sexta-feira, 18 de agosto de 2017

A Garota Húngara

Szebeni Kató (Laura Döbrösi) é uma pobre garota vinda do interior que chega na capital em busca de trabalho. Não está fácil, ela é jovem, não tem experiência e nem cartas de recomendação de empregos anteriores. Para ela é uma questão crucial arranjar logo alguma forma de sobrevivência pois o inverno chegou e ela não tem onde morar. Solidária com sua situação, a governante de uma atriz e cortesã resolve lhe dar o emprego de doméstica. Sua nova patroa, Mágnás Elza (Patricia Kovács), vive de explorar os sentimentos de um homem mais velho, apaixonado por ela. Elza está ficando cada dia mais velha, perdendo o clamor da juventude, então para ela fica cada vez mais evidente que é preciso tirar o maior proveito daquele sujeito enquanto ele ainda tem interesse nesse caso romântico (no fundo, pura prostituição mesmo, pois ela não o ama).

 Gostei desse filme produzido na Hungria. Não é muito fácil encontrar produções feitas no leste europeu, ainda mais dessa qualidade. O enredo tem um toque de decadência moral, mostrando uma jovem inocente vindo do interior tendo que agora lidar com uma nova vida, com a sordidez de um ambiente onde sua patroa explora um velho rico, visando única e exclusivamente tirar dinheiro dele. Ela quer fazer um filme sobre Joana D´Arc (pois é uma atriz frustrada) e a única forma de levantar esse dinheiro é depenando ainda mais o velho babão que é apaixonado por ela. Não demora e Elza percebe que sua nova empregada é bonitinha e daria uma bela prostituta também, só que a garota é religiosa, procura sempre andar no bom caminho. Porém, sendo pobre demais e sem perspectivas de um futuro melhor, até onde ela vai resistir a vender seu próprio corpo em troca de favores, luxo e dinheiro? Então é isso. Um bom drama, com algumas cenas mais picantes (nada vulgares), mostrando como até mesmo as mulheres mais virtuosas podem balançar em suas convicções quando a pobreza bate à porta!

A Garota Húngara (Félvilág, Hungria, 2015) Direção: Attila Szász / Roteiro: Norbert Köbli / Elenco: Patricia Kovács, Dorka Gryllus, Laura Döbrösi / Sinopse: Jovem e inocente garota vinda do interior acaba arranjando um emprego de doméstica na casa de uma atriz frustrada que vive como cortesã de um homem rico. Logo a nova patroa percebe que sua nova criada é bem bonita, que poderia lhe render bem como a nova prostituta da cidade. A garota porém está decidida a resistir seguir por esse caminho.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Na Mira do Atirador

Apenas razoável esse novo filme de guerra produzido pelo recentemente inaugurado Amazon Studios. Tudo se passa nos últimos dias da intervenção americana no Iraque. Dois soldados da força Ranger são enviados para um posto avançado na tentativa de localizar um sniper (atirador de elite) iraquiano. Eles passam então um longo tempo camuflados esperando localizar o inimigo, mas em vão. Cansados, acabam abrindo guarda e um deles é logo atingido por um tiro certeiro. O outro se fere e procura abrigo em um pequeno muro de uma escola em ruínas. O sniper iraquiano então começa a entrar em contato com ele pelo rádio, dando origem a uma guerra psicológica entre os dois.

É aquele tipo de roteiro que explora uma situação única. Tudo se passa em pouco tempo, com o soldado americano encurralado pelo atirador de elite das forças inimigas, tentando sobreviver aos tiros e ao calor infernal daquele deserto. Até que em alguns momentos o filme apresenta boas cenas, mas no geral não consegue sair muito do lugar comum. O atirador iraquiano nunca aparece, apenas sua voz é ouvida. Ele parece também ser um sujeito bem sádico e ao mesmo tempo bem inteligente pois consegue abater vários soldados americanos. Igualmente é um mestre na camuflagem, nunca sendo localizado pelos rangers. De certa maneira o roteiro dá muito destaque ao sniper inimigo, algo que causa surpresa pois afinal é uma produção americana que deveria colocar os seus como os heróis do filme. Ao contrário disso eles viram patinhos, alvos ambulantes para o muçulmano. Não é algo muito fácil de encontrar em filmes desse tipo. Fora isso é apenas uma fita de guerra mais convencional, que até consegue agradar um pouco, se você não for muito exigente.

Na Mira do Atirador (The Wall, Estados Unidos, 2017) Direção: Doug Liman / Roteiro: Dwain Worrell / Elenco: Aaron Taylor-Johnson, John Cena, Laith Nakli / Sinopse: Dois soldados americanos da força Ranger do exército acabam encurralados por um atirador de elite iraquiano que já matou diversos militares inimigos durante a intervenção americana no Iraque. Filme indicado ao Golden Trailer Awards na categoria cinema independente.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

O General Lee e a Supremacia Branca

Essa semana não houve notícia mais comentada do que o desfile dos supremacistas brancos na pequena cidade de Charlottesville, no estado sulista da Virgínia. A coisa toda começou quando algumas pessoas decidiram que era hora de colocar abaixo uma estátua do General Robert Lee, o herói confederado da guerra civil americana. Como gosto muito de história não deixei de prestar atenção em todos os acontecimentos. O mais curioso de tudo é saber que o velho general Lee foi, através do tempo, alçado a uma posição, se tornando símbolo de uma causa, que nem ele mesmo acreditava em vida.

O General Lee virou de certa forma um ícone desse movimento de supremacia branca nos Estados Unidos. O problema é que Lee não era um defensor da escravidão negra como muitos pensam. Ao contrário disso ele era um sujeito bem pragmático, um militar que mesmo tendo lutado ao lado dos confederados, sabia muito bem que não havia volta sobre a libertação dos escravos. A roda da história havia girado e não teria mais como manter a escravidão dos negros nas plantações de algodão das grandes fazendas do sul. O General Lee ia além e sabia até mesmo de antemão que seria impossível vencer a guerra. Homem experiente, general famoso do exército americano, ele tinha plena consciência de que as melhores tropas, os melhores armamentos e oficiais estavam do lado da União, dos ianques. Vencer aquela guerra civil era praticamente impossível.

Assim você pode se perguntar: Se Robert Lee não acreditava na escravidão e sabia que o Sul jamais venceria a guerra, por que afinal ele ficou do lado do exército confederado? A resposta sobre essa questão pode ser encontrada em qualquer biografia do militar americano. Ele sempre dizia que havia entrado para o lado rebelde simplesmente porque seu estado natal, a Virgínia, havia decidido lutar ao lado da Confederação. Ele dizia amar sua terra natal e assim foi para um exército que tinha poucas chances de vitória, lutando por uma causa que nem sequer acreditava. Ele nem era um racista, mas sim um homem do seu tempo, que sabia muito bem que a escravidão estava com os dias contados.

E a história também tem suas ironias. Com os anos Robert Lee virou esse símbolo dos supremacistas, dos neonazistas americanos do sul, mas a verdade é que ele não tinha essa visão que seus supostos seguidores ainda defendem. Já o presidente Abraham Lincoln, dito como o grande libertador, escreveu textos de cunho nitidamente racistas. Em um deles chegou a dizer que os negros jamais poderiam ser comparados aos brancos, que eram superiores. Mais do que isso, em determinado momento da guerra Lincoln estava disposto a abrir mão da abolição da escravidão em troca da paz, algo que pelo calor dos acontecimentos foi negado pelos sulistas. Assim o tempo muda as percepções. Nem Lincoln foi esse herói todo que muitos almejam, nem Robert Lee foi esse racista da supremacia branca que tantos o descrevem. A verdade histórica é bem mais complexa do que muitos imaginam.

Pablo Aluísio.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

King Kong

Para muitos quando se fala no "King Kong original" o que lhe vem na cabeça é justamente essa versão dos anos 70. Também pudera, o verdadeiro filme original sobre o gorila gigante é da década de 30, quando esses nem eram nascidos. Esse também é o meu caso. O primeiro filme com o personagem King Kong que assisti foi justamente esse. É uma produção do famoso produtor Dino De Laurentiis feito em parceria com a Paramount Pictures. Dino havia comprado os direitos do gorilão dois anos antes. Inicialmente ele pensou em rodar um filme em Roma, mas com o interesse dos americanos ele resolveu produzir o filme em Hollywood mesmo. Embora King Kong tivesse sido explorado em uma série de filmes japoneses (ao estilo trash), De Laurentiis queria uma produção classe A, para ser lançado no natal daquele ano.

Para modernizar a história tudo foi mudado, mantendo-se apenas as linhas básicas da trama. No primeiro filme tudo se passava na década de 30 (algo que seria mantido por Peter Jackson anos depois em sua versão), mas aqui o enredo se passa na atualidade. Kong não enfrenta mais aviões antigos, da I Guerra Mundial (os teco-tecos nostálgicos), mas sim aviões modernos. Ele também não sobe no Empire State, mas sim no World Trade Center (as torres gêmeas que seriam destruídas em 11 de setembro). O elenco também tinha atrativos. Jeff Bridges, ainda bem jovem e com cabelão, chamava a atenção, porém quem roubava a cena era mesmo a loira Jessica Lange, no auge de sua beleza. Suas cenas sensuais até hoje chamam a atenção. No final o diretor John Guillermin realmente fez um belo trabalho. Haveria ainda uma continuação, já nos anos 80, mas dessa é melhor esquecer.

King Kong (King Kong, Estados Unidos, 1976)  Direção: John Guillermin / Roteiro: James Ashmore Creelman, Ruth Rose / Elenco: Jeff Bridges, Charles Grodin, Jessica Lange / Sinopse: Um grupo avançado acaba descobrindo numa ilha remota do pacífico um monstro, um gorila gigante chamado King Kong. Eles então resolvem levá-lo de volta à civilização para explorar economicamente suas aparições públicas, mas tudo acaba saindo do controle, levando caos e destruição a Nova Iorque. Filme vencedor do Oscar na categoria de Melhores Efeitos Especiais (Carlo Rambaldi, Glen Robinson e Frank Van der Veer). Também indicado nas categorias de Melhor Fotografia (Richard H. Kline) e Melhor Som. Vencedor do Globo de Ouro na categoria de Melhor Atriz (Jessica Lange).

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Dragnet - Desafiando o Perigo

Complicado entender o porquê desse filme não ter dado certo. Já nos anos 80 quando o aluguei pela primeira vez já o achei muito fraquinho, completamente sem graça. O curioso é que havia dois comediantes excelentes formando a dupla principal do filme, Dan Aykroyd e Tom Hanks. Aykroyd estava no pique do sucesso em sua carreira no cinema, ainda aproveitando os frutos do sucesso de "Caça-Fantasmas". Já Hanks ainda era bem jovem, mas já havia se tornado um ator bem conhecido, principalmente por filmes como "Splash - Uma Sereia em Minha Vida", "Um Dia a Casa Cai" e "A Última Festa de Solteiro". Por essa época ele era apenas um comediante e não havia começado sua carreira como ator dramático. Como se não bastasse a presença dos dois ainda havia gente como Christopher Plummer no elenco de apoio...

Mas nem isso, nem o fato de ser um remake de uma série policial de sucesso do passado, ajudou o filme. É tudo muito inofensivo, sem sal, fraco demais... essa é a palavra! Basicamente é uma comédia policial onde Dan Aykroyd interpreta o tira certinho (beirando a obsessão, seguindo à risca as regras) e Hanks é o policial mais deslocado, malandro, com jogo de cintura. E com tudo isso sob a mesa pouca coisa ainda funciona. Acredito que o que estragou o filme foi a trama, muito clichê! Eles deveriam ter escolhido uma estorinha melhor, afinal se "Dragnet" havia sido uma série certamente havia algo melhor em seus vários episódios para adaptar. Do jeito que ficou acabou sendo um tremendo desperdício de tempo, dinheiro e talento. O que era para ser o primeiro de uma série de filmes acabou parando por aqui mesmo. Faltou mesmo gás nessa adaptação.

Dragnet - Desafiando o Perigo (Dragnet, Estados Unidos, 1987) Direção: Tom Mankiewicz / Roteiro: Dan Aykroyd, Alan Zweibel  / Elenco: Dan Aykroyd, Tom Hanks, Christopher Plummer / Sinopse: Dois policiais de Los Angeles resolvem se unir para solucionar um mistério envolvendo um crime que parece ser sem solução. Para isso eles acabam usando dos meios mais incomuns para prender os verdadeiros culpados.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.


Celebridades

Nos anos 70 Woody Allen dirigiu uma série de filmes bem autorais. Os roteiros eram bem intelectualizados e o humor refinado. Acontece que naquela época o diretor tinha um produtor rico, um tipo de mecenas, que sempre bancava a produção de seus filmes. Mesmo que essas produções não trouxessem grandes bilheterias ou até mesmo se viessem a se tornar fracassos, não importava. O mecenas estava lá para bancar Allen e sua filmografia. Nos anos 90 ele morreu. Assim Woody Allen precisou se mexer novamente, fazer filmes mais comerciais, que trouxessem retorno financeiro aos estúdios. Esse "Celebridades" é dessa segunda fase. Allen deixou as obras mais autorais de lado, encheu seus filmes de atores conhecidos e estrelas de Hollywood (que participavam quase de graça em suas obras pelo simples prestígio de trabalhar nelas) e mudou seu estilo de fazer cinema.

Eu nunca gostei muito desses filmes da segunda fase do diretor. Eles são artificiais demais, com roteiros mais bobos, mais simples, tudo para abrir espaço a uma constelação de atores famosos. A maioria desses filmes trazem roteiros mosaicos, com várias histórias se desenvolvendo ao mesmo tempo, se encontrando apenas no final. Algo cansativo e que nem sempre funciona direito. Como o próprio nome desse filme indicava, Allen resolveu reunir um grupo de celebridades do cinema, com direito a  Leonardo DiCaprio e Charlize Theron em papéis menores, servindo como coadjuvantes de alto luxo. No saldo final tudo é bem fraco. Allen até tentou se justificar, dizendo que o roteiro servia como uma crítica ao mundo das celebridades, mas sabemos que o que ele queria mesmo era fazer boa bilheteria. Sem o velho e bom mecenas era hora de arregaçar as mangas e fazer sucesso a todo custo. Por fim um detalhe curioso: no elenco temos uma participação especial de Donald J. Trump, ele mesmo o atual presidente dos Estados Unidos! Naquela época ele era apenas mais uma celebridade espalhafatosa e ninguém poderia supor que um dia iria se tornar presidente!

Celebridades (Celebrity, Estados Unidos, 1998) Direção: Woody Allen / Roteiro: Woody Allen / Elenco:  Leonardo DiCaprio, Charlize Theron, J.K. Simmons, Joe Mantegna, Kenneth Branagh, Judy Davis, Donald J. Trump / Sinopse: Um grupo de casais, alguns deles formados por celebridades, passa por inúmeras crises em seus casamentos, tudo desandando para uma série de divórcios escandalosos.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 13 de agosto de 2017

A Última Ressaca do Ano

Parece uma comédia dos anos 80. De certa forma me lembrou até mesmo de "A Última Despedida de Solteiro", porém de forma menos picante e com menos piadas sexistas. A história é bem básica. Uma filial de uma empresa de tecnologia está prestes a ser fechada. Para evitar que isso aconteça é bolada uma enorme festa de fim de ano, daquelas bem chatas que são feitas em escritórios, para ver se um cliente fecha contrato com eles. Esse contrato milionário salvaria a filial e preservaria o emprego de todo mundo. Bom, quem conhece comédias americanas sabe bem onde tudo isso vai dar. As coisas vão fugindo do controle até que a tal festa de natal se torna um caos completo.

É uma fita divertida, não se pode negar. Comédias assim andam bem raras. O roteiro é esperto, tem excelentes tiras de humor. Muito do que se vê de engraçado vem daquele tipo de situação constrangedora que acaba virando piada no dia seguinte. Os tipos que trabalham no escritório são bem clichês, mas isso é basicamente o que se precisa para fazer um roteiro engraçado. O politicamente correto acaba servindo também de instrumento de humor, principalmente pela personagem que trabalha nos recursos humanos da empresa, sempre preocupada com o que se diz e se fala dentro do escritório. T.J. Miller é um dos donos do escritório, um cara boa praça que praticamente arruinou a filial por ser basicamente muito gente boa com seus empregados. Jennifer Aniston é sua irmã, que quer fechar a empresa de todo jeito para economizar custos. Por fim, fechando o trio principal de personagens, temos Jason Bateman como o supervisor, amigo de Miller, que dá apoio a todas as suas criancices. Então é isso. Curti e me diverti. Uma comédia que não aborrece e nem enche a sua paciência. Já está bom demais assim.

A Última Ressaca do Ano (Office Christmas Party, Estados Unidos, 2016) Direção: Josh Gordon, Will Speck / Roteiro: Justin Malen, Laura Solon / Elenco: Jason Bateman, Jennifer Aniston, T.J. Miller, Olivia Munn / Sinopse: Para conquistar um cliente novo e evitar que a filial de uma empresa seja fechada, é criada uma enorme festa de fim de ano, só que as coisas rapidamente fogem do controle.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 12 de agosto de 2017

Revelação

Ao longo de uma carreira bem produtiva, com muitos filmes, Harrison Ford atuou nos mais diversos gêneros cinematográficos. Aqui ele resolveu arriscar estrelar um filme de terror e suspense, algo que nunca havia sido habitual em sua filmografia. Aliás não me lembro de nenhum outro filme de Ford nesse gênero, apenas esse. Pena que não deu certo. O roteiro explora uma trama mal escrita, envolvendo fantasmas e espíritos que surgem nas sombras. Nada muito original ou assombroso, o que para um filme que vinha com proposta de causar sustos era uma péssima notícia.

Outro novato nessa área era o diretor Robert Zemeckis. Pupilo de Steven Spielberg, Zemeckis nunca havia dirigido um filme de terror antes em sua carreira. Ele sempre será lembrado pela trilogia "Back to the Future" (De Volta para o Futuro), uma ficção bem humorada, com fartas doses de pura diversão. Assim, no final das contas esse "Revelação" trazia dois veteranos no cinema, mas novatos no pantanoso terreno dos filmes de terror. Faltou experiência na área, impossível negar. Para não dizer que o filme foi um desperdício total de dinheiro e talentos envolvidos, podemos pelo menos elogiar a beleza de Michelle Pfeiffer, que pelo menos teve algumas cenas para nos despertar do tédio absoluto. Detalhe curioso: a banheira, marca registrada dessa produção, foi distribuída em versão miniatura para as locadoras da época. Um marketing bem bolado. Pena que o filme em si não ajudou em nada.

Revelação (What Lies Beneath, Estados Unidos, Inglaterra, 2000) Direção: Robert Zemeckis / Roteiro: Clark Gregg, Sarah Kernochan / Elenco: Harrison Ford, Michelle Pfeiffer, Katharine Towne / Sinopse: Claire (Michelle Pfeiffer), esposa do renomado Dr. Norman Spencer (Harrison Ford), começa a ouvir e sentir a presença de espíritos desconhecidos em sua casa, entre eles uma mulher falecida que passa a surgir durante as madrugadas pelo local, causando pânico em Claire. Para o médico porém tudo não passaria de meras ilusões criadas em sua mente.

Pablo Aluísio.

As Confissões

Durante uma reunião de cúpula do FMI (Fundo Monetário Internacional) surge um monge da ordem dos cartuxos. No começo ninguém entende nada, pois a presença dele no meio daqueles banqueiros e executivos do sistema financeiro não faz muito sentido. Ele está ali a convite. Um dos executivos do FMI o convidou pessoalmente pois ele quer fazer uma confissão em seu próprio quarto, durante as reuniões. Na mesma noite em que o monge ouve sua confissão o tal figurão acaba se matando com um saco plástico na cabeça. Assim a polícia começa as investigações, tendo como principal suspeito o próprio monge, já que ele foi o último a ver o banqueiro com vida. Haveria alguma ligação do religioso com a morte?

Filme italiano bem interessante. No começo você pensa se tratar de um roteiro ao estilo Agatha Christie, onde um grupo de pessoas se torna suspeita de uma morte misteriosa. Afinal a morte do executivo do FMI poderia sugerir uma cena plantada, com um suposto suicídio encobrindo um assassinato. Nesse caso as suspeitas recairiam sobre o monge cartuxo. Esse porém não é o caminho seguido pelo roteiro. Ao contrário de seguir por esse tipo de trama (o que seria de certa forma banal) o roteiro tenta trazer algumas reflexões mais profundas, de origem espiritual, grande parte delas fundadas na extrema contradição de termos um religioso no meio de um bando de tubarões do mercado financeiro, pessoas extremamente gananciosas, materialistas, enquanto o pobre religioso, que fez voto de pobreza, acha tudo aquilo um exercício de futilidade e banalidade. Afinal para que juntar tesouros na terra se todos vamos virar pó um dia? No final o roteiro ainda abre margem para uma pequena insinuação de natureza divina, mas quando chegamos nesse ponto do filme tudo já está consumado, de forma bem satisfatória aliás.

As Confissões (Le confessioni, Itália, França, 2016) Direção: Roberto Andò / Roteiro: Roberto Andò, Angelo Pasquini / Elenco: Toni Servillo, Daniel Auteuil, Pierfrancesco Favino / Sinopse: Monge da ordem dos cartuxos é convidado para participar de uma reunião de cúpula do FMI. Ele chega para tomar a confissão de um dos executivos, um homem que tem planos de se matar exatamente durante as reuniões dos membros do sistema financeiro internacional. Filme indicado ao David di Donatello Awards e ao Italian National Syndicate of Film Journalists.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

O Bebê de Bridget Jones

Esse é o terceiro e ao que tudo indica último filme dessa franquia "Bridget Jones". O primeiro foi lançado em 2001 e se chamava "O Diário de Bridget Jones". Segue sendo sem dúvida o melhor de todos. Renée Zellweger estava linda e carismática no papel, inclusive superando todas as críticas que vinha sofrendo por ser uma americana interpretando uma personagem tão inglesa! Depois desse tivemos o fraco "Bridget Jones: No Limite da Razão" em 2004. Uma sequência bem decepcionante. Agora finalmente temos mais uma continuação, 13 anos depois do último filme! Nem é preciso dizer que já está um pouco tarde demais para seguir em frente. Eu não gosto de falar da aparência física das pessoas, mas o fato é que nesse meio tempo entre os dois filmes a atriz Renée Zellweger fez uma cirurgia plástica que simplesmente mudou as feições do seu rosto! Uma coisa de louco! Aquela simpática loirinha texana, de bochechas rosadas, não existe mais. No lugar dela surgiu uma nova Renée Zellweger com uma aparência estranha, nada bonita e nem simpática. Carisma zero! Mostra bem como procedimentos de cirurgias plásticas podem ser danosos e desastrosos! Ao reencontrar Renée nas telas quase nem a reconheci direito! Só nessa sensação estranha já se foi grande parte da graça do filme!

Aliás por se tratar de uma comédia era de se esperar que fosse ao menos engraçado. Esse é outro problema sério dessa produção. O filme não tem graça nenhuma. É muito chato! A personagem Bridget Jones inclusive perde toda a sua essência, se transformando numa mulher cheia de complexos, tentando se casar, ter um filho, ou seja, seguir aquela velha ladainha imposta pela sociedade às mulheres, como se uma mulher não pudesse ser feliz solteira e sem filhos! Assim ela começa a agir como uma adolescente meio boboca e fica grávida, mas sem saber quem seria exatamente o pai de seu filho. Os candidatos são o seu antigo namorado Mark Darcy (Colin Firth) que inclusive está casado ou o bonitão Jack (Patrick Dempsey) que ela acabou de conhecer em um festival de música. E basicamente é isso. Nada muito bem bolado, nada muito original, apenas a saturação de uma série de filmes que já deu o que tinha que dar após todos esses anos. Para piorar o péssimo roteiro ainda temos que lidar com a mudança radical do rosto de Renée Zellweger e o fato dela ter perdido grande parte de suas expressões faciais após tantas plásticas. Um desastre! Enfim, uma situação constrangedora e nada divertida, para dizer o mínimo.

O Bebê de Bridget Jones (Bridget Jones's Baby, Estados Unidos, Inglaterra, 2016) Direção: Sharon Maguire / Roteiro: Helen Fielding, Dan Mazer / Elenco: Renée Zellweger, Colin Firth, Patrick Dempsey, Emma Thompson / Sinopse: Bridget Joens (Renée Zellweger) descobre que está grávida, mas ao mesmo tempo não tem certeza sobre quem seria o pai da criança. Aos 42 anos de idade e cheia de dúvidas sobre seu futuro, ela tenta descobrir a paternidade da maneira menos escandalosa possível, algo que pelo seu histórico não será nada fácil de acontecer.

Pablo Aluísio.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Guardiões da Galáxia Vol. 2

A Marvel voltou a acertar no cinema com esse segundo filme da franquia "Guardians of the Galaxy". Não deixa de ser irônico o fato da empresa estar acertando tanto no cinema e errando também tanto na mesma proporção em seu próprio universo, a dos quadrinhos. Como se sabe a Marvel fez uma remodelação radical de seus personagens nesse ano e conseguiu desagradar a todo mundo. Com vendas baixas, está mais uma vez tentando consertar seus erros. Isso, claro, nos quadrinhos, porque no cinema o estúdio tem acertado cada vez mais. Esse é mais um bom filme para provar isso. Mesmo que você não tenha a menor ideia do que seja esse grupo chamado Guardiões da Galáxia, vai acabar no mínimo se divertindo no final. Outro ponto positivo: não é necessário ter visto o primeiro filme, pois esse aqui funciona perfeitamente bem sozinho.

A trama gira em torno do fato de que Peter Quill (Chris Pratt) finalmente encontrou seu pai! E ele é nada mais, nada menos, do que Kurt Russell! Brincadeiras à parte, é isso mesmo. Russell interpreta um sujeito chamado Ego. No começo parece ser mais um viajante espacial, um cara boa praça, muito amigável. Só que no fundo ele é uma espécie de deus antigo que tem ambições nada sutis sobre o universo. Colocar Kurt Russell no elenco foi certamente uma das melhores decisões dos produtores, porque esse veterano das telas, de tantos filmes de ação, acaba sendo um chamariz a mais para um público mais velho se interessar em assistir a esse filme. E por falar em filmes de ação dos anos 80, os fãs desse estilo terão outra surpresa com a participação especial de Sylvester Stallone. Tudo bem, ele só tem duas cenas no filme inteiro, mas que não deixam de agradar aos cinéfilos que cresceram vendo seus filmes. Em termos de produção também não há o que reclamar. A direção de arte optou por um universo muito colorido, com uso de toneladas de efeitos especiais de bom gosto (o que era previsível). O roteiro também está bem OK, com trama interessante, se fechando muito bem no final. Então é isso, mais um acerto da Marvel nos cinemas. Um filme divertido, que vai agradar tanto aos leitores de quadrinhos, como aos espectadores que só gostam de cinema.

Guardiões da Galáxia Vol. 2 (Guardians of the Galaxy Vol. 2, Estados Unidos, 2017) Direção: James Gunn / Roteiro: James Gunn, Dan Abnett / Elenco: Chris Pratt, Kurt Russell, Sylvester Stallone, Zoe Saldana, Dave Bautista, Vin Diesel, Bradley Cooper, Michael Rooker / Sinopse: Peter Quill (Chris Pratt) nunca conheceu seu pai. Durante mais uma viagem pela galáxia acaba encontrando com Ego (Kurt Russell) que se apresenta como seu pai perdido. Ele teve um romance com a mãe de Peter na Terra e desse relacionamento Quinn nasceu. Só que Ego não é uma pessoa comum, ele é uma antiga entidade, com poderes realmente divinos. Filme vencedor do Golden Trailer Awards, indicado ao Teen Choice Awards.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

O Círculo

"O Círculo" é um filme que critica, de forma bem mordaz, as principais empresas de tecnologia dos Estados Unidos. A história se desenvolve quando a jovem Mae (Emma Watson) vai trabalhar em uma dessas empresas (que é uma espécie de Google da ficção). No começo seu novo trabalho é bem gratificante. As pessoas são amigáveis e o ambiente de trabalho é o melhor possível. O problema é que ela também começa a perceber que há algo bem estranho na forma como as pessoas agem. Parece ser um comportamento artificial, quase psicótico, de quem quer ser "bonzinho" demais. Por trás dessa forma de agir há também uma estratégia para que ela fique o tempo todo dentro da empresa, cumprindo absurdas jornadas de trabalho, esquecendo de que precisa de um tempo livre para se dedicar aos seus familiares. Seu pai sofre de esclerose múltipla e precisa de cuidados especiais.

O principal executivo da Circle (esse é o nome da empresa no filme) é Bailey (Tom Hanks). Por fora é um sujeito simpático, boa praça, de espírito jovial. Uma espécie de Steve Jobs, um guru da tecnologia, um cara deslocado. Ele quer uma dominação tão ampla de sua empresa dentro da sociedade que chega a ser assustador para Mae. Novos produtos e programas prometem uma vigilância absurda do que ocorre em todos os lugares, invadindo obviamente a privacidade das pessoas. Inicialmente Mae aceita essa invasão em sua vida pessoal, aceitando inclusive que todos os seus passos sejam monitorados na web, por milhões de pessoas ao redor do mundo, só que o preço a se pagar por isso será obviamente caro demais. De modo em geral gostei da premissa desse filme. Ele tem uma boa postura em criticar essas empresas de tecnologia que acabam até mesmo desenvolvendo uma mentalidade de seita entre seus empregados. Além disso explora, de forma muito boa, a questão da invasão digital que vem ocorrendo na vida de cada pessoa que esteja conectada ao mundo da tecnologia. O problema é que os roteiristas não tiveram coragem suficiente de ir até o fim. O clímax de tudo é bem decepcionante, algo muito suavizado para causar impacto. Nesse caso faltou mesmo mais coragem de ir até o fundo da questão. De qualquer maneira é um bom filme, que vale a pena ser assistido. Por isso deixo a dica.

O Círculo (The Circle, Estados Unidos, 2017) Direção: James Ponsoldt / Roteiro: James Ponsoldt, Dave Eggers / Elenco: Emma Watson, Tom Hanks, John Boyega / Sinopse: Mae (Watson) é um jovem que vai trabalhar numa empresa de tecnologia nos Estados Unidos e descobre que há uma estranha mentalidade de seita entre todos os que trabalham por lá. Pior do que isso, ela também descobre que um dos executivos da empresa, o simpático Bailey (Tom Hanks), pode não ser tão amigável como aparenta ser.

Pablo Aluísio.

Alta Frequência

Nesse gênero de ficção científica você vai encontrar muitos roteiros bizarros, estranhos. Afinal é um tipo de filme em que a fantasia realmente não encontra barreiras. Essa fita estrelada por Dennis Quaid sempre foi uma das mais estapafúrdias - mesmo que você tente embarcar na trama, baseada em teorias de física que de certa maneira não se sustentam na tela. Veja só que estória esquisita: Pai e filho, vivendo em épocas diferentes (com 30 anos de diferença entre um e outro) conseguem se comunicar através de ondas de rádio! Isso mesmo. O pai começa a entrar em contato com seu filho no futuro, 30 anos depois! Como isso seria possível? O roteiro não explica. Apenas deixa claro que é uma trama legal demais para ignorar? Será mesmo?

Como era de se esperar o filho vai tentar de todas as formas salvar a vida do pai no passado, afinal como ele vive no futuro ele sabe tudo o que acontecerá na vida de seu pai. Coisas estranhas então começam a acontecer. Ora, se você assistiu a "De Volta Para o Futuro" já sabe muito bem que mudar os rumos dos acontecimentos da história pode abrir um buraco espaço temporal que provavelmente irá colapsar o próprio tempo... Pois é, pense no universo como você conhece entrando em contradição consigo mesmo, ocasionando o caos completo e irreversível. Apesar do tom Sci-fi nada convencional o filme até fez um relativo sucesso, mas os produtores não quiseram o transformar em uma trilogia ao estilo dos filmes de Robert Zemeckis. E hoje, passados tantos anos, podemos dizer que foi uma decisão acertada. Esqueça isso. Apenas sintonize o canal de rádio mais próximo e solte a imaginação.

Alta Frequência (Frequency, Estados Unidos, 2000) Direção: Gregory Hoblit / Roteiro: Toby Emmerich / Elenco: Dennis Quaid, Jim Caviezel, Shawn Doyle / Sinopse: Pai e filho entram em contato através de ondas de rádio, mesmo estando em tempos diferentes, vivendo em épocas diversas, com 30 anos de diferença entre eles. Filme indicado ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Música ("When You Come Back to Me Again" de Garth Brooks).

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Personal Shopper

O que é uma Personal Shopper? É um tipo de profissional que é contratado para fazer compras de roupas e joias, geralmente para celebridades que não querem fazer esse tipo de coisa. O suprassumo da futilidade. Assim quando nos deparamos com um filme chamado Personal Shopper estrelado pela atriz Kristen Stewart ficamos com a impressão de que se trata de um filme adolescente sobre a vida fútil de gente vazia. Em parte é um pouco isso, mas há mais. O roteiro, por mais estranho que isso possa parecer, vai além, transformando a protagonista numa espécie de médium que tem a capacidade de ver espíritos e em certo sentido até mesmo se comunicar com eles! Não é algo que você iria esperar de um filme como esse, não é mesmo?

As surpresas começam logo no início do filme quando a personagem de Kristen Stewart vai para uma velha casa abandonada nos arredores de Paris. O lugar tem fama de mal assombrado. Ela quer se comunicar com o seu irmão, recentemente falecido, mas a entidade que habita o lugar não tem nada a ver com ele. É um espírito negativo, que surge perante Kristen em uma cena bem feita, com muita computação gráfica. Depois disso o filme vai alternando entre a profissão dela (que ela odeia, é bom dizer) e sua busca pelo mundo espiritual. A celebridade para quem a personagem de Kristen trabalha é uma mulher insuportável, fútil e arrogante. O protótipo da pessoa vazia. Ela não gosta nada de seu trabalho, mas como os jovens europeus sofrem a cada dia mais com o desemprego, ela fica no serviço, até achar algo melhor. O filme assim tem essa característica de trazer um roteiro que você definitivamente não esperava. Não deixa de ser uma surpresa positiva. O problema porém é que depois de acompanhar toda a história com paciência você vai descobrir que tudo termina de forma bem inconclusiva, deixando um gostinho de insatisfação no ar.

Personal Shopper (Estados Unidos, 2016) Direção: Olivier Assayas / Roteiro: Olivier Assayas / Elenco: Kristen Stewart, Lars Eidinger, Sigrid Bouaziz / Sinopse: Maureen Cartwright (Kristen Stewart) é uma jovem que trabalha como Personal Shopper. Seu trabalho consiste basicamente em comprar jóias e roupas para uma celebridade do mundo da moda. Enquanto vai levando esse trabalho que odeia, ela procura desenvolver sua mediunidade, tentando se comunicar com o espírito de seu irmão recentemente falecido. Filme indicado na seleção do Cannes Film Festival.

Pablo Aluísio.

Hook: A Volta do Capitão Gancho

O ator Dustin Hoffman está fazendo 80 anos nessa semana! Como uma forma de homenagem vamos lembrar dele nessa produção dirigida por Steven Spielberg. Bom, não é segredo para nenhum cinéfilo que Spielberg era apelidado de Peter Pan durante os anos 80, pois ele nunca queria crescer, sempre explorando assuntos infantojuvenis em seus filmes. Assim, como uma espécie de ironia ou piada interna sobre essa fama ele resolveu fazer um filme sobre, isso mesmo... Peter Pan! Agora, filmar mais uma versão da obra de James Matthew Barrie ao estilo tradicional seria banal demais. Com isso em mente Spielberg mandou escrever um roteiro diferente sobre a hipótese de Peter Pan ter finalmente crescido, se tornando um pai de família entediado, suburbano e comum!

A ideia era muito boa mesmo. Para o papel do Peter Pan adulto, Spielberg escalou o comediante Robin Williams, uma ótima escolha. Porém quem acabou roubando o filme para si foi mesmo Hoffman dando vida ao Capitão Hook (o Capitão Gancho na versão em português). Ele não aceita o fato de Peter Pan ter crescido e vai atrás dele, em sua casa! Claro que Dustin Hoffman optou por uma atuação bem caricata, dirigida ao público infantil. Era algo esperado. A produção, também como era de se esperar, é de encher os olhos. O roteiro também vai bem em cima do sentimentalismo, piegas até (marca registrada do diretor), mas sem deixar de lado as cenas divertidas, de pura aventura. Na época do lançamento do filme (eu cheguei a assistir no cinema) fiquei com um pé atrás pela proposta ousada de seu roteiro, mas com o tempo e depois de inúmeras reprises a coisa toda ficou mais fácil de digerir. É um momento interessante da filmografia de Steven Spielberg, porém passa longe de ser um de seus melhores filmes. Hoje em dia vale como nostalgia de um tempo em que o diretor ainda não havia crescido.

Hook: A Volta do Capitão Gancho (Hook, Estados Unidos, 1991) Direção: Steven Spielberg / Roteiro: James V. Hart, Nick Castle, Malia Scotch Marmo / Elenco: Dustin Hoffman, Robin Williams, Julia Roberts, Bob Hoskins, Maggie Smith, Phil Collins / Sinopse: Peter Pan (Williams) cresceu. Virou pai de família e vive uma vidinha suburbana numa cidade, até que o Capitão Gancho decide trazer ele de volta à Terra do Nunca. Filme indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Música ("When You're Alone" de John Williams), Melhores Efeitos Especiais (Eric Brevig,
Harley Jessup), Melhor Figurino (Anthony Powell) e Melhor Direção de Arte (Norman Garwood, Garrett Lewis). Também indicado ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Ator - Comédia ou Musical (Dustin Hoffman).

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Song One

"Song One" é um pequeno filme, um drama romântico com trilha sonora indie que vai agradar aos mais jovens. A história é simples. Franny (Anne Hathaway) é uma garota americana que está no exterior pesquisando, para concluir seu doutorado. Um dia ela recebe um telefonema de sua mãe. Seu irmão mais jovem foi atropelado ao atravessar uma rua. Ele estava com fones de ouvidos e não viu quando um carro vinha em sua direção. O atropelamento foi grave. O jovem fica em coma, com poucas chances de recuperação. Franny assim decide voltar aos Estados Unidos para acompanhar sua recuperação. Ela então, por mera curiosidade, resolve seguir os últimos passos de seu irmão antes do acidente e acaba conhecendo um cantor, James Forester (Johnny Flynn). Não demora muito e ambos se descobrem apaixonados.

Apesar do tema envolvendo um jovem em coma e todo o drama que poderia vir daí, o roteiro procura seguir por um caminho mais leve, não procurando assumir tons melodramáticos demais. Assim o foco logo se desloca para o romance entre Franny e o cantor que ela conhece. Anne Hathaway com cabelos curtinhos está muito charmosa e carismática. Eu nunca a considerei bonita demais, porém aqui ela está realmente sedutora, com um charme mais ao estilo intelectual que acaba atraindo. O problema vem do seu partner romântico. O personagem do cantor James Forester é esquisito. Ele parece ser um sujeito sem jeito, algumas vezes adotando um tipo de comportamento um tanto quanto estranho. Fica complicado acreditar que ela está mesmo atraída por ele. No mais é um filme agradável, com ótima trilha sonora. Há espaço até mesmo para música brasileira, com uma versão divertida de "O Leãozinho" de Caetano Veloso. No final o roteiro abraça também um desfecho em aberto. Ideal para o público deslocado que é obviamente o alvo desse filme. Se for o seu caso, assista. Acredito que vai gostar.

Song One (Estados Unidos, 2014) Direção: Kate Barker-Froyland / Roteiro: Kate Barker-Froyland / Elenco: Anne Hathaway, Johnny Flynn, Mary Steenburgen / Sinopse: Franny (Anne Hathaway) é uma estudante de doutorado que decide voltar aos Estados Unidos após um atropelamento deixar seu jovem irmão em coma. Nesse retorno ela acaba se apaixonando por um cantor de música indie, James Forester (Johnny Flynn). Filme indicado ao grande prêmio do júri do Sundance Film Festival.

Pablo Aluísio.

domingo, 6 de agosto de 2017

Além das Palavras

O filme conta a história da poetisa americana Emily Dickinson (1830 - 1886). Ela viveu em uma época muito dura na história dos Estados Unidos, bem no momento em que eclodiu a guerra civil. Era também uma mulher com opiniões próprias sobre a vida. Ao contrário do que pregava a mentalidade da época, em que as mulheres deveriam se casar, ter filhos e se dedicar a um marido, Emily não tinha a menor intenção de seguir esse itinerário. Ao contrário disso ela se dedicou às letras, escrevendo poemas que ainda hoje são considerados verdadeiras obras primas da literatura. Também rompeu ao seu modo com o pensamento religioso puritano que imperava naqueles dias. Ela tinha uma visão mordaz e irônica da religião, mas de forma completamente contraditória acabou se apaixonando por um pastor casado! Era uma mulher de personalidade complexa.

Não é um filme indicado para todos os públicos pois tem seu próprio ritmo que, para alguns, vai soar excessivamente parado e lento. Para falar a verdade não existe nenhum momento absurdamente dramático em todo o filme, com o roteiro procurando, ao invés disso, investir em diálogos bem trabalhados, excessivamente detalhistas. É algo compreensível pois o público alvo desse tipo de produção é aquele mais intelectualizado que gosta de literatura e que acima de tudo admira a obra de Dickinson. Por essa razão em alguns momentos ficamos com a impressão de estarmos assistindo a um teatro filmado, pois as palavras que os atores declamam não parecem naturais, nem para aquela época, do século XIX. Por fim se sobressaem também os problemas que a poetisa teve que enfrentar em sua vida, inclusive um tipo de fobia social que a impedia de se relacionar normalmente com as pessoas que não faziam parte de seu círculo familiar mais íntimo. De modo em geral, apesar de ser uma obra cinematográfica densa, gostei do filme. É de certa maneira um bom convite para descobrir mais sobre essa escritora.

Além das Palavras (A Quiet Passion, Inglaterra, Bélgica, 2016) Direção: Terence Davies / Roteiro: Terence Davies / Elenco: Emma Bell, Sara Vertongen, Rose Williams / Sinopse: O filme conta a história da poetisa norte-americana Emily Dickinson, desde seus primeiros anos na escola, quando já se destaca por causa de sua personalidade única, até o fim de sua vida, quando precisou enfrentar inúmeros problemas de saúde, além dos preconceitos sociais da época que a estigmatizaram por ser uma mulher solteira e solitária, que se dedicava apenas aos seus escritos.

Pablo Aluísio.

sábado, 5 de agosto de 2017

Psicopata Americano

Quando assisti a esse filme pela primeira vez não gostei muito. É um tipo de roteiro asséptico, insípido, sem nenhum calor humano, sendo mais frio que uma faca de corte. Provavelmente tudo isso tenha sido proposital já que o personagem principal (interpretado por um Christian Bale bem perturbador) não sente nada mesmo. Psicopatas não conseguem sentir qualquer tipo de identificação com outro ser humano. Eles apenas matam. O curioso é que o roteiro também faz de tudo para o espectador não decifrar o que está se passando. Seria a realidade ou apenas tudo fruto da mente psicótica de seu protagonista?

O enredo gira em torno de Patrick Bateman (Christian Bale), um figurão, um alto executivo de Wall Street. Ser frio faz parte de seu trabalho. Ao lado da fachada de homem de negócios respeitável ele começa a satisfazer seus estranhos desejos. Ele só consegue sentir algum prazer em sua vida ao matar outras pessoas. E o faz com regularidade, com frequência e brutalidade. Dessa forma começa sua carreira de sangue e tripas. Embora o roteiro seja interessante (filmes sobre serial killers são sempre bons, de uma maneira em geral), esse aqui deixa a desejar justamente pela sua obsessão em ser muito "clean". Tudo parece ser bem surreal, insano, mas que não conseguiu me prender. Definitivamente não consegui mesmo gostar desse "Psicopata Americano", nem numa segunda revisão. Simplesmente não foi dessa vez também.

Psicopata Americano (Estados Unidos, Inglaterra, 2000) Direção: Mary Harron / Roteiro: Mary Harron, baseado no romance policial escrito por Bret Easton Ellis / Elenco: Christian Bale, Justin Theroux, Josh Lucas / Sinopse: American Psycho conta a estranha estória de Patrick Bateman (Christian Bale), um homem de negócios bem sucedido que começa a matar pessoas para satisfazer seus prazeres sádicos e psicóticos. Filme vencedor do Empire Awards, UK, na categoria Melhor Ator (Christian Bale).

Pablo Aluísio.

Autopsy: The Last Hours Of Robin Williams

Essa é uma série de documentários do canal Discovery que procura revelar o que teria acontecido na morte de famosos, recriando suas últimas horas. Nesse episódio em especial o programa refaz os passos do ator e comediante Robin Williams antes dele se matar enforcado em sua própria casa. Com a certidão de autópsia nas mãos e depoimentos de pessoas que conviveram com Williams, vai se traçando seus últimos momentos e as razões que o levaram a cometer um ato tão extremo de desespero. A primeira impressão que tive foi de melancolia ao saber que aquele comediante com sorriso sempre aberto em seus filmes, que levava humor e diversão a milhões de espectadores, na realidade era um homem deprimido, triste e com vários problemas emocionais e de saúde.

Há mesmo um choque entre a realidade de sua vida e a imagem que o cinema construiu em sua mente por anos e anos. Uma ex-namorada confessa que Robin era um sujeito de personalidade sombria, que sequer gostava muito de estar no meio de seu público. Imaginem, aquele simpático astro de comédias na verdade era uma pessoa soturna, pouco avesso ao contato com outras pessoas. Uma grande surpresa saber de algo assim. O documentário revela como sua carreira havia entrado em declínio e como ele estava com sérios problemas financeiros, isso apesar de ter ganho verdadeiras fortunas em sua carreira em Hollywood. Também mostra que no final ele desenvolveu uma personalidade paranoica, agravada pelo diagnóstico de Mal de Parkinson e demência. Além disso havia o velho problema com a bebida e as drogas. Robin Williams foi viciado em cocaína por longos anos, algo que depois contribuiu para seus inúmeros problemas de saúde numa idade mais avançada. Um triste retrato que demole, em certo sentido, aquela simpática imagem que eu particularmente tinha dele. Assim descobrimos que aquela velha lenda do "Palhaço triste" não é tão lenda como se pensa. Em muitos casos é a pura realidade.

Autopsy: The Last Hours Of  Robin Williams (Estados Unidos, 2014) Direção: Adam Warner / Roteiro: Adam Warner / Elenco: Iain Glen, Alain Robin, Basienka Blake / Sinopse: Documentário do canal Discovery que mostra os últimos dias de vida do comediante Robin Williams. Seus problemas pessoais e o que foi revelado em sua autópsia formam um claro retrato de seus momentos finais, antes de resolver se matar em sua própria casa.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Despedida em Grande Estilo

A ideia do roteiro é bem simples. Um trio de aposentados (interpretados por Michael Caine, Morgan Freeman e Alan Arkin) decide fazer um assalto a banco. A vida deles está piorando a cada dia. A casa está sendo levada pelo banco por falta de pagamento, a aposentadoria por 30 anos de trabalho está virando pó porque a empresa que os paga está indo embora para outro país e não há perspectiva, na idade deles, de arranjar um novo emprego. Assim sem dinheiro e sem futuro eles decidem roubar o mesmo banco que está executando suas dívidas. É a velha situação explicada por um dos velhinhos: "como não temos nada a perder vamos fazer o assalto!"

O filme é um remake do final dos anos 70. Embora seja um filme de assalto a bancos não espere por nada muito sério ou tenso! (como, por exemplo, "Um Dia de Cão" que é citado no filme, com trechos sendo exibidos na TV). Esse filme na verdade é bem no estilo "family friendly", ou seja, uma produção feita para toda a família, sem violência, sem nada que vá chocar a família tradicional. Em certo sentido é uma comédia leve, que brinca com a idade dos personagens principais e sua estranha decisão de cometer um crime que exigiria muito deles. Algo nada adequado para pessoas de sua idade. O elenco, como se pode perceber, é todo de veteranos. O trio está muito bem, mas há ainda outros destaques. Christopher Lloyd aparece pouco, tem cenas esparsas, mas acaba roubando o show quando surge na tela. Ele está muito engraçado como um velho decrépito. O humor sempre foi mesmo seu forte. Outra surpresa entre os coadjuvantes vem da presença de Ann-Margret, interpretando uma velhinha bem fogosa. Então é isso, um filme para toda a família, sem nenhum tipo de stress. Não é aquele tipo de comédia que fará você vai rolar de rir, mas no final diverte. É um passatempo agradável, em suma.

Despedida em Grande Estilo (Going in Style, Estados Unidos, 2017) Direção: Zach Braff / Roteiro: Theodore Melfi, Edward Cannon/ Elenco: Michael Caine, Morgan Freeman, Alan Arkin, Christopher Lloyd, Matt Dillon, Ann-Margret / Sinopse: Três aposentados, sem dinheiro e sem pensão, decidem assaltar um banco, o mesmo que está executando suas casas na justiça. Eles acreditam que não têm mais nada a perder e que na pior das hipóteses teriam uma cama, um plano de saúde e um teto... na prisão! Afinal a vida não está fácil para ninguém...

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

A História Não Autorizada de Barrados no Baile

O canal a cabo Lifetime produziu e exibiu esse telefilme sobre os bastidores da série de TV "Beverly Hills, 90210" que no Brasil recebeu o título de "Barrados no Baile". Essa série adolescente passou por anos na Rede Globo e foi sucesso tanto nos Estados Unidos como aqui no Brasil. Para os jovens dos anos 90 foi até muito marcante. Os episódios giravam em torno de um grupo de estudantes de Beverly Hills. Seus dramas, namoricos, a vida na escola, etc. Nada de muito original. Fez sucesso porque afinal de contas o elenco era bem carismático e caiu nas graças do público. O sucesso foi imediato. Já nos bastidores existiam muitos problemas, principalmente relacionados com a atriz Shannen Doherty que era temperamental, briguenta e nada disciplinada, sempre chegando atrasada nas filmagens, etc.

A história de tudo o que aconteceu na série é por si só já muito interessante. Pena que esse telefilme seja tão fraquinho. A produção é pobre, sem maiores recursos e a direção praticamente nem existe. Algumas atrizes são bem parecidas com as originais da série, como por exemplo, Abbie Cobb que tem uma semelhança assustadora com a jovem Jennie Garth nos anos 90. Já os atores que interpretam Luke Perry e Jason Priestley nem com muita boa vontade conseguem convencer, uma vez que são muito ruins e nada parecidos com os da série. Outra coisa que incomoda é que certas cenas são encaradas como se estivéssemos assistindo a uma comédia bobinha, como quando Shannen bate o carro do amigo de elenco. Esse caso foi bem explorado na época como um exemplo do comportamento estranho e bizarro da atriz, mas aqui tudo é encarado de forma muito tolinha. Assim não há muito o que salvar. Quem sabe algum dia um grande estúdio de Hollywood resolva contar essa história com produção, elenco, direção em um filme classe A. Já que por enquanto essa produção da Lifetime só serve mesmo para passar no próprio canal, em uma tarde preguiçosa sem ter muito o que fazer.

A História Não Autorizada de Barrados no Baile (The Unauthorized Beverly Hills, 90210 Story, Estados Unidos, 2015) Direção: Vanessa Parise / Roteiro: Jeffrey Roda / Elenco: Dan Castellaneta, Abbie Cobb, Samantha Munro / Sinopse: Esse telefilme conta os bastidores da série "Barrados no Baile", grande sucesso da TV nos anos 90, mostrando as brigas, discussões e problemas que envolvia o elenco jovem.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Watchmen: O Filme

A Rede Globo vai exibir hoje o filme "Watchmen" no Corujão. É uma boa oportunidade de rever essa produção baseada na obra prima de Alan Moore. Devo dizer que nunca li os quadrinhos originais, que os especialistas em nona arte consideram um dos melhores de todos os tempos. De qualquer forma fica claro desde o começo que Moore quis fazer uma crítica mordaz ao mundo dos quadrinhos de super-heróis. Praticamente todos os personagens são baseados em heróis famosos, tanto da DC Comics como da Marvel. A ironia disso tudo é saber que apesar de Moore tentar demolir esse universo tudo o que ele conseguiu no final das contas foi criar mais uma galeria de super-heróis para a indústria americana dos quadrinhos explorar! Ironia das ironias mesmo...

A estória se passa em um universo bem diferente. São os anos 80 e um grupo de heróis começam a ser perseguidos e mortos. A maioria deles estavam aposentados, então fica a pergunta: quem estaria por trás dos crimes? Um detetive de rosto desfigurado chamado Rorschach e um herói chamado Coruja (que obviamente é uma sátira ao próprio Batman) começam a investigar. No caminho a vida deles corre perigo. Basicamente é isso. O curioso é que essa produção tem um clima noir inegável. Alan Moore (que como sempre acontece não gostou da adaptação para o cinema de sua criação) obviamente se inspirou nos antigos filmes dos anos 40 e 50. Por fim outro grande atrativo dessa produção é sua direção de arte, muito diferente e elegante. Essa aliás sempre foi uma marca registrada do diretor Zack Snyder que sempre procurou ser bem autoral, mesmo quando o material original não havia sido criado por ele. Assim deixamos a dica desse filme baseado em quadrinhos bem original e estranho. Você provavelmente vai gostar.

Watchmen: O Filme (Watchmen, Estados Unidos, 2009) Direção: Zack Snyder / Roteiro: David Hayter, Alex Tse / Elenco: Jackie Earle Haley, Patrick Wilson, Carla Gugino / Sinopse: Filme baseado na obra do consagrado autor de quadrinhos Alan Moore. Em um mundo sujo e violento um grupo de heróis aposentados começa a ser caçado por um desconhecido vilão. O Coruja e Rorschach começam então a investigar o que estaria acontecendo. Filme premiado pela Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films nas categorias de Melhor Figurino, Melhor Edição em DVD e Melhor Filme de Fantasia do Ano.

Pablo Aluísio.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Z - A Cidade Perdida

Título no Brasil: Z - A Cidade Perdida
Título Original: The Lost City of Z
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Amazon Studios
Direção: James Gray
Roteiro: James Gray, David Grann
Elenco: Charlie Hunnam, Robert Pattinson, Sienna Miller, Tom Holland, Angus Macfadyen, Edward Ashley

Sinopse:
O major Percy Fawcett (Charlie Hunnam) do exército inglês é enviado para uma missão na selva amazônica. Apesar dos inúmeros perigos envolvido nessa expedição ele acaba se encantando pela região. Mais do que isso, acaba encontrando cerâmica antiga, que supostamente teria pertencido a uma civilização antiga. Disposto a voltar ele acaba organizando uma nova expedição, dessa vez em busca da cidade perdida que ele passa a denominar de Z.

Comentários:
É um filme que se propõe a ser uma aventura ao velho estilo. A estória se passa nas primeiras décadas do século XX quando esse explorador chamado Percy Fawcett viajou pela primeira vez para a América do Sul. Sua expedição deveria delimitar com precisão a fronteira entre Brasil e Bolívia que havia se tornado uma questão internacional. O Reino Unido, agindo na posição de árbitro, deveria colocar um fim a essa crise diplomática. Uma vez na selva, Fawcett acabaria descobrindo resquícios e indícios da existência de uma civilização antiga. Ele dominou essa possibilidade de Z, a cidade perdida na floresta, e iria sair em sua busca até o fim de seus dias. Seria a tão falada cidade perdida que vinha sendo procurado desde a chegada dos primeiros colonizadores. Olhando-se sob um ponto de vista pragmático essa seria uma nova versão para a velha lenda de El Dorado, a cidade de ouro e prata, engolida pela selva. Claro que a possibilidade de se descobrir algo assim, a glória envolvida nisso, iria consumir Fawcett através dos anos, se tornando uma verdadeira obsessão pessoal. E como toda obsessão essa também iria terminar mal.

Esse filme é bom, principalmente pelo resgate histórico dessa era em que os europeus se lançaram em regiões inóspitas e inabitadas em busca de reinos lendários e perdidos. Havia uma certa inocência romântica envolvida nisso. A história mostrada no filme é real, baseada na história verídica desse explorador britânico nas selvas da América do Sul. Tudo muito interessante. A questão é que o corte final deixou a produção com uma duração excessiva. São duas horas e vinte minutos de metragem, o que vai cansar certos espectadores. Além disso o filme explora não uma, mas três expedições diferentes, realizadas em momentos diferentes da vida de Fawcett. Esse aspecto do enredo certamente quebra o ritmo de aventura que se tenta trazer ao filme em certos momentos. Mesmo assim, com essas eventuais falhas o filme ainda se sustenta e pode ser considerado um bom momento na carreira do ator Charlie Hunnam no cinema. Logo ele que vem colecionando problemas nessa transição da carreira, saindo das séries de TV para os filmes de cinema. Não tem sido fácil, ainda mais depois do fracasso comercial de "Rei Arthur". A boa notícia é saber que pelo menos aqui temos um roteiro mais pé no chão, contando uma história real, nada fantasiosa, mas igualmente interessante. Spoiler com informações históricas: Em 1952 o sertanista brasileiro Orlando Villas Bôas localizou os supostos restos mortais de Percy Fawcett. Conforme havia se suspeitado por anos ele havia sido realmente morto por nativos da tribo Kalapalo. Essa descoberta viria para colocar um fim no mistério da morte do explorador, que já durava décadas.

Pablo Aluísio.

As Sufragistas

Título no Brasil: As Sufragistas
Título Original: Suffragette
Ano de Produção: 2015
País: Inglaterra
Estúdio: Ruby Films, Pathé Pictures
Direção: Sarah Gavron
Roteiro: Abi Morgan
Elenco: Carey Mulligan, Meryl Streep, Helena Bonham Carter, Anne-Marie Duff, Grace Stottor, Ben Whishaw

Sinopse:
Inglaterra. Começo do século XX. Maud Watts (Carey Mulligan) é uma jovem trabalhadora de uma lavanderia em Londres que resolve entrar no movimento das sufragistas, mulheres que lutavam por direitos iguais aos dos homens da época, entre eles o direito de votar e ser votada, algo que deu origem a muitos conflitos com o governo da época. Filme premiado pelo British Independent Film Awards.

Comentários:
Bom filme. A história é baseada em fatos reais, embora a protagonista interpretada pela atriz Carey Mulligan seja ficcional. Parece até mentira, mas até o século XX as mulheres não podiam votar e nem serem votadas, ou seja, não tinham direitos políticos. Esse quadro só mudou quando um grupo de inglesas resolveu formar um movimento em prol dessa causa. Inicialmente elas optaram por protestos pacíficos, porém com a forte repressão decidiram adotar um estilo mais radical de reivindicação , com direito a atos de desobediência civil e até violência pelas ruas londrinas. Carey Mulligan está bem sofrida no filme, sempre com rosto de exausta e cansada pela vida. Trabalhando em condições absurdamente duras ela tenta criar seu filho com muitas dificuldades. Quando ela entra no movimento começam os problemas legais, inclusive seu envio para a prisão, algo que acabou com seu casamento. O curioso é que a sua personagem era uma jovem bem convencional da época, indo parar no meio das sufragistas quase por acaso. Já Meryl Streep tem um pequeno papel, embora importante dentro da história. Ela interpreta uma líder sufragista conhecida como senhora Pankhurst. Ela tem apenas duas cenas no filme, o que certamente deixará um pouco decepcionados aqueles que assistiram ao filme por causa de sua presença. Por fim um aspecto curioso: a direção e o roteiro foram entregues para mulheres. Não poderia ser diferente por causa da mensagem principal do filme. Em suma, uma boa produção para se conhecer melhor essa história que mudou os rumos da Inglaterra e do mundo nas décadas seguintes.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 29 de julho de 2017

60 Segundos

Título no Brasil: 60 Segundos
Título Original: Gone in Sixty Seconds
Ano de Produção: 2000
País: Estados Unidos
Estúdio: Touchstone Pictures
Direção: Dominic Sena
Roteiro: H.B. Halicki, Scott Rosenberg
Elenco: Nicolas Cage, Angelina Jolie, Robert Duvall, Giovanni Ribisi, Scott Caan, Timothy Olyphant

Sinopse:
Ex-piloto de corridas, Randall "Memphis" Raines (Nicolas Cage) se torna ladrão de carros. Ele é bem sucedido em seus roubos por implantar um método impecável, onde consegue roubar um veículo em apenas 60 segundos. Quando seu irmão resolve entrar também no "ramo", Memphis decide fazer de tudo para salvá-lo do mundo do crime.

Comentários:
Mais um filme com a marca, a assinatura do produtor Jerry Bruckheimer. Quem conhece seus filmes já sabe mais ou menos o que vai encontrar pela frente: ação frenética, cenas absolutamente inverossímeis, roteiro e atuação dispensadas e muitas explosões. Em determinado momento Bruckheimer chegou na conclusão de que sabia exatamente o que o público jovem queria encontrar nos cinemas. Subestimando completamente a inteligência de seu público ele mandou ver, produzindo dezenas de filmes praticamente iguaizinhos. Esse "Gone in Sixty Seconds" pelo menos ainda tem alguns atrativos como, por exemplo, o elenco que conta com Robert Duvall (o que ele está fazendo aqui?), Angelina Jolie (ainda bem jovem, no começo da carreira e fama) e  Nicolas Cage (em mais uma tentativa de levantar sua carreira do ponto de vista comercial). Já o diretor Dominic Sena não passava de um garoto de recados de Jerry Bruckheimer. Seu único bom filme foi justamente o primeiro que dirigiu, "Kalifornia - Uma Viagem ao Inferno", depois disso nada de muito relevante. Para quem havia despontado dirigindo clips de Janet Jackson na MTV já estava de bom tamanho. Filme indicado no MTV Movie Awards na categoria Melhor Sequência de Ação.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 28 de julho de 2017

The Beatles - Revolver - Parte 2

O álbum "Revolver" foi de fato o primeiro a romper completamente com aquela sonoridade dos primeiros discos dos Beatles. Não havia mais necessidade de seguir uma determinada fórmula comercial à risca. Ao contrário disso eles queriam mesmo arriscar, sondar novos territórios musicais. Em "Got to Get You into My Life" Paul quis recriar o som da gravadora negra Motown, Por isso pediu a George Martin que ele providenciasse um arranjo com muitos metais. Praticamente foi dispensada a formação clássica de instrumentos dos Beatles. Guitarras e baixo foram colocados em segundo plano. O destaque ficou concentrado mesmo apenas naquele tipo de som que ficaria muito adequado em um lançamento da gravadora de Detroit.

"And Your Bird Can Sing" também fugia do lugar comum. Aqui John Lennon quis dar uma espécie de resposta para a faixa anterior de Paul, também com um arranjo diferente. Porém ao contrário de Paul, John não quis deixar as guitarras debaixo da cama. Ao contrário disso as deixou em primeiro plano, em excelentes solos que iam se revezando ao longo de toda a faixa. Curiosamente o principal parceiro de John na elaboração dessa música dentro do estúdio não foi Paul McCartney, mas sim George Harrison. Afinal ambos eram os guitarristas da banda, então era natural que eles se sentassem para escrever juntos as linhas de melodia que iriam usar. Apesar disso, da intensa colaboração de Harrison, a música acabou sendo creditada, mais uma vez, como uma criação de Lennon e McCartney, apesar da participação de Paul ter sido mínima.

Essa parceria Lennon e Harrison se repetiria também em "Taxman". Anos depois, após o fim dos Beatles, John Lennon iria reclamar publicamente de George Harrison que segundo ele nunca teria dado os créditos merecidos na gravação dessa música. John afirmava que George havia chegado nos estúdios Abbey Road apenas com um esboço muito primário do que seria Taxman. Assim ele e George passariam horas lapidando a música, com John Lennon fazendo grande parte dos arranjos. Curiosamente a dobradinha "Harrison / Lennon" também não apareceu na contracapa do álbum, sendo a canção creditada apenas a George Harrison. Na época John Lennon pareceu não ligar muito para isso, mas depois, já nos anos 70, reclamou da falta de consideração de seu colega de banda.

Bom, o que não poderia faltar em um bom disco dos Beatles nos anos 60 era uma bela e romântica balada. Invariavelmente essas lindas canções de amor eram compostas por Paul McCartney. Aqui não houve exceção. "Here, There and Everywhere" fazia jus a esse legado. Uma das melodias mais bonitas compostas por Paul. Ele a criou em homenagem à sua namorada na época, a ruivinha Jane Asher. Todos os Beatles acreditavam que Paul um dia iria se casar com Jane. Eles estavam juntos há muito tempo e ela foi a fonte de inspiração de algumas das melhores músicas de amor de Paul. John vivia provocando Paul, querendo saber quando seria o dia do casamento pois ele estava cansado de ser o único Beatle casado! Curiosamente Jane e Paul romperiam alguns anos depois. "Uma surpresa e tanto, pensei que eles iriam se casar!" - resumiria depois John em uma entrevista. Pelo menos as ótimas canções românticas que embalaram esse romance sobreviveram ao tempo.

Pablo Aluísio.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Dunkirk e outros lançamentos da semana

Quinta-feira é dia de dar uma olhada nos lançamentos da semana nos cinemas brasileiros. Hoje temos um excelente novo filme de guerra chegando nas telas. Estamos falando de "Dunkirk" de Christopher Nolan. Depois de realizar a mais aclamada trilogia do Batman nos cinemas, Nolan volta suas atenções para a II Guerra Mundial. O cenário é Dunquerque, quando as forças aliadas sofreram uma de suas mais pesadas derrotas, precisando se retirar às pressas antes de todos serem mortos pela máquina de guerra da Alemanha nazista. O roteiro explora a história de três diferentes personagens. Um piloto de caças interpretado por Tom Hardy, um jovem soldado no meio do campo de batalha e um jovem inglês civil que se vê no meio do fogo cruzado, sem esperar por isso. "Dunkirk" está sendo muito elogiado pela crítica internacional. É um bem-vindo retorno aos filmes de guerra, que andavam sumidos dos cinemas nos últimos anos. Que seja o primeiro de muitos que virão.

Os demais filmes que estão sendo lançados são produções menores, sem a massificação de marketing que está sendo usado na produção de Nolan. Kevin Spacey é nome mais famoso do elenco de "Em Ritmo de Fuga". Essa é uma fita policial onde se explora um grupo de assaltantes profissionais. Doc (Spacey) é o chefão. Ele contrata um motorista para dirigir os carros durante as fugas, mas o sujeito não é dos mais comuns. Ele quer ir embora da quadrilha, algo que não será tão fácil como pensa ser.

Já "O Reencontro" é indicado para quem gosta de filmes europeus. Essa produção francesa, com toques de humor e romance, mostra a vida de Claire (Catherine Frot). Ela é uma mulher solitária que vive de realizar partos na cidade onde mora. Sua vida muda quando conhece Béatrice (Catherine Deneuve), que no passado foi amante de seu pai. O grande atrativo desse filme francês é a presença de Catherine Deneuve, considerada um mito do cinema europeu. Fazia tempo que a atriz havia atuado em um filme e seu retorno às telas é sempre um grande atrativo para ir ao cinema nesse fim de semana. Outro filme realizado na França que está sendo lançado nos cinemas brasileiros é o documentário "Foucault Contra Si Mesmo". Aqui vários acadêmicos discutem a importância da obra de Michel Foucault. Uma boa pedida para universitários da área de humanas.

Finalizando as dicas, aqui vão mais duas opções para fugir um pouco do cinema comercial americano. "Esteros" é uma produção argentina que conta a história de dois amigos que se reencontram muitos anos depois. Nesse reencontro eles relembram as velhas histórias do passado ao mesmo tempo que descobrem existir um sentimento maior os envolvendo. E para quem gosta de cinema nacional fica a dica final de "Love Film Festival". O elenco traz Leandra Leal interpretando uma roteirista que se apaixona por um ator durante um festival de cinema. Ao longo dos anos eles voltariam a se reencontrar (em outros festivais) sempre reacendendo a chama da paixão. Uma boa opção para quem deseja ver romance em uma produção brasileira nesse fim de semana.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Colossal

Filme maluco, estranho mesmo, mas que ainda assim não deixa de ser curioso e interessante. Começa como draminha romântico quando Gloria (Anne Hathaway) chega mais uma vez de ressaca no apartamento do namorado. Ela tem problemas com alcoolismo, está desempregada e pelo visto não se importa muito em arranjar um emprego. Ao invés disso vai para a farra todas as noites. O namorado, claro, perde a paciência e coloca um fim no romance. Pior do que isso, a coloca para fora do apartamento.

Sem grana, sem emprego e sem ter onde morar, ela acaba voltando para a antiga casa dos pais, no interior. Arranja um emprego de garçonete no bar de um velho conhecido de infância e aí... começa a acontecer algo pra lá de esquisito! Um monstro surge em Seul, destruindo toda a cidade e Gloria percebe que ele repete tudo o que ela faz, inclusive os mais simples gestos! Que maluquice é essa? Que tipo de ligação ela teria com aquela criatura? Bom, já para sentir que temos aqui um roteiro totalmente fora dos padrões, diria até mesmo bizarro ao extremo.

O curioso de tudo é que essa mistura de filme trash oriental com drama romântico americano acaba funcionado! Ok, a maioria das pessoas em determinado momento vão se levantar da sala de cinema e ir embora, isso é meio óbvio. Porém quem comprar a estranha ideia desse roteiro vai acabar no mínimo se divertindo, apesar das esquisitices que encontrará pela frente. Esse diretor espanhol, o Nacho Vigalondo, não tem muitos trabalhos na direção, sendo mais conhecido em seu país como roteirista (dos bons!). Acredito que apesar da presença da estrelinha americana Anne Hathaway pouca gente vai acabar embarcando nesse filme surreal. De qualquer forma vale a dica se você estiver em busca de algo diferente, bem diferente...

Colossal (idem, Estados Unidos, Espanha, Coreia do Sul, 2016) Direção: Nacho Vigalondo / Roteiro: Nacho Vigalondo / Elenco: Anne Hathaway, Jason Sudeikis, Austin Stowell / Sinopse: Gloria (Anne Hathaway) é uma garçonete americana que descobre ter uma bizarra e estranha ligação com um monstro que está destruindo a cidade de Seul, na Coreia do Sul! Filme premiado no Austin Fantastic Fest na categoria de Melhor Direção (Nacho Vigalondo).

Pablo Aluísio.

Perdidos em Nova York

Título no Brasil: Perdidos em Nova York
Título Original: The Out-of-Towners
Ano de Produção: 1999
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Sam Weisman
Roteiro: Neil Simon, Marc Lawrence
Elenco: Steve Martin, Goldie Hawn, John Cleese, Mark McKinney, Oliver Hudson, Valerie Perri

Sinopse:
O casal Henry (Steve Martin) e Nancy (Goldie Hawn) decide ir para Nova iorque, para passear e se divertir um pouco. O filho deles foi para a universidade e agora, com tempo livre, eles acreditam que precisam de férias e descanso, só que a viagem que deveria ser de lazer logo se torna uma grande confusão!

Comentários:
Esse filme é um remake de uma antiga comédia com Jack Lemmon. Eu adoro os roteiros escritos por Neil Simon. Ele já havia escrito um roteiro antes para o ator e comediante Steve Martin que resultou no muito bom "O Rapaz Solitário", um filme com um excelente humor melancólico, que fazia graça das situações mais tristes que se possa imaginar. Aqui Simon voltou a trabalhar ao lado de Martin, mas o resultado se mostrou bem pior, diria menos inspirado. Talvez a presença de Goldie Hawn, com seus grandes olhos azuis e estilo mais espalhafatoso tenha levado Simon a amenizar essa nova adaptação. O resultado acabou saindo pior do que o esperado. Assim grande parte de sua sutileza se perdeu. É um filme fraquinho, que rende algumas poucas boas piadas durante o filme inteiro. Cai no velho problema do roteiro de uma piada só! A viagem para Nova Iorque e os inúmeros problemas que vão surgindo. Nada mais. O filme não foi bem de bilheteria, sendo considerado um dos grandes fracassos comerciais daquela temporada, o que colocou o próprio Steve Martin na geladeira por algum tempo, uma vez que em Hollywood fracassos sucessivos de bilheteria não são perdoados!

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 25 de julho de 2017

O Último Concerto

Título no Brasil: O Último Concerto
Título Original: A Late Quartet
Ano de Produção: 2012
País: Estados Unidos
Estúdio: RKO Pictures
Direção: Yaron Zilberman
Roteiro: Seth Grossman (screenplay), Yaron Zilberman
Elenco: Philip Seymour Hoffman, Christopher Walken, Catherine Keener, Imogen Poots, Mark Ivanir, Liraz Charhi

Sinopse:
Um quarteto de música clássica entra em crise quando um dos membros, Peter Mitchell (Christopher Walken), é diagnosticado com Mal de Parkinson. Ele quer deixar o grupo, o que acaba levando todos a uma série de brigas, mágoas e desentendimentos que tinham ficado escondidos por anos.

Comentários:
Bom filme. O cenário é o mundo erudito da música clássica. Um quarteto de câmara vai se esfacelando após anos tocando juntos. São bem sucedidos no meio, mas os conflitos vão se mostrando cada vez mais insuperáveis. Robert (Hoffman) e Juliette (Keener) são casados. O que um dia foi paixão, se acabou. Ela não quer mais continuar com ele, que procura se consolar nos braços de uma dançarina espanhola de música flamenca. Assim que Juliette descobre a traição tudo desmorona. O pior é que eles precisam superar isso, pois trabalham juntos, no quarteto de cordas. Para piorar o clima de tensão, o veterano Daniel (Mark Ivanir), que toca o primeiro violino, se envolve com a filha deles, uma jovem estudante de violino. Claro que isso acaba criando muitas brigas, algumas inclusive violentas. E para estragar o que já anda mais do que ruim, Peter (Walken), o grande elo de ligação entre todos os músicos, acaba sendo diagnosticado com Mal de Parkinson, o que o impedirá de continuar tocando dentro de um meio tão concorrido e elitista, que não aceita falhas no palco. Esse roteiro revela que mesmo nos meios musicais mais eruditos ainda há muitos problemas de relacionamento para se manter um grupo unido, tal como se fosse uma bandinha de rock qualquer. Além da excelente trilha sonora (com destaque para as peças de Ludwig van Beethoven que ouvimos durante todo o filme) o grande destaque vai para o elenco. Todos estão maravilhosamente inspirados, com Philip Seymour Hoffman e Christopher Walken "duelando" muito bem em cena. Walken inclusive, sempre tão lembrado pelos exageros e maneirismos, finalmente se contém. É uma pena que Hoffman tenha falecido tão jovem ainda, vítima de uma overdose de drogas. Ao se assistir filmes como esse percebemos claramente como sua ausência faz muita falta no cinema de hoje em dia.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Snow Patrol - Eyes Open

Revirando velhos CDs me deparei novamente com esse álbum do Snow Patrol. Sempre gostei muito do som desses escoceses, mas parei de acompanhar a carreira deles há algum tempo (por onde será que andam nesse momento?). Esse "Eyes Open" foi meu primeiro CD da banda. Comprei assim que saiu, por volta de 2006. O som melódico das canções continua tão bom quanto antes. O Snow Patrol tem uma sonoridade que poderia definir como um Stereophonics mais romãntico, com menos guitarras estridentes, o que é ideal para quem gosta do lado mais suave do Britpop.

Aqui temos onze faixas que podem ser definidas como, de forma bem singela, agradáveis. As baladas predominam, até porque são ideais para a voz de Gary Lightbody. A faixa inicial "You're All I Have" sempre foi a minha preferida. Começa quase como um trenó no meio da neve. É curioso que depois desse começo calmo a canção dá uma levada alto astral, com vocais pra cima, empolgantes, quase como se estivessem vibrando com alguma notícia animadora, alegre. Esse som feliz demais pode ser meio complicado para os fãs do Travis, outros escoceses excelentes, mas vale a pena pela intensa alegria que tentam passar. Para ouvir numa fase mais relaxante, curtindo a vida. Por falar em Travis a balada "Chasing Cars" poderia se encaixar perfeitamente em qualquer CD deles que ninguém iria notar a diferença. Snow Patrol querendo dar uma de depressivos. Não é bem a praia dos caras, vamos ser sinceros.

Em termos de arranjos vale também a menção de "Shut Your Eyes". O dedilhado atravessa toda a faixa. O refrão pegajoso não é unanimidade entre os críticos do rock britânico, mas está valendo, até porque o Snow Patrol sempre teve mesmo vocação para tocar nas rádios (pelo menos nas rádios inglesas, claro!). Isso ficou bem claro em "It's Beginning to Get to Me". Se bem que eles não deveriam exagerar tanto. Ficou óbvio demais. E essa caixinha de ninar que ouvimos em "You Could Be Happy"? Provavelmente seja feita para tocar para os seus filhos pequenos dormirem de noite. Para uma banda escocesa que não quer ser tão depressiva como o Travis vai soar tudo um pouco fora do lugar! A última grande faixa do álbum vem com "Headlights on Dark Roads". Suas linhas ansiosas e nervosinhas bateram muito bem com a proposta do grupo nesse CD.

Snow Patrol - Eyes Open (2006)
1. You're All I Have
2. Hands Open
3. Chasing Cars
4. Shut Your Eyes
5. It's Beginning to Get to Me
6. You Could Be Happy
7. Make This Go On Forever
8. Set the Fire to the Third Bar
9. Headlights on Dark Roads
10. Open Your Eyes
11. The Finish Line

Pablo Aluísio e Erick Steve.

Shrek Terceiro

Título no Brasil: Shrek Terceiro
Título Original: Shrek the Third
Ano de Produção: 2007
País: Estados Unidos
Estúdio: DreamWorks Animation
Direção: Chris Miller, Raman Hui
Roteiro: William Steig, Andrew Adamson
Elenco: Mike Myers, Cameron Diaz, Eddie Murphy, Antonio Banderas, Julie Andrews, Justin Timberlake, John Cleese                                                    
Sinopse:
Com a morte do Rei, pai de Fiona, Shrek deve assumir o trono e se tornar o novo Rei, só que ele não quer ser coroado, pois jamais pensou em sentar no trono real. Assim ele parte ao lado do burro e do Gato de Botas em busca de alguém para ser o novo Rei daquelas terras...

Comentários:
Essa franquia de animação do ogro verde Shrek rendeu um filme até bacaninha (o original) e uma sequência bem fraca. Essa terceira parte só existe mesmo por motivos comerciais pois os filmes anteriores renderam muita bilheteria. A DreamWorks não iria perder mais uma chance de faturar bem nos cinemas pela terceira vez. O problema é que não havia mais estorinha para contar, pois o livro original já tinha sido explorado ao máximo. Assim o estúdio criou essa estorinha praticamente do nada, apelando mesmo por razões financeiras. O filme é claro bem feito, bem realizado do ponto de vista técnico. Só não tem mesmo um roteiro muito convincente. Obviamente as crianças que adoram o Shrek não queriam nem saber disso, só se divertir nos cinemas. Com custo de 160 milhões de dólares essa terceira parte rendeu incríveis 440 milhões de dólares no mercado americano e internacional! Uma cifra incrível para uma animação tão fraquinha. É no final das contas a força do personagem entre a criançada, nada mais do que isso. Já os adultos vão mesmo torcer o nariz, uma vez que não há muito o que curtir aqui. Para os negócios em Hollywood porém o filme foi maravilhoso, enchendo os cofres mais uma vez dos estúdios de Spielberg. Business is business! Filme indicado ao BAFTA Awards na categoria de Melhor Animação. Também indicado ao Annie Awards na categoria de Melhor Direção.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

McLaren

Título no Brasil: McLaren
Título Original: McLaren
Ano de Produção: 2017
País: Inglaterra, Nova Zelândia
Estúdio: FB Pictures, General Film Corporation
Direção: Roger Donaldson
Roteiro: James Brown, Matthew Metcalfe
Elenco: Bruce McLaren, Jack Brabham, Mario Andretti, Alastair Caldwell, Dwayne Cameron, Emerson Fittipaldi

Sinopse:
Documentário sobre a vida e carreira do piloto de Fórmula 1 Bruce McLaren. Nascido na distante Nova Zelândia ele teve uma carreira magistral nas pistas ao se mudar para a Inglaterra. Campeão em diversas categorias do automobilismo, acabou fundando sua própria equipe, igualmente vencedora nas pistas.

Comentários:
Bom, se você gosta de Fórmula 1 certamente precisa assistir a esse filme. O nome McLaren é um dos mais conhecidos do automobilismo. A equipe é especialmente conhecida dos brasileiros porque foi nessa equipe de automobilismo que o piloto Ayrton Senna venceu seus principais títulos. Assim esse documentário conta a história do fundador da equipe, Bruce McLaren. Sua história é das mais interessantes. Na infância ele teve uma doença que o deixou paralisado por dois anos, preso na cama. Ao se recuperar ele começou a correr na pequena equipe fundada por seu pai. Campeão nas pistas de seu país acabou chamando atenção de uma equipe de Fórmula 1 inglesa, a Cooper, que o contratou. A partir daí Bruce McLaren não parou mais, se tornando um vencedor não apenas nessa categoria, mas em diversas outras. Foi uma vida dedicada às competições esportivas, ficando firme no volante mesmo após sofrer um acidente que quase o matou. Naqueles tempos a Fórmula 1 era bem menos profissional, mais romântica e também mais perigosa. Os carros tinham um design de tubo, o que aumentava ainda mais os riscos. Um aspecto histórico interessante é saber que o piloto Jack Brabham (que também seria o fundador de outra escuderia famosa da F1) foi uma espécie de mentor de McLaren. O brasileiro Emerson Fittipaldi também dá o seu depoimento. O documentário está cheio de imagens reais, corridas da época, tiradas do acervo pessoal de McLaren. Para quem é fã dessa modalidade esportiva o filme se torna assim simplesmente obrigatório. Muito bom em termos cinematográficos, recomendo bastante.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.