segunda-feira, 12 de junho de 2017

Mulher-Maravilha

De maneira em geral ando meio cansado dessas adaptações de quadrinhos. A DC Comics não tem tido a mesma sorte que a Marvel nesse tipo de transposição de seus personagens para as telas de cinema, mas agora até que se chegou em um bom resultado. O fato é que esse novo filme da "Mulher-Maravilha" surpreende por ser bem acima da média. O roteiro é muito bem escrito, eficiente, mostrando as origens da personagem sem torrar a paciência do espectador, principalmente se ele conhecer apenas superficialmente a personagem principal.

É justamente o meu caso. Conheço muito pouco sobre a Mulher-Maravilha. Até me lembro vagamente da antiga série de TV, mas isso deve valer de pouca coisa. Não sou leitor de quadrinhos e meu conhecimento sobre ela é, para dizer o mínimo, bem básico. Mesmo para o público que pouco conhece sobre essa guerreira amazona chamada Diana, o filme vai funcionar muito bem. Outro ponto que achei bem positivo foi o fato do enredo se passar na I Guerra Mundial. Isso traz muito para o filme em termos de produção, figurinos, cenários, enfim, direção de arte. É uma produção bonita de se ver, com momentos nostálgicos, em boa reconstituição histórica.

A israelense Gal Gadot que interpreta Diana, a Mulher-Maravilha, não é lá uma grande atriz, mas dá conta muito bem do recado, fazendo uma boa caracterização da heroína, uma vez que tem preparo físico e treinamento militar (ela chegou a servir o exército de Israel por dois anos). Personagens em quadrinhos exigem esse tipo de atuação física, acima de tudo, uma vez que a parte dramática sempre fica em segundo plano. Até porque, vamos ser bem sinceros, as publicações da DC Comics não são obras de Shakespeare. O que vale mesmo é ser capaz de fazer as cenas de ação e não fazer feio nos momentos que exigem um pouco mais do trabalho de atriz.

Comercialmente o filme vai muito bem. Já faturou mais de 200 milhões de dólares só nos Estados Unidos, batendo seus principais concorrentes em dois finais de semana seguintes. Pelo visto a Warner Bros agora tem uma nova franquia já que novos filmes certamente virão pela frente. Nem Tom Cruise e sua múmia foram capazes de bater de frente com a amazona guerreira. Assim o cinema ganha mais um blockbuster para os próximos verões. Não é uma má notícia, pelo contrário, pois pelo que se viu nesse primeiro filme a qualidade cinematográfica está garantida. Pode assistir sem receios, seja você um fã ou não de quadrinhos. É um bom filme, diversão garantida.

Mulher-Maravilha (Wonder Woman, Estados Unidos, 2017) Direção: Patty Jenkins / Roteiro: Allan Heinberg, Zack Snyder / Elenco: Gal Gadot, Chris Pine, Robin Wright, David Thewlis, Danny Huston, Elena Anaya / Sinopse: Criada em uma ilha de amazonas guerreiras, Diana (Gadot) descobre que é a filha do poderoso Zeus e que possui a capacidade de enfrentar as demais divindades do Olimpo. Quando ela fica sabendo que há uma grande guerra mundial resolve agir, indo até o centro do conflito para enfrentar Áries, o Deus da Guerra.

Pablo Aluísio.

4 comentários:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★★
    Elenco: ★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★★
    Cotação Geral: ★★★
    Nota Geral: 7.8

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir
  2. A Gal Gadot foi miss Israel, ou seja, é muito linda, etc. Entretendo lhe falta corpo para ser a mulher maravilha idealizada nos quadrinhos. As coxas da Gal são muito finas e ela não tem bunda. A Mulher Maravilha, nos quesitos coxas e bunda, está mais para as brasileiras Juliana Paes e Paola de Oliveira.

    ResponderExcluir
  3. Com a patrulha do politicamente correto as feministas certamente iriam reclamar se a Mulher-Maravilha surgisse gostosa demais. Tempos complicados...

    ResponderExcluir