sábado, 6 de maio de 2017

A Descoberta

A premissa desse filme até que é muito boa. O cientista interpretado por Robert Redford consegue provar que realmente há vida após a morte. Sua descoberta, que deveria ser um grande acontecimento científico, logo gera efeitos colaterais imprevistos, como o aumento o número de suicídios por todo o mundo. Vendo a repercussão negativa, o Dr. Thomas (Redford) não se intimida. Ele aluga uma velha instituição e lá monta seu QG. Seu novo objetivo é descobrir para onde vai a consciência das pessoas mortas.

Enredo interessante, boa premissa, tudo bem. O problema é que o filme não desenvolve bem sua estória. Tudo é desperdiçado. O roteiro não explica em detalhes como o cientista chegou na prova de que haveria vida após a morte. Um diálogo bem genérico é dito, envolvendo partículas subatômicas, mas tudo fica por aí. Essa ligação entre a descoberta científica da existência de vida após a morte e suicídios também me pareceu uma tolice, não muito bem explicada. Algo gratuito e forçado, até porque não se sustenta por muito tempo.

A razão que me levou a assistir esse filme foi a presença do ator Robert Redford. Ele aliás é uma das poucas coisas que se salvam nessa produção equivocada. Sua magnífica presença está lá, toda a dignidade de um grande ator de tantos clássicos do cinema também, mas seu personagem, que poderia render muito, acaba sendo apenas vazio. Os roteiristas colocaram um romance entre o filho do cientista e uma garota suicida, mas isso não faz muita diferença. Também não salva o filme a reviravolta final, que tenta impressionar pela originalidade, mas que falha do mesmo modo. Há momentos que lembram filmes B de ficção dos anos 50, como o nada convincente aparelho de gravação de memórias! Enfim, achei bem decepcionante.

A Descoberta (The Discovery, Estados Unidos, 2017) Direção: Charlie McDowell / Roteiro: Justin Lader, Charlie McDowell / Elenco: Robert Redford, Mary Steenburgen, Brian McCarthy / Sinopse: Cientista renomado (Redford) consegue provar que a consciência sobrevive à morte, ou seja, que há ainda vida após a morte do corpo físico. A descoberta gera uma série de reações dentro da sociedade. O autor da façanha científica porém não se intimida, desejando ir além em suas descobertas sobre o tema.

Pablo Aluísio.

3 comentários:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★
    Elenco: ★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★
    Cotação Geral: ★★
    Nota Geral: 6.0

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir
  2. Pablo; esse tipo de roteiro é uma armadilha: por não ter fundamento fica difícil montar uma estória minimamente crível, quanto mais, coerente.

    Comments: O Talentoso Ripley; Feminino Cangaço; Mel Gibson parte 2.

    ResponderExcluir
  3. Esse filme me foi indicado por um amigo que o assistiu no Netflix. Ele disse: "Pablo, assista A Descoberta, que é ótimo!"

    Infelizmente não consegui gostar.

    ResponderExcluir