causa do clássico de horror "Hellraiser - Renascido do Inferno". Depois de ter sido bastante elogiado pela crítica - e prestigiado pelo público mais antenado com filmes de terror - ele então lançou seu segundo filme, o mal sucedido "Raça das Trevas". Assim esse terceiro filme, "Lord of Illusions" vinha justamente para provar que ele tinha ainda potencial para o sucesso de bilheteria. Não foi bem como era esperado. Esse filme foi lançado em poucas salas de cinema nos Estados Unidos e Inglaterra e no Brasil foi lançado diretamente em vídeo (ainda nos tempos do mercado de fitas VHS). Na época em que o assisti pela primeira vez (por volta de janeiro de 1998) o filme realmente não me impressionou muito. De certa maneira foi um pouco decepcionante por causa justamente de "Hellraiser". Depois daquele filme sempre que o nome de Clive Barker surgia nos créditos ficava aquela expectativa maior, aquela sensação de que se iria assistir a algo fora do comum, surpreendente e inovador. Pois bem, "O Mestre das Ilusões" passa longe disso. Mesmo assim é um bom filme, bem feito, com uma ideia que se não chega a lhe deixar o espectador de queixo caído pelo menos tenta ser um pouco mais original. No geral o filme fica apenas na média do que era realizado em meados dos anos 90. Bem longe da genialidade de "Hellraiser" conseguiu pelo menos chamar alguma atenção por causa do nome de seu diretor, naqueles tempos considerado um verdadeiro mestre do gênero, um autor cult do horror moderno.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Velocidade Máxima 2

Título no Brasil: Velocidade Máxima 2
Título Original: Speed 2 - Cruise Control
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: Sony Pictures Studios
Direção: Jan de Bont
Roteiro: Graham Yost, Jan de Bont
Elenco: Sandra Bullock, Jason Patric, Willem Dafoe, Brian McCardie, Temuera Morrison, Christine Firkins, Colleen Camp
  
Sinopse:
Annie (Sandra Bullock) e Alex Shaw (Jason Patric) resolvem fazer um cruzeiro no Caribe. Ela ainda está se recuperando pelo que passou recentemente em Los Angeles, quando quase morreu em um ônibus desenfreado (no primeiro filme). Ele é um agente da SWAT que apenas quer curtir suas férias ao lado de sua namorada Annie. O que eles não poderiam imaginar é que o transatlântico em que estão viajando iria virar alvo do terrorista cibernético John Geiger (Willem Dafoe). Agora todos vão lutar para sobreviver a um desastre iminente!

Comentários:
O primeiro filme "Velocidade Máxima" foi certamente um dos melhores filmes de ação dos anos 90. Com roteiro bem escrito, se apoiando única e exclusivamente em apenas uma situação (a do ônibus sem freios), o filme foi um sucesso de público e crítica. Claro que uma sequência não tardaria. Infelizmente o que era original e bem bolado no filme original não voltou a se repetir. Esse "Speed 2: Cruise Control" é uma das piores continuações da história do cinema americano - sem exagero algum! Talvez prevendo o fiasco o ator Keanu Reeves resolveu cair fora da sequência. Anos depois ele mesmo explicaria em uma entrevista que ao ler o roteiro desse segundo filme viu claramente que não daria certo. O enredo se passava todo em um grande navio de cruzeiro e a pergunta que ele mesmo se fez foi básica: onde estaria a tal velocidade nesse tipo de situação? Acertou em cheio. Esse péssimo ponto de partida seria a principal causa do desastre dessa produção. Com roteiro ruim, mas boa produção (cheia de efeitos digitais inovadores), o filme afundou nas bilheterias (com total merecimento é bom frisar). Sandra Bullock nunca esteve tão ruim (e olha que pelas bombas que fez na carreira isso não era algo fácil de atingir). Jason Patric tentou compensar a ausência de Reeves, mas foi em vão. Até mesmo o ótimo ator Willem Dafoe saiu chamuscado de ter participado de um abacaxi desses! Enfim, fracasso completo de crítica e público, o filme hoje só serve para nos lembrar que muitas vezes a ganância dos estúdios vai um pouco longe demais.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Outono de Paixões

Título no Brasil: Outono de Paixões
Título Original: August
Ano de Produção: 1996
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: Columbia Pictures
Direção: Anthony Hopkins
Roteiro: Julian Mitchell
Elenco: Anthony Hopkins, Leslie Phillips, Kate Burton, Gawn Grainger, Rhian Morgan, Rhian Morgan, Rhoda Lewis
  
Sinopse:
O filme é uma adaptação da peça teatral Tio Vânia, baseado na obra de Anton Tchecov. A estória se passa em uma bucólica pequena vila na costa do país de Gales. Ieuan Davies (Anthony Hopkins) é um velho professor que no outono de sua vida redescobre o amor e o prazer nas pequenas coisas da vida. Filme vencedor do BAFTA Awards na categoria de Melhor Filme - Drama (em língua inglesa).

Comentários:
Ao longo de sua bem sucedida carreira como ator, Anthony Hopkins só se aventurou três vezes na direção. A primeira foi no pequeno e alternativo "Dylan Thomas: Return Journey", um filme independente pouco conhecido pelo público em geral. A segunda incursão do ator na direção porém foi bem mais pretensiosa. Esse "August" é uma adaptação da peça teatral do dramaturgo Anton Chekhov. Como se trata de uma adaptação teatral o público já sabe mais ou menos de antemão o que encontrará pela frente: um texto essencialmente indicado para quem aprecia bons diálogos (especialmente declamados) e boas atuações, tudo em ambientações que muitas vezes nos lembram do teatro. Hopkins realizou uma obra discreta, elegante e refinada, que apresenta excelente fotografia - valorizada pela beleza natural do País de Gales - onde o ator e diretor nasceu. Em termos de enredo o argumento desenvolve uma temática bem introspectiva, valorizando as crises existenciais decorrente da passagem do tempo. Um bela filme, daqueles que trazem tomadas de cena que mais parecem pinturas renascentistas. Da carreira na direção de Anthony Hopkins esse é certamente seu filme mais bem acabado, mais bem elaborado, mais bem escrito. Um belo retrato da velhice e dos sentimentos que afloram nessa fase de nossas vidas.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

O Mestre dos Gênios

Título no Brasil: O Mestre dos Gênios
Título Original: Genius
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: Riverstone Pictures
Direção: Michael Grandage
Roteiro: John Logan
Elenco: Colin Firth, Jude Law, Nicole Kidman, Guy Pearce, Laura Linney, Dominic West, Vanessa Kirby
  
Sinopse:
O filme narra a história real do editor de livros Maxwell Evarts Perkins (Colin Firth). Trabalhando em uma editora de Nova Iorque ele acaba trabalhando ao lado de alguns dos maiores escritores da história americana como F. Scott Fitzgerald e Ernest Hemingway. Recebendo dezenas de textos novos todos os dias para analisar, ele acaba se interessando por um novo romance escrito por um jovem desconhecido chamado Thomas Wolfe (Jude Law). Com imenso talento para escrever, ele é um tipo explosivo, complicado de se lidar no dia a dia. Mesmo assim Maxwell resolve contratá-lo, iniciando a partir daí um relacionamento dos mais marcantes da história da literatura. Filme indicado ao Urso de Ouro do Berlin International Film Festival.

Comentários:
Esse é exatamente o tipo de filme que mais sinto falta nos dias atuais. Apostando em um roteiro mais sofisticado, inteligente e sutil, o texto aposta suas fichas no conturbado relacionamento profissional entre um famoso editor de livros e um jovem escritor, cheio de ideias inovadoras e com muita vontade de se consagrar no mundo da literatura. Certamente não é o tipo de produção que vai arrecadar milhões nas bilheterias, mas certamente será aquele tipo de filme que vai lhe trazer muito prazer em assistir, ainda mais se você faz do hábito da leitura um companheiro em suas horas vagas. E não estamos aqui falando de literatura de bolso de baixa qualidade ou importância, mas sim de alguns dos escritores mais importantes da literatura mundial em todos os tempos. O filme traz para a tela três deles: F. Scott Fitzgerald (em plena crise de criatividade, passando por um sério problema pessoal com o gradual processo de enlouquecimento de sua esposa), Ernest Hemingway (ainda expansivo como só ele sabia ser, prestes a escrever sua maior obra prima, "Por Quem os Sinos Dobram") e finalmente o novato do trio, o esfuziante Thomas Wolfe (chegando ao ponto de ser um figura constrangedora por causa de seu temperamento explosivo). O ponto de ligação de todos eles era justamente o veterano editor Maxwell Perkins (em contida interpretação do sempre correto Colin Firth). O enredo se passa na década de 1940, em um tempo em que os lares sequer tinham televisão (e onde todos se reuniam ao redor do rádio para ouvir as notícias e as radionovelas). Há uma deliciosa narrativa explorando a vida (muitas vezes sofrida) de todos esses consagrados escritores, mostrando que ser um editor naqueles tempos pioneiros não era certamente algo fácil, pois além de trabalhar bastante nos próprios livros, esse ainda tinha que ser amigo pessoal, psicólogo e braço direito. Era realmente um tipo de relação muito próxima, que ultrapassava em muito a mera aproximação profissional. Todo o elenco está bem, porém o destaque mesmo vai para Jude Law. O seu Thomas Wolfe lhe abre as melhores oportunidades de declarar os mais bem escritos diálogos do filme. Já o mesmo não se pode falar da estrela Nicole Kidman. Ela interpreta uma mulher perturbada psicologicamente por ter se envolvido com Wolfe, chegando ao ponto inclusive de tentar suicídio na própria editora de seu amado! De qualquer forma, mesmo em papel reduzido, Kidman acrescenta sempre algo nos filmes em que trabalha. Então é isso. Essa é uma boa indicação para quem esteja procurando por um tipo de produção mais sofisticada, como escrevi. Um filme de muito bom gosto, ótima produção, excelente direção de arte e reconstituição de época, que seguramente vai satisfazer até mesmo o gosto dos cinéfilos mais exigentes. É sem dúvida um filme altamente recomendado.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 17 de setembro de 2016

Mickey Rourke, 64

Ontem foi aniversário do ator Mickey Rourke. Ele completou 64 anos de idade! Como o tempo passa rápido... Quando eu comecei a gostar realmente muito de cinema, ainda na minha adolescência na década de 80, Rourke foi um dos meus primeiros ídolos na sétima arte. Ele era cool, fazia ótimos filmes e estava se destacando tanto na carreira que muitos críticos o chegaram a comparar com o mito Marlon Brando! Era o legítimo sucessor daquela geração em que se imortalizaram Brando, Dean e Clift. Pelo menos isso era o que todos pensavam na época...

Infelizmente a virada da década de 80 para 90 pareceu significar também o fim de seu auge. O ator que vinha colecionando grandes filmes passou a estrelar grandes fracassos comerciais e pior do que isso, os filmes também foram ficando cada vez mais ruins com o tempo. Como se isso não bastasse Rourke resolveu deixar a carreira de lado para ser boxeador... fez inúmeras plásticas desastrosas e foi ficando muito distante da imagem daquele ator jovem que um dia quase chegou a ser o novo Marlon Brando.

Ontem, procurando por notícias sobre Rourke, me deparei com uma incrível quantidade de lixo de internet, notícias em sites de fofocas de celebridades, sempre mostrando fotos horríveis de Rourke tiradas por paparazzis pela ruas de Nova Iorque ou Los Angeles. O ator hoje em dia virou uma espécie de avis rara para esse tipo de mídia sensacionalista rasteira. As manchetes quase sempre retratam Rourke como um ser grotesco, quase monstruoso, vestindo roupas estranhas, com o rosto completamente desfigurado após tantas cirurgias plásticas que o deixaram completamente irreconhecível. Certamente não é algo bonito de se ver...

Pelo visto Rourke sofre de 'Dismorfofobia' (Transtorno dismórfico corporal). Não sabe o que é isso? É um distúrbio psicológico que leva a pessoa a ter horror da sua própria aparência natural, o levando a uma infinidade de cirurgias plásticas, ano após ano, que acabam destruindo as próprias feições naturais dela. O finado cantor Michael Jackson parecia sofrer do mesmo problema. A atriz Renée Zellwegger também parece sofrer disso. São pessoas normais, até bonitas, que não aceitam sua própria aparência e piram completamente, trazendo resultados desastrosos para suas imagens. Uma pena. E os filmes? Ninguém mais fala neles. Depois de um retorno triunfal em "O Lutador" de 2008, Mickey voltou para sua velha rotina de filmes B sem importância. O último dele que vi foi uma produção modesta de guerra chamada "Marcas da Guerra", nada memorável. Pelo visto os dias de "Coração Satânico", "Prece para um Condenado", "O Ano do Dragão" e tantos outros clássicos dos anos 80 ficaram para sempre no passado...

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Tomorrowland

Título no Brasil: Tomorrowland
Título Original: Tomorrowland
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos
Estúdio: Walt Disney Studios
Direção: Brad Bird
Roteiro: Damon Lindelof, Brad Bird
Elenco: George Clooney, Britt Robertson, Hugh Laurie, Raffey Cassidy, Tim McGraw, Keegan-Michael Key
  
Sinopse:
Durante a feira mundial de 1964 o garoto Frank Walker (Thomas Robinson) acaba sendo levado para um mundo futurista, com naves e inventos maravilhosos. Os anos passam e agora é a vez da garota Casey Newton (Britt Robertson) de ser levada até Tomorrowland! Antes porém ela precisará ser salva do ataque de robôs do futuro enviados pelo maquiavélico governador Nix (Hugh Laurie). Filme indicado ao Teen Choice Awards e ao Visual Effects Society Awards.

Comentários:
Esse filme acabou se tornando um dos maiores fracassos comerciais da história da Disney. Com orçamento próximo de 200 milhões de dólares não conseguiu render nem um terço disso nas bilheterias. Um fracasso merecido. A questão é que temos aqui um dos roteiros mais mal escritos que já vi na minha vida. Só para se ter uma ideia de como ele soa confuso na tela: o espectador fica perdido, no ar, sem saber direito tudo o que está acontecendo, por aproximadamente 90 minutos! (isso em um filme com pouco mais de 110 minutos de duração!). Haja paciência! Pouca coisa é explicada e quando a trama finalmente é revelada se torna uma decepção enorme por ser boba, vazia e sem novidades. Até mesmo a cena final é cheia de clichês saturados. Basicamente é uma ficção ao estilo aventura infanto-juvenil (para usar de uma expressão bem antiga), baseada em um universo com duas dimensões paralelas, uma que seria a nossa realidade e a outra, futurista, com um mundo perfeito. Não adianta tentar encontrar algo a mais porque simplesmente não há! O projeto nasceu quando a Disney resolveu levar para as telas um brinquedo temático de um de seus parques de diversões (isso mesmo, um filme baseado em um brinquedo!). A que ponto se chegou na falta de originalidade não é mesmo?... Pois bem, para isso criaram um enredo tão descartável que não é preciso ir muito além para saber que o filme se resume a uma orgia visual de efeitos visuais com roteiro praticamente inexistente. Uma perda de tempo. Depois que o filme afundou comercialmente o ator George Clooney explicou que fez o filme por causa de sua mensagem ao estilo "Vamos salvar o planeta enquanto há tempo!". Isso é o que dá ser chatinho e politicamente correto além da conta não é mesmo Sr. Clooney? Francamente...

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Atividade Paranormal

Título no Brasil: Atividade Paranormal
Título Original: Paranormal Activity
Ano de Produção: 2007
País: Estados Unidos
Estúdio: Solana Films, Blumhouse Productions
Direção: Oren Peli
Roteiro: Oren Peli
Elenco: Katie Featherston, Micah Sloat, Mark Fredrichs, Amber Armstrong, Ashley Palmer
  
Sinopse:
Um jovem casal se muda para uma nova casa no subúrbio. No começo tudo vai muito bem, eles estão apaixonados e felizes por estarem finalmente em sua casa própria. Os problemas porém não tardam e começam a surgir durante as madrugadas. Para registrar tudo o casal decide deixar câmeras filmando tudo, 24 horas por dia! O que estas imagens revelam deixam todos apavorados. Uma presença demoníaca ronda as noites escuras naquela casa. Filme indicado ao Fangoria Chainsaw Awards, ao Independent Spirit Awards e ao MTV Movie Awards.

Comentários:
Esse foi o primeiro filme da franquia "Paranormal Activity". Quem é fã de terror sabe muito bem que esse filme, para o bem ou para o mal, acabou sendo um dos mais influentes dos últimos anos. Isso se deve ao fato de que a estética que é utilizada nessa produção acabou virando uma febre entre filmes de terror mais recentes. A fórmula realmente é muito tentadora pois é muito barata, fácil de se produzir, contando com uma falsa realidade para assustar o público. É o estilo Mockumentary, mais conhecido entre nós como "falso documentário", ou seja, uma obra cinematográfica que tenta reproduzir filmagens amadoras, feitas por qualquer pessoa, captando eventos extraordinários. Tudo é colocado para o público como se fossem registros amadores verdadeiros e não pura ficção. Isso acaba criando uma identificação que ajuda bastante na construção do medo e do terror. Esse tipo de filme começou a virar recorrente com o sucesso de "A Bruxa de Blair" que tentou convencer o público de que tudo o que se via na tela era a mais pura (e assustadora) verdade. Com "Atividade Paranormal" a ideia vai além. O foco é aquela típica família suburbana americana sendo assustada por eventos paranormais que simplesmente não se pode explicar. Nos cinemas o trailer valorizava mais a reação do público do que o filme em si, mostrando as reais intenções dos realizadores desse tipo de filme. Deu certo. Com orçamento extremamente enxuto e econômico a fita rendeu uma excelente bilheteria que justificaria uma infinidade de sequências, cada vez mais fracas e ruins. Não importa, em Hollywood como diz o ditado "money talks", ou seja, o dinheiro manda. Enquanto houver público para esse tipo de filme certamente haverá continuações, ano após ano.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

O Chacal

Título no Brasil: O Chacal
Título Original: The Jackal
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures
Direção: Michael Caton-Jones
Roteiro: Kenneth Ross, Chuck Pfarrer
Elenco: Bruce Willis, Richard Gere, Sidney Poitier, Diane Venora, Mathilda May, J.K. Simmons, Jack Black
  
Sinopse:
Durante anos um assassino profissional conhecido apenas como "O Chacal" cometeu crimes em vários países do mundo. Agora ele está nos Estados Unidos, pronto para cumprir um contrato de setenta milhões de dólares para eliminar um influente político americano. O FBI e a CIA precisam descobrir seu paradeiro antes que o crime seja cometido, porém poucos conhecem o rosto do Chacal. Uma dessas pessoas é um ex-terrorista do grupo irlândes IRA. Assim o condenado Declan Mulqueen (Gere) aceita colaborar na caça do Chacal em troca de certos benefícios para si próprio.

Comentários:
A ideia original era até muito boa. Uma nova adaptação para o famoso livro "O Dia do Chacal", um dos mais consagrados livros de ficção dos últimos anos. O filme original de 1973, dirigido por Fred Zinnemann, é sem dúvida um dos maiores clássicos modernos do cinema. O problema é que logo que começou a adaptação o estúdio resolveu ir por outro caminho. Ao invés de adaptar o enredo original procurou-se criar uma nova trama, com outros rumos. Aí a coisa toda desandou. O filme virou uma fita de ação genérica (embora competente) que muito pouco utilizava do romance original. O grande atrativo assim saia das páginas da literatura para o puro cinema. Entre eles o fato do filme contar com um excelente elenco, com direito a presença do veterano Sidney Poitier. O diretor Michael Caton-Jones sem dúvida criou um filme muito ágil, com excelente sequências de ação, porém algo se perdeu nesse processo. Bruce Willis como o assassino profissional Chacal não convence muito, porque está de certo modo preguiçoso em cena. Melhor se sai, quem diria, Richard Gere. Com um modo de interpretação mais sofisticado, menos brutamontes, ele acabou roubando grande parte do filme para si. No geral é isso. uma fita competente de ação, mas que fica longe, bem longe, do clássico "O Dia do Chacal", aquele sim um dos melhores da história do cinema.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Jovens Adultos

Título no Brasil: Jovens Adultos
Título Original: Young Adult
Ano de Produção: 2011
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Jason Reitman
Roteiro: Diablo Cody
Elenco: Charlize Theron, Patrick Wilson, Patton Oswalt, Elizabeth Reaser, Collette Wolfe, Jill Eikenberry
  
Sinopse:
Prestes a chegar aos 40 anos, a vida para Mavis Gary (Charlize Theron) parece não ir para frente. Ela está divorciada, se envolvendo com os homens errados em relacionamentos fracassados e casuais que não vão para lugar nenhum. Pior é olhar para o passado e se lembrar de seus tempos de escola quando era muito popular entre seus amigos. Agora ela descobre que sua antiga paixão da juventude está casado e muito feliz, pai de um lindo garotinho. Irritada com o seu destino Mavis resolve então voltar para sua velha cidadezinha natal onde pretende reconquistar o coração de seu namorado do passado. Filme indicado ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Atriz (Charlize Theron).

Comentários:
Bom filme, bem valorizado pela inspirada atuação da atriz Charlize Theron (que de certo modo deixou a vaidade de lado!). Ela interpreta uma mulher amarga, frustrada e magoada pelo tempo que tenta voltar para o passado, quando era admirada pelos amigos e colegas da escola. Um linda garota loira e popular dos tempos de escola que pareceu não ter dado muito certo! O problema é que esse passado obviamente não existe mais. Nem seu antigo namorado a quem ela nunca esqueceu tampouco é a mesma pessoa de antes. Mesmo assim ela resolve ignorar tudo e partir para o ataque, causando todos os tipos de constrangimentos, mal entendidos e problemas ao tentar voltar para um mundo ao qual ela não mais pertence. O filme é supostamente uma comédia, porém o humor que vemos aqui é obviamente bem negro, sarcástico até. O roteiro, escrito pela roteirista e stripper Diablo Cody explora muito bem a geração que já está nos "trinta e tantos" chegando perigosamente aos "quarenta e poucos", em um um momento da vida em que vários sonhos se evaporaram no ar e nada mais parece muito promissor pela frente. É um tipo de humor que também vai deixar uma estranha sensação de desconforto em que assiste ao filme. E é justamente por isso que vale a pena a sessão. Assista, se divirta e se possível se identifique. O sorriso amarelo logo surgirá, constrangido, em seu rosto.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Até o Fim

Título no Brasil: Até o Fim
Título Original: All the Way
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: HBO Films
Direção: Jay Roach
Roteiro: Robert Schenkkan
Elenco: Bryan Cranston, Frank Langella, Bradley Whitford, Melissa Leo, Stephen Root, Anthony Mackie
  
Sinopse:
Após o assassinato de JFK em Dallas, assume a presidência dos Estados Unidos seu vice, Lyndon Johnson (Bryan Cranston). Na Casa Branca seu grande desafio passa a ser a aprovação pelo Congresso da Lei dos Direitos Civis. Para isso ele passa a contar com o apoio do pastor e líder negro Martin Luther King, Jr (Anthony Mackie). Os desafios porém são muitos, inclusive dobrar a ferrenha oposição de parlamentares do Sul, região tradicionalmente mais racista daquele país. Enquanto tenta a aprovação da lei o presidente Johnson também precisa lidar com o crescente envolvimento militar americano em um país asiático distante chamado Vietnã. Filme indicado a oito prêmios Emmy, entre eles melhor filme, melhor direção (Jay Roach), melhor ator (Bryan Cranston) e melhor atriz (Melissa Leo).

Comentários:
Lyndon Johnson (1908 - 1973) foi um presidente americano diferente. Ele era um político tradicional e meio apagado que de repente se viu no meio do furação após o assassinato em Dallas do presidente John Kennedy. Como era o vice de JFK assumiu a presidência. Ao contrário de seu antecessor ele passava longe de ser um grande estatista. Meio bronco e chucro, um autêntico caipira sulista, ele tinha um jeito diferente de tratar com todos os problemas políticos que lhe surgiam pela frente. Era um sujeito pragmático, que nem sempre pensava com muita sensatez. Também sondava constantemente com a ilegalidade, como podemos ver no filme em suas delicadas relações com o diretor geral do FBI, J. Edgar Hoover. Esse presidente ficou marcado na história por dois eventos principais durante seu mandato, um positivo e outro negativo. O positivo foi a aprovação da lei dos direitos civis, uma velha bandeira de JFK. O negativo foi o envolvimento cada vez maior dos Estados Unidos na lama do Vietnã, o conflito armado mais desastroso da história daquela nação. Como ele não tinha muita visão de política internacional foi enviando cada vez mais tropas para o Vietnã, o que acabou causando aquele desastre imenso que bem conhecemos. O roteiro do filme porém pouco lida com a questão dessa guerra (que inclusive foi determinante para que ele depois desistisse de se reeleger por uma segunda vez). Ao invés disso prefere mostrar os esforços de Johnson em aprovar as leis de direitos civis em prol da população negra, sem desviar a atenção do presidente da tormentosa questão de sua própria reeleição. Quem interpreta o presidente nesse bom filme é o talentoso ator Bryan Cranston. Usando forte maquiagem para se parecer com Lyndon Johnson, ele pouco lembra de seu papel mais famoso, o do professor de química Walter White da série "Breaking Bad". Penso que nessa altura do campeonato ninguém mais tem dúvidas de como ele é um grande ator. Aqui, na pele do presidente Johnson, ele consegue simplesmente desaparecer em seu personagem (algo que apenas os grande atores conseguem realizar). Outro grande destaque vem da interpretação do veterano Frank Langella. Ele interpreta um velho senador do sul chamado Richard Russell, um político que luta para derrubar a lei que amplia os direitos dos negros, embora ele próprio seja um grande amigo pessoal do presidente. Enfim, muito bom esse filme. Historicamente bem realizado, é um interessante retrato desse presidente que se considerava acima de tudo um mero acidente da história.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

O Maior Amor do Mundo

Título no Brasil: O Maior Amor do Mundo
Título Original: Mother's Day
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Lionsgate Pictures
Direção: Garry Marshall
Roteiro: Anya Kochoff, Matthew Walker
Elenco: Jennifer Aniston, Kate Hudson, Julia Roberts, Timothy Olyphant, Shay Mitchell, Margo Martinda
  
Sinopse:
Perto da chegada do dia das mães um grupo de mulheres, das mais diversas faixas etárias, precisa lidar com os problemas de relacionamento envolvendo suas mães e sua própria maternidade. Há a mãe divorciada (Aniston) que agora precisa lidar com o fato do ex-marido estar casado com uma jovem, praticamente uma adolescente, que poderia ser sua filha; uma esposa (Hudson) que esconde da própria mãe que se casou com um indiano (já que ela tem um claro preconceito contra imigrantes e estrangeiros) e uma irmã que agora vive um relacionamento gay escondido de seus pais. Tudo tratado com bom humor e leveza.

Comentários:
Esse é aquele tipo de filme feito por e para mulheres que dificilmente despertará o interesse do público masculino. Para o cinéfilo em geral o único atrativo virá realmente do elenco (que conta com três estrelas de Hollywood) e nada muito além disso. Como o título original sugere ("Mother's Day" ou Dia das Mães), o roteiro explora a maternidade em suas diversas fases e peculiaridades. Todas as protagonistas são mães que enfrentam todos os tipos de problemas e desafios em seu dia a dia. Embora o enredo tivesse um potencial dramático, envolvendo questões emocionais e familiares, tudo desanda para o humor bem mais leve, totalmente inofensivo e com carga dramática praticamente nula. Esse talvez seja o maior problema do filme. Não há espaço para conflitos entre os personagens, tudo parece ser solucionado com um sorrisinho no rosto, sem traumas, sem brigas, sem nada. O diretor Garry Marshall (falecido recentemente, sendo esse seu último filme) parecia ter receios de traumatizar seu público ou algo assim. De certa forma ele trata e subestima completamente o público, evitando qualquer tipo de cena mais forte ou mais relevante. Quando o filme fica inofensivo demais, mesmo sendo uma comédia romântica, a coisa toda desanda para a pura água com açúcar, tornando tudo tão plastificado e falso que fica complicado seguir o filme até o seu final (igualmente inócuo e desprovido de carga dramática). Outro problema vem do tratamento em relação aos homens. Não há figuras masculinas fortes no roteiro. Todos os homens parecem ou fracos ou idiotas, imbecilizados e idiotizados. Nenhum deles tem um papel positivo dentro da trama. Olyphant, por exemplo, é um boboca que se apaixona por uma jovem, ignorando que ela talvez só esteja atrás de seu dinheiro. De certa forma tudo parece se desenvolver em uma realidade fake, que definitivamente não convence ninguém. As situações são manipuladas demais e não são muito divertidas e nem particularmente engraçadas. É tudo tão bobinho pra falar a verdade... e não há como negar que o filme no geral é de um vazio absurdo! Assim as piores situações - como ver seu ex-marido se apaixonando por uma gatinha praticamente adolescente ou o preconceito racial de seus pais para com o seu marido de origem estrangeira - acabam virando meras piadinhas de salão, estorinhas engraçadas para você contar para suas amigas em sessões de fofocas e fuxicos. Francamente...

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.