domingo, 28 de setembro de 2014

Challenger

Em 28 de Janeiro de 1986 o ônibus espacial Challenger explodiu poucos minutos após decolar para mais uma missão. O desastre foi transmitido ao vivo para todo mundo e causou grande comoção popular, principalmente pela morte dos seis astronautas a bordo, entre eles uma professora primária  que estava no projeto como uma forma de integrar os projetos da NASA ao sistema educacional do país. Assim que o ônibus ficou em pedaços a administração do presidente Ronald Reagan iniciou uma investigação sobre as causas do acidente. Um comitê foi formado, contando com especialistas, militares e burocratas. Como opinião independente foi contactado o prêmio Nobel de física, Richard Feynman (William Hurt), provavelmente o único grande cientista do grupo. Para seu desapontamento logo que as investigações começam ele percebe que há uma clara tentativa de jogar uma cortina de fumaça em cima dos fatos reais. Um jogo de bastidores envolvendo grupos e indústrias com contratos milionários com o governo americano. O presidente da comissão (interpretado pelo sempre bom ator Brian Dennehy), parece caminhar em círculos sem real intenção de descobrir o que de fato teria acontecido, até porque a verdade certamente iria ao encontro de interesses poderosos em Washington.

Bom filme, valorizado pelo enredo mais do que interessante. Baseado em fatos reais mostra bem o choque que nasce quando a ciência ousa decifrar verdades que vão contra os interesses políticos e financeiros de pessoas poderosas. Curiosamente nos mostra uma realidade que nós, brasileiros, pensamos só existir em nosso país - sempre assolado por casos de corrupção nas altas esferas governamentais. Na investigação da explosão da Challenger também surgiu muita lama e tentativas de acobertamento sobre os reais motivos da grande tragédia. O personagem de William Hurt, um professor e cientista renomado, busca a verdade sem saber que nem sempre ela é bem vinda em certos meios. A produção é muito boa, mas não espere por nada muito empolgante. A intenção desse filme foi mesmo desvendar as sujeiras que aconteceram durante as investigações do acidente, tudo mostrado com riqueza de detalhes. Assim o espectador terá em mãos uma bela amostra do que realmente aconteceu nos bastidores, mostrando que a velha fama da NASA em ser uma agência impecável e extremamente eficiente do ponto de vista científico muitas vezes não passa de puro marketing.

Challenger (The Challenger, Estados Unidos, Inglaterra, 2013) Direção: James Hawes / Roteiro: Kate Gartside / Elenco: William Hurt, Joanne Whalley, Bruce Greenwood / Sinopse: O filme narra em detalhes tudo o que aconteceu durante as investigações da explosão do ônibus espacial Challenger, que matou seis astronautas. O professor Richard Feynman (William Hurt), membro do comitê de investigação, anseia pela verdade, mas interesses poderosos tentam camuflar o que de fato aconteceu. Filme vencedor do prêmio da Royal Television Society.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

2 comentários:

  1. Pablo:

    Para mim que tinha nove anos quando o homem foi a lua pelo programa da Nasa, custa a acreditar que hoje em dia os astronautas americanos tem que viajar de caronapara o esapço justamente com os astronautas russos que perderam a corrida espacial. E a tal carona se deve a problemas de dinheiro dos americanos! Imagina se eu tivesse dormido em 1969 e acordado agora ia achar que estava em uma realidade paralela de tão absurda.

    ResponderExcluir
  2. A corrida militar destruiu a corrida espacial. O dinheiro foi totalmente gasto em invasões de países cheios de fanáticos religiosos. A ciência levou uma rasteira da religião, novamente.

    ResponderExcluir