terça-feira, 5 de julho de 2016

Independence Day: Resurgence (2016)

Pois é, quando todo mundo pensava que Independence Day estava encerrado definitivamente eis que surge sua sequência tardia, mais de vinte anos depois do lançamento do primeiro filme. Aquele era uma patriotada cheia de efeitos especiais e roteiro pífio, estrelada pelo ator Will Smith, até então considerado o Rei do verão do cinema americano por causa das ótimas bilheterias de seus filmes. Roland Emmerich, o diretor, era apontado como um promissor novo talento em Hollywood, quem diria...

Agora o jogo virou. Smith não quis fazer a continuação - sábia decisão dele - e assim o estúdio precisou se virar para colocar um filho dele dentro da trama. O diretor Roland Emmerich, agora todos já sabem, não passa de um diretor de filmes vazios cheios de efeitos especiais e só. As coisas não mudaram. A trama continua básica e sem profundidade. Essa é, como era de se esperar, bem simples, beirando a bobeira completa. Basicamente aliens ceifadores, com estrutura biológica de insetos, mas tecnologia de ponta, que vão de planeta em planeta pelo universo atrás de seus recursos naturais para roubar e destruir civilizações em troca da energia vital de que precisam para sobreviver. A novidade em termos de roteiro dessa sequência vem do fato de que essa verdadeira praga espacial ter também seus inimigos, também vindos do espaço, que desejam ajudar a humanidade a se livrar deles. Aliens maus vs Aliens bonzinhos.

Parte do elenco original está de volta, mas faz pouca diferença. Jeff Goldblum e Bill Pullman estão lá, porém pouco podem fazer. Como era previsível todos estão bem mais velhos, mas ainda tentando manter em vão a chama acessa. Algo complicado de se fazer pois o roteiro não ajuda. Na verdade o que temos aqui é um mero remake disfarçado já que toda a estrutura narrativa é praticamente a mesma do filme original, sem tirar e nem colocar muita coisa nova. A única característica que merece elogios é que finalmente deram um tempo na patriotada que destruiu o primeiro filme. Era tanta bobagem Made in USA que deixava o espectador com vergonha alheia.

Os efeitos especiais procuram seguir o que foi visto no primeiro filme. Isso quer dizer que são bem exagerados. Ao invés de ter uma dezena de naves em luta, há milhares delas. Isso prejudicou o resultado final, dando aquela sensação de poluição visual. Os caças militares, por essa mesma razão, não parecem reais, mas meras maquetes virtuais. Também não gostei do design dos aliens. A rainha, que pela primeira vez se mostra na franquia, por exemplo, parece uma marionete correndo pelo deserto da Califórnia. O 3D também é outra decepção. Mal feito e escuro. Acredito que pelo mal resultado comercial desse "Independence Day: Resurgence" esse seja realmente o último filme da série, apesar do espaço aberto dentro da trama para novas sequências que muito provavelmente jamais virão. Já não era sem tempo.


Independence Day: O Ressurgimento (EUA, 2016)
Independence Day: Resurgence
Direção: Roland Emmerich
Roteiro: Nicolas Wright, James A. Woods
Elenco: Liam Hemsworth, Jeff Goldblum, Bill Pullman, Vivica A. Fox

Pablo Aluísio.

2 comentários:

  1. Sobre a patriotada: um piloto caipira e bêbado, porém AMERICANO, destrói, sozinho e estoicamente, a nave ultra poderosa dos ETs. Basta para se ler: AMERICANO É FODA!

    ResponderExcluir
  2. Hahahahaha

    Mas é um besteirol americano mesmo...

    ResponderExcluir