segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Frank Sinatra - Kings Go Forth

O filme em questão se chama "Kings Go Forth" (no Brasil recebeu o título de "Só Ficou a Saudade"). Durante muitos anos Hollywood se perguntou quando Sinatra retornaria aos filmes de guerra, ou melhor colocando, aos dramas de guerra. Isso porque o cantor havia sido laureado com o Oscar por "A Um Passo da Eternidade", filme que se notabilizou justamente por consagrar esse gênero. Assim todos esperavam pelo aguardado retorno de Sinatra a esse tipo de produção.

A espera acabou em 1958 com essa fita dirigida pelo cineasta Delmer Daves. Embora fosse mesmo especialista em faroestes, Daves aceitou o convite de Sinatra para dirigir essa adaptação da novela de Joe David Brown. As comparações com "A Um Passo da Eternidade" embora óbvias, são também injustas. Fica claro desde o começo que Sinatra está apenas preocupado em atuar bem, contar uma boa história (que foi parcialmente inspirada em fatos reais) e nada muito além disso. Para elevar um pouco as pretensões um ótimo elenco de apoio foi formado, mas mesmo assim podemos perceber bem que Sinatra não está pretendendo ganhar outro Oscar ou nada parecido com isso. Se sua intenção era apenas estrelar um bom filme de guerra, com toques dramáticos e romance, bom, ele certamente cumpriu aquilo que pretendia.

Quando o filme começa já encontramos o tenente Sam Loggins (Sinatra) e seus homens andando pelo interior da França que naquele momento estava sendo ocupada por forças aliadas após a dominação nazista. Eram soldados de libertação e por isso por onde passavam eram saudados pela população. A sorte para aqueles soldados era que eles foram designados para ocupar o sul do território francês, uma região em que já não havia mais tropas alemãs para combater. Um lugar realmente paradisíaco, com lindas praias e mulheres bonitas, todas prontas para se relacionarem com os militares americanos. Para Sam não poderia existir lugar melhor para se estar numa guerra daquelas. Entre uma volta e outra pelas bonitas paisagens ele acaba encontrando a bela Monique Blair (Natalie Wood), filha de pai americano, mas que mora na França desde que nasceu. 

Não demora muito e o tenente interpretado por Sinatra logo se apaixona por ela. O romance porém terá suas dificuldades, principalmente por causa das origens da garota (algo que vai deixar muita gente de cabelo em pé nos dias de hoje) e uma insuspeita antipatia entre ele e o cabo Britt Harris (Tony Curtis), filho de um rico empresário, boa pinta e metido a galã, conquistando as garotas francesas locais por onde passa. Ele vem para ser o operador de rádio, mas isso não faz com que Sinatra tenha maiores simpatias por ele, muito pelo contrário. 

Enfim, é justamente em cima desse trio de protagonistas que o roteiro se desenvolve. Tudo muito bem realizado, com ótimo entrosamento de todo o elenco. Sinatra, com seu estilo natural de interpretação, se encaixa muito bem na proposta do filme. Uma produção de sua carreira que prova mais uma vez que se ele não era um ator grandioso, pelo menos tinha o talento inegável de saber escolher bem os roteiros nos quais iria trabalhar. 

Leia mais sobre "Só Ficou a Saudade" clicando aqui! 

Pablo Aluísio.

4 comentários:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★★
    Elenco: ★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★★
    Cotação Geral: ★★★
    Nota Geral: 7.8

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir
  2. Pablo, porque será que o Frank Sinatra se deu tão bem no cinema e o Elvis não. Claro que tem o fato do Sinatra ser obviamente um ator melhor, mas o Elvis era mais o tipão do astro de cinema da época. O que será que foi definitivo no destino tão diferente deste dois extraordinários cantores no cinema em que um se deu tão bem e o outro quase destruiu a carreira de cantor tentando ser ator?

    ResponderExcluir
  3. Frank Sinatra tinha uma personalidade forte. Quando os estúdios ofereciam uma porcaria de filme para Sinatra estrelar ele dizia não! Elvis aceitava. Frank não tinha nenhum empresário que o dominasse, Elvis tinha o Coronel Parker.

    ResponderExcluir