sábado, 19 de maio de 2018

The Beatles - With The Beatles - Parte 1

A primeira composição de George Harrison a entrar em um álbum dos Beatles foi justamente essa gravação de "Don't Bother Me" que ouvimos nesse disco. Claro que com os anos George iria melhorar muito em termos de melodia e letra, mas aqui já demonstra bons sinais de seu talento. Não é uma grande canção, diria que é até mesmo uma criação básica, mas que serviu para quebrar o gelo. Além disso trazia em sua letra aspectos da própria personalidade do "Beatle quieto", afinal uma música que tinha uma mensagem de "Não me perturbe" não poderia ser mais característica do Beatle. Enquanto Paul sempre trazia o lado mais romântico e otimista e John surgia com o rock mais ácido e pessimista, George fazia contrabalanço aos dois, tentando aparecer e se esconder ao mesmo tempo no meio dos dois gênios.

"All My Loving" provavelmente seja uma das canções mais populares desse álbum. Embora muitos a associem a Paul exclusivamente, essa foi uma criação a quatro mãos, com Paul e John trocando ideias face a face. Claro que a letra foi criada quase que exclusivamente por McCartney, baseada em seu relacionamento com a atriz Jane Asher, porém John apareceu dando importantes dicas no desenvolvimento da melodia em si. Para John a canção tal como fora apresentada pela primeira vez por Paul nos estúdios Abbey Road ainda não tinha o pique necessário. Foi John então que a acelerou um pouco, trazendo mais vida para a música. Ficou excelente após a colaboração de Lennon. George Martin decretou após ouvir o primeiro ensaio: "É isso, está perfeita, vamos gravar!".

Voltando para a letra seria interessante dar uma olhada em seus versos: "Feche os olhos e eu te beijarei / Amanhã sentirei sua falta / Lembre-se que sempre serei verdadeiro / E quando eu estiver longe / Vou te escrever todo dia / E mandar todo meu amor pra você / Vou fingir que estou beijando / Os lábios dos quais sinto falta / E torcer para meus sonhos virarem realidade".

Eu poderia classificar esse tipo de sentimento presente na letra como um amor adolescente, algo que poderia ter sido escrito por um colegial apaixonado pela garota da escola. Não estou escrevendo isso para desmerecer Paul como letrista, mas sim para salientar como é também arriscado escrever canções de amor para o público jovem. Paul, como bem demonstrou o sucesso da balada, acabou acertando em cheio. Até porque o público dos Beatles por essa época era formado basicamente por jovens histéricas que gritavam pelos membros do grupo nos shows. Foi justamente para essas fãs que Paul escreveu essas palavras. Nada mais complicado do que captar o sentimento dessas garotas em versos e melodia.

Pablo Aluísio.

3 comentários:

  1. Beatles
    With The Beatles
    Pablo Aluísio.

    ResponderExcluir
  2. Pablo:

    Agora pouco eu estava ouvindo She Loves You no rádio do carro e analisando a letra e a canção como um todo e percebi que quando falamos de Beatles há uma conjunção de elementos em ação que torna as suas músicas especiais. Um desses elementos é a vocalização: eles tem uma forma de fazer as harmonias vocais que deixa tudo muito bonito. Eu estava os ouvido cantando uma frase juntos em uníssono e somente no final dessa frase ele passam para um dueto com uma voz em 5ª, aí vem o refrão e eles o fazem as vozes em 1ª, 3ª e 5ª, depois vão para um solo. Era muito capricho pra uma banda de rock. Por isso são o que são.

    ResponderExcluir
  3. Os Beatles eram muito bons nisso. As primeiras gravações, as primeiras músicas, já demonstram a genialidade da dupla Lennon e McCartney. E eles eram tão jovens nessa época! Imagine, em um tempo em que nem era tão comum gravar material próprio, eles arriscavam e colocavam suas músicas nos álbuns.

    ResponderExcluir