quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Elefante Branco

Título no Brasil: Elefante Branco
Título Original: Elefante Blanco
Ano de Produção: 2012
País: Argentina, Espanha, França
Estúdio: Canal Plus, Canal+ España
Direção: Pablo Trapero
Roteiro: Alejandro Fadel, Martín Mauregui
Elenco: Ricardo Darín, Jérémie Renier, Martina Gusman

Sinopse:
Após passar vários anos como sacerdote católico numa distante cidadezinha da Amazônia, Nicolás (Jérémie Renier), um padre belga, aceita o desafio de ajudar dois colegas numa das mais violentas e pobres periferias de Buenos Aires, Lá o sacerdote europeu toma contato pela primeira vez com a complicada situação da população local, sem ajuda governamental, vivendo com medo no meio de uma verdadeira guerra do tráfico de drogas. Sua missão passa a ser a de salvar o maior número de almas possível naquele verdadeiro inferno na Terra. Filme indicado no Festival de Cannes.

Comentários:
Esse é aquele tipo de filme que você assiste e fica vários dias pensando sobre ele. O roteiro é primoroso e mostra um outro lado da atuação da igreja Católica. Não a das grandes catedrais, nem das grandes questões mundiais tendo o Papa como protagonista. O enfoque aqui é das pequenas e muitas vezes marginalizadas paróquias em regiões extremamente pobres e miseráveis da América Latina. E quando uso a palavra miserável a utilizo no sentido mais amplo possível. Estou me referindo não apenas à pobreza material, mas também à espiritual e de valores. Os três padres protagonistas da estória tentam levar a palavra de Deus a uma região assolada pelas drogas, pela criminalidade e pela falta de esperança. O lugar é dominado por narcotraficantes em guerra uns contra os outros. O crack destrói a juventude e a violência se expande sem encontrar qualquer obstáculo. Além da quase impossível missão dos padres, o filme ainda explora seus dramas pessoais e existenciais, principalmente na figura do sacerdote belga Nicolás (Renier), que não consegue mais esconder o profundo drama interior que vive. Sua crise existencial e de fé aliás levanta mais uma vez o questionamento do celibato católico, pois sendo jovem e bonito acaba despertando o amor de uma jovem da paróquia, colocando em xeque sua posição de padre. Já o padre Julian (Ricardo Darín) é o exemplo de um homem profundamente bem intencionado que não consegue a certa altura lutar contra todas as forças poderosas que lhe afrontam todos os dias, pois o mal sempre parece triunfar naquele ambiente desprovido de tudo. "Elefante Branco" é assim um filme visceral, muito intenso e que traz para todos os brasileiros uma incômoda situação de familiaridade com o enredo, já que acaba nos deixando com aquela sensação de impotência e perplexidade que incomoda bastante. Em minha forma de pensar é uma verdadeira obra prima do cinema argentino.

Pablo Aluísio e Thaís Albuquerque.

Um comentário: