quarta-feira, 2 de março de 2016

Spotlight: Segredos Revelados

Quando foi anunciado o Oscar de Melhor Filme para Spotlight muita gente ficou surpresa. O filme não era o favorito e não havia vencido em categorias fundamentais como Melhor Direção, Ator ou Fotografia - prêmios esses que tradicionalmente são dados para o vencedor do grande prêmio da noite. Assim foi quebrada uma tradição de longa data pela Academia. O roteiro (que inclusive venceu o Oscar de Melhor roteiro original) explora uma história baseada em fatos reais. Um pequeno grupo de jornalistas de um jornal de Boston começa a investigar diversos casos (que inicialmente pareciam isolados) de abusos sexuais de padres em relação a crianças da região. Depois que as investigações avançam eles descobrem que se trata de algo maior e mais complexo, que pode inclusive ter sido acobertado por altas autoridades da igreja, envolvendo até mesmo o cardeal da cidade. Nesse aspecto a estrutura da narrativa me lembrou bastante de "Todos os Homens do Presidente" - apenas saiu de cena um escândalo envolvendo a Casa Branca para dar lugar ao furacão de casos envolvendo pedofilia dentro da Igreja Católica, tudo descoberto por esses jornalistas investigativos. Cinematograficamente falando porém não há como comparar os dois filmes. O agora clássico filme da década de 70 é infinitamente superior e mais bem realizado. Esse aqui é, sendo bem sincero, apenas mediano.

Talvez o problema central de "Spotlight" seja justamente esse. Sem dúvida se trata de um bom filme, bem escrito e tudo mais, porém afirmar que esse é o melhor filme do ano já é um exagero absurdo! Se formos pensar nos últimos vinte anos do Oscar, acredito que esse seja um dos mais fracos vencedores da categoria de melhor filme. Não vai levantar ninguém da cadeira do cinema e nem tampouco se tornará marcante com o passar dos anos. Certamente a força da história é o seu grande trunfo, mas tirando isso de lado sobra pouca coisa. De certa maneira é um filme burocrático demais para ser tão premiado. O diretor Tom McCarthy não mostra a que veio. Não há inovações em termos de narrativa e nada de muito especial em relação ao seu elenco. Liev Schreiber está esquisito, pouco natural. Ele interpreta um editor judeu que não quer apenas denunciar os casos de abusos, mas sim destruir o próprio sistema religioso da Igreja. Com voz forçada e falta de expressões faciais, sua atuação é quase caricatural. Outro que está muito esquisito é Mark Ruffalo. Ele conseguiu arrancar uma indicação de melhor ator coadjuvante (não sei como!), mas é outro que foi superestimado. Cheio de maneirismos, caretas e um estranho comportamento corporal, acaba chamando a atenção pelos motivos errados. No fim das contas quem se sai bem mesmo é Michael Keaton, mostrando mais uma vez que nem sempre o exagero é um bom caminho a se seguir. Ele está contido e acaba ofuscando todos os demais. Econômico e eficiente em sua atuação. O roteiro captura um momento em que a imprensa de papel (os chamados jornais impressos) começavam a entrar na grave crise que até hoje se encontram, levando vários desses jornais tradicionais à beira da falência. Isso porém é também pouco explorado. Assim "Spotlight" definitivamente não deveria ter levado o Oscar de Melhor Filme. Foi um exagero por parte da Academia. Penso que em pouco tempo ele será esquecido. É muito mediano para se destacar mais do que já conseguiu. Não terá posteridade histórica em termos cinematográficos.

Spotlight: Segredos Revelados (Spotlight, EUA, 2015) Direção: Tom McCarthy / Roteiro: Josh Singer, Tom McCarthy / Elenco: Mark Ruffalo, Michael Keaton, Rachel McAdams, Stanley Tucci, Liev Schreiber / Sinopse: Um novo editor judeu de um tradicional jornal de Boston resolve colocar um grupo de jornalistas investigativos em cima de suspeitas de casos de pedofilia envolvendo padres da cidade. Roteiro baseado em fatos reais. Filme vencedor do Oscar na categoria de Melhor Filme e Melhor Roteiro Original. Também indicado nas categorias de Melhor Ator Coadjuvante (Mark Ruffalo), Melhor Atriz Coadjuvante (Rachel McAdams), Melhor Edição e Direção (Tom McCarthy).

Pablo Aluísio e Júlio Abreu. 

3 comentários:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★★
    Elenco: ★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★★
    Cotação Geral: ★★★
    Nota Geral: 7.2

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir
  2. Pablo: eu já vi o Liev Schreiber ser o Orson Wells numa biografia feita pra a TV, ser o Ray Donovan na série e agora esse editor judeu no Spotlight. Bom ele é uma cara bacana, na serie Ray Donovan convence como o cara durão, etc., mas tem uma coisa: é sempre o mesmo, mal comparado é o Fernanda Montenegro do cinema americano.

    Curiosidade: Ai tem; na série Ray Donovan, ele e o irmão também foram abusados sexualmente por um padre, e este padre acaba morrendo pelas mãos do Ray.

    ResponderExcluir
  3. Eu assisti poucos episódios de Ray Donovan. Atualmente estou em uma pausa com a série. Agora aqui em "Spotlight: Segredos Revelados" o Liev parece travado! Só não consegue ser pior do que Mark Ruffalo! Imagine que fui atrás de referências na internet sobre o jornalista real interpretado por ele. Queria saber se o sujeito tinha algum problema físico ou mental ou alguma coisa do tipo. Não tinha. Mark Ruffalo só está bizarro mesmo em cena.

    ResponderExcluir