quinta-feira, 13 de abril de 2017

Brad Pitt - Primeiros Filmes

A primeira vez que ouvi falar em Brad Pitt foi por causa de sua participação no filme "Thelma & Louise" de 1991. Ele interpretava um jovem com chapéu de cowboy chamado J.D. Não havia nada de especial em sua "interpretação", na verdade Pitt chamou a atenção do público feminino mesmo por causa de sua beleza e sensualidade. Como o roteiro do filme explorava duas mulheres que tinham decidido deixar suas vidas chatas de donas de casa para trás, correndo em busca de aventuras, o bonitão vivido por Pitt representava antes de mais nada essa liberdade sexual recentemente recuperada por elas.

O fato porém é que esse não foi o primeiro papel do ator no cinema. Ele havia estreado bem antes, ainda nos anos 80, aparecendo em filmes como "Hunk - Um Pacto dos Diabos", "Atraídos Pelo Perigo" e "Abaixo de Zero". Em nenhum deles chegou nem perto de atrair a atenção do público. Suas participações eram nulas, muitas vezes seus "personagens" sequer tinham nomes. Em "Hunk" ele apareceu nos créditos como "O Rapaz na Praia", ou seja, nada muito promissor ou importante. Como todo jovem ator em Hollywood, Pitt precisou ralar um bocado para alcançar seu lugar ao sol.

Como havia muitos testes todos os dias para arranjar um trabalho, Pitt acabou indo parar até mesmo na série "Dallas" onde interpretou um jovem chamado Randy. Aparecer em Dallas foi bem importante para ele, principalmente para se tornar mais conhecido de agentes, diretores e produtores. A TV porém não era bem aquilo que ele procurava, por isso sua participação se limitou a apenas quatro episódios exibidos em 1987 no canal ABC. Depois disso Brad Pitt ainda trabalhou na televisão por cachês que seguravam sua barra como em "Anjos da Lei" e até mesmo "A Hora do Pesadelo", série feita para a televisão baseada nos famosos filmes de terror. Nada porém parecia dar muito certo ou colher bons frutos para sua carreira.

Sua sorte só mudou mesmo com Thelma & Louise. Esse filme foi realmente o divisor de águas em sua filmografia. Após bastante tempo estrelando séries, telefilmes e filmes sem grande importância, ele teve sua chance de aparecer para os grandes estúdios. Essa produção foi considerada uma das mais bem sucedidas daquele ano e apesar de ser estrelada pelas atrizes  Susan Sarandon e Geena Davis, todos só falavam da pequena e importante participação de Brad Pitt nas telas. O ator então vendo um bom momento em sua carreira trocou de agente e passou a fazer parte de uma agência bem importante de Los Angeles. Seus novos agentes prometiam oportunidades em grandes filmes que estavam sendo produzidos. Um novo horizonte finalmente se abria para Brad naquele começo dos anos 90.

Depois de chamar a atenção com "Thelma & Louise" os produtores lançaram no mercado um estranho filme que Brad Pitt havia estrelado chamado "Johnny Suede". Esse filme chegou a ser lançado no Brasil, em VHS, mas pouquíssimas pessoas assistiram. Era uma produção nonsense, com pretensões de se tornar cult, trazendo Pitt interpretando um personagem com um imenso topete (de fazer inveja a Elvis e James Dean). O roteiro era fraco e o filme como um todo não fazia muito sentido. Mesmo assim, visando principalmente ganhar algum proveito em cima da fama do ator, acabou sendo lançado, mas sem causar maior interesse tanto do público como da crítica. Em 1992 Brad Pitt estrelou outro filme que era bem fora dos padrões chamado "Mundo Proibido". Essa produção misturava cenas com atores reais e desenhos animados. Era de certa forma uma nova versão mais pobre e sem os mesmos recursos do sucesso "Uma Cilada Para Roger Rabitt". A protagonista era uma versão animada da atriz Kim Basinger, que fazia de tudo para copiar a sensual Jessica Rabbit. O filme não deu certo, foi fracasso de público e crítica, justamente por não ser nada original. Nem o clima de fim noir, que o diretor tentou imprimir à direção de arte, ajudou. Hoje em dia é uma produção que poucos conhecem, sendo praticamente desconhecida.

Curiosamente por essa época Brad Pitt fez dois trabalhos na TV americana. Um deles foi o telefilme "Histórias Insólitas", que trazia um daqueles roteiros com pequenas histórias diferentes, como se fossem contos literários adaptados para as telas. Nesse filme tínhamos enredos explorando pistoleiros do velho oeste a combatentes da I Guerra Mundial. Brad Pitt interpretou um personagem chamado Billy no segmento "King of the Road". Esse filme nunca foi lançado no Brasil, nem nos tempos das locadoras de vídeo. E isso apesar de ter sido dirigido pelos excelentes cineastas Richard Donner e Tom Holland. Também desconheço qualquer exibição em canais a cabo no Brasil. Pelo visto segue sendo inédito. O interessante é que esse mesmo filme foi relançado depois dentro da série "Contos da Cripta", esse sim lançado em vídeo no Brasil, porém de forma incompleta, o que deixou de fora "King of the Road". justamente aquele em que Pitt atuava. Apesar de tudo, Brad sentia que sua carreira estava demorando demais para decolar. Desde 1988 quando havia surgido pela primeira vez em "Anjos da Lei" ele procurava por uma saída, algum projeto que o lançasse finalmente no cinema. Sua impaciência chegaria ao fim ainda nesse ano de 1992, quando ele finalmente recebeu uma grande proposta para atuar em um filme classe A de Hollywood. Algo que vamos tratar no próximo texto. Até lá!

Pablo Aluísio.

3 comentários:

  1. Drama & Romance
    Os Filmes de Brad Pitt - Parte 1
    Todos os direitos reservados.

    ResponderExcluir
  2. Como uma estória de duas mulheres com vidas fracassadas, segundo e ótica feminista do filme, que se jogam em uma viagem fadada a tragédia e que termina com um duplo suicídio pode ter feito tanto sucesso, e ainda por cima alavancado a carreira de um bom ator e de um dos maiores galãs (um paradigma de beleza) de Hollywood, é um verdadeiro mistério.

    ResponderExcluir
  3. Concordo.

    Thelma e Louise não tem nada demais.

    Seu roteiro não tem lá uma mensagem muito correta...

    Principalmente por causa da cena final.

    ResponderExcluir