sábado, 31 de janeiro de 2015

Filmografia Comentada - Sylvester Stallone - Parte 2

11. Rambo II - A Missão (1985)
Após os acontecimentos do primeiro filme John Rambo (Sylvester Stallone) é enviado em uma missão secreta pelo governo norte-americano para o sudeste asiático. Seu objetivo é se infiltrar na selva para confirmar ou não a existência de campos de prisioneiros americanos da guerra do Vietnã. Tudo que deveria fazer era fotografar os campos caso existentes e retornar para os EUA. Porém Rambo tem outros planos para seus antigos companheiros de guerra, agora prisioneiros em condições deploráveis. "Rambo II - A Missão" é até hoje considerado um dos melhores filmes da franquia. Não há a carga dramática do primeiro filme, aqui o foco é realmente na ação pura e simples. Rambo surge finalmente com as características que iriam lhe definir nos filmes seguintes, ou seja, um super soldado, treinado nas melhores técnicas e que de posse de material de alta tecnologia era capaz de enfrentar sozinho todo um exército. Quando lançado o filme fez tanto sucesso de bilheteria que no Brasil ocorreu um fenômeno raro, a produtora a pedido dos exibidores, promoveu um relançamento do primeiro filme nos cinemas, um fato único ocorrido naquela época. Além do relançamento do filme original o sucesso de Rambo II consolidou o personagem como herói multimídia no mercado. Rambo virou coleção de brinquedos, desenho animado e marca para licenciamento de produtos como lancheiras, cadernos e tudo o mais que se possa imaginar. Nascido como personagem de literatura Rambo virou ícone da cultura pop moderna. Muito disso se deve a visão dos produtores Mario Kassar e Andrew G Vajna que sabiam que poderiam transformar Rambo em um produto de sucesso no mercado. Outro aspecto curioso de Rambo II é que ele virou tema de uma boba patrulha ideológica em seu lançamento. O personagem Rambo logo foi associado ao setor mais reacionário da política externa americana, sendo ligado ideologicamente ao estilo linha dura do presidente americano Ronald Reagan (que chegou a declarar publicamente que Rambo era um de seus personagens preferidos). Pura bobagem. "Rambo II - A Missão" é apenas um competente filme de ação dirigido com maestria pelo especialista George P. Cosmatos (falecido em 2005). Qualquer leitura política ou social de Rambo é mera bobagem. O que vale em si é a aventura e o entretenimento aqui, coisa que o filme cumpre muito bem, diga-se de passagem.

12. Rocky IV (1985)
Rocky IV é um produto da guerra fria. Naquela época Estados Unidos e União Soviética lutavam entre si pela hegemonia mundial. O próprio presidente americano Ronald Reagan havia afirmado que a URSS era o império do mal. Por trás da antipatia mútua dos países havia a grande luta ideológica entre capitalismo e comunismo. Para os jovens isso tudo agora faz parte dos livros de história mas na década de 80 isso era pauta do dia a dia e fazia parte das conversas diárias. Para capitalizar em cima desse clima o ator Sylvester Stallone resolveu colocar seu personagem, o lutador Rocky Balboa, em favor da ideologia americana. Afinal seria uma grande idéia colocar dois boxeadores dessas nações lutando entre si em um ringue de boxe, tudo de forma bem visceral, sem máscaras. Há duas formas de entender Rocky IV - como cinema ou como propaganda ideológica. Como cinema o filme é um dos mais simples dessa franquia. Simples, mas muito eficiente. Enquanto os demais procuravam explorar o lado mais humano do lutador, esse aqui se apoiava muito mais no aspecto da luta em si, do que ela representaria para os Estados Unidos, afinal era a luta de um americano contra o soviético Drago (Dolph Lundgren) que sequer parecia humano. Frio, sem reação, mais se assemelhava a uma máquina do que a um homem. Ao seu lado uma charmosa russa interpretada pela mulher de Stallone na época, a bonita Brigitte Nielsen. Já sob a ótica da ideologia política Rocky IV realmente não tem nenhum mistério. É uma apologia aos ideais da América, sem sombra de dúvidas. Stallone surge enrolado na bandeira americana, seu uniforme esportivo segue o padrão listas e estrelas da mesma bandeira, enfim tudo remete ao American Way Of Life. Em certos aspectos a produção é ainda mais ufanista do que Rambo III, que também seguia essa mesma linha mais patriótica. O problema é que o bloco soviético ruiu em 1989 e o suporte ideológico que sustentava esse tipo de filme deixou de existir. Assim os filmes ficaram sem esse conflito de ideologias, se tornando politicamente obsoletos, tanto que Stallone deixaria esse tipo de roteiro para trás definitivamente - Rocky V voltaria para o lado mais dramático dos primeiros filmes, por exemplo. De qualquer modo como o roteiro é muito enxuto e eficiente Rocky IV até hoje consegue funcionar muito bem. Stallone soube revitalizar antigos mitos como a luta de Davi contra Golias. Colocando seu personagem como um lutador desacreditado que luta sozinho, treinando com dificuldades ele criou uma simpatia imediata com o público. O lutador soviético Drago é um produto do Estado soviético, anabolizado, altamente preparado, sem um pingo de emoção; No fim das contas a luta acaba sendo não apenas entre USA x URSS mas também entre a paixão e o coração americano contra a frieza e a tecnologia dos russos. De certa forma quem acaba ganhando ao final é o público pois Rocky IV é divertido e empolgante, mesmo nos dias de hoje.

13. Stallone Cobra (1986)
"Stallone Cobra" foi uma das produções mais famosas daqueles anos. Na época em que o filme chegou nos cinemas pela primeira vez houve uma avalanche de reações extremas em relação ao seu lançamento. Os fãs de Stallone obviamente adoraram ver o ator distribuindo sua cota de sopapos nos vilões em cenas cada vez mais violentas. Já os que acusavam esses filmes de incidar a violência na sociedade foram à luta e aqui no Brasil o filme saiu em diversas versões, várias delas censuradas: uma para menores de 18 anos (com cenas cortadas), outra para maiores de 18 anos (com todas as cenas de sangue) e por fim uma versão para menores de 16 anos com cortes amenizados. Uma coisa de louco! O resultado foi que a bilheteria do filme praticamente triplicou porque o público acabou indo ao cinema várias vezes para conferir todas as versões - o que no fundo era uma bobagem pois os cortes somados não chegam nem a dois minutos. O sucesso continuou depois quando a fita chegou nas locadoras, liderando por semanas o ranking das mais alugadas. Não há como negar que se viveu uma verdadeira febre de popularidade de "Stallone Cobra" no país. Os críticos obviamente ficaram loucos e arrancaram os cabelos pois não se cansavam de criticar tudo na produção. O público por sua vez adorou e quebrou cada novo recorde de bilheteria da semana anterior que já havia sido quebrada pelo próprio filme! "Cobra" foi sem dúvida um filme de extremos, quem odiava não perdoava nada e quem adorava Stallone simplesmente idolatrou a fita e ignorou todo o resto! E no meio desse cabo de batalha quem afinal tinha razão? Nenhuma posição extrema ou radical consegue ter razão no final das contas. Os críticos que pareciam ter uma rixa pessoal com o ator americano exageraram nas críticas ferozes e o público tampouco conseguiu ver os defeitos do filme meio que hipnotizados pela incrível popularidade que Sylvester Stallone tinha na ocasião. Na verdade "Stallone Cobra" é uma boa fita de ação policial com um personagem muito carismático, principalmente para a população que muitas vezes sente falta de um "justiceiro" como ele. A mesma coisa aconteceu recentemente com o Capitão Nascimento de "Tropa de Elite". São tiras que querem resolver o problema da criminalidade se tornando eles mesmos a cura para a situação. Cobra não se importa em pendurar um bandido em um gancho, assim como o Capitão Nascimento também não se importa em dar uns "corretivos" na malandragem do morro! O povo obviamente adora esse tipo de personagem! São duas facetas da mesma moeda. De certa forma são todos filhos de Dirty Harry, o policial politicamente incorreto feito por Clint Eastwood na década de 70 que provocava os bandidos dizendo "Faça o meu dia, punk!". Em outras palavras "reaja para que eu possa mandar você para o buraco logo!". Claro que qualquer pessoa pode ser contra esse tipo de atitude. Agora, o que não vale a pena é censurar personagens de ficção como Cobra ou Capitão Nascimento como forma de dar alguma lição de moral para a sociedade, aí sinceramente já foge do que seria razoável. Censura no Brasil nunca mais!

14. Falcão - O Campeão dos Campeões (1987)
Sylvester Stallone nunca foi bobo. Se uma fórmula estava dando certo por que mudá-la? O exemplo maior é esse filme “Over The Top” (que no Brasil recebeu um título espalhafatoso e, na minha opinião, sem impacto). A fórmula em questão já havia dado muito certo na série Rocky então o próprio Stallone resolveu requentar esse prato, criando uma espécie de genérico daquele seu personagem mais famoso. Aqui temos o mesmo argumento que foi usado em Rocky: um homem comum que tenta superar seus problemas pessoais vencendo no mundo dos esportes. A única diferença é que sai o boxe de Rocky e entra as competições de queda de braço de Falcão. No núcleo familiar acompanhamos a tentativa de Lincoln Hawk (Stallone) em se aproximar de seu único filho, um garoto introspectivo que foi criado em uma escola militar. Stallone repete aqui todos os seus maneirismos em cena. Usando de seu carisma ele tenta conquistar a amizade do filho que não vê há anos. “Falcão, o Campeão dos Campeões” foi lançado no auge da popularidade de Stallone na carreira mas curiosamente não conseguiu repetir o êxito de bilheteria de seus outros filmes na época. Só para relembrar o filme foi lançado nas telas logo após “Stallone Cobra” e pouco antes de “Rambo III” mas teve desempenho apenas mediano nas bilheterias americanas. Provavelmente o público não comprou a idéia de ver o astro disputando competições de quedas de braços com outros caminhoneiros ao longo de toda a fita. O filme foi dirigido por Menahem Golan. Ele era um dos donos da Cannon Group, produtora muito atuante no cinema de ação da década de 80. Tendo dirigido Chuck Norris no sucesso “Comando Delta”, Golan agora dava um passo ousado contratando o maior nome do cinema na época. Por um cachê milionário ele trouxe Stallone para a Cannon mas o resultado modesto de faturamento logo desfez a parceria. Pouco tempo depois a própria Cannon fecharia as portas encerrando definitivamente suas atividades. Visto hoje em dia “Falcão – O Campeão dos Campeões” se revela até um bom passatempo. Claro que os longos anos que separam de seu lançamento deixaram “Falcão” datado. De qualquer forma se o espectador deixar isso de lado pode até mesmo se divertir com as cenas de queda de braço, tudo com muito suor e caretas por parte de Stallone e elenco. Embora tenha rendido uma bilheteria de respeito no Brasil o filme anda esquecido. No saldo final não deixa de ser uma boa opção para se conhecer a fórmula Stallone de fazer cinema na década de 80. Um pipocão que apesar dos anos ainda pode funcionar caso você não seja demasiadamente exigente.

15. Rambo III (1988)
John Rambo (Sylvester Stallone) é enviado ao Afeganistão numa missão não oficial para libertar o seu antigo mentor, o Coronel Trautman (Richard Crenna) que agora se encontra prisioneiro das tropas de ocupação soviética naquele país. "Rambo III" é a esperada continuação da saga do super soldado Rambo. Sem dúvida é um dos mais fracos exemplares da franquia. O roteiro escrito por Stallone foca totalmente em cenas completamente inverossímeis de ação e se esquece de todo o resto. A essência do personagem, que foi parcialmente captada no primeiro filme, aqui se perde completamente. Rambo se torna literalmente um exército de um homem só. Ele enfrenta todo o exército soviético sozinho e praticamente os liquida nos desertos do Afeganistão. O filme é exagerado ao extremo e com isso perde toda e qualquer credibilidade. Só para relembrar: Rambo invade uma base militar russa, mata vários soldados, liberta Trautman e não satisfeito solta ainda todos os demais prisioneiros do local. Consegue escapar de um cerco, rouba um helicóptero soviético de última geração, sofre um desastre com ele (mas não se machuca), corre pelo deserto e enfrenta no muque uma coluna de tanques do exército russo! O pior porém acontece nas cenas finais quando rouba um tanque russo e com ele dá uma "trombada" de frente com um outro helicóptero inimigo (e novamente sobrevive sem maiores problemas). É ou não é um amontoados de absurdos? O que será que deu na cabeça do Stallone em escrever tantas cenas impossíveis? Para piorar o filme levou uma rasteira da história. Nele acompanhamos a aliança entre Rambo e os rebeldes afegãos, mostrados como heróis da liberdade contra o invasor soviético. O problema é que esses mesmos rebeldes iriam dar origem ao regime brutal dos Talibãs anos depois quando os russos finalmente deixaram o Afeganistão de lado, ou seja, Rambo aqui se alia com um grupo que anos depois seria uma das bases de sustentação de grupos terroristas como a Al-Qaeda (o próprio Bin Laden tinha no Afeganistão uma de suas bases mais sólidas). Acredito que por isso Rambo III seja um dos filmes ideologicamente mais incorretos da história do cinema americano. Talvez por essa razão Stallone nem o cite mais atualmente provavelmente por se sentir constrangido pelo roteiro que escreveu. Enfim, "Rambo III" é aquele tipo de produção que entornou o caldo, transformando o personagem em uma mera caricatura, tudo sob uma verniz ideológica muito infeliz.

16. Condenação Brutal (1989)
Pois é, "Lock Up" foi o adeus de Stallone aos melhores anos de sua carreira. Na década de 1980 o ator colecionou um sucesso atrás do outro, liderou a lista das maiores bilheterias e ganhou o título de maior cachê de Hollywood. Revisto hoje esse "Condenação Brutal" (que em Portugal recebeu o estranho título de "Stallone Prisioneiro") envelheceu um pouco. O roteiro é simples, tudo é armado seguindo a fórmula que deu certo em outros filmes do ator, principalmente Rocky e Rambo (ou seja seus personagens são provocados até o limite para depois reagirem com fúria). Quem é fã desse estilo de cinema certamente não terá do que reclamar. A diferença aqui é que Stallone é prisioneiro de uma cadeia cujo diretor sádico (Donald Sutherland) quer se vingar dele por um evento que os ligou no passado. Esse tipo de filme de prisão acabou virando um subgênero cinematográfico e todos os ingredientes que já conhecemos estão aqui (os prisioneiros durões, os guardas corruptos e masoquistas, a lei da selva que impera entre os detentos, o diretor torturador, etc, etc). O grande problema de "Condenação Brutal" na minha opinião nem é tanto essa falta de maiores surpresas mas sim seu final. Muito anticlimático, tenta resolver vários problemas de forma muito simplista (e irreal). Talvez se o roteirista tivesse sido mais ousado o filme teria marcado mais. Como ficou o filme serviu apenas como mais um veículo promocional do ator.

17. Tango e Cash - Os Vingadores (1989)
Raymond Tango (Sylvester Stallone) e Gabriel Cash (Kurt Russell) são dois policiais que trabalham numa investigação que tem como alvo o crime organizado. Incrimados por envolvimento nessa rede criminosa eles terão que lutar para limpar seus nomes novamente. Revi hoje Tango & Cash. Seguramente fazia uns bons dez anos que tinha visto pela última vez. Na minha opinião continua divertido. É um filme que de certa forma auto ironiza o próprio gênero a que pertence - a dos filmes de ação dos anos 80. Está tudo lá, os tiroteios, as cenas inverossímeis, os vilãos caricaturais e as famosas piadinhas no meio da troca de tiros (algumas piadinhas aqui, devo confessar, são muito boas). A sensação que tive ao rever Tango & Cash foi que a intenção de seus realizadores era mesmo de inaugurar uma nova franquia na carreira de Stallone. Obviamente que o filme bebe diretamente da fonte de "Máquina Mortifera", pois aqui também temos a dupla de tiras formada por pessoas bem opostas (Stallone interpreta Tango, bem vestido, metido a intelectual e Russell faz Cash, policial porra louca ao estilo do personagem de Mel Gibson onde até os cabelos são iguais). Mas ao contrário de "Máquina Mortífera" "Tango & Cash" jamais se leva à sério e não tem preocupações em desenvolver os personagens principais. Na realidade tudo é mero pretexto para a ação pura e simples. De certa forma esse talvez seja o principal problema do filme. Ao vermos Stallone e Russell trocando farpas e ironias entre si percebemos que se a amizade deles fosse melhor desenvolvida certamente teríamos um filme melhor. Outro que é desperdiçado em cena é o grande Jack Palance. Seu personagem, o vilão, é sem conteúdo. É só um cara mau fazendo maldades e nada mais. Deveriam ter aproveitado um pouco melhor sua presença em cena. Enfim, "Tango & Cash" é um filme de ação escapista, feito para divertir e nada mais. Como não foi muito bem nas bilheterias não houve mais continuações com a dupla, uma pena, pois provavelmente esses personagens poderiam ser melhor desenvolvidos em continuações.

18. Rocky V (1990)
Um filme que não deu certo, simples assim. Estranhamente Stallone colocou o personagem Rocky Balboa como coadjuvante de seu próprio filme, investindo na figura sem carisma do lutador Tommy Morrison, considerado na época a grande esperança branca do boxe. Nada parece estar no lugar aqui. O roteiro é ruim e parece não ir para lugar nenhum. A trama é desinteressante e nada emocionante e Stallone não veste a camisa do personagem que lhe trouxe tanta fama e fortuna. Embora os roteiros de Rocky III e Rocky IV não fossem maravilhosos os filmes foram salvos pela emoção das lutas, todas ótimas e bem realizadas. Pois bem nem isso Rocky V tem. De fato parece ser unanimidade que esse quinto filme da série é o mais chato, monótono e arrastado enredo de toda a franquia. Não se sabe bem ao certo o que deu na cabeça do ator em fazer um episódio tão sem graça como esse. Ao que parece Stallone entendeu por essa época que já não tinha mais idade para subir ele próprio ao ringue e ao invés disso resolveu colocar essas cenas de luta nas costas de Tommy Morrison. Péssima idéia. No fritar dos ovos as únicas coisas boas que se salvam são alguns diálogos que saem da boca de Rocky. São pequenas lições de vida, coisas simples, mas que no meio do tédio que é o filme funcionam para acordar o espectador um pouquinho. De repente nos damos conta de que “isso” ainda é um filme da série Rocky. O excesso de melodrama também incomoda. Alguns fatos ocorrem na vida de Rocky que o deixam mais triste e abatido. De uma forma ou outra quando as luzes se acendem e chegamos ao fim ficamos meio em dúvida sobre o que realmente assistimos. A sensação de sentir saudades de “Rocky III” e até mesmo “Rocky IV” deixa um amargo sabor de decepção na boca. Nem a direção de John G. Avildsen, do primeiro filme da franquia, salva o desastre. Stallone voltaria ao personagem mais uma vez em “Rocky Balboa” que trataremos em breve. Por enquanto fica o conselho: só assista “Rocky V” se gostar muito, mas muito mesmo do personagem. Só assim você conseguirá chegar ao final dessa bocejante película sem cair no sono.

19. Oscar - Minha Filha Quer Casar (1991)
Não se sabe até hoje a razão, mas o fato é que no começo dos anos 90 Stallone colocou na cabeça que era um sujeito engraçado. Tentando mudar radicalmente de imagem ele resolveu estrelar duas comédias que ajudaram a sedimentar uma época bem ruim para o ator em termos de bilheteria e sucesso comercial. Ambos os filmes fracassaram (de forma justa, aliás) e mostraram de forma definitiva que não, Stallone realmente não tinha talento para filmes de humor. Nesse "Oscar" ainda temos uma boa produção, luxuosa até, fruto da confiança que os produtores ainda colocavam em seu nome por causa da sucessão de sucessos que emplacou nos anos 80. Depois do fracasso comercial a estrela de Stallone começou a perder seu brilho.

20. Pare, Senão Mamãe Atira! (1992)
Não satisfeito com o resultado ruim do filme anterior Stallone resolveu estrelar outra comédia, essa ainda pior do que a anterior "Oscar". Aqui o enfoque vai para um enredo (bem sem graça) de um tira adulto que tem que lidar com as manias de sua própria mãe. Stallone faz caras e bocas e parece se divertir muito com seu papel, mas tudo novamente naufraga. Seu nicho cinematográfico era mesmo dos filmes de ação ao estilo "Rambo", quando tenta sair disso se dava muito mal mesmo. Esses dois filmes foram mal de bilheteria, colocando em risco o status de campeão de vendas de ingressos que o ator vinha preservando desde o primeiro filme de "Rocky". Abalado nesse aspecto os anos 1990, que já começaram errado para Sly, iriam se revelar ainda mais duros nos filmes que viriam. A velha estrela de sucesso parecia começar a enferrujar.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Lobão - Não Há Estilo Sem Fracasso

Título no Brasil: Lobão - Não Há Estilo Sem Fracasso
Título Original: Lobão - Não Há Estilo Sem Fracasso
Ano de Produção: 2011
País: Brasil
Estúdio: Canal Brasil
Direção: Fabio Sallva, Rafael Jannareli, Jonas Souza
Roteiro: Fabio Sallva, Rafael Jannareli, Jonas Souza
Elenco: Lobão, Arnaldo Brandão, Claudio Tognolli, Edgard Scandurra, Fernanda Franceschetto, Flávia Scherner 

Sinopse:
Curta-metragem que tenta captar em rápidos depoimentos um pouco da personalidade do cantor e compositor brasileiro Lobão. Produtores, músicos, radialistas e empresários dão um pouco de suas próprias visões sobre esse músico sempre tão polêmico. Suas brigas, problemas com a lei e sua visão de mundo formam o painel explorado pelo documentário.

Comentários:
Um curta que mais parece uma pequena reportagem tenta em breves momentos capturar os aspectos mais interessantes da vida desse sempre polêmico roqueiro nacional. O curioso é que mesmo sendo um filme tão fugaz não haverá problemas por parte do espectador em captar esses fragmentos para assim montar sua própria visão do rockstar, até porque Lobão nunca realmente saiu da mídia, sendo que vira e mexe ele está novamente se envolvendo em algum tipo de encrenca. Atualmente, por exemplo, o bom e velho Lobão tem se destacada por suas posturas políticas, onde ataca de forma incansável o atual governo do PT, atolado em corrupção generalizada até o pescoço! Esse aspecto porém está de fora do filme. Ao invés disso são tecidas rápidas pinceladas em momentos importantes de sua vida, como a prisão por porte de drogas, sua atitude rebelde e contestadora, sua luta pela formação de um cenário independente e sua música, sempre tão honesta e verdadeira. Pequeno, mas bem informativo curta. Vale a pena conhecer.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Batman Begins

Com o último filme da trilogia estreando nas telas resolvi rever as duas primeiras produções da franquia a começar por esse "Batman Begins" que só tinha assistido uma única vez justamente na sua estréia. Lembro que gostei bastante na época mas como já não me recordava muito dos detalhes resolvi reavaliar. Acredito que nessa altura do campeonato ninguém mais duvida da qualidade dessa nova trilogia e todas as suas qualidades já surgem aqui no primeiro filme. O roteiro é muito bem escrito fazendo com que a trama, muito inteligente por sinal, se feche redondinha em si. O argumento consegue contar as origens do herói sem se focar apenas nisso abrindo espaço também para uma boa aventura ao estilo dos quadrinhos com o vilão Espantalho. O que mais caracteriza essa nova releitura de Batman no cinema assinada por Christopher Nolan é o apego com a realidade. Mesmo lidando com um personagem de universo fantástico como Batman o diretor tenta de todas as formas manter sempre um pé na realidade. Essa situação fica mais evidente se lembrarmos de outras encarnações do morcego nas telas de cinema. Não há espaço para a fantasia em excesso, o Batman de Nolan é o mais próximo possível do que seria um universo plausível, longe de exageros ou tramas infanto-juvenis.

Outro ponto forte de "Batman Begins" é seu elenco. A escolha de Christian Bale se mostrou acertada. Ele é notoriamente um ator pouco carismático ou simpático mas que se torna adequado para o personagem Batman pois esse é um sujeito com muitos demônios internos, frustrações e traumas pessoais. Assim o semblante taciturno de Bale acaba caindo como uma luva para o cavaleiro das trevas. Cillian Murphy também surge muito bem como um psiquiatra almofadinha com ar insuportável que acaba utilizando de alucinações induzidas para aumentar seus domínios. Rever os veteranos Morgan Freeman e Michael Caine sempre é um prazer e até a chatinha Katie Holmes surge bem em seu papel. Já Liam Neeson parece não ter esquecido ainda seu personagem Jedi - a todo momento ficamos com a impressão que ele vai sacar um sabre de luz! Em suma, Batman que quase sempre se deu bem nos cinemas aqui ressurge de forma muito satisfatória, em um bom roteiro que discute a diferença entre justiça e vingança de forma muito inteligente e perspicaz. "Batman Begins" é um filme à prova de falhas, bom de sua primeira à última cena, que aliás anuncia o surgimento do Coringa na franquia. Mas essa é uma outra história...

Batman Begins (Idem, EUA, 2005) Direção: Christopher Nolan / Roteiro: Christopher Nolan, David S. Goyer baseados nos personagens criados por Bob Kane / Elenco: Christian Bale, Cillian Murphy, Michael Caine, Morgan Freeman, Liam Neeson, Katie Holmes, Gary Oldman, Rutger Hauer, Tom Wilkinson, Ken Watanabe / Sinopse: Após testemunhar a morte de seus pais o milionário Bruce Wayne (Christian Bale) resolve criar um símbolo de luta contra a criminalidade que se alastra em uma Gothan City corrupta e violenta. Esse símbolo passa a ser personificado por Batman, o Cavaleiro das Trevas.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu. 

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

007 Contra o Foguete da Morte

Título no Brasil: 007 Contra o Foguete da Morte
Título Original: Moonraker
Ano de Produção: 1979
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: United Artists / MGM
Direção: Lewis Gilbert
Roteiro: Christopher Wood
Elenco: Roger Moore, Lois Chiles, Michael Lonsdale
  
Sinopse:
O Agente James Bond (Roger Moore) é enviado pelo serviço secreto para investigar um suposto plano internacional envolvendo armas espaciais. No meio das investigações acaba descobrindo que se trata de algo bem maior do que se pensava, um projeto visando dar origem a um verdadeiro genocídio no planeta Terra. Filme indicado ao Oscar na categoria de Melhores Efeitos Especiais.

Comentários:
É uma pena que logo o filme em que James Bond veio ao Brasil seja considerado um dos piores da franquia. A intenção seria modernizar o personagem, o colocando no meio de um enredo que lembrava até mesmo o grande marco de bilheteria da época, "Guerra Nas Estrelas". O problema é que o tiro saiu pela culatra. O enredo não ajuda em nada, os efeitos especiais revistos hoje em dia parecem completamente toscos e sem noção (apesar de terem sido indicados ao Oscar na época) e Roger Moore... bem, ele continuou sendo Roger Moore, fanfarrão até dizer chega, cheio de piadinhas e cenas supostamente cômicas que só estragam o resultado final. Jamais parece levar algo à sério durante todo o filme. De certa forma "Moonraker" serve apenas como uma forma de demonstrar que em plenos anos 70 o personagem perdia cada vez mais força e relevância. De bom mesmo apenas algumas boas sequências de ação, uma delas com o famoso vilão Jaws (interpretado pelo ator Richard Kiel, um grandalhão recentemente falecido) que luta com Bond nos bondinhos do Rio de Janeiro, imagine você! No geral não há muito por onde ir, "007 Contra o Foguete da Morte" é de fato muito ruim mesmo. Pelo jeito o Brasil fez mal a 007, Um James Bond para esquecer. 

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Lua de Fel

Título no Brasil: Lua de Fel
Título Original: Bitter Moon
Ano de Produção: 1992
País: Estados Unidos, França, Inglaterra
Estúdio: Canal+, Columbia Pictures Corporation
Direção: Roman Polanski
Roteiro: Pascal Bruckner, Roman Polanski
Elenco: Hugh Grant, Kristin Scott Thomas, Emmanuelle Seigner, Peter Coyote
  
Sinopse:
Um casal inglês em viagem de Istambul para a Índia conhece uma bela francesa, Mimi (Emmanuelle Seigner). Aos poucos começa um jogo de sedução envolvendo todos eles, primeiro o marido Nigel (Hugh Grant) e depois a esposa Fiona (Kristin Scott Thomas). Ela porém é casada com um homem bem mais velho, deficiente, chamado Oscar (Peter Coyote) que também parece interessado naquela estranha atração. Aproveitando a situação resolve contar ao casal como conheceu Mimi, muitos anos antes. Filme indicado ao prêmio da Italian National Syndicate of Film Journalists na categoria de Melhor Fotografia.

Comentários:
Mais uma tentativa por parte de Roman Polanski em ser mais aceito, do ponto de vista puramente comercial, dentro do circuito americano. Sem receios digo que aqui o cineasta não abriu mão de seu estilo mais pessoal, algo que havia sido deixado de lado no fraco " Frantic" com Harrison Ford. Com um enredo mais rico do ponto de vista cultural (graças à excelente novela escrita por Pascal Bruckner que deu origem ao roteiro), o filme procura desvendar aspectos mais profundos da sexualidade e da paixão humanas. Os personagens parecem querer sondar a todo o tempo o limite que existe entre a quebra dos valores morais e a lascívia despudorada de uma paixão puramente carnal. O mais curioso vem não da atração que aquele casal convencional sente pela jovem francesa, mas sim do próprio relacionamento dela com um homem mais velho, inválido, mas possuidor de uma mente bem doentia. O jogo que começa instigante logo desanda para tintas mais obscuras de submissão e confronto, indo até mesmo para atos de pura humilhação entre aqueles amantes. Com ecos que muitas vezes me lembrou de "O Último Tango em Paris", Polanski conseguiu realizar uma bela obra sobre a sexualidade e a forma como é encarada pelos lados mais obscuros da mente humana. Um filme para rever sempre que possível, pois aqui o mestre realmente acertou em cheio nas suas pretensões cinematográficas.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

A Outra

Título no Brasil: A Outra
Título Original: The Other Boleyn Girl
Ano de Produção: 2008
País: Estados Unidos
Estúdio: Columbia Pictures, Focus Features
Direção: Justin Chadwick
Roteiro: Peter Morgan, Philippa Gregory
Elenco: Natalie Portman, Scarlett Johansson, Eric Bana
  
Sinopse:
Duas belas irmãs, Ana e Mary Bolena, impulsionada pela ambição cega de sua família, competem pelo amor do Rei Henrique VIII (1491 - 1547), um monarca violento e despótico que passa por uma crise em seu casamento. Sua esposa Catarina de Aragão não consegue lhe dar um herdeiro homem, o que cria um problema para a linha de sucessão do rei e ele, convencido que não terá um varão, decide ir atrás de outras amantes para ocupar o trono da rainha.

Comentários:
A história de Henrique VIII, o soberbo e absoluto monarca da Inglaterra, já deu origem a vários filmes (alguns clássicos inclusive). Aqui o foco se revela um pouco diferenciado. Ao invés de tentar contar a biografia do rei, suas inúmeras esposas, seus atos de violência e sua mente sendo corrompida gradualmente pelo poder sem freios, o roteiro procura focar em uma outra personagem secundária, que nem sempre foi aproveitada adequadamente nos filmes anteriores. O próprio título já deixa claro que o filme vai se focar na "Outra Garota Bolena". Como se sabe Ana Bolena foi a segunda esposa do rei, um romance complicado, cheios de dramas, já que Henrique VIII não podia se separar de sua primeira esposa que não lhe dava herdeiros masculinos, só dando origem a filhas. Indo contra o Papa e a Igreja ele decidiu romper com Roma, anula seu primeiro casamento e finalmente se uni a Ana Bolena. Esse relacionamento porém foi trágico, pois desconfiado de que estava sendo traído, mandou decapitar Ana Bolena. Isso é o que você basicamente vê em outros filmes sobre Henrique VIII. Aqui o foco porém se direciona para Mary Bolena (Scarlett Johansson), irmã de Ana e que também desfrutou da cama do rei. Enfim, perversão, falta de valores morais e destruição dos laços religiosos por causa de amantes ocasionais, compõe o menu dessa ótima produção. Vale a pena assistir.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Busca Frenética

Título no Brasil: Busca Frenética
Título Original: Frantic
Ano de Produção: 1988
País: Estados Unidos, França
Estúdio: Warner Bros
Direção: Roman Polanski
Roteiro: Roman Polanski, Gérard Brach
Elenco: Harrison Ford, Betty Buckley, Emmanuelle Seigner
  
Sinopse:
O Dr. Richard Walker (Harrison Ford) é um renomado médico americano em Paris que descobre alarmado pela manhã que sua esposa simplesmente desapareceu do hotel onde ambos estão hospedados. Desesperado, Walker ganha as ruas da grande cidade francesa em busca do paradeiro de sua esposa e acaba descobrindo um enorme complô envolvendo intrigas, espionagem, criminosos, drogas e assassinato.

Comentários:
A única parceria entre o diretor Roman Polanski e Harrison Ford. Na verdade a intenção de realizar um filme bem comercial já se mostra bem clara na escolha de Polanski por Ford (naquela altura de sua carreira um dos grandes campeões de bilheteria do cinema americano). Como se sabe Polanski não pode cruzar as fronteiras dos Estados Unidos pois será preso imediatamente, fruto de uma antiga acusação de pedofilia envolvendo seu nome (ele teria tido relações indevidas com uma menor de idade numa festa na mansão de Jack Nicholson). Assim ele só pode rodar seus filmes na Europa. "Frantic" foi rodado nas ruas de Paris, capturando toda a beleza da cidade, resultando em uma bela fotografia. Pena que tirando isso e a beleza da atriz Emmanuelle Seigner (mais uma das musas jovens de Polanski, considerada na época de lançamento do filme "uma nova Brigitte Bardot, que no final das contas não deu em nada) o que resta do filme é um roteiro sem muitas novidades, uma tentativa de realizar um filme americano, com sabor Made in USA, só que rodado na Europa. Sempre considerei o resultado morno demais para ser levado à sério. Na realidade o mais comercial filme de Roman Polanski é também o mais decepcionante em termos cinematográficos.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 25 de janeiro de 2015

Sexta-Feira 13 Parte 9 - Jason Vai Para O Inferno - A Última Sexta-Feira

Título no Brasil: Sexta-Feira 13 Parte 9 - Jason Vai Para O Inferno - A Última Sexta-Feira
Título Original: Jason Goes to Hell - The Final Friday
Ano de Produção: 1993
País: Estados Unidos
Estúdio: New Line Cinema
Direção: Adam Marcus
Roteiro: Jay Huguely, Adam Marcus
Elenco: John D. LeMay, Kari Keegan, Kane Hodder
  
Sinopse:
O segredo sobre os poderes diábolicos de Jason é enfim revelado. Ele seria o último descendente de uma longa linhagem de familiares malditos, que nunca poderiam ser mortos, mesmo usando de todos os meios de matança possível. Agora tudo está preparado para o último grande duelo de sua existência macabra. Filme indicado ao Fangoria Chainsaw Awards nas categorias de Melhor Atriz (Kari Keegan) e Melhor Ator Coadjuvante (Steven Williams).

Comentários:
Como hoje é Sexta-Feira 13 vale a lembrança desse nono filme da franquia do psicopata Jason Voorhees. Todo mundo já sabia que lá pela sétima ou oitava fita tudo já havia virado uma mera caricatura sem muita noção. A Paramount tinha esse nome comercial de sucesso e assim lançava uma nova sequência de tempos em tempos. Os filmes eram baratos e lucrativos. O problema é que começaram a ser também constrangedores. De qualquer maneira, mesmo nos piores momentos, a Paramount conseguiu manter um padrão ao menos digno de qualidade, afinal não iria sujar seu nome em troca do lucro fácil. No começo dos anos 1990 a Paramount então decidiu passar os direitos da franquia em frente e a New Line comprou os direitos autorais sobre Jason. Era de se esperar que fosse realizado algo melhor porém o resultado do que vemos aqui é realmente de se lamentar. Usando das novas tecnologias digitais a New Line acabou produzindo um terror boboca, sem novidades e completamente derivativo. Uma sátira sobre si mesmo. Nem a presença de Sean S. Cunningham na produção salvou o filme do desastre completo. Para piorar nem sequer foi o último Sexta-Feira 13 como prometia o sub-título, pois resolveram avacalhar de vez com a franquia no pavoroso (no mal sentido) "Jason X". Em suma, esqueça esse momento menor e vergonhoso de um dos personagens mais conhecidos da mitologia do terror no cinema.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 24 de janeiro de 2015

Rush - No Limite da Emoção

Título no Brasil: Rush - No Limite da Emoção
Título Original: Rush
Ano de Produção: 2013
País: Inglaterra, Alemanha
Estúdio: Imagine Entertainment
Direção: Ron Howard
Roteiro: Peter Morgan
Elenco: Daniel Brühl, Chris Hemsworth, Olivia Wilde
  
Sinopse:
Filme que explora os bastidores da Fórmula 1. Em pauta a rivalidade entre dois pilotos, James Hunt (Chris Hemsworth) e Niki Lauda (Daniel Brühl). O primeiro um mulherengo incorrígivel, um sujeito fanfarrão que adorava festas e diversão. O segundo um piloto arrojado, disciplinado, que fazia das pistas seu objetivo de vida. Do choque de duas personalidades tão diferentes surge uma concorrência marcada por brigas, mas também por respeito e admiração mútuas. Filme indicado ao Globo de Ouro nas categorias de Melhor Filme - Drama e Melhor Ator Coadjuvante (Daniel Brühl).

Comentários:
Apesar de não ser tão velho ainda me lembro de Niki Lauda nas pistas. Na época ele já trazia as marcas que deformaram seu rosto após um grave acidente (que inclusive é mostrado no filme). Já James Hunt realmente não cheguei a pegar, pois ele, impulsivo e indisciplinado, já tinha deixado as pistas quando me dei conta da existência da Fórmula 1. Esse filme procura transitar justamente do choque entre esportistas tão diferentes entre si durante o campeonato de 1976. É um belo drama esportivo, muito bem conduzido, que vai no final das contas agradar aos fãs das corridas em geral bem como também ao sujeito que não liga muito para a F1 desde a morte de Senna, mas que ainda esteja disposto a assistir a um bom filme dramático. Embora Lauda seja o principal personagem do enredo quem acaba roubando a cena realmente é James Hunt, pois sua personalidade extrovertida e expansiva, termina por chamar mais a atenção do espectador. Assim deixamos a dica desse bom filme sobre esportes. Não importa se você anda cansado da Fórmula 1, no final vai gostar, não se preocupe em relação a isso.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

The Rover - A Caçada

Título no Brasil: The Rover - A Caçada
Título Original: The Rover
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos, Austrália
Estúdio: Universal Pictures
Direção: David Michôd
Roteiro: Joel Edgerton, David Michôd
Elenco: Guy Pearce, Robert Pattinson, Scoot McNairy
  
Sinopse:
Dez anos após o colapso da humanidade, o viajante Eric (Guy Pearce) resolve parar para tomar algo em bar de beira de estrada. Enquanto está lá dentro uma quadrilha de assaltantes resolve roubar seu carro para seguir em frente em sua fuga pelos desertos australianos. Para Eric isso não ficará barato. Após colocar as mãos em Rey (Robert Pattinson), irmão mais jovem do líder do bando, ele empreende uma caçada sem tréguas pelos criminosos. Sua sede de justiça acaba beirando a obsessão completa. Filme indicado a cinco categorias do prêmio do Australian Film Institute.

Comentários:
Se eu escrever sobre um filme retratando um mundo pós-apocalíptico onde o enredo se desenrola no deserto implacável da distante e desolada Austrália o que virá em sua mente? Claro que "Mad Max"! Essa nova produção é quase uma releitura de "Mad Max" porém sob um novo ponto de vista e uma nova proposta. Ao invés de mostrar um mundo de ficção onde todos se vestem com figurinos esquisitos, o diretor optou por mostrar os personagens como pessoas normais, com roupas comuns onde nada parece ser muito especial. O que move o principal personagem (interpretado por Guy Pearce) é uma obsessão insana de colocar as mãos nos criminosos que roubaram seu carro durante uma fuga após um assalto mal sucedido. Para isso ele não medirá esforços e encontrará pelo caminho os tipos mais bizarros possíveis, como um anão de circo que trafica armas e uma avó que ganha a vida oferecendo seu jovem neto para se prostituir a pedófilos! Em termos de atuação devo registrar algo interessante. De maneira em geral sempre critiquei o trabalho do ator Robert Pattinson, isso porque ele nunca havia me convencido plenamente, quase sempre realizando um tipo de atuação sem muita convicção, com tiques nervosos a la James Dean. Aqui finalmente encontrei pela frente a primeira boa atuação do rapaz. Ele interpreta um tipo meio retardado, que demonstra desde o começo não ter uma mente muito normal. Pois bem, o fato inegável é que Robert Pattinson está muito bem em sua atuação, chegando ao ponto de surpreender! As fãs adolescentes que adoram seu papel de vampiro Edward Cullen provavelmente não irão gostar de seu trabalho sem nenhum glamour ou apelo sexual, mas isso no final de contas não importa pois a maior luta de Robert hoje em dia é realmente ser levado à sério como ator. Esse foi um primeiro e decisivo passo nessa direção.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Um Ato de Liberdade

Título no Brasil: Um Ato de Liberdade
Título Original: Defiance
Ano de Produção: 2008
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Edward Zwick
Roteiro: Clayton Frohman, Edward Zwick
Elenco: Daniel Craig, Liev Schreiber, Jamie Bell
  
Sinopse:
Um grupo de judeus decide fugir para as florestas da Bielorrússia durante a ocupação nazista na Europa Oriental. Lá eles se unem a combatentes da resistência russa. Juntos decidem construir uma vila como forma de proteção em relação às tropas alemãs. Filme indicado ao Oscar e ao Globo de Ouro na categoria de Melhor trilha sonora incidental (James Newton Howard).

Comentários:
Tinha tudo para ser um grande filme. O roteiro era baseado em fatos reais, históricos até, havia um bom elenco capitaneado pelo próprio "James Bond" Daniel Craig, a produção de fato era muito bem realizada. Apesar de parecer ter todos os ingredientes presentes e no lugar certo, o filme não consegue decolar. Achei o resultado muito frio, distante, e isso não combina muito bem com o tema proposto. Era para ser algo bem mais visceral, impactante, sensibilizador. Não foi. Daniel Craig interpretando um personagem chamado Tuvia Bielski confirma o que já venho desconfiando há anos: ele não tem carisma! Craig é aquele tipo de ator que não cativa. Ele certamente é o tipo adequado para cenas de ação e brutalidade - o que talvez o tenha segurado como Bond por todos esses anos - mas fora isso não existe mais nada a explorar. Ele particularmente não tem grande talento dramático e falha em momentos mais tensos. Nesse filme há um grande drama humano envolvido, afinal a estória gira em torno de uma grande tragédia humanitária, mas Craig não esboça nenhuma emoção mais profunda. Sua expressão facial é quase sempre a mesma. Assim o que sobra é a frieza, que não se refere ao clima onde o enredo se passa, mas sim na superficialidade que no final se sobressai.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Agente do Futuro

Título no Brasil: Agente do Futuro
Título Original: Autómata
Ano de Produção: 2014
País: Espanha, Bulgária
Estúdio: New Boyana Film Studios
Direção: Gabe Ibáñez
Roteiro: Gabe Ibáñez, Igor Legarreta
Elenco: Antonio Banderas, Melanie Griffith, Dylan McDermott, Birgitte Hjort Sørensen
  
Sinopse:
O ano é 2044. Tempestades solares tornaram o planeta Terra praticamente inviável para a vida humana. A radiação domina nossa atmosfera e 99% da humanidade foi aniquilada. Nesse mundo sem esperanças uma poderosa empresa cria uma série de robôs cuja principal função é servir ao homem. Eles possuem dois protocolos básicos em sua programação. O primeiro afirma que não podem ferir ou atacar seres humanos. O segundo os proíbe de se auto repararem. Quando um crime é cometido envolvendo uma dessas unidades robóticas, um agente de seguros, Jacq Vaucan (Antonio Banderas), é enviado para investigar. O que ele descobre pode mudar os rumos da tecnologia do futuro para sempre.

Comentários:
Ficção pessimista que lembra bastante o clássico "Blade Runner". O cenário é um mundo devastado. O que sobrou da humanidade vive em cidades superpovoadas e miseráveis. O personagem de Banderas acaba, quase sem querer, descobrindo que os robôs que estão espalhados pelo mundo estão evoluindo, criando uma inteligência artificial própria, que os faz ignorar os protocolos nos quais foram programados em sua construção. Isso obviamente coloca imediatamente toda a humanidade em risco. O que começa como um caso banal de investigação de seguros acaba abrindo uma caixa de Pandora de consequências imprevisíveis. Numa primeira impressão você pode pensar que vai assistir a mais um daqueles filmes bem derivativos do já citado "Blade Runner", mas há coisas promissoras nesse roteiro. Talvez o fato de ser uma produção européia tenha deixado o argumento mais livre, fora dos clichês habituais, embora eles ainda existam em grande parte do enredo. A direção de arte também é bem trabalhada, principalmente no contraste entre as cidades, sempre chuvosas e escuras, com farta poluição visual (inclusive com uso intensivo de hologramas) e o resto do planeta, deserto como o Saara, mas iluminado e com aspecto de vida real! O design dos robôs não chega a ser uma novidade, inclusive me lembrou bastante as unidades de combate da nova trilogia de "Star Wars", mesmo assim no final se mostra adequado aos propósitos da estória que se tenciona contar. A mulher de Banderas, a atriz Melanie Griffith, também está no elenco, mas sua participação, embora importante, é também fugaz. Assim deixo a recomendação dessa ficção. Não é um grande filme, passa longe disso, mas pelo menos tenta ser inteligente, algo cada vez mais raro de se encontrar hoje em dia.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

De Volta ao Jogo

Título no Brasil: De Volta ao Jogo
Título Original: John Wick
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: Chad Stahelski, David Leitch
Roteiro: Derek Kolstad
Elenco: Keanu Reeves, Willem Dafoe, Michael Nyqvist, Alfie Allen, Adrianne Palicki, John Leguizamo 
  
Sinopse:
John Wick (Keanu Reeves) ainda está tentando se recuperar da morte de sua querida esposa. Como último desejo ela acaba deixando de presente para ele uma cadelinha, para ajudar em sua recuperação. A dor emocional é imensa, mas ele tenta seguir em frente. Ao parar em um posto de gasolina para reabastecer seu carro ele é imediatamente intimidado por Iosef Tarasov (Alfie Allen), um filhinho mimado de um poderoso chefão da máfia russa. O que Iosef nem desconfia é que Wick também tem um passado sangrento no mundo do crime. Mexer com ele definitivamente não será uma boa ideia.

Comentários:
Pois é meu amigo, tome muito cuidado com quem você deseja provocar ao dar uma de valentão. Possa ser que seja a pessoa errada. Esse é o mote desse filme de ação muito movimentado estrelado por Keanu Reeves. No começo da trama o espectador é levado a crer que seu personagem é uma pessoa comum, tentando sobreviver a uma crise existencial após a morte prematura de sua esposa. Quando vira alvo de um roubo planejado por um filho de um mafioso russo sua verdadeira identidade se revela. John Wick é na verdade um ex-assassino profissional, um dos melhores do ramo, tendo inclusive trabalhado para a mesma máfia russa no passado. Um especialista em chacinas de inimigos. Agora, roubado e espancado por membros da gangue de Iosef Tarasov, um jovem inconsequente, ele se propõe a voltar ao seu velho trabalho, com a diferença que agora a questão é puramente pessoal. Para tentar salvar seu filho da morte certa, pois Wick não costuma errar seus alvos, o chefão Viggo Tarasov (Michael Nyqvist) decide então contratar outro assassino profissional tão mortal quanto o próprio Wick, o Sr. Marcus (Willem Dafoe). A partir desse ponto o espectador não terá mais descanso, já que as cenas de ação vão se suceder numa sequência intermitente de tiroteios, assassinatos e correria em geral. John Wick até parece um personagem saído de algum filme de ação da década de 1980 pela quantidade de pessoas que mata! No geral é uma boa fita de ação, valorizada por bem ensaiadas cenas de luta corporal. O ator Keanu Reeves, que andava meio gordinho e fora de forma, finalmente recuperou a antiga forma física e não se sai mal nesse papel que exigiu muito dele do ponto de vista físico. "De Volta ao Jogo" não traz um grande roteiro, mas diverte, acima de tudo. Vale a diversão.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Se Eu Ficar

Título no Brasil: Se Eu Ficar
Título Original: If I Stay
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Metro-Goldwyn-Mayer (MGM), New Line Cinema
Direção: R.J. Cutler
Roteiro: Shauna Cross, Gayle Forman
Elenco: Chloë Grace Moretz, Mireille Enos, Jamie Blackley
  
Sinopse:
Mia Hall (Chloë Grace Moretz) é filha de um casal que no passado teve até mesmo uma banda de punk rock. Ela ama música, mas nada referente à barulheira que seus pais adoram. Mia é apaixonada mesmo pela riqueza da música clássica e se dedica todos os dias a aprender violoncelo. Quando chega a oportunidade de entrar para uma das mais prestigiadas escolas de música erudita dos Estados Unidos, a Juilliard School em Nova Iorque, ela fica em dúvida se deve seguir em frente com seus sonhos ou ficar em Portland ao lado da família e seu namorado roqueiro. Filme indicado ao People's Choice Awards na categoria de Melhor Filme - Drama.

Comentários:
Um bom romance juvenil com toques espiritualistas em seu roteiro (não convém contar muito sobre isso para não estragar a surpresa do espectador). No geral o roteiro gira em torno da vida de Mia, uma garota normal, talvez um pouco tímida e reservada, que adora estudar música clássica. Enquanto os jovens de sua idade estão ouvindo rap e pauleiras em geral, ela está disciplinamente trancada em seu quarto praticando seu instrumento do coração, o violoncelo. Seus pais são do tipo moderninho, mas ela prefere fazer o estilo mais careta e conservador. Seu jeito de ser é abalado quando ela conhece um garoto roqueiro de sua escola que tem uma banda e sonha um dia ser um popstar. O enredo assim vai se desenvolvendo, mostrando em flashbacks o romance adolescente, seus primeiros problemas e o complicado jogo do amor nessa fase da vida, mas não é só isso que o filme procura explorar. Há uma linha narrativa que se passa ao largo dessa história de amor, mostrando ou pelo menos tentando mostrar, que o tempo segue em frente e muitas vezes eventos inesperados podem colocar tudo a perder em questão de segundos. Com esse filme Chloë Grace Moretz parece confirmar seu status de jovem atriz mais promissora de Hollywood. Realmente ela tem surpreendido pelas escolhas certas, mostrando uma segurança em cena digna de profissionais experientes. Se não cair na vala comum das celebridades de tablóides poderá certamente ter um brilhante futuro pela frente. O tempo dirá.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 18 de janeiro de 2015

O Homem da Máscara de Ferro

Título no Brasil: O Homem da Máscara de Ferro
Título Original: The Man in the Iron Mask
Ano de Produção: 1998
País: Estados Unidos, França
Estúdio: United Artists
Direção: Randall Wallace
Roteiro: Randall Wallace
Elenco: Leonardo DiCaprio, Jeremy Irons, John Malkovich, Gérard Depardieu, Gabriel Byrne, Peter Sarsgaard
  
Sinopse:
Na França, durante o auge do absolutismo do reinado de Louis XIV, um grupo de mosqueteiros aposentados resolve ajudar Philippe (Leonardo DiCaprio), irmão gêmeo do cruel monarca francês, que foi encarcerado em uma masmorra com uma torturante máscara de ferro, para que ninguém possa ver sua face. Filme baseado no livro escrito pelo aclamado autor Alexandre Dumas. Filme indicado ao European Film Awards na categoria Melhor Ator Coadjuvante (Gérard Depardieu).

Comentários:
Um elenco acima da média valorizado por uma produção luxuosa. Esses são os principais méritos de mais uma refilmagem dessa conhecida estória. Se trata da sexta adaptação para as telas do famoso livro. Para se ter uma ideia a primeira versão foi realizada em 1929 com William Bakewell no papel principal. Depois vieram novos remakes em 1939, 1977 (com Richard Chamberlain como Phillipe), 1979 (filme com o título de "O Quinto Mosqueteiro" estrelado por Beau Bridges) e finalmente "O Homem com a Máscara de Ferro" de 1985. Nessa versão de Randall Wallace (o roteirista de "Coração Valente") se optou por realizar um filme com foco mais na diversão, embora sem deixar de lado a carga dramática do livro original. Wallace se preocupou especialmente em desenvolver os personagens dos mosqueteiros, procurando tornar todos mais humanos, com características próprias de cada um. Leonardo DiCaprio também está muito bem em dois personagens. Em um deles, a do Rei Luís XIV, se mostra arrogante, cruel e sanguinário. Um monarca que não perde muito tempo com aspectos morais ou éticos de seus atos condenáveis. No outro, como Philippe, ele muda de personalidade, se revelando um jovem oprimido, mas com uma grande humanidade. Embora não tenha sido realizado nenhuma versão que podemos afirmar com segurança ser a adaptação definitiva do livro, essa aqui se mostra bem superior às demais. Um bom filme, com muita ação, baseado em um dos romances mais conhecidos da literatura mundial.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 17 de janeiro de 2015

Patch Adams

Título no Brasil: Patch Adams - O Amor é Contagioso
Título Original: Patch Adams
Ano de Produção: 1998
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures
Direção: Tom Shadyac
Roteiro: Maureen Mylander
Elenco: Robin Williams, Daniel London, Monica Potter
  
Sinopse:
Baseado em fatos reais o filme narra a história do médico Patch Adams (Robin Williams) que em determinado momento de sua vida profissional começa a defender o uso do humor e do riso como fator de recuperação de pacientes internados, em especial de crianças. Suas ideias, consideradas bobas e irrelevantes, acabaram com o tempo sendo comprovadas por estudos realizados nos principais hospitais dos Estados Unidos e Europa. Filme indicado ao Oscar na categoria de Melhor Música (Marc Shaiman). Também indicado ao Globo de Ouro nas categorias de Melhor filme - comédia ou musical e Melhor Ator (Robin Williams).

Comentários:
Uma visão mais humana da medicina, em essência era essa a principal proposta do médico americano Patch Adams. Ele foi o principal precursor de trazer maior calor humano para dentro dos frios (e muitas vezes aterrorizantes) ambientes hospitalares. Inicialmente tudo o que pregava foi visto pela comunidade médica apenas como uma bobagem inofensiva, até que alguns anos atrás a universidade de Harvard promoveu um longo estudo onde se comprovou que as premissas propostas por Adams estavam certas. De fato, principalmente no tratamento de crianças o uso de humor e diversão se revela como algo realmente importante no processo de recuperação. Adams inclusive nunca se fez de rogado, colocando todo o figurino de palhaço para divertir a garotada. O roteiro e seu argumento, como já é fácil de perceber, foram um presente e tanto para o ator Robin Williams. Afinal o próprio personagem lhe abria todo um leque de improvisações de todos os tipos. Ao contracenar com crianças doentes, Williams deu vazão a todo o seu repertório de imitações e piadas, o que divertiu não apenas a garotada, mas o público em geral. Esse aliás sempre foi o veículo perfeito para Williams em sua carreira no cinema, filmes que misturavam drama e comédia em doses exatas. Nesse tipo de produção ele realmente brilhava.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Contagem Regressiva

Título no Brasil: Contagem Regressiva
Título Original: Blown Away
Ano de Produção: 1994
País: Estados Unidos
Estúdio: Metro-Goldwyn-Mayer (MGM)
Direção: Stephen Hopkins
Roteiro: John Rice, Joe Batteer
Elenco: Jeff Bridges, Tommy Lee Jones, Suzy Amis
  
Sinopse:
James 'Jimmy' Dove (Jeff Bridges) trabalha para o esquadrão anti-bombas em Boston. Como é um veterano experiente sempre é designado para os casos mais complicados. Depois de vários anos na ativa decide que irá se dedicar apenas ao ensino de novatos na força policial. Quando seu ex-parceiro é morto por causa de uma explosão de uma bomba terrorista, Jimmy decide ir atrás dos verdadeiros responsáveis pelo atentado criminoso. Filme indicado ao MTV Movie Awards na categoria de Melhor Vilão (Tommy Lee Jones) e Melhor Sequência de Ação.

Comentários:
Em meus velhos registros de filmes assistidos acabei dando uma nota muito boa a essa produção quando a assisti pela primeira vez, há 20 anos. Uma nota merecida pois "Blown Away" é uma prova de que o cinema americano também consegue realizar muito bem fitas de pura ação com inteligência e boas atuações. Conforme a trama vai avançando o personagem de Jeff Bridges descobre que um velho fantasma de seu passado pode ser o responsável pelos bem arquitetados atentados à bomba que estão acontecendo. O diretor Stephen Hopkins resolveu inovar na trilha sonora, trazendo uma série de compositores clássicos para trazer uma certa exuberância (alguns diriam "lirismo") às explosões gigantescas que vão surgindo em sucessivos ataques terroristas. Tommy Lee Jones parece muito à vontade em seu papel de vilão, um piromaníaco com ideias anarquistas sem muito sentido. No fundo ele deseja mesmo é explodir a sociedade contemporânea e seus valores distorcidos. Uma diversão garantida, com ótimas cenas e uma dupla de atores que duelando em cena mantém o interesse até o fim. 

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Stargate

Título no Brasil: Stargate
Título Original: Stargate
Ano de Produção: 1994
País: Estados Unidos
Estúdio: Carolco Pictures
Direção: Roland Emmerich
Roteiro: Dean Devlin, Roland Emmerich
Elenco: Kurt Russell, James Spader, Jaye Davidson
  
Sinopse:
Um aparelho de teletransporte interestelar, encontrado nas areias escaldantes do Egito, leva todos os que nele entram a um estranho universo, em outra dimensão, a um planeta com seres humanos que se assemelham aos antigos egípcios e que adoram o deus Rá, na verdade uma entidade extraterrestre com poderes especiais. Filme vencedor do prêmio da Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films na categoria de Melhor Filme de Ficção. Também indicado nas categorias de Melhor Figurino e Melhores Efeitos Especiais.

Comentários:
Talvez seja o único filme assinado por Roland Emmerich que realmente valha a pena. Lançado há vinte anos no Brasil, "Stargate" era uma ficção que apostava alto na imaginação e na criatividade. Criando um elo direto entre civilizações extraterrestes e o antigo Egito, o roteiro realmente era muito original. Hoje em dia de forma curiosa o público em geral associa "Stargate" não tanto a esse longa-metragem, mas sim à série que durou longas dez temporadas (de 1997 até 2007). Confesso que esse seriado nunca me cativou, não acompanhei e os poucos episódios que assisti não me deixaram impressionado. Como eu já escrevi, bom mesmo é esse filme que acabou dando origem a tudo. Com um elenco muito bom, protagonizado pela dupla Kurt Russell e James Spader (antes de ficar careca e mais cool), o roteiro procurava explorar um universo todo próprio. Em termos de efeitos especiais não havia o que reclamar, principalmente quando tínhamos em cena antigos deuses da religião do Egito antigo disparando lasers de suas lanças históricas! Realmente tudo muito divertido e inovador. Longe dos excessos que iriam macular sua carreira nos anos que viriam, Roland Emmerich conseguiu acertar a mão, lidando com um argumento bem criado e bem desenvolvido. Assim deixamos a dica do verdadeiro "Stargate" que anda bem esquecido atualmente.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Identidade

Título no Brasil: Identidade
Título Original: Identity
Ano de Produção: 2003
País: Estados Unidos
Estúdio: Sony pictures
Direção: James Mangold
Roteiro: Michael Cooney
Elenco: John Cusack, Ray Liotta, Amanda Peet, Alfred Molina, Rebecca De Mornay

Sinopse:
Um grupo de pessoas fica presa em um pequeno motel de beira de estrada durante uma forte nevasca. Todos parecem ter algum motivo para estarem lá, além de apresentar características em comum. Para o nervoso dono do estabelecimento a coisa fica ainda mais complicada, uma vez que um a um os hóspedes começam a morrer. Afinal, o que estaria por trás de toda aquela situação mórbida? Filme indicado ao prêmio da Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films nas categorias de Melhor Thriller e Melhor lançamento em DVD.

Comentários:
O grande trunfo desse filme é o seu roteiro. O espectador vai acompanhando o enredo, pensando estar vendo uma estória sendo narrada de forma linear, sob um ponto de vista bem objetivo e nos momentos finais acaba percebendo que tudo não passa de um grande erro de percepção. A passagem de um ponto de vista cinematográfico objetivo para um mergulho na mente subjetiva do personagem principal é até hoje uma das mais bem boladas narrativas cinematográficas que já vi. O elenco também está muito bem, todos dando o suporte necessário para que a ideia central que move o filme tenha êxito no final de tudo. Como John Cusack está no centro da trama, cabe a ele trazer todos os segmentos e camadas que movem seu personagem, que é bem mais complexo do que muitos pensam. Outra boa decisão do diretor James Mangold foi desenvolver todos os acontecimentos dentro de um clima hostil e nebuloso, tal como se fosse a mente de uma pessoa com problemas de separar a realidade de meros delírios. Talvez o único "senão" envolvido nesse filme é que se trata de um daqueles thrillers que uma vez decifrados perdem todo o impacto inicial. Não é um suspense para se assistir mais de uma vez, já que seu impacto provém mesmo da primeira exibição (e da surpresa que envolverá o público). Depois disso grande parte do choque já foi absorvido e não causará mais o mesmo impacto.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

A Balada do Pistoleiro

Título no Brasil: A Balada do Pistoleiro
Título Original: Desperado
Ano de Produção: 1995
País: Estados Unidos
Estúdio: Columbia Pictures
Direção: Robert Rodriguez
Roteiro: Robert Rodriguez
Elenco: Antonio Banderas, Salma Hayek, Joaquim de Almeida
  
Sinopse:
El Mariachi (Antonio Banderas) cruza as estradas empoeiradas do México com seu violão a tiracolo. A todos avisa que é apenas um artista em viagem, procurando por alguém que lhe pague alguns pesos por apresentação. Na verdade ele é algo mais além disso, um pistoleiro bom de gatilho que acaba se envolvendo numa guerra de traficantes. Filme indicado ao prêmio do Chicago Film Critics Association na categoria de Melhor Revelação Feminina (Salma Hayek). Também indicado ao MTV Movie Awards na categoria de Melhor Beijo!

Comentários:
E por falar em Antonio Banderas eis aqui o remake de "O Mariachi", filme de baixo orçamento realizado em 1992. Imagine que no filme original o diretor Robert Rodriguez contou com apenas 5 mil dólares para rodar sua produção. Isso em termos de cinema é praticamente nada, uma quantia tão irrisória que não se consegue nem ao menos cobrir o custo dos equipamentos em um filme de orçamento médio. De qualquer maneira Rodriguez conseguiu realizar seu precário filme. Três anos depois o ator Antonio Banderas decidiu que queria estrelar um remake americano do mesmo roteiro. Afinal de contas em sua opinião havia muito potencial nesse enredo de um cantor errante das estradas que trazia algo a mais em sua caixa de violão. Banderas lutou e conseguiu levantar sete milhões de dólares no mercado americano e assim o filme foi finalmente feito. Em termos de Hollywood esse valor também não significa um orçamento satisfatório, mas como todos tencionavam repetir o espírito do primeiro filme seguiram em frente. O resultado é apenas mediano. Você como espectador precisa comprar a ideia, gostar dos personagens, do cenário e da proposta mais tosca desse enredo primário. Não é um filme sofisticado e nem muito desenvolvido. Está mais para um bangue-bangue moderno, sem cowboys e nem bandoleiros. No geral vale como uma mera curiosidade realmente. Para assistir apenas uma vez, conhecer e seguir adiante.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Os Carrascos Voluntários de Hitler

O autor desse livro, Daniel Jonah Goldhagen, é professor de história em Harvard. Sua tese de doutorado acabou dando origem a essa obra que ao chegar na livrarias ganhou o subtítulo explicativo de "O povo alemão e o Holocausto". Uma leitura muito conveniente nessa semana em que se celebram os setenta anos de libertação de Auschwitz. Esse livro toca em um assunto delicado. Logo após o fim da segunda guerra mundial criou-se uma mentalidade de que o povo alemão teria sido vítima do nazismo e não cúmplice como inicialmente seria de se supor. Pois bem, para o autor Goldhagen isso seria uma meia verdade. Ele demonstra nesse livro, através de intensa pesquisa, que obviamente não se pode generalizar, apontando o dedo para todos os alemães que viveram aquele terrível período histórico do nazismo, mas que também não se pode negar que algo muito sinistro ocorreu no seio daquele povo, inclusive com sua ativa participação no que depois ficou conhecido como o holocausto. Para isso o escritor traz à tona vários exemplos de atrocidades cometidas pelos próprios civis. Pessoas comuns que da noite para o dia se tornavam assassinas de judeus, de forma completamente voluntária.

Para defender sua tese ele recuperou fatos históricos de assombrar qualquer pessoa com um mínimo de humanidade em sua alma. Em um deles ele apurou um tipo de "passatempo" que se tornou comum entre os alemães durante a guerra: o da caça aos judeus! O que seria isso? Com o aumento da perseguição nazista muitos grupos de judeus fugiram para regiões remotas, alguns inclusive, em desespero completo, fugiram em direção aos bosques e florestas das regiões rurais mais distantes da Alemanha. Em vista disso foram formados grupos de caça a esses judeus, tal como se fossem os tradicionais festejos de caça à raposa, muito popular na Inglaterra. O problema é que eles não estavam atrás de raposas, mas sim de seres humanos, crianças, velhos e mulheres indefesas. Algo realmente revoltante. Com armas na mão, iam até esses lugares remotos em busca de judeus. Ao encontrá-los não pensavam duas vezes e os executavam ali mesmo, no meio do nada.

Assim tente imaginar o quadro monstruoso: fim de semana, um grupo de jovens alemães decidem pegar suas armas para irem até os bosques e florestas locais. Eles não faziam parte do exército do Reich e nem tampouco eram agentes da SS. Mesmo assim poderiam ser tão cruéis e sádicos como se fossem. O livro relata diversas chacinas acontecidas nessas ocasiões. Em um delas um grupo desses voluntários encontrou um refúgio de judeus no meio da mata fechada. Estavam todos literalmente em buracos no chão, escondidos. Tudo o que se ouvia eram choros de crianças e mulheres. O que fizeram então esses caçadores civis de judeus? Jogaram várias granadas de mão no buraco! Imagine o grau de perversidade e desumanidade envolvidas em algo tão tenebroso assim. Relatos como esse permeiam toda a leitura. Há também histórias bem tristes envolvendo pequenos campos de concentração espalhados por todo o território alemão, alguns inclusive bem próximos de Berlim. Esses mini-campos em pouco se assemelhavam aos mais famosos como o complexo de Auschwitz - Birkenau, mas poderia ser tão mortais quanto eles.

Eram campos de alta rotatividade, onde não se poderia perder muito tempo com a solução final! Assim as pessoas saiam dos trens de carga direto para câmaras de gás instalados em pequenos casebres de madeira. O mais chocante é saber que muitos desses campos eram servidos de voluntários, pessoas das redondezas, que participavam dos protocolos de morte por uma suposta paixão à ideologia nazista! Pior do que isso, eles tinham orgulho em participar de algo assim. Em contrapartida a essa fidelidade fanática os nazistas davam carta branca a esses voluntários civis. Eles poderiam fazer o que bem entendessem com os judeus que encontrassem pela frente. Podiam matar todos eles ou torturar os grupos que quisessem, como bem entendessem. Era o inferno na Terra. Diante de um livro como esse fica a pergunta: todo o povo alemão deve ser responsabilizado pelo holocausto? Certamente não! Muitas pessoas, inclusive as que odiavam o partido nazista, perderam suas vidas por tentarem criar uma espécie de oposição a esse regime. Esses alemães não podem ser culpados pelo que aconteceu. Eles na verdade devem ser considerados verdadeiros heróis. Agora, a outra conclusão simplista de que apenas os nazistas graduados teriam sido os culpados também deve ser deixada de lado. Muitos membros da sociedade civil da Alemanha cometeram atrocidades e chacinas por livre e espontânea vontade. O livro de Daniel Jonah Goldhagen vem justamente para trazer uma luz sobre essa questão.

Pablo Aluísio.

Anjos da Noite - A Evolução

Título no Brasil: Anjos da Noite - A Evolução
Título Original: Underworld - Evolution
Ano de Produção: 2006
País: Estados Unidos
Estúdio: Screen Gems, Lakeshore Entertainment
Direção: Len Wiseman
Roteiro: Danny McBride, Len Wiseman
Elenco: Kate Beckinsale, Scott Speedman, Bill Nighy
  
Sinopse:
"Underworld: Evolution" continua a saga da guerra entre os vampiros e os lobisomens. O enredo volta no tempo para mostrar os primórdios da antiga rivalidade entre as duas tribos que deram origem às criaturas que tentam se destruir na atualidade. Assim a vampira Selene (Kate Beckinsale) e o híbrido Michael (Scott Speedman) tentam desvendar os segredos de suas linhagens. Filme indicado a cinco categorias no Fangoria Chainsaw Awards. Também indicado nos prêmios MTV Movie Awards e Scream Awards.

Comentários:
Eu assisti ao primeiro filme com reservas. Apesar de gostar bastante de filmes sobre vampiros em geral essa franquia Underworld nunca esteve entre as minhas preferidas. Em minha forma de entender são filmes bastante influenciados pela cultura game e pelo universo Matrix, embora poucos realmente parem para pensar sobre isso. O ritmo é sempre frenético, com muitas cenas de ação (bem elaboradas, é verdade, mas também vazias e destituídas de emoção). Os pontos realmente interessantes se resumem na bonita direção de arte (bebendo de fontes ao estilo vintage futurista) e o elenco. Kate Beckinsale é uma atriz versátil, que pula de filmes pop como esse diretamente para dramas mais bem elaborados. É uma mulher bonita, ao estilo clássica, que consegue manter os olhos do espectador interessados no que se passa na tela. O enredo em si não muda muito em relação ao filme original, seguindo a linha mais pop e comic. Mesmo assim, para não perder a franquia de vista, compensa ao menos uma visita.

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

A Saga Crepúsculo - Lua Nova

Título no Brasil: A Saga Crepúsculo - Lua Nova
Título Original: The Twilight Saga - New Moon
Ano de Produção: 2009
País: Estados Unidos
Estúdio: Summit Entertainment
Direção: Chris Weitz
Roteiro: Melissa Rosenberg
Elenco: Kristen Stewart, Robert Pattinson, Taylor Lautner, Rachelle Lefevre, Dakota Fanning, 
  
Sinopse:
Segunda adaptação para o cinema dos romances de grande sucesso escritos pela autora Stephenie Meyer. O enredo começa quando Bella Swan (Kristen Stewart) passa mal em sua própria festa de aniversário. Para seu próprio bem seu namorado vampiro Edward Cullen (Robert Pattinson) decide ir embora ao lado de sua família, pois em sua forma de pensar ela sempre correrá riscos com eles por perto. A distância de Edward acaba abrindo espaço para que Jacob Black (Taylor Lautner) tente conquistar novamente o coração de Bella, algo que não será fácil pois ela ainda sente um profundo sentimento por seu ex-namorado, que agora procura por um novo sentido para sua existência.

Comentários:
Segundo filme da franquia "Crepúsculo". Como se trata de um roteiro adaptado bem no meio da saga não há maiores novidades. Uma vez que os personagens foram apresentados ao público no primeiro filme aqui temos apenas o desenvolvimento do complicado romance entre Bella, uma jovem humana normal, e Edward, uma criatura da noite, um vampiro, que se apaixona perdidamente por ela. Depois de muito sofrimento Edward resolve ir embora após sua amada sangrar na festa de seu aniversário. Jacob, que todos sabemos faz parte de um clã de lobisomens na região, se propõe então a fazer de tudo para que Bella fique segura. Afinal de contas a tentativa de se levar uma vida como a que tinha antes de conhecer Edward se mostra frustrada pois ela ainda chama a atenção de outros vampiros, em especial da de Victoria (Rachelle Lefevre), que parece sempre estar à sua espreita no meio da escuridão da floresta. Não se sabe exatamente o que ela quer com Bella, mas Jacob fareja sinais de perigo em sua estranha presença. Enquanto isso Edward vive sua fase de profunda tormenta por causa da perda da mulher amada. Refugiado no Rio de Janeiro, ele começa a passar por uma crise emocional violenta. Quando descobre por uma falsa informação que Bella estaria morta após pular de um rochedo, ele decide colocar um fim em sua própria existência. Em "Lua Nova" temos além dos competentes efeitos especiais (principalmente na cenas de lutas dos lobisomens na floresta), um momento que ficaria famoso dentro da saga quando Edward resolve se expor ao sol e... brilha! Claro que isso não passou despercebido aos que adoram tirar uma onda dos filmes dessa saga. Deixando o humor involuntário de lado temos que admitir que o filme também tem seus méritos. Em termos de bons momentos, por exemplo, podemos aqui recordar o encontro entre Edward e o Clã Volturi, os únicos personagens que fazem jus aos vampiros ditos mais clássicos do passado. Para um filme que é acusado de ser morno demais essas cenas de luta e tensão acabam fazendo valer o ingresso.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 11 de janeiro de 2015

Monstros vs Alienígenas

Título no Brasil: Monstros vs Alienígenas
Título Original: Monsters vs. Aliens
Ano de Produção: 2009
País: Estados Unidos
Estúdio: DreamWorks Animation
Direção: Rob Letterman, Conrad Vernon
Roteiro: Maya Forbes, Wallace Wolodarsky
Elenco: Reese Witherspoon, Rainn Wilson, Stephen Colbert
  
Sinopse:

Um meteorito vindo do espaço cai numa cidade da Califórnia. Entra as vítimas da colisão se encontra Susan Murphy (Reese Witherspoon). Imediatamente ela é levada para um complexo militar do governo americano onde descobre espantada que está se travando uma verdadeira guerra entre monstros e aliens, aqui mesmo no nosso planeta Terra! Animação indicada ao Annie Awards em três categorias (Melhor Storyboarding, Melhores Efeitos Visuais e Melhor dublagem).

Comentários:
Não se pode acusar a Dreamworks de não tentar. Na verdade o estúdio vem tentando acertar no rico mundo das animações já há bastante tempo. Também não podemos criticar a empresa por falta de originalidade. De uma maneira em geral temos que reconhecer que a Dreamworks é de fato uma das produtoras mais criativas nesse setor do mercado cinematográfico. Eles criam realmente novos personagens sem maiores referências em relação aos filmes da Disney. O filme procura se inspirar lá atrás, nos filmes de ficção dos anos 1950, onde a fantasia e a imaginação não encontravam barreiras. Talvez algumas citações a Roswell e outros eventos da ufologia passem despercebidos pela criançada (até porque elas não possuem idade para entender todas as referências), mas não precisa se preocupar sobre esse aspecto pois certamente a garotada gostará bastante do resultado final. Os personagens são ao estilo cartoon, lembrando até o antigo traço de Hanna-Barbera (os nostálgicos vão curtir isso). Assim fica a dica de animação no domingo. Uma animação bem bacaninha e divertida.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 10 de janeiro de 2015

Para o Que Der e Vier

Título no Brasil: Para o Que Der e Vier
Título Original: Are You Here
Ano de Produção: 2013
País: Estados Unidos
Estúdio: Gilbert Films
Direção: Matthew Weiner
Roteiro: Matthew Weiner
Elenco: Owen Wilson, Zach Galifianakis, Amy Poehler
  
Sinopse:
Dallas (Owen Wilson) e Ben (Zach Galifianakis) são amigos desde a infância. Agora, quarentões, passam o dia fumando maconha na casa caindo aos pedaços de Ben. Dallas pelo menos tem um emprego medíocre como "homem do tempo" em um noticiário de TV local de quinta categoria. Ben é um intelectual, mas nunca conseguiu se endireitar na vida. Vive desempregado, passando por apuros financeiros. Além disso mora em um trailer! Ele tem várias ideias mirabolantes porém jamais as coloca em prática. Quando seu pai morre, Ben se torna herdeiro de uma fortuna avaliada em 2,5 milhões de dólares, algo que enfurece sua irmã raivosa Terry (Amy Poehler) que definitivamente não fica satisfeita com a parte da herança que lhe cabe.

Comentários:
Bom filme. A presença dos comediantes Owen Wilson e Zach Galifianakis pode em um primeiro momento passar a impressão que se trata de uma comédia escrachada, dessas de fazer você rolar de rir pelo chão, mas não! Claro que o humor está presente, principalmente quando os amigos se juntam e começam a falar e fazer besteiras, mas isso nem é a tônica principal do filme. Há um bom roteiro por trás de tudo que procura explorar a complicada relação entre uma irmã que sempre procurou fazer tudo certo e um irmão que não parece muito antenado com a vida e que prefere passar o dia inteiro fumando maconha com o amigo. Grande parte do enredo se passa numa daquelas cidadezinhas americanas do meio oeste onde todos parecem se conhecer. O personagem de Zach Galifianakis é um achado, um sujeito que vive chapado, mas que tem bom coração e boas intenções e que de repente se vê milionário da noite para o dia. Já Owen Wilson retorna ao seu tipo habitual, a do cara boa praça, que não parece se preocupar muito com a vida e que vai levando em frente sua existência sem planejar muito ou se preocupar com o futuro. Ele também repete de certa forma sua caracterização que fez tanto sucesso em "Penetras bons de bico" pois aqui seu personagem também é um canastrão, levemente cafajeste, que tenta levar todas as garotas que encontra pela frente para a cama. Enfim, diversão garantida.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Hitler e os Prussianos

Hitler e os Prussianos - É um tema curioso. Outro dia navegando por uma rede social me deparei com o anúncio da subida de Hitler ao poder. Era uma chamada de uma canal a cabo sobre História que ultimamente tem pouco de história e muito de reality shows, onde americanos ficam assistindo pessoas vendendo e comprando itens em uma loja de penhores. Mas enfim, voltemos ao tema. Esse canal estava relembrando - como sempre faz - datas históricas importantes. Uma delas era justamente da subida de Hitler ao poder. Nos comentários havia muita gente afirmando que Hitler era um gênio, um gênio do mal é verdade, mas um gênio. Outros diziam que ele de fato foi o maior estrategista militar da história, só sendo superado talvez por Napoleão Bonaparte. Por fim surgiram os realistas, com alguma noção maior de história.

Na verdade Hitler não foi um gênio, nem sobre o ponto de vista militar ele pode ser considerado algo assim. O exército alemão era formado por homens da elite prussiana, membros de famílias centenárias que enviavam seus melhores quadros para se tornarem generais de brigada. Era a nata da nata da sociedade alemã. E como eles viam Hitler? Simples de explicar. Os principais generais alemães não eram membros do partido nazista e achavam Hitler um verdadeiro imbecil. Apenas isso. Claro que conforme a ditadura nazista ia ficando cada vez mais brutal, com assassinatos em massa, muitos pularam o barco se unindo ao partido nazista, mas se olharmos bem os generais o faziam por puro instinto de sobrevivência, não apenas física, mas também política. Hitler estava disposto a eliminar qualquer um que lhe fizesse oposição e por isso não ser membro do partido nazista era quase como um suicídio pessoal dentro do Reich naquele período brutal da história.

Mesmo assim a opinião desses altos oficiais não havia mudado. Eles viam Hitler como um anão militar, um sujeito que não entendia muito de estratégia militar. Tanto isso é verdade que nas salas reservadas do exército alemão havia um pânico concreto que ele iria levar à nação a um desastre de proporções épicas - como levou aliás. Hitler havia chegado ao humilde posto de cabo quando serviu na Primeira Guerra Mundial. E era justamente essa imagem que muitos generais de cinco estrelas viam quando estavam ao seu lado. O Führer tinha momentos de pura megalomania. Enquanto suas campanhas iam dando certo os militares alemães não viam condições de lhe criticar, porém quando os exércitos do Eixo começaram a sofrer duras derrotas no campo de batalha ficou claro para todos que a guerra seria perdida pelas idiotices cometidas por Hitler. Uma delas - talvez a pior, aquela que lhe custou a guerra - foi justamente abrir duas frentes, uma ocidental e outra oriental ao cometer o bárbaro erro de invadir a União Soviética. A Alemanha naquele momento não tinha homens suficientes e nem equipamentos para entrar em uma campanha tão louca do ponto de vista estratégico. O resultado que se viu foi as tropas alemãs morrendo de frio no rigoroso inverno russo. Os que sobreviveram foram aniquilados pelo exército vermelho.

Hitler tinha vários momentos de pura loucura. A maior tragédia do povo alemão foi que ninguém o parou a tempo. A ideologia nazista criou um aparato de propaganda jamais visto. A sociedade alemã foi bombardeada por anúncios e cartazes pregando a subida ao poder de um homem acima do bem e do mal, quase divino, que iria resgatar a nação ariana das humilhações que sofreu após a derrota na Primeira Guerra Mundial. Um "salvador da pátria" amparado por uma ideologia destrutiva e fanática. Já para seus generais prussianos Hitler era um bufão, um populista medíocre que conseguiu se apoderar do governo alemão - e pasmem, em um momento em que a Alemanha gozava de plena democracia e onde todos os poderes institucionais de direito funcionavam perfeitamente. Como isso pôde acontecer? O nazismo e o próprio Hitler provou lá atrás, na história, que infelizmente a democracia não é infalível, pelo contrário, ditaduras perigosas e líderes corruptos também podem perfeitamente subir ao poder e desestruturar completamente uma nação, por mais desenvolvida, democrática e desenvolvida que ela fosse. Assim ficam as lições da história para podermos entender o próprio quadro atual que se abate sobre todos nós.

Pablo Aluísio.

Joe Contra o Vulcão

Título no Brasil: Joe Contra o Vulcão
Título Original: Joe Versus the Volcano
Ano de Produção: 1990
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: John Patrick Shanley
Roteiro: John Patrick Shanley
Elenco: Tom Hanks, Meg Ryan, Lloyd Bridges
  
Sinopse:
Joe (Tom Hanks) é um hipocondríaco que acaba descobrindo que está morrendo. Ele tem um emprego horrível e uma rotina chata e massacrante. Com a vida praticamente encerrada aceita uma oferta surreal: se jogar em um vulcão em uma ilha tropical, para supostamente acalmar um Deus que vive na cratera. Ao longo do caminho acaba descobrindo o verdadeiro significado da vida e da existência de todos nós.

Comentários:
Assisti na época do VHS. Nunca consegui gostar desse filme. Ele se desenvolve em ritmo de fábula. O personagem Joe é um sujeito que vive preocupado em ficar doente até o dia em que isso finalmente acontece. A partir daí sua vida maçante e tediosa sofre uma guinada e tanto. Como é um homem de extremos também aceita a maluca oferta de pular dentro de um vulcão prestes a entrar em erupção na ilha de Waponi Woo. Como está prestes a morrer assume também uma postura exagerada e ultrajante para curtir seus últimos momentos de vida e nesse processo acaba encontrando o amor de sua vida. Esse é exatamente aquele tipo de filme que você precisa comprar a ideia do roteiro, caso contrário tudo se perde. Gosto muito de Tom Hanks, principalmente nessa época em que sua carreira era mais direcionada para comédias (inclusive românticas, como essa). O fato da dupla central ter muito carisma ajuda a passar o tempo, mas tudo vai por água abaixo na péssima cena final, que deixou certamente muita gente aborrecida (inclusive esse que vos escreve). Enfim, nada memorável e nada relevante. Melhor esquecer.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Justiça Cega

Título no Brasil: Justiça Cega
Título Original: Internal Affairs
Ano de Produção: 1990
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Mike Figgis
Roteiro: Henry Bean
Elenco: Richard Gere, Andy Garcia, Nancy Travis
  
Sinopse:
Raymond Avilla (Andy Garcia) é um membro da corregedoria do departamento de polícia de Los Angeles que começa uma investigação envolvendo o policial Dennis Peck (Richard Gere). Ele aparenta ser um tira acima de qualquer suspeita, bem visto pelos colegas de profissão. Raymond porém desconfia de sua honestidade nas ruas, já que há muitas evidências apontando contra ele e seu modo de agir. Suas movimentações financeiras levam a crer que há algo de muito obscuro naquele policial tão conceituado em sua profissão.

Comentários:
Um muito bem realizado thriller policial colocando em lados opostos dois atores carismáticos, Richard Gere e Andy Garcia. Gere interpreta um policial manipulador, mulherengo e desonesto que descobre que as ruas podem lhe trazer muito dinheiro. Usando de todos os tipos de extorsões e chantagens ele começa a reunir um belo patrimônio pessoal. Incompátivel com o que ganha, suas contas bancárias logo chamam a atenção da corregedoria. Andy Garcia interpreta Raymond Avilla, o agente encarregado de desmascarar sua vida de crimes. Ele é um mauricinho, que se veste de forma impecável, com cabelo engomadinho e que não goza de popularidade entre os demais policiais. Bem diferente do estilo de Peck (Gere), que é popular, falastrão e querido entre seus colegas. O problema é que o primeiro está na linha e o segundo é um contumaz violador da lei. Roteiro bem trabalhado, apoiado basicamente nas diferenças de estilos dos dois personagens principais, sempre prontos a destruírem um ao outro. O cenário é as ruas violentas de Los Angeles. Por falar nisso uma crítica comum que se fez ao filme em seu lançamento foi a de que o diretor inglês Mike Figgis não tinha familiaridade suficiente com o dia a dia da costa oeste americana, em especial de suas grandes cidades, para rodar um filme de caos urbano como esse. Bobagem, tudo já estava devidamente criado em seu roteiro, então era apenas uma questão de não atrapalhar um enredo que já era bom o suficiente por si próprio. Então é isso, "Internal Affairs" é um bom filme policial, onde se inverte a ordem natural das coisas nesse tipo de filme, sendo que os membros da corregedoria dessa vez é que são os mocinhos da estória. Está bem recomendado.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.