quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Guia de Episódios - True Detective - Segunda Temporada

True Detective 2.01 - The Western Book of the Dead
Primeiro episódio da segunda temporada da premiada série "True Detective". Saem todos os personagens da temporada anterior e surgem novos, tentando se manter a mesma estrutura narrativa e de roteiro. Se na primeira temporada tínhamos basicamente dois personagens centrais, aqui temos um mosaico maior de protagonistas. Logo nesse episódio podemos notar muito bem isso. Há um velho detetive cansado, com problemas de bebida, chamado Ray Velcoro (Colin Farrell). Ele quer ser um pai melhor, porém tudo o que consegue é espancar o pai de um garotinho que está fazendo bullying com seu filho na escola. A detetive Ani Bezzerides (Rachel McAdams) tem uma irmã vivendo de pornografia e um pai que se apresenta como uma espécie de guru da nova era. Ela parece ser a única pessoa normal de sua família (porém, não muito!). Paul Woodrugh (Taylor Kitsch, o Tim Riggins de "Friday Night Lights") é um patrulheiro rodoviário com problemas na corregedoria após parar uma celebridade numa rodovia de Los Angeles. Ela alega que ele a assediou sexualmente. Por fim Frank Semyon (Vince Vaughn) é um gerente de cassinos que frequenta as altas esferas de poder, sempre com o olho em faturar bastante com corrupção envolvendo grandes obras públicas. Basicamente são esses os quatro personagens pilares da nova temporada. Todos parecem estar unidos por uma morte, um sujeito que é encontrado morto numa estrada. Já deu para perceber que os roteiristas vão investir em cultos macabros, tal como aconteceu na temporada anterior (uma imagem de Santa Muerte parece sugerir isso). Ainda é cedo para julgar, mas certamente promete. Vamos acompanhar. / True Detective 2.01 - The Western Book of the Dead (EUA, 2015) Direção: Justin Lin / Roteiro: Nic Pizzolatto / Elenco: Colin Farrell, Rachel McAdams, Taylor Kitsch, Vince Vaughn.

True Detective 2.02 - Night Finds You
A primeira temporada de "True Detective" foi realmente ótima! Já essa aqui... bem, está se revelando apenas ok, quase decepcionante. Em minha opinião o roteiro já não é tão bom, com subtramas desinteressantes (talvez porque nós, brasileiros, já estarmos um pouco fartos de ler e ver sobre corrupção nos jornais todos os dias). Os policiais também não chegam nem perto de ser tão bem escritos como os da primeira temporada. O detetive Ray Velcoro (Colin Farrell) tem problemas familiares, com a ex-esposa, mas isso é algo até bem comum nos dias de hoje. Passa longe de ser interessante por isso. Ele não tem a complexidade psicológica do detetive Rust Cohle (Matthew McConaughey) da temporada anterior. Aliás por falar em Matthew McConaughey ele é agora o produtor executivo da série. Deveria ter tido mais cuidado em termos de roteiristas, pois esse novo time é fraco. Já a detetive Ani Bezzerides (Rachel McAdams) é fruto da criação de um daqueles bichos grilos que eram bem comuns na Califórnia durante a década de 60. Seu pai, um líder religioso de um grupo da nova era, que nunca foi o que poderíamos dizer um sujeito equilibrado. Assim sobrou essa pesada herança psicológica para a filha, sempre com problemas de relacionamento com os outros, inclusive fazendo com que ela adote um comportamento masculinizado e durão. Bom para a atriz Rachel McAdams desenvolver seus dotes dramáticos. Spoiler: o que mais choca nesse episódio é a cena final. Ao entrar numa casa para investigar a morte de um homem que foi encontrado morto com sinais de tortura, o detetive Ray é encurralado e cai ao chão, baleado! Mal começou a temporada e o personagem de Colin Farrell já bateu as botas? Pode isso, produção? Veremos no próximo episódio. / True Detective 2.02 - Night Finds You (EUA, 2015) Direção: Justin Lin / Roteiro: Nic Pizzolatto / Elenco: Colin Farrell, Rachel McAdams, Taylor Kitsch, Vince Vaughn.

True Detective 2.07 - Black Maps and Motel Rooms
Esse episódio é vital para quem acompanhou a segunda temporada pois a trama em grande parte é finalmente revelada. No episódio anterior a detetive Ani Bezzerides (McAdams) participou de uma festa disfarçada de prostituta. Ao tomar uma droga durante a noite acabou ficando completamente grogue. Agora ela se encontra em um quarto de motel barato ao lado de Velcoro (Farrell). Conversa vai e conversa vem e ambos acabam na cama. A tensão sexual que existia entre eles finalmente é resolvida debaixo dos lençóis. Na outra linha narrativa Frank (Vaughn) finalmente descobre toda a armação que foi tecida ao seu redor. Seu cassino, fruto de um esforço de décadas acaba indo parar nas mãos da máfia russa. Como ele nunca foi um homem de deixar as coisas baratas resolve jogar tudo literalmente para os ares. Abre os tubos de gás do restaurante e toca fogo em tudo. Política de terra arrasada. Por fim nesse episódio temos o fim trágico do policial Paul Woodrugh (Kitsch). Ele vinha sendo chantageado por algumas fotos gays que não queria que vazassem. Ao se encontrar com o seu chantageador as coisas acabaram saindo do controle e ele é covardemente alvejado pelas costas. Fim. Pois é, essa segunda temporada da série não pode ser comparada com a primeira - que foi excelente - mas isso não significa que não tenha seus méritos. Esse foi o penúltimo episódio, em breve iremos conferir o desfecho da série. / Black Maps and Motel Rooms (EUA, 2015) Direção: Daniel Attias / Roteiro: Nic Pizzolatto / Elenco: Colin Farrell, Rachel McAdams, Taylor Kitsch. Vince Vaughn.

True Detective 2.08 - Omega Station
Último episódio da segunda temporada. Antes de qualquer coisa é bom avisar que esse texto terá spoiler. Pois bem, no episódio anterior Frank (Vince Vaughn) resolveu colocar fogo em suas boates. Nada de deixar qualquer coisa para os russos. Nesse episódio final ele se une com Ray Velcoro (Collin Farrell) para o acerto de contas final. Tudo termina, como era de se esperar com extrema violência. Eles matam seus inimigos e fogem com o dinheiro deles. Péssima ideia. A grande pertencia à máfia russa que sai no encalço dos dois. Frank é encurralado, levado para o deserto logo tenta comprar seus sequestradores, mas nada dá muito certo. Ele acaba sendo esfaqueado no meio do nada, deixado para morrer nas areias escaldantes. Essa cena é ótima, com Frank encontrando as pessoas que assassinou enquanto caminha para a morte certa. Já Frank é alvejado numa bela floresta cheia de pinheiros. Quem o liquida é a própria banda podre da polícia, envolvida até o pescoço com corrupção. A única que consegue escapar desse massacre é a detetive Bezzerides (Rachel McAdams) que consegue escapar para a Venezuela ao lado da mulher de Frank Esse episódio final tem uma duração maior (1 hora e 20 minutos de duração) e só não se torna muito cansativo por causa das mortes de Frank e Ray. No geral essa segunda temporada deixou um pouco a desejar, não chegando nem perto da obra prima que foi a primeira. Espero que a série continue e que melhorem em uma eventual terceira temporada. Não me arrependi de assistir e espero que as coisas voltem a funcionar daqui para frente. É esperar para ver. / True Detective 2.08 - Omega Station (EUA, 2015) Direção: John Crowley / Roteiro: Nic Pizzolatto / Elenco: Colin Farrell, Rachel McAdams, Vince Vaughn.

Pablo Aluísio.

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Madame Bovary

Esse é um drama baseado no famoso livro escrito por Gustave Flaubert em 1857. No mundo da literatura esse romance é considerado o primeiro na nova estética realista que em pouco tempo iria dar origem a toda uma nova escola literária (até mesmo o nosso consagrado autor Machado de Assis seguiria por essa nova vertente). O romance era de fato revolucionário por trazer uma protagonista que rompia com o estereótipo da jovem apaixonada, doce e ingênua, retratada em livros românticos da época. A personagem Emma parecia ser muito mais humana do que as mocinhas idealizadas do passado. Ela tinha muitos defeitos e não se encaixava no velho padrão, o que significava realmente uma ruptura com os antigos autores.

Nesse filme o diretor Sophie Barthes procurou não adaptar todo o enredo do livro original, mas apenas parte dele, o núcleo principal de sua estória. Assim personagens secundários foram eliminados (como a sogra e a filha de Emma na literatura), se concentrando apenas na personalidade sui generis da principal personagem. Emma, aqui interpretada pela atriz Mia Wasikowska (uma de minhas atrizes preferidas dessa nova geração), tem seu passado mostrado em rápidas cenas iniciais. Ela foi órfã, criada em um convento católico. Inicialmente ela pensa se tornar freira, mas depois, com a chegada da juventude, quando atinge a idade de se casar, acaba sendo prometida em casamento a um jovem médico do interior, Charles (Henry Lloyd-Hughes).

O começo de seu casamento é até promissor. O marido é um bom homem, trabalhador e responsável. Infelizmente ele também é completamente destituído de carisma pessoal, um sujeito enfadonho e chato. No fundo Emma não o ama. O casamento foi apenas uma questão de conveniência em sua vida. O tédio que a vida de Emma vai se transformando acaba mudando até mesmo seu jeito de ser. De origem humilde, calada e tímida, ela começa a desenvolver gosto pelo luxo e pela ostentação. Começa a gastar furiosamente, comprando vestidos caros, da moda. Em pouco tempo resolve remodelar toda a sua casa, comprando móveis, tapetes e utensílios vultuosos, algo que seu marido, mesmo sendo um médico, não consegue mais pagar. Pior do que isso, ela começa a flertar com outros homens interessantes da região, como um Marquês que acaba acendendo nela finalmente a chama da paixão em seu coração.

A partir daí começa o desastre. As coisas vão perdendo o rumo e Emma vai se tornando uma pária social, por causa de seu comportamento transgressor. O filme (e obviamente o livro que lhe deu origem) procura sutilmente mostrar as mudanças de comportamento que foram surgindo ao longo do século XIX, quando as mulheres passaram a ter uma postura e uma atitude mais ativas, seguindo seus próprios instintos, não se conformando em ser apenas aquele tipo de dona de casa apagada, vivendo eternamente à sombra do marido ou de um casamento infeliz. Com ótima produção, perfeita reconstituição histórica, excelente trilha sonora incidental (toda ao piano, em peças clássicas), o filme é aquele tipo de produção que vai satisfazer até mesmo os gostos mais sofisticados e exigentes.

Madame Bovary (Madame Bovary, Estados Unidos, Bélgica, Alemanha, 2014) Direção: Sophie Barthes / Roteiro: Felipe Marino (assinando como Rose Barreneche), baseado na obra de Gustave Flaubert / Elenco: Mia Wasikowska, Henry Lloyd-Hughes, Logan Marshall-Green, Paul Giamatti, Laura Carmichael / Sinopse: Emma (Mia Wasikowska) é uma jovem órfã e pobre que após se casar com um médico do interior começa a adquirir o gosto pelo luxo - e pela luxúria, colocando em polvorosa uma pequena cidade de hábitos conservadores do século XIX.

Pablo Aluísio.

Guia de Episódios - Rookie Blue

Rookie Blue 4.04 - The Kids Are Not Alright
Eu até hoje fico surpreso ao perceber como "Rookie Blue" chegou tão longe! Essa série que explora a história de um grupo de novatos recém saídos da Academia de Polícia de Seattle tinha tudo para ficar por ali na primeira ou segunda temporada, no máximo. A questão porém foi que acabou caindo no gosto do público e agora caminha para sua quinta temporada. Eu atribuo esse sucesso ao elenco, pois são atores carismáticos, jovens e talentosos, que mesmo não contando com grandes roteiros, conseguem se sobressair no concorrido mundo televisivo dos Estados Unidos. Nesse episódio temos um enredo interessante. Um adolescente é encontrado em um porta malas de um carro durante uma blitz realizada pela polícia. Depois de tentar entender o que aconteceu os policiais finalmente descobrem que "ele" na verdade é "ela", uma jovem adolescente lésbica que estava sofrendo um crime de ódio por causa de sua opção sexual. E o autor do crime era o irmão mais velho de sua namorada! Na outra linha narrativa a morte de um jovem de apenas 16 anos abre uma investigação sobre a  luta interna que se trava numa das maiores gangues da cidade. Seu primo, um rapaz que decidiu abandonar as ruas para trilhar um novo caminho na vida, acaba descobrindo que o crime teve nuances ainda mais sórdidas do que ele pensava. Por fim fechando tudo temos, como não poderia ser diferente, um triângulo amoroso se formando entre os jovens tiras. / Rookie Blue 4.04 - The Kids Are Not Alright (EUA, 2014) Direção: Peter Wellington / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma.

Rookie Blue 4.05 - Poison Pill
Pior do que os efeitos danosos da heroína seria termos heroína misturada com Antraz! É justamente isso que acontece nesse episódio. Os tiras novatos do departamento de polícia de Seattle precisam lidar com essa mistura mortal após uma jovem ser internada em estado grave. Ela supostamente teria consumido heroína que estava também contaminada com Antraz. Esposa de um veterinário ela teria tido contato com a droga através de seu amante, um rapaz dono de uma galeria de arte. Aos poucos os policiais começam a investigar, tentando chegar na fonte do fornecimento do carregamento de droga contaminado com a perigosa substância. Ela tem a marca "Midnight" em suas embalagens e isso pode ser uma pista valiosa a seguir. Pior para Andy McNally (Missy Peregrym) que acaba sendo contaminada pelo produto durante uma batida policial. Curiosamente descobrem que nem tudo é o que aparentava ser. Na outra linha narrativa Dov Epstein (Gregory Smith) e Chloe Price (Priscilla Faia) se vêem numa situação de puro constrangimento. Apesar de estarem quase namorando a descoberta de uma pílula usada no tratamento de bipolaridade pode colocar tudo a perder já que Dov pensa que a droga é de Chloe, e ela por ter um comportamento fora dos padrões seria bipolar, embora obviamente escondesse a verdade da polícia com receios de perder seu emprego! Mas seria isso mesmo que está acontecendo ou na verdade se trata de um tremendo engano, um mal entendido criado por falsas aparências? Assista para descobrir! / Rookie Blue 4.05 - Poison Pill (EUA, 2013) Direção: Peter Wellington / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma.

Rookie Blue 4.07 - Friday the 13th
"Rookie Blue" foi até longe demais, a ponto inclusive da turma de policiais que retrata deixar de ser novato (rookie) já há muito tempo. Mesmo assim, pelo carisma do elenco, ainda se consegue manter o interesse do espectador. A quinta temporada inclusive já está a todo vapor. É tradição nas séries americanas o uso de episódios especiais, para datas celebrativas, como o Halloween. É justamente isso que temos por aqui. O enredo então começa quando uma mulher, que se auto intitula "bruxa", chega no departamento de polícia para informar um roubo, algo que havia sido roubado de sua coleção de artefatos de bruxaria! (sim, é sério mesmo!). Ela é, vejam só, especialista em feitiços que tragam amores do passado ou maridos rebeldes! Ao indicar uma poção para banho acaba descobrindo que sua cliente acabou bebendo o tal líquido, indo obviamente parar no hospital por envenenamento! Crentices e bruxarias, pelo visto, ainda seguem sendo utilizados pelas pessoas menos informadas! Coisa de louco! Bom episódio, levemente divertido, que melhora todas as vezes que a atriz loira (e linda) Charlotte Sullivan está em cena! Para quem não se lembra ela interpretou a diva Marilyn Monroe na série "The Kennedys" em 2011. Com ela na frente das câmeras não há muito o que reclamar. / Rookie Blue 4.07 - Friday the 13th (EUA, 2013) Direção: David Wellington / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma.

Rookie Blue 4.09 - What I Lost
A filha de um policial do departamento é sequestrado, em plena luz do dia, em uma parque de Seattle. O desaparecimento da criança coloca todos os tiras em alerta e depois de algumas suspeitas se descobre que dois irmãos, que foram acusados de pedofilia no passado, são proprietários de um loja de doces nas redondezas. Um disfarce perfeito para ficar o mais próximo possível de suas eventuais e potenciais vítimas. Obviamente que algo desse tipo despertaria todas as suspeitas da polícia, mas nem sempre a solução de um mistério como esse envolveria algo assim tão óbvio. Além do mais os suspeitos acabam dando sólidos álibis para os investigadores, algo que inviabilizaria qualquer acusação contra eles em um tribunal. Em pouco tempo as investigações voltam ao ponto inicial, até que uma pista definitiva surge no ar, mostrando que o verdadeiro criminoso estaria mais perto do que se poderia imaginar. Bom episódio de "Rookie Blue" que investe nas complicadas relações sociais envolvendo ex-namoradas, amores do passado e mentiras. De repente descobre-se que alguém não é o verdadeiro pai de uma criança, que todo um relacionamento é fundado em mentiras e que nada parece ser o que realmente é. Um castelo de cartas emocional prestes a ruir a qualquer momento. / Rookie Blue 4.09 - What I Lost (EUA, 2013) Direção: Paul Fox / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma.

Rookie Blue 4.10 - You Are Here
A ocasião faz o ladrão, já dizia o velho ditado. Se não existem muitos lugares ao ar livre para se manter uma plantação de maconha na cidade grande então que se crie algo para cultivar a planta. O que tem acontecido muito nos Estados Unidos é o cultivo da maconha dentro de casas e apartamentos, em grandes estufas planejadas justamente para isso. Sem querer a oficial Andy McNally (Missy Peregrym) ao bater na porta de uma casa aparentemente normal, acaba descobrindo uma grande estufa dessas no porão do lugar. Até aí nada demais, já que seria apenas mais um caso de rotina para o departamento de narcóticos. As coisas se complicam mesmo quando ela também descobre um corpo, dentro de um barril, naquilo que poderia ser um laboratório de refinamento de drogas. Desse ponto em diante as coisas vão ficando cada vez mais complicadas. Um rapaz é preso no lugar, mas se defende dizendo que é apenas um consumidor que estava ali para comprar erva. As investigações vão acabar revelando algo bem mais perturbador, envolvendo inclusive acerto de contas de gangues internacionais, inclusive uma formada por imigrantes portugueses (que em determinado momento do episódio começam a falar em nossa língua, de forma não muito convincente!). Em suma, mais um bom episódio que aproveita ainda para explorar a tensão existente entre McNally e Gail Peck (Charlotte Sullivan) por causa da quebra daquele velho código não escrito de ética entre garotas que afirma não ser possível uma amiga roubar o namorado da outra. Quando isso acontece a amizade chega definitivamente ao final. / Rookie Blue 4.10 - You Are Here (EUA, 2013) Direção: Teresa Hannigan / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma.

Rookie Blue 4.11 - Deception
Rookie Blue mostra o cotidiano de um grupo de policiais jovens de Seattle. Tudo bem que mais parecem modelos do que policiais de verdade, mas isso é apenas um pequeno detalhe a se ignorar. Nesse episódio o detetive Sam Swarek (Ben Bass) decide ajudar uma colega que sofre de bipolaridade. Ela acaba ficando obcecada por um sujeito que teria cumprido pena por pedofilia no passado. Ele se diz recuperado, mas ela não se convence muito disso. Cada vez mais obcecada ela resolve infringir determinados procedimentos legais, chegando ao ponto de invadir a casa do ex-criminoso, algo que se descoberto justificaria sua expulsão da corporação. Sam então resolve esconder alguns rastros para evitar que ela seja acusada de algo mais sério. Para isso pede ajuda para a policial Andy McNally (Missy Peregrym) que não fica muito contente em se envolver em um acobertamento como esse. Afinal ela não quer se prejudicar com algo comprometedor em sua ficha. Nesse ínterim a detetive Traci Nash (Enuka Okuma) precisa dar conta pela primeira vez de uma tocaia que visa prender perigosos traficantes do centro da cidade. Ela definitivamente não tem experiência para uma operação assim, por isso hesita bastante no desenrolar dos acontecimentos, embora no final, para seu alívio, tudo acabe saindo bem, de acordo com o planejado. / Rookie Blue 4.11 - Deception (EUA, 2013) Direção: / Roteiro: / Elenco: Ben Bass, Enuka Okuma, Missy Peregrym, Gregory Smith, Charlotte Sullivan.

Rookie Blue 4.12 - Under Fire
Há um matador de policiais à solta. Atirador de elite, o criminoso procura prédios altos que lhe proporcionem uma excelente visão do panorama geral de seus alvos, geralmente tiras que são chamados para falsos pedidos de socorro. Uma vez que fiquem no alvo, o tiroteio começa. Uma das baleadas é a simpática policial Chloe Price (Priscilla Faia). Enquanto investiga um homem caído no meio de uma praça ela é atingida em cheio no pescoço, pelo sniper. Andy McNally (Missy Peregrym), que a estava acompanhado na batida policial, acaba também sendo atingida, mas em uma região menos perigosa do corpo humano. E os ataques não param por aí. Outra viatura é atingida quando atendia a um chamado numa velha casa abandonada. O elo de ligação que liga todos os eventos é um fato ocorrido no passado, um sujeito que colocou na cabeça que precisa eliminar todos os policiais da cidade em uma insana cruzada própria de acertamento de contas. Além das boas cenas de ação esse episódio também traz uma surpresa e tanto para os fãs da série. Numa das últimas cenas a oficial Gail Peck (Charlotte Sullivan) se revela bissexual ao dar uma beijo ardente numa colega de distrito! Quem diria, logo ela, que vinha em uma depressão profunda após o fim de um longo relacionamento hetero! Pois é, um sinal dos tempos. / Rookie Blue 4.12 - Under Fire (EUA, 2013) Direção: Gregory Smith / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma, Priscilla Faia, Charlotte Sullivan.

Rookie Blue - Quinta Temporada: 

Rookie Blue 5.01 - Blink
Primeiro episódio da quinta temporada. Os policiais Sam Swarek (Ben Bass) e Chloe Price (Priscilla Faia) foram baleados e estão hospitalizados. Depois de passar a madrugada ao lado da namorada, Dov Epstein (Gregory Smith) resolve ir em companhia de Andy McNally (Missy Peregrym) a uma lanchonete próxima. Eles estão à paisana e fora do serviço e são surpreendidos quando um casal de jovens namorados se revelam assaltantes. Eles querem o dinheiro do caixa, mas são no fundo apenas amadores - o que duplica o perigo de vida de todos os clientes da lanchonete que logo viram reféns. O roteiro não chega a explicar porque estão tão desesperados em busca de dinheiro, mas o desenvolvimento dos acontecimentos é dos melhores, com muita tensão. Do outro lado da cidade Gail Peck (Charlotte Sullivan) está em crise. Meio hesitante ela resolve assumir seu namoro lésbico com uma colega e resolve contar ao próprio irmão. Claro que depois pensa melhor e fica em completo desespero. Completamente surtada resolve passar a tesoura em seus lindos cabelos loiros, o que convenhamos é uma enorme pena! "Rookie Blue" é aquele tipo de série que funciona muito bem como entretenimento. O elenco é carismático e os roteiros, apesar de não serem em nenhum momento maravilhosos, conseguem funcionar muito bem como passatempo. Para assistir em noites sem nada melhor para ver. / Rookie Blue 5.01 - Blink (EUA, 2014) Direção: David Wellington / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma.

Rookie Blue 5.02 - All by Her Selfie
"Rookie Blue" é uma típica série do canal ABC. Os personagens não são muito bem desenvolvidos e nem sequer há roteiros brilhantes ou inovadores no meio do caminho. Mesmo assim você vai acompanhando, acompanhando e quando se dá por si já está na quinta temporada! O grande trunfo dessa série policial são os atores que formam o elenco, quase todos eles bem carismáticos. Esse tipo de coisa acaba, queira ou não, cultivando o espectador. Nesse episódio a oficial Andy McNally (Missy Peregrym) se torna oficial de treinamento de um jovem recém saído da academia. Um recruta novato (rookie) como ela própria há pouco tempo atrás. O grande diferencial é que o rapaz é o enteado do próprio comissário de polícia da cidade, algo que McNally nem desconfia. A dupla acaba se envolvendo em um caso complicado onde a inexperiência do jovem acabará pesando muito no desfecho da situação. Eles recebem a chamada para investigar um caso simples de arrombamento de uma loja de penhores. Lá dentro encontram um sem-teto com problemas de alcoolismo. Nada demais, apenas um pobre homem querendo fugir do frio das ruas. Dispensado, eles acabam descobrindo que cometeram um erro de procedimento, já que no porão do estabelecimento acabam encontrando o dono, assassinado. A partir daí as investigações vão revelar uma trama complicada, envolvendo outras pessoas que eles sequer imaginavam. Enquanto isso a personagem Gail Peck (interpretada pela linda atriz Charlotte Sullivan) passa por uma crise existencial e de identidade ao descobrir que está tendo um relacionamento lésbico. Surtada, acaba cortando seus longos cabelos loiros o que não deu muito certo dentro da proposta do roteiro porque afinal de contas ela acabou ficando ainda mais bonita, nada condizente com alguém que supostamente estaria passando por uma crise. Enfim, coisas de séries americanas estreladas por um elenco cheio de beldades que se parecem com tudo, menos com policiais de patrulha. Divertido, acima de tudo. / Rookie Blue 5.02 - All by Her Selfie (EUA, 2014) Direção: David Wellington / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma, Charlotte Sullivan.

Rookie Blue 5.03 - Heart Breakers, Money Makers
Nesse episódio os policiais de "Rookie Blue" são designados para um tipo de serviço que nenhum deles gostaria realmente de fazer. Ir nas casas de criminosos condenados para recolher bens que foram adquiridos através de ganhos provenientes de atividades ilícitas. No começo pode até parecer um trabalho enfadonho, mas com direito a muitas surpresas pelo meio do caminho. Em uma casa de um ex-traficante e estelionatário a policial Andy McNally (Missy Peregrym) acaba descobrindo o fio da meada de algo bem maior, uma grande rede criminosa. O sujeito é casado com uma mulher desequilibrada, dada a promover barracos e ataques de escândalo. Um típico casamento realizado apenas por interesse financeiro - algo que com o tempo acaba se tornando um verdadeiro inferno doméstico entre o casal. Esse episódio também segue explorando o affair lésbico de Gail Peck (Charlotte Sullivan, ainda mais linda com cabelos curtos). Algo que até então jamais se mostrou muito convincente (parecendo mesmo uma tremenda forçada de barra dos roteiristas para ganhar a simpatia das organizações de defesa de minorias). Pois bem, Peck é finalmente apresentada para as amigas de sua namorada, algo que não dá muito certo. Elas são todas universitárias de instituições da Ivy League e acabam esnobando Peck pelo simples fato dela ser uma policial de rua. Nem preciso dizer que a saia justa acaba jogando um balde de água fria no romance. Bom episódio, novamente apoiado no grande carisma de todo o elenco. / Rookie Blue 5.03 - Heart Breakers, Money Makers (EUA, 2014) Direção: Gregory Smith / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma, Charlotte Sullivan.

Rookie Blue 5.04 - Wanting
Três pessoas são mortas em uma guerra de gangues em Seattle. Um dos chefões de um grupo chamado Jameson também é assassinado. A polícia não tem muita noção do que anda acontecendo e nem que a morte do líder da quadrilha foi encomendada por outro membro da mesma gangue. Essas quadrilhas formadas basicamente por jovens latinos se espalharam muito dentro das principais cidades americanas. Nesse episódio os roteiristas criaram uma espécie de modelo desse tipo de organização criminosa e lhes deram o nome de Las Viboras (o que veio bem a calhar). No fundo tudo não passa de um ciclo que geralmente se repete muito no mundo do crime, onde testemunhas são mortas para que crimes anteriores fiquem impunes. E é justamente durante uma investigação desse caso que a policial Andy McNally (Missy Peregrym) descobre que o novato que está em treinamento com ela definitivamente não serve para o serviço. Quando ela fica encurralada em um apartamento, cercado por membros da gangue, o seu parceiro simplesmente amarela e não consegue arranjar coragem para ir em seu socorro! Nem todos estão preparados para exercerem a função de policiais em grandes e violentas metrópoles. Por fim Gail Peck (Charlotte Sullivan) entra em choque após encontrar uma garotinha ao lado do corpo de sua mãe que acaba de ser assassinada por criminosos. Um episódio de rotina dentro da série, mas que terá consequências futuramente dentro da trama de "Rookie Blue", por isso não deixe de conferir. / Rookie Blue 5.04 - Wanting (EUA, Canadá, 2014) Direção: Peter Wellington / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma.

Rookie Blue 5.05 - Going Under
Já a série "Rookie Blue", apesar de já estar na sua quinta temporada, não demonstra ainda sinais de esgotamento. O motivo é simples também de explicar: séries policiais com grandes elencos demoram para saturar pois sempre há possibilidades dos roteiristas explorarem um ou outro personagem em cada episódio. Nesse episódio aqui abriram espaço para o policial Chris Diaz (Travis Milne). Ele leva uma vida dupla. De dia, com uniforme, combate os traficantes de drogas pelas ruas de Seattle. De noite, após largar o serviço, vai atrás desses mesmos traficantes para comprar drogas. É um tira viciado, imagine você! As coisas se complicam quando a polícia prende o seu traficante. O criminoso ameaça revelar tudo aos detetives caso Diaz não arranje um jeito qualquer de o livrar da cadeia. Na outra ponta narrativa Andy McNally (Missy Peregrym) precisa descobrir o desaparecimento de um homem que nunca mais foi visto pelos próprios familiares. Teria sido vítima de um crime ou simplesmente foi embora para sempre, por livre e espontânea vontade? Por fim o que anda bem chatinho mesmo é o desenvolvimento da eterna fossa de Gail Peck (interpretada por Charlotte Sullivan, a atriz mais bonita da série) onde ela já não sabe se é realmente lésbica ou não, se é apaixonada por um homem ou por uma mulher... enfim, enrolaram muito o meio de campo dessa personagem. / Rookie Blue 5.05 - Going Under (EUA, 2014) Direção:  T.W. Peacocke / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco:  Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma, Travis Milne, Charlotte Sullivan.

Rookie Blue 5.06 - Two Truths and a Lie
O título do episódio vem de uma brincadeira entre Andy McNally (Missy Peregrym) e Sam Swarek (Ben Bass) durante uma patrulha na cidade. Eles são apaixonados um pelo outro, mas estão sempre medindo forças, naquele tipo de joguinho que conhecemos tão bem. Nesse episódio Sam baixa um pouco a guarda ao revelar um aspecto ruim de seu passado envolvendo seu pai, atualmente cumprindo pena em uma penitenciária de segurança máxima. McNally participa de tudo e fica também sabendo alguns segredos de Sam que ele preferia deixar nas sombras. Eles vão até a prisão em busca de informações pois um rapaz de Seattle é encontrado morto no porta malas de um carro e o crime parece ter ligações com um ex-condenado (agora nas ruas) que o pai de Sam conhece muito bem. Nada poderia ser mais constrangedor para um tira do que ter um pai no presídio cumprindo pena por assassinato. Coisas da vida. Conforme as investigações avançam todos os detetives vão chegando a conclusão de que há algo maior por trás, muito provavelmente um crime passional. Bom episódio, valorizado justamente pela reaproximação de McNally e Sam. "Rookie Blue" é bem quadradinha, sem novidades, mas como puro entretenimento funciona muito bem, não há como negar. Por essa razão, sigo acompanhando. / Rookie Blue 5.06 - Two Truths and a Lie (EUA, 2014) Direção: Peter Wellington / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma, Ben Bass.

Rookie Blue 5.07 - Deal with the Devil
Tudo começa com um dedo humano encontrado numa lata de lixo de um restaurante italiano em Seattle. Tudo leva a crer que é apenas parte de um crime maior. A região é controlada pela máfia da cidade, sempre envolvendo acerto de contas entre criminosos rivais. O dono de uma cantina na vizinhança também parece ter ligação com tudo o que aconteceu. Na outra linha narrativa a patrulheira Gail Peck (Charlotte Sullivan) tenta se acertar novamente com sua ex-namorada que trabalha como legista no departamento. Pode parecer estranho, mas entre corpos passando por autópsias elas vão tentando entender porque seu relacionamento não deu certo! Por fim, para encerrar o caso do jovem policial que foi reprovado nos testes por Andy McNally (Missy Peregrym) é finalmente marcada uma audiência administrativa da corporação para esclarecer realmente todos os fatos. Em um episódio anterior vimos que o jovem em treinamento simplesmente amarelou durante uma batida policial, deixando McNally sozinha para enfrentar um criminoso fortemente armado. Por ter sido considerado um covarde ele obviamente foi reprovado por ela. Só que o tal sujeito é também parente do comissário de polícia, então todos os pauzinhos são movidos para ele não ser demitido. Achou que apenas no Brasil havia corrupção e tráfico de influência em órgãos públicos? Pois é, no grande irmão do norte também acontece a mesma coisa. / Rookie Blue 5.07 - Deal with the Devil (EUA, 2014) Direção: David Wellington / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma, Charlotte Sullivan.

Rookie Blue 5.08 - Exit Strategy
Se "Outsiders" tenta ser ao menos diferente, "Rookie Blue" só almeja ser mais um enlatado policial americano. Isso não é algo necessariamente ruim, dependendo do que você anda procurando em termos de séries para assistir. Assim o que acaba segurando as pontas da série é o seu elenco, bem carismático. Nesse episódio aqui o policial Dov Epstein (Gregory Smith) finalmente descobre que seu velho parceiro, desde os tempos da academia de polícia, é um viciado em cocaína. Chris já vinha dando pistas disso, seja no olhar vidrado, seja no comportamento fora dos padrões. Pior do que um junkie é um junkie com armas e distintivo. Realmente uma situação mais do que delicada. O mote do episódio porém acontece quando os tiras encontram uma casa arrombada. A vizinhança os teria chamado após notar que o carro da família que lá morava estava há horas com as portas abertas em frente à casa. De fato, assim que os policiais entram no lugar encontram o caos, naquilo que parece ter sido um assalto convencional, mas que na verdade encobre algo mais, inclusive uma possível fraude envolvendo a falência da empresa familiar daquelas pessoas. Pois é, definitivamente não está fácil para ninguém... / Rookie Blue 5.08 - Exit Strategy (EUA, 2014) Direção: Jeff Woolnough / Roteiro: Tassie Cameron (created by), Morwyn Brebner / Elenco:  Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma.

Rookie Blue 5.09 - Moving Day
Dia de mudança ou melhor falando, dia de despejo. Os policiais de "Rookie Blue" precisam despejar um grupo de moradores pobres de apartamentos na periferia de Seattle. Algo que nenhum deles gosta de fazer pois o trabalho consiste basicamente em desalojar famílias pobres de suas casas. Quem gostaria de fazer um serviço desses? Mas enfim, ossos do ofício. Em um desses apartamentos eles descobrem dois jovens adolescentes morando sozinhos. São dois irmãos. A mãe foi embora, desapareceu, provavelmente por não ter mais como sustentar os próprios filhos. O garoto mais velho resolve então roubar bicicletas nas redondezas para ter dinheiro, caso contrário ficaria sem ter o que comer ao lado da irmã. Pois é, há muita pobreza também nos Estados Unidos, ao contrário do que muita gente pensa. Um drama social. Entre os desalojados são encontrados também brasileiros! Isso mesmo, imigrantes ilegais que foram para os Estados Unidos em busca de trabalho. Esse episódio se torna muito interessante justamente por essa razão. Os brasileiros falam um português de Portugal (acredita nisso?) e passam por apuros com a polícia da cidade. A personagem Chloe Price (interpretado pela atriz canadense de família brasileira Priscilla Faia) então começa a servir de intérprete pois ela fala nossa língua. O portunhol de Priscilla chega a ser hilário, mas temos que ao menos reconhecer seu esforço em passar um bom português na tela. Aliás os americanos em geral acham nossa língua mais parecida com o francês do que com o espanhol, bem ao contrário dos brasileiros que conseguem entender o que um espanhol fala, mas absolutamente nada do que um francês diz! Isso apesar de ser todas línguas latinas, mas enfim.... temos aqui um episódio muito bom e acima de tudo bem curioso para todos nós, brasileiros. / Rookie Blue 5.09 - Moving Day (EUA, 2014) Direção: Teresa Hannigan / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner/ Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma, Charlotte Sullivan.

Rookie Blue 5.10 - Fragments
Nesse episódio dois atentados a bomba acontecem nas ruas de Seattle. Terrorismo? Pelas investigações iniciais não seria esse o caso, mas sim uma disputa de território entre máfias formadas por imigrantes, uma de russos e outra de irlandeses. O clímax acontece quando o jovem tira Matt Murray (Duncan Moore) é amarrado na direção de um veículo com uma bomba relógio armada embaixo de seu acento. Essa cena me lembrou muito antigas séries dos anos 80 pois esse tipo de situação era bem comum naquela época nos roteiros. Dois fios, um pode explodir tudo, o outro serio o certo a se cortar. Provavelmente você já viu isso em centenas de filmes e seriados americanos. Sim, é uma situação até bem clichê. Quem banca o herói aqui é o cadete Nick Collins (Peter Mooney). Sem que haja tempo para a chegada do esquadrão antibombas ele precisa se virar, seguindo instruções pelo celular. Em dez minutos a bomba será detonada. Pois é, uma coisa antiga, mas que ainda funciona se você não for muito exigente e crítico. Na outra linha narrativa, focada mais na vida pessoal dos policiais, a gatinha Andy McNally (Missy Peregrym) recusa uma oferta do namorado Sam Swarek (Ben Bass). Ele quer dar a chave de seu apartamento para ela. Para McNally isso significa ir para um outro nível do relacionamento e ela definitivamente não quer nada sério pois é muito jovem e não quer afundar em um casamento precoce em sua vida. Garota esperta! / Rookie Blue 5.10 - Fragments (EUA, 2014) Direção: John Fawcett / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner/ Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma.

Rookie Blue 5.11 - Everlasting
Esse foi o último episódio da quinta temporada. Também é uma continuação do episódio anterior. Naquele havia um terrorista colocando bombas por toda a Seattle. O motivo? Seu filho havia morrido em um atentado no passado e ele queria se vingar da omissão da polícia que não havia conseguido prender o criminoso que havia feito aquele ato terrorista. Assim ele resolveu dar o troco com a mesma moeda. Um fato curioso nesse episódio é que ele traz a atriz Erin Karpluk como uma paquera do policial Nick Collins (Peter Mooney). Não lembra da Erin? Ela foi a protagonista da boa série canadense "Being Erica". Não se sabe se ela ainda se tornará fixa no elenco, mas de qualquer modo é sempre curioso ver sua presença nessa série policial. Outro destaque vem da explosão de uma bomba no setor de evidências do departamento de polícia, justamente quando Andy McNally (Missy Peregrym) estava por lá, o que leva Sam Swarek (Ben Bass) ao completo desespero! Será que uma das principais protagonistas morre, justamente no último episódio da temporada? Assista para conferir. / Rookie Blue 5.11 - Everlasting (EUA, 2014) Direção: David Wellington / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma, Ben Bass, Peter Mooney, Erin Karpluk.

Rookie Blue - Sexta Temporada:

Rookie Blue 6.02 - Perfect Family
Uma garota, adolescente, some de casa. Os pais imediatamente procuram a polícia. Depois de algumas buscas ela é encontrada. Estava escondida na casa do namorado. A questão é que a família dela tem uma educação extremamente tirana, proibindo a jovem de ir em bailes, de frequentar o cinema, de namorar, enfim de fazer coisas típicas das meninas de sua idade. O pai é um sujeito conservador, religioso e um tanto maluco. O próprio título do episódio dá a pista, pois ele procura ter uma família perfeita. O problema é que para isso acaba exagerando na dose da disciplina. Esse foi um episódio interessante, mas também maniqueísta. O pai da família tradicional é retratado praticamente como um lunático. Não era necessário fazer um estigma desses. Já no lado emocional dos policiais temos a tentativa por parte de Andy McNally em superar o fato de que Sam Swarek engravidou sua ex-namorada. Coisas da vida. / Rookie Blue 6.02 - Perfect Family (EUA, 2015) Direção: Eleanor Lindo / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma.

Rookie Blue 6.03 - Uprising
Até parecia uma missão banal. Levar duas prisioneiras para novos presídios, mas tudo acaba mal. Explode uma rebelião justamente quando os policiais estavam lá para pegar as detentas. Uma delas coloca uma faca no pescoço de Juliet Ward (Erin Karpluk) e tudo vira um caos completo! Amena apenas fica a situação de Gail Peck que acaba conhecendo uma prisioneira veterana, uma mãe que foi presa após matar o marido. O sujeito havia ficado embriagado, o cigarro caiu e a casa pegou fogo. Todos os filhos morreram no incêndio. Para se vingar a velha senhora resolveu matar o próprio marido, pegando prisão perpétua por isso. Por fim Sam descobre que sua filha, que ainda está para nascer, pode ter um problema em sua coluna, algo que pode se tornar perigoso. Bom episódio, embora as cenas na prisão não me tenham soado muito verídicas. As prisioneiras são bonitas demais para convencer como condenadas. Mesmo assim está valendo, principalmente na última cena quando a personagem de Erin Karpluk se revela finalmente como uma infiltrada dentro do departamento. Na verdade ela tem contatos com traficantes perigosos. / Rookie Blue 6.03 - Uprising (Estados Unidos, 2015) Direção: Gregory Smith / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma.

Rookie Blue 6.04 - Letting Go
Um lutador de MMA, preso por porte de drogas (anabolizantes, para ser mais preciso) foge da cadeia. Ele é levado para o hospital para tratar de um câncer no fígado e vê uma oportunidade de fuga de lá. Ele agride o médico, pega um bisturi e ganha as ruas. Inicialmente o departamento de polícia de Seattle pensa que ele está voltando para o apartamento de sua esposa (uma jovem que se correspondeu com ele enquanto estava preso e se casou com ele!), mas os tiras acabam descobrindo que há uma outra mulher em sua vida. Caberá a Dov Epstein e seu parceiro colocar o fugitivo de novo atrás das grades. Enquanto isso o oficial Nick Collins descobre o paradeiro do homem que anos atrás causou um acidente fatal que matou seus pais e deixou seu irmão mais velho paralítico em uma cadeira de rodas. Nick então arma uma armadilha para se vingar do tal sujeito que mesmo após todos aqueles anos ainda é um bêbado desgraçado. Quem acaba evitando que Nick cometa um grande erro em sua vida é sua parceira, a policial Juliet Ward, interpretada pela cada vez mais gata Erin Karpluk, sim ela mesma, da série Being Erica onde ela interpretava a protagonista. Para matar as saudades dessa série é claro. Por fim o comandante Oliver Shaw (Matt Gordon) fica numa saia justa ao saber que sua própria filha Izzy foi presa doidona com ecstasy numa festa de arromba. A garota não quer saber de ir para a universidade, causando todos os tipos de embaraços com o velho Oliver. Pois é, ser pai não é nada fácil. / Rookie Blue 6.04 - Letting Go (Estados Unidos, 2015) Direção: Steve DiMarco / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma, Matt Gordon, Erin Karpluk.

Rookie Blue 6.05 - A Real Gentleman
Um real cavalheiro? Será mesmo? Pois é justamente um stalker que cruza o caminho da investigadora Traci Nash. Ele faz uma falsa chamada para a detetive, dizendo ser um funcionário da escola onde seu filho estuda e simplesmente a sequestra no pátio escolar. Ninguém percebe na hora! O sujeito é mentalmente perturbado e leva a policial para o seu porão, onde começa um insano jogo psicológico. Para azar de Nash sua falta demorará a ser sentida por seus colegas, o que acaba colocando em risco sua vida. Na outra linha narrativa Chris Diaz se vê em apuros quando se torna alvo da esposa do próprio comissário! Uma situação no mínimo delicada. E os hormônios parece estar em alta dentro do distrito policial, uma vez que a novata na área Juliet Ward (Erin Karpluk) não resiste aos encantos de seu colega de farda e cai em cima, dando uns amassos em pleno estacionamento! Quem diria... Aqui temos um bom episódio, quase todo focado no sequestro de Nash. Por isso todas as demais subtramas são apenas sutilmente desenvolvidas. Mesmo assim pela tensão acaba valendo a pena. / Rookie Blue 6.05 - A Real Gentleman (Estados Unidos, 2015) Direção: Paul Fox / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner/ Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma.

Rookie Blue 6.06 - Home Run
Nossa! Nunca pensei que iria chegar tão longe em se tratando de "Rookie Blue", mas cá estou eu, chegando ao fim da sexta temporada (a última, exibida em 2015). Pois é, de forma em geral confesso gostar desse tipo de seriado policial americano enlatado. Esse episódio começa com os tiras do departamento organizando um amigável jogo de beisebol numa região barra pesada de Seattle, dominada por gangues de traficantes de drogas. É uma forma de ganhar a confiança dos moradores em geral. O que começa bem, com boas intenções, termina muito mal quando um sujeito chega atirando a esmo de dentro de um carro. Todas as suspeitas levam a pensar que o autor dos tiros foi um conhecido líder de gangue do bairro, mas será mesmo? Outra revelação vem do fato de que a tira Juliet Ward (Erin Karpluk) não é uma policial corrupta, como todos inicialmente pensavam, mas sim alguém infiltrado dentro do departamento pela corregedoria para investigar denúncias de corrupção policial dentro do distrito! E ela está de olho, quem diria, no Sargento Shaw! Por fim para as espectadoras românticas da série acontece finalmente o pedido de casamento de Sam Swarek (Ben Bass). Ele se ajoelha perante sua amada, a oficial Andy McNally (Missy Peregrym) e seguindo as regras a pede em casamento! Tudo bem bonitinho! / Rookie Blue 6.06 - Home Run (Estados Unidos, 2015) Direção: Gregory Smith / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner  / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma, entre outros.

Rookie Blue 6.07 - Best Man
Mesmo bem atrasado, pois a série foi cancelada em 2015, sigo em frente para o final dessa sexta temporada. Incrível pensar que assisti a seis temporadas de "Rookie Blue". Pois bem, vamos ao episódio. Aqui temos casos de crianças desaparecidas. Em determinado momento fiquei realmente pasmo ao ver como todo um departamento de polícia se concentra apenas na localização de crianças desaparecidos. Penso que tanto nos Estados Unidos como no Brasil não seria bem esse o caso, uma vez que as grandes cidades estão repletas de crimes de todos os tipos, assassinatos, tráficos de drogas, etc e seria meio impensável parar tudo para localizar apenas uma adolescente, que no final das contas pode simplesmente ter fugido de casa! Não me soou como algo muito real. No mais a subtrama envolvendo casos de corrupção do sargento Oliver Shaw (Matt Gordon) avança. O que deixa todos admirados (espectadores e demais personagens da série) é o fato de que Oliver sempre foi o sujeito mais boa praça do mundo, amigo dos companheiros de farda, bom pai, um cara muito legal! Como então alguém poderia acreditar que ele no fundo, debaixo de toda essa fachada, não passa de um tira corrupto? Um cara que usa sua farda e autoridade para ganhar dinheiro de forma ilegal? Pois é, o roteiro traz algumas surpresas sobre isso, principalmente em relação ao verdadeiro criminoso que atua dentro do distrito. Por fim há o romance água com açúcar envolvendo Andy McNally e Sam Swarek! Como a série é cheia de atores e atrizes bonitas, isso era mesmo de se esperar! Nesse episódio McNally perde seu anel de noivado, tentando esconder tudo do carcamano Sam! Coisas da vida... Enfim, esse é um episódio apenas OK. Nada demais, mostrando que a série andava mesmo esgotada em seus momentos finais. / Rookie Blue 6.07 - Best Man (Estados Unidos, 2015) Direção: Charles Officer / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma.

Rookie Blue 6.08 - Integrity Test
E corrupção policial parece ter se disseminado dentro da corporação. O próprio comissário de polícia está envolvendo até o pescoço da lama, tentando acobertar tudo, afinal ele seria incriminado por ter montado uma verdadeira organização criminosa dentro do departamento. Assim oferece um acordo com o sargento Shaw, com medo de tudo se espalhar sem controle. Os "rookies" (os novatos) então resolvem se unir para juntar provas contra o chefe corrupto. O detetive Steve Peck (Adam MacDonald) é um dos mais envolvidos para decepçaõ de sua namorada, Traci Nash (Enuka Okuma) que definitivamente dormia ao lado do inimigo, inocente, sem saber! Definitivamente ela não parece ter bom gosto para se relacionar com os homens certos!/ Rookie Blue 6.08 - Integrity Test (Estados Unidos, 2015) Direção: James Genn / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma.

Rookie Blue 6.09 - Ninety Degrees
O que poderia ser mais lucrativo do que vender drogas em um abrigo de recuperação para drogados? É esse o mote desse episódio. Um viciado em recuperação é encontrado morto no banheiro da instituição. Assim os policiais de "Rookie Blue" vão até lá investigar. O que encontram é uma ex-viciada, agora recuperada, que não quer nem saber - passa a vender drogas para seus ex-colegas de recuperação! Como se sabe o comércio de drogas é dos mais lucrativos e então vale tudo para faturar bem com os problemas dos outros. Na outra linha narrativa vão surgindo os primeiros problemas de relacionamento entre Andy e Sam Swarek. Ele engravidou outra policial e isso é mais do que um constrangimento para Andy que deseja se casar com ele. Pior, a policial grávida tem problemas e é justamente Andy que a ajuda! Saia justa azul marinho, da farda dos tiras de Seatlle. Pois é... / Rookie Blue 6.09 - Ninety Degrees (Estados Unidos, 2015) Direção: T.W. Peacocke / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma.

Rookie Blue 6.10 - Breaking Up the Band
Até pensei que era o episódio final da série, mas não é, embora poderia ser! Aqui o roteiro explora um festival de música para onde são enviados Andy McNally e Dov Epstein para deter a venda de ingressos por cambistas, mas uma vez chegando lá eles descobrem que na realidade há muita drogas circulando entre os jovens (entre elas a mais comum nesse tipo de ambiente de festa tecno, a ecstasy). Assim uma jovenzinha loirinha desmaia e entra em coma. Depois falece em razão do consumo da droga que havia ingerido. Um aspecto curioso desse episódio é que ele mostra que os próprios organizadores montam um verdadeiro setor, com camas, para jovens drogados! Pois é, pelo visto o abuso de drogas é algo tão comum que eles nem se importam mais em esconder. Enfim, um bom episódio, embora já reflita toda a saturação que a série vinha passando. / Rookie Blue 6.10 - Breaking Up the Band (Estados Unidos, 2015) Direção: James Genn / Roteiro: Tassie Cameron, Morwyn Brebner / Elenco: Missy Peregrym, Gregory Smith, Enuka Okuma.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Guia de Episódios - Homeland

Homeland - 3.12 - The Star
Episódio final da terceira temporada. Gosto muito de "Homeland" porém em minha visão acredito que a série aos poucos começa a se desgastar. Os episódios dessa temporada provam isso. Após tantos problemas a CIA usar novamente Nicholas Brody (Damian Lewis) para ir ao Irã como agente infiltrado me soou como algo muito forçado, completamente fora da realidade, ainda mais depois que Brody foi acusado de ter participado diretamente do atentado que jogou a sede da CIA pelos ares. Some-se a isso o fato de Saul Berenson (Mandy Patinkin) estar dando as últimas cartas como diretor e você entenderá que muito provavelmente a série entrará em uma verdadeira sinuca, encurralada sem ter para onde ir. De qualquer maneira esse episódio também demonstrou que os roteiristas vão procurar por novos caminhos daqui para frente pois um personagem essencial em "Homeland" deu adeus à série. Afinal de contas as próximas tramas não poderão mais girar apenas em torno dele. Por fim acredito que Claire Danes deve suavizar um pouco mais sua interpretação pois anda muito exagerada, a ponto de causar desconforto no espectador. Calma Claire, já percebemos que sua personagem Carrie Mathison tem problemas mentais e psicológicos, não precisa exagerar tanto!

Homeland 4.01 - The Drone Queen
Danos colaterais. É assim que as forças americanas denominam de modo em geral a morte de civis em ataques contra alvos importantes na luta contra o terror. E é justamente isso que ocorre com uma missão de ataque chefiada por Carrie Mathison (Claire Danes). Ela agora comanda uma unidade da CIA no Afeganistão. Seu objetivo é localizar os líderes terroristas que ainda estão vivos. Quando uma informação quente lhe chega em mãos, dando a localização de um infame jihadista, ela não pensa muito e dá ordens para que dois caças americanos F-15 bombardeiem o local. O que Carrie não sabia é que está sendo realizado um casamento na casa, com muitas mulheres e crianças presentes. Bomba no alvo e... danos colaterais. Dezenas de civis morrem no ataque. Tudo ficaria por isso mesmo se um jovem estudante de medicina sobrevivente das bombas americanas não colocasse cenas do casamento no Youtube. Óbvio que dando rosto às vítimas tudo se torna um grande escândalo na mídia e um sério problema de relações públicas para o governo americano. O título do episódio, "The Drone Queen", se refere a um apelido que Mathison ganha de sua equipe no bolo de seu aniversário. Ela coordena o ataque, mata civis e depois sem maiores problemas sopra as velinhas de seu bolo, sem culpas, receios ou sentimentos pelos que morreram. O tipo de comportamento que a CIA espera de seus agentes. / Homeland 4.01 - The Drone Queen (EUA, 2014) Direção: Lesli Linka Glatter / Roteiro: Alex Gansa, Howard Gordon / Elenco: Claire Danes, Rupert Friend, Nazanin Boniadi.

Homeland 4.02 - Trylon and Perisphere
Ser mãe e agente da CIA ao mesmo tempo pode ser um problema e tanto. É justamente isso que Carrie Mathison (Claire Danes) acaba descobrindo nesse episódio. Depois do desastroso bombardeio com drones numa festa de casamento no Afeganistão ela e sua agência estão na mira da imprensa internacional. O episódio anterior acabou com o linchamento pela população de um agente (ao que indica duplo) da CIA. Ele foi responsabilizado pelo ataque e pagou caro, muito caro por seus atos. No meio do furacão Carrie é então enviada de volta aos Estados Unidos, algo que ela não queria. O motivo? Voltar ao lar significa ter que lidar com seu filho, algo que ela não leva o menor jeito e para falar a verdade também não quer levar. O bebezinho está aos cuidados de sua irmã que inclusive já está perdendo a paciência, afinal de contas a decisão de ter um filho implica também assumir responsabilidades, algo que Carrie não deseja. Em um momento ao lado do garotinho ela inclusive confessa que o único motivo de sua existência era o amor que sentia por seu pai, algo que passou e ficou no passado. A cena mais perturbadora acontece quando Carrie está dando um banho na criança. Fica claro que vem uma ideia assustadora em sua cabeça - uma das melhores sequências dessa quarta temporada. É ver para crer! / Homeland 4.02 - Trylon and Perisphere (EUA, 2014) Direção: Keith Gordon / Roteiro: Alex Gansa, Howard Gordon / Elenco: Claire Danes, Rupert Friend, Nazanin Boniadi.

Homeland 4.03 - Shalwar Kameez
Pouca gente sabe, mas "Homeland" é baseada na série israelense "Prisoners of War", escrita e criada pelo roteirista e produtor Gideon Raff. De uma forma ou outra, conforme a temporada avança, o remake americano vai trilhando por caminhos próprios. A saga segue com novos personagens e tramas independentes da série original que lhe deu origem. Pois bem, aqui temos mais novidades surgindo. A agente da CIA Carrie Mathison (Claire Danes) tem tanta ojeriza em ser mãe que se viu até mesmo chantageando o diretor de sua agência para arranjar uma nova transferência para o Afeganistão, bem longe das obrigações maternais. Assim ela retorna ao front da guerra ao terrorismo internacional. Lá descobre que precisa também ter jogo de cintura com a nova embaixadora americana na região, uma mulher firme e dura, mas também justa em suas decisões. O quadro no Afeganistão não é dos melhores. Após o linchamento do agente Sandy, Carrie procura por pistas que possam levar aos verdadeiros culpados pelo crime. Uma imagem postada no Youtube parece trazer uma luz sobre isso. Nela um sujeito misterioso parece falar com alguém, como se estivesse coordenando o ataque. Ele se mostra a chave para desvendar esse cruel jogo de espionagem. Provavelmente seja um membro do serviço secreto do Paquistão, mas isso só será desvendado melhor com o tempo e isso Carrie parece ter de sobra. / Homeland 4.03 - Shalwar Kameez (EUA, 2014) Direção: Lesli Linka Glatter / Roteiro: Gideon Raff, Alex Gansa / Elenco: Claire Danes, Rupert Friend, Nazanin Boniad.

Homeland 4.04 - Iron in the Fire
Não há como escapar da conclusão de que "Homeland" já foi bem melhor antes. Nessa quarta temporada já vejo sinais claros de desgaste e saturação. Como vimos no primeiro episódio o estopim de tudo o que vem acontecendo foi o ataque de drones comandado por Carrie Mathison (Claire Danes) numa festa de casamento no Paquistão. Muitos civis morreram e o caso foi parar na imprensa, comprometendo publicamente a CIA. Depois disso um agente importante da agência americana de inteligência foi morto e agora Carrie reúne provas suficientes de que a inteligência Paquistanesa estaria envolvida no assassinato do agente Sandy. O único sobrevivente do ataque de drones pode ser uma chave na revelação desse mistério, mas o rapaz, que é estudante de medicina na universidade da cidade, parece estar envolvido com tráfico de remédios do hospital onde trabalha. Mais estranho do que isso, seu tio, o terrorista que deveria ter sido morto no ataque dos drones, parece estar vivo e atuante pelas ruas! A trama não traz maiores atrativos em minha opinião. O pior mesmo vem da cena final quando Carrie toma uma atitude que sinceramente seria motivo suficiente para sua demissão sumária da CIA. Além dessa cena ter sido muito forçada e gratuita, não consegui mesmo encontrar qualquer justificativa para ela. Talvez nos próximos episódios isso venha a se tornar mais claro... quem sabe! Por enquanto a solução encontrada pelos roteiristas definitivamente não me agradou. / Homeland 4.04 - Iron in the Fire (EUA, 2014) Direção: Michael Offer / Roteiro: Alex Gansa, Howard Gordon / Elenco: Claire Danes, Rupert Friend, Nazanin Boniadi.

Homeland 4.05 - About a Boy
Sinceramente tenho considerado essa quarta temporada de "Homeland" como a pior até agora. Parece que os roteiristas estão sem ideias novas. De todas as novidades da trama a pior é o envolvimento sexual da agente do FBI Carrie Mathison (Claire Danes) com um jovem paquistanês que teria escapado de um ataque de drones ordenado por ela própria. O garoto é sobrinho de um terrorista procurado que provavelmente não tenha morrido no ataque como supõe a agência de inteligência americana. As cenas de Carrie com o rapaz são tão absurdas como inverossímeis, tanto do ponto de vista dela como dele. Não há razão para algo assim, mesmo que Carrie seja completamente desequilibrada em vários momentos da série. Considerei tudo apelativo demais, uma tentativa descarada de levantar a audiência da série nos Estados Unidos (pois de fato "Homeland" perdeu muitos espectadores nos últimos anos). O personagem de Saul Berenson (Mandy Patinkin) que também era uma das melhores coisas da série foi colocado para escanteio, revelando outro erro dos roteiristas. Nesse episódio surge uma promessa que ele volte a ter a importância de antes, principalmente quando se vê cercado por agentes secretos do Paquistão em um aeroporto. Por fim enquanto Carrie se vê envolvida em seu love affair juvenil a CIA acaba perdendo ótimas oportunidades de capturar terroristas perigosos porque ela afinal está na cama com seu novo casinho! Convenhamos, é muita bobagem mesmo. Espero que "Homeland" melhore daqui em diante. / Homeland 4.05 - About a Boy (EUA, 2014) Direção: Charlotte Sieling / Roteiro: Gideon Raff, Alex Gansa / Elenco: Claire Danes, Rupert Friend, Nazanin Boniadi.

Homeland 4.06 - From A to B and Back Again
Essa quarta temporada vinha se arrastando há tempos, mas finalmente surgiu um bom episódio. É foi justamente esse! Como se sabe a agente Carrie Mathison (Claire Danes) quer descobrir o paradeiro de um perigoso jihadista paquistanês que erroneamente havia sido dado como morto após o ataque de um drone numa festa de casamento. Nesse episódio finalmente seu sobrinho (com o qual Carrie precisou se relacionar para ganhar sua confiança) confirma que o tio está vivo e escondido. Carrie então arma um verdadeiro teatro para: a) convencer o jovem que ela foi brutalmente sequestrada e agredida por membros da agência de inteligência do Paquistão e b) levar o rapaz a finalmente ir atrás do seu tio nas montanhas em busca de proteção. Uma armadilha muito bem bolada que me fez lembrar dos bons tempos da série (em sua primeira e segunda temporadas). Pois bem, o plano de Carrie dá muito certo, o tio e o sobrinho finalmente se encontram no meio do deserto enquanto a CIA observa tudo através de um drone. Quando ela está prestes a autorizar o bombardeio surge de dentro de um dos carros ele mesmo, Saul (Mandy Patinkin), o ex-diretor da CIA que havia desaparecido desde que foi capturado no aeroporto quando tentava voltar para os Estados Unidos. O jogo assim vira mais uma vez, só que para o lado dos fundamentalistas islâmicos. Dessa quarta temporada, como já frisei, é seguramente o melhor episódio, com todas as doses certas de suspense e tensão. Muito bom, excelente na verdade. "Homeland" prova assim que ainda tem fôlego para seguir em frente. / Homeland 4.06 - From A to B and Back Again (EUA, 2014) Direção: Lesli Linka Glatter / Roteiro:  Gideon Raff, Alex Gansa / Elenco: Claire Danes, Rupert Friend, Nazanin Boniadi.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Guia de Episódios - Chicago PD Distrito 21 - Segunda e Terceira temporadas

Chicago PD - Segunda Temporada:

Chicago PD 2.02 - Get My Cigarettes
Vários estelionatários do mesmo bairro onde cresceu Hank Voight (Jason Beghe) estão sendo assassinados. Durante as investigações os policiais descobrem que a autoria de todas as mortes parecem pertencer a uma só pessoa, que deixa sua marca registrada em cada morte, colocando uma nota de um dólar sobre os corpos. Uma das vítimas inclusive foi amigo de infância de Voight que por essa razão resolve se empenhar ainda mais em descobrir o verdadeiro assassino. O problema é que ao ter que voltar para seu bairro de origem, Voight também precisará desenterrar velhos fantasmas de seu passado. Depois de circular pelos becos da região ele acaba descobrindo que o trio que foi encontrado morto estava extorquindo uma família de boas pessoas que mora nas redondezas. Acontece que o filho mais velho do casal era um estudante da academia militar, um jovem que apesar de pouca idade não deixaria seus pais passar por aquele verdadeiro terror sem tentar ao menos impor lei e ordem por suas próprias mãos. Enquanto isso o tenente Jay Halstead (Jesse Lee Soffer) descobre da pior maneira possível os perigos de se viver com a cabeça colocada à prêmio pela criminalidade de Chicago. Após matar um importante criminoso da cidade ele acaba virando alvo de gangues, todas querendo colocar as mãos no prêmio dado a quem acertar contas com ele. Salve-se quem puder! / Chicago PD 2.02 - Get My Cigarettes (EUA, 2014) Direção: Arthur W. Forney / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas / Elenco: Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush, Jesse Lee Soffer.

Chicago PD 2.03 - The Weigh Station
Como mera informação é bom saber que a série finalmente ganhou seu título nacional e se chamará na TV aberta brasileira "Chicago P.D. Distrito 21". Eu particularmente achei horrível, mas enfim, nossas distribuidoras nunca tiveram mesmo um grande talento para esse tipo de coisa. Deveria ter se mantido apenas o nome original mesmo. Nesse episódio Hank Voight (na ótima interpretação do ator Jason Beghe) precisa neutralizar uma ameaça contra seu grupo, sua equipe. Há um assassino profissional nas ruas, um sujeito muito eficiente que acaba sendo contratado para liquidar o policial que matou o irmão de um dos chefões do crime organizado de Chicago. Todos porém sabem que Voight é durão o suficiente para chamar a responsabilidade para si, enfrentando os criminosos de frente pelas ruas mais empobrecidas e abandonadas da grande cidade. Nesse episódio os roteiristas priorizaram a ação, mas sem esquecer de também desenvolver um pouco mais os personagens do grupo de Voight, com especial dedicação em cima da oficial Erin Lindsay (Sophia Bush). Ela tem um passado problemático, uma mãe de que definitivamente não gosta e um casamento familiar que precisará ir, mesmo tendo todas as razões do mundo para não dar as caras por lá. Então é isso, o que temos aqui é uma série policial até convencional, bem nos padrões do mainstream mais comercial da TV americana, mas que acaba se destacando por causa dos personagens carismáticos, em especial Voight, que é uma das grandes razões de se continuar a acompanhar "Distrito 21"... ou melhor dizendo "Chicago PD". / Chicago PD 2.03 - The Weigh Station (EUA, 2014) Direção: Nick Gomez / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas / Elenco: Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush.

Chicago PD 2.04 - Chicken, Dynamite, Chainsaw
A filha de um vereador de Chicago desaparece junto de sua amiga. Pela lei americana uma pessoa só é considerada desaparecida após 24 horas de sua última notícia. Isso porém não é levado em conta pelo político que exige que a equipe de Hank Voight (Jason Beghe) vá imediatamente para as ruas em busca da garota. Mesmo contrariado, Voight vai atrás de pistas. Afinal de contas ter um vereador lhe devendo favores pode ser muito útil no futuro. Acaba descobrindo que situação é mais séria do que ele imaginava. O motorista que levava as jovens para casa é encontrado amordaçado em uma região distante, no meio do mato. No banco de trás do carro há muito sangue e sinais de violência. A investigação então segue em frente e Voight e os membros de sua equipe descobrem que o pai da amiga da filha do vereador envolveu-se com o crime organizado no passado e muito provavelmente o sequestro delas seja na verdade um mero acerto de contas entre criminosos. Um ex-desafeto do sujeito está de volta às ruas, após ficar dez anos preso cumprindo uma pena de assalto a mão armada e quer a desforra por ter ficado tantos anos atrás das grades. Péssimas notícias, pois agora tudo se transforma em uma questão de vida ou morte pelas ruas de Chicago. Um bom episódio, mantendo a linha dessa boa série policial. Voight tem até mesmo um momento bem "humano" já que descobre que a namorada de seu filho está grávida e isso o deixa ao mesmo tempo surpreso, mas feliz! Quem diria que o durão Voight na verdade se derreteria todo ao saber que pode se tornar avô! Pois é, pelo visto os brutos também amam... / Chicago PD 2.04 - Chicken, Dynamite, Chainsaw (EUA, 2014) Direção: Reza Tabrizi / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas / Elenco: Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush.

Chicago PD 2.05 - An Honest Woman
Hank Voight (Jason Beghe) descobre para sua surpresa que será avô! De repente o antes durão tira começa até mesmo a ter gestos carinhosos com sua futura nora, a mãe de seu neto. Ela está grávida e Hank se oferece para lhe ajudar em tudo o que for necessário. Para sua completa surpresa ele acaba também se tornando vítima de um roubo em sua própria casa. Dois caras mascarados conseguem entrar em sua residência e rendem Voight e sua nora. Após ameaçar matar a garota por sufocamento com um saco plástico, Voight finalmente abre o jogo mostrando para os criminosos onde se encontra o cofre que está com todo o seu dinheiro - uma quantia inclusive de origem duvidosa por causa de certas "negociações" que Hank faz pelas ruas de Chicago com criminosos e membros de gangues. Os bandidos conseguem a grana, mas são surpreendidos pela chegada da polícia. Agora libertado, Hank está furioso e promete se vingar - algo que custará caro para os malandros. A cena final se passa no porto de boats de Chicago, uma ótima sequência com muita tensão e ação. No fundo Hank nem estava tão preocupado em recuperar o dinheiro, mas sim em ter de volta o anel de sua esposa que ele pretendia dar de presente para seu filho pedir a mão da garota que está grávida dele. Quem poderia dizer que Voight tinha tantos sentimentos assim, não é mesmo? / Chicago PD 2.05 - An Honest Woman (EUA, 2014) Direção: Mark Tinker / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas / Elenco: Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush.

Chicago PD 2.07 - They'll Have to Go Through Me
O tema desse episódio é a pedofilia. Um infame pedófilo é morto numa cama de hospital e tudo leva a crer que se trata de um crime para encobrir os rastros de outros envolvidos, uma queima de arquivo típica. Durante as investigações o detetive Hank Voight (Jason Beghe) acaba descobrindo que todos estão na verdade apenas diante da ponta do iceberg, pois há algo muito maior, uma verdadeira rede de pedofilia envolvendo pessoas influentes e importantes na sociedade da cidade, contando inclusive com o envolvimento do próprio diretor do conselho tutelar de Chicago - um verdadeiro absurdo! Para descobrir mais envolvidos a investigação acaba contando também com a preciosa colaboração do irmão da detetive Erin Lindsay (Sophia Bush), um rapaz homossexual que teria se tornado vítima desse grupo pedófilo no passado. Será no final das contas ele que identificará os principais envolvidos nesse crime hediondo, apesar dos inúmeros traumas que envolvem recordar algo assim tão doloroso. A série Chicago PD vai seguindo em frente cada vez melhor, só falta um pouco mais de coragem de seus roteiristas ao encararem uma linguagem mais ousada e menos convencional. Potencial certamente existe. / Chicago PD 2.07 - They'll Have to Go Through Me (EUA, 2014) Direção: Sanford Bookstaver / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas / Elenco: Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush.

Chicago PD 2.08 - Assignment of the Year
Não são apenas os policiais brasileiros que precisam fazer bicos para reforçar o ganho mensal. Nos Estados Unidos isso também é bem comum, embora seja, tanto lá como aqui, algo ilegal. Para Antonio Dawson (Jon Seda) a situação é bem pior porque afinal de contas ele está enfrentando um divórcio custoso e caro. Assim ele acaba pegando um bico como segurança de um empresário figurão que o contrata para cuidar da sua esposa. O problema é que o tal sujeito não é bem um homem de negócios, mas sim um traficante de diamantes, o que torna o serviço ainda mais perigoso. Durante uma parada em um posto de gasolina ele acaba sendo morto em uma emboscada, o que complica tudo, não apenas em relação ao crime em si, mas o próprio departamento de polícia por haver um policial trabalhando ilegalmente para um criminoso. Hank Voight (Jason Beghe) então entra em campo para evitar perder um dos melhores membros de sua equipe. Quem o conhece sabe muito bem que ele definitivamente não deixará barato. / Chicago PD 2.08 - Assignment of the Year (EUA, 2014) Direção: Nick Gomez / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas / Elenco:  Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush.

Chicago PD 2.09 - Called in Dead
Ultimamente tenho curtido muito mais acompanhar "Chicago PD" do que "Chicago Fire" sendo que uma nasceu da outra. Pelo visto a criatura anda superando a criadora, mas enfim... Nesse episódio o grupo comandado por Hank Voight (Jason Beghe) participa de uma operação ousada. Eles se disfarçam de criminosos, entram em um laboratório de refinamento de cocaína e roubam toda a carga! O objetivo é causar uma verdadeira guerra dentro do mundo do crime, usando do velho lema que diz: "Dividir para conquistar". Uma vez que as gangues de traficantes entrem em guerra, acabarão ficando fragilizadas com o conflito e o acerto de contas, facilitando assim o serviço para colocar todos os seus membros atrás das grades. Um serviço de inteligência do departamento de Chicago visando fragilizar os principais grupos criminosos da cidade. No pano de fundo narrativo temos também a complicada decisão que precisa tomar a agente Erin Lindsay (Sophia Bush). Ela é convidada para fazer parte do DEA (Drug Enforcement Administration), a agência federal do governo americano que combate o tráfico internacional de drogas. Ela aceitará o convite, deixando os antigos companheiros de lado? Para Voight essa é uma decisão bem pessoal e seja qual for o caminho escolhido por ela, terá o seu total apoio. / Chicago PD 2.09 - Called in Dead (EUA, 2014) Direção: Alik Sakharov / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas / Elenco: Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush.

Chicago PD 2.10 - Shouldn't Have Been Alone
Hank Voight (Jason Beghe) e sua equipe precisam enfrentar um tipo incomum de criminoso, um sujeito especialista em armadilhas. Dentro de casas e apartamentos em Chicago ele arma verdadeiras arapucas mortais, com pistolas e artefatos explosivos espalhados por todos os lugares. A menor distração pode ser o fim para qualquer policial que resolva entrar nesses lugares. As investigações logo apontam para um jovem, um ex-estudante universitário com muitos problemas emocionais. Com histórico familiar caótico, órfão desde a infância, ele encontra na figura de um professor da universidade tudo aquilo que esperava. O mestre se torna assim seu mentor e principal figura paterna. O problema é que com pessoas obcecadas o menor deslize, um pequeno passo em falso, pode desencadear uma reação fora do normal, desproporcional e violenta. É justamente o que ocorre aqui. Sentindo que o professor não corresponde às suas expectativas o rapaz começa a se vingar dele e todos os que lhe são próximos, armando essas emboscadas mortais pela cidade. Caberá a Voight e a aos membros de seu time encontrar e prender o perturbado estudante. A série "Chicago PD" se mantém interessante por causa do personagem do policial Voight. Ele surgiu em Chicago Fire como um tira corrupto que ameaçava um dos bombeiros e acabou chamando tanta atenção que ganhou sua própria série, que curiosamente vem tendo mais audiência do que o seriado de onde proveio. Prova que ainda não se esgotou o velho filão de séries policiais americanas, mesmo quando elas nem são tão inovadoras como era de se esperar. / Chicago PD 2.10 - Shouldn't Have Been Alone (EUA, 2015) Direção: Fred Berner / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas / Elenco: Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush.

Chicago PD 2.12 - Disco Bob
Já que estamos falando de séries policiais... "Chicago PD" é bem mais mainstream. Mesmo assim vale a pena acompanhar. É uma daquelas séries policiais que são exibidas na TV aberta dos Estados Unidos. Na verdade é um Spin-off de "Chicago Fire" que deu certo e se tornou ainda mais interessante do que a série que lhe deu origem. Os episódios acompanham casos envolvendo o departamento de inteligência da polícia de Chicago. Liderando o grupo temos Hank Voight (Jason Beghe), um tira ao mesmo tempo competente, mas também de um passado sujo, um "Dirty Cop", como os americanos gostam de chamar. Voight é durão, da velha escola, e não está muito preocupado em seguir as regras. Nesse episódio uma família inteira é encontrada morta em sua casa. Apenas o pai e o filho caçula não são encontrados na cena do crime o que leva imediatamente Voight a suspeitar do tal sujeito. Para piorar ninguém consegue encontrá-lo. Provavelmente ele matou a todos por causa do seguro de vida milionário e depois desapareceu com a criança. Um assassinato coletivo seguido de sequestro. As coisas porém não parecem ser tão óbvias. Como se trata de um protocolo de investigação a polícia começa a ouvir todos os possíveis envolvidos, desde vizinhos, familiares e até o namorado adolescente de uma das garotas que foram mortas e aí surge definitivamente uma pista essencial para a solução do crime. Além dessa intensa investigação nesse episódio temos a volta de Erin Lindsay para a equipe. Ela tinha deixado o grupo para se juntar a uma divisão especializada de elite. Uma vez lá porém ela se decepcionou completamente com o que encontrou: muita politicagem e até mesmo assédio moral e sexual por parte de seus superiores. Vendo que aquilo não era nada do que pensava resolve pedir a Voight sua reintegração ao seu velho departamento. Essa atriz Sophia Bush que interpreta Erin é bem talentosa, além de ser uma gatinha. Aquele tipo de mulher que consegue unir sensualidade com um jeito mais durão de ser, algo que acaba se tornando bem sensual para certos homens. Os roteiristas, que não são bobos nem nada, perceberam isso e já colocaram um romance no meio do caminho de sua personagem com o detetive Jay Halstead (interpretado pelo ator Jesse Lee Soffer, que mais parece um modelo do que um policial de verdade!). Pois é, vale tudo pela audiência, meus caros. / Chicago PD 2.12 - Disco Bob (EUA, 2015) Direção: Holly Dale / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas/ Elenco: Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush, Jesse Lee Soffer.

Chicago PD 2.14 - Erin's Mom
Essa série policial é aquele tipo de enlatado americano que diverte bastante, por essa razão estou sempre vendo novos episódios. O grande atrativo vem do personagem interpretado por Jason Beghe, o veterano policial Hank Voight. Ele foge daquele modelo de policial bonzinho que já está saturado em séries. Hank não se importa em ultrapassar certos limites legais para chegar em um objetivo que ele entenda justo. Aqui, como bem entrega o nome do episódio, as atenções se voltam para a mãe da policial Erin Lindsay (Sophia Bush). Apesar da idade ela continua com seu estilo 171 de ser. Ela parece sempre estar envolvida em picaretagens. Trabalhando em uma empresa de transporte resolve procurar a filha para denunciar um esquema de recolhimento de dinheiro roubado. Os próprios caminhões da empresa estariam sendo usados para esse fim. As investigações acabam levando a dois irmãos, com extensa ficha policial. Hank consegue colocar as mãos em um deles, mas o outro consegue escapar. Após a morte de toda uma família sequestrada pelo criminoso (eles são jogados em um lago congelado da cidade) Hank toma para si a responsabilidade de acabar com a raça do marginal, o que acabará gerando inúmeros problemas adicionais para ele e sua equipe. O mais curioso desse episódio é que os roteiristas resolveram sugerir um laço de parentesco entre Hank e Erin (ele seria seu pai na verdade). Isso fica mais ou menos claro quando Hank encontra a mãe de Erin para dizer que ela se afaste da filha. O mais curioso é que pela atitude demonstrada por Erin ela provavelmente já saberia de tudo! Que coisa... / Chicago PD 2.14 - Erin's Mom (EUA, 2015) Direção: Mark Tinker / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas / Elenco:  Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush.

Chicago PD 2.15 - What Do You Do
Um episódio diferente, todo centrado nos policiais Roman e Burgess, que passam longe de serem protagonistas da série. Tudo começa quando Burgess (Marina Squerciati) avista um sujeito armado entrando dentro de um depósito bem em frente ao local onde ela deu uma parada para o lanche com seu parceiro Sean Roman (Brian Geraghty). O que parece ser apenas uma vistoria de rotina acaba se transformando no inferno na terra quando ela é rendida por um criminoso armado e levado para dentro do armazém junto a seu parceiro. Como reféns eles precisam sobreviver, porém isso passa longe de ser algo fácil já que Roman tenta reagir e acaba baleado. Os criminosos são jovens negros inexperientes no mundo do crime o que torna tudo ainda mais complicado. O episódio inteiro se baseia nessa disputa psicológica entre policiais e criminosos, a maioria deles membros de gangs envolvidos em um negócio da pesada envolvendo contrabando de mercadorias e tráfico de drogas. Eu particularmente gostei bastante desse episódio porque afinal de contas ele desenvolveu muito bem toda a tensão e a violência envolvidas nesse tipo de situação limite. Dessa vez os roteiristas resolveram centrar a atenção mais na dupla de tiras do que na equipe de Hank Voight (Jason Beghe), algo que acertaram em cheio já que é sempre bom mudar um pouco as coisas, fugindo do lugar comum, do arroz com feijão. Excelente episódio, imperdível. / Chicago PD 2.15 - What Do You Do (EUA, 2015) Direção:  Nick Gomez / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas / Elenco: Marina Squerciati, Brian Geraghty, Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush.

Chicago PD 2.16 - What Puts You on That Ledge
Mais um bom episódio dessa série policial que nasceu como spin off de "Chicago Fire" e hoje se destaca em audiência e boas críticas na TV americana. Nesse roteiro o policial Antonio Dawson (Jon Seda) é enviado como infiltrado do departamento em um grupo de traficantes de drogas. Ele precisa descobrir o que eles estariam tramando. Acaba descobrindo que a quadrilha pretende roubar um grande carregamento de Oxy, usado para fabricar a droga de mesmo nome, muito popular entre jovens americanos (o país se notabiliza por ser o maior consumidor de drogas do mundo). Já Hank Voight (Jason Beghe) começa a ficar irritado ao perceber que dois subordinados de sua equipe estão apaixonados. Isso é bem pessoal já que tudo leva a crer que Voight seria o pai desconhecido de Erin Lindsay (Sophia Bush), justamente a policial que estaria caindo de amores pelo colega do departamento! Por fim, na última linha narrativa, a jovem tira Kim Burgess (Marina Squerciati) e seu parceiro são chamados para resolver um atrito que parece banal, onde um sujeito que se apossou do apartamento de um casal, se recusando a sair de lá de todas as maneiras. Só depois irá se descobrir que ele realmente tem um sinistro segredo para esconder. Literalmente um esqueleto no armário (ou quase isso). / Chicago PD - 2.16 - What Puts You on That Ledge (EUA, 2014) Direção: Fred Berner / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas / Elenco: Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush.

Chicago PD 2.17 - Say Her Real Name
O tema desse episódio é sobre o radicalismo político. Nos Estados Unidos esses tipos de grupos radicais são bem comuns, sejam eles formados por ecologistas xiitas, radicais de direita ou terroristas de esquerda. Para entender as entranhas desse tipo de movimento radical o policial Hank Voight (Jason Beghe) e seus subordinados se infiltram dentro dessas organizações clandestinas. A situação fica ainda mais sensível após a divulgação de que um importante encontro de políticos internacionais será sediado justamente em Chicago. Prato cheio para essa gente, sempre disposta a implantar algum evento de impacto na mídia. Depois que uma jovem é jogada do alto de um prédio todos pensam estar diante de um suicídio comum, porém um dos agentes de Voight a reconhece, pois ela seria membro de um dos grupos investigados. Após algumas investigações a polícia de Chicago passa a entender que ela na verdade teria sido jogada do alto do edifício por um diplomata argentino. Voight obviamente pensa que há algo mais por trás de tudo (e realmente há!). Bom episódio que tenta explorar o radicalismo que sempre atrai muitos jovens, até mesmo dentro dos Estados Unidos. Não há como esconder que os jovens em geral são radicais por natureza e quando encontram alguma causa interessante pela frente unem essa característica pessoal, própria da idade, com atos impensados e imprudentes. Daí se forma a tempestade perfeita, com sérias consequências para toda a sociedade. / Chicago PD 2.17 - Say Her Real Name (EUA, 2014) Direção: Nick Gomez / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas / Elenco: Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush.

Chicago PD 2.18 - Get Back to Even
Aos poucos estou chegando ao fim da segunda temporada de Chicago PD (chamada no Brasil de Distrito 21). Pois bem, esse episódio começa quando um caminhão perde o controle e vira numa via expressa de Chicago. Poderia ser um acidente comum, porém dentro da carga com supostas latas de molho de tomate se encontra um grande contrabando de heroína (uma das drogas mais caras e populares dos Estados Unidos). Como se isso não fosse o bastante duas pessoas foram executadas logo após o tombamento do veículo. Um jovem negro chamado Charlie parece ter todas as respostas sobre quem seria o chefe daquela operação e quem teria cometido os assassinatos. O problema é que esse rapaz é um protegido do detetive Hank Voight (Jason Beghe). Ele é sobrinho de uma antiga informante de Voight e esse parece ter tido ao longo dos anos um cuidado especial com ele, para que não entrasse no mundo crime. Pelo visto uma batalha perdida. O roteiro desse episódio tenta desenvolver um lado mais humano de Voight, personagem que se notabilizou na série por ser casca grossa e durão. Pelo visto ele também tem uma notável preocupação social com os jovens do gueto, os mais propensos a entrarem de cara com o submundo das drogas e dos assaltos. Uma triste realidade das grandes cidades, infestadas de gangues. / Chicago PD 2.18 - Get Back to Even (EUA, 2015) Direção: Jann Turner / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas/ Elenco: Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush.

Chicago PD 2.19 - The Three Gs
Várias garotas chinesas são encontradas mortas em um velho armazém abandonado. Elas estavam acorrentadas e muito provavelmente foram vítimas de tráfico humano, um crime que tem aumentado consideravelmente nos últimos anos. O principal suspeito é um imigrante chinês, líder de quadrilha, chamado Dennis Lee. Há muito tempo que a polícia de Chicago tem procurado colocar as mãos em Lee, mas ele sempre consegue desaparecer entre as sombras. O crime bárbaro porém convence Hank Voight (Jason Beghe) que não há mais como ele continuar solto, andando pelas ruas da cidade. Assim uma grande operação é formada justamente para que sua captura finalmente vire uma realidade. Na outra linha narrativa o policial Sean Roman (Brian Geraghty) fica desesperado quando uma garotinha é baleada durante uma troca de tiros entre bandidos e policiais. Ele tenta levar a menina para a viatura, mas é impedido por outros policiais pois isso seria proibido pelo regimento da corporação. O correto seria esperar pela chegada dos paramédicos. O impasse acaba terminando em briga e Sean termina tendo que enfrentar um inquérito na corregedoria. Afinal, quem teria razão nessa situação? Mais um bom episódio de Chicago PD, dessa vez explorando o terrível crime de tráfico de pessoas que só tem aumentado em decorrência de guerras (o caso dos refugiados da Síria é um exemplo) e miséria. Como sempre o alvo acaba sendo aquela parte da população mais desesperada por um futuro melhor que acaba topando qualquer coisa para ir embora para países mais desenvolvidos economicamente. Uma tragédia humana, tão comum em nossos dias. / Chicago PD 2.19 - The Three Gs (EUA, 2015) Direção: Sanford Bookstaver / Roteiro: Michael Brand, Derek Haas / Elenco: Jason Beghe, Jon Seda, Sophia BushBrian Geraghty.

Chicago PD 2.21 - There's My Girl
Uma bomba caseira utilizando uma panela de pressão explode no subúrbio de Chicago. Inicialmente o departamento de inteligência comandado por Hank Voight (Jason Beghe) pensa ser uma guerra de gangues impulsionados por extorsão a comerciantes locais. Depois o foco da investigação muda, fazendo com que Voight pense que o verdadeiro autor do crime seria um especulador imobiliário de olho nas casas daquele bairro. Como os roteiros não costumam cair em soluções óbvias tudo muda quase no último ato, quando se descobre que o dono de uma lanchonete ali por perto onde houve a explosão já havia sido investigado no passado, acusado de ter matado a própria mulher, visando ficar com uma pequena fortuna paga pelo seguro de vida. Basta agora apenas juntar todas as peças para se chegar à solução desse quebra-cabeças. Nesse episódio há também um fato curioso quando um dos membros da equipe de Voight esquece por engano uma lata de refrigerante na sala de depoimentos da delegacia. O criminoso a usa para cortar seus próprios pulsos, o que acaba causando um grande problema legal para sua equipe. Sem outra alternativa Voight resolve afastar seu subordinado. / Chicago PD 2.21 - There's My Girl (EUA, 2015) Direção: Mark Tinker / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas  / Elenco: Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush.

Chicago PD 2.22 - Push the Pain Away
Pois é, não é o Brasil, mas ocorre uma chacina em Chicago. Um grupo de quatro homens fortemente armados entra em uma academia. Seus alvos humanos são sumariamente executados na quadra de squash. Pela gravidade do crime a inteligência da polícia da cidade, comandada pelo sargento Voight (Beghe) é indicada pelo comissário para investigar e solucionar o mistério. As primeiras pistas deixam claro que houve um acerto de contas. Todos os mortos são advogados, membros de um escritório que defendeu (e venceu) uma causa em prol de uma empresa acusada de poluir com resíduos tóxicos uma grande área nos arredores da cidade. É o fim da inocência para muitos. Após juntar mais alguns elementos Voight finalmente chega nos culpados, na verdade são todos da mesma família. A pequena garotinha morta por causa de intoxicação química causada por essa mesma empresa é parente de todos eles. Já que a justiça falhou em punir os culpados eles partem para a vingança, para o olho por olho, dente por dente. Um bom episódio com um tema bem interessante que fará você pensar por um ou dois minutos nas razões daqueles criminosos. Há realmente algum crime que seja plenamente justificado? Assista e tire suas próprias conclusões. / Direção: Sanford Bookstaver / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas/ Elenco: Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush.

Chicago PD 2.23 - Born Into Bad News
Último episódio da segunda temporada de Chicago PD. Aqui as coisas começam a sair do controle quando policiais de um outro departamento invadem o território de Hank Voight (Jason Beghe) na cidade. Tudo poderia se resumir a um mero conflito de jurisdição se os tiras do outro lado da cidade não estivessem roubando traficantes de drogas daquela região. Além de estarem onde não deveriam estar ainda cometem crimes na cara dura, em plena luz do dia. Algo que definitivamente Hank não aceitaria. Começa então uma verdadeira rixa entre policiais.Como Voight é muito mais experiente nesses assuntos acaba armando uma bela armadilha para enquadrar os tiras sujos que cruzaram a linha. Enquanto o sargento vai colocando ordem na casa - ou melhor dizendo, nas ruas de Chicago - sua filha Erin Lindsay (Sophia Bush) decide abandonar a carreira policial. Ela ainda não conseguiu superar velhos traumas. Eu sempre que posso afirmo: "Chicago PD" é uma das melhores séries policiais atualmente da TV americana. De certo modo ela me lembra de antigos seriados de tiras dos anos 70, um tipo de programa bem mais realista, pé no chão, onde o personagem principal - o sargento durão e veterano Hank - passa longe de ser um mocinho inofensivo. Uma ótima opção para quem curte esse tipo de série policial Made in USA. / Chicago PD 2.23 - Born Into Bad News (EUA, 2015) Direção: Mark Tinker / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas / Elenco: Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush, Patrick John Flueger.

Chicago PD - Terceira Temporada:

Chicago PD 3.05 - Climbing Into Bed
Nos Estados Unidos esse episódio acabou sendo exibido em conjunto com o seguinte, intitulado "You Never Know Who's Who", em uma noite especial do canal para a série "Chicago PD". É a tal coisa, a série policial estrelada pelo sargento Hank Voight foi crescendo cada vez mais de audiência e agora é um sucesso (já está na quarta temporada em exibição). Nesse episódio aqui o detetive Adam Ruzek (Patrick John Flueger) resolve seguir uma quadrilha de assaltantes sem conhecimento do departamento, tudo de forma não oficial. Não precisa ser gênio para entender que tudo acaba saindo errado. Ao lado de um dos criminosos, ele acaba invadindo um pequeno restaurante, vizinho a uma joalheria. Um roubo de milhões é feito, pessoas são mortas e a corregedoria cai no seu encalço. Enquanto Voight e os demais homens de sua unidade tentam descobrir a verdadeira identidade dos criminosos e os autores intelectuais do roubo, Ruzek acaba na geladeira, sem distintivo e sem direito de executar com armas trabalho nas ruas. Voight que já tem problemas demais com a corregedoria certamente não vê com bons olhos tudo o que está acontecendo. Na cena final o jovem policial lhe pergunta se ele está na pior com tudo o que aconteceu. Seria expulso do departamento? "Não sei" - acaba sendo a resposta curta e grossa de Voight ao fechar a porta atrás de si. Pois é, fugir do protocolo pode ser uma grande dor de cabeça. Ande sempre na linha! / Chicago PD 3.05 - Climbing Into Bed (Estados Unidos, 2015) Direção: Lin Oeding, Mark Tinker / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas / Elenco: Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush.

Chicago PD 3.06 - You Never Know Who's Who
Esse episódio é extremamente curioso. imaginem um sujeito, completamente maluco, que consegue convencer outras pessoas que trabalha para a CIA e que na verdade as estariam recrutando para missões especiais, ultra secretas, da agência de inteligência do governo americano! Pois é justamente o que acontece aqui. Um corpo é encontrado dentro de um carro. As investigações demonstram que ao redor do homem que foi encontrado morto gira uma série de sujeitos que acreditam estar trabalhando para a CIA. Agora caberá ao sargento Hank Voight (Jason Beghe) e sua equipe localizar esses "agentes" para que eles parem com a fantasia e que também parem de cometer crimes - sim, muitos deles cometeram inclusive assassinatos, convencidos que estariam trabalhando para o governo! Uma coisa, literalmente, de louco! Nesse episódio também temos o lado mais sentimental, com um garotinho com câncer que sempre sonhou ser um policial. Os tiras de Chicago fazem uma bela homenagem a ele. Por fim a sargentona Trudy Platt (Amy Morton) consegue livrar a barra de um dos homens de Voight cobrando para isso certos "favorzinhos" que fez aos seus superiores no passado. Bom episódio, que foi exibido nos Estados Unidos na mesma noite, em sequência ao anterior. / Chicago PD 3.06 - You Never Know Who's Who (Estados Unidos, 2014) Direção: Mark Tinker / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas / Elenco: Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush, Amy Morton.

Chicago PD 3.07 - A Dead Kid, a Notebook, and a Lot of Maybes
Aos poucos estou retomando minha rotina de assistir séries. Aqui vão alguns episódios que assisti recentemente. Uma das minhas séries policiais americanas enlatadas preferidas é Chicago PD. Nessa semana assisti ao sétimo episódio da terceira temporada intitulado "A Dead Kid, a Notebook, and a Lot of Maybes". O enredo foi bem interessante. Tudo começa quando um garoto se mata perto de sua escola. Inicialmente as investigações mostram que ele poderia fazer parte de algum plano para assassinar outros estudantes, ao estilo do massacre de Columbine, só que depois Voight e seu grupo descobrem que as coisas são bem diferentes, envolvendo até mesmo um professor de natação pedófilo. Algo bem mais barra pesada do que eles inicialmente pensavam. O roteiro explora bem o ambiente, muitas vezes doentio, que impera dentro de algumas instituições de ensino nos Estados Unidos. Coisa de louco, literalmente. / Chicago PD 3.07 - A Dead Kid, a Notebook, and a Lot of Maybes (Estados Unidos, 2015) Direção:  Charlotte Brändström / Roteiro: Michael Brandt / Elenco: Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush.

Chicago PD 3.08 -Forget My Name  
Traduzindo o título original desse episódio para o nome idioma teremos "Esqueça o Meu Nome!". É bem isso. O episódio começa quando vários homens são encontrados mortos em uma caçamba de camionete. Quem são, quem teria os matado, o que aquele crime significa? Bom, essas perguntas terão que ser respondidas por Hank Voight (Jason Beghe) e sua equipe de policiais. O curioso é que tudo havia sido descoberto através da dica de um informante, que depois descobre-se trabalha para a agência de segurança nacional! Isso por si só já seria bem estranho, mas as coisas ficam ainda mais nebulosas quando Voight e seus tiras descobrem que o caso envolve o roubo de informações do serviço de inteligência do governo. Coisa de peixe grande! Pois é, esse episódio é muito bom, "Forget My Name" mistura elementos de filmes policiais com espionagem. Para quem é fã da série é uma ótima pedida! / Chicago PD 3.08 -Forget My Name (Estados Unidos, 2015) Direção: Nick Gomez / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas/ Elenco:Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush.

Chicago PD 3.10 - Now I'm God
"Agora, eu sou Deus" diz o título original desse episódio. É de fato é o que temos aqui. O vilão é um médico, um especialista em pacientes de câncer. No passado ele tratou da esposa de Hank Voight (Jason Beghe). Agora descobre-se que ele receitava tratamentos de quimioterapia para pacientes que não precisavam dele. Tudo por questão de dinheiro e orgulho pessoal. Para outro médico o tal doutor não passaria de um perigoso psicopata! Quando Voight descobre sobre isso ele fica furioso. Em um primeiro momento, diante das dificuldades de se conseguir provas concretas, ele pensa em fazer justiça com as próprias mãos, porém depois, de forma mais sensata, resolve confiar na justiça, chegando até mesmo a testemunhar perante o tribunal. O enredo desse episódio me lembrou de um caso parecido acontecido no Brasil quando uma máfia de próteses amputava pessoas sem necessidade apenas pela razão de ganhar dinheiro com os equipamentos vendidos! Uma coisa atroz! / Chicago PD 3.10 - Now I'm God (Estados Unidos, 2015) Direção: Holly Dale / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas / Elenco: Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush.

Chicago PD 3.11 - Knocked the Family Right Out  
Os bandidos desse episódio formam uma quadrilha que usa gás para adormecer suas vítimas. Então eles entram e roubam tudo da casa dessas pessoas. Pior do que isso, enquanto todos os moradores perdem a consciência eles estupram as mulheres. A gota d´água acontece quando uma adolescente de apenas 14 anos de idade é violentada por um desses animais. A quadrilha é formada por jovens, psicopatas que vivem de roubos e festas rave, onde rolam muita droga e perversão. O tipo de vagabundo ideal para o sargento Hank Voight (Jason Beghe) colocar as mãos. No começo as investigações emperram, pois os marginais usam máscaras e luvas, o que dificulta a descoberta de suas identidades, porém aos poucos as pistas vão levando os policiais aos verdadeiros criminosos. Nesse episódio também vemos a saída de um velho conhecido de Voight. Um presidiàrio que ele conheceu quando estava atrás das grades. A parceria pelo visto vai continuar do lado de fora da prisão. / Chicago PD 3.11 - Knocked the Family Right Out (Estados Unidos, 2016) Direção: Mark Tinker / Roteiro: Michael Brandt, Derek Haas/ Elenco:  Jason Beghe, Jon Seda, Sophia Bush.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.