quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Elvis Presley - Back In Memphis - Parte 1

Esse disco trazia uma segunda leva de gravações realizadas por Elvis Presley em Memphis, no American Studios. Na verdade o álbum foi um desdobramento do primeiro LP duplo da carreira de Elvis, "From Memphis to Vegas / From Vegas to Memphis". Eram dois LPs. Um dedicado a gravações realizadas ao vivo em Las Vegas - na turnê que marcou o retorno de Elvis aos palcos depois de muitos anos afastado - e o outro recheado de músicas inéditas produzidas por Elvis na sua volta aos estúdios de sua cidade de coração, Memphis. Poderia haver algo mais saboroso para um fã de Elvis na época? Depois de anos e anos precisando aguentar trilhas sonoras infantis era realmente uma mudança e tanto no rumos da carreira do cantor.

Eu costumo afirmar que os anos 70 para Elvis começaram bem antes, em 1969. Nesse ano ele realmente mudou tudo e para melhor. As músicas ficaram mais consistentes, lidando com temas mais significativos em arranjos mais bem elaborados, letras falando dos problemas decorrentes de relacionamentos adultos, sem bobagens adolescentes pelo meio do caminho. Finalmente Elvis parecia se comunicar com seu público que também estava em uma faixa etária mais avançada. Não havia mais como bancar o eterno cantor garotão adolescente conquistando corações de meninas bobinhas. Era necessário crescer, sair da adolescência musical, algo que Elvis finalmente conseguiu com seus registros no American.

"Back in Memphis" na realidade não tem nenhum grande hit em sua seleção musical. Isso porém não significava nada no final das contas pois a seleção musical era de uma qualidade maravilhosa, superior a qualquer outra coisa que Elvis havia produzido nos últimos anos. Comparar com trilhas recentes como "Speedway" chegava a soar como covardia até. Colocando as cartas na mesa não existem músicas insignificantes em "Back in Memphis" (afirmação que inclusive pode ser ampliada para praticamente todas as canções gravadas no American Studios). Era um novo artista que nascia das cinzas, não fazendo mais concessões descabidas do ponto de vista comercial. Claro que de uma maneira em geral as sessões foram extremamente bem sucedidas comercialmente falando, como Suspicious Minds, por exemplo, que acabou se tornando a primeira canção a alcançar o número 1 da Billboard depois de longos anos, mas isso nunca foi o foco principal dessas gravações, muito longe disso.

Se pudesse escolher apenas uma palavra para descrever "Back In Memphis" eu usaria a expressão elegância. O álbum é muito elegante, tanto em sua proposta como em sua essência. As canções foram escolhidas por Felton Jarvis que parece ter se concentrado naquela nata mais substancial das sessões, procurando a fina flor de todo o material disponível. Como se sabe essas sessões foram realizadas no esquema de maratonas, ou seja, Elvis entrou em estúdio para gravar uma grande quantidade de músicas que depois seriam lançadas de forma gradual pela RCA Victor. Nesse quesito Jarvis foi muito feliz pois realmente acabou compondo duas belas seleções musicais (tanto em relação a esse álbum como no anterior, "From Elvis in Memphis"). Era o começo de novos tempos na carreira do Rei do Rock.

Pablo Aluísio.

O Mundo do Circo

Título no Brasil: O Mundo do Circo
Título Original: Circus World
Ano de Produção: 1964
País: Estados Unidos, Espanha
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Henry Hathaway
Roteiro: Ben Hecht, Julian Zimet
Elenco: John Wayne, Rita Hayworth, Claudia Cardinale, Richard Conte
  
Sinopse:
Depois de viver anos como cowboy de rodeios o veterano Matt Masters (John Wayne) decide abrir sua própria companhia circense. Por um bom tempo o empreendimento vai muito bem até o dia em que Masters decide realizar uma turnê na Europa. Circos americanos quase sempre fracassaram no velho continente, onde aliás nasceu a cultura desse tipo de diversão, mas Masters decide arriscar. Logo na chegada em um porto da Espanha as coisas começam a dar errado, um acidente faz com que a lona de seu circo desapareça sob as águas. Agora ao lado de seus artistas, Masters terá que levantar o dinheiro necessário para reerguer seu tão amado espetáculo, até porque o show definitivamente não pode parar! Filme vencedor do Globo de Ouro na categoria de Melhor Canção Original ("Circus World" de Dimitri Tiomkin e Ned Washington). Também indicado ao Laurel Awards na categoria de Melhor Ator (John Wayne). 

Comentários:
Tecnicamente ficaria até complicado catalogar "Circus World" apenas na categoria Western. O filme é muito mais, pois explora também um drama sobre relações familiares e traumas do passado. Isso porém é um mero detalhe. Lá está o maior ídolo do gênero, John Wayne, interpretando um velho cowboy que agora ganha a vida em apresentações em circo no estilo Velho Oeste Selvagem. Isso significa tentar recriar sob o picadeiro as perseguições de bandidos em diligências, as guerras entre a cavalaria e guerreiros apaches e tudo o mais que ficou imortalizado na mitologia do oeste americano. Se o filme é muito bom em recriar na tela as performances daqueles artistas circenses também se revela muito bom ao retratar os dramas de todas aquelas pessoas. Masters (Wayne) é um empresário movido por sonhos. Seu problema é que quase sempre seu desejo de levar em frente seu circo esbarra em calamidades, como naufrágios e incêndios (há inclusive uma ótima sequência quando parte da grande lona de seu circo pega fogo em um incêndio). Rita Hayworth, sempre uma presença forte em cena, interpreta uma trapezista marcada por um grande tragédia em seu passado, quando seu marido, também um artista do trapézio, caiu para a morte em um de seus mais ousados números. Após muitos anos perdida, vagando pela Europa, ela resolve voltar ao circo onde agora vive sua filha Toni (Claudia Cardinale), que ela abandonou quando ainda era uma criança. A jovem acabou sendo criada por Masters, que também precisa esconder uma delicada questão pessoal em seu passado. A atriz Claudia Cardinale, ainda bastante jovem, se revela muito talentosa, não apenas quando atua nas apresentações do Oeste Selvagem ou em cima do trapézio, mas também quando participa de quadros com palhaços do circo - ali ela realmente demonstra todo o seu talento, principalmente teatral, com ótimo timing para comédia. Não é de se admirar que tenha se tornado tão popular na década de 1960. Bonita e talentosa. Ela era realmente uma graça. No final de tudo ficamos com a impressão que a produção é na realidade uma grande e sincera homenagem à cultura do circo. O diretor Henry Hathaway deixa claro em cada sequência seu amor por aquela arte. O resultado é dos melhores, um excelente momento da filmografia do mito John Wayne em um dos seus filmes mais simpáticos e carismáticos.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Brigitte Bardot e Shalako

Poucos ainda se lembram desse western chamado "Shalako". O que mais chama atenção aqui é o seu elenco. Sean Connery jamais se notabilizou ao longo de sua carreira por ter atuado em faroestes. Na verdade ele fez apenas um western em toda a sua longa carreira e foi justamente esse "Shalako". Por essa razão ele sempre parece deslocado naquela ambientação. Era mesmo complicado dissociar sua imagem da de James Bond, algo que ele vinha tentando fazer naqueles tempos. Outra que parece fora de seu habitat natural é a atriz Brigitte Bardot. Apesar de ser um mito de beleza, moda e cinema na época, ela não tinha ainda se firmado no mercado americano (algo que nunca iria acontecer, diga-se de passagem). BB tinha problemas de aprendizado com a língua inglesa, o que era de se admirar, pois o inglês é uma língua bem simples, diria até mesmo básica, bem longe da riqueza das línguas latinas históricas tradicionais como o francês e até mesmo o nosso português. Geralmente é bem mais fácil uma pessoa de língua latina aprender o inglês do que o contrário. Americanos em geral apresentam uma grande dificuldade em aprender português e francês, por exemplo, justamente por causa da riqueza linguística desses idiomas europeus milenares. Bardot porém não levava jeito e isso acabou de certa forma com sua carreira na América. Nesse filme ela faz um esforço e tanto para declamar bem seu texto na língua inglesa, mas sinceramente falando ela não se sai bem. Muito provavelmente Bardot tenha tido consciência disso ao assistir ao seu próprio filme e nunca mais trabalhou em outra produção que não fosse rodada em sua língua natal.

Ela interpreta uma condessa que vai até o oeste americano para caçar e viajar. Acredite, muitos nobres europeus fizeram essa viagem no século XIX. O oeste dos Estados Unidos era considerado um mundo selvagem, uma terra sem lei, ótima para caçar animais selvagens nas distantes pradarias sem fim. Muitos membros da realeza da Europa ansiavam por aventuras e histórias pitorescas para contar nas cortes mais sofisticadas do velho continente e por isso faziam essa estafante viagem rumo ao novo mundo. Aliás é importante salientar que a América do Norte naqueles tempos ainda era considerado um ambiente rústico, primitivo, sem qualquer tipo de sofisticação. Assim os europeus iam para lá com o mesmo espírito que os animavam a viajar até os confins da África. Ambos os continentes eram subdesenvolvidos, com quadro político e social bem turbulento. Os Estados Unidos, acredite, era considerado uma nação de segunda ou até mesmo terceira categoria para um francês ou inglês de sangue azul. Para um europeu a Califórnia era considerada tão atrasada quanto qualquer região da África subsaariana. Isso é bem explorado no filme quando um grupo de viajantes da distante e esnobe Europa invade sem saber uma reserva dos nativos Apaches. Quando eles são ameaçados a deixarem a região o sentimento de todos no grupo é de ironia e até mesmo escárnio - imagine ser chantageado por aqueles povos primitivos! Um absurdo!

Sean Connery, o astro principal do filme, interpreta Moses "Shalako" Carlin, um ex- Coronel do Exército da União que participou ativamente dos tratados de paz firmados com aqueles nativos. Quando ele percebe que algo muito sério está prestes a acontecer por causa daqueles europeus desavisados e insensatos terem invadido território Apache, ele tenta de todas as formas evitar um banho de sangue. Ele já havia salvado a vida da Condessa interpretada por BB e agora tinha que usar de todo jogo de cintura para evitar uma nova guerra entre os Apaches e os homens brancos. Afinal para os nativos não importava que aquele grupo fosse europeu e não americano, o que tinha relevância era o fato de que eles eram invasores e estavam ali rompendo tratados firmados com o exército americano.

Por fim um fato relevante a se falar sobre essa produção "Shalako". Muitos gostam de afirmar que a globalização é algo recente. Ledo engano. Aqui temos uma produção anglo-alemã, estrelada por uma francesa (Brigite Bardot) e um escocês (Sean Connery), com direção de um cineasta americano (Edward Dmytryk) e filmado nos desertos da Espanha (Almería, Andalucía). Quer algo mais globalizado do que isso? Pois então. Esse filme foi realizado em uma época em que os investidores mundo todo começaram a ver o cinema como um belo caminho para se ter um bom retorno lucrativo. Ao invés dos grandes estúdios americanos monopolizando a produção de filmes como esse, começou-se a ir atrás de investidores privados, pessoas que queriam apenas alcançar um bom lucro de suas reservas investidas na produção de filmes. Esse sempre foi um aspecto subestimado de mudança dentro da indústria cinematográfica que poucos prestaram atenção. Com o rompimento dos laços com as majors americanas houve também uma explosão de criatividade entre os diretores e roteiristas que começavam a chamar a atenção naquela época, para a felicidade dos cinéfilos de todo o mundo. De fato o cinema nunca mais seria o mesmo depois da década de 1960. Era um novo mundo na sétima arte que começava a nascer.

Pablo Aluísio.

sábado, 26 de dezembro de 2015

George Harrison - Verdades e Mentiras

Por que George Harrison ficou conhecido como o "Beatle Quieto"? George sempre adotava uma postura muito discreta e quase nunca falava com jornalistas. As atenções pareciam sempre estar focadas em Paul McCartney e principalmente em John Lennon por esse ser sempre uma pessoa muito polêmica. Conforme explicou anos depois o próprio George não parecia muito interessado em jornais, matérias ou publicidade. A parte que realmente lhe interessava na carreira era a musical, nada mais. Criar polêmicas, soltar frases de efeitos ou aparecer em demasia na mídia não faziam sua cabeça, tanto que após se separar dos Beatles raramente voltou a conceder entrevistas. Raras foram as vezes que abriu espaço para jornalistas em sua carreira solo, nem quando ia aos Estados Unidos realizar turnês que precisavam desse tipo de publicidade. Lidar com a imprensa definitivamente não era com George. Por ter colaborado tão pouco nesse aspecto passou a ser chamado pelo órgãos de imprensa como "O Beatle Quieto".

George Harrison foi traído por Eric Clapton?
Sim, a primeira esposa de George o traiu com Eric Clapton. George Harrison conheceu Pattie Boyd quando ela foi convidada para cortar o cabelo dos Beatles ao lado de outras modelos para a matéria de uma popular revista inglesa. Tudo fazia parte do material promocional do filme "A Hard Day´s Night". George ficou encantado com sua beleza e semelhança com a atriz Brigitte Bardot. Deixando a timidez de lado ele a convidou para jantar fora. O namoro foi breve e após um relativamente curto período de relacionamento, se casaram. Poucos meses depois do fim dos Beatles o casamento entrou em crise. George começou a se dedicar a cada vez mais em se aprofundar na sua religião e negligenciou sua esposa. Passando longos períodos fora de casa o relacionamento esfriou. Pattie viu que o casamento estava falido e começou a procurar amantes, a maioria deles músicos, entre eles o Rolling Stone Ronnie Wood. Depois conheceu pessoalmente Eric Clapton e se apaixonou por ele perdidamente. George havia se tornado apenas um farto em sua vida e ela, sem pensar muito e nem olhar para trás, trocou Harrison por Clapton. Anos depois se casaria com ele.

Como era o relacionamento entre George Harrison e John Lennon?
No começo John Lennon tratava George Harrison praticamente como um pupilo. Havia uma diferença de idade entre eles e Harrison tratava Lennon quase como a um mestre a ser seguido. No fundo o admirava tanto que quase o idolatrava. O próprio John lembrou disso quando anos depois criticou a autobiografia do colega de banda. Com o tempo George começou a se sentir deixado de lado e criou-se uma tensão entre eles, principalmente por causa dos rumos que os Beatles trilhavam na época. Harrison queria mais espaço nos discos, mas John estava sempre tirando muitas de suas composições do repertório final dos álbuns. Quando Yoko Ono entrou na vida do grupo as coisas azedaram de vez. George não gostava de Yoko e a criticava abertamente o que enfurecia John. Para George era um absurdo ter Yoko dentro dos estúdios, por exemplo. John Lennon que sempre fora muito brigão comprou a briga e ambos começaram a ter discussões furiosas durante as sessões de gravação. Chegaram ao ponto de ficarem sem se falar por meses. O ápice das brigas aconteceu justamente quando John Lennon sugeriu que Yoko se tornasse uma Beatle, algo que George considerava uma maluquice sem tamanho.

George tinha ressentimentos da dupla Lennon e McCartney?
No começo dos Beatles, George não sentia necessidade de participar mais ativamente dos discos. Ele ficava feliz e satisfeito em fazer os principais solos do grupo. Porém quando começou a fazer suas próprias composições começou a ficar muito insatisfeito quando as músicas eram tiradas dos álbuns por John Lennon. Sempre muito ácido o líder dos Beatles geralmente tinha coisas amargas ou críticas destrutivas para desqualificar as criações de George. Quando alguma música ganhava destaque, como "Taxman", John corria para a imprensa para dizer que havia composto pelo menos metade da canção o que deixava George muito chateado e muitas vezes até humilhado com esse tipo de declaração pública. Quando o grupo finalmente atingiu a maturidade musical George começou a brigar por mais espaço nos discos o que acabou se tornando mais um foco de brigas entre os membros da banda.

O que matou George Harrison?
Durante toda a vida George Harrison foi um fumante inveterado. Sua média era dois maços de cigarro por dia e isso era um hábito que o acompanhava desde os tempos da adolescência, quando era apenas um jovem colegial. O tabagismo descontrolado acabou sendo a causa do surgimento de um fulminante câncer de pulmão que George tentou de todas as formas combater, mas que em estado avançado já havia se tornado incurável. Nos momentos finais George ainda teve a intenção de participar de uma campanha nacional contra o fumo e o tabagismo, porém já não tinha saúde suficiente para isso. Ele morreu se lamentando por seu vício em cigarros, o que acabou lhe custando a própria vida.

Como era George Harrison fisicamente?
George Harrison era o mais jovem dos Beatles, porém era um dos mais altos. Ele tinha 1.77m de altura. Outra característica física que chamava a atenção era o fato de George ser também muito magro, chegando a ter no máximo 62 quilos. Harrison não cultivava uma vida muito saudável pois era fumante e usava drogas, porém geneticamente parecia predisposto a ser magro. Também não era um homem de exageros na mesa, procurando na maioria das vezes consumir apenas frutas e alimentos leves, algo que foi reforçado quando foi para a Índia nos anos 60.

George Harrison era viciado em drogas?
Como todos os demais Beatles, George também foi um usuário contumaz de drogas. No começo a maconha, que acompanhava os Beatles desde os primeiros tempos na estrada, na Alemanha, quando ainda eram desconhecidos. Depois vieram a cocaína e a LSD na fase lisérgica do grupo. A heroína entrou em sua vida após o fim dos Beatles. As drogas inclusive foram apontadas pela primeira esposa de George, Pattie Boyd, como uma das causas do fim do casamento. Ela revelou que por volta de 1970 o consumo de drogas por parte de George Harrison havia fugido do controle. Ele passava o tempo todo cheirando carreiras e mais carreiras de cocaína, algo que nem sequer a religião conseguiu colocar um freio. O vício de George se tornou bem mais notório ao público após uma apresentação desastrosa quando subiu ao palco completamente "alto" em uma de suas turnês americanas durante a década de 1970.

Como George Harrison via o movimento hippie?
George Harrison foi convidado para participar de um festival de música, com ampla participações de jovens hippies e depois que chegou lá não se conteve. George confessou que havia ficado chocado ao chegar no local e constatar que tudo o que havia lá era um bando de jovens drogados rolando pela lama. Harrison havia ido fazer um show pela paz, mas não encontrou ninguém muito interessado em sua mensagem. Ao invés disso viu um mercado aberto de vendas de drogas. A partir desse evento George Harrison, nas poucas declarações que fez, sempre se mostrou disposto a criticar o movimento hippie que havia perdido seu caminho original.

Quantos filhos teve George Harrison?
George Harrison teve apenas um filho, Dhani Harrison, fruto de seu casamento com Olivia Harrison. Ele nasceu em 1978, durante o segundo casamento do cantor. O interessante é que essa segunda união acabou trazendo uma certa calmaria na vida de Harrison. Ao contrário de seu complicado casamento com Pattie Boyd, aqui George parecia finalmente ter encontrado uma mulher que tinha uma personalidade mais calma e discreta, tal como ele. Esse acabou sendo talvez o grande segredo de seu matrimônio feliz e estável ao lado da segunda esposa.

George Harrison foi processado por plágio?
Sim, várias vezes e perdeu vários dos processos. Em sua defesa Harrison alegava que era muito complicado determinar o que seria um plágio ou não, já que a música, formada de notas musicais, tinha a natural tendência de seguir uma certa linha, uma certa tradição. Assim as semelhanças que por acaso surgiam em suas composições nada mais eram do que coincidências vindas desse tipo de memória musical. Sua defesa porém não foi acolhida no tribunal. O caso mais prejudicial aconteceu com a canção "My Sweet Lord" do álbum "All Things Must Pass" onde George precisou pagar uma pesada indenização por plágio aos autores originais.

George Harrison foi esfaqueado por um fã?
Não exatamente... Em 1999 um drogado invadiu sua casa para roubar objetos da mansão. George que não tinha qualquer tipo de segurança em sua casa (apesar da morte brutal de John Lennon) ouviu barulhos na parte de baixo da casa. Ao ir até a sala encontrou o assaltante (um homem de 33 anos, viciado em drogas, chamado Michael Abram). George e o criminoso começaram a lutar e esse deferiu uma facada em George. Desesperada a mulher de Harrison, Olivia, jogou um pesado objeto na cabeça de Abram que foi imediatamente ao chão. Aquela tinha sido uma péssima semana para o casal pois George havia sido informado poucos dias antes que seu câncer havia se espalhado em seu organismo, tornando seu tratamento praticamente inútil. O agressor não era fã dos Beatles (ao contrário do assassino de John Lennon).

Qual era o principal hobby de George Harrison?
George adorava passar horas e horas em seu jardim. Era um apaixonado por flores e jardinagem em geral. Também sentia enorme prazer em participar de eventos que reuniam admiradores de jardins como ele. Chegou a registrar em várias filmagens amadoras esse hobby que tanto adorava. Passava dias e dias preocupado com as novas e raras orquídeas que plantara em seu quintal.

Como era a relação entre George Harrison e Paul McCartney?
Foi Paul quem trouxe George para os Beatles. Eles se conheceram ainda bem adolescentes pois pegavam o mesmo ônibus quando retornavam da escola. A música foi o interesse em comum que os uniu. Paul logo foi convidado por George para ir até sua casa onde ele queria mostrar alguns acordes que tinha criado. Depois de ver o colega tocar Paul percebeu que ele poderia fazer parte de sua nova bandinha que estava montando com um cara mais velho, John Lennon. Quando Paul levou George para conhecer John esse não ficou muito impressionado. Achou George jovem demais para ser levado à sério, mesmo assim concordou com sua entrada nos Beatles. O resto é história. Os Beatles se tornaram o grupo de rock mais popular da história. Com o tempo o sempre presente perfeccionismo de Paul começou a irritar George. A velha amizade também foi abalada por processos judiciais após o fim da banda. Quando surgiu a ideia do projeto "Anthology" o maior problema era realmente reconciliar Paul e George já que eles passaram anos e anos sem se falarem. A amizade nunca mais foi a mesma.

Qual era a música preferida de George em sua fase Beatles?
George Harrison considerava "Something" sua maior obra prima, seguida de "Here Comes The Sun", ambos do disco "Abbey Road". É interessante que o auge da criatividade de Harrison tenha se dado justamente na fase final do grupo quando os Beatles já estavam prestes a se separar. Durante seus anos nos Beatles, George Harrison compôs centenas e centenas de músicas que não conseguiam encontrar espaço nos discos do conjunto. Assim quando os Beatles finalmente chegaram ao fim George juntou todo esse material e acabou gravando o disco de sua vida, "All Things Must Pass", considerado o grande trabalho de sua carreira solo.

Pablo Aluísio.

Elvis Presley - If I Can Dream

Vários amigos e fãs de Elvis me enviaram mensagens nos últimos dias me perguntando porque eu ainda não tinha escrito sobre esse lançamento. O CD foi um grande sucesso de vendas, levando Elvis novamente ao primeiro lugar nas principais paradas americanas e europeias. A crítica de maneira em geral elogiou e o público, mesmo o mais ligado a Elvis, principalmente formado pelos colecionadores, etc, também gostou bastante. Assim "If I Can Dream" acabou se tornando uma espécie de unanimidade. A grande novidade vem do fato de termos novos arranjos, com a riqueza sonora da Royal Philharmonic Orchestra, preservando-se das gravações originais apenas a voz de Elvis. É um trabalho refinado, com muito estilo. Disso não sobram dúvidas. Apesar disso eu sou um tradicionalista em termos musicais. Como tenho mais de três décadas ouvindo a discografia original de Elvis Presley aprecio demais os arranjos originais para ignorá-los agora, pois a maneira como as gravações foram realizadas faz parte da história de Elvis. Criei até mesmo laços sentimentais com as canções. Não importa que muitos desses arranjos estejam desatualizados com a sonoridade atual, em minha opinião isso realmente não tem a menor relevância. As músicas foram gravadas levando-se em conta o seu contexto histórico, era a sonoridade que imperava na época. Traz o sabor da história e dos anos em que foram registradas. Tampouco tenho qualquer interessa comercial em fazer novos fãs entre a nova geração.

Eu sempre digo que a arte em geral é atemporal. Tentar modernizá-la ou tentar adequar ao gosto do público atual não deixa de ser também uma forma de descaracterizá-la. Além disso o trabalho dos músicos originais que tocaram com Elvis foi literalmente deixado de lado. Na verdade esse tipo de inovação nem mesmo me soa como algo novo. Já havia sido colocada em prática no lançamento de CDs como "Elvis Medley", lá por volta do começo dos anos 1980 ou até mesmo "Guitar Man", "Too Much Monkey Business", etc, cujos arranjos modernosos da época de seu lançamento soam hoje em dia mais desatualizados do que os originais que estavam nos álbuns lançados pelo próprio Elvis em vida. Além disso alguns arranjos desse CD não me agradaram em nada, a despeito da capacidade dos músicos envolvidos nesse processo. Canções como "Bridge Over Troubled Water", "You've Lost That Loving Feeling" e principalmente "An American Trilogy" já tinham certamente encontrado seu arranjo perfeito. Não se mexe em obras primas. Bem piores ficaram "Burning Love" e "Fever", essa última certamente a pior faixa do CD, exagerada, kitsch, excessiva. A única gravação remodelada que me deixou levemente satisfeito foi "If I Can Dream". Talvez por ser a gravação título do álbum realmente capricharam em seu arranjo. Todo o resto, sinceramente falando, me pareceu apenas curioso, até um pouquinho interessante, mas nada muito além disso. Esse é aquele CD que você terá em sua coleção apenas como curiosidade e nada mais. O fã de longa data com certeza não trocará as velharias que tanto ama por essa maquiagem. Não existe botox no mundo da música que melhore o que já é tão bom e belo. Não estou muito interessado nisso, quero mesmo as marcas do tempo e da história. Coisas que um tradicionalista preza. Tudo o mais é pura frivolidade sonora.

Elvis Presley - If I Can Dream (2015)
Burning Love
It's Now Or Never
Love Me Tender
Fever (feat. Michael Buble)
Bridge Over Troubled Water
And The Grass Won't Pay No Mind
You've Lost That Loving Feeling
There's Always Me
Can't Help Falling In Love
In The Ghetto
How Great Thou Art
Steamroller Blues
An American Trilogy
If I Can Dream

Pablo Aluísio.

A Visita

Título no Brasil: A Visita
Título Original: The Visit
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures
Direção: M. Night Shyamalan
Roteiro: M. Night Shyamalan
Elenco: Olivia DeJonge, Ed Oxenbould, Deanna Dunagan, Peter McRobbie, Kathryn Hahn
  
Sinopse:
Dois irmãos adolescentes vão até uma fazenda distante pertencente aos seus avós. Eles não se conhecem. Será a primeira oportunidade de conviverem juntos. A mãe dos meninos brigou feio com seus pais quando foi embora de casa e não fala com eles há mais de 15 anos. Agora os netos terão, pela primeira vez, a oportunidade de conhecer o seu avô e sua avó.  Quando chegam em seu destino acabam achando o casal bem excêntrico e estranho. Eles exibem um estranho comportamento que vai ficando pior com o passar do tempo ao ponto em que os jovens se desesperam para irem embora, mas como vão conseguir sair vivos daquela isolada fazenda gelada? Filme indicado ao Phoenix Film Critics Society Awards na categoria de Melhor Ator juvenil (Ed Oxenbould).

Comentários:
Quem diria que o outrora tão admirado cineasta M. Night Shyamalan iria acabar dirigindo um mockumentary de terror como esse?! Pois é, o mundo dá voltas. O mais interessante é que embora haja na história do filme uma daquelas típicas reviravoltas tão comuns em sua filmografia, nada é muito surpreendente ou fantasioso demais em seu roteiro. Na verdade M. Night Shyamalan pareceu se contentar em escrever um roteiro bem convencional, diria até mesmo banal. Claro que em determinado momento haverá uma grande surpresa para o espectador porém nem isso causará maior espanto (nada comparável com "O Sexto Sentido" ou "A Vila", por exemplo). O roteiro finca o pé no realismo e Shyamalan parece contido e comportado demais para seu estilo. Ele tenta assim criar suspense e medo em uma situação que pensando bem poderia acontecer com qualquer adolescente de férias. Os dois irmãos do filme não conhecem seus avós. Assim quando surge uma chance de irem até a fazenda deles os conhecerem pessoalmente, preferem não perder a oportunidade. Mal sabem na armadilha que estão se metendo. Há furos de lógica na trama, mas nada muito comprometedor. Como escrevi, o diretor parece muito sóbrio, longe de seus conhecidos arroubos e delírios de imaginação. No final fica aquela sensação de que você perdeu 90 minutos de sua vida vendo algo comum, bem mediano realmente. Por essa razão não vá criar muitas expectativas apenas pelo fato do filme ser roteirizado e dirigido por M. Night Shyamalan. Seus dias de suposta genialidade (ele chegou a ser comparado a Alfred Hitchcock!) parecem perdidos para sempre em um passado bem distante. Hoje ele não passa de um diretor como tantos outros que existem por aí.

Pablo Aluísio.

O Falcão dos Mares

Durante as chamadas Guerras Napoleônicas no século XIX, a armada real britânica decide enviar um navio de guerra, o HMS Lydia, para os mares do Atlântico Sul. Sob comando do Capitão Horatio Hornblower (Gregory Peck) a embarcação deverá cruzar o Cabo da Boa Esperança indo em direção ao Oceano Pacífico, se dirigindo para a América Central onde a coroa tem interesses em desestabilizar a região, formada por inúmeras colônias espanholas. Como Espanha e Inglaterra estão em lados opostos nos conflitos armados na Europa caberá ao Capitão enviar armas e munição para um revolucionário local chamado Don Julian Alvarado (Alec Mango), conhecido entre seus seguidores como El Supremo. Após uma jornada longa, que dura meses e custa muito em termos de tripulação e mantimentos, finalmente o Capitão Hornblower e sua exausta tripulação chegam ao seu destino. Logo no encontro inicial o comandante inglês percebe que o revolucionário faz o estilo caudilho, violento, cruel e sanguinário. Um sujeito completamente desprezível, arrogante, egocêntrico e megalomaníaco. Mesmo assim Hornblower resolve cumprir o que lhe fora ordenado quando deixou a Inglaterra. Nesse ínterim surge um outro navio de guerra nos mares da região, uma poderosa nau com sessenta canhões pertencentes ao Reino de Espanha. Caberá ao Lydia enfrentar esse desafio, destruindo o inimigo para garantir os interesses britânicos no continente. O que Hornblower não contava é que o tabuleiro de xadrez da política na metrópole poderia mudar a cada instante, transformando antigos inimigos em aliados e vice versa.

"O Falcão dos Mares" é seguramente um dos maiores clássicos de filmes de aventura da história do cinema britânico. Uma produção espetacular com excelente roteiro e um elenco magistral, com destaque absoluto para Gregory Peck. Ele interpreta esse austero Capitão Inglês que é enviado para os confins do mundo conhecido com objetivos militares e políticos bem claros. Uma vez em seu destino, ele descobre que nada parecia ser o que ele esperava. Encontra um novo mundo cheio de guerras, brigas internas e conflitos. O líder revolucionário que poderia significar uma esperança para aqueles povos não passa de um bufão pomposo e sem escrúpulos. A população das colônias está também doente e desamparada, com uma epidemia de febre amarela. É justamente fugindo dela que surge a bela Lady Barbara Wellesley (Virginia Mayo). Ela pretende retornar para Londres no navio comandado por Hornblower. O problema é que aquela seria uma embarcação militar, não adequada para acomodar passageiros. Mesmo assim, por ser uma cidadã britânica, se torna obrigatório para o Capitão levá-la de volta ao lar, não sem antes se envolver em vários problemas decorrentes de uma viagem como essa. O filme tem excelente fotografia e cenas de combates entre navios que até hoje impressionam o espectador. Usando diversas técnicas (filmagens em estúdio e locações, embarcações reais, maquetes extremamente realistas e truques de câmeras) o espectador é levado a crer estar mesmo presenciando uma aventura nos mares naquela era tão turbulenta. O ponto alto do filme acontece quando o HMS Lydia enfrenta o orgulho da Marinha Real Espanhola, o navio Natividad. Uma cena de combate marítimo que está entre os melhores já realizados. Enfim, grande clássico, produção irrepreensível e história empolgante. Um grande filme, acima de qualquer crítica negativa que se queira fazer.



O Falcão dos Mares (Captain Horatio Hornblower R.N, Inglaterra, 1951) Direção: Raoul Walsh / Roteiro: Ivan Goff, Ben Roberts / Elenco: Gregory Peck, Virginia Mayo, Robert Beatty, Alec Mango / Sinopse: Para causar desestabilização política na América Central o Rei Eduardo da Inglaterra decide enviar uma embarcação militar com armas e munições para ajudar na luta dos revolucionários locais que desejam se libertar da dominação espanhola. Caberá ao virtuoso Capitão Horatio Hornblower (Gregory Peck) levar o HMS Lydia e seus tripulantes nessa perigosa viagem. No caminho encontram uma inglesa chamada Barbara Wellesley (Virginia Mayo) que deseja voltar para Londres. A viagem porém não será das mais tranquilas.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Brigite Bardot - Shalako

Poucos ainda se lembram desse western chamado "Shalako". O que mais chama atenção aqui é o seu elenco. Sean Connery jamais se notabilizou ao longo de sua carreira por ter atuado em faroestes. Na verdade ele fez apenas um western em toda a sua longa carreira e foi justamente esse "Shalako". Por essa razão ele sempre parece deslocado naquela ambientação. Era mesmo complicado dissociar sua imagem da de James Bond, algo que ele vinha tentando fazer naqueles tempos. Outra que parece fora de seu habitat natural é a atriz Brigitte Bardot. Apesar de ser um mito de beleza, moda e cinema na época, ela não tinha ainda se firmado no mercado americano (algo que nunca iria acontecer, diga-se de passagem). BB tinha problemas de aprendizado com a língua inglesa, o que era de se admirar, pois o inglês é uma língua bem simples, diria até mesmo básica, bem longe da riqueza das línguas latinas históricas tradicionais como o francês e até mesmo o nosso português. Geralmente é bem mais fácil uma pessoa de língua latina aprender o inglês do que o contrário. Americanos em geral apresentam uma grande dificuldade em aprender português e francês, por exemplo, justamente por causa da riqueza linguística desses idiomas europeus milenares. Bardot porém não levava jeito e isso acabou de certa forma com sua carreira na América. Nesse filme ela faz um esforço e tanto para declamar bem seu texto na língua inglesa, mas sinceramente falando ela não se sai bem. Muito provavelmente Bardot tenha tido consciência disso ao assistir ao seu próprio filme e nunca mais trabalhou em outra produção que não fosse rodada em sua língua natal.

Ela interpreta uma condessa que vai até o oeste americano para caçar e viajar. Acredite, muitos nobres europeus fizeram essa viagem no século XIX. O oeste dos Estados Unidos era considerado um mundo selvagem, uma terra sem lei, ótima para caçar animais selvagens nas distantes pradarias sem fim. Muitos membros da realeza da Europa ansiavam por aventuras e histórias pitorescas para contar nas cortes mais sofisticadas do velho continente e por isso faziam essa estafante viagem rumo ao novo mundo. Aliás é importante salientar que a América do Norte naqueles tempos ainda era considerado um ambiente rústico, primitivo, sem qualquer tipo de sofisticação. Assim os europeus iam para lá com o mesmo espírito que os animavam a viajar até os confins da África. Ambos os continentes eram subdesenvolvidos, com quadro político e social bem turbulento. Os Estados Unidos, acredite, era considerado uma nação de segunda ou até mesmo terceira categoria para um francês ou inglês de sangue azul. Para um europeu a Califórnia era considerada tão atrasada quanto qualquer região da África subsaariana. Isso é bem explorado no filme quando um grupo de viajantes da distante e esnobe Europa invade sem saber uma reserva dos nativos Apaches. Quando eles são ameaçados a deixarem a região o sentimento de todos no grupo é de ironia e até mesmo escárnio - imagine ser chantageado por aqueles povos primitivos! Um absurdo!

Sean Connery, o astro principal do filme, interpreta Moses "Shalako" Carlin, um ex- Coronel do Exército da União que participou ativamente dos tratados de paz firmados com aqueles nativos. Quando ele percebe que algo muito sério está prestes a acontecer por causa daqueles europeus desavisados e insensatos terem invadido território Apache, ele tenta de todas as formas evitar um banho de sangue. Ele já havia salvado a vida da Condessa interpretada por BB e agora tinha que usar de todo jogo de cintura para evitar uma nova guerra entre os Apaches e os homens brancos. Afinal para os nativos não importava que aquele grupo fosse europeu e não americano, o que tinha relevância era o fato de que eles eram invasores e estavam ali rompendo tratados firmados com o exército americano.

Por fim um fato relevante a se falar sobre essa produção "Shalako". Muitos gostam de afirmar que a globalização é algo recente. Ledo engano. Aqui temos uma produção anglo-alemã, estrelada por uma francesa (Brigite Bardot) e um escocês (Sean Connery), com direção de um cineasta americano (Edward Dmytryk) e filmado nos desertos da Espanha (Almería, Andalucía). Quer algo mais globalizado do que isso? Pois então. Esse filme foi realizado em uma época em que os investidores mundo todo começaram a ver o cinema como um belo caminho para se ter um bom retorno lucrativo. Ao invés dos grandes estúdios americanos monopolizando a produção de filmes como esse, começou-se a ir atrás de investidores privados, pessoas que queriam apenas alcançar um bom lucro de suas reservas investidas na produção de filmes. Esse sempre foi um aspecto subestimado de mudança dentro da indústria cinematográfica que poucos prestaram atenção. Com o rompimento dos laços com as majors americanas houve também uma explosão de criatividade entre os diretores e roteiristas que começavam a chamar a atenção naquela época, para a felicidade dos cinéfilos de todo o mundo. De fato o cinema nunca mais seria o mesmo depois da década de 1960. Era um novo mundo na sétima arte que começava a nascer.

Pablo Aluísio.

Susan Hayward - Meu Maior Amor

Ontem eu tive a oportunidade de assistir ao clássico "Meu Maior Amor" e me encantei com a atriz Susan Hayward. Ela interpreta a personagem principal, uma mulher frustrada na vida amorosa. Seus sentimentos ficam em ruínas após ela perder a chance de ser feliz ao lado do homem que sempre amou. Ao se casar com alguém que não conseguiu preencher o vazio em seu coração ela acabou entrando em um círculo de tristeza e infelicidade, agravada ainda mais pela bebida. É um romance dramático muito bem conduzido que se destaca pela beleza da atriz. Susan tinha um visual que de certa maneira fugia bastante do padrão das estrelas da época. Ao invés de ser uma loira glamourosa, inacessível ao homem comum, ela se apresentava com uma beleza diferente. De cabelos escuros, muito carisma e sensibilidade, ela se tornava um tipo de mulher mais próxima do soldado americano que na época lutava na Europa durante a II Guerra Mundial. Aquela que poderia ser sua namorada após conhecê-la em um baile - como acontece no roteiro do filme aliás.

Curiosamente Susan quase foi escolhida para interpretar Scarlett O'Hara em "..E o Vento Levou" logo no começo da carreira. Claro que teria sido o filme que mudaria sua vida para sempre. O destino porém tinha outros planos para ela e até que a bonita brunette não se saiu nada mal trilhando esse outro caminho. Embora tenha perdido esse grande papel da história do cinema ela logo se destacou em diversos outros filmes, sempre se destacando em papéis de mulheres fortes que tinham que enfrentar momentos decisivos em suas vidas. Foi assim que ela finalmente venceu seu Oscar pela atuação em "Quero Viver!" de 1958 onde interpretava uma prostituta condenada à morte após ser acusada de ter matado um de seus clientes. Um roteiro que foi recusado por inúmeras atrizes, com receios de mancharem suas imagens públicas, afinal aqueles eram tempos moralistas e puritanos. Para a corajosa Susan isso definitivamente não tinha importância, mas sim o fato de dar vida a um texto corajoso e bem à frente de seu tempo. Ela aceitou fazer o filme, encarou o desafio e acabou  encantando os críticos e os membros da Academia. O resultado? Foi merecidamente premiada com a estatueta mais cobiçada do cinema.

Elegante, muito atraente, Susan soube transitar por quase todos os gêneros. Nunca se contentou em ser vista apenas como uma mulher bonita ou uma pin-up sensual. Ela queria vencer na arte de atuar e certamente conseguiu alcançar seus objetivos. Para alegria dos cinéfilos Susan teve uma carreira longa e produtiva no cinema que se estendeu por quatro décadas. Na sua filmografia de mais de 60 filmes encontramos vários filmes memoráveis como "As Neves do Kilimanjaro", "Demetrius e os Gladiadores", "Duelo de Paixões", "Meu Coração Canta", "David e Betsabá", "Casei-Me Com Uma Bruxa", "Eu Chorarei Amanhã" e "Desespero". Susan Hayward representou muito bem as mulheres de seu tempo, assumindo diversas facetas, deixando de lado muitas vezes sua vaidade pessoal para abraçar a pura arte cinematográfica. Acabou, com seu exemplo pessoal, com o velho estigma preconceituoso de que atrizes bonitas não podiam ser também extremamente talentosas.

Pablo Aluísio. 

Tyrone Power - Jamais Te Esquecerei

Recentemente assisti ao filme "Jamais Te Esquecerei". Se trata de uma produção de 1951 estrelada por Tyrone Power. Pelo poster, fotos e demais informações você começa a ver o filme pensando se tratar de um drama romântico como tantos outros que foram feitos por esse ator, um dos grandes galãs da era de ouro do cinema americano. Isso, pelo menos, é o que se daria a entender. Quando o filme começa descobrimos logo que o personagem de Power passa longe de ser um herói romântico ao velho estilo. Ao invés de cortejar damas e donzelas ele está em uma usina nuclear manipulando metais químicos perigosos. Ele é um cientista, um físico, que está convencido que dentro das dimensões em que existimos há uma maneira de romper o espaço / tempo para viajar entre passado, presente e futuro. Nessa altura do filme você já percebe que está longe de assistir a apenas um filme romântico mais tradicional. O personagem de Power inclusive não está muito interessado nos assuntos do coração.

O negócio dele é realmente a ciência. Ele vive em um mundo próprio, solitário. Apaixonado pelo passado, gostaria de quem sabe ir lá de alguma forma. Depois que encontra velhas cartas, supostamente escritas por ele mesmo, datadas do século XVI, ele se convence que uma viagem no tempo seria realmente possível, afinal de contas tudo levaria a crer que ele já estivera lá. Mas como fazer tal viagem? Certa noite voltando para a casa um raio o atinge e quando ele recobra a consciência está em Londres, ainda na época em que os Estados Unidos lutavam para se livrar do domínio do colonialismo inglês. Perceba que essa ideia de um raio se tornar um instrumento de viagem temporal seria aproveitada (ou copiada, quem sabe) pela trilogia "De Volta Para o Futuro", muitas décadas depois. Um aspecto curioso é que enquanto está no presente, o personagem de Power vive em um mundo em preto e branco, mas quando chega no passado tudo se torna colorido, cheio de vibração. E é justamente lá no passado que ele finalmente acaba se apaixonando, vivendo um grande amor por sua própria prima, uma mulher fina e elegante chamada Kate (Beatrice Campbell).

Claro que por viverem em tempos diferentes esse amor logo se torna algo impossível de se concretizar. Lembrando novamente "De Volta para o Futuro", imaginem a ruptura espacial que iria causar no tempo caso ele tivesse um filho com ela, já que na linha temporal ela seria na realidade apenas uma pessoa de seu passado distante. Certamente o roteirista Bob Gale, da franquia de Steven Spielberg, sabia da existência desse clássico. Os pontos de semelhança são muitos para se ignorar isso. O charme adicional é que "Jamais Te Esquecerei" foi filmado nos anos 1950, justamente a década em que os personagem do filme "De Volta Para o Futuro" retornam no primeiro filme da série. Realmente, no mundo do cinema nada se cria, tudo se recicla e se reaproveita. Velhas ideias esquecidas voltam à tona com embalagem de algo novo, inovador, mesmo que essa definitivamente não seja a inteira verdade.

Pablo Aluísio.

Elvis Presley - From Elvis in Memphis (1969)

As pessoas precisam entender que até o lançamento desse álbum, Elvis vinha em uma situação muito ruim em sua carreira. A discografia de Elvis atravessava uma péssima fase. A grande maioria de seus discos se resumiam em trilhas sonoras de seus filmes. Esses já não eram grande coisa e as músicas também deixavam muito a desejar. Embora existissem gemas preciosas perdidas, o material como um todo era adolescente demais, quase bobo. O problema básico era que Elvis já era um homem de 30 anos, cantando e agindo como um adolescente apaixonado no cinema. Era fora de época, quase bizarro. Os fãs dos velhos tempos de Elvis também já tinham deixado os tempos colegiais de lado, estavam casados, com filhos, enfrentando problemas no casamento e tudo o mais. Quem iria ainda perder tempo comprando discos de Elvis Presley onde ele basicamente cantava letras falando de namoricos, bichinhos de estimação e praia? Nesse tempo Elvis foi sendo abandonado pelos antigos fãs ao mesmo tempo em que não conquistava novos admiradores entre os adolescentes dos anos 60 que estavam curtindo outro tipo de som. Elvis era apenas um tiozão querendo dar uma de garotão para essa nova geração.

Assim em 1969 todos da organização Presley tomaram consciência que a mudança teria que vir. Os discos não vendiam mais bem, as trilhas encalhavam nas lojas e Elvis era um autêntico artista ultrapassado, um ídolo roqueiro do passado que "já era", ele pouco significava em termos comerciais para o mercado fonográfico. Como mudar isso? A primeira providência foi deixar Hollywood para trás. Ainda havia alguns contratos a cumprir com os estúdios de cinema, mas depois deles, nunca mais. Outro passo importante era voltar aos shows ao vivo. Elvis ficou tanto tempo fora dos palcos que as pessoas simplesmente esqueceram que ele ainda existia. A estratégia de Tom Parker em isolar Elvis do público como forma de incentivar a venda de ingressos nos cinemas não deu certo. Elvis foi sumindo dos jornais, das revistas e finalmente dos olhos do público. Ao invés de estar fazendo shows e turnês memoráveis, Elvis estava afundando em roteiros de péssima qualidade em filmes que estavam sendo solenemente ignorados pelas pessoas em geral.

Pois bem, Elvis já tinha deixado Hollywood para trás e voltado aos shows em Las Vegas. O próximo passo era voltar ao estúdio de gravação para gravar boas músicas. "From Elvis in Memphis" entra nesse último quesito. Ao invés de letras bobocas sobre amores adolescentes o produtor Chips Moman selecionou um repertório de verdade, com temas interessantes, adultos, bem de acordo com os tempos em que todos viviam. O saldo de qualidade foi absurdo. Elvis que não era bobo nem nada ouviu todos aqueles demos e ficou empolgado. Ali estava um material para enfiar a cara, dar o melhor de si. Ao invés das ridículas canções sobre mariscos e ostras de seus filmes de praia, Elvis agora tinha uma bela coleção de canções para trabalhar. Ele ficou empolgado com a oportunidade de novamente cantar bem, fazer bonito perante a crítica e principalmente reconquistar seu velho público que havia ido embora depois de tantos discos medíocres.

O estúdio escolhido foi o American que ficava ali em Memphis mesmo, em um bairro de vizinhança pobre e negra da cidade. No passado o American havia sido usado por inúmeros artistas de black music. Ao contrário dos assépticos estúdios da costa oeste, com seu ambiente de plástico, agora Elvis estava respirando história musical ali dentro. Procurando absorver os bons ares do local ele costumava chegar cedo ao estúdio para acompanhar as gravações de artistas negros que gravavam antes dele. Elvis sempre foi um apaixonado pela música negra e agora podia se sentir fazendo parte daquela comunidade de artistas. Era algo muito gratificante para ele naquele momento complicado de sua vida profissional.

Outra decisão que ajudou Elvis a respirar novos ares foi a despedida de sua antiga banda. Com os anos muitos daqueles músicos foram pegando vícios dentro dos estúdios. A convivência por muito tempo acabou criando uma certa saturação de relacionamento. Com a entrada de um novo grupo musical esses ares se renovavam. Os novos membros da banda de estúdio de Elvis nunca tinham trabalhado com ele antes. Eram jovens e admiravam Presley pelo que ele havia conquistado por todos aqueles anos, porém todos concordavam que os últimos álbuns do cantor eram verdadeiras palhaçadas. Ajudar Presley passou a ser mais um ponto de incentivo para todos. Scotty Moore, DJ Fontana e a velha banda de Elvis então foram dispensados pelo Coronel Parker. Eles faziam parte do passado e Elvis agora procurava olhar para a frente, em busca de novos horizontes e objetivos a conquistar. Uma nova era começava em sua vida.

Wearin' That Loved On Look (Dallas Frazier / Al Owens) - A canção que abre o álbum "From Elvis in Memphis" já trazia todos os elementos que demonstrariam aos fãs que Elvis finalmente trilhava um novo caminho na carreira. As mudanças já começavam pelos arranjos. Há nitidamente por parte do produtor Chips Moman um esforço em enriquecer as gravações com uma instrumentação mais bem elaborada e moderna. Também chama a atenção o fato de que os antigos arranjos vocais da discografia de Elvis, baseados em grupos masculinos de formação gospel, como os Jordanaires, foram substituídos por algo mais contemporâneo, baseado numa vocalização feminina negra. A canção deu trabalho. Elvis e seus músicos ficaram das duas da manhã até as sete do dia 14 de janeiro, já com o sol raiando, trabalhando nela. No total foram produzidas 14 takes, sendo que nenhum deles deixou Elvis suficientemente satisfeito. Chips prometeu a Elvis que iria trabalhar depois na mesa de som com as gravações para se chegar em uma versão perfeita. Depois de tanto esforço é de se reconhecer que a gravação final ficou realmente irretocável. Uma bela obra prima dessa fase mais criativa do cantor. Eis as canções do álbum:

Only The Strong Survive (Gamble / Huff / Butler) - Uma das coisas que mais chamam atenção nessa nova leva de gravações de Elvis em 1969 é a mudança significativa das letras. Durante praticamente toda a década de 1960, principalmente com suas trilhas sonoras, Elvis ficou preso a um tipo básico de letra sobre amores adolescentes que se desgastou completamente. Assim já havia passado mesmo da hora de mudar, evoluir, crescer. Certamente o tema sobre amores não seria deixado de lado, porém sob um enfoque diferente, tratando dos problemas de um relacionamento mais adulto. Essa música havia sido gravada originalmente pelo cantor e compositor Jerry Butler um ano antes. Ela fazia parte do repertório do disco "The Ice Man Cometh". Quando lançada em single se tornou um grande sucesso, vendendo mais de um milhão de cópias, conquistando o disco de platina. Elvis a adorava e foi ele que a trouxe para as sessões no American. Posteriormente a música seria regravada por Billy Paul, consolidando ainda mais seu sucesso nas paradas.

I´ll Hold Your In My Heart (Arnold / Horton / Dilbeck) - Eddie Arnold foi um pioneiro da música country que cruzou várias vezes o caminho de Elvis ao longo de sua carreira. Um de seus maiores sucessos foi justamente essa canção "I´ll Hold Your In My Heart". Curiosamente, apesar de Arnold ter sido um dos maiores nomes do som de Nashville, ela gravou sua versão original nos estúdios da RCA Victor em Chicago. Outro fato que o liga a Elvis é que essa sessão de gravação foi produzida por Steve Sholes, o mesmo produtor que trabalhou ao lado de Elvis em seus primeiros anos na gravadora RCA. Elvis inclusive considerava esse um dos melhores trabalhos de Sholes e durante anos dizia que também iria gravar a sua versão da canção, que era uma de suas preferidas. Assim "I´ll Hold Your In My Heart" acabou sendo outra música escolhida pessoalmente por Elvis para a sessão. Como sempre a tocava no grande piano dourado de Graceland, em momentos de descontração, o próprio Elvis decidiu que ele iria tocar o instrumento na faixa. É justamente isso que ouvimos na versão oficial. Elvis inspirado fazendo sua pequena homenagem ao legado de Eddie Arnold.

Long Black Limousine (George / Stavall) - É certamente uma das melhores letras do disco. Evocativa, quase como uma narrativa cinematográfica, a canção chama a atenção pela originalidade e ousadia, afinal de contas não era todo dia que se ouvia algo assim. Com elementos de country e rhythm and blues, a canção foi sugerida pelo produtor Chips Moman. Ele chamou Elvis para lhe mostrar o tipo de sonoridade e criatividade que estava esperando produzir naquelas sessões. "Long Black Limousine" inclusive foi a música que abriu os trabalhos no American Studios. Moman queria começar em grande estilo, procurando ir diretamente a uma fonte com mais qualidade, com melhores arranjos e letras fortes, marcantes. Elvis adorou tanto a canção como a proposta do produtor, já que há anos vinha reclamando da falta de material de qualidade para trabalhar. A música havia sido escrita em 1958, no mesmo ano em que Elvis estrelava "King Creole". Durante anos porém ela não foi gravada. Foi considerada estranha demais pelas gravadoras da época. Apenas em 1961 ganhou sua primeira versão, em um single lançado pelo cantor Wynn Stewart. Ao longos dos anos foi ganhando novas regravações discretas. Nem a versão de Glen Campbell conseguiu se destacar nas paradas, provando que era realmente uma faixa sui generis que fugia dos padrões mais comerciais. Antes de Elvis a tornar mais conhecida, apenas sua inclusão no disco "The Nashville Sound of Jody Miller" conseguiu trazer alguma notoriedade. Depois que Elvis a gravou no American Studios finalmente a música conseguiu se tornar apreciada pelo grande público em geral. Um reconhecimento tardio, mas muito bem-vindo.

It Keeps Right A Hurtin (Johnny Tillotson) - Johnny Tillotson foi um cantor e compositor sulista que surgiu na esteira de sucesso do próprio Elvis, ainda na década de 1950. Inicialmente ele apareceu no mercado como um astro pop adolescente, porém com o passar dos anos foi crescendo musicalmente, abraçando finalmente o estilo country. Apesar de Johnny muitas vezes ser encarado apenas como um "mini Elvis" como tantos outros que surgiram naquela época, Elvis via em seus singles um claro talento musical. Na verdade o próprio Elvis costumava ouvir seus compactos quando estava na Alemanha, prestando serviço militar. Daqueles astros juvenis ele era um dos que mais chamavam sua atenção. "Pledging My Love", por exemplo, um hit na voz de Tillotson durante a década de 60, seria gravada por Elvis em seu último álbum, "Moody Blue". Já "It Keeps Right On A-Hurtin'" foi lançada originalmente como single em 1962. Desde o seu lançamento Elvis a considerou uma grande canção. A música realmente tinha excelente melodia e letra, o que a faz se destacar na Billboard, alcançando a terceira posição entre os mais vendidos. Essa foi outra especialmente selecionado por Presley para fazer parte do álbum. Uma questão realmente de gosto pessoal.

I'm Movin On (Hank Snow) - Nessa gravação Elvis Presley fez uma volta ao seu passado, mais precisamente a 1950 quando "I'm Movin On" na voz de Hank Snow estourou em todas as paradas country. Em Memphis ela virou figurinha fácil nas emissoras de rádio. Na época Elvis era apenas um garoto de quinze anos de idade que sequer sonhava em alcançar a fama de Hank, considerado um dos maiores ídolos da música country dos Estados Unidos. Durante as sessões Elvis começou a trocar ideias com o produtor Felton Jarvis (que iria se tornar seu produtor musical definitivo depois dessa gravação) e disse a ele que seria muito bom trazer grandes clássicos da country music para o American Studio. Ali mesmo, com Elvis sentado em um banco no centro do estúdio, eles começaram a lembrar de grandes músicas de um passado distante. Elvis se virou para Jarvis, apontou o dedo e disse: "Eu me lembrei agora de I'm Movin On do Hank! Vamos gravá-la!". Felton Jarvis então providenciou partituras para os músicos e após alguns breve ensaios eles conseguiram, até com relativa facilidade, chegar no take ideal que se tornaria o oficial. Depois da última tentativa, ainda com microfone aberto, Elvis empolgado disparou no microfone: "Ei, essa é uma grande canção!". Risos foram ouvidos atrás dele.

Power Of My Love (Bill Giant / Bernie Baum / Florence Kaye) - O trio Giant, Baum e Kaye escreveu algumas das mais medonhas músicas gravadas por Elvis em sua carreira. Muitas delas tinham sido compostas a toque de caixa para fazer parte das trilhas sonoras de seus filmes. Com o tempo Elvis foi desenvolvendo uma certa aversão ao trio, justamente por causa das porcarias que tinham escrito ao longo dos anos. Curiosamente ele, que chegou certa vez a dizer que nunca mais gravaria nada composto pelo trio novamente, resolveu abrir uma última exceção. A razão era simples de entender, pois "Power Of My Love" era realmente uma grande música, muito boa realmente, com letra e melodia bem acima da média. Muitos anos depois o compositor Florence Kaye confessou: "Realmente muitas músicas que fizemos para Elvis não eram grande coisa. Os filmes também não nos empolgavam a escrever nada melhor. Se o filme era ruim, as trilhas não poderiam ser melhores. Em 1969 o produtor de Elvis me ligou dizendo que providenciasse algo novo. O Coronel queria que uma de nossas músicas fosse para o novo disco de Elvis. Era um álbum de estúdio e por isso resolvemos dar o melhor de nós! Acho a gravação muito forte e bonita. Nossa melhor colaboração ao lado do cantor". Kaye tinha toda a razão, "Power Of My Love" era mesmo uma grande faixa e seguramente um dos melhores momentos do disco inteiro. Grande canção.

Gentle On My Mind (John Hartford) - John Hartford foi um mestre do folk americano. Com uma carreira longa e muito produtiva ele se destacou como um grande tocador de banjo e violão folclórico. Durante toda a sua carreira Hartford lutou para a preservação da cultura dos grandes rios do sul, onde muita música de qualidade era criada, principalmente em pequenos portos fluviais, em estabelecimentos pequenos que se instalavam próximo aos locais de desembarque dos grandes barcos movidos a vapor. Folclorista e historiador, dedicou sua carreira a preservar esse aspecto histórico da música sulista americana. Também foi produtor musical, muito próximo a Chet Atkins que havia trabalhado como produtor do próprio Elvis nos anos 60. Durante uma sessão de gravação em Nashville Elvis se encontrou casualmente com Hartford nos bastidores, já que na época John trabalhava também na RCA Victor. Presley aproveitou para elogiar sua recente gravação, a própria "Gentle On My Mind" que havia sido lançada originalmente pelo autor em 1967. John nem hesitou e sugeriu a Elvis que ele um dia a gravasse. "Adoraria ouvir você cantando ela, Elvis!" - disparou o compositor. Elvis parece não ter esquecido da sugestão. Assim dois anos depois desse encontro lá estava ele no estúdio cantando a música de seu colega da RCA. O que temos aqui é uma bela faixa, um excelente momento do cantor no American. A lamentar apenas o fato de Elvis não ter gravado mais canções de Hartford ao longo de sua discografia. Ele era inegavelmente um grande talento musical.

After Loving You (Miller / Lantz) - Essa canção já tinha uma longa tradição quando Elvis a gravou no American. Ela foi escrita por Eddie Miller na década de 1930. Naquela época a indústria fonográfica americana ainda era muito primitiva e os compositores ganhavam dinheiro com a venda das partituras musicais em folhas de papel. Essas então eram levadas para as grandes casas tradicionais do sul onde eram tocadas ao piano em saraus animados e elegantes. Era uma outra era, com costumes próprios. Depois de anos nessa linha tradicional a música foi finalmente colocada em um disco, numa gravação. Coube a Joe Henderson essa honra, já na primeira metade dos anos 1960 (trinta anos depois que Miller compôs sua canção). Depois veio a versão de maior sucesso, gravada por Eddy Arnold. Foi essa a versão na qual Elvis se baseou para sua gravação no American já que ele não apreciava muito a terceira versão, lançada em 1963, com Jim Reeves nos vocais. Segundo o próprio produtor Chips Moman, Elvis até pediu para ouvir novamente a gravação de Arnold no estúdio para se preparar para a sua própria interpretação. Em suma, uma canção histórica que rendeu um ótimo momento ao disco como um todo.

True Love Travells On A Gravel Road (Frazier / Owens) - Essa canção foi sugerida a Elvis Presley pelo produtor Felton Jarvis. Vejo isso como uma prévia do que iria acontecer na parceria entre ambos durante a década seguinte. Elvis como cantor, Jarvis como seu braço direito nos estúdios, seu produtor fixo. Geralmente músicas de claro sabor country, que não tinham feito muito sucesso com seus autores originais, eram revitalizadas por Elvis em seus vários álbuns na década que viria. Isso até se tornaria padrão nas escolhas de repertórios de seus futuros discos. É justamente o que temos aqui. A versão original havia sido lançada no ano anterior, porém não conseguiu se sobressair nas paradas - nem mesmo naquelas especializadas em country music. Jarvis, que tinha claros interesses comerciais na música, a tocou para Elvis no American. "Veja que bela canção Elvis!". Os olhos do cantor brilharam na primeira audição (ele ainda não conhecida a versão de Duanne Dee) e assim em questão de segundos ele decidiu que aquela era uma boa música e que iria gravá-la. Quem produziu a faixa inteiramente foi Felton Jarvis já que o produtor principal da sessão, Chips Moman, não se encontrava no estúdio naquele momento. Na verdade Elvis gostou muito mais de trabalhar ao lado de Felton Jarvis do que de Moman, que tinha um jeito mais incisivo de impor sua opinião, algo que não era de inteiro agrado de Elvis. Havia limites que, na visão de Elvis, Chips havia ultrapassado várias vezes durante os trabalhos no American. Jarvis, por outro lado, parecia ser mais camarada, amigo e próximo, e isso fez com que Elvis nas sessões seguintes sempre pedisse a RCA Victor para que Jarvis voltasse como seu produtor principal. Ficariam juntos até a morte do cantor em 1977.

Any Day Now (Hillard / Bacharad) - Todos sabiam que Elvis tinha uma grande admiração por Chuck Jackson, cantor negro nascido na Carolina do Sul, astro do selo Motown Records. Em 1962 ele emplacou esse sucesso em um single de grande sucesso. Naquela época Elvis até tentou gravar essa faixa para fazer parte de algum single pela RCA porém por motivos contratuais relativos à direitos autorais isso jamais aconteceu. Também não era o momento adequado. Elvis estava afundado em contratos de cinema e muito provavelmente nem encontraria espaço para lançar adequadamente a canção. Quando em 1969 voltou aos estúdios e recebeu carta branca da RCA ele nem pensou duas vezes. Aquele era o momento para gravar finalmente a música. Naquela altura a canção já tinha inclusive ganhado mais duas outras novas versões, lançadas por Burt Bacharach e Percy Sladge. O que mais chama a atenção na gravação de Elvis é que ele e Chips Moman procuraram dar a ela aquela sonoridade tão característica da Motown, com ricos arranjos de metais. Quando chegou a hora de gravar Chips posicionou os microfones mais distantes de Elvis do que o habitual. Era uma forma de criar uma sonoridade característica, como se Elvis estivesse cantando do fundo de um poço. Ecos da Sun Records. Uma maneira de homenagear aquele passado glorioso do cantor, afinal de contas eles estavam ali, na mesma cidade, Memphis, tentando recriar pelo menos em parte toda aquela magia inicial da carreira de Elvis.

In The Guetto (Mac Davis) - No final da década de 1960 a chamada música de protesto estava em alta. Havia os hippies, os movimentos sociais, a luta pelos direitos civis e toda uma sociedade em ebulição. Esse clima de tensão racial, sexual e social acabou passando para a arte, como era de se prever. Assim Mac Davis escreveu essa música que tem quase uma linguagem cinematográfica. O foco vai para a dura vida dos negros nas grandes cidades americanas, vivendo em bairros e guetos pobres, longe de tudo, mas principalmente da riqueza dos brancos. Além disso havia o sempre presente preconceito racial, as atitudes de discriminação que sofriam e a exclusão social que sentiam na pele. Elvis, que em toda a sua carreira, nunca foi de cantar canções políticas ou de protesto, surpreendeu muita gente com essa faixa. Conforme ele próprio explicou numa entrevista, sua intenção não era virar um artista ativista, muito longe disso. Em sua maneira de ver a situação aquela era simplesmente uma ótima música que ele não poderia ignorar. A sua letra mais social era apenas um detalhe. Lançada como single era o tipo de gravação de que Elvis precisava para ganhar a simpatia de toda uma nova geração de radialistas, muitos deles alinhados com o novo tipo de pensamento e mentalidade que se espalhavam por toda a sociedade. Profissionais que surgiram tocando Beatles e Bob Dylan e que na maioria das vezes simplesmente ignoravam os lançamentos de Elvis, principalmente em sua fase Hollywoodiana dos anos 60. Agora o veterano Elvis parecia ter algo mais substancial para apresentar. Não é por outro motivo que a música acabou virando sucesso, também nessas rádios de universidades, comunidades, centros sociais, etc. Finalmente Elvis parecia ter algo importante para cantar após anos apresentando material de baixa qualidade. O sucesso foi então apenas um efeito natural da boa receptividade da faixa como um todo.

Elvis Presley - From Elvis in Memphis (1969): Elvis Presley (voz, piano e violão) / Reggie Young (guitarra) / Tommy Cogbill (baixo) / Mike Leech (baixo) / Gene Chrisman (bateria) / Bobby Wood (piano) / Ronnie Milsap (piano) / Bobby Emons (orgão) / John Hughey (steel guitar) / Ed Kollis (harmônica) / Sonja Montgomery, Mary Green, Mary Holladay, Donna Thatcher, Susan Pilikington & Sandy Bolsey (vocais) / Charlie Hodge (vocais) / The Memphis Horns (metais) / The Memphis Strings (cordas) / Orquestra Sinfônica Municipal de Memphis / Produzido por Felton Jarvis, Chips Moman e Elvis Presley / Data de gravação: 13 a 22 de janeiro e 17 a 22 de fevereiro de 1969 / Gravado no American Studios, Memphis / Data de lançamento: Novembro de 1969 / Melhor posição nas charts: #13 (EUA) e #1 (UK).

Pablo Aluísio.

Jogos Vorazes: A Esperança - O Final

O texto contém spoiler. Assim se você ainda não assistiu ao filme aconselho que não siga lendo as linhas a seguir. Esse é o último filme da franquia "The Hunger Games" e desde já me pareceu ser também o melhor. A trama é bem mais objetiva, segue uma direção mais determinada e a conclusão de tudo me soou muito coerente. No começo "Jogos Vorazes" não me agradou. O primeiro filme é bem excessivo, kitsch e sem muita originalidade. A sorte é que esse é tipicamente o caso de franquia que vai melhorando com o passar do tempo, com o surgimento de novos filmes. O ápice dessa saga, tanto em termos de conclusão da história como em qualidade, acontece justamente aqui. Como eu escrevi a trama é simples e direta: os rebeldes finalmente chegam para conquistar a Capital Panem. Katniss Everdeen (Jennifer Lawrence) ainda é vista como um símbolo, uma imagem para inspirar as tropas rebeldes, mas ela quer mais do que ser apenas uma garota propaganda da causa. Ela quer ir para o front, enfrentar o inimigo. Contrariando ordens superiores e agindo de acordo com sua própria vontade ela segue em frente. Em pouco tempo se une às forças que vão invadir a Capital. No fundo o que ela mais deseja é encontrar o Presidente Snow (Donald Sutherland) para um acerto de contas final. Como era de se esperar as melhores cenas acontecem justamente durante essa invasão. O grupo de Everdeen precisa avançar pelas ruas da capital lidando com várias armadilhas dentro da cidade, algumas bem boladas que proporcionam ótimas sequências de efeitos especiais (a produção, como não poderia deixar de ser, é das melhores). Entre as cenas que se destacam há uma em particular que eleva bastante o nível do filme, justamente quando Katniss encontra um grupo de criaturas que os atacam no subsolo da cidade. Cheguei até mesmo a me lembrar vagamente dos monstros vampiros de "Blade".

Depois o grupo avança e finalmente chega nas portas da mansão do Presidente Snow. Os rebeldes surgem disfarçados de refugiados (embora não proposital, essa é uma interessante referência ao momento atual vivido na Europa). Uma vez lá acontece o massacre de inocentes que irá determinar todo o destino dos rebeldes e da tirania de Snow. Aqui há uma reviravolta interessante que vale pela franquia como um todo. Embora "Jogos Vorazes" seja um produto nitidamente adolescente aqui a autora Suzanne Collins teve um ótimo momento de inspiração ao colocar algo que é mais corriqueiro do que se pensa (e que, surpresa, vale como alegoria política até mesmo no que acontece em nosso país atualmente). Uma vez assumindo o poder a líder rebelde Alma Coin (Julianne Moore), portadora de tantas esperanças por mudanças por parte das populações oprimidas dos distritos, começa a agir justamente como o deposto presidente Snow. Ela ignora conselhos, promovendo execuções sumárias e propõe até mesmo a volta dos "Jogos Vorazes", um absurdo completo. A oposição ao colocar as mãos no poder muitas vezes acaba agindo mais cruelmente do que a própria tirania que ajudou a combater e derrubar! Sabendo muito bem disso o clímax acontece na praça central quando Katniss tem a oportunidade de executar o próprio presidente Snow ou até mesmo a agora empossada nova presidente Coin, que finalmente mostra a que veio, revelando suas verdadeiras intenções. Tudo se resume em escolher o alvo certo! É a melhor cena de toda a franquia e a mais representativa também. Traz uma bela lição de moral, para não esquecer. Por fim, nem a última sequência, bastante reforçada com pieguice sentimental, consegue estragar o que aconteceu momentos antes. Então é isso. O filme não foi o sucesso espetacular de bilheteria que o estúdio esperava, mas tampouco pode ser considerado como uma decepção ou algo assim. É de fato o melhor filme da franquia, fechando com chave de ouro uma série de filmes marcados pela irregularidade ao longo de todos esses anos.

Jogos Vorazes: A Esperança - O Final (The Hunger Games: Mockingjay - Part 2, EUA, 2015) Direção: Francis Lawrence / Roteiro: Peter Craig, Danny Strong, baseados na obra de Suzanne Collins / Elenco: Jennifer Lawrence, Donald Sutherland, Julianne Moore, Philip Seymour Hoffman, Woody Harrelson, Josh Hutcherson, Liam Hemsworth / Sinopse: Os rebeldes dos distritos que lutam contra a tirania do Presidente Snow (Sutherland) finalmente conseguem entrar na capital Panem. A luta promete ser rua a rua, casa a casa, pelo controle do poder. Filme indicado ao prêmio da Broadcast Film Critics Association Awards na categoria de Melhor Atriz (Lawrence).

Pablo Aluísio e Júlio Abreu. 

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Guia de Episódios - Game of Thrones - Quarta Temporada

Game of Thrones 4.01 - Two Swords
Primeiro episódio da quarta temporada desse enorme sucesso da TV americana, "Game of Thrones". Tyrion Lannister (Peter Dinklage) começa o episódio colocando em prática sua habilidade em diplomacia ao receber o nobre Oberyn Martell (Pedro Pascal) em suas terras. Ele não era o esperado, mas sim seu irmão velho que está no trono, porém como há rivalidades antigas entre as duas famílias, principalmente envolvendo o clã Lannister, Tyrion procura amenizar o mal estar. O príncipe Oberyn inclusive parece pouco interessado em política, estando mais focado em participar de orgias e quem sabe vingança contra aqueles que mataram sua irmã no passado. Longe dali, nas muralhas, Jon Snow (Kit Harington) é julgado por ter se envolvido com uma selvagem e ter participado de alguns atos criminosos que vão contra as regras de sua ordem. Após um tenso processo ele é finalmente dispensado de qualquer pena (pelo menos provisoriamente). Há um iminente ataque sendo preparado e Snow procura alertar seus superiores do perigo, embora não seja muito bem sucedido sobre isso. Tyrion Lannister também está com problemas em sua vida pessoal. Sua esposa, deprimida, se recusa a se alimentar. O casamento forjado não lhe fez bem e a tristeza e a depressão aumentam a cada dia. Por fim, fechando com chave de ouro o episódio, Arya Stark (Maisie Williams) e o antigo "Cão de Guarda" do rei, Sandor 'The Hound' Clegane (Rory McCann), encontram numa taverna membros do exército de Joffrey Baratheon! Não será um dos encontros mais amigáveis da série. O que podemos dizer mais sobre "Game of Thrones"? Os roteiros são excelentes, produção digna de qualquer grande produção para o cinema e um elenco afiado compõe um dos mais bem sucedidos programas dos últimos tempos. Mais uma amostra do maravilhoso trabalho desenvolvido pelo canal HBO. Simplesmente imperdível! / Game of Thrones 4.01 - Two Swords (EUA, 2014) Direção: D.B. Weiss / Roteiro: George R.R. Martin, David Benioff / Elenco: Peter Dinklage, Nikolaj Coster-Waldau, Lena Headey, Kit Harington.

Game of Thrones 4.02 - The Lion and the Rose
A quarta temporada de "Game of Thrones" já começa em alta intensidade. Nesse episódio temos alguns eventos marcantes da série. O vaidoso e arrogante Rei Joffrey Baratheon (Jack Gleeson) se casa com sua nova consorte. Um sujeito insuportável e despreparado, cheio de atitudes juvenis e constrangedoras, que parece ter a firme convicção que reinará por longos anos. O que ele não sabe é que já existe todo um complô para acabar com seu breve reinado. Bem no meio das festividades Joffrey começa a se indispor com Tyrion Lannister (Peter Dinklage). As provocações já começam com a pequena trupe de anões que se apresenta na corte. Com todos vestindo trajes de combate eles recriam, em tom burlesco, os principais momentos das sangrentas guerras que assolaram todos os reinos. A piada de mau gosto abre sorrisos amarelos em todos, afinal ninguém ali arrisca contrariar as idiotices do Rei Joffrey. Tyrion porém não deixa barato e afirma ser um desrespeito aquele show de horrores sem graça para com os que morreram nos campos de batalha. A atitude do pequenino  Lannister desperta o pior lado do monarca que resolve a partir daí humilhar o máximo possível Tyrion. O nomeia seu serviçal e pede que ele lhe sirva vinho, mantendo seu copo sempre cheio - uma óbvia forma de rebaixá-lo na frente de todos. O que ele não contava é que estaria prestes a provar de seu próprio veneno, literalmente falando. Episódio adaptado para a TV a partir do texto original "A Song of Ice and Fire" de George R.R. Martin / Game of Thrones 4.02 - The Lion and the Rose (EUA, 2014) Direção: Alex Graves / Roteiro: George R.R. Martin, David Benioff / Elenco: Peter Dinklage, Nikolaj Coster-Waldau, Lena Headey.

Game of Thrones 4.03 - Breaker of Chains
Não foi um grande episódio, mas manteve o excelente nível de Game of Thrones. Nos Estados Unidos a série é uma verdadeira febre. Confesso que ao longo de todas essas temporadas fui gradativamente perdendo o interesse. Sigo por uma questão de estar antenado com as novidades, mas realmente não há muito o que celebrar. Um dos problemas que aponto nessa quarta temporada é a lentidão com que os roteiristas vão desenvolvendo os episódios ultimamente. Com duração em média de 50 minutos de duração era de se esperar que acontecesse mais coisas. "Breaker of Chains" retrata bem esse estado de coisas. Embora o episódio seja longo nada de muito especial acontece. As melhores cenas são aquelas em que Tyrion Lannister (Peter Dinklage) está na prisão, conspirando para arranjar um jeito de sair de lá. Fora isso temos o longo funeral do Rei Joffrey Baratheon (Jack Gleeson). Há uma cena especialmente gratuita e sensacionalista de sexo, bem embaixo do corpo do monarca! Será que o clima de "50 Tons de Cinza" finalmente invadiu o universo de Game of Thrones? / Game of Thrones 4.03 - Breaker of Chains (EUA, 2014) Direção: Alex Graves / Roteiro: George R.R. Martin ( baseado em "A Song of Ice and Fire"), David Benioff/ Elenco: Peter Dinklage, Nikolaj Coster-Waldau, Lena Headey.

Game of Thrones 4.04 - Oathkeeper
Na luta entre Daenerys Targaryen e Meereen a primeira mostra toda a sua capacidade de organização e superação. Ela não aceitará qualquer tipo de oposição em sua sede de poder e demonstra que estará disposta a tudo para concretizar seus planos de dominação. Enquanto isso os bastidores fervem de conspirações. Bronn diz a Jaime que ele está mais do que certo, uma vez que Tyrion realmente nada teve a ver com a morte de Joffrey. E a identidade dos assassino do Rei Joffrey é finalmente revelada depois de muitas especulações - embora não seja necessariamente a verdade. Ao visitar o irmão em sua cela se convence ainda mais disso. Jaime também pede a Brienne que essa encontre Sansa pois ele deseja lhe dar sua espada, Oathkeeper (que inclusive dá nome ao episódio). Já no Castelo Negro Jon Snow recebe permissão para comandar um grupo de voluntários para avançar 60 milhas rumo ao norte. Ele pretende abrir uma linha de conversação com o exército rebelde liderado por Mance Rayder. Por fim Bran acaba se tornando prisioneiro de Karl Tanner na tomada da fortaleza de Craster. Mais um bom episódio da série, sempre muito bem realizada, com ótima produção. / Game of Thrones 4.04 - Oathkeeper (EUA, 2014) Direção: Michelle MacLaren / Roteiro: David Benioff / Elenco: Peter Dinklage, Nikolaj Coster-Waldau, Lena Headey.

Game of Thrones 4.05 - First of His Name
Rei morto, rei posto. Com a morte de Joffrey seu trono fica vago, mas não por muito tempo. Tommen Baratheon (Dean-Charles Chapman) se torna assim o novo Monarca Supremo dos Sete Reinos. O problema é que ele é muito jovem e completamente inexperiente. Será um bom Rei? Essa é a pergunta que todos se fazem. O que se torna mais certo é que apesar de mal saído da adolescência Tommen Baratheon parece ter boas intenções e uma certa bondade em seu coração, algo que era inexistente na personalidade psicopata de Joffrey. Os inimigos porém ficam com olhos de Lince sobre a nova situação política. Jorah Mormont aconselha Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) das inúmeras possibilidades de se lidar com essa nova situação, entre elas a iminente fragilidade que se abaterá no trono agora com um Rei tão jovem e sem experiência. A Rainha também decide que deverá ela mesma administrar mais de perto todo o extenso território que está sob seus domínios. Enquanto alguns lutam pelo poder máximo outros apenas tentam sobreviver, ficar vivo. É o caso de Tyrion Lannister (Peter Dinklage), acusado de ter envenenado o Rei Joffrey. / Game of Thrones 4.05 - First of His Name (EUA, 2014) Direção: Michelle MacLaren / Roteiro: David Benioff / Elenco: Nikolaj Coster-Waldau, Lena Headey, Emilia Clarke.

Game of Thrones 4.06 - The Laws of Gods and Men
Em relação a Game of Thrones estou mais atrasado que noiva em dia de casamento. Tudo bem, não é algo tão importante assim, afinal cada um tem seu próprio ritmo. De qualquer maneira a série, que teve duas novas temporadas confirmadas nos Estados Unidos recentemente, continua sendo uma das melhores coisas para se assistir na TV atualmente. O que mais marca nesse episódio é o começo do julgamento de Tyrion Lannister (Peter Dinklage). Acusado de matar o rei ele finalmente é levado para ser julgado pelos seus pares (ou quase isso). Tywin Lannister (Charles Dance), seu próprio pai com quem tem inúmeras diferenças pessoais, é designado para coordenar os trabalhos. Obviamente que nos bastidores ele elabora um plano para que Tyrion seja condenado, mas ao mesmo tempo fique isento de pena, sendo banido para viver na fronteira gelada do norte. O próprio réu é informado disso, mas revoltado por estar sendo acusado de algo que definitivamente não fez, ele acaba fazendo um apelo ao tribunal, pedindo para que os deuses decidam seu destino, através de um julgamento de combate (uma espécie de ordália de Deus, algo bem comum em tempos medievais). Enquanto Tyrion joga dados com sua vida, Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) segue com seus planos ambiciosos de dominação. Ela pretende avançar cada vez mais pelos sete reinos, apoiada em seus dragões e um exército de mercenários. Tentando passar a imagem de soberana sábia e justa ela abre audiências para seus súditos, onde decide sobre questões cotidianas e nobres, como por exemplo, como indenizar os pastores que ficam sem seus rebanhos da noite para o dia por causa da fome feroz dos dragões da nova rainha. Coisas da vida. / Game of Thrones 4.06 - The Laws of Gods and Men (EUA, 2014) Direção: Alik Sakharov / Roteiro: David Benioff, baseado na obra "A Song of Ice and Fire" de George R.R. Martin / Elenco: Peter Dinklage, Emilia Clarke, Charles Dance, Nikolaj Coster-Waldau, Lena Headey.

Game of Thrones 4.07 - Mockingbird
Acusado injustamente de ter envenenado o Rei Joffrey, Tyrion Lannister (Peter Dinklage) tenta se manter vivo de todas as formas. Ele propõe que se faça uma luta ao velho estilo, seguindo costumes antigos, de maneira que se seu campeão se tornar vencedor na arena ele será solto. O problema agora se resume em achar o homem certo para a luta mais decisiva de sua vida. Enquanto Tyrion luta por sua vida, a Rainha Daenerys Targaryen (Clarke) luta para controlar seus desejos carnais. Ela até tenta resistir às inúmeras tentações, mas acaba cedendo, indo parar nos braços e na cama de Daario Naharis (Michiel Huisman). Esse aproveita a inesperada aproximação com o trono para sugerir à Rainha medidas a serem tomadas contra os antigos mestres de escravos. Ela porém não está disposta a abrir mão de seu poder de comando e resolve seguir por outros caminhos. O desejo e a política devem estar sempre separadas - essa é a grande lição que a Rainha deixa subentendida para seu amante de ocasião. / Game of Thrones 4.07 - Mockingbird (EUA, 2014) Direção: Alik Sakharov / Roteiro: David Benioff, baseado na obra "A Song of Ice and Fire" de autoria do escritor George R.R. Martin / Elenco: Peter Dinklage, Nikolaj Coster-Waldau, Lena Headey, Emilia Clarke, Michiel Huisman, Charles Dance.

Game of Thrones 4.08 - The Mountain and the Viper
Theon Greyjoy é enviado para as frente inimigas com a missão de convencê-los a se renderem, prometendo que todos poderão voltar para suas casas e suas terras em paz. Enquanto isso a Rainha Daenerys Targaryen (Clarke) vai descobrindo os problemas e conflitos que nascem após conquistar várias terras, com costumes e tradições tão diferentes. Além de ser sábio o líder precisa ter diplomacia e jogo de cintura, uma vez que não é sempre que a força bruta poderá resolver todos os problemas. Bom episódio, centrado muito mais nas conspirações que envolvem os principais reinos do que na pura ação e violência. Dirigido por Alex Graves, um dos mais presentes diretores na série. Experiente e veterano ele também já dirigiu vários episódios de outras séries de sucesso tais como "Homeland", "Shameless" e "Longmire", ou seja, experiência certamente não lhe falta. / Game of Thrones 4.08 - The Mountain and the Viper (EUA, 2014) Direção: Alex Graves / Roteiro: David Benioff, baseado na obra "A Song of Ice and Fire" de autoria do escritor George R.R. Martin / Elenco: Peter Dinklage, Nikolaj Coster-Waldau, Lena Headey, Emilia Clarke, Michiel Huisman, Charles Dance.

Game of Thrones 4.09 - The Watchers on the Wall
Nesse episódio temos a primeira tentativa por parte dos povos selvagens e bárbaros do norte gelado em tomar e destruir a grande muralha. A Patrulha da Noite assim tem seu primeiro teste de fogo ao deter os avanços dessas hordas de guerreiros. E elas estão muito bem preparadas - além de possuírem 1000 homens para cada membro da Patrulha da Noite eles ainda contam com gigantes montados em mamutes enormes e violentos! Um dos principais comandantes dos "corvos" (como são chamados pelos bárbaros) acaba sendo morto em um dos momentos mais sangrentos da invasão (justamente a tomada do portão sul). Assim, no meio do caos, o comando passa para Jon Snow (Kit Harington) que precisa manter todo o sangue frio para comandar seus homens. O fato mais chocante desse episódio - spoiler - vem com a morte de Ygritte (Rose Leslie), a ruivinha selvagem que era apaixonada por Snow. Ao encontrá-lo no meio do caos da guerra ela para, hesita e não consegue atacar seu amor (que afinal de contas está lutando pelos corvos). Suas hesitação acaba lhe custando a vida pois ela é atingida (vejam que ironia) por uma flecha certeira em seu coração. Tenho certeza que todos os fãs de Game of Thrones sentiram muito sua morte (mais uma dentre as muitas que virão envolvendo personagens importantes). Ela era selvagem, mas ao mesmo tempo muito sensual, uma garota sexualmente muito ativa que não tinha medo de expor seus desejos mais primitivos. Então é isso. The Watchers on the Wall é certamente um dos melhores episódios da série - algo para ficar na memória dos fãs da saga de Martin. / Game of Thrones 4.09 - The Watchers on the Wall (EUA, 2014) Direção: Neil Marshall / Roteiro: David Benioff, baseado na obra de George R.R. Martin ("A Song of Ice and Fire") / Elenco: Kit Harington, John Bradley, Hannah Murray, Rose Leslie.

Game of Thrones 4.10 - The Children
Finalmente cheguei, com bastante atraso, ao final da quarta temporada. Como era de se esperar para um episódio final muita coisa acontece ao mesmo tempo, uma tentativa de ir fechando arcos narrativos ao mesmo tempo em que prepara o espectador para a quinta temporada. Nesse episódio Stannis Baratheon (Stephen Dillane) cerca os povos rebeldes do norte, colocando um ponto final a um conflito que já se prolongava há tempos. Enquanto isso Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) toma conhecimento que seus amados dragões estão criando inúmeros problemas entre seus súditos. Além de destruírem plantações, eles ainda matam em profusão. A vítima é uma garotinha de apenas 3 anos. Seu pai leva o corpo carbonizado da menina até os pés de Targaryen que fica visivelmente abalada com a cena. Para evitar que isso ocorra novamente ela resolve, com muito pesar, acorrentar os dragões. Um outro aspecto interessante desse mesmo ciclo narrativo acontece quando um senhor já de idade avançada vai até ela pedir para que volte ao domínio de seu antigo senhor (Targaryen havia banido a escravidão da cidade). Ele argumenta explicando para a rainha que enquanto escravo tinha uma função importante na casa de seu antigo mestre pois era professor de seus filhos, respeitado por todos. Já livre ele não tem mais o que fazer, andando a esmo pelas ruas, vivendo das migalhas de seu reino. Uma metáfora interessante escrita por George R.R. Martin baseada em velhos contos medievais sobre as correntes douradas da escravidão. Já perto da muralha Jon Snow (Kit Harington) leva o corpo de Ygritte (Rose Leslie) para seu funeral, seguindo a velha tradição dos povos bárbaros. Esse estranho e improvável relacionamento amoroso foi bastante explorado em episódios anteriores. A cena marca a despedida da personagem da série. Por fim e não menos importante: Tyrion Lannister (Peter Dinklage) escapa da prisão com a ajuda do irmão, não sem antes acertar contas com sua antiga amante e seu pai, Tywin Lannister (Charles Dance), pego completamente desprevenido com sua presença em seus aposentos. Ah e antes que me esqueça, não poderia também deixar de citar a ótima cena com os esqueletos na geleira. Essa sequência me lembrou muito de "Jasão e o Velo de Ouro", clássico do cinema de fantasia dos anos 60, com inesquecíveis efeitos especiais feitos por Ray Harryhausen. Quem curte cultura pop certamente pegará a homenagem que foi bolada por R.R. Martin para o antigo mestre dos efeitos visuais. Um momento deliciosamente nostálgico dentro da série. / Game of Thrones 4.10 - The Children (EUA, 2014) Direção: Alex Graves / Roteiro: David Benioff, baseado na obra "A Song of Ice and Fire" de  George R.R. Martin / Elenco: Peter Dinklage, Kit Harington, Emilia Clarke, Stephen Dillane, Rose Leslie, Charles Dance, Nikolaj Coster-Waldau, Lena Headey.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Star Wars - The Force Awakens

Título no Brasil: Star Wars - O Despertar da Força
Título Original: Star Wars - The Force Awakens
Ano de Produção: 2015
País: Estados Unidos
Estúdio: Walt Disney Pictures
Direção: J.J. Abrams
Roteiro: Lawrence Kasdan, J.J. Abrams
Elenco: Daisy Ridley, Harrison Ford, Mark Hamill, Carrie Fisher, Max von Sydow
  
Sinopse:
Rey (Daisy Ridley) é um jovem que vive em um planeta deserto, perdido no meio da galáxia. Para sobreviver ela retira velhas peças de naves espaciais destruídas para trocar por ração. A vida é dura, mas ela luta dia a dia por sua sobrevivência. As coisas mudam para valer quando ela salva um pequeno droide da destruição. Ao livrar o robozinho do ataque de um nativo ela descobre que ele carrega uma importante informação dentro de si: o mapa que mostra a localização do mitológico cavaleiro jedi Luke Skywalker (Mark Hamill) há muito tempo desaparecido. A valiosa informação passa então a ser disputada pela Primeira Ordem (herdeira do Império e representante do lado negro da força) e a Resistência Rebelde.

Comentários:
Esse filme marca a volta de "Star Wars" aos cinemas. Depois da péssima última trilogia dirigida e escrita por George Lucas ele resolveu, farto de tantas críticas, vender todos os direitos autorais para a Disney pelo valor de quatro bilhões de dólares. No começo os fãs ficaram meio desconfiados, afinal de contas havia um receio que a saga ficasse ainda mais infantilizada sob comando dos estúdios Disney. Se essa for a sua preocupação pode ficar tranquilo. A contratação do diretor J.J. Abrams se mostrou muito certeira. Ele, claro, preferiu não mexer em muita coisa, optando ao lado do veterano roteirista Lawrence Kasdan, em escrever um roteiro bem referencial aos primeiros filmes. O resultado é um misto de "Guerra nas Estrelas" com "O Império Contra-Ataca". A estrutura do roteiro é basicamente a mesma e a função que os personagens desempenham no enredo nos remete imediatamente aos heróis dos primeiros filmes. Há cenas que praticamente são idênticas, como o decisivo confronto entre Han Solo (Ford) e seu filho, Kylo Ren (Adam Driver), agora seduzido pelo lado negro da força. Outras são claras homenagens ao filme original, como quando Han Solo chega em uma obscura taverna onde toca a mesma banda do primeiro "Star Wars". Com efeitos especiais mais discretos e bem realizados, a trama se mostra redondinha, conseguindo se fechar bem sobre si ao mesmo tempo em que deixa portas abertas para as óbvias continuações que virão. A heroína Rey (Daisy Ridley) é um achado, uma espécie de Luke Skywalker de saias. A preocupação em ligar sua vida à de Luke se mostra o grande gancho que no final ligará todos os filmes. No geral, apesar de ser tão derivativo que chega a comprometer sua originalidade e identidade, esse novo filme ganha pontos por ter deixado tudo o que estragou a última trilogia de lado. Não há personagens idiotas (como Jar Jar Binks) e nem excessos de efeitos digitais gratuitos. Tudo parece mesmo no lugar. No final o filme conseguiu agradar não apenas aos fãs veteranos como também à essa nova geração que está sendo apresentada pela primeira vez a esse universo. É Certamente um ótimo pontapé inicial para essa nova trilogia que vem por aí.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.