sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Wes Craven (1939 - 2015)

Segue a seguir texto que escrevemos quando da morte do cineasta Wes Craven em 2015: Lamentavelmente o mestre do terror Wes Craven faleceu no último dia 30 de agosto, aos 76 anos, em Los Angeles. Ele foi aquele tipo de cineasta que o fã de terror tinha que acompanhar sua filmografia bem de perto. Após a divulgação de sua morte criou-se uma ridícula discussão sobre a relevância ou não de sua obra entre admiradores do gênero, o que achei desrespeitoso e inútil. É óbvio e claro que Craven deve ser homenageado por quem gosta de filmes de terror. Não importa que sua carreira estivesse em baixa e nem dos filmes de má qualidade que havia assinado nos últimos anos. Ninguém, absolutamente ninguém, está isento de também cometer erros em sua arte. Wes Craven não era exceção. Assim o importante agora, mais do que tudo, é louvar seus bons filmes e as películas que marcaram toda uma geração de cinéfilos.

No total Wes Craven dirigiu 29 filmes, um número muito bom para os padrões atuais. Sua estreia na direção se deu no longínquo ano de 1972 com o filme "Aniversário Macabro". Em uma época em que filmes de terror ainda soavam tímidos em termos de ousadia e violência, Craven se despiu de qualquer amarra e fez um terror considerado pesado naquele ano. Embora o roteiro não fosse grande coisa, o diretor conseguiu imprimir muito estilo no desenvolvimento da trama. Apesar de seu debut promissor apenas cinco anos depois Craven voltaria a dirigir algo marcante. O filme se chamava "Quadrilha de Sádicos" e foi considerado tão subversivo em seu lançamento que acabou se tornando um dos mais influentes do cinema de terror moderno. Ao invés de lidar com vampiros ou monstros, Craven direcionou sua lente para a monstruosidade da alma humana ao enveredar por dentro de uma família de psicopatas extremamente brutais, bem no meio de um deserto hostil. Tanto do ponto de vista da fotografia quanto do roteiro abusivamente insano, o filme poderia ser considerado um marco do terror americano.

Depois de "O Monstro do Pântano" e da sequência "Quadrilha de Sádicos 2" o diretor iria finalmente dirigir sua grande obra prima, o filme que iria lhe colocar no panteão dos grandes mestres do terror. O filme era intitulado "A Hora do Pesadelo". Fred Krueger era o personagem central. Ele havia sido um pedófilo e assassino em vida, nascido de um estupro coletivo que agora aterrorizava um grupo de adolescentes típicos dos anos 80. O detalhe mais interessante: Fred Krueger estava morto, havia sido linchado e só conseguia surgir nos pesadelos de suas pobres vítimas! Apoiado em um argumento tão perturbador (afinal ter pavor na hora de adormecer é algo que assusta a todos), "A Nightmare on Elm Street" logo se tornou um sucesso absoluto de bilheteria. A crítica também adorou a original proposta do diretor. O personagem que havia criado, com suas garras de metal e rosto distorcido pelo fogo, virou ícone pop, tão cultuado e amado pelos fãs de cinema quanto seu principal rival nas matanças das telas, o Jason de "Sexta-Feira 13". Estava inaugurado o cinema de terror dos grandes psicopatas de mentirinha que, a despeito de tudo isso, ainda conseguiam assustar muito o público.

"A Hora do Pesadelo" redefiniu toda a carreira de Craven que a partir daí ficou esmagado por sua maior criação. Todos queriam que o cineasta voltasse às telas com algo tão original, bom e aterrorizador quanto Krueger. A verdade porém é que houve um esgotamento por parte do diretor depois daquele filme. Ele parecia não ter mais ideias novas. Filmes como "A Maldição de Samantha", "Shocker - 100.000 Volts de Terror", "As Criaturas Atrás das Paredes" e "A Maldição dos Mortos-Vivos" podiam até divertir, mas estavam longe, bem longe, da genialidade que se esperava dele. Como declarou certa vez em uma entrevista, Craven parecia assombrado por sua própria criação, a tal ponto que resolveu se distanciar um pouco da franquia que nascia com força comercial em filmes, séries de TV e revistas, todas explorando o universo doentio de Fred Krueger.

Apenas dez anos depois do primeiro "A Hora do Pesadelo" foi que Wes Craven resolveu finalmente dirigir um novo filme sobre o infame assassino de jovens. "O Novo Pesadelo: O Retorno de Freddy Krueger" de 1994 deixou um gostinho de decepção no ar, já que todos esperavam por uma nova obra prima e isso não aconteceu. Era apenas mais um filme da franquia, sem muitas novidades dignas de nota. O fracasso comercial de "Um Vampiro no Brooklyn", com Eddie Murphy, um ano depois só agravou ainda mais o quadro e o prestigio do diretor em Hollywood. Ele parecia não ter mais nada de novo a dizer, sem rumo e sem direção certa a seguir na carreira.

Seu renascimento como diretor comercialmente consagrado só viria mesmo com "Pânico"! O curioso é que Craven escreveu uma espécie de sátira em cima dos filmes de terror, brincando o tempo todo com os clichês mais habituais do gênero. O público amou o resultado final e em pouco tempo Craven tinha outra franquia milionária em mãos. Só que ao contrário do que havia acontecido com "A Hora do Pesadelo" aqui ele faria questão de dirigir todas as continuações, exercendo mão de ferro sobre sua popular nova criação. Quatro filmes de "Pânico" depois e Craven já era um multimilionário. Com a velhice chegando ele começou a recusar a direção de filmes importantes, que fizeram muito sucesso depois. Ao invés disso resolveu se arriscar em produções duvidosas com roteiros fracos. "A Sétima Alma" é um exemplo dessa má fase do diretor.

Finalmente há quatro anos Wes Craven finalmente se despediu do cinema com o fracasso de "Pânico 4", um terror que não era tão ruim como se dizia na época de seu lançamento. Depois dessa decepção o diretor resolveu dar um tempo. Continuou produzindo e esporadicamente escrevendo alguns roteiros, mas nada muito frequente. Depois que sua saúde ficou debilitada ele se distanciou ainda mais da possibilidade de vir a dirigir novos filmes. Tudo bem que "Pânico 4" não foi uma despedida à altura do que tanto fez em sua carreira, mas certamente, pelo conjunto da obra, Craven merece todo o reconhecimento e elogios. Foi realmente um mestre do terror em sua passagem entre nós. Descanse em paz, Wes Craven.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Um comentário: