segunda-feira, 30 de junho de 2014

Quarteto Fantástico

Título no Brasil: Quarteto Fantástico
Título Original: Fantastic Four
Ano de Produção: 2005
País: Estados Unidos
Estúdio: Twentieth Century Fox
Direção: Tim Story
Roteiro: Mark Frost, Michael France
Elenco: Ioan Gruffudd, Michael Chiklis, Chris Evans, Jessica Alba, Julian McMahon

Sinopse:
Um grupo de astronautas ganha superpoderes depois de uma exposição à radiação cósmica no espaço. Agora deverão usá-los para se opor aos planos de seu inimigo, Victor Von Doom (Julian McMahon). Adaptação das famosas histórias em quadrinhos da Marvel. Indicado ao prêmio Saturn Award na categoria Melhor Filme de Ficção.

Comentários:
Para celebrar os dez anos desse filme a Marvel anunciou recentemente que irá produzir um reboot em 2015 chamado "The Fantastic Four" com novo elenco, direção e produção. Uma boa notícia para os fãs desses heróis carismáticos do universo Marvel. Particularmente sempre gostei dessa galeria de personagens até porque eles são tão "anos 60" que fica complicado não gostar de todo esse clima vintage. E por que são a cara dos 60´s? Pense bem. Aqui temos um quarteto (tal como os Beatles), de uma coletividade de heróis (algo que soava como novidade quando eles foram criados) e contando com uma origem que remete totalmente à corrida espacial travada entre Estados Unidos e União Soviética, tão tipicamente daqueles anos! Mas deixando de lado todas essas observações, o que temos aqui é uma aventura redondinha, bem escrita, que não ofendeu aos fãs dos quadrinhos (que sempre são tão chatos em relação à adaptações para o cinema). Some-se a isso os bons efeitos especiais e a inteligente (e bem adequada) direção de arte e você terá um ótimo entretenimento Marvel. Para quem gosta desse tipo de filme é uma excelente pedida.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 29 de junho de 2014

No Limite do Amanhã

Título no Brasil: No Limite do Amanhã
Título Original: Edge of Tomorrow
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: Doug Liman
Roteiro: Christopher McQuarrie, Jez Butterworth
Elenco: Tom Cruise, Emily Blunt, Bill Paxton

Sinopse:
Futuro. A Terra luta por sua própria sobrevivência após ser invadida por uma estranha raça de alienígenas. O Major Cage (Tom Cruise) é um ex-publicitário que exerce a função de relações públicas das forças armadas americanas. Seu trabalho consiste em ir em programas de TV para fazer propaganda e levantar o moral das tropas. Ele não tem a menor intenção de ir para o campo de batalha mas acaba sendo enviado para a invasão do norte da França. Lá acaba passando por uma estranha experiência que irá mudar os rumos de sua vida e de toda a humanidade.

Comentários:
Esse filme do Tom Cruise me fez lembrar muito de outro dele recentemente lançado, "Oblivion". Ambos são ficções passadas em um planeta Terra invadido por forças alienígenas. Nos dois casos os invasores são seres biológicos de origem desconhecida. Aqui eles são retratados como monstros de design bem interessante. Alguns são bem parecidos com insetos gigantes, principalmente aranhas (o que me fez recordar imediatamente de "Tropas Estelares"). Com tantas lembranças de outras produções não qualificaria essa fita de original ou nada parecido. A única novidade vem do roteiro que é do estilo fragmentado. Não sei se vocês se lembram de um antigo filme do Bill Murray chamado "Feitiço do Tempo". Lá ele acordava todas as manhãs para viver o mesmo dia, sempre! Pois bem, a premissa aqui me lembrou bastante daquela antiga comédia. O personagem de Cruise está sempre retornando ou como ele diz, em linguagem de videogame, está sempre reiniciando a vida (ou o jogo). Assim que algo lhe acontece e ele aparentemente é abatido em combate, volta para a mesma manhã do dia anterior. Superficialmente pode parecer cansativo esse tipo de coisa mas os roteiristas conseguiram fugir do tédio e do aborrecimento, injetando ritmo e agilidade às situações. Mesmo assim não vá esperando por nada muito profundo. Após ser explicado o estranho evento, o roteiro abraça de vez o estigma mais clichezado do cinema comercial americano e tudo caminha para um final bem convencional, sem maiores surpresas. Cruise está lá e irá salvar o mundo - quantas vezes você não já viu isso no cinema? Sendo bem sincero, como o filme foi bem badalado, estava esperando muito mais. Do jeito que está, é apenas ok! Um passatempo divertido, embora passe longe, bem longe, de ser uma obra prima Sci-fi.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

James Taylor


James Taylor, ainda jovem e cabeludo, posa para foto promocional da Apple Records, o selo dos Beatles. Foi lá que Taylor gravaria seu primeiro disco em 1968. Lennon era fã do estilo do artista mas infelizmente as coisas não terminaram tão bem. James Taylor achou seu álbum mal lançado e mal divulgado, assim decidiu sair do selo no final daquele mesmo ano, o que configurou quebra de contrato. Os Beatles então nem pensaram duas vezes e acabaram processando Taylor.

Pablo Aluísio.

sábado, 28 de junho de 2014

Profissão De Risco

Título no Brasil: Profissão De Risco
Título Original: The Bag Man
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Studios
Direção: David Grovic
Roteiro: David Grovic, Paul Conway
Elenco: John Cusack, Rebecca Da Costa, Robert De Niro, Crispin Glover

Sinopse:
John Dragna (Robert De Niro) é um chefão mafioso de Nova Iorque que resolve contratar o assassino profissional Jack (John Cusack) para um trabalho diferente. Ele deve levar uma pequena bolsa para um distante, pequeno e isolado motel de beira de estrada para entregá-la a um enviado especial. Parece simples demais mas o alto valor prometido por Dragna pelo serviço intriga Jack, que recebe ordens expressas de jamais olhar para o conteúdo da bolsa. O serviço, tal como desconfiava, certamente não será nada fácil.

Comentários:
Um filme com uma trama interessante que infelizmente não consegue cumprir todas as promessas e potenciais. Além do roteiro curioso, cheio de mistérios (que vão se revelando aos poucos) o grande atrativo aqui é certamente o elenco. O cult John Cusack repete o personagem de assassino profissional, algo que é até recorrente em sua carreira. Robert De Niro surge em cena com figurino e cabelos esquisitos, uma mistura de Martin Scorsese com Robert Evans. A cafonice é para salientar o fato dele ser um chefe criminoso de Nova Iorque - um tipo italiano cheio de frases e diálogos ricos em cultura, mas por outro lado profundamente violento e psicopata. Outro destaque do elenco é a participação do ator Crispin Glover, o pai de Michael J. Fox na série "De Volta Para o Futuro". Fazia tempo que tinha visto o sujeito pela última vez. Continua bem talentoso. Ele aqui incorpora o único empregado do motel vagabundo, um cara que parece estar sempre chapado e ouvindo Heavy Metal no último volume. Divertido mas também sinistro. Apesar de tanta gente boa o roteiro não consegue sair das armadilhas dos clichês recorrentes em Hollywood. A reviravolta final pode até surpreender, mas depois se opta covardemente pelo caminho mais fácil e meloso. Uma pena, se tivessem ido até as últimas consequências o resultado teria sido bem melhor. Enfim, passável mas nada memorável.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 27 de junho de 2014

A Verdadeira História de Martin e Lewis

Título no Brasil: A Verdadeira História de Martin e Lewis
Título Original: Martin and Lewis
Ano de Produção: 2002
País: Estados Unidos
Estúdio: Sony Pictures
Direção: John Gray
Roteiro: John Gray, Arthur Marx
Elenco: Sean Hayes, Jeremy Northam, Paula Cale

Sinopse:
Jerry Lewis (Sean Hayes) é um comediante de night clubs de Nova Iorque que conhece o cantor e ator Dean Martin (Jeremy Northam). Depois de algum tempo se apresentando nas mesmas casas noturnas eles percebem que podem fazer um belo número juntos. A união de um palhaço careteiro e um galã de voz bonita acaba caindo no gosto do público e não demora para que todas as portas do show business se abram para eles, inclusive do cinema em Hollywood. Filme indicado ao Screen Actors Guild na categoria de Melhor Ator (Sean Hayes).

Comentários:
Telefilme bem realizado que se propõe a contar a história da dupla Jerry Lewis e Dean Martin. Juntos eles fizeram grande sucesso não apenas nos palcos, mas no cinema também. Foi uma parceria muito bem sucedida mas também repleta de dramas e problemas e o roteiro procura explorar o que acontecia nos bastidores. O filme é de certa forma didático e vai avançando na história até o rompimento entre eles. O primeiro desafio de se realizar uma produção como essa era encontrar uma dupla convincente de atores. Em relação ao papel de Jerry Lewis o ator Sean Hayes se sai muito bem. Para quem não lembra ele fez muito sucesso na série Will & Grace onde interpretava um gay muito divertido. Fisicamente ele lembra um pouco Lewis, mas o diferencial vem mesmo em sua atuação, que se revela bem inspirada. Já Jeremy Northam como Dean Martin está apenas correto. Também pudera, interpretar o Mr. Cool Martin não era mesmo uma tarefa das mais simples. Assim deixo a dica. O filme certamente não esgota o tema mas divertirá a quem é fã da dupla e da história do cinema americano.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

O Albergue

Título no Brasil: O Albergue
Título Original: Hostel
Ano de Produção: 2005
País: Estados Unidos
Estúdio: Sony Pictures
Direção: Eli Roth 
Roteiro: Eli Roth
Elenco: Jay Hernandez, Derek Richardson, Eythor Gudjonsson

Sinopse:
Produzido por Quentin Tarantino o filme narra a estória de três jovens que decidem conhecer a Europa como mochileiros. Ao chegarem numa distante e isolada cidade da fria Eslováquia eles acabam caindo na armadilha de um sangrento pesadelo. Filme indicado ao prêmio de Melhor Filme de Terror da Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films. Indicado a sete categorias no Fangoria Chainsaw Awards, entre eles Melhor Direção (Eli Roth). 

Comentários:
Filme extremamente violento que chocou bastante em seu lançamento nos cinemas. Eu me recordo inclusive de muitas pessoas se levantando e indo embora no meio da sessão, justamente por causa do estilo slasher elevado à nona potência da produção. Some-se a isso o rótulo que alguns críticos criaram para designar filmes como esse, "Torture Porn", e você terá uma ideia do que encontrará pela frente. De fato o enredo é dos mais simples e o que parece ser a principal motivação de tudo é mostrar mesmo ao espectador o máximo de violência possível, com muitas torturas, mutilações e assassinatos. Tudo exposto da maneira mais crua e suja possível, sem poupar muito. Existem duas versões do filme, uma bem mais visceral que saiu na Europa e outra com alguns cortes feita especialmente para o mercado americano. Os produtores resolveram fazer esses cortes pois caso contrário o filme nem sequer encontraria espaço no circuito comercial americano. Dependendo de sua capacidade de ver filmes violentos escolha uma ou outra. Eu prefiro a mais intensa, até porque se "Hostel" se propôs a isso desde o começa então que se vá até o fim.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Bad Boys II

Título no Brasil: Bad Boys II
Título Original: Bad Boys II
Ano de Produção: 2003
País: Estados Unidos
Estúdio: Columbia Pictures
Direção: Michael Bay
Roteiro: George Gallo, Marianne Wibberley
Elenco: Will Smith, Martin Lawrence, Gabrielle Union

Sinopse:
Dois tiras do departamento de narcóticos de Miama, Mike Lowrey (Smith) e Marcus Bennett (Lawrence), precisam combater uma rede de tráfico de  ecstasy nas principais casas noturnas da cidade. As investigações acabam apontando para um poderoso narcotraficante instalado na cidade, um verdadeiro rei do crime.

Comentários:
É aquele tipo de filme de ação que não tem o menor pudor de se assumir como um pipocão comercial e nada mais. Também o que você iria esperar de um filme da dupla de produtores Don Simpson e Jerry Bruckheimer, e ainda por cima dirigido por Michael Bay, o rei das explosões gratuitas? Ora, nada além disso. O que salva essa franquia "Bad Boys" é a dupla central, ou melhor dizendo, o carisma desses dois atores. A trama, como era de se esperar, é bem genérica, então cabe a Will Smith e Martin Lawrence segurar o filme nas costas. Claro que para muitos Lawrence é um comediante intragável e insuportável mas aqui ele tem Smith para contrabalancear um pouco sua chatice. Nada parecido com "Vovó... Zona" ou algo desse naipe. Aliás para quem gosta desses filmes fica o aviso de que vem mais um aí pela frente. "Bad Boys III" já foi anunciado pela Sony para fechar a trilogia dessa franquia. A previsão de lançamento é para 2015. Na falta de novas ideias nada melhor do que reciclar o que já deu certo em Hollywood, mesmo que apenas do ponto de vista puramente comercial.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Crocodilo Dundee II

Título no Brasil: Crocodilo Dundee II
Título Original: 'Crocodile' Dundee II
Ano de Produção: 1988
País: Austrália, Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: John Cornell
Roteiro: Paul Hogan
Elenco: Paul Hogan, Linda Kozlowski, John Meillon

Sinopse:
Michael J. 'Crocodile' Dundee (Paul Hogan) vai até Nova Iorque por sugestão de sua namorada, a americana Sue Charlton (Linda Kozlowski). Ele, que pensava ser um caipira que morava no meio do mato, mal sabia a selva que a grande cidade iria se revelar diante de seus olhos.

Comentários:
Nos anos 80 surgiu esse curioso personagem chamado Crocodilo Dundee nas telas de cinema. Ele foi criado pelo ator australiano Paul Hogan que conseguiu o feito de cair nas graças do público americano, que achou muito divertido aquele bronco dos rincões da distante e exótica Austrália. Sucesso de bilheteria, acabou rendendo essa sequência. O roteiro tenta divertir colocando em evidência as diferenças culturais de Dundee com a rotina da grande cidade de Nova Iorque. O resultado é bem morno pois a piada logo se torna cansativa e repetitiva. A partir de certo momento, como se não houvesse mais novas ideias, tudo descamba para os mais batidos clichês do cinema americano. Nesse aspecto o primeiro filme era bem mais divertido e honesto em suas pretensões. Com isso Crocodilo Dundee sumiu tão rapidamente como apareceu. Revisto hoje em dia soa apenas como uma curiosidade dos anos 80, época em que tudo era possível, até mesmo o surgimento de um personagem exótico como esse. Se tiver vontade assista sem maiores pretensões a não ser conhecer uma diversão ligeira e passageira bem ao estilo 80´s.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

The Doors - Riders on the Storm

Jim Morrison era apenas um garotinho quando viu uma cena que nunca mais esqueceu. Ele estava viajando ao lado dos pais quando encontraram um caminhão virado de cabeça para baixo, cheio de nativos americanos, após um sério acidente. Vários índios estavam mortos, estirados no chão, agonizantes. Jim contaria anos depois que um dos espíritos o seguiu a partir daquele momento. Era a alma de um velho xamã que estava morto à beira da estrada. Foi justamente pensando nesse episódio de sua vida que levou Jim a compor "Riders on the Storm" que considero uma das melhores gravações da história do rock. Se você acha que Ray Manzarek era apenas um tecladista de churrascaria (como certa vez li numa resenha idiota e estúpida de uma revista inglesa) aconselho a ouvir atentamente essa faixa. Ray usa as notas musicais de seu instrumento para recriar pingos da tempestade caindo pelo chão... um efeito de arrepiar mesmo!

Some-se a isso o estilo cavernoso do vocal de Jim Morrison, naquela altura de sua vida já esgotado por todos os excessos possíveis e imaginaveis e você terá uma obra prima em mãos. "The Changeling" que está no lado B do single certamente não é tão maravilhosa como "Riders on the Storm" mas também mantém um padrão absurdo de qualidade musical. A guitarra de Robby Krieger procura imitar o som de vespas prontas para o ataque! Lembrando que as duas faixas fazem parte do último disco dos Doors com Jim Morrison, o blueseiro "L.A. Woman", um álbum realmente excepcional. Jim barbudo, encarnando como nunca seu alter-ego Mojo Risin, estava endiabrado nas sessões. Entre um excesso alcoólico e outro e foi gravando as canções de forma, diria até, abusiva! Considero Jim um dos maiores vocalistas da história do rock americano, um sujeito que se destacou por colocar sua própria alma em cada gravação que fez. Assim o single "Riders on the Storm / The Changeling" não é apenas uma questão de opção para quem gosta do bom e velho rock daquela geração, mas sim um item obrigatório em qualquer coleção que se preze.

Riders on the Storm (Jim Morrison) - Riders on the storm / Riders on the storm / Into this house we're born / Into this world we're thrown / Like a dog without a bone / An actor out alone / Riders on the storm / There's a killer on the road / His brain is squirming like a toad / Take a long holiday / Let your children play / If you give this man a ride / Sweet family will die / Killer on the road / Girl you gotta love your man / Girl you gotta love your man / Take him by the hand / Make him understand / The world on you depends / Or life will never end / Gotta love your man / Riders on the storm / Riders on the storm / Into this house we're born / Into this world we're thrown / Like a dog without a bone / An actor out alone / Riders on the storm / Riders on the storm / Riders on the storm / Riders on the storm / Riders on the storm.

Pablo Aluísio e Erick Steve.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Harry Potter e o Cálice de Fogo

Título no Brasil: Harry Potter e o Cálice de Fogo
Título Original: Harry Potter and the Goblet of Fire
Ano de Produção: 2005
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: Mike Newell
Roteiro: Steve Kloves, baseado na obra de J.K. Rowling
Elenco: Daniel Radcliffe, Emma Watson, Rupert Grint

Sinopse:
Hogwarts se prepara para uma grande competição de bruxos de todas as partes do mundo. Harry Potter (Daniel Radcliffe) está ansioso para participar desse grande evento ao mesmo tempo que precisa se defender mais uma vez da presença maligna e sinistra de seu arquiinimigo Lord Voldemort (Ralph Fiennes) que parece cada vez mais fortalecido e presente pelos corredores escuros e sombrios de sua escola de magia. Filme indicado ao Oscar na categoria Melhor Direção de Arte. 

Comentários:
Quarto filme da franquia milionária baseada nos livros de grande sucesso da autora J.K. Rowling. Esses filmes foram por bastante tempo - mais especificadamente de  2001 a  2011 - um dos alicerces financeiros da indústria do cinema americano. Todo final de ano era certo contar com uma nova parte das aventuras do bruxinho mais famoso da literatura. E nenhum deles deixou a desejar em termos de faturamento nas bilheterias, todos foram enormes sucessos de público e até mesmo, levando em conta as devidas proporções, também de crítica. A verdade é que antes mesmo de chegar nas telas de cinema, Harry Potter já tinha seu público formado. Então era apenas uma questão de se realizar obras cinematográficas bem feitas para arrecadar aquela quantia indecente de dinheiro pelo mundo afora. Além disso temos que reconhecer que a escolha do elenco foi muito feliz pois os garotos do trio central sempre foram muito carismáticos e talentosos (isso apesar de Daniel Radcliffe ter confessado recentemente que sempre teve problemas com bebidas e que muitas vezes ia trabalhar bêbado ou de ressaca). Considero "Harry Potter and the Goblet of Fire" um dos melhores da franquia, com ótimo desenvolvimento e enredo mais cativante do que muitos outros da série. A diversão, para fãs e não fãs também, certamente é garantida.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 24 de junho de 2014

O Sacramento

Título no Brasil: O Sacramento
Título Original: The Sacrament
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Arcade Pictures
Direção: Ti West
Roteiro: Ti West
Elenco: Joe Swanberg, AJ Bowen, Kentucker Audley

Sinopse:
Um grupo de jornalistas decide fazer uma reportagem sobre uma seita de evangélicos liderados por um pastor carismático chamado de "O Pai" que vive em um lugar isolado da América do Sul, no meio da selva, longe da civilização e da tecnologia do homem moderno. A comunidade parece ser um projeto de sucesso, mas debaixo de toda aquela felicidade ensaiada se esconde algo muito sinistro. Filme baseado em fatos reais.

Comentários:
Quem conhece história e leu a sinopse desse filme saberá de antemão que ele é baseado em um caso real, acontecido na Guiana durante os anos 1970. Um pastor messiânico chamado Jim Jones (1931 - 1978) decidiu levar toda a sua congregação para as selvas da América Latina. Lá fundou uma comunidade denominada Jonestown. Todos os membros de sua igreja venderam seus bens, casas e carros e deram o dinheiro para Jones. Ele então criou essa comunidade evangélica isolada do mundo exterior. O que parecia ser o paraíso na Terra (pelo menos na visão dos membros da seita) logo virou uma cilada, uma armadilha mortal. Jones promoveu um suicídio coletivo com todos os que moravam lá, crianças, jovens e idosos. O roteiro desse filme mostra praticamente a mesma história, com pequenas mudanças em certos detalhes. A linguagem escolhida foi a de falso documentário, como se o espectador estivesse vendo imagens reais captadas pelas câmeras dos jornalistas. O resultado é muito bom, acima da média nesse tipo de filme. Serve como denúncia e também como aviso, pois fanatismo religioso é de fato algo muito perigoso, um caminho que leva facilmente o fiel não para o céu, mas para o inferno.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Batman 1989

Título no Brasil: Batman
Título Original: Batman
Ano de Produção: 1989
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: Tim Burton
Roteiro: Sam Hamm, baseado na obra de Bob Kane
Elenco: Michael Keaton, Jack Nicholson, Kim Basinger, Jack Palance 

Sinopse:
Quando criança Bruce Wayne (Keaton) presenciou a morte de seu pais por um criminoso. O acontecimento traumático acaba abalando Wayne para o resto de sua vida. Quando se torna adulto, ele resolve combater o crime assumindo a identidade de Batman, o cavaleiro das trevas. Agora, terá que enfrentar um assassino com ares de loucura, que se pinta e age como um palhaço, o Coringa (Nicholson) que deseja trazer caos e morte para Gotham City. Filme vencedor do Oscar na categoria Melhor Direção de Arte. Indicado ao Globo de Ouro na categoria Melhor Ator (Jack Nicholson).

Comentários:
Quando a Warner anunciou que faria uma versão cinematográfica de Batman nos anos 80, muitos não acreditaram no êxito do projeto. A direção foi entregue a Tim Burton, que ninguém conhecia, um ex-animador da Disney que só havia dirigido um filme conhecido antes, a comédia "Os Fantasmas se Divertem". Para complicar ainda mais as coisas o cineasta resolveu escalar seu amigo Michael Keaton para interpretar Batman! Isso deixou os fãs furiosos pois Keaton era basicamente um comediante e não tinha qualquer semelhança com o famoso Bruce Wayne dos quadrinhos. A única boa notícia era que o maravilhoso Jack Nicholson iria interpretar o vilão Joker (Coringa). Mesmo com tanto pessimismo o fato é que "Batman" se tornou não apenas um enorme sucesso de bilheteria (superando até mesmo as previsões mais otimistas) como também um marco da adaptação de quadrinhos no cinema. O filme foi extremamente lucrativo para a Warner também fora dos cinemas pois o estúdio licenciou uma grande quantidade de produtos que venderam como nunca. E Jack Nicholson ganhou uma fortuna pois trocou um cachê fixo por uma porcentagem no lucros (estimativas afirmam que teria ganho mais de 60 milhões de dólares por essa atuação). Revisto hoje em dia "Batman" obviamente já não causa tanto impacto. Tim Burton impôs seu estilo ao personagem até nos menores detalhes. Certamente é um filme que ainda soa muito divertido e sagaz mas já sente os efeitos do tempo (principalmente em seus efeitos especiais que vão soar bem datados atualmente). Mesmo assim merece passar por uma revisão pois não restam dúvidas que depois de "Batman" de Tim Burton o cinema pipoca americano nunca mais foi o mesmo.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Os presentes de natal de Elvis

Os presentes de natal de Elvis
Data: janeiro de 1960 / Fonte: "Elvis e Eu" / Texto: Priscilla Presley e Sandra Harmon / Photo: RCA Victor / Local: Hollywood, USA. O Natal em Graceland - "Feliz Natal!"- exclamou Elvis, orgulhoso, entregando-me um cachorrinho cor de mel, de seis semanas. "Oh! Elvis, é a coisinha mais linda que eu já vi!" - Abracei-o e ouvi um latido abafado entre nós - "Oh Honey, desculpe!". Involutariamente eu acabara de batizar o cachorrinho de Honey. Era véspera de Natal. Elvis rezara por um natal branco e - como resposta ao seu pedido - naquela noite caíram dez centímetros de neve. A reunião em torno da árvore de Natal incluía Vernon e Dee, os três filhos dela - David, Billy e Ricky - o círculo íntimo com suas mulheres e mais um punhado de outros amigos e parentes de Elvis. Todos se mostraram simpáticos e me fizeram saber que era bem vinda, embora parecesse estranho me ver a mim e não Anita Wood ao lado de Elvis.

Anita partilhara o Natal com ele nos dois últimos anos. Havia ocasiões em que eu não podia deixar de especular se Elvis ainda sentia saudades dela. Não era fácil para ele se separar das pessoas. Eu sabia disso. Foi divertido observar Elvis abrir os presentes. "Era exatamente o que eu estava precisando, outra caixa de jóias" - disse ele rindo desembrulhando a quarta da noite. Ele olhou para Gene Smith, uma das poucas pessoas que era capaz de fazê-lo rir sistematicamente. "Foi você que me deu isso, Gene?" - "Não, El, não fui eu" - respondeu Gene. "Pensando bem, não podia ser você, Gene. É bom gosto demais" - todos riram com Elvis. "Poxa, E, como você pode dizer uma coisa dessas?" - murmurou Gene, em seu arrastado sotaque sulista. "Muito fácil" - Elvis estreitou os olhos - "Basta olhar pra você Gene, um exemplo vivo do mau gosto" Fingindo estar ofendido, Gene afastou-se coçando a cabeça, enquanto todos riam.

Embora houvesse muitas brincadeiras, eu sentia uma tristeza em Elvis quando nossos olhos se encontravam. Não pude deixar de recordar o que ele me dissera certa ocasião na Alemanha: "O Natal em Graceland nunca mais será o mesmo sem mamãe. Será terrível para mim e não sei se sou capaz de suportar a solidão. Mas acho que conseguirei de alguma forma. Deus me dará a força necessária." Querendo distraí-lo, estendi um presente de papel muito colorido e disse: "Aqui está mais um, que você esqueceu de abrir". Era o meu presente, uma caixinha musical, que eu deliberadamente deixara por último. Prendi a respiração enquanto ele abria. No momento em que ele levantou a tampa, soaram os acordes de "Love me Tender". "Adorei! Juro que adorei, Cilla! Muito Obrigado!" Havia um brilho intenso nos seus olhos e desejei sempre poder fazê-lo feliz assim. De todas as celebrações e datas durante o ano o Natal sempre foi o preferido de Elvis. Além do aspecto religioso, sempre forte em Elvis, havia a sempre presente lembrança dos natais passados ao lado de sua querida mãe Gladys. Um feliz Natal para todos!

If Every Day Was Like Christmas (Red West) - Música natalina lançada em single para o natal de 1966. Sob o comando de Felton Jarvis, Elvis registra uma das melhores melodias de sua carreira. Nota-se claramente o avanço de qualidade em relação às trilhas sonoras do mesmo período. Primor de interpretação de Elvis Presley em todos os aspectos. O single foi lançado com "How Would You Like To Be" no lado B, sendo essa uma reprise do filme "It Happened At World's Fair" (Loiras, ruivas e morenas, no Brasil). A música foi gravada nas mesmas sessões de "I'll Remember You" e "Indescribably Blue" em junho de 1966 e quando lançada em novembro desse mesmo ano chegou ao top 10 britânico.

Pablo Aluísio.

Os Aventureiros do Bairro Proibido

Título no Brasil: Os Aventureiros do Bairro Proibido
Título Original: Big Trouble in Little China
Ano de Produção: 1986
País: Estados Unidos
Estúdio: Twentieth Century Fox
Direção: John Carpenter
Roteiro: Gary Goldman, David Z. Weinstein
Elenco: Kurt Russell, Kim Cattrall, Dennis Dun

Sinopse:
Quando o caminhoneiro Jack Burton (Russell) concordou em levar seu amigo Wang Chi para pegar sua noiva no aeroporto, ele nunca esperava se envolver em uma batalha sobrenatural entre o bem e o mal. A noiva de Wang tem olhos verde-esmeralda, que fazem dela um alvo perfeito para um feiticeiro imortal chamado Lo Pan e seus três companheiros invencíveis. Lo Pan deve se casar com uma menina de olhos verdes para que ele possa recuperar a sua forma física. Agora, Jack deve salvar a noiva de Wang de Lo Pan e seus capangas, e ganhar de volta seu caminhão roubado. Mas como ele pode derrotar um inimigo como aquele?

Comentários:
Olhando para o passado chegaremos na conclusão que os filmes de ação já foram bem mais divertidos, ainda mais na década de 80 quando não havia nenhum pudor em mesclar ação com muita fantasia, tudo convivendo em uma situação de realismo fantástico. Um exemplo disso podemos encontrar aqui em "Os Aventureiros do Bairro Proibido", uma pequena jóia adolescente dirigida pelo ótimo John Carpenter. Claro que para quem viveu aquela década tudo soará nos dias de hoje basicamente como algo bem nostálgico e saudosista, mas olhando sob um lado puramente cinematográfico não podemos deixar de elogiar a coragem de Carpenter em realizar um filme assim tão despojado, que nunca se leva completamente à sério, adotando a pura diversão como objetivo principal. E pense bem, Carpenter era um diretor respeitado, um mestre de filmes de terror. Ninguém esperaria que ele se envolvesse em algo assim. Em tempos onde havia tanta pretensão, Carpenter não teve receios de assinar um filme tão despretensioso como esse. Talvez por adotar esse tipo de atitude a fita tenha se tornado tão querida pelos fãs por todos esses anos. Sem dúvida uma diversão garantida para todas as idades.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Oblivion (2013)

Título no Brasil: Oblivion
Título Original: Oblivion
Ano de Produção: 2013
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures
Direção: Joseph Kosinski
Roteiro: Karl Gajdusek, Michael Arndt
Elenco: Tom Cruise, Morgan Freeman, Andrea Riseborough

Sinopse:
O planeta Terra é invadida por extraterrestres chamados de saqueadores. Eles pretendem roubar todos os recursos naturais da ecosfera. A humanidade reage e para isso utiliza armas nucleares que devastam cidades e países inteiros. A guerra é vencida mas o mundo se torna inabitável. Os humanos que sobreviveram são enviados a Titã, o maior satélite natural de Saturno. Jack (Tom Cruise) fica na Terra em um posto avançado fazendo manutenção em drones utilizados para combater focos de resistência inimiga. Sua missão porém irá revelar muito mais sobre a real situação em que vive!

Comentários:
No meio de tantos filmes de ficção que não mais empolgam esse "Oblivion" consegue surpreender. Temos aqui um design de produção de primeira, efeitos digitais de muito bom gosto e um roteiro inteligente, baseado numa graphic novel, com elementos que vão de "Matrix" a "Star Wars", passando até por filmes menores como "Tropas Estelares". Tem furos de lógica? Sim, infelizmente tem. Há certas coisas que não fazem o menor sentido. No enredo a Lua é destruída pelos invasores. Se isso realmente acontecesse a atmosfera e o clima na Terra seriam bem diferentes dos que vimos no filme. Não seria em absoluto aquele mar de tranquilidade! Bom, basta ler algum livro de astronomia para ver que aquela realidade não tem lógica nenhuma dentro da ciência. Mas noves fora isso, vamos combinar que é tudo muito bom mesmo, divertido, bem feito, até inovador (a nave do Cruise é um show à parte, um design que fará a alegria dos fãs de maquetes). Além disso como era de se esperar tudo é realizado com o melhor que Hollywood pode dar em termos de efeitos digitais. Cada detalhe é muito bem reproduzido. Adorei aquela torre onde o Cruise passa suas horas de descanso, com aquele piscina elevada, ao lado de uma bela mulher! Tudo é tão asséptico e clean que nos deixam desconfiados (e é para desconfiar mesmo pois o roteiro traz algumas reviravoltas que mantém o interesse até o fim). O final vai deixar alguns decepcionados, por ser meloso e otimista demais, mas em tempos onde todos os filmes de ficção são tão pessimistas sobre o futuro aquele tipo de conclusão vai soar até mesmo como original.

Erick Steve.

Drácula

Dracula 1.05 - The Devil's Waltz
Dracula vai ficando cada vez mais interessante. A direção de arte está cada vez mais caprichada e os roteiros vão melhorando a cada episódio. É o que sempre digo, algumas vezes as séries começam meio sem rumo certo mas aos poucos vão acertando os ponteiros. O melhor nesse episódio é que ficamos sabendo com mais detalhes o começo da amizade entre Alexander Grayson (Jonathan Rhys Meyers) e seu fiel escudeiro, o sr. R.M. Renfield (Nonso Anozie). Enquanto a ordem tortura Renfield de forma violenta, Grayson sai pelas ruas de Londres literalmente farejando o paradeiro de seu amigo e braço direito. Também nesse episódio temos finalmente a festa de noivado de Mina Murray e Jonathan Harker, onde o conde vampiro quase perde as estribeiras ao dançar com sua amada Mina. Ela disfarça bem mas também está apaixonada por ele. E para fechar o enredo, para infelicidade do nobre vampiro, as experiências que lhe permitiriam andar a luz do dia continuam a não dar o resultado esperado. Pelo jeito o velho ser noturno continuará a caminhar por Londres apenas após o sol desaparecer no horizonte. Gostei bastante desse episódio, como disse no começo do texto, Drácula vai melhorando a cada novo programa. Torço para que siga em frente, apesar dos inúmeros problemas do ator Jonathan Rhys Meyers em sua vida pessoal.

Dracula 1.09 - Four Roses
Drácula volta ao século XIX para se vingar de todos os que lhe aprisionaram por centenas de anos. Seu alvo é a Ordem do Dragão, uma sociedade secreta formada por ricos empresários e industriais que combatem as forças do mal, caçando vampiros e seres noturnos por toda a Europa. Usando o disfarce de um milionário americano chamado Alexander Grayson, Drácula pretende destruir cada um deles, de forma implacável. Que pena que o canal NBC não irá renovar mais Drácula para a segunda temporada. Canais abertos possuem esse tipo de problema pois ficam muito à mercê da audiência que não pode sequer ser mediana. Se "Drácula" tivesse sido produzido por um canal como AMC ou Showtime certamente continuaria em frente. Bom, as sombras do cancelamento já ficam bem expostas nesse penúltimo episódio. O que vinha se desenvolvendo em um nível mais intelectual parte para a violência cada vez mais presente - procurando com isso, é claro, ganhar mais audiência. Nesse episódio em particular Drácula perde a paciência com os planos conspiratórios de Van Helsing e adota seu velho estilo de trucidar inimigos. Ao mesmo tempo resolve abrir o jogo com o amor de sua vida, a bela Lucy enquanto transforma Nina em um ser da noite como ele. Repito, apesar de ter começado meio cambaleante essa série tinha tudo para tomar ótimos rumos com o tempo. Infelizmente os crescentes problemas com drogas do ator Jonathan Rhys Meyers e a audiência apenas morna foram cruciais para o seu cancelamento definitivo. É de se lamentar mesmo pois tinha muito potencial pela frente. A última esperança talvez seja algum canal mais alternativo bancar uma segunda temporada (algo que aconteceu com, por exemplo, "Damages") embora reconheça que não vai ser nada fácil isso acontecer novamente. / Dracula 1.09 - Four Roses (EUA, 2014) Direção: Tim Fywell / Roteiro: Cole Haddon, Daniel Knauf / Elenco: Jonathan Rhys Meyers, Jessica De Gouw, Thomas Kretschmann.

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 23 de junho de 2014

A Árvore dos Sonhos

Título no Brasil: A Árvore dos Sonhos
Título Original: The War
Ano de Produção: 1994
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures
Direção: Jon Avnet
Roteiro: Kathy McWorter
Elenco: Elijah Wood, Kevin Costner, Mare Winningham

Sinopse:
Stephen Simmons (Kevin Costner) é um veterano da Guerra do Vietnã que ainda não conseguiu superar os traumas adquiridos no front. De volta ao lar nos Estados Unidos ele precisa enfrentar seus próprios fantasmas do passado ao mesmo tempo em que tenta criar um vínculo genuíno com seu pequeno e jovem filho. Filme vencedor do prêmio da Political Film Society na categoria Melhor Drama Social.

Comentários:
Anda meio esquecido esse pequeno drama familiar sobre amizade e superação. Na época também não teve maior repercussão ganhando apenas um lançamento discreto nas locadoras de vídeo. Apesar de sua origem modesta é bom chamar a atenção para o filme pois o roteiro é muito bem escrito, sempre optando pelo lado mais delicado e sutil da alma de seus personagens. A produção também é uma espécie de membro indireto do ciclo de filmes sobre a Guerra do Vietnã, pois mostra os problemas psicológicos que foram trazidos para casa por muitos veteranos das forças armadas. Para os fãs de Kevin Costner é interessante salientar que seu personagem apenas passeia por toda a trama, sendo que em muitos aspectos o filme gira em torno mesmo do pequeno garoto Stu Simmons (interpretado por Elijah Wood, muitos anos antes de se consagrar na saga "O Senhor dos Anéis") e seu mundo de amigos, desafetos e escola. A direção ficou a cargo do excelente Jon Avnet que já havia se destacado bastante entre a crítica por causa do extremamente bem dirigido "Tomates Verdes Fritos".

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

O Verão de Sam

Título no Brasil: O Verão de Sam
Título Original: Summer of Sam
Ano de Produção: 1999
País: Estados Unidos
Estúdio: Touchstone Pictures
Direção: Spike Lee
Roteiro: Spike Lee, Victor Colicchio
Elenco: John Leguizamo, Adrien Brody, Mira Sorvino

Sinopse:
Nova Iorque, verão de 1977. Uma série de mortes começam a acontecer na cidade. Jovens casais são mortos sem motivo aparente. A polícia desconfia que há um serial killer envolvido nos crimes. E realmente tem razão. Chamado de "O Filho de Sam", ele está à solta nas ruas e qualquer um pode se tornar sua próxima vítima.

Comentários:
Considero esse filme um dos mais interessantes da filmografia de Spike Lee. Geralmente o cineasta vira um chato quando transforma suas obras cinematográficas em meros panfletos ativistas da causa negra, mas aqui ele se limita, felizmente, a apenas contar uma boa história. O roteiro é muito inteligente pois ao invés de se concentrar na história (bem bizarra) do psicopata conhecido como "O Filho de Sam", resolve mostrar o impacto que sua presença e seus crimes causaram na população de Nova Iorque durante aquele distante ano de 1977. Spike Lee teve a idéia de realizar esse filme após assistir a um documentário exibido no canal Discovery cujo tema era bem parecido com a desse filme. Esse programa aliás ainda é exibido esporadicamente na TV a cabo brasileira e faz uma bela dobradinha com o filme de Spike, sendo que um acaba complementando o outro. Por fim cabe lembrar que Spike ficou furioso na época pelo fato do filme não ter sido indicado a nenhum prêmio da academia e nem do Globo de Ouro e pela centésima vez atribuiu isso ao racismo no meio artístico americano. Não disse que ele era um chato?

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 22 de junho de 2014

Máfia no Divã

Título no Brasil: Máfia no Divã
Título Original: Analyze This
Ano de Produção: 1999
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: Harold Ramis
Roteiro: Kenneth Lonergan, Peter Tolan
Elenco: Robert De Niro, Billy Crystal, Lisa Kudrow

Sinopse:
Paul Vitti (Robert De Niro) é um mafioso típico de Nova Iorque. Durão e implacável, ele trata seus inimigos ao velho estilo siciliano. Para sua surpresa porém começa a notar mudanças bruscas de comportamento, sofrendo de crises emocionais, ansiedade e insônia. Para se tratar acaba contratando os serviços do terapeuta Ben Sobol (Billy Crystal), que logo perceberá que tratar de seu novo cliente não será nada fácil.

Comentários:
Uma das críticas mais recorrentes a Robert De Niro em sua carreira é que em determinado momento de sua filmografia ele colocou seu talento em controle remoto e começou a interpretar personagens que, em última análise, eram auto paródias de si mesmo. " Analyze This" é provavelmente um dos maiores exemplos disso. O personagem de Bob De Niro no filme, Paul Vitti, é uma caricatura de mafiosos italianos no cinema. O ator também exagera e muito na dose. Tudo bem que se trata de uma comédia e tudo mais, porém não era preciso fazer tantas caretas e apelar tanto para um tipo de atuação que certamente decepcionará os fãs dos bons momentos dele no cinema - basta lembrar de seus clássicos dos anos 70 para entender a queda brutal de qualidade em seu trabalho. Ao seu lado surge Billy Crystal, que tem um tipo de humor muito específico, geralmente interpretando judeus nova-iorquinos (ou seja, a maioria de suas piadas só farão sentido completamente para essa comunidade, o que não tem nada a ver com a nossa cultura de um modo em geral). Confesso que nunca gostei muito desse filme e nem o acho particularmente engraçado. Como nota triste final, vale lembrar que a direção foi do ator e cineasta Harold Ramis, falecido recentemente. 

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 21 de junho de 2014

O Show de Truman

Título no Brasil: O Show de Truman
Título Original: The Truman Show
Ano de Produção: 1998
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Peter Weir
Roteiro: Andrew Niccol
Elenco: Jim Carrey, Ed Harris, Laura Linney

Sinopse:
Truman Burbank (Jim Carrey) aparenta ser um sujeito dos mais comuns. Vendedor de seguros, ele vai levando uma vida típica de um americano como qualquer outro de sua idade. O que ele não sabe é que sua vida na realidade é um reality show, assistido por milhões de telespectadores ao redor do mundo. Sua família e seus amigos na verdade são atores contratados para contracenar com Truman sem que ele nem ao menos saiba disso. Filme indicado a três Oscars nas categorias de Melhor Ator Coadjuvante (Ed Harris), Melhor Direção (Peter Weir) e Melhor Roteiro Original (Andrew Niccol). Vencedor do Globo de Ouro nas categorias de Melhor Ator (Jim Carrey), Melhor Ator Coadjuvante (Ed Harris) e Melhor Trilha Sonora Original (Burkhard von Dallwitz e Philip Glass).

Comentários:
Mais uma grande aposta de Jim Carrey em ser levado a sério como ator. Na época ele acreditava que iria vencer o Oscar de Melhor ator por essa performance. O interessante é que se olharmos para trás vamos perceber que em seus anos de maior popularidade, Carrey tentou mudar os rumos de sua carreira, abraçando filmes mais ousados, deixando um pouco de lado as comédias escrachadas de lado, para ser reconhecido como um ator de verdade, de talento. Apesar de todas as suas boas intenções seus planos acabaram não dando em nada. Hoje em dia ele tem se voltado para as mesmas comédias bobas do começo de seu sucesso, dessa vez não para ganhar os críticos, mas sim para salvar mesmo sua carreira do desastre. Até contracenar com pinguins digitais ele já andou topando. Apesar de tudo isso temos que dar o braço a torcer pois "O Show de Truman" é de fato um bom filme, uma crítica muito precisa sobre a proliferação dos chamados reality shows e do poder de manipulação da mídia levada às últimas consequências. A crítica até gostou e resenhas elogiosas pipocaram nos principais meios de comunicação mas o público cativo de Carrey, o mesmo que lhe proporcionou polpudas bilheterias ao longo dos anos, não curtiu muito, achando que tudo soava cerebral demais e pouco engraçado. Realmente, "The Truman Show" não é uma comédia, está mais para um drama melancólico, algo que efetivamente espantou seus fãs mais antigos e fiéis.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

007 Contra Octopussy

Título no Brasil: 007 Contra Octopussy
Título Original: Octopussy
Ano de Produção: 1983
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: United Artists, MGM
Direção: John Glen
Roteiro: George MacDonald Fraser, Richard Maibaum
Elenco: Roger Moore, Maud Adams, Louis Jourdan

Sinopse:
Após a morte de um importante agente, um plano criminoso que envolve falsificação de obras de arte é descoberto. James Bond (Roger Moore) é designado para o caso mas acaba descobrindo algo maior, envolvendo até mesmo o uso de armas nucleares para dominar toda a Europa. No centro de tudo o agente inglês acaba se deparando com a perigosa contrabandista Octopussy (Maud Adams), que está disposta a tirar 007 de seu caminho. Filme indicado ao prêmio da Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films nas categorias Melhor Filme e Melhor Atriz Codjuvante (Maud Adams).

Comentários:
Mais um filme de James Bond na era Roger Moore que será exibido essa semana pela TV a cabo brasileira. "Octopussy" é um dos mais conhecidos filmes com Moore e também um dos mais bem sucedidos de bilheteria - o que deu uma sobrevida ao ator na pele do agente secreto inglês. Mesmo com a boa recepção do público, a crítica achou que as palhaçadas (literalmente falando) em cima do personagem já tinham passado do limite. Existem cenas tão absurdas que acabam transformando o filme numa auto paródia de humor involuntário. Como se não bastasse ainda temos que encarar Bond dando uma de Jim das Selvas em momento tão sem graça como constrangedor. De bom mesmo apenas as boas locações na Índia - com destaque para o famoso Taj Mahal, além da produção bem mais caprichada e bem realizada do que a do filme anterior. Também merecem destaque algumas boas cenas de ação, entre elas aquela em que Bond pilota o que é chamado de menor jato do mundo (uma geringonça que mais parece um ultraleve turbinado) e outra, quando fica pendurado no teto de um avião em pleno vôo (um maravilhoso trabalho do dublê do filme). Esse seria o penúltimo filme de Moore no papel, algo que para muitos deveria ser o último. De qualquer maneira, como é um Bond da franquia oficial (pois o filme de Sean Connery estava saindo nesse mesmo ano nos cinemas para disputar nas bilheterias), vale a pena ser assistido por pelo menos uma vez na vida, afinal os fãs de 007 não deixariam passar mais essa aventura em branco.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

A Rainha dos Condenados

Título no Brasil: A Rainha dos Condenados
Título Original: Queen of the Damned
Ano de Produção: 2002
País: Estados Unidos, Austrália
Estúdio: Warner Bros
Direção: Michael Rymer
Roteiro: Scott Abbott, baseado na obra de Anne Rice 
Elenco: Aaliyah, Stuart Townsend, Marguerite Moreau

Sinopse:
O secular vampiro Lestat (Stuart Townsend) resolve mudar mais uma vez os rumos de sua existência, procurando agora levar uma vida de superstar da música mundial. Seu sucesso porém acaba atraindo a atenção de outros poderosos seres das trevas, entre eles a Rainha Akasha (Aaliyah), despertada de seu sono milenar sob uma fria cripta no Ártico. Indicado ao prêmio da Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films na categoria Melhor Filme de Terror.

Comentários:
Considero "Entrevista com o Vampiro" uma pequena obra prima do cinema de terror moderno. Muito bem realizado, contando com elenco inspirado e tendo como material o ótimo livro de Anne Rice! Esse "A Rainha dos Condenados" é outra adaptação de um livro da autora, com o mesmo personagem, o vampiro charmoso Lestat (aqui interpretado pelo fraco ator Stuart Townsend). Se o primeiro filme era um show de produção, bons atores e direção caprichada esse aqui é bem mais modesto. Eu não culpo o fato do filme ser fraco apenas pelos poucos recursos que foram disponibilizados para sua realização. Na verdade vou mais longe, culpando a própria autora Anne Rice que escreveu uma estória muito fraca, boba e sem maiores atrativos. Essa coisa toda de transformar o vampiro Lestat em um roqueiro é uma tolice sem tamanho. Ora, se não agradou na literatura porque iria dar certo no cinema? Assim esse é um daqueles casos em que a culpa não é do filme em si, mas sim da obra que lhe deu origem. E como nota triste é importante lembrar que foi o último filme da cantora Aaliyah que acabou morrendo tragicamente logo após a conclusão das filmagens. Enfim, um projeto que começou errado e terminou em tragédia, infelizmente.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Skinwalkers

Título no Brasil: Skinwalkers
Título Original: Skinwalkers
Ano de Produção: 2006
País: Estados Unidos, Canadá
Estúdio: Lionsgate
Direção: James Isaac
Roteiro: James DeMonaco, Todd Harthan
Elenco: Jason Behr, Elias Koteas, Rhona Mitra

Sinopse:
Um garoto de apenas 12 anos de idade parece ter a chave para a cura da maldição dos Skinwalkers, um grupo de homens que se transformam em lobisomens em noites de lua cheia. Uma antiga lenda da tribo Navajo consolida o entendimento de que ele poderia ser a saída para todos os amaldiçoados, o que dá surgimento a uma verdadeira caçada em busca do jovem e de sua família, que fará de tudo para protegê-lo!

Comentários:
Os fãs de filmes com Lobisomens não precisam ficar muito animados com esse "Skinwalkers" porque se trata de mais uma produção bem fraquinha que tenta ganhar alguns trocados em cima da fama desses monstros lendários do cinema. O filme só não é pior porque os realizadores tiveram o mínimo de bom senso e como sabiam que não tinham em mãos um bom orçamento para mostrar lobisomens convincentes, resolveram apostar mais na tensão e no clima psicológico do que nas cenas de ataque propriamente ditas. O interessante é que agindo assim acabaram dando o mínimo de qualidade para o filme, já que convenhamos, filmes que partem logo para as cenas sangrentas geralmente perdem a chance de jogar melhor com o medo e a ansiedade do público. No geral não há nada de muito interessante a se conferir nesse "SkinWalkers" que no final das contas se resume a ser mais um filme de baixo orçamento que usa lobisomens para atrair seu público. Nossos queridos licantropos mereciam coisa melhor certamente.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Sahara

Título no Brasil: Sahara
Título Original: Sahara
Ano de Produção: 2005
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Breck Eisner
Roteiro: Clive Cussler, Thomas Dean Donnelly
Elenco: Matthew McConaughey, Penélope Cruz, Steve Zahn

Sinopse:
Dirk Pitt (Matthew McConaughey) é um aventureiro americano na África que deseja encontrar um tesouro milenar há muito enterrado nas areias do tempo. Seus planos porém não serão simples de realizar. No meio do caminho ele encontrará assassinos profissionais e criminosos de toda ordem. Conseguirá colocar as mãos na fortuna que tanto procura? Filme baseado no romance de aventuras de mesmo nome escrito pelo autor Clive Cussler.

Comentários:
Antes de qualquer coisa não vá confundir esse filme com o clássico "Sahara" estrelado por Humphrey Bogart e dirigido por Zoltan Korda (filme esse que já comentamos inclusive no blog Cinema Clássico). Esse aqui tem outra proposta, enquanto o filme original era um filme tradicional de guerra, esse pende muito mais para as modernas aventuras ao estilo Indiana Jones. Olhando sob um ponto de vista ameno, diria que o resultado é até divertido. O curioso é que apesar do marketing agressivo não conseguiu se tornar um sucesso de bilheteria. Foi uma tentativa mal sucedida de transformar Matthew McConaughey em um herói de ação, interpretando uma espécie de genérico de Indiana Jones. Uma má ideia, vamos convir. Quem acompanhou o ator em "True Detective" e viu sua premiação na última noite do Oscar por seu belo trabalho em "Clube de Compras Dallas" sabe que é um grande desperdício de talento escalar ele para esse tipo de filme sem maiores pretensões. Agora, temos que reconhecer que a fita tem lá seus atrativos, principalmente pelas boas tomadas de ação e pela fotografia bonita - fruto da beleza natural do local onde tudo foi filmado. Não pegou, mas pelo menos não aborrece a quem se aventurar a assistir. Vale pela diversão.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 20 de junho de 2014

O Quarto do Pânico

Título no Brasil: O Quarto do Pânico
Título Original: Panic Room
Ano de Produção: 2002
País: Estados Unidos
Estúdio: Columbia Pictures
Direção: David Fincher
Roteiro: David Koepp
Elenco: Jodie Foster, Kristen Stewart, Forest Whitaker

Sinopse:
Meg Altman (Jodie Foster) vive confortavelmente e tranquilamente ao lado de sua filha Sarah (Kristen Stewart) numa bela casa na Califórnia. Sua rotina muda completamente quando a residência é subitamente invadida por três criminosos. Apavorada, ela e a filha logo correm para o chamado "quarto do pânico", um aposento fortemente protegido adaptado especialmente para esse tipo de situação de emergência. Filme indicado ao prêmio da Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films na categoria de Melhor Atriz (Jodie Foster).

Comentários:
O fato do filme ser dirigido por David Fincher leva muita gente a se decepcionar com esse "Panic Room", afinal de contas estamos falando de um cineasta que assinou verdadeiras obras primas como "Clube da Luta", por exemplo. Assim quando o filme chega ao fim o gosto de decepção fica no ar. Na realidade considero esse um dos mais despretensiosos trabalhos do diretor. Aqui ele quis apenas realizar um thriller de suspense e tensão da maneira mais eficiente possível. Não há exercícios de metalinguagem, inovações estéticas ou manipulação da linguagem cinematográfica. É apenas uma produção mais comercial, feita para ajudar no estrelismo de Jodie Foster e nada muito além disso. O segredo para gostar do filme é baixar as expectativas, esperar por um filme na média, com sustos e enredo envolvente, embora nada revolucionário ou algo parecido. E como brinde, para as fãs da saga "Crepúsculo", o filme ainda traz em seu elenco uma ainda muito jovem Kristen Stewart! Forest Whitaker também está lá, esse um ator que sempre achei muito subestimado pois o considero extremamente talentoso. Então é isso, não vá esperando mais uma obra prima de David Fincher que você certamente pelo menos se divertirá.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

O Fantasma da Ópera

Título no Brasil: O Fantasma da Ópera
Título Original: The Phantom of the Opera
Ano de Produção: 2004
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: Joel Schumacher
Roteiro: Joel Schumacher, Andrew Lloyd Webber
Elenco: Gerard Butler, Emmy Rossum, Patrick Wilson

Sinopse:
Uma jovem e talentosa cantora soprano se torna a obsessão de um gênio musical que vive escondido nos bastidores da Ópera de Paris após ter tido seu rosto desfigurado. Filme indicado ao Oscar nas categorias Melhor Direção de Arte, Melhor Fotografia e Melhor Música Original ("Learn To Be Lonely" de Andrew Lloyd Webber e Charles Hart). Indicado ao Globo de Ouro nas categorias de Melhor Atriz - comédia ou musical - para Emmy Rossum e Melhor Canção Original.

Comentários:
Muitos críticos não gostaram dessa nova versão do famoso romance "Le Fantôme de L'Opéra" de Gaston Leroux. Artificial, meloso, plástico e pop demais foram alguns dos adjetivos usados para definir o filme. Eu penso um pouco diferente. Em minha visão "O Fantasma da Ópera" é aquele tipo de texto que fica mais adequado mesmo ao mundo do teatro. Quando se transporta esse tipo de obra ao cinema sempre se estará perdendo parte de sua força original. A experiência teatral exige um nível de sofisticação e cumplicidade que nem sempre se encontra numa sala de cinema, principalmente se essa for do circuito comercial, com todas aquelas hordas de adolescentes comendo pipoca, tomando refrigerante e falando ao celular. Assim nesse caso o fato desse musical parecer pop demais nem vem tanto da direção de Joel Schumacher, mas sim do próprio meio em que foi lançado. Some-se a isso o fato de vermos Gerard Butler, o brucutu, se saindo muito bem em uma obra tão sensível como essa (quem diria?) e tudo vai parecer mesmo pop além do limite. Mas essa, repito, é uma visão equivocada. No geral se não é o melhor dos mundos pelo menos é digno. Serve como porta de entrada para outras versões, inclusive no teatro.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Ligeiramente Grávidos

Título no Brasil: Ligeiramente Grávidos
Título Original: Knocked Up
Ano de Produção: 2007
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures
Direção: Judd Apatow
Roteiro: Judd Apatow
Elenco: Seth Rogen, Katherine Heigl, Paul Rudd

Sinopse:
O filme narra a estória do casal improvável formado por Allison Scott (Katherine Heigl) e Ben Stone (Seth Rogen). Eles se conhecem de forma casual e após passarem uma noite juntos tudo parece terminar por ali mesmo. Afinal tudo não passara de uma aventura de uma noite apenas. Para surpresa de Allison porém ela fica grávida desse encontro fugaz, o que irá mudar completamente sua vida dali por diante.

Comentários:
Comédia romântica que fez bastante sucesso em seu lançamento. O roteiro brinca com as consequências indesejáveis de um mero encontro casual. Dois adultos resolvem passar a noite juntos e nada mais, só que ela fica grávida! Como agora levar em frente um relacionamento de duas pessoas tão diferentes? Allison (Katherine Heigl) é determinada, tem ambições de vida e deseja vencer na carreira. Ben (Rogen) é, em última análise, um "meninão", um sujeito que apesar da idade nunca cresceu de fato, preferindo passar o dia de bobeira, fumando maconha na frente da TV, rindo de programas estúpidos. Allison é loira e linda, Ben é um debochado fanfarrão, pouco preocupado em construir uma vida profissional ou algo parecido. Apesar do tema interessante, que enfoca casais incompátiveis que precisam viver juntos por circunstâncias alheias, o roteiro nunca avança muito na questão, preferindo se contentar em fazer humor sobre tudo o que acontece e das diferenças de personalidade dos personagens principais. Também é bastante ingênuo ao apostar que uma união assim daria certo (não se engane, na vida real isso jamais iria longe!). O que sobra no final das contas é a beleza da atriz Katherine Heigl e o estilo de humor grosseirão de Seth Rogen, que definitivamente não é para todos os públicos. 

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

A Firma

Título no Brasil: A Firma
Título Original: The Firm
Ano de Produção: 1993
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Sydney Pollack
Roteiro: David Rabe, baseado na obra de John Grisham 
Elenco: Tom Cruise, Jeanne Tripplehorn, Gene Hackman

Sinopse:
Mitch McDeere (Tom Cruise) é um jovem advogado que parece encontrar a grande chance de sua carreira, ao ser admitido em uma das melhores e mais conhecidas firmas de advocacia dos Estados Unidos. O que ele não desconfia é que tudo se trata de uma mera fachada para lavagem de dinheiro de criminosos internacionais. Após a morte de dois sócios da firma, McDeere precisa decidir o que irá fazer, cair fora do negócio, correndo o risco de ser morto também ou se tornar informante do FBI, algo que também não será muito fácil de realizar.

Comentários:
Cruise se une ao escritor de best sellers John Grisham e ao consagrado cineasta Sydney Pollack para levar o livro de sucesso aos cinemas. Interpretando um jovem advogado que se vê envolto numa teia de mentiras e conspirações, Tom Cruise conseguiu mais um êxito comercial em sua carreira. Embora tenha feito sucesso nas bilheterias, o filme também tem seus problemas - é frio e distante demais, não conseguindo criar um bom vínculo com o público. Por essa época Cruise ainda estava em busca de seu Oscar, mas não conseguiu arrancar uma indicação por seu trabalho que passou em brancas nuvens pela Academia. As duas únicas indicações do filme - Holly Hunter como melhor atriz coadjuvante e Dave Grusin na categoria Melhor Trilha Sonora Original - não foram consideradas favoritas aos prêmios e não trouxeram nenhuma estatueta ao filme. Situações como essa talvez explique o fato de Cruise ter desistido de concorrer ao prêmio de Melhor Ator no Oscar. Hoje em dia o astro está mais preocupado mesmo em garantir polpudas bilheterias e não mais reconhecimento da crítica. Seus trabalhos mais recentes são blockbusters realizados para gerar muito dinheiro, mas poucos elogios dos especialistas em cinema. Pelo visto o que realmente importa para Cruise hoje em dia é se manter como um nome quente e popular em Hollywood, deixando o reconhecimento por seu trabalho como algo de menor importância, em segundo plano. Curiosamente "A Firma" acabaria virando série de TV muitos anos depois, em 2012. Infelizmente o seriado não faria sucesso, sendo cancelado após a exibição de poucos episódios.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Invasores

Título no Brasil: Invasores
Título Original: The Invasion
Ano de Produção: 2007
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: Oliver Hirschbiegel
Roteiro: David Kajganich
Elenco: Nicole Kidman, Daniel Craig, Jeremy Northam

Sinopse:
Uma misteriosa epidemia começa a se espalhar sobre a Terra. A psiquiatra Carol (Nicole Kidman) começa então a trabalhar para descobrir a cura ao lado do colega Ben (Daniel Craig) após seu próprio filho ser infectado. O que afinal estará por trás desses misteriosos incidentes?

Comentários:
Apesar do bom elenco, do tema interessante (baseado na novela de Jack Finney), esse filme não consegue decolar em nenhum momento. De certa forma há uma indecisão sobre qual gênero ele pretende escolher. Em certos momentos há tensão, drama e o lado Sci-fi de todo o enredo fica envolto em uma neblina, nunca se mostrando completamente ao espectador. No meio de jogo de esconde esconde só o que sobra ao público é um ritmo arrastado, beirando o tédio completo. Para quem conhece a fundo os filmes de ficção dos anos 50 haverá ainda algo a gostar, já que o texto procura de certa maneira imitar aquelas antigas produções, mas isso é pouco. Nicole Kidman inclusive surge com um figurino que ficaria bem naquele tipo de ficção. Pena que embora esteja linda em cena também se mostra apagada (o seu personagem também não ajuda muito). Pior se sai Daniel Craig, o James Bond que praticamente entra mudo e sai calado. Em conclusão temos aqui um filme que poderia ser muito melhor caso cumprisse todo o seu potencial. Do jeito que ficou não convence e nem muito menos diverte.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

007 - Somente Para Seus Olhos

Título no Brasil: 007 - Somente Para Seus Olhos
Título Original: For Your Eyes Only
Ano de Produção: 1981
País: Estados Unidos
Estúdio: United Artists
Direção: John Glen
Roteiro: Richard Maibaum, Michael G. Wilson
Elenco: Roger Moore, Carole Bouquet, Topol

Sinopse:
Um embarcação da frota britânica afunda e com isso uma importante arma secreta desaparece de forma misteriosa. Para investigar o paradeiro dela o serviço de inteligência real envia o agente 007, James Bond (Roger Moore), para dar solução a todo o mistério, pois caso a arma caia em mãos inimigas o mundo correrá um grande risco. Filme indicado ao Oscar e ao Globo de Ouro na categoria Melhor Canção Original (Bill Conti e Michael Leeson pela música "For Your Eyes Only").

Comentários:
Sexto filme de Roger Moore na pele de James Bond. O ator segurou as pontas por duas décadas, de 1973 (quando realizou o primeiro filme com o personagem em "Com 007 Viva e Deixe Morrer") até 1985 (quando se despediu de Bond em "007 - Na Mira dos Assassinos"). Esse "007 - Somente Para Seus Olhos" seria seu antepenúltimo filme como o mais famoso agente inglês do cinema. Por essa época os produtores já se movimentavam para dar um novo fôlego para as aventuras de 007. Roger Moore já estava ficando velho para o papel e seu estilo, mais escrachado, quase indo para a galhorfa completa, estava minando a credibilidade do personagem como herói de ação. Revisto hoje em dia muito dos filmes de Moore se tornam anacrônicos, datados, pouco atrativos, justamente por trilhar muitas vezes o caminho da auto-paródia. Claro que Roger Moore foi importante dentro da franquia, principalmente após Sean Connery decidir abandonar os filmes de Bond, mas também trouxe um certo desgaste para a série de uma forma em geral. Não gosto muito desse filme em particular pois acho que teve uma das mais fracas produções, embora algumas cenas - como a perseguição na neve e o ataque de tubarões - tenham algum valor. A música tema também é bonita, embora ande esquecida. Em suma, um Bond de rotina na era de Roger Moore.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Alien vs. Predador

Título no Brasil: Alien vs. Predador
Título Original: AVP Alien vs. Predator
Ano de Produção: 2004
País: Estados Unidos
Estúdio: Twentieth Century Fox
Direção: Paul W.S. Anderson
Roteiro: Dan O'Bannon, Ronald Shusett
Elenco: Sanaa Lathan, Lance Henriksen, Raoul Bova

Sinopse:
A fria e distante Antártida se torna palco do conflito entre um grupo de predadores e Aliens que começam a ser caçados de forma impiedosa. Um grupo de cientistas que estão na região realizando pesquisas científicas acabam ficando no meio do campo de batalha, sem saber exatamente do que se trata. Filme indicado ao Framboesa de Ouro na categoria "Pior Remake ou Sequência".

Comentários:
Ao custo de 60 milhões de dólares a Fox resolveu arriscar ao unir duas franquias de sucesso que pareciam enterradas comercialmente pela indústria. Os executivos apostavam que a simples menção ao nome de Aliens e Predador no cartaz já iria garantir um retorno de bilheteria certo. Até porque um filme chamado "AVP Alien vs. Predator" certamente chamaria a atenção dos fãs do universo Sci-fi. Nem que fosse pela curiosidade muitos iriam aos cinemas ao menos para ver no que aquilo iria dar. Claro que em termos de resultados cinematográficos essa nova franquia sequer poderia ser comparada aos bons filmes das séries originais (alguns inclusive são considerados verdadeiros clássicos). O elenco era praticamente formado por jovens desconhecidos (com exceção de Lance Henriksen) e a produção bem mais modesta. A direção foi entregue ao cineasta inglês Paul W.S. Anderson de "Resident Evil: O Hóspede Maldito", "O Soldado do Futuro", "O Enigma do Horizonte" e "Mortal Kombat". Pelos filmes já dava para entender que ele sabia transitar por esse universo. O problema é que realmente não há muito o que contar em termos de roteiro. O enredo é trivial e tudo não passa de um duelo entre as duas raças de alienígenas aqui na Terra. De certa maneira retoma o espírito de algumas histórias em quadrinhos onde personagens famosos também vão para o quebra pau para ver quem seria mais poderoso! No geral é apenas isso que acontece durante todo o filme. Curiosamente a fita faria sucesso suficiente para gerar uma continuação, mas essa bem inferior, alguns anos depois.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

A Última Ameaça

Título no Brasil: A Última Ameaça
Título Original: Broken Arrow
Ano de Produção: 1996
País: Estados Unidos
Estúdio: Twentieth Century Fox
Direção: John Woo
Roteiro: Graham Yost
Elenco: John Travolta, Christian Slater, Samantha Mathis

Sinopse:
"Broken Arrow" é o termo técnico usado pelas forças armadas americanas quando algum armamento nuclear é perdido ou roubado. E é justamente isso que acontece quando um piloto da US Air Force, Vic Deakins (John Travolta), resolve fazer para ficar milionário. Ele pretende pousar sua aeronave em uma região deserta para vender a terroristas internacionais os dois mísseis nucleares que seu bombardeio carrega. O problema será passar por seu co-piloto, Riley Hale (Christian Slater), que fará de tudo para não deixar essa traição se consumar.

Comentários:
Como filme de ação é de fato um produto muito competente, com ótimas sequências e um ritmo que não deixa o espectador ficar entediado. Nesse aspecto o cineasta John Woo merece todos os elogios, afinal Hollywood o trouxe nos anos 1990 justamente para que ele revitalizasse o cansado gênero dos filmes de ação americanos que já se mostravam bem saturados por essa época. O roteiro também é bom, tem uma premissa muito interessante e até bem bolada. O problema central de "Broken Arrow" vem realmente da escolha do elenco. John Travolta estão tão canastrão em suas cenas que chega ao ponto de ser constrangedor. Imagine encarar um ator como esse, mais adequado a musicais e comédias românticas, tentando bancar o malvadão! O próprio Travolta aliás dá muitas pistas que simplesmente não está levando nada a sério, principalmente ao optar por uma caracterização exagerada, fazendo caras e bocas que mais parecem ter sido copiadas de desenhos animados. Enfim, veja pelo talento de John Woo e tente (se possível) ignorar as patetadas do Travolta.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 17 de junho de 2014

Splash - Uma Sereia em Minha Vida

Título no Brasil: Splash - Uma Sereia em Minha Vida
Título Original: Splash
Ano de Produção: 1984
País: Estados Unidos
Estúdio: Touchstone Pictures
Direção: Ron Howard
Roteiro: Brian Grazer, Bruce Jay Friedman
Elenco: Tom Hanks, Daryl Hannah, Eugene Levy, John Candy 

Sinopse:
Allen Bauer (Tom Hanks) é um cara comum que vai levando sua vida até o dia em que encontra uma garota muito especial, Madison (Daryl Hannah). Ela certamente não se parece com as outras mulheres e isso é fácil de entender, Madison na verdade não é uma humana mas sim uma sereia! Quando era criança Allen havia sido salvo no mar por uma sereia mas com o passar dos anos se convenceu que tudo aquilo não passava de um sonho - que agora está prestes a se tornar realidade novamente.

Comentários:
Bom, todo mundo precisa começar a carreira de algum jeito. Com Tom Hanks foi com essa comédia muito simples chamada "Splash - Uma Sereia em Minha Vida". Se fosse depender do mercado de cinema ele certamente estaria em apuros já que o filme não fez qualquer sucesso nas bilheterias mas... o mercado de vídeo estava nascendo nos Estados Unidos e assim a fita VHS de "Splash" logo se tornou um dos primeiros sucessos de vendas nesse novo nicho de consumo. É a tal coisa, nem sempre o que não funcionava no cinema poderia ser descartado nas locadoras pois era certamente o tipo de diversão descompromissada que agradaria toda a família em sua própria casa. A produção é da Touchstone Pictures, que pertence aos estúdios Disney. Assim nada acontece de muito sério em cena, ficando tudo ali na comédia inofensiva, ao estilo pueril. O roteiro é fraquinho mas o elenco, esse sim carismático, segura as pontas perfeitamente. Hanks, jovem e disposto a vencer no mundo dos filmes, se empenha ao máximo para agradar mas quem acaba roubando a cena mesmo é a sereia Madison (Daryl Hannah). Ela viraria símbolo sexual e estamparia as capas de revistas por causa de seu longo e conturbado namoro com o filho de JFK. Até o bom comediante John Candy faz uma pontinha. Então é isso, tem curiosidade para ver como as pessoas se divertiam em casa com seus video cassetes durante os anos 80? Eis aí "Splash" para você sanar suas dúvidas.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

The Beatles - Paperback Writer / Rain

Em maio de 1966 os Beatles colocaram no mercado seu novo single. Logo de cara a estranha sonoridade e as letras inovadoras chamaram a atenção da crítica. "Rain", por exemplo, trazia uma nova técnica que andava fazendo a cabeça de John Lennon na época, a reversão sonora, onde tapes eram rodados ao contrário, criando um tipo de som que nas palavras de Lennon lembravam "a voz de um velho cacique americano, um índio antigo". O curioso é que tudo havia acontecido ao acaso. John chegou tarde de uma sessão de gravação e colocou a fita para rodar com as sessões do dia mas como estava muito cansado colocou a fita na posição errada e quando o som começou a sair (ao contrário) ele ficou fascinado com o que ouvia! A letra, escrita exclusivamente por John Lennon era ao estilo Dylan, onde ele procurava com jogos de palavras, falar algo com mais profundidade, em aparentes temas banais, como a chuva, por exemplo.

Se "Rain" era filha do estilo ácido de Lennon, "Paperback Writer" era uma criação quase que exclusivamente de Paul. A ideia da música também surgiu ao acaso quando Paul resolveu ler algumas das centenas de milhares de cartas que lhe eram enviadas todos os dias. Entre elas havia uma interessante, a de um jovem escritor que pedia por uma oportunidade a Paul, embora ele não fosse um editor de livros. McCartney assim pensou que dali poderia surgir música - por que não? Depois de escrever os primeiros rabiscos levou a música para que Lennon desse os retoques finais. O resultado é, mais uma vez, fabuloso! A letra, por sugestão de John, também seguia o estilo Dylan de ser - os Beatles por essa época estavam bem influenciadas pela obra de Bob Dylan, apesar de John ter afirmado que o achava "muito paranoico" para se cultivar uma amizade. Como "Paperback Writer" tinha mais vocação para as rádios acabou fazendo muito mais sucesso do que a exótica "Rain". De uma forma ou outra o single, com dois lados bem distintos entre Paul e John, mostrava muito bem que a simbiose entre os dois é que fazia o segredo da genialidade dos Beatles. Duvida disso? Ora, coloque o single para tocar e tire suas próprias conclusões.

Paperback Writer (Lennon / McCartney) - Paper back writer (paperback writer) / Dear Sir or Madam, will you read my book? / It took me years to write, will you take a look? / It's based on a novel by a man named Lear / And I need a job, so I want to be a paperback writer, / Paperback writer. / It's a dirty story of a dirty man / And his clinging wife doesn't understand. / Their son is working for the Daily Mail, / It's a steady job but he wants to be a paperback writer, / Paperback writer. / Paperback writer (paperback writer) / It's a thousand pages, give or take a few, / I'll be writing more in a week or two. / I can make it longer if you like the style, / I can change it round and I want to be a paperback writer, / Paperback writer. / If you really like it you can have the rights, / It could make a million for you overnight. / If you must return it, you can send it here / But I need a break and I want to be a paperback writer, / Paperback writer. / Paperback writer (paperback writer) / Paperback writer - paperback writer / Paperback writer - paperback writer.

Rain (Lennon / McCartney) - When the rain comes they run and hide their heads / They might as well be dead / When the rain comes, when the rain comes / When the sun shines they slip into the shade / (When the sun shines) / And sip their lemonade / (When the sun shines) / When the sun shines, when the sun shines / Rain, I don't mind / Shine, the weather's fine / I can show you that when it starts to rain, / (When the Rain comes) / Everything's the same / (When the Rain comes) / I can show you, I can show you / Rain, I don't mind / Shine, the weather's fine / Can you hear me, that when it rains and shines, / (When it Rains and shines.) / It's just a state of mind? / (When it rains and shines.) / Can you hear me, can you hear me? / (Illegible words played backwards) / (Rain) / (Rain) / Hare Krishna.

Pablo Aluísio e Erick Steve.

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Voando Alto

Título no Brasil: Voando Alto
Título Original: View from the Top
Ano de Produção: 2003
País: Estados Unidos
Estúdio: Miramax Films
Direção: Bruno Barreto
Roteiro: Eric Wald
Elenco: Gwyneth Paltrow, Christina Applegate, Kelly Preston

Sinopse:
O sonho de Donna Jensen (Gwyneth Paltrow) é se tornar comissária de bordo pois ela entende que essa é a melhor profissão do mundo, muito glamourosa e chic, cruzando os céus do mundo, conhecendo inúmeros países e tudo mais. Para isso ela decide reunir todos os esforços para se tornar uma aeromoça bem sucedida, mas assim que entra na escola de formação começa a conhecer as dificuldades da função, entre elas ter que conviver com concorrentes que jogam sujo como Christine (Christina Applegate).

Comentários:
Uma tentativa de transformar Gwyneth Paltrow em uma estrela pop. Só que não deu certo. Na verdade esse filme dirigido pelo brasileiro Bruno Barreto é muito frio, gélido e sem emoção. Parece uma balinha de drops daquelas refrescantes que você chupa e depois gospe fora. Não alimenta, não é nutritivo do ponto de vista cultural, não é nada no final das contas. Aliás me admira muito que a Miramax, que sempre primou por filmes relevantes e pertinentes, tenha produzido uma bobeirinha desse quilate. O roteiro é tão destituído de carga dramática que o bocejo logo se impõe. A única coisa boa que leva o espectador (pelo menos o espectador masculino hetero) a segurar as pontas até o final é o trio de lindas (e loiras) atrizes. Não acho a Gwyneth Paltrow muito sexy mas a Kelly Preston sem dúvida é uma beldade (pena que seja casada com o dúbio Travolta). A Christina Applegate obviamente já teve dias melhores quando era adolescente e linda na sitcom de bobagens "Um Amor de Família". Hoje em dia ainda é uma mulher interessante mas os anos de beleza estonteante ficaram para trás. Em suma, aqui temos realmente uma comédia de costumes inofensiva.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 15 de junho de 2014

RoboCop

Título no Brasil: RoboCop
Título Original: RoboCop
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Metro-Goldwyn-Mayer (MGM), Columbia Pictures
Direção: José Padilha
Roteiro: Joshua Zetumer, Edward Neumeier
Elenco: Joel Kinnaman, Gary Oldman, Michael Keaton

Sinopse:
Alex Murphy (Joel Kinnaman) é um policial que cumpre muito bem suas funções, tanto que acaba descobrindo um jogo sujo envolvendo tiras como ele. Antes que denuncie o esquema acaba sofrendo um atentado a bomba que deixa seu corpo destroçado. Isso acaba se tornando uma ótima oportunidade para que um projeto de unir homem e máquina em prol da lei seja revitalizado, surgindo daí RoboCop, o modelo ideal do policial do futuro.

Comentários:
Remakes via de regra são bem desnecessários, a não ser que o material original dê margem para uma nova releitura, mais atualizada e moderna. O primeiro filme com o policial do futuro soava muito interessante na década de 80. Era um filme de ficção policial que não se resumia a apresentar a mais pura ação descerebrada, pois tinha um interessante argumento por trás (a mudança da estrutura estatal da segurança pública para o mundo corporativo). "RoboCop" assim seria a materialização da transformação pelo qual a sociedade passava na época (inclusive sob o ponto de vista tecnológico). Até hoje é considerado um bom filme, muito coeso e bem realizado. Então chegamos a esse novo remake. Houve mesmo alguma necessidade em realizar essa obra? Sinceramente depois de assistir cheguei na conclusão que não! O cineasta José Padilha é sem dúvida talentoso, basta lembrar de "Tropa de Elite", mas aqui ele foi controlado completamente pela máquina industrial do cinema americano. No fundo não há nada de autoral nessa revisão. Ora, se o novo RoboCop não traz maiores novidades (o roteiro segue praticamente o mesmo, sem traços do diretor em seu conceito) para que refazer o que já tinha ficado tão bom? No papel principal de Alex Murphy temos o ator Joel Kinnaman, que interpreta o policial noiado da boa série "The Killing". Se não surpreende, pelo menos não atrapalha. Sua atuação é uma das poucas novidades dignas de nota. Assim chegamos na conclusão que o novo "RoboCop" não tinha mesmo razão para existir.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

O Senhor dos Anéis - O Retorno do Rei

Título no Brasil: O Senhor dos Anéis - O Retorno do Rei
Título Original: The Lord of the Rings - The Return of the King
Ano de Produção: 2003
País: Estados Unidos
Estúdio: New Line Cinema
Direção: Peter Jackson
Roteiro: Fran Walsh, baseado na obra de J.R.R. Tolkien
Elenco: Elijah Wood, Viggo Mortensen, Ian McKellen, Cate Blanchett,Orlando Bloom, Sean Astin, Sean Bean, Christopher Lee 

Sinopse:
Sauron (Sala Baker) está decidido a se apoderar do anel que lhe dará imensos poderes. Para isso envia o mago Saruman (Christopher Lee) para capturar Frodo (Elijah Wood), Sam (Sean Astin) e os demais hobbits que estão em posse da preciosidade. Enquando isso Gandalf (Ian McKellen) lidera as forças do bem. Filme vencedor de onze prêmios da Academia nas categorias Melhor Filme, Melhor Direção, Melhor Roteiro, Melhor Edição, Melhor Direção de Arte, Melhor Figurino, Melhor Maquiagem, Melhor Música Original, Melhor Mixagem de Som e Melhores Efeitos Especiais. Vencedor do Globo de Ouro nas categorias de Melhor Direção, Música Original e Roteiro.

Comentários:
É o mais bem sucedido filme da franquia "The Lord of the Rings". Também foi o mais premiado, muito embora pessoalmente acredite que o filme foi tão homenageado por ser a conclusão da série (valendo como uma premiação pelo conjunto da obra). Penso que "O Senhor dos Anéis - As Duas Torres" ainda deve ser considerado o melhor filme, isso de um ponto de vista estritamente cinematográfico. O roteiro é melhor trabalhado e a trama tem um desenvolvimento mais bem escrito. Nessa conclusão há uma certa confusão em apresentar tantas estórias paralelas ao mesmo tempo - fruto, é claro, da complexidade da obra original de J.R.R. Tolkien. Depois do lançamento do filme houve boatos de que Peter Jackson teve muitos problemas com o roteiro no set de filmagem, sendo que muitas partes eram reescritas praticamente no calor das filmagens, o que demonstra uma certa preocupação em encaixar tudo no último filme, o que sinceramente o deixou levemente truncado. Quem nunca leu o livro, por exemplo, ficará um pouco perdido com tantos povos, culturas e batalhas acontecendo praticamente ao mesmo tempo. Talvez fosse melhor que mais um filme fosse realizado para caber tanta informação para o espectador. De qualquer maneira como foi o que mais rendeu nas bilheterias e o mais bem sucedido em termos de reconhecimento, isso tudo se torna apenas uma observação jogada ao vento, pois se trata mesmo de um belo filme, embora não seja perfeito.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.