segunda-feira, 6 de março de 2017

Assassin's Creed

Título no Brasil: Assassin's Creed
Título Original: Assassin's Creed
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: Regency Enterprises
Direção: Justin Kurzel
Roteiro: Michael Lesslie, Adam Cooper
Elenco: Michael Fassbender, Marion Cotillard, Jeremy Irons, Charlotte Rampling, Brendan Gleeson
  
Sinopse:
Durante séculos cavaleiros templários e assassinos (um grupo rival) se enfrentam na Europa. Agora eles estão em luta para colocar as mãos em um artefato histórico poderoso, a maçã do Éden, que se acredita ser o mesmo citado no livro do gênesis. Para saber o lugar exato onde foi parar a maçã, os templários criam uma tecnologia inovadora que permite sondar a memória genética dos atuais descendentes dos antigos assassinos.

Comentários:
Mais uma adaptação de games. Como não jogo videogames não conhecia muito bem esse universo de "Assassin's Creed". Assim tudo soou como novidade. Basicamente se trata de uma luta secular entre cavaleiros templários (sim, no filme eles ainda existem e são bem atuantes) e os assassinos. Cal Lynch (Michael Fassbender) é descendente de Aguilar, um notório assassino do passado que sabia onde havia ido parar a tal maçã do Éden. Com o uso da tecnologia ele será analisado geneticamente para sondar as memórias de seu antepassado, ajudando os templários a descobrirem o paradeiro do tal artefato religioso. Lendo assim até parece algo bem interessante nesse nicho de fantasia e aventura. É bom não ir criando muitos expectativas sobre isso. O roteiro é bem vazio, a questão histórica nunca é muito bem explorada e tudo se resume em justificativas para uma série de cenas de ação. Os tais assassinos, por exemplo, nunca explicam direito sua causa. Eles apenas combatem os cavaleiros templários, que por sua vez, querem ter todo o poder do mundo. Michael Fassbender não tem muito o que fazer, a não ser suprir as exigências físicas de seu personagem. O aspecto histórico é desperdiçado e esse é apenas um dos problemas do filme. Com locações passadas em antigos monumentos religiosos da Espanha, era de se esperar que o filme tivesse uma fotografia mais bonita, mas os produtores trocaram as belezas naturais pelo simples uso da computação gráfica (parecendo mais um game do que um filme de verdade). No fim tudo se torna bem cansativo, ainda mais porque o diretor Justin Kurzel optou por fazer um filme longo demais, absurdamente enrolativo. Filmes baseados em games precisam de agilidade, porque esse não é um público acostumado a filmes lentos e parados. Além disso o público alvo desse filme não tem a interatividade própria dos games, o que piora ainda mais a situação. Enfim, é isso. Só recomendo para gamers e adolescentes. Se por acaso você estiver em busca de algo histórico, esqueça! Esse filme não terá nada para lhe oferecer.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

5 comentários:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★
    Elenco: ★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★
    Cotação Geral: ★★
    Nota Geral: 6.4

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir
  2. Pablo... seriam esses os sinais do apocalipses? Finalmente chegamos ao vértice dos tempos e vai haver um reboot? Não sei como isso é pra você, mas pra mim nada mais faz sentido. Veja um treplica que fiz em Um Limite Entre Nós que você verá que para mim está difícil me adequar as novas formas de pensar e viver.

    ResponderExcluir
  3. Como diz o ditado não existem mais novidades no front.... Se isso é um sinal ou não, sinceramente, não sei dizer.

    ResponderExcluir
  4. O que as pessoas atualmente se recusam a entender é que Templários, Mações e similares tiveram sua importância como falanges solidárias que definiam destino de nações do século 19 para trás. Nos últimos tempos, como dizia um amigo meu quando eu falava que tinha ido jantar numa reunião dos Rotaryanos, (Rotary Club) "ah, reunião com os JANTARIANOS?". É isso, um jantar de dez mil reais, para conseguir duas cadeiras de rodas para os necessitados. Da pra levar a sério essa gente hoje em dia?

    ResponderExcluir