sábado, 1 de novembro de 2014

Rush - Uma Viagem ao Inferno

Título no Brasil: Rush - Uma Viagem ao Inferno
Título Original: Rush
Ano de Produção: 1991
País: Estados Unidos
Estúdio: Metro-Goldwyn-Mayer (MGM)
Direção: Lili Fini Zanuck
Roteiro: Kim Wozencraft, Peter Dexter
Elenco: Jason Patric, Jennifer Jason Leigh, Sam Elliott

Sinopse:
Dois policiais da Divisão de Narcóticos de polícia acabam caindo numa armadilha mortal. Ao mesmo tempo em que investigam poderosos grupos criminosos de narcotraficantes se viciam nas drogas colocadas no mercado. Nisso acabam vivendo numa dualidade insuportável para pessoas que deveriam cumprir e fazer cumprir as leis. Afundando cada vez mais em seu vício, o detetive Jim Raynor (Jason Patric) começa a perder o senso de realidade de tudo o que acontece ao seu redor. Filme indicado ao Globo de Ouro na categoria Melhor Canção Original ("Tears in Heaven" de Eric Clapton). Vencedor do Grammy Awards na categoria Melhor Canção do Ano (também com "Tears in Heaven" de Eric Clapton).

Comentários:
Um interessante drama com toques policiais que trata de um tema que infelizmente também acontece na vida real. Aqui não temos a questão da corrupção policial em seu sentido mais comum, a dos subornos e propinas envolvendo homens da lei com o poder financeiro dos traficantes, mas sim uma situação ainda mais grave, a de tiras viciados em drogas. Sempre considerei "Rush" muito subestimado, pois além de apresentar um roteiro original muito bem escrito e trabalhado, temos ainda ótimas atuações, em especial a do ex-galã Jason Patric que se despe de sua imagem para interpretar um policial em frangalhos, caindo no abismo sem fundo da dependência química pesada. Sua parceira Jennifer Jason Leigh também brilha dando vida e voz para a sua personagem Kristen Cates. Sempre considerei Jason Leigh uma das melhores atrizes jovens do cinema americano, mas infelizmente anda bem sumida ultimamente. O roteiro não abre concessões e procura mostrar sem receios a barra pesada de quem não consegue mais sair das armadilhas das drogas. E para completar a produção fecha todo o conjunto com chave de ouro, pois temos aqui uma das melhores trilhas sonoras da década de 1990 para ouvir, contando não apenas com a imortal canção "Tears in Heaven" de Eric Clapton (que se tornou um hit tremendo depois da morte de seu filho, a quem ele dedicou a música), mas também com os mitos Jimi Hendrix e Bob Dylan. Precisa dizer algo a mais? Bastante recomendado, "Rush" é uma daquelas fitas que merecem ser redescobertas.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário