sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Livrai-nos do Mal

Título no Brasil: Livrai-nos do Mal
Título Original: Deliver Us from Evil
Ano de Produção: 2014
País: Estados Unidos
Estúdio: Sony Pictures
Direção: Scott Derrickson
Roteiro: Scott Derrickson, Paul Harris Boardman
Elenco: Eric Bana, Édgar Ramírez, Olivia Munn, Sean Harris

Sinopse:
O sargento Sarchie (Eric Bana) descobre haver uma ligação entre eventos macabros que andam acontecendo em sua jurisdição. Primeiro ele se vê diante de um crime horrendo, quando uma mãe joga seu filho em um fosso no zoo da cidade. Depois responde ao pedido de socorro de uma mulher vítima de violência doméstica pois seu marido está manifestando estranhos comportamentos. Por fim encontra um recém-nascido numa lata de lixo numa rua deserta e obscura. Todos os crimes possuem uma ligação em comum, nascida muitos anos antes, ainda na intervenção americana no Iraque. Roteiro baseado em fatos reais.

Comentários:
De uma maneira em geral o filme tenta unir dois gêneros, a dos filmes policiais com terror. O resultado até chega a ser interessante, com bons momentos, mas temos que reconhecer que algo ficou pelo meio do caminho. O enredo de fundo é até curioso. Um grupo de soldados americanos no Iraque descobre o que parece ser uma cripta, onde existe um altar de devoção satânica. Depois desse contato a vida de todos eles muda drasticamente. O tempo passa e então encontramos o policial interpretado por Eric Bana tendo que lidar com eventos misteriosos e sobrenaturais em sua cidade. No começo relutante, acaba aceitando a ajuda do padre jesuíta Mendoza (Édgar Ramírez), que deixa claro a ele que existe a clara  presença do maligno em todos os acontecimentos. Esse personagem é talvez a melhor coisa do filme. Como ele explica em determinado momento, se trata de um ex-viciado em heroína e outras drogas pesadas que decidiu abandonar essa vida dissoluta para se tornar membro da Igreja Católica, se especializando em exorcismos. Ele será o grande trunfo na luta contra um grupo de pessoas que parecem estar realmente possuídas por forças do mal. E por falar em exorcismos, o filme tem um longo ritual de expulsão do demônio numa sala na delegacia que acaba valendo por praticamente todo o resto. Pena que a trama muitas vezes não seja tão bem desenvolvida até chegar nesse clímax  arrebatador. Tipicamente um caso em que a cena final é bem melhor do que o restante do filme. O epílogo deixa a entender que novas sequências podem surgir com a mesma dupla formada pelo tira e o padre. Pensando bem, até que não seria uma má ideia.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Um comentário: