quinta-feira, 3 de março de 2016

Oscar 2016: Sylvester Stallone - Creed

Todos esperavam a premiação de Sylvester Stallone com esse Oscar. Seria muito mais do que uma premiação de Melhor Ator Coadjuvante, seria a premiação pelo conjunto da obra, pela carreira dele. Stallone havia sido premiado pelo Globo de Ouro, a verdadeira prévia do Oscar, então era meio óbvio que também seria premiado na noite de domingo. Não foi. Mark Rylance levou o prêmio por "Ponte de Espiões". Foi outra surpresa desse Oscar 2016, que ainda causa efeitos. Ele não era o favorito, poucos em Hollywood o conheciam.

Não quero aqui desmerecer o trabalho de Mark Rylance. Ele interpreta o espião russo que é pego em flagrante pelo serviço secreto americano. Levado a julgamento, passa a ser defendido pelo advogado idealista interpretado por Tom Hanks. Sua interpretação é muito introspectiva. Lá está aquele pequeno homem, de aspecto frágil, calvo e magro, já bem velho, tendo que enfrentar a máquina judiciária americana que está pronta para lhe destroçar nos tribunais. Todos clamam pela condenação à pena capital, à pena de morte. Agora vamos a um pouco de verdade. Ninguém sai do cinema impressionado pela interpretação de Rylance. Ele não dá margem a isso. Seu trauma psicológico é sugerido, não explicitado. A verdade é que ele é um ator de formação teatral, de palco, que raramente participa de filmes. Não merecia o prêmio.

Já Stallone foi durante anos e anos um verdadeiro pilar comercial do cinema americano. Desde 1977 ele não era indicado ao Oscar. Naquele ano ele foi louvado por ser um anônimo que havia vencido todos os problemas decorrentes de sua origem humilde para se consagrar no filme "Rocky, Um Lutador", um enredo ficcional que tinha muito a ver com a própria vida de Stallone. Depois disso Stallone começou uma carreira fulminante, de muito sucesso e também de muitas críticas. Stallone foi durante anos o maior salário de Hollywood, ao mesmo tempo em que se tornava o maior premiado pela Framboesa de Ouro (que elege os piores todos os anos). Muitos de seus filmes foram grandes sucessos de bilheteria, mas massacrados pela crítica especializada. Stallone sempre foi adorado pelo público, mas odiado pelos críticos. Seu estilo físico de interpretação era sempre motivo de chacotas.

Isso pesa numa hora dessas. O Oscar nada mais é do que uma votação onde os tais melhores do ano são eleitos pelas próprias pessoas que fazem parte da indústria, entre eles muitos jornalistas. Essas pessoas, queiram ou não, são formadoras de opiniões. Embora seja muito querido por seus colegas de classe, os atores, nem sempre eles se entendem direito numa premiação como essa. Assim Stallone foi engolido pelo mar de matérias e críticas ruins de todos aqueles anos. Por isso não venceu. Foi injusto? Em minha opinião, sem dúvida, mas o que o valor justiça tem a ver com o Oscar? Praticamente nada.

Pablo Aluísio.

2 comentários:

  1. "mas o que o valor,a justiça tem a ver com o Oscar? Praticamente nada." E eu também pergunto "que valor tem o Oscar?" e respondo: praticamente nada e ainda, em grande parte das vezes, enterra a carreira de quem o recebe como Halle Barry, Hilary Swank, Ben Kingsley e até o italiano Roberto Benigni, etc. então, o Stallone está bem.

    ResponderExcluir
  2. O Oscar é uma festa midiática para inflar egos de artistas que já são egomaníacos por natureza.

    ResponderExcluir