segunda-feira, 17 de julho de 2017

O Povo Contra Larry Flint

Título no Brasil: O Povo Contra Larry Flint
Título Original: The People vs. Larry Flynt
Ano de Produção: 1996
País: Estados Unidos
Estúdio: Columbia Pictures
Direção: Milos Forman
Roteiro: Scott Alexander, Larry Karaszewski
Elenco: Woody Harrelson, Courtney Love, Edward Norton, Crispin Glover, Brett Harrelson, Donna Hanover

Sinopse:
Para superar seus problemas financeiros um pequeno comerciante chamado Larry Flynt (Woody Harrelson) resolve investir no ramo da pornografia, considerada até aquele momento um crime pelo Estado. Ao longo dos anos ele conseguirá erguer uma verdadeira indústria em cima disso, porém ao mesmo tempo terá também que travar longas batalhas judiciais, em penosos processos contra seus empreendimentos.

Comentários:
A duras penas o empresário Larry Flynt construiu o império Hustler, uma empresa focada em revistas de mulheres nuas e pornografia. Ele foi um pioneiro, o que significou também que precisou se defender nos tribunais dos ataques dos setores mais puritanos e conservadores da sociedade americana. Esse filme procurou contar parte de sua história, em especial seu envolvimento e conturbado relacionamento com Althea Leasure (Courtney Love), uma stripper, prostituta e viciada em drogas. Essa personagem foi "interpretada" (entre aspas mesmo, pois foi quase uma incorporação de si mesma em cena) de Courtney Love, a eterna viúva de Kurt Cobain do Nirvana. Seu estilo naturalmente decadente, imoral e escandaloso caiu muito bem no papel que interpretou. Mesmo elogiando ainda achei um pouquinho exagerada a indicação de Love ao Globo de Ouro de Melhor Atriz. Aí acho que forçaram um pouco a barra. Já seu parceiro Woody Harrelson dá verdadeiro show de atuação. Falando como um caipira como Flynt ele rouba a cena, chegando inclusive a ser indicado ao Oscar por sua atuação. O filme aliás foi indicado a dois prêmios, o outro foi para o diretor Milos Forman que em minha opinião sempre foi um dos mais talentosos cineastas que passaram por Hollywood. E o fato dele dirigir outra cinebiografia aqui só engrandeceu o resultado como um todo. Enfim, excelente produção que disseca os podres de um país prestes a abraçar a liberdade de expressão em todos os seus segmentos, até mesmo naqueles considerados os piores imagináveis.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

5 comentários:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★★★
    Elenco: ★★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★★★
    Cotação Geral: ★★★★
    Nota Geral: 8.4

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir
  2. O Larry Flint ficou paraplégico porque neste país, os EUA, matar com tiros na cabeça em séries e filmes é super legal, mas sexo, vaginas ou simplesmente mulheres nuas é um pecado a ser punido até com a morte. Quem consegue entender?
    Sobre o filme: é bom pra quem tem estomago forte; a coisa não é bonita nem idílica. É um soco no estomago.

    ResponderExcluir
  3. Complementando: deram um tiro de fuzil e pegou na coluna do Larry Flint e o aleijou para sempre. Isso aconteceu, se não me engano, na frente do prédio da Suprema Corte.

    ResponderExcluir
  4. O filme é pesado, tenta demonstrar uma certa ternura, mas é que aquela coisa: o mundo em que Larry vive é totalmente decadente.

    ResponderExcluir