sexta-feira, 31 de julho de 2015

Um Pouco de Caos

Título no Brasil: Um Pouco de Caos
Título Original: A Little Chaos
Ano de Produção: 2014
País: Inglaterra
Estúdio: BBC Films
Direção: Alan Rickman
Roteiro: Jeremy Brock, Alison Deegan
Elenco: Kate Winslet, Alan Rickman, Stanley Tucci, Matthias Schoenaerts
  
Sinopse:
O Rei Louis XIV (Alan Rickman) da França decide construir um novo palácio, mais luxuoso e digno de sua exuberância. Em sua opinião o Palácio de Versailles deverá ser o mais opulento de toda a Europa, com o melhor em termos de construção, luxo e elegância. Para isso ele determina ao seu mestre de obras públicas, André Le Notre (Matthias Schoenaerts), a contratação dos melhores arquitetos, engenheiros e paisagistas do mundo. Entre os contratados está a Madame Sabine De Barra (Kate Winslet) que deverá criar um lindo salão de baile ao ar livre, nos jardins da formosa nova construção imperial. O projeto logo se revelará mais ousado e complicado de se realizar do que ela inicialmente poderia supor. Roteiro baseado em uma história real.

Comentários:
O monarca Luís XIV (1638 - 1715) representou o ápice do absolutismo europeu, a tal ponto que ficou imortalizado na história como o "Rei Sol". Tudo era absolutamente excessivo durante seu reinado. As roupas de sua corte eram as mais luxuosas, os protocolos de etiqueta eram os mais rigorosos e o Rei acabou passando para a imortalidade como um símbolo desse período histórico onde a vontade do soberano representava a própria essência do Estado. Tanto isso é verdade que uma das mais famosas frases de seu reinado foi a que ele mesmo proferiu, resumindo toda a questão, ao dizer: "O Estado sou eu!". Pois bem, o roteiro desse filme explora um aspecto secundário de seus projetos megalomaníacos. A história gira realmente em torno de Madame De Barra (Winslet), uma viúva de muita personalidade, que queria vencer no concorrido mercado de profissionais especializados em construções belas e luxuosas. Ela acaba sendo designada para projetar e construir uma das partes mais bonitas do novo palácio do Rei, uma espécie de salão de baile ao ar livre, com cascatas ao redor e um grande arranjo floral com as mais belas plantas e flores de toda a França. Por ser uma mulher do século XVII ela obviamente teve que enfrentar uma série de preconceitos e má vontade dos seus concorrentes, todos obviamente homens que duvidavam de sua capacidade de colocar o belo projeto em pé. Para piorar acabaria se envolvendo emocionalmente com seu próprio superior, o mestre  André Le Notre (Schoenaerts), que já era casado com uma dama da corte excessivamente cruel e ciumenta! Sua sorte porém vem quando cai nas graças do próprio Rei, que fica admirado com sua coragem e força de vontade em vencer todos os desafios. Esse filme de época, muito bem produzido e com uma trama mais do que interessante, é um projeto bem pessoal do ator Alan Rickman, tanto que assumiu até mesmo a direção do filme. Acabou realizando uma obra fina e elegante, tal como o próprio período retratado. Um bom drama romântico que levará o espectador a essa era histórica há muito tempo passada, tudo com muito bom gosto e talento. 

Pablo Aluísio e Thaís Albuquerque.

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Lugares Escuros

Título no Brasil: Lugares Escuros
Título Original: Dark Places
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos, França, Inglaterra
Estúdio: Exclusive Media Group
Direção: Gilles Paquet-Brenner
Roteiro: Gilles Paquet-Brenner, baseado na obra de Gillian Flynn
Elenco: Charlize Theron, Christina Hendricks, Chloë Grace Moretz, Tye Sheridan, Corey Stoll, Andrea Roth
  
Sinopse:
Libby Day (Charlize Theron) carrega consigo um passado terrível. Quando era apenas uma garotinha, seu irmão mais velho teria supostamente assassinado toda a sua família em um acesso de insanidade turbinada por um fanatismo criado em sua mente por uma seita satânica frequentada por jovens da região. Agora, mais de 30 anos depois da chacina, ela é procurada por um empresário que decide contratá-la para participar de uma convenção de fãs de crimes hediondos e infames (sim, eles existem em grande número nos EUA!). Precisando de dinheiro ela acaba aceitando o estranho convite. A reaproximação com seu passado mais uma vez lança uma carga emocional muito forte sobre Libby, ao mesmo tempo em que a leva rever todos os detalhes daquele crime. O que realmente teria acontecido na noite em que sua família foi brutalmente assassinada?

Comentários:
A mente tem lugares escuros e sombrios que não devem ser sondados. Em "Dark Places" temos uma pequena amostra sobre isso. Charlize Theron decidiu deixar todo o glamour de lado para investir nessa personagem, uma mulher que teve sua família (e sua vida) destruída quando seu irmão resolveu matar todos os seus familiares em uma noite de loucura quando ela era apenas uma criança. Preso e condenado a mais de 30 anos de prisão, o assassino agora precisa rever seu próprio passado com a ajuda de sua irmã, algo que vai desvendar aspectos do passado que deveriam ficar nas sombras. É interessante perceber que de alguma maneira Charlize Theron criou uma identificação com sua personagem Libby. Recentemente ela confessou em uma sincera entrevista que sofre há muitos anos de um transtorno obsessivo-compulsivo causado por uma tragédia em sua juventude quando presenciou sua mãe matando seu próprio pai. O sujeito era um alcoólatra que maltratava sua esposa e filhas. Uma noite chegou em casa violento e quis matar as crianças, sem outra alternativa a mãe de Charlize assassinou seu pai na frente delas. Um triste retrato de violência doméstica. Claro que um acontecimento tão violento acaba criando um trauma para o resto da vida, algo muito complicado de se superar. Assim é óbvio que o roteiro desse filme criou um vínculo imediato com a própria vida da atriz, que acabou encontrando em sua história uma forma de redenção pessoal, uma maneira de enterrar para sempre esses fantasmas do passado. Dito isso, o que há de mais interessante nessa produção é a tentativa de Libby (Theron) em reconstruir todos os detalhes do crime, para assim chegar a um conclusão mais definitiva sobre quem realmente teria apertado o gatilho contra sua mãe e suas irmãs. Devo dizer que o caminho até a descoberta de todos os eventos é muito interessante, porém o desfecho e o clímax não me convenceu muito. A sensação que ficou foi a de que a autora Gillian Flynn, que escreveu o livro que deu origem ao filme, se perdeu um pouco, criando uma situação forçada que definitivamente não me pareceu muito verossímil. Mesmo com esse deslize no final o filme vale a pena, seja pelo suspense, seja pela corajosa atitude de Charlize Theron em encarar uma história que tem muito a ver com seu próprio passado. A coragem dela acaba sendo assim o grande motivo para assistir a esse "Lugares Escuros".

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 27 de julho de 2015

A Teoria de Tudo

Título no Brasil: A Teoria de Tudo
Título Original: The Theory of Everything
Ano de Produção: 2014
País: Inglaterra
Estúdio: Working Title Films
Direção: James Marsh
Roteiro: Anthony McCarten, baseado no livro de Jane Hawking
Elenco: Eddie Redmayne, Felicity Jones, Tom Prior
  
Sinopse:
Stephen Hawking (Eddie Redmayne) é um jovem estudante universitário, um talento promissor no mundo da física, que conhece a bela e simpática Jane (Felicity Jones) em uma festa. Tímido e até sem jeito com as mulheres, ele resolve se aproximar para conhecer melhor a garota. Em pouco tempo eles acabam formando um lindo casal. No começo de suas vidas estão prontos para um dia se casarem para constituir um lar e uma família. Seus planos mudam completamente quando Hawking começa a ter pequenos problemas de locomoção. Ele não consegue mais se equilibrar ou caminhar normalmente. Preocupado, acaba indo procurar por ajuda médica e descobre estar com uma síndrome devastadora. Filme vencedor do Oscar, do Globo de Ouro e do Bafta Awards na categoria de Melhor Ator (Eddie Redmayne). Filme indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Filme, Melhor Atriz Coadjuvante (Felicity Jones), Melhor Roteiro Adaptado e Melhor Música.

Comentários:
Nem faz muito tempo assisti a um filme sobre essa mesma história chamado "Hawking". Particularmente gostei muito e talvez por isso tenha levado tanto tempo para ver esse "The Theory of Everything", produção que a crítica adorou. O roteiro de "A Teoria de Tudo" foi baseado no livro autobiográfico escrito por Jane Hawking, uma mulher corajosa e de grande personalidade que foi casada com Stephen Hawking de 1965 a 1995. Como se pode perceber a história do filme, seguindo os passos do livro, começa justamente quando Jane conhece Stephen numa pista de dança durante uma festa na universidade. Ela se interessa imediatamente por ele, em um caso típico de amor à primeira vista e em pouco tempo começam um relacionamento. O que parecia ser um promissor caso amoroso entre dois jovens começando suas vidas acaba sofrendo um revés terrível quando Stephen é diagnosticado com uma devastadora doença neurológica que segundo seu médico o deixará completamente incapacitado em um curto período de tempo. O pior é que portadores dessa síndrome possuem uma pequena expectativa de vida de no máximo dois anos. Imagine o efeito devastador de algo assim sendo comunicado a um brilhante rapaz que teria um futuro promissor pela frente, principalmente por ser um gênio em sua área de estudos do cosmos e da física que rege os grandes astros do universo. E é justamente nesse lado mais humano, bem mais centrado em seu drama pessoal, que o filme se desenvolve, o que convenhamos já era de esperar já que o roteiro foi inteiramente baseado nas experiências de vida narrados pela própria esposa do cientista. Por essa razão o admirador da obra científica escrita por Stephen Hawking não vai encontrar muita coisa interessante para se ver.

O filme é indicado apenas para quem deseja conhecer o aspecto mais pessoal da vida do cientista e não suas teorias que inovaram a ciência de uma forma espetacular. Pessoalmente senti a falta de uma maior profundidade nesse campo, mas tudo bem, a proposta do filme certamente nunca foi essa. Diante disso resta elogiar o perfeito trabalho de atuação do ator Eddie Redmayne como Hawking. Certamente não deve ser nada fácil encarnar uma pessoa com tantos problemas físicos como Stephen. Redmayne se doa ao papel e é justamente isso que separa e destaca as grandes atuações dentro da arte de representar. Ele é a principal razão para se conferir o filme como um todo. Sua atuação inclusive me lembrou muito de Daniel Day-Lewis como Christy Brown em "Meu Pé Esquerdo", película dirigida por Jim Sheridan em 1989, outra fita oscarizada que marcou muito em termos de intensidade dramática, explorando com maestria a vida de um outro brilhante portador de necessidades especiais. A grande lição de todos esses filmes é ensinar ao público o valor da superação do ser humano, acima de tudo. Assim se você estiver em busca da vida mais íntima e pessoal de Hawking essa produção virá bem de acordo com o que você espera encontrar, caso contrário, se você estiver procurando saber quais foram as principais razões do mundo da ciência que transformaram o físico em um dos nomes mais aclamados da física sugiro procurar por outra fonte, a começar por uma biblioteca mais próxima de você.

Pablo Aluísio.

sábado, 25 de julho de 2015

Marcados Pela Guerra

Título no Brasil: Marcados Pela Guerra
Título Original: Camp X-Ray
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: IFC Films
Direção: Peter Sattler
Roteiro: Peter Sattler
Elenco: Kristen Stewart, Peyman Moaadi, Lane Garrison
  
Sinopse:
Amy Cole (Kristen Stewart) é uma jovem recruta do exército americano que é enviada para trabalhar como guarda de segurança na prisão militar de segurança máxima de Guantánamo. Entre suas funções está a de fazer vistorias e plantões no corredor das celas onde estão presos alguns dos mais perigosos terroristas internacionais. Na rotina de seu serviço ela acaba se aproximando aos poucos do prisioneiro Ali (Peyman Moaadi), um sujeito culto e instruído, que amarga uma longa reclusão. Ela não é informada das acusações que são feitas ao detento e ele não simpatiza com a nova guarda simplesmente por ela ser americana. Nada disso porém evita que ambos acabem criando com o tempo uma aproximação, mesmo que precária e fora das regras da prisão. Filme indicado ao Sundance Film Festival na categoria de Melhor Drama.

Comentários:
Inicialmente você pensa que vai assistir a mais uma fita daquelas bem ufanistas, ao estilo patriotada americana. Aos poucos porém você vai entendendo que está assistindo a um bom filme, que se concentra mesmo na amizade e no calor humano que pode surgir nos momentos e nas ocasiões mais improváveis. A recruta Amy é uma peça chave nessa trama. Ela sai de uma cidadezinha na Flórida, sem muito preparo intelectual ou cultural e acaba conhecendo um prisioneiro acusado de terrorismo na super fechada prisão de Guantánamo. O sujeito tem uma grande bagagem cultural, tendo estudado na Alemanha onde se tornou professor universitário. Supostas ligações com grupos terroristas porém destruíram sua carreira e sua vida. Levado para a prisão de Guantanamo ele se torna mais um prisioneiro sem julgamento, um condenado sem sentença! O roteiro deixa de lado os aspectos jurídicos mais absurdos dos que estão confinados naquela prisão militar (como, por exemplo, o fato de nunca terem sido julgados adequadamente como determina todas as convenções e leis do mundo ocidental) e parte para uma outra abordagem. Ao invés de ficar discutindo o ponto de vista legal das prisões, o roteiro se concentra mesmo na inusitada aproximação entre a recruta americana e o detento árabe. Sem forçar a barra e nem criar situações melosas, o argumento funciona muito bem. A militar Amy também demonstra ter pouca aproximação ou familiaridade com seus próprios colegas de farda, muitos deles sujeitos rudes e pouco éticos. Assim ela acaba encontrando amizade e humanidade não entre os seus pares, mas no prisioneiro Ali. Com esse tipo de narrativa inteligente o jogo acaba sendo praticamente vencido. Com bom roteiro (bem humano aliás), boas atuações e uma história simples que funciona muito bem, "Camp X-Ray" acaba se revelando bem melhor do que inicialmente se pensava. Um ótimo programa que além de entreter também levanta questões bem importantes. Para assistir e se pensar depois sobre tudo o que foi visto na tela. Está devidamente recomendado.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Renascida do Inferno

Título no Brasil: Renascida do Inferno
Título Original: The Lazarus Effect
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos
Estúdio: Lionsgate, Relativity Studios
Direção: David Gelb
Roteiro: Luke Dawson, Jeremy Slater
Elenco: Olivia Wilde, Mark Duplass, Evan Peters
  
Sinopse:
Um grupo de pesquisadores estudando os efeitos do coma no ser humano acaba descobrindo, por puro acaso, um novo soro que parece ter propriedades desconhecidas da ciência. Uma delas é trazer animais de volta à vida, mesmo após terem sido dados como mortos. Algo assim teria um impacto profundo na medicina. Depois de literalmente ressuscitar um cão durante uma experiência, uma das jovens cientistas, Zoe (Olivia Wilde), acaba morrendo eletrocutada. Seu noivo, Frank (Mark Duplass), em profundo desespero, resolve trazer ela de volta do mundo dos mortos, o que vai se revelar uma péssima ideia.

Comentários:
Ok, você já assistiu muitas vezes esse argumento em filmes anteriores. Basicamente é uma releitura de "Frankenstein" de Mary Shelley. Essa coisa de cientista usando correntes elétricas e soros químicos para ressuscitar corpos dados como mortos não é novidade desde 1818 quando o livro original do monstro mais famoso da literatura foi lançado. É a velha história da ciência como vilã na mãos de pesquisadores sem ética alguma ou preocupação com questões religiosas. Eles ousam ir além, passando por todos os limites e acabam pagando caro por isso, por sua ousadia sem barreiras. A principal personagem desse filme é uma jovem pesquisadora chamada Zoe. A primeira coisa que você deve saber sobre ela é que a garota parece ter um trauma em seu passado. Quando ela era apenas uma criança presenciou um grande incêndio no hotel onde estava hospedada. Enquanto tentava escapar pelas chamas, atravessando um longo corredor, ela acabou  ouvindo os gritos de desespero dos hóspedes presos em seus quartos, morrendo queimados. Mesmo tendo sido uma garotinha muito religiosa ela com os anos foi deixando sua fé de lado, concentrando seus esforços apenas para se tornar uma boa cientista, uma pesquisadora renomada. Ignorando suas raízes católicas ela acaba entrando de corpo e alma nesse projeto chamado Lazarus, uma tentativa de ressuscitar pessoas mortas. Quando ela própria passa pelo processo descobre que mexeu com forças poderosas, que não consegue compreender totalmente. Assim o terror de "Renascida do Inferno" acaba sendo mais psicológico, o que poderá decepcionar alguns fãs do gênero. No geral o resultado é sem novidades e pode até ser considerado um pouco fraco demais. Não existem cenas verdadeiramente assustadoras. No máximo existem pequenos sustos apenas. Mesmo assim vale ao menos conhecer nem que seja para sentir saudades da obra de Mary Shelley, essa sim imortal.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Manglehorn

Título Original: Manglehorn
Título no Brasil: Ainda Não Definido
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Dreambridge Films
Direção: David Gordon Green
Roteiro: Paul Logan
Elenco: Al Pacino, Holly Hunter, Harmony Korine
  
Sinopse:
A.J. Manglehorn (Al Pacino) é um sujeito comum que ganha a vida trabalhando com chaves. Ele tem um pequeno estabelecimento comercial e leva uma vida simples e pacata. Seu casamento chegou ao fim há muitos anos e seu único filho não é uma presença constante em seu dia a dia. Para espantar a solidão ele tem um animal de estimação que adora, mas que infelizmente agora está passando por problemas de saúde. Também tem um flerte casual com a caixa de banco Dawn (Holly Hunter), mas não tem coragem de ir em frente sobre essa situação. O que poucos sabem é que nas horas vagas o velho Manglehorn cultiva um antigo amor do passado, uma mulher que marcou definitivamente sua vida e que ele jamais conseguiu esquecer. Filme indicado ao Leão de Ouro no Venice Film Festival.

Comentários:
Al Pacino não parece disposto a se aposentar. Bom para ele e para o público que sempre admirou seu trabalho. Ultimamente Pacino tem optado por participar de filmes pequenos, mas com alguma mensagem mais relevante a transmitir. Infelizmente em Hollywood ainda se cultua a beleza, o sucesso e a juventude, não havendo muito espaço para filmes que mostrem a vida de pessoas mais velhas. Por essa razão Pacino escolheu participar dessa pequena produção que foca em outra direção, na velhice e na solidão de pessoas comuns. O seu personagem é um homem envelhecido que olha para o passado com uma certa nostalgia romântica. Ele tem alguns arrependimentos e remorsos a superar, entre eles o fato de não ter se casado com a mulher que ele sempre considerou o amor verdadeiro de sua vida. Embora tenha se casado anos depois com outra, ele jamais esqueceu um amor de sua juventude, uma garota chamada Clara, a quem ele dedica longas e apaixonadas cartas de amor. De vez em quando ele as envia, mas sem sucesso. Isso foi há tantos anos que ele nem sabe mais onde ela mora ou se ainda está viva. Mesmo assim o amor permanece. Ele sobreviveu a um casamento com uma mulher que ele não amava, ao nascimento de seu filho e ao passar dos anos. Sua vida é solitária, mas acaba percebendo que ainda existe esperanças ao conhecer Dawn (Holly Hunter), que trabalha no banco onde ele é cliente e que tem coisas em comum com sua personalidade, como o amor aos animais de estimação e uma existência também solitária. Na terceira idade essa pode ser sua última chance de ser feliz, mas será que vai conseguir esquecer mesmo o grande amor de sua vida? Como se pode perceber o forte aqui é o roteiro, muito humano e bem escrito. Pacino também está, como sempre, magnífico, apostando em um estilo de interpretação mais contido, de acordo com o papel que vive, a de um homem que começa a sentir o peso do passar dos anos. É um bom drama romântico que revive as esperanças na busca por um amor verdadeiro no meio de um mundo cheio de adversidades e desencontros, nessa longa jornada chamada vida.

Pablo Aluísio.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Harry Potter e a Pedra Filosofal

Título no Brasil: Harry Potter e a Pedra Filosofal
Título Original: Harry Potter and the Sorcerer's Stone
Ano de Produção: 2001
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: Warner Bros.
Direção: Chris Columbus
Roteiro: Steve Kloves, baseado na obra de J.K. Rowling
Elenco: Daniel Radcliffe, Emma Watson, Rupert Grint, Richard Harris, Maggie Smith, Ian Hart, John Hurt
  
Sinopse:

O garoto Harry Potter (Daniel Radcliffe) acaba descobrindo que seus pais foram famosos bruxos no passado e recebe uma carta para ir estudar na escola de magia de Hogwarts. Uma vez lá vê sua vida mudar completamente ao conhecer novos amigos e colegas de classe. O que ele não esperava é que um velho inimigo de seus pais também está de volta e ao que parece, mais forte do que nunca. Filme indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Direção de Arte, Figurinos e Melhor Música (John Williams). Filme também indicado ao BAFTA Awards e vencedor do prêmio de Melhor Figurino da Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Film.

Comentários:
Esse foi o primeiro filme da longa e bem sucedida franquia do personagem Harry Potter no cinema. Durante anos tentou-se convencer a escritora J.K. Rowling a vender os direitos para o cinema, mas foi apenas em 2000 que ela finalmente assinou com a Warner Bros. Em troca exigiu poder de veto, ou seja, ela poderia vetar a escolha do diretor e demais membros da equipe técnica. O escolhido acabou sendo o especialista Chris Columbus, um diretor que conhecia bem o nicho infanto-juvenil. Além de ser um entendido no mercado ele também era considerado pouco autoral e até mesmo inofensivo (ou seja, não iria mudar muito a essência dos livros). Muito provavelmente por causa de todas essas características reunidas acabou caindo nas graças da autora. Assim Columbus acabou criando um filme que é a sua cara. Bonito visualmente, com excelente direção de arte, cenários deslumbrantes, efeitos especiais de bom gosto, mas também quase que completamente asséptico. Como se trata de um filme de apresentação, ou seja, onde todo o universo de Potter foi apresentado ao grande público pela primeira vez, até que funcionou muito bem. Como obra puramente cinematográfica porém deixa obviamente a desejar. É um filme realizado para o grande circuito comercial, para as massas, então não espere por nada que seja surpreendente ou inovador. Muito longe disso. Columbus parecia estar apenas preocupado em contar seu enredo sem pisar nos calos de absolutamente ninguém. Como um filme assim, baseado em um livro tão popular, não poderia fracassar, o gostinho que ele deixou no final é de ser um grande e longo pastel de vento. Bonito e charmoso, temos que admitir, mas mesmo assim um pastel de vento sem muito conteúdo. Outro aspecto que vale menção é que se você viu o filme há muito tempo vai acabar se surpreendendo com o elenco. Na época eles não passavam de crianças, sem muito o que fazer em cena. Da trupe a que mais se destaca ainda é a  Emma Watson, que apesar da pouca idade, já deixava claro que tinha muita personalidade. Os demais ficam restritos na categoria de "crianças fofinhas". Então é isso, "Harry Potter and the Sorcerer's Stone" é puro mainstream, embalado por uma popularidade poucas vezes vista no mercado literário. Uma fórmula que não costuma mesmo dar errado.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 21 de julho de 2015

O Apostador

Jim Bennett (Mark Wahlberg) é um daqueles sujeitos que nasceu com tudo pronto para dar certo na vida. Filho de uma família tradicional e aristocrática, neto de um dos homens mais ricos da América, professor universitário culto e inteligente, tudo parece caminhar muito bem em sua existência. O que poucos sabem é que Jim também tem um lado oculto, uma vida que quase nunca vem à tona. Ele é um jogador compulsivo, um viciado em jogatinas e apostas. Quando não está dando aulas de literatura romântica em uma ótima universidade, Jim está mergulhado em mesas de cartas e roletas, geralmente no submundo de Las Vegas, onde as apostas não possuem limites e as dívidas são pagas com a própria vida. Agora, depois de se endividar absurdamente, Jim precisa pagar a um chefão da máfia coreana uma pequena fortuna proveniente de seu vício. Ele tem sete dias para quitar 260 mil dólares em dívidas provenientes das mesas de jogos ou então será executado sumariamente. Para resolver o problema ele acaba se atolando ainda mais ao procurar um perigoso agiota, um criminoso, que não está disposto a perder seu dinheiro para um apostador inveterado como ele. O cerco vai se fechando cada vez mais ao seu redor. "The Gambler" é o novo filme estrelado por Mark Wahlberg. Esse ator conseguiu ao longo dos anos escolher muito bem os filmes dos quais participa. Embora não seja um grande talento na arte de atuar ele demonstra ter um bom faro para se envolver nos projetos certos. Afinal de contas um bom roteiro faz toda a diferença do mundo.

Assim ele acerta novamente ao atuar nessa nova produção. O enredo é muito bom, envolvente até, mostrando uma pessoa que não consegue controlar seu vício em apostas. Embora seja um jogador talentoso, daqueles que conseguem ganhar altas somas em apenas algumas horas, ele tem um sério problema pois simplesmente não consegue parar na hora certa. Viciado em adrenalina também comete grandes loucuras ao apostar fortunas em apenas uma jogada decisiva. Com atitudes assim não é de se admirar que acabe invariavelmente arruinado no fim da noite. Sua salvação parece vir de onde menos se espera. Ele se surpreende pelo talento literário de uma nova aluna, Amy Phillips (interpretada pelo bonita e carismática Brie Larson), que pode ser o caminho para um recomeço em sua vida. O elenco de apoio é de primeira, a começar pela oscarizada Jessica Lange. Ela interpreta sua mãe, uma mulher que precisa salvar de tempos em tempos o seu pescoço, justamente por ele quase sempre ser ameaçado de morte por dívidas com gangsters. Lange poderia ter sido melhor aproveitada pelo roteiro, mas sua pequena presença já vale o ingresso. Outro boa participação vem com o ator John Goodman. Sempre visto como bom comediante, Goodman surpreende ao interpretar um agiota que acaba tendo os melhores diálogos de todo o filme. Sua explicação sobre o momento em que todos ganham o direito de usar a palavra "dane-se" é muito bem bolada. Então é isso, o que temos aqui é um bom filme, apoiado em um roteiro bem escrito, excelente trilha sonora com várias canções dos anos 70 e atuações inspiradas. Indicado ao Black Reel Awards na categoria de Melhor Ator Coadjuvante (Michael Kenneth Williams). / O Apostador (The Gambler, EUA, 2014) Direção: Rupert Wyatt / Roteiro: William Monahan, James Toback / Elenco: Mark Wahlberg, Jessica Lange, John Goodman, Michael Kenneth Williams, George Kennedy.

Pablo Aluísio. 

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Poltergeist - O Fenômeno

Título no Brasil: Poltergeist - O Fenômeno
Título Original: Poltergeist
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos
Estúdio: Metro-Goldwyn-Mayer (MGM)
Direção: Gil Kenan
Roteiro: David Lindsay-Abaire, Steven Spielberg
Elenco: Sam Rockwell, Rosemarie DeWitt, Jared Harris, Kennedi Clements
  
Sinopse:
Após o marido perder seu emprego, uma típica família americana resolve se mudar, indo morar em uma casa mais modesta nos subúrbios da cidade. Embora velha e nem sempre apresentando um bom estado, eles resolvem alugar o imóvel, ignorando completamente que a residência foi construída sobre um velho cemitério. Assim que se instalam no novo lar começam a notar que há algo de estranho acontecendo. A pequena filha começa a ter conversas com seres imaginários na TV e o filho percebe ruídos e barulhos estranhos vindos do sótão. Não demora muito e o pavor se instala quando todos percebem que o lugar na realidade parece ser assombrado por uma multidão de fantasmas violentos.

Comentários:
O primeiro filme "Poltergeist" de 1982 é hoje considerado um clássico do terror. Produzido por Steven Spielberg, com direção de Tobe Hooper, a produção marcou toda uma geração e foi um enorme sucesso de bilheteria. Esse remake que tenta trazer aquela história para as novas gerações sofre de um problema recorrente em remakes modernos: a falta de uma maior sofisticação em sua realização. Não se trata de esnobismo, mas sim de saber que filmes de terror funcionam melhor quando o enredo é mais bem trabalhado, desenvolvido sem pressa, com momentos de tensão e suspense sendo colocados na tela aos poucos, tudo preparando o espectador para o grande clímax final. Nenhum filme de horror que se propõe a ser direto demais consegue colher bons frutos. Nesse filme encontramos isso de forma bem clara. A duração é pequena, pouco mais 80 minutos de duração, o que faz com que a história seja apresentada de forma apressada, corrida mesmo. Não há tempo para se insinuar nada, nem criar mistérios. Tudo é literalmente jogado na cara dos espectadores em questão de minutos. Sem o clima adequado o horror não consegue criar medo suficiente, frustrando completamente o público. Afinal de contas as pessoas pagam uma entrada de cinema para assistir a um filme de terror para sentir medo e ter sustos. Aqui, na maioria das cenas, o que vai se sentir mesmo é muito tédio e desapontamento. O que no roteiro original era bem trabalhado, sendo desvendado aos poucos, aqui soa direto demais. Isso me surpreendeu já que "Poltergeist" é uma franquia de sucesso, o que nos levaria a esperar por algo mais bem realizado, mais bem escrito. Tudo em vão. O filme em momento algum me deixou satisfeito. O pior é que sendo um fã dos filmes originais logo a decepção tomou conta. Há várias modificações na trama original, com a inserção inclusive de novos personagens e novas soluções, mas nada disso consegue soar melhor do que vimos na década de 80. O personagem de Jared Harris, por exemplo, que inexistia no filme de Hooper, não diz a que veio e lembra demais do Peter Vincent de "A Hora dos Espanto" original. Ao invés da médium carismática da trama original inseriram um bando de acadêmicos de paranormalidade que não ajudam em nada no filme. São chatos e inúteis em tudo o que acontece. Não há religiosidade nenhuma no argumento, só um ateísmo disfarçado e tolo que incomoda bastante. Os personagens não parecem acreditar em absolutamente nada, para nossa decepção. Isso tira grande parte da graça que uma história como essa poderia ter. É tudo muito asséptico e chato mesmo. O resultado de todos esses erros é que a fita acabou não indo bem nas bilheterias, sendo que o mercado internacional amenizou um pouco o tremendo fracasso comercial que o filme foi nos Estados Unidos. Esse mal resultado é apenas um aspecto ruim de um remake que deixa muito a desejar em vários pontos (roteiro, efeitos visuais, elenco, etc). É a tal coisa, se não vai fazer algo melhor do que foi feito no passado é melhor não se mexer em nada, deixar tudo como está. A busca pelo lucro fácil muitas vezes acaba prejudicando ou destruindo o prestígio de filmes que são cultuados até hoje.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 19 de julho de 2015

No Rastro da Bala

Nick Tortano (Ben Barnes) descende de uma antiga linhagem de mafiosos italianos de Boston. Seu pai é um homem honesto e correto que prefere viver com dificuldades, mas de acordo com a lei. Nick porém quer subir mais rápido na vida. Para isso ele acaba se aproximando do velho chefe mafioso Salvatore Vitaglia (Harvey Keitel). O veterano gosta de seu estilo, mas antes de entrar para a sua organização Nick terá que provar sua lealdade assassinando um advogado criminal. Enquanto o dia de sua prova de fogo não chega, Nick acaba se interessando por Ali Matazano (Leighton Meester), a filha de um gangster que deseja manter a maior distância possível do mundo do crime. Alguns filmes são tão subestimados, mesmo sendo tão bons. Veja o caso desse "By the Gun". Passou praticamente despercebido do público brasileiro, o que é uma pena. O roteiro é bom mesmo, com personagens interessantes que vivem no submundo de Boston dentro do que restou da máfia italiana na cidade. Como se sabe a Cosa Nostra sofreu um duro golpe nos anos 80. Os grandes chefões das famílias poderosas foram todos para a prisão ou então acabaram sendo mortos por seus próprios inimigos. O que sobrou foi a existência de pequenos grupos, liderados por chefes mafiosos de menor expressão. É nesse meio que tenta ganhar a vida Nick Tortano (Ben Barnes). Tentando subir na hierarquia do crime, ele acaba percebendo que em pouco tempo pode se complicar, indo bem fundo nesse meio de violência e criminalidade. Na realidade ele é até um sujeito de boa índole que acaba sendo tragado pelo meio social onde vive.

O ator Ben Barnes que interpreta o personagem principal se sai muito bem em sua atuação, até porque não é fácil para um inglês interpretar um americano de origem italiana que convive com todos os tipos de mafiosos locais. É uma mudança e tanto nos rumos de sua carreira já que até agora ele vinha interpretando tipos mais sofisticados como o próprio Dorian Gray na adaptação cinematográfica de 2009. Outro nome que chamará a atenção dos espectadores, em especial dos que curtem séries, é a da atriz Leighton Meester (a Blair Waldorf de "Gossip Girl"). Deixando de lado o estilo fashion de sua personagem mais famosa ela aqui interpreta a filha de um gangster que tem um péssimo relacionamento com o pai. Vivendo de forma modesta, em um bar local servindo bebidas aos clientes, ela parece mesmo ser um doce de garota. Tentando ficar longe de criminosos ela acaba caindo numa armadilha ao se apaixonar por Nick (Barnes), justamente mais um sujeito que em breve estará bem enrascado com as famílias poderosas da cidade. Por fim, completando o bom elenco, temos o veterano Harvey Keitel na pele do chefão Salvatore Vitaglia. Mafioso da velha escola, ele faz questão de manter vivo velhos rituais da organização, como uma cerimônia de iniciação de seu pupilo Nick. Em suma, um bom filme sobre mafiosos sicilianos da bela Boston que seguramente deveria ter sido mais comentado e badalado. Recomendo sem receios. / No Rastro da Bala (By the Gun, EUA, 2015) Direção: James Mottern / Roteiro: Emilio Mauro / Elenco: Ben Barnes, Leighton Meester, Harvey Keitel, Slaine.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Terra Estranha

Depois de um escândalo sexual envolvendo a própria filha adolescente e o seu professor do ensino médio, uma família decide se mudar para uma cidadezinha isolada, bem no meio do deserto australiano. O lugar é atrasado e possui um clima insuportavelmente quente. A instabilidade emocional acaba sendo agravada pela própria hostilidade natural da região. A vida familiar não é das melhores, mesmo na nova casa. Há uma tensão sempre presente envolvendo todos os membros. A filha Lily Parker (Maddison Brown) não suporta mais o que ela considera pura opressão de seus pais e por isso desenvolve uma personalidade muito complicada de se lidar. Não demora muito e ela começa a se insinuar para todos os rapazes de sua idade, o que acaba lhe trazendo uma má fama entre os jovens da cidade. Em pouco tempo ela ganha o infame rótulo de vadia do bairro. Para piorar frequenta uma pista de skate onde rola muitas drogas e sexo casual. O pai Matthew (Joseph Fiennes) é um pacato funcionário de uma farmácia e não tem muita força para impor uma disciplina mais rígida em relação a ela e o filho caçula é um garoto com problemas emocionais, sem amigos, absorvido em si mesmo. Como se a rotina já não fosse ruim e pesada o bastante a família enfrenta um novo problema, esse bem maior do que qualquer outra complicação de relacionamento pessoal entre seus membros. Pela manhã, ao acordar, a mãe Catherine (Nicole Kidman) descobre que seus filhos simplesmente desapareceram, sem deixar rastros. Desesperada, ela busca ajuda com o xerife local e intensas buscas são organizadas para localizar os jovens pela região deserta ao redor da cidade, mas tudo parece ser em vão. Os moradores da cidade tampouco parecem também dispostos a ajudar na solução do mistério, o que aumenta ainda mais o desespero de Catherine. O que afinal de contas poderia ter acontecido com seus filhos?

Esse é o mais novo filme estrelado pela atriz Nicole Kidman. É uma produção australiana, país onde ela cresceu e considera seu lar, apesar de ser havaiana de nascimento. O roteiro explora o tema do desaparecimento de crianças, algo que é muito mais comum e rotineiro do que muitas pessoas pensam. Obviamente que a perda de um filho, sem saber de seu paradeiro ou destino, é devastador para qualquer mãe. O pior acontece quando a jovem garota adolescente (sempre uma fase complicada na vida de toda garota) tem sérios problemas emocionais causadas por um envolvimento impróprio com seu professor na escola, algo que destruiu sua reputação entre seus amigos, criando uma situação tão ruim que a família precisou até mesmo mudar de cidade. A família mostrada é desfuncional e cheia de problemas. O próprio passado da mãe, Catherine (Kidman), parece piorar ainda tudo, pois o pai associa o comportamento promíscuo da filha com a dela em seu passado. Kidman está muito bem no papel, uma mulher que começa a entrar em colapso quando percebe que sua família está desmoronando. Ela inclusive tem cenas bem corajosas, como aquela em que entra bem no meio da rua principal da cidade completamente nua e com os nervos em frangalhos após passar a noite no deserto numa busca desesperada e sem rumo pela filha. Com cabelos escuros, pintados de preto, ela consegue ainda ficar mais bela na tela, embora sua personagem não seja naturalmente sensual ou atraente, isso por causa do próprio roteiro que explora dramaticamente a perda de seus filhos. O final do filme pode vir a decepcionar alguns, principalmente aos que esperavam uma solução muito mais bem elaborada do mistério do desaparecimento dos jovens. Esse aspecto porém não me pareceu negativo, muito pelo contrário. Gostei do desfecho mais realista, pé no chão e que no final das contas faz todo o sentido. A proximidade com a realidade contou pontos a favor do roteiro e não o contrário. Muitas vezes a vida em família se torna insuportável, o que faz certas pessoas tomarem atitudes impensadas e irresponsáveis. Assim temos aqui um bom drama, bem escrito e atuado, que merecerá sua atenção.

Strangerland (Idem, Austrália, Irlanda, 2015) Direção: Kim Farrant / Roteiro: Michael Kinirons, Fiona Seres / Elenco: Nicole Kidman, Hugo Weaving, Joseph Fiennes, Maddison Brown / Sinopse: Após ir para uma nova cidade em busca de uma nova vida, uma família fugindo do escândalo sexual da filha adolescente que se envolveu com seu professor no passado, precisa lidar com o desaparecimento dela e do irmão. Para investigar o caso o xerife local David Rae (Hugo Weaving) começa intensas buscas pelo deserto, ao mesmo tempo em que procura sondar o que teria acontecido dentro da própria família antes dos filhos desaparecerem.

Pablo Aluísio. 


domingo, 12 de julho de 2015

Casanova / Terra Fria

Casanova
Sinceramente falando não consegui gostar da proposta desse filme "Casanova". Como o próprio título já deixa claro, o roteiro mostra aspectos da vida do famoso conquistador Giacomo Casanova (1725 - 1798), lendário amante italiano que se tornou imortal por causa da extensa bibliografia que foi escrita sobre sua vida ao longo de anos e anos. O problema básico dessa nova versão foi a sempre lamentável tentativa de se mudar um homem que viveu no século XVIII para os valores atuais. Essa modernização acabou descaracterizando todo o personagem. Não que o ator Heath Ledger não fosse talentoso, muito longe disso, apenas não era o papel adequado a ele naquele momento de sua carreira. Ledger não se adaptou bem, não demonstrando ter qualquer tipo de ligação com os modos e a forma de ser de uma pessoa que viveu naquela época. Ao invés disso passa a sensação constrangedora de que é apenas um australiano do século XX vestindo roupas de época, como se fossem meras fantasias, enquanto tenta criar algum processo de identificação com sua pífia atuação. Pior é o uso inadequado de uma direção de arte bonita, mas imprópria para os objetivos do filme. Assim acabaram matando o próprio legado de Casanova, um sujeito amoral e dado a conquistas vazias, tudo para satisfazer seu ego faminto. Nesse roteiro o lado mau caráter de Giacomo foi varrido para debaixo do tapete, surgindo no lugar um dândi romântico bonzinho, tipicamente de romances do século XIX, algo que o verdadeiro Casanova jamais foi. Erraram tudo por um século de diferença! Em suma, misturaram escolas literárias e épocas diversas, confundindo a essência de personagens de obras da literatura bem diferentes entre si. Diante de tantos erros o filme realmente não teve salvação. / Casanova (Casanova, EUA, 2005) Direção: Lasse Hallström / Roteiro: Jeffrey Hatcher, Kimberly Simi / Elenco: Heath Ledger, Sienna Miller, Jeremy Irons, Lena Olin.

Terra Fria
Não adianta. Algumas atrizes são tão bonitas que nem em histórias trágicas e sofridas se consegue retirar sua beleza para fora das telas. Charlize Theron sempre foi uma das mais belas do cinema atual. Tentando fugir desse rótulo ela andou procurando por roteiros mais desafiadores, que a tirassem desse modelo de beleza vazia que andava sondando sua filmografia. Afinal esse é de certa forma um estigma que acompanha muitas atrizes e atores. Eles temem que sem o devido reconhecimento por seu trabalho dramático sejam esquecidos após os anos lhes retirarem sua estética. Afinal de contas um rosto bonito só dura mesmo alguns poucos anos. Nesse "North Country" Charlize Theron interpreta Josey Aimes. Ela é uma mãe solteira que precisa trabalhar para criar seus dois filhos. De volta à terra natal, em Minnesota, tudo o que consegue arranjar é um emprego duro nas minas da região. O trabalho é pesado, mas o salário minguado pelo menos coloca a comida sobre a mesa e para ela isso é tudo o que importa no momento. O problema é que ela, por ser uma bela mulher ainda, acaba sendo vítima de assédio sexual de seus próprios superiores no emprego. A partir daí a coisa foge do controle e sua história acaba sendo o retrato das dificuldades que as mulheres enfrentam dentro do mercado de trabalho. Um filme muito bom em que Charlize tenta de todas as formas surgir na tela não como uma deusa do cinema, mas sim como uma mulher normal, operária, que tenta ganhar a vida de forma honesta e íntegra. Ela conseguiu. Belo roteiro social que merece passar por uma nova revisão, sempre que possível. Filme indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Atriz (Charlize Theron) e Melhor Atriz Coadjuvante (Frances McDormand). Também indicado ao Globo de Ouro e ao Bafta nas mesmas categorias. / Terra Fria (North Country, EUA, 2005) Direção: Niki Caro / Roteiro: Michael Seitzman, Clara Bingham / Elenco: Charlize Theron, Jeremy Renner, Frances McDormand.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 11 de julho de 2015

Kill Bill: Volume 2 / A Queda!

Kill Bill: Volume 2
Muitos que foram ao cinema assistir a esse filme pensaram equivocadamente que se tratava de uma continuação, uma sequência do primeiro filme. Não é bem assim. Na verdade como o próprio diretor Quentin Tarantino explicaria se tratava na realidade de apenas um filme, dividido em duas partes. A questão é que seu roteiro ficou tão extenso, tão longo e cheio de referências que ficou impossível desenvolver e apresentar tudo em apenas uma parte (ou um volume como pensou o cineasta). Assim temos aqui o final da trama envolvendo a "noiva" (Uma Thurman) e as razões que a fizeram se tornar praticamente uma assassina serial (ou algo que o valha). A trama é secundária, como aconteceu também na primeira parte. Nessa segunda fita há maiores explicações sobre tudo, inclusive com o uso bem realizado de flashbacks. Tudo isso porém não é o mais importante. O que "Kill Bill" tem de melhor é a sua estética cinematográfica, sua apologia em forma de homenagem a filmes do passado e centenas de referências à cultura pop. Tudo fruto do caldeirão de cultura popular que povoa a mente do diretor. O resultado de tudo isso é muito divertido e também muito bem feito. Tarantino sabe como ninguém fazer da paródia descompromissada uma verdadeira obra de arte. Curiosamente a Academia, mais uma vez, resolveu ignorar. Pelo menos o Globo de Ouro ainda lembrou do filme em sua premiação, indicando Uma Thurman ao prêmio de Melhor Atriz - Drama (Drama?!) e David Carradine na categoria de Melhor Ator Coadjuvante (o último grande reconhecimento em sua carreira). / Kill Bill: Volume 2 (Kill Bill: Vol. 2, EUA, 2004) Direção: Quentin Tarantino / Roteiro: Quentin Tarantino / Elenco: Uma Thurman, David Carradine, Michael Madsen, Vivica A. Fox.

A Queda! As Últimas Horas de Hitler
Outro ótimo filme da safra de 2004 foi essa produção alemã chamada "Der Untergang" (A Queda, no Brasil). Durante muitos anos o nazismo foi uma verdadeira ferida aberta na alma do povo alemão. Só depois de décadas é que finalmente foi produzido um grande filme naquele país retratando os momentos finais da vida do ditador Adolf Hitler (interpretado de forma brilhante pelo talentoso ator Bruno Ganz). Em seu bunker, cercado por tropas inimigas soviéticas por todos os lados, prestes a entrar em Berlim, Hitler vê seu outrora magnífico Reich, que deveria durar mil anos, se desfarelar diante de seus olhos. O interessante nesse roteiro, que foi escrito baseado em relatos reais de pessoas que estiveram dentro do covil do lobo ao lado de seu Führer, foi mostrar as reações do infame ditador diante do fim de seus planos megalomaníacos de dominação mundial. O curioso é que Hitler realmente foi até o fim, ao limite, só resolvendo se matar, colocando um fim em sua própria vida, quando as tropas russas estavam praticamente na esquina de seu bunker, o refúgio que era considerado impenetrável pelos líderes nazistas na época. Dando ordens à batalhões de um exército que já não existia mais, por ter sido aniquilado no front de guerra, o ditador não perdia sua insana maneira de enxergar a realidade ao seu redor. Sofrendo de delírios visuais, culpando o povo alemão por sua queda, a quem sentenciou que deveria ser devorado nas chamas do inimigo, "A Queda" explora como poucos filmes a mente de um sujeito que levou milhões de pessoas à morte, em um dos conflitos mais sangrentos da história. Assista e tente entender a loucura que dominou Hitler e seus asseclas durante a II Guerra Mundial. Filme indicado ao Oscar na categoria de Melhor Filme Estrangeiro. Filme vencedor do European Film Awards na categoria de Melhor Ator (Bruno Ganz). / A Queda! As Últimas Horas de Hitler (Der Untergang, Alemanha, Austria, Itália, 2004) Direção: Oliver Hirschbiegel / Roteiro: Bernd Eichinger, Joachim Fest/ Elenco: Bruno Ganz, Alexandra Maria Lara, Ulrich Matthes.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Velozes & Furiosos 7

Começo o texto esclarecendo que nunca fui um "especialista" dessa série de filmes. Para falar a verdade acredito que assisti no máximo a um ou dois. Puxando pela memória eu me recordo de ter visto o primeiro, mais por causa dos carrões envenenados do que pelo elenco (que sabia, era formado por brucutus canastrões) ou pelo roteiro (fala sério, quem vai atrás de roteiro em filmes como esse?). Achei o primeiro filme bem mais ou menos. Não consegui curtir. Havia um excesso de testosterona burra no ar, com aqueles caras fortões e monossilábicos. Até as atrizes eram machonas, com por exemplo a caminhoneira Michelle Rodriguez (que depois, ora vejam só, assumiu ser lésbica, o que não causou surpresa em absolutamente ninguém que acompanha cinema). Então o tempo passou e de vez em quando eu me deparava com algum poster sequência dessa série em cartaz no cinema e o ignorava completamente. Sabia que era tudo caça-níquel. Nem quando esbarrava de bobeira, zapeando na TV a cabo, com algum continuação me animava a conferir. Bastava o troglodita Vin Diesel surgir na tela com aquela marra toda para que eu imediatamente mudasse de canal. Tenho uma antipatia natural pelo seu jeito brutamontes debilóide de ser. Aquela marra, aquelas bombas... sem condições de simpatizar com o dito cujo. 

Então o mundo seguiu em frente. Quando foi ontem resolvi encarar esse sétimo filme. Engoli minhas aversões de lado e fui, incentivado quase que exclusivamente pela curiosidade mórbida de saber que o Paul Walker morreu incinerado em tochas dentro de seu carrão, após um acidente terrível, o que por si só já é uma tremenda ironia de humor negro do destino. Ele assim acabou trilhando o mesmo destino de James Dean, que também adorava carros possantes, dentro e fora das telas. Claro que Walker nunca foi Dean. Ao contrário do eterno rebelde que estrelou filmes maravilhosos, o Walker deixou como legado um monte de fitinhas B de ação que serão esquecidas em tempo recorde. Mesmo assim fui, impulsionado por esse sentimento banal e em muitos aspectos também bem hipócrita.

O filme, como era de se esperar, é do tipo ação sem cérebro. Explosões para todos os lados, cenas muito mentirosas e aquela qualidade técnica que apenas os ianques são capazes de reproduzir em uma tela de cinema. Há duas sequências absurdas que valem a pena. A primeira quando os membros da equipe de Diesel pulam de paraquedas dentro seus próprios carros. Um primor de absurdo! Na outra Paul Walker tenta escapar após um ônibus inteiro ficar pendurado em um abismo! São cenas vazias, claro, porém divertidas.

Por fim o carequinha invocado Jason Statham interpreta o vilão, um sujeito indigesto, hiper, mega, ultra, super treinado soldado de elite que ninguém consegue matar! Coisas de filmes de ação desse tipo. Ao se deparar com vinte homens armados até os dentes, prontos para atirar em sua fuça, tudo o que ele consegue fazer é dizer, com olhar de desprezo: "É só isso o que vocês trouxeram para me enfrentar?". Tudo para que o garoto cheio de espinhas que assistir ao filme pensar consigo mesmo "Uau! Esse cara é macho mesmo!". Depois de 2 horas e 17 minutos de duração (uma eternidade), o filme chegou ao fim com uma singela homenagem do Vin Diesel ao finado Paul Walker. Esses poucos minutos provavelmente foram a melhor coisa de uma fita que parece chiclete, você masca, masca, não sai nada de substancial e depois, sem muita cerimônia, simplesmente o cospe fora. Assista, mas claro, apenas se você gostar de chiclete! / Velozes & Furiosos 7 (Furious Seven, EUA, 2015) Direção: James Wan / Roteiro: Chris Morgan, Gary Scott Thompson / Elenco: Vin Diesel, Paul Walker, Dwayne Johnson, Michelle Rodriguez, Jason Statham.

Erick Steve. 

A Casa dos Mortos

Título no Brasil: A Casa dos Mortos
Título Original: Demonic
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: Dimension Films
Direção: Will Canon
Roteiro: Max La Bella, Will Canon
Elenco: Maria Bello, Frank Grillo, Cody Horn
  
Sinopse:
Uma antiga casa localizada em Baton Rouge, no estado americano da Louisiana, foi palco de um massacre no passado. Na época a polícia suspeitou de que no local funcionava uma seita satânica. No total cinco pessoas foram mortas lá, sem que o crime nunca tenha sido plenamente solucionado. Como era de se esperar a velha casa acabou sendo considerada amaldiçoada e maldita, sendo aos poucos esquecida. Décadas depois da tragédia um grupo de jovens, estudiosos de fenômenos paranormais, decide ir para a casa com equipamento de última geração para tentar gravar ou localizar sinais da presença de espíritos, pois durante anos a comunidade da região criou uma lenda de que o lugar teria ficado mal assombrado após as mortes. O que eles não esperavam era que tudo sairia do controle de uma forma tão rápida e brutal.

Comentários:
Filmes sobre velhas mansões mal assombradas costumam ser bons. Esse aqui não chega a ser um grande filme de terror, mas tampouco pode ser descrito como uma decepção completa, pois de certa forma mantém uma boa pegada, com história interessante e duração na medida, tudo apoiado em um bom roteiro. Esse foi escrito com duas linhas temporais básicas. A primeira se passa no presente quando o xerife da cidade é chamado para uma realizar uma batida na velha casa abandonada. Desde que houve a tragédia no passado ninguém mais se arriscou a morar na residência. A porta da frente havia sido arrombada e gritos vindos de dentro da velha casa despertaram a atenção dos vizinhos que logo chamaram a polícia. Ao chegar lá o veterano homem da lei acaba se deparando novamente com um grupo de corpos de jovens que teriam sido brutalmente assassinados. A partir desse ponto e seguindo os registros deixados pelas próprias vítimas - que estavam com farto equipamento tecnológico para registrar fenômenos paranormais - eles reconstituem, em flashbacks, o que de fato teria acontecido no local. As investigações acabam revelando que um dos rapazes sobreviventes teria um elo de ligação com as mortes no passado. Assim aos poucos o fio da meada começa a ser puxado, revelando tudo o que teria acontecido. A direção é boa, mas também não surpreende. Pelo menos não atrapalha em nenhum momento. O elenco é formado por atores desconhecidos que conseguem dar conta do recado. Como eu já escrevi passa longe de ser um terror brilhante, mas como diversão no fim de noite em uma semana sem mais nada o que assistir, até que funciona muito bem. Vale a pena conhecer.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Sob Pressão

Título Original: Pressure
Título no Brasil:Sob Pressão
Ano de Produção: 2015
País: Inglaterra
Estúdio: Bigscope Films
Direção: Ron Scalpello
Roteiro: Louis Baxter, Alan McKenna
Elenco: Danny Huston, Matthew Goode, Joe Cole, Alan McKenna
  
Sinopse:
Durante uma expedição no Oceano Índico um navio inglês acaba ficando preso com alguma coisa no fundo do mar. Para solucionar o problema um grupo de mergulhadores especializados em altas profundidades é enviado até o local. Através de um submergível eles descem até a região localizada a mais de 400 metros. Uma vez lá são surpreendidos quando uma enorme tempestade atinge seu navio de apoio na superfície. Presos ao fundo, sem ter como submergir e com pouco oxigênio de estoque, os quatro mergulhadores precisam lutar para sobreviverem ao trágico evento.

Comentários:
Ainda sem título no Brasil e data para lançamento, esse filme inglês se mostra bem interessante. Com um estilo que lembra os antigos filmes sobre aventuras subaquáticas, o roteiro mostra a complicada situação em que se encontram mergulhadores cujo navio vem a ser atingido por uma imensa tempestade. Lá no fundo, dentro de um pequeno submergível eles precisam encontrar um meio de sair daquela encruzilhada. A única possibilidade de saírem vivos é alguma outra embarcação os resgatar, contudo como isso parece pouco provável eles precisam elaborar algum plano de salvamento, até porque na profundidade em que se encontram fica praticamente impossível subir por conta própria (a diferença de pressão os mataria rapidamente). Em termos de produção o filme apresenta excelentes cenas de mergulho, principalmente na região abissal em que se encontram, com estranhos seres e pouca visibilidade. No meio de uma enorme escuridão, equipados apenas com seus aparelhos mais básicos, eles precisam encontrar um meio de subir à superfície novamente. Os quatro mergulhadores são bem trabalhados pelo roteiro. Reclusos naquelas fossas oceânicas eles começam a literalmente perder sua cabeça e sanidade. O intoxicamento causado pelos gazes que os mantém vivos também causam todo tipo de alucinação e numa delas o mais jovem dos membros da tripulação delira ao ver uma sereia vindo em sua direção. Em suma, uma aventura muito interessante e muito bem fotografada que mostra os limites dos seres humanos sendo colocados à prova.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 7 de julho de 2015

O Exterminador do Futuro - Gênesis

Título no Brasil: O Exterminador do Futuro - Gênesis
Título Original: Terminator Genisys
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Alan Taylor
Roteiro: Laeta Kalogridis, Patrick Lussier
Elenco: Arnold Schwarzenegger, Jason Clarke, Emilia Clark, Jai Courtney, J.K. Simmons
  
Sinopse:
No futuro o líder rebelde John Connor (Jason Clarke) decide enviar seu amigo e companheiro de armas Kyle Reese (Jai Courtney) para o passado com a missão de proteger sua mãe, Sarah Connor (Emilia Clarke). A Skynet teria enviado um exterminador a 1984 com a missão de matá-la, evitando assim que o futuro líder da resistência humana contra as máquinas pudesse nascer. Uma vez no passado Kyle descobre que tudo o que ele esperava encontrar foi alterado mais uma vez por causa do envio de uma outra máquina ainda mais distante no tempo, o que acabou mudando completamente a linha temporal no qual está inserido.

Comentários:
Ao custo de 150 milhões de dólares esse novo filme da saga "Terminator" não tem correspondido às expectativas. Além de estar indo mal nas bilheterias americanas esse retorno de Arnold Schwarzenegger ao papel que o consagrou no passado também tem despertado muitas críticas negativas, tanto do público como das publicações especializadas em cinema. A mais recorrente delas diz respeito ao roteiro truncado e em muitos aspectos completamente sem sentido. Não faltam espectadores reclamando que pouco entenderam da trama do filme. Se você se enquadra entre eles não precisa ficar preocupado ou com sensação de não ter prestado a devida atenção em tudo o que acontecia em cena. O fato é que o roteiro é mal escrito mesmo. Tentando colocar ordem cronológica em algo tão confuso os roteiristas só conseguiram mesmo dar um nó na mente de grande parte do público. A sensação que temos foi a de que tiveram ideias demais para a curta duração do filme e ao tentarem juntar tudo em um só roteiro a coisa ficou indigesta e em muitos aspectos inexplicável. Mesmo para os que são fãs da série o novo filme parece ter ultrapassado todos os limites do bom senso narrativo. Um deles é a quantidade absurda de pontas soltas e perguntas sem resposta! Só para citar um exemplo: podemos questionar quem teria enviado o primeiro Exterminador, aqui conhecido carinhosamente por Sarah como "papi". De onde ele veio? Quem o enviou? Qual seria seu objetivo verdadeiro? Ninguém responde e nem mesmo os roteiristas parecem ter alguma explicação para essas perguntas. Pior é o surgimento de uma multidão de personagens secundários sem a menor importância e as estranhas explicações sem sentido que são jogadas sem qualquer sutileza para o público digerir. Atores excelentes como J.K. Simmons tem poucas linhas de diálogo e na grande maioria das cenas se limita a sair correndo de um lado para o outro. Os efeitos especiais, que deveriam ser o cartão de apresentação principal do filme, também pouco impressionam. O exterminador T-1000 não é novidade nenhuma desde o segundo filme da franquia. A única boa ideia em termos de roteiro parece ter sido transformar um dos antigos mocinhos dos filmes anteriores em um dos vilões mais interessantes desse novo filme. Fora isso é um deserto de boas inovações. O que acaba salvando em termos o filme é algumas poucas boas presenças no elenco, com destaque para Emilia Clarke como Sarah Connor. Com um visual diferente do que estamos acostumados a ver na série "Game of Thrones" ela pouca lembra de sua personagem Daenerys Targaryen. Com boa presença de cena e o estilo de atuação certa, ela acaba amenizando em muito o descontentamento geral em relação ao filme como um todo. Pena que com um roteiro ruim desses pouca coisa pode ser salva. A conclusão final a que chegamos é a de que "Terminator Genisys" prova mais uma vez que muitas vezes ideias complexas demais nem sempre resultam em uma boa diversão. De todos os filmes anteriores da série esse só não consegue ser pior do que o terceiro, "O Exterminador do Futuro 3: A Rebelião das Máquinas", que curiosamente trazia Arnold Schwarzenegger em vias de se aposentar na época para emplacar uma nova e promissora carreira política. Se formos nos basear em filmes como esse novo Exterminador para celebrar seu retorno ao cinema então seria melhor que ele continuasse aposentado mesmo.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Maggie - A Transformação

Título no Brasil: Maggie - A Transformação
Título Original: Maggie
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos
Estúdio: Lionsgate, Grindstone Entertainment
Direção: Henry Hobson
Roteiro: John Scott 3
Elenco: Arnold Schwarzenegger, Abigail Breslin, Joely Richardson
  
Sinopse:
O mundo passa por uma terrível ameaça. Descoberto há poucos anos um novo tipo de vírus começa a tomar conta da natureza. Plantações precisam ser destruídas para evitar novas contaminações e pessoas começam a ser infectadas por esse novo tipo de doença desconhecida pela ciência. Para os que são atingidos pelo mal não há muito o que fazer a não ser entrar em quarentena, esperando por uma nova cura que parece nunca chegar. Não há salvação à vista e os sintomas praticamente deixam o infectado com os modos e a aparência de um zumbi. Para Wade Vogel (Arnold Schwarzenegger) a situação é ainda mais desesperadora uma vez que ele descobre que sua própria filha adolescente Maggie (Abigail Breslin) está com a nova peste. Determinado a não levá-la para um abrigo do governo, Wade decide ficar ao seu lado, em sua fazenda, enquanto testemunha sua gradual degradação que aos poucos vai transformando a antes bela jovem em um ser repugnante, sedento por carne humana.

Comentários:
Filme de apocalipse Zumbi com Arnold Schwarzenegger? Praticamente isso mesmo. O enredo se desenvolve em um futuro próximo quando o personagem de Schwarzenegger precisa lidar com um terrível drama familiar ao descobrir que sua própria filha Maggie (Breslin) estaria contaminada com esse novo e devastador vírus que transforma todos os infectados em zumbis devoradores de carne humana. Obviamente que o espectador vai ligar imediatamente o roteiro desse filme ao da série de sucesso "The Walking Dead". Sim, há zumbis e um clima de destruição no ar. As cidades parecem desertas e as autoridades não sabem o que fazer com a situação calamitosa. As semelhanças porém param por aí. A trama procura explorar e desenvolver o drama pessoal do pai em desespero Wade (Schwarzenegger), não abrindo praticamente nenhum espaço para uma história cheia de ação, violência e reviravoltas mirabolantes. Isso de certa maneira pode vir a decepcionar os fãs de Arnold Schwarzenegger, já que ele construiu toda a sua carreira em cima de filmes violentos de ação. Muitos inclusive vão esperar que ele vá empunhar uma escopeta em todas as cenas para estourar os miolos dos zumbis que venha a encontrar pela frente. Desista, isso não acontecerá nesse filme. Ao invés disso o diretor Henry Hobson optou por desenvolver e explorar as angústias de um pai vendo sua filha adolescente sendo tomada gradualmente aos poucos por esse terrível mal. Embora seja aconselhado por todos (médicos e os policiais da cidade) a mandar ela com urgência para um lugar de quarentena determinado pelo Estado ele resiste, querendo ficar ao lado dela até o fim. No fundo é uma história de amor entre pai e filha. O veterano durão Schwarzenegger até mesmo deixa cair algumas lágrimas pelo rosto em um momento crucial do enredo, imagine você! O problema é que apesar de todas as suas boas intenções a doença rapidamente começa a tomar conta da jovem, fazendo com que ela aos poucos vá perdendo o contato com a realidade, sendo tomada por infectas feridas negras por todo o corpo, além de uma indisfarçável atração e gosto por carne humana. Conforme o tempo passa a fome vai se tornando cada vez mais presente e insuportável de resistir. Isso tudo vai acontecendo aos poucos. O ritmo é lento, contemplativo e com poucas cenas de ação (na verdade há apenas uma, bem tímida e discreta que não chega a fazer qualquer diferença). Fora isso tudo o que você encontrará pela frente é realmente a história de um pai fazendeiro que fica destruído emocionalmente por causa do estado de saúde cada vez mais deteriorado de sua própria filha. Quem poderia imaginar que um dia o brucutu Arnold Schwarzenegger iria estrelar um filme tão sensível como esse?

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 5 de julho de 2015

A Maldição da Selva / O Enigma do Horizonte

A Maldição da Selva
Joseph Conrad (1857 - 1924) publicou "Heart of Darkness" em 1899. O enredo parecia ser simples, porém Conrad usou isso apenas como um mero pretexto narrativo. Na verdade seu texto mostrava os meandros de uma mente perturbada e ia fundo no lado mais sombrio da alma humana. Setenta anos depois que foi publicada pela primeira vez a obra acabou ganhando grande popularidade quando serviu de base para o roteiro do clássico "Apocalypse Now" de Francis Ford Coppola. Não foi uma adaptação fiel, já que o cineasta resolveu transpor a trama para o contexto histórico da Guerra do Vietnã. Claro que em termos de grandiosidade o filme de Coppola é irrepreensível, ainda mais por trazer um Marlon Brando sobrenatural em sua atuação. A questão é que ficou por muitos anos a vontade de conhecer melhor a obra original, numa adaptação mais fiel do livro de Conrad. É justamente isso que esse filme se propôs a realizar. O diretor veterano Nicolas Roeg resolveu retirar todas as partes inseridas por Coppola para filmar a história tal como foi escrita no século XIX. Assim saiu o quadro do Vietnã e entra o da África selvagem. A base do enredo segue sendo a mesma, a busca por um homem que teria literalmente enlouquecido no meio da selva. O estranho personagem Kurtz agora é interpretado pelo também excelente ator John Malkovich que obviamente jamais poderia ser comparado a Brando. É um filme por demais interessante, até como forma de conhecer melhor a história como foi originalmente concebida e criada. A sensação que fica após a exibição é a de que sem dúvida o material original é muito bom e interessante, contudo a colaboração e a genialidade de Coppola realmente fez toda a diferença do mundo no clássico filme que assinou em 1979. Isso só veio mesmo a comprovar que ele sempre foi um gênio da sétima arte. Filme indicado ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Ator (John Malkovich). Também indicado ao Screen Actors Guild Awards na mesma categoria. / A Maldição da Selva (Heart of Darkness, EUA, 1993) Direção: Nicolas Roeg / Roteiro: Benedict Fitzgerald / Elenco: Tim Roth, John Malkovich, Isaach De Bankolé.

O Enigma do Horizonte
Uma equipe de resgate é enviada até os confins do universo para investigar uma nave espacial que havia sido tragada por um buraco negro no passado, mas que agora ressurgia novamente, de forma inesperada, praticamente do nada, trazendo algo ou alguma coisa desconhecida pela ciência humana a bordo. O diretor Paul W.S. Anderson nunca foi de realizar filmes banais, que não tivessem algum tipo de originalidade em relação ao seu gênero cinematográfico mais tradicional. Aqui, seguindo a tradição de sua filmografia, também procurou realizar algo diferente. Claro que em se tratando de ficção sempre teremos como referência máxima o clássico de Stanley Kubrick, "2001 - Uma Odisséia do Espaço". "Event Horizon" assim não consegue escapar dessa obra prima do gênero e traz vários elementos do famoso clássico para o roteiro dessa produção, mas claro que tudo com um pouco menos de sucesso do ponto de vista artístico. Mesmo assim é um filme bem interessante, bem escrito e com ótima direção de arte. Os efeitos especiais também estão a serviço do roteiro e não o contrário como costumeiramente acontece nesse tipo de filme. Boa diversão que consegue até resistir bravamente ao tempo, algo que também sempre atinge filmes de ficção em geral. O passar dos anos costuma ser desastroso para o estilo Sci-Fi. / O Enigma do Horizonte (Event Horizon, EUA, 1997) Direção: Paul W.S. Anderson / Roteiro: Philip Eisner / Elenco: Laurence Fishburne, Sam Neill, Kathleen Quinlan.

Pablo Aluísio.

Eles Existem

Título no Brasil: Eles Existem
Título Original: Exists
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Lionsgate Films
Direção: Eduardo Sánchez
Roteiro: Jamie Nash
Elenco: Samuel Davis, Dora Madison Burge, Roger Edwards
  
Sinopse:
Um grupo de jovens amigos texanos resolve passar um fim de semana na casa de caça do tio de um deles. A cabana é localizada numa floresta isolada e de difícil acesso. Na região existem muitos rumores sobre aparições inexplicáveis de estranhas criaturas, um tipo de primata ainda não conhecido pela ciência, o que acabou alimentando por décadas a lenda do Sasquatch, ou como é mais conhecido, Pé-grande. Para aquela turma porém isso tudo não passaria de uma grande bobagem, fruto de crentices de gente caipira. Durante a viagem para a cabana porém seu carro acaba atropelando por acidente um tipo de animal que eles não conseguem localizar depois. O evento acabará desencadeando o sentimento de vingança de uma besta misteriosa que colocará em risco a vida de todos eles.

Comentários:
Não adianta reclamar muito, o estilo mockumentary ao que tudo indica veio para ficar, principalmente no gênero terror. A ideia, como todos sabem, é mostrar imagens amadoras, feitas pelos próprios protagonistas das histórias. Aqui um dos rapazes do grupo de jovens que vai curtir um fim de semana numa cabana distante na floresta começa a gravar tudo, até que começa a perceber que a lenda do Pé-grande pode ter algum fundo de verdade. O filme assim pode ser definido na seguinte frase: "A Bruxa de Blair encontra o Sasquatch". É basicamente isso, um falso documentário elaborado com cenas amadoras que mostra o ataque de um monstro desconhecido contra um grupo de jovens isolados e encurralados numa cabana de caça bem no meio do nada, numa floresta distante do Texas. Uma vez que se passe por cima da aversão da própria maneira de ser de um mockumentary típico, o espectador até poderá se divertir com a proposta do roteiro. A forma como o bicho é explorado bem que se mostra inteligente até. Primeiro mostrando apenas sons vindos da floresta, depois com aparições esporádicas até o clímax final. O design do monstro segue o estilo mais clássico que já conhecemos, sem grandes inovações. O diretor poderia ter explorado melhor os ataques noturnos, mas até que se sai bem com cenas rodadas com sol a pique. Embora seja uma das criaturas mais famosas da Criptozoologia (o estudo de espécies animais lendárias, mitológicas, hipotéticas ou folclóricas), o fato é que existem poucos filmes de terror por aí que explorem o Sasquatch. Puxando pela memória só me recordo agora de um clássico de terror dos anos 1950 chamado "O Abominável Homem da Neve" de Val Guest. Fora isso realmente a filmografia explorando o Pé-grande é escassa mesmo. Assim pelo menos temos uma boa justificativa para conferir esse "Eles Existem", que se não chega a ser uma obra prima pelo menos diverte o fã desse estilo de produção. 

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Kill Bill: Volume 1 / Matadores de Velhinhas

Kill Bill: Volume 1
Quando era apenas um adolescente duro e nerd, o futuro diretor Quentin Tarantino trabalhou por bastante tempo em uma locadora no bairro onde morava. Para quem é jovem demais para saber o que é uma locadora de vídeo, bem... era um lugar bem bacana onde você alugava fitas de um sistema chamado VHS para assistir em casa. A era da internet, dos canais a cabo e tudo mais praticamente acabou com esse mundo. A velha locadora de vídeo virou algo tão ultrapassado como uma máquina de escrever! Pois bem, o mais interessante em trabalhar em uma locadora era que você tinha acesso a um acervo enorme de filmes que poderia assistir a qualquer momento. Foi assim mesmo que Tarantino conseguiu cultivar uma tremenda cultura pop. Nesse "Kill Bill" ele resolveu jogar tudo isso em apenas um filme. Na realidade o roteiro dessa produção nada mais é do que uma longa homenagem do cineasta para aqueles filmes podreiras que ficavam anos pegando poeira nas prateleiras. Produções vagabundas de artes marciais, filmes de faroeste italianos que ninguém conhecia (só o próprio Tarantino) e todo tipo de underground cinematográfico que você possa imaginar. O que fez Tarantino foi apenas pegar tudo isso que ele assistiu por anos e anos, embalar em um embrulho chique e cult e... voilá! Eis o produto nerd por excelência. O fato é que não importa que esse rocambole seja muito superstimado por certos críticos de cinema pelo mundo, o que vale mesmo é saber que a fita, o enredo e o desenvolvimento da trama são divertidíssimos! É o tipo de filme que você não deve encarar com seriedade ou reverência, muito pelo contrário, você tem que conferir procurando se divertir o máximo possível com a mente insana do diretor. Assista com um balde de pipoca e uma Coca-Cola dois litros de lado e desligue o cérebro. Garanto que a diversão estará garantida! Filme indicado ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Atriz (Uma Thurman). / Kill Bill: Volume 1 (Kill Bill: Vol. 1, EUA, 2003) Direção: Quentin Tarantino / Roteiro: Quentin Tarantino / Elenco: Uma Thurman, David Carradine, Daryl Hannah, Lucy Liu, Michael Madsen, Vivica A. Fox.

Matadores de Velhinhas
Outro filme que foi ao passado para pegar material de reciclagem. "The Ladykillers" é o remake de um filme homônimo, clássico do humor negro inglês, estrelado pelo grande Alec Guinness! O roteiro é saborosamente dark, porém faltou aos americanos aquele típico nonsense britânico que ninguém sabe realmente imitar com perfeição. Veja o caso de Tom Hanks no papel do "professor" G.H. Dorr. Ele imprimiu um tom cartunesco ao personagem, cheio de caras e bocas, caretas e expressões forçadas. Não se via isso no original. A situação absurda que move toda a trama, onde um bando de ladrões finge ser um grupo sofisticado de música clássica ensaiando, não rende tão bem e nem é tão divertido como na comédia original. Tudo bem que Tom Hanks jamais será Alec Guiness, mas um pouquinho mais de leveza cairia bem em sua atuação. Outro ponto que não soa muito bem vem da direção dos esquisitos Ethan Coen e Joel Coen. Eles são bem melhores em filmes tão estranhos como eles próprios. "The Ladykillers" tem um roteiro básico, ideal para um tipo de cinema que já não mais existe e nada tem a ver com o universo de seus filmes anteriores. Ethan e Joel são certamente cineastas talentosos, profissionais que merecem todo o respeito e admiração, mas aqui não há como fugir, fizeram seu filme mais fraco. Apesar de boa direção de arte e algumas novidades que acabaram dando certo o fato inegável é que se formos mesmo comparar essa nova versão com a antiga chegaremos na conclusão incômoda que é realmente uma adaptação pálida do que já foi feito no passado. Remakes são complicados e quando não se acerta a mão direito a coisa fica ainda mais embaraçosa. Filme vencedor do Cannes Film Festival na categoria de Melhor Atuação (Irma P. Hall) / Matadores de Velhinhas (The Ladykillers, EUA, 2004) Direção: Ethan Coen, Joel Coen / Roteiro: Ethan Coen, Joel Coen / Elenco: Tom Hanks, Marlon Wayans, Irma P. Hall.

Pablo Aluísio.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Tracers

Título no Brasil: Tracers
Título Original: Tracers
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos
Estúdio: Lionsgate
Direção: Daniel Benmayor
Roteiro: Leslie Bohem, Matt Johnson
Elenco: Taylor Lautner, Marie Avgeropoulos, Adam Rayner
  
Sinopse:
Depois da morte dos pais, o jovem Cam (Taylor Lautner) faz o que é possível para sobreviver. De dia entrega correspondência em Nova Iorque com sua bicicleta. De noite tenta recuperar o velho carro que seu pai lhe deixou. Morando numa garagem que mal consegue pagar o aluguel, a vida não é nada fácil para ele. Durante um dia no trampo ele acaba conhecendo um grupo de jovens que praticam parkour pela cidade. Imediatamente ele acaba ficando interessado no estilo de vida deles e na adrenalina que esse esporte radical proporciona aos seus praticantes. Precisando de grana urgente, que deve a um criminoso de Chinatown, Cam acaba também aceitando fazer parte de alguns trabalhos sujos arranjados pelo mentor da turma. Algo que será muito arriscado e perigoso.

Comentários:
Filme de ação estrelado pelo ídolo teen Taylor Lautner. Para quem não se lembra ele foi o ator que interpretou o personagem Jacob Black na saga "Crepúsculo". Sim, aquele jovem que se transformava em lobo e que nunca vestia uma camisa! Pois bem, desde o fim daquela franquia os estúdios estão tentando transformar em astros o trio principal da série (que contava ainda com Kristen Stewart e Robert Pattinson). Até agora nenhum deles têm conseguido grande sucesso de bilheteria. Robert Pattinson vem acumulando fracassos e Kristen Stewart, apesar de ter aparecido em alguns poucos filmes interessantes, também ainda não entrou no grupo de elite do cinema americano. Taylor Lautner, como o menos badalado da turma, tem tentado emplacar no gênero dos filmes de ação. Esse aqui aposta numa moda popular entre os jovens americanos e europeus, o parkour. Nunca ouviu falar? Basicamente são acrobacias e movimentos que usam a arquitetura das grandes cidades como um grande playground. Esses jovens, que não sabem o perigo que correm, pulam em vãos de prédios, sobem andares sem equipamento de proteção e fazem todo tipo de pirueta em cima de carros, pontes e viadutos. Não é algo que você vá recomendar para seus filhos - a não ser que queira que eles sofram algum tipo de acidente mais sério. Enfim, mais uma modinha do mundo dos esportes radicais. O enredo é simples e direto, sem muita firulas. Dentro do nicho adolescente e com uma visão de não se esperar por muita coisa, até que a fita consegue divertir em suas pretensões modestas. Há uma trama envolvendo o submundo do crime, mas no fundo tudo é mera desculpa para os dublês darem shows de parkour por aí - realmente os caras são feras naquilo que se propõe a fazer. No final de tudo o que fica de mais interessante é a oportunidade de conhecer um pouco mais dessa nova modalidade radical. Não vai mudar em nada sua vida e nem lhe trará maior bagagem cultural, mas pensando bem, para um jovem de 16 anos isso também pouco importa. Está de bom tamanho.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.


quarta-feira, 1 de julho de 2015

Mad Max

Passados 36 anos do primeiro Mad Max (1979), o diretor australiano e setentão, George Miller, nos brinda com um filme de ação monumental e de proporções épicas: Mad Max - Estrada da Fúria (2015). Com viés pós-apocalíptico, o longa volta a contar a história de Max Rockatansky (Tom Hardy), um ex-policial, amargurado e mentalmente destruído por um ódio incurável desde a morte de sua mulher e sua filha. O policial vaga sem destino com seu carro Interceptor pelo deserto árido e de calor escaldante até ser capturado pelo impiedoso Immortan Joe (Hugh Keays-Byrne - único remanescente do primeiro Mad Max de 1979). Joe é um tirano sanguinário e crudelíssimo que governa uma cidadela repleta de escravos carecas e esbranquiçados a quem ele chama de "Garotos da Guerra" - inspiração que Miller teve no famoso clipe "Wild Boys" do grupo Duran-Duran de 1984. Além dos carecas tresloucados, Joe vive cercado de mulheres que lhe servem como escravas sexuais. Das pobrezinhas ele aproveita os filhos, como futuros guerreiros e chefes da cidadela, além de dezenas de litros de leite materno que ele represa em gigantescos galões. Mas Joe sofre um revés importante quando sua principal guerreira, a Imperatriz Furiosa - encarnada por uma quase irreconhecível Charlize Theron, foge da cidadela em busca de sua cidade natal, de dignidade e de liberdade, não só para ela, mas também para algumas lindas e estonteantes escravas, que ela pretende libertar. A bela segue velozmente pelo deserto com seu "Carro de Guerra" - um caminhão gigantesco, cheio de ferros e blindagens que reboca um tanque enorme de gasolina. A partir daí, Immortan Joe põe todo o seu exército de homens abomináveis e psicopatas à caça da bela desertora, a bordo de bólidos assustadores e grotescos. Max, como prisioneiro, vai à frente do comboio, amarrado ao carro de apoio e sofrendo horrores. A partir daí a octanagem do longa vai nas alturas. Toda a tradução do que é louco e feérico se une em pura nitroglicerina que explode em cenas de perseguições frenéticas, velocidades alucinantes, fogo, mortes, sol, calor e areia. A obra-prima de George Miller é um cometa flamejante que rasga a tela, num som ensurdecedor que tira parte da respiração, congelando o sangue nas veias e dilatando as pupilas. O filme, rodado no deserto da Namíbia a um custo de 150 milhões de dólares, é uma porrada, um bate-estaca inclemente e assustador em cima de nossas cabeças já exauridas de tanta violência do dia-a-dia.

Durante a perseguição ao comboio da Imperatriz, Max consegue se desvencilhar do carro que o prendia e consequentemente das garras dos carecas desbotados, para logo depois juntar-se à Imperatriz em sua fuga alucinante. Os dois mal se olham. A desconfiança é mútua, o fio do medo e do pavor está esticado numa tensão máxima. Dentro do Carro de Guerra os dois guerreiros não se gostam, mal se falam, mas sabem que precisam um do outro para manter-se vivos. Tom Hardy não é Mel Gibson. Menos carismático e mais canastrão, Hardy é um arremedo de ator, um Mad Max quase mudo que limita-se a poucas palavras, olhares sem expressão, além de uma falta de charme que salta os olhos. A sul-africana, Charlize Theron rouba as cenas. Na pele da masculinizada, anabolizada e careca, Imperatriz Furiosa, Theron arrasa - mesmo com um dos braços mecânicos - sua atuação é soberba e memorável. A bela do deserto transborda carisma, "caras e bocas" e olhos de Lince, no maior papel de sua carreira. Hardy não é páreo para Theron, quase passa despercebido justamente no filme em que é protagonista. A perseguição perturbadora e incansável, não para e atravessa a noite sorumbática, surreal e assustadora do deserto. A fotografia estonteante de John Seale nos brinda com um ambiente azul-marinho embaçado e espesso, tão assustador quanto feérico, revelando figuras grotescas numa clara alusão ao famoso quadro "A Tentação de Santo Antão" do mestre, Salvador Dali. Este novo Mad Max faz com que o clássico homônimo de 1979, pareça um filme infantil, produzido por um cineasta amador de terceira categoria. O clássico atual consegue transcender a ideia da violência simples e gratuita. Ele está num outro patamar. É violência descerebrada com pitadas generosas de barbáries, imolações e mutilações, sob o efeito de comportamentos animalescos e quase alucinógenos. Bem-vindos à violência do século XXI, com doses cavalares de violência, sangue e lágrimas, engendrada por um George Miller mais vigoroso, que sacudiu a poeira, reinventou-se e tirou da cartola o filme de ação e aventura mais espetacular e arrebatador dos últimos trinta anos. Simplesmente, imperdível.

Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road, EUA, Austrália, 2015) Direção: George Miller / Roteiro: George Miller, Brendan McCarthy / Elenco: Tom Hardy, Charlize Theron, Nicholas Hoult.

Telmo Vilela Jr.