quinta-feira, 10 de junho de 2010

Sucker Punch

Garota chamada Baby Doll (Emily Browning) é internada em um hospício por seu padastro. Uma vez lá dentro ela começa a perder a noção do mundo ao seu redor, se envolvendo em fantasias e alucinações onde não consegue mais separar a realidade do surrealismo. Esse "Sucker Punch" é aquele tipo de filme que ou você embarca na proposta do roteiro ou vai odiar. Eu achei a estrutura do argumento bem curiosa. No fundo há três mundos paralelos: o primeiro seria a realidade onde Baby Doll é levada a uma instituição psiquiátrica para se submeter a uma lobotomia. O segundo seria seu universo de fantasia onde ela alucina pensando estar em uma boate com shows de Vaudeville e por fim a terceira realidade surreal: quando dança ela se transporta para uma dimensão de guerras e lutas onde convivem samurais gigantes, batalhas da I Guerra Mundial e lutas em ritmo de videogame. Claro que muitas pessoas vão acabar se perdendo nessas "dimensões dentro de outras dimensões dentro de outras dimensões".

Eu devo confessar que embarquei no filme. Curti o visual ultra exagerado, beirando o kitsch e todos os excessos que acompanhamos na produção. O fato é que as garotas são carismáticas e não há como não se solidarizar com a triste situação em que vivem. Em minha opinião o Zack Snyder literalmente chutou o balde com esse filme. Sem as amarras de uma obra conhecida, como aconteceu em "Watchmen", ele literalmente deu asas à sua própria imaginação (e coloca imaginação nisso!). O filme é uma overdose de efeitos digitais, lutas inverossímeis e tudo mais o que essa geração criada a videogame e internet tem direito. Arrisque, não garanto que todos vão gostar, mas pelo menos a experiência vai valer a pena.

Sucker Punch (EUA, 2011) / Direção: Zack Snyder / Roteiro: Zack Snyder e Steve Shibuya / Elenco: Emily Browning, Vanessa Hudgens, Jena Malone, Carla Gugino / Sinopse: Babydoll (Emily Browning) foi internada em um sanatório pelo padrasto, de olho na fortuna da mãe. Para sobreviver ao tormento e escapar de uma provável lavagem cerebral, ela descobre que pode se refugiar dentro da própria mente, criando um universo paralelo.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 9 de junho de 2010

O Legionário

Título no Brasil: O Legionário
Título Original: Legionnaire
Ano de Produção: 1998
País: Estados Unidos
Estúdio: Edward R. Pressman Film, Long Road Productions
Direção: Peter MacDonald
Roteiro: Sheldon Lettich, Jean-Claude Van Damme
Elenco: Jean-Claude Van Damme, Adewale Akinnuoye-Agbaje, Steven Berkoff

Sinopse:
Um boxeador chamado Alain Lefevre (Jean-Claude Van Damme) engana um perigoso mafioso e para se manter vivo se alista na famosa Legião Francesa. Enviado até os confins do deserto ele começa a entender como é dura e brava a vida de todos aqueles legionários.

Comentários:
Era de se esperar mesmo que mais cedo ou mais tarde o belga Jean-Claude Van Damme viesse a interpretar um legionário no cinema. Afinal de contas a legião francesa até hoje exerce um grande fascínio entre os europeus de uma forma em geral. Conhecidos por sua bravura e determinação, esses soldados povoam o imaginário popular há décadas. Curiosamente a estória foi escrita pelo próprio Jean-Claude Van Damme que tinha esse velho sonho de infância. Ele acreditou tanto nessa sua ideia que bancou a produção desse filme. "O Legionário" não é lá grande coisa mas dentro do padrão dos filmes que ele realizou ao longo da carreira até que fica um pouco acima da média do que seus fãs costumavam ver. Claro que por estar em um contexto diferente, cujo enredo se passa na década de 1920, há até uma melhor produção, com figurinos de época e reconstituição histórica mais caprichada, o que talvez justifique o fato de "O Legionário" ter sido elogiado em seu lançamento por causa da bela fotografia e da bem colocada trilha sonora.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Viver e Morrer em Los Angeles

Título no Brasil: Viver e Morrer em Los Angeles
Título Original: To Live and Die in L.A.
Ano de Produção: 1985
País: Estados Unidos
Estúdio: United Artists
Direção: William Friedkin
Roteiro: Gerald Petievich, William Friedkin
Elenco: William Petersen, Willem Dafoe, John Pankow

Sinopse:
Dois policiais de Los Angeles tentam seguir os passos de um perigoso grupo de criminosos envolvidos em tráfico de drogas e outros esquemas ilegais. Um deles é encurralado e morto covardemente. O outro jura e promete vingança pelo sangue derramado do colega, amigo e parceiro.

Comentários:
Mesmo passando por uma grave crise na carreira o diretor William Friedkin conseguiu rodar esse bom policial, ambientado no mundo do tráfico de drogas em Los Angeles durante a década de 1980. O filme tem um roteiro muito bem escrito pelo próprio diretor, baseado na novela policial de Gerald Petievich e consegue prender a atenção do começo ao fim. De certo modo é um herdeiro da linguagem mais cru e realista da década anterior e talvez por essa razão, por não ser um produto meramente pop como "Um Tira da Pesada", por exemplo, não conseguiu fazer o sucesso merecido nas bilheterias. Eu analiso o fracasso comercial dessa fita fazendo um paralelo da mudança de mentalidade entre os públicos da década de 70 e 80. Nos anos 70 havia todo um sentimento de uso do cinema como meio de mudança social, onde os grandes temas em voga na sociedade estavam mais em voga. Já nos ano 80 imperou a fantasia e o pop, principalmente das produções comandadas por Steven Spielberg e todos aqueles que o seguiam esteticamente. Por essa razão " To Live and Die in L.A." não foi tão bem recebido como merecia. O consolo vem do fato de que os anos fizeram jus a esse policial e ele hoje é reconhecido como um dos melhores daquela década. Antes tarde do que nunca.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Operação Yakuza

Título no Brasil: Operação Yakuza
Título Original: The Yakuza
Ano de Produção: 1974
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: Sydney Pollack
Roteiro: Paul Schrader, Robert Towne
Elenco: Robert Mitchum, Ken Takakura, Brian Keith

Sinopse:
Harry Kilmer (Robert Mitchum) é um americano que decide retornar ao Japão para ajudar um velho amigo, cuja filha caiu nas mãos da temida máfia japonesa, a Yakuza. Após tomar conhecimento dos acontecimentos ele começa sua investigação que o levará ao lado mais sombrio do mundo do crime na terra do sol nascente.

Comentários:
Uma fita policial que chegou a ser bem popular no Brasil. Um trabalho curioso e diferente da safra do talentoso Sydney Pollack. Aqui ele preferiu trabalhar não apenas com um roteiro muito bem articulado, mas também com generosas cenas de ação e violência. O filme é protagonizado pelo veterano Robert Mitchum, considerado já naquela altura de sua carreira um dos maiores mitos da era de ouro de Hollywood. Embora já bastante envelhecido o bom e velho Mitchum demonstra em cena que ainda podia segurar um filme inteiro nas costas. Como não poderia deixar de ser o texto do roteiro procura se aproveitar ao máximo das diferenças culturais existentes entre duas culturas tão diversas, a americana e a japonesa. Também demonstra com muito talento que se existe algo perigoso no mundo do crime é justamente impor códigos de honra tradicionais em organizações criminosas como a máfia japonesa, conhecida pela alcunha de Yakuza. Some-se a tudo isso uma bela fotografia que faz o espectador passear pelos becos mais sujos das ruas nipônicas e você terá certamente um belo filme policial dos anos 1970. Cru, realista e muito eficiente em seus objetivos.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 6 de junho de 2010

Red Scorpion

Título no Brasil: Red Scorpion
Título Original: Red Scorpion
Ano de Produção: 1988
País: Estados Unidos
Estúdio: Abramoff Production
Direção: Joseph Zito
Roteiro: Jack Abramoff, Robert Abramoff
Elenco: Dolph Lundgren, M. Emmet Walsh, Al White

Sinopse:
Nikolai (Dolph Lundgren) é um agente soviético da KGB enviado para se infiltrar e esmagar um levante rebelde Africano. Uma vez lá acaba atraído pela causa dos guerrilheiros, uma traição que enfurece seus superiores russos. Agora ele se tornará o alvo do serviço secreto comunista. Fugindo através do deserto inóspito, na companhia de um jornalista americano contraditório (M. Emmet Walsh), Nikolai alia-se com uma tribo de bosquímanos rebeldes, e ganha o codinome de "Red Scorpion" por causa de sua extrema coragem em combate.

Comentários:
Quando não está tirando algum doutorado em Engenharia Elétrica em seu país de origem, a Suécia, o fortão Dolph Lundgren vai tentando consolidar sua carreira no cinema. Pode-se até duvidar de seus talentos dramáticos, mas não se pode chamar o ator de pouco trabalhador pois até o momento ele já atuou em nada mais, nada menos do que quase sessenta filmes, uma marca e tanto para ele, que na realidade nunca conseguiu virar um genuíno astro de filmes de ação. Esse "Red Scorpion" foi uma clara tentativa de faturar em cima da imagem construída por Dolph Lundgren em "Rocky IV". Assim como lá ele aqui interpreta um russo na era da guerra fria. Essa é uma daquelas produções feitas para um público específico, que corre atrás de muita pancadaria, cenas de ação e pouco papo furado (entenda-se roteiros mais bem trabalhados). Assim Lundgren desce a porrada em quem ousa cruzar seu caminho atrapalhando seus planos. Simples não? Mas também bem divertido.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 5 de junho de 2010

O Caçador

Uma boa produção australiana. O filme conta a estória de um caçador (Willem Dafoe) que é contratado por uma grande empresa de engenharia genética para ir até a Tâsmania (na Austrália) com o objetivo de capturar o que seria a última espécie de um famoso tigre que é dado como extinto pela ciência desde a década de 20. Chegando lá ele acaba conhecendo a família de um ecologista desaparecido. Também tem que lidar com a hostilidade dos moradores locais que pensam que ele também é um pesquisador ecologista, O fato é que a indústria madeireira da região é a única fonte de trabalho dos moradores do local. O filme é lindamente fotografado em uma região extremamente bela da Oceania. Há longas tomadas da fauna e flora da densa floresta australiana. O roteiro soube explorar bem esse lado mais natural sem esquecer também de desenvolver o afeto que o caçador vai nutrindo pela família que lá encontra.

Os fãs do cinema americano provavelmente vão estranhar um pouco o ritmo da produção que não tem pressa nenhuma em contar a estória. Há uso de efeitos digitais também mas eles são discretos e necessários uma vez que o tal tigre da Tasmânia está extinto mesmo e eles tiveram que recriar o animal digitalmente. O roteiro é bem escrito e redondinho e não tem pretensões de ser épico ou tentar desenvolver os personagens mais profundamente. No fundo é um misto de mensagem ecológica com cenas de cartão postal. A única crítica mais severa que faço a "The Hunter" é o seu desfecho que achei realmente imoral e indigno. Poderiam ter desenvolvido outro destino para o animal caçado - do jeito que ficou o final me deixou realmente aborrecido. De qualquer forma assistam, penso que irão gostar (principalmente os defensores da natureza).

O Caçador (The Hunter, Austrália, 2011) Direção: Daniel Nettheim / Roteiro: Alice Addison / Elenco: Sam Neill, Willem Dafoe, Frances O'Connor, Sullivan Stapleton , Dan Wyllie, Callan Mulvey, Jacek Koman, Morgana Davies / Sinopse: Martin David (Willem Dafoe) é um caçador que é contratado por uma empresa de biotecnologia para ir até distante floresta australiana com o objetivo de capturar o último tigre da Tasmânia.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Contrabando

Irmão mais jovem de antigo contrabandista que tenta se redimir (Mark Wahlberg) se complica ao jogar fora carregamento de drogas que levava em um navio mercante que acabou sendo alvo da Alfândega americana. Devendo a traficantes sua última saída é ao lado do irmão tentar levar ao território americano um carregamento de notas falsas fabricadas no Panamá. "Contrabando" é um eficiente thriller policial e de ação que a despeito de ter alguns clichês em seu roteiro consegue entreter e divertir. Um dos pontos mais positivos do roteiro é a constante tensão vivida pelos personagens. Todos de uma forma ou outra fazem parte de uma grande teia de contrabandistas, traficantes e meliantes de toda ordem. Uma das situações mais curiosas reveladas pelo filme é o modus operandi que muitos contrabandistas usam para levar carga ilegal para dentro dos EUA. Engajados como marinheiros em grandes navios de carga logo usam de todos os artifícios para burlarem a fiscalização (alguns muito bem bolados e inteligentes). O argumento mostra de certa forma que é simplesmente impossível um país ter uma sistema de rastreamento de contrabando 100% eficiente. Mesmo com todas as ferramentas e equipamentos sempre existe a possibilidade de adentrar o território fiscal sem pagamento de impostos ou taxas (isso quando a carga por si própria já não é totalmente ilegal como drogas ou dinheiro falso).

O elenco de "Contrabando" é muito bom. Mark Wahlberg continua o mesmo, nada de muito relevante na questão atuação mas também não compromete o resultado final. O grande destaque aqui é novamente a presença do ator Ben Foster. Eu já tive a oportunidade de elogiar ele várias vezes, inclusive por suas ótimas atuações em filmes como "Alpha Dog" e "Os Indomáveis". Aqui Foster repete mais uma boa performance. Já Kate Beckinsale não tem muito o que fazer a não ser desfilar com sua natural beleza. Em conclusão recomendo "Contrabando" como um bom filme de entretenimento. Não é nenhuma obra prima mas dentro de suas propostas cumpre bem suas promessas.

Contrabando (Contraband, EUA, 2012) / Diretor: Baltasar Kormákur / Elenco: Mark Wahlberg, Kate Beckinsale, Ben Foster, Giovanni Ribisi, J.K. Simmons / Sinopse: Mark Wahlberg vive Chris Farraday, um contrabandista que larga a vida do crime para cuidar de sua família. No entanto, quando seu jovem cunhado Andy estraga uma importante operação de drogas, Chris se vê obrigado a voltar ao seu antigo trabalho para tentar salvar sua esposa e o jovem inconsequente.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Assalto em Dose Dupla

Patrick Dempsey surgiu no cinema na década de 80 como ídolo teen. Fazia filmes bem fraquinhos mesmo na época. Seu maior sucesso foi "Namorada de Aluguel", fime muito bobinho que cansou de passar na Sessão da Tarde. Depois disso sua carreira que já não era lá essas coisas afundou de vez e ele passou uns bons anos sumido. Só veio a ressurgir para a popularidade quando mudou de meio e foi para a TV. Lá acabou estrelando o sucesso "Grey´s Anatomy" que em sua oitava temporada não mostra sinais de queda de popularidade e nem de audiência. Renovado o ator desde então tem tentado emplacar no cinema novamente. Bom, não foi dessa vez. "Assalto em Dose Dupla" é muito fraquinho, com cara de produção de filmes lançados diretamente no mercado de venda direta ao consumidor. Uma vez li que um filme de assalto tinha que ser muito ruim para não agradar uma vez que esse subgênero dos filmes policiais eram à prova de falhas. Pois bem, como toda regra há exceção... "Assalto em Dose Dupla" cai bem nesse sentido.

O roteiro é mais do mesmo. Os personagens são fracos, frouxos e o espectador vai aos poucos perdendo o interesse. Tudo se resume em saber quem seria o autor intelectual do tal assalto a banco. Sabe-se lá o porquê o fato é que ele é uma das pessoas que estão dentro da agência bancária que está sendo assaltada. Pode ser um dos bandidos mas também pode ser um dos reféns. Eu me lembrei do velho jogo de tabuleiro chamado Detetive onde ganhava quem descobrisse quem era o assassino. Aqui sucede a mesma coisa, mas sem diversão, sem consistência. Eu pessoalmente achei a caracterização do Dempsey bizarra pois ele interpreta um personagem que toma drogas prescritas contra transtornos psicológicos. Ao invés de lidar isso com elegância o ator simplesmente parte para a caricatura e o exagero. Patrick, meu amigo, volte para as séries médicas por favor!

Assalto em Dose Dupla (Flypaper, EUA, 2011) Diretor: Rob Minkoff / Elenco: Patrick Dempsey, Ashley Judd, Tim Blake Nelson, Octavia Spencer, Beau Brasseaux, Jeffrey Tambor, Mekhi Phifer, Pruitt Taylor Vince / Sinopse: Duas gangues diferentes aparecem para roubar o mesmo banco. Durante o assalto um cliente tenta proteger a gerente em meio ao tiroteio.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Loucos do Alabama

Título no Brasil: Loucos do Alabama
Título Original: Crazy in Alabama
Ano de Produção: 1999
País: Estados Unidos
Estúdio: Columbia Pictures
Direção: Antonio Banderas
Roteiro: Mark Childress
Elenco: Melanie Griffith, David Morse, Lucas Black

Sinopse:
O sonho de Lucille Vinson (Melanie Griffith) é se tornar uma estrela em Hollywood. Para isso ela resolve ir dirigindo para a ensolarada Califórnia enquanto seu sobrinho tenta desvendar um assassinato envolvendo um xerife corrupto do Alabama. Filme indicado ao Framboesa de Ouro na categoria de pior atriz (Melanie Griffith).

Comentários:
Primeiro filme como diretor do ator Antonio Banderas! Pois é, quem esperava por algo a mais se deu mal. O fato é que Banderas é tão ruim como cineasta como é como ator. Ele não consegue acertar uma! O filme não tem foco nenhum, não se define em ser um drama, um filme de ação ou uma comédia. Tentando atirar para todos os lados acaba não acertando em nada, nada mesmo! Ao que parece Banderas quis acima de tudo fazer uma ode cinematográfica para sua esposa, Melanie Griffith. O problema básico é que o público não tem nada a ver com isso e acabou vendo um pastel de vento de celuloide, pois tudo é muito rasteiro e irrelevante. Para não falar que nada presta, com muito esforço ainda se salva um pouco sua trilha sonora e o figurino de época. Infelizmente são detalhes menores que não conseguem salvar "Crazy in Alabama" de ser um tremendo abacaxi sulista!

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 1 de junho de 2010

Dogma

Dois anjos caídos (Matt Damon e o canastrão Ben Affleck) tentam retornar ao paraíso indo até New Jersey onde um cardeal da cidade promete a todos que atravessarem o portal de sua catedral o perdão de Deus para todos os seus pecados. Perdoados poderão retornar finalmente ao céu, após séculos de exílio em Wisconsin. Para impedir que isso aconteça uma pequena trupe formada por dois idiotas, uma descendente de Jesus Cristo, uma musa e um apóstolo negro (não citado no novo testamento) se unem para deter os anjos revoltosos. Kevin Smith, o diretor, quis com esse Dogma fazer piada sobre tudo o que diz respeito à doutrina cristã. Logo no começo do filme ele colocou um pequeno aviso para que as pessoas não se sentissem ofendidas com o teor do roteiro pois a produção não devia em nenhuma hipótese ser levada à sério. Realmente nesse ponto Smith tem razão. "Dogma" é apenas uma divertida sessão da tarde, dessas que se assiste e depois se esquece completamente (tanto que já tinha assistido anos antes mas me recordava realmente de pouca coisa).

O roteiro é bobo e por vezes disperso. Smith tenta fazer piada com tudo, com a cor do Cristo histórico, com a chamada imaculada concepção, com os apóstolos, demônios e anjos. Algumas piadas são divertidas e outras não. No geral o roteiro exige uma certa cumplicidade do espectador pois quem é completamente leigo em teologia certamente deixará passar batidas várias ironias do argumento. O que faz com que "Dogma" não seja uma perda de tempo completa é seu bom elenco. Além da dupla Damon e Affleck (é sempre divertido ver a falta de talento desse último) o filme ainda tem um curioso Jason Lee muito jovem (e com cabelos) fazendo um personagem endiabrado. Enfim, "Dogma" é indicado para nerds que gostam de debater sobre religião, se for o seu caso, aleluia! Faça bom proveito.

Dogma (Dogma, EUA, 1999) / Direção de Kevin Smith / Roteiro de Kevin Smith / Com Ben Affleck, Matt Damon, Linda Fiorentino, George Carlin, Salma Hayek, Jason Lee, Jason Mewes, Kevin Smith./ Sinopse: Dois anjos caídos (Matt Damon e o canastrão Ben Affleck) tentam retornar ao paraíso indo até New Jersey onde um cardeal da cidade promete a todos que atravessarem o portal de sua catedral o perdão de Deus para todos os seus pecados. Perdoados poderão retornar finalmente ao céu, após séculos de exílio em Wisconsin. Para impedir que isso aconteça uma pequena trupe é formada.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.