segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Guia de Episódios - Westworld

Título no Brasil: Westworld 
Título Original: Westworld 
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Home Box Office (HBO)
Direção: Jonathan Nolan, Jonny Campbell
Roteiro: Lisa Joy, Jonathan Nolan
Elenco: Anthony Hopkins, Ed Harris, Evan Rachel Wood, Jeffrey Wright, Rodrigo Santoro
  
Sinopse:
Em um futuro próximo um parque temático é inaugurado. O visitante pode se sentir como um cowboy do velho oeste, interagindo com uma série de androides de última geração que recriam personagens típicos do velho oeste americano. Seu criador e mentor, o Dr. Robert Ford (Anthony Perkins), criou todo aquele universo como uma forma revolucionária de diversão, só que algo começa a dar errado, com os robôs desenvolvendo estranhos comportamentos.

Episódios Comentados:

Westworld 1.01 - The Original
Eu tenho a opinião de que uma boa série deve conquistar o espectador já em seu episódio piloto. E é justamente o que acontece aqui. A HBO resolveu produzir uma série que é baseada em um filme antigo chamado "Westworld - Onde Ninguém Tem Alma", estrelado pelo astro Yul Brynner.  A premissa é basicamente a mesma, só que obviamente remodelada e modernizada. Assim acompanhamos a rotina desse estranho parque onde robôs e andróides convivem com seres humanos (citados como "ricaços idiotas" por um dos personagens) que pagam para viver como se estivessem nos tempos do velho oeste. Até aí tudo bem, nada muito estarrecedor. O problema surge quando algumas dessas máquinas começam a desenvolver comportamentos completamente fora dos padrões. Eles devem seguir sua programação, atuar como se estivessem em um filme, com roteiro pré determinado. A questão é que surgem resquícios de inteligência artificial em alguns modelos, fazendo com que os criadores do parque fiquem intrigados com esses novos excessos, situações não esperadas, que vão surgindo em diversos modelos. O principal deles é Dolores Abernathy (Evan Rachel Wood), programada para agir como uma típica mocinha de filmes de faroeste. Seu pai sofre um pane emocional quando encontra uma foto estranha em seu curral e a partir daí uma série de eventos começam a surgir por todos os lugares do parque. Nesse episódio piloto temos uma surpresa divertida quando Rodrigo Santoro surge como um fora da lei que entra na cidade para tocar o terror entre os moradores. Seu destino, também fora do script, acaba surpreendendo. Enfim, ótimo primeiro episódio, demonstrando que vem muita coisa boa por aí. Essa série certamente vale a pena acompanhar. Não vá perder. / Westworld 1.01 - The Original (EUA, 2016) Direção: Jonathan Nolan, Jonny Campbell / Roteiro: Lisa Joy, Jonathan Nolan / Elenco: Anthony Hopkins, Ed Harris, Evan Rachel Wood, Thandie Newton, Jeffrey Wright, Rodrigo Santoro.

Westworld 1.02 - Chestnut
Maeve Millay (Thandie Newton), a prostituta negra do saloon, começa a ter lembranças de um ataque nativo quando ela perdeu seu próprio escalpo em um banho de sangue. Não era para isso acontecer. Sua programação não traz essa possibilidade. É certamente a prova de que algo está saindo errado com os protótipos que povoam Westworld. Além dela a bela mocinha Dolores Abernathy (Evan Rachel Wood) também está tendo espasmos parecidos. Ela começa a ter consciência de si mesma ao se olhar no espelho. Enquanto isso o cowboy e pistoleiro vestido em negro Ed Harris quer descobrir o que significa o labirinto! É um veterano em Westworld e por isso tem carta branca, mas logo fica claro que ele obviamente está exagerando. Por fim uma dupla de amigos chega em Westworld. Um deles é um sujeito tímido e contido. O outro, alucinado. Sua experiência valerá o ingresso pago? É o que veremos. Eis mais um bom episódio de "Westworld". Nesse aqui pela primeira vez um personagem resolve se revoltar contra os humanos, ao se deparar com o setor de reparos dos seres robóticos. Eles ficam empilhados, mais parecendo uma cena do holocausto. A mesma Maeve ao ver aquela cena tenta reagir, causando todos os tipos de problemas. A inteligência artificial leva ao conhecimento de si mesmo e de sua situação. Para o caos resta apenas um pequeno passo. / Westworld 1.02 - Chestnut (Estados Unidos, 2016) Direção: Richard J. Lewis / Roteiro: Jonathan Nolan, Lisa Joy / Elenco: Evan Rachel Wood, Thandie Newton, Jeffrey Wright.
 
Westworld 1.03 - The Stray  
Esse é certamente um dos episódios mais explicativos da série. O engenheiro Bernard Lowe (Jeffrey Wright) se reúne com seu chefe, o Dr. Robert Ford (Anthony Hopkins) para lhe explicar o que estaria acontecendo. Alguns "anfitriões" (os seres robóticos que habitam Westworld) estariam apresentando comportamentos bem estranhos, fugindo do script, dos roteiros previamente programados para eles. Nesses momentos de surtos eles falavam com uma entidade imaginária chamada Arnold! O Dr. Ford imediatamente liga os pontos. No passado seu sócio, o Dr. Arnold, teria levantado a hipótese de criar uma consciência própria nos programas e aplicativos dos anfitriões. Claro que algo assim, que criaria uma verdadeira inteligência artificial, seria algo bem perigoso. A ideia então foi rejeitada, mas ao que tudo indica o Dr. Arnold deixou algo impresso nos robôs, algo que ele não avisou a ninguém antes de sua morte. Agora os incidentes começam a ocorrer com maior frequência, com destaque para Dolores (Wood) que foge completamente do roteiro da repetitiva estória onde via sua família ser morta para reagir e fugir. Definitivamente algo muito inovador (ou sinistro) está acontecendo no mundo de Westworld. / Westworld 1.03 - The Stray (Estados Unidos, 2016) Direção: Neil Marshall / Roteiro: Jonathan Nolan, Lisa Joy/ Elenco: Evan Rachel Wood, Thandie Newton, Jeffrey Wright. Anthony Hopkins.

Westworld 1.04 - Dissonance Theory
Os "anfitriões" vão ficando cada vez mais cientes de si mesmo. A prostituta de saloon Maeve Millay (Thandie Newton) começa a ter cada vez mais espasmos de lembrança de quando foi levada até os laboratórios de Westworld para conserto. Ela consegue visualizar os homens que encontrou por lá. Sonho e realidade se misturam em sua mente. Ao ver uma jovem garota índia levando um pequeno boneco que se parece com as pessoas que encontrou nas salas de reposição do parque ela tem uma visão mais clara do que está acontecendo. Procurando fugir cada vez mais dos ciclos narrativos suas atitudes fora do padrão começam a chamar a atenção dos programadores da atração. Algo parecido vai acontecendo também com Dolores Abernathy (Evan Rachel Wood). Sua programação não a impede mais de ter cada vez mais lembranças traumáticas das mortes de seus parentes na fazenda. Antecedendo tudo o que estaria prestes a acontecer novamente ela se antecipa e consegue fugir. É curioso que no mundo de Westworld os visitantes humanos parecem sempre prontos a agir da pior forma possível, como assassinos e estupradores. Os roteiros obviamente usam esse aspecto para tecer uma sutil crítica contra o lado animalesco do homem. Por fim, outro aspecto a se considerar, vem da segunda participação do ator brasileiro Rodrigo Santoro na série. Ele interpreta o anfitrião Hector Escaton, um pistoleiro vestido de negro que sempre aparece na cidadezinha do velho oeste para tocar o terror. Aqui ele acaba servindo de fonte de informações para Maeve, que está sempre em busca de respostas. / Westworld 1.04 - Dissonance Theory (Estados Unidos, 2016) Direção: Vincenzo Natali / Roteiro: Jonathan Nolan, Lisa Joy/ Elenco:  Evan Rachel Wood, Thandie Newton, Jeffrey Wright, Anthony Hopkins.

Westworld 1.05 - Contrapasso
Pelo andar da carruagem já sabemos que Dolores Abernathy (interpretada pela linda e elegante Evan Rachel Wood) tem uma espécie de programação especial, implantada por Arnold. Provavelmente um gênesis de inteligência artificial que só se desenvolveu desde que foi implantada pela primeira vez. Dentro de "Westworld" ela já anda com seus próprios passos, bem longe de sua narrativa original. Ela se junta a alguns visitantes humanos e a outros "anfitriões" e acaba indo parar em um vilarejo mexicano cheio de soldados confederados. Lá acaba participando de um ataque a uma carroça da União que supostamente estaria cheia de nitroglicerina, um composto químico altamente explosivo. Outro destaque desse episódio é a cena em que finalmente ficam frente a frente os dois melhores atores do elenco. Sentados em uma mesa, numa vila perdida do velho oeste, Anthony Hopkins e Ed Harris travam os melhores diálogos que já vi até aqui. Dois grandes mestres da arte de atuar em um excelente "duelo" de egos e falsas intenções. Por fim uma revelação para a anfitriã prostituta de saloon Maeve Millay. Ela desperta dentro da sala de concertos e manutenção de "Westworld" e encara essa nova realidade que para muitos de seus semelhantes não passa de uma lenda! / Westworld 1.05 - Contrapasso (Estados Unidos, 2016) Direção: Jonny Campbell / Roteiro:  Jonathan Nolan, Lisa Joy / Elenco: Evan Rachel Wood, Thandie Newton, Jeffrey Wright.

Westworld 1.06 - The Adversary  
Sigo acompanhando "Westworld". A cada novo episódio as coisas vão ficando mais claras. Esse aqui é especialmente revelador. A "anfitriã" Maeve Millay (Thandie Newton) já está criando consciência de si mesma. Ela se deixa enforcar propositalmente por um cliente para retornar ao setor de reparos de Westworld. Uma vez lá trava amizade com um jovem reparador, um oriental que não apenas revela toda a verdade como a leva para um verdadeiro tour pelas instalações. Algo bem surreal e inesperado. Já o engenheiro-chefe Bernard Lowe (Jeffrey Wright) descobre que há uma série de anfitriões sem registros na central de controles. Ele então resolve investigar in loco o que estaria acontecendo e descobre que o Dr. Robert Ford (Anthony Hopkins) mantém um verdadeiro santuário de anfitriões originais, da época de fundação do parque. Eles revivem um momento especial de sua infância. Essa porém pode ser apenas uma fachada para algo maior, algo que acaba sendo descoberta por uma das engenheiras, ao descobrir que transmissões via satélite estão sendo enviadas para as máquinas, dando comando de voz de Arnold (o outro fundador de Westworld) a elas. Isso explicaria parcialmente o estranho comportamento de alguns anfitriões. E é justamente por essas respostas que o personagem de Ed Harris tanto procura. Ele acaba se envolvendo numa cilada ao tentar enganar um grupo de soldados da União, algo que acaba em intenso tiroteio. Afinal o que significaria o tal labirinto? De maneira em geral tenho gostado de "Westworld". Há certamente boas ideias aqui. Recentemente a HBO anunciou que a série terá uma segunda temporada. O que posso dizer? Seguramente será muito bem-vinda! / Westworld 1.06 - The Adversary (Estados Unidos, 2016) Direção: Frederick E.O. Toye / Roteiro: Jonathan Nolan, Lisa Joy / Elenco: Anthony Hopkins, Evan Rachel Wood, Thandie Newton, Jeffrey Wright.

Westworld 1.07 - Trompe L'Oeil
Esse episódio é um dos mais reveladores da série. O curioso é que no episódio anterior a atriz Evan Rachel Wood não tinha participado, mas agora ela retorna com sua personagem, a anfitriã Dolores Abernathy. Ela está indo aos confins de Westworld em busca de respostas, já que ela é uma das que apresentam claros sinais de inteligência artificial. Vai ter que lidar com selvagens de uma tribo fantasma e renegados confederados! E por falar em reações inesperadas dos anfitriões, nesse episódio a companhia resolve puxar o tapete do engenheiro Bernard Lowe (Jeffrey Wright) e mais do que isso, eles começam a conspirar para tirar o próprio criador do parque, o Dr. Robert Ford (Anthony Hopkins), de Westworld. Ford porém já estava esperando por esse tipo de traição! Ele manteve por anos uma instalação secreta, onde criou novos protótipos de anfitriões, com avanços notáveis. Um deles é justamente Bernard, seu braço direito. Isso mesmo, o engenheiro-chefe é ele mesmo um anfitrião criado especialmente por Ford! Quem poderia imaginar? Pior para a Dra. Theresa Cullen (interpretada pela atriz sueca Sidse Babett Knudsen). Ela acaba entrando em uma armadilha sem saber que está prestes a passar por uma situação literalmente mortal. Enfim, um dos episódios vitais para entender tudo o que acontece em Westworld, um lugar tão selvagem como o velho oeste que procura recriar! / Westworld 1.07 - Trompe L'Oeil (Estados Unidos, 2016) Direção:  Fred Toye / Roteiro: Jonathan Nolan, Lisa Joy / Elenco:  Evan Rachel Wood, Thandie Newton.

Westworld 1.08 - Trace Decay
A série "Westworld" vai ficando cada vez mais interessante. Nesse episódio o personagem do Dr. Robert Ford (Anthony Hopkins) sai apagando os rastros do crime que ele mandou Bernard Lowe (Jeffrey Wright) cometer. No episódio anterior inclusive o espectador descobriu que Bernard não é uma pessoa comum, mas sim um anfitrião. Isso foi uma surpresa e tanto. Pois bem, já que ele é um robô nada mais simples do que apagar sua memória, só que Ford ignora que apagando essa parte de suas lembranças acabará apagando outra também - o que irá gerar uma desconfiança geral nos demais funcionários de Westworld. Na outra linha narrativa Dolores Abernathy (Evan Rachel Wood) segua sua viagem nos confins do parque. Ela reencontra a velha vila onde viveu uma de suas narrativas. Encontra tudo destruído. O curioso é que sua memória parece intacta. Já a prostituta Maeve Millay (Thandie Newton) já sabe tudo o que acontece em Westworld e ela começa a agir, usando uns membros da manutenção para atender seus interesses. Por fim o episódio revela mais aspectos do personagem do pistoleiro negro (interpretado pelo ótimo Ed Harris). Para quem gosta do personagem vai curtir bastante. É isso, mais uma excelente peça nesse quebra-cabeças chamado Westworld. / Westworld 1.08 - Trace Decay (Estados Unidos, 2016) Direção: Stephen Williams / Roteiro: Jonathan Nolan, Lisa Joy / Elenco: Evan Rachel Wood, Anthony Hopkins, Ed Harris, Rodrigo Santoro, Thandie Newton, Jeffrey Wright.

Westworld 1.09 - The Well-Tempered Clavier
Esse texto contém spoiler. Assim se você ainda não assistiu a primeira temporada de "Westworld" ou esse nono episódio em particular recomendo que não siga em frente em sua leitura. Pois bem, um aspecto que sempre chamo a atenção em "Westworld" é que essa série do canal HBO começou muito bem e segue cada vez mais interessante. Não é tão fácil encontrar novas séries que lhe conquistem desde os primeiros momentos. Nesse episódio temos várias revelações. Uma delas, a mais curiosa de todas, é saber que Bernard Lowe (Jeffrey Wright) nada mais é do que uma cópia de Arnold, o antigo sócio do Dr. Robert Ford (Anthony Hopkins). O público já havia ficado surpreso no episódio anterior ao descobrir que Bernard não era um ser humano, um engenheiro trabalhando na companhia e agora temos essa outra surpresa. Como se sabe Arnold criou uma série de protótipos com I.A. (inteligência artificial) e será justamente esse grupo de androides que darão início a uma verdadeira revolução. Bernard também é dessa série e tenta de todas as formas liquidar com o Dr. Ford, inclusive usando uma anfitriã, mas ele acaba não sendo bem sucedido em seus planos. Outro acontecimento chave esse episódio ocorre quando Dolores Abernathy (Evan Rachel Wood) chega em uma igrejinha de uma cidade do velho oeste. Em seu porão estava instalado o laboratório de Arnold, onde tudo começou. Justamente lá ela descobre enfim tudo o que aconteceu, agora é só sair com vida, pois o pistoleiro negro (Ed Harris) está em seu encalço. Como afirmei antes, esse é um episódio acima da média de uma série que já é muito boa, por seus méritos próprios. / Westworld 1.09 - The Well-Tempered Clavier (Estados Unidos, 2016) Direção: Michelle MacLaren / Roteiro: Jonathan Nolan, Lisa Joy/ Elenco: Evan Rachel Wood, Thandie Newton, Jeffrey Wright, Anthony Hopkins.

Westworld 1.10 - The Bicameral Mind
Esse texto contém spoiler. Assim se você ainda não assistiu ao episódio final de "Westworld" pare a leitura por aqui. Pois bem, esse último episódio da primeira temporada me surpreendeu em alguns pontos, mas em outros foi menos surpreendente do que eu poderia esperar. Em 90 minutos de duração conseguiu fechar bem essa temporada. A sacada de unir dois personagens que não pareciam ter nada a ver em apenas um, foi realmente bem interessante. O pistoleiro negro interpretado por Ed Harris era um mistério desde o primeiro episódio, até que aqui tudo fica bem claro. Confesso que gostaria de voltar aos primeiros episódios para verificar se essa reviravolta teve mesmo sentido desde o começo. Mesmo assim descobrir o destino de William e o que ele se tornou foi uma surpresa e tanto, não há como negar. O destino do Dr. Ford e sua última história estava meio que delimitado há bastante tempo. Todos sabiam que os anfitriões, mais cedo ou mais tarde, iriam se rebelar contra seus criadores. Dolores sempre foi também uma peça chave. Os roteiristas ligaram assim o destino do Dr. Ford com seu antigo sócio, tendo ambos o mesmo fim... curiosamente sendo executados por Dolores. A explicação sobre o labirinto (algo que parecia maior, mas que era apenas um jogo infantil) também foi muito criativa. O único "porém" que fica daqui para frente é o que acontecerá na próxima temporada (já programada para estrear em 2018). Uma vez que os anfitriões estão rebelados, que massacres já foram cometidos, que agora eles podem fazer mal aos seres humanos, o que sobrará? Provavelmente a próxima temporada seja de pura ação, o que vai esvaziar a série como um todo. Afinal tudo já parece ter sido revelado. De qualquer maneira "Westworld" é uma daquelas séries que você não pode deixar de conferir, mesmo que as expectativas para a segunda temporada não sejam das melhores. / Westworld 1.10 - The Bicameral Mind (Estados Unidos, 2016) Direção: Jonathan Nolan / Roteiro: Jonathan Nolan, Lisa Joy/ Elenco: Evan Rachel Wood, Thandie Newton, Jeffrey Wright, Anthony Hopkins / Sinopse: Em um futuro próximo, um parque de diversões temáticos esconde um segredo inimaginável.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.


Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 30 de outubro de 2016

Presságios de Um Crime

Título no Brasil: Presságios de Um Crime
Título Original: Solace
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos
Estúdio: New Line Cinema
Direção: Afonso Poyart
Roteiro: Sean Bailey, Ted Griffin
Elenco: Anthony Hopkins, Colin Farrell, Jeffrey Dean Morgan, Abbie Cornish, Matt Gerald, Jose Pablo Cantillo
  
Sinopse:
Após a morte da filha, o Dr. John Clancy (Anthony Hopkins) resolve largar tudo para se isolar em uma casa remota. Ele foi por anos colaborador do FBI na caça de psicopatas perigosos. Seu retiro e luto só é interrompido quando o agente Joe Merriwether (Jeffrey Dean Morgan) resolve lhe procurar. Há um novo serial killer matando inúmeras vítimas, usando sempre o mesmo método. Joe assim pede que Clancy abra uma exceção para participar dessa nova investigação antes que novas pessoas inocentes sejam mortas.

Comentários:
Esse filme começa muito bem. O roteiro é dos mais atrativos. Há um psicopata à solta, matando pessoas que supostamente estariam condenadas por doenças incuráveis. Ele as mata da forma mais indolor possível, com um curto, certeiro e cirúrgico golpe na base da nuca, causando morte imediata. O Dr. John Clancy (Anthony Hopkins) é então contactado pelo FBI para se unir ao grupo de agentes que investigam os assassinatos. Ele não é um especialista forense comum. Na verdade seu grande tom é antecipar os passos dos assassinos. Dono de um tipo único de visão, de origem desconhecida, ele consegue não apenas ver a cena do crime no passado, como também antever o que virá depois. Uma vantagem e tanto para os membros do FBI. O problema é que tudo leva a crer que o assassino em série também tem o mesmo tipo de poder. Ou seja, o argumento é dos mais interessantes. Infelizmente depois de apresentar os personagens principais (todos interessantes) o filme decai justamente quando o psicopata surge em cena, revelando sua identidade. Ele é interpretado pelo ator Colin Farrell que definitivamente não convence no papel. Querendo trazer uma espécie de misericórdia para suas vítimas ele é confrontado por Hopkins em um duelo de vida ou morte. Farrell definitivamente não era o ideal para esse tipo de personagem. Esse problema aliás tem sido recorrente em Hollywood ultimamente, a má escolha de certos atores para determinadas caracterizações. Tudo em prol de tornar o filme mais comercialmente viável nas bilheterias. Assim "Solace" funciona muito bem em mais ou menos dois terços de sua duração, onde há o mistério a se revelar, as motivações e os detalhes dos crimes sangrentos. Na terça parte final porém, quando tudo vem à luz, ele decai muito. A cena final, o clímax, até tem seus méritos, mas destoa completamente do restante do filme. Assim seu resultado final fica prejudicado. Era um filme muito promissor, que poderia ser muito melhor do que realmente foi.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

The Beatles ‎– The Beatles Ballads

Essa capa é certamente uma das piores da discografia dos Beatles. Ok, pode até ter seu valor artístico, mas sinceramente sob um ponto de vista puramente estético nunca me agradou. Mesmo assim é Beatles, então vale a citação. O curioso é que essa ilustração, criada pelo artista John Byrne, quase virou a capa do White Album (Álbum Branco) em 1968. Ela chegou a ser mostrada para os Beatles que a descartaram em prol da simplicidade total - ou seja - um disco todo branco, sem ilustrações.

"The Beatles Ballads" foi lançado em 1980 como parte dos lançamentos da EMI-Odeon relembrando os dez anos da separação do grupo. Pois é, não é de hoje que as gravadoras perceberam que datas redondas acabam gerando interesse renovado no mercado. Geralmente várias reportagens e notícias na mídia acabam lembrando aos fãs de momentos importantes na biografia de uma banda e a gravadora sabendo da publicidade grátis que esse tipo de matéria traz acaba indo atrás. Já em termos de repertório "The Beatles Ballads" não traz grandes novidades. É basicamente uma coletânea de baladas, como seu próprio título já deixa claro. Por isso também se destaca mais as composições de Paul McCartney na seleção musical, uma vez que ele foi de fato o grande criador das melhores músicas românticas dos Beatles. Só isso já bastaria para convencer qualquer um a adquirir o disco.

The Beatles Ballads (1980)
Lado A: Yesterday / Norwegian Wood (This Bird Has Flown) / Do You Want to Know a Secret / For No One / Michelle / Nowhere Man / You've Got to Hide Your Love Away / Across the Universe / All My Loving / Hey Jude / Lado B: Something / The Fool on the Hill / Till There Was You / The Long and Winding Road / Here Comes the Sun / Blackbird / And I Love Her / She's Leaving Home / Here, There and Everywhere / Let It Be.

Pablo Aluísio.

sábado, 29 de outubro de 2016

Maximum Ride

Título Original: Maximum Ride
Título no Brasil: Ainda não definido
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Studio 47
Direção: Jay Martin
Roteiro: James Patterson, Angelique Hanus
Elenco: Allie Marie Evans, Patrick Johnson, Peter O'Brien, Lyliana Wray, Luke Gregory Crosby, Gavin Lewis
  
Sinopse:
Um grupo formado por seis jovens vive escondido numa grande casa isolada nas montanhas. Eles são fugitivos de uma base militar onde tinham passado por todos os tipos de experiências. A razão do interesse em ter todos eles em custódia é o fato de que na realidade aparentam ser criaturas híbridas entre anjos e seres humanos! Um tipo de mutação ainda desconhecida da ciência em geral.

Comentários:
Aventura Sci-fi com adolescentes que possuem asas e saem voando por aí quando necessário. Eles são perseguidos e caçados, principalmente por outras estranhas criaturas conhecidas apenas como captores. Nada é muito explicado nesse filme B que procura fugir dos padrões convencionais. Na verdade penso que essa ideia seria até bem interessante para uma série, pois não é todo dia que se vê algo assim e o público alvo (os teens) poderiam muito bem gostar. A premissa é bem imaginativo e criativa, mas curiosamente a estrutura do roteiro é dos mais banais. A garotinha Angel que faz parte do grupo é capturada e enviada para novos testes em uma instalação remota no Vale da Morte. Assim os mais velhos anjos de sua "família" partem para salvá-la. O enredo não vai muito além disso, nada diferente do que já estamos acostumados (ou melhor dizer, cansados) de ver em outros filmes. O filme também se perde no quesito efeitos especiais. Ora, um roteiro como esse, que pede seres angelicais voando para lá e para cá, precisa de uma boa produção, principalmente no aspecto visual. Como se trata de um filme com orçamento restrito (sim, B) tudo soa meio mal feito. Não chegam a ser efeitos especiais vergonhosos, nada disso, mas deixam a desejar. Pequenos detalhes esboçam esse tipo de falha. Por exemplo, quando os anjos adolescentes sobrevoam um lago seus reflexos não aparecem nas águas cristalinas do lugar. Um erro que pega mal. Pois é, já não se fazem mais anjos como antigamente...

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Um Negócio de Risco

Título no Brasil: Um Negócio de Risco
Título Original: Criminal Activities
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Image Entertainment
Direção: Jackie Earle Haley
Roteiro: Robert Lowell
Elenco: John Travolta, Michael Pitt, Dan Stevens, Christopher Abbott, Edi Gathegi, Jackie Earle Haley
  
Sinopse:
Tentando dar uma de espertinhos, quatro amigos decidem comprar um grande lote de ações de uma empresa do ramo farmacêutico que está prestes a anunciar uma grande descoberta, um novo remédio que promete elevar o valor de suas ações às alturas. Para isso um deles acaba tomando dinheiro emprestado de um mafioso, Eddie (Travolta). Quando a empresa vai à bancarrota eles ficam com uma enorme dívida a saltar com a máfia, que definitivamente não costuma deixar algo assim sair barato. 

Comentários:
Inicialmente achei que seria mais um filme de gangsters sem muitos atrativos. Acabei me surpreendendo por alguns aspectos do roteiro que me agradaram bastante. Para saldar a dívida com um mafioso (John Travolta, muito bem em cena) um grupo de amigos precisam fazer um "servicinho" para ele. Nada mais, nada menos, do que sequestrar um sobrinho de um poderoso chefão da maior quadrilha de tráfico de drogas da cidade. Obviamente não parece uma boa ideia, mas como eles não querem morrer, acabam aceitando o tal "serviço". Por serem amadores e nada profissionais nesse ramo do crime as coisas logo saem do controle. Enquanto os rapazes fazem o serviço sujo, o chefe mafioso Eddie (Travolta) conspira contra a principal quadrilha rival de seus próprios negócios no mundo do crime. O elenco é muito bom, mas como sempre, Travolta se destaca. Com o cabelo cheio de brilhantina e sinais de que recentemente fez alguma cirurgia plástica, o ator esbanja seu já conhecido carisma em cena. Outro destaque vem dos atores jovens, todos bons. E o gangster sequestrado interpretado pelo ator negro Edi Gathegi acaba tendo alguns dos melhores diálogos de todo o roteiro. Nos dez minutos finais o filme dá uma incrível reviravolta e todos acabam descobrindo que nada era o que aparentava ser, o que não deixa de ser bem divertido. Claro que alguns furos de lógica ficam no meio do caminho, mas quando essa virada ocorre o jogo já está ganho, pois o filme se desenrola muito bem. Por fim um aspecto curioso: o próprio diretor do filme está também no elenco. Jackie Earle Haley interpreta um dos capangas de Travolta. Sua cena em que encontra um velho amigo da infância sendo torturado é realmente muito bem bolada. Enfim é isso, um bom filme sobre gangsters modernos.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Star Wars: Darth Vader - O Nono Assassino

Pois é, o universo "Star Wars" saiu dos cinemas e invadiu outros campos da cultura pop, entre eles o mundo dos livros e dos quadrinhos. Aliás a literatura envolvendo "Star Wars" se expandiu tanto e deu origem a tantos livros que até mesmo seu criador, George Lucas, confessou recentemente em entrevistas que nem ele consegue acompanhar mais! Definitivamente não está fácil para ninguém! E assim chegamos nesse "Star Wars Darth Vader - O Nono Assassino" que você pode encontrar tanto em forma de livro como em quadrinhos.

Apesar de girar em torno de um dos personagens mais celebrados da saga, o vilão Darth Vader, o fato é que esse "O Nono Assassino" não me surpreendeu muito! Na verdade achei o enredo meio banal, diria até preguiçoso. O roteiro, digamos assim, gira em torno de uma vingança. Vader mata um jovem e seu pai jura que vai matar o vilão negro. Vader já havia sofrido oito atentados a sua vida no passado e agora é enviado o nono assassino para dar cabo de sua vida. Será que conseguirá? Ou será exterminado como os demais?

Momentos memoráveis são poucos. Talvez a melhor ideia venha quando Vader desce em um planeta habitado por estranhas criaturas que o recebem quase como se ele fosse uma espécie de Messias ou enviado pelos céus. Uma alegoria que tenta pegar carona na lenda dos Maias que receberam os colonizadores espanhóis como deuses quando eles chegaram no novo mundo. Fora isso tudo soa um pouco sem originalidade. Vader enfrenta seus inimigos e obviamente por ter grande poder do lado negro da força os elimina em série. Em relação aos quadrinhos não gostei muito da arte. Achei banal. Então é basicamente isso. Dentro desse universo paralelo que corre sobre "Star Wars" esse Nono Assassino passa longe de ser um produto imperdível.

Título: Star Wars: Darth Vader - o Nono Assassino
Autores: Stephen Thompson, Iván Fernández
Editora: Panini Books
Data de Lançamento: 2016

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Matador em Conflito

Título no Brasil: Matador em Conflito
Título Original: Grosse Pointe Blank
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: Buena Vista Pictures
Direção: George Armitage
Roteiro: Tom Jankiewicz
Elenco: John Cusack, Minnie Driver, Dan Aykroyd, Joan Cusack, Alan Arkin, Hank Azaria
  
Sinopse:
Martin Q. Blank (John Cusack) é convidado para comparecer na reunião de ex-alunos de sua escola. Há mais de dez anos que ele não vê ninguém de sua classe. A ideia parece ser até interessante já que ele tem mesmo que voltar para sua antiga cidade para executar um pequeno serviço. Rever os velhos amigos pode ser divertido. O que nenhum deles sabe é que Martin ganha a vida como assassino profissional.

Comentários:
Esse é certamente um dos melhores filmes da carreira do ator John Cusack. O roteiro é a melhor coisa dessa produção que investe em um divertido humor negro. O protagonista é um bem sucedido homem de negócios no ramo de liquidar pessoas. Isso mesmo, o filme trata com bom humor o fato do personagem de John Cusack ser um assassino de aluguel. Tudo levado em um tom bem mais ameno, inclusive contando como o ótimo Dan Aykroyd no papel de um colega de "profissão" que quer ter em seu curriculum a honra de ter matado o próprio Martin. Assim a trama explora o fato de que Cusack precisa viver em dois mundos separados, a de um sujeito normal, que vai até a reunião de seus velhos amigos dos tempos da escola e a do profissional que mata pessoas por dinheiro, sob encomenda. Outros destaques do elenco contam com a presença da própria irmã de John, a talentosa atriz Joan Cusack, em uma participação muito divertida e Minnie Driver, sempre no papel da garota inteligente que se apaixona pelos homens errados. Esse também é o melhor filme da carreira do diretor George Armitage que infelizmente depois perderia o rumo completamente, encerrando prematuramente sua filmografia com a comédia "O Golpe", estrelada por Owen Wilson e Morgan Freeman.

Pablo Aluísio.

Um Assassino à Solta (1997)

Título no Brasil: Um Assassino à Solta
Título Original: Switchback
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Jeb Stuart
Roteiro: Jeb Stuart
Elenco: Dennis Quaid, Danny Glover, Claudia Stedelin, R. Lee Ermey, Jared Leto, William Fichtner
  
Sinopse:
Um agente do FBI, Frank LaCrosse (Dennis Quaid), é afastado das investigações sobre um serial killer após esse colocar as mãos em seu próprio filho. Para o FBI ele não teria mais isenção e nem equilibrio emocional para seguir em frente na caçada, pois estaria envolvido pessoalmente com o criminoso. Indignado com a decisão de sua agência de investigação, o agente resolve ignorar as ordens superiores e parte em busca do psicopata.

Comentários:
Filmes sobre serial killers sempre são interessantes. Porém é necessário que a escolha do elenco seja mais criteriosa, pois certos atores não possuem a personalidade adequada para esse tipo de papel, afinal psicopatas são criminosos frios, desalmados e calculistas. Escalar um ator mais especializado em personagens bonachões e bondosos não parece ser uma escolha ideal. Mesmo assim, com esse pequeno deslize, não podemos deixar de gostar desse interessante thriller policial. Um filme ágil, com ótimas sacadas em seu roteiro e que conta com um elenco realmente excepcional. Além do sempre correto Dennis Quaid e de um inspirado Danny Glover em um papel bem diferente em sua carreira, o filme ainda contava com R. Lee Ermey, ator especializado em sargentos durões do exército (basta lembrar dele em "Nascido Para Matar") aqui atuando como um xerife linha dura e... pasmem, um ainda bem jovem Jared Leto dando o ar de sua graça. No geral é um bom filme, com cenas realmente bem criadas e desenvolvidas. Só não é melhor porque, como disse, há esse pequeno problema de casting (escalação de elenco) que quase leva tudo a perder.

Pablo Aluísio.

O Entardecer de uma Estrela

Título no Brasil: O Entardecer de uma Estrela
Título Original: The Evening Star
Ano de Produção: 1996
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Robert Harling
Roteiro: Larry McMurtry, Robert Harling
Elenco: Shirley MacLaine, Bill Paxton, Juliette Lewis, Jack Nicholson, Miranda Richardson, Ben Johnson, Scott Wolf
  
Sinopse:
Sequência de "Laços de Ternura". Após a morte de sua filha, Aurora Greenway (Shirley MacLaine) precisa cuidar da criação de seus três netos, jovens adolescentes com problemas de relacionamento, vida e estudos. Mesmo cansada e desiludida do mundo, Aurora ainda consegue encontrar forças para levar adiante nesse novo desafio em sua existência. Filme indicado ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Atriz Coadjuvante (Marion Ross).

Comentários:
"Laços de Ternura" é um dos melhores filmes dos anos 80. Consagrado pelos diversos prêmios da academia, o filme segue sendo um drama maravilhoso, mesmo após tantos anos de seu lançamento. É curioso que quatorze anos depois tenha sido produzido essa continuação tardia. Para muitos era algo completamente desnecessário, uma vez que o primeiro filme já se fechava maravilhosamente bem em si mesmo. Algumas histórias não precisam de continuação, isso é um fato. Acontece que o escritor Larry McMurtry escreveu esse romance que basicamente mostrava o que acontecia depois dos fatos mostrados em "Laços de Ternura". A atriz Shirley MacLaine leu o livro e amou. Diante disso ela procurou convencer a Paramount Pictures a realizar uma sequência. Afinal ela tinha mesmo interesse em voltar a interpretar a forte Aurora, pois essa personagem havia lhe dado o único Oscar de sua vida. Convencidos de seus argumentos o estúdio então produziu esse "The Evening Star". Na época de lançamento desse filme muitos se perguntaram se Jack Nicholson também retornaria ao papel do astronauta maluco, o namorado inconsequente  de Aurora. Inicialmente Nicholson não mostrou interesse nesse novo filme, mas atendendo a um pedido especial de sua amiga Shirley MacLaine resolveu aparecer em uma pequena ponta (que quase nem foi creditada!). Verdade seja dita, mesmo aparecendo por poucos momentos o bom e velho Jack Nicholson quase roubou o filme inteiro para si. Coisas de gênio. Enfim, mesmo assim temos que reconhecer que esse filme ainda é muito bom, nada comparado com "Laços de Ternura" que é uma obra prima da sétima arte, é verdade, mas ainda assim um ótimo drama sobre netos e a vida.

Pablo Aluísio.

A Voz do Meu Coração

Título no Brasil: A Voz do Meu Coração
Título Original: Grace of My Heart
Ano de Produção: 1996
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures
Direção: Allison Anders
Roteiro: Allison Anders
Elenco: Illeana Douglas, John Turturro, Sissy Boyd, Jennifer Leigh Warren, Richard Schiff, Diane Robin
  
Sinopse:
Uma cantora e compositora aspirante ao sucesso, muito talentosa, abre mão de tudo para escrever músicas para outros artistas. O filme segue mostrando sua vida, desde a dor das rejeições das grandes gravadoras, passando pelo seu desastroso casamento, indo até seu triunfo final quando ela finalmente consegue superar todas as adversidades. Filme indicado ao Chlotrudis Awards e ao prêmio Satellite Awards.

Comentários:
Para quem gosta da combinação entre drama e música esse filme "Grace of My Heart" é certamente uma boa pedida. De modo em geral ele mostra a dura vida de uma jovem talentosa que acaba encontrando muitas portas fechadas em sua cara, durante sua luta para ser bem sucedida ou famosa. É a tal coisa, nem todos vencerão no show business, muito pelo contrário, as histórias de fracasso e frustração são bem mais mais amplas e disseminadas. É o velho sonho de ir para Hollywood ou Los Angeles (Nashville no caso de cantores de country music) para se tornar uma estrela da música e não encontrar nada pela frente a não ser a pura decepção. Esse filme, um projeto bem pessoal da diretora e roteirista Allison Anders tem elementos biográficos pois ela mesma trilhou um caminho parecido com a da sua protagonista. Enfim, um bom drama, mostrando o duro caminho até se chegar ao topo, seja no mundo da música, seja no mundo do cinema. A fama, muitas vezes, pode ser apenas um sonho em vão.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Inverno Rigoroso

Título no Brasil: Inverno Rigoroso
Título Original: Edge of Winter
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Sony Pictures
Direção: Rob Connolly
Roteiro: Rob Connolly, Kyle Mann
Elenco: Joel Kinnaman, Tom Holland, Percy Hynes White, Shaun Benson, Shiloh Fernandez, Rachelle Lefevre
  
Sinopse:
Elliot Baker (Joel Kinnaman) é um pai divorciado que recebe seus dois filhos para passarem o fim de semana ao seu lado. A ex-esposa vai sair em um cruzeiro com o novo marido e pede que ele cuide dos garotos. Para ter algum tipo de aproximação maior ao lado dos jovens, Elliot decide levá-los até o campo, mesmo que o inverno esteja rigoroso, com tudo coberto de neve. Ele quer ensinar os seus filhos a caçar. No começo tudo sai bem até que na volta para casa o carro fica preso na estrada após um pequeno acidente. E esse é apenas o primeiro problema que vão enfrentar.

Comentários:
Esse texto apresenta spoiler. Esse é um thriller de suspense que começa com ares de drama familiar e depois começa a se transformar em algo mais assustador. A ideia do pai e seus filhos passando algum tempo juntos no campo não é nada muito original. Já foi visto em inúmeros filmes. A novidade vem na forma que o roteiro trata essa disfuncional relação familiar. Particularmente não gostei muito como o pai é representado no filme. Ele está desempregado, sua ex-mulher agora é casada com um sujeito muito bem situado financeiramente, a ponto de dar uma vida de luxo a ela e aos garotos e para piorar tudo Elliot descobre que está crescendo uma barreira entre ele e os garotos. Ele é um homem da velha escola e seus filhos, todos educados em escolas de grã-finos, já não curtem muito seu jeito de ser. Por acaso um dos filhos acaba confessando ao pai que vai passar muito tempo sem vê-los dali em diante pois seu padrasto está indo morar na Inglaterra. Com essa informação Elliot simplesmente entra em colapso - enlouquece ao descobrir que até seus filhos serão tirados de sua companhia. Desse ponto em diante o paizão que procurava criar um elo de intimidade com os jovens começa a apresentar um comportamento fora do normal, tendo acessos de fúria e raiva. Em minha opinião o roteiro faz mau uso do personagem de Joel Kinnaman. A coisa vai ficando cada vez mais sinistra e de certa maneira inverossímil, tudo talvez, para criar uma reviravolta inesperada para o espectador. Não era necessário algo nesse estilo. "Edge of Winter" certamente poderia ir por outro caminho mais ameno e menos apelativo.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Hitman - Agente 47

Título no Brasil: Hitman - Agente 47
Título Original: Hitman: Agent 47
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos, Alemanha
Estúdio: Twentieth Century Fox
Direção: Aleksander Bach
Roteiro: Skip Woods, Michael Finch
Elenco: Rupert Friend, Hannah Ware, Zachary Quinto
  
Sinopse:
No passado o governo americano desenvolveu um projeto genético ambicioso que procurava criar o assassino perfeito, sem emoção, sem remorso e sem culpa, apenas eficiência completa na execução de ordens. Com o cancelamento do programa o seu criador, o cientista Litvenko, simplesmente desapareceu, sem deixar vestígios. Agora dois grupos inimigos lutam para descobrir onde ele está se escondendo. A chave para achá-lo é sua filha, Katia (Hannah Ware), que pode saber onde ele vive.

Comentários:
No ano passado a indústria de games divulgou seu resultado financeiro anual. Para surpresa de muitos o mercado de videogames gera atualmente mais dinheiro do que o mundo do cinema. Uma verdadeira fortuna todos os anos. E dentro do universo dos games "Hitman" é um dos jogos mais populares. Basicamente o game é sobre um assassino profissional perfeito. Como as adaptações de quadrinhos e games andam em alta em Hollywood a Fox comprou os direitos de Hitman e produziu esse filme. Eu já havia assistido um filme anterior com o mesmo universo de Hitman, mas esse aqui é bem mais produzido. Até porque os estúdios da Twentieth Century Fox não colocariam sua marca em uma produção fraca ou mal feita. Realmente em termos de efeitos especiais, produção, etc não há o que reclamar. O filme conta com várias locações ao redor do mundo, entre elas Berlim na Alemanha e a exótica e distante Singapura. Tudo muito bem produzido. O problema é que assim como acontece nos games não há muito enredo para contar. São cenas e mais cenas de ação em sequência, sem qualquer perda de tempo para o espectador recuperar seu fôlego. A trama se resume a dois grupos inimigos tentando chegar no criador do programa Hitman. Ele está em algum lugar do mundo, escondido. Colocar as mãos em sua filha significa ter um passo à frente nessa caça. E termina por aí. Talvez os gamers venham a gostar do resultado final, quem sabe. Como cinéfilo o filme não me pareceu grande coisa. Na verdade é um produto bem vazio e sem substância.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Jogos Mortais 5

Título no Brasil: Jogos Mortais 5
Título Original: Saw V
Ano de Produção: 2008
País: Estados Unidos
Estúdio: Lionsgate
Direção: David Hackl
Roteiro: Patrick Melton, Marcus Dunstan
Elenco: Scott Patterson, Costas Mandylor, Tobin Bell, Betsy Russell, Meagan Good
  
Sinopse:
Depois de muito tempo finalmente os policiais que passaram anos perseguindo o psicopata Jigsaw (Tobin Bell) se tranquilizam sobre seu paradeiro, pois não restam mais dúvidas, ele realmente está morto. Seus jogos mortais porém parecem seguir em frente! Quem seria o responsável por isso? Teria Jigsaw deixando um herdeiro ou um insano admirador para dar continuidade ao seu legado de terror, sadismo e violência?

Comentários:
Mais saturado do que nunca a franquia Saw (Jogos Mortais) seguiu em frente. Nesse quinto filme não há muito mais a celebrar. A fórmula, completamente desgastada, já não funcionava mais. Aqui a tônica foge apenas um pouquinho do convencional pois o roteiro procura se concentrar em saber e desvendar a imensa rede de traições e conspirações envolvendo os próprios tiras que acabaram com Jigsaw. Quem acaba se dando muito mal é justamente o agente Strahm (Scott Patterson) que de repente acorda e se dá conta que está encurralado em um dos jogos mortais de Jigsaw, com a cabeça presa em um artefato de tortura que mais parece ter saído da idade média. Uma caixa selada que começa a encher de água - algo realmente assustador! Essa armadilha de cabeça, vamos colocar assim, causou muita preocupação no ator Scott Patterson que estava apreensivo com um pequeno acidente que aconteceu quando a estavam usando em um teste na pré-produção. Depois com coragem resolveu encarar o desafio e dispensou o uso de dublês, para surpresa do diretor. Curiosamente essa armadilha foi inspirada no escritor Edgar Allan Poe que em seus macabros escritos descreveu um objeto de tortura bem semelhante. Por fim os roteiristas resolveram colocar um pequeno detalhe que poucos perceberam. São cinco os envolvidos nos jogos, justamente para celebrar o quinto filme da série. No geral eu não considero um bom filme da franquia. A falta de novas ideias, os velhos clichês e as mesmas situações - com pequenas inovações - não salvam o filme de ser apenas mais um caça-níquel do estúdio. O velho Jigsaw já deveria ter se aposentado, vamos convir. Filme indicado ao Fangoria Chainsaw Awards.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Soldado Universal 2 - O Retorno

Título no Brasil: Soldado Universal 2 - O Retorno
Título Original: Universal Soldier - The Return
Ano de Produção: 1999
País: Estados Unidos
Estúdio: Columbia TriStar Films
Direção: Mic Rodgers
Roteiro: Richard Rothstein, Christopher Leitch
Elenco: Jean-Claude Van Damme, Bill Goldberg, Heidi Schanz, Justin Lazard, Daniel von Bargen, James Black
  
Sinopse:
Luc Devereaux (Jean-Claude Van Damme) se torna o único sobrevivente do grupo original dos Soldados Universais, uma super tropa de elite. Agora ele trabalha com Dylan Cotne, um gênio da informática, em um novo projeto. O objetivo é unir as habilidades desses super soldados com o máximo em tecnologia de ponta, só que o super computador que deveria comandar tudo apresenta um inesperado problema, um erro que coloca a vida de todos em perigo! Apenas Devereaux poderá evitar um desastre de proporções assustadoras.

Comentários:
É a tal coisa, o primeiro filme passou longe de ser bom, porém fez sucesso. Mesmo no final dos anos 90 o estilo dos heróis de ação dos anos 80 ainda resistia e conseguia boas bilheterias. Havia também o mercado de vídeo VHS, que era ideal para esse tipo de produção. Inclusive no Brasil onde várias fitas como essa foram lançadas no mercado através do selo América Vídeo (quem viveu a época se lembra bem, com aquelas caixinhas que eram bem características, com muitas estrelas, baseadas na bandeirona dos Estados Unidos). Pois bem, aqui a Columbia resolveu colocar a mão no bolso para pagar um belo cachê ao astro Jean-Claude Van Damme que definitivamente não queria estrelar esse segundo filme. A produção aliás foi bem mais cara do que o habitual para esse tipo de filme, custando a pequena fortuna de 40 milhões de dólares. Era de certa maneira um investimento praticamente de retorno certo, afinal Van Damme tinha muitos fãs na época. Deixando de lado toda essa questão comercial o fato é que o filme consegue ser bem mais fraco do que o primeiro. O roteiro, absurdo como sempre, apresenta inúmeros problemas e furos. As sequências de ação porém eram bem feitas, o que no final era justamente o que os apreciadores desse tipo de filme de ação queriam. No final acabou ficando elas por elas, com o público cativo de Van Damme saindo bem satisfeito dos cinemas. 

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Amistad (1997)

Título no Brasil: Amistad
Título Original: Amistad
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: DreamWorks SKG
Direção: Steven Spielberg
Roteiro: David Franzoni
Elenco: Anthony Hopkins, Morgan Freeman, Matthew McConaughey, Stellan Skarsgård, Anna Paquin, Djimon Hounsou
  
Sinopse:
Filme baseado em fatos históricos reais. Tudo começa quando um navio chega em um porto americano. De bandeira estrangeira a embarcação sofreu um motim em alto-mar. Vários prisioneiros se rebelaram. Em terra firme, já na América, todos eles são levados a julgamento. O que poderia ser um caso de fácil solução acaba trazendo à tona questões jurídicas inovadoras, que certamente reperticuriam na jurisprudência da Suprema corte americana. Filme indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Ator (Anthony Hopkins), Melhor Fotografia (Janusz Kaminski), Melhor Figurino (Ruth E. Carter) e Trilha Sonora Original (John Williams).

Comentários:
Eu considero Steven Spielberg um dos maiores gênios da história do cinema. Qualquer filme que traga sua assinatura nessa direção me chama imediatamente a atenção. Esse "Amistad", por exemplo, tive a oportunidade de conferir no cinema. Dito isso tenho que reconhecer também que nem todos os filmes do mestre Spielberg são geniais ou maravilhosos, alguns são apenas boas histórias bem contadas. É o caso dessa produção. Eu me recordo que muitos se decepcionaram com o filme porque ele em essência é um drama de tribunal onde se gasta muita metragem discutindo meras firulas jurídicas. Dessa maneira não é um filme para todos os públicos, mas apenas para quem gosta de história e mais, quem se interessa por casos judiciais intrigantes. Como se trata de um filme de Steven Spielberg era de se esperar novamente que um grande elenco fosse formado e realmente temos aqui um time de atores de máximo respeito. Porém nenhum desses grandes talentos se sobressai, a não ser o veterano Anthony Hopkins que se destaca interpretando um velho presidente dos Estados Unidos na semi aposentadoria, advogando para se manter ativo. É justamente ele que acaba atuando no caso master que o roteiro explora. Então é isso, nada demais, nada muito marcante ou que possa ser considerado uma obra prima. Obviamente por se tratar de Spielberg vale a sessão, porém o gostinho de um pouco de decepção ficará, quer você queira ou não.

Pablo Aluísio.

Aproximando-se do Desconhecido

Título no Brasil: Aproximando-se do Desconhecido
Título Original: Approaching the Unknown
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Mark Elijah Rosenberg
Roteiro: Mark Elijah Rosenberg
Elenco: Mark Strong, Luke Wilson, Sanaa Lathan, Anders Danielsen Lie, Charles Baker, Whit K. Lee
  
Sinopse:
O astronauta William D. Stanaforth (Mark Strong) é escolhido para ser o primeiro homem a pisar em Marte. Ele desenvolveu um mecanismo muito eficiente que consegue produzir água apenas utilizando material inorgânico, como o próprio solo. Algo que seria vital para uma colonização a longo prazo do planeta vermelho. Durante a longa viagem de 270 dias Stanaforth começa a sentir o peso e a pressão de sua posição. Para piorar, as experiências que deveria fazer a bordo começam a dar errado, colocando em risco o sucesso da missão.

Comentários:
A colonização de Marte ainda faz parte da mera ficção. Esse filme tenta mostrar como seria a chegada do primeiro homem naquele mundo hostil e estéril. Há muitos anos se fala em colonizar Marte, porém a ciência ainda enfrenta desafios enormes. Como manter a vida em um planeta onde as temperaturas são inadequadas e a água (elemento vital para a manutenção da vida) é inexistente? O filme tenta trazer algumas respostas apostando em um reator que consegue recombinar molecularmente elementos químicos (como o Hidrogênio e o Oxigênio) para criar H2O, ou seja, a água. No começo tudo sai tão certo que o inventor do tal mecanismo, William D. Stanaforth, é escolhido para ser o primeiro homem em Marte. O problema é que essa primeira viagem será apenas de ida (sem volta) pois é necessário que alguém fique em Marte preparando o terreno para a chegada dos primeiros colonizadores. Stanaforth, um homem amargurado que não tem nada a perder, topa o desafio. A questão que se coloca logo no começo do filme é como ele teria sido escolhido (o roteiro não entra em maiores detalhes). Conforme a missão avança percebemos que o equilíbrio externo que o astronauta demonstra é pura fachada, pois ele tem muitas crises existenciais, algo que seria completamente inadequado para uma missão como a mostrada no filme. O roteiro assim tenta criar um clima que lembra em certos aspectos o clássico "2001", mas claro sem a profundidade da obra prima de Kubrick. Questões filosóficas ou existenciais nunca são muito desenvolvidas, mas estão lá, pelo menos superficialmente. A melhor frase do filme inclusive é dita pelo astronauta sobre o seu destino: "Marte é um lugar onde nunca nada viveu e nunca nada morreu. Provavelmente eu viverei para sempre ao chegar lá". No final o que temos é uma produção interessante, curta (menos de 80 minutos de duração) que não se preocupa muito em ser pretensiosa. Mesmo assim vale a pena conhecer. Filme premiado no Sundance Film Festival.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Guia de Episódios - Outcast

Título no Brasil: Outcast
Título Original: Outcast
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Fox International Studios
Direção: Loni Peristere, Howard Deutch
Roteiro: Robert Kirkman, Paul Azaceta 
Elenco: Patrick Fugit, Philip Glenister, Wrenn Schmidt, Callie Brook McClincy, David Denman, Brent Spiner
  
Sinopse:
A vida não tem sido fácil para Kyle Barnes (Patrick Fugit). Anos atrás ele foi acusado de ter atacado sua própria filha em um caso que nunca ficou devidamente esclarecido. No passado ele ficou convencido que sua mãe e sua esposa tinham sofrido algum tipo de possessão que nem ele soube explicar muito bem. Isso o estigmatizou pelo resto de sua vida. Agora, ao lado do reverendo Anderson (Philip Glenister) ele tenta ajudar pessoas que estão passando pelo mesmo tormento.

Episódios Comentados:

Outcast 1.01 - A Darkness Surrounds Him
Kyle Barnes (Fugit) tenta deixar o passado para trás. Ele vive isolado, procurando não ter contato com outras pessoas. Deprimido e sentindo-se culpado pelo que aconteceu anos atrás ele acaba encontrando novamente o reverendo local para que juntos possam investigar o estranho caso envolvendo um garoto. Sua família está apavorada pelo estranho comportamento do menino. Ele parece estar possuído, comendo insetos, falando com vozes estranhas, se contorcendo e praticando estranhos rituais que lembram o satanismo e a magia negra. Esse primeiro episódio dessa nova série Outcast é muito bom. Valorizando um clima de terror e suspense os roteiristas acertaram em cheio no objetivo de causar medo nos espectadores. É curioso porque temos duas novas séries sobre possessões, essa Outcast e a transposição para a TV do famoso filme "O Exorcista". Pelo visto para quem gosta desse estilo de programa o menu estará bem variado nos próximos meses. Essa série aqui foi criada pelo mesmo criador do grande sucesso "The Walking Dead", usando como material original uma estória de quadrinhos de sucesso. As séries de terror, que há muito estavam esquecidas, parecem que voltaram com tudo para a programação das emissoras. Uma ótima notícia para os fãs do gênero. / Outcast 1.01 - A Darkness Surrounds Him (Estados Unidos, 2016) Direção: Adam Wingard / Roteiro: Robert Kirkman, Paul Azaceta / Elenco: Patrick Fugit, Philip Glenister, Wrenn Schmidt.

Outcast 1.02 - (I Remember) When She Loved Me
O segundo episódio começa com o reverendo  Anderson (Glenister) completamente decepcionado e indignado com a baixa frequência em seu culto de domingo. Os fiéis parecem ter desaparecido. Ele então resolve relembrar aos poucos presentes como é importante ir à igreja. Em momento de sinceridade até mesmo confessa que baixou a guarda nos últimos anos o que talvez explique o caso do garoto Joshua que foi recentemente possuído por forças das trevas. Enquanto isso Kyle (Fugit) tenta recompor os pedaços de sua vida. Ele vai visitar sua mãe e descobre que seu quarto está em mal estado. Há muitos anos ela vive em estado catatônico em uma casa de repouso. Ela não fala, mal se alimenta e não reage a fatores externos. Kyle então resolveu levá-la para casa o que se revela ser uma péssima ideia pois ele não tem condições de cuidar adequadamente de uma mulher doente naquele estado. Já o xerife Giles (Reg E. Cathey) resolve investigar a floresta pois recebeu uma denúncia de coisas estranhas vindas de lá. Ao adentrar o lugar acaba encontrando uma série de bichos pregados na árvores como se estivessem crucificados - obviamente algum ritual de magia negra que ele desconhece completamente. Por fim surge na série pela primeira vez o ator Brent Spiner! Não lembra dele? Ele foi por muitos anos o andróide Data da série "Star Trek - A Nova Geração". Aqui ele aparece como um personagem misterioso e sinistro. De roupas escuras, chapéu e sobretudo, ele entra no quarto da mãe de Kyle para lhe dirigir algumas palavras enigmáticas. Sua verdadeira identidade será revelada nos próximos episódios, vamos aguardar. / Outcast 1.02 - (I Remember) When She Loved Me (Estados Unidos, 2016) Direção: Howard Deutch / Roteiro: Paul Azaceta / Elenco: Patrick Fugit, Philip Glenister, Wrenn Schmidt, Brent Spiner.

Outcast 1.03 - All Alone Now  
Todos sozinhos agora! Porém nem tanto. O reverendo Anderson e seu "assistente" Kyle acabam se envolvendo em um novo caso. O possuído era um sujeito normal até o dia em que perde os sentidos, espanca, tortura, estupra e esquarteja a esposa do seu melhor amigo. Obviamente condenado e preso é enviado para um manicômio judiciário. Acontece que todos os sintomas indicam que ele está sob a possessão de algum demônio. Assim Anderson e Kyle vão até lá para um exorcismo. As coisas porém parecem mais sérias do que eles pensavam. A tal entidade parece ter grande poder a ponto inclusive de zombar e escarnecer os símbolos cristãos como o crucifixo e a bíblia. Pior do que isso, ele começa a jogar mentalmente com seus algozes, fazendo o reverendo duvidar de sua própria fé e Kyle pedir por esclarecimentos sobre seus supostos "poderes" sobrenaturais. O diabo então lhe informa que ele é um "Outcast"! O que exatamente significa isso? Bom, essa é uma resposta para os próximos episódios. Como destaque aqui chamo a atenção para o ótimo trabalho do ator Lee Tergesen como o criminoso sob possessão de Satã. Ele está ótimo, grande atuação. / Outcast 1.03 - All Alone Now (Estados Unidos, 2016) Direção: Howard Deutch / Roteiro: Robert Kirkman, Paul Azaceta / Elenco: Patrick Fugit, Philip Glenister, Wrenn Schmidt, Lee Tergesen.

Outcast 1.04 - A Wrath Unseen  
Essa série ainda não me pegou. Esse tema envolvendo exorcismo tem que ser muito bem trabalhado, caso contrário cai no ridículo. "Outcast" ainda não chegou nesse ponto, mas olha, devo confessar que alguns episódios deixam bem a desejar. Essa série está quase no meu cancelamento pessoal. Sim, estou pensando seriamente em abandonar pelo meio do caminho. Enquanto isso ainda não acontece aqui vai um breve resumo do que você verá nesse quarto episódio. Um sujeito que estuprou a esposa de um policial muitos anos atrás retorna e o encontra casualmente durante um jantar. Claro que o constrangimento é generalizado. Pior acontece depois quando o policial descobre tudo. Ele nem pensa duas vezes e resolve espancar o tal sujeito. Enquanto isso o pastor John Anderson (Philip Glenister) desconfia que uma velha senhora que ele fez exorcismo há algum tempo não está ainda liberada das forças satânicas. E ele está completamente certo sobre isso. Salve-se quem puder! / Outcast 1.04 - A Wrath Unseen (Estados Unidos, 2016) Direção: Julius Ramsay / Roteiro: Robert Kirkman, baseado nos quadrinhos de Paul Azaceta  / Elenco: Patrick Fugit, Philip Glenister, Wrenn Schmidt .

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Força Aérea Um

Título no Brasil: Força Aérea Um
Título Original: Air Force One
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: Columbia Pictures
Direção: Wolfgang Petersen
Roteiro: Andrew W. Marlowe
Elenco: Harrison Ford, Gary Oldman, Glenn Close, William H. Macy, Dean Stockwell, Tom Everett
  
Sinopse:
O avião presidencial é sequestrado com o presidente dos Estados Unidos a bordo. O grupo que toma seu controle é formado por terroristas de uma ex-república soviética, o Cazaquistão, que está insatisfeita com as críticas e a política adotada pelo governo americano em relação ao governo ditatorial daquele distante país. Assim, ao se ver em uma armadilha, o próprio presidente resolve enfrentar os criminosos, em um jogo mortal de vida e morte. Filme indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Som (Paul Massey, Rick Kline) e Melhor Edição (Richard Francis-Bruce).

Comentários:
Os americanos possuem uma visão boba de seus presidentes. Geralmente eles se tornam figuras lendárias dentro do imaginário popular. O caso mais absurdo de ufanismo patriota no cinema aconteceu justamente nesse filme. Aqui o presidente dos Estados Unidos James Marshall, encarnado na figura do ator Harrison Ford, não apenas é mostrado como uma pessoa extremamente cheia de virtudes, como também um herói acima do bem e do mal. Ele literalmente sai no braço com um grupo de terroristas que tomam de assalto seu avião presidencial (denominado de Air Force One). Bom para o estrelismo de Ford que aqui conseguiu mais um belo sucesso de bilheteria em sua carreira, mas péssimo para o cineasta alemão Wolfgang Petersen que começou sua filmografia com filmes conceituados (e até cults) como "O Barco: Inferno no Mar", "A História Sem Fim" e "Inimigo Meu" para depois perder o rumo e se afundar numa série de filmes comerciais de baixo teor artístico como "Tróia", por exemplo. Essa fita de ação é seguramente seu filme mais bem sucedido nas bilheterias, o que necessariamente não foi muito bom para ele. De qualquer forma, apesar do enredo completamente surreal e absurdo, o filme ainda apresenta algumas boas cenas de ação - aliás a proposta do filme parece se resumir a isso apenas, explorar cenas e mais cenas de ação e violência. Falando sinceramente nem era preciso reunir um elenco tão bom como esse para um filme que se apoia mesmo em ação física. Os personagens de Oldman, Close e outros excelentes atores poderiam ser interpretados por qualquer um que não faria diferença alguma. Do ponto de vista técnico um dos destaques vem da excelente edição do filme (que inclusive foi indicada ao Oscar). Algo necessário para uma produção desse gênero. Porém desconsidere tudo o que foi dito se você estiver apenas em busca de um filme de pura ação, pois nesse caso não se decepcionará, pelo contrário, provavelmente ficará bem satisfeito. Como não era o meu caso, fiquei realmente um pouco entediado de assistir algo tão sem conteúdo.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Guia de Episódios - The Path

Título Original: The Path
Título no Brasil: Ainda Não Definido
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Television
Direção: Michael Weaver, Mike Cahill
Roteiro: Jessica Goldberg, Julia Brownell
Elenco: Aaron Paul, Michelle Monaghan, Sarah Jones, Hugh Dancy, Emma Greenwell
  
Sinopse:
A série mostra um grupo de pessoas que vive em uma comunidade que segue os ensinamentos de uma seita fundada por um sujeito chamado Dr. Meyer. Na década de 1960 ele criou as bases doutrinárias dessa nova religião, onde se prega uma vida de correção e busca por uma elevada inspiração espiritual. Todos vivem nessa comunidade onde trabalham, vivem e tentam chegar em um grau elevado de espiritualidade.

Episódios Comentados:

The Path 1.01 - What the Fire Throws  
Esse é o primeiro episódio dessa nova série "The Path" (em bom português, "O Caminho"). O enredo gira em torno de uma seita americana que promove uma lavagem cerebral em seus membros. Embora os produtores não assumam isso de forma pública, o roteiro é claramente uma crítica à cientologia, uma seita muito bizarra que é seguida por celebridades na Califórnia. Esse tipo de seita religiosa é muito comum de aparecer na sociedade americana. Aquela é tradicionalmente uma nação evangélica. E como bem sabemos o protestantismo tem a natural tendência de se dividir e se transformar numa imensa gama de igrejas diferentes, com suas próprias doutrinas religiosas - algumas pra lá de esquisitas. No caso da cientologia (que é seguida por gente como Tom Cruise) nada faz muito sentido. Eles idolatram um escritor de ficção científica que dizia saber a origem da humanidade. Ela teria surgido de uma colonização de extraterrestres de três metros de altura em um passado distante. Acredite, muita gente segue isso como uma verdadeira doutrina religiosa, por mais estranha que pareça ser. Tem louco pra tudo nesse mundo... Pois bem, em "The Path" somos apresentados a um jovem casal que vive dentro de uma comunidade rigidamente controlada por uma dessas seitas. Depois do suicídio do irmão, Eddie Lane (Aaron Paul) fica devastado. Ao encontrar um livro dessa seita em uma livraria ele acaba se interessando muito pelo que lê e em pouco tempo se torna um de seus membros. O problema é que após uma experiência com um chá alucinógeno, ao estilo santo daime, ele começa a desconfiar das tais verdades absolutas propagados por seu grupo e resolve se encontrar com Allison Kemp (Sarah Jones) que parece ser uma ativista contra o grupo. Ex-integrante da seita ela conseguiu se livrar da lavagem cerebral pelo qual passou e começa uma campanha pela internet visando a recuperação de ex-membros daquela loucura pseudo-religiosa. Tudo muito bom. O primeiro episódio é muito interessante e a série promete. Aaron Paul, para quem não lembra, foi o jovem noiado Jesse Pinkman de "Breaking Bad". Já a loirinha Sarah Jones é nossa velha conhecida, de tantas séries como "Vegas" e "Alcatraz". Além do elenco promissor a série também tem roteiros bem escritos e essa estória que é baseada nessas seitas religiosas malucas que proliferam por toda a (doentia) sociedade americana. / The Path 1.01 - What the Fire Throws (Estados Unidos, 2016) Série criada por Jessica Goldberg / Direção: Mike Cahill / Roteiro: Jessica Goldberg, Julia Brownell, Annie Weisman / Elenco: Sarah Jones, Aaron Paul, Michelle Monaghan, Hugh Dance.

The Path 1.02 - The Era of the Ladder
A dissidente da seita Alison Kemp (Sarah Jones, mais gata do que nunca) abre o jogo para Eddie Lane (Aaron Paul) e conta para ele que seu marido foi morto meses atrás por membros fanáticos do "caminho", simplesmente porque ele quis ir embora. Depois do assassinato ela mesma passou a ser perseguida, precisando correr de uma cidade a outra, procurando escapar. Lane fica chocado... Ele ainda não aceita que os religiosos que só falam em paz e harmonia poderiam matar um homem apenas pela decisão de abandonar o grupo. Mesmo em dúvida Lane volta atrás e volta para a comunidade. Com o casamento em crise ele aceita participar de uma "cura" de 14 dias onde é trancado em um quarto, sofrendo todo tipo de agressão física, psicológica e moral. Uma verdadeira tortura. Enquanto isso o novo CEO da seita parte para a ofensiva. Cal Roberts (Hugh Dancy) entende que só há uma forma de ter mais convertidos: usando o poder da TV. Ele quer ter um programa televisivo e para isso aceita sair da discrição que até então vinha caracterizando aquela comunidade religiosa para chamar a atenção do público em geral. A intenção é atrair mais adeptos. O que ele não ousa confessar para ninguém é que o fundador da nova religião agoniza numa cama de um quarto no Peru, em coma. O líder religioso que se afirmava quase como uma entidade superiora dos demais mortais está ligado a aparelhos, em vida vegetativa. Pelo visto sua mensagem em nada serviu para salvá-lo dessa linha que o separa da vida e da morte. / The Path 1.02 - The Era of the Ladder (EUA, 2016) Direção: Mike Cahill / Roteiro: Jessica Goldberg / Elenco: Aaron Paul, Hugh Dancy, Sarah Jones, Michelle Monaghan, Emma Greenwell.

The Path 1.03 - A Homecoming
Cal Roberts (Hugh Dancy) viaja em segredo para visitar o Dr. Meyer. Ele está em coma há muitos anos e os médicos lhe informam que ele nunca mais se recuperará. Seu estado de saúde é irreversível. Assim Cal começa a cogitar assumir a liderança da seita. Antes disso porém ele resolve visitar sua mãe. Ela tem problemas com alcoolismo, uma personalidade forte e bem ofensiva com ele e se recusa a deixar sua casa. Cal quer que ela vá morar em uma casa de repouso para pessoas idosas, mas ela é durona e desbocada e resolve jogar algumas coisas desagradáveis em sua cara. O clima fica péssimo e depois de muitos anos sóbrio Cal finalmente toma um porre. Ele se sente frustrado e pressionado com tudo. Eddie Lane (Aaron Paul) por sua vez continua com o casamento em frangalhos. A situação com sua esposa parece ter entrado em um beco sem saída. As discussões voltam e nem a doutrina da seita consegue amenizar os ânimos. Para piorar o que já estava bem ruim ele precisa lidar com a presença de Alison (Sarah Jone) que insiste que ele vá embora daquela comunidade de fanáticos. Eddie diz a ele que está em busca da verdade, mas Alison insiste dizendo que tudo não passa de uma grande mentira. Por fim o episódio mostra as dificuldades de um jovem da seita que acaba se apaixonando por uma garota comum de sua escola. Ele fica entre a doutrina e a fé da seita e o amor que sente pela jovem. Um grande dilema. / The Path 1.03 - A Homecoming (Estados Unidos, 2016) Direção: Michael Weaver / Roteiro: Jessica Goldberg, Annie Weisman / Elenco: Aaron Paul, Hugh Dancy, Sarah Jones, Michelle Monaghan, Emma Greenwell..

The Path 1.04 - The Future
Esse episódio se chama "O Futuro" justamente porque Cal começa a pensar sobre o futuro da comunidade. O líder está em coma no Peru, quase morto, e todos se perguntam o que acontecerá dali para frente. Para Cal as coisas são cristalinas, ele é o novo líder, aquele que levará os seis mil membros da seita para a iluminação espiritual. E isso será feito fazendo concessões cada vez maiores, como evitar de dar o alucinógeno símbolo do grupo para o filho drogado de um figurão e levar a seita para a TV, para ganhar novos membros. Os mais velhos tentam confrontar Cal, mas levam a pior. Ele deixa claro que eles vivem da seita, ganham dinheiro com ela e não devem se intrometer em seus planos. Na verdade podemos perceber que Cal é um homem pragmático, que visa levar à frente aquele grupo. No fundo ele parece saber que nenhum milagre vai salvar seu mestre e que alguém precisa tomar conta de tudo. Enquanto Cal domina tudo, Eddie tenta salvar seu casamento, que vai de mal a pior. Esse é um bom episódio, que ficará marcado pelos fãs da série por causa da constrangedora cena de Cal se masturbando ao lado de uma jovem garota da seita. Homem santo certamente ele não é! / The Path 1.04 - The Future  (Estados Unidos, 2016) Direção: Michael Weaver / Roteiro: Jessica Goldberg, Julia Brownell / Elenco: Aaron Paul, Michelle Monaghan, Emma Greenwell.

The Path 1.05 - The Hole  
O nome desse episódio é literalmente em português "O Buraco". É um exercício dentro da seita em que o sujeito fica cavando um buraco no solo para ter "visões" e Eddie (Aaron Paul) as tem ao ver sua esposa nos braços de outro homem - justamente a do líder atual dos membros da comunidade. Obviamente isso logo se torna um problema. E isso é apenas um dos vários problemas que Cal (Dancy) precisa resolver. O ricaço que confiou na seita para tirar seu filho do mundo das drogas fica furioso ao saber que ele foi levado para o Peru, para tomar o chá de Ayahuasca, o poderoso alucinógeno que faz parte da crença básica dessa seita. O curioso é que esse evento também nos serve para irmos ao passado e entender como Sarah entrou no grupo. Ela estava grávida, mas os médicos perceberam que seu filho não apresentava mais batimentos cardíacos. Após uma sessão com o Ayahuasca ele voltou a viver, como em um milagre! A partir daí Sarah ficou com uma firme convicção e fé nos dogmas da estranha e exótica religião. Doutrinas essas que impedem o namoro entre membros da seita e "ignorantes" (pessoas que não fazem parte dela!). Acontece que seu filho está apaixonado por uma garota da escola e isso deve ser combatido por Sarah, de todas as maneiras. Por fim a dissidente Alison Kemp (Sarah Jones) decide falar com um agente do FBI. Ela está convencida que seu marido foi morto por membros da seita após revelar a eles que estava indo embora. Infelizmente Alison não encontra muito apoio e nem proteção por parte do agente Abe Gaines que apenas garante a ela que vai continuar as investigações. / The Path 1.05 - The Hole (Estados Unidos, 2016) Direção: Patrick R. Norris / Roteiro: Jessica Goldberg, Coleman Herbert / Elenco: Aaron Paul, Michelle Monaghan, Emma Greenwell.

The Path 1.06 - Breaking and Entering
Mentalidade de seita é isso aí. Quando alguém resolve sair dela logo começa a ser perseguida e em casos extremos acontece crimes e assassinatos. Sem saber nem direito o que está fazendo, Eddie Lane (Aaron Paul) vai ao lado do líder sua seita em um motel barato. Lá se esconde Alison Kemp (Sarah Jones). Ela é viúva de um dos ex-membros da seita que morreram em circunstâncias misteriosas. Eddie a conhece de tempos atrás e a protege nessa invasão. Ela é acusada pelo atual líder religioso de ter roubado 40 mil dólares de um escritório de San Diego, mas isso ainda é uma questão nebulosa, sem comprovação nenhuma. E outro aspecto muito presente em seitas é a velha regra de que o membro só pode se relacionar com outro membro. Pessoas de fora são consideradas nocivas à doutrina religiosa. Pior para o jovem adolescente filho de Eddie, que está apaixonado por uma garota da escola. Ele a leva na seita, ao lado de sua mãe e irmã, e a garota obviamente entende tudo o que acontece por lá. Malucos reunidos em uma crença meio sem sentido, mistura de resquícios do movimento hippie, uso de drogas alucinógenas e muito papo furado vazio sobre a "verdade" absoluta. / The Path 1.06 - Breaking and Entering (Estados Unidos, 2016) Direção:  Patrick R. Norris / Roteiro: Jessica Goldberg / Elenco: Aaron Paul, Michelle Monaghan, Emma Greenwell.

The Path 1.07 - Refugees
Outra série que venho acompanhando com regularidade é The Path. Se você não sabe do que se trata a história gira em torno de uma seita na Califórnia. Algo que é bem comum nos Estados Unidos. O "Messias" dessa seita está em coma, morrendo no Peru, mas todos fingem que ele está escrevendo o livro sagrado definitivo deles, sobre como encontrar o tal caminho da sabedoria. Tudo balela. Como toda seita eles escondem mentiras inconfessáveis por trás de supostas boas intenções. Nesse sétimo episódio da primeira temporada intitulado "Refugees" os membros da seita precisam decidir sobre um grupo de imigrantes ilegais que foram acolhidos por eles. É um tempo ruim para o suposto líder Cal, uma vez que ele quer dar proteção aos imigrantes, mas não conta com o apoio do conselho. Pior do que isso, ele acaba matando um velho membro que vai até ele dizer que a seita acabou, pois seu profeta está morrendo. Para piorar o que já era desastroso Cal pega Eddie em flagrante, tentando ajudar a uma dissidente, cujo marido foi morto justamente por deixar a tal seita para trás. Pois é, a velha mentalidade de seita se impõe, seja qual for a denominação que essa gente tenta seguir. / The Path 1.07 - Refugees (Estados Unidos, 2016) Direção: Roxann Dawson / Roteiro: Jessica Goldberg / Elenco: Aaron Paul, Michelle Monaghan, Emma Greenwell.

The Path 1.08 - The Shore
E deixando a Igreja Católica de lado e indo para o lado das seitas malucas que proliferam nos Estados Unidos, vi mais um episódio de "The Path". O personagem de Aaron Paul começa sua caminhada de descoberta, enquanto o líder da seita que ele segue precisa se livrar de um "presunto". Ele matou o sujeito depois de uma discussão sobre o controle de poder dentro da seita. Acabou abrindo seu pescoço com uma faca. Uma cena curiosa surge quando Aaron Paul na pele de seu personagem começa a recitar a oração de São Francisco em um abrigo mantido pela Igreja, onde ele passa a noite. Ao lado de um padre ele ora e momentos depois encontra a si mesmo em uma praia da Califórnia. Pelo visto sua mente finalmente está se livrando dessa mentalidade perigosa que se alastra entre seitas da nova era. Algo de fato bem perigoso. / The Path 1.08 - The Shore (Estados Unidos, 2016) Direção: Roxann Dawson / Roteiro: Jessica Goldberg, Annie Weisman / Elenco: Aaron Paul, Michelle Monaghan, Emma Greenwell.

The Path 1.09 - A Room of One's Own
Penúltimo episódio da primeira temporada. Pois é, estou quase chegando lá! Quem diria... Pois bem, então vamos ao resumo desse episódio. Depois da longa caminhada Eddie Lane (Aaron Paul) já chegou na conclusão que a seita é uma mentira, que seus dogmas não se sustentam e tudo não passa de fundamentalismo religioso, ou melhor dizendo, fanatismo puro mesmo! Ele quer sair de lá, mas vai ser parada dura pois sua esposa ainda é fortemente doutrinada. Ele tem dúvidas se seu casamento sobreviveria se ele caísse fora. Dureza! A seita é atualmente comandada por Cal Roberts (Hugh Dancy), mas ele é um mentiroso dizendo que o fundador e mestre vai voltar, quando na verdade ele está em coma no Peru, praticamente morto! Pior do que isso, ele se envolve nos problemas particulares dos membros, subornando uma garota que ele gosta! Ele oferece uma casa desde que ela suma da vida do jovem! Por fim, nesse episódio a gatinha Sarah Jones aparece! Ela, não vou mentir, é a principal razão que me fez acompanhar essa série. Mesmo com cabelos desarrumados e nada glamorosa, ela é certamente o ponto focal que me faz ver todos os episódios e os que virão. Sinceridade é tudo! / The Path 1.09 - A Room of One's Own (Estados Unidos, 2016) Direção: Michael Weaver / Roteiro: Jessica Goldberg, Julia Brownell / Elenco: Aaron Paul, Michelle Monaghan, Emma Greenwell.

The Path 1.10 - The Miracle
Eddie Lane (Aaron Paul) está fora da seita. Ele só não assina um termo de negador da doutrina porque isso o impediria de ver sua família. Assim ele fica à distância, mas não a ponto de romper formalmente com aquelas pessoas. Essa pressão o leva a ter visões estranhas, com cobras e pássaros mortos. Ele também decide ir atrás do fundador da seita, afinal o tal sujeito ainda vive? Ele estava morrendo de câncer no Peru. Enquanto Eddie vai juntando suas provas sua esposa Sarah começa a desconfiar de Cal. Silas, um membro importante da seita está desaparecido há tempos (na verdade ele foi morto por Cal com uma facada na garganta). Aos poucos Sarah vai juntando os pedaços dessa história muito mal contada. Alison Kemp (Sarah Jones) volta aos braços da seita através de Cal, que usa até a mensagem de Jesus para que todos a perdoem. Enfim, esse foi certamente um bom episódio final da primeira temporada. Deixou pontas soltas mais do que interessantes para continuarmos a acompanhar. Por falar nisso a terceira temporada acaba de ser confirmada nos Estados Unidos, então vamos seguindo em frente. / The Path 1.10 - The Miracle (Estados Unidos, ) Direção: Michael Weaver / Roteiro: Jessica Goldberg / Elenco:  Aaron Paul, Michelle Monaghan, Emma Greenwell, Sarah Jones.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Decisão de Risco

Título no Brasil: Decisão de Risco
Título Original: Eye in the Sky
Ano de Produção: 2015
País: Inglaterra
Estúdio: Raindog Films, Entertainment One
Direção: Gavin Hood
Roteiro: Guy Hibbert
Elenco: Helen Mirren, Aaron Paul, Alan Rickman, Phoebe Fox, Gavin Hood, Jeremy Northam

Sinopse:
Após anos de busca, o serviço de inteligência do Reino Unido localiza a presença de três dos quatro terroristas internacionais mais procurados da África Oriental. Imediatamente um drone é enviado para o lugar. Os criminosos se encontram em uma casa, nos arredores da capital da Namíbia. O mais correto seria eliminar todos os alvos imediatamente, para evitar que novos atentados suicidas fossem planejados e realizados, mas na hora de realmente decidir o ataque um grupo de políticos fica com extremo receio de autorizar a operação militar. Pior de tudo, uma jovem garotinha arma uma barraca para vender pão bem ao lado da casa que será destruída no bombardeio. E agora? O ataque por drones será realmente realizado? Filme indicado ao prêmio de melhor roteiro no Palm Springs International Film Festival.

Comentários:
Não existem guerras limpas. Todas as guerras são sujas. Essa é a grande lição deixada por esse excelente roteiro escrito por Guy Hibbert. Diante de um ataque iminente a um grupo de terroristas internacionais todos os envolvidos (militares e políticos) caem em um dilema dos mais aflitivos. Seria ético matar uma garotinha inocente que está nas proximidades do ataque vendendo pão? É a conhecida questão do dano colateral, só que aqui a menina ganha rosto e história, se tornando mais humana, desvendando toda a face da crueldade da guerra. E embora a guerra moderna seja tão absurda como a do passado não podemos deixar de ficar impressionados com os avanços tecnológicos das armas atuais, principalmente em relação aos drones, essas pequenas (e mortais) aeronaves não tripuladas que atualmente são usadas para ataques cirúrgicos em locais distantes da África e do Oriente Médio. Aliás todos os personagens do filme giram em torno dos bastidores justamente de uma ataque de drones do tipo Patriot. Helen Mirren, sempre excepcional, é a oficial encarregada de comandar as operações. Ela quer liquidar uma terrorista internacional que persegue há seis anos e não vê a hora do ataque se consumar de uma vez por todas. O jovem Aaron Paul (de "Breaking Bad") é o piloto do drone que na hora H sente o peso ético de um ataque como aquele. Já o grande Alan Rickman interpreta um veterano general que precisa lidar com um bando de políticos indecisos e vacilantes que não conseguem tomar a decisão final sobre o ataque. Esse foi um dos últimos filmes do ator que morreu recentemente. Aliás nos créditos finais ele é homenageado pelos produtores do filme. Sua parte é vital para entender como militares bem preparados e treinados podem ficar inoperantes por causa de uma irracional burocracia estatal. Nenhum dos agentes políticos quer a responsabilidade de dar a ordem final para uma ataque naquelas circunstâncias, tentando jogar a decisão para os outros, fazendo com que os terroristas ganhem tempo para inclusive tentarem fugir do alvo. A tensão assim se torna completa. Por fim vale uma indagação interessante: poderia ainda haver espaço para a guerra em um mundo tão politicamente correto como o atual? Os políticos britânicos presentes no filme incorporam justamente esse dilema. Um simples ataque acaba virando uma questão das mais delicadas, justamente por causa desse tipo de pensamento. Eles simplesmente não conseguem chegar a uma decisão, com medo de sofrerem alguma consequência em suas carreiras caso algo seja vazado para a imprensa. Seria justo um ataque como aquele? O roteiro, de forma inteligente, não traz a resposta, deixando a conclusão final para o próprio espectador. Sábia decisão. Assista e tire suas próprias conclusões.

Pablo Aluísio.

sábado, 22 de outubro de 2016

I.T. Invasão de Privacidade

Título no Brasil: I.T. Invasão de Privacidade
Título Original: I.T.
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos, França, Irlanda
Estúdio: Voltage Pictures
Direção: John Moore
Roteiro: Dan Kay
Elenco: Pierce Brosnan, James Frecheville, Karen Moskow, Anna Friel, Stefanie Scott, Jason Barry
  
Sinopse:
O magnata da aviação Mike Regan (Pierce Brosnan) acaba simpatizando com um de seus empregos, o técnico em informática Ed Porter (James Frecheville). Quando o sistema de internet em sua casa começa a dar problemas Regan convida Porter para ir até lá resolver os defeitos da conexão. Uma vez na casa de Regan, Porter começa a se tornar inconveniente, invasivo e constrangedor, principalmente em relação à filha de Regan, a adolescente Kaitlyn. E isso é apenas o começo de um pesadelo para Regan e sua família.

Comentários:
Um bom thriller de suspense estrelado pelo ex-agente James Bond, o ator Pierce Brosnan. Ele está muito bem no papel desse milionário do ramo da aviação que precisa lidar com um sociopata, seu próprio empregado, mal sabendo que o tal sujeito é um stalker perigoso. Em pouco tempo de aproximação ele se torna obcecado pela família do patrão, aparecendo em momentos inconvenientes e inoportunos, se tornando uma pessoa que tenta a todo custo entrar naquela família, mesmo sem ter sido convidado. O roteiro desenvolve bem essa situação que vai ficando cada vez mais grave e insustentável. No Brasil o filme recebeu o título de "Invasão de Privacidade" o que poderá causar uma certa confusão com um filme dos anos 90 estrelado pela atriz Sharon Stone. Há até certas semelhanças entre as duas produções, como a presença de um criminoso voyeur e stalker que usa a tecnologia para saciar seus desejos insanos, porém esse novo filme vai por outros caminhos. Aqui temos realmente um thriller em essência, um enredo aparentemente simples que joga o tempo todo com o suspense e a tensão em que o protagonista interpretado por Brosnan é envolvido. Ele quer acima de tudo proteger sua esposa e filha desse maníaco, mas acaba caindo várias vezes em armadilhas criadas por ele. Em termos de ação há uma boa cena quando o hacker trava os freios do carro de Brosnan que segue em alta velocidade em um túnel. Em tempos atuais, onde tudo passa a ser controlado virtualmente o perigo realmente pode estar na próxima curva. Boa sequência, muito bem produzida. No mais é isso... Uma boa diversão, para testar seus nervos. Arrisque!

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Teoria da Conspiração

Título no Brasil: Teoria da Conspiração
Título Original: Conspiracy Theory
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: Richard Donner
Roteiro: Brian Helgeland
Elenco: Mel Gibson, Julia Roberts, Patrick Stewart, Cylk Cozart, Terry Alexander, Brian J. Williams
  
Sinopse:
Jerry Fletcher (Mel Gibson) é um sujeito que vê conspirações governamentais em praticamente tudo! Nada escapa de seu "radar" sobre teorias de conspirações das mais diversas. Ninguém o leva muito à sério, já que com os anos Fletcher acabou ganhando a fama de ser meio louco, até o dia em que ele resolve denunciar uma nova conspiração que se revela verdadeira! A partir daí sua vida vira um caos completo e ele passa a ser perseguido por pessoas que nem ele sabe quem realmente são! Filme premiado no ASCAP Film and Television Music Awards.

Comentários:
Esse filme é do tempo em que Mel Gibson era um dos maiores campeões de bilheteria do cinema. Todos os seus filmes eram lançados com uma grande campanha de marketing e invariavelmente se tornavam grandes sucessos. Ele estava sempre presente nas listas dos mais bem pagos de Hollywood, recebendo cachês milionários por cada novo filme que estrelava. Era um astro de primeira grandeza. O roteiro brinca com a figura do teorista de conspirações, algo muito comum nos Estados Unidos. Geralmente pertencente a certos grupos de pessoas paranoicas, esse tipo de pessoa enxergava teorias de todos os tipos envolvendo aliens, espiões, conspirações, mercado internacional, seja o que for. O grande vilão em todas as conspirações, como não poderia deixar de ser, era o governo americano. No Brasil esse tipo que era até bem raro está também se tornando bem comum. De qualquer forma o filme aposta mais uma vez no poder de atrair bilheteria do ex-astro Mel Gibson. E ele se saiu muito bem ao lado do diretor  Richard Donner que o havia dirigido com grande êxito nos quatro filmes da franquia "Máquina Mortífera". Aqui o destaque vai para o roteiro, bem intrigado, cheio de reviravoltas, além é claro das boas cenas de ação (especialidades do cineasta Donner). De maneira em geral foi uma das grandes produções de Hollywood daquele ano. Mel Gibson era realmente um dos mais populares astros de todos os tempos. Pena que esses dias andam distantes, bem distantes.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.