terça-feira, 30 de setembro de 2014

O Agente da Estação

Título no Brasil: O Agente da Estação
Título Original: The Station Agent
Ano de Produção: 2003
País: Estados Unidos
Estúdio: SenArt Films, Next Wednesday Productions
Direção: Thomas McCarthy
Roteiro: Thomas McCarthy
Elenco: Peter Dinklage, Patricia Clarkson, Bobby Cannavale

Sinopse:
O filme acompanha a vida do pequeno e frágil Finbar McBride (Peter Dinklage). Quando seu único amigo verdadeiro morre, ele resolve se mudar para a zona rural de New Jersey, exercendo um emprego que o deixa bastante isolado das demais pessoas. Sua rotina porém irá mudar quando conhece uma mulher que está passando por uma grave crise pessoal. Filme vencedor do BAFTA Film Award na categoria de Melhor Roteiro Original.

Comentários:
Pequeno e brilhante filme independente americano. Muitas pessoas só conhecem o ator Peter Dinklage por causa de seu personagem Tyrion Lannister na série de grande sucesso "Game of Thrones". Pois bem, saibam que ele já brilhava muito antes, em uma carreira mais do que interessante dentro do circuito mais alternativo. Um exemplo perfeito é justamente essa produção "The Station Agent", que infelizmente, apesar dos artigos elogiosos em seu lançamento, passou despercebida de muita gente boa. O filme tem um lirismo mesclado com melancolia que conquista o espectador já nos primeiros minutos. O personagem de Peter Dinklage, chamado Finbar McBride, leva uma vida que para muitos seria banal e depressiva demais, muitas vezes imerso em profunda solidão. Mesmo assim lá está ele, todos os dias, cumprindo sua jornada e por mero acaso  encontrando pessoas das mais diversas, algumas inclusive bem bizarras. É um retrato muito honesto de uma América que poucos procuram conhecer. O grande trunfo é justamente trazer para a tela o cotidiano das pessoas comuns e seus pequenos dramas pessoais. Nisso o filme certamente se revela como uma bela peça de arte.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Sinédoque, Nova York

Título no Brasil: Sinédoque, Nova York
Título Original: Synecdoche, New York
Ano de Produção: 2008
País: Estados Unidos
Estúdio: Sony Pictures Classics
Direção: Charlie Kaufman
Roteiro: Charlie Kaufman
Elenco: Philip Seymour Hoffman, Samantha Morton, Michelle Williams

Sinopse:
Caden Cotard (Philip Seymour Hoffman) é um diretor teatral de Nova Iorque que começa a trabalhar em uma peça nova, que ele pretende ser a mais inovadora de sua carreira. O problema é que sua vida pessoal vive um período completamente caótico e não demora para que Caden comece a misturar aspectos de sua existência real com o texto de sua nova encenação. Filme indicado à Palma de Ouro em Cannes.

Comentários:
Passa longe de ser um filme de fácil assimilação. Na verdade é o extremo oposto disso. Isso porém não é complicado de entender pois basta ver o nome do cineasta Charlie Kaufman nos créditos para antecipar o que virá pela frente. Esqueça coisas como roteiro linear, enredo objetivo, com sentido e foco racional nos atos dos principais personagens. "Synecdoche, New York" passa bem à margem de tudo isso. Se fosse definir tudo diria que é uma obra sensorial e não racional, que foge dos padrões e convenções do cinemão mais comercial americano. É um cult moderno, um festival de momentos, que nem sempre se conectam entre si. Para maravilha do cinéfilo em busca de algo inovador, o elenco é liderado pelo fantástico Philip Seymour Hoffman em uma de suas atuações mais corajosas e viscerais, algo mesmo monstruoso em todos os sentidos. Ele se entrega completamente ao seu papel e mostra no final das contas porque foi de fato um dos mais talentosos atores da história do teatro e do cinema. Uma cereja de bolo recomendado apenas para pessoas inteligentes e em busca de algo diferente na sétima arte.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 28 de setembro de 2014

Challenger

Em 28 de Janeiro de 1986 o ônibus espacial Challenger explodiu poucos minutos após decolar para mais uma missão. O desastre foi transmitido ao vivo para todo mundo e causou grande comoção popular, principalmente pela morte dos seis astronautas a bordo, entre eles uma professora primária  que estava no projeto como uma forma de integrar os projetos da NASA ao sistema educacional do país. Assim que o ônibus ficou em pedaços a administração do presidente Ronald Reagan iniciou uma investigação sobre as causas do acidente. Um comitê foi formado, contando com especialistas, militares e burocratas. Como opinião independente foi contactado o prêmio Nobel de física, Richard Feynman (William Hurt), provavelmente o único grande cientista do grupo. Para seu desapontamento logo que as investigações começam ele percebe que há uma clara tentativa de jogar uma cortina de fumaça em cima dos fatos reais. Um jogo de bastidores envolvendo grupos e indústrias com contratos milionários com o governo americano. O presidente da comissão (interpretado pelo sempre bom ator Brian Dennehy), parece caminhar em círculos sem real intenção de descobrir o que de fato teria acontecido, até porque a verdade certamente iria ao encontro de interesses poderosos em Washington.

Bom filme, valorizado pelo enredo mais do que interessante. Baseado em fatos reais mostra bem o choque que nasce quando a ciência ousa decifrar verdades que vão contra os interesses políticos e financeiros de pessoas poderosas. Curiosamente nos mostra uma realidade que nós, brasileiros, pensamos só existir em nosso país - sempre assolado por casos de corrupção nas altas esferas governamentais. Na investigação da explosão da Challenger também surgiu muita lama e tentativas de acobertamento sobre os reais motivos da grande tragédia. O personagem de William Hurt, um professor e cientista renomado, busca a verdade sem saber que nem sempre ela é bem vinda em certos meios. A produção é muito boa, mas não espere por nada muito empolgante. A intenção desse filme foi mesmo desvendar as sujeiras que aconteceram durante as investigações do acidente, tudo mostrado com riqueza de detalhes. Assim o espectador terá em mãos uma bela amostra do que realmente aconteceu nos bastidores, mostrando que a velha fama da NASA em ser uma agência impecável e extremamente eficiente do ponto de vista científico muitas vezes não passa de puro marketing.

Challenger (The Challenger, Estados Unidos, Inglaterra, 2013) Direção: James Hawes / Roteiro: Kate Gartside / Elenco: William Hurt, Joanne Whalley, Bruce Greenwood / Sinopse: O filme narra em detalhes tudo o que aconteceu durante as investigações da explosão do ônibus espacial Challenger, que matou seis astronautas. O professor Richard Feynman (William Hurt), membro do comitê de investigação, anseia pela verdade, mas interesses poderosos tentam camuflar o que de fato aconteceu. Filme vencedor do prêmio da Royal Television Society.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

A Marca do Medo

O professor Joseph Coupland (Jared Harris), da prestigiado universidade de Oxford, resolve reunir um grupo de pesquisas para estudar fenômenos paranormais. Seu foco se concentra numa jovem garota, com um vasto histórico de internações em instituições psiquiátricas. Abandonada e órfã, ela desenvolveu desde muito cedo em sua vida estranhos poderes telecinéticos. A jovem afirma existir uma entidade espiritual chamada Evey, mas para o renomado pesquisador tudo não passaria de uma forma de exteriorizar aspectos e poderes psíquicos de sua própria mente. O cientista rejeita explicações religiosas ou baseadas no ocultismo. O que ele pretende mesmo realizar com suas experiências é provar que tudo pode ser explicado apenas do ponto de vista científico. Assim ele resolve isolar a jovem em uma antiga casa nos arredores de Londres. Leva seu grupo de pesquisa e começam a colher dados sobre seu comportamento e suas capacidades fora do comum. O que começa de forma racional e controlada porém logo perde o controle, se transformando em um verdadeiro caos, com eventos inexplicáveis e situações completamente fora do comum, o que leva o cientista a entrar em desespero, negando inclusive suas explicações baseadas apenas na observação puramente científica.

Assim começa esse novo terror chamado "A Marca do Medo". Como o próprio roteiro informa no começo da exibição tudo se baseia em uma história real acontecida no ano de 1974. Foi uma tentativa de se explicar coisas como fantasmas e manifestações paranormais de uma forma puramente racional e com base em eventos naturais. O curioso é que o diretor desse filme realizou uma obra bem sólida, que pouca margem dá para sensacionalismos ou cenas de maior impacto. Ao contrário disso tentou reproduzir literalmente o que teria supostamente acontecido na história original. O resultado não é magistral, mas consegue certamente manter o interesse. A jovem atriz Olivia Cooke  que interpreta a personagem Jane Harper, que supostamente estaria possuída por uma entidade do mal, ora surge como uma garota que deseja ser acima de tudo normal, ora como uma figura sinistra e de complicada compreensão. Some-se a isso o fato do filme utilizar de cenários escuros e sombrios de um velho casarão e você terá um bom clima para filmes de terror em geral. Não chega a ser repleto de sustos, até porque não é um enredo meramente ficcional, mas por outro lado privilegia mesmo o suspense, a tensão e a ansiedade com os rumos que a história vai tomando. Embora o final seja um pouco rendido aos clichês mais conhecidos, a fita se mantém como boa opção para os fãs de terror em geral. Não é bobo, nem violento em demasia e privilegia uma boa história de fantasma. E o fato de tudo ser passado na Inglaterra só ajuda ainda mais pois de aparições sobrenaturais em velhas casas os ingleses sabem tudo.

A Marca do Medo (The Quiet Ones, Estados Unidos, Inglaterra, 2014) Direção: John Pogue / Roteiro: Craig Rosenberg, Oren Moverman / Elenco: Jared Harris, Sam Claflin, Olivia Cooke / Sinopse: Professor da universidade de Oxford começa a realizar uma série de experiências com uma jovem que manifesta estranhos poderes paranormais. Para o professor tudo poderia ser explicado de um ponto de vista puramente científico. O que ele não sabia é que a ciência nem sempre pode explicar tudo o que acontece em nosso mundo.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Carrie, a Estranha

Carrie White (Chloë Grace Moretz) é uma jovem e tímida estudante que apenas quer levar uma vida normal como todas as outras garotas de sua idade. Sua vida porém passa longe da normalidade. Sua mãe caiu nas garras do fanatismo religioso, considerando tudo e a todos como seres pecadores e diabólicos. Por essa razão deu à sua filha uma educação extremamente rígida, onde tudo se revela como motivo para punição e penitência. Na escola o clima não é melhor para Carrie. Calada e retraída, ela logo vira alvo do bullying de suas colegas. As coisas pioram ainda mais quando acaba menstruando no chuveiro, pensando estar sofrendo de algum mal de saúde (por causa de sua educação religiosa fora dos limites nada lhe foi dito sobre sua própria sexualidade ao longo dos anos). Filmada em seu momento de pânico e choro no banheiro da escola é logo colocada na internet para que todos possam se divertir às suas custas. No meio de tantas turbulências Carrie acaba descobrindo que possui estranhos poderes, como mover objetos inanimados pelo seu quarto. Apesar da descoberta incrível resolve esconder isso das pessoas ao seu redor. A salvação para Carrie porém poderá finalmente vir no baile de formatura da escola, ainda mais depois de ser convidada por um aluno bonitão de sua classe. Talvez as boas notícias escondam algo ainda mais sinistro para ela. Afinal de contas a felicidade não parece ser um estado de normalidade na complicada vida de Carrie, considerada estranha demais pelos outros alunos de sua idade.

Remakes são sempre complicados e remakes de filmes já consagrados pelo público e pela crítica são ainda mais difíceis de engolir. O fato inegável é que o famoso livro de Stephen King já encontrou sua versão cinematográfica definitiva. Obviamente estou me referindo ao filme com Sissy Spacek, que foi dirigido brilhantemente por Brian De Palma em 1976. Uma obra prima do terror. Infelizmente há um certo preconceito entre os jovens com filmes antigos e somando-se a isso a falta de criatividade dos produtores e a busca pelo lucro fácil podemos entender perfeitamente porque esse novo Carrie foi realizado. A despeito da tecnologia ter evoluído muito mais nos dias atuais, não consegui visualizar nada que justificasse a realização de uma nova versão para o cinema da obra de King. Não há no novo filme nada de muito interessante ou inovador se formos comparar com o clássico dos anos 70. O roteiro se mostra até bem mais simples, sem maior desenvolvimento dos personagens principais. Embora de maneira em geral goste do trabalho da atriz Chloë Grace Moretz achei que sua atuação não encontrou o tom certo. Está muito exagerada em certos momentos, quase caindo na mais pura caricatura. Sempre com olhar assustado (para não dizer apavorado), ombros caídos e timidez extremamente patológica. O mesmo pode-se dizer da talentosa Julianne Moore, que com olhos arregalados e cara de maluca, interpreta a mãe fanática religiosa de Carrie. Sinceramente falando as duas atrizes parecem competir entre si para saber quem será mais excessiva em suas caracterizações. Os efeitos digitais também não empolgam muito (e a cena final na lápide me deu vontade de rir de tão desnecessária e boboca). Aliás se fosse definir o novo Carrie em apenas uma palavra seria justamente essa: desnecessária! A nova versão não precisava mesmo existir.

Carrie, a Estranha (Carrie, EUA, 2013) Direção: Kimberly Peirce / Roteiro: Lawrence D. Cohen, Roberto Aguirre-Sacasa, baseados na obra de Stephen King / Elenco: Chloë Grace Moretz, Julianne Moore, Gabriella Wilde / Sinopse: Carrie (Grace) é um jovem estudante muito tímida e oprimida que descobre ter poderes sensorias fantásticos. Vítima de bullying em sua escola ela decide em um momento de desespero, se vingar de todos que a humilham publicamente. Filme indicado ao prêmio da Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films na categoria Melhor Filme de Terror. Vencedor do prêmio de Melhor Atriz Jovem (Chloë Grace Moretz).

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

A Vida em Motéis

Depois da morte da mãe, os irmãos Flannigans ganham o mundo. Apesar de serem bem jovens, eles resolvem ir embora com medo de irem parar em algum orfanato. Para isso resolvem pular em um trem em movimento, como fazem os andarilhos americanos. No momento em que Jerry Lee (Stephen Dorff) tenta subir no vagão porém ele cai e acaba perdendo sua perna, esmagada nos trilhos. Os anos passam e os irmãos sentem como é duro ganhar a vida como eles, sem ninguém que os ajude. Vivendo de empregos medíocres, indo de motel barato em motel barato nas beiras de estrada, eles tentam levar a vida em frente, mas isso definitivamente não é fácil, muito pelo contrário, os caminhos tortuosos são muitos e uma noite, após atropelar por acidente um garoto numa noite de nevada, Jerry decide que sua hora chegou. Engatilha sua arma e... será que terminará sua vida de forma tão cruel e melancólica? A única coisa que parece lhe prender nessa vida cheia de dramas e dificuldades é mesmo a presença sempre constante de seu irmão, Frank Lee (Emile Hirsch), um jovem sonhador, que sempre lhe conta incríveis estórias envolvendo muita imaginação, em uma verdadeira fuga da dura realidade da vida. Para Frank o maior desafio é mesmo esquecer Annie James (Dakota Fanning), a problemática filha de um prostituta que ele ainda parece amar.

Gostei bastante desse pequeno, mas muito humano "The Motel Life". O roteiro é realmente muito bem escrito, mostrando a vida de dois irmãos abandonados à própria sorte. Pobres e sem destino, eles vão tentando sobreviver um dia de cada vez. Frank Lee tem uma imaginação e tanto e Jerry Lee tem bastante talento com desenhos. Essa característica dos irmãos abre margem à excelentes animações que vão se sucedendo ao longo da estória. Enquanto Frank vai contando os enredos, Jerry os imagina em seu traço de desenho. Há um constante clima de melancolia e tristeza que vai acompanhando os personagens em suas andanças rumo a lugar nenhum. Em termos gerais é um filme triste, sobre pessoas que estão à margem da sociedade, sem esperanças e sem perspectivas maiores de um dia melhorar de vida. Mesmo assim vale muito a pena. A dupla central de atores é ótima. Há muito tempo que Emile Hirsch se destaca na ala mais jovem de Hollywood, estrelando filmes ótimos como, por exemplo, "Na Natureza Selvagem". Seu papel aqui é muito emocional pois ele ama uma garota tão problemática quanto ele mesmo. Já Stephen Dorff é outra grata surpresa. Quem não se lembra de sua marcante interpretação do "quinto Beatle" Stuart Sutcliffe em "Backbeat - Os 5 Rapazes de Liverpool"? Pois é, depois de alguns anos meio sumido ele volta finalmente a um bom personagem nessa bela fita, onde tem alguns dos melhores diálogos do roteiro para declamar. Assim deixo a preciosa dica desse filme que certamente vai agradar a um tipo de público mais sensível e sentimental.

A Vida em Motéis (The Motel Life, EUA, 2012) Direção: Alan Polsky, Gabe Polsky / Roteiro: Micah Fitzerman-Blue, Noah Harpster / Elenco: Emile Hirsch, Stephen Dorff, Kris Kristofferson, Dakota Fanning / Sinopse: Dois irmãos tentam viver nos Estados Unidos após a morte de sua mãe com câncer. Vivendo de pequenos empregos, morando em motéis baratos, eles tentam se agarrar a algum fio de esperança em suas sacrificadas existências. Filme indicado ao prêmio do Chicago International Film Festival.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

3 Dias Para Matar

Ethan Renner (Kevin Costner) é um veterano agente da CIA que após um trabalho mais do que complicado descobre estar sofrendo de um câncer no cérebro. Com a notícia de sua morte iminente, sua carreira de assassino profissional dentro da agência chega ao fim. Dispensado do serviço ele então decide voltar par a Paris onde mora sua ex-esposa e sua filha, uma adolescente que ele mal conhece por causa dos anos em que passou fora de casa, trabalhando ao redor do mundo. Sabendo que tem apenas três meses de vida decide arriscar tudo para reconstruir um relacionamento com a filha, mas conforme a convivência vai se tornando mais próxima, logo descobre que lidar com uma adolescente nessa fase de sua vida não é algo muito simples de fazer. Ela é insegura e como quase toda adolescente também tem um gênio mercurial, surgindo sempre mal humorada. Mas o tempo de sossego logo passa para Ethan. Sua fama o leva a ser contactado por uma nova e misteriosa mulher que ele desconhece completamente, Vivi Delay (Amber Heard), que logo oferece uma bolada para Renner voltar ao seu velho trabalho. Ela deseja contratar Ethan para um novo serviço sujo. Ele terá que ajudá-la a localizar e eliminar o criminoso internacional conhecido como "O Lobo" que está  também em Paris. A execução porém não será tão fácil como parece, pois antes de Ethan chegar até ele terá que passar pelo Albino (Tómas Lemarquis), um sádico matador com muitos crimes em sua ficha corrida.

Assim começa o novo filme de Kevin Costner. O roteiro tenta mesclar aspectos da conturbada vida familiar de um ex-agente da CIA com sua nova realidade, a de assassino profissional da "iniciativa privada". Assim que vi o nome do diretor McG na ficha técnica desanimei completamente, afinal de contas o que poderíamos esperar de um sujeito que assinou abobrinhas ao estilo de "As Panteras: Detonando" e "Guerra é Guerra!"? Felizmente o roteiro de Luc Besson consegue salvar parte do filme da banalidade completa. Digo em parte, porque nem tudo tem salvação nesse filme. Para começo de conversa a fita se mostra longa demais e com sérios problemas de ritmo pois ora a trama avança a passos largos, ora puxa o freio de mão. Outro problema é que o filme desliza no fio da navalha entre três gêneros diferentes sem ser bom em nenhum deles. Falha na aproximação entre pai e filha, deixa a desejar nas cenas de ação e funciona muito pouco nas cenas mais cômicas ou divertidas. De bom mesmo o espectador encontrará mesmo uma Paris cada vez mais linda e bem fotografada, inclusive com direito a um show de luzes nas costas do astro Costner. Outro bom ponto vem da trilha sonora, com muita música dance e hits franceses. Kevin Costner talvez por ser "americano demais" não se enquadra muito bem no cenário, mas no geral o filme fica mesmo no padrão mediano por causa de sua presença. Há pequenos detalhes no roteiro que nos remete a outros filmes de Besson como "Nikita - Criada Para Matar" e "O Profissional ", mas curiosamente o visual arrebatador e diferenciado que sempre foi a marca do cineasta aqui se mostra ausente pois o filme é esteticamente bem quadradinho e careta, quase burocrático. Talvez se Besson tivesse assumido mesmo a direção teríamos algo bem melhor do que o toque pesado e sem graça de McG.

3 Dias Para Matar (3 Days to Kill, Estados Unidos, França, 2014) Direção: McG / Roteiro: Adi Hasak, Luc Besson / Elenco: Kevin Costner, Hailee Steinfeld, Connie Nielsen, Tómas Lemarquis / Sinopse: Ex-agente da CIA aposentado por invalidez acaba sendo contratado por misteriosa mulher para localizar e matar um assassino chamado "O Lobo" pelas ruas de Paris.

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Eu Sou o Número Quatro

É uma aventura infanto-juvenil mais indicada para jovens na faixa de 15, 16 anos. Nada é muito original no roteiro. Basicamente é a velha estória de um grupo de jovens escolhidos que herdaram poderes especiais de um planeta distante e que estão escondidos na terra. Assim temos uma parte passada em um colégio americano (high School) com todos os tipos que já conhecemos de centenas de filmes anteriores (lá estão os nerds, os esportistas valentões, as patricinhas gatinhas, etc, etc). Essa parte inicial realmente é mais do mesmo. Nada de novo. No segundo ato temos o confronto entre os seres espaciais. Aqui ainda é um pouquinho mais movimentado, cheio de efeitos digitais (os vinte minutos finais do filme é todo em cima de muita pirotecnia). O grande problema dessa produção realmente é seu roteiro inexpressivo. Nada é muito desenvolvido, nem explicado. As coisas mais absurdas vão surgindo na tela sem nexo, ao acaso. A impressão que temos é que os produtores e o diretor estão pouco se importando com o público, no fundo se trata de mais um produto que tenta pegar carona no sucesso de Crepúsculo, só que saem os vampiros e entram os ETs.

O elenco é todo formado por desconhecidos. O único ator em cena que conheci foi o Timothy Olyphant dos seriados Damages e Justified. Ele interpreta um guerreiro que protege justamente o número quatro, que recebe o nome de John Smith. Esse ator que faz esse papel, chamado Alex Pettyfer, é muito fraco. Não tem expressão e nem muita presença mas tem bom look, o que no final das contas deve ser a única coisa que vá importar para as adolescentes que assistirão ao filme. A direção do D.J. Caruso é sem novidades, burocrática, feita sob encomenda para o estúdio. Enfim, o filme é isso, nada de muito relevante mas quem sabe possa vir até mesmo agradar ao público a que se destina.

Eu Sou o Número Quatro (I Am Number Four, EUA, 2011) Direção: David J. Caruso / Roteiro: Alfred Cough, Milles Milar / Elenco: Timothy Olyphant, Alex Pettyfer, Dianna Agron / Sinopse: Seres de outros planetas envolvidos numa disputa intergalática procuram se disfarçar de terráqueos. Um deles se faz passar por um simples adolescente de High School. Não tardará para que seus inimigos extraterrestres o venham caçar na Terra.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Os Últimos Dias em Marte

Título no Brasil: Os Últimos Dias em Marte
Título Original: The Last Days on Mars
Ano de Produção: 2013
País: Inglaterra, Irlanda
Estúdio: British Film Institute (BFI), Irish Film Board, Universal
Direção: Ruairi Robinson
Roteiro: Sydney J. Bounds, Clive Dawson
Elenco:  Liev Schreiber, Romola Garai, Elias Koteas

Sinopse: Um grupo de pesquisadores em Marte está em seu último dia de expedição no planeta vermelho. Durante um procedimento padrão de rotina um dos membros da equipe acaba sendo engolido por uma fenda. Enquanto os demais tentam lhe socorrer algo inesperado acontece. Uma bactéria desconhecida começa a infectar a todos, transformando a missão em uma terrível luta pela sobrevivência.

Comentários:
"The Last Days on Mars" até que começa muito bem. Em seus trinta primeiros minutos a tônica do roteiro é de seriedade, com muitas informações cientificas e bons efeitos digitais. A direção de arte, figurino e designs dos rovers espaciais são bem realizados. Eles se parecem até com antigas diligências do velho oeste, numa óbvia referência usada pelo diretor para criar um vínculo entre os pioneiros da colonização americana e aquelas astronautas em Marte, que afinal de contas também são pioneiros do espaço. Em determinado ponto chegamos mesmo a pensar que estamos vendo um filme realmente sério sobre o assunto. O problema é que como consta na sinopse logo uma bactéria começa a se alastrar entre os pesquisadores, transformando os infectados em verdadeiros zumbis espacias. Pois bem, a partir do momento em que isso acontece a coisa toda desanda. O roteiro se torna extremamente derivativo a ponto de ser impossível não encontrar paralelos com a conhecida franquia "Aliens". Há uma tentativa de resgate desesperado dos sobreviventes mas isso também se torna caótico. No final das contas não chega a ser um filme ruim mas que deixa muito a desejar, principalmente para quem esperava encontrar por algo diferente. O clímax deixa a porta aberta para futuras continuações. Será que alguém vai se interessar?

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 21 de setembro de 2014

O Álamo

Título no Brasil: O Álamo
Título Original: The Alamo
Ano de Produção: 1960
País: Estados Unidos
Estúdio: United Artists
Direção: John Wayne
Roteiro: James Edward Grant
Elenco: John Wayne, Richard Widmark, Laurence Harvey, Frankie Avalon

Sinopse:
Durante o ano de 1836 cresce o sentimento de separação do Texas do México. A intenção dos revolucionários é transformar o isolado estado em uma República independente. Para destruir o foco rebelde o governo mexicano envia um formidável exército de repressão comandado pelo general Santa Anna. Para resistir a invasão se insurge um pequeno mas valente grupo de homens no Álamo. Formado por soldados de carreira, voluntários e americanos do Tennessee liderados pelo coronel Davy Crockett (John Wayne) eles resolvem ficar no local para enfrentar bravamente o inimigo. Filme indicado aos Oscars de Melhor Filme, Melhor Fotografia, Melhor Edição, Melhor Trilha Sonora Original, Melhor Música e Melhor Ator Coadjuvante (Chill Wills). Filme vencedor do Oscar de Melhor Som. Filme vencedor do Globo de Ouro na categoria Melhor Trilha Sonora Original (Dimitri Tiomkin).

Comentários:
Ao longo da carreira John Wayne dirigiu oficialmente apenas dois filmes, esse "O Álamo" e "Os Boinas Verdes" em 1968. De maneira não creditada ainda participou como co-diretor de "Rota Sangrenta" de 1955, "Os Comancheros" de 1961 (quando o diretor Michael Curtiz ficou doente demais para finalizar o filme) e por fim "Jake Grandão" de 1971. Em todas essas produções Wayne não fez feio como cineasta, muito pelo contrário, sempre pareceu tomar todas as decisões corretas. De todos os que assinou a direção nenhum foi tão pessoal quanto esse ousado faroeste de 1960. A intenção era recriar em cores épicas o famoso combate pela luta do forte Álamo (na verdade uma missão abandonada) no Texas. O evento histórico até hoje é celebrado no estado da rosa amarela justamente por ter sido um exemplo da bravura e orgulho do homem texano, que se recusou a se render mesmo diante de um poderoso exército mexicano que estava ali para garantir que o Texas continuasse a ser parte do México. No total o Álamo contava com apenas 185 homens que lutaram de forma corajosa contra mais de sete mil soldados sob comando do generalíssimo Santa Anna. Vale a pena ressaltar a coragem de John Wayne em algumas decisões que tomou ao rodar essa produção. A primeira delas foi o comprometimento com a história, evitando se render a meras concessões comerciais. Isso fez com que Wayne rodasse um filme longo, com duas horas e quarenta minutos de duração. Como bem sabemos filmes longos demais vendem menos ingressos pois ganham menos sessões de cinema durante o dia. Isso porém não depõe contra o resultado final, pois o filme jamais se torna pesado ou cansativo de assistir. O importante é que Wayne quis contar sua história da forma correta, sem perder nenhum detalhe histórico importante. A boa notícia é que seu objetivo foi alcançado. No desenrolar da trama também podemos notar que o cineasta John Wayne trouxe para a película muita coisa que aprendeu ao trabalhar ao lado de grandes diretores em sua carreira. A influência mais notável vem de John Ford. Wayne tenta recriar na tela pequenas nuances e detalhes que eram muito presentes na obra de Ford. Obviamente não consegue o mesmo impacto, até por falta de maior experiência atrás das câmeras, mas se sai muito bem. Assim "The Alamo" é uma prova que se quisesse, John Wayne poderia ter tido também uma bela carreira como diretor. Infelizmente o ator achava que dirigir trazia muita pressão, responsabilidades e riscos e por isso preferiu seguir trabalhando apenas como ator, atuando em seus bons e velhos faroestes. Uma pena, se tivesse seguido certamente teríamos por aí algumas pequenas jóias cinematográficas como esse "O Álamo".

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Heróis de Ressaca

Título no Brasil: Heróis de Ressaca
Título Original: The World's End
Ano de Produção: 2013
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: Universal Pictures, Focus Features
Direção: Edgar Wright
Roteiro: Simon Pegg, Edgar Wright
Elenco: Simon Pegg, Nick Frost, Martin Freeman, Pierce Brosnan

Sinopse:
Depois dos quarenta anos, Gary King (Simon Pegg) resolve reunir seus quatro melhores amigos da escola secundária para um reencontro, fazendo o chamado quilômetro dourado, um caminho onde terão que beber em 12 bares (pubs) até chegar ao último conhecido como The World's End! Quando jovens eles tentaram cumprir toda a maratona de bebedeiras, mas não conseguiram. Agora é a chance de realizar esse feito que havia ficado para trás. 

Comentários:
Sinceramente eu já assisti muito filme louco na minha vida, mas como esse estou pra ver... Começa quase como uma comédia de costumes, com uma reunião de cinco amigos. Quatro deles não estão muito empolgados de voltar para uma última grande rodada nos pubs da velha cidade onde moravam, mas para Gary King (Simon Pegg) isso parece ser a coisa mais importante de sua vida. E então, como do nada, o filme dá uma reviravolta completa, robôs (sim, robôs!) surgem, começam a atacar os cinco amigos e aí meu camarada poucas coisas são mais malucas do que o roteiro dessa produção. Tudo bem, os ingleses são conhecidos por terem um tipo de humor próprio, excêntrico e fora dos padrões, mas nada irá lhe preparar para algo assim, tão nonsense! No elenco não há nenhum ator que seja mais conhecido dos brasileiros, a não ser o ex-James Bond Pierce Brosnan, em um papel sem a menor importância, com pequenas aparições no começo e no fim do filme. No geral é aquele tipo de enredo que você fica se perguntando onde diabos estava a cabeça do roteirista quando resolveu escrever algo assim? Só para ter uma ideia a última cena nos lembra de um típico filme pós-apocalíptico ao estilo Mad Max! Insanidade pouca é bobagem!

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Beatles: Quem foi o verdadeiro Sargento Pepper?

Beatles: Quem foi o verdadeiro Sargento Pepper? A imagem retratada no disco "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band" que mais parecia ser uma figura sem identificação de um livro de história era a de uma pessoa real. Seu nome era James Melvin Babington. Isso foi revelado pelo autor Bruce Spizer em seu livro "The Beatles and Sgt. Pepper: A Fans 'Perspective ". Pela primeira vez se sabe alguma coisa da história do verdadeiro Sargento Pepper.

Spizer, que falou sobre a descoberta e o seu novo livro nessa semana no podcast semanal sobre os Beatles chamado "Things We Said Today", creditou a descoberta a Frank Daniels, que escreveu um ensaio para o livro sobre Babington sob o pseudo nome de Max Gretinski. "Nós dois tentamos superar um ao outro com a descoberta de coisas obscuras sobre o disco. Era uma brincadeira que provavelmente só interessaria a nós dois e a outras 15 pessoas no mundo!", disse o escritor no programa de rádio. A identidade de Babington foi confirmada por um dos homens envolvidos na criação da capa, disse Spizer.

O Sgt Pepper ou melhor dizendo James Melvin Babington. foi um militar do exército britânico no século XVIII. Ele fez parte do décimo sexto batalhão dos lanceiros ingleses que lutaram na África do Sul. Sua imagem foi retirada de um velho livro chamado "Grandes Heróis do Exército". Provavelmente o criador da capa do disco dos Beatles encontrou sua imagem em uma coleção de cartões que eram vendidos naquela época. É praticamente certo que esse foi o seu modelo. A revelação vem para celebrar os 50 anos de lançamentos do famoso disco dos Beatles.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Conspiração Tequila

Título no Brasil: Conspiração Tequila
Título Original: Tequila Sunrise
Ano de Produção: 1988
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: Robert Towne
Roteiro: Robert Towne
Elenco: Mel Gibson, Michelle Pfeiffer, Kurt Russell

Sinopse:
"Mac" Mckussic (Mel Gibson) é um traficante de drogas que deseja endireitar sua vida após um último grande golpe. Nick Frescia (Kurt Russell) é um tira que deseja descobrir seus planos. Curiosamente Mac e Nick tinham sido grandes amigos no passado, quando ambos eram apenas dois jovens de Nova Iorque. Para desvendar os próximos passos de Mac, Nick decide usar Jo Ann (Michelle Pfeiffer), uma bonita proprietária de restaurantes pelo qual Mac se sente particularmente atraído. O problema é que Nick acaba também revelando ter uma queda pela charmosa loira. Está assim armado então esse perigoso triângulo amoroso.

Comentários:
Nos anos 80 como todos sabemos o cinema de ação viveu seus dias de glória. Aqui temos dois astros do gênero reunidos em um filme só, Mel Gibson e Kurt Russell. Eles resolveram dar um tempo em suas respectivas franquias de sucesso para co-dividir o estrelato nessa, que podemos qualificar como uma "comédia romântica de ação" (por mais estranho que isso hoje em dia possa parecer). Sem abrir mão de cenas violentas o filme procurava também explorar a tensão sexual e romântica dos três personagens centrais, interpretados com muito carisma por Gibson, Russell e Pfeiffer. Essa última aliás está linda, mostrando toda sua beleza estética em belas tomadas e closes centrais. Até passa a impressão ao espectador que o diretor Robert Towne estava perdidamente apaixonado por ela (e segundo fofocas de bastidores da época foi exatamente isso que aconteceu). De uma maneira ou outra, apesar de ter tantas estrelas em seu elenco o sucesso do filme foi bastante moderado, bem abaixo das expectativas dos produtores. Mas isso não foi um problema pois como se vivia no auge do mercado VHS o filme logo recuperou seu investimento, gerando bastante lucro quando foi lançado em vídeo alguns meses depois. Hoje em dia não é muito lembrado, embora possa ser encontrado em reprises esporádicas pelas TVs a cabo. Se não viu, vale a pena dar uma olhada, mesmo que seja só para matar as saudades daqueles tempos.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 16 de setembro de 2014

City Hall - Conspiração no Alto Escalão

Título no Brasil: City Hall - Conspiração no Alto Escalão
Título Original: City Hall
Ano de Produção: 1996
País: Estados Unidos
Estúdio: Castle Rock Entertainment, Columbia Pictures
Direção: Harold Becker
Roteiro: Ken Lipper, Paul Schrader
Elenco: Al Pacino, John Cusack, Bridget Fonda

Sinopse:
Um garoto negro de apenas seis anos é morto acidentalmente pela força policial durante uma troca de tiros com bandidos. O fato lamentável acaba criando grande repercussão na mídia, levando uma crise inesperada para o centro do poder na cidade. Diante disso o prefeito John Pappas (Al Pacino) começa então um jogo de interesses nos bastidores, sendo muitas de suas ações contestadas. Para revelar toda a verdade surge então um jovem idealista, Kevin Calhoun (John Cusack), disposto a descobrir todos os menores detalhes do caso.

Comentários:
Um bom filme da carreira de Al Pacino que hoje em dia está praticamente esquecido. Mostra os bastidores da chamada pequena política americana, onde tomamos consciência que a corrupção não é apenas uma epidemia no Brasil, mas em todos os sistemas governamentais ao redor do planeta, até mesmo na hipocritamente sociedade puritana e sacrossanta dos Estados Unidos. A direção do filme é levemente burocrática, diria até arrastada e sem maiores surpresas, o que deixa a película com uma insuspeita cara de telefilme. Isso porém é superado rapidamente por causa do trio central de atores. Pacino, como sempre, rouba os holofotes, embora tenha sido criticado na época de lançamento do filme por usar de certos artifícios de interpretação para criar uma falsa sensação de grande atuação. John Cusack, o eterno ator indie do cinema americano, também traz grande relevância para seu papel, de um sujeito que logo descobre as (sujas) regras do jogo. Por fim temos a simpatia da Bridget Fonda que nos anos 90 era muito bonita e charmosa. "City Hall" não está entre os grandes filmes da filmografia de Al Pacino (o que seria impensado pelas inúmeras obras primas em que atuou ao longo de todos esses anos), mas seguramente é um dos mais interessantes por causa de seu tema sempre atual, que o diga os brasileiros.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Olga

Título no Brasil: Olga
Título Original: Olga
Ano de Produção: 2004
País: Brasil
Estúdio: Europa Filmes, Globo Filmes
Direção: Jayme Monjardim
Roteiro: Rita Buzzar, baseada no livro de Fernando Morais
Elenco: Camila Morgado, Caco Ciocler, Fernanda Montenegro

Sinopse:
O filme Olga narra parte da rica biografia da alemã Olga Benário (1908 - 1942), uma das mais importantes militantes comunistas de seu período. Perseguida pelo regime autoritário de seu país de origem ela foge para Moscou e depois vem parar em terras brasileiras onde alimenta o sonho utópico de participar ao lado de seus companheiros de uma revolução socialista em nosso país. Filme vencedor de diversos prêmios ao redor do mundo, entre eles o Havana Film Festival, SESC Film Festival, Cinema Brazil Grand Prize e ABC Cinematography Award nas categorias Melhor Fotografia e Melhor Direção de Arte.

Comentários:
Durante muitos anos o cinema brasileiro sofreu de um certo preconceito de que não poderia realizar bons filmes históricos, seja por questões orçamentárias, seja por falta de experiência maior de seus cineastas (sempre envolvidos com outros gêneros como a pornochanchada ou os dramas sociais). Pois bem, aqui temos um filme nacional extremamente bem realizado, com excelente reconstituição de época, contando a vida de uma personagem importante dentro da trajetória política do país. Obviamente que um roteiro que fosse tratar da biografia de Olga Benário poderia cair em várias armadilhas, inclusive ideológicas, pois a película facilmente cairia na vala comum da panfletagem política mais rasteira. Felizmente os realizadores conseguiram contar sua vida fugindo desse tipo de armadilha fatal para qualquer produção cinematográfica digna. Não há o levante de bandeiras, sejam elas vermelhas ou reacionárias. O cineasta se propõe apenas a contar parte da vida de Olga passada no Brasil de forma bem honesta e imparcial. Sua ideologia inclusive é tratada com uma certa nostalgia melancólica, de um tempo que não existe mais, quando os partidários do movimento de esquerda eram mais sonhadores, ideológicos e menos cínicos e corruptos. Uma pureza de intenções que se perderia no tempo. Assim o que temos é um produto muito inspirado, com atuações maravilhosas e produção requintada. Nada que lembre os anos sombrios do cinema brasileiro. Assista sem receios.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

O Atirador - Legado

Título no Brasil: O Atirador - Legado
Título Original: Sniper - Legacy
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Sony Pictures
Direção: Don Michael Paul
Roteiro: John Fasano
Elenco: Asen Asenov, Tom Berenger, Chad Michael Collins

Sinopse:
Vários oficiais de uma antiga operação militar denominada "Sentinela" (realizada no Afeganistão durante a intervenção americana naquele país) começam a ser assassinados por um misterioso atirador de elite. Os Marines então enviam um grupo especial de snipers para localizar e matar o assassino. Enquanto isso o jovem Brandon Beckett (Chad Michael Collins) resolve desobedecer ordens diretas de seus superiores para ir também atrás do atirador que matou seu pai, o lendário Thomas Beckett (Tom Berenger). A caçada vai começar.

Comentários:
Mais uma sequência tardia de uma antiga franquia de ação. O primeiro filme foi realizado em 1993 e no Brasil recebeu o título de "Sniper, O Atirador". Depois em 2002 veio sua continuação "O Atirador 2", sendo seguida em 2004 por "O Atirador 3". Dez anos depois temos esse quarto filme. Tom Berenger, já bastante envelhecido, retorna no papel do militar Thomas Beckett, considerado o melhor atirador de elite da história dos fuzileiros navais americanos. Aqui para tentar abrir uma possibilidade de novas sequências futuras, seu bastão é passado para seu próprio filho, Brandon (interpretado por Chad Michael Collins, um jovem ator de séries de TV, como por exemplo "CSI: Investigação Criminal" e "Blue Bloods"). O tema do roteiro é obviamente batido e não traz maiores surpresas, mas o filme é bem realizado (produzido pela Sony, não poderia ser diferente) e conta com boas cenas de ação, principalmente naquelas que envolvem tocaias e execuções pelos snipers, tanto no Afeganistão como na Síria, onde parte do enredo se passa. Para quem assistiu aos filmes anteriores se torna uma boa pedida, uma opção válida de diversão em uma tarde entediada de domingo. Vale a pena arriscar e assistir ao filme.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 14 de setembro de 2014

História da Guerra Civil Americana

Se você gosta de história, uma boa dica de leitura é esse "História da Guerra Civil Americana" de autoria do escritor John D. Wright. Muito embora o texto em si não tenha uma visão crítica dos acontecimentos, Wright narra em ordem cronológica todos os principais eventos do conflito que mais perdas causaram ao povo americano. De um lado o Norte do país, com estados industrializados, cidades cosmopolitas e aversão completa ao instituto da escravidão negra. Do outro os estados sulistas, com a economia fortemente embasada nos pilares do plantation, onde o grande motor econômico era a exportação para França e Inglaterra do algodão, com farto uso de mão de obra negra escrava em grandes fazendas. Os nortistas ficaram conhecidos como ianques, com fardas azuis e os sulistas, que também lutavam pela secessão dos Estados Unidos, foram denominados de confederados, com uniformes cinzas. No meio de tudo estava o presidente americano Abraham Lincoln, que lutava para manter o país unido sob uma mesma bandeira.

Além do aspecto jurídico, social e econômico, a guerra civil americana também mostrou que nem os heróis são isentos de demonstrarem momentos de vacilação e medo. Um exemplo vem do próprio Lincoln retratado em suas páginas. Como se sabe o presidente americano hoje é visto como um símbolo de virtuosidade, mas no calor dos acontecimentos as coisas não foram bem assim. Na véspera da saída de vários estados da União, o presidente, temendo uma cisão completa, realizou um discurso lamentável, afirmando que não iria abolir a escravidão no sul americano, até porque ele acreditava que "negros não são iguais aos brancos." em suas próprias palavras. Não satisfeito ainda declarou: "Não podemos afirmar que eles possam ser igualados aos brancos. Não queremos que votem ou tenham os mesmos direitos que a raça branca, que é obviamente superior a todos eles". Pois é, só quando a coisa toda desandou completamente, com a declaração da confederação e a guerra batendo as portas da Casa Branca é que Lincoln finalmente abraçou a causa da abolição.

Outro personagem digno de nota que surgem das páginas desse excelente livro é o general Ulysses S. Grant. Ele começa a guerra como um oficial desacreditado. Formado entre os piores de sua classe em West Point se mostra um homem importante dentro do campo de batalha. Ao contrário de seus superiores, que tinham receios de enfrentar os confederados de frente, Grant ia diretamente ao confronto direto, vencendo inúmeras batalhas, o que era justamente o que faltava para a União naquele momento, pois poucos sabem, mas a confederação sulista havia vencido as principais batalhas no começo da Guerra civil. Grant também era um sujeito sui generis. Beberrão e despojado, se misturava com seus soldados no front, participando ativamente do corpo a corpo, o que lhe trouxe uma incrível fama de bom líder e guerreiro leal entre os soldados ianques. Esse seu jeito decisivo de participar da guerra levaria Lincoln a elogiar Grant sempre que possível. Aconselhado a demitir o general por causa de seu estilo arrojado e pouco convencional do que se esperaria de um general do exército, o presidente teria dito: "Não posso me desfazer desse homem, ele luta!". Anos depois o próprio Ulysses S. Grant se tornaria presidente dos Estados Unidos.

Já o general Sherman, outro herói ianque da guerra, é retratado como um militar linha dura, chegando às raias da crueldade. Quando os nortistas invadiram a capital do sul, Richmond, Sherman deu ordens diretas aos seu homens para que incendiassem e pilhassem tudo o que encontrassem pela frente, inclusive com abusos (até de ordem sexual) contra as mulheres sulistas que ousassem enfrentar as tropas. Isso bem demonstra que nem sempre os heróis do passado agiam com heroísmo. Sherman foi violento e irracional em muitos momentos da guerra. Por fim, como é de se esperar de uma história da guerra, nada melhor também do que conhecer os grandes nomes do outro lado também. Entre os oficiais confederados nenhum se destacou mais do que Robert Lee, o famoso general que largou o exército da União para se juntar ao exército confederado. Considerado um tradicionalista, um oficial justo e honesto, Lee acabaria se tornando o maior ícone da causa confederada na guerra civil. Ele sabia que o sul não teria chances de vencer a guerra, mas como era natural da região deixou seu lado mais pragmático de lado para lutar ao lado daqueles que considerava o seu povo. No final seus esforços foram em vão pois o sul perdeu a guerra, não por falta de coragem ou bravura, mas sim por não ter a mesma estrutura econômica e financeira do norte rico e industrial. Algo que também aconteceria na segunda guerra mundial, afinal de contas guerras são vencidas geralmente pelo lado mais rico do ponto de vista puramente econômico e financeiro.

Pablo Aluísio.

sábado, 13 de setembro de 2014

CBGB

Título no Brasil: CBGB
Título Original: CBGB
Ano de Produção: 2013
País: Estados Unidos
Estúdio: Unclaimed Freight Productions
Direção: Randall Miller
Roteiro: Jody Savin, Randall Miller
Elenco: Alan Rickman, Rupert Grint, Malin Akerman, Richard de Klerk

Sinopse:
A vida não anda nada fácil para Hilly Kristal (Alan Rickman). Beirando os cinquenta anos, ele carrega duas falências nas costas e um divórcio complicado. Após ter problemas com a lei, resolve comprar um bar caindo aos pedaços em Nova Iorque. Com o dinheiro da mãe resolve investir na espelunca, remodelando tudo, dando o nome de CBGB (sigla de Country, Bluegrass and Blues). O local que deveria ser um club de country e blues porém logo vira o point de bandas jovens, iniciantes, que acabariam se tornando os maiores ícones do movimento Punk!

Comentários:
Muito bom esse filme que se propõe a contar a história do club CBGB, aquele que foi provavelmente o lugar mais sagrado para o Punk americano. Basta dar uma pequena olhada na lista nos grandes nomes que passaram por lá para ter uma ideia de sua importância para o Punk Music: Ramones, Blondie, Talking Heads, Iggy Pop, Dead Boys, Elvis Costello, The Police, Nirvana e Pearl Jam, entre tantos outros. A lista é realmente praticamente infinita. O interessante é que o diretor Randall Miller resolveu contar os primórdios do lugar de um jeito muito bacana, leve e divertido, com uma narrativa que lembra uma história em quadrinhos ou a linguagem da revista Punk, outro marco daqueles anos pioneiros. O elenco é excepcionalmente bom, mas destaco mesmo Alan Rickman. Sempre o considerei um ator muito subestimado, pois até quando é um mero coadjuvante costuma roubar o show para si. Aqui não é diferente. Sua caracterização do dono do CBGB está mais do que inspirada, afinal dar vida a um sujeito como esse (que não tinha absolutamente nada a perder como os grupos que passaram pelo palco de seu estabelecimento) não deve ter sido nada fácil. Enfim, para quem curte Punk e a história da música jovem americana, o filme "CBGB" é de fato obrigatório. Ótima diversão embalada por uma grande trilha sonora. Para reviver os bons tempos não há nada melhor do que isso.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Havana

Título no Brasil: Havana
Título Original: Havana
Ano de Produção: 1990
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures
Direção: Sydney Pollack
Roteiro: Judith Rascoe
Elenco: Robert Redford, Lena Olin, Alan Arkin

Sinopse:
Jack Weil (Robert Redford) é um jogador profissional americano que chega a Cuba em dezembro de 1958 para organizar uma milionária partida de poker entre figurões locais e turistas endinheirados. O que parece ser um promissor evento porém se torna uma arapuca por causa do instável quadro político do país. Filme indicado ao Oscar na categoria Melhor Música Original (Dave Grusin). Também indicado ao Globo de Ouro na mesma categoria.

Comentários:
Realizando um pequeno revival sobre os anos 1990 chegamos nesse esquecido "Havana". Muito provavelmente tenha sido o último filme em que Robert Redford explorou exclusivamente o seu lado de galã de cinema. Como todos sabemos o tempo passa, a idade chega e de repente os atores que construíram suas carreiras sendo galãs perdem o prazo de validade e são trocados por outros, bem mais jovens. Não é o caso de Robert Redford que em sua longa filmografia soube muito bem construir excelentes atuações, dirigindo e produzido bons filmes, muito embora também tenha usufruído de sua boa aparência, surgindo muitas vezes como mero galã em determinadas películas. Esse "Havana" foi sua despedida nesse tipo de trabalho. O filme é muito bonito, tem ótimas cenas de pôr de sol,  com excelente fotografia, mas derrapa ao adotar um mundo que nunca existiu. A Havana onde o personagem de Robert Redford transita é mera peça de ficção. O cenário assim funciona apenas para um enredo ao estilo "Sabrina" e romances do tipo, não muito condizentes com os fatos reais. Além disso fica uma sensação ruim de que os realizadores possuem uma quedinha pela causa de Fidel Castro, o ditador eterno da ilha caribenha. No saldo geral é isso, uma produção com cara de cartão postal e enredo de literatura romântica de bolso. O bom e velho Redford poderia passar sem essa.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Mina Abandonada

Título no Brasil: Mina Abandonada
Título Original: Dead Mine
Ano de Produção: 2012
País: Estados Unidos, Indonésia
Estúdio: HBO, Infinite Studios
Direção: Steven Sheil
Roteiro: Ziad Semaan, Steven Sheil
Elenco: Miki Mizuno, Sam Hazeldine, Ario Bayu

Sinopse:
Grupo de pesquisadores resolve seguir a pista de uma antiga lenda sobre a Segunda Guerra Mundial que afirma haver uma fortuna escondida em uma mina na Indonésia que serviu de bunker para o Exército Imperial Japonês durante aquele conflito. Após encontrar o local todos ficam presos dentro da mina e para completo desespero descobrem que não estão sozinhos naquele labirinto subterrâneo.

Comentários:
Terrorzinho oriental B que contou com co-produção do canal americano HBO. O enredo é manjado, trazendo de volta a tentativa de se criar suspense em uma velha mina abandonada que foi usada pelos japoneses durante a guerra. O problema é que o lugar não era apenas usado pelas tropas mas também como centro de terríveis experiências com cobaias humanas, geralmente prisioneiros aliados. Como se trata de uma produção até modesta não vá esperando por grande coisa em termos de orçamento. A mina onde tudo acontece não é das mais bem feitas e as criaturas que surgem das profundezas também não são das mais assustadoras - na verdade já tínhamos visto algo parecido em outros filmes com temática parecida. O único diferencial vem mesmo do fato do enredo explorar essa questão da presença japonesa em ilhas perdidas e selvagens da Indonésia. Por falar nisso esse é outro aspecto que pode vir a agradar já que pelo menos em seu começo o filme traz belas tomadas das florestas tropicais daquele país. Pena que fora isso nada mais de interessante venha para recomendar o filme que é mesmo rotineiro e até banal.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Soldado Anônimo 2 - Campo em Chamas

Título no Brasil: Soldado Anônimo 2 - Campo em Chamas
Título Original: Jarhead 2 - Field of Fire
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures
Direção: Don Michael Paul
Roteiro: Berkeley Anderson, Ellis Black
Elenco: Josh Kelly, Danielle Savre, Cole Hauser

Sinopse:
O cabo Merrimette (Josh Kelly) acaba recebendo a liderança de seu esquadrão após a morte violenta de seu sargento. Agora ele terá que liderar seus homens em um perigoso campo aberto dominado pelos Talibãs no Afeganistão. No caminho acabam encontrando um membro das forças especiais SEALs, o tenente Fox (Hauser), que tem a missão de levar uma jovem afegã sã e salva até os Estados Unidos, um objetivo que não será nada fácil de alcançar naquela terra devastada pela guerra.

Comentários:
O primeiro filme "Jarhead" de 2005 era uma excelente crônica sobre o cotidiano de um soldado americano nas vésperas da invasão do Iraque. Com Jake Gyllenhaal como protagonista e um ótimo roteiro, extremamente bem escrito, a fita já é considerada uma pequena obra prima nos dias atuais. Essa sequência deixa muito a desejar. Esqueça as qualidades do filme original, "Jarhead 2 - Field of Fire" não apresenta qualquer pretensão de ser algo mais do que uma fita de ação ligeira, dessas que são lançadas todos os meses no mercado americano, em sistema de venda direta ao consumidor. O roteiro é primário, mostrando um pequeno esquadrão em uma missão de rotina que acaba virando um jogo de vida e morte para os militares americanos e para uma mulher afegã que é caçada pelos Talibãs por ter cometido o crime de procurar se educar! Pois é, fundamentalismo pouco é bobagem! Infelizmente esse pano de fundo, que até poderia ser interessante, se perde numa sucessão de cenas clichês envolvendo tiroteios entre americanos e fundamentalistas. No final das contas não marca, mas se você não estiver em busca de nenhuma obra prima mas apenas um filme de ação para o final da tarde quem sabe pode até funcionar. Passa longe de ser tão bom quanto o primeiro filme, porém com as expectativas em baixa pode até ser uma diversão ligeira, sem qualquer compromisso.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

X-Men - Dias de um Futuro Esquecido

Título no Brasil: X-Men - Dias de um Futuro Esquecido
Título Original: X-Men - Days of Future Past
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Twentieth Century Fox
Direção: Bryan Singer
Roteiro: Simon Kinberg, Jane Goldman
Elenco: Patrick Stewart, Ian McKellen, Hugh Jackman, Michael Fassbender, Jennifer Lawrence, Halle Berry, Ellen Page, Peter Dinklage

Sinopse:
Em um futuro próximo e caótico os mutantes estão chegando ao fim de sua existência graças a uma arma de última geração desenvolvida pelo governo americano que tem como missão definitiva destruir todos os mutantes da face da Terra. Para mudar esse destino sombrio, o professor Charles Xavier (Stewart) decide que Logan (Jackman) deve retornar ao passado, mais precisamente em 1973 para desviar o curso da história, evitando que Raven (Jennifer Lawrence) cometa um erro que irá custar caro para o futuro de todos os mutantes do planeta.

Comentários:
Essa franquia realmente mantém um excelente nível em termos de qualidade. Embora tenha se subdividido em outras franquias - como a do Wolverine - o fato é que X-Men continua rendendo bons frutos no mundo do cinema. Esse novo filme intitulado "X-Men - Dias de um Futuro Esquecido" sem dúvida traz o melhor e mais bem trabalhado roteiro da série. Muito bem escrito, com ótimas reviravoltas e um argumento bem desenvolvido, surpreendentemente inteligente. Geralmente filmes que exploram voltas ao passado ou se tornam pequenas obras primas (como "De Volta Para o Futuro", a mais precisa e lembrada referência) ou então se enrolam completamente, deixando um gostinho de decepção no ar. Aqui felizmente o espectador pode ficar tranquilo, pois embora o filme apresente duas linhas narrativas (uma no futuro e outra no passado), as duas pontas que unem as estórias se completam maravilhosamente bem. O diretor Bryan Singer demonstra que é plenamente possível realizar um blockbuster milionário sem em momento algum ofender ou subestimar a inteligência do espectador, pelo contrário, ele aqui dá uma aula de cinema em cineastas infantilóides como Michael Bay, que acreditam em explosões e mais explosões, sem conteúdo algum. Assim a conclusão a que chegamos é que esse novo X-Men é, não apenas um grande filme de heróis em quadrinhos, mas também um belo exemplar de filme Sci-Fi como há tempos não se via.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Raul Seixas - Metrô Linha 743

Era uma época complicada na vida de Raul Seixas. Ele havia passado por várias gravadoras, Philips, WEA, CBS e em todas elas tinha criado algum tipo de atrito com os executivos. Raul não fazia concessões e as gravadoras não o respeitavam como o artista criador que era. Em uma dessas gravadores um executivo lhe sugeria que fizesse uma canção em homenagem à Princesa Diana para voltar a tocar nas rádios! Raul achou um disparate! Isso era lá sugestão que se desse a um roqueiro verdadeiro como ele? Assim por volta de 1983 Raul foi parar na pequena "Estúdio Eldorado" que pertencia ao grupo Estadão. Raulzito achava esse jornal reacionário e quadradão mas precisando trabalhar encarou o desafio de gravar um disco que teria que vender 80 mil cópias de todo jeito. Para isso Raul compôs "O Carimbador Maluco" que fez parte de um programa infantil de grande sucesso da Globo e virou sucesso nas estações de rádio pelo Brasil afora. Depois disso cansado desse jogo comercial ele foi parar na Som Livre. Raul havia achado seu LP na Eldorado muito singelo, sem uma base musical sólida como ele estava acostumado a fazer em seus álbuns anteriores.

Em suas próprias palavras aquele tinha sido um trabalho bastante decepcionante para ele. Tanto que assim que terminou de gravar o disco literalmente vomitou a letra e música de "Metrô Linha 743". A canção não fazia concessões de nenhum tipo, era um momento raulseixista que lembrava os seus bons tempos de artista diferente, contestador e fora dos padrões. Raul também se dizia cansado das "fórmulas de sucesso" das gravadoras e por isso decidiu fazer um trabalho "preto e branco", sem firulas, todo baseado em arranjo acústico, com forte vocação para um som mais cru, mais verdadeiro, de origem mesmo. Em pleno furor de sucesso do chamado Rock Brasil, Raul então surgia com uma sonoridade bem diferenciada, que não fazia nenhuma questão de ser comercial. Curiosamente Raul não via graça nenhuma na leva de bandas de rock brasileiras dos anos 80. Para ele todos, sem reservas, eram alienados, acomodados. Para Raul não havia mais franco atirador para levantar a poeira do rock no Brasil. "Metrô Linha 743" era assim sua carta de intenções para o rock nacional não cair na mediocridade! Infelizmente para Raul a crítica da época não gostou muito do disco. O álbum foi acusado de não ter ideias novas - algo que deve ter sido cruel para Raul, logo ele que vinha trilhando a estrada do rock há tantos anos. A crítica para variar errou. "Metrô Linha 743" é um ótimo trabalho de Raul e hoje tem um status inegável de clássico e cult. Quem dera os queridinhos da mídia de hoje pudessem compor um trabalho tão criativo e consistente como esse.

Raul Seixas - Metrô Linha 743 (1984)
Metrô Linha 743
Um Messias Indeciso
Meu Piano
Quero Ser o Homem Que Sou
Canção do Vento
Mamãe Eu Não Queria
Mas I Love You (Pra Ser Feliz)
Eu Sou Egoísta
O Trem das Sete
A Geração da Luz

Pablo Aluísio. 

The Possession of Michael King

Título no Brasil: Ainda Sem Título Definido
Título Original: The Possession of Michael King
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Anchor Bay Films
Direção: David Jung
Roteiro: David Jung
Elenco: Shane Johnson, Ella Anderson, Cara Pifko

Sinopse:
Após a morte de sua esposa, Michael King (Shane Johnson) que nunca foi um homem religioso decide desmascarar todas as religiões, crenças e doutrinas espirituais que pregam a existência de um outro mundo, de natureza sobrenatural. Assim ele começa a gravar um documentário onde entrevista bruxas, membros de seitas satânicas e coisas do tipo. O problema é que após um dos rituais de que participa ele começa a sentir que algo muito estranho está acontecendo com sua mente e o seu mundo ao redor.

Comentários:
Assim que o filme começou e percebi que era mais um terror com a estética mockumentary (falso documentário) fiquei bem desanimado. Para minha sorte porém o roteiro e sua trama foi me envolvendo cada vez mais a ponto de no final das contas gostar do resultado. De certo modo não foge muito do esquema padrão que anda acompanhando muitos filmes de terror recentes, mas consegue dar a volta por cima por causa do tema curioso mostrando um ateu querendo desmascarar as crenças dos outros e se dando muito mal no processo. Palmas para o ator Shane Johnson que consegue com grande desenvoltura interpretar um personagem que começa a ser possuído aos poucos por uma entidade demoníaca. O único deslize da fita como um todo é a velha mania de tentar dar sustos no espectador ao invés de criar um verdadeiro clima de suspense. Assim prepare o coração - e os ouvidos - para os efeitos sonoros que de repente vão explodir nas caixas de som. Fora isso todo o resto convence e diverte, dos efeitos especiais aos momentos de possessão. Um terrorzão dos bons para lembrar dos bons tempos de "O Exorcista", embora é claro não se possa sequer comparar ambos os filmes. Uma boa cartilha para os neo ateus que infestam as redes sociais na internet.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Beijos Que Matam

Título no Brasil: Beijos Que Matam
Título Original: Kiss the Girls
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Gary Fleder
Roteiro: James Patterson, David Klass
Elenco: Morgan Freeman, Ashley Judd, Cary Elwes

Sinopse:
O Dr. Alex Cross (Morgan Freeman), um especialista em criminologia forense envolvendo psicopatas, acaba descobrindo que sua própria sobrinha pode ter se tornado alvo de um serial killer obcecado por mulheres jovens e solteiras. Agora, participando de uma intensa busca envolvendo inclusive o FBI, Cross e os demais membros de sua equipe tentarão colocar as mãos no violento assassino.

Comentários:
Já que estamos falando de Morgan Freeman, psicopatas e franquias de cinema, vale a pena relembrar desse muito bom "Kiss the Girls", um policial de suspense e tensão que fez bastante sucesso na época, mas que hoje em dia segue sendo pouco lembrado. Morgan Freeman interpreta o papel do Dr. Alex Cross, um policial e psiquiatra forense, especialista em serial killers, que acaba sendo contratado pelo FBI para resolver os casos mais sombrios da agência. Esse personagem foi criado pelo autor James Patterson e depois ganhou as telas de cinemas em dois outros filmes, "Na Teia de Aranha" de 2001 com o mesmo Morgan Freeman retornando à pele de Cross e "A Sombra do Inimigo" de 2012 onde o papel foi interpretado pelo ator Tyler Perry. Os enredos envolvendo o Dr. Alex Cross são por demais interessantes pois mesclam muito bem investigações forenses bem embasadas com tensas cenas de violência e terror. Esse aqui não decepciona a quem está em busca de bons filmes policiais envolvendo assassinos em série. Uma boa pedida para os estudiosos do tema, não resta a menor dúvida.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Rock e Drogas

Durante muitos anos o lema "Sexo, Drogas e Rock ´n´ Roll dominou o nicho da música jovem americana. Depois com o tempo, principalmente com o aumento de tragédias envolvendo abusos de drogas por artistas a frase foi perdendo gradualmente sua força. Se na década de 1960 o uso de drogas era visto como uma libertação contra o sistema, hoje em dia tudo é visto como baixo astral, problema de saúde pública e coisas do gênero. Ser drogado não parece ser mais tão legal como era na geração hippie. Hoje é uma tragédia.

Muita gente procura entender essa relação entre drogas e o mundo da música. Isso não nasceu com o Rock para falar a verdade, é bem anterior. Já na era do jazz e do blues era grande o número de músicos envolvidos com drogas. A vida boêmia, na noite, sempre cobrava seu preço. Os músicos eram mal vistos pela sociedade em geral, quase como marginais, além de serem mal pagos. Muitas vezes a saída para esse tipo de situação depressiva era mesmo o uso de drogas como cocaína, marijuana e ópio.

Muito antes dos roqueiros surgirem em cena já havia um número expressivo de vítimas no mundo jazzístico americano. Billie Holliday, Bird e tantos outros estiveram enrascados com vícios em drogas. Depois que o Rock surgiu nas paradas a simbiose se fortaleceu de vez. Muitos roqueiros usaram drogas, ou para estarem na crista da onda ou para aguentarem uma rotina estafante de shows e concertos em praticamente todos os dias.

O boom porém só viria com os anos 60. Nessa época usar drogas significava não ser careta, conservador e chato. O uso de drogas era visto como algo libertador. Pena que o sonho hippie não tinha fundamento nenhum já que o usuário em drogas se tornava mesmo um escravo da química viciante. Antes que as pessoas tomassem consciência disso aconteceu uma série de mortes que serviu para jogar um balde realidade nas pessoas que defendiam o uso de drogas como estilo de vida. Brian Jones, o fundador dos Rolling Stones foi encontrado morto. Overdose. Jim Morrison, o líder do The Doors, morreu em uma banheira em Paris. Hendrix sucumbiu também a uma overdose e Janis Joplin não aguentou a bad trip de depressão, álcool e drogas e também virou estatística. Moral da história? Não há nada de divertido na frase famosa. Só tristeza pela perda de tantos nomes consagrados da música jovem.

Pablo Aluísio.

Um Sonho de Liberdade

Título no Brasil: Um Sonho de Liberdade
Título Original: The Shawshank Redemption
Ano de Produção: 1994
País: Estados Unidos
Estúdio: Castle Rock Entertainment
Direção: Frank Darabont
Roteiro: Frank Darabont
Elenco: Tim Robbins, Morgan Freeman, Bob Gunton

Sinopse:
Andy Dufresne (Tim Robbins) é um mestre em finanças que, acusado de ter cometido um duplo assassinato, é condenado a pena de prisão perpétua numa penitenciária em Shawshank, na Flórida, durante os anos 1940. O lugar é dominado por guardas violentos e diretores corruptos. Logo ele se torna amigo e próximo de outro prisioneiro, Ellis "Red" Redding (Morgan Freeman). Aos poucos Andy começa a trazer alguns benefícios para os presos em troca de favores ao corrupto diretor Samuel Norton (Bob Gunton). A liberdade porém se torna cada vez mais distante.

Comentários:
Baseado no conto "Rita Hayworth and Shawshank Redemption" de Stephen King, esse é seguramente uma das melhores adaptações para o cinema do mestre do terror. O enredo é profundamente humano e conta com maravilhosas interpretações de Tim Robbins e Morgan Freeman, o que me faz arriscar a dizer que sem dúvida é o melhor trabalho de ambos até os dias de hoje. O interessante nesse texto de Stephen King é que ele, pela primeira vez em muitos anos, resolveu mudar o foco de suas estórias, dando dessa vez prioridade em desenvolver psicologicamente todos os seus personagens em um nível que nunca foi comum em seus outros livros. O resultado é realmente excepcional, uma obra prima absoluta da sétima arte durante os anos 1990. Sucesso de público e crítica o filme recebeu sete indicações ao Oscar, inclusive Melhor Filme, Ator (para o sempre digno Morgan Freeman), fotografia e roteiro adaptado (para o próprio diretor Frank Darabont, que foi injustamente esquecido na categoria de Melhor Direção). Também foi indicado ao Globo de Ouro em diversas outras categorias, incluindo Melhor roteiro e ator (novamente para Darabont e Freeman). Em suma, "Um Sonho de Liberdade" é aquele tipo de filme que não fica datado nunca, soando tão inovador e belo como se tivesse sido lançado ontem nos cinemas. Se ainda não viu não perca mais tempo, é uma obra essencial para todo e qualquer cinéfilo que se preze.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Frontera

Título no Brasil: Ainda Sem Título Definido
Título Original: Frontera
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Magnolia Pictures
Direção: Michael Berry
Roteiro: Michael Berry, Louis Moulinet
Elenco: Ed Harris, Eva Longoria, Michael Peña

Sinopse:
A ex-esposa de um xerife do Arizona é morta enquanto andava por sua propriedade, um rancho distante da cidade. Todas as pistas apontam para um imigrante mexicano ilegal que foi visto poucos minutos depois de seu corpo ser localizado. O xerife porém não quer tomar decisões precipitadas pelo caso e começa a procurar por pistas mais consistentes. Roteiro parcialmente baseado em fatos reais.

Comentários:
Um bom filme que tem a coragem de tentar ir mais a fundo na questão da imigração nos Estados Unidos. Esse parece ser um problema de complicada solução para os americanos - como sempre tiveram uma visão liberal sobre a questão não conseguem mais deter a enxurrada de imigrantes atravessando sua fronteira, tanto de forma legal como ilegal. O problema é que ao abrir as portas de seu país para estrangeiros (brasileiros incluídos nesse bolo) os Estados Unidos perdem não apenas parte de sua cultura, mas também de sua liberdade e identidade como nação. Como bem disse um famoso político republicano trazer imigrantes em massa para a América é também importar seus problemas, suas mazelas sociais e tudo o que vem junto no pacote. Daqui alguns anos o espanhol será mais falado dentro dos Estados Unidos do que o inglês e quando isso acontecer já era. De uma forma ou outra o roteiro é muito bem escrito, contando com um bom elenco, plenamente empenhado em dar o melhor de si. Obviamente o argumento segue a linha liberal do politicamente correto, tentando humanizar o máximo possível o tema. No final das contas o que temos mesmo é um bom retrato dos Estados Unidos prestes a deixarem de ser os Estados Unidos.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 7 de setembro de 2014

The Doors, o Início...

The Doors, o Início...
Os Doors surgiram como banda dentro do meio universitário americano. Jim Morrison era estudante de cinema e nas horas vagas escrevia poesias. Nunca antes ele tinha tido a pretensão de musicar seus versos, mas viu que isso seria uma boa ideia ao conhecer Ray Manzarek. Nas praias ensolaradas da Califórnia eles se encontraram, trocaram ideias e viram que poderia surgir boa música dali.

Depois de alguns ensaios bem amadores, numa garagem, eles se sentiram otimistas. Ray trouxe os demais membros do grupo, o baterista John Densmore e o guitarrista Robbie Krieger. Cada um trouxe um elemento novo ao som da banda. Ray era a pura harmonia em seu teclado. Krieger com formação clássica incorporou muitos ritmos novos ao som do grupo e John se transformou na verdadeira pulsação, no ritmo das canções.

As letras eram todas baseadas em poesias de Morrison. Ele tinha um ótimo vocabulário e um grande talento para escrever. Culto, inteligente e cheio de substância poética, incorporou e jogou tudo isso na musicalidade dos Doors. Tratando-se realmente de uma obra coletiva musical todos os membros do grupo assinavam a autoria das músicas. Jim em particular ficou muito orgulhoso ao ver a qualidade do trabalho que ia ficando cada dia mais rico. Os Doors estavam nascendo para conquistar todas as paradas musicais e isso tudo feito de uma forma completamente nova, inovadora.

Pablo Aluísio. 

Só Deus Perdoa

Título no Brasil: Só Deus Perdoa
Título Original: Only God Forgives
Ano de Produção: 2013
País: Estados Unidos, Tailândia, França
Estúdio: Wild Bunch, Icon Pictures
Direção: Nicolas Winding Refn
Roteiro: Nicolas Winding Refn
Elenco: Ryan Gosling, Kristin Scott Thomas, Vithaya Pansringarm

Sinopse:
Julian (Ryan Gosling) e Billy (Tom Burke) são dois irmãos americanos que vivem na Tailândia, agenciando lutas ilegais. Suas vidas mudam radicalmente quando Billy, em um surto de loucura, resolve matar e estuprar uma jovem menor de idade da comunidade local. O crime acaba desencadeando uma série de mortes, acertos de contas e violência que parecem não ter mais fim. Filme indicado à Palma de Ouro no Cannes Film Festival.

Comentários:
A sinopse pode enganar. Muitos vão pensar que se trata de um filme com aqueles roteiros banais sobre vingança e morte no Oriente. Nada mais longe da verdade. Certamente o filme é dos mais violentos, porém o diferencial não surge da violência e nem mesmo do enredo (que sim, pode ser considerado banal). O grande diferencial de "Only God Forgives" vem da maneira como essa estória é contada. A narrativa cinematográfica utilizada pelo cineasta dinamarquês Nicolas Winding Refn é completamente fora dos padrões. Poucas vezes você viu algo igual a isso. Praticamente não há diálogos e os que existem são sucintos e breves. O enredo assim é contado de maneira quase surreal, com farto uso de olhares, momentos de tensão e até mesmo algumas pinceladas de humor involuntário. O personagem mais marcante não é o Julian de Ryan Gosling, sempre com olhar vidrado no horizonte,  mas sim o policial Chang (Vithaya Pansringarm) que distribui seu senso de justiça com uma espada samurai, decepando, degolando e trucidando todos aqueles que ousam cruzar seu caminho. É um filme estranho, diria até bizarro, mas que por ser tão ousado e diferente merece ser conhecido.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

O Guardião de Lincoln

Título no Brasil: O Guardião de Lincoln
Título Original: Saving Lincoln
Ano de Produção: 2013
País: Estados Unidos
Estúdio: New Films International
Direção: Salvador Litvak
Roteiro: Nina Davidovich, Salvador Litvak
Elenco: Tom Amandes, Lea Coco, Penelope Ann Miller

Sinopse:
O filme mostra a trajetória do presidente americano Abraham Lincoln (1809 - 1865) sob o ponto de vista de seu amigo e segurança pessoal Ward Hill Lamon (Lea Coco), desde os tempos em que Lincoln era apenas um advogado no interior dos Estados Unidos até sua trágica morte após uma das mais sangrentas guerras da história, a guerra civil americana. Roteiro baseado em fatos históricos reais.

Comentários:
Filme muito bom retratando parte da vida de Lincoln, mostrando aspectos importantes de sua vida. Cinematograficamente o que mais me chamou atenção foi a escolha do diretor em usar fotografias e imagens reais da época da guerra civil como cenário para praticamente todas as cenas. Visualmente surge algo muito interessante e talentoso dessa estética, embora o espectador tenha que se acostumar um pouco com a inovadora proposta. Dessa forma temos atores interpretando seus personagens com o fundo formado por cenários virtuais, muito bem escolhidos e inseridos no enredo. O ator Tom Amandes que dá vida a Abraham Lincoln também me surpreendeu. Quem acompanha séries o reconhecerá de imediato por causa de suas atuações em seriados de sucesso como "Everwood" e "Parenthood", entre outros. Mesmo não sendo parecido fisicamente com o famoso líder americano acabou incorporando muito bem a maneira de agir e pensar de Abraham Lincoln. Não afirmo que todos vão gostar do resultado, por causa de seu design diferente, mas quem conseguir comprar a ideia certamente vai no mínimo gostar da forma como o filme narra essa grande história.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 6 de setembro de 2014

Eu Sou o Homem-Aranha!

Ok, pode parecer tolice - e de certa forma é, mas não deixa de ser algo curioso tentar entender o sucesso de certos personagens dos quadrinhos. Confesso que nunca fui um fã assumido de revistas em quadrinhos, minha arte preferida sempre foi o cinema, mas como hoje em dia a cultura pop está interligada em várias linguagens isso se torna um mero detalhe. Se o Superman é acusado de ser um reacionário do American Way of Life, encarnando a própria bandeirona americana, o Homem-Aranha é um personagem mais do que curioso. De certa forma ele é a antítese dos mais populares heróis da cultura pop dos Estados Unidos. Pense, Peter Parker não é um milionário como o Batman e nem um alienígena com super poderes como o Superman. Também passa longe de ser um Deus como Thor, não tem a força do Hulk e nem muito menos a inteligência do Homem de Ferro.

Ele é apenas um jovem, estudante, sem dinheiro, com problemas de relacionamento com a garota que ama. Tem um subemprego, onde tenta ganhar alguns trocados, um patrão chato e neurótico e para completar mora com a tia em um apartamento apertado. Com esses atributos (ou a falta deles) é sério que alguém ainda não consiga entender o sucesso desse personagem?! Pense bem. O Homem-Aranha não é o mais popular herói criado por Stan Lee por acaso. Não é o fato dele soltar teias e sair pendurado por aí que o torna popular, mas sim o fato dele ser um espelho do próprio leitor dos quadrinhos! A identificação é imediata. O leitor de quadrinhos quando o Aranha surgiu nas tirinhas também era um jovem, sem grana, estudante, que sonhava um dia também ser um herói. Stan Lee não é considerado um gênio à toa, ele sabia muito bem o que estava fazendo. Assim que abria as páginas de sua nova revistinha o leitor do Homem-Aranha podia exclamar para si mesmo: "Eu sou o Homem-Aranha"!

As pessoas precisam entender que se hoje em dia os personagens de quadrinhos valem milhões nem sempre foi assim. Nos anos 40, 50 e 60 os personagens da Marvel e da DC Comics passavam longe de ter todo esse status que desfrutam na atualidade. Quadrinhos naqueles tempos era uma arte menor (se é que alguém da época chegou mesmo a qualificar as aventuras em tirinhas como arte). Não me entenda mal. Não estou aqui para desqualificar os quadrinhos, ou comics, como os americanos gostam de chamar, nada disso. Só estou dizendo que como o próprio Stan Lee comentou em um documentário recente aqueles anos pioneiros eram de dureza, acima de tudo. Os roteiristas e desenhistas tinham uma vida dura, ganhavam pouco e não eram reconhecidos. Muitos dos criadores de alguns dos mais populares personagens de todos os tempos morreram praticamente na miséria. Iam para o trabalho de ônibus ou metrô e viviam uma vida de falta de grana com suas famílias em subúrbios de Nova Iorque. Sem dúvida eram artistas com "A" maiúsculo, mas não gozavam do prestígio, do dinheiro e da fama que hoje ostentam sujeitos como o próprio Stan Lee - que graças a Deus viveu para ver seu talento reconhecido devidamente, em vida!

Assim o cabeça de teia é no fundo o alter-ego de cada leitor de suas aventuras. Não há muito mistério sobre isso. Se o Superman é o cara bonitão, cheio de valores e muito ciente de seus deveres, o Homem-Aranha é apenas um cara comum tentando viver um dia de cada vez. E ganhar a vida, não se engane, é muito duro para um nova-iorquino como ele. O Batman é um poço de complexos, traumas e tragédias mas quando se mora em uma mansão milionária, tendo acesso a todos os brinquedos tecnológicos mais sofisticados, a coisa fica mais fácil. Pior é ter os mesmos traumas - sim o Aranha também tem parentes mortos - mas precisando pegar o metrô todas as manhãs para encarar um emprego chato e sem graça. Diante disso não resta dúvidas que o Peter Parker é mesmo um herói, no mais estrito sentido da palavra.

Pablo Aluísio.

O Limite da Traição

Título no Brasil: O Limite da Traição
Título Original: Extreme Prejudice
Ano de Produção: 1987
País: Estados Unidos
Estúdio: Carolco, Columbia Pictures
Direção: Walter Hill
Roteiro: John Milius, Fred Rexer
Elenco: Nick Nolte, Powers Boothe, Michael Ironside

Sinopse:
Jack Benteen (Nick Nolte) é um xerife durão de uma cidadezinha do Texas que acaba descobrindo que sua região, antes pacata e pacífica, está agora na rota do tráfico de drogas entre México e Estados Unidos. Para piorar o chefe da quadrilha de traficantes internacionais é um velho conhecido do xerife, desde os tempos em que ambos serviram o exército americano na guerra do Vietnã. Agora estão em lados opostos da lei.

Comentários:
Exemplo de bom policial dos anos 80, cinema macho à prova de falhas. O roteiro é de John Milius, diretor de "Conan, o Bárbaro" e "Amanhecer Violento". A direção foi entregue ao especialista Walter Hill, que dirigiu verdadeiras pedradas do gênero como por exemplo "Inferno Vermelho" e "Ruas de Fogo". Para completar o pacote de testosterona o filme é estrelado por Nick Nolte, com cara de poucos amigos. Com tantos elementos favoráveis o espectador já sabe de antemão que encontrará coisa boa, acima da média dos filmes policiais da época. A produção inclusive pede emprestado vários elementos dos filmes de faroeste, como o ambiente hostil e desértico e a lei da selva, onde apenas o mais forte sobreviverá. A fita fez sucesso, tanto no mercado de VHS como nos cinemas brasileiros onde chegou a ser lançada. Revisto hoje em dia mantém o charme de uma época em que o cinema não tinha vergonha de ser macho até o último fio de cabelo. Se é o que você está procurando não tenha receios de assistir.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.