segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Guia de Episódios - Westworld

Título no Brasil: Westworld 
Título Original: Westworld 
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Home Box Office (HBO)
Direção: Jonathan Nolan, Jonny Campbell
Roteiro: Lisa Joy, Jonathan Nolan
Elenco: Anthony Hopkins, Ed Harris, Evan Rachel Wood, Jeffrey Wright, Rodrigo Santoro
  
Sinopse:
Em um futuro próximo um parque temático é inaugurado. O visitante pode se sentir como um cowboy do velho oeste, interagindo com uma série de androides de última geração que recriam personagens típicos do velho oeste americano. Seu criador e mentor, o Dr. Robert Ford (Anthony Perkins), criou todo aquele universo como uma forma revolucionária de diversão, só que algo começa a dar errado, com os robôs desenvolvendo estranhos comportamentos.

Episódios Comentados:

Westworld 1.01 - The Original
Eu tenho a opinião de que uma boa série deve conquistar o espectador já em seu episódio piloto. E é justamente o que acontece aqui. A HBO resolveu produzir uma série que é baseada em um filme antigo chamado "Westworld - Onde Ninguém Tem Alma", estrelado pelo astro Yul Brynner.  A premissa é basicamente a mesma, só que obviamente remodelada e modernizada. Assim acompanhamos a rotina desse estranho parque onde robôs e andróides convivem com seres humanos (citados como "ricaços idiotas" por um dos personagens) que pagam para viver como se estivessem nos tempos do velho oeste. Até aí tudo bem, nada muito estarrecedor. O problema surge quando algumas dessas máquinas começam a desenvolver comportamentos completamente fora dos padrões. Eles devem seguir sua programação, atuar como se estivessem em um filme, com roteiro pré determinado. A questão é que surgem resquícios de inteligência artificial em alguns modelos, fazendo com que os criadores do parque fiquem intrigados com esses novos excessos, situações não esperadas, que vão surgindo em diversos modelos. O principal deles é Dolores Abernathy (Evan Rachel Wood), programada para agir como uma típica mocinha de filmes de faroeste. Seu pai sofre um pane emocional quando encontra uma foto estranha em seu curral e a partir daí uma série de eventos começam a surgir por todos os lugares do parque. Nesse episódio piloto temos uma surpresa divertida quando Rodrigo Santoro surge como um fora da lei que entra na cidade para tocar o terror entre os moradores. Seu destino, também fora do script, acaba surpreendendo. Enfim, ótimo primeiro episódio, demonstrando que vem muita coisa boa por aí. Essa série certamente vale a pena acompanhar. Não vá perder. / Westworld 1.01 - The Original (EUA, 2016) Direção: Jonathan Nolan, Jonny Campbell / Roteiro: Lisa Joy, Jonathan Nolan / Elenco: Anthony Hopkins, Ed Harris, Evan Rachel Wood, Thandie Newton, Jeffrey Wright, Rodrigo Santoro.

Westworld 1.02 - Chestnut
Maeve Millay (Thandie Newton), a prostituta negra do saloon, começa a ter lembranças de um ataque nativo quando ela perdeu seu próprio escalpo em um banho de sangue. Não era para isso acontecer. Sua programação não traz essa possibilidade. É certamente a prova de que algo está saindo errado com os protótipos que povoam Westworld. Além dela a bela mocinha Dolores Abernathy (Evan Rachel Wood) também está tendo espasmos parecidos. Ela começa a ter consciência de si mesma ao se olhar no espelho. Enquanto isso o cowboy e pistoleiro vestido em negro Ed Harris quer descobrir o que significa o labirinto! É um veterano em Westworld e por isso tem carta branca, mas logo fica claro que ele obviamente está exagerando. Por fim uma dupla de amigos chega em Westworld. Um deles é um sujeito tímido e contido. O outro, alucinado. Sua experiência valerá o ingresso pago? É o que veremos. Eis mais um bom episódio de "Westworld". Nesse aqui pela primeira vez um personagem resolve se revoltar contra os humanos, ao se deparar com o setor de reparos dos seres robóticos. Eles ficam empilhados, mais parecendo uma cena do holocausto. A mesma Maeve ao ver aquela cena tenta reagir, causando todos os tipos de problemas. A inteligência artificial leva ao conhecimento de si mesmo e de sua situação. Para o caos resta apenas um pequeno passo. / Westworld 1.02 - Chestnut (Estados Unidos, 2016) Direção: Richard J. Lewis / Roteiro: Jonathan Nolan, Lisa Joy / Elenco: Evan Rachel Wood, Thandie Newton, Jeffrey Wright.
 
Westworld 1.03 - The Stray  
Esse é certamente um dos episódios mais explicativos da série. O engenheiro Bernard Lowe (Jeffrey Wright) se reúne com seu chefe, o Dr. Robert Ford (Anthony Hopkins) para lhe explicar o que estaria acontecendo. Alguns "anfitriões" (os seres robóticos que habitam Westworld) estariam apresentando comportamentos bem estranhos, fugindo do script, dos roteiros previamente programados para eles. Nesses momentos de surtos eles falavam com uma entidade imaginária chamada Arnold! O Dr. Ford imediatamente liga os pontos. No passado seu sócio, o Dr. Arnold, teria levantado a hipótese de criar uma consciência própria nos programas e aplicativos dos anfitriões. Claro que algo assim, que criaria uma verdadeira inteligência artificial, seria algo bem perigoso. A ideia então foi rejeitada, mas ao que tudo indica o Dr. Arnold deixou algo impresso nos robôs, algo que ele não avisou a ninguém antes de sua morte. Agora os incidentes começam a ocorrer com maior frequência, com destaque para Dolores (Wood) que foge completamente do roteiro da repetitiva estória onde via sua família ser morta para reagir e fugir. Definitivamente algo muito inovador (ou sinistro) está acontecendo no mundo de Westworld. / Westworld 1.03 - The Stray (Estados Unidos, 2016) Direção: Neil Marshall / Roteiro: Jonathan Nolan, Lisa Joy/ Elenco: Evan Rachel Wood, Thandie Newton, Jeffrey Wright. Anthony Hopkins.

Westworld 1.04 - Dissonance Theory
Os "anfitriões" vão ficando cada vez mais cientes de si mesmo. A prostituta de saloon Maeve Millay (Thandie Newton) começa a ter cada vez mais espasmos de lembrança de quando foi levada até os laboratórios de Westworld para conserto. Ela consegue visualizar os homens que encontrou por lá. Sonho e realidade se misturam em sua mente. Ao ver uma jovem garota índia levando um pequeno boneco que se parece com as pessoas que encontrou nas salas de reposição do parque ela tem uma visão mais clara do que está acontecendo. Procurando fugir cada vez mais dos ciclos narrativos suas atitudes fora do padrão começam a chamar a atenção dos programadores da atração. Algo parecido vai acontecendo também com Dolores Abernathy (Evan Rachel Wood). Sua programação não a impede mais de ter cada vez mais lembranças traumáticas das mortes de seus parentes na fazenda. Antecedendo tudo o que estaria prestes a acontecer novamente ela se antecipa e consegue fugir. É curioso que no mundo de Westworld os visitantes humanos parecem sempre prontos a agir da pior forma possível, como assassinos e estupradores. Os roteiros obviamente usam esse aspecto para tecer uma sutil crítica contra o lado animalesco do homem. Por fim, outro aspecto a se considerar, vem da segunda participação do ator brasileiro Rodrigo Santoro na série. Ele interpreta o anfitrião Hector Escaton, um pistoleiro vestido de negro que sempre aparece na cidadezinha do velho oeste para tocar o terror. Aqui ele acaba servindo de fonte de informações para Maeve, que está sempre em busca de respostas. / Westworld 1.04 - Dissonance Theory (Estados Unidos, 2016) Direção: Vincenzo Natali / Roteiro: Jonathan Nolan, Lisa Joy/ Elenco:  Evan Rachel Wood, Thandie Newton, Jeffrey Wright, Anthony Hopkins.

Westworld 1.05 - Contrapasso
Pelo andar da carruagem já sabemos que Dolores Abernathy (interpretada pela linda e elegante Evan Rachel Wood) tem uma espécie de programação especial, implantada por Arnold. Provavelmente um gênesis de inteligência artificial que só se desenvolveu desde que foi implantada pela primeira vez. Dentro de "Westworld" ela já anda com seus próprios passos, bem longe de sua narrativa original. Ela se junta a alguns visitantes humanos e a outros "anfitriões" e acaba indo parar em um vilarejo mexicano cheio de soldados confederados. Lá acaba participando de um ataque a uma carroça da União que supostamente estaria cheia de nitroglicerina, um composto químico altamente explosivo. Outro destaque desse episódio é a cena em que finalmente ficam frente a frente os dois melhores atores do elenco. Sentados em uma mesa, numa vila perdida do velho oeste, Anthony Hopkins e Ed Harris travam os melhores diálogos que já vi até aqui. Dois grandes mestres da arte de atuar em um excelente "duelo" de egos e falsas intenções. Por fim uma revelação para a anfitriã prostituta de saloon Maeve Millay. Ela desperta dentro da sala de concertos e manutenção de "Westworld" e encara essa nova realidade que para muitos de seus semelhantes não passa de uma lenda! / Westworld 1.05 - Contrapasso (Estados Unidos, 2016) Direção: Jonny Campbell / Roteiro:  Jonathan Nolan, Lisa Joy / Elenco: Evan Rachel Wood, Thandie Newton, Jeffrey Wright.

Westworld 1.06 - The Adversary  
Sigo acompanhando "Westworld". A cada novo episódio as coisas vão ficando mais claras. Esse aqui é especialmente revelador. A "anfitriã" Maeve Millay (Thandie Newton) já está criando consciência de si mesma. Ela se deixa enforcar propositalmente por um cliente para retornar ao setor de reparos de Westworld. Uma vez lá trava amizade com um jovem reparador, um oriental que não apenas revela toda a verdade como a leva para um verdadeiro tour pelas instalações. Algo bem surreal e inesperado. Já o engenheiro-chefe Bernard Lowe (Jeffrey Wright) descobre que há uma série de anfitriões sem registros na central de controles. Ele então resolve investigar in loco o que estaria acontecendo e descobre que o Dr. Robert Ford (Anthony Hopkins) mantém um verdadeiro santuário de anfitriões originais, da época de fundação do parque. Eles revivem um momento especial de sua infância. Essa porém pode ser apenas uma fachada para algo maior, algo que acaba sendo descoberta por uma das engenheiras, ao descobrir que transmissões via satélite estão sendo enviadas para as máquinas, dando comando de voz de Arnold (o outro fundador de Westworld) a elas. Isso explicaria parcialmente o estranho comportamento de alguns anfitriões. E é justamente por essas respostas que o personagem de Ed Harris tanto procura. Ele acaba se envolvendo numa cilada ao tentar enganar um grupo de soldados da União, algo que acaba em intenso tiroteio. Afinal o que significaria o tal labirinto? De maneira em geral tenho gostado de "Westworld". Há certamente boas ideias aqui. Recentemente a HBO anunciou que a série terá uma segunda temporada. O que posso dizer? Seguramente será muito bem-vinda! / Westworld 1.06 - The Adversary (Estados Unidos, 2016) Direção: Frederick E.O. Toye / Roteiro: Jonathan Nolan, Lisa Joy / Elenco: Anthony Hopkins, Evan Rachel Wood, Thandie Newton, Jeffrey Wright.

Westworld 1.07 - Trompe L'Oeil
Esse episódio é um dos mais reveladores da série. O curioso é que no episódio anterior a atriz Evan Rachel Wood não tinha participado, mas agora ela retorna com sua personagem, a anfitriã Dolores Abernathy. Ela está indo aos confins de Westworld em busca de respostas, já que ela é uma das que apresentam claros sinais de inteligência artificial. Vai ter que lidar com selvagens de uma tribo fantasma e renegados confederados! E por falar em reações inesperadas dos anfitriões, nesse episódio a companhia resolve puxar o tapete do engenheiro Bernard Lowe (Jeffrey Wright) e mais do que isso, eles começam a conspirar para tirar o próprio criador do parque, o Dr. Robert Ford (Anthony Hopkins), de Westworld. Ford porém já estava esperando por esse tipo de traição! Ele manteve por anos uma instalação secreta, onde criou novos protótipos de anfitriões, com avanços notáveis. Um deles é justamente Bernard, seu braço direito. Isso mesmo, o engenheiro-chefe é ele mesmo um anfitrião criado especialmente por Ford! Quem poderia imaginar? Pior para a Dra. Theresa Cullen (interpretada pela atriz sueca Sidse Babett Knudsen). Ela acaba entrando em uma armadilha sem saber que está prestes a passar por uma situação literalmente mortal. Enfim, um dos episódios vitais para entender tudo o que acontece em Westworld, um lugar tão selvagem como o velho oeste que procura recriar! / Westworld 1.07 - Trompe L'Oeil (Estados Unidos, 2016) Direção:  Fred Toye / Roteiro: Jonathan Nolan, Lisa Joy / Elenco:  Evan Rachel Wood, Thandie Newton.

Westworld 1.08 - Trace Decay
A série "Westworld" vai ficando cada vez mais interessante. Nesse episódio o personagem do Dr. Robert Ford (Anthony Hopkins) sai apagando os rastros do crime que ele mandou Bernard Lowe (Jeffrey Wright) cometer. No episódio anterior inclusive o espectador descobriu que Bernard não é uma pessoa comum, mas sim um anfitrião. Isso foi uma surpresa e tanto. Pois bem, já que ele é um robô nada mais simples do que apagar sua memória, só que Ford ignora que apagando essa parte de suas lembranças acabará apagando outra também - o que irá gerar uma desconfiança geral nos demais funcionários de Westworld. Na outra linha narrativa Dolores Abernathy (Evan Rachel Wood) segua sua viagem nos confins do parque. Ela reencontra a velha vila onde viveu uma de suas narrativas. Encontra tudo destruído. O curioso é que sua memória parece intacta. Já a prostituta Maeve Millay (Thandie Newton) já sabe tudo o que acontece em Westworld e ela começa a agir, usando uns membros da manutenção para atender seus interesses. Por fim o episódio revela mais aspectos do personagem do pistoleiro negro (interpretado pelo ótimo Ed Harris). Para quem gosta do personagem vai curtir bastante. É isso, mais uma excelente peça nesse quebra-cabeças chamado Westworld. / Westworld 1.08 - Trace Decay (Estados Unidos, 2016) Direção: Stephen Williams / Roteiro: Jonathan Nolan, Lisa Joy / Elenco: Evan Rachel Wood, Anthony Hopkins, Ed Harris, Rodrigo Santoro, Thandie Newton, Jeffrey Wright.

Westworld 1.09 - The Well-Tempered Clavier
Esse texto contém spoiler. Assim se você ainda não assistiu a primeira temporada de "Westworld" ou esse nono episódio em particular recomendo que não siga em frente em sua leitura. Pois bem, um aspecto que sempre chamo a atenção em "Westworld" é que essa série do canal HBO começou muito bem e segue cada vez mais interessante. Não é tão fácil encontrar novas séries que lhe conquistem desde os primeiros momentos. Nesse episódio temos várias revelações. Uma delas, a mais curiosa de todas, é saber que Bernard Lowe (Jeffrey Wright) nada mais é do que uma cópia de Arnold, o antigo sócio do Dr. Robert Ford (Anthony Hopkins). O público já havia ficado surpreso no episódio anterior ao descobrir que Bernard não era um ser humano, um engenheiro trabalhando na companhia e agora temos essa outra surpresa. Como se sabe Arnold criou uma série de protótipos com I.A. (inteligência artificial) e será justamente esse grupo de androides que darão início a uma verdadeira revolução. Bernard também é dessa série e tenta de todas as formas liquidar com o Dr. Ford, inclusive usando uma anfitriã, mas ele acaba não sendo bem sucedido em seus planos. Outro acontecimento chave esse episódio ocorre quando Dolores Abernathy (Evan Rachel Wood) chega em uma igrejinha de uma cidade do velho oeste. Em seu porão estava instalado o laboratório de Arnold, onde tudo começou. Justamente lá ela descobre enfim tudo o que aconteceu, agora é só sair com vida, pois o pistoleiro negro (Ed Harris) está em seu encalço. Como afirmei antes, esse é um episódio acima da média de uma série que já é muito boa, por seus méritos próprios. / Westworld 1.09 - The Well-Tempered Clavier (Estados Unidos, 2016) Direção: Michelle MacLaren / Roteiro: Jonathan Nolan, Lisa Joy/ Elenco: Evan Rachel Wood, Thandie Newton, Jeffrey Wright, Anthony Hopkins.

Westworld 1.10 - The Bicameral Mind
Esse texto contém spoiler. Assim se você ainda não assistiu ao episódio final de "Westworld" pare a leitura por aqui. Pois bem, esse último episódio da primeira temporada me surpreendeu em alguns pontos, mas em outros foi menos surpreendente do que eu poderia esperar. Em 90 minutos de duração conseguiu fechar bem essa temporada. A sacada de unir dois personagens que não pareciam ter nada a ver em apenas um, foi realmente bem interessante. O pistoleiro negro interpretado por Ed Harris era um mistério desde o primeiro episódio, até que aqui tudo fica bem claro. Confesso que gostaria de voltar aos primeiros episódios para verificar se essa reviravolta teve mesmo sentido desde o começo. Mesmo assim descobrir o destino de William e o que ele se tornou foi uma surpresa e tanto, não há como negar. O destino do Dr. Ford e sua última história estava meio que delimitado há bastante tempo. Todos sabiam que os anfitriões, mais cedo ou mais tarde, iriam se rebelar contra seus criadores. Dolores sempre foi também uma peça chave. Os roteiristas ligaram assim o destino do Dr. Ford com seu antigo sócio, tendo ambos o mesmo fim... curiosamente sendo executados por Dolores. A explicação sobre o labirinto (algo que parecia maior, mas que era apenas um jogo infantil) também foi muito criativa. O único "porém" que fica daqui para frente é o que acontecerá na próxima temporada (já programada para estrear em 2018). Uma vez que os anfitriões estão rebelados, que massacres já foram cometidos, que agora eles podem fazer mal aos seres humanos, o que sobrará? Provavelmente a próxima temporada seja de pura ação, o que vai esvaziar a série como um todo. Afinal tudo já parece ter sido revelado. De qualquer maneira "Westworld" é uma daquelas séries que você não pode deixar de conferir, mesmo que as expectativas para a segunda temporada não sejam das melhores. / Westworld 1.10 - The Bicameral Mind (Estados Unidos, 2016) Direção: Jonathan Nolan / Roteiro: Jonathan Nolan, Lisa Joy/ Elenco: Evan Rachel Wood, Thandie Newton, Jeffrey Wright, Anthony Hopkins / Sinopse: Em um futuro próximo, um parque de diversões temáticos esconde um segredo inimaginável.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.


Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

James Dean, O Mito Rebelde - Parte 2

Quando James Dean terminou o colegial ele não tinha a menor ideia do que iria fazer na vida. Morando numa pequena cidade do estado de Indiana suas perspectivas de futuro não pareciam muito promissoras. Aos amigos da escola Dean dizia que queria ser ator, advogado ou até mesmo pastor protestante. Eles não ficaram muito surpresos com isso pois Dean havia sido muito próximo do reverendo DeWeerd. Foi o pastor inclusive que havia despertado em Dean o gosto pela poesia e pela arte. Ele incentivava o jovem Dean a atuar nas peças da escola e lhe dava livros, principalmente de Shakespeare, para que Dean tomasse gosto pela literatura e pelas artes cênicas. Esse líder religioso de Fairmount foi seguramente a pessoa que mais influenciou James Dean em sua vontade de um dia se tornar ator em Hollywood.

O tio de Dean, Marcus, com quem ele havia ido morar quando sua mãe faleceu acreditava que o sobrinho seria feliz sendo um fazendeiro como ele havia sido por toda a vida. James Dean gostava da vida no campo, mas essa escolha estava fora de seus planos. Ele queria experimentar a vida lá fora, na cidade grande. A oportunidade bateu sua porta quando seu pai, que morava na Califórnia, lhe escreveu dizendo que ele deveria ir para Los Angeles morar com ele. O pai de Dean queria que ele se formasse em Direito na UCLA, a universidade da Califórnia. Dean que estava com vontade de ir embora de Indiana viu ali sua grande oportunidade. Na semana seguinte ele pegou o primeiro trem e foi embora para a Califórnia, para quem sabe, um dia, vir a se ator de teatro e cinema.

James Dean chegou em Los Angeles com uma mochila nas costas e cinco dólares no bolso. Seu pai o pegou na estação ferroviária. Ele adorou a ensolarada e quente Califórnia desde os primeiros dias. Seu principal desafio seria passar no exame de admissão da UCLA. Dean tinha sido um bom aluno desde os primeiros dias na escola em Fairmount e ao lado do reverendo DeWeerd conseguiu acumular uma boa bagagem cultural que foi decisiva quando ele finalmente foi aprovado na Universidade que seu pai tanto sonhara. Ser um aluno de Direito na UCLA era uma grande honra para a família. Certamente James Dean estava indo pelo caminho certo.

A felicidade no mundo acadêmico porém não era repetida na vida familiar de Dean. Os longos anos que morou longe de seu pai cobraram um preço. Na verdade ambos se sentiam quase como estranhos. O fato do pai morar com uma mulher com quem Dean não gostava só piorava as coisas. Assim poucos meses depois de chegar em Los Angeles, Dean resolveu ir embora da casa de seu pai. Ele conseguiu ser aceito numa fraternidade de estudantes (muito comum nos Estados Unidos). A Sigma Nu reunia os estudantes de Direito da UCLA em apenas uma grande residência dentro do Campus. O clima mais sofisticado do lugar porém fez Dean novamente se sentir deslocado. Dean achava seus colegas bem afetados, esnobes e por essa razão não se deu muito bem. Pior do que isso, Dean começou a perder interesse pelas matérias jurídicas, ficando quase todo o tempo no Departamento de Artes Cênicas da UCLA. Sua vocação para ser ator novamente falava mais alto.

Pablo Aluísio.

O Reverendo do Colt 45

Título no Brasil: O Reverendo do Colt 45
Título Original: Reverendo Colt
Ano de Produção: 1970
País: Espanha, Itália
Estúdio: Oceania Internazionali Cinematografiche
Direção: León Klimovsky
Roteiro: Tito Carpi, Manuel Martínez Remís
Elenco: Guy Madison, Richard Harrison, Ennio Girolami, María Martín, Ignazio Spalla, Perla Cristal
  
Sinopse:
O Reverendo Miller (Guy Madison) chega em Tucson, no Texas, para inaugurar uma nova igreja. No mesmo dia de sua chegada uma quadrilha de bandoleiros invade a cidade. Os criminosos estão lá para roubar o banco local, trazendo terror e desespero para todos os moradores. O que esses foras da lei não sabem é que o novo reverendo foi um habilidoso pistoleiro no passado.

Comentários:
Pois é, nos filmes de western spaghetti nem mesmo os religiosos escapavam. Quando era necessário eles não pensavam duas vezes antes de empunhar o colt 45 para expulsar os bandidos de suas cidades, protegendo assim o seu rebanho. "O Reverendo do Colt 45" vai justamente por esse caminho. O roteiro mostra um homem convertido que deseja deixar o passado para trás. Ele era um pistoleiro bom de mira que havia tirado a vida de muitos homens. Agora só deseja pregar o evangelho. O problema é que uma quadrilha perigosa invade sua cidade e ele, sem alternativas, parte para limpar a região da infestação daqueles vermes. Afinal está disposto a trazer paz para aquela cidade de todas as formas. Embora o filme seja uma produção italiana temos aqui um ator americano estrelando o filme. O californiano Guy Madison empresta seu carisma para a produção. Ele era um veterano no gênero western. Quando o estilo entrou em decadência nos Estados Unidos ele nem pensou duas vezes e foi para a Europa onde estrelou diversos filmes spaghetti. Esse aqui é um dos mais lembrados. Fez sucesso e foi inclusive lançado no Brasil, fazendo carreira nos cinemas de bairro que eram muito comuns em nosso país durante os anos 70. Assim temos aqui uma boa oportunidade para relembrar aqueles bons e velhos tempos.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 30 de outubro de 2016

Presságios de Um Crime

Título no Brasil: Presságios de Um Crime
Título Original: Solace
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos
Estúdio: New Line Cinema
Direção: Afonso Poyart
Roteiro: Sean Bailey, Ted Griffin
Elenco: Anthony Hopkins, Colin Farrell, Jeffrey Dean Morgan, Abbie Cornish, Matt Gerald, Jose Pablo Cantillo
  
Sinopse:
Após a morte da filha, o Dr. John Clancy (Anthony Hopkins) resolve largar tudo para se isolar em uma casa remota. Ele foi por anos colaborador do FBI na caça de psicopatas perigosos. Seu retiro e luto só é interrompido quando o agente Joe Merriwether (Jeffrey Dean Morgan) resolve lhe procurar. Há um novo serial killer matando inúmeras vítimas, usando sempre o mesmo método. Joe assim pede que Clancy abra uma exceção para participar dessa nova investigação antes que novas pessoas inocentes sejam mortas.

Comentários:
Esse filme começa muito bem. O roteiro é dos mais atrativos. Há um psicopata à solta, matando pessoas que supostamente estariam condenadas por doenças incuráveis. Ele as mata da forma mais indolor possível, com um curto, certeiro e cirúrgico golpe na base da nuca, causando morte imediata. O Dr. John Clancy (Anthony Hopkins) é então contactado pelo FBI para se unir ao grupo de agentes que investigam os assassinatos. Ele não é um especialista forense comum. Na verdade seu grande tom é antecipar os passos dos assassinos. Dono de um tipo único de visão, de origem desconhecida, ele consegue não apenas ver a cena do crime no passado, como também antever o que virá depois. Uma vantagem e tanto para os membros do FBI. O problema é que tudo leva a crer que o assassino em série também tem o mesmo tipo de poder. Ou seja, o argumento é dos mais interessantes. Infelizmente depois de apresentar os personagens principais (todos interessantes) o filme decai justamente quando o psicopata surge em cena, revelando sua identidade. Ele é interpretado pelo ator Colin Farrell que definitivamente não convence no papel. Querendo trazer uma espécie de misericórdia para suas vítimas ele é confrontado por Hopkins em um duelo de vida ou morte. Farrell definitivamente não era o ideal para esse tipo de personagem. Esse problema aliás tem sido recorrente em Hollywood ultimamente, a má escolha de certos atores para determinadas caracterizações. Tudo em prol de tornar o filme mais comercialmente viável nas bilheterias. Assim "Solace" funciona muito bem em mais ou menos dois terços de sua duração, onde há o mistério a se revelar, as motivações e os detalhes dos crimes sangrentos. Na terça parte final porém, quando tudo vem à luz, ele decai muito. A cena final, o clímax, até tem seus méritos, mas destoa completamente do restante do filme. Assim seu resultado final fica prejudicado. Era um filme muito promissor, que poderia ser muito melhor do que realmente foi.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

The Beatles ‎– The Beatles Ballads

Essa capa é certamente uma das piores da discografia dos Beatles. Ok, pode até ter seu valor artístico, mas sinceramente sob um ponto de vista puramente estético nunca me agradou. Mesmo assim é Beatles, então vale a citação. O curioso é que essa ilustração, criada pelo artista John Byrne, quase virou a capa do White Album (Álbum Branco) em 1968. Ela chegou a ser mostrada para os Beatles que a descartaram em prol da simplicidade total - ou seja - um disco todo branco, sem ilustrações.

"The Beatles Ballads" foi lançado em 1980 como parte dos lançamentos da EMI-Odeon relembrando os dez anos da separação do grupo. Pois é, não é de hoje que as gravadoras perceberam que datas redondas acabam gerando interesse renovado no mercado. Geralmente várias reportagens e notícias na mídia acabam lembrando aos fãs de momentos importantes na biografia de uma banda e a gravadora sabendo da publicidade grátis que esse tipo de matéria traz acaba indo atrás. Já em termos de repertório "The Beatles Ballads" não traz grandes novidades. É basicamente uma coletânea de baladas, como seu próprio título já deixa claro. Por isso também se destaca mais as composições de Paul McCartney na seleção musical, uma vez que ele foi de fato o grande criador das melhores músicas românticas dos Beatles. Só isso já bastaria para convencer qualquer um a adquirir o disco.

The Beatles Ballads (1980)
Lado A: Yesterday / Norwegian Wood (This Bird Has Flown) / Do You Want to Know a Secret / For No One / Michelle / Nowhere Man / You've Got to Hide Your Love Away / Across the Universe / All My Loving / Hey Jude / Lado B: Something / The Fool on the Hill / Till There Was You / The Long and Winding Road / Here Comes the Sun / Blackbird / And I Love Her / She's Leaving Home / Here, There and Everywhere / Let It Be.

Pablo Aluísio.

Elvis Presley - The Final Performance

Elvis Presley - The Final Performance
Mais um lançamento trazendo o último show de Elvis Presley. Era noite de 26 de junho de 1977 em Indianapolis. Elvis subia ao palco pela última vez em sua vida. Alguns fãs gravaram o show no meio do público e da barulheira. Nenhuma dessas gravações possuem boa qualidade sonora por causa das limitações tecnológicas da época em que foram gravadas. Por sua importância histórica porém seguem sendo lançadas ano após ano. São rotulados de "Audience" pois foram captadas justamente no meio da audiência, do público.

Como é de praxe mudam-se as capas, mas seguem os mesmos tapes com qualidade sofrível. Até hoje espera-se o lançamento de um bom bootleg, com boa qualidade de áudio desse concerto, mas até agora ninguém ainda teve acesso a esse material. Dizem que poucos registros pertencem a colecionadores americanos que não querem vender esse item precioso. Pois é, egoísmo em última instância. Até que isso aconteça o jeito é ir ouvindo esse tipo de lançamento mesmo. São dois CDs (o que achei desnecessário) com ótimos encartes, livretos, etc. Muitos desavisados vão comprar o CD para só depois perceber que a qualidade não é boa. De qualquer forma fica o aviso.

Elvis Presley - The Final Performance (2016)
Disc 1: The Pre-Show - JD Sumner & The Stamps - 01 Great Good Morning 02 Street Corner Preacher 03 Gone At Last 04 Operator 05 Swing Low, Sweet Chariot - The Sweet Inspirations - 06 Black Sunday 07 If You Leave Me Now 08 Get Away 09 Introductions / Disc 2 The Complete Show - 01 Also Sprach Zarathustra 02 See See Rider 03 I Got A Woman / Amen 04 Love Me 05 Fairytale 06 You Gave Me A Mountain 07 Jailhouse Rock 08 O Sole Mio / It's Now Or Never 09 Little Sister 10 Teddy Bear / Don't Be Cruel 11 Release Me 12 I Can't Stop Loving You 13 Bridge Over Troubled Water 14 Band Introductions 15 Early Mornin' Rain 16 What'd I Say 17 Johnny B. Goode 18 Larry Londin Drum Solo 19 Jerry Scheff Bass Solo 20 Tony Brown Piano Solo 21 I Really Don't Want To Know 22 Bobby Ogdin Electric Clavinet Solo 23 Joe Guercio Orchestra 24 Hurt 25 Hound Dog 26 Introductions 27 Can't Help Falling In Love 28 Closing Vamp.

Pablo Aluísio. 

sábado, 29 de outubro de 2016

Maximum Ride

Título Original: Maximum Ride
Título no Brasil: Ainda não definido
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Studio 47
Direção: Jay Martin
Roteiro: James Patterson, Angelique Hanus
Elenco: Allie Marie Evans, Patrick Johnson, Peter O'Brien, Lyliana Wray, Luke Gregory Crosby, Gavin Lewis
  
Sinopse:
Um grupo formado por seis jovens vive escondido numa grande casa isolada nas montanhas. Eles são fugitivos de uma base militar onde tinham passado por todos os tipos de experiências. A razão do interesse em ter todos eles em custódia é o fato de que na realidade aparentam ser criaturas híbridas entre anjos e seres humanos! Um tipo de mutação ainda desconhecida da ciência em geral.

Comentários:
Aventura Sci-fi com adolescentes que possuem asas e saem voando por aí quando necessário. Eles são perseguidos e caçados, principalmente por outras estranhas criaturas conhecidas apenas como captores. Nada é muito explicado nesse filme B que procura fugir dos padrões convencionais. Na verdade penso que essa ideia seria até bem interessante para uma série, pois não é todo dia que se vê algo assim e o público alvo (os teens) poderiam muito bem gostar. A premissa é bem imaginativo e criativa, mas curiosamente a estrutura do roteiro é dos mais banais. A garotinha Angel que faz parte do grupo é capturada e enviada para novos testes em uma instalação remota no Vale da Morte. Assim os mais velhos anjos de sua "família" partem para salvá-la. O enredo não vai muito além disso, nada diferente do que já estamos acostumados (ou melhor dizer, cansados) de ver em outros filmes. O filme também se perde no quesito efeitos especiais. Ora, um roteiro como esse, que pede seres angelicais voando para lá e para cá, precisa de uma boa produção, principalmente no aspecto visual. Como se trata de um filme com orçamento restrito (sim, B) tudo soa meio mal feito. Não chegam a ser efeitos especiais vergonhosos, nada disso, mas deixam a desejar. Pequenos detalhes esboçam esse tipo de falha. Por exemplo, quando os anjos adolescentes sobrevoam um lago seus reflexos não aparecem nas águas cristalinas do lugar. Um erro que pega mal. Pois é, já não se fazem mais anjos como antigamente...

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Um Negócio de Risco

Título no Brasil: Um Negócio de Risco
Título Original: Criminal Activities
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Image Entertainment
Direção: Jackie Earle Haley
Roteiro: Robert Lowell
Elenco: John Travolta, Michael Pitt, Dan Stevens, Christopher Abbott, Edi Gathegi, Jackie Earle Haley
  
Sinopse:
Tentando dar uma de espertinhos, quatro amigos decidem comprar um grande lote de ações de uma empresa do ramo farmacêutico que está prestes a anunciar uma grande descoberta, um novo remédio que promete elevar o valor de suas ações às alturas. Para isso um deles acaba tomando dinheiro emprestado de um mafioso, Eddie (Travolta). Quando a empresa vai à bancarrota eles ficam com uma enorme dívida a saltar com a máfia, que definitivamente não costuma deixar algo assim sair barato. 

Comentários:
Inicialmente achei que seria mais um filme de gangsters sem muitos atrativos. Acabei me surpreendendo por alguns aspectos do roteiro que me agradaram bastante. Para saldar a dívida com um mafioso (John Travolta, muito bem em cena) um grupo de amigos precisam fazer um "servicinho" para ele. Nada mais, nada menos, do que sequestrar um sobrinho de um poderoso chefão da maior quadrilha de tráfico de drogas da cidade. Obviamente não parece uma boa ideia, mas como eles não querem morrer, acabam aceitando o tal "serviço". Por serem amadores e nada profissionais nesse ramo do crime as coisas logo saem do controle. Enquanto os rapazes fazem o serviço sujo, o chefe mafioso Eddie (Travolta) conspira contra a principal quadrilha rival de seus próprios negócios no mundo do crime. O elenco é muito bom, mas como sempre, Travolta se destaca. Com o cabelo cheio de brilhantina e sinais de que recentemente fez alguma cirurgia plástica, o ator esbanja seu já conhecido carisma em cena. Outro destaque vem dos atores jovens, todos bons. E o gangster sequestrado interpretado pelo ator negro Edi Gathegi acaba tendo alguns dos melhores diálogos de todo o roteiro. Nos dez minutos finais o filme dá uma incrível reviravolta e todos acabam descobrindo que nada era o que aparentava ser, o que não deixa de ser bem divertido. Claro que alguns furos de lógica ficam no meio do caminho, mas quando essa virada ocorre o jogo já está ganho, pois o filme se desenrola muito bem. Por fim um aspecto curioso: o próprio diretor do filme está também no elenco. Jackie Earle Haley interpreta um dos capangas de Travolta. Sua cena em que encontra um velho amigo da infância sendo torturado é realmente muito bem bolada. Enfim é isso, um bom filme sobre gangsters modernos.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Star Wars: Darth Vader - O Nono Assassino

Pois é, o universo "Star Wars" saiu dos cinemas e invadiu outros campos da cultura pop, entre eles o mundo dos livros e dos quadrinhos. Aliás a literatura envolvendo "Star Wars" se expandiu tanto e deu origem a tantos livros que até mesmo seu criador, George Lucas, confessou recentemente em entrevistas que nem ele consegue acompanhar mais! Definitivamente não está fácil para ninguém! E assim chegamos nesse "Star Wars Darth Vader - O Nono Assassino" que você pode encontrar tanto em forma de livro como em quadrinhos.

Apesar de girar em torno de um dos personagens mais celebrados da saga, o vilão Darth Vader, o fato é que esse "O Nono Assassino" não me surpreendeu muito! Na verdade achei o enredo meio banal, diria até preguiçoso. O roteiro, digamos assim, gira em torno de uma vingança. Vader mata um jovem e seu pai jura que vai matar o vilão negro. Vader já havia sofrido oito atentados a sua vida no passado e agora é enviado o nono assassino para dar cabo de sua vida. Será que conseguirá? Ou será exterminado como os demais?

Momentos memoráveis são poucos. Talvez a melhor ideia venha quando Vader desce em um planeta habitado por estranhas criaturas que o recebem quase como se ele fosse uma espécie de Messias ou enviado pelos céus. Uma alegoria que tenta pegar carona na lenda dos Maias que receberam os colonizadores espanhóis como deuses quando eles chegaram no novo mundo. Fora isso tudo soa um pouco sem originalidade. Vader enfrenta seus inimigos e obviamente por ter grande poder do lado negro da força os elimina em série. Em relação aos quadrinhos não gostei muito da arte. Achei banal. Então é basicamente isso. Dentro desse universo paralelo que corre sobre "Star Wars" esse Nono Assassino passa longe de ser um produto imperdível.

Título: Star Wars: Darth Vader - o Nono Assassino
Autores: Stephen Thompson, Iván Fernández
Editora: Panini Books
Data de Lançamento: 2016

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Matador em Conflito

Título no Brasil: Matador em Conflito
Título Original: Grosse Pointe Blank
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: Buena Vista Pictures
Direção: George Armitage
Roteiro: Tom Jankiewicz
Elenco: John Cusack, Minnie Driver, Dan Aykroyd, Joan Cusack, Alan Arkin, Hank Azaria
  
Sinopse:
Martin Q. Blank (John Cusack) é convidado para comparecer na reunião de ex-alunos de sua escola. Há mais de dez anos que ele não vê ninguém de sua classe. A ideia parece ser até interessante já que ele tem mesmo que voltar para sua antiga cidade para executar um pequeno serviço. Rever os velhos amigos pode ser divertido. O que nenhum deles sabe é que Martin ganha a vida como assassino profissional.

Comentários:
Esse é certamente um dos melhores filmes da carreira do ator John Cusack. O roteiro é a melhor coisa dessa produção que investe em um divertido humor negro. O protagonista é um bem sucedido homem de negócios no ramo de liquidar pessoas. Isso mesmo, o filme trata com bom humor o fato do personagem de John Cusack ser um assassino de aluguel. Tudo levado em um tom bem mais ameno, inclusive contando como o ótimo Dan Aykroyd no papel de um colega de "profissão" que quer ter em seu curriculum a honra de ter matado o próprio Martin. Assim a trama explora o fato de que Cusack precisa viver em dois mundos separados, a de um sujeito normal, que vai até a reunião de seus velhos amigos dos tempos da escola e a do profissional que mata pessoas por dinheiro, sob encomenda. Outros destaques do elenco contam com a presença da própria irmã de John, a talentosa atriz Joan Cusack, em uma participação muito divertida e Minnie Driver, sempre no papel da garota inteligente que se apaixona pelos homens errados. Esse também é o melhor filme da carreira do diretor George Armitage que infelizmente depois perderia o rumo completamente, encerrando prematuramente sua filmografia com a comédia "O Golpe", estrelada por Owen Wilson e Morgan Freeman.

Pablo Aluísio.

Um Assassino à Solta (1997)

Título no Brasil: Um Assassino à Solta
Título Original: Switchback
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Jeb Stuart
Roteiro: Jeb Stuart
Elenco: Dennis Quaid, Danny Glover, Claudia Stedelin, R. Lee Ermey, Jared Leto, William Fichtner
  
Sinopse:
Um agente do FBI, Frank LaCrosse (Dennis Quaid), é afastado das investigações sobre um serial killer após esse colocar as mãos em seu próprio filho. Para o FBI ele não teria mais isenção e nem equilibrio emocional para seguir em frente na caçada, pois estaria envolvido pessoalmente com o criminoso. Indignado com a decisão de sua agência de investigação, o agente resolve ignorar as ordens superiores e parte em busca do psicopata.

Comentários:
Filmes sobre serial killers sempre são interessantes. Porém é necessário que a escolha do elenco seja mais criteriosa, pois certos atores não possuem a personalidade adequada para esse tipo de papel, afinal psicopatas são criminosos frios, desalmados e calculistas. Escalar um ator mais especializado em personagens bonachões e bondosos não parece ser uma escolha ideal. Mesmo assim, com esse pequeno deslize, não podemos deixar de gostar desse interessante thriller policial. Um filme ágil, com ótimas sacadas em seu roteiro e que conta com um elenco realmente excepcional. Além do sempre correto Dennis Quaid e de um inspirado Danny Glover em um papel bem diferente em sua carreira, o filme ainda contava com R. Lee Ermey, ator especializado em sargentos durões do exército (basta lembrar dele em "Nascido Para Matar") aqui atuando como um xerife linha dura e... pasmem, um ainda bem jovem Jared Leto dando o ar de sua graça. No geral é um bom filme, com cenas realmente bem criadas e desenvolvidas. Só não é melhor porque, como disse, há esse pequeno problema de casting (escalação de elenco) que quase leva tudo a perder.

Pablo Aluísio.

O Entardecer de uma Estrela

Título no Brasil: O Entardecer de uma Estrela
Título Original: The Evening Star
Ano de Produção: 1996
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Robert Harling
Roteiro: Larry McMurtry, Robert Harling
Elenco: Shirley MacLaine, Bill Paxton, Juliette Lewis, Jack Nicholson, Miranda Richardson, Ben Johnson, Scott Wolf
  
Sinopse:
Sequência de "Laços de Ternura". Após a morte de sua filha, Aurora Greenway (Shirley MacLaine) precisa cuidar da criação de seus três netos, jovens adolescentes com problemas de relacionamento, vida e estudos. Mesmo cansada e desiludida do mundo, Aurora ainda consegue encontrar forças para levar adiante nesse novo desafio em sua existência. Filme indicado ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Atriz Coadjuvante (Marion Ross).

Comentários:
"Laços de Ternura" é um dos melhores filmes dos anos 80. Consagrado pelos diversos prêmios da academia, o filme segue sendo um drama maravilhoso, mesmo após tantos anos de seu lançamento. É curioso que quatorze anos depois tenha sido produzido essa continuação tardia. Para muitos era algo completamente desnecessário, uma vez que o primeiro filme já se fechava maravilhosamente bem em si mesmo. Algumas histórias não precisam de continuação, isso é um fato. Acontece que o escritor Larry McMurtry escreveu esse romance que basicamente mostrava o que acontecia depois dos fatos mostrados em "Laços de Ternura". A atriz Shirley MacLaine leu o livro e amou. Diante disso ela procurou convencer a Paramount Pictures a realizar uma sequência. Afinal ela tinha mesmo interesse em voltar a interpretar a forte Aurora, pois essa personagem havia lhe dado o único Oscar de sua vida. Convencidos de seus argumentos o estúdio então produziu esse "The Evening Star". Na época de lançamento desse filme muitos se perguntaram se Jack Nicholson também retornaria ao papel do astronauta maluco, o namorado inconsequente  de Aurora. Inicialmente Nicholson não mostrou interesse nesse novo filme, mas atendendo a um pedido especial de sua amiga Shirley MacLaine resolveu aparecer em uma pequena ponta (que quase nem foi creditada!). Verdade seja dita, mesmo aparecendo por poucos momentos o bom e velho Jack Nicholson quase roubou o filme inteiro para si. Coisas de gênio. Enfim, mesmo assim temos que reconhecer que esse filme ainda é muito bom, nada comparado com "Laços de Ternura" que é uma obra prima da sétima arte, é verdade, mas ainda assim um ótimo drama sobre netos e a vida.

Pablo Aluísio.

A Voz do Meu Coração

Título no Brasil: A Voz do Meu Coração
Título Original: Grace of My Heart
Ano de Produção: 1996
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures
Direção: Allison Anders
Roteiro: Allison Anders
Elenco: Illeana Douglas, John Turturro, Sissy Boyd, Jennifer Leigh Warren, Richard Schiff, Diane Robin
  
Sinopse:
Uma cantora e compositora aspirante ao sucesso, muito talentosa, abre mão de tudo para escrever músicas para outros artistas. O filme segue mostrando sua vida, desde a dor das rejeições das grandes gravadoras, passando pelo seu desastroso casamento, indo até seu triunfo final quando ela finalmente consegue superar todas as adversidades. Filme indicado ao Chlotrudis Awards e ao prêmio Satellite Awards.

Comentários:
Para quem gosta da combinação entre drama e música esse filme "Grace of My Heart" é certamente uma boa pedida. De modo em geral ele mostra a dura vida de uma jovem talentosa que acaba encontrando muitas portas fechadas em sua cara, durante sua luta para ser bem sucedida ou famosa. É a tal coisa, nem todos vencerão no show business, muito pelo contrário, as histórias de fracasso e frustração são bem mais mais amplas e disseminadas. É o velho sonho de ir para Hollywood ou Los Angeles (Nashville no caso de cantores de country music) para se tornar uma estrela da música e não encontrar nada pela frente a não ser a pura decepção. Esse filme, um projeto bem pessoal da diretora e roteirista Allison Anders tem elementos biográficos pois ela mesma trilhou um caminho parecido com a da sua protagonista. Enfim, um bom drama, mostrando o duro caminho até se chegar ao topo, seja no mundo da música, seja no mundo do cinema. A fama, muitas vezes, pode ser apenas um sonho em vão.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Para Lá da Estrada

Título no Brasil: Para Lá da Estrada
Título Original: The Trail Beyond
Ano de Produção: 1934
País: Estados Unidos
Estúdio: Paul Malvern Productions
Direção: Robert N. Bradbury
Roteiro: Lindsley Parsons
Elenco: John Wayne, Noah Beery, Verna Hillie, Robert Frazer, James A. Marcus, Earl Dwire
  
Sinopse:
Com roteiro baseado no livro "The Wolf Hunters" de James Oliver Curwood, esse western conta a estória de Rod Drew (John Wayne), um cowboy e explorador que é enviado para minas distantes nas montanhas para localizar e encontrar um mineiro desaparecido e sua filha. Chegando lá ele descobre que o homem que procura provavelmente encontrou um importante veio de ouro e que por essa razão muito foi morto por aqueles que queriam a localização dessa fortuna em minerais. Caberá a Drew descobrir o que de fato se passou naquela região distante e esquecida.

Comentários:
Mais um faroeste dos primeiros anos da carreira do mito John Wayne. Aqui o roteiro não se contentava em apenas contar uma estória típica de bandidos e mocinhos, tiroteios e duelos, mas também em desvendar um segredo: quem teria matado o mineiro que o personagem de John Wayne teria ido resgatar? O roteiro, como era de supor, daria margem a uma boa história de detetive, assassinatos e suspense, porém como se trata de uma fita curtinha (meros 55 minutos de duração!) não havia mesmo como ir muito adiante. Assim tudo é resolvido de forma muito rápida, sem muita sofisticação ou mistério. Curiosamente o livro que deu origem ao filme, "The Wolf Hunters" (em tradução livre: "Caçadores de Lobos"), é bem mais rico nesse aspecto. Aliás esse roteiro poderia ter sido aproveitado por Wayne anos depois, quando nos anos 50 ele já estrelava filmes mais bem elaborados e bem produzidos. O ator inclusive adquiriou os direitos de adaptação dessa estória para filmar depois, mas curiosamente nunca o fez. Dizem algumas biografias que ele nunca chegou a gostar de nenhum roteiro adaptado do livro, fazendo com que uma nova versão jamais fosse feita. Uma pena.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Inverno Rigoroso

Título no Brasil: Inverno Rigoroso
Título Original: Edge of Winter
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Sony Pictures
Direção: Rob Connolly
Roteiro: Rob Connolly, Kyle Mann
Elenco: Joel Kinnaman, Tom Holland, Percy Hynes White, Shaun Benson, Shiloh Fernandez, Rachelle Lefevre
  
Sinopse:
Elliot Baker (Joel Kinnaman) é um pai divorciado que recebe seus dois filhos para passarem o fim de semana ao seu lado. A ex-esposa vai sair em um cruzeiro com o novo marido e pede que ele cuide dos garotos. Para ter algum tipo de aproximação maior ao lado dos jovens, Elliot decide levá-los até o campo, mesmo que o inverno esteja rigoroso, com tudo coberto de neve. Ele quer ensinar os seus filhos a caçar. No começo tudo sai bem até que na volta para casa o carro fica preso na estrada após um pequeno acidente. E esse é apenas o primeiro problema que vão enfrentar.

Comentários:
Esse texto apresenta spoiler. Esse é um thriller de suspense que começa com ares de drama familiar e depois começa a se transformar em algo mais assustador. A ideia do pai e seus filhos passando algum tempo juntos no campo não é nada muito original. Já foi visto em inúmeros filmes. A novidade vem na forma que o roteiro trata essa disfuncional relação familiar. Particularmente não gostei muito como o pai é representado no filme. Ele está desempregado, sua ex-mulher agora é casada com um sujeito muito bem situado financeiramente, a ponto de dar uma vida de luxo a ela e aos garotos e para piorar tudo Elliot descobre que está crescendo uma barreira entre ele e os garotos. Ele é um homem da velha escola e seus filhos, todos educados em escolas de grã-finos, já não curtem muito seu jeito de ser. Por acaso um dos filhos acaba confessando ao pai que vai passar muito tempo sem vê-los dali em diante pois seu padrasto está indo morar na Inglaterra. Com essa informação Elliot simplesmente entra em colapso - enlouquece ao descobrir que até seus filhos serão tirados de sua companhia. Desse ponto em diante o paizão que procurava criar um elo de intimidade com os jovens começa a apresentar um comportamento fora do normal, tendo acessos de fúria e raiva. Em minha opinião o roteiro faz mau uso do personagem de Joel Kinnaman. A coisa vai ficando cada vez mais sinistra e de certa maneira inverossímil, tudo talvez, para criar uma reviravolta inesperada para o espectador. Não era necessário algo nesse estilo. "Edge of Winter" certamente poderia ir por outro caminho mais ameno e menos apelativo.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

As Vidas de Marilyn Monroe - Parte 12

Marilyn Monroe realmente teve um caso amoroso com o presidente John Kennedy? Hoje em dia, depois de tantas biografias e livros publicados, grande parte deles baseados em pesquisas, entrevistas e relatos, não restam mais dúvidas que Marilyn e JFK mantiveram um longo affair que durou anos. John Kennedy era casado e Marilyn também. Por isso tudo foi escondido da imprensa e do público em geral. Com o tempo porém os boatos e fofocas foram se espalhando e o caso ficou até mesmo notório em Hollywood. Todo mundo sabia que Marilyn e JFK se encontravam quando o presidente visitava a costa oeste, porém nenhum jornalista era louco o bastante para publicar esse tipo de informação.

O interesse de Kennedy em Marilyn era antigo. Uma amiga próxima do presidente disse certa vez que ele mantinha um grande quadro de Marilyn em seu apartamento, isso antes de se casar com Jackie. Como todo homem da época, JFK também via Marilyn como um símbolo sexual e uma deusa da beleza. Quando conheceu Frank Sinatra uma das primeiras coisas que JFK quis saber do cantor era se ele conhecia Marilyn pessoalmente. Sinatra não apenas disse que sim como também prometeu ao presidente que iria marcar um encontro entre os dois. Tudo foi arranjado e JFK finalmente conseguiu seu tão sonhado encontro com Marilyn em um discreto restaurante de Los Angeles.

A partir daí o casal nunca deixou de se encontrar às escondidas. O problema é que eles tinham visões bem diferentes do que estava acontecendo naquele romance. John Kennedy queria sair com a garota do calendário, o símbolo sexual máximo da América. Era uma aventura sexual para ele, acima de tudo. Já Marilyn começou a criar uma fantasia na sua própria cabeça, acreditando que o católico presidente americano iria desfazer sua família para viver ao seu lado. No auge de seus delírios Marilyn confessou que estava pronta para ser a futura primeira dama dos Estados Unidos. Uma loucura sem base na realidade. Quando Kennedy descobriu que Marilyn estava tendo esse tipo de pensamento em relação a ele começou a cortar o contato com ela. Um escândalo dessa proporção acabaria certamente com sua carreira política.

O que JFK não sabia era que Marilyn tinha acessos de desequilíbrio. O presidente havia cometido o erro de dar a Marilyn seu número de seu telefone pessoal na Casa Branca! Com isso Marilyn começou a bombardear JFK com telefonemas inoportunos, constrangedores e embaraçosos! Como Kennedy iria justificar algo assim? Ele era um homem casado, pai de família e posava de marido ideal para a imprensa! Quem se aproveitou da história foi o chefe do FBI, J. Edgar Hoover. Ele mandou colar agentes em Marilyn. Ela passou a ser seguida sem saber. Também seus telefones foram grampeados. Hoover queria munição para usar contra o presidente e seu irmão Bobby. Eles queriam tirar Hoover do FBI, mas não conseguiriam pois o todo poderoso Hoover começou a juntar provas do caso entre Marilyn e JFK. Pior do que isso, o chefão do FBI descobriu que Marilyn estava se encontrando também com um conhecido mafioso de Nova Iorque, ou seja, o presidente dos Estados Unidos estava não apenas tendo um caso extraconjugal como também dividindo a mesma mulher com um infame criminoso! Era uma bomba que Hoover estava disposto a aproveitar.

Pablo Aluísio.

Galeria de Imagens: Cowgirls


Martha Hyer
As mulheres sempre tiveram papel importante em filmes do gênero western. E isso não era restrito apenas às personagens de mocinhas belas e indefesas que precisavam ser salvas por cowboys corajosos. Muitas delas assumiam papel de destaque nos filmes, indo para a luta, armadas e destemidas. Um exemplo vemos no filme "Morros Trovejantes" (Thunder Mountain, EUA, 1947) onde a belíssima atriz Martha Hyer resolve ela mesma limpar suas terras de ladrões e bandoleiros. Um exemplo de que mesmo na década de 1940 já havia espaço no cinema para mulheres fortes, independentes, decididas e corajosas.


Dale Evans
Outra cowgirl que merece ser relembrada é a atriz Dale Evans. Se por trás de todo grande homem há grande uma mulher, no caso de Evans o ditado popular foi mais do que correto. Ela foi casada com o astro dos filmes de cowboy, Roy Rogers. Em seu auge Rogers foi o ator de western mais popular do cinema americano, colecionando grandes sucessos de bilheteria. Dale Evans foi sua fiel companheira. Com raro talento para os negócios ela percebeu que a fama do marido poderia ser muito bem aproveitada para vender produtos. Assim Evans teve a brilhante ideia de licenciar produtos com a marca Roy Rogers, praticamente criando um tipo de marketing que existe até os dias de hoje. Certamente se não fosse por sua esposa, Rogers não teria sido a lenda que foi, sendo lembrado pelos fãs do western até os dias atuais.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Hitman - Agente 47

Título no Brasil: Hitman - Agente 47
Título Original: Hitman: Agent 47
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos, Alemanha
Estúdio: Twentieth Century Fox
Direção: Aleksander Bach
Roteiro: Skip Woods, Michael Finch
Elenco: Rupert Friend, Hannah Ware, Zachary Quinto
  
Sinopse:
No passado o governo americano desenvolveu um projeto genético ambicioso que procurava criar o assassino perfeito, sem emoção, sem remorso e sem culpa, apenas eficiência completa na execução de ordens. Com o cancelamento do programa o seu criador, o cientista Litvenko, simplesmente desapareceu, sem deixar vestígios. Agora dois grupos inimigos lutam para descobrir onde ele está se escondendo. A chave para achá-lo é sua filha, Katia (Hannah Ware), que pode saber onde ele vive.

Comentários:
No ano passado a indústria de games divulgou seu resultado financeiro anual. Para surpresa de muitos o mercado de videogames gera atualmente mais dinheiro do que o mundo do cinema. Uma verdadeira fortuna todos os anos. E dentro do universo dos games "Hitman" é um dos jogos mais populares. Basicamente o game é sobre um assassino profissional perfeito. Como as adaptações de quadrinhos e games andam em alta em Hollywood a Fox comprou os direitos de Hitman e produziu esse filme. Eu já havia assistido um filme anterior com o mesmo universo de Hitman, mas esse aqui é bem mais produzido. Até porque os estúdios da Twentieth Century Fox não colocariam sua marca em uma produção fraca ou mal feita. Realmente em termos de efeitos especiais, produção, etc não há o que reclamar. O filme conta com várias locações ao redor do mundo, entre elas Berlim na Alemanha e a exótica e distante Singapura. Tudo muito bem produzido. O problema é que assim como acontece nos games não há muito enredo para contar. São cenas e mais cenas de ação em sequência, sem qualquer perda de tempo para o espectador recuperar seu fôlego. A trama se resume a dois grupos inimigos tentando chegar no criador do programa Hitman. Ele está em algum lugar do mundo, escondido. Colocar as mãos em sua filha significa ter um passo à frente nessa caça. E termina por aí. Talvez os gamers venham a gostar do resultado final, quem sabe. Como cinéfilo o filme não me pareceu grande coisa. Na verdade é um produto bem vazio e sem substância.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Elvis Presley - The Elvis Presley Movie Album - Vol 2

Outro CD que está chegando nas lojas. A coisa que mais me chamou a atenção aqui foi a direção de arte da capa - simplesmente genial! Basicamente eles pegaram o design da capa mitológica do "Elvis Gold Records Vol. 2" (uma das mais imitadas da história!) e colocaram fotos tiradas do filme "Flaming Star" (Estrela de Fogo, 1960). Todo o mais seguiu o desenho original do disco de 1959. Essa sessão fotográfica também, não podemos esquecer, serviu de base para um quadro bem famoso do mestre da pop art Andy Warhol. Não é necessariamente a mesma foto, mas sim outra que foi tirada na mesma ocasião. O genial Warhol usou como matéria prima o próprio material promocional do filme para criar sua obra de arte imortal.

Pois bem, tirando a genial capa e sua criativa direção de arte (a melhor coisa desse lançamento) o que temos de material aqui é uma seleção bastante aleatória (e não colocada em ordem cronológica) de diversas músicas de filmes de Elvis nos anos 60. Os produtores desse CD só lidaram praticamente com as chamadas gravações masters, ou seja, as versões oficiais que já conhecemos. A novidade veio porém na forma de resgate em que elas surgem. Tentou-se na remasterização recriar exatamente o som original dos discos e compactos de vinil da época de seu lançamento original. Funciona? Não totalmente. Algumas sonoridades do vinil só podem ser recriadas com aquele tipo de formato. Mesmo assim vale a audição, até porque com uma capa dessas fica realmente complicado não ter o CD em sua coleção particular.

The Elvis Presley Movie Album - Vol 2 (2016)
01. Bossa Nova Baby (alternate take 5)  02. Return To Sender (binaural master)  03. WhereDo You Come From? (binaural master) 04. Can’t Help Falling In Love 05. Rock-A-Hula Baby 06. Lonely Man (alternate take 9) 07. Flaming Star (binaural master) 08. Summer Kisses, Winter Tears (binaural master) 09. G.I. Blues (original spliced album master) 10. Wooden Heart  11. Tonight’s All Right For Love (original German album master, extended version) 12. Didja’ Ever (original album master, take 2) 13. Hard Headed Woman (reprocessed stereo)14. Don’t Ask Me Why (reprocessed stereo) 15. Lover Doll (reprocessed stereo) 16. Dixieland Rock (reprocessed stereo) 17. Crawfish (reprocessed stereo) 18. King Creole (reprocessed stereo)  19. New Orleans (reprocessed stereo) 1:58  20. Steadfast, Loyal And True (reprocessed stereo) 21. Trouble (reprocessed stereo) 22. Young Dreams (reprocessed stereo)  23. As Long As I Have You (reprocessed stereo) 24. Let Me (stereo master) 25. Poor Boy (stereo master) 26. We’re Gonna Move (stereo master) 27. Didja’ Ever (replaced album master, spliced) 28. Tonight’s All Right For Love (original length master) 29. Black Star (alternate take 5).

Pablo Aluísio. 

Elvis Presley - Made in the USA The Complete Sun Masters

Tudo começou na Sun Records. Havia aquele motorista de caminhão da companhia de eletricidade de Memphis que cantava bem, mas que até aquele momento nunca havia pensado em se tornar cantor profissional. Imagine, ganhar a vida como artista! Não seria o máximo? Um dia ele viu aquele anúncio dizendo que qualquer um poderia gravar seu próprio acetato por apenas alguns dólares. Então o tímido motorista pegou seu violão, entrou nos acanhados estúdios da Sun e saiu de lá com o primeiro disco gravado por Elvis Presley na história! Parece uma fábula não é mesmo? Mas não é, é um fato histórico real.

Para celebrar os anos em que Elvis passou na Sun Records de Sam Phillips, foi lançado esse novo CD com praticamente tudo o que Elvis gravou na pequena gravadora de Memphis. Claro que o tempo foi implacável com muitos registros de Elvis naqueles tempos pioneiros, porém grande parte daquelas sessões sobreviveram e estão aqui. É curioso porque as canções, de maneira em geral, foram colocadas em ordem cronológica o que nos dá uma boa visão dos avanços que Elvis ia fazendo durante os (poucos) meses que passou como contratado da Sun Records. Tempos realmente fantásticos que mudaram a história da música mundial. O CD duplo ainda vem acompanhado de um livro com fotos da época, material extra gravado em shows ao vivo e um apanhado de versões de canções dos tempos da Sun que Elvis gravou já na RCA Victor. Uma boa pedida para quem estiver interessado em se aprofundar nessa fase pioneira da carreira de Elvis Presley.

Elvis Presley - Made in the USA The Complete Sun Masters (2016)
CD 1 THE ORIGINAL SUN SINGLES 01- That’s All Right (Sun 209) 02- Blue Moon Of Kentucky (Sun 209) 03- Good Rockin’ Tonight (Sun 210) 04- I Don’t Care If The Sun Don’t Shine (Sun 210) 05- Milkcow Blues Boogie (Sun 215) 06-You’re A Heartbreaker (Sun 215) 07- Baby Let’s Play House (Sun 217) 08- I’m Left, You’re Right, She’s Gone (Sun 217) 09- I Forgot To Remember To Forget (Sun 223) 10- Mystery Train (Sun 223) MORE SUN RECORDINGS 11- I Love You Because 12- Blue Moon 13- I’ll Never Let You Go (Little Darlin’) 14- Just Because 15- Trying To Get To You 16- Harbor Lights 17- Tomorrow Night 18- I’m Left, You’re Right, She’s Gone (slow version) 19- When It Rains It Pours THE DEMO RECORDINGS (REPAIRED) 20- My Happiness 21- That’s When Your Heartaches Begin 22- I’ll Never Stand In Your Way 23- It Wouldn’t Be The Same Without You OTHER SONGS FROM THE SUN YEARS 24- Fool, Fool, Fool (KDAV Radio, Lubbock, TX) 25- Little Mama (live, ‘The Louisiana Hayride’) 26- I Got A Woman (live, Eagles Hall, Houston, TX) 27- Shake, Rattle And Roll (KDAV Radio, Lubbock, TX) 28- Maybellene (live, ‘The Louisiana Hayride’) 29- Money Honey (live, ‘The Louisiana Hayride’) 30- Tweedle Dee (live, Gladewater, TX) 31- Hearts Of Stone (live, ‘The Louisiana Hayride’)

CD 2 THE RCA VERSIONS 01- Blue Moon Of Kentucky (RCA single master) 02- That’s All Right (RCA single master) 03- I Love You Because (RCA album master) 04- Milkcow Blues Boogie (RCA album master) 05- Harbor Lights (RCA album master) 06- I Don’t Care If The Sun Don’t Shine (RCA album master) 07- You’re A Heartbreaker (RCA album master) DIGITAL TRANSFER OF SUN 78 RPM’s 08- Good Rockin’ Tonight 09- I Don’t Care If The Sun Don’t Shine 10- I’m Left, You’re Right, She’s Gone 11- I Forgot To Remember To Forget 12- Mystery Train  THE DEMO RECORDINGS (UNREPAIRED) 13- My Happiness 14- That’s When Your Heartaches Begin 15- I’ll Never Stand In Your Way 16- It Wouldn’t Be The Same Without You BONUS TRACKS 17- How Do You Think I Feel (guitar slapback tape, rehearsal + take 1) 18- How Do You Think I Feel (guitar slapback tape, rehearsals) 19- Elvis Radio Promo (Radio promotion for February 23, 1955 appearance) 20- Louisiana Hayride Intro 21- I Forgot, To Remember To Forget (live) 22- I”m Left, You’re Right, She’s Gone (live, damaged acetate, unrepaired) 23- I Don’t Care If The Sun Don’t Shine (live, damaged, acetate, unrepaired) 24- Louisiana Hayride Outro 25- Scotty Moore Interview.

Pablo Aluísio. 

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Jogos Mortais 5

Título no Brasil: Jogos Mortais 5
Título Original: Saw V
Ano de Produção: 2008
País: Estados Unidos
Estúdio: Lionsgate
Direção: David Hackl
Roteiro: Patrick Melton, Marcus Dunstan
Elenco: Scott Patterson, Costas Mandylor, Tobin Bell, Betsy Russell, Meagan Good
  
Sinopse:
Depois de muito tempo finalmente os policiais que passaram anos perseguindo o psicopata Jigsaw (Tobin Bell) se tranquilizam sobre seu paradeiro, pois não restam mais dúvidas, ele realmente está morto. Seus jogos mortais porém parecem seguir em frente! Quem seria o responsável por isso? Teria Jigsaw deixando um herdeiro ou um insano admirador para dar continuidade ao seu legado de terror, sadismo e violência?

Comentários:
Mais saturado do que nunca a franquia Saw (Jogos Mortais) seguiu em frente. Nesse quinto filme não há muito mais a celebrar. A fórmula, completamente desgastada, já não funcionava mais. Aqui a tônica foge apenas um pouquinho do convencional pois o roteiro procura se concentrar em saber e desvendar a imensa rede de traições e conspirações envolvendo os próprios tiras que acabaram com Jigsaw. Quem acaba se dando muito mal é justamente o agente Strahm (Scott Patterson) que de repente acorda e se dá conta que está encurralado em um dos jogos mortais de Jigsaw, com a cabeça presa em um artefato de tortura que mais parece ter saído da idade média. Uma caixa selada que começa a encher de água - algo realmente assustador! Essa armadilha de cabeça, vamos colocar assim, causou muita preocupação no ator Scott Patterson que estava apreensivo com um pequeno acidente que aconteceu quando a estavam usando em um teste na pré-produção. Depois com coragem resolveu encarar o desafio e dispensou o uso de dublês, para surpresa do diretor. Curiosamente essa armadilha foi inspirada no escritor Edgar Allan Poe que em seus macabros escritos descreveu um objeto de tortura bem semelhante. Por fim os roteiristas resolveram colocar um pequeno detalhe que poucos perceberam. São cinco os envolvidos nos jogos, justamente para celebrar o quinto filme da série. No geral eu não considero um bom filme da franquia. A falta de novas ideias, os velhos clichês e as mesmas situações - com pequenas inovações - não salvam o filme de ser apenas mais um caça-níquel do estúdio. O velho Jigsaw já deveria ter se aposentado, vamos convir. Filme indicado ao Fangoria Chainsaw Awards.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Soldado Universal 2 - O Retorno

Título no Brasil: Soldado Universal 2 - O Retorno
Título Original: Universal Soldier - The Return
Ano de Produção: 1999
País: Estados Unidos
Estúdio: Columbia TriStar Films
Direção: Mic Rodgers
Roteiro: Richard Rothstein, Christopher Leitch
Elenco: Jean-Claude Van Damme, Bill Goldberg, Heidi Schanz, Justin Lazard, Daniel von Bargen, James Black
  
Sinopse:
Luc Devereaux (Jean-Claude Van Damme) se torna o único sobrevivente do grupo original dos Soldados Universais, uma super tropa de elite. Agora ele trabalha com Dylan Cotne, um gênio da informática, em um novo projeto. O objetivo é unir as habilidades desses super soldados com o máximo em tecnologia de ponta, só que o super computador que deveria comandar tudo apresenta um inesperado problema, um erro que coloca a vida de todos em perigo! Apenas Devereaux poderá evitar um desastre de proporções assustadoras.

Comentários:
É a tal coisa, o primeiro filme passou longe de ser bom, porém fez sucesso. Mesmo no final dos anos 90 o estilo dos heróis de ação dos anos 80 ainda resistia e conseguia boas bilheterias. Havia também o mercado de vídeo VHS, que era ideal para esse tipo de produção. Inclusive no Brasil onde várias fitas como essa foram lançadas no mercado através do selo América Vídeo (quem viveu a época se lembra bem, com aquelas caixinhas que eram bem características, com muitas estrelas, baseadas na bandeirona dos Estados Unidos). Pois bem, aqui a Columbia resolveu colocar a mão no bolso para pagar um belo cachê ao astro Jean-Claude Van Damme que definitivamente não queria estrelar esse segundo filme. A produção aliás foi bem mais cara do que o habitual para esse tipo de filme, custando a pequena fortuna de 40 milhões de dólares. Era de certa maneira um investimento praticamente de retorno certo, afinal Van Damme tinha muitos fãs na época. Deixando de lado toda essa questão comercial o fato é que o filme consegue ser bem mais fraco do que o primeiro. O roteiro, absurdo como sempre, apresenta inúmeros problemas e furos. As sequências de ação porém eram bem feitas, o que no final era justamente o que os apreciadores desse tipo de filme de ação queriam. No final acabou ficando elas por elas, com o público cativo de Van Damme saindo bem satisfeito dos cinemas. 

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Amistad (1997)

Título no Brasil: Amistad
Título Original: Amistad
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: DreamWorks SKG
Direção: Steven Spielberg
Roteiro: David Franzoni
Elenco: Anthony Hopkins, Morgan Freeman, Matthew McConaughey, Stellan Skarsgård, Anna Paquin, Djimon Hounsou
  
Sinopse:
Filme baseado em fatos históricos reais. Tudo começa quando um navio chega em um porto americano. De bandeira estrangeira a embarcação sofreu um motim em alto-mar. Vários prisioneiros se rebelaram. Em terra firme, já na América, todos eles são levados a julgamento. O que poderia ser um caso de fácil solução acaba trazendo à tona questões jurídicas inovadoras, que certamente reperticuriam na jurisprudência da Suprema corte americana. Filme indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Ator (Anthony Hopkins), Melhor Fotografia (Janusz Kaminski), Melhor Figurino (Ruth E. Carter) e Trilha Sonora Original (John Williams).

Comentários:
Eu considero Steven Spielberg um dos maiores gênios da história do cinema. Qualquer filme que traga sua assinatura nessa direção me chama imediatamente a atenção. Esse "Amistad", por exemplo, tive a oportunidade de conferir no cinema. Dito isso tenho que reconhecer também que nem todos os filmes do mestre Spielberg são geniais ou maravilhosos, alguns são apenas boas histórias bem contadas. É o caso dessa produção. Eu me recordo que muitos se decepcionaram com o filme porque ele em essência é um drama de tribunal onde se gasta muita metragem discutindo meras firulas jurídicas. Dessa maneira não é um filme para todos os públicos, mas apenas para quem gosta de história e mais, quem se interessa por casos judiciais intrigantes. Como se trata de um filme de Steven Spielberg era de se esperar novamente que um grande elenco fosse formado e realmente temos aqui um time de atores de máximo respeito. Porém nenhum desses grandes talentos se sobressai, a não ser o veterano Anthony Hopkins que se destaca interpretando um velho presidente dos Estados Unidos na semi aposentadoria, advogando para se manter ativo. É justamente ele que acaba atuando no caso master que o roteiro explora. Então é isso, nada demais, nada muito marcante ou que possa ser considerado uma obra prima. Obviamente por se tratar de Spielberg vale a sessão, porém o gostinho de um pouco de decepção ficará, quer você queira ou não.

Pablo Aluísio.

Aproximando-se do Desconhecido

Título no Brasil: Aproximando-se do Desconhecido
Título Original: Approaching the Unknown
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Mark Elijah Rosenberg
Roteiro: Mark Elijah Rosenberg
Elenco: Mark Strong, Luke Wilson, Sanaa Lathan, Anders Danielsen Lie, Charles Baker, Whit K. Lee
  
Sinopse:
O astronauta William D. Stanaforth (Mark Strong) é escolhido para ser o primeiro homem a pisar em Marte. Ele desenvolveu um mecanismo muito eficiente que consegue produzir água apenas utilizando material inorgânico, como o próprio solo. Algo que seria vital para uma colonização a longo prazo do planeta vermelho. Durante a longa viagem de 270 dias Stanaforth começa a sentir o peso e a pressão de sua posição. Para piorar, as experiências que deveria fazer a bordo começam a dar errado, colocando em risco o sucesso da missão.

Comentários:
A colonização de Marte ainda faz parte da mera ficção. Esse filme tenta mostrar como seria a chegada do primeiro homem naquele mundo hostil e estéril. Há muitos anos se fala em colonizar Marte, porém a ciência ainda enfrenta desafios enormes. Como manter a vida em um planeta onde as temperaturas são inadequadas e a água (elemento vital para a manutenção da vida) é inexistente? O filme tenta trazer algumas respostas apostando em um reator que consegue recombinar molecularmente elementos químicos (como o Hidrogênio e o Oxigênio) para criar H2O, ou seja, a água. No começo tudo sai tão certo que o inventor do tal mecanismo, William D. Stanaforth, é escolhido para ser o primeiro homem em Marte. O problema é que essa primeira viagem será apenas de ida (sem volta) pois é necessário que alguém fique em Marte preparando o terreno para a chegada dos primeiros colonizadores. Stanaforth, um homem amargurado que não tem nada a perder, topa o desafio. A questão que se coloca logo no começo do filme é como ele teria sido escolhido (o roteiro não entra em maiores detalhes). Conforme a missão avança percebemos que o equilíbrio externo que o astronauta demonstra é pura fachada, pois ele tem muitas crises existenciais, algo que seria completamente inadequado para uma missão como a mostrada no filme. O roteiro assim tenta criar um clima que lembra em certos aspectos o clássico "2001", mas claro sem a profundidade da obra prima de Kubrick. Questões filosóficas ou existenciais nunca são muito desenvolvidas, mas estão lá, pelo menos superficialmente. A melhor frase do filme inclusive é dita pelo astronauta sobre o seu destino: "Marte é um lugar onde nunca nada viveu e nunca nada morreu. Provavelmente eu viverei para sempre ao chegar lá". No final o que temos é uma produção interessante, curta (menos de 80 minutos de duração) que não se preocupa muito em ser pretensiosa. Mesmo assim vale a pena conhecer. Filme premiado no Sundance Film Festival.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Guia de Episódios - Outcast

Título no Brasil: Outcast
Título Original: Outcast
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Fox International Studios
Direção: Loni Peristere, Howard Deutch
Roteiro: Robert Kirkman, Paul Azaceta 
Elenco: Patrick Fugit, Philip Glenister, Wrenn Schmidt, Callie Brook McClincy, David Denman, Brent Spiner
  
Sinopse:
A vida não tem sido fácil para Kyle Barnes (Patrick Fugit). Anos atrás ele foi acusado de ter atacado sua própria filha em um caso que nunca ficou devidamente esclarecido. No passado ele ficou convencido que sua mãe e sua esposa tinham sofrido algum tipo de possessão que nem ele soube explicar muito bem. Isso o estigmatizou pelo resto de sua vida. Agora, ao lado do reverendo Anderson (Philip Glenister) ele tenta ajudar pessoas que estão passando pelo mesmo tormento.

Episódios Comentados:

Outcast 1.01 - A Darkness Surrounds Him
Kyle Barnes (Fugit) tenta deixar o passado para trás. Ele vive isolado, procurando não ter contato com outras pessoas. Deprimido e sentindo-se culpado pelo que aconteceu anos atrás ele acaba encontrando novamente o reverendo local para que juntos possam investigar o estranho caso envolvendo um garoto. Sua família está apavorada pelo estranho comportamento do menino. Ele parece estar possuído, comendo insetos, falando com vozes estranhas, se contorcendo e praticando estranhos rituais que lembram o satanismo e a magia negra. Esse primeiro episódio dessa nova série Outcast é muito bom. Valorizando um clima de terror e suspense os roteiristas acertaram em cheio no objetivo de causar medo nos espectadores. É curioso porque temos duas novas séries sobre possessões, essa Outcast e a transposição para a TV do famoso filme "O Exorcista". Pelo visto para quem gosta desse estilo de programa o menu estará bem variado nos próximos meses. Essa série aqui foi criada pelo mesmo criador do grande sucesso "The Walking Dead", usando como material original uma estória de quadrinhos de sucesso. As séries de terror, que há muito estavam esquecidas, parecem que voltaram com tudo para a programação das emissoras. Uma ótima notícia para os fãs do gênero. / Outcast 1.01 - A Darkness Surrounds Him (Estados Unidos, 2016) Direção: Adam Wingard / Roteiro: Robert Kirkman, Paul Azaceta / Elenco: Patrick Fugit, Philip Glenister, Wrenn Schmidt.

Outcast 1.02 - (I Remember) When She Loved Me
O segundo episódio começa com o reverendo  Anderson (Glenister) completamente decepcionado e indignado com a baixa frequência em seu culto de domingo. Os fiéis parecem ter desaparecido. Ele então resolve relembrar aos poucos presentes como é importante ir à igreja. Em momento de sinceridade até mesmo confessa que baixou a guarda nos últimos anos o que talvez explique o caso do garoto Joshua que foi recentemente possuído por forças das trevas. Enquanto isso Kyle (Fugit) tenta recompor os pedaços de sua vida. Ele vai visitar sua mãe e descobre que seu quarto está em mal estado. Há muitos anos ela vive em estado catatônico em uma casa de repouso. Ela não fala, mal se alimenta e não reage a fatores externos. Kyle então resolveu levá-la para casa o que se revela ser uma péssima ideia pois ele não tem condições de cuidar adequadamente de uma mulher doente naquele estado. Já o xerife Giles (Reg E. Cathey) resolve investigar a floresta pois recebeu uma denúncia de coisas estranhas vindas de lá. Ao adentrar o lugar acaba encontrando uma série de bichos pregados na árvores como se estivessem crucificados - obviamente algum ritual de magia negra que ele desconhece completamente. Por fim surge na série pela primeira vez o ator Brent Spiner! Não lembra dele? Ele foi por muitos anos o andróide Data da série "Star Trek - A Nova Geração". Aqui ele aparece como um personagem misterioso e sinistro. De roupas escuras, chapéu e sobretudo, ele entra no quarto da mãe de Kyle para lhe dirigir algumas palavras enigmáticas. Sua verdadeira identidade será revelada nos próximos episódios, vamos aguardar. / Outcast 1.02 - (I Remember) When She Loved Me (Estados Unidos, 2016) Direção: Howard Deutch / Roteiro: Paul Azaceta / Elenco: Patrick Fugit, Philip Glenister, Wrenn Schmidt, Brent Spiner.

Outcast 1.03 - All Alone Now  
Todos sozinhos agora! Porém nem tanto. O reverendo Anderson e seu "assistente" Kyle acabam se envolvendo em um novo caso. O possuído era um sujeito normal até o dia em que perde os sentidos, espanca, tortura, estupra e esquarteja a esposa do seu melhor amigo. Obviamente condenado e preso é enviado para um manicômio judiciário. Acontece que todos os sintomas indicam que ele está sob a possessão de algum demônio. Assim Anderson e Kyle vão até lá para um exorcismo. As coisas porém parecem mais sérias do que eles pensavam. A tal entidade parece ter grande poder a ponto inclusive de zombar e escarnecer os símbolos cristãos como o crucifixo e a bíblia. Pior do que isso, ele começa a jogar mentalmente com seus algozes, fazendo o reverendo duvidar de sua própria fé e Kyle pedir por esclarecimentos sobre seus supostos "poderes" sobrenaturais. O diabo então lhe informa que ele é um "Outcast"! O que exatamente significa isso? Bom, essa é uma resposta para os próximos episódios. Como destaque aqui chamo a atenção para o ótimo trabalho do ator Lee Tergesen como o criminoso sob possessão de Satã. Ele está ótimo, grande atuação. / Outcast 1.03 - All Alone Now (Estados Unidos, 2016) Direção: Howard Deutch / Roteiro: Robert Kirkman, Paul Azaceta / Elenco: Patrick Fugit, Philip Glenister, Wrenn Schmidt, Lee Tergesen.

Outcast 1.04 - A Wrath Unseen  
Essa série ainda não me pegou. Esse tema envolvendo exorcismo tem que ser muito bem trabalhado, caso contrário cai no ridículo. "Outcast" ainda não chegou nesse ponto, mas olha, devo confessar que alguns episódios deixam bem a desejar. Essa série está quase no meu cancelamento pessoal. Sim, estou pensando seriamente em abandonar pelo meio do caminho. Enquanto isso ainda não acontece aqui vai um breve resumo do que você verá nesse quarto episódio. Um sujeito que estuprou a esposa de um policial muitos anos atrás retorna e o encontra casualmente durante um jantar. Claro que o constrangimento é generalizado. Pior acontece depois quando o policial descobre tudo. Ele nem pensa duas vezes e resolve espancar o tal sujeito. Enquanto isso o pastor John Anderson (Philip Glenister) desconfia que uma velha senhora que ele fez exorcismo há algum tempo não está ainda liberada das forças satânicas. E ele está completamente certo sobre isso. Salve-se quem puder! / Outcast 1.04 - A Wrath Unseen (Estados Unidos, 2016) Direção: Julius Ramsay / Roteiro: Robert Kirkman, baseado nos quadrinhos de Paul Azaceta  / Elenco: Patrick Fugit, Philip Glenister, Wrenn Schmidt .

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Força Aérea Um (1997)

Título no Brasil: Força Aérea Um
Título Original: Air Force One
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: Columbia Pictures
Direção: Wolfgang Petersen
Roteiro: Andrew W. Marlowe
Elenco: Harrison Ford, Gary Oldman, Glenn Close, William H. Macy, Dean Stockwell, Tom Everett
  
Sinopse:
O avião presidencial é sequestrado com o presidente dos Estados Unidos a bordo. O grupo que toma seu controle é formado por terroristas de uma ex-república soviética, o Cazaquistão, que está insatisfeita com as críticas e a política adotada pelo governo americano em relação ao governo ditatorial daquele distante país. Assim, ao se ver em uma armadilha, o próprio presidente resolve enfrentar os criminosos, em um jogo mortal de vida e morte. Filme indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Som (Paul Massey, Rick Kline) e Melhor Edição (Richard Francis-Bruce).

Comentários:
Os americanos possuem uma visão boba de seus presidentes. Geralmente eles se tornam figuras lendárias dentro do imaginário popular. O caso mais absurdo de ufanismo patriota no cinema aconteceu justamente nesse filme. Aqui o presidente dos Estados Unidos James Marshall, encarnado na figura do ator Harrison Ford, não apenas é mostrado como uma pessoa extremamente cheia de virtudes, como também um herói acima do bem e do mal. Ele literalmente sai no braço com um grupo de terroristas que tomam de assalto seu avião presidencial (denominado de Air Force One). Bom para o estrelismo de Ford que aqui conseguiu mais um belo sucesso de bilheteria em sua carreira, mas péssimo para o cineasta alemão Wolfgang Petersen que começou sua filmografia com filmes conceituados (e até cults) como "O Barco: Inferno no Mar", "A História Sem Fim" e "Inimigo Meu" para depois perder o rumo e se afundar numa série de filmes comerciais de baixo teor artístico como "Tróia", por exemplo. Essa fita de ação é seguramente seu filme mais bem sucedido nas bilheterias, o que necessariamente não foi muito bom para ele. De qualquer forma, apesar do enredo completamente surreal e absurdo, o filme ainda apresenta algumas boas cenas de ação - aliás a proposta do filme parece se resumir a isso apenas, explorar cenas e mais cenas de ação e violência. Falando sinceramente nem era preciso reunir um elenco tão bom como esse para um filme que se apoia mesmo em ação física. Os personagens de Oldman, Close e outros excelentes atores poderiam ser interpretados por qualquer um que não faria diferença alguma. Do ponto de vista técnico um dos destaques vem da excelente edição do filme (que inclusive foi indicada ao Oscar). Algo necessário para uma produção desse gênero. Porém desconsidere tudo o que foi dito se você estiver apenas em busca de um filme de pura ação, pois nesse caso não se decepcionará, pelo contrário, provavelmente ficará bem satisfeito. Como não era o meu caso, fiquei realmente um pouco entediado de assistir algo tão sem conteúdo.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.