domingo, 28 de setembro de 2014

A Marca do Medo

O professor Joseph Coupland (Jared Harris), da prestigiado universidade de Oxford, resolve reunir um grupo de pesquisas para estudar fenômenos paranormais. Seu foco se concentra numa jovem garota, com um vasto histórico de internações em instituições psiquiátricas. Abandonada e órfã, ela desenvolveu desde muito cedo em sua vida estranhos poderes telecinéticos. A jovem afirma existir uma entidade espiritual chamada Evey, mas para o renomado pesquisador tudo não passaria de uma forma de exteriorizar aspectos e poderes psíquicos de sua própria mente. O cientista rejeita explicações religiosas ou baseadas no ocultismo. O que ele pretende mesmo realizar com suas experiências é provar que tudo pode ser explicado apenas do ponto de vista científico. Assim ele resolve isolar a jovem em uma antiga casa nos arredores de Londres. Leva seu grupo de pesquisa e começam a colher dados sobre seu comportamento e suas capacidades fora do comum. O que começa de forma racional e controlada porém logo perde o controle, se transformando em um verdadeiro caos, com eventos inexplicáveis e situações completamente fora do comum, o que leva o cientista a entrar em desespero, negando inclusive suas explicações baseadas apenas na observação puramente científica.

Assim começa esse novo terror chamado "A Marca do Medo". Como o próprio roteiro informa no começo da exibição tudo se baseia em uma história real acontecida no ano de 1974. Foi uma tentativa de se explicar coisas como fantasmas e manifestações paranormais de uma forma puramente racional e com base em eventos naturais. O curioso é que o diretor desse filme realizou uma obra bem sólida, que pouca margem dá para sensacionalismos ou cenas de maior impacto. Ao contrário disso tentou reproduzir literalmente o que teria supostamente acontecido na história original. O resultado não é magistral, mas consegue certamente manter o interesse. A jovem atriz Olivia Cooke  que interpreta a personagem Jane Harper, que supostamente estaria possuída por uma entidade do mal, ora surge como uma garota que deseja ser acima de tudo normal, ora como uma figura sinistra e de complicada compreensão. Some-se a isso o fato do filme utilizar de cenários escuros e sombrios de um velho casarão e você terá um bom clima para filmes de terror em geral. Não chega a ser repleto de sustos, até porque não é um enredo meramente ficcional, mas por outro lado privilegia mesmo o suspense, a tensão e a ansiedade com os rumos que a história vai tomando. Embora o final seja um pouco rendido aos clichês mais conhecidos, a fita se mantém como boa opção para os fãs de terror em geral. Não é bobo, nem violento em demasia e privilegia uma boa história de fantasma. E o fato de tudo ser passado na Inglaterra só ajuda ainda mais pois de aparições sobrenaturais em velhas casas os ingleses sabem tudo.

A Marca do Medo (The Quiet Ones, Estados Unidos, Inglaterra, 2014) Direção: John Pogue / Roteiro: Craig Rosenberg, Oren Moverman / Elenco: Jared Harris, Sam Claflin, Olivia Cooke / Sinopse: Professor da universidade de Oxford começa a realizar uma série de experiências com uma jovem que manifesta estranhos poderes paranormais. Para o professor tudo poderia ser explicado de um ponto de vista puramente científico. O que ele não sabia é que a ciência nem sempre pode explicar tudo o que acontece em nosso mundo.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário