quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Into the Forest

Título Original: Into the Forest
Título no Brasil: Ainda não definido
Ano de Produção: 2015
País: Canadá
Estúdio: Elevation Pictures
Direção: Patricia Rozema
Roteiro: Patricia Rozema, baseada na novela de Jean Hegland
Elenco: Ellen Page, Evan Rachel Wood, Max Minghella, Callum Keith Rennie, Michael Eklund, Wendy Crewson
  
Sinopse:
Nell (Ellen Page) e Eva (Evan Rachel Wood) são duas irmãs que moram em uma bela e moderna casa na floresta ao lado de seu pai. Durante uma das noites a energia elétrica simplesmente acaba. Ao que parece houve um blackout que atingiu todo o país. O tempo passa e nada da volta da energia. Aos poucos elas vão se dando conta de que algo muito sério aconteceu, embora elas não saibam exatamente o quê, pois não possuem mais acesso à tecnologia. Com o passar dos meses e depois da morte do pai, as duas jovens finalmente passam a entender a gravidade da situação, onde vão precisar sobreviver a todo tipo de desafio, pois ficam totalmente isoladas e sozinhas no meio da floresta, vulneráveis a todos os tipos de perigo. 

Comentários:
Gostei bastante desse filme. É o que eu costumo chamar de filme-tese. A estória aparentemente simples tenta provar um ponto de vista. No caso aqui o roteiro procura demonstrar o quanto o ser humano está escravo da tecnologia. As duas jovens que ficam em uma casa na floresta, sem luz por meses, tentam sobreviver de alguma forma, usando o que encontram na própria natureza para garantir mais um dia de vida. É como se o argumento do filme quisesse levar o espectador de volta na história, a uma era ainda bem primitiva onde os seres humanos só precisavam satisfazer seus instintos mais básicos com o uso de ferramentas rudimentares, sem qualquer apoio tecnológico mais sofisticado. Além das adversidades também temos a selvageria e a brutalidade que podem brotar entre os homens quando colocados em situações adversas e desafiantes. Há inclusive uma brutal cena de estupro para tentar demonstrar esse aspecto. Uma forma de lembrar ao espectador que os seres humanos ainda são animais e quando colocados em situações de limite e stress podem praticar os atos mais violentos, bárbaros e imorais. Até porque sob o ponto de vista do roteiro do filme a ética e a própria civilidade seriam de certa maneira apenas construções culturais e nada mais. Agora deixando um pouco de lado essas observações de cunho mais sociológico, eu chamo a atenção para a excelente atuação das duas atrizes, em especial Ellen Page. Ela é a irmã mais inteligente, mais durona, que tenta manter tudo funcionando, mesmo quando a sua irmã sucumbe a um estado depressivo e melancólico. Esse é aquele tipo de roteiro que acaba virando um verdadeiro presente para atrizes como elas, que são bem talentosas, isso porque tudo se sustenta praticamente em apenas duas personagens, mulheres que precisam superar todas as adversidades imagináveis, enquanto tentam sobreviver em uma floresta distante, sem saber direito o que estaria acontecendo lá fora, no mundo exterior. Como filme-tese que é, digo que realmente está acima da média do que vem sendo produzido. Não posso dizer que seja um filme para todo tipo de público porque afinal de contas o roteiro é (de forma louvável) bem pretensioso. No geral é aquele tipo de obra cinematográfica que se sai bem pelos dois lados, pois tanto funciona como diversão, como também em um sentido mais reflexivo. Se fosse defini-lo diria que é acima de tudo um estudo sociológico de nossas raízes mais primitivas.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

3 comentários:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★★
    Elenco: ★★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★★★
    Cotação Geral: ★★★★
    Nota Geral: 8.5

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir
  2. Pablo, você escreveu:

    "a ética e a própria civilidade seriam de certa maneira apenas construções culturais e nada mais"

    Eu te digo: pro bem e pro mal, é exatamente isso. Somos apenas selvagens brutais bem educados, nada mais. Nos deram essa "educação": a violência física, verbal, ou moral dos pais; a religião, no nosso infinito temor a um Deus abstrato; e, finalmente, a conveniência social que o bem viver nos proporciona. Elimine estes três itens e teremos o homem nietzschiano, a besta fera; pura vontade de potência.

    ResponderExcluir
  3. Poie então, o roteiro é especialmente indicado para pessoas que pensam desse modo. Assim que a energia acaba e os personagens do filme ficam sem a tecnologia que todos estamos acostumados, começam a se comportar como animais, bestas de instintos primitivos...

    ResponderExcluir