segunda-feira, 30 de junho de 2014

Paul Newman - Rocky Graziano

A história do famoso lutador de boxe Rocky Graziano foi adaptada para o cinema para ser estrelada pelo ícone jovem James Dean. Ele inclusive estava empolgado por começar a filmar, a tal ponto de, em uma de suas últimas entrevistas, dizer que via aquele roteiro como um dos melhores já escritos em Hollywood. Era uma grande oportunidade de se desenvolver ainda mais como ator. Dean inclusive lutara para que a Warner o cedesse para fazer o filme na MGM. Quando tudo estava pronto, com a pré produção completamente finalizada, o ator resolveu participar de uma corrida na Califórnia. Seria sua despedida das férias para logo após começar os trabalhos no novo filme.

No meio do caminho, na estrada deserta de Salinas, espatifou seu carro Porsche em um cruzamento. Ali mesmo James Dean, o ator que simbolizava toda a rebeldia jovem do mundo, morreu. A Metro-Goldwyn-Mayer que já havia investido bastante na realização do filme ficou em um dilema. Por alguns meses os executivos ficaram sem saber o que fazer - tentaram convidar Marlon Brando mas esse recusou ao dizer que já havia assinado contrato para a realização de uma outra produção da Fox. A outra boa opção seria Montgomery Clift, mas o sensível ator achou que não seria adequado para o papel. 

Foi então que o diretor Robert Wise sugeriu o nome de Paul Newman. Muitos produtores tinham receio de escalar Newman por causa de seu primeiro filme, o tão criticado "O Cálice Sagrado". Além disso naquela altura ele não tinha um nome forte o suficiente para garantir uma boa bilheteria. Havia porém pontos a favor de Newman, o mais forte deles é que ele também fazia parte da brilhante geração de atores de Brando e Dean e tal como eles era cria do famoso Actor´s Studio. Certamente poderia ser uma ótima solução.

Some-se a isso o fato de que Paul estava esperando há tempos por uma boa oportunidade e aquele script parecia ser uma ótima opção para ele recomeçar tudo de novo, como se fosse do zero. De uma forma ou outra, em uma tarde de setembro de 1955 Newman finalmente foi até a MGM assinar o contrato. Tudo estava certo e ele faria Rocky Graziano em "Somebody Up There Likes Me" que no Brasil receberia o título de "Marcado pela Sarjeta". Seria o começo de uma nova fase de sua carreira no cinema.

Pablo Aluísio.

A Bela e o Renegado

Título no Brasil: A Bela e o Renegado
Título Original: Ride, Vaquero!
Ano de Produção: 1953
País: Estados Unidos
Estúdio: Metro-Goldwyn-Mayer (MGM)
Direção: John Farrow
Roteiro: Frank Fenton
Elenco: Robert Taylor, Ava Gardner, Anthony Quinn, Howard Keel

Sinopse:
José Constantino Esqueda (Anthony Quinn) é um bandoleiro e fora da lei mexicano que deseja dominar toda a região da fronteira entre Estados Unidos e México. Para isso ele começa a expulsar todos os colonos de suas terras, entre eles Rio (Robert Taylor) e Cordelia Cameron (Ava Gardner). Suas intenções de intimidar e perseguir porém serão combatidas pelo corajoso Rio que não aceitará as imposições covardes de Esqueda para com toda aquela gente.

Comentários:
Bom faroeste da MGM que contou com um elenco acima da média. O enredo se trava na luta entre os personagens de Esqueda (Anthony Quinn) e Rio (Robert Taylor). Rio é americano e Esqueda mexicano. Ambos foram criados juntos pela mãe de Esqueda que considerava Rio como seu verdadeiro filho. Quando se tornam adultos Esqueda vira um sujeito violento, rude e cruel, que ambicioso começa a perseguir os pobres colonos da fronteira. Rio não admite esse tipo de comportamento criminoso e não demora para que os irmãos de criação se tornem inimigos jurados de morte! Como já foi dito o maior mérito desse filme é o ótimo elenco que reuniu. Robert Taylor era o galã preferido da MGM na época, tendo brilhado no épico "Quo Vadis", seu filme anterior. Estava na crista da onda, desfrutando de grande popularidade. Como vilão Anthony Quinn novamente surpreende. Ele sabia interpretar sujeitos indigestos como ninguém! E como brinde final o espectador era ainda presenteado com a linda Ava Gardner, em um papel menor, é verdade, mas mesmo assim marcante. Todo filmado no deserto implacável do estado de Utah, "Ride, Vaquero!" é uma bela sugestão para os admiradores do mais americano de todos os gêneros cinematográficos. Não vá perder!

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Marlon Brando - Actors Studio

Em 1949 Marlon Brando apareceu em um episódio da série Actor's Studio. Essa foi uma série televisiva muito interessante produzida pelo canal ABC que tinha como objetivo levar adaptações de textos teatrais para a TV. O material era escrito, dirigido e interpretado por professores e alunos do famoso Actor's Studio de Nova Iorque. Como Brando estudava lá, também participou de um dos episódios chamado "I'm No Hero".

Aqui Brando interpreta um jovem e inexperiente médico que é forçado a mão armada a operar um gangster ferido após uma intensa troca de tiros com a polícia, interpretado por Harry Bellaver, numa adaptação de uma história de Henry Kane. O curioso é que o programa era feito ao vivo e em seu livro de memórias Brando relembra que trabalhar dessa maneira era muito complicado para um ator como ele. 

Numa das cenas do episódio Brando tinha que entrar debaixo de um chuveiro, ficar pensativo e receoso pois seu personagem estava o tempo todo sob a mira de uma arma de fogo. Na hora em que estava atuando o contra-regra abriu a água e Brando foi surpreendido por um verdadeiro dilúvio em sua cara. O problema é que a água estava fria como o pólo norte e Brando não aguentou e soltou um grito dizendo: "Mas que diabos?!"

O mais divertido de tudo é que no dia seguinte o New York Times elogiou a intensidade da "atuação" de Brando, só que na verdade aquela tinha sido apenas uma reação natural diante de uma situação de completa surpresa! Pelo visto a estrela de Brando já brilhava desde o começo de sua carreira!

Pablo Aluísio.

Os Oito Casamentos de Liz Taylor

No total foram oito casamentos e sete maridos - isso porque Liz casou duas vezes com Richard Burton. Como se vê a atriz ficou conhecida não apenas por seus filmes de sucesso mas também por sua atribulada vida pessoal. Cada casamento de Elizabeth Taylor causava um verdadeiro frenesi na mídia americana. Afinal eles eram recheados de glamour, elegância mas muitas vezes também escândalos - como em seu controvertido casamento com Eddie Fisher, que a imprensa acusava de ter sido "roubado" de sua melhor amiga, Debbie Reynolds! Veja abaixo a lista dos casamentos de Liz Taylor:

1. Conrad "Nicky" Hilton (1950-1951)
Seu primeiro casamento, com um dos herdeiros da rede hoteleira Conrad Hilton. Milionário e dono de centenas de estabelecimentos de luxo ao redor do mundo, esse parecia ser um casamento dos sonhos para qualquer mulher. O estilo e a personalidade independente de Liz Taylor porém foi crucial para o fim do relacionamento e o divórcio que veio em menos de um ano. Dizem que Hilton queria que Liz abandonasse sua carreira no cinema, algo que ela se recusava a fazer.

2. Michael Wilding (1952-1957)
Com apenas um ano de seu divórcio, Liz resolveu se casar com Michael Wilding, um ator britânico. Foi uma união bem mais duradoura - ficaram juntos por cinco anos - e com o nascimento de dois filhos, Michael e Christopher Taylor, o casamento parecia que iria mesmo durar, mas para surpresa de muitos o relacionamento também chegou a um impasse e Liz entendeu que um divórcio amigável entre eles seria o melhor caminho, inclusive por causa dos filhos. 

3. Michael Todd (1957-1958)
Mantendo um certo padrão Liz se casou com o milionário Michael Todd apenas um ano após se divorciar de Michael Wilding. A razão foi que ela ficou grávida de Liza Taylor, sua terceira filha. Foi um casamento feliz mas muito breve pois um ano após subirem ao altar Michael Todd morreu em um terrível acidente de avião.

4. Eddie Fisher (1959-1964)
Um ano após a morte de Michael Todd, Liz se casou pela quarta vez. Esse foi seu casamento mais escandaloso pois o cantor Eddie Fisher era marido de sua melhor amiga, Debbie Reynolds! A imprensa fez a festa e Liz sofreu bastante com os ataques sofridos. De "destruidora de lares" a "vagabunda", todos os adjetivos pejorativos imagináveis foram usados contra ela. Mesmo com a pressão Liz e Eddie conseguiram ficar juntos por longos cinco anos, se tornando seu casamento mais duradouro até então.

5. Richard Burton (1964-1974)
O casamento de Liz Taylor com Eddie Fisher conseguiu sobreviver a tudo, menos ao bonitão Richard Burton. Liz e Richard se conheceram nas filmagens de "Cleópatra". Ela interpretava a famosa rainha do Egito e ele dava vida ao general romano Marco Antônio. Ambos eram casados mas o clima entre eles esquentou durante as filmagens. Liz se separou de Eddie Fisher e Richard Burton de sua esposa. Um após começarem o namoro se convenceram que jamais iriam conseguir viver separados e se casaram em 1964. Esse primeiro casamento duraria dez anos!

6. Richard Burton (1975-1976)
Depois de dez anos juntos, muitos filmes e muitas brigas, Liz e Burton se divorciaram em 1974 mas um ano depois resolveram se casar de novo. Para selar a nova união Liz e Taylor resolveram adotar uma menina, Maria. A volta porém não deu certo e menos de um ano depois já estavam divorciados novamente, dessa vez de forma definitiva.

7. John Warner (1976-1982)
Um ano depois de largar Richard Burton, Liz resolveu que era novamente hora de se casar. Assim ela subiu ao altar pela sétima vez com o milionário e senador republicano John Warner. Apesar de poucos acreditarem foi um casamento até feliz e sem maiores tropeços. Durou seis anos. Com Warner Liz começou a se interessar por política e adotou várias causas para defender, entre elas a dos direitos dos animais e da luta contra o preconceito em relação a AIDS. Em 1982 Liz entendeu que a paixão havia se tornado amizade e parceria e resolveu romper amigavelmente o casamento. Continuaram grandes amigos até o fim da vida.

8. Larry Fortensky (1991-1996)
O oitavo e último casamento de Liz Taylor foi alvo de muitos preconceitos sociais. Ele era bem mais jovem do que ela, era um trabalhador comum da construção civil, caminhoneiro nas horas vagas. Essa diferença entre ambos despertou todos os tipos de fofocas mas Liz afirmou que gostava dele e não estaria disposta a abrir mão desse relacionamento apenas para agradar aos outros. No total o casamento durou cinco anos, uma média bem constante entre os casamentos da vida de Liz Taylor. Também se separaram de forma amigável.

Pablo Aluísio e Erick Steve.

Quarteto Fantástico - Fantastic Four

Título no Brasil: Quarteto Fantástico
Título Original: Fantastic Four
Ano de Produção: 2005
País: Estados Unidos
Estúdio: Twentieth Century Fox
Direção: Tim Story
Roteiro: Mark Frost, Michael France
Elenco: Ioan Gruffudd, Michael Chiklis, Chris Evans, Jessica Alba, Julian McMahon

Sinopse:
Um grupo de astronautas ganha superpoderes depois de uma exposição à radiação cósmica no espaço. Agora deverão usá-los para se opor aos planos de seu inimigo, Victor Von Doom (Julian McMahon). Adaptação das famosas histórias em quadrinhos da Marvel. Indicado ao prêmio Saturn Award na categoria Melhor Filme de Ficção.

Comentários:
Para celebrar os dez anos desse filme a Marvel anunciou recentemente que irá produzir um reboot em 2015 chamado "The Fantastic Four" com novo elenco, direção e produção. Uma boa notícia para os fãs desses heróis carismáticos do universo Marvel. Particularmente sempre gostei dessa galeria de personagens até porque eles são tão "anos 60" que fica complicado não gostar de todo esse clima vintage. E por que são a cara dos 60´s? Pense bem. Aqui temos um quarteto (tal como os Beatles), de uma coletividade de heróis (algo que soava como novidade quando eles foram criados) e contando com uma origem que remete totalmente à corrida espacial travada entre Estados Unidos e União Soviética, tão tipicamente daqueles anos! Mas deixando de lado todas essas observações, o que temos aqui é uma aventura redondinha, bem escrita, que não ofendeu aos fãs dos quadrinhos (que sempre são tão chatos em relação à adaptações para o cinema). Some-se a isso os bons efeitos especiais e a inteligente (e bem adequada) direção de arte e você terá um ótimo entretenimento Marvel. Para quem gosta desse tipo de filme é uma excelente pedida.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 29 de junho de 2014

Elvis Presley - Os Anos Finais - Parte 8

O contrato de Elvis com a RCA afirmava que ele tinha que colocar no mercado pelo menos três álbuns inéditos por ano. Para cumprir essa meta de gravar tanto material novo, muitas vezes eram lançados discos ao vivo. Isso era uma comodidade para o cantor porque ele cumpria duas obrigações com apenas um evento. Matava dois coelhos com uma cajadada só. Mas a RCA não aceitava mais essa solução, digamos “fácil” por parte de Elvis. As coisas iriam mudar. Ele teria sim que cumprir o contrato com discos de estúdio daqui pra frente. Depois do impasse inicial criado por Elvis a idéia de Tom Parker de levar os equipamentos de estúdio para dentro da casa de Elvis vingou.

E lá foi a RCA Victor instalar equipamentos de última geração no valor de 200 mil dólares dentro da mansão de Elvis. Tudo com o objetivo de colocar o cantor na frente de um microfone para ele gravar material novo e inédito. O Primeiro local escolhido pelo produtor da RCA Felton Jarvis foi a quadra de raquetebol. Elvis riu e comentou baixinho com os caras da máfia de Memphis: “Felton vai quebrar a cara, a acústica da quadra é péssima! (risos) mas vou ficar calado. Deixa ele instalar tudo lá, depois eles terão que desinstalar tudo de novo e assim ganho mais tempo! Além disso ganho uma história divertida para contar depois (risos)”.

Desse ponto em diante Elvis decidiu que queria se divertir com os técnicos da RCA. Quando tudo foi finalmente instalado na quadra, Elvis foi chamado ao “estúdio” improvisado. Ele chegou e se sentou bem no meio do equipamento. Estava mortalmente silencioso. Felton lhe mostrou onde ficariam os engenheiros de som e o equipamento principal, estava empolgado e quando finalmente perguntou o que Elvis achava, ele disparou: “Não, cara... tá tudo errado! Aonde estão os captores? Ali? Péssima localização! O que é aquilo ali? Aquele microfone está mal posicionado, vai vazar para o microfone vizinho! Tire isso daí! Qual é marca dessas caixas de retorno? Puxa! Elas são péssimas! Desmontem tudo! Coloquem tudo abaixo! Substituam o equipamento técnico, liguem para Nashville, Nova Iorque, sei lá... falem com os caras da RCA... Esse é o som mais fdp que eu já ouvi”.

Felton estava completamente atônico! Elvis piscou o olho para Felton e disparou: “Você já ouviu a acústica daqui? Impossível gravar nesse ambiente, as gravações vão ficar horrorosas! Coloquem tudo abaixo! Estarei dormindo em meu quarto, depois discutiremos um lugar melhor para montar toda essa parafernália. Não se preocupe, não é algo assim tão importante para ficar de cabeça quente, já tenho minha própria cabeça vermelha em meu grupo (Elvis estava se referindo a Red West, o ruivo da turma da máfia de Memphis)”. Felton Jarvis mal conseguia respirar de tanto desapontamento, decepção e raiva!

- “Elvis, vamos tentar gravar algo aqui! Vamos tentar uma vez só! Se der certo pouparemos um trabalho imenso de levar tudo para outro local!” sugeriu Jarvis. O cantor virou-se para ele e lhe deu seu famoso “Sorriso Elvis”, por fim disse : “Não eu, não irei desperdiçar minha voz aqui sabendo que tudo vai terminar por água abaixo. Tenho shows agendados, tenho que me preservar”. Dito isso, retirou-se da quadra. Mas não perdeu tempo em ir assistir a irritação de Felton Jarvis pelo circuito interno de Graceland instalado em seu quarto. Em sua suíte Elvis podia observar todos os cômodos de sua mansão por causa de um sistema de segurança instalado por ele.

Elvis se divertiu como nunca nessa noite: ele ria e ria ao lado dos caras da máfia de Memphis ao observar o pobre produtor Felton Jarvis coçar a cabeça antes de mandar desmontar todo o equipamento. Os problemas de Jarvis estavam apenas começando. RCA, discos, ameaças de processo, nada disso estava na realidade preocupando Elvis. Ele já tinha problemas aos montes em sua vida pessoal para ocupar seus pensamentos. Na verdade o foco principal de suas dores de cabeça nas duas últimas semanas tinha um nome: Rise Smith. Ela era uma garota que Elvis havia conhecido alguns dias atrás durante um de seus rotineiros passeios ao parque de diversões ao lado de sua filha Lisa Marie

Enquanto Lisa se divertia na roda gigante, Elvis ficou lá embaixo e acabou conhecendo Rise, que fazia um bico no parque para ajudar a pagar seus estudos. Rise era uma garota muito correta, católica, descendente de imigrantes irlandeses, extremamente bonita, alta e com vastos cabelos loiros. Era uma beleza, uma verdadeira simpatia, uma flor de pessoa. Nõo demorou muito e logo a espevitada Rise caiu nas graças de Elvis, que literalmente gamou por ela. “Ficou completamente apaixonado. Foi conhecer a família dela. Deu-lhe presentes. Era alta, tinha espesso cabelo louro e uma voz muito sexy. Foi a última grande aventura dele!”, relembrou David Stanley (filho de Dee, a madrasta de Elvis). Mas havia um problema sério nesse caso: Rise Smith tinha apenas 16 anos!

Quando o Coronel Parker soube por Joe Esposito que Elvis estava caindo de amores por uma ninfetinha de 15 anos ficou preocupadíssimo. Já imaginou o que aconteceria com Elvis, caso a imprensa descobrisse que o Rei do Rock, no alto de seus 41 anos, estava tendo um casinho com uma menina de quinze anos, uma mera debutante? Uma colegial que nem tinha ao menos completado o ginasial? Seria o fim da imagem pública dele. Tom Parker procurou agir. As coisas estavam começando a ficar sérias, principalmente depois que Elvis convidou Rise para jantar e passar a noite em sua mansão Graceland.

O Coronel Tom Parker sabia muito bem o que acontecia com astros que se envolviam com garotinhas, o caso de Jerry Lee Lewis era bem fresco ainda na mente do velho empresário. Segundo Albert Goldman em artigo publicado, o Coronel contratou os serviços de um detetive particular de Memphis chamado apenas de “Ted” para fazer um servicinho sujo para ele. Esse detetive teria que entrar em contato com a garota e lhe oferecer dinheiro para se afastar de uma vez por todas de Elvis. Parker sabia que Elvis nunca iria seguir suas ordens de terminar o romance com a ninfeta, então o último recurso que encontrou foi mesmo comprar a menina.

Por 5 mil dólares Rise, relutante e assustada demais com o acontecido, acabou aceitando o dinheiro de Ted. Quando soube que seu plano tinha tido êxito o Coronel ficou extasiado, chegando a comentar com seu assistente pessoal Tom Diskin: “Virtuosa, honesta ou não, essa garota não e burra! No fundo todos têm seu preço”. Quando Elvis a procurou no fim de semana e telefonou para sua casa notou que ela não queria mais falar com ele. Nem ao menos quis lhe encontrar pessoalmente novamente. Elvis tentou insistir, mas logo percebeu que tudo estava acabado. Ele logo notou que seu tão sonhado romance com a garota ideal de seus sonhos, tinha naufragado mais uma vez.

Erick Steve.

No Limite do Amanhã

Título no Brasil: No Limite do Amanhã
Título Original: Edge of Tomorrow
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: Doug Liman
Roteiro: Christopher McQuarrie, Jez Butterworth
Elenco: Tom Cruise, Emily Blunt, Bill Paxton

Sinopse:
Futuro. A Terra luta por sua própria sobrevivência após ser invadida por uma estranha raça de alienígenas. O Major Cage (Tom Cruise) é um ex-publicitário que exerce a função de relações públicas das forças armadas americanas. Seu trabalho consiste em ir em programas de TV para fazer propaganda e levantar o moral das tropas. Ele não tem a menor intenção de ir para o campo de batalha mas acaba sendo enviado para a invasão do norte da França. Lá acaba passando por uma estranha experiência que irá mudar os rumos de sua vida e de toda a humanidade.

Comentários:
Esse filme do Tom Cruise me fez lembrar muito de outro dele recentemente lançado, "Oblivion". Ambos são ficções passadas em um planeta Terra invadido por forças alienígenas. Nos dois casos os invasores são seres biológicos de origem desconhecida. Aqui eles são retratados como monstros de design bem interessante. Alguns são bem parecidos com insetos gigantes, principalmente aranhas (o que me fez recordar imediatamente de "Tropas Estelares"). Com tantas lembranças de outras produções não qualificaria essa fita de original ou nada parecido. A única novidade vem do roteiro que é do estilo fragmentado. Não sei se vocês se lembram de um antigo filme do Bill Murray chamado "Feitiço do Tempo". Lá ele acordava todas as manhãs para viver o mesmo dia, sempre! Pois bem, a premissa aqui me lembrou bastante daquela antiga comédia. O personagem de Cruise está sempre retornando ou como ele diz, em linguagem de videogame, está sempre reiniciando a vida (ou o jogo). Assim que algo lhe acontece e ele aparentemente é abatido em combate, volta para a mesma manhã do dia anterior. Superficialmente pode parecer cansativo esse tipo de coisa mas os roteiristas conseguiram fugir do tédio e do aborrecimento, injetando ritmo e agilidade às situações. Mesmo assim não vá esperando por nada muito profundo. Após ser explicado o estranho evento, o roteiro abraça de vez o estigma mais clichezado do cinema comercial americano e tudo caminha para um final bem convencional, sem maiores surpresas. Cruise está lá e irá salvar o mundo - quantas vezes você não já viu isso no cinema? Sendo bem sincero, como o filme foi bem badalado, estava esperando muito mais. Do jeito que está, é apenas ok! Um passatempo divertido, embora passe longe, bem longe, de ser uma obra prima Sci-fi.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 28 de junho de 2014

A Colina dos Homens Maus

Título no Brasil: A Colina dos Homens Maus
Título Original: La Collina Degli Stivali
Ano de Produção: 1969
País: Itália
Estúdio: San Marco
Direção: Giuseppe Colizzi
Roteiro: Giuseppe Colizzi
Elenco: Terence Hill, Woody Strode, Bud Spencer

Sinopse:
Em uma cidade próxima a uma rica região, farta em ouro, um grupo de bandoleiros comandados por Mel Fisher, impõe sua dominação através do terror e assassinato. Seu objetivo é se tornar dono das terras locais para se apropriar completamente da fortuna que está sob o solo daquela terra. Quem não estiver disposto a vender sua propriedade certamente morrerá. Seus planos vão muito bem, até a chegada na cidade de Cat Stevens (Terence Hill) e Arch Hutch Bessy (Bud Spencer), que estão dispostos a parar com aquela situação de injustiça e medo!

Comentários:
Outro bom exemplar da bem sucedida parceria entre Terence Hill e Bud Spencer. No Brasil ficaram extremamente conhecidos por causa dos filmes da série Trinity! O diretor desse filme, o especialista Giuseppe Colizzi, iria inclusive dirigir "Dá-lhe Duro, Trinity!" em 1972. Filmado praticamente todo no deserto de Almería, Andalucía, na Espanha, o filme segue o padrão que já havia dado muito certo antes na carreira do diretor, como em, por exemplo, "Os Quatro da Ave Maria" e "Deus Perdoa... Eu Não!". Embora os filmes de Terence Hill tenham se notabilizado pelo bom humor, esse aqui não é tão na linha mais pastelão como viria a acontecer anos depois. Há um tom bem mais sério, embora é claro, cenas divertidas surjam ao longo do filme. Mas sempre salientando que essa não é a tônica principal da produção. "A Colina dos Homens Maus" inclusive fecha a trilogia formada com os filmes anteriores já citados do diretor, todos tendo como enredo as aventuras do pistoleiro Cat Stevens pelo velho oeste. Terence Hill assim encerrava o ciclo desse seu personagem, que só seria superado mesmo em termos de popularidade por Trinity. Em suma, um faroeste italiano que certamente agradará em cheio aos fãs do Spaguetti Western.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Em Roma na Primavera

Título no Brasil: Em Roma na Primavera
Título Original: The Roman Spring of Mrs. Stone
Ano de Produção: 1961
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: José Quintero
Roteiro: Gavin Lambert, baseado na obra de Tennessee Williams 
Elenco: Vivien Leigh, Warren Beatty, Coral Browne

Sinopse:
Karen Stone (Vivien Leigh) é uma atriz veterana dos palcos, cuja idade começa a atrapalhar sua carreira. Perto dos 50 anos os convites vão ficando cada vez mais raros na Broadway. Ela então decide passar suas férias em Roma mas na viagem seu marido e empresário, 20 anos mais velho do que ela, sofre um ataque cardíaco e morre. Desolada, Karen decide alugar um apartamento na cidade eterna das sete colinas. Para curar sua desilusão uma condessa italiana, muito conhecida por arranjar jovens para mulheres mais velhas solitárias, lhe apresenta Paolo di Leo (Warren Beatty). A aproximação entre ambos será dramática e de consequências imprevisíveis.

Comentários:
Depois que Vivien Leigh brilhou em "Uma Rua Chamada Pecado" no papel de Blanche em 1951, muitos esperavam que ela voltasse a interpretar nas telas algum outro texto do genial Tennessee Williams. Foi necessário dez anos para que isso voltasse a acontecer. Esse foi o penúltimo filme de Vivien Leigh, em um texto que remonta levemente aspectos de sua própria vida pessoal, afinal de contas ela, naquela altura de sua carreira, também era uma veterana em situação bem parecida com a de sua personagem Karen Stone. Sua atuação é brilhante. Muitos inclusive esperavam por uma indicação ao Oscar mas a academia caprichosamente resolveu indicar outra atriz do elenco ao prêmio, Lotte Lenya, que interpreta a condessa Magda Terribili-Gonzales. Como sempre acontecia em seus escritos, esse texto de Tennessee Williams também explora o lado mais sórdido de seus personagens. A mulher envelhecida que se deixa enganar por um garotão que só deseja o seu dinheiro, a mulher inescrupulosa que se torna uma verdadeira cafetina, apesar de usar um título de condessa e o jogo cínico e lascivo de todos os que se envolvem nessa situação. Uma produção que anda bem esquecida nos dias de hoje, injustamente aliás, pois é de extrema qualidade cinematográfica.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Profissão De Risco

Título no Brasil: Profissão De Risco
Título Original: The Bag Man
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Studios
Direção: David Grovic
Roteiro: David Grovic, Paul Conway
Elenco: John Cusack, Rebecca Da Costa, Robert De Niro, Crispin Glover

Sinopse:
John Dragna (Robert De Niro) é um chefão mafioso de Nova Iorque que resolve contratar o assassino profissional Jack (John Cusack) para um trabalho diferente. Ele deve levar uma pequena bolsa para um distante, pequeno e isolado motel de beira de estrada para entregá-la a um enviado especial. Parece simples demais mas o alto valor prometido por Dragna pelo serviço intriga Jack, que recebe ordens expressas de jamais olhar para o conteúdo da bolsa. O serviço, tal como desconfiava, certamente não será nada fácil.

Comentários:
Um filme com uma trama interessante que infelizmente não consegue cumprir todas as promessas e potenciais. Além do roteiro curioso, cheio de mistérios (que vão se revelando aos poucos) o grande atrativo aqui é certamente o elenco. O cult John Cusack repete o personagem de assassino profissional, algo que é até recorrente em sua carreira. Robert De Niro surge em cena com figurino e cabelos esquisitos, uma mistura de Martin Scorsese com Robert Evans. A cafonice é para salientar o fato dele ser um chefe criminoso de Nova Iorque - um tipo italiano cheio de frases e diálogos ricos em cultura, mas por outro lado profundamente violento e psicopata. Outro destaque do elenco é a participação do ator Crispin Glover, o pai de Michael J. Fox na série "De Volta Para o Futuro". Fazia tempo que tinha visto o sujeito pela última vez. Continua bem talentoso. Ele aqui incorpora o único empregado do motel vagabundo, um cara que parece estar sempre chapado e ouvindo Heavy Metal no último volume. Divertido mas também sinistro. Apesar de tanta gente boa o roteiro não consegue sair das armadilhas dos clichês recorrentes em Hollywood. A reviravolta final pode até surpreender, mas depois se opta covardemente pelo caminho mais fácil e meloso. Uma pena, se tivessem ido até as últimas consequências o resultado teria sido bem melhor. Enfim, passável mas nada memorável.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 27 de junho de 2014

A Verdadeira História de Martin e Lewis

Título no Brasil: A Verdadeira História de Martin e Lewis
Título Original: Martin and Lewis
Ano de Produção: 2002
País: Estados Unidos
Estúdio: Sony Pictures
Direção: John Gray
Roteiro: John Gray, Arthur Marx
Elenco: Sean Hayes, Jeremy Northam, Paula Cale

Sinopse:
Jerry Lewis (Sean Hayes) é um comediante de night clubs de Nova Iorque que conhece o cantor e ator Dean Martin (Jeremy Northam). Depois de algum tempo se apresentando nas mesmas casas noturnas eles percebem que podem fazer um belo número juntos. A união de um palhaço careteiro e um galã de voz bonita acaba caindo no gosto do público e não demora para que todas as portas do show business se abram para eles, inclusive do cinema em Hollywood. Filme indicado ao Screen Actors Guild na categoria de Melhor Ator (Sean Hayes).

Comentários:
Telefilme bem realizado que se propõe a contar a história da dupla Jerry Lewis e Dean Martin. Juntos eles fizeram grande sucesso não apenas nos palcos, mas no cinema também. Foi uma parceria muito bem sucedida mas também repleta de dramas e problemas e o roteiro procura explorar o que acontecia nos bastidores. O filme é de certa forma didático e vai avançando na história até o rompimento entre eles. O primeiro desafio de se realizar uma produção como essa era encontrar uma dupla convincente de atores. Em relação ao papel de Jerry Lewis o ator Sean Hayes se sai muito bem. Para quem não lembra ele fez muito sucesso na série Will & Grace onde interpretava um gay muito divertido. Fisicamente ele lembra um pouco Lewis, mas o diferencial vem mesmo em sua atuação, que se revela bem inspirada. Já Jeremy Northam como Dean Martin está apenas correto. Também pudera, interpretar o Mr. Cool Martin não era mesmo uma tarefa das mais simples. Assim deixo a dica. O filme certamente não esgota o tema mas divertirá a quem é fã da dupla e da história do cinema americano.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

O Albergue

Título no Brasil: O Albergue
Título Original: Hostel
Ano de Produção: 2005
País: Estados Unidos
Estúdio: Sony Pictures
Direção: Eli Roth 
Roteiro: Eli Roth
Elenco: Jay Hernandez, Derek Richardson, Eythor Gudjonsson

Sinopse:
Produzido por Quentin Tarantino o filme narra a estória de três jovens que decidem conhecer a Europa como mochileiros. Ao chegarem numa distante e isolada cidade da fria Eslováquia eles acabam caindo na armadilha de um sangrento pesadelo. Filme indicado ao prêmio de Melhor Filme de Terror da Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films. Indicado a sete categorias no Fangoria Chainsaw Awards, entre eles Melhor Direção (Eli Roth). 

Comentários:
Filme extremamente violento que chocou bastante em seu lançamento nos cinemas. Eu me recordo inclusive de muitas pessoas se levantando e indo embora no meio da sessão, justamente por causa do estilo slasher elevado à nona potência da produção. Some-se a isso o rótulo que alguns críticos criaram para designar filmes como esse, "Torture Porn", e você terá uma ideia do que encontrará pela frente. De fato o enredo é dos mais simples e o que parece ser a principal motivação de tudo é mostrar mesmo ao espectador o máximo de violência possível, com muitas torturas, mutilações e assassinatos. Tudo exposto da maneira mais crua e suja possível, sem poupar muito. Existem duas versões do filme, uma bem mais visceral que saiu na Europa e outra com alguns cortes feita especialmente para o mercado americano. Os produtores resolveram fazer esses cortes pois caso contrário o filme nem sequer encontraria espaço no circuito comercial americano. Dependendo de sua capacidade de ver filmes violentos escolha uma ou outra. Eu prefiro a mais intensa, até porque se "Hostel" se propôs a isso desde o começa então que se vá até o fim.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Bad Boys II

Título no Brasil: Bad Boys II
Título Original: Bad Boys II
Ano de Produção: 2003
País: Estados Unidos
Estúdio: Columbia Pictures
Direção: Michael Bay
Roteiro: George Gallo, Marianne Wibberley
Elenco: Will Smith, Martin Lawrence, Gabrielle Union

Sinopse:
Dois tiras do departamento de narcóticos de Miama, Mike Lowrey (Smith) e Marcus Bennett (Lawrence), precisam combater uma rede de tráfico de  ecstasy nas principais casas noturnas da cidade. As investigações acabam apontando para um poderoso narcotraficante instalado na cidade, um verdadeiro rei do crime.

Comentários:
É aquele tipo de filme de ação que não tem o menor pudor de se assumir como um pipocão comercial e nada mais. Também o que você iria esperar de um filme da dupla de produtores Don Simpson e Jerry Bruckheimer, e ainda por cima dirigido por Michael Bay, o rei das explosões gratuitas? Ora, nada além disso. O que salva essa franquia "Bad Boys" é a dupla central, ou melhor dizendo, o carisma desses dois atores. A trama, como era de se esperar, é bem genérica, então cabe a Will Smith e Martin Lawrence segurar o filme nas costas. Claro que para muitos Lawrence é um comediante intragável e insuportável mas aqui ele tem Smith para contrabalancear um pouco sua chatice. Nada parecido com "Vovó... Zona" ou algo desse naipe. Aliás para quem gosta desses filmes fica o aviso de que vem mais um aí pela frente. "Bad Boys III" já foi anunciado pela Sony para fechar a trilogia dessa franquia. A previsão de lançamento é para 2015. Na falta de novas ideias nada melhor do que reciclar o que já deu certo em Hollywood, mesmo que apenas do ponto de vista puramente comercial.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Marilyn Monroe em Malibu

Por falar em praia, bikinis e amores, Marilyn também foi clicada em 1950 na praia de Malibu. Ela era apenas uma starlet e estava no point de verão basicamente para se promover, fazer contatos e quem sabe até arranjar algum papel em um filme interessante.

O curioso é que Marilyn não gostava muito de praia, sol e surf. No fundo era tinha muito medo do sol, a ponto de sempre andar com um guarda-chuva ou sombrinha a tira colo pois desde cedo foi avisada que sol demais causava envelhecimento precoce e câncer de pele - e isso muitas décadas antes disso virar moda.

Como era muito branquinha, Marilyn sabia que essa coisa de torrar debaixo do sol da Califórnia não era com ela. Seus cuidados se revelaram muito acertados, pois Marilyn conseguiu manter uma pele impecável, sem rugas ou marcas causadas pelo sol em excesso.

Além disso a beleza de Marilyn não era a de uma garota bronzeada mas sim de uma pequena boneca loira de porcelana. Por isso podia dispensar longas horas fritando sob o sol escaldante sem maiores problemas.

Pablo Aluísio. 

Marilyn e Joyce

Todos os anos em 16 de junho, os fãs de James Joyce em todo o mundo pegam cópias de sua obra-prima, Ulysses, vestem o seu melhor traje e se reúnem para celebrar a vida do escritor irlandês aclamado. Por quê? É a data em que Leopold Bloom, o protagonista de Joyce, fez sua famosa viagem no livro.

Um dos maiores romances do século 20, Ulysses é conhecido por sua revolucionária narrativa de fluxo de consciência; inúmeros leitores e críticos têm elogiado como uma obra de gênio, enquanto outros o entendem como uma obra impenetrável, embora ambiciosa, modernista.

Mas aqui está algo que você pode não saber: Marilyn Monroe era uma grande fã de Joyce. E o fotógrafo Eve Arnold, uma vez a fotografou fazendo sua leitura de Ulysses. Em um maiô. Em Long Island. A sessão de 1955 foi supostamente feita por acaso: Os dois tinham viajado para a área porque Monroe estava visitando o poeta Norman Rosten, e ela havia trazido uma cópia do livro.

Quando pararam em uma praia, Monroe sacou o romance de sua bolsa para colocar a leitura em dia. Arnold então começou a tirar fotos. Durante as fotos, Monroe disse que gostava de ler o livro em voz alta e revelou que gostava de mergulhar nele, em vez de lê-lo capítulo por capítulo. (O mesmo método de leitura, aliás, favorecido por muitos estudiosos de Joyce e apaixonados "amadores" os fãs de literatura). Marilyn no fundo foi um exemplo de que todos podem buscar por cultura e saber, basta realmente querer isso.

Pablo Aluísio. 

Crocodilo Dundee II

Título no Brasil: Crocodilo Dundee II
Título Original: 'Crocodile' Dundee II
Ano de Produção: 1988
País: Austrália, Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: John Cornell
Roteiro: Paul Hogan
Elenco: Paul Hogan, Linda Kozlowski, John Meillon

Sinopse:
Michael J. 'Crocodile' Dundee (Paul Hogan) vai até Nova Iorque por sugestão de sua namorada, a americana Sue Charlton (Linda Kozlowski). Ele, que pensava ser um caipira que morava no meio do mato, mal sabia a selva que a grande cidade iria se revelar diante de seus olhos.

Comentários:
Nos anos 80 surgiu esse curioso personagem chamado Crocodilo Dundee nas telas de cinema. Ele foi criado pelo ator australiano Paul Hogan que conseguiu o feito de cair nas graças do público americano, que achou muito divertido aquele bronco dos rincões da distante e exótica Austrália. Sucesso de bilheteria, acabou rendendo essa sequência. O roteiro tenta divertir colocando em evidência as diferenças culturais de Dundee com a rotina da grande cidade de Nova Iorque. O resultado é bem morno pois a piada logo se torna cansativa e repetitiva. A partir de certo momento, como se não houvesse mais novas ideias, tudo descamba para os mais batidos clichês do cinema americano. Nesse aspecto o primeiro filme era bem mais divertido e honesto em suas pretensões. Com isso Crocodilo Dundee sumiu tão rapidamente como apareceu. Revisto hoje em dia soa apenas como uma curiosidade dos anos 80, época em que tudo era possível, até mesmo o surgimento de um personagem exótico como esse. Se tiver vontade assista sem maiores pretensões a não ser conhecer uma diversão ligeira e passageira bem ao estilo 80´s.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Elvis Presley - Frankie and Johnny

Assim como aconteceu com "Harum Scarum" temos aqui uma boa trilha sonora de um filme ruim. Muitas pessoas dizem que Elvis só gravou coisa ruim em seus anos de Hollywood, principalmente após 1965 mas acredito que essa seja uma visão muito simplista. Alguns de seus álbuns sofreram e foram descartados sumariamente simplesmente por serem trilhas sonoras de filmes fracos, de produções que deixavam a desejar.

Já pensei quase desse modo no passado, mas ouvindo novamente algumas dessas canções que ficaram perdidas nas areias do tempo, posso dizer sem receios que muitas delas são boas e, para surpresa de muitos, com talentosas performances por parte de Elvis e banda. A trilha de "Frankie and Johnny" está inserida justamente nessa categoria. Certamente tem bobagens e claramente apresenta momentos que nunca seriam dignos de um artista como Elvis Presley, mas no meio de tudo também se esconde pequenas preciosidades esquecidas. Duvida? Que tal ouvir o disco novamente para tirar as dúvidas. Vamos dar um passeio pelo álbum? Convite aceito, vamos lá...

1. Frankie and Johnny (Alex Gottlieb / Fred Karger / Ben Weisman) - Logo na faixa título o ouvinte terá a certeza que essa trilha não tem uma sonoridade comum. O arranjo de metais, tentando reviver o clima de New Orleans, já chega forte nos primeiros segundos da audição. Particularmente gosto muito desse tipo de instrumentação, não apenas por se tratar de algo que fuja do convencional e habitual, mas também por ser algo reverencial a um tempo passado, fruto, é claro, do enredo do próprio filme que é de época. Uma boa faixa, muito bem arranjada e executada.

2. Come Along (David Hess) - Outro prazer sem culpas. Aqui o destaque vai para o trabalho primoroso dos vocais. As pessoas ouvem esse tipo de gravação é podem até mesmo pensar que é fácil encontrar um entrosamento como esse, onde em um ritmo rápido todos os vocalistas (Elvis e seu grupo de apoio) surgem perfeitamente sincronizados. Não se engane, não é nada fácil realizar algo assim, principalmente nas notas finais do fim dos versos que são bem incisivos. Belo trabalho de Presley e os Jordanaires.

3. Petunia, The Gardener's Daughter (Roy C. Bennett / Sid Tepper) - Bom, como se trata de um trilha sonora de Elvis nos anos 60 não escaparemos de ouvir algumas bobagens. Essa é a primeira delas. Depois de duas boas faixas, fortes, gravadas e cantadas com convicção, surge essa que tem uma letra de amargar. Também é de se admirar que essa boa dupla de compositores tenha criada essa musiquinha medíocre. Se você estiver ouvindo um vinil pode levantar a agulha e ir para a próxima sem receios. Se for um CD melhor programar para ela ser ignorada na seleção de faixas. Não fará diferença.

4. Chesay (Ben Weisman / Fred Karger / Sid Wayne) - Ben Weisman foi o compositor mais produtivo durante esse período da carreira de Elvis. No total deve ter composto mais de 50 faixas para o garoto de Memphis. Essa é mais uma delas. O destaque vem de um ótimo trabalho vocal. Gosto bastante do entrosamento que Elvis e os Jordanaires tiveram nessas sessões. Perceba que ao contrário dos outros álbuns de Elvis na época, esse contou com a entrada de vários músicos contratados para reproduzir a sonoridade típica das canções para esse filme. Assim ao lado de Elvis havia mais de 15 músicos dentro do estúdio naquela ocasião. Imagine o trabalho que deu colocar toda essa gente em fina sintonia. "Chesay" prova que todos estavam muito bem entrosados.

5. What Every Woman Lives For (Doc Pomus / Mort Shuman) - Depois de um começo promissor ao lado de Elvis no começo dos anos 60 a dupla Pomus e Shuman foi desaparecendo dos discos do cantor. Tinham ficado caros demais na opinião de Tom Parker. Aqui ressurgem ainda timidamente na sua única composição para a trilha sonora. O curioso é que para muitos não foi uma grande volta. Muitos implicam com a letra dessa canção. Dizem que ela vai além do mau gosto em termos de arranjo e letra, que não é apenas machista, mas cafajeste também. Coloca as mulheres na condição de interesseiras, materialistas e loucas apenas pelo dinheiro dos homens. Eu acho que há um grande erro de interpretação no que os autores quiseram passar com a letra, pois no fundo é uma mensagem de amor sobre o que realmente engrandece a vida de uma mulher, que é, repita-se, o amor que ela pode dar ao seu companheiro e não bens materiais como muita gente entendeu, de forma bem errada aliás. As feministas muitas vezes exageram na dose.

6. Look Out Broadway (Fred Wise / Randy Starr) - Se erraram no que a canção anterior dizia, o que falar dessa em que um dos trechos da letra pergunta: "Se ele lhe der um diamante, o que você dará a ele?". Meio grosseirão não é mesmo? Mas não se engane, mesmo em termos de letra essa se salva. É no fundo uma ode à busca pelo sucesso nos palcos da vida, em especial da Broadway em Nova Iorque, o sonho de praticamente todo aspirante à ator nos Estados Unidos. Assim posso dizer que até gosto do resultado, tanto do ponto de vista da letra como da música, mesmo com a pergunta maliciosa que está inserida nela.

7. Beginner's Luck (Roy C. Bennett / Sid Tepper) - Mais uma composição da dupla que compôs o maior sucesso de Elvis em Hollywood, a trilha sonora de "Blue Hawaii". Essa é uma canção sobre se ter sorte de principiante ao se apaixonar pela primeira vez por uma mulher realmente maravilhosa! Quem, em sã consciência, não gostaria de ter essa sorte na vida? Até porque o primeiro amor ninguém esquece, sempre é o mais forte e também o mais idealizado - e talvez por isso seja realmente inesquecível. Essa é uma boa música que apresenta uma bela melodia onde Elvis parece se entregar completamente. Um bom momento do disco, que volto a dizer, tem seus méritos, não restam dúvidas sobre isso.

8. Down by the Riverside / When the Saints Go Marching In (Bernie Baum / Bill Giant / Florence Kaye) - Muitos não gostam desse medley com músicas tradicionais. Eu penso de forma diferente, acho de uma alegria contagiante, inclusive por parte de Elvis Presley, que parece estar se divertindo como nunca! Além da animada performance temos que dar o braço a torcer pelas próprias canções, que são maravilhosas. Embora tenham sido creditadas a esse trio no disco, eles nada mais fizeram do que apenas adaptar as canções para Elvis e o filme. "Down by the Riverside", por exemplo, era dos tempos da guerra civil e "When the Saints Go Marching In" é uma canção católica composta originalmente em tempos imemoriais.

9. Shout It Out (Bernie Baum / Bill Giant / Florence Kaye) - Outra boa canção da trilha sonora. No filme Elvis surge apresentando a música com uma roupa escura no velho estilo do sul, que em um bom exercício de imaginação, até mesmo antecipa algumas de suas mais famosas jumpsuits dos anos 70.

10. Hard Luck (Ben Weisman / Sid Wayne) - Mais uma composição do Ben Weisman. O ritmo é de blues, com Elvis a cantando ao lado de um garoto negro do filme, mandando ver em sua gaita de bolsa (na verdade dublando o talento de Charlie McCoy). Apesar de sempre ser um prazer renovado ouvir Elvis cantando blues essa faixa é prejudicada por ser Hollywoodiana demais. A letra pelo menos é até bem escrita, fugindo de maiores banalidades. No geral podemos dizer que é apenas mediana, além de curta demais.

11. Please Don't Stop Loving Me (Joy Byers) - Joy Byers durante essa fase da carreira de Elvis foi responsável por alguns dos melhores momentos das cambaleantes trilhas sonoras do cantor. Aqui está de volta, só que ao invés de escrever algum pop mais agitado optou por uma balada romântica. Considero um dos momentos mais fracos da trilha por apelar demais para clichês - tanto do ponto de vista de arranjos como de letra. A cena do filme é fraca, pois Elvis a canta de uma janela do barco (o cenário aliás não é muito convincente, mostrando toda a falta de capricho na produção do filme, que sendo bem sincero é B demais para que nos importemos com ele).

12. Everybody Come Aboard (Bernie Baum / Bill Giant / Florence Kaye) - A trilha sonora se encerra com essa boa "Everybody Come Aboard", com muitos metais e arranjo ao velho estilo de New Orleans. Sem acompanhamento vocal marcante, contando praticamente apenas com Elvis nos vocais é uma boa despedida para "Frankie and Johnny". Bem melhor do que muitas canções ruins que ele teve que enfrentar por essa época.

Frankie and Johnny (1966) - Elvis Presley (vocais) / The Jordanaires (backing vocals) / Eileen Wilson (vocais) / George Worth (trumpete) / Richard Noel (trombone) / John Johnson (tuba) / Gus Bivona (saxophone) / Scotty Moore (guiarra) / Tiny Timbrell (guitarra) / Charlie McCoy (harmonica) / Larry Muhoberac (piano) / Bob Moore (baixo) / D. J. Fontana, Buddy Harman (baixo) / Data de Gravação: maio de 1965 / Data de Lançamento: março de 1966 / Melhor Posição nas paradas: # 20 (EUA) # 11 (UK).

Pablo Aluísio e Erick Steve.                              

quarta-feira, 25 de junho de 2014

A Grande Jornada

Título no Brasil: A Grande Jornada
Título Original: The Big Trail
Ano de Produção: 1930
País: Estados Unidos
Estúdio: Fox Film Corporation
Direção: Raoul Walsh, Louis R. Loeffler
Roteiro: Hal G. Evarts
Elenco: John Wayne, Marguerite Churchill, El Brendel

Sinopse:
Breck Coleman (John Wayne) é um cowboy que tem uma complicada tarefa a realizar. Ele precisa liderar uma caravana de pioneiros em direção ao oeste selvagem. No caminho enfrentará todos os tipos de adversidades, como ataques de índios selvagens, desertos, tempestades e rios caudalosos. Além disso precisa encontrar um assassino entre os viajantes, um criminoso que matou covardemente um caçador de peles.

Comentários:
Sempre considerei esse o primeiro filme de John Wayne de fato. Claro que cronologicamente não foi, ele participou de vários antes, mas no geral eram participações quase inexistentes, onde seu nome sequer era mencionado nos créditos e seus "personagens", se podemos chamar assim, sequer tinham nomes. No geral ele era apenas o cara fortão que se envolvia em alguma briga ou o membro de alguma quadrilha do mal, trocando tiros com o mocinho. Em "The Big Trail", por outro lado, já temos nos créditos o nome de John Wayne que aqui interpreta Breck Coleman! Não vá porém esperando por algo que lembre em muita coisa o Wayne que os fãs aprenderam a gostar ao longo das décadas seguintes. Tudo é muito simples em "A Grande Jornada", fruto de uma época em que o cinema ainda engatinhava. Mesmo assim ver o grande Wayne em seu figurino de Daniel Boone é sempre algo muito gratificante, principalmente para os fãs da sétima arte. Um pouco de história dessa arte que tanto cativa os espectadores até nos dias de hoje.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Harry Potter e o Cálice de Fogo

Título no Brasil: Harry Potter e o Cálice de Fogo
Título Original: Harry Potter and the Goblet of Fire
Ano de Produção: 2005
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: Mike Newell
Roteiro: Steve Kloves, baseado na obra de J.K. Rowling
Elenco: Daniel Radcliffe, Emma Watson, Rupert Grint

Sinopse:
Hogwarts se prepara para uma grande competição de bruxos de todas as partes do mundo. Harry Potter (Daniel Radcliffe) está ansioso para participar desse grande evento ao mesmo tempo que precisa se defender mais uma vez da presença maligna e sinistra de seu arquiinimigo Lord Voldemort (Ralph Fiennes) que parece cada vez mais fortalecido e presente pelos corredores escuros e sombrios de sua escola de magia. Filme indicado ao Oscar na categoria Melhor Direção de Arte. 

Comentários:
Quarto filme da franquia milionária baseada nos livros de grande sucesso da autora J.K. Rowling. Esses filmes foram por bastante tempo - mais especificadamente de  2001 a  2011 - um dos alicerces financeiros da indústria do cinema americano. Todo final de ano era certo contar com uma nova parte das aventuras do bruxinho mais famoso da literatura. E nenhum deles deixou a desejar em termos de faturamento nas bilheterias, todos foram enormes sucessos de público e até mesmo, levando em conta as devidas proporções, também de crítica. A verdade é que antes mesmo de chegar nas telas de cinema, Harry Potter já tinha seu público formado. Então era apenas uma questão de se realizar obras cinematográficas bem feitas para arrecadar aquela quantia indecente de dinheiro pelo mundo afora. Além disso temos que reconhecer que a escolha do elenco foi muito feliz pois os garotos do trio central sempre foram muito carismáticos e talentosos (isso apesar de Daniel Radcliffe ter confessado recentemente que sempre teve problemas com bebidas e que muitas vezes ia trabalhar bêbado ou de ressaca). Considero "Harry Potter and the Goblet of Fire" um dos melhores da franquia, com ótimo desenvolvimento e enredo mais cativante do que muitos outros da série. A diversão, para fãs e não fãs também, certamente é garantida.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Os Pássaros

Título no Brasil: Os Pássaros
Título Original: The Birds
Ano de Produção: 1963
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures
Direção: Alfred Hitchcock
Roteiro: Daphne Du Maurier, Evan Hunter
Elenco: Tippi Hedren, Suzanne Pleshette, Rod Taylor

Sinopse:
Melanie Daniels (Tippi Hedren) é uma mulher fina e elegante que decide ir até uma pequena cidade do norte da Califórnia para encontrar seu namorado. O que parecia ser uma viagem de rotina porém logo se torna um pesadelo quando pássaros de todos os tipos e tamanhos começam a atacar no local, sem qualquer motivo aparente. Filme indicado ao Oscar na categoria Melhores Efeitos Especiais. Vencedor do Globo de Ouro na categoria Melhor Revelação Feminina (Tippi Hedren).

Comentários:
Falando francamente não considero "The Birds" um dos melhores filmes de Alfred Hitchcock. O mestre do suspense foi um cineasta tão brilhante que até mesmo obras menores acabaram se destacando com o tempo. É fato que Hitchcock aqui conseguiu imprimir seu estilo único em um enredo até banal, mas no saldo geral, se formos comparar com outras obras primas de sua filmografia, certamente "Os Pássaros" não conseguirá se sobressair. Agora, temos que reconhecer que se não está entre os melhores filmes do genial diretor, obviamente está entre os mais populares. Desde seu lançamento se tornou um filme muito querido do público em geral e não apenas dos fãs de Hitchcock. Some-se a isso as deliciosas histórias de bastidores e você certamente terá um dos mais marcantes momentos da carreira de seu criador. Vários livros e até filmes já enfocaram as manias que Hitchcock teve nas filmagens de "The Birds". Inicialmente ele convenceu sua estrela, Tippi Hedren, que não haveria aves de verdade, apenas efeitos com bichos mecânicos. Ao mesmo tempo em que ia se apaixonando por Hedren, mais uma atriz loira de que ele ficara caído de amores, e sentia que seria rejeitado, o velho Hitch resolveu usar aves marinhas de verdade nas cenas e aí foi realmente um Deus nos acuda! Não se admire da "grande interpretação" de Tippi Hedren nas cenas pois no fundo ela está apavorada de verdade com os métodos de seu diretor! Com tantos fatos e factoides não foi à toa que "Os Pássaros" se tornou esse ícone da cultura pop que vemos hoje em dia. Assista e tente entender o porquê disso ter acontecido.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

A Revolta dos Apaches

Título no Brasil: A Revolta dos Apaches
Título Original: The Last Outpost
Ano de Produção: 1951
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Lewis R. Foster
Roteiro: David Lang, Daniel Mainwaring
Elenco: Ronald Reagan, Rhonda Fleming, Bruce Bennett

Sinopse:
Dois irmãos, o Coronel Jeb Britton (Bruce Bennett) e o Capitão Vance Britten (Ronald Reagan), que nunca se deram muito bem e até lutaram em lados opostos durante a guerra civil americana, precisam deixar todas as diferença de lado para repelir e combater um ataque de índios contra as tropas da cavalaria de que fazem parte. Filme inspirado em fatos reais, registrados em cartas escritas pelo Capitão Vance Britten.

Comentários:
Um bom filme de western enfocando novamente eventos ocorridos durante as chamadas guerras indígenas, que foram muito frequentes na história do velho oeste americano. A presença e ocupação do homem branco em terras tradicionalmente ocupadas por nações nativas criavam focos de tensão e conflito que se alastraram por décadas durante os séculos XVIII e XIX. É uma produção bem realizada, tipicamente dos anos 50 e que traz como atrativo extra o fato de ter sido estrelada pelo futuro presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan. Ele nunca foi um astro de primeira grandeza em Hollywood, temos que admitir, mas era um talentoso político nos bastidores, a ponto de se tornar presidente do sindicato dos atores e depois presidente da própria Academia, função que lhe abriu as portas para a política convencional, onde se tornaria governador da Califórnia e depois Presidente do país durante os anos 80. Rever um personagem histórico dessa magnitude matando Apaches rebeldes em filmes de bangue-bangue certamente não tem preço. Assista, conheça o Reagan ator e se divirta com as ironias da história.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 24 de junho de 2014

O Sacramento

Título no Brasil: O Sacramento
Título Original: The Sacrament
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Arcade Pictures
Direção: Ti West
Roteiro: Ti West
Elenco: Joe Swanberg, AJ Bowen, Kentucker Audley

Sinopse:
Um grupo de jornalistas decide fazer uma reportagem sobre uma seita de evangélicos liderados por um pastor carismático chamado de "O Pai" que vive em um lugar isolado da América do Sul, no meio da selva, longe da civilização e da tecnologia do homem moderno. A comunidade parece ser um projeto de sucesso, mas debaixo de toda aquela felicidade ensaiada se esconde algo muito sinistro. Filme baseado em fatos reais.

Comentários:
Quem conhece história e leu a sinopse desse filme saberá de antemão que ele é baseado em um caso real, acontecido na Guiana durante os anos 1970. Um pastor messiânico chamado Jim Jones (1931 - 1978) decidiu levar toda a sua congregação para as selvas da América Latina. Lá fundou uma comunidade denominada Jonestown. Todos os membros de sua igreja venderam seus bens, casas e carros e deram o dinheiro para Jones. Ele então criou essa comunidade evangélica isolada do mundo exterior. O que parecia ser o paraíso na Terra (pelo menos na visão dos membros da seita) logo virou uma cilada, uma armadilha mortal. Jones promoveu um suicídio coletivo com todos os que moravam lá, crianças, jovens e idosos. O roteiro desse filme mostra praticamente a mesma história, com pequenas mudanças em certos detalhes. A linguagem escolhida foi a de falso documentário, como se o espectador estivesse vendo imagens reais captadas pelas câmeras dos jornalistas. O resultado é muito bom, acima da média nesse tipo de filme. Serve como denúncia e também como aviso, pois fanatismo religioso é de fato algo muito perigoso, um caminho que leva facilmente o fiel não para o céu, mas para o inferno.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Paul Newman - Em busca de novos rumos...

Depois da péssima estréia no cinema com "O Cálice Sagrado", Newman resolveu esperar por algo melhor. Afinal não adiantava voltar ao cinema em qualquer produção pois o que seria arranhada no final seria sua imagem e principalmente seu prestígio. Sem pressa para retornar às salas de cinema Paul Newman resolveu aparecer em algumas séries e programas de TV. Ainda em 1955 interpretou o personagem Mack na série "Appointment with Adventure" da CBS. Acabou trabalhando em dois episódios desse programa que acabou se tornando bem recebido por parte do público e crítica. Além dos elogios achou muito positivo sua exposição perante o grande número de telespectadores. Era uma forma de se tornar mais familiar e conhecido da população em geral.

Também participou do "The Philco Television Playhouse" da NBC. Esse programa era muito interessante pois adaptava peças teatrais, novelas e romances para serem exibidos na televisão. Tanto sucesso fez que ficou por longas oito temporadas no ar, de 1948 até 1955. A proposta inteligente e inovadora atraiu muitos astros e estrelas do cinema na época, entre elas Grace Kelly, Walter Matthau e Rod Steiger. Paul Newman apareceu no episódio chamado "The Death of Billy the Kid" onde interpretava o próprio Billy The Kid, papel que repetiria anos depois no cinema no filme "Um de Nós Morrerá" de 1958.

E a TV continuou sendo um bom palco para Paul Newman se tornar mais conhecido do público em geral. No final de 55 ainda surgiu sorridente no programa de variedades "Producers' Showcase" da CBS e encerrou seu ciclo na TV em "Playwrights '56" no episódio chamado "The Battler", até hoje lembrado pelos especialistas em momentos marcantes da história televisiva dos Estados Unidos. Sua carreira prometia encontrar novos rumos pois Newman foi convidado para atuar em "Marcado pela Sarjeta", filme que deveria ter sido estrelado por James Dean mas que com sua morte ficou em aberto. Era a grande chance que Newman há tanto esperava...

Pablo Aluísio e Erick Steve.

Batman (1989)

Título no Brasil: Batman
Título Original: Batman
Ano de Produção: 1989
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: Tim Burton
Roteiro: Sam Hamm, baseado na obra de Bob Kane
Elenco: Michael Keaton, Jack Nicholson, Kim Basinger, Jack Palance 

Sinopse:
Quando criança Bruce Wayne (Keaton) presenciou a morte de seu pais por um criminoso. O acontecimento traumático acaba abalando Wayne para o resto de sua vida. Quando se torna adulto, ele resolve combater o crime assumindo a identidade de Batman, o cavaleiro das trevas. Agora, terá que enfrentar um assassino com ares de loucura, que se pinta e age como um palhaço, o Coringa (Nicholson) que deseja trazer caos e morte para Gotham City. Filme vencedor do Oscar na categoria Melhor Direção de Arte. Indicado ao Globo de Ouro na categoria Melhor Ator (Jack Nicholson).

Comentários:
Quando a Warner anunciou que faria uma versão cinematográfica de Batman nos anos 80, muitos não acreditaram no êxito do projeto. A direção foi entregue a Tim Burton, que ninguém conhecia, um ex-animador da Disney que só havia dirigido um filme conhecido antes, a comédia "Os Fantasmas se Divertem". Para complicar ainda mais as coisas o cineasta resolveu escalar seu amigo Michael Keaton para interpretar Batman! Isso deixou os fãs furiosos pois Keaton era basicamente um comediante e não tinha qualquer semelhança com o famoso Bruce Wayne dos quadrinhos. A única boa notícia era que o maravilhoso Jack Nicholson iria interpretar o vilão Joker (Coringa). Mesmo com tanto pessimismo o fato é que "Batman" se tornou não apenas um enorme sucesso de bilheteria (superando até mesmo as previsões mais otimistas) como também um marco da adaptação de quadrinhos no cinema. O filme foi extremamente lucrativo para a Warner também fora dos cinemas pois o estúdio licenciou uma grande quantidade de produtos que venderam como nunca. E Jack Nicholson ganhou uma fortuna pois trocou um cachê fixo por uma porcentagem no lucros (estimativas afirmam que teria ganho mais de 60 milhões de dólares por essa atuação). Revisto hoje em dia "Batman" obviamente já não causa tanto impacto. Tim Burton impôs seu estilo ao personagem até nos menores detalhes. Certamente é um filme que ainda soa muito divertido e sagaz mas já sente os efeitos do tempo (principalmente em seus efeitos especiais que vão soar bem datados atualmente). Mesmo assim merece passar por uma revisão pois não restam dúvidas que depois de "Batman" de Tim Burton o cinema pipoca americano nunca mais foi o mesmo.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Elvis Presley - Os presentes de natal de Elvis

Os presentes de natal de Elvis
Data: janeiro de 1960 / Fonte: "Elvis e Eu" / Texto: Priscilla Presley e Sandra Harmon / Photo: RCA Victor / Local: Hollywood, USA. O Natal em Graceland - "Feliz Natal!"- exclamou Elvis, orgulhoso, entregando-me um cachorrinho cor de mel, de seis semanas. "Oh! Elvis, é a coisinha mais linda que eu já vi!" - Abracei-o e ouvi um latido abafado entre nós - "Oh Honey, desculpe!". Involutariamente eu acabara de batizar o cachorrinho de Honey. Era véspera de Natal. Elvis rezara por um natal branco e - como resposta ao seu pedido - naquela noite caíram dez centímetros de neve. A reunião em torno da árvore de Natal incluía Vernon e Dee, os três filhos dela - David, Billy e Ricky - o círculo íntimo com suas mulheres e mais um punhado de outros amigos e parentes de Elvis. Todos se mostraram simpáticos e me fizeram saber que era bem vinda, embora parecesse estranho me ver a mim e não Anita Wood ao lado de Elvis.

Anita partilhara o Natal com ele nos dois últimos anos. Havia ocasiões em que eu não podia deixar de especular se Elvis ainda sentia saudades dela. Não era fácil para ele se separar das pessoas. Eu sabia disso. Foi divertido observar Elvis abrir os presentes. "Era exatamente o que eu estava precisando, outra caixa de jóias" - disse ele rindo desembrulhando a quarta da noite. Ele olhou para Gene Smith, uma das poucas pessoas que era capaz de fazê-lo rir sistematicamente. "Foi você que me deu isso, Gene?" - "Não, El, não fui eu" - respondeu Gene. "Pensando bem, não podia ser você, Gene. É bom gosto demais" - todos riram com Elvis. "Poxa, E, como você pode dizer uma coisa dessas?" - murmurou Gene, em seu arrastado sotaque sulista. "Muito fácil" - Elvis estreitou os olhos - "Basta olhar pra você Gene, um exemplo vivo do mau gosto" Fingindo estar ofendido, Gene afastou-se coçando a cabeça, enquanto todos riam.

Embora houvesse muitas brincadeiras, eu sentia uma tristeza em Elvis quando nossos olhos se encontravam. Não pude deixar de recordar o que ele me dissera certa ocasião na Alemanha: "O Natal em Graceland nunca mais será o mesmo sem mamãe. Será terrível para mim e não sei se sou capaz de suportar a solidão. Mas acho que conseguirei de alguma forma. Deus me dará a força necessária." Querendo distraí-lo, estendi um presente de papel muito colorido e disse: "Aqui está mais um, que você esqueceu de abrir". Era o meu presente, uma caixinha musical, que eu deliberadamente deixara por último. Prendi a respiração enquanto ele abria. No momento em que ele levantou a tampa, soaram os acordes de "Love me Tender". "Adorei! Juro que adorei, Cilla! Muito Obrigado!" Havia um brilho intenso nos seus olhos e desejei sempre poder fazê-lo feliz assim. De todas as celebrações e datas durante o ano o Natal sempre foi o preferido de Elvis. Além do aspecto religioso, sempre forte em Elvis, havia a sempre presente lembrança dos natais passados ao lado de sua querida mãe Gladys. Um feliz Natal para todos!

If Every Day Was Like Christmas (Red West) - Música natalina lançada em single para o natal de 1966. Sob o comando de Felton Jarvis, Elvis registra uma das melhores melodias de sua carreira. Nota-se claramente o avanço de qualidade em relação às trilhas sonoras do mesmo período. Primor de interpretação de Elvis Presley em todos os aspectos. O single foi lançado com "How Would You Like To Be" no lado B, sendo essa uma reprise do filme "It Happened At World's Fair" (Loiras, ruivas e morenas, no Brasil). A música foi gravada nas mesmas sessões de "I'll Remember You" e "Indescribably Blue" em junho de 1966 e quando lançada em novembro desse mesmo ano chegou ao top 10 britânico.

Pablo Aluísio.

Os Aventureiros do Bairro Proibido

Título no Brasil: Os Aventureiros do Bairro Proibido
Título Original: Big Trouble in Little China
Ano de Produção: 1986
País: Estados Unidos
Estúdio: Twentieth Century Fox
Direção: John Carpenter
Roteiro: Gary Goldman, David Z. Weinstein
Elenco: Kurt Russell, Kim Cattrall, Dennis Dun

Sinopse:
Quando o caminhoneiro Jack Burton (Russell) concordou em levar seu amigo Wang Chi para pegar sua noiva no aeroporto, ele nunca esperava se envolver em uma batalha sobrenatural entre o bem e o mal. A noiva de Wang tem olhos verde-esmeralda, que fazem dela um alvo perfeito para um feiticeiro imortal chamado Lo Pan e seus três companheiros invencíveis. Lo Pan deve se casar com uma menina de olhos verdes para que ele possa recuperar a sua forma física. Agora, Jack deve salvar a noiva de Wang de Lo Pan e seus capangas, e ganhar de volta seu caminhão roubado. Mas como ele pode derrotar um inimigo como aquele?

Comentários:
Olhando para o passado chegaremos na conclusão que os filmes de ação já foram bem mais divertidos, ainda mais na década de 80 quando não havia nenhum pudor em mesclar ação com muita fantasia, tudo convivendo em uma situação de realismo fantástico. Um exemplo disso podemos encontrar aqui em "Os Aventureiros do Bairro Proibido", uma pequena jóia adolescente dirigida pelo ótimo John Carpenter. Claro que para quem viveu aquela década tudo soará nos dias de hoje basicamente como algo bem nostálgico e saudosista, mas olhando sob um lado puramente cinematográfico não podemos deixar de elogiar a coragem de Carpenter em realizar um filme assim tão despojado, que nunca se leva completamente à sério, adotando a pura diversão como objetivo principal. E pense bem, Carpenter era um diretor respeitado, um mestre de filmes de terror. Ninguém esperaria que ele se envolvesse em algo assim. Em tempos onde havia tanta pretensão, Carpenter não teve receios de assinar um filme tão despretensioso como esse. Talvez por adotar esse tipo de atitude a fita tenha se tornado tão querida pelos fãs por todos esses anos. Sem dúvida uma diversão garantida para todas as idades.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Oblivion (2013)

Título no Brasil: Oblivion
Título Original: Oblivion
Ano de Produção: 2013
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures
Direção: Joseph Kosinski
Roteiro: Karl Gajdusek, Michael Arndt
Elenco: Tom Cruise, Morgan Freeman, Andrea Riseborough

Sinopse:
O planeta Terra é invadida por extraterrestres chamados de saqueadores. Eles pretendem roubar todos os recursos naturais da ecosfera. A humanidade reage e para isso utiliza armas nucleares que devastam cidades e países inteiros. A guerra é vencida mas o mundo se torna inabitável. Os humanos que sobreviveram são enviados a Titã, o maior satélite natural de Saturno. Jack (Tom Cruise) fica na Terra em um posto avançado fazendo manutenção em drones utilizados para combater focos de resistência inimiga. Sua missão porém irá revelar muito mais sobre a real situação em que vive!

Comentários:
No meio de tantos filmes de ficção que não mais empolgam esse "Oblivion" consegue surpreender. Temos aqui um design de produção de primeira, efeitos digitais de muito bom gosto e um roteiro inteligente, baseado numa graphic novel, com elementos que vão de "Matrix" a "Star Wars", passando até por filmes menores como "Tropas Estelares". Tem furos de lógica? Sim, infelizmente tem. Há certas coisas que não fazem o menor sentido. No enredo a Lua é destruída pelos invasores. Se isso realmente acontecesse a atmosfera e o clima na Terra seriam bem diferentes dos que vimos no filme. Não seria em absoluto aquele mar de tranquilidade! Bom, basta ler algum livro de astronomia para ver que aquela realidade não tem lógica nenhuma dentro da ciência. Mas noves fora isso, vamos combinar que é tudo muito bom mesmo, divertido, bem feito, até inovador (a nave do Cruise é um show à parte, um design que fará a alegria dos fãs de maquetes). Além disso como era de se esperar tudo é realizado com o melhor que Hollywood pode dar em termos de efeitos digitais. Cada detalhe é muito bem reproduzido. Adorei aquela torre onde o Cruise passa suas horas de descanso, com aquele piscina elevada, ao lado de uma bela mulher! Tudo é tão asséptico e clean que nos deixam desconfiados (e é para desconfiar mesmo pois o roteiro traz algumas reviravoltas que mantém o interesse até o fim). O final vai deixar alguns decepcionados, por ser meloso e otimista demais, mas em tempos onde todos os filmes de ficção são tão pessimistas sobre o futuro aquele tipo de conclusão vai soar até mesmo como original.

Erick Steve.

Drácula

Dracula 1.05 - The Devil's Waltz
Dracula vai ficando cada vez mais interessante. A direção de arte está cada vez mais caprichada e os roteiros vão melhorando a cada episódio. É o que sempre digo, algumas vezes as séries começam meio sem rumo certo mas aos poucos vão acertando os ponteiros. O melhor nesse episódio é que ficamos sabendo com mais detalhes o começo da amizade entre Alexander Grayson (Jonathan Rhys Meyers) e seu fiel escudeiro, o sr. R.M. Renfield (Nonso Anozie). Enquanto a ordem tortura Renfield de forma violenta, Grayson sai pelas ruas de Londres literalmente farejando o paradeiro de seu amigo e braço direito. Também nesse episódio temos finalmente a festa de noivado de Mina Murray e Jonathan Harker, onde o conde vampiro quase perde as estribeiras ao dançar com sua amada Mina. Ela disfarça bem mas também está apaixonada por ele. E para fechar o enredo, para infelicidade do nobre vampiro, as experiências que lhe permitiriam andar a luz do dia continuam a não dar o resultado esperado. Pelo jeito o velho ser noturno continuará a caminhar por Londres apenas após o sol desaparecer no horizonte. Gostei bastante desse episódio, como disse no começo do texto, Drácula vai melhorando a cada novo programa. Torço para que siga em frente, apesar dos inúmeros problemas do ator Jonathan Rhys Meyers em sua vida pessoal.

Dracula 1.09 - Four Roses
Drácula volta ao século XIX para se vingar de todos os que lhe aprisionaram por centenas de anos. Seu alvo é a Ordem do Dragão, uma sociedade secreta formada por ricos empresários e industriais que combatem as forças do mal, caçando vampiros e seres noturnos por toda a Europa. Usando o disfarce de um milionário americano chamado Alexander Grayson, Drácula pretende destruir cada um deles, de forma implacável. Que pena que o canal NBC não irá renovar mais Drácula para a segunda temporada. Canais abertos possuem esse tipo de problema pois ficam muito à mercê da audiência que não pode sequer ser mediana. Se "Drácula" tivesse sido produzido por um canal como AMC ou Showtime certamente continuaria em frente. Bom, as sombras do cancelamento já ficam bem expostas nesse penúltimo episódio. O que vinha se desenvolvendo em um nível mais intelectual parte para a violência cada vez mais presente - procurando com isso, é claro, ganhar mais audiência. Nesse episódio em particular Drácula perde a paciência com os planos conspiratórios de Van Helsing e adota seu velho estilo de trucidar inimigos. Ao mesmo tempo resolve abrir o jogo com o amor de sua vida, a bela Lucy enquanto transforma Nina em um ser da noite como ele. Repito, apesar de ter começado meio cambaleante essa série tinha tudo para tomar ótimos rumos com o tempo. Infelizmente os crescentes problemas com drogas do ator Jonathan Rhys Meyers e a audiência apenas morna foram cruciais para o seu cancelamento definitivo. É de se lamentar mesmo pois tinha muito potencial pela frente. A última esperança talvez seja algum canal mais alternativo bancar uma segunda temporada (algo que aconteceu com, por exemplo, "Damages") embora reconheça que não vai ser nada fácil isso acontecer novamente. / Dracula 1.09 - Four Roses (EUA, 2014) Direção: Tim Fywell / Roteiro: Cole Haddon, Daniel Knauf / Elenco: Jonathan Rhys Meyers, Jessica De Gouw, Thomas Kretschmann.

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 23 de junho de 2014

A Árvore dos Sonhos

Título no Brasil: A Árvore dos Sonhos
Título Original: The War
Ano de Produção: 1994
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures
Direção: Jon Avnet
Roteiro: Kathy McWorter
Elenco: Elijah Wood, Kevin Costner, Mare Winningham

Sinopse:
Stephen Simmons (Kevin Costner) é um veterano da Guerra do Vietnã que ainda não conseguiu superar os traumas adquiridos no front. De volta ao lar nos Estados Unidos ele precisa enfrentar seus próprios fantasmas do passado ao mesmo tempo em que tenta criar um vínculo genuíno com seu pequeno e jovem filho. Filme vencedor do prêmio da Political Film Society na categoria Melhor Drama Social.

Comentários:
Anda meio esquecido esse pequeno drama familiar sobre amizade e superação. Na época também não teve maior repercussão ganhando apenas um lançamento discreto nas locadoras de vídeo. Apesar de sua origem modesta é bom chamar a atenção para o filme pois o roteiro é muito bem escrito, sempre optando pelo lado mais delicado e sutil da alma de seus personagens. A produção também é uma espécie de membro indireto do ciclo de filmes sobre a Guerra do Vietnã, pois mostra os problemas psicológicos que foram trazidos para casa por muitos veteranos das forças armadas. Para os fãs de Kevin Costner é interessante salientar que seu personagem apenas passeia por toda a trama, sendo que em muitos aspectos o filme gira em torno mesmo do pequeno garoto Stu Simmons (interpretado por Elijah Wood, muitos anos antes de se consagrar na saga "O Senhor dos Anéis") e seu mundo de amigos, desafetos e escola. A direção ficou a cargo do excelente Jon Avnet que já havia se destacado bastante entre a crítica por causa do extremamente bem dirigido "Tomates Verdes Fritos".

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

O Verão de Sam

Título no Brasil: O Verão de Sam
Título Original: Summer of Sam
Ano de Produção: 1999
País: Estados Unidos
Estúdio: Touchstone Pictures
Direção: Spike Lee
Roteiro: Spike Lee, Victor Colicchio
Elenco: John Leguizamo, Adrien Brody, Mira Sorvino

Sinopse:
Nova Iorque, verão de 1977. Uma série de mortes começam a acontecer na cidade. Jovens casais são mortos sem motivo aparente. A polícia desconfia que há um serial killer envolvido nos crimes. E realmente tem razão. Chamado de "O Filho de Sam", ele está à solta nas ruas e qualquer um pode se tornar sua próxima vítima.

Comentários:
Considero esse filme um dos mais interessantes da filmografia de Spike Lee. Geralmente o cineasta vira um chato quando transforma suas obras cinematográficas em meros panfletos ativistas da causa negra, mas aqui ele se limita, felizmente, a apenas contar uma boa história. O roteiro é muito inteligente pois ao invés de se concentrar na história (bem bizarra) do psicopata conhecido como "O Filho de Sam", resolve mostrar o impacto que sua presença e seus crimes causaram na população de Nova Iorque durante aquele distante ano de 1977. Spike Lee teve a idéia de realizar esse filme após assistir a um documentário exibido no canal Discovery cujo tema era bem parecido com a desse filme. Esse programa aliás ainda é exibido esporadicamente na TV a cabo brasileira e faz uma bela dobradinha com o filme de Spike, sendo que um acaba complementando o outro. Por fim cabe lembrar que Spike ficou furioso na época pelo fato do filme não ter sido indicado a nenhum prêmio da academia e nem do Globo de Ouro e pela centésima vez atribuiu isso ao racismo no meio artístico americano. Não disse que ele era um chato?

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Elvis Presley - Cronologia 1965

Janeiro de 1965 - Elvis completa 30 anos, recluso em Graceland.

Junho de 1965 - Elvis lança o single "Easy Question / It Feels So Right" - Meras reprises dos discos "Elvis is Back!" e "Pot Luck", que para surpresa de todos chegou ao improvável 11º lugar da revista Billboard. It Feels so Right (Fred Wise/Ben Weisman) - Boa canção que acompanha o alto nível artístico do disco "Elvis Is Back". Esta também foi aproveitada e lançada depois num single em 1965 como Lado B do single "Easy Question", esta do estiloso disco "Pot Luck". A discografia de Elvis nos anos sessenta apresenta estas "curiosidades históricas" que ninguém sabe ao certo como explicar! Easy Question (Otis Blackwell / Winfield Scott) - composição fruto da parceria entre o guitarrista oficial de Elvis, Scotty Moore, e o genial compositor Otis Blackwell, autor de "Don't be Cruel" e "All Shook Up". Desta união só poderia nascer uma deliciosa canção como esta. Ela foi gravada no dia 18 de março de 1962 em Nashville. Em Junho de 1965 "Easy Question" foi relançada como single junto com "It Feels so Right" no Lado B.

Agosto de 1965 - A RCA lança o single "I'm Yours / Long Lonely Highway" - Mais reprises. Sendo que dessa vez Elvis até mesmo ganhou disco de ouro!. Por essa realmente ninguém esperava. Sem novidades, o single, lançado em agosto de 65, conseguiu alcançar também o 11º lugar entre os mais vendidos da revista Billboard, talvez impulsionado pela publicidade do filme "Tickle-me" (O cavaleiro Romântico) que trazia "Long Lonely Highway" em sua trilha sonora "colcha de retalhos". I'm Yours (Don Robetson / Hal Blair) - Don Robertson foi o melhor compositor romântico da carreira de Elvis nos anos 60. Aqui fica registrada uma vocalização bem ao gosto do cantor, sendo o estilo bem próximo do Gospel. Esta canção foi também relançada como single em 1965 junto com "(It's A) Long, Lonely Highway", esta última gravada em Nashville em 1963 e que chegou a ser lançada também como bonus song na trilha sonora do filme "Kissin Cousins" (com caipira não se brinca, 1964).

Agosto de 1965 - Elvis viaja pela terceira vez ao Havaí para filmar um novo filme Paradise, Hawaiian Style (No Paraíso do Havaí). A maioria das cenas serão filmadas na ilha de Oahu.

Agosto de 1965 - A sociedade entre Elvis e o Coronel Parker completa 10 anos. Elvis faz pouco caso da data e chega a comentar com amigos: "Me empresariar não dá trabalho nenhum!". Tom Parker fica sabendo e não gosta nada, nada, da declaração de Elvis.

Agosto de 1965 - Elvis se encontra com os Beatles - Na noite memorável de 27 de agosto de 1965, Elvis sentou-se no sofá da sala, como sempre fazia, cercado de seus homens: Joe Esposito, Marty Laker, Billy Smith, Jerry Schiling, Alan Fortas, Sonny West, Mike Keaton e Ray Sitton. Logo chegou o coronel Parker e Tom Diskin. Perto da 9 horas, os Beatles chegaram numa limousine preta, acompanhados por Brian Epstein, o jornalista Derek Taylor e dois guarda costas. A área estava fortemente guardada pela polícia de Los Angeles. Assim que os príncipes do rock entraram na mansão, ouviram seus discos tocando no "Jukebox". Apresentações formais foram feitas, Elvis e os Beatles conversaram sobre música e segundo Lennon chegaram a tocar juntos. O encontro foi um sucesso.

Outubro de 1965 - Elvis lança o single "Puppet on the String / Wooden Heart". Mais um disco de ouro para Elvis. O single foi lançado para promover o disco "Girl Happy" e fez bastante sucesso, levando mais um prêmio em vendas para a carreira de Elvis. Puppet On A String (Tepper / Bennet) - Uma das músicas lançadas em single, essa belíssima e tenra balada ocupou o 14º lugar na Billboard em 1965, fazendo sucesso na época, mas logo caindo no esquecimento. Uma pena, pois é uma das melhores músicas de Elvis no período e a cena em que Elvis a canta para Val no filme é sutil, mas sincera. Com uma melodia bonita e uma letra simples, "Puppet on a String" tem versos como: "Tudo que você tem que fazer é tocar minha mão e o seu desejo é uma ordem. Aí eu me torno uma marionete de cordas e você pode fazer o quiser comigo. Se você realmente me ama, querida seja boa comigo. Eu te ofereço o amor mais verdadeiro que você encontrará." Muito linda. Já Wooden Heart (Kaempfert / Wise / Weisman) sempre foi considerada a melhor música de todo o disco "G.I.Blues". É baseada na canção folclórica Alemã "Muss I Denn". A cena que Elvis a apresenta no filme (com as marionetes) é a melhor parte de toda a película. A canção foi lançada em compacto na Alemanha e no restante da Europa alcançando um tremendo sucesso. O Single norte-americano com "Wooden Heart" só foi lançado em 1965, ou seja, cinco anos depois de Ter sido gravada!!! É digno de nota a ótima adaptação do maestro alemão Bert Kaempfert e o acordeonista Jimmie Haskiell. Ela foi gravada no dia 27 de Abril de 1960 nos estúdios Radio Recorders em Hollywood.

Outubro de 1965 - Morre de um tumor cerebral no dia 21 o baixista Bill Black. O músico fez parte da formação da primeira banda de Elvis nos anos 50, os Blue Moon Boys. Elvis pede que seu pai compareça ao funeral o representando.

Outubro de 1965 - Chega às lojas o single "Santa Claus Back in Town / Blue Christmas" Seguindo a velha tática do Coronel em vender a mesma coisa duas vezes, ele resolveu relançar duas canções natalinas do antigo "Elvis Christmas Album" e ver no que dava. Só que desta vez não entraram na do velho espertalhão. O single não teve a mínima repercussão quando lançado em novembro de 65 e não foi classificado nem sequer na Top 200 da Billboard. Santa Claus Back in Town (Jerry Leiber / Mike Stoller) — Blues composto pela dupla de compositores mais importante da carreira de Elvis. Com destacado acompanhamento dos Jordanaires esta canção tem bom ritmo e desenvolvimento. Ela foi composta às pressas depois que o coronel divulgou seu projeto de colocar o rei para cantar músicas de natal. A correria não prejudicou os resultados, apesar do baixista Bill Black Ter sido criticado por errar durante as sessões. Elvis não dispensou a inclusão de uma de suas paixões na letra ao se referir a "um cadillac preto que traria papai noel de volta à cidade..." . Foi gravada em 7 de setembro de 1957. Blue Christmas (Billy Hayes / Jay Jonhson) — Outro sucesso dos anos 40 cantada por Elvis neste disco. O Rei apresentaria uma versão no Histórico "NBC TV Special" (Comeback Special) em 1968. A versão em questão está no LP da Trilha do especial de TV que trouxe o Rei de volta as apresentações ao vivo depois de uma longa ausência proporcionada pela série de filmes protagonizados por ele nos anos sessenta. Foi gravada no dia 5 de setembro de 1957 em Hollywood.

Dezembro de 1965 - Elvis lança o single "Tell Me Why / Blue River". O último single de Elvis no ano de 1965. Apesar de trazer material inédito (mas não recente) o compacto foi negligenciado pelos executivos da RCA Victor e alcançou um melancólico 33 º lugar da Billboard, uma das mais baixas posições ocupadas por um single de Elvis até aquele momento. "Tell Me Why" já havia sido gravada há muito tempo quando foi finalmente lançada nesse single e "Blue River" faz parte das sessões do "The Lost Album". Nenhuma das duas é acima da média do que Elvis vinha produzindo na época, mas merecia melhor sorte quando chegou nas lojas em dezembro de 1965. Infelizmente foram praticamente ignoradas.

Pablo Aluísio e Erick Steve.