terça-feira, 4 de novembro de 2014

Mulheres - O Sexo Forte

Título no Brasil: Mulheres - O Sexo Forte
Título Original: The Women
Ano de Produção: 2008
País: Estados Unidos
Estúdio: New Line Cinema
Direção: Diane English
Roteiro: Diane English, Clare Boothe Luce
Elenco: Meg Ryan, Eva Mendes, Annette Bening, Jada Pinkett Smith, Bette Midler, Candice Bergen, Carrie Fisher, Debra Messing 

Sinopse:
A vida parece sorrir para Mary Haines (Meg Ryan). Ela é uma estilista bem sucedida, tem um marido encantador, um filho adorável de 11 anos e uma vida estável e feliz. Pelo menos isso é o que ela pensa ser. Da noite para o dia porém tudo parece desmoronar quando ela descobre que o marido tem um caso escondido com a bela e jovem Crystal Allen (Eva Mendes)! E agora, como lidar com essa situação extremamente delicada? Filme indicado ao prêmio ALMA Awards na categoria de Melhor Atriz Coadjuvante (Eva Mendes).

Comentários:
Uma comédia romântica feita especialmente para o público feminino. Uma produção realizada por elas e para elas. Todos os principais personagens são mulheres que discutem o tempo todo sobre relacionamentos amorosos e os problemas cotidianos que surgem em seus casamentos. Outro dia mesmo escrevi sobre a Margaret Mary Emily Anne Hyra (nossa conhecida Meg Ryan) em um texto e lá falei que ela realmente não tinha conseguido envelhecer com elegância. Uma das provas está aqui. Não que Meg tenha se tornado uma má atriz, longe disso, o problema é que ela fez tantas plásticas em seu rosto que acabou transformando o que era belo e meigo em bizarro e grotesco. Não há como prestar muita atenção em seus diálogos quando se vê algo assim em close na grande tela. Cinema também é imagem e ela perdeu completamente a sua. Para piorar contracena com Annette Bening, uma mulher elegantemente natural e Eva Mendes, na flor de sua beleza jovial. Diante disso os diálogos se tornam secundários, cansativos e as situações repetitivas. A roteirista Diane English tenta aqui pela segunda vez na carreira dirigir um filme, mas no final das contas apenas mostra que falta mais experiência em levar algo assim em frente. Há problemas de ritmo e timing para o enredo. No saldo final só vale mesmo pelo bom elenco feminino reunido e é só.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Um comentário: