quinta-feira, 6 de abril de 2017

A Vigilante do Amanhã

Título no Brasil: A Vigilante do Amanhã
Título Original: Ghost in the Shell
Ano de Produção: 2017
País: Estados Unidos
Estúdio: DreamWorks Pictures
Direção: Rupert Sanders
Roteiro: Jamie Moss
Elenco: Scarlett Johansson, Juliette Binoche, Michael Pitt, Pilou Asbæk, Takeshi Kitano, Chin Han
  
Sinopse:
O roteiro é baseado nos quadrinhos de Shirow Masamune. A Major Motoko Kusanagi (Scarlett Johansson) é uma andróide utilizada por uma corporação para defender seus interesses. Quando um grupo de cientistas é morto em sequência, tendo todos eles participado do mesmo projeto de construção de seres robóticos, ela precisa descobrir quem estaria por trás dos crimes.

Comentários:
Esse filme é uma adaptação para o cinema de um conhecido mangá dos anos 90. Como não sou consumidor desse tipo de publicação (que tem um público bem específico e especializado nesse tipo de quadrinhos), tudo me foi apresentado pela primeira vez nesse filme. O visual é ao estilo ficção cyberpunk, um tipo de subgênero que foi bem popular entre a segunda metade dos anos 80 e a primeira metade dos anos 90. Sempre considerei filmes, livros e quadrinhos desse tipo como herdeiros tardios de "Blade Runner" e até mesmo "Mad Max". Nesse tipo de universo as ruas das grandes cidades são caóticas, sombrias, infestadas de poluição visual (algo que é bem destacado no design de produção desse filme). A tecnologia, que fora criada para salvar a humanidade, acaba se tornando sua principal inimiga. A protagonista é uma das vítimas. Ela procura por respostas, de onde veio, quais são suas origens, pois tudo o que sabe é que sua composição física é uma simbiose entre a máquina e o ser humano. Até que gostei do filme. Ele não será considerado uma obra prima no futuro, mas tem elementos suficientes para manter o interesse do espectador, principalmente no drama existencial da Major interpretada por Scarlett Johansson. A atriz está bem em cena, porém é impossível ignorar o fato dela ser uma americana interpretando uma personagem japonesa, o que por si só já é um erro. É claro que ela só foi escalada por motivos puramente comerciais. No geral é um bom passatempo, com bons efeitos especiais. Não sei se o público que conhece e consome o mangá original gostará do resultado. Porém para o cinéfilo que estiver em busca apenas de uma boa diversão não haverá o que reclamar.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

3 comentários:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★★
    Elenco: ★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★★
    Cotação Geral: ★★★
    Nota Geral: 7.2

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir
  2. Pablo, em se tratando da Scarlett, se a colocarem como Mongol em algum filme pra mim está bem. Que corpo e que sensualidade tem essa atriz!

    ResponderExcluir
  3. Pois é... Nesse filme aqui quiseram forçar uma barra, dando uma imagem de japonesa a ela, mas não colou... rsrs

    ResponderExcluir