quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Um Verão Para Toda Vida

Título no Brasil: Um Verão Para Toda Vida
Título Original: December Boys
Ano de Produção: 2007
País: Austrália
Estúdio: Australian Film Finance Corporation (AFFC)
Direção: Rod Hardy
Roteiro: Ronald Kinnoch
Elenco: Daniel Radcliffe, Teresa Palmer, Lee Cormie

Sinopse:
O filme é baseado no romance de Michael Noonan e mostra a vida de quatro órfãos que deixam o seu orfanato para desfrutar férias à beira-mar. Um boato sobre dois dos residentes da região, que possivelmente gostariam de adotar um dos órfãos provoca tensão e ansiedade entre eles. Filme vencedor do prêmio Australian Writers' Guild na categoria de Melhor Roteiro Adaptado. Também vencedor do Giffoni Film Festival na categoria de Melhor Filme.

Comentários:
Uma das situações mais complicadas na vida de um ator marcado por um personagem muito famoso é um dia se livrar dele. Que o diga Christopher Reeve que, apesar de ser extremamente talentoso, jamais se livrou do estigma de ter interpretado o Superman em quatro filmes no cinema. Desafio semelhante passa Daniel Radcliffe que vai sofrer ainda por muitos anos para se desvencilhar do personagem Harry Potter. Uma tentativa aconteceu com essa pequena produção australiana. Entre os filmes "Harry Potter e a Ordem da Fênix" e "Harry Potter e o Enigma do Príncipe" o ator aceitou o convite de dar vida a um rapaz comum, vivendo e passando por experiências de amizade e amor em sua adolescência. É um filme despretensioso mesmo, sem qualquer objetivo além de contar uma boa estória que se tornará familiar para muita gente, pois é baseado em eventos simples, cotidianos, que podem acontecer (ou aconteceram) na vida de qualquer jovem daquela idade. A produção foi rodada nas belas praias e paisagens de Adelaide, então não é nenhum esforço assistir ao filme. Provavelmente você esquecerá dele poucas semanas após ter assistido, mas mesmo assim vale a diversão de ver Radcliffe tentando se desgarrar um pouquinho de seu mais marcante personagem, o bruxinho Harry Potter.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Um comentário: