segunda-feira, 20 de março de 2017

A Grande Muralha

O enredo é simples e direto. O estrangeiro William (Matt Damon) chega nas muralhas da China após ser perseguido por bandoleiros a bandidos. Uma vez diante da enorme construção ele resolve se render para o exército do grande império chinês. Dentro das suas enormes fortificações, ele descobre que a região está prestes a ser atacada por criaturas monstruosas, que caçam e matam seres humanos com ferocidade. William quer descobrir o segredo de uma nova arma, a pólvora, e logo cerra fileiras ao lado dos chineses para combater a perigosa ameaça que está chegando! Para enfrentar as feras eles usarão de todos os tipos de táticas de guerra, algumas bem conhecidas e outras pouco usuais. Basicamente é isso, um filme de monstros sendo combatidos aos pés da grande muralha chinesa.

Eu estava muito equivocado em relação a esse filme. Pensava se tratar de um épico sobre a construção da Muralha da China. Algo histórico, com grandes cenas de batalhas entre os antigos povos da China e a força da cavalaria mongol! Que nada! O filme não passa de uma aventura bem juvenil feita para o público pré-adolescente e até mesmo infantil. Tudo é extremamente fantasioso (o enredo se passa em um universo de fantasia) onde a grande muralha não fora construída para deter as invasões do império Mongol, mas sim para defender o Império chinês de monstros místicos que a cada sessenta anos surgem para lembrar aos imperadores que sua ganância de poder deve ter limites! Uma lição para ser relembrada com violência e mortes de tempos em tempos.

Achei esse argumento realmente fraco! Tudo mero pretexto para ataques e mais ataques dessas criaturas que, é bom frisar, me lembraram demais os mesmos monstros do filme "Kong - A Ilha da Caveira". É praticamente o mesmo modelo de besta feroz, com poucas mudanças de design. A semelhança chega a causar embaraço e constrangimento! Pelo visto resolveram usar o mesmo programa de computação gráfica e o mesmo desenho de criação do outro filme, o que não deixa de ser um aspecto muito negativo, ainda mais que ambos os filmes estrearam praticamente no mesmo mês. Os efeitos digitais, que deveriam ser um grande atrativo, assim perde parte de sua força pela falta de originalidade! Como estava esperando por algo mais, digamos, sério, a decepção foi ainda maior por causa do tipo de filme que acabei encontrando. Nos Estados Unidos o filme não foi muito bem recebido pelo público que não pareceu muito interessado em seu tema. Ao custo de 150 milhões de dólares, o filme só conseguiu ter uma bilheteria morna até agora com 21 milhões em seus primeiros dias de exibição. Muito fraco para uma super produção como essa. No mercado internacional rendeu apenas 40 milhões, ou seja, caminha para dar um grande prejuízo ao estúdio.

A crítica também não gostou do resultado, mas os produtores desse filme não parecem muito preocupados com o mercado ocidental, mas sim com as bilheterias chinesas! Isso mesmo, o filme foi feito para o mercado cinematográfico da China, por isso temos aqui um roteiro que vai soar familiar para quem acompanha os filmes de fantasia feitos em Hong Kong, onde se mesclam com toneladas de efeitos digitais gratuitos, que nem sempre são muito convincentes, um enredo mais simples, dirigido principalmente para os jovens entre 11 a 15 anos de idade! Como é feito para o mercado Made in China não espere por nada que venha sequer arranhar a imagem do povo e governo chinês. Todos os personagens chineses são heroicos, altamente íntegros, inclusive as mulheres que aqui ganham uma nova função - a de guerreiras voadoras! (Não é brincadeira!). O elenco americano é todo dispensável pois eles no final não fazem nenhuma grande diferença. São descartáveis mesmo! É muito complicado entender como Matt Damon preferiu atuar nesse fraco filme ao invés de estrelar "Manchester à Beira Mar", filme que foi produzido especialmente para ele atuar. Acabou dando o Oscar para Casey Aflleck, enquanto Damon afundou nessa produção megalomaníaca e vazia. Uma péssima escolha. Enfim, só indicaria mesmo o filme para um público adolescente. Os mais velhos certamente ficarão decepcionados com o resultado aqui apresentado.

A Grande Muralha (The Great Wall, Estados Unidos, China, Hong Kong, 2016) Direção: Yimou Zhang / Roteiro: Carlo Bernard, Doug Miro / Elenco: Matt Damon, Willem Dafoe, Pedro Pascal, Tian Jing, Hanyu Zhang, Lu Han / Sinopse: Dois estrangeiros se empenham, ao lado dos chineses, na luta contra monstros que atacam a grande muralha da China a cada 60 anos! William (Matt Damon), um mercenário no passado, acaba descobrindo os verdadeiros valores que devem nortear a vida de um verdadeiro guerreiro honrado.

Pablo Aluísio.

Um comentário:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★
    Elenco: ★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★
    Cotação Geral: ★★
    Nota Geral: 6.0

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir