terça-feira, 31 de março de 2015

10 Curiosidades do Velho Oeste

1. O famoso pistoleiro Billy The Kid não nasceu no oeste americano, mas sim na cosmopolita Nova Iorque em 17 de setembro de 1859. Ele ficou particularmente conhecido por causa da chamada Guerra do Condado de Lincoln, onde foi preso após matar o xerife da cidade. Depois de uma fuga espetacular da cadeia local, Kid começou a ser celebrado em livros baratos, de bolso, que tornaram seu nome imortal dentro da mitologia do western. Foi um dos mais famosos foragidos da lei. Mais de dez mortes foram creditadas a ele, mas muitas nunca foram confirmadas ou provadas. Ele acabou sendo morto aos 21 anos por Pat Garrett, um antigo conhecido que havia se tornado um homem da lei.

2. O termo "distrito da luz vermelha", até hoje usado para identificar pontos de prostituição em várias cidades ao redor do mundo, veio de um saloon chamado Bordello em Dodge City, Kansas. A porta da frente do prédio era feito de vidro colorido e produzia um brilho vermelho para o mundo exterior quando iluminada à noite. Acabou se tornando o mais famoso bordel do velho oeste.

3. Um dos mais famosos homens da lei do velho oeste, o celebrado xerife e delegado Wyatt Earp, foi acusado e indiciado por roubo de cavalos na cidade de Van Buren, Arkansas em 8 de maio de 1871. Na época o crime era punido com pena de morte, sendo os condenados pendurados numa árvore e deixados para morrer em execuções públicas. Wyatt não chegou a ser julgado, pois após pagar a fiança fugiu para o Kansas onde começaria uma nova vida.

4. Estimativas afirmam que as nações Indígenas do velho oeste contavam com uma população superior a 8 milhões de Indivíduos. Pouco mais de 1,5 milhão conseguiu sobreviver ao avanço do homem branco durante a colonização da região. Foi um dos maiores genocídios da história.

5. Uma das cidades mais violentas do velho oeste se tornaria uma das mais populosas da Califórnia, décadas depois de sua fundação. Em 1855 Los Angeles era apenas um posto empoeirado de diligências que seguiam rumo a San Francisco. A média de assassinatos era tão alta que o próprio prefeito resolveu renunciar ao seu cargo para liderar um grupo de linchadores que havia resolvido fazer justiça com as próprias mãos contra grupos criminosos que atuavam na cidade naquele conturbado período histórico.

6. Doc Holliday, um dos mais conhecidos pistoleiros do velho oeste, era formado em odontologia. Ao contrair tuberculose sua carreira chegou ao fim pois os pacientes não confiavam mais em fazer tratamentos dentários com uma pessoa doente como ele. Sem alternativas Doc seguiu rumo ao oeste por causa do clima. Lá, sem trabalho e sem meios de viver, começou a ganhar a vida em jogos de cartas nos inúmeros saloons da região. Para se proteger começou a também usar armas. Depois de matar os primeiros desafetos em discussões sobre jogos, Doc começou a ficar conhecido por todas as cidades por onde passava por causa de sua destreza nos gatilhos. Segundo algumas biografias ele não tinha o instinto de preservação que todos possuímos. Por ser frio ao extremo, se tornou um excelente matador em duelos pelas ruas dos vilarejos por onde passava.

7. A famosa gangue dos Daltons, que varreu muitas cidades do oeste selvagem, só durou um ano e cinco meses. Eles se reuniram pela primeira vez para realizar um assalto de trem em Wharton, Oklahoma em maio de 1891. Em 5 de Outubro de 1892 foram encurralados por homens da lei em em Coffeyville, Kansas. A intensa troca de tiros que se seguiu acabou com a quadrilha em questão de minutos.

8. O cacique Touro Sentado, que ficou famoso por derrotar a Sétima Cavalaria liderada pelo General Custer em 1876, na verdade não participou da batalha de Little Bighorn que o notabilizou na história. Ele ficou em sua tribo participando de uma série de rituais para que seus guerreiros fossem bem sucedidos na luta contra os soldados americanos. Os índios na verdade foram liderados por Cachorro Louco, que dizem deu o tiro fatal que matou Custer.

9. Quando os colonizadores brancos chegaram pela primeira vez no oeste americano eles encontraram milhões de búfalos selvagens nas grandes planícies. Em pouco mais de quinze anos a matança foi tão severa que o animal praticamente desapareceu dos pastos. Os búfalos abatidos eram vendidos para empresas orientais que os usavam na produção de fertilizantes e porcelana.

10. Harry Longabaugh ficou conhecido na história como Sundance Kid. O apelido veio do fato dele ser procurado por roubo de cavalos em Sundance, no Wyoming. Ao lado de Butch Cassidy ele se tornou um dos mais conhecidos foragidos da lei no velho oeste americano. Até hoje não se sabe ao certo o que teria lhe acontecido após fugir dos Estados Unidos ao ter sua cabeça colocada a prêmio por dez mil dólares.

Pablo Aluísio.

O Catolicismo e o espiritismo

Conforme prometi no mês passado pretendo ampliar os temas do blog de uma forma em geral. Já tratei sobre política recentemente em um artigo chamado "O Brasil precisa de uma Direita" e agora falarei um pouco sobre religião. Não é um tema fácil certamente. De antemão quero deixar claro que o texto não tem como objetivo a conversão de quem quer que seja. Como sou católico (isso é importante esclarecer) colocarei aqui as contradições existentes entre o espiritismo e o catolicismo. Como grande parte da doutrina católica se assemelha também ao protestantismo, creio que a comparação também será de interesse dos evangélicos. Pois bem, dito isso quero dizer que acho muito complicado alguém se auto denominar católico e espírita ou evangélico e espírita ao mesmo tempo. Isso porque são doutrinas divergentes e pregam aspectos religiosos diferentes. Não cabe a qualquer um julgar a fé das outras pessoas mas apenas mostrar que há diferenças enormes entre essas crenças. Conciliar algo assim que se separa logo nas premissas é muito contraditório. Vamos aos fatos.

O espiritismo advoga a existência da reencarnação. Isso é um ponto central dentro da doutrina dos que seguem os ensinamentos de Allan Kardec (1804 - 1869). A reencarnação não surgiu pela primeira vez dentro do espiritismo. Na verdade ela sempre foi pedra fundamental de certas religiões orientais. Qual é a finalidade da reencarnação? Segundo o espiritismo a reencarnação (a volta sucessivas vezes ao plano material) seria uma forma de purificação da alma. Através de inúmeras voltas ao mundo a alma seria purificada pelas experiências de vida de cada um. Nada semelhante a isso você encontrará na doutrina católica e nem evangélica. Para os seguidores do cristianismo a vida é única. O catolicismo, por exemplo, prega que todos somos seres espirituais e após a morte voltamos para a nossa verdadeira natureza espiritual. A eterna volta ao mundo material seria simplesmente um martírio sem fim. Além do mais a vida na Terra nada mais seria do que uma forma de revelarmos nossa verdadeira essência perante Deus. Aos que trilharem o caminho do mal a punição seria o envio para o inferno em danação eterna. Para os puros de coração haveria a glorificação eterna, dentro dos portões do paraíso. Não há volta, nem reencarnação, nem novas chances que poderiam levar a milhares de reencarnações até a purificação completa da alma.

Como católicos e evangélicos são cristãos não há espaço para crenças alternativas que não foram reveladas pela presença de Jesus em sua caminhada pela Terra. O católico não quer voltar ao mundo sucessivas vezes, ele almeja a plenitude de uma vida espiritual eterna. O curioso é que a promessa de reencarnações revela um materialismo por parte do espiritismo. Certamente pessoas materialistas ficarão muito contentes em saber que voltarão ao mundo não uma mas muitas vezes. O materialista não almeja vida espiritual mas sim material.

A questão é que se existisse realmente reencarnação Jesus teria sido claro em seus ensinamentos sobre isso. Inclusive a reencarnação por ser uma das bases de religiões antigas já era bem conhecida por Jesus e seus seguidores em seu tempo. Mas ao invés de pregar a reencarnação em sua pregação o que temos é o silêncio completo do Messias sobre o tema. Ele jamais falou sobre reencarnação. Jesus certamente tratou sobre a existência do inferno, do céu, demônios (anjos caídos), anjos celestiais, da punição dos maus e da vida eterna para os bons. Mas jamais falou em volta ao mundo material. Inclusive quando estava na cruz Jesus prometeu ao bom ladrão que esse estaria ao seu lado no paraíso. Nada de voltar para reencarnar e se purificar. O bom ladrão, segundo as próprias palavras de Jesus, adentraria o céu porque ele, Jesus, assim o quis.

Aqui entra a segunda contradição entre espiritismo e religiões cristãs. Jesus deixa claro a existência do paraíso e do inferno. Para os espíritas não existe inferno já que como os espíritos estão em eterna evolução eles jamais seriam levados para as profundezas do Hades. Ora, a existência do inferno (para onde foram enviados os anjos caídos liderados por Satã) é uma das premissas da religião não apenas cristã como judaica também. O inferno está reservado aos ladrões, assassinos, pedófilos e demais criminosos para que eles paguem por seus pecados. É simples assim. Não que fiquem evoluindo por milênios, obviamente voltando a cometer os mesmos crimes por vidas e vidas. Isso não soa para os cristãos como justiça divina. Além disso o mal existe, há pessoas que não prestam que devem pagar por seus pecados, por seus crimes. Para eles o inferno. Aliás dentro da crença católica temos a aparição de Nossa Senhora de Fátima que mostrou o inferno para as crianças em sua visão. Então não há como um católico acreditar em uma doutrina que negue a existência do inferno como o espiritismo.

Outro ponto de extrema contradição entre o catolicismo e o espiritismo vem da forma como é encarada a figura do Cristo. Dentro da Igreja Católica Jesus Cristo é o próprio Deus encarnado entre os homens. É o verbo que se fez carne. É Deus que veio ao mundo para ensinar a verdadeira mensagem divina. Para o espiritismo Jesus Cristo é apenas uma alma de luz, na mesma categoria em que estão outros espíritos iluminados como Buda, Maomé, etc. Basta entender isso para saber que o Cristo católico é bem diferente do Cristo espírita. Não possuem a mesma importância e nem  estão no mesmo patamar de relevância. Em razão disso o Jesus católico que é o salvador, o redentor é apenas um guia dentro do espiritismo. Dentro da doutrina espírita cada alma se salvará por si mesma, no processo de evolução proporcionado pelas sucessivas reencarnações. Para o católico e o evangélico a salvação virá por Jesus Cristo necessariamente. A diferença é significativa. É impossível ao verdadeiro católico aceitar a diminuição da importância de Jesus dentro da doutrina fundada por ele.

Além da reencarnação o espiritismo se baseia bastante na comunicação com os mortos. Esse aspecto aliás foi a porta de entrada para os estudos de Allan Kardec. O problema é que o velho testamento condena de forma clara esse tipo de prática, chegando a afirmar que Deus virará o rosto para quem praticar tais atos. A contradição nesse ponto foi tão forte que Kardec não teve outra opção a não ser tirar o velho testamento da Bíblia da doutrina espírita. Ora, tanto católicos como evangélicos não ignoram os ensinamentos do velho testamento. É impossível para um cristão da linha tradicional tirar grande parte da Bíblia de seu caminho espiritual, de seu projeto de salvação. O espiritismo porém assim o fez.

A necromancia é condenada de forma veemente tanto pelos católicos como pelos protestantes. É o que é necromancia? É a evocação dos mortos, a tentativa de comunicação com o além, com as pessoas que partiram dessa vida material. Para alguns estudiosos das escrituras inclusive, as entidades que se apresentam como os mortos de familiares e parentes não seriam eles na verdade, mas sim anjos decaídos se fazendo passar por essas pessoas falecidas. Afinal Satã é dentro da doutrina cristã o pai da mentira. Por isso a proibição sempre presente dentro do catolicismo e do protestantismo de tal ato. Já para o espiritismo isso é base de sua doutrina, prática diária, sempre presente em suas reuniões.

O mundo dos mortos e dos vivos deve ser mantido separado, segundo a própria vontade de Deus, assim pensam católicos e evangélicos. Qualquer ato que vá nesse sentido é algo que vai contra a vontade divina e será punido como pecado grave. O espiritismo também crê em entidades que curam as pessoas de seus males físicos ou mentais. Pois bem, os cristãos tradicionais atribuem o poder de cura e milagre apenas a Deus. Não acreditam que espíritos (sejam de luz ou de trevas) possam curar alguém no mundo material. Isso vai contra tudo que está nas escrituras. Nem os santos católicos curam, apenas intercedem. Imaginem essas entidades espirituais que desconhecemos.

E existe um outro problema incontornável entre essas doutrinas. A lei da ação e reação dentro da reencarnação.

Os espíritas afirmam que os crimes cometidos em uma vida serão punidas em uma segunda volta ao plano material. É o karma das religiões orientais antigas, a lei da ação e da reação. Assim aquele que nascesse rico seria a manifestação da graça divina que fez em outra vida. O pobre estaria sendo punido por vidas passadas. O deficiente físico, idem. Tudo o que você é hoje é fruto de algo que fez em seu passado. Isso explicaria a morte de bebês com poucos dias de vida, por exemplo.
Pois bem, nada disso existe dentro do catolicismo. Não há ação e nem reação causada por reencarnações.

O catolicismo nunca fez uma ligação entre riqueza e espiritualidade. O fato de alguém nascer rico ou pobre não determina que Deus está premiando ou punindo alguém, afinal Jesus foi o mais pobre dos homens. Ele não nasceu em um palácio mas num lugar dos mais humildes, o que mostra a forma de pensar de Deus. Essa ligação entre riqueza e graça divina acabou dando origem à horrível teoria da prosperidade que está espalhada no meio do protestantismo. Riqueza material nada tem a ver com espiritualidade.

Em relação a crianças defeituosas ou doentes há explicação dentro das próprias escrituras cristãs. A partir do momento em que o homem rompeu sua aliança com Deus, a morte, a doença e outros infortúnios entraram na história da humanidade. Isso é parte inerente ao ser humano. Para os bebês que morrem com poucos minutos de vida certamente não haverá perda nenhuma do ponto de vista espiritual, pois a vida terrena é uma forma de existência grotesca. Elas ganham o céu imediatamente e vivem uma vida espiritual maravilhosa, como prometido por Jesus aos puros de coração.

Riqueza material nada tem a ver com graça divina. Lembremos as palavras de Jesus. Disse ele em Mateus 19:24: “...é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus”. Então como ficam falando que ricos são abençoados por Deus e pobres amaldiçoados? A teoria da prosperidade evangélica - que se disseminou em outras religiões como o espiritismo - é um dos maiores absurdos teológicos da história.

A doença, os males, a cruz, está dentro da humanidade. Aqueles que nascem com deficiência física não são assim por terem sido punidos por Deus. Pelo contrário. Muitas pessoas com deficiências são seres humanos maravilhosos que iluminam a todos que os conhecem. Não pode haver ligação entre deficiências com uma suposta punição por parte de Deus. Nem riqueza material com graça divina e nem pobreza material com punição divina. Pessoas pobres são geralmente mais maravilhosas como seres humanos do que ricos que tendem ao egoísmo e à soberba.

"Deus está entre os humildes, os deficientes, os puros de coração. Lembrem-se sempre disso!" - afirmam os católicos mais tradicionais.

Existe uma história muito cativante de Santa Rita de Cássia que mostra bem a diferença de pensamentos. Certa vez ela estava fazendo uma viagem em um burrito onde tudo parecida dar errado. A carga caía na água, o burrinho emperrava e não saia do lugar, a ponte que ela deveria atravessar caiu. E ela, coitada, sofrendo tudo isso, só queria fazer o bem! Então em um momento muito divertido ela olhou para cima e disse: "Uma forcinha cairia bem não é mesmo, meu Deus?". Naquela noite ela dormiu e sonhou com Jesus que lhe disse: "Querida Rita, eu queria ver você lutar, ir em frente, enfrentar os desafios em nome de Deus". Ser católico é isso. Não é promessa de ficar rico, nem de viver se mostrando para os outros mas sim enfrentar todos os desafios da vida com alegria e fé em Deus. Como o Papa Francisco disse recentemente de forma brilhante: "Deus dá os maiores desafios e batalhas para seus melhores soldados". Um pensamento puramente católico. Bem diferente do que vemos no espiritismo de Kardec.

A conclusão que tiramos de tudo isso é a de que existem diferenças fundamentais entre a crença seguida pelo espiritismo e as bases da doutrina cristã. Em minha forma de pensar é algo completamente contraditório seguir ambas as religiões ao mesmo tempo. A escolha entre ser católico, evangélico ou espírita é de cada um. Isso é óbvio, mas deve haver nessa escolha uma coerência de fundamentos, caso contrário a pessoa corre o risco de não ser mais coisa nenhuma.

Pablo Aluísio.

O Filho de Deus

Título no Brasil: O Filho de Deus
Título Original: Son of God
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Twentieth Century Fox
Direção: Christopher Spencer
Roteiro: Richard Bedser, Christopher Spencer
Elenco: Diogo Morgado, Amber Rose Revah, Sebastian Knapp

Sinopse:
O filme narra a história de Jesus de Nazaré (Diogo Morgado), jovem judeu que mudou os rumos da história da humanidade, pois afirmava ser o filho de Deus, o Messias enviado para redimir os pecados do mundo. Pregando ao lado de doze apóstolos ele disseminou sua mensagem de paz e amor ao próximo por onde passou. Sua popularidade e carisma acabou despertando a inveja dos poderosos do Templo que sob a aprovação do governador romano da Judéia, Pilatos, o mandaram para a morte na cruz no calvário.

Comentários:
Antes de mais nada é bom salientar que não adianta você ir assistir a esse filme pensando em encontrar algo extremamente fiel aos evangelhos. Sim, no geral o roteiro é bem respeitoso, porém há pequenos detalhes que vão incomodar os mais tradicionalistas. Além disso é notório que certas partes importantes da vida de Cristo foram amenizadas ou ignoradas, enquanto outras são mal aproveitadas. Na realidade é um filme que me soou até despretensioso do ponto de vista puramente cinematográfico. Não há maiores ousadias autorais ou tentativas de provar qualquer tese teológica como estamos acostumados a ver em filmes sobre Jesus. O diretor, apesar de pequenas licenças poéticas, nunca ousa ir muito além disso. Apesar desse aspecto o filme teve uma certa repercussão negativa, principalmente em seu lançamento na Europa, algo que sinceramente achei um pouco fora de tom, desproporcional até. O ator que faz Cristo não chega nem perto dos bons atores que já interpretaram o papel no passado mas também não chega a prejudicar o resultado final. A produção não é de encher os olhos e os efeitos digitais que recriam cenários da época - como o templo de Jerusalém - não são lá muito bem feitos. Apesar de tudo isso vale ainda a pena assistir, nem que seja para o conferir pura e simplesmente. Diria que é um filme até mesmo didático sob um certo ponto de vista. Dessa maneira até vale a indicação para os mais jovens que não são tão versados assim nas escrituras ou se mostram desinteressados em religião. Fica como um mero convite para um primeiro contato, para quem sabe depois eles possam se aprofundar melhor - e com a devida seriedade - na maior história de todos os tempos.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Os Santos Inocentes

Herodes, o Grande, Rei da Judéia, era um monarca completamente insano e brutal. Ditador perpétuo colocado no trono pelos romanos, ele não gozava da menor popularidade entre o seu povo que o via apenas como um traidor miserável que se mantinha no poder por causa do poder militar e econômico da Roma Imperial. Era um fantoche do imperador romano. Também era um herege que pouco se importava com assuntos religiosos. Seu governo de sangue e opressão era odiado pelos judeus da época. Por isso o maior medo de Herodes era ser deposto do trono pelo tão aguardado "messias" tal como estava previsto nos antigos textos escritos pelos profetas. Completamente paranóico e corroído pelo ganância de riquezas e poder, ele não pensou duas vezes antes de matar sua própria esposa, seu irmão, dois cunhados e vários tios e primos. Todos eles representavam perigo ao seu reinado segundo sua própria visão distorcida e imunda do mundo ao seu redor.

Assim quando começou a circular a história de que um messias estaria nascendo por causa do surgimento da estrela de Belém, Herodes ficou extremamente perturbado com o fato! Desesperado, mandou chamar seus magos para que consultassem as mensagens vindas das estrelas e dos corpos celestiais para que pudesse tomar alguma medida. Herodes então foi informado que as escrituras estavam sendo cumpridas, de que o Messias acabara de nascer em Belém como havia sido previsto. O futuro rei dos Judeus já estava entre nós! De forma astuta Herodes disse que queria saber a exata localização da criança pois queria lhe prestar homenagens. Uma mentira pois de fato ele queria saber onde se encontrava o messias recém-nascido para matá-lo imediatamente, pois acreditava que no futuro ele seria deposto de seus poderes justamente por essa criança abençoada.

Um anjo então foi enviado a Maria e José para lhes informar do perigo que corriam. Eles deveriam pegar o pequeno Jesus para seguirem viagem em segurança até o Egito onde estariam livres das perseguições de Herodes. O insano monarca judeu ficou furioso por não conseguir encontrar e localizar o menino Jesus. Em um ato de extrema brutalidade e insanidade mandou matar todos os meninos recém-nascidos de Belém e arredores. Não satisfeito ainda mandou assassinar todos os garotos de até dois anos de idade, como precaução caso seus magos estivessem enganados sobre a data certa do nascimento do messias. O horror do massacre e a devastação das mães e dos pais levou Mateus a citar Jeremias: “Ouviu-se um grito em Ramá, choro e grande lamento: é Raquel que chora seus filhos e não quer ser consolada, pois não existem mais”. (Mateus 2:18).

A Igreja Católica relembra a morte dessas crianças nesse dia dos Santos Inocentes. Bebês indefesos que foram martirizados pela ira de um rei louco e sedento de poder. Estão todas glorificadas na glória de Deus, enquanto Herodes, o monstro, está beijando o mármore das fossas abissais do inferno. A justiça de Deus nunca falha.

Pablo Aluísio.

O Ateísmo Avança...

É lamentável mas parece ser uma tendência atual. O número de ateus - pessoas que não acreditam em religiões, crenças ou Deus - tem aumentado a cada ano. Em países escandinavos como a Suécia eles já são a maioria da população. Também cresce o número de pessoas que dizem não mais seguir qualquer tipo de religião ou fé. Eu serei sincero ao dizer que nada disso me surpreende. Ora, vivemos no mundo do consumismo e do materialismo exarcebado. O homem moderno é o extremo oposto do que era o homem medieval, por exemplo. Se na Idade Média o homem vivia para a glorificação de seu Deus, agora o homem vive para a glorificação de si mesmo. Até mesmo em religiões vemos esse fato. Em muitas ocasiões as pessoas em busca de uma melhoria em sua vida financeira pagam dízimos esperando uma contrapartida por parte de Deus, ou seja, ao invés de servir à sua divindade agora eles esperam que Deus lhes preste um serviço lhes dando justamente bens materiais. Hoje em dia o mais importante é "ter" do que "ser"! Estou escrevendo alguma inverdade?

É triste essa situação porque o ateísmo leva a três coisas que certamente não fazem bem nem ao homem e nem à sociedade. A primeira é o materialismo completo. Se nada existe no mundo espiritual, se tudo se resume ao que vemos nesse mundo material, então tudo o que vale a pena ter em sua vida são posses, dinheiro, status e poder financeiro. Você vale apenas pelo que tem! Ora, isso certamente vai gerar uma sociedade de pessoas sem freios morais para atingirem seus objetivos. O jogo capitalista é claro: tenha, compre, consuma! Então todos direcionarão suas vidas apenas para isso, sem se preocupar com o próximo, ou em passar por cima de quem quer que seja para atingir isso. Como não há vida espiritual em vista, pessoas desse tipo resolvem encarar todo tipo de degradação moral apenas para satisfazer seus desejos mais adjetos. Se tornam escravos da orgia do consumismo e da superficialidade das aparências. Se tornam pessoas vazias em essência.

Outra consequência do ateísmo é justamente esse, o vazio existencial. A pessoa que não acredita em nada, nem na justiça divina ou na existência de qualquer força maior regendo o universo se torna rapidamente um resignado com a injustiça que impera no mundo. Isso leva à frustração, ao sentimento de impotência e a de que não vale a pena lutar por nada nesse mundo. Como disse o grande poeta Augusto dos Anjos ao se viver entre feras a tendência do homem é também virar uma fera. E sendo ateus muitos realmente partem para esse caminho. A pessoa religiosa pensa, pondera, respeita, muitas vezes por saber que um dia pode vir a ser julgado por um poder maior, acima da vã justiça dos homens (que quase sempre é falha). O homem sem Deus é um homem essencialmente sem esperanças, que acredita simplesmente no tudo ou nada dentro da humanidade. Será complicado para ele encontrar o verdadeiro sentido de sua vida. Não é à toa que os países com maior índice de ateísmo são justamente aqueles com o maior número de suicídios entre seus habitantes. Chega um momento na vida desses ateus que o desespero toma conta de tudo. Espiritualmente ocos eles resolvem acabar com tudo!

Por fim o ateísmo gera no ser humano um sentimento de auto suficiência perigoso. O sujeito acha que já é senhor de si mesmo, que não deve satisfações ou gratidões a ninguém e começa a se considerar um ser especial, que já sabe de tudo, que é inteligente por ser ateu e que os outros que pensam diferente dele são simplesmente uns bobocas. Não tardará para virar uma vítima de sua própria arrogância, orgulho e soberba. A riqueza material geralmente causa justamente esse tipo de atitude. Vida espiritual? Eles pensam ser uma grande bobagem! Pessoas religiosas? Em sua visão são pessoas tolas que acreditam em contos da carochinha. Afinal eles já acham que sabem de tudo e que os outros são apenas pessoas que não alcançaram ainda suas verdades absolutas. Para esse tipo de ateu pessoas religiosas são apenas pessoas burras!

A religião certamente pode ser usada para fins equivocados, e isso obviamente acontece ao redor do mundo, mas vários estudos mostram que pessoas religiosas são mais felizes, menos ansiosas e mais produtivas. Além disso não há como negar que aquele que acredita em Deus também é naturalmente mais prestativo para a comunidade em que vive. Muitas vezes são essas pessoas que dão a mão aos que mais necessitam, que trazem uma palavra de consolo e esperança. Pessoas religiosas são bem mais positivas do que ateus. Basta visitar qualquer site de conteúdo ateu para perceber isso. O tom de escárnio, de sátira e deboche que muitos deles dão aos que acreditam em Deus mostra muito bem isso. Ateus são negativos e muitas vezes desrespeitosos por natureza.

A crença em Deus fez com que instituições como a Igreja Católica fossem aos mais distantes lugares do globo levando assistência social, educação e saúde aos povos. Em muitos lugares da África a única ajuda com que as pessoas contam são com hospitais mantidos pela Igreja do Vaticano. Além disso são milhares as escolas mantidas pelo catolicismo nos lugares mais miseráveis. É um serviço humanitário notável e isso não se resume apenas ao mundo ocidental. Em países árabes várias são as instituições muçulmanas que ajudam e atuam em campos de refugiados, regiões de extrema pobreza, etc. Os religiosos, isso é impossível negar, promovem muito mais o bem ao redor do mundo do que os que não seguem nenhuma fé. Ser religioso é ser positivo e atuante.

Por essa razão se você está trilhando para o caminho do ateísmo repense suas escolhas. Não cabe a esse texto converter você mas sim abrir seus olhos. Não caia na falácia de certas ideologias como a comunista, por exemplo, que prega o ateísmo como base de uma sociedade mais justa. A religião não é o ópio do povo como querem fazer crer os escritos de Karl Marx. O comunismo já fez muito mal ao mundo - os números de genocídios e assassinatos em países com ditaduras de esquerda provam isso - e nas nações em que foi implantado só despertou ódio e opressão. Não se una a esse tipo de pensamento repleto de falsas boas intenções.

Creia em Deus sempre! Você será mais feliz assim!

Pablo Aluísio.

Suite Française

Título Original: Suite Française
Título no Brasil: Ainda Não Definido
Ano de Produção: 2014
País: Inglaterra, França, Bélgica, Canadá
Estúdio: Alliance Films
Direção: Saul Dibb
Roteiro: Matt Charman, Saul Dibb, baseados na obra de Irène Némirovsky
Elenco: Michelle Williams, Matthias Schoenaerts, Kristin Scott Thomas, Margot Robbie, Sam Riley
 
Sinopse:
Nas vésperas da ocupação alemã na França, durante a II Guerra Mundial, um grupo de moradores precisa lidar com a iminente chegada das tropas nazistas. A situação fica ainda mais delicada quando as casas e residências da região são ocupadas por soldados e oficiais do Reich. A convivência entre a população civil ocupada (em sua maioria mulheres e velhos) e o exército alemão logo torna a situação completamente tensa e perigosa. Nesse turbilhão político e social a jovem Lucile Angellier (Michelle Williams) acaba se apaixonando pelo tenente alemão Bruno von Falk (Matthias Schoenaerts), o que acaba gerando um enorme escândalo na cidade, agravado ainda mais pelo fato dela já ser casada e seu marido ser um prisioneiro de guerra em um campo de concentração nazista.

Comentários:
A história narrada nesse filme foi baseada em um romance escrito por Irène Némirovsky, uma jovem que vivia na França durante a invasão alemã ao seu país, em plena II Guerra Mundial. Ele escreveu o romance no calor do momento enquanto estava vivenciando a mesma situação que seus personagens no livro, com a chegada dos alemães em sua terra natal. Infelizmente Irène acabou sendo denunciada como judia e enviada para o campo de concentração de Auschwitz, onde veio a morrer um ano depois. Seu manuscrito porém sobreviveu ao tempo, ficando por décadas dentro de uma velha mala nos porões de sua casa. Descoberto por sua filha, ela resolveu publicá-lo, praticamente como uma homenagem para sua mãe que havia sido morta pela insanidade e loucura nazistas. O enredo explora o romance entre uma francesa e um jovem oficial alemão. O tema, completamente inusitado e incomum, tenta de todas as formas mostrar uma certa humanidade entre as forças de ocupação do exército alemão. O tenente Bruno von Falk é um perfeito cavalheiro, com modos nobres e uma educação tipicamente prussiana. Ao ficar na casa onde mora Lucile (Williams) a aproximação acaba despertando a paixão entre eles. Nem a oposição de sua própria sogra, que a adverte que o alemão na verdade representa o inimigo, consegue deter os sentimentos dela. Curiosamente ao mesmo tempo em que começa a ser vista como uma traidora da pátria pelos demais moradores, alguns deles vão até ela em busca de ajuda, principalmente para resolver pequenos e grandes problemas com as tropas alemãs. A dubiedade de todos fica bem à mostra nesses momentos. A convivência que começa pacífica e harmônica porém logo chega ao fim quando um oficial alemão é morto em um celeiro. A partir daí as execuções começam e o clima de terror se impõe na cidade. Um dos aspectos que mais gostamos desse filme foi a atuação da atriz Michelle Williams. Ela está linda, combinando perfeitamente com o figurino e o estilo da época em que a história se passa. Sua luta para vencer seus sentimentos, mesmo sabendo que se envolver com o tenente alemão seria certamente algo muito errado naquele contexto histórico, acaba sendo um dos grandes atrativos dessa história de amor. No final a grande lição que fica é a de que não conseguimos mesmo ter completo controle sobre o que sentimos. Mesmo quando tudo aponta para o errado, para o improvável e para o equivocado, o que sentimos dentro de nossos corações acaba sempre vencendo. O amor supera tudo, até mesmo a maior guerra que a humanidade já presenciou.

Pablo Aluísio e Thaís Albuquerque.

Elvis Presley - FTD Long Lonely Highway / FTD Tucson '76

FTD Long Lonely Highway
Em poucas palavras podemos classificar esse título do selo FTD como uma coletânea de takes alternativos dos anos 1960. Por essa época a gravadora ainda não tinha se decidido em ir mais a fundo na discografia de Elvis, ficando na superfície, ainda apenas planejando criar CDs da coleção FTD que fossem específicos a cada álbum lançado pelo Rei do Rock. Menos mal. De qualquer maneira sob o ponto de vista da atualidade se torna também ultrapassado. Mesmo assim ainda vale como um mero cartão de visitas para marinheiros de primeira viagem que queiram sondar do que efetivamente se trata. No Menu temos gravações que vão de 1960 até 1968. Foi uma época de baixa na carreira de Elvis, com muitas trilhas sonoras ruins, pílulas, devaneios místicos insensatos envolvendo religiões da nova era e decepções com sua vida artística. Mesmo soterrado sob essa lama de coisas ruins, Elvis seguia tentando levantar a cabeça acima da areia movediça, ainda buscando respirar um pouco para produzir algo de valor. É o que o ouvinte perceberá no meio desse lamaçal todo. Agora, de inédito mesmo, temos até poucas faixas, se destacando o take 1 de "Long Lonely Highway", uma pouca conhecida versão stereo de "Come What May", um take 13 sem firulas de "Singing Tree" e finalmente o take 2 de "Stay Away" (que os brasileiros já conheciam antes dos gringos, veja só!). Todo o resto porém já era conhecido dos colecionadores em geral. Coisa boa, mas não tão inédita como todos pensavam.

FTD Long Lonely Highway - 1. It's Now or Never (take 1) 2. A Mess Of Blues (take 1) 3. It Feels So Right (take 2) 4. I'm Yours (take 2) 5. Anything That's Part of You (take 2) 6. Just For Old Time Sake (take 1) 7. You'll Be Gone (take 4) 8. I Feel That I've Known You Forever (take 3) 9. Just Tell Her Jim Said Hello (take 5) 10. She's Not You (take 1) 11. Devil In Disguise (takes 2, 3) 12. Never Ending (take 1) 13. Finders Keepers, Losers Weepers (take 1) 14. Long Lonely Highway (take 1) 15. Slowly But Surely (take 1) 16. By And By (take 4) 17. Fools Fall In Love (take 4) 18. Come What May (stereo master) 19. Guitar Man (take 10) 20. Singing Tree (unused master, take 13) 21. Too Much Monkey Business (take 9) 22. Stay Away (take 2).

FTD Tucson '76
Esse foi o primeiro CD da coleção FTD a trazer um show ao vivo de Elvis Presley na década de 1970. É a tal coisa, durante anos e anos, os fãs de Elvis só tinham acesso a um número restrito de gravações dos concertos do cantor. Basicamente havia apenas as faixas lançadas em seus álbuns oficiais como "On Stage", "Elvis in Concert", etc, etc. Depois, bem mais tarde, com o advento do CD que vinha para substituir o vinil, começaram a surgir os bootlegs, discos piratas, que rapidamente se alastraram entre os colecionadores. De repente surgiram shows realmente maravilhosos, que agora chegavam a um grande público, não ficando restritos a apenas alguns poucos sortudos. Por isso o selo FTD se empenhou desde o começo no mercado desse tipo de gravação. Aqui temos o primeiro movimento nessa direção. O show não é nada demais, de certa forma fica na média do que Elvis vinha mostrando em seus concertos na época. O cantor estava pesadão, excessivo, ligado, como bem conhecemos de suas turnês de 1976. Mesmo assim, pelo menos aqui, ele trouxe uma bela surpresa aos fãs em geral: uma versão de "Danny Boy" ao vivo! A canção que fazia parte do repertório do disco "From Elvis Presley Boulevard, Memphis, Tennessee" era uma tentativa de promover as faixas de seu novo álbum. Raramente Elvis fugia de um certo repertório cotidiano, mas aqui ele deu o ar da graça da renovação. Por isso o CD ainda segue muito recomendado. Não é um concerto maravilhoso, excepcional e nem muito bem gravado, mas tem "Danny Boy" em sua versão "Live" o que no final das contas é o que efetivamente conta.

FTD Tucson '76 -  1. See See Rider (Odessa, May 30 A.S.) 2. I Got A Woman/Amen 3. Love Me 4. If You Love Me 5. You Gave Me A Mountain 6. All Shook Up 7. Teddy Bear/Don't Be Cruel 8. And I Love You So 9. Jailhouse Roc 10. Help Me 11. Fever 12. Polk Salad Annie 13. Introduction of band (Early Morning Rain, What'd I Say, Love Letters (Odessa, May 30 E.S.) School Days 14. Hurt (plus reprise) 15. Burning Love 16. Help Me Make It Through The Night 17. Danny Boy (performed by Elvis) 18. Hound Dog 19. Funny How Time Slips Away 20. Can't Help Falling In Love (Closing Riff).

Pablo Aluísio e Erick Steve. 

Marcha de Heróis

Título no Brasil: Marcha de Heróis
Título Original: The Horse Soldiers
Ano de Produção: 1959
País: Estados Unidos
Estúdio: United Artists
Direção: John Ford
Roteiro: John Lee Mahin, Martin Rackin
Elenco: John Wayne, William Holden, Constance Towers
  
Sinopse:
Durante a guerra civil americana o Coronel John Marlowe (John Wayne) da União recebe uma missão ousada e perigosa. Ele precisará adentrar o território inimigo, indo em direção ao coração do sul rebelde e confederado, para destruir uma importante estação ferroviária chamada Newton, que está sendo usada como uma vital via de reposição de tropas e recursos para os exércitos sulistas. A empreitada, praticamente suicida, acaba colocando frente a frente dois oficiais que não se dão muito bem, o próprio Marlowe e o Major Henry Kendall (William Holden), médico cirurgião do exército. A marcha acaba se revelando uma jornada de superação e heroísmo. Filme indicado ao Directors Guild of America na categoria de Melhor Direção (John Ford).

Comentários:
O mestre John Ford (1894 - 1973) elevou o gênero Western a um novo patamar. Ele recriou a mitologia do velho oeste e consagrou um dos mais importantes fenômenos cinematográficos da história. Os faroestes dirigidos por Ford não se contentavam apenas em contar boas histórias, em excelentes produções, mas também criar toda uma nova mitologia americana, louvando a bravura do homem do oeste. Aqui o foco se dirige em direção à guerra civil, o conflito armado que mais ceifou vidas americanas durante toda a história daquela nação. Wayne interpreta esse velho Coronel, um sujeito durão, formado pelas adversidades da vida. No passado ele viu seu filho morrer por causa de uma imperícia médica e por essa razão acabou criando uma aversão natural por médicos em geral. Ao ter que lidar com o cirurgião Henry Kendall (Holden) durante uma perigosa missão rumo ao sul as coisas realmente começam a sair do controle. O roteiro, muito bem estruturado e dividido em pequenas tramas independentes que vão sendo exploradas ao longo do filme, se revela muito acima da média, investindo bastante nas relações humanas de todos os personagens. Isso não se limita ao tenso convívio entre o durão Coronel e o médico cirurgião de sua tropa, mas também em relação a uma dama sulista, Miss Hannah Hunter (Constance Towers), que eles precisam levar a tiracolo depois que ela descobre importantes planos da União. Não demora muito e o Coronel acaba desenvolvendo sentimentos em relação à mocinha, uma velha presença constante na obra de Ford, sempre procurando também trazer um pouco de  romance mesmo em suas tramas essencialmente masculinas e feitas para os homens dos anos 50. Ford também se dá ao luxo de colocar o Coronel interpretado por John Wayne em crise existencial ao perceber que ele no final das contas está destruindo aquilo que construía antes da guerra (já que o velho Coronel Marlowe foi engenheiro ferroviário antes da guerra civil). Em um bar, ouvindo as dinamites explodirem as linhas de trem, o velho oficial finalmente desaba e tem um ataque de nervos, algo incomum para um típico herói de faroestes daquela época. O bom humor também não é deixado de fora pelo roteiro. Os sulistas que surgem geralmente são caipirões indigestos e o conflito iminente entre a cavalaria da União e uma guarnição sulista composta apenas por garotos da escola militar acabam gerando os momentos mais divertidos de todo o filme. O clímax também é ótimo, na travessia da ponte que significa a salvação e a liberdade para aqueles bravos soldados da União. Assim não existe outra qualificação para "The Horse Soldiers", pois é uma obra cinematográfica realmente grandiosa que faz jus a toda genialidade de seu diretor. Um faroeste que jamais poderá faltar em sua coleção. Realmente imprescindível!

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Interestelar

Piloto de testes no passado, Cooper (Matthew McConaughey) agora precisa cuidar de uma fazenda no meio oeste americano. O programa espacial foi praticamente desativado pois o planeta passa por um sério problema com sua agricultura. Várias culturas agrícolas essenciais para a humanidade estão simplesmente deixando de existir por questões ambientais. Indignada com os gastos do programa espacial a população acabou exigindo que todos os gastos com a exploração do cosmos fossem suspensas. Para Cooper, que é viúvo e vive ao lado de seus dois filhos adolescentes e seu pai na sede da fazenda, a ciência é agora apenas um ponto nostálgico de sua vida passada. Após uma terrível tempestade de areia em sua propriedade rural ele percebe que há um estranho fenômeno acontecendo no quarto de sua filha - uma alteração gravitacional sem explicação aparente. Tentando decifrar o enigma, ele acaba descobrindo que há uma linguagem binária envolvida naquela situação. Usando os números como guia acaba descobrindo tratar-se de uma posição geográfica. Indo até lá, no meio do deserto, acaba descobrindo uma imponente instalação governamental, um projeto espacial secreto, que tem como objetivo enviar astronautas na exploração de um "buraco de minhoca" perto de Saturno. O termo é usado designar fendas cósmicas que conseguem alinhar o tempo-espaço do universo. Esse lugar proporciona um salto interestelar, tornando possível uma viagem até uma estrela longínqua do universo e seu próprio sistema planetário. Imediatamente Cooper é convidado pelo cientista e professor Brand (Michael Caine) para participar de uma nova missão de reconhecimento rumo ao desconhecido. Acontece que três pioneiros foram enviados para exoplanetas há muitos anos e de lá nunca retornaram. Estarão vivos ou foram tragados pelo universo? A única maneira de responder a essa pergunta é enviando uma nova missão para esses planetas desconhecidos. Assim Cooper se une à filha de Brand (interpretada pela atriz Anne Hathaway) para juntos cruzarem o buraco de minhoca. Uma vez lá descobrem que nem tudo é tão dimensional e simples de explicar como tenta entender a vã ciência humana.

Que Christopher Nolan é um dos diretores mais talentosos do cinema americano atual já não restam dúvidas. Qualquer filme assinado por ele já é motivo por si só para ser conferido, até de forma obrigatória, pelos cinéfilos mais antenados. Nessa produção Nolan resolveu ir além. Desde os primeiros momentos sabemos que ele vai explorar um tema que já foi muito caro na história da sétima arte. Não precisa ir muito longe para entender que o grande modelo seguido por Nolan foi o clássico de Stanley Kubrick, "2001 - Uma Odisseia no Espaço". O argumento basicamente segue os passos do clássico filme original. De certa maneira tudo pode até mesmo ser encarado como uma revitalização do tema ou até mesmo uma forma de tornar sua proposta mais acessível ao grande público. Obviamente que essa produção não tem a consistência filosófica e existencial do filme original. isso porém não se torna um problema. Acredito que Nolan quis apenas realizar uma ficção científica inteligente, lidando com temas da Astrofísica que estão bastante em voga atualmente. Se você não entende ou não curte ciência não precisa também se preocupar. Nolan escreveu seu filme de forma que seja acessível ao homem médio. Claro que conceitos relativos como tempo, espaço e gravidade, formam a espinha dorsal do enredo, mas isso pode ser entendido sem maiores problemas desde que você tenha ao menos uma base de física (até mesmo o feijão com arroz ensinado no ensino médio lhe trará algum apoio nesse sentido). Assim o que temos aqui é uma estória até simples, muitas vezes bem fantasiosa, com um background científico mais aprofundado. Algumas situações do roteiro chegam um pouco a incomodar pelas soluções fáceis demais que vão surgindo. Por exemplo, mesmo aposentado há anos o personagem de Matthew McConaughey é logo incorporado na missão espacial, assim quase da noite para o dia, algo que seria inimaginável em uma situação real. Parece que Nolan e seu irmão Jonathan capricharam nas tintas científicas de sua trama e se descuidaram um pouco de certos acontecimentos mais banais do enredo.

Além disso alguns aspectos dos planetas visitados são bem pueris (diria até primários) do ponto de vista astronômico, mas nada disso chega a se tornar um problema de complicada superação. O que vale mesmo em tudo é o conceito de dimensões paralelas explorada por Nolan, principalmente nas sequências finais quando temos uma verdadeira flâmula dos conceitos de multi universos dimensionais. Sim, alguns aspectos do roteiro serão banais, como a enésima exploração do tema de um planeta exaurido em seus recursos naturais, mas se pensarmos bem tudo isso nada mais é do que uma bengala narrativa para que Nolan desenvolva seu tema principal. No geral a família - que mais parece ter saído de um filme de Spielberg por causa da pieguice excessiva - acaba também servindo de uma ferramenta puramente narrativa para que o diretor desenvolva suas ideias mais científicas, as principais no final de tudo. Certamente Interestelar é um belo filme, com uma proposta que vai até mesmo soar intrigante nos dias de hoje. Poderia ser uma obra prima se Nolan fosse mais além mesmo, com coragem, como fez Kubrick no passado em sua obra cinematográfica imortal. Ao dar espaço para pequenas concessões comerciais em seu roteiro, Nolan perdeu talvez a grande chance de realizar a maior obra prima de toda a sua carreira. Nem sempre tentar agradar ao grande público que lota os cinemas comerciais pode compensar, olhando-se tudo sob esse ponto de vista, esse tipo de situação. De bom mesmo o que ficará dessa produção será o desenvolvimento de conceitos científicos e a bela mensagem de Nolan sobre a importância do amor, encarado quase como uma variável puramente astrofísica. Quem diria que um cineasta conseguiria reunir dois temas assim tão dispares em um mesmo pacote? Sensacional.

Interestelar (Interstellar, EUA, 2014) Direção: Christopher Nolan / Roteiro: Jonathan Nolan, Christopher Nolan / Elenco: Matthew McConaughey, Anne Hathaway, Michael Caine, John Lithgow, Ellen Burstyn, Jessica Chastain, Casey Affleck / Sinopse: Ex piloto do programa espacial é recrutado para uma nova missão da NASA. Ele deverá ir junto com sua tripulação em direção a um enorme "buraco de minhoca" cósmico em busca de respostas sobre três missões anteriores que não retornaram ao planeta Terra. O objetivo é procurar um novo lugar para colonização pela raça humana pois os recursos naturais da Terra estão virtualmente esgotados. O lema da missão passa a ser "A humanidade nasceu na Terra, mas não precisa morrer nela". Filme vencedor do Oscar na categoria de Melhores Efeitos Especiais. Também indicado nas categorias de Melhor mixagem de Som, Melhor Edição de Som, Melhor Design de Produção e Melhor Música Original.

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 30 de março de 2015

O Demonologista

Aqui vai uma dica de livro para os leitores do blog. Se trata de "O Demonologista" do escritor Andrew Pyper. Do que trata o enredo? Basicamente é uma longa narração em primeira pessoa do personagem David Ullman. Ele é um professor universitário especializado em mitologia e religião. Durante toda a sua carreira ele lançou trabalhos acadêmicos cujo objeto de estudo era justamente a mitologia envolvendo demônios e forças do mal. Certo dia ele é procurado por uma mulher misteriosa que lhe faz um convite para ir até Veneza, na Itália.

Nada fica muito claro sobre o tipo de serviço que ele fará por lá, porém como sua vida pessoal não anda nada bem (sua mulher está apaixonada por outro homem e quer o divórcio) ele resolve fazer a viagem ao lado de sua pequena filha de nove anos. Uma garota inteligente e muito parecida com ele, com o mesmo modo de ser e agir. Uma vez em Veneza o professor é convidado a ir até uma casa no subúrbio da cidade. Lá um homem misterioso o leva até um quarto nos fundos onde ele é finalmente confrontado por um sujeito acorrentado, preso a uma cadeira, supostamente possuído por um demônio secular. Pyper é um cético, um ateu convicto e por essa razão pensa estar na presença apenas de um pessoa com sérios problemas mentais, o que ele nem desconfia é que a partir daí sua vida vai literalmente virar pelo avesso.

É um livro até curto, com meras 200 páginas, que procura seguir os passos de outros livros famosos como, por exemplo, "O Código Da Vinci". O próprio personagem principal, um especialista em religião e cultura antiga já revela esse aspecto da obra. Além disso o autor não está muito preocupado em ir a fundo na questão, mas apenas em divertir (e se possível também assustar) seu leitor. A prosa por essa razão passa longe de ser rica ou rebuscada, optando por uma linguagem comum, cotidiana. De vez em quando surgem alguma citação mais profunda, mas o livro nunca deixa o superficial. Provavelmente seja levado em breve para as telas, embora particularmente acredite que não haja nada demais em suas páginas. Para quem curte literatura de horror pode até funcionar. Para quem deseja algo mais substancial certamente vai ser um pouco decepcionante.

Pablo Aluísio.

domingo, 29 de março de 2015

Promessas de Guerra

A cena inicial mostra os momentos finais da sangrenta batalha de Gallipoli. As tropas turcas estão decididas a enfrentar o inimigo em campo aberto. Assim deixam suas trincheiras em direção ao campo onde estão as tropas estacionadas do exército britânico. Uma vez lá descobrem surpresos que os ingleses simplesmente bateram em retirada. Quatro anos depois encontramos o fazendeiro Joshua Connor (Russell Crowe) tentando encontrar água em suas terras no deserto e hostil interior australiano. Não é uma coisa das mais simples. A região é uma das mais secas do planeta. Além da luta diária pela sobrevivência ele ainda precisa lidar a cada dia com uma tragédia familiar. Alguns anos antes ele acabou incentivando seus três filhos a se alistarem no exército de seu país para lutarem na sangrenta Primeira Guerra Mundial. O resultado foi trágico. Seus três filhos acabaram sendo dados como desaparecidos em combate, muito provavelmente mortos no front por participaram de uma das batalhas mais sangrentas do conflito. A esposa de Joshua não resiste à depressão e começa a enlouquecer lentamente, até o dia em que resolve acabar com tudo, com sua própria vida. Em seu leito de morte, Joshua promete ir atrás dos garotos, para ter uma certeza definitiva se realmente morreram ou se existe alguma possibilidade, mesmo que mínima, de ainda estarem vivos em algum lugar. Após enterrar sua amada, ele resolve cruzar os mares, indo parar na distante Turquia, ainda uma nação dividida por inúmeros conflitos, lutando por sua liberdade. Seguindo rastros dos jovens filhos ele acaba indo parar no próprio campo de batalha onde supostamente tombaram. De fato após vários dias procurando acaba encontrando os restos mortais de dois deles. Será que o terceiro filho ainda estaria vivo? Com a ajuda improvável de um major das linhas inimigas ele começa a juntar as pistas que podem lhe levar finalmente ao encontro de seu querido filho desaparecido. Esse é ponto de partida da trama desse novo filme da carreira do ator Russell Crowe, que aqui resolveu se arriscar pela primeira vez na direção de um longa-metragem convencional (antes havia apenas assinado a direção de dois curtas e um documentário).

O resultado de sua coragem e ousadia se mostra bem interessante. Claro que existem alguns probleminhas, como o uso de um corte final um pouco excessivo (sim, o filme poderia ter uma menor duração, sem prejudicar em nada o enredo), além de algumas falhas de ritmo, pois o filme ora parece avançar, ora estagnar. Mesmo assim, com esses equívocos pontuais, perdoáveis em quem não tem muita experiência como cineasta, o filme conseguiu me agradar. O roteiro é baseado em uma história real, a jornada definitiva da vida de um pai em busca do paradeiro de seus filhos perdidos em uma das guerras mais brutais da história. Ele é um homem resignado, destruído pelas tragédias familiares, primeiro a perda de seus amados garotos, depois a morte chocante de sua esposa, corroída pela loucura e pelo desespero. No final tudo o que ele busca é uma redenção pessoal, uma forma de fechar uma porta dolorida de sua existência passada - e assim enterrar seus filhos de uma forma digna, para não deixá-los em uma cova coletiva, típica daquela época. No caminho acaba conhecendo uma viúva de guerra e seu esperto filho, que vivem de forma sofrida ao administrarem uma pequena pousada. Dessa forma o filme acaba se desdobrando em dois: no drama de Joshua em achar os restos mortais de seus filhos e na inesperada constatação que ainda existe lugar para um improvável romance em sua vida. A produção arrisca algumas cenas de combate, mas esse não é certamente o foco principal desse argumento. Ele é bem mais direcionado para o drama interior do personagem interpretado por Russell Crowe. Novamente a fotografia se revela uma grata surpresa ao explorar as maravilhosas tomadas da milenar cidade de Istambul (a antiga Constantinopla cristã, fundada pelo imperador Constantino). Em uma das melhores cenas Crowe inclusive resolve admirar o rico interior da Basílica de Santa Sofia - que hoje em dia virou uma mesquita, fruto da vitoria do Império Otomano sobre o decadente Império bizantino (ou Império romano do Oriente). Então é isso, nada de muito espetacular ou épico, mas que se revela um bom filme no final das contas. É no fundo uma boa produção, com uma trama interessante, procurando contar uma história que de fato aconteceu em 1919, fazendo tudo isso com uma insuspeita honestidade. Vale de fato a pena conhecer e assistir.


Promessas de Guerra (The Water Diviner, EUA, Turquia, Austrália, 2014) Direção: Russell Crowe / Roteiro: Andrew Knight, Andrew Anastasios / Elenco: Russell Crowe, Olga Kurylenko, Yilmaz Erdogan, Jai Courtney, Jacqueline McKenzie / Sinopse: Joshua Connor (Russell Crowe) é um fazendeiro australiano que decide ir em busca do paradeiro de seus três filhos, dados como desaparecidos de guerra, durante a batalha de Gallipoli. Uma vez na Turquia acaba conhecendo uma jovem viúva da guerra e seu pequeno filho. Será que haveria ainda possibilidade de reconstruir sua vida sentimental e afetiva após tantas tragédias pessoais em sua vida? Filme vencedor do prêmio da Australian Film Institute nas categorias de Melhor Filme, Melhor Ator Coadjuvante (Yilmaz Erdogan) e Melhor figurino (Tess Schofield). Também indicado aos prêmios de Melhor Ator (Russell Crowe), Atria Coadjuvante (Jacqueline McKenzie), Roteiro Original e Edição.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 27 de março de 2015

As Duas Faces de Janeiro

Um casal de americanos (interpretado pelos atores Viggo Mortensen e Kirsten Dunst) está na Grécia de férias curtindo a região. Como todo bom turista eles resolvem conhecer o Pathernon e as antigas ruínas da milenar Atenas. Casualmente acabam conhecendo também um guia de turismo, Rydal (Oscar Isaac), um jovem americano que vive há bastante tempo naquele país. Inicialmente se aproximam sem muito interesse até porque desde o começo o marido começa a nutrir uma certa desconfiança em relação ao rapaz. Rydal, por sua vez, nem disfarça muito em esconder que está visivelmente interessado na esposa do sujeito. O que parece começar como um flerte casual, sem maiores consequências, acaba ganhando cores dramáticas após Chester (Mortensen) matar por acidente um detetive particular que estava em seu encalço. Apesar da postura de normalidade Chester é na realidade um fraudador do mercado de ações da bolsa de Nova Iorque. Após dar um golpe na praça, ficando com o dinheiro de pessoas inocentes que confiaram nele, parte para a Europa, com o duplo objetivo de curtir belas férias ao mesmo tempo em que foge dos problemas que deixou na América. Sua tranquilidade porém acaba drasticamente quando o crime acontece. A partir desse ponto ele precisa desesperadamente arranjar um jeito de ir embora da Grécia para fugir de uma iminente acusação de homicídio. O trio então resolve ir até a histórica ilha de Creta onde pretendem encontrar um falsificador de documentos que irá providenciar passaportes falsos para que eles finalmente fujam da região.

Sinceramente achei esse filme bem cansativo. Ele não é longo, tendo pouco mais de 90 minutos de duração, mas mesmo assim consegue cansar o espectador. Seu problema não se resume ao tempo gasto para assisti-lo, mas sim o fato do roteiro se desenvolver de forma muito preguiçosa, sem uma adequada carga dramática que consiga manter nossos olhos abertos. Para piorar o elenco também pareceu se acomodar em cena. Sem exceção os atores que interpretam os personagens principais não parecem muito empolgados e nem se esforçam muito em atuar bem. Parecem cansados e exaustos (será por causa do calor grego?). O roteiro basicamente gira em torno de apenas três personagens (o casal e o guia turístico) e falha ao tentar desenvolver melhor esse pouco convincente triângulo amoroso. O resultado é bem morno e sem atrativos. Viggo Mortensen só serve para sentirmos saudades de filmes melhores de seu passado. Seu personagem aqui é o rei da antipatia e do marasmo. Para piorar também surge como um sujeito completamente desastrado que mata sem intenção (algo que na linguagem jurídica chamamos de crimes preterdolosos, quando o sujeito almeja cometer um ato de menor gravidade, mas que no final acaba cometendo outro bem mais grave - dolo no ato antecedente e culpa do procedente). De bom mesmo apenas as ótimas tomadas captadas em Atenas e na ruínas de Creta. Pena que são momentos fugazes e breves. No saldo geral é sim um filme sonolento que nunca empolga ou decola de verdade. Não aconselho assistir no período da noite pois o sono certamente será um desafio a mais em uma produção que peca por ser puro marasmo e pretensão tediosa.

As Duas Faces de Janeiro (The Two Faces of January, Estados Unidos, Inglaterra, França, 2014) Direção: Hossein Amini / Roteiro: Hossein Amini, Patricia Highsmith / Elenco: Viggo Mortensen, Kirsten Dunst, Oscar Isaac / Sinopse: Casal de americanos acaba se envolvendo em um crime enquanto passa férias na Grécia. Com receios de irem para a prisão resolvem contratar os serviços de um guia turístico para a compra de passaportes falsos. Na ilha de Creta acabam se envolvendo ainda mais em complicações legais. Filme indicado ao London Critics Circle Film Awards.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 26 de março de 2015

Elvis Presley - FTD Burbank '68 / FTD Out In Hollywood

FTD Burbank '68
Esse foi o primeiro CD dessa maravilhosa coleção FTD (Follow That Dream). Se você é fã de Elvis Presley os títulos dessa série são simplesmente essenciais e obrigatórios. Não tem como deixar de lado. Além de trazer shows inéditos a coleção ainda revitalizou os álbuns clássicos e as trilhas sonoras, criando um panorama absolutamente completo sobre a discografia de Elvis Presley. Nesse aqui o foco se desloca para o NBC TV Special realizado em 1968. Como se sabe esse programa de TV acabou salvando a carreira de Elvis, mostrando a ele e ao Coronel Parker que havia chegado a hora de deixar Hollywood para voltar aos palcos novamente. Dito isso, temos também que lembrar que infelizmente essas sessões de gravações não foram tecnicamente bem realizadas pela RCA. Havia uma certa dúvida se as gravações do show do especial seriam lançadas em disco ou não na época - e talvez por essa razão nenhum registro dessas canções são bem realizadas do ponto de vista puramente técnico. Nem o álbum original em vinil (que saiu em mono) conseguiu ter boa qualidade sonora. Mesmo assim, com esses eventuais problemas, ter a oportunidade de ouvir e ver Elvis cantando novamente ali, ao lado do público, não tem preço. Em relação a esse CD o conteúdo se concentra basicamente nos ensaios realizados no dia 25 de junho e no show feito no dia 29. Grande parte desse material era inédito quando chegou nas lojas, causando um grande alvoroço entre os fãs de Presley. Material muito bom e histórico. 

FTD Burbank '68 - Danny Boy / Baby What You Want Me To Do / Love Me / Dialogue with Steve Binder / Lawdy Miss Clawdy / One Night /  Blue Christmas /  Baby What You Want Me To Do /  When My Blue Moon Turns To Gold Again / Blue Moon Of Kentucky / Elvis dialogue (no 2) / Heartbreak Hotel / Hound Dog / All Shook Up / Can't Help Falling In Love / Jailhouse Rock / Don't Be Cruel / Love Me Tender / Blue Suede Shoes /  Trouble/Guitar Man / If I Can Dream (Vocal overdub take 3, June 30) / Let Yourself Go (Instrumental).

FTD Out In Hollywood
Segundo lançamento do selo FTD. Já tive a oportunidade de escrever um longo review sobre esse CD. Como o próprio nome sugere o foco dessa vez é em cima das trilhas sonoras de Elvis dos anos 1960, ou melhor dizendo, dos takes alternativos de sessões de filmes diversos gravados por Presley nesse período de sua vida. Material que ficou pelo chão da sala de edição na composição dos álbuns oficiais e originais. Assim o ouvinte irá desfrutar de canções retiradas de produções como "O Seresteiro de Acapulco", "Garotas, Garotas e Mais Garotas", "Talhado Para Campeão", "Minhas Três Noivas", "Entre a Loira e a Ruiva", etc, etc. Os takes soavam interessantes na época do lançamento porque a maioria deles era inédita na ocasião. Hoje em dia esse título está superado pela simples razão de que o próprio selo FTD iria lançar nos anos seguintes CDs individuais para cada trilha sonora específica. Ora, aqui temos apenas um aperitivo, uma coletânea de takes alternativos de lançamentos avulsos que seriam completados depois com a íntegra das sessões. No geral vale como uma descompromissada audição, caso você não queira ser tão específico com os lançamentos que vieram depois dele.

FTD Out In Hollywood
1: Mexico (take 7) 2: Cross My Heart And Hope To Die (take 6) 3: Wild In The Country (take 11) 4: Adam And Evil (take 16) 5: Lonely Man (take 4) 6: Thanks To The Rolling Sea (take 3) 7: Where Do You Come From (take 13) 8: King Of The Whole Wide World [M7-version] (take 3) 9: Little Egypt (take 21) 10: Wonderful World (take 7) 11: This Is My Heaven (Vocal overdub take 4) 12: Spinout (take 2) 13: All That I Am (take 2)14: We'll Be Together (take 10) 15: Frankie And Johnny (take 1) 16: I Need Somebody To Lean On (take 8) 17: The Meanest Girl In Town (take 9) 18: Night Life (take 3) 19: Puppet On A String (take 7) 20: Hey Little Girl (take 1, 2) 21: Edge Of Reality (take 6) 22: Baby I Don't Care (Vocal overdub take 6).

Pablo Aluísio e Erick Steve.

Código de Honra

Dois jovens advogados (Chris Evans e Mark Kassen) tentam mover uma ação contra uma poderosa empresa de produtos hospitalares. Em posse de documentos e fatos tentam provar que uma nova forma de agulha evitaria acidentes de trabalho envolvendo médicos e enfermeiros em hospitais dos EUA. O problema é que a poderosa e influente empresa não quer que tal produto seja comercializado pois isso vai contra seus interesses comercias. Está assim armado o conflito ou como se diz no mundo do direito, a lide. O filme "Código de Honra" me lembrou bastante de algumas outras produções que partem de uma situação bem parecida: pequenos advogados, sem maiores recursos, que tentam vencer nos tribunais grupos poderosos. Aqui temos um diferencial interessante. O advogado interpretado por Chris Evans é totalmente viciado em drogas pesadas. Imaginem toda a pressão do mundo sobre ele somada a esses problemas de dependência química! Eu pessoalmente sempre achei o Chris Evans um ator apenas correto mas aqui em "Código de Honra" seu trabalho dá um salto de qualidade. Ele realmente convence o espectador que é um sujeito com sérios problemas com cocaína e outras drogas (incluindo o famigerado Crack). Sua interpretação é acima da média, não há como negar.

O filme é dirigido por dois irmãos, Mark e Adam Kassen (sendo que o primeiro também está em cena ao lado de Evans). Gostei do trabalho deles. O roteiro não cai em nenhum momento na chatice (algo perigoso em filmes desse estilo). Além disso eles se contentam em contar de forma eficiente os fatos, em metragem adequada (o filme não é longo demais, pelo contrário, é na medida certa). No final não há como não se surpreender com a história que é, pasmem, baseada em fatos reais! O grande mérito de "Código de Honra" é, no apagar da luzes, mostrar que no mundo do direito (seja aqui ou seja nos EUA) nem sempre a justiça vence! Enfim, recomendo bastante, sem medo de errar.

Código de Honra (Puncture, EUA, 2011) / Direção de Adam Kassen e Mark Kassen / Elenco: Chris Evans, Vinessa Shaw Michael Biehn, Kate Burton / Sinopse: Dois jovens advogados (Chris Evans e Mark Kassen) tentam mover uma ação contra uma poderosa empresa de produtos hospitalares. Em posse de documentos e fatos tentam provar que uma nova forma de agulha evitaria acidentes de trabalho envolvendo médicos e enfermeiros em hospitais dos EUA. O problema é que a poderosa e influente empresa não quer que tal produto seja comercializado pois isso vai contra seus interesses comercias. Filme vencedor do Houston Film Critics Society Awards na categoria de Melhor Filme Independente. Também vencedor do New Hampshire Film Festival na categoria de Melhor Filme e Melhor Direção.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 25 de março de 2015

Elvis Presley - Kicking And Rolling / Elvis At The Forum

Kicking And Rolling 
Dando prosseguimento às resenhas com breves comentários vamos tecer algumas palavras sobre esses dois bootlegs. Esse é o primeiro, um lançamento do selo Straight Arrow intitulado "Kicking And Rolling". O CD traz o midnight show (apresentação da meia-noite) de Elvis realizado em 18 de fevereiro de 1973 na cidade de Las Vegas. Essa temporada de Elvis é particularmente conhecida pela realização de shows bem abaixo da média o que segundo alguns biógrafos se deve exclusivamente ao abuso de remédios por parte do cantor naquela ocasião. Inclusive consta em vários biografias que Elvis quase teve uma overdose fatal após Linda o encontrar suando e enrolado numa toalha na suíte do hotel. Ele obviamente estava tendo um ataque, mas como o cantor tinha virado uma mina de ouro para empresários e promotores de shows tudo foi devidamente varrido para debaixo do tapete. O fato é que Elvis começou a abusar bastante das drogas, o que inevitavelmente se fez notar em alguns de seus concertos. É ouvir para conferir.

Kicking And Rolling - 01. Also Sprach Zarathustra (Theme from "2001 A Space Odyssey") - 02. Opening Vamp / C. C. Rider - 03. I Got A Woman / Amen (medley) / Big Boss Man (one line) - 04. Love Me Tender - 05. You Don't Have To Say You Love Me - 06. Steamroller Blues - 07. You Gave Me A Mountain (with reprise) - 08. Fever - 09. Love Me - 10. Blue Suede Shoes - 11. Johnny B. Goode - 12. Hound Dog (slow & fast) - 13. What Now My Love - 14. Suspicious Minds - 15. Instrumental Intermezzo / Elvis attacked on stage - 16. I Can't Stop Loving You - 17. An American Trilogy - 18. Can't Help Falling In Love - 19. Closing Vamp. Special bonus:20. C. C. Rider - 21. Steamroller Blues - 22. You Gave Me A Mountain - 23. Fever - 24. What Now My Love (with reprise).

Elvis At The Forum
Esse CD traz o show inédito realizado por Elvis no dia 11 de maio de 1974 em Los Angeles (concerto da tarde). Na ocasião a apresentação se transformou em um grande evento que levou milhares de pessoas ao Forum de Inglewood. Belo complemento para quem já tem o outro CD do selo FTD unindo várias apresentações de Elvis nessa mesma cidade intitulado "Live in L.A". Como todos sabem 1974 foi um dos anos mais loucos da vida de Elvis. Não se sabe exatamente a razão, mas ele parecia bem fora de si em vários momentos. Algumas biografias afirmam que nesse ano ele teria começado uma má sucedida investida no uso de cocaína líquida, que em fusão com outras drogas que tomava regularmente o teria deixado completamente alucinado, dentro e fora dos palcos. Bad Trip. Vários shows mostram um Elvis ligadaço, mas esse aqui curiosamente é considerado uma de suas apresentações mais convencionais e tranquilas. No repertório Presley resolveu apostar no estilo "feijão com arroz". As únicas boas novidades vem das versões de "Big Boss Man" e "Help Me" (uma bela canção que infelizmente sempre foi bastante subestimada pelos fãs e pelo próprio Elvis Presley).

Elvis At The Forum - Also Sprach Zarathustra - See See rider - I Got A Woman/Amen - Love Me - Trying To Get To You - All Shook Up - Teddy Bear/ Don't Be Cruel - Love Me Tender - You Can Have Her - Steamroller Blues - Hound Dog – Fever - Polk Salad Annie - Why Me, Lord? - Suspicious Minds - Introductions - I can't Stop Loving You - Help Me - An American Trilogy - Let Me Be There (reprise) - Funny How Time Slips Away - Big Boss Man - Can't Help Falling In Love - Closing Vamp – Announcer: Elvis has left the Building

Pablo Aluísio e Erick Steve.

Bravura Indômita

Sempre é um prazer rever um faroeste como esse, com tudo o que os fãs do gênero tem direito. Sinceramente revendo o filme, achei uma injustiça com Wayne falar que ele só teria sido premiado com o Oscar por sua carreira, pelo conjunto da obra e não pela interpretação em si que mostra no filme. De certa forma essa é uma meia verdade pois ele está muito bem no papel de um agente federal beberrão, resmungão, gordo e velho, mas rápido no gatilho (como tinha que ser é claro!). O trabalho do ator é tão bom que esconde até mesmo a fraca atuação do ator Glen Campbell no papel do Texas Ranger que o acompanha na caçada ao assassino do pai da garotinha do filme (interpretada muito bem pela adolescente Kim Darby). Temos que entender que Wayne foi premiado após anos de críticas ruins que afirmavam que ele na realidade era apenas um astro de Hollywood e que sempre interpretava o mesmo tipo de personagem. Isso acabou criando no ator um sentimento de inferioridade que só foi superado por esse merecido reconhecimento da Academia. Além disso não podemos ignorar que ele também foi homenageado pelo Globo de Ouro, o que de certa maneira reforçou ainda mais o talento de seu trabalho. Mesmo assim Wayne procurou manter a humildade, a ponto de soltar frases de puro humor sobre as premiações. Em determinado momento brincou dizendo: "Puxa, após tantos anos de carreira... se eu soubesse disso teria colocado um tapa-olho bem antes na minha vida".

Além de um roteiro acima da média, com ótimas tomadas externas e conflitos armados, "Bravura Indômita" ainda traz um elenco de apoio de respeito. Nada mais nada menos do que Dennis Hopper e Robert Duvall (que vejam só já estava ficando careca naquela época!). Duvall está particularmente muito bem no papel de um dos procurados por Wayne. Ele não tem muita chance de atuar, mas quando possível mostra domínio do que faz. O diretor Henry Hathaway não esqueceu também de investir em divertidos momentos de descontração e humor (que de certa forma está mais ausente do remake), principalmente nos momentos entre Wayne e Darby (que se dão muito bem em cena, sendo naturalmente divertido o contraste entre a garota e o marshal mal humorado e beberrão). Enfim, eis aqui dos grandes clássicos do western americano. Não resta dúvida que "Bravura Indômita" é mesmo um filmaço!

Bravura Indômita (True Gift, EUA, 1969) Direção: Henry Hathaway / Roteiro: Marguerite Roberts baseado na novela de Charles Portis / Elenco: John Wayne, Kim Darby, Glen Campbell, Robert Duvall, Dennis Hopper / Sinopse: Jovem gerota contrata os serviços de um agente beberrão e gordo para ir atrás dos assassinos de seu pai. Filme indicado ao Oscar na categoria Melhor Música Original. Vencedor do Oscar na categoria de Melhor Ator (John Wayne). Filme vencedor do Globo de Ouro na categoria Melhor Ator - Drama (John Wayne). Também indicado ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Canção Original. Filme vencedor do Laurel Awards na categoria de Melhor Ator (John Wayne).

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 24 de março de 2015

Drácula (1992)

No século XV um nobre romeno, Vlad Tepes, luta ao lado da Igreja Cristã Romena para expulsar os turcos da região dos Cárpatos. Sua noiva, Elisabetha (Winona Rider), acreditando que Vlad havia morrido nos campos de batalha, não suporta e comete suicídio atirando-se no rio. Porém seu grande amor não estava morto e, ao retornar da guerra, fica sabendo da morte da amada. E pior: ouve do padre Cesare que a alma de Elisabetha estava amaldiçoada por ter cometido suicídio. Neste momento, Vlad, corroído por um ódio gigantesco, renuncia, não só à igreja, mas também a Deus. Depois de romper com a igreja e com Deus, Vlad alia-se ao anti-cristo, atinge a imortalidade, e passa a ser chamado de Conde Drácula (o filho do diabo), passando assim a alimentar-se de sangue, numa prática conhecida como vampirismo. Depois de quatrocentos anos, Drácula descobre que o espírito de Elizabetha reencarnou em Londres com o nome de Wilhelmina Murray (Winona Rider), ou simplesmente, Mina Murray. Jonathan Harker (Keanu Reeves), noivo de Mina, é um jovem negociante que resolve em certa ocasião viajar à Transilvânia até a fúnebre mansão do Conde Drácula a fim de vender para o funesto proprietário dez terrenos na região de Londres. Chegando à mansão, Jonathan começa a desconfiar do estranho anfitrião, mas antes que consiga fugir, é feito prisioneiro do Conde demoníaco. Com Jonathas prisioneiro, o caminho de Drácula fica livre para que ele viaje até Londres em busca de sua amada eterna. Porém o que Drácula não sabe é que o Dr. Van Helsing (Anthony Hopkins) pode estragar todos os seus planos pois o caçará de forma implacável.

Na melhor, e mais fiel, adaptação do livro "Drácula", escrito em 1897 pelo irlandês Abraham Stoker, ou simplesmente Bram Stoker (1847-1912), Coppola realizou de forma magistral um mosaico aterrorizante e perfeito do famoso e demoníaco Conde da Transilvânia: Vlad Tepes (Drácula) - O Empalador. Ou seja, uma criatura sensual, aterrorizante, carismática e depravada. Com pinceladas na fotografia que vão desde um cianótico entristecido, até um vibrante e sensual vermelho, a obra instigante de Coppola encanta e atormenta as mentes mais centradas e ajustadas. O longa - "Drácula de Bram Stoker" (Bram Stoker's Dracula - 1992) marca de forma indelével as atuações da bela e translúcida Winona Ryder e do excelente e performático Gary Oldman. Os dois são o sustentáculo de um roteiro excelente e perturbador que a todo instante nos deixa em dúvida de tudo o que realmente é real ou onírico. A cada cena, os personagens parecem atravessar a estrada lúgubre que desemboca nas esquinas da sensualidade, da luxúria e do horror. Num exame mais profundo da obra, descobrimos que um despudorado e genial Francis Ford Coppola, consegue injetar, de forma lenta e profunda, doses letais de anfetamina nas veias de uma charmosa Inglaterra Vitoriana. Uma obra magnífica!


Drácula de Bram Stoker (Dracula, EUA, 1992) Direção: Francis Ford Coppola / Roteiro:  James V. Hart baseado na obra de Bram Stoker / Elenco: Gary Oldman, Winona Ryder, Anthony Hopkins, Keanu Reeves, Richard E. Grant, Billy Campbell, Sadie Frost, Tom Waits, Monica Bellucci / Sinopse: Jonathan Harker (Keanu Reeves) vai a um distante e isolado castelo com a missão de vender uma propriedade a um estranho e recluso Conde chamado Drácula (Gary Oldman). Ao ver o retrato de sua amada o monstro fica admirado com a semelhança com sua antiga paixão, uma jovem falecida há muitos séculos. Não tardará para que o Conde vá ao seu encontro.

Telmo Vilela Jr.

O Homem Que Luta Só

Um dos últimos filmes de Randolph Scott também é um dos melhores. Aqui ele interpreta o ex xerife e atual caçador de recompensas Ben Brigade. Ele caça o criminoso Billy John no deserto e acaba o capturando. Sua missão passa então a ser levar o bandoleiro para a cidade de Santa Cruz para que ele seja julgado e enforcado pelo homicídio que lá praticou. O problema é que no caminho ele terá que enfrentar índios hostis, outros caçadores de recompensas e o bando de Billy John, liderado agora por Jack, seu irmão (interpretado pelo famoso ator de vilões de western Lee Van Cleef). O roteiro de "O Homem Que Luta Só" pode até parecer simplista mas é um engano pois é primoroso. O personagem de Scott, um sujeito durão e de poucas palavras, não é exatamente o que parece ser. Na verdade ele nem tem tanta pressa assim em levar Billy John ao seu cadafalso. Suas reais intenções só são reveladas no clímax do filme e aí o espectador já está totalmente fisgado. Aliás vamos admitir que a cena final de "Ride Lonesome" é uma das mais belas que já vi em faroestes - Randolph Scott parado em frente a uma árvore de enforcamentos em chamas! Maravilhosa tomada!

O diretor de "O Homem Que Luta Só" é o cineasta Budd Boetticher que fez vários westerns ao lado de Randolph Scott. Hoje em dia a obra desse diretor tem despertado muito interesse nos EUA pois todos reconhecem que ele nunca foi reconhecido em vida. Era um diretor inteligente, que fazia maravilhas em cena, mesmo com roteiros aparentemente simples. Esse aqui seria o penúltimo filme que rodaria ao lado de Scott (a última produção que reuniria a parceria seria "Cavalgada Trágica" no ano seguinte). Em conclusão digo que "Ride Lonesome" é sem dúvida um dos melhores momentos de Randolph Scott - extremamente bem escrito e dirigido prende a atenção da primeira à última cena.


O Homem Que Luta Só (Ride Lonesome, EUA, 1959) / Diretor: Budd Boetticher / Roteiro: Burt Kennedy / Com Randolph Scott, Lee Van Cleef, James Coburn, Karen Steele e Pernell Roberts / Sinopse: Randolph Scott interpreta o ex xerife e atual caçador de recompensas Ben Brigade. Ele caça o criminoso Billy John no deserto e acaba o capturando. Sua missão passa então a ser levar o bandoleiro para a cidade de Santa Cruz para que ele seja julgado e enforcado pelo homicídio que lá praticou. O problema é que no caminho ele terá que enfrentar índios hostis, outros caçadores de recompensas e o bando de Billy John, liderado agora por Jack, seu irmão (interpretado pelo famoso ator de vilões de western Lee Van Cleef)

Pablo Aluísio e Júlio Abreu. 

Anjos e Demônios

Depois do enorme sucesso de O Código Da Vinci era apenas questão de tempo para que um novo livro de Dan Brown fosse novamente adaptado para as telas. O escolhido foi Anjos e Demônios, uma opção mais do que natural. Todos os ingredientes que fizeram a fama e fortuna do filme / livro anterior estão aqui novamente. Teorias da conspiração, tentativas de encobrir supostas verdades históricas, o suposto poder maquiavélico da Igreja Católica e as onipresentes sociedades secretas que farão de tudo para que a verdade não venha à tona. Dan Brown, que não é bobo nem nada, não iria mexer em time que se está ganhando. Se deu certo uma vez, certamente dará certo novamente. Por essa razão todas as críticas que foram feitas em Código da Vinci podem ser repetidas mais uma vez aqui. Como eu já afirmei, Dan Brown nada mais é do que um escritor bem esperto que junta no mesmo caldeirão uma infinidade de coisas, teorias, pseudo-história, e tudo o mais que encontra pela frente para causar a sensação no leitor que de existe algo muito grande e muito terrível nos bastidores tentando manipular a humanidade. Instituições milenares sempre viram alvo na escrita de Brown e a Igreja Católica obviamente é seu saco de pancadas preferido. A mensagem subliminar que o autor sempre deixa é a de que algo que vem perdurando há tantos séculos deve ter algo muito terrível a esconder. Para tanto não medirá esforços para manter seu poder e domínio sobre os homens. Como se vê é tudo uma grande bobagem mesmo.

Aqui a trama se aproveita da eleição de um novo Papa. Junte-se a isso o mistério de um assassinato e a presença maquiavélica de mais uma sociedade secreta conhecida como Illuminati, Eu não acabei de escrever que a literatura de Dan Brown se aproveita até a exaustão de fórmulas? Pois aí está. A estrutura é a mesma do livro anterior, sem tirar nem colocar nada de novo. Tudo muito formulaico. O curioso é que o autor ao mesmo tempo em que elege a Igreja como sua vilã preferida, mostra mesmo que indiretamente uma atração pelos costumes, rituais e liturgias da instituição religiosa. O filme foi novamente dirigido pelo pouco ousado e burocrático Ron Howard. Tom Hanks retornou ao seu personagem e a produção procurou seguir os passos do primeiro filme. Tudo sem nenhuma novidade digna de nota a não ser a boa presença de Ewan McGregor  que a despeito de seu bom trabalho ao longo do filme tem que pagar um mico enorme na cena final que é simplesmente patética, vamos falar a verdade. Pára quedas na Praça de São Pedro? É um pouco demais da conta vamos convir. Enfim, só recomendo para os fãs mais radicais de Dan Brown. Para os cinéfilos em geral tudo vai soar bem convencional, nada marcante. E se você gosta do tema histórico sobre Papas recomendo que procure por livros de história escritos por historiadores renomados, que sejam realmente interessantes e historicamente corretos. Deixe Dan Brown de lado, ele é literatura pop chiclete em essência e já não consegue enganar mais ninguém.

Anjos e Demônios (Angel & Demons, EUA, 2009) Direção: Ron Howard / Roteiro: David Koepp, Akiva Goldsman, baseado no livro de Dan Brown / Elenco: Tom Hanks, Ayelet Zurer, Ewan McGregor, Stellan Skarsgård, David Pasquesi, Cosimo Fusco, Allen Dula./ Sinopse: Durante a eleição do novo Papa uma terrível sociedade secreta colocará em risco a vida de várias pessoas, entre elas a do professor e estudioso Robert Langdon (Tom Hanks).

Pablo Aluísio e Júlio Abreu. 

segunda-feira, 23 de março de 2015

Piratas do Caribe: Navegando em Águas Misteriosas

Posso dizer que foi bem menos aborrecido do que os anteriores. Algumas coisas em Piratas do Caribe sempre me incomodaram: excesso de piadinhas sem graça, piruetas e pirotecnias à la filme dos Trapalhões, roteiros dispersos demais, duração desnecessária e excesso de personagens sem importância. Parece que os produtores do filme realmente ouviram as críticas e resolveram aqui cortar todos as coisas que atrapallhavam os filmes da franquia. Achei o roteiro bem enxuto, focado numa situação base (ao contrário dos anteriores que atiravam para todos os lados). Outro ponto positivo ao meu ver foi o enxugamento de personagens desnecessários. Aqueles chatos que povoavam os filmes anteriores simplesmente sumiram, o que foi ótimo. As piadinhas também ficaram sob controle, para minha satisfação.

De resto o que posso dizer é que não fiquei entediado e nem com raiva da burrice do roteiro. O Depp continua na mesma e não o critico uma vez que o personagem do Capitão é uma verdadeira mina de ouro para ele (o ator já ganhou tanto dinheiro com esse pirata que comprou até mesmo uma ilha particular para si). A produção não nega sua face blockbuster e por isso em muitos momentos pensamos que o filme foi escrito para alguém com déficit de atenção pois o corre corre é intenso. De qualquer maneira cenas pontuais (e bem feitas) fazem valer a pena, como o ataque das sereias. No saldo final apesar de não considerar um filme bom, penso que houve melhorias. O que é complicado mesmo é entender como um filme que usa e abusa de tantos clichês antigos (que já eram usados na década de 30 com Errol Flynn) conseguiu apurar mais de um bilhão de dólares de bilheteria! Velhas fórmulas parecem nunca envelhecer mesmo para o grande público.

Piratas do Caribe: Navegando em águas Misteriosas (Pirates of the Caribbean: On Stranger Tides, EUA, 2011) Direção: Rob Marshall / Roteiro: :Ted Elliott, Terry Rossio / Elenco: Johnny Depp, Penélope Cruz, Ian McShane / Sinopse: Jack Sparrow (Johnny Depp) e Barbossa (Geoffrey Rush) saem em busca de novas aventuras na franquia de grande sucesso de bilheteria.

Júlio Abreu.

Sem Lei e Sem Alma

Entre tantas histórias que ficaram célebres no velho oeste poucas conseguiram alcançar a fama do tiroteio ocorrido no Ok Corral em Tombstone, Arizona. De um lado o lendário xerife Wyatt Earp (Burt Lancaster), seus irmãos e Doc Holliday (Kirk Douglas), do outro lado o bando dos irmãos Clanton. Ambos se enfrentaram face a face, cada um a poucos metros do outro, armas em punho, um duelo que entrou para a história e que foi fartamente explorado no cinema durante todos esses anos. Esse "Sem Lei e Sem Alma" é até hoje considerado uma das melhores versões já feitas sobre o evento. O roteiro é extremamente bem trabalhado, nitidamente dividido em dois atos que se fecham e se complementam de forma perfeita. No primeiro ato acompanhamos a chegada de Wyatt Earp numa pequena cidade do velho oeste. Ele vem no encalço de Johnny Ringo (John Ireland) e seu bando. Lá se aproxima do pistoleiro e jogador inveterado Doc Holliday e acaba salvando sua vida ao ajudá-lo a fugir de seu próprio linchamento. No segundo ato encontramos os personagens já em Tombstone, a lendária cidade, onde nos 15 minutos finais do filme ocorrerá o famoso confronto no O.K. Corral.

Burt Lancaster e Kirk Douglas estão perfeitos em seus papéis. Kirk Douglas em especial encontrou grande afinidade entre sua própria personalidade expansiva e extrovertida e a figura do lendário Doc Holliday. Esse como já tive a oportunidade de escrever é realmente um personagem à prova de falhas. Um dentista corroído pela tuberculose que ocupava todo seu tempo jogando cartas e se envolvendo em confusões pelas cidadezinhas por onde passava. O que fazia de Doc um ótimo pistoleiro é que seu instinto de preservação já não era tão acentuado pois sempre se via no limite, à beira da morte, por isso para ele tanto fazia morrer em um tiroteio ou escapar vivo para mais um duelo à frente. Sua frieza e pontaria certeira o transformaram em uma lenda do velho oeste. Já Wyatt Earp também encontrou um ator ideal em Burt Lancaster. Íntegro, honesto e temido, procurava manter a lei em uma região infestada de facínoras e bandoleiros. O duelo no O.K. Curral foi apenas uma das inúmeras histórias envolvendo esse famoso homem da lei. Para finalizar é bom salientar que a despeito de sua imensa qualidade cinematográfica, "Sem Lei e Sem Alma" não é completamente fiel aos fatos históricos. O próprio duelo final, razão de existência do filme, não ocorreu da forma mostrada no filme. De fato os eventos reais foram bem mais simples, pois os dois grupos rivais estavam frente a frente, a poucos metros uns dos outros. No filme há toda uma sequência de cenas que não existiram como a queima da carroça, por exemplo. Johnny Ringo, o famoso pistoleiro, também não estava no confronto do O.K. Ele foi morto tempos depois no meio do deserto. Suspeita-se que foi morto por Doc Holliday pois ambos tinham uma rivalidade antiga que só seria resolvida com armas em punho. De qualquer forma esses detalhes em nada diminuem a extrema qualidade de "Sem Lei e Sem Alma", que hoje é considerado merecidamente um dos melhores westerns já realizados. Uma obra prima certamente.


Sem Lei e Sem Alma (Gunfight at the O.K. Corral, EUA, 1957) Direção: John Sturges / Roteiro: Leon Uris baseado no artigo escrito por George Scullin / Elenco: Burt Lancaster, Kirk Douglas, Rhonda Fleming, Jo Van Fleet, John Ireland, Frank Faylen, Ted de Corsia, Dennis Hopper, DeForest Kelley, Martin Milner / Sinopse: Wyatt Earp (Burt Lancaster), seus irmãos e Doc Holliday (Kirk Douglas) resolvem enfrentar cara a cara um bando de ladrões de gado no O.K. Corral em Tombstone, Arizona.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.