terça-feira, 5 de outubro de 2010

Michael Jackson - HIStory

Michael Jackson foi um grande artista de nosso tempo. Era ótimo cantor, dançarino e compositor. Certamente sua imensa popularidade é plenamente justificada pelo grande talento que tinha. Sobre isso acredito que não haja grandes controvérsias. Infelizmente isso não bastava ao cantor e ele se envolveu em uma enorme quantidade de confusões ao longo da vida, fatos esses que nem preciso aqui entrar em detalhes pois já é demais sabido por todos, ainda mais depois de sua morte quando somos bombardeados diariamente com aspectos de sua vida pessoal. Michael Jackson não foi apenas um grande astro musical mas uma celebridade elevada à nona potência. Nesse ponto é que reside todo o problema. Como prestar atenção no artista Michael Jackson no meio de tanto barulho causado por sua persona sui generis? É algo complicado de se alcançar. Ainda mais agora, após sua morte. De repente Michael, que era mal visto por muita gente, virou uma espécie de santidade imaculada. Incrível como tantas pessoas mudaram de opinião tão rapidamente apenas pelo fato de seu falecimento. Certamente a mídia mostrou, como poucas vezes se viu, a sua enorme capacidade de mudar a opinião pública na direção de onde bem entender. O mesmo Michael que foi massacrado pela indústria de informação hoje é canonizado num evento sem proporções, mostrando realmente que a massa está totalmente nas mãos dos grandes meios de comunicação.

Mas isso é um assunto para se discutir com mais calma em outra ocasião. Como afirmei antes, se focar apenas no músico Michael Jackson nos dias de hoje é algo complicado. Esse CD, HIStory, lançado bem no meio das acusações de pedofilia, mostra como o lado musical de Michael foi soterrado pelas toneladas de tablóides sensacionalistas. Ouvir HIStory agora é algo revelador. Ao longo de suas várias faixas podemos tranquilamente notar o grande artista que o mundo perdeu recentemente. Na verdade o álbum, tal como foi concebido, vem fazer um levantamento sobre a trajetória de Michael ao longo dos anos. Assim no CD 1 temos seus maiores sucessos, com todos aqueles clássicos que tão bem conhecemos (e que por isso não vou tecer maiores comentários). Já o CD 2 traz material inédito gravado por ele naquele ano. O ponto alto é justamente o CD2 de inéditas. Nessas quinze faixas facilmente reconhecemos o que de melhor (e pior) existia na carreira de Jackson. De positivo temos ótimas baladas cantadas por Michael, mostrando mais uma vez o ponto forte de sua voz. "Stranger In Moscow", uma faixa estranhamente intimista mostra esse seu lado vocal, que depois é confirmada na bela "You Are Not Alone" (feita em homenagem a sua esposa de então, a filha de Elvis, Lisa Marie Presley). Para quem gosta do lado mais agitado do astro, duas faixas tentam, sem muito êxito é bom salientar, reviver os dias de Bad e Thriller. Em Scream temos um dueto pouco inspirado ao lado de sua irmã Janet e em 2 Bad constatamos que a velha fórmula havia se desgastado um pouco.

Já "HIStory", a faixa que dá nome ao CD, é no mínimo curiosa, mas pelo sua própria estrutura dificilmente se destacaria nas paradas. O lado ruim do CD vem da regravação desnecessária de Come Together dos Beatles (afinal os direitos eram dele mesmo) e da constrangedora "Childhood" (depois de todas as acusações Michael deveria ter evitado o tema infantil no CD). "Money" tem uma estrutura rítmica muito rica, assim como o vocal de Michael, excelente. "Earth Song" por sua vez se destaca não só pela bonita melodia mas também pela mensagem de tenta passar (Pois é, até na terra do Peter Pan havia consciência com nosso meio ambiente). "Little Susie" é tão estranha quanto curiosa. Não sei onde ele estava com a cabeça ao se envolver com esse tipo de canção. Por fim temos "Smile", que era a sua canção preferida. Aqui temos o grande momento do CD pois não há como negar que se trata de uma das mais lindas releituras dp grande clássico de Charles Chaplin. É um momento primoroso, acima de qualquer crítica, que fez jus ao talento genial de seu criador. É isso, HIStory mostra as facetas de um ser humano complexo, difícil de entender e compreender, mas que no final deixou uma grande obra, essa sim, imortal.

Michael Jackson - HIStory (1995)
HIStory Begins (Disc 1)
01. Billie Jean
02. The Way You Make Me Feel
03. Black Or White"
04. Rock With You
05. She's Out Of My Life
06. Bad
07. I Just Can't Stop Loving You
08. Man In The Mirror
09. Thriller
10. Beat It
11. The Girl Is Mine
12. Remember The Time
13. Don't Stop 'Til You Get Enough
14. Wanna Be Startin' Somethin'
15. Heal The World

HIStory Continues (Disc 2)
01. Scream
02. They Don't Care About Us
03. Stranger In Moscow
04. This Time Around
05. Earth Song
06. D.S.
07. Money
08. Come Together
09. You Are Not Alone
10. Childhood (Theme from Free Willy 2)
11. Tabloid Junkie
12. 2 Bad
13. HIStory
14. Little Susie

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Norah Jones - Marian McPartland’s Piano Jazz

Esse CD, Norah Jones - Marian McPartland’s Piano Jazz, é um bootleg extremamente interessante. Para quem aprecia boa música o programa de Marian McParland, que pode ser ouvido inclusive pelo site da NPR Radio de Nova Iorque (http://www.npr.org) sempre traz grandes convidados para tocar e conversar sobre jazz music. Um show de sofisticação e bom gosto. Aqui nesse bootleg a ótima cantora Norah Jones esbanja talento e sofisticação. Curiosamente com ela se repete algo que aconteceu inclusive com cantores do passado como Elvis Presley e Johnny Cash, ou seja, alguns de seus bootlegs conseguem ser bem melhores do que alguns discos oficiais. Nesse CD em especial temos apenas nove faixas cantadas por Norah, pois as demais são apenas bate papos entre a cantora e a apresentadora do programa.

Uma conversação muito curiosa aliás, pois Jones mais uma vez se revela uma pessoa tímida, levemente nervosa e parecendo sempre pouco à vontade. Risinhos nervosos surgem aqui e acolá. Norah desfila entre as canções de seus discos oficiais e alguns outros standarts da música americana, arrasando inclusive em faixas completamente instrumentais (ela é uma pianista de mão cheia). Ultimamente tenho ouvido bastante esse Piano Jazz, mais até do que os últimos CDs oficiais da cantora. Fica a dica preciosa: se é fã e não ouviu ainda corra atrás (e aproveite para conhecer o excelente programa de Marian McParland no link que postei, vai valer muito a pena, tenho certeza).

Norah Jones - Marian McPartland’s Piano Jazz, New York City, NY
Conversation
September in the Rain
Conversation
In the Dark
Conversation
Comes Love
Conversation
For All We Know
Conversation
I Can’t Get Started
Conversation
Don’t Know Why
Conversation
Peace
Conversation
The Nearness of You
Conversation
A Beautiful Friendship
Conversation

Pablo Aluísio.

domingo, 3 de outubro de 2010

Norah Jones - Stay With Me

Minha dica de CD hoje vai para Stay With Me de Norah Jones. Nem adianta procurar na discografia americana da cantora porque esse é um lançamento não oficial. Me fez lembrar as discografias dos cantores e bandas dos anos 60, onde a liberdade de lançamentos das filias em relação às majors americanas era tamanho que muitas vezes cada país lançava suas próprias discografias, com várias características próprias, muitas vezes misturando discos originais para dar origem a um título totalmente novo e diferente do que era lançado lá fora. Exemplos? Temos muitos. Quem não se lembra do bastardo "Beatlemania" da discografia brasileira dos Beatles (único no mundo), ou então o BKL 60, o primeiro álbum de Elvis Presley lançado no Brasil, que tinha como capa a mesma de um compacto duplo americano lançado nos anos 50! Interessante é que acredito que Stay With Me não tenha sido nem lançado em vários países (só achei referências de seu lançamento na Itália, Brasil e Espanha). Isso demonstra que a cantora tem ganhado cada vez espaço pois definitivamente bootlegs de uma forma em geral é coisa típica de grandes nomes. Ao restante dos artistas mortais só resta o limbo de sua discografia oficial, que muitas vezes nem sequer é suficiente para capturar o talento do cantor ou cantora.

O CD traz uma interessante e curiosa coleção de faixas daquela que para mim até agora é a melhor fase da Norah Jones. A Tônica é praticamente toda de baladas Jazz, com pequenas nuances folks e flertes rápidos com o cenário indie. Existe espaço até mesmo para uma faixa bem experimental que fecha o álbum, a estranha (mas bela) In a Whisper. Embora a cantora tenha passeado por alguns estilos ao longo da carreira, com resultados diversos, sua força vem do instrumental mais bem elaborado, dos arranjos sofisticados e da boa produção de suas faixas de estúdio. Tudo isso você vai encontrar nessa coletânea que vai desde os momentos mais manjados (Como Day Is Done, muito conhecida entre os fãs) até momentos bem mais discretos (e obscuros) de sua discografia como Wait (que tem uma batida bem anos 70). E que tal o balanço nitidamente latino de Mora Than This? Nada mal hein? Como a cantora tem poucos discos lançados oficialmente, Stay With me é uma boa pedida para conhecer esse tipo de faixa bem menos badalada. Confira e você não irá se arrepender.

Norah Jones - Stay With Me
01. Day Is Done
02. Peace
03. What Am I to You
04. No Easy Way Down
05. More Than This
06. Something I Calling You
07. I'll Be Your Baby Tonight
08. Ruler of the Day
09. In the Dark
10. Butterflies
11. Wait
12. In a Whisper

Pablo Aluísio.

sábado, 2 de outubro de 2010

Stereophonics - Keep Calm and Carry On

O Stereohonics fecha o ano de 2009 com CD novo na praça. Intitulado Keep Calm and Carry On o novo trabalho do grupo tenta recuperar a velha garra dos primeiros trabalhos. Ficou na intenção. Certa vez John Lennon disse que os Beatles não poderiam voltar aos seus anos iniciais porque simplesmente aqueles jovens do começo da década de 60 não existiam mais. A mesma coisa acontece com o Stereophonics. Eles certamente buscam a garra que tanto os caracterizou em seus primeiros álbuns mas simplesmente não há como voltar no tempo, ainda mais em relação ao grupo que nem mais é formado pelas mesmas pessoas que gravaram o seu primeiro disco. Isso significa que o CD decepciona e não é bom? Absolutamente não. O Stereophonics sempre tem algo interessante a mostrar mesmo quando a fórmula se torna um pouco repetitiva.

Keep Calm and Carry On tem altos e baixos. A primeira faixa She’s Alright com sua percussão de primeira linha pega o ouvinte logo de cara. Como sempre as guitarras surgem nervosas, mostrando um pique que andava em falta nos trabalhos anteriores do grupo. É um bom momento inicial do CD e mostra que o som mais puro do Britpop continua vivo ainda nos dias de hoje. Innocent, com sua harmonia pra cima e vocalização alto astral talvez seja o maior candidato a hit do CD, uma faixa que foi especialmente escrita para fazer bonito nas rádios britânicas.O refrão é pegajoso, como todo sucesso tem que ser. Beerbottle, com seu som tecno soa fora de contexto. Alguns críticos já andaram dizendo por aí que o Stereophonics anda tendo crises de identidade, não se posicionando como banda de britpop, rock alternativo ou indie. Bem, no meio de toda essa esquizofrenia a última coisa que deveria aparecer era uma canção com uma batida assim tão tecno. Não gostei, espero que essa tenha sido apenas uma experiência isolada dentro do som do grupo.

Depois de ouvir três faixas finalmente ouvimos o primeiro Rock do CD. Trata-se de Trouble (nada a ver com o antigo sucesso de Elvis Presley). Aqui finalmente respiramos um pouco do clima do primeiro CD dos galeses. A pegada segue totalmente idêntica, o clima idem. Possivelmente tenha sido composta nos primeiros tempos da banda para só agora aparecer em sua discografia. Cold You Be The One que vem logo a seguir se mostra a grande balada indie do disco. Apesar de um certo clichê no arranjo (com o velho dedilhado no violão que tanto conhecemos das rodinhas indies) a harmonia e a estrutura bonita do refrão nos conquista de imediato. Ideal para ouvir acompanhado. Depois do momento relax o Stereophonics apresenta a faixa I Got Your Number. Embora estruturalmente interessante, com a mesma base seguindo toda a execução falta um certo clímax para a música nos conquistar completamente. Do jeito que está ficou no meio do caminho.

O Britpop volta com Uppercut. O velho refrão pegajoso para tocar na FM está lá, o vocal inconfundível de Kelly também. Vamos ver se essa canção consegue se destacar nas programações. Tem tudo para dar certo. Mas não pára por aí. A forte presença do som Britpop continua com Live ‘N’ Love, uma mistura mediana com guitarras em primeiro plano, refrão feito para grudar na cabeça e letra simples. 100mph provavelmente é o som mais fiel ao som que o grupo vem desenvolvendo desde seu primeiro CD. A harmonia nos remete imediatamente aos dias de Have a Nice Day. O CD fecha as cortinas com três bons momentos: Wonder (não chega a ser uma grande música mas mantém o interesse), Stuck In A Rut (onde o destaque fica para o vocal de Kelly que leva a canção nas costas) e Show Me How (momento lúdico para encerrar muito bem Keep Calm and Carry On). Se fosse para dar uma nota para o conjunto da obra me arriscaria a dar um 8,0. Seria merecido. Se não é o melhor trabalho do grupo pelo menos é bem superior ao último CD do Stereophonics. Pode comprar sem receios, vai valer a pena.

Keep Calm and Carry On
01. She’s Alright
02. Innocent
03. Beerbottle
04. Trouble
05. Cold You Be The One
06. I Got Your Number
07. Uppercut
08. Live ‘N’ Love
09. 100mph
10. Wonder
11. Stuck In A Rut
12. Show Me How

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Stereophonics - Word Gets Around

Quem pensa que o melhor som do Britpop vem do Oasis e da Inglaterra está redondamente enganado. Esse título pertence aos galeses do Stereophonics. Esse trio formado no começo dos anos 90 vem colecionando uma série de sucessos, fazendo com que cinco de seus seis álbuns chegassem ao topo da parada inglesa nos últimos anos. Não é para menos, fazendo um som honesto e sem firulas o Stereophonics prova que o Britpop não é composto apenas por bandas pretensiosas e sem conteúdo. Obviamente Kelly Jones e cia escrevem sobre o cotidiano de suas vidas, de forma simples e comum, porém o forte desse trio realmente é a melodia de suas canções; poucos grupos conseguem compor músicas tão interessantes como eles nesse aspecto.

Words Get Around, seu álbum de estréia (o único que não chegou ao topo da parada britânica) traz uma coleção de belos momentos. A voz de bebum de pub de Kelly Jones se enquadra perfeitamente nas harmoniosas linhas das melhores canções do álbum: Traffic, Local Boy in The Photography e A Thousand Trees. Ao contrário do Oasis, que muitas vezes prefere um som estrondoso e no último volume, o Stereophonics aposta nas entrelinhas de uma musicalidade mais cadenciada e bem executada, reforçando por letras bem compostas, retratando as experiências de um jovem comum vivendo nos dias de hoje no outrora glorioso império Britânico. Além de conseguirem apresentar músicas mais consistentes o Stereophonics consegue tudo isso sem perder a garra que se espera de toda banda de rock. Isso está bem claro em faixas como a ótima Too Many Sandwiches, onde as guitarras ecoam ao fundo sem ofender ou machucar nossos tímpanos. Aqui o som pesado está a serviço de uma balada que deixaria um Paul McCartney orgulhoso. Enfim, o CD é essencial para quem quiser conhecer o melhor do movimento Britpop, mostrando a todos que se o Rock está em crise ao redor do mundo, certamente a apatia e a falta de talento ainda não atingiram as ilhas britânicas, pois o grande número de bandas inglesas, escocesas, irlandesas e galesas está aí para comprovar que o bravo Rock´n´Roll vive e vai mundo bem na terra da Rainha.

Stereophonics - Word Gets Around
1. A Thousand Trees
2. Looks Like Chaplin
3. More Life in a Tramps Vest
4. Local Boy in the Photograph
5. Traffic
6. Not Up To You
7. Check my Eyelids for Holes
8. Same Size Feet
9. Last of the Big Time Drinkers
10. Goldfish Bowl
11. Too Many Sandwiches
12. Billy Davey's Daughter

Pablo Aluísio.