sábado, 30 de abril de 2016

A Teoria de Tudo (2014)

Título no Brasil: A Teoria de Tudo
Título Original: The Theory of Everything
Ano de Produção: 2014
País: Inglaterra
Estúdio: Working Title Films
Direção: James Marsh
Roteiro: Anthony McCarten
Elenco: Eddie Redmayne, Felicity Jones, Tom Prior
  
Sinopse:
Ao entrar numa das melhores universidades da Inglaterra o jovem Stephen Hawking (Eddie Redmayne) pensa que está indo no caminho certo em sua vida. Ele prevê uma brilhante carreira acadêmica em seu futuro. Para completar seu quadro de felicidade Hawking também encontra o amor na presença de Jane (Felicity Jones). Dono de uma inteligência única Hawking só não contava desenvolver os primeiros sintomas de uma série doença que o deixaria preso a uma cadeira de rodas pelo resto de sua vida. Filme premiado no Oscar e no Globo de Ouro na categoria de Melhor Ator (Eddie Redmayne).

Comentários:
Esse filme teve seu roteiro escrito a partir do livro de memórias de Jane Hawking, esposa de Stephen. Assim o espectador acaba tendo uma visão muito íntima e familiar da história desse brilhante cientista, o mundialmente conhecido Stephen Hawking. O olhar feminino de tudo o que acontece serve não apenas para mostrar o aspecto mais humano de Hawking como também desvendar sua própria história de superação. Fica óbvio desde o começo do filme que o ator que viesse a interpretar o protagonista teria que ter uma incrível capacidade não apenas dramática, mas também física. Nesse aspecto Eddie Redmayne realmente brilha em cena. Ele está perfeito em sua caracterização. Embora seja cedo ainda para tal afirmação temos que reconhecer que esse seja muito provavelmente o filme de sua vida, aquele pelo qual ficará marcado para sempre. Outro ponto positivo além das atuações vem do próprio roteiro e direção da fita. Não há espaço para sensacionalismo ou exploração da deficiência física que se abateu sobre Hawking. Ao invés disso o filme lida tudo até mesmo com uma fria neutralidade, o que é muito bem-vindo já que o aspecto mais importante da história desse físico nem é tanto sua história pessoal, seus dramas, mas sim sua obra, essa realmente insuperável até os dias atuais. Uma lição de obra e vida para todos.

Pablo Aluísio.

Elvis nos Anos 70

Elvis nos Anos 70
Os arranjos das músicas de Elvis nos anos 70, principalmente aqueles que ele utilizava em seus shows de palco em Las Vegas, foram produzidas por maestros e músicos que nunca tiveram tradição no estilo anterior de Elvis, dos anos 50 e 60. Era pessoal da tradição de Frank Sinatra e Tommy Dorsey. Eles colocaram todos aqueles naipes de metais, coisa que era inteiramente anacrônica na música de Elvis Presley até aquele momento. No final das contas eles não se adaptaram a Elvis, mas o contrário, Elvis é que se adaptou ao estilo deles. Os arranjos à La Sinatra conferem um sabor nostálgico e saudosista ao som de Elvis nos seus anos finais. Com poucas exceções não havia esse tipo de arranjo na música de Elvis até aquele ponto.

É importante também lembrar da influência da Motown de Berry Gordin na música de Elvis. Esse processo começou em 1969 nas sessões do American, mas se acelerou a partir nos anos 70. Além de apresentar músicas dessa conhecida gravadora negra americana, Elvis ainda acrescentou outra coisa inédita em seus discos: um acompanhamento feminino no melhor estilo Supremes. Estou me referindo ao grupo Sweet Inspirations, é claro. Não havia esse tipo de coisa na música de Elvis do passado, se me lembro e muito as únicas participações em coro feminino de Elvis nos anos anteriores se resumia a participações da Mila Kirkham e nada mais. Os grupos vocais no passado de Elvis eram todos ao estilo mais gospel, como os Jordanaires. Acrescentar Motown, símbolo da música negra americana dos anos 60 em seus próprios discos, é sem dúvida tomar uma atitude saudosista e nostálgica.

O Uso imoderado de grupos vocais gospel de apoio também é uma atitude de quem estava mesmo voltado para o passado e não para o futuro. É bom lembrar que de certa forma o gospel apreciado por Elvis era aquele dos anos 50, começo da década de 1960, coisa simples de se constatar ao tomar conhecimento dos conjuntos que estavam ao lado de Elvis em sua última década: JD Summer por exemplo e até o Voice, mesmo sendo um grupo novo, não deixavam nunca o velho repertório para trás. Usar músicas e canções gospel estilo anos 50 e 60 é uma atitude nostálgica e pouco atualizada. Em poucas palavras: nostalgia pura.

O mais evidente retorno para os standarts musicais. O uso excessivo de suas antigas músicas ou de canções clássicas do passado. As músicas de trabalho dos discos finais de Elvis quase todas eram antigas: Unchained Melody, Promised Land, Hurt, You´ve Lost That Lovin Feeling, My Way, são as músicas que ele se utilizava em seus shows para promover seus discos recentes. Mesmo que houvesse material inédito nos discos de estúdio a postura de Elvis ao apresentar essas músicas como as de trabalho, as que divulgavam seus discos perante seus fãs, afastava qualquer dúvida de como ele dirigia sua imagem nos anos 70. É um fato de certeza que ele se posicionara definitivamente como um ídolo fundado no passado. Na minha concepção não há dúvida que Elvis tinha uma imagem completamente voltada para a nostalgia de sua geração em seus derradeiros anos.

Pablo Aluísio.

Chocolate

Título no Brasil: Chocolate
Título Original: Chocolat
Ano de Produção: 2000
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: Miramax
Direção: Lasse Hallström
Roteiro: Robert Nelson Jacobs, baseado no romance de Joanne Harris
Elenco: Juliette Binoche, Johnny Depp, Judi Dench, Alfred Molina, Carrie-Anne Moss
  
Sinopse:
Vianne Rocher (Juliette Binoche) resolve abrir uma pequena loja de doces numa cidadezinha do interior da França. Para sua surpresa a sua presença e seu modo de vida acaba chocando os padrões morais da comunidade. Filme indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Filme, Melhor Atriz (Juliette Binoche), Melhor Atriz Coadjuvante (Judi Dench), Melhor Roteiro Adaptado e Melhor Música (Rachel Portman). Indicado ao Globo de Ouro em quatro categorias, entre elas a de Melhor Filme - Comédia ou Musical.

Comentários:
Nunca considerei um grande filme. Na verdade era um típico filme da Miramax na época. E o que isso exatamente significava? Bom, basicamente uma produção com jeitão de filme europeu, roteiro que se propunha a ser cult, mas tudo embalado com um rótulo mais comercial. Não é um produto autêntico ou original, mas uma imitação para consumo popular do americano médio. Um dos problemas desse filme é que seu enredo não vai para lugar nenhum. Depp obviamente deve ter adorado seu personagem, meio cigano, meio andarilho, que nos remete ao velho ideal do herói romântico sem passado e sem destino pela frente. O que vale realmente a pena nessa produção meio fake é o elenco - cheio de atores e atrizes talentosos - e os belos cenários naturais pois o filme foi rodado numa região bem bucólica da França. Aquelas pequenas comunidades, algumas delas fundadas na Idade Média, ainda mantém um charme irresistível, ainda mais para quem adora história em geral. Então é isso, o filme é bonito, mas um pouco vazio. Vale conhecer uma vez e é só.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Brooklyn

Título no Brasil: Brooklyn
Título Original: Brooklyn
Ano de Produção: 2015
País: Inglaterra, Canadá, Irlanda
Estúdio: BBC Films
Direção: John Crowley
Roteiro: Nick Hornby, baseado no romance de Colm Tóibín
Elenco: Saoirse Ronan, Emory Cohen, Domhnall Gleeson, Fiona Glascott
  
Sinopse:
Durante a década de 1950, uma jovem irlandesa chamada Eilis (Saoirse Ronan) decide emigrar para os Estados Unidos. Com documentos e ajuda de seu padre ela segue viagem rumo a Nova Iorque. Deixa sua mãe e sua irmã na Irlanda em busca de trabalho e um novo recomeço na vida. Na grande cidade americana vai morar no bairro do Brooklyn, onde finalmente as coisas começam a dar certo em sua vida. Ela arranja emprego numa loja de departamentos, começa a estudar no período da noite para se formar em contabilidade e de quebra conhece um rapaz italiano que poderá se tornar o homem de sua vida. Filme indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Filme, Melhor Atriz (Saoirse Ronan) e Melhor Roteiro Adaptado (Nick Hornby). Também indicado ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Atriz - Drama (Saoirse Ronan). Vencedor do BAFTA Awards na categoria de Melhor Filme Britânico.

Comentários:
Mais um excelente filme inglês contando a história de uma jovem mulher irlandesa que emigra para a América em busca do sonho americano. Na Irlanda seus horizontes são limitados. No máximo ela conseguiria um pequeno emprego em lojas comerciais locais. Por isso, sem maiores perspectivas de vida, ela resolve seguir o caminho de milhares de compatriotas que resolveram trocar a Irlanda natal pelas oportunidades de vida nos Estados Unidos. Ela vai sozinha, apenas com o apoio de um padre em Nova Iorque que lhe promete ajudar na nova cidade. Para sua sorte arranja um emprego e começa a caminhar no rumo certo. Ela se matricula em uma escola noturna e finalmente os horizontes começam a se abrir. O mais importante desse roteiro é que ele constrói um excelente filme em torno de um enredo aparentemente bem simples, tendo como protagonista uma pessoa normal. Com isso certamente criou uma identidade muito grande com aqueles que fizeram o mesmo que a personagem principal, saíram de seus países em busca de uma nova vida. A comunidade irlandesa de Nova Iorque é obviamente a mais celebrada no enredo nesse aspecto, mas bem poderia ser os italianos, latinos, etc. As etnias e nacionalidades são diferentes, mas os sonhos sempre são os mesmos. Com várias indicações merecidas em diversos premiações de cinema, a atriz Saoirse Ronan brilha em sua atuação, que é marcada pela singeleza, pela simplicidade. Sua personagem é uma jovem tímida que aos poucos vai tentando entrar no ritmo da vida da sociedade americana. Morando numa pensão, se tornando uma típica garota da classe trabalhadora, ela vai subindo devagarinho os degraus de sua realização pessoal. Isso incluiu se formar, arranjar um emprego melhor e se casar com um bom homem. Saoirse Ronan é também filha de uma família de imigrantes irlandeses. Embora nascida nos Estados Unidos ela teve muita facilidade em trazer para a tela a história e a cultura de seu povo, uma vez que isso é parte de sua vida. A primeira vez que ela me chamou a atenção foi em "Desejo e Reparação", só que naquele filme ela era apenas uma garotinha de 13 anos de idade. Agora, já adulta e transformada numa bela mulher, ela realiza aquela que talvez seja a grande atuação de sua carreira. Um ótimo desempenho que merecia até mesmo o Oscar. Assim deixamos a dica desse excelente drama que traz de tudo um pouco, romance, história e até mesmo sonhos, em grande quantidade e para todos os gostos.

Pablo Aluísio e Thaís Albuquerque.

Elvis Presley - Back in Memphis - Parte 11

Música: Without Love (There is Nothing)
Compositor: Danny Small
Álbum: Back in Memphis / From Memphis to Vegas – From Vegas to Memphis
Data de Gravação: 22 de janeiro de 1969
Local de Gravação: American Sound Studios, Memphis, Tennessee
Produtor: Chips Moman, Felton Jarvis
Músicos: Elvis Presley (vocais) / Reggie Young (guitarra) / Tommy Cogbill (baixo) / Gene Chrisman (bateria) / Bobby Wood (piano) / Bobby Emons (orgão) / John Hughey (Steel Guitar).

Comentários:
Essa é uma velha canção dos anos 50. Ela foi gravada inicialmente por Clyde McPhatter, um cantor negro de R&B e soul em 1957. O single se destacou nas paradas conseguindo uma ótima nona posição entre os mais vendidos na lista Billboard Hot 100, a mais importante da indústria americana. Anos depois o guitarrista Scotty Moore afirmaria que essa música vinha sendo ensaiada por Elvis desde os tempos da Sun Records. Ele tentava gravar, mas por uma razão ou outra isso nunca acontecia. Moore provavelmente se enganou, pois o single original dela só foi lançada em 1957, quando Elvis já estava na RCA Victor. Por essa razão ele nunca chegou a ensaiá-la nos tempos da Sun Records simplesmente porque ela ainda não existia naquela época. É certo que o guitarrista confundiu datas, gravadoras e sessões de gravação, algo esperado de uma pessoa de sua idade. De qualquer forma o mais importante nessa informação é o fato de que Elvis vinha planejando gravá-la há muito tempo, algo que ele conseguiu concretizar no American Studios.

Essa canção foi a escolhida para fechar o disco. É uma faixa triste, com acompanhamento melancólico. Sua introdução conta apenas com um dueto entre a voz de Elvis e piano. Depois sutilmente entra o coro vocal feminino, tudo culminando em uma explosão de sentimentos no refrão que é claro em sua mensagem: "Sem Amor (Não existe Nada)". O curioso é que sem saber disso Elvis a gravou em um momento em que dois outros grandes astros a registravam também em estúdio, com suas respectivas versões. A primeira a sair foi a de Ray Charles. Três meses depois outro single com a mesma música chegava nas lojas, dessa vez na voz de Tom Jones. Com isso as chances comerciais da versão de Elvis ficaram nulas. Certamente uma terceira versão em poucos meses não chamaria mais a atenção do público. A RCA prevendo isso a colocou discretamente fechando ambos os álbuns ( Back in Memphis e From Memphis to Vegas – From Vegas to Memphis). Foi uma boa escolha pois o clima da melodia se adequava perfeitamente com a proposta dos discos em questão.

Pablo Aluísio.

Madonna - Madonna (1983)

Madonna - Madonna (1983)
Esse foi o primeiro disco de Madonna. Ela era uma aposta da Warner para vencer no concorrido mercado pop que naquela época começava a ganhar destaque nas paradas de sucesso. O rock já demonstrava sinais de saturação e com o advento do Heavy Metal ganhava ares de nicho muito específico. As gravadoras por sua vez queriam algo mais genérico e a Pop Music se mostrava muito adequada para isso. Madonna assim foi ao mercado com o firme objetivo de fazer muito sucesso e vender muitos discos. Com uma pose de jovem rebelde sem freios logo conquistou uma legião de fãs, principalmente entre as adolescentes dos anos 80. Usando um figurino próprio e exótico a cantora praticamente criou a imagem da cantora pop que iria ser imitada à exaustão nos anos seguintes.

Ao ouvir novamente esse álbum logo descobrimos que dentre todos os gêneros musicais o Pop seja talvez o que tenha a data de validade mais fugaz. Praticamente todas as faixas soam hoje em dia completamente datadas, com arranjos ultrapassados, cheios de sintetizadores que não fazem mais o menor sentido. Mesmo assim para quem foi jovem naquela época o disco ainda funcionará com um belo retrato nostálgico dos 80´s, embora não consiga ser muito mais além disso.

Entre as faixas destacaria "Lucky Star" que tinha um clip bem básico, com Madonna e dois bailarinos com um fundo branco atrás. Nada mais do que isso, apenas dança e o vocal da cantora, sem "estorinhas" a serem contadas. Destaque para o figurino dela. Que cabelo era aquele?! Mas enfim... um típico produto de divulgação da Warner em uma fase pré surgimento da MTV. Como ela ainda não era uma estrela o orçamento desse primeiro clip foi bem econômico. Já o grande hit do disco, "Bordeline", ganhou um clip bem mais elaborado. Ela já havia conquistado a confiança da gravadora com algumas milhares de cópias vendidas.

Como era praxe naquela década o enredo é bem bobinho. Madonna no clip interpreta uma garota em duas fases de sua vida, como modelo (onde as cenas aparecem em um preto e branco estilizado, com glamour e cenários bem elaborados) e como uma garota normal, de Los Angeles, que acaba levando o fora de seu crush, um latino de periferia. A letra não é sobre pessoas que sofrem de síndrome de personalidade bordeline, como alguns chegaram a dizer, mas apenas sobre os sentimentos de uma garota cansada de tantos joguinhos com o namorado, vivendo no limite. Nada de desvios psicológicos, é bom salientar. Então é basicamente isso. Um bom LP para a época, com uma Madonna ainda em formação. A grande estrela só iria surgir mesmo pra valer no disco seguinte, esse sim um fenômeno de vendas em todo o mundo.

Título Original: Madonna
Artista: Madonna
Ano de Produção: 1983
País: Estados Unidos
Estúdio / Selo: Warner Bros
Produção: Reggie Lucas, John Benitez
Músicos: Madonna, Mark Kamins, Lucas Lucas
Faixas: Lucky Star / Borderline / Burning Up / I Know It / Holiday / Think of Me / Physical Attraction / Everybody.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Loucas por Amor, Viciadas em Dinheiro

Título no Brasil: Loucas por Amor, Viciadas em Dinheiro
Título Original: Mad Money
Ano de Produção: 2008
País: Estados Unidos
Estúdio: Big City Pictures, Granada Entertainment
Direção: Callie Khouri
Roteiro: Glenn Gers, John Mister
Elenco: Diane Keaton, Queen Latifah, Katie Holmes

Sinopse:
Bridget Cardigan (Diane Keaton) é surpreendida ao saber que está prestes a perder sua confortável vida e casa, quando seu marido é demitido. Ela sai, então, em busca de um emprego. Após ter ficado anos sem trabalhar, ela consegue uma vaga no banco da reserva federal americana. Aos poucos, descobre que tem muito em comum com suas novas companheiras de trabalho.

Comentários:
Definitivamente não deu muito certo esse "Mad Money". A ideia era fazer uma comédia sobre três mulheres que resolvem fazer uma loucura para finalmente mudarem suas vidas de uma vez por todas. Obviamente o marketing da produção se apoiava completamente na presença de Katie Holmes, que de estrelinha de TV passou a celebridade por causa de seu casamento com o galã Tom Cruise. Mas ela não tem vocação para ser uma estrela de primeira grandeza, essa é a simples verdade. Até mesmo a sempre fina e elegante Diane Keaton perde a compostura nesse roteiro vulgar que fica mais adequado para a verve cômica de Queen Latifah, essa sim bem mais á vontade com a proposta do filme em si. Assim o resultado final é bem decepcionante e não vale a pena. Melhor perder tempo lendo as fofocas do casal Holmes / Cruise do que ver esse filme muito fraquinho e sem relevância.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Harry & Sally - Feitos um Para o Outro (1989)

Título no Brasil: Harry & Sally - Feitos um Para o Outro
Título Original: When Harry Met Sally...
Ano de Produção: 1989
País: Estados Unidos
Estúdio: Castle Rock Entertainment
Direção: Rob Reiner
Roteiro: Nora Ephron
Elenco: Billy Crystal, Meg Ryan, Carrie Fisher, Bruno Kirby 

Sinopse:
Por mero acaso Harry (Billy Crystal) acaba encontrando Sally (Ryan) numa viagem. Eles se conhecem superficialmente do passado. Ela não vai muito com sua cara, pois Harry é expansivo e fala pelos cotovelos. Porém, conforme o tempo passa eles acabam se tornando grandes amigos, numa amizade que vai crescendo conforme as desilusões amorosas de ambos vão se acumulando. Sempre frustrados no amor, eles levam algum tempo para entender que são mesmo feitos um para o outro.

Comentários:
Fazia muitos anos que tinha assistido pela última vez. Então, numa dessas madrugadas da vida, acabei esbarrando no filme. Sem nada para fazer fui revendo sem muito compromisso e então de repente o revi praticamente todo. É uma comédia romântica que ainda mantém seu charme intacto. O roteiro é de fato muito primoroso em explorar a chamada friendzone, a zona limite que separa a amizade do amor. Os dois personagens principais possuem tudo em comum, inclusive gostos pessoais (a cena em que ambos assistem a uma antiga fita de romance na TV enquanto conversam ao telefone mostra bem isso), mas apesar de tudo a favor não conseguem enxergar que sua alma gêmea está bem diante de seu nariz. Billy Crystal se apoia em seu carisma habitual, ora como um sujeito meio inconveniente, ora como um ombro amigo. Meg Ryan está linda, jovem e muito carismática também. É uma pena que a atriz não tenha envelhecido com elegância, pois ao invés de assumir suas marcas do tempo, partiu para uma série de cirurgias plásticas desastrosas que destruiu seu belo rosto. De qualquer maneira "Harry & Sally - Feitos um Para o Outro" resistiu muito bem ao tempo. Sem dúvida deixará muitas saudades de quem o viu na época, em um tempo onde todos eram jovens, bonitos e felizes.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Marcas de Guerra

Título no Brasil: Marcas de Guerra
Título Original: War Pigs
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos
Estúdio: Schuetzle Company Productions
Direção: Ryan Little
Roteiro: Adam Emerson, Andrew Kightlinger
Elenco: Luke Goss, Dolph Lundgren, Mickey Rourke, Chuck Liddell
 
Sinopse:
Depois de falhar numa missão, o capitão Jack Wosick (Luke Goss) é enviado para liderar um novo grupo de soldados. Ao lado do capitão da Legião Francesa Hans Picault (Dolph Lundgren) ele precisa disciplinar seu novo pelotão que se auto denomina "porcos de guerra". São veteranos do front que já não se importam muito em seguir todas as regras. Seu novo oficial precisa agir rápido uma vez que o Major A.J. Redding (Mickey Rourke) quer enviar todos eles numa ousada missão atrás das linhas inimigas. O objetivo é destruir uma nova arma do exército alemão, um super canhão capaz de destruir grandes cidades como Londres e Paris, mesmo estando a quilômetros de distância de seus alvos.

Comentários:
Um filme B de guerra que curiosamente reúne um bom elenco. Além de Luke Goss e Dolph Lundgren o filme ainda traz um imprevisível Mickey Rourke. Ele surge usando seu velho chapéu de cowboy e roupas nada condizentes com as de um Major americano na II Guerra Mundial. Isso porém é o de menos. Como acontece em praticamente todos os seus últimos filmes o que mais choca é ver sua aparência cada vez mais fora do normal, fruto de inúmeras plásticas mal sucedidas a que se submeteu. Se Rourke tivesse envelhecido naturalmente isso jamais ofuscaria sua atuação (afinal é inegável que é um ator talentoso). Como se trata de uma produção B não vá esperando nada generoso em termos de produção. O filme é, poderia dizer, bem econômico em suas pretensões. Basicamente tudo se resume em um enredo bem simples desenvolvido de forma igualmente simplória. Claro que uma produção dessas estaria recheada de clichês por todos os lados, porém uma vez se adequando às suas limitadas propostas até que o espectador pode vir a se divertir. Como o filme tem curta duração não chega sequer a ter a chance de nos aborrecer. O diretor Ryan Little claramente tenta copiar o estilo dos velhos filmes de guerra dos anos 50 e 60, mas como era de se esperar não se sai muito bem nisso. Do ponto de vista histórico só há uma maior curiosidade envolvida: o super canhão nazista mostrado no filme realmente existiu de fato, porém não conseguiu cumprir todas as suas promessas. Sem tempo para melhorar o projeto pois a guerra estava chegando ao fim a monstruosa arma de Hitler acabou se tornando mais um caro e ineficiente fracasso militar do III Reich em seus momentos finais.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Boneco do Mal

Título no Brasil: Boneco do Mal
Título Original: The Boy
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos, Canadá
Estúdio: Lakeshore Entertainment
Direção: William Brent Bell
Roteiro: Stacey Menear
Elenco: Lauren Cohan, Rupert Evans, James Russell, Diana Hardcastle
  
Sinopse:
Greta Evans (Cohan) é uma babysitter americana que é contratada por um casal de idosos ingleses para cuidar de seu filho. Ao chegar na casa deles descobre, para seu completo espanto, que a criança havia morrido há 20 anos. No lugar dela seus pais colocaram um boneco, como se ele ainda estivesse vivo. Uma situação completamente bizarra e surreal, para não dizer estranha e assustadora. Precisando urgentemente de dinheiro Greta aceita cuidar do boneco. O que ela jamais pensaria supor era que de alguma forma o espírito do garotinho morto pudesse se comunicar com o mundo dos vivos, através daquele objeto assustador.

Comentários:
Mais um filme de terror com bonecos? Nada animador, você pode pensar inicialmente... O mais surpreendente é que esse filme conseguiu superar esse estado de saturação esperada para criar um clima de horror e suspense que vai garantir no mínimo uns quatro bons sustos (daqueles de dar arrepios em você!). O que ajuda é a recriação do clima dos velhos filmes de terror ingleses, passados naquelas velhas mansões vitorianas, com todo aquele mistério encoberto por trás de cada porta de um quarto escuro. Assistindo a um filme como esse você entenderá perfeitamente que não é preciso uma tonelada de efeitos especiais para assustar ninguém. O boneco Brahms é apenas isso, um boneco inanimado. Ele não surge em efeitos de computação gráfica e nem sai correndo atrás das pessoas com uma faca como fez Chucky em "Brinquedo Assassino". Nada parecido com isso vai acontecer, pode ficar tranquilo. Mesmo assim Brahms consegue ser incrivelmente assustador na maioria das cenas. O espectador vai fazer uma conexão com a alma do garotinho falecido e o boneco, como se aquele se utilizasse do fantoche para interagir com o mundo dos vivos. O casal de velhinhos, pais do verdadeiro Brahms, são cordiais e extremamente educados, mas ao mesmo tempo parecem esconder algo realmente sinistro em seu passado. Eles dizem que vão viajar e deixam a Babysitter cuidando sozinha do boneco enquanto estão fora. Ela deverá seguir um roteiro de cuidados com o boneco, tal como se ele fosse um garotinho real. Claro que após o casal ir embora a jovem quebra todas essas regras, afinal se trata de apenas um boneco! Quem em sã consciência iria cuidar de uma coisa daquelas? Loucura tem limites! Essa quebra de regras (como colocar o boneco para dormir em determinada hora, ler para ele um livro ou tocar seu disco preferido) acaba despertando a fúria de uma força maior, longe da compreensão humana. Para finalizar deixo aqui minha única decepção com o roteiro. Spoiler: Gostaria muito que a estória seguisse nessa linha sobrenatural até o final, mas infelizmente não foi esse o caminho seguido pela roteirista Stacey Menear. Ela preferiu um desfecho mais racional (e bem menos assustador do que se poderia pensar). Ao trocar uma intrigada estória de fantasmas e espíritos malignos, por algo mais, digamos, mundano, o filme perdeu grande parte de seu charme inicial. Nem sempre as escolhas por um desfecho mais realista e pé no chão se mostram as mais certeiras. Mesmo assim, pelo que se vê no começo do filme, vale muito a pena assistir.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Um Sonho, Dois Amores

Título no Brasil: Um Sonho, Dois Amores
Título Original: The Thing Called Love
Ano de Produção: 1993
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Peter Bogdanovich
Roteiro: Carol Heikkinen
Elenco: River Phoenix, Samantha Mathis, Dermot Mulroney

Sinopse:
Miranda Presley (Samantha Mathis) resolve se mudar de Nova Iorque para Nashville em busca de uma carreira musical. Como cantora não encontra nenhuma chance, nenhuma porta aberta. Então resolve tentar como compositora mas nada parece dar muito certo. Sem saída acaba se casando com um admirador, uma união que se revelará muito problemática e desgastante.

Comentários:
Esse foi um dos últimos filmes da carreira de River Phoenix. A produção anda tão esquecida quanto o próprio ator uma vez que vinte anos após sua morte pouca gente ainda se recorda dele. Eu penso que a morte inglória de Phoenix, de overdose, numa calçada suja de Los Angeles, acabou com sua imagem. Na época ele cultivava um jeito de jovem politicamente correto, amante das artes e da ecologia. Em toda entrevista lá estava o River Phoenix falando da importância de levar uma vida saudável, consumindo apenas produtos ecologicamente corretos e blá, blá, blá. Aí de repente o sujeito morre de uma mistura de cocaína com heroína após uma balada de arromba no clube de Johnny Depp. As pessoas, suas fãs inclusive, descobriram que o Phoenix falava e pregava uma coisa publicamente e na sua vida privada fazia algo completamente diferente. Assim ficou aquela impressão de que era um hipócrita e tudo mais. De qualquer maneira chamo a atenção para o talento do rapaz. Tudo bem, Phoenix poderia ser um mentiroso mas como ator, olhando puramente por esse lado, ele realmente tinha talento dramático. Uma prova está aqui, uma produção simples, singela, de orçamento modesto mas bem cativante. A imagem de ídolo pode ter caído durante todos esses anos mas o filme e a atuação de Phoenix ainda valem a pena. Assista.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Colonia

Título Original: Colonia
Título no Brasil: Ainda sem título definido
Ano de Produção: 2015
País: Alemanha, França
Estúdio: Majestic Filmproduktion
Direção: Florian Gallenberger
Roteiro: Torsten Wenzel, Florian Gallenberger
Elenco: Emma Watson, Daniel Brühl, Michael Nyqvist
  
Sinopse:
Chile. Década de 1970. Nas vésperas do golpe militar que depôs o presidente Salvador Allende, uma comissária da Lufthansa acaba sendo envolvida nos acontecimentos políticos daquele país. Seu namorado é preso pelos militares, acusado de ser comunista, sendo torturado e enviado para uma suposta comunidade religiosa, que na verdade era uma seita de fanáticos religiosos que davam suporte para os porões da ditadura chilena. Sabendo que ele se encontrava lá, a jovem Lena (Emma Watson) resolve então se passar por uma religiosa devota, se infiltrando no grupo. Ao entrar na colônia chamada "Dignidad" ela acaba descobrindo que o lugar era na verdade um campo de concentração disfarçado, com muita opressão, medo e abusos de todos os tipos, tanto físicos como psicológicos. Filme indicado ao German Film Awards nas categorias de Melhor Ator (Michael Nyqvist) e Melhor Edição (Hansjörg Weißbrich).

Comentários:
Filme alemão que conta uma história real pouco conhecida da maioria das pessoas. Ele disseca o lado mais cruel e violento de uma seita de fanáticos religiosos de origem alemã que serviu de fachada como câmara de torturas clandestina para o regime linha dura do ditador Augusto Pinochet. A primeira parte do filme não é das mais interessantes, já que cai nas banalidades que já conhecemos sobre a cafona esquerda latino americana durante os regimes militares dos anos 70. Tudo abarrotado de clichês por todos os lados. O filme só melhora mesmo quando a personagem de Emma Watson resolve ir atrás de seu namorado se fazendo passar por uma jovem religiosa para se infiltrar dentro de uma seita religiosa fanática liderada por Paul Schäfer (interpretado por Michael Nyqvist, em grande atuação). Sob uma fachada de lugar de meditação e religiosidade se escondia um regime brutal de intimidação, violência, abusos e exploração. A comunidade era toda cercada por cercas eletrificadas, as pessoas não podiam ir embora por livre e espontânea vontade e viviam sob um sistema de punição à menor indisciplina. A violência física e psicológica era frequentemente utilizada como desculpa para a "purificação das almas" de seus membros! O roteiro assim parte de uma história real (a tal comunidade realmente existiu), mas com um aspecto que não podemos ignorar: os personagens de Watson e seu namorado são meramente fictícios. Embora o filme como um todo seja bem interessante essa mistura entre fatos reais e ficção talvez seja o grande problema desse roteiro. Isso porque algumas situações soam pouco verossimeis. Por exemplo, o fato da protagonista Lena (Watson) resolver entrar naquela comunidade de lunáticos religiosos apenas para salvar seu namorado cujo romance ainda era muito breve e nada profundo, ficando lá dentro sofrendo todo tipo de abuso por mais de 130 dias, não parece algo que aconteceria no mundo real. A forma como eles tentam fugir daquele lugar também parece pouco provável. A cena lembra antigos filmes de fuga como "Alcatraz". Soa exagerado. O que vale realmente a pena é a interpretação de Michael Nyqvist que realmente salva o filme no quesito atuação e o próprio contexto histórico que é por demais interessante. Emma Watson, por outro lado, não parece nem intensa e nem convincente. Ela apenas passeia em cena, geralmente com a mesma expressão facial (o que mostra que ela não é tão talentosa como atriz como muitas pessoas pensam). Essa letargia porém é compensada pela curiosidade de se conhecer esses fatos históricos que ainda seguem pouco conhecidos.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Mogambo

Título no Brasil: Mogambo
Título Original: Mogambo
Ano de Produção: 1953
País: Estados Unidos
Estúdio: Metro-Goldwyn-Mayer (MGM)
Direção: John Ford
Roteiro: John Lee Mahin, Wilson Collison
Elenco: Clark Gable, Grace Kelly, Ava Gardner, Donald Sinden
  
Sinopse:
Um caçador americano no continente africano, Victor Marswell (Clark Gable), é contratado pelo pesquisador Donald Nordley (Donald Sinden) para comandar um safári nas montanhas remotas onde vivem gorilas selvagens. Donald quer registrar o comportamento desses animais em seu habitat natural, os filmando na natureza. Victor inicialmente não acha uma boa ideia pois poucos homens estiverem naquele lugar distante, porém acaba aceitando a generosa oferta. O que o cientista Donald nem desconfia é que sua própria esposa, Linda Nordley (Grace Kelly), está se apaixonado cada vez mais por Victor. Para concretizar seu romance porém ela terá que passar por cima de Eloise Y. Kelly (Ava Gardner), uma dançarina de night club, que também está perdidamente apaixonada por Victor. Filme indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Atriz (Ava Gardner) e Melhor Atriz Coadjuvante (Grace Kelly). Vencedor do Globo de Ouro na categoria de Melhor Atriz (Grace Kelly).

Comentários:
John Ford deu um tempo em seus clássicos de western para se arriscar no gênero aventura nessa produção. O resultado foi esse "Mogambo", certamente um bom filme, mas que jamais pode ser comparado com obras primas como "Rastros de Ódio" ou "Rio Bravo". O enredo se passa numa África ainda colonial e praticamente inexplorada. É lá que vive o personagem de Clark Gable, um veterano caçador branco que captura animais exóticos para vendê-los a circos e zoológicos de todo o mundo. Sua rotina de trabalho acaba mudando completamente com a chegada de uma dançarina americana chamada Eloise (Ava Gardner) que realizou uma longa viagem dos Estados Unidos até a África pensando que iria encontrar um milionário indiano, mas acaba se dando mal ao saber que ele foi embora uma semana antes de sua chegada. Imediatamente Eloise se apaixona por Victor, porém as coisas não saem como ela queria. Victor torce o nariz ao saber que ela era uma dançarina de boates. Pior do que isso, começa a tratar a garota com um certo desdém (a ponto de dizer a um de seus amigos que ela na verdade seria uma "mulher de todos os homens!"). Nada aliás poderia sair mais diferente de Eloise do que a também recém chegada Linda (Grace Kelly). Loira, linda, recatada e educada, com extrema finesse, ela sim se mostra a mulher que Victor gostaria de ter ao seu lado. Infelizmente para o velho caçador há um problema: Linda já é casada, justamente com o homem que o contratou para um safári rumo às montanhas, em busca de gorilas selvagens. É verdade que o roteiro acaba se rendendo ao moralismo da época em seus momentos finais, mas nem isso estraga "Mogambo". Ford já havia demonstrado em seus faroestes que ele conseguia com muito brilho tanto dirigir um bom filme de entretenimento como também desenvolver psicologicamente bem todos os seus personagens. Não havia espaço para papéis rasos e sem sentido em seus filmes. Não é à toa que até hoje ele é considerado um mestre, um verdadeiro gênio da sétima arte. "Mogambo" tem um elenco maravilhoso, com três grandes estrelas da época, e um roteiro extremamente bem escrito. Dito isso também temos que reconhecer que o tempo também cobrou seu preço. O tempo, como diria o provérbio, é o senhor da razão. O que era normal há 60 anos hoje já não soa tão comum. O filme mistura cenas rodadas em estúdio com filmagens reais realizadas por Ford e sua equipe de segunda unidade no continente africano. Não poucas vezes as duas filmagens são mescladas em edição. Nem sempre isso funciona. As imagens capturadas na África não possuem, por exemplo, a mesma qualidade das cenas que foram realizadas em estúdio com os atores. Por isso a diferença de uma para outra se torna muito perceptível ao espectador. Tecnicamente o filme envelheceu mal. Pode parecer que algo assim seria um excesso de zelo, porém é um fator que envelheceu dramaticamente, tornando o filme de Ford menor do que ele realmente era. De qualquer forma o que temos aqui é certamente um clássico do gênero aventura nas selvas. Com a genialidade de John Ford não era de se esperar nada muito diferente disso.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Um Dólar para Matar

Título no Brasil: Um Dólar para Matar
Título Original: Bandidos
Ano de Produção: 1967
País: Itália, Espanha
Estúdio: EPIC, Hesperia Films S.A.
Direção: Massimo Dallamano
Roteiro: Romano Migliorini, Gianbattista Mussetto
Elenco: Enrico Maria Salerno, Terry Jenkins, María Martín
  
Sinopse:
O fora da lei Billy Kane (Venantini) lidera uma quadrilha de bandidos que resolve assaltar um trem em movimento. O saldo é trágico, um verdadeiro massacre. Kane não quer deixar testemunhas e por essa razão manda matar todos os passageiros e tripulantes. Excessivamente cruel, ele não quer deixar ninguém vivo que o possa prejudicar. Porém uma pessoa sobrevive, Richard Martin (Enrico Maria Salerno) que está disposto a acertar contas com Kane e seu bando. 

Comentários:
Mais um western spaguetti produzido no auge do estilo. O diretor Massimo Dallamano assinou como Max Dillman, para dar a falsa impressão de que era um cineasta americano. Uma bobagem, pois os produtores pensavam que assim haveria maior retorno comercial do filme. O fato que importa é que Massimo Dallamano demonstrou muito bem saber o que fazer com sua câmera. Ele criou ótimas sequências de tiroteios onde valorizou bastante o clima de tensão com pistoleiros se escondendo entre as ruelas empoeiradas de uma cidade do velho oeste. O roteiro investe na fórmula da vingança sem limites. Esse tipo de roteiro era bem comum no cinema italiano, pois se mostrava infalível para os admiradores desse tipo de produção. O elenco não traz nenhum astro mais conhecido. O ator Enrico Maria Salerno não era muito conhecido. A boa notícia era que ele foi muito bem dirigido por Dallamano que soube extrair o seu melhor em cena. A trilha sonora não é o que poderíamos dizer como marcante, mas é eficiente. Talvez o excesso de repetições prejudique um pouco, mas temos que dar um desconto pois era algo bem presente em vários filmes spaghetti. Assim deixamos a dica para os que gostam de um bom filme italiano de faroeste, com muitos duelos e violência estilizada. Certamente esses não vão se decepcionar.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Jason Statham - Chaos

O filme se chama "Chaos" (no Brasil "Caos"). Foi produzido em 2005, mas eu nunca havia assistido. Como achei o elenco interessante e como se trata de uma produção britânica resolvi conferir. Aliás aqui vai uma dica que é (quase) certeira: qualquer filme policial inglês com Jason Statham é no mínimo bom. Todos sabem que Jason é bem irregular na carreira, alternando bons filmes com porcarias, porém quando ele acerta a coisa toda funciona muito bem. E sabe-se lá o porquê o fato é que sempre quando trabalha no cinema inglês a coisa dá certo.

Veja o caso desse filme policial. É fato que qualquer filme sobre roubo de bancos agrada. É muito difícil errar a mão nesse tipo de roteiro. Agora imagine colocar como vilão do enredo o ator Wesley Snipes. Ele passou um tempo na prisão por sonegação de impostos, mas conseguiu dar a volta por cima. Não cometeria o absurdo de dizer que Snipes é um grande ator, porém dentro do tipo de filme que ele se propôs a estrelar se sai muito bem. Pois bem, aqui está Snipes no comando de um grande roubo a banco. Sua quadrilha tem entre 10 a 12 homens. Todos fortemente armados. Como era hora de pico, de movimento, o banco estava lotado quando a quadrilha chega. Assim rapidamente são feitos de reféns mais de 40 pessoas. E agora como negociar com uma situação de tensão como essa?

Para surpresa da polícia o personagem de Snipes, que usa o codinome de Lorenz (o nome do criador da chamada teoria do caos, cujo roteiro irá explicar lá pelo final), só pede uma exigência: Que seja trazido para as negociações o detetive Quentin Conners (Jason Statham), O veterano policial vive seu inferno astral. Ele participou de uma outra ação com refém onde deu tudo errado. A vítima indefesa foi atingida em cheio pela própria polícia. Julgado, conseguiu escapar de ser expulso da corporação, mas acabou pegando uma suspensão pesada. Agora, no ostracismo, ele precisa voltar para negociar com Lorenz e sua quadrilha. Uma situação ruim que pode terminar muito mal (novamente).

Esse filme me agradou por vários aspectos. Não foi pela presença de Ryan Phillippe, que sempre considerei fraco e nem tampouco por causa de Snipes. Em minha forma de ver o que melhor funciona em "Chaos" é o seu roteiro. A trama dá uma guinada e tanto e de repente somos surpreendidos por algo que era realmente inesperado. Eu sou até muito bom em desvendar "pegadinhas cinematográficas", mas aqui confesso que não matei a charada. Sem querer estragar a diversão de ninguém o fato é que o espectador deve ficar de olho aberto em relação aos personagens de Snipes e Statham. Eles definitivamente não são o que aparentam ser... Mas enfim, vou ficando por aqui. Deixo assim a dica desse "Chaos". Filmes policiais andam tão banalizados, mas esse aqui certamente vale a pena (e a diversão).

Caos (Chaos, Inglaterra, 2005) Direção: Tony Giglio / Roteiro: Tony Giglio / Elenco: Jason Statham, Ryan Phillippe, Wesley Snipes / Sinopse: O veterano policial Quentin Conners (Jason Statham) é suspenso da corporação após a morte de uma refém durante uma situação de sequestro. Agora ele terá que voltar rapidamente à ativa pois o líder de uma quadrilha de assaltantes de bancos, conhecido como Lorenz (Snipes) exige sua presença numa cena de crime onde mais de 40 pessoas inocentes também estão feitas de reféns.

Pablo Aluísio.

Click aqui para ler mais sobre Caos. 

Elvis - 10 Anos de Saudades

Esse foi um álbum lançado em 1987 para lembrar os dez anos da morte de Elvis Presley no Brasil. Editado pela Som Livre o disco até que se tornou bem popular, ficando anos em catálogo nas lojas de discos pelo país afora (lembram delas?). Na época de seu lançamento original não despertou minha atenção porque já na década de 80 eu procurava colecionar discos raros de Elvis, assim um disco como esse, uma mera coletãnea, sem novidades, não iria despertar realmente meu interesse. O fato de ser da Som Livre porém trouxe publicidade extra a Elvis pois a Rede Globo passou a vincular a propaganda do disco em seus intervalos comerciais.

Isso porém não significava que o disco em si era sem importância, pelo contrário. Lançamentos como esse serviam para apresentar as músicas de Elvis para uma nova geração de fãs que naqueles tempos distantes o conheciam basicamente pelas inúmeras reprises de seus filmes na Sessão da Tarde. O repertório, como era de se imaginar, investia apenas nos grande sucessos. Agora era curioso a inclusão de faixas como "Sweet Caroline", que nunca tinham se tornado grande sucesso no Brasil. Onde foram parar as mais conhecidas "Kiss Me Quick" e "Sylvia"? Ao invés disso a seleção inovava ao trazer entre os hits a doce "Can´t Help Falling in Love" de Feitiço Havaiano, que apesar de ser extremamente famosa nos Estados Unidos e Europa, não o era tanto assim no Brasil. E "I Got a Woman", o que estaria fazendo nessa lista? Outra que era praticamente desconhecida do povão. Enfim, valeu pelas intenções e pelo resultado. Não é um álbum para se ter hoje em dia em sua coleção a não ser como mera curiosidade histórica. Afinal eram os 10 anos sem Elvis.

Elvis - 10 Anos de Saudades (1987)
Blue Suede Shoes
Love Me Tender
Don´t Be Cruel
Can´t Help Falling in Love With You
I Got a Woman
Sweet Caroline
All Shook Up
Are You Lonesome Tonight?
Jailhouse Rock
Bridge Over Troubled Water
Tutti Frutti
It´s Now Or Never
Suspicious Minds
Heartbreak Hotel.

Pablo Aluísio.

The Byrds - Turn! Turn! Turn!

The Byrds - Turn! Turn! Turn!
Em meados dos anos 1960 muitos críticos e especialistas em música decretaram que o Rock americano estava morto e enterrado. Elvis estava afundando em trilhas sonoras pavorosas em Hollywood e os demais pioneiros do gênero como ele tinham decaído na carreira. Ninguém mais na América conseguia fazer frente à invasão britânica promovida por Beatles, Rolling Stones e cia. Durante essa fase apenas os Beach Boys conseguiam colocar a cabeça para fora do buraco.

Com o The Byrds finalmente havia um segundo grupo de rock relevante para fazer frente aos britânicos. Esse álbum "Turn! Turn! Turn!" foi um enorme sucesso de público e crítica e até hoje é considerado a verdadeira obra prima dos Byrds. Tem uma sonoridade incrível e letras poderosas que fogem dos temas bobinhos que vinham infestando os discos dos roqueiros americanos. De certa forma é um disco que antecipava o que estava prestes a surgir no cenário como os Doors, que levariam à proposta de unir rock, filosofia e poesia às últimas consequências. De certa maneira o grupo só não foi maior por causa dos problemas internos e das próprias personalidades de seu integrantes pois nem sempre é uma boa ideia reunir tantos dândis poéticos em apenas uma formação. Mesmo assim deixamos aqui o registro dessa verdadeira obra de arte do rock americano dos anos 60. Esse é aquele tipo de disco que simplesmente não pode faltar em sua coleção.

Título Original: Turn! Turn! Turn!
Artista: The Byrds
Ano de Produção: 1965
País: Estados Unidos
Estúdio / Selo: Columbia Records
Produção: Terry Melcher
Formato Original: Vinil
Músicos:  David Crosby, Gene Clark, Michael Clarke, Chris Hillman, Jim McGuinn

Faixas: Turn! Turn! Turn! (To Everything There is a Season) / It Won't Be Wrong / Set You Free This Time / Lay Down Your Weary Tune / He Was a Friend of Mine / The World Turns All Around Her / Satisfied Mind / If You're Gone / The Times They Are a-Changin / Wait and See / Oh! Susannah.

Pablo Aluísio.

terça-feira, 26 de abril de 2016

A Bruxa

Título no Brasil: A Bruxa
Título Original: The Witch - A New-England Folktale
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos, Inglaterra, Canadá
Estúdio: Universal Pictures
Direção: Robert Eggers
Roteiro: Robert Eggers
Elenco: Anya Taylor-Joy, Ralph Ineson, Kate Dickie, Harvey Scrimshaw
  
Sinopse:
1630. Nova Inglaterra. América colonial. Expulso da vila de colonizadores puritanos ingleses o patriarca William (Ralph Ineson) leva sua família para viver na floresta. Os perigos são muitos. Além das feras escondidas nos bosques, ainda existe a possibilidade de todos morrerem de fome ou frio durante o inverno. William porém acredita que tudo dará certo pois ele se considera um bom cristão, devoto e temente a Deus. As coisas porém logo começam a dar errado. O jovem caçula, um bebezinho, desaparece misteriosamente. O outro filho volta da floresta com um comportamento estranho, como se estivesse possuído. Aos poucos todos começam a apresentar um estranho e sinistro comportamento que resultará em uma provável tragédia no meio daquele local esquecido por Deus. Filme vencedor do London Film Festival e do Sundance Film Festival na categoria de Melhor Direção (Robert Eggers).

Comentários:
É cada vez mais raro encontrar um filme de terror tão bom como esse! Por isso os fãs do gênero podem celebrar. "A Bruxa" é um filme inteligente, que joga mais psicologicamente com o público do que apelando para cenas de efeitos visuais vazios ou sem justificativa. Sim, não se engane, temos aqui um dos melhores filmes de horror psicológico dos últimos anos. O diretor e roteirista Robert Eggers soube muito bem por onde procurar as fontes de seu roteiro. Ele estudou velhas peças judiciais da época da inquisição protestante na América colonial e vitoriana e a partir disso escreveu sua estória que é bem aterrorizante e bem escrita. A família que preza pela devoção a Deus e seu isolamento na floresta, longe da vila de colonizadores ingleses, forma certamente o cenário perfeito para tudo o que acontece. Há também uma bem colocada exploração em torno de símbolos macabros que estão no inconsciente coletivo de todos: o bode, a casa perdida no meio do nada, os objetos hereges, etc. Um dos aspectos mais curiosos vem da figura da própria bruxa, que diga-se de passagem nunca é muito explorada justamente para aumentar ainda mais o suspense em torno de todos os acontecimentos sobrenaturais que vão surgindo. Destaco o momento em que o jovem Caleb (Harvey Scrimshaw), em plena entrada na sua puberdade, é seduzido por uma sensual figura na porta de um casebre. Tudo de acordo com o que você mesmo pode descobrir ao estudar teologia medieval. O mal muitas vezes pode surgir pela beleza de uma imagem irresistível. Há também um ótimo jogo de pistas falsas, sendo que o espectador quase sempre nunca sabe ao certo quais pessoas daquela família estariam realmente sob o domínio do mal absoluto! Seria a filha mais velha, a mãe destruída emocionalmente pela perda de seu jovem bebê ou os gêmeos que agem e se comportam de forma completamente fora do convencional? Enquanto os males vão se multiplicando todos os personagens parecem caminhar para a insanidade completa. Seria algo realmente vindo das trevas ou apenas um surto psicótico de todos eles, que viviam imersos em uma espécie de fanatismo religioso fora do comum? Todos esses questionamentos são plenamente válidos e vão surgindo em nossas mentes enquanto assistimos ao filme.  Enfim, falar mais seria estragar as várias surpresas do argumento. É muito bom encontrar novamente um filme desse nível que explora o tema das bruxarias do século XVII sem jamais cair em clichês ou soluções baratas. O diretor Eggers foi muito sutil nesse aspecto e por isso realizou realmente uma obra bem acima da média. Excelente filme de terror. Assista sem receios. Está mais do que recomendado.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Cherry Tree

Título Original: Cherry Tree
Título no Brasil: Ainda não definido
Ano de Produção: 2015
País: Irlanda
Estúdio: Irish Film Board
Direção: David Keating
Roteiro: Brendan McCarthy
Elenco: Naomi Battrick, Anna Walton, Patrick Gibson, Sam Hazeldine
  
Sinopse:
A vida da jovem adolescente Faith (Naomi Battrick) desaba quando ela descobre que seu pai está sofrendo de um raro tipo de câncer que só lhe dará mais três meses de vida. Desesperada ela procura por alguma saída. Essa vem pela sua professora de educação física Sissy (Anna Walton). Adepta de magia negra e rituais de bruxaria, Sissy oferece para sua aluna Faith a cura para seu paí. Isso porém terá que ter uma contrapartida, um pacto macabro com o próprio senhor das trevas.

Comentários:
Filme de terror irlandês sobre bruxas. Bruxas modernas, é bom frisar. A estória se passa em um velho vilarejo do interior da Irlanda. O lugar tem a fama de ter sido no passado um centro de adoração a Satã. Havia uma irmandade de bruxas que realizava sacrifícios à sombra de uma velha árvore cerejeira. Isso porém foi séculos atrás. Agora a região está mais desenvolvida e moderna. Isso não significa que adeptas desses antigos rituais pagãos tenham deixado de lado suas crenças. De tempos em tempos elas voltam à ativa. Agora encontram uma pessoa ideal, justamente a garota Faith. Ela só tem 16 anos, tem um pai condenado pela medicina e o mais importante de tudo: ainda é virgem. O diretor David Keating e o roteirista Brendan McCarthy parecem ter algum tipo de obsessão com lacraias. Esse inseto peçonhento (do gênero Scolopendra) é usado o tempo todo nos rituais de magia negra. O filme como um todo é apenas na média (na verdade um pouquinho abaixo dela). Há uma falta de desenvolvimento dos personagens, procurando-se ao invés disso investir mais nas cenas de rituais. Há uma ou outra locação mais interessante, como uma velha casa com um enorme porão medieval, mas nada muito além disso. Não chega a assustar e nem causar medo. Vale apenas como curiosidade por ser uma produção irlandesa, algo que não estamos muito acostumados a assistir no Brasil. Sim, tem algumas boas ideias, mas no geral não chega em nenhum momento a inovar.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Vivendo na Eternidade (2002)

Título no Brasil: Vivendo na Eternidade
Título Original: Tuck Everlasting
Ano de Produção: 2002
País: Estados Unidos
Estúdio: Walt Disney Pictures
Direção: Jay Russell
Roteiro: Natalie Babbitt, Jeffrey Lieber
Elenco: Alexis Bledel, Jonathan Jackson, Sissy Spacek, Ben Kingsley, Amy Irving, William Hurt

Sinopse:
Winnie Foster (Alexis Bledel) é uma jovem que em suas férias no campo acaba se apaixonando por um jovem de sua idade que pertence a uma família que parece jamais envelhecer. Será que a velha lenda da fonte da juventude tem realmente algum fundo de verdade? Em breve Winnie descobrirá tudo o que se esconde por trás do mito. Filme indicado ao prêmio da Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films nas categorias Melhor Atriz (Alexis Bledel) e Melhor Atriz Coadjuvante (Sissy Spacek).

Comentários:
Filme da Disney que acabou com os anos virando um pequeno cult romântico entre os mais jovens. Duas coisas sempre me chamaram atenção nessa fita. A primeira se refere ao ótimo (ótimo mesmo!) elenco de apoio. Não é todo dia que vemos gente da categoria de Sissy Spacek, Ben Kingsley, Amy Irving e William Hurt trabalhando juntos! E o mais curioso é que não se trata de uma grande produção, feita para fazer bonito em grandes festivais de cinema mundo afora! Pelo contrário, é um filme menos pretensioso, com foco para um público jovem, fã dos produtos da Disney. Outro aspecto que merece todos os elogios vem da bonita direção de arte assinada pelo ótimo Ray Kluga. Tudo de muito bom gosto e refinamento, mostrando como se realiza um filme com doses de fantasia, romance e fábula. Tudo muito belo para sonhar com os olhos abertos. Indico especialmente para os namorados que estejam na mesma faixa etária dos personagens. Para eles haverá um sabor extra todo especial.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Uma Noite de Aventuras

Título no Brasil: Uma Noite de Aventuras
Título Original: Adventures in Babysitting
Ano de Produção: 1987
País: Estados Unidos
Estúdio: Touchstone Pictures
Direção: Chris Columbus
Roteiro: David Simkins
Elenco: Elisabeth Shue, Maia Brewton, Keith Coogan
  
Sinopse:
Chris (Elisabeth Shue) é uma babysister que se vê em uma situação completamente incomum. Ela precisará sobreviver às armadilhas de uma grande cidade enquanto tenta manter as crianças de que está cuidando em segurança. Filme indicado ao Kids' Choice Awards nas categorias de Melhor Atriz (Shue) e Melhor filme para o público adolescente. Premiado pelo Paris Film Festival na categoria de Melhor Atriz (Shue).

Comentários:
Essa safra de filmes de 1987 foi muito boa. Até mesmo comédias adolescentes que na maioria das vezes eram lançadas diretamente no mercado de vídeo VHS eram acima da média. Esse filme não tive a oportunidade de assistir na época. Só depois quando ele foi exibido na TV tive a oportunidade de conferir - e mesmo assim apenas uma única vez. Minha maior atração para ver o filme era a presença da atriz Elisabeth Shue. Linda, talentosa e inteligente ela deu um tempo na carreira para se formar na prestigiada universidade de Harvard. É a tal coisa, mulheres inteligentes estão em outro nível. Pois bem, como era de praxe a direção do cineasta Chris Columbus, temos aqui uma diversão bem familiar, feito para toda a família assistir. Por isso o roteiro é até mesmo meio bobo, mas isso faz parte do jogo. Era algo comum até na época. O enredo é igualmente adolescente. Mesmo assim tudo se salva pela presença carismática de Shue. Anos depois, já formada, ela voltou para o mundo do cinema se tornando dessa vez uma grande atriz, ao ponto de ter sido indicada ao Oscar pela sua ótima atuação em "Leaving Las Vegas". Nada como o passar dos anos para amadurecer ainda mais um talento natural.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

A Bruxa (2015)

Os fãs de cinema bem sabem que se existe algo em extinção atualmente na sétima arte são bons filmes de terror. Geralmente as produções mais recorrentes na atualidade são meras variações do estilo mockumentary que, em minha opinião, já andam bem saturados. Por isso gostei muito quando surgiu algo de novo nas telas. Esse filme se chama "A Bruxa". Ok, muito provavelmente você torcerá o nariz ao saber que o tema é a velha bruxaria. Desde "A Bruxa de Blair" essa temática anda meio desacreditada. Foram muitos filmes ruins para se manter algum tipo de boa expectativa.

O que salvou essa nova produção foi basicamente a ideia do diretor e roteirista Robert Eggers de voltar ao básico do gênero. Veja, um bom filme de terror é proporcionalmente mais assustador quanto mais sua premissa tende para a simplicidade. Não adianta encher a tela de monstros digitais e nem de banhos de sangue para causar medo no público. Nesse estilo cinematográfico o menos geralmente é mais. Pense no maior filme de terror de todos os tempos, "O Exorcista". O roteiro é básico, a estória contada é básica e a produção não passa do mediano. Não existe nada de muito espetacular em termos de produção nesse filme. E por que ele é tão cultuado até os dias de hoje? Fácil de responder, simplesmente porque ele apela para os sentimentos mais primitivos do ser humano. O medo do desconhecido, do sobrenatural. Além disso usou de forma extremamente inteligente de vários símbolos religiosos. O medo em sua expressão mais psicológica.

Claro que "A Bruxa" não pode ser comparado ao "Exorcista", mas os filmes tem bastante coisas em comum. A principal é que tudo caminha em um crescente de suspense que vai se transformando em desespero. Nada é muito explorado de forma explícita. Muita coisa é simplesmente sugerida. Ao invés de encher os olhos de coisas horrendas o roteiro apenas sugere caminhos para a nossa imaginação e o nosso medo. O roteiro também é de uma simplicidade ímpar: há uma família no meio da floresta. Eles foram banidos da comunidade. O lugar é frio, escuro e misterioso. Há boatos de que rituais de bruxaria são realizados nas redondezas. A família que está naquela situação é formada por aqueles primeiros pioneiros que foram para o novo mundo em busca de um recomeço. Só encontraram uma terra ainda muito primitiva e inexplorada. Não é de se admirar que a mente comece a pregar peças em cada um deles. Um mero animal irracional, um bode, pode assumir uma simbologia macabra. Uma sombra entre as árvores pode se transformar na mente em uma manifestação terrena do anjo caído. Algo que realmente pode ser apenas um surto da mente de cada um ou a manifestação real do sobrenatural.

O bom desse roteiro é que se o espectador prestar bem atenção saberá que ele nunca dará uma resposta definitiva às várias perguntas que vão surgindo. Há realmente algo estranho ali, a manifestação do mal, ou tudo o que acontece de ruim foi causado apenas pelos membros da família que simplesmente passam por um surto de fanatismo religioso coletivo? Por fim e não menos importante outra coisa muito interessante desse filme é seu contexto histórico. No século XVII (onde a estória do filme se passa) a mentalidade das pessoas era bem diferente da atual. As bruxas eram criaturas reais e não fruto da imaginação do homem. Elas estavam ao redor, esperando para passar maldições e heresias. Por essa razão tantas mulheres foram mortas nas fogueiras da inquisição. Não era algo abstrato, conceitual. Longe disso, era tudo encarado como realidade concreta! O mal absoluto jamais era encarado como uma abstração da mente, mas algo palpável. Um sinal dos tempos.

A Bruxa (The VVitch: A New-England Folktale, EUA, Canadá, Inglaterra, 2015) Direção: Robert Eggers / Roteiro: Robert Eggers / Elenco: Anya Taylor-Joy, Ralph Ineson, Kate Dickie / Sinopse: Em 1660, na colônia da Nova Inglaterra, uma família de peregrinos é expulsa de uma comunidade puritana. Tendo que viver próximo a uma floresta misteriosa eles começam a perceber e sentir a presença de uma entidade maligna. Após o sumiço do bebê as coisas começam a ir de mal a pior, colocando todos no limite de sua própria sanidade.

Pablo Aluísio.

Leia mais sobre A Bruxa clicando Aqui! 

Caos

Título no Brasil: Caos
Título Original: Chaos
Ano de Produção: 2005
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: Sony Pictures
Direção: Tony Giglio
Roteiro: Tony Giglio
Elenco: Jason Statham, Ryan Phillippe, Wesley Snipes, Jessica Steen
  
Sinopse:
Após uma operação policial mal sucedida em que morre uma refém o detetive Quentin Conners (Jason Statham) é suspenso da corporação. Seu retorno só acontece quando uma quadrilha domina uma agência bancária no centro de Seattle. Liderados pelo misterioso Lorenz (Wesley Snipes) eles exigem a presença de Conners nas negociações. De volta à ativa as coisas novamente não saem muito bem. Para piorar o veterano policial precisa lidar com seu novo parceiro, Shane Dekker (Ryan Phillippe), um novato recém saído da academia de polícia. Ao seu lado ele tentará colocar o bando de Lorenz atrás das grades.

Comentários:
Nada é o que aparenta ser. Esse é aquele tipo de filme que qualquer comentário fora do lugar estragará as várias surpresas do roteiro. Esse por sua vez é muito bem bolado e mantém o espectador o tempo todo em suspense. Há dois eventos que definirão toda a estória. A primeira acaba sendo o estopim de tudo o que acontecerá em cena. Conners e seu parceiro acabam cometendo um erro numa ponte durante uma forte chuva. Há uma refém e um criminoso apontando a arma em sua direção. Como sair dessa armadilha? Um dos policiais perde o controle e atira. A refém é morta. Depois o sequestrador também é baleado. Os dois detetives são afastados. Um deles é expulso, mas o personagem de Statham consegue ficar no departamento de polícia, ainda que afastado e suspenso por tempo indeterminado. O segundo evento crucial do filme surge quando um banco é assaltado, todos os criminosos são liderados pelo frio e calculista Lorenz (Snipes). Ele parece conhecer muito bem a forma como Conners (Statham) trabalha e por isso o chama para servir como negociador. Mas afinal o que haveria por trás de todo esse suposto crime? O grande mérito desse roteiro inteligente é a reviravolta que acontece nos 10 minutos finais. Talvez você não pegue todas as pistas que vão sendo deixadas pelo caminho. Melhor assim. Uma das grandes graças de se assistir a filmes como esse é justamente se surpreender com o desenrolar dos fatos. Nesse aspecto o diretor Tony Giglio se saiu excepcionalmente bem.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

A Culpa é das Estrelas (2014)

Título no Brasil: A Culpa é das Estrelas
Título Original: The Fault in Our Stars
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Temple Hill Entertainment
Direção: Josh Boone
Roteiro: Scott Neustadter, Michael H. Weber
Elenco: Shailene Woodley, Ansel Elgort, Nat Wolff

Sinopse:
Dois jovens com sérios problemas de saúde encontram a felicidade em suas vidas ao se apaixonarem e viverem uma bonita estória de amor. Enquanto vão descobrindo os segredos e alegrias do amor adolescente, vão entendendo também que o tempo de ambos está chegando ao fim. Filme vencedor de sete prêmios no Teen Choice Awards, entre eles nas categorias de melhor filme, atriz e ator.

Comentários:
Filme que caiu no gosto do público adolescente, já se tornando um cult da turminha mais jovem. Alguns mais críticos chegaram ao ponto de dizer que seria uma espécie de "Love Story" dos tempos atuais. Afinal essa coisa toda de romance com final trágico lembra bastante ao clássico romântico dos anos 1970. Vamos convir que tudo isso é um tremendo exagero. Na verdade é um bom filme, com roteiro bem redondinho, bom elenco e situações que acabam cativando, principalmente para quem ainda acredita no amor verdadeiro. O enredo começa sem maiores pretensões, um namorico entre dois adolescentes, mas vai crescendo em dramaticidade conforme a estória vai se desenrolando. Quem se destaca mesmo no meio das lágrimas é a gatinha Shailene Woodley, que diga-se de passagem, já virou ídolo teen nos Estados Unidos, aparecendo em capas de cadernos, revistas para o público jovem e toda aquela badalação que já estamos acostumados com esse tipo de sucesso juvenil. Ainda é cedo para dizer se a moça vai realmente virar uma grande estrela do cinema, mas o primeiro passo já foi dado. Fora isso é bom ir preparando os lencinhos para se emocionar com tudo o que acontece em cena. Ah, como é bom ter 16 anos estando apaixonado... Os românticos de plantão agradecem!

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 25 de abril de 2016

No Coração do Mar

Título no Brasil: No Coração do Mar
Título Original: In the Heart of the Sea
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos, Austrália, Espanha
Estúdio: Village Roadshow Pictures, Warner Bros
Direção: Ron Howard
Roteiro: Charles Leavitt
Elenco: Chris Hemsworth, Cillian Murphy, Brendan Gleeson, Benjamin Walker, Ben Whishaw

Sinopse:
A premissa é das mais interessantes. No século XIX um escritor em busca de material para o seu novo livro começa a ouvir as recordações de um velho marinheiro. Esse lhe conta o que aconteceu com o navio Essex. Na versão oficial ele teria ficado encalhado durante uma longa viagem pelos mares do sul. A verdade porém escondia algo maior. Em busca do óleo de baleia (muito usado na época pela indústria) a embarcação e toda a sua tripulação teria sido na realidade atacada por uma enorme baleia cachalote branca. Um verdadeiro monstro marinho. E foi justamente baseando-se nessa história real que o escritor Herman Melville (Ben Whishaw) finalmente escreveria a obra prima de sua vida, o clássico "Moby Dick" publicado em 1851. Filme indicado ao Visual Effects Society Awards.

Comentários:
O texto a seguir contém spoiler. Assim se ainda não assistiu ao filme recomendo que não siga adiante. Então se chegou até aqui vamos em frente. Esse é um filme atual com o charme da velha escola de Hollywood. Assim eu poderia inicialmente definir essa produção. Como todos sabemos o romance "Moby Dick" é um dos grandes clássicos da literatura mundial. A saga de um velho capitão em busca de uma baleia assassina pelos sete mares, alimentado por uma alucinada obsessão pessoal, é um marco da cultura mundial. Um romance imortal. Até aí tudo bem. A questão que o roteiro desse filme tenta responder a questão sobre a origem do livro, de onde teria surgido aquela estória inesquecível. Assim somos transportados para o século XIX quando o baleeiro Essex parte da costa oeste dos Estados Unidos rumo ao mar. O objetivo seria capturar baleias para extrair o seu precioso óleo (usado, entre outras coisas, na iluminação noturna das grandes cidades). No comando da grande nau surge o capitão George Pollard (Benjamin Walker), um sujeito ainda sem experiência que só ganhou o posto por causa de sua linhagem familiar pois faz parte de uma tradicional família de marinheiros notórios. Como seu primeiro imediato segue Owen Chase (Chris Hemsworth) que, bem ao contrário de seu capitão, tinha experiência de sobra em grandes viagens pelos oceanos. A diferença de visão entre eles será uma das principais forças dramáticas desse roteiro. Pois bem, o filme é extremamente bem feito, com excelentes efeitos especiais. A imensa baleia cachalote é toda produzida virtualmente, mas isso em momento algum atrapalha tendo em vista a qualidade técnica superior. O roteiro é claramente dividido em dois atos. O primeiro é realmente muito bom. Temos o começo da viagem, os primeiros problemas decorrentes da falta de experiência do capitão e o enfrentamento com a terrível criatura marítima. Tudo o que se poderia esperar de um filme como esse. Aventura e emoção nas doses exatas. O problema é que bem na metade da duração do filme começa o segundo e último ato, justamente quando os tripulantes do Essex já não podem mais contar com seu navio que naufragou. Eles assim ficam à deriva por semanas, tentando sobreviver a qualquer custo, em pequenos barcos - apelando inclusive para o canibalismo. Essa segunda parte do filme decai muito por ser arrastada e por não contar mais com cenas grandiosas como no começo da estória. Assim como os personagens vão se arrastando para saírem vivos daquela situação o próprio filme fica igualmente arrastado. Pitadas de tédio e monotonia vão surgindo nas cenas repetitivas, o que para um filme como esse é quase fatal. O diretor Ron Howard assim não soube dividir direito seu enredo, tropeçando em inúmeros problemas de ritmo em seu desfecho. Mesmo com esse pequeno deslize eu ainda recomendo o filme pelo que ele tem de melhor: o velho charme nostálgico das antigas produções da Hollywood clássica. Sob esse ponto de vista as eventuais falhas acabam ficando em segundo plano.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

O Espadachim Negro

Título no Brasil: O Espadachim Negro
Título Original: The Black Knight
Ano de Produção: 1954
País: Inglaterra
Estúdio: Warwick Film Productions
Direção: Tay Garnett
Roteiro: Alec Coppel, Dennis O'Keefe
Elenco: Alan Ladd, Peter Cushing, Patricia Medina, André Morell
  
Sinopse:
John (Alan Ladd) é um humilde ferreiro que fabrica espadas nos tempos de reinado do lendário Rei Arthur (Anthony Bushell). O que poucos desconfiam é que o vil Sir Palamides (Peter Cushing) pretende destruir a corte de Camelot, conspirando para matar o Rei e seus cavaleiros. Para isso usa de falsos guerreiros vikings que supostamente estariam destruindo os castelos dos principais nobres da corte. O vilão deseja que o Rei Mark (Patrick Troughton) reine no lugar do deposto Arthur por toda a Inglaterra. Para combater esse plano maquiavélico, John resolve incorporar o Cavaleiro Negro, um misterioso herói que lutará pela justiça e por Arthur.

Comentários:
O ator Alan Ladd (1913 - 1964) foi um dos grandes astros do western americano. Basta lembrar do grande clássico "Os Brutos Também Amam" para entender bem isso. Pois bem, em 1954 ele aceitou o convite de produtores britânicos para atuar em uma produção bem diferente em sua carreira. Ao invés de interpretar um cowboy em mais uma produção de faroeste ele aqui surgiria como um verdadeiro cavaleiro medieval! Ao assistir ao filme a única conclusão que cheguei foi a de que esse estilo definitivamente não caiu muito bem para Ladd. Ele está bem apático no papel de um cavaleiro negro que tenta salvar a corte do Rei Arthur. Estão lá todos os cavaleiros da távola redonda, os cenários medievais, os castelos, o figurino colorido típico da época, as donzelas, mas nada disso parece funcionar muito bem. O principal defeito desse filme vem de seu roteiro que soa muito mal escrito e cheio de clichês em todos os momentos. A trama é das mais singelas que você possa imaginar, quase em linguagem de história em quadrinhos. Há um rei virtuoso (Arthur), um vilão sarraceno inescrupuloso (interpretado por Peter Cushing, maquiado para parecer ser um autêntico mouro) e é claro o herói, o próprio ferreiro John (Ladd) que nos momentos necessários se transforma no misterioso Cavaleiro Negro, defensor da justiça e da honra (com ecos que lembram demais outro personagem famoso, o Zorro!). Embora perca pontos em termos de roteiro e enredo, o fato é que o filme como um todo tem boa e bonita produção. A direção de arte aliás é um dos pontos favoráveis para se assistir até o fim. Mesmo em situações claramente absurdas - como a tentativa de usar o famoso monumento de Stonehenge como um templo de adoração ao deus Sol, confundindo épocas históricas diferentes - os belos figurinos compensam a falta de um conteúdo melhor em termos de roteiro. A estória estraga um pouco o filme pois é por demais boba e derivativa, mas o visual, as armaduras, os duelos, as capas, as armas medievais, tudo isso acaba ajudando bastante para compensar os pontos fracos. Dessa maneira temos que admitir que infelizmente as coisas não funcionaram muito bem. Tudo culpa do fraco texto e da atuação preguiçosa e fora do tom de Alan Ladd. Ele parece sonolento e depressivo em várias cenas, algo que não combinou com a proposta de ser um herói de filmes de aventura. Para falar a verdade ele só trabalhou durante onze dias nas filmagens, sendo substituído por um dublê depois nas várias cenas de ação. Pelo jeito não estava mesmo com muita vontade de fazer o filme. Muito provavelmente se Errol Flynn estivesse nesse papel as coisas teriam sido bem melhores. Com Ladd tudo o que temos mesmo é um protagonista que em nenhum momento chega a empolgar. Então é isso, "The Black Knight" é um filme visualmente bem bonito, mas igualmente vazio em seu conteúdo.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

A Volta dos Homens Maus

Título no Brasil: A Volta dos Homens Maus
Título Original: Return of the Bad Men
Ano de Produção: 1948
País: Estados Unidos
Estúdio: RKO Radio Pictures
Direção: Ray Enright
Roteiro: Charles O'Neal, Jack Natteford
Elenco: Randolph Scott, Robert Ryan, George 'Gabby' Hayes, Anne Jeffreys
  
Sinopse:
Uma quadrilha formada por alguns dos mais infames pistoleiros do velho oeste como Billy The Kid, Sundance Kid, os irmãos Youngers e os irmãos Daltons se unem para promover uma série de ações criminosas em pequenas cidades do território de Oklahoma. Uma jovem chamada Cheyenne (Anne Jeffreys) resolve também se unir ao bando, mas durante um assalto a banco acaba sendo atingida por um tiro certeiro em seu ombro. Após cavalgar por várias horas ela acaba indo parar na fazenda do rancheiro aposentado Vance (Randolph Scott) que resolve lhe ajudar. Como é uma garota muito jovem ainda, Vance entende que ela deve largar o mundo do crime, para dar um novo rumo em sua vida.

Comentários:
Mais um bom filme da carreira de Randolph Scott. Inicialmente o fã de western pode vir a pensar que se trataria de uma espécie de sequência de "A Terra dos Homens Maus" de 1946, também estrelado por Randolph Scott. É uma visão equivocada. São dois filmes diversos, com personagens diferentes. O único elo de ligação vem dos roteiros que se aproveitam de bandidos famosos do velho oeste para contar suas estórias. No filme anterior, por exemplo, havia o bando de Jesse James. Já aqui os roteiristas trouxeram outros nomes conhecidos como Billy The Kid (pouco aproveitado) e Sundance Kid (como um pistoleiro com ares de psicopatia). Uma das coisas que mais gostei desse filme foi seu roteiro, muito bem desenvolvido, com ênfase em todos os personagens. O Vance de Randolph Scott, por exemplo, acaba tendo dois interesses românticos na estória. Ora ele se interessa pela jovem cowgirl Cheyenne, ora pretende se casar com a bela e recatada Madge Allen (Jacqueline White). A melhor parte acontece quando resolve aceitar o convite para se tornar xerife em uma cidade recém inaugurada, durante a corrida da colonização no Oklahoma. Naqueles tempos as terras do oeste eram doadas pelo governo a quem chegasse primeiro (um fato histórico que foi bem aproveitado em muitos filmes de faroeste ao longo dos anos). Como dono da estrela de prata ele precisa limpar a região dos foras-da-lei e bandoleiros em geral. Uma coisa nada fácil de se conseguir. Agora em termos de elenco quem se destaca mesmo é o veterano George 'Gabby' Hayes. Com seu jeito bem peculiar, servindo como alívio cômico, ele acaba roubando a cena como um dono de banco que acaba se tornando alvo do bando de criminosos. Suas cenas são bem divertidas e Gabby acaba mesmo chamando todas as atenções para si. Por fim, para completar o pacote, a cena final acontece numa cidade fantasma, que na verdade serve de esconderijo para o bando de criminosos. Em suma, não falta mesmo nada nesse bem tradicional western americano da década de 40. Miais um belo momento da filmografia do grande Randolph Scott.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

O Especialista - O Vingador de Tombstone

Título no Brasil: O Especialista - O Vingador de Tombstone
Título Original: Gli specialisti
Ano de Produção: 1969
País: Itália, França, Alemanha
Estúdio: Adelphia Compagnia Cinematografica, Les Films Marceau
Direção: Sergio Corbucci
Roteiro: Sabatino Ciuffini, Sergio Corbucci
Elenco: Johnny Hallyday, Françoise Fabian, Sylvie Fennec
  
Sinopse:
Bret Dixon (Johnny Hallyday) é um pistoleiro do velho oeste que chega na pequena cidade de Blackstone para um acerto de contas. Acontece que seu irmão foi linchado de maneira covarde por alguns membros da população da cidade. Dixon quer saber o motivo e quem promoveu a morte horrível de seu irmão. Ele quer vingança contra cada um dos assassinos infames, os responsáveis por essa barbaridade indescritível.

Comentários:
Todo fã de western spaguetti (ou como gostam de dizer os mais sofisticados, Euro-Western) sabe que um dos grandes mestres desse tipo de filme foi o italiano Sergio Corbucci (nascido em Roma em 1926, falecido em 1990). Ao invés de investir apenas em ação e tiroteios, Corbucci procurava também trazer um background psicológico para todos os seus personagens. O protagonista aqui é um exemplo. interpretado pelo bom Johnny Hallyday (que apesar do nome americano era francês de nascimento, natural da bela Paris), ele é um pistoleiro solitário em busca não tanto de justiça, mas sim de vingança. Seu irmão foi morto de forma covarde pelos cidadãos ditos decentes da cidade. Um linchamento em praça pública. Ele foi acusado de ter roubado um dinheiro que deveria ter trazido com segurança de Dallas. A questão é que em volta dessa acusação sem fundamento se esconde vários interesses escusos, envolvendo membros influentes daquela sociedade. Para muitos críticos da época o diretor Sergio Corbucci teria errado a mão apenas numa questão: ele exagerou no clima sufocante e deprimente na qual se passa a estória. Não penso dessa forma. Na realidade o que vemos aqui é uma tentativa desse cineasta em criar um ambiente psicologicamente sufocante. Não é à toa que Sergio Corbucci é ainda hoje cultuado pelos filmes que dirigiu.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 24 de abril de 2016

Maria Madalena

Maria Madalena é uma das figuras mais emblemáticas dos evangelhos. Ela está nas narrativas sempre ao lado de Jesus, mesmo nos momentos mais terríveis. Ela é uma das mulheres identificadas ao pé da cruz enquanto Jesus era morto e torturado pelos soldados romanos. Certamente foi um conforto para o próprio Jesus saber que Maria Madalena não o havia abandonado, pois estava presente, trazendo conforto e exemplo para Jesus no momento mais dramático de sua vida. Ele não estava sozinho pois Maria e outras mulheres estavam ao seu lado nos últimos momentos. E talvez também por ter tido essa coragem ela tenha sido uma das primeiras pessoas a verem Jesus ressuscitado, glorioso, além da morte.

Mesmo sendo uma figura tão central muitas dúvidas ainda existem sobre a Maria Madalena da história. Poucos detalhes de sua vida, origem ou história pessoal são revelados pelos evangelhos. Uma das pistas vem justamente de seu nome. A palavra Madalena determinava sua origem. Era comum na antiguidade, onde a maioria das pessoas não tinham sobrenome, o uso de uma palavra que indicava sua origem para diferenciá-la de outros nomes iguais. Assim Maria Madalena significa Maria, que vinha da cidade de Magdala. Mas quem era ela? O que fazia para viver? O que aconteceu com ela após a morte de Jesus? E uma questão que tem sido muito levantada nos últimos anos: Maria Madalena foi realmente a esposa de Jesus?

O Papa Gregório, o Grande, não tinha também muitas respostas para essas perguntas, mas a associou a uma mulher que surge nos evangelhos, a de uma prostituta a quem Jesus teria prometido salvação eterna caso ela deixasse os pecados para trás. A questão é que essa foi uma interpretação bem pessoal do Papa uma vez que os quatro evangelhos ao contarem esse mesmo evento, jamais dão um nome a tal mulher e nem tampouco a associam a Maria Madalena. Sobre ela tudo o que sabemos é que estaria possuída por sete demônios que foram expulsos por Jesus. Após isso ela teria seguido os passos de Jesus Cristo em sua missão de evangelizar e pregar a palavra de Deus a todos os homens.

Maria parece estar sempre presente ao lado de Jesus nos momentos mais importantes da Bíblia. Sua influência e importância era tamanha que chegou a despertar os ciúmes de Pedro. Após a crucificação de Jesus ela foi até a tumba de seu senhor para os preparativos de seu luto. Ao chegar lá encontrou a pedra de sua tumba deslocada. O corpo havia sumido. Inicialmente Maria pensou que o corpo de Jesus havia sido roubado. Ela se lamentou profundamente por isso, pois havia levado todos os elementos necessários para as últimas homenagens ao seu mestre. Onde estavam os demais apóstolos? Tinham se dispersados.

Ela acabou olhando para fora de tumba e encontrou um homem misterioso, parcialmente escondido sob um capuz, a quem pensou inicialmente ser o jardineiro. O homem então olhou para ela e a chamou pelo nome: "Maria!" E então ela finalmente o reconheceu. Era Jesus! O seu mestre havia ressuscitado. Ela tentou abraçá-lo, mas Jesus disse: "Não estou pronto ainda para ser abraçado!". Assim Maria foi a primeira pessoa a ver Jesus ressuscitado, algo incrível e maravilhoso que demonstrava como Maria Madalena era importante para o próprio Jesus de Nazaré.

Um dos mistérios que a cercam porém é que depois da ressurreição e de ter presenciado esse momento maravilhoso ela simplesmente sumiu dos registros históricos, inclusive da própria igreja recém fundada. Nesse ponto o destaque começa a se desviar para Pedro, o primeiro Papa. O que aconteceu com Maria? Até hoje é um grande mistério. Em 1896 um antigo livro que estava perdido há séculos na biblioteca de Berlim se revelou como o "Evangelho de Maria". Para estudiosos esse livro do século II era atribuído não a Maria, mãe de Jesus, mas sim a Maria Madalena. Era mais um novo evangelho apócrifo que surgia das areias do tempo.

O livro original ainda existe em parte e está na Alemanha. Nesse Evangelho Maria conta tudo o que aconteceu após a ressurreição de Jesus. Ela escreve que foi até Pedro e os demais apóstolos para contar que viu Jesus e que encontrou até mesmo certa resistência por parte de Pedro. Ela deixa claro que era uma das líderes da igreja primitiva e que teria sido a primeira seguidora. Seu papel de mulher porém teria encontrado uma forte oposição entre os primeiros cristãos. Verdade ou pura ficção?

Estudiosos acreditam que o Evangelho de Maria não pode ser creditado a ela. O estilo e a forma de escrita era própria do século II, quando Maria já havia falecido. Mesmo assim o texto é bem revelador pois traz uma luz sobre Maria após a morte e ressurreição de Jesus. Embora seja algo especulativo alguns afirmam que Maria Madalena teria sido uma mulher bem mais velha que Jesus e os discípulos, que teria bens materiais e que por essa razão teria sustentado os primeiros cristãos com sua riqueza. Por essa razão ela também não teria vivido muito mais anos do que Jesus.

Por fim vale a pena também citar uma outra lenda antiga sobre Maria Madalena. Essa lenda inclusive acabou servindo de fonte para o best seller "O Código Da Vinci". Essa lenda medieval afirmava que Maria Madalena teria ido embora de Jerusalém após a crucificação e ressurreição do Messias. Queria proteger uma pessoa muito especial, o próprio filho natural de Jesus. Assim ela zarpou rumo à costa da França. Essa criança teria dado origem à dinastia dos Reis Carolíngios. Essa segunda lenda foi desmentida em parte. Isso porque segundo o conto original Maria Madalena teria levado seu filho para a França e lá ele teria dado origem a uma geração de reis que reinaram pela França por séculos. O problema é que para testar a verdade dessa lenda vários exames de DNA foram feitos nos restos mortais de alguns desses monarcas e nenhum traço de DNA do Oriente Médio foi encontrado em seus códigos genéticos. Assim a velha estória de que os Reis Carolíngios tinham sangue sagrado de Jesus correndo em suas veias era simplesmente uma lenda medieval e nada mais.

Pablo Aluísio.